Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás"

Transcrição

1 Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA Profª. Carolina Lara Kallás

2 Unidade II Semiótica Signo Linguagens Origem Vertentes Significado e significante Aplicação Prática Fases do processo de comunicação: Pulsação vital, interação, seleção, percepção, decodificação, interpretação, incorporação e reação.

3 Comunicação - Definição Processo social básico de produção e partilhamento do sentido através da materialização de formas simbólicas Vera Veiga França O objeto da Comunicação Na semiótica: O ato de comunicar é a materialização do pensamento ou sentimento em signos conhecidos pelas partes envolvidas. Estes símbolos são então transmitidos e reinterpretados pelo receptor.

4 Semiótica Palavra proveniente da raiz grega Semeion (signo), pode ser definida como a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura Ciência que estuda os signos. Explica os processos de significação. É utilizada em diversas áreas do conhecimento desde a lingüística até a linguagem binária dos computadores ou do DNA.

5 O que significa significar? A Comunicação seria impossível sem a significação. Significação: produção social de sentido. Significar é representar idéias. E representamos as idéias por meio dos signos. Existem símbolos que foram especificamente criados para pensarmos em outros objetos. Exemplos: sinais i de trânsito, notas musicais e as palavras da língua portuguesa.

6 Signos As formas que representam as idéias e as emoções. Signo é todo objeto perceptível que de alguma maneira remete a outro objeto, toma o lugar de uma outra coisa. Segundo Pierce: Um signo, ou representâmen, é aquilo que, sob certo aspecto ou modo, representa algo para alguém. Portanto, o signo não é o objeto, é algo distinto dele, está ali presente para designar ou significar alguma coisa.

7 Semiótica e Cultura Todo fenômeno de cultura só funciona culturalmente porque é também um fenômeno de comunicação. Esses fenômenos só comunicam porque se estruturam como linguagens. Todo e qualquer fato cultural ou prática social constituem-se como práticas significantes, isto é, são práticas de produção de linguagem e sentido.

8 Linguagem Toda linguagem pode ser considerada um sistema de signos organizados. Linguagem verbal e não verbal Exemplo: fala, escrita e gestos Esses sistemas de signos, podem ser verbais, imagéticos, sonoros, etc... Linguagem sincréticas Exemplos: sites, produtos audiovisuais Texto Intertextualidade - Hipertexto

9 Códigos Em geral, os signos formam conjuntos organizados chamados códigos. A língua portuguesa, o código Morse, os sinais de trânsito, o sistema Braile para cegos, são conjuntos organizados de signos. O Signo é percebido por nós pelos nossos 5 sentidos: visão, olfato, audição, paladar e tato.

10 A importância do contexto Os signos são iguais as pessoas, têm significados diferentes segundo o contexto em que se encontram. Não devemos interpretar um texto sem antes saber em que contexto foi escrito. Não devemos criar um texto sem antes perguntar o contexto em que vive o leitor. Contexto mostra visões de mundo diferentes Exemplos: Oriente Médio: sola de sapato Cores - Noiva: Japão/Brasil

11 Interatividade Sobre semiótica, qual a alternativa errada? a) Semiótica é a ciência que estuda os signos, existem várias vertentes. b) Signo é todo objeto perceptível que, de alguma maneira, remete a outro objeto. c) A semiótica é utilizada apenas na disciplina de Comunicação e Lingüística. d) Os fenômenos e práticas culturais são produtores de sentido e significado. e) Todas as linguagens são formadas por sistemas de signos e as linguagens sincréticas são aquelas que usam dois ou mais sistemas diferentes.

12 Origem da semiótica A semiótica surge quase simultaneamente em três países: Estados Unidos União Soviética Europa Ocidental Entre o final do século XIX e inicio do século XX Isso confirma a necessidade da época: Construir uma ciência capaz de entender os fenômenos da linguagem

13 Vertentes da Semiótica Hoje iremos estudar apenas duas vertentes (A) Ferdinand de Saussure ( ) Signo: Significante Significado A significação resulta das relações estabelecidas pelos: P.E e P.C Significante: Plano de Expressão P.E Significado: Plano de Contéudo P.C

14 Imagens disponíveis no clip art do Microsoft Power Point

15 Saussure ( ) Lingüista Estruturalismo Semiologia Significante Significado = Signo O signo é a relação entre o significante e o significado Podem existir muitos significantes para o mesmo significado.

16 Imagem disponivel em: s_large.jpg

17 E uma palavra poder ter muitos significados... Imagem disponível no clip art

18 Ou... Disponivel em: nmonroe.com/ about/photos/ color_photos.htm. Acesso: 12/03/2010

19 Interatividade Ao analisar a relação entre signo, significante e significado, podemos concluir que: a) O signo pode ser considerado a relação entre o significante e o significado. b) O Plano de expressão se relaciona aos significados. c) O Plano de conteúdo se relaciona aos significantes. d) O significante não interfere na significação e) N.D.A

20 Vertente B - Charles Sanders Peirce : ( ) Dividiu o signo em três: Ícones, Índices e símbolos Têm relação com as três categorias naturais do pensamento. Em 1867 estas categorias foram denominadas: Qualidade, Relação Representação Correspondem: Primeiridade - Icone Secundidade - Indice Terceiridade - Simbolo

