IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE"

Transcrição

1 1 IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE AUDIÊNCIA PÚBLICA OUTRAS INFORMAÇÕES SMTR SMO Rio de Janeiro Janeiro 2010

2 Agenda 2 Introduçao Concepção do Sistema Características Gerais do Sistema Terminais e Estações Características dos Veículos Vantagens do BRT Projeto viário Principais Intervenções viárias a serem implantadas

3 Cenário Atual Transporte Coletivo Zona Oeste - Barra da Tijuca (eixo Av. das Américas) 3 Estimativa de Passageiros/ dia transportados: TRANSPORTE COLETIVO (ÔNIBUS) TRANSPORTE ESPECIAL COMPLEMENTAR (VANS)

4 Implantação de Sistema de Transporte Coletivo BRT TRANSOESTE 4 BRT Modo de transporte coletivo sobre pneus, combinando estações, veículos, serviços, vias e elementos de sistema inteligente de transporte (ITS) em um sistema integrado

5 Agenda 5 Introduçao Concepção do Sistema Características Gerais do Sistema Terminais e Estações Características dos Veículos Vantagens do BRT Projeto viário Principais Intervenções viárias a serem implantadas

6 A concepção geral do sistema é... 6 de um corredor fechado com as seguintes características: Sistema Tronco - Alimentado, com estação no canteiro central e com ônibus com porta à esquerda Totalmente segregado do tráfego geral, com interrupções nos cruzamentos BRT composto por linhas: expressa e paradora Estações com plataforma para embarque em nível com os ônibus Pagamento de tarifa e validação do bilhete nas estações e terminais, visando minimizar o tempo de embarque/desembarque dos passageiros e aumentar a velocidade comercial do sistema Controle da operação através do monitoramento de GPS

7 A concepção geral do sistema é... 7 de um corredor fechado com as seguintes características: Servido por linhas de ônibus alimentadoras : Linhas Alimentadoras: linhas interligando o Corredor central com os bairros localizados na área de influência do traçado; Racionalização de linhas e serviços Integração entre corredores de BRT s Melhorias na acessibilidade Frequência otimizada (menor tempo de espera, sem congestionamentos)

8 Agenda 8 Introduçao Concepção do Sistema Características Gerais do Sistema Terminais e Estações Características dos Veículos Vantagens do BRT Projeto viário Principais Intervenções viárias a serem implantadas

9 Planta Geral de Infraestrutura Viária da Cidade 9 BRT Transoeste

10 Para efeitos de apresentação, o BRT TRANSOESTE foi dividido em três segmentos, com características distintas. 10 Segmentos Segmento 1: Entre Jardim Oceânico e Terminal Alvorada. Segmento 2 : EntreTerminal Alvorada e Recreio. Segmento 3: Entre Recreio (Túnel da Grota Funda) e Estrada da Pedra. O BRT TRANSOESTE se desenvolverá pela Av. das Américas nos 3 segmentos, sendo uma faixa por sentido exclusiva do BRT, com ultrapassagem nas estações.

11 O Segmento 1 inicia no Terminal Tijucamar e segue até o Terminal Alvorada, numa extensão aproximada de 7 km. 11 Características Estrutura associada: Terminal Tijucamar 08 estações Terminal Alvorada Características urbanas: Área consolidada com elevado adensamento

12 O Segmento 2 inicia no Terminal Alvorada seguindo até o final do Recreio, numa extensão aproximada de 17 km. 12 Características Estrutura Associada: Terminal Alvorada 18 estações Características urbanas: Área em expansão do processo de adensamento

13 O Segmento 3 inicia no Recreio seguindo até a Estrada da Pedra, numa extensão aproximada de 16 km. 13 Características Estrutura Associada 4 estações Terminal Estrada da Pedra Características urbanas: Área com baixo adensamento

14 14 O projeto viário permite a ultrapassagem junto às estações, de forma a permitir a oferta de serviços de ônibus expressos. SEÇÃO TIPO NO CORREDOR T5 Seção tipo no BRT TRANSOESTE Seção SEÇÃO tipo TIPO no NO local LOCAL DA da ESTAÇÃO estação O corredor de ônibus apresenta uma faixa por sentido ao longo de todo o trecho, com duas faixas por sentido nas estações

15 Agenda 15 Introduçao Concepção do Sistema Características Gerais do Sistema Terminais e Estações Características dos Veículos Vantagens do BRT Projeto viário Principais Intervenções viárias a serem implantadas

16 Ilustração da Estação Padrão 16

17 Os terminais possuirão características arquitetônicas adequadas às peculiaridades locais, garantindo a fluidez e a segurança dos usuários. 17

18 18 O projeto das estações permite a combinação de módulos de tal forma que seja possível, nas estações duplas, a parada simultânea de até 3 ônibus em cada sentido... O projeto das estações facilita o transbordo dos passageiros

19 19 E nas estações simples, a parada simultânea de 2 ônibus por sentido.

20 As estações possuirão características arquitetônicas adequadas às peculiaridades locais, inclusive no que se refere ao conforto térmico. 20

21 Os pontos de integração para as linhas alimentadores serão padronizados e localizados visando minimizar as distâncias de caminhada dos passageiros. 21

22 Agenda 22 Introduçao Concepção do Sistema Características Gerais do Sistema Terminais e Estações Características dos Veículos Vantagens do BRT Projeto viário Principais Intervenções viárias a serem implantadas

23 Em princípio, o veículo padrão das linhas tronco (expressa e paradora) deverá ser do tipo articulado, para acomodar um maior número de passageiros por ônibus. 23 Características dos ônibus articulados As linhas tronco são operadas com ônibus dotados de: portas no lado esquerdo piso elevado a 90 cm do solo capacidade para 160 passageiros sem catraca interna

24 Agenda 24 Introduçao Concepção do Sistema Características Gerais do Sistema Terminais e Estações Características dos Veículos Vantagens do BRT Projeto viário Principais Intervenções viárias a serem implantadas

