Português. 1. Signo natural

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Português. 1. Signo natural"

Transcrição

1 Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias sobre a noção de signo, suas significações e as relações entre suas partes constituintes. Num sentido amplo, considera-se signo um elemento (uma palavra, um objeto, um som, uma imagem etc.) que representa outro elemento ou que lhe serve de substituto. Assim, uma foto de seu pai pode representá-lo. No entanto, essa representação ou substituição pode ou não implicar uma intenção de comunicação. Essa distinção intenção de comunicar/ausência dessa intenção já permite uma primeira classificação dos signos: signo natural signo artificial. 1. Signo natural Alguns estudiosos não consideram o signo natural (também conhecido como índice) um verdadeiro signo, uma vez que a intenção da comunicação é inexistente. A função do signo, em princípio, é a de comunicar alguma coisa a alguém, ou seja, criar comunicação. Observe esta foto com legenda: João Wainer/Folha Imagem Nuvens negras são prenúncio de chuva em São Paulo Nesse caso, não há comunicação no sentido estrito da palavra porque, num dos polos desse processo (o do remetente dos signos), está ausente a mente humana com o seu propósito de comunicar. As nuvens negras não têm a intenção de comunicar ao meteorologista ou às pessoas em geral a iminência da chuva; entretanto, são índices de chuva. A única relação existente nos processos indiciais é a que se estabelece entre o signo natural (nuvem negra) e o referente extralinguístico (chuva).

2 2. Signos artificiais Os signos artificiais são os signos propriamente ditos, já que são utilizados conscientemente para estabelecer comunicação. O signo artificial é um artifício, algo elaborado, criado pelo homem, de acordo com um código convencional, para atender ao objetivo da comunicação social. Os signos artificiais são compostos por duas partes: o significante e o significado. Apesar de diferentes noções para essas partes, pode-se considerar o significante como a parte que expressa formalmente o conteúdo, e o significado, o conteúdo expresso. O signo será, portanto, a soma do significante com o significado e, dependendo da relação estabelecida entre eles, teremos um determinado tipo de signo. Existem dois tipos de signos artificiais: o não linguístico e o linguístico Signo não linguístico Símbolo Pode-se entender símbolo como um elemento concreto que representa uma noção abstrata. A relação entre o símbolo e o conteúdo simbolizado, segundo o linguista Ferdinand de Saussure, é parcialmente motivada, ou seja, a relação entre significante e significado é analógica. A associação do signo ao objeto geralmente é instituída ao longo do tempo, por meio de uma assimilação cultural. Em outras palavras, o significante marca uma relação de semelhança, constante numa dada cultura, com o elemento que ele representa o significado. JUSTIÇA Em muitas culturas, a balança representa a justiça. O significante balança remete à ideia (significado) de justiça. 2

3 AMOR Percebe-se que a relação entre o significante (coração) e o significado (amor) não é arbitrária; há traços em comum entre eles, ou seja, existe uma semelhança entre o significante e o significado. É necessário destacar, contudo, que a representação do símbolo não é totalmente abrangente, porque o símbolo é uma parte de um todo (o conteúdo abstrato com o qual se relaciona). O significado de justiça é muito mais amplo que o conteúdo abrangido pela balança (significante), a qual recorda apenas um dos atributos da justiça: a igualdade. Assim, a representação simbólica é, de certo modo, deficiente. Há duas características inerentes ao símbolo: a polissemia e a sinonímia. A polissemia é a propriedade de um significante ter vários significados, enquanto a sinonímia é a propriedade de um significado ser simbolizado por diversos significantes. Polissemia 1. CRISTIANISMO 2. MORTE 3. HOSPITAL (...) 3

4 Sinonímia MORTE (...) Ícone O ícone (ou imagem) não é considerado um signo verdadeiro por todos os estudiosos, uma vez que a relação entre o significante e o significado do ícone não é convencional, mas necessária. BRASIL 4

5 Entre o mapa (significante) e o nosso país (significado), assim como acontece entre uma foto ou uma impressão digital e a pessoa a quem se referem, há certa similitude visual. A parte que expressa formalmente o conteúdo (significante) estabelece uma relação necessária com o conteúdo expressado (significado). Assim, não há nenhum tipo de relação convencional ou arbitrária: o mapa do Brasil só pode representar o Brasil, nunca outro país Signo linguístico Se há diversas teorias a respeito do signo, com o signo linguístico não é diferente; pelo contrário, ele é motivo de amplas discussões e análises, visto sob as mais diversas ópticas. Aqui será vista a teoria de Saussure, considerado o pai da Linguística. Segundo ele, o signo linguístico é, pois, uma entidade psíquica de duas faces, e a combinação do conceito e da imagem acústica. Essas duas faces ( o conceito e a imagem acústica ) são o significado e o significante, respectivamente. SIGNO LINGUÍSTICO IMAGEM ACÚSTICA CONCEITO SIGNIFICANTE SIGNIFICADO /p a t u/ A relação entre significante e significado é, no signo linguístico, ao mesmo tempo arbitrária, convencional e necessária. 5