21 Categorias do pensamento (Pierce) Símbolo (conclusão) Ícone (qualidade) Índice (relação)

22 Categorias naturais do pensamento Primeiridade categoria da primeira impressão ou sentimento (feeling) que recebemos no momento presente; Secundidade categoria do relacionamento direto (visual e/ou sensorial) com o elemento físico (matéria), o sentimento tem que estar encarnado numa matéria; Terceiridade categoria de inter-relação entre o que sentimos, visualizamos e identificamos dentro de nossas leis, valores, convenções e cultura

23 Ícone Apresenta e não representa ; Diz respeito a pura qualidade É uma possibilidade Intuição Impressão Qualidade de ser e sentir Quali-signo

24 Índice É um signo que indica outra coisa com a qual ele está factualmente ligado. Há entre ambos, uma conexão de fato; Um fato real / Pista Através de um indício (causa) tiramos conclusões; Sin signo Exemplo: Onde há fumaça, há fogo. Uma pegada, um indício.

25 Símbolo É uma lei, em relação ao seu objeto e signo é um símbolo, uma convenção social. Extrai seu poder de representação porque por convenção ou pacto coletivo, determina que aquele signo represente seu objeto. Consenso social - Lei consensual Dedução Não é individual, é coletivo, geral. Legi-signo

26 Significados denotativos Aparece quando um signo indica diretamente um objeto referente e suas qualidades. Propriedades observáveis e objetivas. Orienta a realidade. É Descritivo Exemplos: o formato, a tipografia, as ilustrações, etc. Objetivo

27 Significados conotativos Inclui as interpretações subjetivas ou pessoais que podem derivar do signo. Varia de pessoa para pessoa. Capacidade de imaginação, indução e manipulação. Modifica e transcende a realidade. Poder da conotação. Subjetivo

28 Interatividade Sobre ícones, índices e símbolos, qual a alternativa errada? a) As cores e formas representam signos icônicos. b) Uma placa de trânsito ou uma palavra é um exemplo de um símbolo. c) As vezes é difícil distinguir um ícone de um símbolo, por exemplo, Marilyn Monroe foi um ícone de beleza e um símbolo de sexualidade. d) Uma pegada pode ser exemplo de um índice. e) Um índice tem sempre o mesmo significado.

29 As fases do processo de comunicação A comunicação, de fato, é um processo multifacético que ocorre ao mesmo tempo em vários níveis consciente, subconsciente e inconsciente, - como parte orgânica do dinâmico processo da própria vida.

30 Fases do processo de comunicação 1. A pulsação vital Dinâmica interna de qualquer pessoa: emoções, lembranças, sentimentos, desejos e necessidades. Seu centro é o cérebro. O organismo humano funciona como um sistema aberto em constante interação consigo mesmo e com o meio ambiente. Para se manter a pulsação vital tem que se adaptar ao meio ambiente físico e social que rodeia o organismo, se acomodando a ele ou tentando transformá-lo.

31 Fases do processo de comunicação 2. A Interação A pessoa emite e recebe mensagens por todos os canais possíveis: olhos, pele, mãos, língua, ouvido. A pessoa necessita entrar em interação com o meio ambiente. 3. A seleção A pessoa não emite nem recebe tudo o que vem do meio ambiente, ela seleciona alguns elementos que deseja compartilhar com outras pessoas. Essa seleção pode ser provocada por estímulos internos ou externos.

32 Fases do processo de comunicação 4. A percepção No caso dos estímulos que vêm de fora, o homem sente a realidade que o rodeia por meio de seus sentidos: visão, audição, olfato, tato e paladar, e assim percebe as palavras, gestos e outros signos que lhe são apresentados. 5. A decodificação Percebidos os signos, a pessoa tem que determinar o que eles representam e a que código pertence. Para cada signo, a pessoa busca na sua memória um objeto ou idéia correspondente.

33 Fases do processo de comunicação 6. A interpretação É a necessidade de entender claramente o sentido ou significado da mensagem. Exige que se coloque a mensagem em um contexto,,que a compare com outros elementos do repertório e com o conhecimento que se tem das intenções do interlocutor. 7. A incorporação Se a mensagem é interpretada de uma maneira tal que a pessoa não se considera ameaçada em seu sistema de idéias, valores e sentimentos, ela é facilmente incorporada ao repertório ou acervo.

34 Fases do processo de comunicação 8. A reação As reações podem ser externas ou internas. Exemplos: Quando a pessoa se sente agredida: agride/ emocionada: chora, dá risadas etc. Muitas vezes essa reação é interna, ou seja, a reflexão que acontece após assistirmos um filme, lermos um texto, ou recebermos qualquer q tipo de mensagem.

35 Interatividade Sobre as faces do processo de comunicação podemos afirmar que: a) A pulsação vital é reação aos efeitos provocados pelos signos utilizados. b) A interpretação é independente do contexto. c) A pulsação vital é independente do ambiente físico e social. d) Percebidos os signos, a pessoa tem que determinar o que eles representam e a que código pertence. (Decodificação). e) Todas as alternativas estão corretas.

