Percurso para uma análise semiótica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Percurso para uma análise semiótica"

Transcrição

1 Percurso para uma análise semiótica 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo Contemplar: Tornar-se disponível para o que está diante dos olhos Sem apressar a interpretação Suspensão dos julgamentos Corre-se o risco de perder a sensibilidade para os aspectos qualitativos (seu caráter de qualisigno) Aquilo que apela para a sensibilidade e sensorialidade são qualidades

2 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo 1º olhar Signo como pura possibilidade qualitativa: Linhas, cores, formas, volumes, texturas, sons, movimentos, temporalidade, etc. O signo comunica primeiramente pelo modo como aparece, pelas suas qualidades 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo 2º olhar Olhar observacional. Estar alerta para a existência singular do fenômeno, discriminar os limites que o diferenciam do contexto, distinguir partes do todo Estar atento para a dimensão sin-signo do fenômeno, para o modo como sua singularidade se delineia no seu aqui e agora.

3 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo Observação do modo particular como o signo se corporifica, a observação de suas características existenciais, do que é único a este objeto. O modo como as qualidades estão encarnadas no objeto com seu tempo histórico diz respeito ao aspecto de sin-signo 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo 3º olhar generalizações próprias do aspecto de lei do fundamento do signo Conseguir abstrair o geral do particular, extrair de um dado fenômeno aquilo que ele tem em comum com todos os outros com que compõe uma classe geral Dirigir a atenção para as regularidades, as leis, os aspectos mais abstratos do fenômeno, responsáveis por sua localização numa classe de fenômenos

4 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo Os sin-signos dão corpo aos quali-signos, enquanto os legi-signos funcionam como princípios-guia para os sin-signos. Quali-sin-legi-signos são três aspectos inseparáveis que as coisas exibem, três propriedades que permitem que as coisas funcionem como signos. 2. Explorar o poder sugestivo, indicativo e representativo dos signos Análise do objeto do signo Relação do signo com o objeto diz respeito à capacidade referencial ou não do signo A que o signo se refere? A que ele se aplica? O que ele denota? O que ele representa?

5 2. Explorar o poder sugestivo, indicativo e representativo dos signos Análise começa do objeto imediato, já que o objeto dinâmico só se faz presente a partir do imediato Objeto imediato: modo como signo está representado 2. Explorar o poder sugestivo, indicativo e representativo dos signos 1º olhar Leva em consideração apenas o aspecto qualitativo do signo. O objeto imediato coincide com a qualidade de aparência do signo. 2º olhar Leva em consideração apenas o aspecto existente de um signo. O objeto imediato é a materialidade do signo como parte do universo a que o signo existencialmente pertence. O objeto imediato aparece como parte de outro existente

6 2. Explorar o poder sugestivo, indicativo e representativo dos signos 3º olhar Leva em conta a propriedade de lei, o legi-signo como fundamento. O objeto imediato é um certo recorte que o objeto imediato apresenta de seu objeto dinâmico. Esse recorte coincide com um estágio de conhecimento com que o signo representa seu objeto. No legi-signo aquilo que o objeto imediato representa é ele mesmo um signo. 2. Explorar o poder sugestivo, indicativo e representativo dos signos Objeto dinâmico: modo como o signo se reporta àquilo que ele intenta representar Modo icônico A base para analisar o aspecto icônico do signo está no seu fundamento e no seu objeto imediato, ambos coincidentes com as qualidades que o signo exibe. A única capacidade referencial que o ícone pode ter é a de apresentar algum grau de semelhança com as qualidade de algum objeto. Referências do ícone são abertas, ambíguas, indeterminadas, dependem de um campo associativo por similaridade.

7 2. Explorar o poder sugestivo, indicativo e representativo dos signos Modo indicial Nos índices a referência é direta e pouco ambígua. Ler para onde o sin-signo aponta: forma de vestígios, marcas, traços. 2. Explorar o poder sugestivo, indicativo e representativo dos signos Modo simbólico Campo vasto de referências que incluem os costumes e valores coletivos e todos os tipos de padrões estéticos, comportamentais, etc.

8 3. Acompanhar os níveis interpretativos do signo É só na relação com o interpretante que o signo completa sua ação como signo. É apenas nesse ponto que ele age efetivamente como signo. 2 níveis de interpretante: 3. Acompanhar os níveis interpretativos do signo 1º nível Interpretante Imediato. Potencial que o signo tem para produzir certos efeitos no instante do ato interpretativo. Interno ao signo, fica à espera de uma mente interpretadora. No ícone essas possibilidades são sempre abertas, pois nada o ícone é definitivo. No índice as possibilidades interpretativas são fechadas, pois signo e objeto possuem uma ligação existencial.

9 3. Acompanhar os níveis interpretativos do signo No símbolo as possibilidades interpretativas são quase infinitas. Os símbolos crescem porque seu potencial para significar e ser interpretado não se esgota em nenhuma interpretação particular Analisar o interpretante imediato: levantar, a partir do exame cuidadoso da natureza do signo, da relação com o objeto e do potencial sugestivo, no seu aspecto icônico, referencial, no seu aspecto indicial, e significativo, algumas das possibilidades que julgamos que o signo apresenta. 3. Acompanhar os níveis interpretativos do signo 2º nível Interpretante dinâmico. Sempre que analisamos o interpretante imediato, o fazemos na posição de uma mente interpretadora, na posição do interpretante dinâmico. Etapa de explicitar os níveis interpretativos que as diferentes facetas do signo efetivamente produzem em um intérprete, no caso, o próprio analista. Os níveis interpretativos efetivos distribuem-se em três camadas: a camada emocional, ou seja, as qualidades de sentimento e a emoção que o signo é capaz de produzir em nós; a camada energética, quando o signo nos impele a uma ação física ou puramente mental; e a camada lógica, esta a mais importante quando o signo visa produzir cognição.

