TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação."

Transcrição

1 TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. Você encontra as leituras de apoio ao exercício neste link: 1) Assinale a alternativa que contém o(s) complemento(s) adequado: Saussure compara a escrita a um flutuador de cortiça para um aprendiz de natação porque I. a escrita, assim como o flutuador para um aprendiz de natação, é fundamental para se chegar à compreensão da língua. II. a escrita é acessória em relação à oralidade; para ele, apenas o estudo da língua separada da escrita poderá proporcionar o apoio necessário. III. a escrita, que serviria como um apoio enganoso, tem um caráter artificial. a) Apenas I está correta. c) Apenas II está correta. d) Todas estão corretas. 2) Três coisas estão invariavelmente ausentes do dado que um filósofo acredita ser o da linguagem. Em primeiro lugar, a verdade, em que nem mesmo insistimos, de que o âmago da linguagem não é constituída de nomes [...] Mas existe, implicitamente, uma tendência, que não podemos nem deixar passar, a respeito do que seria, em definitivo a linguagem: a saber, uma nomenclatura de objetos. Antes, o objeto, depois o signo; portanto (o negaremos sempre) base exterior dada ao signo e representação da linguagem por essa relação: objetos * a nomes * b * c Enquanto a verdadeira representação é: a b c, fora de qualquer relação efetiva como * - a, baseada em um objeto. Se um objeto pudesse, onde quer que seja, ser o termo sobre o qual é fixado o signo, a lingüística deixaria instantaneamente de ser o que ela é, do topo até a base (CLG, p ). Nesse trecho, Saussure repudia a idéia de língua como nomenclatura. Essa é uma visão em que: (Dica: para essa questão, indicamos, em especial, a leitura de

2 sao.pdf) a) se acredita que os falantes, quando se referem aos objetos do mundo, o façam através de uma nomenclatura. b) conforme também Aristóteles, a uma lista de termos corresponde uma lista de coisas na realidade. c) a língua é um espelho exato da realidade e do mundo das idéias. d) não se considera que as palavras simplesmente correspondam a objetos no mundo real. 3) Aqui, ao contrário, é muito crítico começar a falar da diversidade do signo na IDÉIA una em vez de falar de sua diversidade no emprego uno ou significação una [ ]: porque isso é cair no erro de acreditar que haja, anteriormente estabelecidas, quaisquer categorias ideais em que aconteçam depois, secundariamente, os acidentes do signo (CLG, p. 51). Sobre esse trecho podemos dizer que: a) apresenta a idéia de não anterioridade do signo, isto é, um signo existe somente a partir de um falante que faz uso dele. b) é um erro acreditar que Saussure tenha desvinculado o signo de categorias ideais. c) a diversidade do signo está na idéia una. d) às categorias ideais correspondem os signos. 4) O papel característico da língua frente ao pensamento não é criar um meio fônico material para a expressão das idéias, mas servir de intermediário entre o pensamento e o som, em condições tais que uma união conduza necessariamente a delimitações recíprocas de unidades. O pensamento, caótico por natureza, é forçado a precisar-se ao se decompor. Não há, pois, nem, materialização do pensamento, nem espiritualização de sons; trata-se, antes, do fato, de certo modo misterioso, de o 'pensamento-som' implicar divisões e de a língua elaborar suas unidades constituindo-se entre duas massas amorfas (CLG, p. 131). Escolha, entre os itens a seguir, o que podemos interpretar a partir dessa passagem. I. a língua não está nem entre o pensamento nem entre o som, mas, de certa maneira, é a articulação entre os dois. II. a língua é a materialização do pensamento que se transforma em som. III. o raciocínio não é pré-lingüístico, ou seja, antes da linguagem não há pensamento.

3 a) I e II estão corretas. c) I e III estão corretas. d) Todas as afirmações estão corretas. 5) Quais afirmações abaixo podemos considerar como corretas? I. Saussure salienta a importância da noção de valor na compreensão do fenômeno semântico. II. Saussure se afasta da perspectiva representacionista ao enfatizar a identidade negativa e o caráter relacional das unidades lingüísticas. No entanto, demonstra uma inclinação ao representacionismo ao defender uma visão bipartida do signo. III. O pensamento, para Saussure, está dissociado da linguagem. a) I e III estão corretas. b) Apenas III está correta. c) I e II estão corretas. d) Não podemos considerar nenhuma das afirmações como corretas. 6) Adotar um ponto de vista sincrônico para o estudo da língua, de acordo com Saussure, significa: a) observar como a língua evolui através do tempo. b) observar um conjunto de regularidades que a língua apresenta num dado momento. c) observar as semelhanças gramaticais entre as diferentes línguas. d) observar as regularidades e princípios da língua com fins normativos. 7) Imagem acústica e conceito são substituídos, respectivamente, no CLG, por: a) som e signo lingüístico. b) significado e significante. c) significante e significado. d) imagem auditiva e significado. 8) Uma unidade como desejoso se decompõe em duas subunidades (desejoso), mas não se trata de duas partes independentes simplesmente juntadas uma à outra (desej + oso). Trata-se de um produto, uma combinação de dois elementos solidários, que só têm valor pela sua ação recíproca numa unidade superior (desej x oso). O sufixo, considerado isoladamente, é inexistente; o que lhe confere seu lugar na língua é uma série de termos usuais tais como calor-oso, duvid-oso etc. Por sua vez, o radical não é autônomo; ele só existe pela combinação com um sufixo; no francês roul-is,