36 ATÉ A PRÓXIMA!

Comunicação Visual. Introdução

Comunicação Visual. Introdução Comunicação Visual Introdução Comunicar é a capacidade de partilhar, pôr em comum, o que pensamos ou sentimos; é transmitir uma determinada mensagem. Para que a comunicação exista é necessária a existência

Leia mais

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali A SEMIOSE Para Peirce, o importante não é o signo tal como em Saussure - mas a situação signíca, que ele chama de semiose.

Leia mais

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica

Semiótica. O que é semiótica? Semiótica X Semiologia. Para quem ainda discute. Gerações da semiótica Design & Percepção 3 Lígia Fascioni Semiótica Para entender a cultura contemporânea, você tem que entender semiótica Paul Cobley Semiótica para Principiantes, 2004 O que é semiótica? Semiótica X Semiologia

Leia mais

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari

Semiótica. Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Prof. Dr. Sérsi Bardari Semiótica Ciência que tem por objeto de investigação todas as linguagens possíveis, ou seja, que tem por objetivo o exame dos modos de constituição de todo e qualquer

Leia mais

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin

SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS. Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin SEMIÓTICA: SUA CONTRIBUIÇÃO PARA AS ARTES VISUAIS Cristiano J. Steinmetz; Rafaela Citadin Resumo: O objetivo deste artigo é tecer questões acerca da Semiótica, relacionando-a com o curso Artes Visuais.

Leia mais

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos.

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos. A semiótica é a teoria dos signos. Segundo Umberto Eco, um signo é algo que está no lugar de outra coisa. Ou seja, que representa outra coisa. Uma árvore, por exemplo, pode ser representada por uma série

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce

Primeiridade, Secundidadee Terceiridade. Charles Sanders Peirce Primeiridade, Secundidadee Terceiridade Charles Peircee a Lógica Triádicado Signo. 1839-1914 Charles Sanders Peirce Ciências naturais: químico, matemático, físico, astrônomo, biologia, geologia Ciências

Leia mais

Introdução ao estudo do Signo: a Semiologia e a Semiótica

Introdução ao estudo do Signo: a Semiologia e a Semiótica ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVXWYZ0123456789!?@%$ A palavra semiótica (do grego σημειωτικός (sēmeiōtikos) literalmente "a ótica dos sinais"), é a ciência geral dos signos e da semiose que estuda todos os fenômenos

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM 1. Função referencial (ou denotativa) É aquela centralizada no referente, pois o emissor oferece informações da realidade. Linguagem usada na ciência, na arte realista, no jornal,

Leia mais

Divisão da filosofia peirciana

Divisão da filosofia peirciana Filosofia peirciana Divisão da filosofia peirciana A Filosofia peirciana é dividida em três ramos: 1. Fenomenologia (filosofia do fenômeno: tal como ele pode ser) 2. Ciências Normativas (filosofia do fenômeno:

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

Revisão de Semiótica

Revisão de Semiótica Revisão de Semiótica O que é semiótica? É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth É a teoria geral dos signos (algo que representa alguma coisa

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 5

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 5 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 5 Índice 1. Elementos e Funções da Comunicação...3 1.1. Importância da Comunicação... 3 1.2. As Fases do Processo de Comunicação... 3 1.2.1. A pulsação vital... 3 1.2.2. A interação...

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

Disciplina: Comunicação e Extensão Rural O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM EXTENSÃO RURAL ANTONIO LÁZARO SANT ANA

Disciplina: Comunicação e Extensão Rural O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM EXTENSÃO RURAL ANTONIO LÁZARO SANT ANA UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO CAMPUS DE ILHA SOLTEIRA Disciplina: Comunicação e Extensão Rural O PROCESSO DE COMUNICAÇÃO EM EXTENSÃO RURAL ANTONIO LÁZARO SANT ANA OUTUBRO 2016

Leia mais

01/08/2017 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

01/08/2017 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A RELAÇÕES S Í G N I C A S

P R O F E S S O R V I N I C I U S S I L V A RELAÇÕES S Í G N I C A S RELAÇÕES S Í G N I C A S SIGNO É ALGO QUE REPRESENTA ALGUMA COISA PARA ALGUÉM EM DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA. O SIGNO ENTÃO, ESTÁ NO LUGAR DE ALGO, NÃO É A PRÓPRIA COISA, MAS COMO ELA SE FAZ PRESENTE PARA

Leia mais

ECO, Umberto. A estrutura ausente

ECO, Umberto. A estrutura ausente FONTE COMPLEMENTAR: SANTAELLA, Lúcia. Comunicação e Semiótica ECO, Umberto. A estrutura ausente Influência: filosofia, estética, teorias da informação, da comunicação e da cibernética Crítica ao estruturalismo

Leia mais

Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ

Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ Uma análise semiótica do informe publicitário da HQ da Turma da Mônica A semiotic analysis of the advertising report of Monica s Gang HQ Uélida Dantas de Oliveira Mestranda em Letras no Programa de Pós-Graduação

Leia mais

INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação

INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação Modelagem conceitual para sistemas de hipertexto INFORMAÇÃO E TECNOLOGIA: diferentes fases de comunicação Profa. glima@eci.ufmg.br A Tradição Oral A fala enunciada pela voz humana é rica em informações