25 Vantagens de implantação do BRT TRANSOESTE 25 Racionalização do sistema com a redução do número de ônibus em circulação Redução da emissão de poluentes, em função da racionalização do sistema e adoção de tecnologia mais moderna Localizado em área com tendência de adensamento populacional e de empregos Geração de benefícios econômicos, sociais e ambientais através da reorganização do sistema de transporte público Redução dos tempos de viagens do usuário Ampliação da operação do sistema de transporte coletivo, segundo a lógica de rede de transportes

26 Agenda 26 Introduçao Concepção do Sistema Características Gerais do Sistema Terminais e Estações Características dos Veículos Vantagens do BRT Projeto viário Principais Intervenções viárias a serem implantadas

27 27 Projeto Viário Canal do Rio Morto para Estrada da Pedra 1/10

28 28 Projeto Viário Canal do Rio Morto para Estrada da Pedra 2/10

29 29 Projeto Viário Canal do Rio Morto para Estrada da Pedra 3/10

30 30 Projeto Viário Canal do Rio Morto para Estrada da Pedra 4/10

31 31 Projeto Viário Canal do Rio Morto para Estrada da Pedra 5/10

32 32 Projeto Viário Canal do Rio Morto para Estrada da Pedra 6/10

33 33 Projeto Viário Canal do Rio Morto para Estrada da Pedra 7/10

34 34 Projeto Viário Canal do Rio Morto para Estrada da Pedra 8/10

35 35 Projeto Viário Canal do Rio Morto para Estrada da Pedra 9/10

36 Projeto Viário Canal do Rio Morto para Estrada da Pedra - 10/10 36

37 Agenda 37 Introduçao Concepção do Sistema Características Gerais do Sistema Terminais e Estações Características dos Veículos Vantagens do BRT Projeto viário Principais Intervenções viárias a serem implantadas

38 Informações das Obras para implantação do BRT 38 Extensão total 32 km com 1 faixa exclusiva para o BRT por sentido e pelo menos 2 faixas para o tráfego em geral Pavimento a ser restaurado m 2 Pavimento a ser implantado m 2 Volume de aterro a ser implantado m 3 Infraestrutura das estações a serem implantadas 30 estações

39 Informações das Obras para implantação do BRT 39 Obras de arte especiais a serem implantadas m (8 O.A.E.) Extensão de túnel a ser implantado m Interseções a serem alteradas 13 interseções (8 O.A.E.+ 2 T.A. + CTEx + Matriz + Magarça) Nova Iluminação a ser implantada postes Prazo de execução 720 dias

40 Duplicação da Ponte sobre a Av. Ver. Alceu de Carvalho 40

41 Duplicação da Ponte sobre a Av. Ver. Alceu de Carvalho 41 Extensão total 120,00 m Pavimento a ser restaurado 1.440,00 m 2 Pavimento a ser implantado 1.440,00 m 2 Volume de aterro a ser implantado 265,00 m 3 Nova Iluminação a ser implantada 10 postes

42 TUNEL da GROTA FUNDA com 2 Galerias 42

43 TUNEL da GROTA FUNDA com 2 Galerias 43 Extensão total 2.200,00 m Pavimento a ser implantado ,00 m 2 Volume de escavação em rocha ,00 m 3 Nova Iluminação a ser implantada 220,00 luminarias Revestimento em concreto projetado ,00 m 3

44 44 Duplicação da Av.das Américas entre Salvador Allende e Est.da Pedra

45 45 Duplicação da Av.das Américas entre Salvador Allende e Est.da Pedra Extensão total 16 km Pavimento a ser restaurado ,00 m 2 Pavimento a ser implantado ,00 m 2 Volume de aterro a ser implantado ,00 m 3 Nova Iluminação a ser implantada 1.100,00 postes

46 Elevação da Av.das Américas na interseção com a Salvador Allende e Benvindo de Novaes 46

47 Elevação da Av.das Américas na interseção com a Salvador Allende e Benvindo de Novaes Extensão total 480,00 m 47 Pavimento a ser restaurado 5.000,00 m 2 Pavimento a ser implantado 3.500,00 m 2 Volume de aterro a ser implantado 4.300,00 m 3 Nova Iluminação a ser implantada 20 postes

48 48 IMPLANTACAO VIARIA PARA CORREDOR EXCLUSIVO DE ONIBUS,LIGANDO SANTA CRUZ A BARRA DA TIJUCA - BRT TRANSOESTE AUDIÊNCIA PÚBLICA MUITO OBRIGADO. OUTRAS INFORMAÇÕES SMTR SMO Rio de Janeiro Janeiro 2010

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT

de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sistema IntegradodeTransporte de porônibus de Belo Horizonte Projeto BRT Do sistema tronco alimentado convencional aos corredores de BRT Sumário Premissas e condicionantes do Projeto Conceito e características

Leia mais

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE

SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE SISTEMA BRT AV. JOÃO NAVES DE ÁVILA CORREDOR ESTRUTURAL SUDESTE Inicialmente, o que é BRT? O BRT (Bus Rapid Transit), ou Transporte Rápido por Ônibus, é um sistema de transporte coletivo de passageiros

Leia mais

Macro. Localização. Corredor T5. Terreno. Taquara. Largo da Taquara Pechincha. Freguesia. Curicica Cidade de Deus. Anil. Camorim.