4 o elemento roul- não é nada sem o sufixo que o segue. O todo vale pelas suas partes, as partes valem também em virtude de seu lugar no todo, e eis por que a relação sintagmática da parte com o todo é tão importante quanto a das partes entre si. (CLG, p. 148). (Dica: para essa questão, recomendamos a leitura de ao_de_palavras.pdf, em que foi trabalhado o mesmo trecho) Do trecho acima, podemos inferir que (escolha o que julgar mais adequado): I. Saussure não vê os morfemas como unidades, mas considera a palavra como um todo. II. O sufixo, assim como o radical, é autônomo. III. O modelo de morfologia de Saussure é um modelo baseado em palavras. a) I e III estão corretas. c) I e II estão corretas. d) Nenhuma das afirmações é uma inferência possível. 9) Das afirmações abaixo, considerando-se o pensamento de Saussure, quais estão corretas? I. A língua é um produto da coletividade, pois estabelece seus valores através da convenção social. II. A noção de valor lingüístico está associada à relação de oposição que os signos têm entre si. III. Pode-se dizer que a teoria do valor de Saussure é negativa, porque um signo só adquire valor na medida em que não é outro signo, ou seja, um signo é o que os outros não são. a) Apenas I está correta. b) Apenas II está correta. c) Apenas III está correta. d) Todas as afirmações estão corretas. 10) Assinale a alternativa que NÃO está correta, considerando o conteúdo do CLG: a) A fala se opõe à língua como o individual ao social. b) Língua e fala estão numa relação de interdependência: a língua é ao mesmo tempo o instrumento e o produto da fala. c) Os fatos históricos têm influência na mutabilidade do sistema lingüístico. d) O ponto de vista diacrônico de nada serve e deve ser desprezado pelos

5 estudos lingüísticos.

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático As Dicotomias Linguísticas Sincronia versus Diacronia Língua versus Fala Significante

Leia mais

Aula 5 ESTRUTURALISMO

Aula 5 ESTRUTURALISMO Aula 5 ESTRUTURALISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Sistema, estrutura, estruturalismo SISTEMA: resultado

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

Considerando que o trecho acima tem caráter unicamente motivador, redija um texto acerca do seguinte tema.

Considerando que o trecho acima tem caráter unicamente motivador, redija um texto acerca do seguinte tema. Questão Para mostrar que o sincrônico e o diacrônico são, simultaneamente, autônomos e interdependentes, pode-se pensar na projeção de um corpo sobre um plano. Com efeito, toda projeção depende

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978

FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978 FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978 Definir como ciência que estuda a linguagem com métodos próprios, a Lingüística

Leia mais

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Linguagem e Cultura Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS Educação Visual - 3º ciclo. Meta / Objetivo N Descritores Obs.

PERFIL DE APRENDIZAGENS Educação Visual - 3º ciclo. Meta / Objetivo N Descritores Obs. PERFIL DE APRENDIZAGENS Educação Visual - 3º ciclo Departamento de Expressões Técnica T8 Ano 2016/17 8ºANO Meta / Objetivo N Descritores Obs. 1. Compreender conceitos teóricocientíficos do fenómeno luz-cor.

Leia mais

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo

Leia mais

Produção do Português Escrito

Produção do Português Escrito Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa 2015-2016 Produção do Português Escrito Sintaxe e Pontuação 14 e 16 de março 18 e 20 de abril 23 e 25 de maio Conceitos introdutórios segunda-feira 14 de março

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

SIGNIFICAÇÃO: A ELABORAÇÃO DE UMA NOÇÃO SAUSSURIANA NO CLG

SIGNIFICAÇÃO: A ELABORAÇÃO DE UMA NOÇÃO SAUSSURIANA NO CLG 1 SIGNIFICAÇÃO: A ELABORAÇÃO DE UMA NOÇÃO SAUSSURIANA NO CLG Allana Cristina Moreira Marques Universidade Federal de Uberlândia (UFU) lanacrismm@yahoo.com.br Resumo: Este trabalho propõe-se a investigar