10 3. Acompanhar os níveis interpretativos do signo 3º nível Interpretante final Nunca pode ser efetivamente alcançado por um intérprete particular. Final é o teor coletivo da interpretação, o limite ideal, inatingível Análise semiótica Resumo do roteiro (seguindo a lógica interna das relações do signo): Nível 1 Fundamento do signo Nível 2 Relação do signo com o objeto (Modo icônico, indicial e simbólico) 2.1 Objeto imediato 2.2 Objeto dinâmico Nível 3 Relação do signo com interpretante 3.1 Interpretante imediato 3.2 Interpretante dinâmico

11 Análise semiótica Não há comunicação sem mensagem Não há mensagem sem signos Semiótica estuda signos Semiótica habilita a compreender o potencial comunicativo de todos os tipos de mensagem, nos variados efeitos que estão aptas a produzir no receptor. A análise semiótica tem por objetivo tornar explícito o potencial comunicativo que um produto, peça ou imagem apresenta. Explorar, através da análise, quais são os efeitos que um dado produto está apto a produzir em um receptor. Análise semiótica 1. Os três pontos de vista semióticos Para explorar o potencial comunicativo O ponto de vista qualitativo-icônico O singular-indicativo O convencional-simbólico

12 1.1 O ponto de vista qualitativoicônico Analisados os aspectos qualitativos de um produto, pela ou imagem Qualidade da matéria de que é feito Cores, linhas, volume, dimensão, textura, luminosidade, composição, forma, design etc. Aspectos responsáveis pela primeira impressão que um produto provoca no receptor 1.1 O ponto de vista qualitativoicônico Podem levar a qualidades abstratas: leveza, sofisticação, fragilidade, pureza, severidade, elegância, delicadeza, força, monotonia, etc. Associações de idéias que a primeira impressão desperta: uma cor que lembra algo, uma forma... relações icônicas de comparação por semelhança

13 1.2 O ponto de vista singularindicativo O produto, peça ou imagem é analisado como algo que existe em um espaço e tempo determinados. Traços de sua identidade. As qualidades passam a ser vistas em função da sua manipulação e uso Que índice apresenta de sua origem? Que indicações contém da faixa de usuário ou consumidor a que se destina? 1.3 O ponto de vista convencionalsimbólico O produto é analisado no seu caráter de tipo, como um tipo de produto. a) Analisam-se os padrões de design e os padrões de gosto a que esses designs atendem. Que horizontes de expectativas culturais eles preenchem?

14 1.3 O ponto de vista convencionalsimbólico b) Analisa-se o poder representativo do produto. O que ele representa? Que valores lhe foram agregados culturalmente? Qual o status cultural da marca? Como esse status foi construído? 1.3 O ponto de vista convencionalsimbólico c) É analisado o tipo de usuário ou consumidor que o produto visa atender e que significados os valores que o produto carrega podem ter para esse tipo de consumidor.

15 Análise de programação visual Seda = programação visual didática Ponto de vista qualitativo-icônico Cores e imagens: para cada tipo de shampoo há uma cor específica; no fundo existe uma imagem estilizada de uma mecha de cabelo Forma: forma retangular longinínea, levemente achatada na profundidade e leve curvatura nas arestas. Distribuição dos elementos no espaço: divisão simétrica entre parte superior e inferior, gerando equilíbrio Análise de programação visual Ponto de vista singularindicativo Cada tipo de shampoo, para cada tipo de cabelo é diferenciado pela cor. A cor é um traço distintivo. A imagem da mecha de cabelo também indica na imagem o tipo de cabelo a que se aplica.

16 Análise de programação visual Ponto de vista convencionalsimbólico O padrão de distribuição da informação Um programa didático

17 Análise de programação visual Ponto de vista singularindicativo OX funciona como índice de oxigênio A visibilidade do produto funciona como garantia do produto

18 Roteiro de análise Nível 1 Fundamento do signo Nível 2 Relação do signo com o objeto 2.1 Objeto imediato 2.2 Objeto dinâmico Nível 3 Relação do signo com interpretante 3.1 Interpretante imediato 3.2 Interpretante dinâmico

19 Roteiro de análise Nível 1 Fundamento do signo Nível 2 Relação do signo com o objeto 2.1 Objeto imediato 2.2 Objeto dinâmico Nível 3 Relação do signo com interpretante 3.1 Interpretante imediato 3.2 Interpretante dinâmico TEXTOS DE APOIO SANTAELLA, Lúcia. Semiótica aplicada. pg e 70-82

20

A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE

A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE A SEMIÓTICA SEGUNDO PEIRCE SANTAELLA, Lucia. Semiótica aplicada. SP: Pioneira, 2004. Teorias dos signos UNEB Lidiane Lima A TEORIA DOS SIGNOS: Três origens: EUA (1), Europa Ocidental e União Soviética

Leia mais

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer

Leia mais

Divisão da filosofia peirciana

Divisão da filosofia peirciana Filosofia peirciana Divisão da filosofia peirciana A Filosofia peirciana é dividida em três ramos: 1. Fenomenologia (filosofia do fenômeno: tal como ele pode ser) 2. Ciências Normativas (filosofia do fenômeno:

Leia mais

Semiótica Aplicada (SANTAELLA, Lucia. São Paulo: Thomson Learning, 2007, 185p.)