Macro. Localização. Corredor T5. Terreno. Taquara. Largo da Taquara Pechincha. Freguesia. Curicica Cidade de Deus. Anil. Camorim. Realização Localização Localização Macro Taquara Largo da Taquara Pechincha Terreno Freguesia Curicica Cidade de Deus Linha Amarela Anil Camorim Av. Emb. Abelardo Bueno Itanhangá Avenida das Américas Recreio

Leia mais

Evolução do congestionamento

Evolução do congestionamento Evolução do congestionamento Crescimento populacional estável Taxa de motorização crescente 2025 2005 Surgimento de novos pólos de atração de viagens Deslocamentos na cidade Rede de transporte para 2016

Leia mais

SEMINÁRIO COPA DO MUNDO 2014 PROJETOS, RUMOS E PERPECTIVAS

SEMINÁRIO COPA DO MUNDO 2014 PROJETOS, RUMOS E PERPECTIVAS SEMINÁRIO COPA DO MUNDO 2014 PROJETOS, RUMOS E PERPECTIVAS MOBILIDADE URBANA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE TRANSPORTES REDE ESTRUTURAL DE TRANSPORTES DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo

Transporte Coletivo: Chegando mais rápido ao futuro. Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo Repensar Mobilidade em Transporte Coletivo As Cidades mudaram População mudou A Economia mudou Os Meios de Transportes mudaram E nós? Ainda pensamos igual ao passado? Em TRANSPORTE COLETIVO chega-se ao

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana. O Brasil vai continuar crescendo MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana O Brasil vai continuar crescendo O Brasil vai continuar crescendo PAVIMENTAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DE VIAS URBANAS MINISTÉRIO

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO SOBRE PNEUS DEZEMBRO 2013 DENSIDADE DE EMPREGOS ÁREA CENTRAL Plano Diretor 2013 Referências Trata da política de transporte e mobilidade urbana integrada com

Leia mais

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública

Companhia do Metropolitano do Distrito Federal. Audiência Pública Companhia do Metropolitano do Distrito Federal Audiência Pública Expansão da Linha I do Metrô-DF (Samambaia, Ceilândia e Asa Norte) e modernização do sistema Objetivo da Audiência Pública Dar início aos

Leia mais

- Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP Linha 5 e Santiago Linha 4 (gabarito médio) - CMSP e CMRJ - Carros Novos (gabarito largo)

- Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP Linha 5 e Santiago Linha 4 (gabarito médio) - CMSP e CMRJ - Carros Novos (gabarito largo) CUSTOS COMPARATIVOS ENTRE SISTEMAS DE TRANSPORTE Nestor S. Tupinambá set/2004 1 COMPARAÇÃO DOS DIFERENTES MODOS Vamos usar dados dos seguintes Metrôs - Metrovias - Buenos Aires (gabarito estreito) - CMSP

Leia mais

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS

AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS AVENIDA DONA BELMIRA MARIN MELHORAMENTOS E ALARGAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CORREDOR DE ÔNIBUS OPORTUNIDADES PROMOVER ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA VIÁRIO E ALÍVIO DOS VOLUMES DE TRÁFEGO IMPORTANTE VIA ESTRUTURAL.

Leia mais

EVENTO. IV Encontro de Qualidade e Tecnologia do Transporte Urbano. Palestra: Multimodalidade na Mobilidade. Data: 01/12/2009

EVENTO. IV Encontro de Qualidade e Tecnologia do Transporte Urbano. Palestra: Multimodalidade na Mobilidade. Data: 01/12/2009 EVENTO IV Encontro de Qualidade e Tecnologia do Transporte Urbano Palestra: Multimodalidade na Mobilidade Data: 01/12/2009 APRESENTAÇÃO DUPLICAÇÃ ÇÃO O DO ANEL VÁRIO V DE FORTALEZA PONTE DO COCÓ DUPLICAÇÃO

Leia mais

Mapa dos Corredores Estruturais

Mapa dos Corredores Estruturais Mapa dos es Estruturais Industrial Umuarama Norte Oeste Dona Zulmira Central Leste Novo Mundo Planalto Sudoeste Jardins Sul Sudeste Santa Luzia Universitário Anéis Oeste Planalto Norte Dona Zulmira Sudoeste

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA

AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA AUDIÊNCIA PÚBLICA PROJETOS DE INFRAESTRUTURA Junho/2015 O que é BRT? O que é BRT? 1) Faixas ou vias separadas e exclusivas Guangzhou (China) O que é BRT? 2) Tratamento prioritário nas interseções Cidade

Leia mais

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU

Mobilidade. Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana. Prefeitura de Nova Iguaçu SEMTMU Mobilidade Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana Prefeitura de Nova Iguaçu Principais Ações Criação do Centro de Operações de Nova Iguaçu CONIG 76 câmeras Principais Ações Centralização

Leia mais

A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BRASIL RESULTADO DA PESQUISA REALIZADA PELO GT INTEGRAÇÃO DA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA DA ANTP

A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BRASIL RESULTADO DA PESQUISA REALIZADA PELO GT INTEGRAÇÃO DA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA DA ANTP A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS DE TRANSPORTE PÚBLICO DO BRASIL RESULTADO DA PESQUISA REALIZADA PELO GT INTEGRAÇÃO DA COMISSÃO METROFERROVIÁRIA DA ANTP 1ª ETAPA A INTEGRAÇÃO NOS SISTEMAS METROFERROVIÁRIOS OPERADORAS

Leia mais

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade

As Olimpíadas. e a Conquista da Cidade. e a Conquista da Cidade Legado Urbano e Ambiental Ações Prioritárias: rias: - Reordenamento do espaço o urbano - Integração do sistema de transporte - Despoluição e controle ambiental - Reabilitação de áreas centrais degradadas

Leia mais

URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. Av. Presidente Affonso Camargo, 330 CEP 80060-090 Curitiba PR E-mail: urbs.curitiba@avalon.sul.com.

URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. Av. Presidente Affonso Camargo, 330 CEP 80060-090 Curitiba PR E-mail: urbs.curitiba@avalon.sul.com. URBANIZAÇÃO DE CURITIBA S.A. Av. Presidente Affonso Camargo, 330 CEP 80060-090 Curitiba PR E-mail: urbs.curitiba@avalon.sul.com.br Tel: 55-41-320 3232 Fax: 55-41-232 9475 PLANEJAMENTO, GERENCIAMENTO E

Leia mais

Curitiba, 2015 REALIZAÇÃO: APOIO:

Curitiba, 2015 REALIZAÇÃO: APOIO: Curitiba, 2015 Daniela Facchini, Diretora de Mobilidade Urbana Cristina Albuquerque, Coordenadora de Mobilidade Urbana Mariana Barcelos, Analista de Mobilidade Urbana Desenvolvido pelo WRI Brasil Cidades