Leia mais

Unidade I. Comunicação Aplicada. Profª. Carolina Lara Kallás

Unidade I. Comunicação Aplicada. Profª. Carolina Lara Kallás Unidade I Comunicação Aplicada Profª. Carolina Lara Kallás A disciplina A disciplina está dividida em quatro unidades: I - Conceitos e história da comunicação. Meios de comunicação II - Conceitos básicos

Leia mais

3 A aplicação MoLIC WOz

3 A aplicação MoLIC WOz A aplicação MoLIC WOz 33 3 A aplicação MoLIC WOz Esta seção descreve a MoLIC WOz relacionando com a Engenharia Semiótica (3.1) e apresentando a estrutura da ferramenta (3.2). 3.1 MoLIC WOz e a Engenharia

Leia mais

II. SEMIÓTICA e SEMIOLOGIA

II. SEMIÓTICA e SEMIOLOGIA II. SEMIÓTICA e SEMIOLOGIA 1. O que é semiótica e semiologia? A semiótica é uma filosofia cientifica da linguagem. Seu campo de estudo trata dos signos e dos processos significativos e da maneira como

Leia mais

2. Semiótica e Engenharia Semiótica

2. Semiótica e Engenharia Semiótica 2. Semiótica e Engenharia Semiótica Neste capítulo serão revistos alguns conceitos fundamentais da teoria dos signos de Peirce (1960, 1993, 1998) e da teoria da engenharia semiótica, de Souza (2005a, 2005b).

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 1

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 1 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 1 Índice 1. O Que é Comunicação?...3 1.1. Características... 3 1.2. Formas e Componentes da Comunicação... 3 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Conceito etimológico... 4 1.3.2.

Leia mais

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL Existem várias formas de comunicação. Quando o homem A! se utiliza da palavra, ou seja, da linguagem oral ou escrita,dizemos que ele está utilizando uma linguagem verbal,

Leia mais

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B

I F1 F 403 In I t n rod o u d ç u ão o a I n I t n eração Hum u ano n -Com o pu p t u ado d r o ( IH I C) Turm r a m 3W 3 B 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo Engenharia Semiótica Há mais H em IHC do que o H dos usuários Duas teorias de IHC Engenharia Cognitiva

Leia mais

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Linguagem e Cultura Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um

Leia mais

SEMIÓTICA E SEMIOSE 1. Primeiridade. primeira categoria liberdade liberdade fusão indeterminação presentidade qualidade sensação

SEMIÓTICA E SEMIOSE 1. Primeiridade. primeira categoria liberdade liberdade fusão indeterminação presentidade qualidade sensação 1 SEMIÓTICA E SEMIOSE Este texto foi produzido com recortes do artigo A Semiótica Geral de Peirce e a Idéia de Semiose de Eluiza Bortolotto Ghizzi (UFMS, 2000). O tema aqui desenvolvido está dentro da

Leia mais

Comunicação Empresarial

Comunicação Empresarial Comunicação Empresarial O que é comunicar? Tornar comum, compartilhar Todas as atividades humanas envolvem comunicação ato vital Comunicação Verbal (falada e escrita) Comunicação não-verbal (sons, músicas,

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula I. Prof. Carlos Café Dias

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula I. Prof. Carlos Café Dias CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL Aula I Prof. Carlos Café Dias APRESENTAÇÃO O CURSO O curso de extensão em Programação visual aborda a teoria e prática da comunicação visual, oportunizando o estudo

Leia mais

semeiosis semiótica e transdisciplinaridade em revista

semeiosis semiótica e transdisciplinaridade em revista semeiosis semiótica e transdisciplinaridade em revista transdisciplinary journal of semiotics Olhares 1 Almeida, Amanda Mota; aluna do curso de graduação em Design da Universidade de São Paulo amandamotaalmeida@gmail.com

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 3 Índice 1. Semiótica...3 1.1. Conceito... 3 1.2. Objetivos da Semiótica... 4 1.3. Conceitos Básicos... 4 1.3.1. Signo... 4 1.3.2. Índices... 4 1.3.3. Símbolo... 4 1.4. Conceito...

Leia mais

CELM. Linguagem, discurso e texto. Professora Corina de Sá Leitão Amorim. Natal, 29 de janeiro de 2010

CELM. Linguagem, discurso e texto. Professora Corina de Sá Leitão Amorim. Natal, 29 de janeiro de 2010 CELM Linguagem, discurso e texto Professora Corina de Sá Leitão Amorim Natal, 29 de janeiro de 2010 A LINGUAGEM Você já deve ter percebido que a linguagem está presente em todas as atividades do nosso

Leia mais

Como vimos, as dimensões semióticas da imagem são estabelecidas em:

Como vimos, as dimensões semióticas da imagem são estabelecidas em: 2.2 A SINTAXE DA ILUSTRAÇÃO Como vimos, as dimensões semióticas da imagem são estabelecidas em: SINTÁTICA - Manifesta-se através da forma. Diz respeito aos elementos estruturais e técnicos de composição

Leia mais

Signos e Metáforas na Comunicação da Música Luciana David de Oliveira Dissertação de Mestrado, COS/PUC-SP, 2007.