Semiótica Aplicada (SANTAELLA, Lucia. São Paulo: Thomson Learning, 2007, 185p.) Resenha Semiótica Aplicada (SANTAELLA, Lucia. São Paulo: Thomson Learning, 2007, 185p.) Társila Moscoso BORGES 1 No livro Semiótica Aplicada Lúcia Santaella fala do crescimento do número de linguagens

Leia mais

Introdução à Semiótica

Introdução à Semiótica Introdução à Semiótica Prof. Ecivaldo Matos Dept. de Ciência da Computação Colégio Pedro II Pesquisador LEAH - UERJ Março/2008 Síntese dos principais tópicos O que a Semiótica estuda Signos, significação

Leia mais

Comunicação, moda e semiótica: pressupostos para o estudo da história do jeans em campanhas publicitárias

Comunicação, moda e semiótica: pressupostos para o estudo da história do jeans em campanhas publicitárias Comunicação, moda e semiótica: pressupostos para o estudo da história do jeans em campanhas publicitárias Elisete Altafim (Graduanda em Moda UEM) Marcela Zaniboni Campos (Graduanda em Moda UEM) Evandro

Leia mais

ECO, Umberto. A estrutura ausente

ECO, Umberto. A estrutura ausente FONTE COMPLEMENTAR: SANTAELLA, Lúcia. Comunicação e Semiótica ECO, Umberto. A estrutura ausente Influência: filosofia, estética, teorias da informação, da comunicação e da cibernética Crítica ao estruturalismo

Leia mais

Palavras-chave: Rihanna, Cd Anti, Semiótica, Interpretante

Palavras-chave: Rihanna, Cd Anti, Semiótica, Interpretante Análise Semiótica da capa do Cd Anti da cantora pop Rihanna¹ Cristiane Turnes Montezano² Francisco Paoliello Pimenta³ Universidade Federal de Juiz de Fora RESUMO Esse artigo pretende analisar através dos

Leia mais

Revisão de Semiótica

Revisão de Semiótica Revisão de Semiótica O que é semiótica? É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth É a teoria geral dos signos (algo que representa alguma coisa

Leia mais

5. O percurso metodológico

5. O percurso metodológico 5. O percurso metodológico 5. O percurso metodológico 76 5. O percurso metodológico 5.1. Etapas e procedimentos metodológicos 5.2. Percurso para a leitura e análise da semiose no design nas cidades digitais

Leia mais

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica Design & Percepção 3 Lígia Fascioni Semiótica Para entender a cultura contemporânea, você tem que entender semiótica Paul Cobley Semiótica para Principiantes, 2004 O que é semiótica? Semiótica X Semiologia

Leia mais

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali A SEMIOSE Para Peirce, o importante não é o signo tal como em Saussure - mas a situação signíca, que ele chama de semiose.

Leia mais

Texto integrante dos Anais do XVIII Encontro Regional de História O historiador e seu tempo. ANPUH/SP UNESP/Assis, 24 a 28 de julho de Cd-rom.

Texto integrante dos Anais do XVIII Encontro Regional de História O historiador e seu tempo. ANPUH/SP UNESP/Assis, 24 a 28 de julho de Cd-rom. Semiótica aplicada à análise de imagens em história Ana Cristina Teodoro da Silva (UEM/DFE) Encarar imagens como fontes de pesquisa causa impacto. A percepção de que estamos dialogando com linguagens não

Leia mais

Signos e Metáforas na Comunicação da Música Luciana David de Oliveira Dissertação de Mestrado, COS/PUC-SP, 2007.

Signos e Metáforas na Comunicação da Música Luciana David de Oliveira Dissertação de Mestrado, COS/PUC-SP, 2007. Signos e Metáforas na Comunicação da Música Luciana David de Oliveira Dissertação de Mestrado, COS/PUC-SP, 2007. Caio Anderson Ramires Cepp A obra aqui resenhada se refere à pesquisa de mestrado produzido

Leia mais

3 A aplicação MoLIC WOz

3 A aplicação MoLIC WOz A aplicação MoLIC WOz 33 3 A aplicação MoLIC WOz Esta seção descreve a MoLIC WOz relacionando com a Engenharia Semiótica (3.1) e apresentando a estrutura da ferramenta (3.2). 3.1 MoLIC WOz e a Engenharia

Leia mais

18/02/2013 19/02/2013

18/02/2013 19/02/2013 Saba (15 min,, SP, 2006) Empresa Produtora: Gregorio Graziosi Diretor: Gregorio Graziosi Roteiro: Gregorio Graziosi Produção: Gregorio Graziosi e Thereza Menezes Fotografia: Gregorio Graziosi Montagem:

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II Semiótica Signo Linguagens Origem Vertentes Significado e significante Aplicação Prática Fases do processo de comunicação: Pulsação

Leia mais

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce Primeiridade, Secundidadee Terceiridade Charles Peircee a Lógica Triádicado Signo. 1839-1914 Charles Sanders Peirce Ciências naturais: químico, matemático, físico, astrônomo, biologia, geologia Ciências