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno è capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor;

Leia mais

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p Gramática e seu conceito Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p.11-16. Gramática descritiva ou sincrônica Estudo do mecanismo pelo qual uma dada língua funciona

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO PLANIFICAÇÃO

EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO PLANIFICAÇÃO Objetivos gerais: EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO PLANIFICAÇÃO COMPREENDER CONCEITOS TEÓRICO-CIENTÍFICOS DO FENÓMENO LUZ-COR. RECONHECER A IMPORTÂNCIA DA LUZ-COR NA PERCEÇÃO DO MEIO ENVOLVENTE. DISTINGUIR CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

Metas curriculares de Educação Visual

Metas curriculares de Educação Visual AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde Escola Básica 1/JI do Casal do Sapo Departamento de Artes e Tecnologias Educação Visual Ano Letivo - 2016/2017 3º

Leia mais

Palavras-chave: Linguagem, língua, arbitrariedade do signo linguístico, sentido.

Palavras-chave: Linguagem, língua, arbitrariedade do signo linguístico, sentido. O SENTIDO NA LINGUAGEM: UMA DISCUSSÃO A PARTIR DO ARBITRÁRIO DO SIGNO EM FERDINAND DE SAUSSURE Flávio Rômulo Alexandre (UNICAP) fxdraw@gmail.com Resumo: Este trabalho teve como objetivo analisar o sentido

Leia mais

Metas curriculares de Educação Visual

Metas curriculares de Educação Visual AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA QUINTA DO CONDE Escola Básica Integrada/JI da Quinta do Conde Escola Básica 1/JI do Casal do Sapo Departamento de Artes e Tecnologias Educação Visual Ano Letivo - 2015/2016 3º

Leia mais

O que são os signos? o signo não é a realidade (FIORIN, 2002, p. 58) Signo ou referente?

O que são os signos? o signo não é a realidade (FIORIN, 2002, p. 58) Signo ou referente? O que são os signos? os signos são qualquer coisa, ou estímulo físico, utilizados para representar objetos, qualidades, ideias ou eventos (BORDENAVE, 2002, p. 40) o signo não é a realidade (FIORIN, 2002,

Leia mais

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios.

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios. 2ª Língua Portuguesa 5º Ano E.F. Objeto de Estudo Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: norma-padrão e variedades linguísticas. Usos

Leia mais

3ª Eduardo e Ana. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

3ª Eduardo e Ana. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática 3ª Eduardo e Ana 8 Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 3 Foco: Espaço e Forma Utilizar o conhecimento geométrico para realizar a leitura e a representação da realidade

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE ÍNDICE PRIMEIRA PARTE IN T R O D U Ç Ã O... 9 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA SLH T J... 11 1. Sem iótica... II 2. Lingüística... 12 3. Herm enêutica... 12 4. Texto Jurídico... 13 CAPÍTULO 1 - GRAMATICA DA

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) ANÁLISE DO DISCURSO 68 h/a 1753/I Vertentes da Análise do Discurso. Discurso e efeito de sentido. Condições de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP DIRETORIA DE AVALIAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP DIRETORIA DE AVALIAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS - INEP DIRETORIA DE AVALIAÇÃO PARA CERTIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIAS Exame Nacional de Certificação de Competências de Jovens e

Leia mais

Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade

Eduardo. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Matemática Eduardo 3ª 8 Ano E.F. Competência Objeto de aprendizagem Habilidade Competência 2 Foco: Os conjuntos numéricos Construir significados para os números naturais, inteiros, racionais e reais. Competência

Leia mais

Unidade: As dicotomias linguísticas e a dupla articulação Unidade I: da linguagem

Unidade: As dicotomias linguísticas e a dupla articulação Unidade I: da linguagem Unidade: As dicotomias linguísticas e a dupla articulação Unidade I: da linguagem 0 Unidade: As dicotomias linguísticas e a dupla articulação da linguagem As Dicotomias Linguísticas Conforme estudamos

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM 1. Função referencial (ou denotativa) É aquela centralizada no referente, pois o emissor oferece informações da realidade. Linguagem usada na ciência, na arte realista, no jornal,

Leia mais

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 2º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA

Processo de Admissão de Novos Estudantes Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no. 2º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA Processo de Admissão de Novos Estudantes 2017 Conteúdos programáticos para candidatos que ingressarão no 2º ano do Ensino Médio MATEMÁTICA HABILIDADES CONTEÚDOS Reconhecer, no contexto social, diferentes

Leia mais

Língua Portuguesa UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO

Língua Portuguesa UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Língua Portuguesa UNIDADE DE REVISÃO E RECUPERAÇÃO Organizamos esta unidade para orientá-lo na revisão dos conteúdos trabalhados ao longo da disciplina. Siga as orientações desta apresentação, reveja os