6 É arbitrária porque não existe nenhum vínculo interno entre o conceito representado e a série de fonemas que o representa. Prova disso está na variedade de denominações utilizadas de língua para língua a uma mesma realidade significada. É convencional porque o conceito é igual para todos. E é necessária porque, apesar de o significante ser arbitrário, ou seja, livremente escolhido, do ponto de vista da comunidade linguística ele não é livre, mas imposto. Não é possível dissociar o significante do seu significado; uma pessoa não pode escolher o significante que quiser para associá-lo ao seu significado. DUCK CANARD PATO ANATRA ENTE (...) Outra característica do signo linguístico é o fato de ele se realizar no tempo e ser linear: duas unidades nunca se encontram num mesmo ponto da cadeia falada. As unidades valem, portanto, pela sua sucessão, pelo seu contraste e também por sua posição nessa cadeia. Essa posição pode, também, ser distintiva. PATO APTO TOPA O signo linguístico pertence ao sistema que constitui a língua; cada signo tem valor por oposição aos outros signos do sistema. O que importa é o seu caráter diferencial. A visão dicotômica do signo saussuriano encontra complementações, ressalvas, resistências e discordâncias por parte de muitos outros estudiosos, como Peirce, Hjelmslev, Guiraud, Greimas, Barthes, Bakhtin, Vigotsky, entre outros. Um bom exemplo que contesta tal visão são as palavras homônimas, que apresentam vários significados para um único significante, como o vocábulo banco, por exemplo. Além disso, o conceito de Bakhtin é mais abrangente. Segundo sua teoria, nenhum signo tem valor absoluto fora da interação social, ou seja, fora de um contexto, seja ele o contexto do próprio signo ou dos interlocutores que o utilizam. O fundamental aqui é mostrar a importância maior do signo linguístico em detrimento dos demais signos artificiais. Basta lembrar que todo signo não linguístico só pode ser traduzido por um signo linguístico, nunca por si mesmo. Q:\editoracao\2011\Ped2011\Português\EM\Ficha 07-1C.docx 6

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático As Dicotomias Linguísticas Sincronia versus Diacronia Língua versus Fala Significante

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali A SEMIOSE Para Peirce, o importante não é o signo tal como em Saussure - mas a situação signíca, que ele chama de semiose.

Leia mais

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Linguagem e Cultura Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um

Leia mais

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica Design & Percepção 3 Lígia Fascioni Semiótica Para entender a cultura contemporânea, você tem que entender semiótica Paul Cobley Semiótica para Principiantes, 2004 O que é semiótica? Semiótica X Semiologia

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II Semiótica Signo Linguagens Origem Vertentes Significado e significante Aplicação Prática Fases do processo de comunicação: Pulsação

Leia mais

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação.

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. Você encontra as leituras de apoio ao exercício neste link: http://www.revel.inf.br/pt/edicoes/?mode=especial&id=13

Leia mais

RESUMO. Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente

RESUMO. Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente A MOTIVAÇÃO RELATIVA NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente por convenções sociais,

Leia mais

Aula 5 ESTRUTURALISMO

Aula 5 ESTRUTURALISMO Aula 5 ESTRUTURALISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Sistema, estrutura, estruturalismo SISTEMA: resultado

Leia mais

Prática Profissional: A Fala e as Questões Sociais. Contextualização. Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas

Prática Profissional: A Fala e as Questões Sociais. Contextualização. Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Prática Profissional: A Fala e as Questões Sociais Teleaula 2 Prof.ª Me. Elys Regina Andretta tutorialetras@grupouninter.com.br Contextualização Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas A

Leia mais

O que são os signos? o signo não é a realidade (FIORIN, 2002, p. 58) Signo ou referente?