Leia mais

PARTE II. Diagramas das classes de signos

PARTE II. Diagramas das classes de signos PARTE II. Diagramas das classes de signos II.1. Modelos desenvolvidos por Peirce Nesta seção, são analisados dois diagramas elaborados por Peirce para as dez classes de signos (MS 540: 17, CP 2.264, EP

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES

Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES Pontifícia Universidade Católica Psicologia Jurídica AS FUNÇÕES MENTAIS SUPERIORES REALIDADE Realidade psíquica elaborada pelo indivíduo a partir dos conteúdos armazenados na mente As vezes, usamos nossa

Leia mais

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO Relacionamentos intrapessoal e interpessoal Prof. Msc Rita de Cassia Moser Alcaraz Comprometido Envolvimento: ato ou efeito de envolver-se, envoltura 2 relacionamento,

Leia mais

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX

TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX TEORIA E CRÍTICA LITERÁRIA SÉCULO XX Abordagens extrínsecas Literatura e Biografia Tese: a biografia do autor explica e ilumina a obra. Objeções: 1) O conhecimento biográfico pode ter valor exegético,

Leia mais

resenhas texto, som, imagem, hipermídia

resenhas texto, som, imagem, hipermídia resenhas texto, som, imagem, hipermídia Como as linguagens significam as coisas ANA MARIA GUIMARÃES JORGE Teoria Geral dos Signos. Como as Linguagens Significam as Coisas de Lucia Santaella. São Paulo:

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

Pequeno ensaio a respeito da iconicidade pierciana e exotopia de Bakhtin na música

Pequeno ensaio a respeito da iconicidade pierciana e exotopia de Bakhtin na música Pequeno ensaio a respeito da iconicidade pierciana e exotopia de Bakhtin na música A percepção, um dos principais meios de obtenção de conhecimentos para a criação segundo Salles (2009: 126), e é para

Leia mais

Linguística Computacional Interativa

Linguística Computacional Interativa 1 Linguística Computacional Interativa Linguagem Natural em IHC: possibilidades a explorar Aula de 13 de novembro de 2012 2 Um mergulho rápido na praia da Semiótica O signo peirceano: acesso mediado ao

Leia mais

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos.

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos. A semiótica é a teoria dos signos. Segundo Umberto Eco, um signo é algo que está no lugar de outra coisa. Ou seja, que representa outra coisa. Uma árvore, por exemplo, pode ser representada por uma série

Leia mais

Análise do pôster de Anomalisa sob a semiótica de Charles Peirce 1

Análise do pôster de Anomalisa sob a semiótica de Charles Peirce 1 Análise do pôster de Anomalisa sob a semiótica de Charles Peirce 1 Maria Madalena de Bastos Ferreira COSTA 2 Francisco José Paoliello PIMENTA 3 Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Juiz

Leia mais

Comunicação Visual. Introdução

Comunicação Visual. Introdução Comunicação Visual Introdução Comunicar é a capacidade de partilhar, pôr em comum, o que pensamos ou sentimos; é transmitir uma determinada mensagem. Para que a comunicação exista é necessária a existência

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO PLANIFICAÇÃO

EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO PLANIFICAÇÃO Objetivos gerais: EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO PLANIFICAÇÃO COMPREENDER CONCEITOS TEÓRICO-CIENTÍFICOS DO FENÓMENO LUZ-COR. RECONHECER A IMPORTÂNCIA DA LUZ-COR NA PERCEÇÃO DO MEIO ENVOLVENTE. DISTINGUIR CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Cinco eixos, dentro da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, visam fortalecer as políticas públicas e dar

Cinco eixos, dentro da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, visam fortalecer as políticas públicas e dar M A N U A L D E I D E N T I D A D E V I S U A L Cinco eixos, dentro da Secretaria de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, visam fortalecer as políticas públicas e dar voz e vez às pessoas

Leia mais

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade Departamento de Expressão Gráfica - UFPR COMUNICAÇÃO VISUAL Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade A informação por meio de sinais provocou

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA

A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA Disciplina: Desenvolvimento Psicológico III Profª Ms. Luciene Blumer Pois nisto de criação literária cumpre não esquecer guardada a infinita distância que o mundo também

Leia mais

Cores na Inteface Gráfica

Cores na Inteface Gráfica Cores na Inteface Gráfica Ana Paula Costa Fabiano Gonçalves Maria Cristina Díez Renato Pantel Introdução O uso correto da cor, facilita a formação do modelo mental. O uso adequado da cor pode facilitar

Leia mais

2. Semiótica e Engenharia Semiótica

2. Semiótica e Engenharia Semiótica 2. Semiótica e Engenharia Semiótica Neste capítulo serão revistos alguns conceitos fundamentais da teoria dos signos de Peirce (1960, 1993, 1998) e da teoria da engenharia semiótica, de Souza (2005a, 2005b).