Leia mais

SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 SEPLAN SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 SEPLAN SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO SEPLAN TRANSPORTE COMO CHAVE PARA O SUCESSO DA COPA DE 2014 AGENDA ESTRATÉGIA PERSPECTIVAS ECONÔMICAS MATRIZ DE RESPONSABILIDADES MONOTRILHO CONSIDERAÇÕES FINAIS ESTRATÉGIA Concepção Planejamento Execução

Leia mais

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes

PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE. Jilmar Tatto. Secretário municipal de transportes PAINEL 1 GERENCIAMENTO DA DEMANDA NO TRANSPORTE Jilmar Tatto Secretário municipal de transportes GERENCIAMENTO DA DEMANDA DIRETRIZES DA POLÍTICA DE MOBILIDADE URBANA E TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO SÃO PAULO

Leia mais

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC

CORREDOR METROPOLITANO VEREADOR BILÉO SOARES NOROESTE - RMC ESTRUTURA ORGANIZACIONAL ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTADO DE SÃO PAULO REGIÕES METROPOLITANAS A EMTU é Responsável pelo gerenciamento do transporte coletivo intermunicipal metropolitano RMC RMVP RMBS - 1,8 milhão

Leia mais

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro

BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro BRT Transoeste: transformando o conceito de transporte público no Rio de Janeiro Richele Cabral 1 ; Eunice Horácio S. B. Teixeira 1 ; Milena S. Borges 1 ; Miguel Ângelo A. F. de Paula 1 ; Pedro Paulo S.

Leia mais

Brasília - Brasil Maio de 2006

Brasília - Brasil Maio de 2006 Brasília - Brasil Maio de 2006 Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções Propostas Avanço das Atividades Tratamento Viário Diagnóstico Início Diagnóstico Objetivos do Programa Intervenções

Leia mais

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte

Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte I Seminário Nacional de Política Urbana e Ambiental Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Brasil Brasília abril 2016 Mobilidade e Políticas Urbanas em Belo Horizonte Tiago Esteves Gonçalves da Costa ESTRUTURA

Leia mais

Aspectos das vias principais

Aspectos das vias principais Aspectos das vias principais ALMIRANTE BARROSO CENTRO AUGUSTO MONTENEGRO INDEPENDÊNCIA Estrutura viária legal Circulação viária FROTA DE BELÉM ALMIRANTE BARROSO Circulação viária - Pico da manhã Carregamento

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SANTA CATARINA CURITIBA ATÉ A DIVISA DE

RELATÓRIO MENSAL SANTA CATARINA CURITIBA ATÉ A DIVISA DE RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: SANTA CATARINA EXTENSÃO: AUTOPISTA PLANALTO SUL BR-116/PR/SC CURITIBA ATÉ A DIVISA DE 412,700 KM RIO NEGRO PR FEVEREIRO DE 2015 1 ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO

Leia mais

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro

Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Programa de Integração e Mobilidade Urbana da Região Metropolitana do Rio de Janeiro Waldir Peres Superintendente Agência Metropolitana de Transportes Urbanos São Paulo Setembro de 2011 Plano Geral Rio

Leia mais

Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro. Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras

Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro. Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras Obras de Mobilidade Urbana no Município da Cidade do Rio de Janeiro Alexandre Pinto Secretario Municipal de Obras BRTs Criado no Brasil e exportado para diversas cidades, tais como Bogotá, Pequim e Johanesburgo,

Leia mais

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A.

SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. SÃO PAULO TRANSPORTE S.A. Transporte Público: Origens, Evolução e Benefícios Sociais do Bilhete Único 05/04/2005 Antecedentes Bilhetagem Automática 1974: Metrô de São Paulo bilhete magnético Edmonson Seguem-se:

Leia mais

MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO

MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO MOBILIDADE REGIÃO METROPOLITANA DO RIO DE JANEIRO METRÔ LINHA 4 BARRA DA TIJUCA-IPANEMA A Linha 4 do Metrô do Rio de Janeiro é a maior obra de infraestrutura urbana em execução na América Latina. METRÔ

Leia mais

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE

DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE DISCIPLINAMENTO DA CIRCULAÇÃO DE VEÍCULOS DE CARGA CENTRO HISTÓRICO DE PORTO ALEGRE Diagnóstico Perturbações na fluidez Grandes dimensões Manobras lentas Raio de giro restrito Remoção difícil em caso de

Leia mais

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S.

A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão. Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. A importância da mudança modal para tirar São Paulo da contramão Autora: Arqta. Melissa Belato Fortes Co-autora: Arqta. Denise H. S. Duarte Objeto da pesquisa Relação entre adensamento, multifuncionalidade

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA A COPA Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

INFRAESTRUTURA PARA A COPA Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte INFRAESTRUTURA PARA A COPA 2014 Obras de Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Agosto/2011 Programa de Mobilidade Urbana AÇÃO Prazo de execução obras nº meses Início Conclusão Obra Desapropriação BRT Antonio

Leia mais

Rede de transporte em 2010

Rede de transporte em 2010 Mobilidade Carioca Rede de transporte em 2010 trem metrô Rede de transporte em 2012 trem metrô BRT Rede de transporte em 2014 trem metrô BRT Rede de transporte em 2016 trem metrô BRT VLT Rede de transporte

Leia mais

PREFEITURA DE GOIÂNIA

PREFEITURA DE GOIÂNIA ANEXO III CORREDORES EXCLUSIVOS CORREDORES EXCLUSIVOS, definidos na Figura 3 Sistema de Transporte Coletivo, são vias dotadas de pistas exclusivas para a circulação dos ônibus, localizados no eixo central

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DAS OBRAS PÚBLICAS

ACOMPANHAMENTO DAS OBRAS PÚBLICAS ACOMPANHAMENTO DAS OBRAS PÚBLICAS Órgão / entidade SMO/CGO Coordenadoria Geral de Obras Datas das 1ª e 2ª visitas 03/04/2012 e 03/05/2012 Contrato selecionado Contrato nº 117/2011 Implantação da Transcarioca

Leia mais

Prefeitura implanta novo serviço do BRT Transcarioca a partir desta segunda-feira, dia 9

