DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso. Profa. Dr. Carolina Mandaji"

Transcrição

1 DACEX CTCOM Disciplina: Análise do Discurso Profa. Dr. Carolina Mandaji

2 Análise do Discurso Fernanda Mussalim

3 Condições de produção do discurso Formação discursiva, formação ideológica

4 Formações imaginárias as relações entre esses lugares acham-se representadas por uma série de formações imaginárias que designam o lugar que destinador e destinatário atribuem a si mesmo e ao outro a imagem que eles fazem de seu próprio lugar e do lugar do outro.

5 Formações ideológicas Conjunto de valores e crenças a partir dos quais julgamos a realidade na qual estamos inseridos; Identificar nos textos as ideias que podem estar associadas aos valores, aos princípios, às crenças de determinado grupo social.

6 Texto anterior FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: felicidade conjugal como decorrente da vida comum em que cabe à mulher a organização do contexto familiar.

7 Formação ideológica da sociedade brasileira através das músicas perfil da mulher Música Ai, que saudades da Amélia (1941); Música Dandara (2004).

8 Perfil de mulher Amélia Submissa Companheira Donas de casa competentes Dedicadas ao marido Dandara Independente Livre Autonomia

9 Discursos Categorias que se agrupam e dão sentido aos atos da coletividade (Maingueneau, 2006); Zonas de falas que instauram relações de poder; Remete ao processo e aos modos de organização textual e discursiva (sujeitos, tempo e espaço); Enunciado=conteúdo+modo de dizê-lo (suporte).

10 Círculo de Bakhtin Grupo de intelectuais [...] que se reuniu regularmente de 1919 a 1929, primeiro em Nevel e Vitebsk e, depois, em São Petersbursgo. As obras expoentes que tematizam questões sobre linguagem são assinadas por Mikhail Mikhailovich Bakhtin e Valentin N. Volochinov. Visa a língua na sua concretude, enquanto construção verbal e dialógica. Volochinov ("Marxismo e Filosofia da Linguagem -1929)

11 Círculo de Bakhtin - Volochinov pontos comuns e divergentes com a lingüística saussuriana: relevância para uma construção da noção de língua - importância histórica; Visão equivocada ao abordar a língua sob um ponto de vista meramente abstrato, como uma entidade incapaz de notar os fluxos e as mudanças das relações sociais.

12 Língua interação verbal a substância da linguagem : seria a interação verbal, seu alcance e diálogo com o outro; toda comunicação, seja verbal ou não, se mescla num campo comum de produção (contexto) (Volochinov, [1929] 1999, p. 124) Os trabalhos do Círculo de Bakhtin possuem dois pilares que fundamentam sua teoria da linguagem: a alteridade, enquanto uma forma de reconhecer Outro como constituinte do "eu"; e o diálogo, como essa relação/interação com o Outro.

13 Diálogo: manifestação sígnica falada ou escrita. signo como fragmento da realidade: cápsula ideológica que se manifesta no discurso, na interação verbal ou escrita. surge em um terreno interindividual como uma ponte, no contato entre indivíduos num dado meio social; é seu caráter semiótico que coloca todos os fenômenos ideológicos sob a mesma definição geral. (Volochinov, [1929] 1999, p. 33).

14 Círculo de Bakhtin - discurso e ideologia a ideologia (difere parcialmente da proposta pelo marxismo) é flexível e dinâmica, nascida das relações do cotidiano e das trocas sociais de valores. Não existe uma ideologia dominante nem subordinados, nem luta desigual, mascarando realidades;

15 Círculo de Bakhtin - ideologia existe apenas uma ideologia que refrata e reflete uma realidade concreta, que lhe é exterior (Volochinov, 1929, p. 31). Os aspectos ideológicos do signo se materializam como tema do enunciado, não devendo ser entendido como um assunto. O tema é uma reação da consciência em devir ao ser em devir. (Volochinov, 1929, p. 129).

16 Círculo de Bakhtin - enunciação contexto e sujeitos do discurso: uma mesma palavra poderia ser pronunciada repetidamente; tomaria tonalidades diferentes o gênero do discurso ou a enunciação oral ou escrita é diretamente vinculado à vida em si e não pode ser divorciado dela sem perder sua significação. (Volochinov, 1929, p. 4).