O que são os signos? o signo não é a realidade (FIORIN, 2002, p. 58) Signo ou referente? O que são os signos? os signos são qualquer coisa, ou estímulo físico, utilizados para representar objetos, qualidades, ideias ou eventos (BORDENAVE, 2002, p. 40) o signo não é a realidade (FIORIN, 2002,

Leia mais

Introdução ao estudo do Signo: a Semiologia e a Semiótica

Introdução ao estudo do Signo: a Semiologia e a Semiótica ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXWYZ0123456789!?@%$ A palavra semiótica (do grego σημειωτικός (sēmeiōtikos) literalmente "a ótica dos sinais"), é a ciência geral dos signos e da semiose que estuda todos os fenômenos

Leia mais

Línguas. Os principais sistemas de sinais empregues pelo ser humano para a transmissão de informação, se bem que não os únicos, são as línguas.

Línguas. Os principais sistemas de sinais empregues pelo ser humano para a transmissão de informação, se bem que não os únicos, são as línguas. John Lyons Línguas Os principais sistemas de sinais empregues pelo ser humano para a transmissão de informação, se bem que não os únicos, são as línguas. Um sinal é informativo se tornar o receptor sabedor

Leia mais

Exemplo: sinal NOME. VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Exemplo: sinal VERDE

Exemplo: sinal NOME. VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Exemplo: sinal VERDE Estruturas linguisticas da Libras Car@ alun@, já sabe como é a gramática da Libras, então vai observar como é a estrutura linguistica da Libras. Variação linguística A comunicação da comunidade surda do

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2016/2017 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM 1. Função referencial (ou denotativa) É aquela centralizada no referente, pois o emissor oferece informações da realidade. Linguagem usada na ciência, na arte realista, no jornal,

Leia mais

De Neologismo a Símbolo

De Neologismo a Símbolo De Neologismo a Símbolo Carolina Akie Ochiai Seixas LIMA 1 UFMT/MeEL Resumo: Este texto aborda a questão do neologismo no campo semântico da informática, o que nos permite fazer algumas inferências a respeito

Leia mais

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin Resumo: O objetivo deste artigo é tecer questões acerca da Semiótica, relacionando-a com o curso Artes Visuais.

Leia mais

ATENÇÃO! Material retirado da Internet, que eu considero de fonte segura e confiável. Os endereços estão no fim de cada assunto. O que é Semântica? Semântica provém do vocábulo grego que se pode traduzir

Leia mais

FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978

FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978 FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978 Definir como ciência que estuda a linguagem com métodos próprios, a Lingüística

Leia mais

Características Básicas dos Mapas

Características Básicas dos Mapas Características Básicas dos Mapas Localização e Atributos Localização: dada por suas posições no espaço (coordenadas) bidimensional ou tridimensional. Atributos: qualidades ou magnitudes, ou variável temática,

Leia mais

Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional

Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional Ariel Novodvorski UFU Mestre em Estudos Linguísticos, Linguística Aplicada UFMG Fone: (34)3087-6776 E-mail: ariel_novodvorski@yahoo.com.br Data de recepção:

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 02 a Aula CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA

Leia mais

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos.

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos. A semiótica é a teoria dos signos. Segundo Umberto Eco, um signo é algo que está no lugar de outra coisa. Ou seja, que representa outra coisa. Uma árvore, por exemplo, pode ser representada por uma série

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Semiótica Área Científica: CSH Som e Imagem Ciclo de Estudos: 1º Ciclo - Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 2º ECTS: 3 Tempo de Trabalho:

Leia mais

O fonema como unidade básica da semiose Sebastião Elias Milani

O fonema como unidade básica da semiose Sebastião Elias Milani O fonema como unidade básica da semiose Sebastião Elias Milani No Curso de Linguística Geral, Ferdinand de Saussure (1854-1913) explicou muitas coisas importantes para todos os pensadores da linguagem.

Leia mais

Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ

Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ da Turma da Mônica A semiotic analysis of the advertising report of Monica s Gang HQ Uélida Dantas de Oliveira Mestranda em Letras no Programa de Pós-Graduação

Leia mais

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL Existem várias formas de comunicação. Quando o homem A! se utiliza da palavra, ou seja, da linguagem oral ou escrita,dizemos que ele está utilizando uma linguagem verbal,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 5 CD/CAC e SIG: Componentes CD/CAC e SIG E/S Coordenadas e Texto Display Alta Resolução Impressão de Alta Qualidade DR de Acesso

Leia mais

DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE. Por Claudio Alves BENASSI

DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE. Por Claudio Alves BENASSI 1 DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE Por Claudio Alves BENASSI D uarte, pesquisador da linguística da Língua Brasileira de Sinais, dá uma importante contribuição para o avanço