Leia mais

RESOLUÇÃO COMENTADA 2014 NOME DO PRODUTO: Simulado 7 Caderno 1 COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura

RESOLUÇÃO COMENTADA 2014 NOME DO PRODUTO: Simulado 7 Caderno 1 COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura RESOLUÇÃO COMENTADA 2014 NOME DO PRODUTO: Simulado 7 Caderno 1 COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura QUESTÃO ASSUNTO GABARITO NÍVEL / COMENTÁRIO Habilidade 22 Relacionar, em diferentes

Leia mais

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Sintaxe do Português I 1º semestre de 2015 sim, ele chegou! Finalmente! Prof. Dr. Paulo Roberto

Leia mais

Aline Nardes dos Santos * Rove Luiza de Oliveira Chishman ** 1. Apresentação

Aline Nardes dos Santos * Rove Luiza de Oliveira Chishman ** 1. Apresentação Do conceito de signo ao princípio do valor linguístico: ensaio sobre a dimensão do significado na teoria saussuriana da linguagem From the concept of sign to the value principle: an essay on the role of

Leia mais

ANEXO I. Conhecer e usar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais.

ANEXO I. Conhecer e usar língua(s) estrangeira(s) moderna(s) como instrumento de acesso a informações e a outras culturas e grupos sociais. ANEXO I I. EIXOS COGNITIVOS a) Dominar linguagens: dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica e das línguas espanhola e inglesa. b) Compreender

Leia mais

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades

PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades PROVA TEMÁTICA/2013 GERAÇÃO CONTEMPORÂNEA: desafios e novas possibilidades 7 ANO / ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS (LÍNGUA PORTUGUESA, REDAÇÃO, ARTES E

Leia mais

A LINGUÍSTICA EM CENA: DOS RELATOS PRÉ-HISTÓRICOS AO STATUS DE CIÊNCIA

A LINGUÍSTICA EM CENA: DOS RELATOS PRÉ-HISTÓRICOS AO STATUS DE CIÊNCIA A LINGUÍSTICA EM CENA: DOS RELATOS PRÉ-HISTÓRICOS AO STATUS DE CIÊNCIA PICCININN, Rosana Salete (FAF) SCHNEIDER, Luizane (FAF) MINUSSI, Cleunice Lavarda (G - FAF) SILVA, Joissiane Patrícia Muniz da (G

Leia mais

JAKOBSON, A FONOLOGIA E A HERANÇA SAUSSUREANA

JAKOBSON, A FONOLOGIA E A HERANÇA SAUSSUREANA JAKOBSON, A FONOLOGIA E A HERANÇA SAUSSUREANA Luiza Milano * O objetivo desse escrito é elaborar um percurso de leitura revisitando importantes textos de Roman Jakobson acerca das relações entre som e

Leia mais

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI

DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS. Por Claudio Alves BENASSI DAS CRÍTICAS E CONTRIBUIÕES LINGUÍSTICAS Por Claudio Alves BENASSI omo vimos anteriormente, em relação ao uso que o sujeito com C surdez faz da modalidade escrita do surdo, o recurso didático Números Semânticos

Leia mais

SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O

SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O Prova Anglo P-01 Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O 01. D 07. A 13. D 19. C 02. B 08. B 14. A 20. D 03. C 09. C 15. B 21. A 04. A 10. A 16. D 22. C 05. C 11. D 17. B 00 06. B 12. B 18. D DESCRITORES, RESOLUÇÕES

Leia mais

Geometria e Experiência

Geometria e Experiência Geometria e Experiência Albert Einstein A matemática desfruta, entre as ciências, de um particular prestígio pela seguinte razão: suas proposições são de uma certeza absoluta e a salvo de qualquer contestação,

Leia mais

Perfil de aprendizagens específicas Português 7ºano Ano letivo: DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5

Perfil de aprendizagens específicas Português 7ºano Ano letivo: DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5 Oralidade DOMÍNIOS SUBDOMÍNIOS NÍVEL 1 NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5 Interpretar textos em identificar o com orais com identificar o tema, identificar o tema, explicitar o tema, explicitar o assunto,

Leia mais

O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se:

O que é uma convenção? (Lewis) Uma regularidade R na acção ou na acção e na crença é uma convenção numa população P se e somente se: Convenções Referências Burge, Tyler, On knowledge and convention, The Philosophical Review, 84 (2), 1975, pp 249-255. Chomsky, Noam, Rules and Representations, Oxford, Blackwell, 1980. Davidson, Donald,

Leia mais

O LUGAR DO SUJEITO NO SSTEMA SAUSSURIANO DE LÍNGUA.