17 consciência competência particular, individual, mas faz parte do social, do todo. essa construção da consciência acontece com a absorção dos signos exteriores; o individuo só toma consciência de si, a partir do momento que é integrado num sistema de signos (língua). Essa assimilação da língua materna ou de outra língua é realizada de forma processual, integrandose na comunicação verbal (Volochinov, 1929, p. 117).

18 Relação com a Antropologia De fato, o aspecto conceitual que o Círculo propõe ao signo, assemelha-se ao que Geertz aponta em Interpretação das Culturas" fazendo uso do termo símbolo. No caso, o Círculo acaba se aprofundando nos fragmentos da engenharia discursiva, diferente de Geertz, que se mantinha preocupado com outros elementos, talvez para não cair numa armadilha lingüística. Segundo o antropólogo, os símbolos são "incorporações concretas de ideais, atitudes, julgamentos, saudades ou crenças" (Geertz, 1978, p. 105), localizado socialmente e utilizado especialmente para significar. O homem seria um animal simbolizante, capaz de ordenar experiências e realidades dando-lhe formas (Geertz, 1978, p. 158).

19 Cultura: a cultura pode ser entendida e visualizada como um emaranhado dialógico, semiótico, repleto de signos exteriores que se cruzam na palavra interior. Círculo Antropologia caráter semiótico (linguagem); Bakhtin menciona que "Todo ato cultural vive por essência sobre fronteiras: nisso está sua seriedade e importância; abstraído da fronteira, ele perde terreno, torna-se vazio, pretensioso, degenera e morre." (1975, p. 29). cada época e cada grupo social têm seu repertório de formas de discurso na comunicação sócioideológica" (Volochinov, 1929, p. 23) caráter semiótico (interpretação); Geertz assume que o homem é um animal amarrado a teias de significado que ele mesmo teceu, [...] sendo [a cultura] essas teias e a sua análise. (1978, p. 15); A cultura é um documento público, onde todos podem ler e compreender seus significados (Geertz, 1978, p. 20).

20 sujeito CÍRCULO: Um sujeito que é capaz de produzir, transmitir, receber e alterar formas simbólicas.

21 Referências: BRANDÃO, Helena H. Nagamine. Introdução à análise do discurso. 2. ed. rev., Campinas: Editora Unicamp, 2004 BAKHTIN, Mikhail M. Estética da Criação Verbal. Trad. do russo por Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003., Problemas da Poética de Dostoiévski. Trad. do russo por Paulo Bezerra. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Unesp, FARACO, Carlos Alberto. Linguagem e diálogo: as ideias linguísticas do Círculo de Bakhtin. Curitiba, Paraná: Criar, LOUZADA, Maria Sílvia Olivi, LOUZADA, Roberto. Identidade política, literatura de cordel e interdiscurso. Disponível em VOLOCHINOV, V. Marxismo e filosofia da linguagem. 9ª ed. Trad. Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Editora Hucitec, 1929 (1999).

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO LINHA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E SOCIEDADE DISCIPLINA: Análise do Discurso CARGA HORÁRIA: 45 horas PROFESSORA: Dra. Laura Maria Silva Araújo

Leia mais

GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES

GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES GÊNERO CHARGE: DO PAPEL AOS BYTES Anderson Menezes da Silva Willame Santos de Sales Orientadora: Dra. Maria da Penha Casado Alves Departamento de Letras UFRN RESUMO A charge é um gênero recorrente nos

Leia mais

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual

A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual A coleção Português Linguagens e os gêneros discursivos nas propostas de produção textual Marly de Fátima Monitor de Oliveira Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Unesp Araraquara e-mail:

Leia mais

O desenvolvimento da imaginação por meio da leitura dos gêneros do discurso na escola

O desenvolvimento da imaginação por meio da leitura dos gêneros do discurso na escola O desenvolvimento da imaginação por meio da leitura dos gêneros do discurso na escola Gislaine Rossler Rodrigues Gobbo. Programa de Pós-Graduação em Educação Marília FFC Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: LINGUAGEM JURÍDICA (CÓD. ENEX 60106) ETAPA: 1ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo aula Habilidas e Competências Textos, filmes