Leia mais

A Ultima Ceia, como Signo Linguístico

A Ultima Ceia, como Signo Linguístico A Ultima Ceia, como Signo Linguístico Beatriz Jorge Ramos, nº 8255 Curso Ciências da Arte e do Património, 1ºano FBAUL, 2014/2015 Sumário Resumo 1 Introdução 1 Desenvolvimento 1 1. Signo, Significado,

Leia mais

Práxis Educativa (Brasil) ISSN: Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil

Práxis Educativa (Brasil) ISSN: Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil Práxis Educativa (Brasil) ISSN: 1809-4031 praxiseducativa@uepg.br Universidade Estadual de Ponta Grossa Brasil de Souza Pontes, Helaine Maria; Teixeira Kluppel, Gabriela DUVAL, Raymond. Ver e ensinar a

Leia mais

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR

MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR MÉTODOS DE REPRESENTAÇÃO DA CARTOGRAFIA TEMÁTICA: REPRESENTAÇÕES QUALITATIVAS MANIFESTAÇÃO LINEAR META Demonstrar a localização e a extensão dos fenômenos geográficos que se diferenciam pela sua natureza

Leia mais

CELM. Linguagem, discurso e texto. Professora Corina de Sá Leitão Amorim. Natal, 29 de janeiro de 2010

CELM. Linguagem, discurso e texto. Professora Corina de Sá Leitão Amorim. Natal, 29 de janeiro de 2010 CELM Linguagem, discurso e texto Professora Corina de Sá Leitão Amorim Natal, 29 de janeiro de 2010 A LINGUAGEM Você já deve ter percebido que a linguagem está presente em todas as atividades do nosso

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO SILVIA FERNANDES DE OLIVEIRA 1 INTRODUÇÃO Este projeto pretende enfocar a especificidade da construção do sistema da escrita como processo cognitivo.

Leia mais

Linguística Computacional Interativa

Linguística Computacional Interativa 1 Linguística Computacional Interativa Linguagem Natural em IHC: possibilidades a explorar Aula de 13 de novembro de 2012 2 Um mergulho rápido na praia da Semiótica O signo peirceano: acesso mediado ao

Leia mais

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009

Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p , jan./abr. 2009 Linguagem em (Dis)curso LemD, v. 9, n. 1, p. 187-191, jan./abr. 2009 RESENHA DE INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS DA LINGUAGEM: DISCURSO E TEXTUALIDADE [ORLANDI, E.P.; LAGAZZI- RODRIGUES, S. (ORGS.) CAMPINAS, SP:

Leia mais

Esta disciplina auxilia em todas as outras áreas da Matemática. Isso porque veremos noções de lógica e de demonstrações matemáticas.

Esta disciplina auxilia em todas as outras áreas da Matemática. Isso porque veremos noções de lógica e de demonstrações matemáticas. Noções Básicas Esta disciplina auxilia em todas as outras áreas da Matemática. Isso porque veremos noções de lógica e de demonstrações matemáticas. Numa visão bem geral, veremos: Quais são as principais

Leia mais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) A fenômenos B imagem de A (observações Estágio Curricular Supervisionado em Física II D causas? (nãoobserváveis) REALIDADE Leis, Teorias, Princípios

Leia mais

APLICAÇÃO DA SOLUÇÃO CARTOGRÁFICA COLEÇÃO DE MAPAS NO MAPA DE ZONAS VEGETACIONAIS MUNDIAIS (WALTER, 1986)

APLICAÇÃO DA SOLUÇÃO CARTOGRÁFICA COLEÇÃO DE MAPAS NO MAPA DE ZONAS VEGETACIONAIS MUNDIAIS (WALTER, 1986) Anais do XII SBGFA. Natal, 2007. v. 1. p. 1-15. APLICAÇÃO DA SOLUÇÃO CARTOGRÁFICA COLEÇÃO DE MAPAS NO MAPA DE ZONAS VEGETACIONAIS MUNDIAIS (WALTER, 1986) Simone Valaski UFPR svgeog@yahoo.com.br João Carlos

Leia mais

Percurso para uma análise semiótica

Percurso para uma análise semiótica Percurso para uma análise semiótica 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo Contemplar: Tornar-se disponível para o que está diante dos olhos Sem apressar a interpretação Suspensão dos

Leia mais

Referências no produto

Referências no produto Referências no produto Em uma abordagem fundamentada em semiótica, as questões sígnicas no produto devem ser consideradas segundo o contexto cultural no qual se dá o processo comunicacional. Portanto,