Signos e Metáforas na Comunicação da Música Luciana David de Oliveira Dissertação de Mestrado, COS/PUC-SP, 2007. Signos e Metáforas na Comunicação da Música Luciana David de Oliveira Dissertação de Mestrado, COS/PUC-SP, 2007. Caio Anderson Ramires Cepp A obra aqui resenhada se refere à pesquisa de mestrado produzido

Leia mais

2.3 A SEMÂNTICA DA ILUSTRAÇÃO

2.3 A SEMÂNTICA DA ILUSTRAÇÃO 2.3 A SEMÂNTICA DA ILUSTRAÇÃO No final do ano de 2000 o ilustrador Henrique Kipper, junto com demais ilustradores, coordenou pela internet o site FrontBraza, como experiência de um grupo de discussão sobre

Leia mais

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso

Língua e Produção. 3º ano Francisco. Análise do discurso Língua e Produção 3º ano Francisco Análise do discurso Elementos básicos da comunicação; Texto e discurso/ a intenção no discurso; As funções intrínsecas do texto. ELEMENTOS DA COMUNICAÇÃO Emissor emite,

Leia mais

Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706

Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706 1 Uma Introdução à Engenharia Semiótica: Conceitos e Métodos Slides Selecionados e adaptados para aula de INF2706 Carla Faria Leitão (PUC-Rio) Milene Selbach Silveira (PUCRS) Clarisse Sieckenius de Souza

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 1 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Linguística Computacional Interativa

Linguística Computacional Interativa 1 Linguística Computacional Interativa Linguagem Natural em IHC: possibilidades a explorar Aula de 13 de novembro de 2012 2 Um mergulho rápido na praia da Semiótica O signo peirceano: acesso mediado ao

Leia mais

A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS. Palavras-chave: Geometria; Símbolos; Logotipos; Construções Geométricas.

A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS. Palavras-chave: Geometria; Símbolos; Logotipos; Construções Geométricas. na Contemporaneidade: desafios e possibilidades A GEOMETRIA NOS SÍMBOLOS, LOGOTIPOS E LOGOMARCAS Ruth Ribas Itacarambi GCIEM (Grupo Colaborativo de Investigação em ) ritacarambi@yahoo.com.br Resumo: A

Leia mais

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

O poder da comunicação nas negociações de sucesso

O poder da comunicação nas negociações de sucesso O poder da comunicação nas negociações de sucesso Que os olhos, os gestos, a respiração, os atos falam mais que mil palavras nós já sabemos, mas como nos comunicar com eles? De que maneira podemos estabelecer

Leia mais

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos)

COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) Faculdade de Tecnologia SENAC Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Marketing/Processos Gerenciais UC: Comunicação e Expressão COMUNICAÇÃO E LINGUAGEM (conceitos) A comunicação verbal baseia-se na interação

Leia mais

De Neologismo a Símbolo

De Neologismo a Símbolo De Neologismo a Símbolo Carolina Akie Ochiai Seixas LIMA 1 UFMT/MeEL Resumo: Este texto aborda a questão do neologismo no campo semântico da informática, o que nos permite fazer algumas inferências a respeito

Leia mais

Percurso para uma análise semiótica

Percurso para uma análise semiótica Percurso para uma análise semiótica 1. Abrir-se para o fenômeno e para o fundamento do signo Contemplar: Tornar-se disponível para o que está diante dos olhos Sem apressar a interpretação Suspensão dos

Leia mais

É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth

É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth Semiótica O que é semiótica? É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth É a teoria geral dos signos (algo que representa alguma coisa para alguém

Leia mais

A comunicação humana envolve a troca de informações, utilizando sistemas simbólicos 1 como ferramentas para esse fim.

A comunicação humana envolve a troca de informações, utilizando sistemas simbólicos 1 como ferramentas para esse fim. UNIDADE I 1. O Que é Comunicação? A comunicação humana envolve a troca de informações, utilizando sistemas simbólicos 1 como ferramentas para esse fim. 1.1 Características A comunicação é uma via de mão

Leia mais

ANÁLISE SEMIÓTICA DA LÍNGUA DE SINAIS SEMIOTIC ANALYSIS OF SIGN LANGUAGE

ANÁLISE SEMIÓTICA DA LÍNGUA DE SINAIS SEMIOTIC ANALYSIS OF SIGN LANGUAGE ANÁLISE SEMIÓTICA DA LÍNGUA DE SINAIS SEMIOTIC ANALYSIS OF SIGN LANGUAGE Elisa Maria PIVETTA UFSM/UFSC, Brasil elisa@cafw.ufsm.br Daniela Satomi SAITO IFSC/UFSC, Brasil daniela.saito@gmail.com Carla da

Leia mais

PRESSUPOSTOS DA TEORIA SEMIÓTICA DE PEIRCE E SUA APLICAÇÃO NA ANÁLISE DAS REPRESENTAÇÕES EM QUÍMICA

PRESSUPOSTOS DA TEORIA SEMIÓTICA DE PEIRCE E SUA APLICAÇÃO NA ANÁLISE DAS REPRESENTAÇÕES EM QUÍMICA PRESSUPOSTOS DA TEORIA SEMIÓTICA DE PEIRCE E SUA APLICAÇÃO NA ANÁLISE DAS REPRESENTAÇÕES EM QUÍMICA Joeliton Chagas Silva i Adjane da Costa Tourinho e Silva ii Eixo temático 6- Educação e Ensino de Ciências