Leia mais

Alteridade e responsividade em Bakhtin

Alteridade e responsividade em Bakhtin Alteridade e responsividade em Bakhtin Sebastiana Almeida Souza (UFMT/MeEL) 1 Sérgio Henrique de Souza Almeida (UFMT/MeEL) 2 Introdução Este artigo pretende trabalhar a noção de alteridade e responsividade

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

CLASSIFICADOS DE JORNAIS: DIVERSIDADE DE VOZES E CONSTITUIÇÃO DE SUBJETIVIDADE

CLASSIFICADOS DE JORNAIS: DIVERSIDADE DE VOZES E CONSTITUIÇÃO DE SUBJETIVIDADE CLASSIFICADOS DE JORNAIS: DIVERSIDADE DE VOZES E CONSTITUIÇÃO DE SUBJETIVIDADE Introdução Kelli da Rosa Ribeiro 1 O presente trabalho apresenta reflexões iniciais referentes a um projeto de pesquisa em

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA

O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA O TRABALHO COM GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA Edilva Bandeira 1 Maria Celinei de Sousa Hernandes 2 RESUMO As atividades de leitura e escrita devem ser desenvolvidas com textos completos

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

Contribuições dos Estudos Bakhtinianos aos Estudos Neurolinguísticos

Contribuições dos Estudos Bakhtinianos aos Estudos Neurolinguísticos Contribuições dos Estudos Bakhtinianos aos Estudos Neurolinguísticos Thalita Cristina Souza Cruz Neste ensaio, apresentarei brevemente alguns conceitos bakhtinianos relacionadas à discussão sobre a significação

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

META Retomar os caminhos da Linguística, segundo a visão de Saussure e os contrapor à visão de Bakhtin.

META Retomar os caminhos da Linguística, segundo a visão de Saussure e os contrapor à visão de Bakhtin. SAUSSURE E BAKHTIN: OS (DES)CAMINHOS DA LINGÜÍSTICA META Retomar os caminhos da Linguística, segundo a visão de Saussure e os contrapor à visão de Bakhtin. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá:

Leia mais

A filosofia da linguagem no estudo da comunicação 1

A filosofia da linguagem no estudo da comunicação 1 A filosofia da linguagem no estudo da comunicação 1 1 Francismar Formentão 2 Maria José Rizzi Henriques 3 Resumo: Diversas correntes científicas debruçaram-se sobre o estudo da comunicação. A filosofia

Leia mais

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo

Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Língua, Linguagem e Comunicação O homem, ser de linguagem Sentido, significação e signo Aula 1 Português 1 Faculdade Pitágoras Vale do Aço Jaider Fernandes Reis, Marcélia Marise Vieira dos Santos Martha

Leia mais

1 Mestranda em Estudos de Linguagens (CEFET-MG). Belo Horizonte. Correio Eletrônico:

1 Mestranda em Estudos de Linguagens (CEFET-MG). Belo Horizonte. Correio Eletrônico: 165 Suelen MARTINS RESENHA SOBRAL, Adail. Do dialogismo ao gênero: as bases do pensamento do círculo de Bakhtin. Campinas: Mercado das Letras, 2009. Série Ideias sobre linguagem. Suelen MARTINS 1 Palavras-chave:

Leia mais

O filósofo Mikhail Bakhtin foi uma figura marginal no cenário intelectual

O filósofo Mikhail Bakhtin foi uma figura marginal no cenário intelectual ESTUDO SOBRE ALGUNS CONCEITOS CONSIDERADOS FUNDAMENTAIS PARA A COMPREENSÃO DA TEORIA SÓCIO- HISTÓRICA DO FILÓSOFO RUSSO MIKHAIL BAKHTIN: UMA INVESTIGAÇÃO TEÓRICA STUDY ABOUT SOME CONCEPTS CONSIDERED IMPORTANT

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR NOME: LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA II CURSO: TÉCNICO EM EDIFICAÇÕES INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO SÉRIE: 2º ANO CARGA HORÁRIA: 3 A/S - 120 H/A

Leia mais

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO

CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO CRIARCONTEXTO: O ENSINO-APRENDIZAGEM DE GÊNEROS TEXTUAIS NO ENSINO MÉDIO Wellyna Késia Franca de SOUSA e Eliane Marquez da Fonseca FERNANDES Faculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás wellynakesiahb@bol.com.br

Leia mais

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André

Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André Objetivos Gerais: Planejamento Anual 2015 Disciplina: Língua Portuguesa: Ação Série: 3º ano Ensino: Médio Professor: André # Promover as competências necessárias para as práticas de leitura e escrita autônomas

Leia mais

AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA?

AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA? 729 AS RELAÇÕES DIALÓGICAS E AS FORMAS DE CITAÇÃO DO DISCURSO DO OUTRO NA CRÔNICA GRIPE SUÍNA OU PORCINA? Maricília Lopes da Silva - UNIFRAN A crônica é na essência uma forma de arte, arte da palavra,

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

Cultura Organizacional

Cultura Organizacional Cultura Organizacional Curso de Especialização em Gestão da Comunicação Organizacional e Relações Públicas ECA/USP A tradição antropológica Sistemas Simbólicos Antropologia Social Antropologia Cultural

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2016

PLANEJAMENTO ANUAL 2016 PLANEJAMENTO ANUAL 2016 Professor Joabe Bernardo dos Santos Língua Portuguesa 9º ano Colégio Nossa Senhora da Piedade Referências: -SAE, 9º ano: Língua Portuguesa. Livro do professor: livro 1 / IESDE BRASIL

Leia mais

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos

A identidade como fator distintivo entre os seres humanos A identidade como fator distintivo entre os seres humanos Homem Unidade Diversidade Espécie humana Património genético único; tempo, sociedade e cultura diferentes Eu sou único Eu sou eu, diferente de

Leia mais

Interculturalidade no ensino de línguas: uma análise do programa inglês sem fronteiras

Interculturalidade no ensino de línguas: uma análise do programa inglês sem fronteiras Interculturalidade no ensino de línguas: uma análise do programa inglês sem fronteiras Prof.Dra.Giselda Costa - giseldacosta@ifpi.edu.br Profa.Ms. Selma Cardoso selmacardoso@ifpi.edu.br Percurso da Apresentação

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2

O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental. Aula 2 O processo de ensino e aprendizagem em Ciências no Ensino Fundamental Aula 2 Objetivos da aula Conhecer os a pluralidade de interpretações sobre os processos de ensino aprendizagem em Ciências; Discutir

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II Semiótica Signo Linguagens Origem Vertentes Significado e significante Aplicação Prática Fases do processo de comunicação: Pulsação

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h

Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) MATRIZ CURRICULAR. Móduloe 1 Carga horária total: 400h Curso Técnico Subsequente em Materiais Didáticos Bilíngue (Libras/Português) CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Móduloe 1 Carga horária total: 400h Projeto Integrador I 40 Não tem Aprendizagem Infantil

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS

Sumário. Apresentação A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS Sumário Apresentação... 11 A SOCIOLOGIA DOS PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS 1. Razões de nosso interesse por este assunto. Por que usamos a imagem do vale de lágrimas... 21 2. A geologia do vale de lágrimas e

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL

CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL MATRIZ CURRICULAR NOTURNO Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas 1. Leitura e produção textual I 4 60 2. Introdução a informática 4

Leia mais

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali A SEMIOSE Para Peirce, o importante não é o signo tal como em Saussure - mas a situação signíca, que ele chama de semiose.

Leia mais

ENVIRONMENTAL LITERACY: GREEN IDEAS TO PRESERVE THE PLANET

ENVIRONMENTAL LITERACY: GREEN IDEAS TO PRESERVE THE PLANET ENVIRONMENTAL LITERACY: GREEN IDEAS TO PRESERVE THE PLANET John Harrison de Lima Larissa Martins Padilha Leon Souza Artmann Lilian Aparecida de Moura Marina Gonçalves Borba Célia Maria Squiba da Silva

Leia mais

Suely Aparecida da Silva

Suely Aparecida da Silva Estética da criação verbal SOBRAL, Adail. Estética da criação verbal. In: BRAIT, Beth. Bakhtin, dialogismo e polifonia. São Paulo: contexto, 2009. p. 167-187. Suely Aparecida da Silva Graduada em Normal

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve. PORTUGUÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPREENSÃO DO ORAL Compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. * Capacidade de extrair

Leia mais

VISÃO DE MUNDO E CTS

VISÃO DE MUNDO E CTS VISÃO DE MUNDO E CTS Visão de mundo A visão de mundo caracteriza-se como um conjunto pré-estabelecido de suposições que dá suporte para a formação da visão da realidade (CORBEN, 1991,1996) e constitui