Leia mais

3 A aplicação MoLIC WOz

3 A aplicação MoLIC WOz A aplicação MoLIC WOz 33 3 A aplicação MoLIC WOz Esta seção descreve a MoLIC WOz relacionando com a Engenharia Semiótica (3.1) e apresentando a estrutura da ferramenta (3.2). 3.1 MoLIC WOz e a Engenharia

Leia mais

A LINGUÍSTICA EM CENA: DOS RELATOS PRÉ-HISTÓRICOS AO STATUS DE CIÊNCIA

A LINGUÍSTICA EM CENA: DOS RELATOS PRÉ-HISTÓRICOS AO STATUS DE CIÊNCIA A LINGUÍSTICA EM CENA: DOS RELATOS PRÉ-HISTÓRICOS AO STATUS DE CIÊNCIA PICCININN, Rosana Salete (FAF) SCHNEIDER, Luizane (FAF) MINUSSI, Cleunice Lavarda (G - FAF) SILVA, Joissiane Patrícia Muniz da (G

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Caderno de Educação Especial

A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Caderno de Educação Especial A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Caderno de Educação Especial O que devemos considerar no processo de Alfabetização? Criança Ouvinte Criança Surda Faz uso das propriedades fonológicas

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O CONTEXTO E O PLANO DE EXPRESSÃO NO RECONHECIMENTO DO SINAL MULHER (LIBRAS) COMO ICÔNICO OU CONVENCIONAL/ARBITRÁRIO

A RELAÇÃO ENTRE O CONTEXTO E O PLANO DE EXPRESSÃO NO RECONHECIMENTO DO SINAL MULHER (LIBRAS) COMO ICÔNICO OU CONVENCIONAL/ARBITRÁRIO A RELAÇÃO ENTRE O CONTEXTO E O PLANO DE EXPRESSÃO NO RECONHECIMENTO DO SINAL MULHER (LIBRAS) COMO ICÔNICO OU CONVENCIONAL/ARBITRÁRIO Adriana Aparecida de Oliveira UFMG/FALE, adrianaletras75@gmail.com Resumo:

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES A UM ESTUDO DA MOTIVAÇÃO POÉTICA

CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES A UM ESTUDO DA MOTIVAÇÃO POÉTICA CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES A UM ESTUDO DA MOTIVAÇÃO POÉTICA Denise A. D. Guimarães Universidade Federal do Paraná RESUMO O trabalho propõe subsídios a um estudo da linguagem poética, discutindo como se

Leia mais

Capítulo1. Capítulo2. Índice A LÍNGUA E A LINGUAGEM O PORTUGUÊS: uma língua, muitas variedades... 15

Capítulo1. Capítulo2. Índice A LÍNGUA E A LINGUAGEM O PORTUGUÊS: uma língua, muitas variedades... 15 Capítulo1 Capítulo2 A LÍNGUA E A LINGUAGEM............................................. 9 Linguagem: aptidão inata.............................................. 10 Funções.............................................................

Leia mais

NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI

NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI NOME PRÓPRIO - EM NOME DO PAI Rachel Rangel Bastos 1 No meu nascimento Eu não cheguei sendo nada Eu já estava moldado Vestido Cultivado Culturado Antes mesmo de escutar Eu tinha já escutado dizer Antes

Leia mais

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula I. Prof. Carlos Café Dias

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula I. Prof. Carlos Café Dias CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL Aula I Prof. Carlos Café Dias APRESENTAÇÃO O CURSO O curso de extensão em Programação visual aborda a teoria e prática da comunicação visual, oportunizando o estudo

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

O Discurso da Poesia Concreta Uma Abordagem Semiótica

O Discurso da Poesia Concreta Uma Abordagem Semiótica O Discurso da Poesia Concreta Uma Abordagem Semiótica Em língua portuguesa, a palavra forma, de acordo com o Dicionário Houaiss, quer dizer, entre as várias definições do termo consideradas inclusive a

Leia mais

Linguagem e comunicação interpessoal

Linguagem e comunicação interpessoal Linguagem e comunicação interpessoal Aspectos pragmáticos uso da linguagem Aspectos contextuais Significado social do sentido Elementos não verbais da comunicação COMUNICAÇÃO INTERPESSOAL Design de Comunicação,

Leia mais

A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS. Palavras-chave: Geometria; Símbolos; Logotipos; Construções Geométricas.