O LUGAR DO SUJEITO NO SSTEMA SAUSSURIANO DE LÍNGUA. O LUGAR DO SUJEITO NO SSTEMA SAUSSURIANO DE LÍNGUA. Raquel Basílio UFPB Da língua ao sujeito Assim o estruturalismo se constitui em filosofia comum a três ciências que postulam o inconsciente como lugar

Leia mais

INTRODUÇÃO 1.º ANO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO PORTUGUÊS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS ARTICULAÇÃO COM O PERFIL DOS ALUNOS

INTRODUÇÃO 1.º ANO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO PORTUGUÊS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS ARTICULAÇÃO COM O PERFIL DOS ALUNOS APRENDIZAGENS ESSENCIAIS ARTICULAÇÃO COM O PERFIL DOS 1.º ANO 1.º CICLO DO ENSINO BÁSICO PORTUGUÊS INTRODUÇÃO A definição do objeto e dos objetivos para o ensino e a aprendizagem da língua portuguesa ao

Leia mais

RESUMO. Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente

RESUMO. Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente A MOTIVAÇÃO RELATIVA NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente por convenções sociais,

Leia mais

FÁBIO LÚCIO GOMES LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO

FÁBIO LÚCIO GOMES LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO FÁBIO LÚCIO GOMES LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO Objetivos da Aula Conhecer os fundamentos conceituais da linguagem; Compreender os tipos de linguagem; Aplicar os conhecimentos adquiridos em sala. Estrutura do

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ COORDENADORIA DE CONCURSOS CCV Questão: 02 O candidato alega que, na questão 02, tanto a alternativa E como a alternativa A apresentam-se corretas, visto que as linhas 12 e 13 mostram que os violinistas mais relaxados também tinham

Leia mais

INTRODUÇÃO À LEITURA DE SAUSSURE

INTRODUÇÃO À LEITURA DE SAUSSURE INTRODUÇÃO À LEITURA DE SAUSSURE BOUQUET, SIMON. Introdução à leitura de Saussure. Tradução de Carlos A. L. Salum; Ana Lúcia Franco. 9. ed. São Paulo: Cultrix, 2004. Edileuza Gimenes Moralis (UNEMAT) Geiza

Leia mais

Prática Profissional: A Fala e as Questões Sociais. Contextualização. Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas

Prática Profissional: A Fala e as Questões Sociais. Contextualização. Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Prática Profissional: A Fala e as Questões Sociais Teleaula 2 Prof.ª Me. Elys Regina Andretta tutorialetras@grupouninter.com.br Contextualização Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas A

Leia mais

CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução à Ciência da Linguagem

CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução à Ciência da Linguagem CURSO ANO LETIVO PERIODO/ANO Departamento de Letras 2017 3º CÓDIGO DISCIPLINA CARGA HORÁRIA Introdução à Ciência da Linguagem 04h/a xxx xxx 60h/a xxx xxx EMENTA História da ciência da linguagem. Objeto

Leia mais

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores LET 1 - DISCIPLINAS DO SETORES DE LÍNGUA PORTUGUESA,LITERATURAS E LATIM Atenção: As disciplinas em negrito são novas disciplinas propostas.

Leia mais

Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional

Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional Perspectivas da Abordagem Sistêmico-Funcional Ariel Novodvorski UFU Mestre em Estudos Linguísticos, Linguística Aplicada UFMG Fone: (34)3087-6776 E-mail: ariel_novodvorski@yahoo.com.br Data de recepção:

Leia mais

Prefácio. Karina Falcone 1 Mônica Nóbrega 2

Prefácio. Karina Falcone 1 Mônica Nóbrega 2 Prefácio Karina Falcone 1 Mônica Nóbrega 2 A Revista Investigações, em seu número especial, resolveu juntar se às homenagens feitas a Ferdinand de Saussure no centenário da sua morte, em 2013. Os artigos

Leia mais

Linguagem e Ideologia

Linguagem e Ideologia Linguagem e Ideologia Isabela Cristina dos Santos Basaia Graduanda Normal Superior FUPAC E-mail: isabelabasaia@hotmail.com Fone: (32)3372-4059 Data da recepção: 19/08/2009 Data da aprovação: 31/08/2011

Leia mais

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema UFG/CS PS/011-1 RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS I ADEQUAÇÃO (SERÁ CONSIDERADO O USO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO SEGUNDA LÍNGUA) A- ao tema

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira EMENTA 53 14 PLANOS DE DISCIPLINAS PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira Curso: Técnico em Agroindústria Integrado ao Ensino Médio