Leia mais

O GÊNERO CANÇÃO: UMA PRÁTICA INTERSEMIÓTICA Fabiana Castro Carvalho (UFES)

O GÊNERO CANÇÃO: UMA PRÁTICA INTERSEMIÓTICA Fabiana Castro Carvalho (UFES) O GÊNERO CANÇÃO: UMA PRÁTICA INTERSEMIÓTICA Fabiana Castro Carvalho (UFES) fccfabiana@hotmail.com CONSIDERAÇÕES INICIAIS O artigo que ora apresentamos constitui uma investigação preliminar acerca do gênero

Leia mais

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO Relacionamentos intrapessoal e interpessoal Prof. Msc Rita de Cassia Moser Alcaraz Comprometido Envolvimento: ato ou efeito de envolver-se, envoltura 2 relacionamento,

Leia mais

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula

1. A comunicação e a argumentação em sala de aula COMUNICAÇÃO, ARGUMENTAÇÃO E A APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NAS SÉRIES INICIAIS Profª Drª Regina Maria Pavanello Universidade Estadual de Maringá reginapavanello@hotmail.com Resumo: Os professores mostram,

Leia mais

4 PERSPECTIVAS BAKHTINIANAS

4 PERSPECTIVAS BAKHTINIANAS 40 4 PERSPECTIVAS BAKHTINIANAS A vida conhece dois centros de valores que são fundamentais e essencialmente diferentes, e ainda assim correlacionados um com o outro: eu mesmo e o outro; e é em torno desses

Leia mais

Dialogismo e interação em Bakhtin: fundamentos para a prática em sala de aula

Dialogismo e interação em Bakhtin: fundamentos para a prática em sala de aula Dialogismo e interação em Bakhtin: fundamentos para a prática em sala de aula Janayna Bertollo Cozer Casotti 1 O dialogismo, no conjunto da obra de Bakhtin (1999), constitui característica essencial da

Leia mais

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO:

MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE PIBID- Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR LAÉRCIO FERNANDES NÍVEL DE ENSINO: Ensino Fundamental I- TURMA: 3º

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM LETRAS PORTUGUÊS E ESPANHOL - LICENCIATURA Campus de Realeza Turno Noturno Fase Nº. Ordem Código COMPONENTE CURRICULAR Créditos Horas Pré Requisito 1. GLA001

Leia mais

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 3 Anos

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 3 Anos DGEstE Direção de Serviços da Região Norte Agrupamento de Escolas LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 Departamento da Educação Pré-Escolar Ano Letivo 2016/2017 Perfil de Aprendizagens Específicas,

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Professor Isaac Antonio Camargo

HISTÓRIA DA ARTE. Professor Isaac Antonio Camargo HISTÓRIA DA ARTE Professor Isaac Antonio Camargo 1 Licenciado em Desenho e Plástica UNAERP/SP Mestre em Educação UEL/PR Doutor em Comunicação e Semiótica PUC/SP 6. Arte e Valor Antes de pensarmos a Arte

Leia mais

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.

Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6. Introdução 1 Língua, Variação e Preconceito Linguístico 1 Linguagem 2 Língua 3 Sistema 4 Norma 5 Português brasileiro 6 Variedades linguísticas 6.1 Padrão vs. não padrão 6.2 Variedades sociais 6.3 Classificação

Leia mais

UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE

UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE UM ESPETÁCULO DE DANÇA COMO MEDIADOR SEMIÓTICO NA AULA DE ARTE Mary Fátima Gomes Rodrigues Fundação Regional Educacional de Avaré e-mail: rodriguesmary@bol.com.br Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, LETRAS E CIÊNCIAS HUMANAS Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas DISCIPLINA: Atividades de Estágio em Língua Portuguesa (Licenciatura em Letras)

Leia mais

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos.