A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS. Palavras-chave: Geometria; Símbolos; Logotipos; Construções Geométricas. na Contemporaneidade: desafios e possibilidades A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS Ruth Ribas Itacarambi GCIEM (Grupo Colaborativo de Investigação em ) ritacarambi@yahoo.com.br Resumo: A

Leia mais

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Libras I 160h Não há Sujeito Surdo, Diferença,

Leia mais

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Aula 1 Português 1 Faculdade Pitágoras Vale do Aço Jaider Fernandes Reis, Marcélia Marise Vieira dos Santos Martha

Leia mais

Apresentar as definições de signo, bem como as suas características, conforme a perspectiva saussurreana.

Apresentar as definições de signo, bem como as suas características, conforme a perspectiva saussurreana. 3 aula O SIGNO NA PERSPECTIVA SAUSSURREANA Meta Apresentar as definições de signo, bem como as suas características, conforme a perspectiva saussurreana. Objetivos Ao final desta aula, você deverá ser

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2017 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 3º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA HABILIDADES CONTEÚDOS Identificar padrões numéricos ou princípios

Leia mais

Aula 02 CONCEITO DE RAÇA, ETNICIDADE E SAÚDE. 1. Definição de raça

Aula 02 CONCEITO DE RAÇA, ETNICIDADE E SAÚDE. 1. Definição de raça Aula 02 CONCEITO DE RAÇA, ETNICIDADE E SAÚDE Nas últimas décadas, diversos estudos tem mostrado diferenças raciais marcantes na morbimortalidade, no comportamento ante a doença e saúde, no acesso e uso

Leia mais

Considerando que o trecho acima tem caráter unicamente motivador, redija um texto acerca do seguinte tema.

Considerando que o trecho acima tem caráter unicamente motivador, redija um texto acerca do seguinte tema. Questão Para mostrar que o sincrônico e o diacrônico são, simultaneamente, autônomos e interdependentes, pode-se pensar na projeção de um corpo sobre um plano. Com efeito, toda projeção depende

Leia mais

As línguas de sinais, usadas pelas comunidades surdas, são constituídas de elementos próprios

As línguas de sinais, usadas pelas comunidades surdas, são constituídas de elementos próprios LIBRAS Estrutura gramatical da LIBRAS A língua de sinais tem gramática? A língua de sinais é mímica? As línguas de sinais, usadas pelas comunidades surdas, são constituídas de elementos próprios uma língua

Leia mais

Disciplina: Cartografia Geoambiental

Disciplina: Cartografia Geoambiental Disciplina: Cartografia Geoambiental Professor: Me. Diego Alves de Oliveira Outubro de 2013 Cartografia temática e de síntese para a Cartografia Geoambiental A Cartografia é uma linguagem de representação

Leia mais

ÍNDICE. COMUNICAÇÃO 19 Etimologia do termo 19 Diversos conceitos 20

ÍNDICE. COMUNICAÇÃO 19 Etimologia do termo 19 Diversos conceitos 20 INTRODUÇÃO 7 ÍNDICE PREFÁCIO 15 INTRODUÇÃO 17 COMUNICAÇÃO 19 Etimologia do termo 19 Diversos conceitos 20 CAPÍTULO 1 SIGNO E COMUNICAÇÃO 1. O HOMEM E OS SÍMBOLOS 27 Dois mundos 27 Semiologia 29 Semiótica

Leia mais

Linguagens Formais e Autômatos (LFA)

Linguagens Formais e Autômatos (LFA) Linguagens Formais e Autômatos (LFA) Aula de 12/08/2013 Introdução 1 2 Grade Curricular para Ciência da Computação 3 Grade Curricular para Engenharia da Computação Grade Curricular para Sistemas de Informação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE MATEMÁTICA - 7º ANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE MATEMÁTICA - 7º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE MATEMÁTICA - 7º ANO 1º Período... 53 Ano Lectivo 17/ 18 PROGRESSÃO 2º Período... 40 Turma: A e C 7º Ano 3º Período... 30 Professor: João Constantino N.º aulas Proposta de Testes 1º

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente

TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER vivendopelapalavra.com Revisão e diagramação por: Helio Clemente REALISMO: UMA ALTERNATIVA AO ESSENCIALISMO E AO CONVENCIONALISMO A visão convencionalista

Leia mais

Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Equacionando Figura 1 - Painel imantado para fixação das formas geométricas coloridas.

Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Equacionando Figura 1 - Painel imantado para fixação das formas geométricas coloridas. Equacionando Durante o acompanhamento do PIBID Matemática na Escola Estadual Professor Viana, foi examinado no cronograma de atividades a serem desenvolvidas nas turmas de oitavo ano, o ensino de Equações

Leia mais

Comunicação Visual. Introdução

Comunicação Visual. Introdução Comunicação Visual Introdução Comunicar é a capacidade de partilhar, pôr em comum, o que pensamos ou sentimos; é transmitir uma determinada mensagem. Para que a comunicação exista é necessária a existência

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná CONCURSO PARA CRIAÇÃO DE SELO COMEMORATIVO AOS 25 ANOS DO CURSO DE AGRONOMIA

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná CONCURSO PARA CRIAÇÃO DE SELO COMEMORATIVO AOS 25 ANOS DO CURSO DE AGRONOMIA CONCURSO PARA CRIAÇÃO DE SELO COMEMORATIVO AOS 25 ANOS DO CURSO DE AGRONOMIA REGULAMENTO A (UTFPR) Câmpus - Pato Branco, por meio do curso de Agronomia, torna público o concurso para escolha de SELO COMEMORATIVO

Leia mais

Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual. professor Rafael Hoffmann

Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual. professor Rafael Hoffmann Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual professor Rafael Hoffmann Linguagem Linguagem Definições lin.gua.gem s.f. 1 o conjunto das palavras e dos métodos de combiná-las usado e compreendido por uma comunidade

Leia mais

ECO, Umberto. A estrutura ausente

ECO, Umberto. A estrutura ausente FONTE COMPLEMENTAR: SANTAELLA, Lúcia. Comunicação e Semiótica ECO, Umberto. A estrutura ausente Influência: filosofia, estética, teorias da informação, da comunicação e da cibernética Crítica ao estruturalismo

Leia mais

SEMIÓTICA E GESTÃO DO DESIGN

SEMIÓTICA E GESTÃO DO DESIGN SEMIÓTICA E GESTÃO DO DESIGN Professor Isaac Antonio Camargo Mestre em Educação UEL/PR Doutor em Comunicação e Semiótica PUC/SP UFU Universidade Federal de Uberlândia Meu ambiente pedagógico virtual: www.artevisualensino.com.br

Leia mais

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO

FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO FOTOGRAMETRIA E FOTOINTERPRETAÇÃO Mosar Faria Botelho PONTOS DE APOIO Objetiva relacionar os objetos contidos na foto aérea com os objetos contidos no terreno. MÉTODOS DE POSICIONAMENTO POR GPS Modo Ponto

Leia mais

2 O Modelo: SetModel. 2.1 Modelo de Informação

2 O Modelo: SetModel. 2.1 Modelo de Informação O Modelo: SetModel 2 O Modelo: SetModel 2.1 Modelo de Informação Modelo de informação é uma representação abstrata e formal de entidades incluindo suas propriedades, relações e operações que podem ser

Leia mais

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p Gramática e seu conceito Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p.11-16. Gramática descritiva ou sincrônica Estudo do mecanismo pelo qual uma dada língua funciona

Leia mais

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com

A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com A ICONICIDADE E ARBITRARIEDADE NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO Língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente por convenções sociais, que possibilita

Leia mais

Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706

Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706 1 Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706 Carla Faria Leitão (PUC-Rio) Milene Selbach Silveira (PUCRS) Clarisse Sieckenius de Souza

Leia mais

manual de identidade visual

manual de identidade visual manual de identidade visual apresentação A marca de uma instituição é o seu maior patrimônio. É através dela que os atributos e valores da organização são traduzidos e representados. O manual de identidade

Leia mais

FLUXOGRAMA. Nickerson Fonseca Ferreira

FLUXOGRAMA. Nickerson Fonseca Ferreira 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS JOÃO CÂMARA FLUXOGRAMA Nickerson Fonseca Ferreira nickerson.ferreira@ifrn.edu.br Introdução 2 Um algoritmo pode ser representado

Leia mais

TEXTOS NÃO-VERBAIS: UMA PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DO VERBAL

TEXTOS NÃO-VERBAIS: UMA PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DO VERBAL 1205 TEXTOS NÃO-VERBAIS: UMA PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DO VERBAL João Paulo Dias de Menezes 1 0. INTRODUÇÃO A conhecida dificuldade de produção textual levou-nos à escolha desse tema com a finalidade

Leia mais

Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano

Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano Língua Portuguesa: - Interpretação de texto; - Revisão Análise morfossintática; - Revisão de período composto por subordinação (subordinadas substantivas); - Período

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS MATEMÁTICA 7.º ANO PLANIFICAÇÃO GLOBAL Múltiplos e divisores. Critérios de divisibilidade. - Escrever múltiplos