Leia mais

Elaine Starosta Foguel 1

Elaine Starosta Foguel 1 Elaine Starosta Foguel 1 Psicanálise e Lingüística Quando estudamos, discutimos, e praticamos a psicanálise temos em mente a questão do significante lacaniano e o registro do simbólico, a premissa de que

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2017

INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2017 INFORMAÇÃO-PROVA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2017 Prova 16 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

RAIO-X Língua Portuguesa Caixa Econômica Federal

RAIO-X Língua Portuguesa Caixa Econômica Federal RAIO-X Língua Portuguesa Caixa Econômica Federal Foram analisadas as três últimas provas para Técnico Bancário: - 2010: banca CESPE (múltipla escolha) - 2012: banca CESGRANRIO (múltipla escolha) - 2014:

Leia mais

O fonema como unidade básica da semiose Sebastião Elias Milani

O fonema como unidade básica da semiose Sebastião Elias Milani O fonema como unidade básica da semiose Sebastião Elias Milani No Curso de Linguística Geral, Ferdinand de Saussure (1854-1913) explicou muitas coisas importantes para todos os pensadores da linguagem.

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora PLANIFICAÇÃO ANUAL /2015 DISCIPLINA: Português CURSO: PROFISSIONAL

Escola Secundária com 3º Ciclo do Ensino Básico de Amora PLANIFICAÇÃO ANUAL /2015 DISCIPLINA: Português CURSO: PROFISSIONAL COMPETÊNCIAS GERAIS Compreensão oral / Leitura o Antecipar significados o Distinguir diferentes tipos de texto o Apreender sentidos explícitos o Inferir sentidos implícitos o Distinguir factos de opiniões

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA O ENEM 2009

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA O ENEM 2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA O ENEM 2009 EIXOS COGNITIVOS (comuns a todas as áreas de conhecimento) I. Dominar

Leia mais

Unidade: Introdução a Linguística. Unidade I:

Unidade: Introdução a Linguística. Unidade I: Unidade I: 0 Unidade: Introdução a Linguística Histórico O interesse pela linguagem é muito antigo, expresso por mitos, lendas, cantos, rituais ou por trabalhos eruditos que buscam conhecer essa capacidade

Leia mais

Aula 5 Funções sintáticas e transitividade verbal

Aula 5 Funções sintáticas e transitividade verbal Aula 5 Funções sintáticas e transitividade verbal Pablo Faria HL220C Prática de análise gramatical IEL/UNICAMP SUMÁRIO AULA ANTERIOR Predicado NOMENCLATURA COMPARADA Funções sintáticas diversas Quanto

Leia mais

Resolução de Questões Específicas de Filosofia e Sociologia Aula 2

Resolução de Questões Específicas de Filosofia e Sociologia Aula 2 Resolução de Questões Específicas de Filosofia e Sociologia Aula 2 Resolução de Questões Específicas de Filosofia e Sociologia Aula 2 (UFPR 2007) As questões 1, 2 e 3 referem-se ao texto a seguir. bem

Leia mais

7 Síntese e considerações finais

7 Síntese e considerações finais 7 Síntese e considerações finais Mesmo antes de produzir suas primeiras palavras, a criança revela ser capaz de estabelecer referências e adquirir um conjunto estável de correspondências palavramundo,

Leia mais

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Metas/Domínios Objetivos gerais Conteúdos Programáticos Critérios 3º Ano Oralidade O3 Comprensão do oral Expressão oral Escutar para aprender e construir conhecimentos Produzir um discurso oral

Leia mais

Sumário. Prefácio...ix. Autoria & Escola: algumas questões e delimitações...1

Sumário. Prefácio...ix. Autoria & Escola: algumas questões e delimitações...1 Sumário Prefácio...ix Autoria & Escola: algumas questões e delimitações...1 As tensões do autor...9 O que é o autor?...11 Os movimentos do autor ao sabor dos títulos...17 Nas rasuras de práticas de textualização...

Leia mais

REVISÃO PARA NP-1 Disciplina: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Prof.: ANDERSON FRANÇA

REVISÃO PARA NP-1 Disciplina: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Prof.: ANDERSON FRANÇA Instituto de Saúde Campus Brasília REVISÃO PARA NP-1 Disciplina: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Prof.: ANDERSON FRANÇA NOTA Nome do aluno: RA: Turma: Assinatura do aluno: Data da Prova: INSTRUÇÕES 1. Essa avaliação

Leia mais

PROPOSTA DE REDAÇÃO. Onda de Refugiados na Europa

PROPOSTA DE REDAÇÃO. Onda de Refugiados na Europa MARATONA DE ESTUDOS PROPOSTA DE REDAÇÃO Onda de Refugiados na Europa Refugiado é toda a pessoa que, em razão de fundados temores de perseguição devido a sua raça, religião, nacionalidade, associação a