Liderança. A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. CHEFIA E LIDERANÇA Liderança A liderança é passível de ser adquirida e ser desenvolvida em qualquer ambiente de relacionamentos. Liderança Liderar significa possuir a capacidade e o discernimento para

Leia mais

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24

Sumário. Introdução, 1. 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 Sumário Introdução, 1 1 Português jurídico, 5 1 Linguagem, sistema, língua e norma, 5 2 Níveis de linguagem, 11 Exercícios, 24 2 Como a linguagem funciona, 31 1 Análise do discurso, 31 2 O estudo da linguagem,

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Libras I 160h Não há Sujeito Surdo, Diferença,

Leia mais

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO

EMENTA OBJETIVOS DE ENSINO Sociologia I PLANO DE DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Sociologia I CURSO: Técnico em Segurança do Trabalho (Integrado) SÉRIE: 1ª CARGA HORÁRIA: 67 h (80 aulas) DOCENTE: EMENTA A introdução ao pensamento

Leia mais

DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE. Por Claudio Alves BENASSI

DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE. Por Claudio Alves BENASSI 1 DO RECURSO DIDÁTICO NÚMEROS SEMÂNTICOS E SUA APLICABILIDADE Por Claudio Alves BENASSI D uarte, pesquisador da linguística da Língua Brasileira de Sinais, dá uma importante contribuição para o avanço

Leia mais

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5

Índice. 1. O Alfabetizador Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 GRUPO 5.4 MÓDULO 2 Índice 1. O Alfabetizador...3 1.1. Contribuições ao Educador-Alfabetizador... 4 1.2. Ações do professor alfabetizador... 4 2. Ao Desenhar, A Criança Escreve?...5 2 1. O ALFABETIZADOR

Leia mais

Concepções sobre texto e discurso. Prof. Dr. Sérsi Bardari 2012

Concepções sobre texto e discurso. Prof. Dr. Sérsi Bardari 2012 Concepções sobre texto e discurso Prof. Dr. Sérsi Bardari 2012 Etmologia Texto, origem labna, tecer, fazer tecido, entrançar, entrelaçar; narrabva, exposição. Discurso, origem labna, ação de correr para

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Mairiporã Etec: Mairiporã Código: 27 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Nível Médio de

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL Introdução ao Serviço Social A prática profissional no Serviço Social na atualidade: o espaço sócioocupacional que a particulariza e identifica;

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 2º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Aspectos morfológicos e

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS/PORTUGUÊS Gêneros textuais como ferramenta para o ensino de Língua Portuguesa INTRODUÇÃO De acordo com os objetivos do programa, conforme portaria 096/2013 Capes, essa proposta de

Leia mais

Um bom lugar para ler

Um bom lugar para ler Um bom lugar para ler E.E. Olímpio Catão sala 1- sessão 2 um livro Professor(es) Apresentador(es): Iva Tavares da Rocha Realização: Projeto Um bom lugar para ler um livro Prof. Iva Foco O Projeto Um bom

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Sociologia Série: 2º Eixo Tecnológico:

Leia mais

SURDEZ E EXPRESSÕES METAFÓRICAS: PELA SINGULARIDADE DO LETRAMENTO Daniele Barboza Moura (INES)

SURDEZ E EXPRESSÕES METAFÓRICAS: PELA SINGULARIDADE DO LETRAMENTO Daniele Barboza Moura (INES) SURDEZ E EXPRESSÕES METAFÓRICAS: PELA SINGULARIDADE DO LETRAMENTO Daniele Barboza Moura (INES) danielebmoura@ig.com.br 1. Introdução Ao ouvir a seguinte frase João enfiou o pé na jaca, você irá imaginar

Leia mais

R e s e n h a SÁNCHEZ, Celso. Ecologia do corpo. Rio de Janeiro: Wak Editora, p.

R e s e n h a SÁNCHEZ, Celso. Ecologia do corpo. Rio de Janeiro: Wak Editora, p. R e s e n h a SÁNCHEZ, Celso. Ecologia do corpo. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2011. 87p. Zilda DOURADO 1 A ecolinguística está firmando-se como uma nova epistemologia nos estudos da linguagem, pois estuda

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade

Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade Introdução Relativamente ao Curso Técnico Superior Profissional em Assessoria e Comunicação Organizacional, a área a que se refere o n. 1 do

Leia mais

PRIMEIRA VERSÃO ISSN lathé biosa 36

PRIMEIRA VERSÃO ISSN lathé biosa 36 UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA (UFRO) CENTRO DE HERMENÊUTICA DO PRESENTE PRIMEIRA VERSÃO ANO I, Nº36 - JANEIRO - PORTO VELHO, 2002 PRIMEIRA VERSÃO ISSN 1517-5421 lathé biosa 36 ISSN 1517-5421 EDITOR

Leia mais

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h:

BERÇARISTA. CURSO 180h: CURSO 260h: ARTES ENSINO FUNDAMENTAL Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Histórico do ensino da arte no brasil. Educação por meio da arte. Artes e educação, concepções teóricas. Histórico

Leia mais

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana.