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno è capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor;

Leia mais

APRENDENDO A DESORGANIZAR UM SISTEMA 1 Bruna Havresko 2 Níncia Cecília Ribas Borges Teixeira 3

APRENDENDO A DESORGANIZAR UM SISTEMA 1 Bruna Havresko 2 Níncia Cecília Ribas Borges Teixeira 3 APRENDENDO A DESORGANIZAR UM SISTEMA 1 Bruna Havresko 2 Níncia Cecília Ribas Borges Teixeira 3 RESUMO A fotografia artística é mais conhecida atualmente como fotografia criativa. A maneira como cada pessoa

Leia mais

GALENO AMORIM OS LEITORES BRASILEIROS E O LIVRO DIGITAL

GALENO AMORIM OS LEITORES BRASILEIROS E O LIVRO DIGITAL GALENO AMORIM Galeno.amorim@observatoriodolivro.org.br OS LEITORES BRASILEIROS E O LIVRO DIGITAL 32 MILHÕES DE LIVROS BRASIL, UM PAÍS DE 95 MILHÕES DE LEITORES! Fonte: Livro Retratos da Leitura no Brasil

Leia mais

Introdução ao estudo do Signo: a Semiologia e a Semiótica

Introdução ao estudo do Signo: a Semiologia e a Semiótica ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXWYZ0123456789!?@%$ A palavra semiótica (do grego σημειωτικός (sēmeiōtikos) literalmente "a ótica dos sinais"), é a ciência geral dos signos e da semiose que estuda todos os fenômenos

Leia mais

A Semiótica na Comunicação do Produto Industrial: um Estudo de Caso

A Semiótica na Comunicação do Produto Industrial: um Estudo de Caso A Semiótica na Comunicação do Produto Industrial: um Estudo de Caso The Semiotic in Product Communication Industry: a Case Study SILVA, Ramon Martins; Bolsista PET Design; Instituto Federal de Educação,

Leia mais

CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO

CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO DO 1ºCICLO CRITÉRIOS/INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO - 1ºAno e 2ºAno de escolaridade Domínios Competências Avaliação Sabe escutar para reproduzir pequenas mensagens e para

Leia mais

De Neologismo a Símbolo

De Neologismo a Símbolo De Neologismo a Símbolo Carolina Akie Ochiai Seixas LIMA 1 UFMT/MeEL Resumo: Este texto aborda a questão do neologismo no campo semântico da informática, o que nos permite fazer algumas inferências a respeito

Leia mais

Mapas temáticos e gráficos

Mapas temáticos e gráficos Mapas temáticos e gráficos Tipos de representações gráficas Mapas temáticos: representam os diversos fenômenos sociais e naturais. Gráficos expressam numericamente os mesmos fenômenos, facilitando o entendimento.

Leia mais

SEMIÓTICA E SEMIOSE 1. Primeiridade. primeira categoria liberdade liberdade fusão indeterminação presentidade qualidade sensação

SEMIÓTICA E SEMIOSE 1. Primeiridade. primeira categoria liberdade liberdade fusão indeterminação presentidade qualidade sensação 1 SEMIÓTICA E SEMIOSE Este texto foi produzido com recortes do artigo A Semiótica Geral de Peirce e a Idéia de Semiose de Eluiza Bortolotto Ghizzi (UFMS, 2000). O tema aqui desenvolvido está dentro da

Leia mais

Aula 1: Métodos de pesquisa

Aula 1: Métodos de pesquisa Aula 1: Métodos de pesquisa Quanti/Qualitativos Professores: Jose Renato de Campos Araujo Rogério Mugnaini 1 Métodos de pesquisa Artigo de Turato (2005), com os seguintes objetivos: Oferecer maior clareza

Leia mais

Ano letivo de Currículo da Disciplina de Educação Musical 5º Ano I UNIDADE

Ano letivo de Currículo da Disciplina de Educação Musical 5º Ano I UNIDADE Ano letivo de 2012-2013 Currículo da Disciplina de Educação Musical 5º Ano I UNIDADE - Ensaiar e apresentar publicamente interpretações individuais e em grupo de peças musicais em géneros e formas contrastantes

Leia mais

Conceber Pictogramas

Conceber Pictogramas Conceber Pictogramas João Vasco Matos Neves Campo de investigação Design Área de intervenção Sinalética Tema Conceber Pictogramas Palavras-chave Sinalética, sistemas pictográficos, pictografia, pictogramas,

Leia mais

Supressão de vistas em peças compostas

Supressão de vistas em peças compostas A U L A Supressão de vistas em peças compostas Introdução As peças cilíndricas, ou que contêm partes cilíndricas, também podem ser representadas com supressão de uma ou duas vistas, desde que se utilizem

Leia mais

Palavras chave. Componentes de Linguagem; Análise Semiótica; Psicologia cognitiva.

Palavras chave. Componentes de Linguagem; Análise Semiótica; Psicologia cognitiva. 9 Colóquio de Moda Fortaleza (CE) - 2013 Abordagem de pensamento: análise semiótica na geração de uma estética idealizada Thinking approach: semiotic analysis generation of an idealized aesthetic Lucia

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Instância Terciária. Culturais/Sociais. ESSÊNC IA Substâncias da Expressão. Valores. Estéticos

Instância Terciária. Culturais/Sociais. ESSÊNC IA Substâncias da Expressão. Valores. Estéticos Instância Terciária 3 ESSÊNC IA Substâncias da Expressão Valores Estésic os Estéticos Culturais/Sociais Esta terceira instância procura dar conta dos elementos de significação específicos, afetivos e cognitivos,

Leia mais

Análise semiótica da Revista Studium. Heloisa Caroline de Souza Pereira Hermes Renato Hildebrand

Análise semiótica da Revista Studium. Heloisa Caroline de Souza Pereira Hermes Renato Hildebrand Análise semiótica da Revista Studium Heloisa Caroline de Souza Pereira Hermes Renato Hildebrand O Signo O signo é uma estrutura complexa definida por três elementos que se interconectam e que não podem

Leia mais

(b) Quais os tipos de informações (diferentes, adicionais) disponibilizadas para as diferentes situações que os usuários podem se encontrar?