Leia mais

DICOTOMIA LÍNGUA-FALA ESTRUTURAS EQUIVALENTES SINCRONIA E DIACRONIA SINTAGMA E RELAÇÕES ASSOCIATIVAS

DICOTOMIA LÍNGUA-FALA ESTRUTURAS EQUIVALENTES SINCRONIA E DIACRONIA SINTAGMA E RELAÇÕES ASSOCIATIVAS DICOTOMIA LÍNGUA-FALA ESTRUTURAS EQUIVALENTES SINCRONIA E DIACRONIA SINTAGMA E RELAÇÕES ASSOCIATIVAS 1 DICOTOMIA LÍNGUA-FALA (SAUSSURE) 1) Língua: entidade puramente abstracta, uma norma superior aos indivíduos,

Leia mais

Plano da Intervenção

Plano da Intervenção INTERVENÇÃO Brincando com os sentidos Jessica Queretti Pereira Plano da Intervenção CONTEXTUALIZAÇÃO Os alunos dos primeiros anos do ensino fundamental, estão em uma fase de descobertas e explorações,

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

Bom dia, sou João Neves Amado, sou assistente convidado da Universidade Católica Portuguesa no

Bom dia, sou João Neves Amado, sou assistente convidado da Universidade Católica Portuguesa no Bom dia, sou João Neves Amado, sou assistente convidado da Universidade Católica Portuguesa no 1 Porto, membro do grupo de investigação em Espiritualidade da UCP 2 Mas então quando comecei a ver o programa

Leia mais

Profa. Dra. Lidiane S. de L. Pinheiro. HOHLFELDT, Antonio; MARTINO, Luiz C.; FRANÇA, Vera Veiga. Teorias da Comunicação. Petrópolis: Vozes, 2010

Profa. Dra. Lidiane S. de L. Pinheiro. HOHLFELDT, Antonio; MARTINO, Luiz C.; FRANÇA, Vera Veiga. Teorias da Comunicação. Petrópolis: Vozes, 2010 Profa. Dra. Lidiane S. de L. Pinheiro TEXTO-BASE: HOHLFELDT, Antonio; MARTINO, Luiz C.; FRANÇA, Vera Veiga. Teorias da Comunicação. Petrópolis: Vozes, 2010 ...Vem do latim communicatio = atividade realizada

Leia mais

CONSUMO CONSUMIDOR &

CONSUMO CONSUMIDOR & CONSUMIDOR &CONSUMO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR CONDICIONANTES EXTERNOS EXPLICATIVOS DO COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR Atitudes/Necessidades Perce pção Aprendizagem (memória) Atividades de marketing Cultura

Leia mais

Análise do pôster de Anomalisa sob a semiótica de Charles Peirce 1

Análise do pôster de Anomalisa sob a semiótica de Charles Peirce 1 Análise do pôster de Anomalisa sob a semiótica de Charles Peirce 1 Maria Madalena de Bastos Ferreira COSTA 2 Francisco José Paoliello PIMENTA 3 Faculdade de Comunicação da Universidade Federal de Juiz

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

Professor Leandro Augusto Frata Fernandes Disciplina devotada ao estudo dos sinais e como eles são utilizados na comunicação

Professor Leandro Augusto Frata Fernandes Disciplina devotada ao estudo dos sinais e como eles são utilizados na comunicação Interface Homem/Máquina Aula 6 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-00.184 Engenharia Semiótica

Leia mais

Unidade I APRENDIZADO ORGANIZACIONAL. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro

Unidade I APRENDIZADO ORGANIZACIONAL. Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro Unidade I APRENDIZADO ORGANIZACIONAL Prof. Dr. Evandro Prestes Guerreiro Itens de Estudo 1. O que significa aprender? 2. O tempo da aprendizagem 3. O Conhecimento formal 4. Aprender individual Questão

Leia mais

COMO ENTENDER A MENTE DO CONSUMIDOR? NEUROMARKETING

COMO ENTENDER A MENTE DO CONSUMIDOR? NEUROMARKETING COMO ENTENDER A MENTE DO CONSUMIDOR? NEUROMARKETING Marketing 1.0 Era industrial - Foco no produto Marketing 2.0 Advento da Internet Era da Informação foco no cliente Marketing 3.0 Era da participação,

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília

Teoria da Informação. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Teoria da Informação Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Claude Elwood Shannon, 1948 Autor que estabeleceu os fundamentos da Teoria da Informação Teoria da

Leia mais

RESENHA CRÍTICA O ÓBVIO E O OBTUSO

RESENHA CRÍTICA O ÓBVIO E O OBTUSO FACULDADE DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO ISRAEL ANTONIO MANOEL PEREIRA O ÓBVIO E O OBTUSO Resenha Crítica apresentada como atividade parcial avaliativa da disciplina

Leia mais

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p Gramática e seu conceito Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p.11-16. Gramática descritiva ou sincrônica Estudo do mecanismo pelo qual uma dada língua funciona