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana. 1 Antropologia, a Ciência do homem A ciência - antropologia divide-se em dois campos: 1) Antropologia Física - Refere-se à forma Física do Homem (biologia humana); 2) Antropologia Social - Comportamento

Leia mais

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático As Dicotomias Linguísticas Sincronia versus Diacronia Língua versus Fala Significante

Leia mais

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Competência Objeto de aprendizagem Habilidade 3ª Geografia 3ª Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade 1.- Geografia: C 1: Categorias da Geografia Compreender a Geografia como ciência do espaço geográfico, reconhecendo-se, de forma crítica,

Leia mais

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo Engenharia Semiótica Há mais H em IHC do que o H dos usuários Duas teorias de IHC Engenharia Cognitiva

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE ÍNDICE PRIMEIRA PARTE IN T R O D U Ç Ã O... 9 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA SLH T J... 11 1. Sem iótica... II 2. Lingüística... 12 3. Herm enêutica... 12 4. Texto Jurídico... 13 CAPÍTULO 1 - GRAMATICA DA

Leia mais

NÍVEL INICIAL DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA SOB UMA VISÃO DIALÓGICA RESUMO

NÍVEL INICIAL DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA SOB UMA VISÃO DIALÓGICA RESUMO NÍVEL INICIAL DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA ESTRANGEIRA SOB UMA VISÃO DIALÓGICA Victor Ernesto Silveira Silva 1 RESUMO No presente artigo, pretende-se relacionar o conceito de dialogismo constitutivo da linguagem

Leia mais

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 3. Comunicação. Contextualização. Motivação dos Talentos Humanos. Instrumentalização

Organização da Aula. Gestão de Recursos Humanos. Aula 3. Comunicação. Contextualização. Motivação dos Talentos Humanos. Instrumentalização Gestão de Recursos Humanos Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Organização da Aula Comunicação nas empresas Motivação dos talentos humanos Comunicação Processo de comunicação Contextualização Barreiras

Leia mais

Machado, Alvaro Manuel; Pageaux, Daniel-Henri. Da Literatura Comparada à Teoria da Literatura. 2ed. rev. aum. Lisboa: Presença, 2001.

Machado, Alvaro Manuel; Pageaux, Daniel-Henri. Da Literatura Comparada à Teoria da Literatura. 2ed. rev. aum. Lisboa: Presença, 2001. Machado, Alvaro Manuel; Pageaux, Daniel-Henri. Da Literatura Comparada à Teoria da Literatura. 2ed. rev. aum. Lisboa: Presença, 2001. Eis que é entregue ao público a segunda edição de Da Literatura Comparada

Leia mais

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º

Cursos Profissionais Disciplina: PORTUGUÊS Anos: 10º; 11º e 12º PARÂMETROS GERAIS DE AVALIAÇÃO Integração escolar e profissionalizante Intervenções e Atividades na sala de aula: PESOS PARÂMETROS ESPECÍFICOS INSTRUMENTOS Peso 2 Peso 5 Comportamento-assiduidade-pontualidadecumprimento

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS CANDIDATOS AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS DISCIPLINA DE PSICOLOGIA

PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS CANDIDATOS AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS DISCIPLINA DE PSICOLOGIA PROVA DE AVALIAÇÃO DE CONHECIMENTOS E COMPETÊNCIAS CANDIDATOS AO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS DISCIPLINA DE PSICOLOGIA 16 de Junho de 2016 Tempo de realização da prova: 1h00 Nome completo: Nº

Leia mais

Curso: 1ºciclo Disciplina: Inglês Ano(s): 4º

Curso: 1ºciclo Disciplina: Inglês Ano(s): 4º Domínios Objetivos Instrumentos de avaliação Peso Domínio Intercultural Compreensão / Listening Interação Leitura / Reading e Escrita / Writing - Conhecer-se a si e ao outro. - Conhecer o dia a dia na