Leia mais

GRAMATEMÁTICA Leandro Bertoldo GRAMATEMÁTICA. Leandro Bertoldo

GRAMATEMÁTICA Leandro Bertoldo GRAMATEMÁTICA. Leandro Bertoldo 1 GRAMATEMÁTICA 2 3 Dedicatória Dedico este livro a minha filha: Beatriz Maciel Bertoldo 4 5 A menos que possamos revestir nossas ideias de linguagem apropriada, de que vale nossa educação? (Conselhos

Leia mais

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso cfernandes@utfpr.edu.br Profa. Dr. Carolina Mandaji Análise do Discurso Fernanda Mussalim Condições de produção do discurso Formação discursiva, formação ideológica

Leia mais

FUNDAMENTOS DE LINGÜÍSTICA

FUNDAMENTOS DE LINGÜÍSTICA FUNDAMENTOS DE LINGÜÍSTICA LETRASLIBRAS 167 LETRASLIBRAS 168 FUNDAMENTOS DE LINGÜÍSTICA CaroAlunoeCaraAluna JAN EDSON RODRIGUES LEITE Estecapítulocontémgrandepartedomaterialnecessárioparaoaproveitamentodadisciplina

Leia mais

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana.

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana. 1 Antropologia, a Ciência do homem A ciência - antropologia divide-se em dois campos: 1) Antropologia Física - Refere-se à forma Física do Homem (biologia humana); 2) Antropologia Social - Comportamento

Leia mais

Revista do Centro de Educação e Letras TEXTOS BÁSICOS DE LINGUAGEM. DE PLATÃO A FOUCAULT.

Revista do Centro de Educação e Letras TEXTOS BÁSICOS DE LINGUAGEM. DE PLATÃO A FOUCAULT. Ideação Revista do Centro de Educação e Letras TEXTOS BÁSICOS DE LINGUAGEM. DE PLATÃO A FOUCAULT. MARCONDES, Danilo. Textos básicos de linguagem em.. De Platão a Foucault. Rio de Janeiro: o: Zahar,, 2010.

Leia mais

SEMIOLOGIA. 1º Ano da Licenciatura de Ciências da Comunicação ISCSP (UTL) Sónia Pedro Sebastião

SEMIOLOGIA. 1º Ano da Licenciatura de Ciências da Comunicação ISCSP (UTL) Sónia Pedro Sebastião SEMIOLOGIA 1º Ano da Licenciatura de Ciências da Comunicação ISCSP (UTL) - 2009-2010 Sónia Pedro Sebastião PROGRAMA I) Estudo introdutório de conceitos e terminologia de base nas áreas da Linguística e

Leia mais

Discurso e texto. L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar

Discurso e texto. L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar Discurso e texto L. PORTUGUESA 1ª série do Ensino Médio Professora Marianna Aguiar Discurso e texto: contexto de produção, circulação e recepção de textos. A linguagem é uma prática social humana de interação

Leia mais

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH

VYGOTSKY Teoria sócio-cultural. Manuel Muñoz IMIH VYGOTSKY Teoria sócio-cultural Manuel Muñoz IMIH BIOGRAFIA Nome completo: Lev Semynovich Vygotsky Origem judaica, nasceu em 5.11.1896 em Orsha (Bielo- Rússia). Faleceu em 11.6.1934, aos 37 anos, devido

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS NO PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM E DE INTERPRETAÇÃO E PRODUÇÃO TEXTUAL GONÇALVES, Raquel Pereira Universidade Estadual de Goiás, Câmpus de Iporá raquelpg.letras@gmail.com MOURA,

Leia mais

Tipos de representação cartográfica. Escalas. Profa. Ligia F. A. Batista

Tipos de representação cartográfica. Escalas. Profa. Ligia F. A. Batista Tipos de representação cartográfica Escalas Profa. Ligia F. A. Batista Mapa, carta, planta e escala Profa. Ligia Tipos de representação cartográfica 3 Por traço - GLOBO Representação cartográfica sobre

Leia mais

Elaine Starosta Foguel 1

Elaine Starosta Foguel 1 Elaine Starosta Foguel 1 Psicanálise e Lingüística Quando estudamos, discutimos, e praticamos a psicanálise temos em mente a questão do significante lacaniano e o registro do simbólico, a premissa de que

Leia mais

Ana Carolina França e Silva 8215 Cybele Hideko Marcante 8222 Daiana Boraschi 8223 Leandro Ernandes 8674

Ana Carolina França e Silva 8215 Cybele Hideko Marcante 8222 Daiana Boraschi 8223 Leandro Ernandes 8674 Intercom Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação XIII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste São Paulo 07 a 10 de maio de 2008. Ana Carolina França e Silva 8215

Leia mais