(b) Quais os tipos de informações (diferentes, adicionais) disponibilizadas para as diferentes situações que os usuários podem se encontrar? 4 Método ISIM O método ISIM, aqui proposto, avalia a qualidade da interação baseada em mapas, com especial ênfase em situações de uso que envolvem localização ou traçado de trajetos. Nesta avaliação, os

Leia mais

O indivíduo na organização

O indivíduo na organização Aula 2 O indivíduo na organização 1 Agenda Valores Atitudes Percepção Personalidade 2 1 Valores Valores Representam convicções básicas de que um modo específico de conduta ou de condição de existência

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 6ºANO

EDUCAÇÃO VISUAL 6ºANO REPRESENTAÇÃO R6 TÉ CNICA T6 ESCOLA EB 23 LUÍS DE CAMÕES ORGANIZAÇÃO CURRICULAR 2014/2015 EDUCAÇÃO VISUAL 6ºANO DOMÍNIO Objetivos Gerais METAS CURRICULARES Descritores de desempenho CONTEÚDOS RECURSOS

Leia mais

Fichamento PERCURSO UNIVERSITÁRIO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL

Fichamento PERCURSO UNIVERSITÁRIO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL Fichamento PERCURSO UNIVERSITÁRIO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL O que é o PET? Programa vinculado a Secretaria de Educação Superior do Ministério da Educação. Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano

Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 9 9 9 11 11 3.º período 9 11 10 10 11 Síntese da Planificação da Área de Português - 2º Ano (Carga horária: Português

Leia mais

Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais

Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais 1 Procedimentos de Pesquisa em Ciências Sociais Ana Maria Doimo Ernesto F. L. Amaral 21 de setembro de 2009 www.ernestoamaral.com/met20092.html Fonte: Banco Mundial. Monitorização e Avaliação: algumas

Leia mais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais

O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) Modelos mentais. Modelos mentais. Regra de ouro. Modelos mentais O que é Realidade? 3 - Modelos Mentais (Johnson-Laird) A fenômenos B imagem de A (observações Estágio Curricular Supervisionado em Física II D causas? (nãoobserváveis) REALIDADE Leis, Teorias, Princípios

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM 1. Função referencial (ou denotativa) É aquela centralizada no referente, pois o emissor oferece informações da realidade. Linguagem usada na ciência, na arte realista, no jornal,

Leia mais

Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ

Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ da Turma da Mônica A semiotic analysis of the advertising report of Monica s Gang HQ Uélida Dantas de Oliveira Mestranda em Letras no Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades

Planificação Anual. Matemática Dinâmica 7º ano Luísa Faria; Luís Guerreiro Porto Editora. 1 Números inteiros. 10 Sequências e Regularidades 3º Período 2º Período 1º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CASTRO DAIRE Escola EBI de Mões Grupo de Recrutamento 500 MATEMÁTICA Ano lectivo 2012/2013 Planificação Anual Disciplina: Matemática Ano: 7º Carga

Leia mais

semeiosis semiótica e transdisciplinaridade em revista

semeiosis semiótica e transdisciplinaridade em revista semeiosis semiótica e transdisciplinaridade em revista transdisciplinary journal of semiotics Olhares 1 Almeida, Amanda Mota; aluna do curso de graduação em Design da Universidade de São Paulo amandamotaalmeida@gmail.com

Leia mais

AS TRICOTOMIAS DE PEIRCE NO REFERENTE TOY ART: REPRESENTÂMEN, OBJETO

AS TRICOTOMIAS DE PEIRCE NO REFERENTE TOY ART: REPRESENTÂMEN, OBJETO AS TRICOTOMIAS DE PEIRCE NO REFERENTE TOY ART: REPRESENTÂMEN, OBJETO E INTERPRETANTE NA MENSAGEM PUBLICITÁRIA THE TRICHOTOMIES OF PEIRCE IN THE TOY ART REFERENT: REPRESENTAMEN, OBJECT AND INTERPRETER IN

Leia mais

Representatividade negra na publicidade da coleção Louboutin give me a n-u-d-e-s uma análise semiótica 1

Representatividade negra na publicidade da coleção Louboutin give me a n-u-d-e-s uma análise semiótica 1 Representatividade negra na publicidade da coleção Louboutin give me a n-u-d-e-s uma análise semiótica 1 Lariane CASAGRANDE 2 Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR Resumo Este artigo analisa

Leia mais

Metas curriculares de Educação Visual

Metas curriculares de Educação Visual AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde Escola Básica 1/JI do Casal do Sapo Departamento de Artes e Tecnologias Educação Visual Ano Letivo - 2016/2017 3º

Leia mais

ATENÇÃO! Material retirado da Internet, que eu considero de fonte segura e confiável. Os endereços estão no fim de cada assunto. O que é Semântica? Semântica provém do vocábulo grego que se pode traduzir

Leia mais

Introdução à Direção de Arte

Introdução à Direção de Arte Introdução à Direção de Arte A Tarefa do Publicitário O objetivo final de toda propaganda é vender mercadoria, mas para consegui-lo, o publicitário precisa vencer alguns obstáculos. A Tarefa do Publicitário

Leia mais

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo Engenharia Semiótica Há mais H em IHC do que o H dos usuários Duas teorias de IHC Engenharia Cognitiva

Leia mais

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE.

PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. PARADIGMAS SOCIOLÓGICOS DECORREM DA FORMA DE VER A RELAÇÃO ENTRE O INDIVÍDUO E A SOCIEDADE. 1. Teorias que consideram que a sociedade é uma instância que se impõe aos indivíduos sendo estes produto dessa

Leia mais

Características da cor

Características da cor Características da cor Qualquer cor particular pode ser obtida a partir da combinação de VERMELHO AZUL VERDE (Primárias aditivas) (no caso de transmissão) Isto é, uma fonte de luz vermelha, uma fonte de

Leia mais

Português. 1º Período Mês Competência Descritores de Desempenho Conteúdos

Português. 1º Período Mês Competência Descritores de Desempenho Conteúdos Português 1º Período Mês Competência Descritores de Desempenho Conteúdos Setembro Prestar atenção ao que ouve de modo a cumprir instruções. Manifestar sensações e sentimentos pessoais, suscitados pelos

Leia mais

Pesquisa de Campo:observações. Maria Rosangela Bez 2011

Pesquisa de Campo:observações. Maria Rosangela Bez 2011 Pesquisa de Campo:observações Maria Rosangela Bez 2011 Observação A observação engloba o conjunto da operações através das quais o modelo de análise é submetido ao teste dos fatos e confrontado com dados

Leia mais

A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS. Palavras-chave: Geometria; Símbolos; Logotipos; Construções Geométricas.

A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS. Palavras-chave: Geometria; Símbolos; Logotipos; Construções Geométricas. na Contemporaneidade: desafios e possibilidades A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS Ruth Ribas Itacarambi GCIEM (Grupo Colaborativo de Investigação em ) ritacarambi@yahoo.com.br Resumo: A

Leia mais

Arte em cada parte. Harmonia no todo. MOSAICO 1

Arte em cada parte. Harmonia no todo. MOSAICO 1 Arte em cada parte. Harmonia no todo. MOSAICO 1 Surpreenda-se com a Mosaico e realize uma revolução na sua casa ou construção, além da sua imaginação. A Mosaico é a combinação perfeita entre beleza e sofisticação.

Leia mais

Alfabetização visual. Liane Tarouco

Alfabetização visual. Liane Tarouco Alfabetização visual Liane Tarouco Comunicação visual A comunicação por meio de imagens e elementos visuais relacionados é denominada comunicação visual Alfabetização visual Chamamos alfabetização visual

Leia mais

Raciocínio sobre conhecimento visual: Construtos para representação de conhecimento inferencial e métodos de resolução de problemas

Raciocínio sobre conhecimento visual: Construtos para representação de conhecimento inferencial e métodos de resolução de problemas Raciocínio sobre conhecimento visual: Construtos para representação de conhecimento inferencial e métodos de resolução de problemas Joel Luis Carbonera (grupo BDI Bancos de dados inteligentes PPGC - UFRGS)

Leia mais

Fases no processamento da informação Esquemas. Social

Fases no processamento da informação Esquemas. Social Cognição Social e pensamento social Cognição social Fases no processamento da informação Esquemas Copyright, 2005 José Farinha Cognição Social Definição: Processamento da informação social - pensamento

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula 2. Prof. Carlos Café Dias

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula 2. Prof. Carlos Café Dias CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL Aula 2 Prof. Carlos Café Dias REFORÇANDO REPOSITÓRIO docente.ifrn.edu.br/carlosdias O QUE É CRIATIVIDADE? Criatividade é uma forma de loucura. Platão Inspiração

Leia mais

UML (Linguagem Modelagem Unificada) João Paulo Q. dos Santos

UML (Linguagem Modelagem Unificada) João Paulo Q. dos Santos UML (Linguagem Modelagem Unificada) João Paulo Q. dos Santos joao.queiroz@ifrn.edu.br Roteiro A importância da UML para projetar sistemas. Principais características do diagrama de classes e de sequência.

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto

PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO. desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO desenvolvimento social e humano /ucp centro regional do porto Como pode a escola católica promover o desenvolvimento da inteligência espiritual? O A educação deve

Leia mais

Comunicação em Dispositivos Móveis

Comunicação em Dispositivos Móveis Comunicação em Dispositivos Móveis emissor Processo de Comunicação receptores mensagem mídias código emissor Processo de Comunicação receptores mensagem mídias código ruído feedback Processo de Comunicação

Leia mais

Comunicação em Dispositivos Móveis

Comunicação em Dispositivos Móveis Comunicação em Dispositivos Móveis emissor Processo de Comunicação receptores mensagem mídias código emissor Processo de Comunicação receptores mensagem mídias código ruído feedback Processo de Comunicação

Leia mais

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias

TEXTOS SAGRADOS. Noções introdutórias TEXTOS SAGRADOS Noções introdutórias A ORIGEM Os Textos Sagrados, via de regra, tiveram uma origem comum: Experiência do sagrado. Oralidade. Pequenos textos. Primeiras redações. Redação definitiva. Organização