Leia mais

UNIDADE DE ESTUDO - 3ª ETAPA

UNIDADE DE ESTUDO - 3ª ETAPA OBJETIVOS GERAIS: UNIDADE DE ESTUDO - 3ª ETAPA - 2016 Disciplina: Linguagem Oral e Escrita Professoras: Anália, Carla, Fabiana e Roberta Período: 2º Segmento: Educação Infantil Mostrar autonomia na utilização

Leia mais

ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA

ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA ARTES 4ª FASE PROF.ª ARLENE AZULAY PROF.ª LÚCIA REGINA CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia- Corpo, movimento e linguagem na era da informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 2.2 Conteúdos Cores

Leia mais

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1

E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Debate Regrado - desenvolvendo a argumentação e promovendo o protagonismo dos alunos E.E. Professora Lurdes Penna Carmelo Sala 1/ Sessão 1 Professor Apresentador: Celina Aparecida Rodrigues Machado dos

Leia mais

ATENÇÃO! Material retirado da Internet, que eu considero de fonte segura e confiável. Os endereços estão no fim de cada assunto. O que é Semântica? Semântica provém do vocábulo grego que se pode traduzir

Leia mais

Gramática. Prof Guto

Gramática. Prof Guto Gramática Prof Guto O texto é uma reunião de ideias lógicas expressas pela combinação de palavras. A compreensão de texto nada mais é do que a capacidade de entender as partes de um texto e sua relação

Leia mais

Formação Geral. Caminhos para condução das respostas a respeito do Direito das meninas/jovens/mulheres:

Formação Geral. Caminhos para condução das respostas a respeito do Direito das meninas/jovens/mulheres: Formação Geral PADRÃO DE RESPOSTA O estudante deve elaborar um texto dissertativo que contemple alguns dos seguintes argumentos e exemplos possíveis: Item a: Caminhos para condução das respostas a respeito

Leia mais

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO

CURSO: JORNALISMO EMENTAS º PERÍODO CURSO: JORNALISMO EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: TEORIAS DA COMUNICAÇÃO Estudo do objeto da Comunicação Social e suas contribuições interdisciplinares para constituição de uma teoria da comunicação.

Leia mais

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Um olhar para o Poema PCNP LP Aline Cristina do Prado PCNP LP Cristiane Aparecida Nunes

Um olhar para o Poema PCNP LP Aline Cristina do Prado PCNP LP Cristiane Aparecida Nunes Um olhar para o Poema PCNP LP Aline Cristina do Prado PCNP LP Cristiane Aparecida Nunes 16 de outubro de 2013 Dimensões discursivas, textuais e linguísticas do poema: um caminho para orientar a reescrita

Leia mais

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura

O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura O livro na sociedade, a sociedade no livro: pensando sociologicamente a literatura Laura Garbini Both Mestre em Antropologia Social UFPR Profa. da UNIBRASIL laura.both@unibrasil.com.br No nosso dia-a-dia

Leia mais

O LUGAR DO INTERDISCURSO NA INTERAÇÃO COM O LEITOR Lívia Marinho Lessa Barboza (UERJ)

O LUGAR DO INTERDISCURSO NA INTERAÇÃO COM O LEITOR Lívia Marinho Lessa Barboza (UERJ) O LUGAR DO INTERDISCURSO NA INTERAÇÃO COM O LEITOR Lívia Marinho Lessa Barboza (UERJ) liviamarinho@tjrj.jus.br Um texto é emitido para que alguém o atualize mesmo quando não se espera que esse alguém exista

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Equivalência à Frequência FRANCÊS L.E II Prova 16 2013 Prova escrita 3.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência

Leia mais

Escritos de Max Weber

Escritos de Max Weber Escritos de Max Weber i) 1903-1906 - A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo (1ª parte, em 1904; 2ª parte em 1905; introdução redigida em 1920); - A objetividade do conhecimento nas Ciências Sociais

Leia mais

BAKHTIN E A FILOSOFIA DO SIGNO

BAKHTIN E A FILOSOFIA DO SIGNO BAKHTIN E A FILOSOFIA DO SIGNO BRUTTI, Tiago Anderson 1 Resumo Nesta composição textual a respeito da filosofia do signo, do modo como ela é apresentada por Mikhail Bakhtin na obra Marxismo e filosofia

Leia mais