Leia mais

Painel: A semântica e o corte saussuriano: língua, linguagem, discurso

Painel: A semântica e o corte saussuriano: língua, linguagem, discurso Painel: A semântica e o corte saussuriano: língua, linguagem, discurso José Horta NUNES UNESP São José do Rio Preto O texto La sémantique et la coupure saussurienne: langue, langage, discours, de C. Haroche,

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

QUESTÃO SOBRE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO

QUESTÃO SOBRE INTERPRETAÇÃO DE TEXTO COMENTÁRIOS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA E À QUESTÃO 38 DO CONCURSO PARA ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS CERTAME REALIZADO NO DIA 21 DE JUNHO DE 2015 QUESTÃO

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO SILVIA FERNANDES DE OLIVEIRA 1 INTRODUÇÃO Este projeto pretende enfocar a especificidade da construção do sistema da escrita como processo cognitivo.

Leia mais

A Ultima Ceia, como Signo Linguístico

A Ultima Ceia, como Signo Linguístico A Ultima Ceia, como Signo Linguístico Beatriz Jorge Ramos, nº 8255 Curso Ciências da Arte e do Património, 1ºano FBAUL, 2014/2015 Sumário Resumo 1 Introdução 1 Desenvolvimento 1 1. Signo, Significado,

Leia mais

COLÉGIO SANTA TERESINHA

COLÉGIO SANTA TERESINHA EU CONFIO COLÉGIO SANTA TERESINHA R. Madre Beatriz 135 centro Tel. (33) 3341-1244 www.colegiosantateresinha.com.br PLANEJAMENTO DE AÇÕES DA 3ª ETAPA 2016 PROFESSOR (A): Juliana Silva Cordeiro TURMA: 4º

Leia mais

MATEMÁTICA 5º ANO UNIDADE 1. 1 NÚMEROS, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Sistema de numeração Operações com números grandes

MATEMÁTICA 5º ANO UNIDADE 1. 1 NÚMEROS, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Sistema de numeração Operações com números grandes MATEMÁTICA 5º ANO UNIDADE 1 CAPÍTULOS 1 NÚMEROS, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Sistema de numeração Operações com números grandes 2 IMAGENS E FORMAS Ângulos Ponto, retas e planos Polígono Diferenciar o significado

Leia mais

Interculturalidade no ensino de línguas: uma análise do programa inglês sem fronteiras

Interculturalidade no ensino de línguas: uma análise do programa inglês sem fronteiras Interculturalidade no ensino de línguas: uma análise do programa inglês sem fronteiras Prof.Dra.Giselda Costa - giseldacosta@ifpi.edu.br Profa.Ms. Selma Cardoso selmacardoso@ifpi.edu.br Percurso da Apresentação

Leia mais

Semiótica: Detalhamento

Semiótica: Detalhamento 1 INF1403 Método de Inspeção Semiótica: Detalhamento Professora: Clarisse Sieckenius de Souza 27/04/2011 2 O Método M de Inspeção Semiótica 1. Preparação (igual a qualquer método m de inspeção) 2. Análise

Leia mais

- que tenha uma boa justificativa (Por que é necessário pesquisar isso? Quais são as motivações e qual é a relevância do trabalho?

- que tenha uma boa justificativa (Por que é necessário pesquisar isso? Quais são as motivações e qual é a relevância do trabalho? Orientações para a elaboração de pôsteres Linguística: história e teoria 1/2013 O que é uma sessão de pôsteres? Em Congressos e eventos acadêmicos semelhantes, existem vários formatos de apresentação de

Leia mais

ASPECTOS DA AQUISIÇÃO DA ESCRITA ACADÊMICA DO PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA POR ESTUDANTES SURDOS UNIVERSITÁRIOS: OS OPERADORES ARGUMENTATIVOS

ASPECTOS DA AQUISIÇÃO DA ESCRITA ACADÊMICA DO PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA POR ESTUDANTES SURDOS UNIVERSITÁRIOS: OS OPERADORES ARGUMENTATIVOS ASPECTOS DA AQUISIÇÃO DA ESCRITA ACADÊMICA DO PORTUGUÊS COMO SEGUNDA LÍNGUA POR ESTUDANTES SURDOS UNIVERSITÁRIOS: OS OPERADORES ARGUMENTATIVOS EIXO 1: Libras: Linguística, Ensino e Aquisição Autora - Layane,

Leia mais

Introdução ao pensamento de Marx 1

Introdução ao pensamento de Marx 1 Introdução ao pensamento de Marx 1 I. Nenhum pensador teve mais influência que Marx, e nenhum foi tão mal compreendido. Ele é um filósofo desconhecido. Muitos motivos fizeram com que seu pensamento filosófico