Leia mais

A semiótica como uma ferramenta do design

A semiótica como uma ferramenta do design A semiótica como uma ferramenta do design 1 Profª. MSc. Taís de Souza Alves 1 (UEMG/Ubá) Resumo: A relação entre design e semiótica pode ser percebida nos conceitos de alguns produtos que remetem à interpretação

Leia mais

INTRODUÇÃO À SEMIÓTICA

INTRODUÇÃO À SEMIÓTICA INTRODUÇÃO À SEMIÓTICA Coleção Introduções Coordenação: Jakson Ferreira de Alencar Introdução à educação, Celso Antunes Introdução à ética teológica, VV.AA. Introdução à sociologia: Marx, Durkheim e Weber

Leia mais

ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA

ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA ESTUDO SEMIÓTICO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO: BASES PARA UMA PROPOSTA METODOLÓGICA Susana Vieira UFSC, Departamento de Expressão Gráfica Vieira.su@gmail.com Diego Spagnuelo UFSC, Departamento de Expressão

Leia mais

Inteligência Lingüística:

Inteligência Lingüística: Inteligência Lingüística: Capacidade de lidar bem com a linguagem, tanto na expressão verbal quanto escrita. A linguagem é considerada um exemplo preeminente da inteligência humana. Seja pra escrever ou

Leia mais

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva

Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Teoria da comunicação e semiótica * Cláudio Henrique da Silva Existem inúmeras teorias da comunicação. Perguntas preliminares: o que é língua? O que é fala? O que é linguagem? Língua Sons e ruídos combinados

Leia mais

Por que IHC é importante?

Por que IHC é importante? Introdução à Interação Humano- Computador fundamentada na Teoria da Engenharia Semiótica Raquel Oliveira Prates Seminário Tamanduá Por que IHC é importante? 1 Diferentes Designs O que é IHC? Interação

Leia mais

AULA DOIS COMUNICAÇÃO PATRIMONIAL 2

AULA DOIS COMUNICAÇÃO PATRIMONIAL 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE MUSEOLOGIA PROF. PABLO LISBOA 2017/1 21/03/2017 AULA DOIS COMUNICAÇÃO PATRIMONIAL 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE CIÊNCIAS

Leia mais

TEMA-PROBLEMA A comunicação e a construção do indivíduo

TEMA-PROBLEMA A comunicação e a construção do indivíduo TEMA-PROBLEMA 1.3. A comunicação e a construção do indivíduo Comunicação communicare pôr em comum, estar em relação com os outros, conviver. Tal implica que os indivíduos em comunicação possuam a mesma

Leia mais

Línguas. Os principais sistemas de sinais empregues pelo ser humano para a transmissão de informação, se bem que não os únicos, são as línguas.

Línguas. Os principais sistemas de sinais empregues pelo ser humano para a transmissão de informação, se bem que não os únicos, são as línguas. John Lyons Línguas Os principais sistemas de sinais empregues pelo ser humano para a transmissão de informação, se bem que não os únicos, são as línguas. Um sinal é informativo se tornar o receptor sabedor

Leia mais

AGENDA SEJA BEM VINDO. PNL Vs Coaching. PNL Metodologia de Transformação baseada no Estudo Profundo do Ser Humano.

AGENDA SEJA BEM VINDO. PNL Vs Coaching. PNL Metodologia de Transformação baseada no Estudo Profundo do Ser Humano. AGENDA Introdução à PNL SEJA BEM VINDO O que é a PNL (Programação Neurolinguística)? Breve História da PNL; Verdades da PNL; Como a PNL pode te ajudar na sua Vida Pessoal e Profissional. O QUE É PNL? PNL

Leia mais

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade Departamento de Expressão Gráfica - UFPR COMUNICAÇÃO VISUAL Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade A informação por meio de sinais provocou

Leia mais

QUAIS SÃO AS OUTRAS EXPRESSÕES, ALÉM DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA E QUAL A SUA IMPORTÂNCIA PARA A ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO

QUAIS SÃO AS OUTRAS EXPRESSÕES, ALÉM DA LINGUAGEM ORAL E ESCRITA E QUAL A SUA IMPORTÂNCIA PARA A ORGANIZAÇÃO DA INFORMAÇÃO Universidade de Brasília (UnB) Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Fundamentos em Organização da Informação Professora: Lillian Alvares QUAIS SÃO AS OUTRAS EXPRESSÕES, ALÉM DA LINGUAGEM ORAL

Leia mais

Aula 2 A linguagem na sociedade

Aula 2 A linguagem na sociedade Aula 2 A linguagem na sociedade LANGACKER, Ronald W. A linguagem e sua estrutura: alguns conceitos fundamentais. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 1972. cap. 3 (p. 51-74). Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA

A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA Disciplina: Desenvolvimento Psicológico III Profª Ms. Luciene Blumer Pois nisto de criação literária cumpre não esquecer guardada a infinita distância que o mundo também

Leia mais

Semiótica de interface e interação de usuários Semiotics of interface and users interaction

Semiótica de interface e interação de usuários Semiotics of interface and users interaction Semiótica de interface e interação de usuários Semiotics of interface and users interaction Rita de Cássia Romeiro Paulino, Richard Perassi, Francisco Antônio P. Fialho semiótica, web, interface O objeto