Leia mais

Currículo da Oferta de Escola Música

Currículo da Oferta de Escola Música Departamento de Expressões Currículo da Oferta de Escola Música Competências Específicas As competências específicas a desenvolver na disciplina de Música são aqui apresentadas em torno de quatro grandes

Leia mais

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO ESCOLA 31 DE JANEIRO 2012/13 PROJETO DE LÍNGUA PORTUGUESA TRANSVERSALIDADE NA CORREÇÃO DA ESCRITA E DA EXPRESSÃO ORAL DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS E CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS INTRODUÇÃO A língua

Leia mais

ANÁLISE SEMIÓTICA DO PÔSTER OFICIAL DA CIDADE-SEDE DE CURITIBA PARA A COPA DO MUNDO FIFA 2014 NO BRASIL

ANÁLISE SEMIÓTICA DO PÔSTER OFICIAL DA CIDADE-SEDE DE CURITIBA PARA A COPA DO MUNDO FIFA 2014 NO BRASIL ANÁLISE SEMIÓTICA DO PÔSTER OFICIAL DA CIDADE-SEDE DE CURITIBA PARA A COPA DO MUNDO FIFA 2014 NO BRASIL SCHUMACHER, Andressa 1 RESUMO: A cada quarto anos é realizada a Copa do Mundo FIFA de futebol. Cada

Leia mais

Palavras-chave: Embalagem. Linguagem visual. Semiótica. Signo. Consumidor.

Palavras-chave: Embalagem. Linguagem visual. Semiótica. Signo. Consumidor. A REPRESENTAÇÃO DA LINGUAGEM VISUAL NAS EMBALAGENS DOS CHOCOLATES CACAU SHOW E KOPENHAGEN: UMA ANÁLISE SEMIÓTICA 1 THE REPRESENTATION OF VISUAL LINGUAGE ON THE PACKAGING OF CHOCO- LATES CACAU SHOW AND

Leia mais

MÉTODOS DE PESQUISA. Pesquisa como conhecimento científico. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro. Santos-SP, 2016

MÉTODOS DE PESQUISA. Pesquisa como conhecimento científico. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro. Santos-SP, 2016 MÉTODOS DE PESQUISA Pesquisa como conhecimento científico Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro Santos-SP, 2016 1. O Conhecimento Teórico A teoria consiste de um conjunto de constructos unidos por afirmações

Leia mais

DESENHO TÉCNICO ( AULA 01)

DESENHO TÉCNICO ( AULA 01) 1 INTRODUÇÃO DESENHO TÉCNICO ( AULA 01) Transmissão de um recado (mensagem, pensamento) Fala (linguagem), gestos e desenhos. O desenho é a representação gráfica da comunicação Essa representação gráfica

Leia mais

ORAGANIZAÇÃO, REPRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE DADOS

ORAGANIZAÇÃO, REPRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE DADOS Prof. Patricia Caldana ORAGANIZAÇÃO, REPRESENTAÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE DADOS Estatística é uma ciência exata que visa fornecer subsídios ao analista para coletar, organizar, resumir, analisar e apresentar

Leia mais

Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS. Planificação Anual / Mensal 2º ANO

Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS. Planificação Anual / Mensal 2º ANO Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS Planificação Anual / Mensal 2º ANO 2014/2015 Agrupamento PARA O de Escolas Piscinas - Olivais PLANIFICAÇÃO ANUAL / MENSAL DE PORTUGUÊS 2º ANO 1.º PERÍODO

Leia mais

Prof.: Diego Santos. Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM

Prof.: Diego Santos. Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Prof.: Diego Santos Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Ementa Estudos elementares dos fundamentos da composição em desenho. Fundamentos básicos da composição.

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Desenho Técnico Desenho Mecânico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Introdução O desenho, para transmitir o comprimento, largura e altura, precisa recorrer a um modo especial de representação gráfica:

Leia mais

Palestra de Vitrinismo. Vitrinismo: técnicas de exposição para valorizar seus produtos e sua vitrine

Palestra de Vitrinismo. Vitrinismo: técnicas de exposição para valorizar seus produtos e sua vitrine Palestra de Vitrinismo Vitrinismo: técnicas de exposição para CONCEITO DE EXPOSIÇÃO DE PRODUTOS A idéia básica: Mostrar ou destacar alguma coisa. Mostrar também significa: Comunicar Vitrinismo: técnicas

Leia mais

AS POSSIBILIDADES DA LEITURA DE IMAGENS PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

AS POSSIBILIDADES DA LEITURA DE IMAGENS PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES AS POSSIBILIDADES DA LEITURA DE IMAGENS PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES RESUMO Tereza Cristina Cavalcanti de Albuquerque Universidade Federal de Alagoas Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ensino

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS Educação Visual - 3º ciclo. Meta / Objetivo N Descritores Obs.

PERFIL DE APRENDIZAGENS Educação Visual - 3º ciclo. Meta / Objetivo N Descritores Obs. PERFIL DE APRENDIZAGENS Educação Visual - 3º ciclo Departamento de Expressões Técnica T8 Ano 2016/17 8ºANO Meta / Objetivo N Descritores Obs. 1. Compreender conceitos teóricocientíficos do fenómeno luz-cor.

Leia mais

Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações.

Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações. Afinando os instrumentos da comunicação do líder nas organizações Mirieli Colombo, Fga Fga. Especialista em Voz Especialista em Dinâmica dos Grupos Master em PNL Personal e Profissional Coaching EUA, 70

Leia mais