Prefeitura implanta novo serviço do BRT Transcarioca a partir desta segunda-feira, dia 9 Prefeitura implanta novo serviço do BRT Transcarioca a partir desta segunda-feira, dia 9 Horário do parador Tanque - Alvorada também será ampliado A Prefeitura do Rio, por meio da Secretaria Municipal

Leia mais

Sistema de ônibus na Cidade do Rio de Janeiro

Sistema de ônibus na Cidade do Rio de Janeiro Sistema de ônibus na Cidade do Rio de Janeiro 05/setembro/2013 Transporte Coletivo no País 1º Ciclo 1908 a 1960 Pioneiros 2º Ciclo 1960 a 2010 Consolidação Organização Intervenção CTC 3º Ciclo Futuro dos

Leia mais

ESTRUTURAÇÃO DE TERMINAIS DE INTEGRAÇÃO EM SISTEMAS DE TRANSPORTE URBANO DE PASSAGEIROS

ESTRUTURAÇÃO DE TERMINAIS DE INTEGRAÇÃO EM SISTEMAS DE TRANSPORTE URBANO DE PASSAGEIROS ESTRUTURAÇÃO DE TERMINAIS DE INTEGRAÇÃO EM SISTEMAS DE TRANSPORTE URBANO DE PASSAGEIROS Maria Helena Stagi Hossmann Vania Barcellos Gouvêa Campos ESTRUTURAÇÃO DE TERMINAIS DE INTEGRAÇÃO EM SISTEMAS DE

Leia mais

TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO

TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO TARIFA DO METRÔ DE SÃO PAULO A COMPANHIA DO METROPOLITANO DE SÃO PAULO - METRÔ A Companhia do Metropolitano de São Paulo - Metrô foi constituída no dia 24 de abril de 1968; Hoje, o Metrô de São Paulo possui

Leia mais

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015

SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 SEINFRA SECRETARIA DE ESTADO DE INFRAESTRUTURA JUNHO/2015 Corredores de Ônibus Manaus: Atendem três condicionantes: 1) Plano de Estruturação da Malha Viária do Governo do Estado do Amazonas; 2) Demanda

Leia mais

EMPREENDIMENTO DO VLT

EMPREENDIMENTO DO VLT SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano Voltado à prestação do serviço de transporte público coletivo na Região Metropolitana da Baixada Santista RMBS Comitê técnico II - Desenvolvimento Socioeconômico,

Leia mais

Fabio Villas Bôas. Jardim das Perdizes, São Paulo

Fabio Villas Bôas. Jardim das Perdizes, São Paulo Fabio Villas Bôas Jardim das Perdizes, São Paulo O que é um bairro sustentável? Sustentabilidade a partir dos bairros Conceito: escala ideal para acelerar a implantação Portland: algumas iniciativas Anos

Leia mais

SECRETARIA DE TRANSPORTES

SECRETARIA DE TRANSPORTES SECRETARIA DE TRANSPORTES Major Events Grandes Eventos 2013 Copa das Confederações 2013 Jornada Mundial da Juventude Católica 2014 Copa do Mundo de Futebol 2016 Jogos Olímpicos Soluções de Mobilidade para

Leia mais

LICITAÇÃO DO STPP/RMR. Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB

LICITAÇÃO DO STPP/RMR. Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB Municípios: 14 População: 3.690.547 hab Área: 2.768,45 km 2 ARAÇOIABA SÃO LOURENÇO DA MATA MORENO 49.205 189 90.402 277 15.108 90 CABO DE SANTO AGOSTINHO

Leia mais

ANEXO II DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO RIO DE JANEIRO

ANEXO II DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO RIO DE JANEIRO ANEXO II DIRETRIZES PARA A REESTRUTURAÇÃO DO TRANSPORTE COLETIVO DO RIO DE JANEIRO 1. Perspectiva para o Sistema de Transporte Futuro 1.1. Introdução 1.2. Definições 2. Política Tarifária 3. Tecnologias

Leia mais

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO

AS VIAS DE COMUNICAÇÃO 1ENGENHARIA O PROJECTO (I) O Projecto corresponde à preparação da realização depois de decidido o que é que se quer fazer (planeamento); especifica-se como é que se vai fazer (resolvendo problemas que

Leia mais

POLÍTICA DE MOBILIDADE

POLÍTICA DE MOBILIDADE POLÍTICA DE MOBILIDADE POLITICA DE MOBILIDADE + PRIORITÁRIO 1º PEDESTRES ACESSO À CIDADE 2º CICLISTAS PRIORIDADES: 3º TRANSPORTE PÚBLICO TRANSPORTE COLETIVO - PRIORITÁRIO 4º 5º TRANSPORTE DE CARGA AUTOMÓVEIS

Leia mais

Eliminação do pagamento da tarifa. em dinheiro no interior dos ônibus. caso de Ribeirão Preto

Eliminação do pagamento da tarifa. em dinheiro no interior dos ônibus. caso de Ribeirão Preto Eliminação do pagamento da tarifa em dinheiro no interior dos ônibus caso de Ribeirão Preto Ribeirão Preto Ribeirão Preto São Paulo Município Urbana Área 651 km² 275 km² População (IBGE/2014) 658 mil 655

Leia mais

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE

INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Capítulo 1 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRANSPORTE Tecnologia dos Transportes 2 SISTEMAS DE TRANSPORTE E SOCIEDADE De extrema importância para o desenvolvimento de uma sociedade O desenvolvimento está diretamente

Leia mais

PENSAR BRASÍLIA. TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo. Brasília/DF, 30 de agosto de 2012. Secretaria de Transportes - DF

PENSAR BRASÍLIA. TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo. Brasília/DF, 30 de agosto de 2012. Secretaria de Transportes - DF PENSAR BRASÍLIA TRANSPORTE COLETIVO DO DF Ações do Governo Brasília/DF, 30 de agosto de 2012 GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL GOVERNO PARA O DISTRITO FEDERAL Postura de Estado. Visão > Eixo de Desenvolvimento

Leia mais

Bus Rapid Transit. Possui desempenho e conforto semelhante aos sistemas sobre trilhos, mas com custo entre 4 a 20 vezes. menor;