Leia mais

Não considerada: 0 pontos Precário: 40 pontos Insuficiente: 80 pontos Mediano: 120 pontos Bom: 160 pontos Ótimo: 200 pontos

Não considerada: 0 pontos Precário: 40 pontos Insuficiente: 80 pontos Mediano: 120 pontos Bom: 160 pontos Ótimo: 200 pontos Competências ENEM Antes de relacionarmos as cinco competências do ENEM, esclarecemos que a prova de redação vale 1000 pontos no total (dividindo esse valor entre os 5 aspectos, cada um deles tem peso de

Leia mais

O NOME PRÓPRIO E O CLG: UMA EXCEÇÃO À ANALOGIA

O NOME PRÓPRIO E O CLG: UMA EXCEÇÃO À ANALOGIA 1 O NOME PRÓPRIO E O CLG: UMA EXCEÇÃO À ANALOGIA Stefania Montes HENRIQUES Universidade Federal de Uberlândia temontess@gmail.com Resumo: O nome próprio é um conceito problemático nas Ciências da Linguagem,

Leia mais

Relação de Conteúdos para Seleção 2016

Relação de Conteúdos para Seleção 2016 Candidatos ao 6º ano do Ensino Fundamental Substantivos Adjetivos Encontros vocálicos Encontros consonantais Dígrafos Artigo Verbos ( Tempos verbais) As 4 operações Situações- problemas (Raciocínio lógico

Leia mais

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4

GRUPO 1 GRUPO 2 GRUPOS 3e4 GRUPO 1 GRUPO GRUPOS 3e UFG/CS RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS GRUPO I ADEQUAÇÃO A-ao tema = 0 a pontos B-à leitura da coletânea = 0 a pontos C-ao gênero textual = 0 a pontos D-à modalidade = 0 a pontos CRITÉRIOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMPAIO 1.º Período Vocabulário Ideia principal Informação essencial e acessória Informação implícita e explícita Inferências Descrição, diálogo, recriação de lengalengas, entrevista Texto narrativo, poesia criativa

Leia mais

EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA

EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA Italiano I: Língua e Cultura - Introdução às situações prático-discursivas da língua italiana mediante o uso

Leia mais

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola. HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA 1ª Série 6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

Leia mais

O Curso de Linguística Geral e suas possíveis leituras a respeito da teoria do valor 1

O Curso de Linguística Geral e suas possíveis leituras a respeito da teoria do valor 1 O Curso de Linguística Geral e suas possíveis leituras a respeito da teoria do valor 1 Matheus Silveira Hugo Mestrando/Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente artigo pretende mostrar

Leia mais

O PILAR DA TEORIA SAUSSUREANA: O CONCEITO DE ARBITRARIEDADE

O PILAR DA TEORIA SAUSSUREANA: O CONCEITO DE ARBITRARIEDADE 1 O PILAR DA TEORIA SAUSSUREANA: O CONCEITO DE ARBITRARIEDADE Daiane NEUMANN Universidade de Passo Fundo Resumo: O presente artigo propõe-se a apresentar o conceito chave do pensamento saussuriano: o conceito

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-IRATI (Currículo iniciado em 2009) LETRAS-PORTUGUÊS DIDÁTICA 0545/I C/H 68 A didática e o ensino de línguas. O planejamento e a avaliação escolar no processo

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DA 1ª ETAPA 3º ANO LÍNGUA PORTUGUESA MARCÍLIA. CONTEÚDOS: Leitura e compreensão de textos - Gêneros

PROGRAMAÇÃO DA 1ª ETAPA 3º ANO LÍNGUA PORTUGUESA MARCÍLIA. CONTEÚDOS: Leitura e compreensão de textos - Gêneros PROGRAMAÇÃO DA 1ª ETAPA MARCÍLIA 3º ANO LÍNGUA PORTUGUESA Suprime a esperança de chegar e ocultam-se as forças para andar. Santo Agostinho Livros: 1. Português Linguagens 2 William Cereja e Thereza Cochar

Leia mais

iferença entre Compreender e Interpretar TEXTOS Prof. Deborah Costa

iferença entre Compreender e Interpretar TEXTOS Prof. Deborah Costa iferença entre Compreender e Interpretar TEXTOS Prof. Deborah Costa Considerações iniciais Compreensão e interpretação de textos é um tema que, geralmente, está presente em todos os concursos públicos.

Leia mais

Você não precisa decorar nada

Você não precisa decorar nada Que aprender inglês é importante e vai mudar a sua vida você já sabe, mas como aprender inglês e como fazer isso por conta própria? Nós separamos abaixo algumas dicas inéditas e que sem dúvida vão fazer

Leia mais