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA ANÁLISE DA PINTURA HISTÓRICA

A CONTRIBUIÇÃO DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA ANÁLISE DA PINTURA HISTÓRICA A CONTRIBUIÇÃO DA SEMIÓTICA PEIRCEANA PARA ANÁLISE DA PINTURA HISTÓRICA Érica Ramos Moimaz 1 (ericamoimaz@bol.com.br) Ana Heloísa Molina 2 (ahmolina@uel.br) Resumo: O objetivo deste texto é pensar como

Leia mais

Engenharia semiótica. INF1403 Introdução à Interação Humano-Computador Prof. Alberto Raposo sala 413 RDC

Engenharia semiótica. INF1403 Introdução à Interação Humano-Computador Prof. Alberto Raposo sala 413 RDC Engenharia semiótica INF1403 Introdução à Interação Humano-Computador Prof. Alberto Raposo abraposo@inf.puc-rio.br sala 413 RDC Engenharia Cognitiva da Imagem do Sistema 2 Designers de IHC e Desenvolvedores

Leia mais

O intratexto corresponde aos aspectos internos do texto e implica exclusivamente na avaliação do texto como objeto de significação (um discurso que

O intratexto corresponde aos aspectos internos do texto e implica exclusivamente na avaliação do texto como objeto de significação (um discurso que O intratexto corresponde aos aspectos internos do texto e implica exclusivamente na avaliação do texto como objeto de significação (um discurso que diz algo, que significa algo). O intertexto refere-se

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual. professor Rafael Hoffmann

Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual. professor Rafael Hoffmann Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual professor Rafael Hoffmann Linguagem Linguagem Definições lin.gua.gem s.f. 1 o conjunto das palavras e dos métodos de combiná-las usado e compreendido por uma comunidade

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza IHC = Comunicação Humana Mediada por Computadores: Engenharia Semiótica I e II 24 e 29/Mar/2010

Leia mais

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático As Dicotomias Linguísticas Sincronia versus Diacronia Língua versus Fala Significante

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA DO IPA. Giselle Pinho Borba. Os signos determinam estilo? Rio Grande do Sul, 2011.

CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA DO IPA. Giselle Pinho Borba. Os signos determinam estilo? Rio Grande do Sul, 2011. CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA DO IPA Giselle Pinho Borba Os signos determinam estilo? Rio Grande do Sul, 2011. Resumo Este artigo pretende analisar as formas com que interpretamos as linguagens não verbalizadas

Leia mais

Ficha de Unidade Curricular

Ficha de Unidade Curricular Ficha de Unidade Curricular Unidade Curricular Designação: Semiótica Área Científica: CSH Som e Imagem Ciclo de Estudos: 1º Ciclo - Licenciatura Carácter: Obrigatória Semestre: 2º ECTS: 3 Tempo de Trabalho:

Leia mais

FAUSTO OLIVEIRA COMO EVITAR QUE SITUAÇÕES NEGATIVAS ATRAPALHEM SUA VIDA?

FAUSTO OLIVEIRA COMO EVITAR QUE SITUAÇÕES NEGATIVAS ATRAPALHEM SUA VIDA? FAUSTO OLIVEIRA COMO EVITAR QUE SITUAÇÕES NEGATIVAS ATRAPALHEM SUA VIDA? WWW.FAUSTOOLIVEIRA.COM.BR O FUNCIONAMENTO DA NOSSA MENTE Para entendermos melhor como essa técnica funciona e como você pode utilizar

Leia mais

O OLHAR SEMIÓTICO PARA ENTENDER O MUNDO. Nara Maria Fiel de Quevedo Sgarbi

O OLHAR SEMIÓTICO PARA ENTENDER O MUNDO. Nara Maria Fiel de Quevedo Sgarbi O OLHAR SEMIÓTICO PARA ENTENDER O MUNDO Nara Maria Fiel de Quevedo Sgarbi Resumo: Focaliza-se neste texto a teoria semiótica como instrumento facilitador do entendimento das linguagens que cercam os seres

Leia mais

Gramática. Prof Guto

Gramática. Prof Guto Gramática Prof Guto O texto é uma reunião de ideias lógicas expressas pela combinação de palavras. A compreensão de texto nada mais é do que a capacidade de entender as partes de um texto e sua relação

Leia mais

PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA

PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA www.desenvolverrh.com CETAPES PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA Joelma Duarte e Tatiane Franklin Master COACH e PNL. Diretora e Palestrante na Desenvolver RH. DESENVOLVER RH ASSESSORIA E TREINAMENTO COACHING

Leia mais

Comunicação. Usabilidade e Ergonomia

Comunicação. Usabilidade e Ergonomia Comunicação Usabilidade e Ergonomia Websites como signos e a contribuição da semiótica organizacional Tecnologia da Informação Projeto de Interface com Usuário Roteiro O conceito de websites como signos

Leia mais

O Processo de Comunicação em Formação

O Processo de Comunicação em Formação Curso de Formação Pedagógica de Formadores Manual do Formando Talentus Associação Nacional de Formadores e Técnicos de Formação 2002 Índice...3 Comunicação...4 Elementos da Comunicação...5 Linguagem Verbal

Leia mais