Bus Rapid Transit. Possui desempenho e conforto semelhante aos sistemas sobre trilhos, mas com custo entre 4 a 20 vezes. menor; 1 BRT MANAUS 2 Bus Rapid Transit O BRT é um sistema de transporte com alta capacidade e baixo custo que utiliza parte segregada da infraestrutura viária existente e opera por controle centralizado, permitindo

Leia mais

SERVIÇO BRT ROCK IN RIO

SERVIÇO BRT ROCK IN RIO SERVIÇO BRT ROCK IN RIO Km total: 15 km em faixa exclusiva (BRT Transcarioca). Velocidade comercial estimada: 30 km/h Tempo de ciclo: 15 min de ida e 15 min de volta Capacidade do veículo: em média 180

Leia mais

Mobilidade e Meio Ambiente. 3ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte

Mobilidade e Meio Ambiente. 3ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte Mobilidade e Meio Ambiente 3ª Reunião do Observatório da Mobilidade Urbana de Belo Horizonte DESAFIO FOMENTAR O DEBATE SOBRE A TEMÁTICA MOBILIDADE E MEIO AMBIENTE A PARTIR DE ALGUMAS PERGUNTAS Plano Diretor

Leia mais

PREFEITO LUCIANO DUCCI

PREFEITO LUCIANO DUCCI Câmara dos Deputados Comissão de Desenvolvimento Urbano Curitiba PREFEITO LUCIANO DUCCI Mobilidade Urbana Cléver Ubiratan Teixeira de Almeida Presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de

Leia mais

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo

Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Bicicleta, Ciclista e a Infraestrutura Cicloviária Município de São Paulo Características das Viagens de Bicicleta no Município de São Paulo Sou + De Bicicleta Viagens por Modo de Transporte Fonte: Pesquisa

Leia mais

CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO

CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO CORREDOR METROPOLITANO ITAPEVI SÃO PAULO Autor: Engº Roberto Carlos Fazilari Chefe do Departamento de Implantação de Obras da EMTU/SP, Gestor de Projeto do Plano de Expansão do Governo do Estado de São

Leia mais

M T E RO R P O A P S A S

M T E RO R P O A P S A S Política Tarifária e Aspectos SISTEMA Tecnológicos da Bilhetagem Eletrônica METROPASS 10a. Semana de Tecnologia Metroviária Setembro 2004 SISTEMA ATUAL DE ARRECADAÇÃO Bilhetes Edmonson 30 anos de operação

Leia mais

SECRETARIA DE TRANSPORTES

SECRETARIA DE TRANSPORTES XIII CONFERÊNCIA DAS CIDADES CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO TRANSPORTE E INTEGRAÇÃO SOCIAL TELEFÉRICO DO COMPLEXO DO ALEMÃO Julio Lopes Secretário de Transportes do Estado do Rio

Leia mais

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL

MOBILIDADE SUSTENTÁVEL MOBILIDADE SUSTENTÁVEL Workshop Regional U.M. BRAGA 10 ABRIL 2012 SUMÁRIO Compromissos Estudos e avaliação Intervenções Financiamento e Cooperação Institucional Desafios para Municípios COMPROMISSOS A

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia:

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: ANÁLISE DE EMPREENDIMENTO PÓLO GERADOR DE TRÁFEGO (PGT) A análise pela SETTRANS dos PGT utiliza-se da seguinte metodologia: Projeto arquitetônico da edificação: além de observar, no que cabe, as leis de

Leia mais

TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi

TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi TÍTULO: Campus da UFMG - Reflexões para uma política de estacionamento. AUTOR: Tomás Alexandre Ahouagi ENDEREÇO: BHTRANS, Rua Engenheiro Carlos Goulart, 900 Buritis, Belo Horizonte/MG, CEP 30.455-902,

Leia mais

Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte. Projetos para a Copa 2014

Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte. Projetos para a Copa 2014 Melhoria da Mobilidade em Belo Horizonte Projetos para a Copa 2014 Indicadores da Mobilidade Urbana em BH Distribuição espacial da demanda de transporte Sistema Ônibus no Hipercentro % das linhas Ônibus/dia

Leia mais

Introdução TRANSOESTE. Ilustração 3D

Introdução TRANSOESTE. Ilustração 3D Cidade Integrada Introdução A cidade do Rio de Janeiro passa por uma mudança de paradigma na mobilidade, com um grande ciclo de investimentos em transporte de alta capacidade. O processo envolve obras

Leia mais

Cartão Jogos Rio 2016 Palestrante

Cartão Jogos Rio 2016 Palestrante Cartão Jogos Rio 2016 Palestrante Alberto Nygaard Assessor Especial da SMTR - Secretaria Municipal de Transportes do Rio de Janeiro Profissional da área de Tecnologia da Informação. Especialista em ITS

Leia mais

Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna.

Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna. OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE Unidade: Política Habitacional e o Direito à Moradia Digna. Módulo III - A

Leia mais

Metrô Leve de Goiânia. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre

Metrô Leve de Goiânia. Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Metrô Leve de Goiânia Clique para editar o estilo do subtítulo mestre Novembro 2011 Agenda Escolha do modal Requisitos para o projeto Referências internacionais Desenvolvimento urbano de Goiânia Estudo

Leia mais

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP

DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP DIRETRIZES DA POLÍTICA DE TRANSPORTE COLETIVO EM SP JUNHO 2013 DIMENSÃO DO DESAFIO EM TRANSPORTE COLETIVO PMSP Coletivo 10,1 milhões viagens 56% Individual 7,9 milhões viagens 44% DIMENSÃO DO DESAFIO EM

Leia mais

Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo. Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013

Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo. Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013 Mobilidade Sustentável para um Brasil Competitivo Otávio Vieira Cunha Filho Brasília, 28 de Agosto de 2013 Estrutura da Apresentação 1. Contexto 1.1. Situação atual da Mobilidade Urbana; 1.2. Manifestações:

Leia mais

Inaugurado o Túnel Prefeito Marcello Alencar, na Zona Portuária. Há alterações nos itinerários dos ônibus para acesso ao Santos Dumont

Inaugurado o Túnel Prefeito Marcello Alencar, na Zona Portuária. Há alterações nos itinerários dos ônibus para acesso ao Santos Dumont Inaugurado o Túnel Prefeito Marcello Alencar, na Zona Portuária. Há alterações nos itinerários dos ônibus para acesso ao Santos Dumont A Prefeitura do Rio inaugurou a primeira galeria do Túnel Prefeito

Leia mais

3ª Reunião Agentes Olímpicos. 13 de Janeiro de 2016

3ª Reunião Agentes Olímpicos. 13 de Janeiro de 2016 3ª Reunião Agentes Olímpicos 13 de Janeiro de 2016 Faltam 29 semanas para os Jogos!! Pauta Cartão de Transporte Olímpico Restrições de circulação durante o período dos Jogos Faixas Olímpicas Cartão de

Leia mais

ANÁLISE DO SERVIÇO DE FRETAMENTO FORNECIDO POR EMPRESA NO RIO DE JANEIRO PARA OS DESLOCAMENTOS CASA-TRABALHO DOS SEUS EMPREGADOS

ANÁLISE DO SERVIÇO DE FRETAMENTO FORNECIDO POR EMPRESA NO RIO DE JANEIRO PARA OS DESLOCAMENTOS CASA-TRABALHO DOS SEUS EMPREGADOS ANÁLISE DO SERVIÇO DE FRETAMENTO FORNECIDO POR EMPRESA NO RIO DE JANEIRO PARA OS DESLOCAMENTOS CASA-TRABALHO DOS SEUS EMPREGADOS Antonio Wagner Lopes Jales Universidade CEUMA VALE S/A RESUMO O objetivo

Leia mais

Monot o r t iliho Um U a m a I no n v o a v ç a ã ç o ã e m e mtr T a r n a s n porte

Monot o r t iliho Um U a m a I no n v o a v ç a ã ç o ã e m e mtr T a r n a s n porte Monotrilho Uma Inovação em Transporte Estudos recentes apontam para o desperdício de 43% 43% do combustível em Automóveis devido a dificuldade no transito. (Sant Ana,2005). Com mais de 50% da população

Leia mais

USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS

USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS NA REDUÇÃO DE ESTÁGIOS EM INTERSEÇÕES SEMAFORIZADAS João Paulo Nascimento de Sousa Waldemiro de Aquino Pereira Neto USO DE MICROSSIMULAÇÃO PARA AVALIAR BENEFÍCIOS

Leia mais

Secretaria de Transportes e Trânsito - STT

Secretaria de Transportes e Trânsito - STT LOCALIZAÇÃO DE GUARULHOS SÃO PAULO Guarulhos / São Paulo População em 2010 de 1.221.979 habitantes (fonte Censo 2010) GUARULHOS Transporte Coletivo Viagens dia 482.177 viagens internas 383.981 viagens

Leia mais

PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL. Construção da nova Via Binário do Porto

PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL. Construção da nova Via Binário do Porto PLANO DE MITIGAÇÃO PERIMETRAL Construção da nova Via Binário do Porto CRONOGRAMA 12/10 - sábado - Início da divulgação de medidas de redução de impacto sobre o trânsito Sinalização Incentivo ao uso de

Leia mais

estruturando a mobilidade da metrópole COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS Sérgio Avelleda Diretor Presidente - CPTM

estruturando a mobilidade da metrópole COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS Sérgio Avelleda Diretor Presidente - CPTM estruturando a mobilidade da metrópole COMPANHIA PAULISTA DE TRENS METROPOLITANOS Sérgio Avelleda Diretor Presidente - CPTM novembro/2008 Região Metropolitana da Grande São Paulo 39 municípios 19,7 milhões

Leia mais

DIFERENÇAS E CONTROLE DE QUALIDADE NA IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS DE TRANSPORTE NO RIO E SÃO PAULO

DIFERENÇAS E CONTROLE DE QUALIDADE NA IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS DE TRANSPORTE NO RIO E SÃO PAULO DIFERENÇAS E CONTROLE DE QUALIDADE NA IMPLANTAÇÃO DE TERMINAIS DE TRANSPORTE NO RIO E SÃO PAULO Dado as últimas notícias veiculadas, a população carioca deve estar entusiasmada com o novo pacote de benefícios

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO Arquitetura - Urbanismo http://www.bancodobrasil.com.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.6 Arquitetura - Urbanismo Sumário 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3. CONDIÇÕES ESPECÍFICAS... 2 3.1 Lado Terra...

Leia mais

ÍNDICE. PITMUrb & MetrôPOA. Expansão da Linha 1. Aeromóvel. Aquisição de Frota. Modernização Estações. Expansão Sapiranga

ÍNDICE. PITMUrb & MetrôPOA. Expansão da Linha 1. Aeromóvel. Aquisição de Frota. Modernização Estações. Expansão Sapiranga INVESTIMENTOS 2011 1 2 3 4 PITMUrb & MetrôPOA Expansão da Linha 1 Aeromóvel Aquisição de Frota ÍNDICE 5 6 7 8 Modernização Estações Expansão Sapiranga Passagem Subterrânea do Trem em Canoas Expansão Comercial

Leia mais

TRENS DE ALTA VELOCIDADE

TRENS DE ALTA VELOCIDADE TRENS DE ALTA VELOCIDADE LINHA RIO SÃO PAULO OS PROJETOS AVALIADOS TRANSCORR RSC, desenvolvido sob a coordenação do GEIPOT (empresa vinculada ao MT, atualmente em processo de liquidação), com recursos

Leia mais

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade

15º. Encontro da Empresas de Fretamento e Turismo Eduardo A. Vasconcellos. Transporte por fretamento e mobilidade O fretamento hoje nas grandes cidades Participação do fretamento nas viagens, cidades selecionadas do Brasil 25,0 Participação do fretamento nas viagens 20,0 15,0 10,0 5,0 0,0 1,0 2,3 0,2 0,5 5,8 2,2 2,0

Leia mais

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC

Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade. Seminário SINAENCO / SC Como estaremos daqui a 25 anos? Estudo de Mobilidade Urbana Plano Diretor Regional de Mobilidade Seminário SINAENCO / SC Guilherme Medeiros Engenheiro Coordenador Técnico SC Participações e Parcerias S.A.

Leia mais

Formas de Atuação. Operações Diretas. Operações Indiretas. Contratadas diretamente com o BNDES. Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES

Formas de Atuação. Operações Diretas. Operações Indiretas. Contratadas diretamente com o BNDES. Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES Outubro de 2013 Formas de Atuação Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituições financeiras credenciadas pelo BNDES EMPRESÁRIO Informação e Relacionamento Instituição

Leia mais

Mobilidade Carioca. BRTs e a rede integrada de transportes de alta capacidade da cidade

Mobilidade Carioca. BRTs e a rede integrada de transportes de alta capacidade da cidade Mobilidade Carioca Mobilidade Carioca BRTs e a rede integrada de transportes de alta capacidade da cidade Rede de Transporte em 2010 trem metrô Rede de Transporte em 2012 trem metrô BRT Rede de Transporte

Leia mais

Paulo Sergio Custodio Outubro 2013

Paulo Sergio Custodio Outubro 2013 Paulo Sergio Custodio Outubro 2013 Mobilidade significa liberdade de participação do mercado, de ser consumidor em uma sociedade capitalista pura. A quantidade de viagens realizadas (consumidas) pelas

Leia mais

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras

Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Estradas I Elementos e Classificação das Rodovias Brasileiras Renato de Oliveira Fernandes

Leia mais

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP

Programa Paulista de Concessões. Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Programa Paulista de Concessões Dr. Rodrigo José Oliveira Pinto de Campos Diretor de Assuntos Institucionais da ARTESP Foz do Iguaçu, 13 de Maio de 2016 Sobre a ARTESP Criada pela Lei Complementar nº 914,

Leia mais

3.2 MEMORIAL DESCRITIVO - PROJETO PAVIMENTAÇÃO Lote Apresentação

3.2 MEMORIAL DESCRITIVO - PROJETO PAVIMENTAÇÃO Lote Apresentação 3.2 MEMORIAL DESCRITIVO - PROJETO PAVIMENTAÇÃO Lote 4 3.2.1 Apresentação A Empresa CJB Engenharia & Topografia Ltda, estabelecida na Rua Oscar Pedro Kulzer, n 438, Canoas/RS, inscrita no CNPJ nº 73.572.018/0001-31,

Leia mais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais

Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais Procedimento para a Implantação de Sinalização de Regulamentação de Velocidades nas Rodovias Estaduais 1. Objetivo: O presente Procedimento, visa estabelecer critérios e diretrizes para a implantação de

Leia mais

Seminário Os Desafios da Mobilidade Urbana

Seminário Os Desafios da Mobilidade Urbana Seminário Os Desafios da Mobilidade Urbana Fontes de Financiamento para Mobilidade Urbana Estudo de Caso: Transporte sobre Pneus em São Paulo 27.janeiro.2015 Campinas, São Paulo, Brasil Perfil do Sistema

Leia mais

3ª Conferência de Logística Brasil - Alemanha

3ª Conferência de Logística Brasil - Alemanha 3ª Conferência de Logística Brasil - Alemanha Henrique Futuro Assessor Agência Metropolitana de Transportes Urbanos Rio Setembro de 2011 Panorama Location: southeast of Brazil (57% of the GNP); Area: 43.910

Leia mais

CICLOVIAS, CICLOFAIXAS E FAIXAS COMPARTILHADAS existentes e em execução

CICLOVIAS, CICLOFAIXAS E FAIXAS COMPARTILHADAS existentes e em execução CICLOVIAS, CICLOFAIXAS E FAIXAS COMPARTILHADAS existentes e em execução existentes em execução - 2010 CICLOVIAS, CICLOFAIXAS E FAIXAS COMPARTILHADAS existentes e em execução Aeroporto Transcarioca S. Cruz

Leia mais

Companhia de Engenharia de Tráfego CET

Companhia de Engenharia de Tráfego CET Secretaria Municipal de Transporte SMT Sec e a a u cpa de a spo e S Companhia de Engenharia de Tráfego CET Anhanguera Bandeirantes Fernão Dias Presidente Dutra Ayrton Senna MAIRIPORÃ Castello Branco CAIEIRAS

Leia mais

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS

ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS ELEVADORES VERSATILIDADE, TECNOLOGIA E BELEZA PARA PERCURSOS DE ATÉ 12 METROS EL2000 Disponível para aplicação residencial unifamiliar ou exclusivo para acessibilidade em locais públicos Capacidade: 3

Leia mais

Conforme Resolução 396/11 CONTRAN O preenchimento de cada item deverá seguir as instruções em vermelho. 36 ANEXO I A - ESTUDO TÉCNICO: INSTALAÇÃO DE INSTRUMENTOS OU EQUIPAMENTOS MEDIDORES DE VELOCIDADE

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de BH

Plano de Mobilidade Urbana de BH 4 a 7 de junho de 2013 Hotel Ouro Minas Plano de Mobilidade Urbana de BH Ramon Victor Cesar Presidente de BHTRANS Contexto do PlanMob-BH: Cenários, diagnóstico e prognósticos Desafio 1: como articular

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETÁRIO MUNICIPAL DE OBRAS

SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS SECRETÁRIO MUNICIPAL DE OBRAS APRESENTAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE ALEXANDRE PINTO SECRETÁRIO MUNICIPAL DE JULHO/2011 UMA BREVE APRESENTAÇÃO... A Secretaria Municipal de Obras é uma das pastas mais importantes da Prefeitura. Toda execução

Leia mais

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel

Modal Ferroviário. Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel Modal Ferroviário Equipe: Docemar M. Borges Felipe Cordova Leonardo F. Heinz Wivian Neckel O que é modal? O modal ferroviário caracteriza-se, especialmente, por sua capacidade de transportar grandes volumes,

Leia mais