Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual. professor Rafael Hoffmann

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual. professor Rafael Hoffmann"

Transcrição

1 Aula 1 - Linguagem e Alfabetismo Visual professor Rafael Hoffmann

2 Linguagem

3 Linguagem Definições lin.gua.gem s.f. 1 o conjunto das palavras e dos métodos de combiná-las usado e compreendido por uma comunidade 2 capacidade de expressão, esp. verbal 3 meio sistemático de expressão de ideias ou sentimentos com o uso de marcas, sinais ou gestos convencionados 4 qualquer sistema de símbolos e sinais, códigos 5 linguajar. DICIONÁRIO HOUAISS

4 Ferdinand de Saussure ( ) LINGUAGEM A maneira que o Homem tem de se expressar através de signos. LÍNGUA Uma das formas (a principal, para alguns) de o Homem manifestar a faculdade de linguagem. Conjunto de convenções adotadas pelo corpo social para permitir o exercício dessa faculdade (o idioma).

5 Charles S. Peirce ( ) SIGNO Aquilo que, sob certo aspecto ou modo, representa algo para alguém. [...] para que algo possa ser um signo, esse algo deve representar, como costumamos dizer, outra coisa.

6 Linguagem Definições Signo (letra) que representa o som a no alfabeto latino/romano. Signo (letra) que representa o som jé no alfabeto cirílico. Signo (ideograma/kanji) que representa o conceito de chuva na língua japonesa. Signo: Aquilo que representa algo para alguém, esse algo deve "representar" outra coisa.

7 Alfabetismo Processo Primeiro aprendemos um sistema de símbolos, formas abstratas que representam determinados sons.

8 Alfabetismo Processo Depois aprendermos as combinações das letras e de seus sons, que chamamos de palavras e constituem os representantes ou substitutos das coisas, idéias e ações.

9 Alfabetismo Processo O cachorro é um animal dócil. Adjunto adnominal Núcleo do sujeito Adjunto adnominal Núcleo do predicado (predicativo do sujeito) Sujeito Predicado Por último, aprendemos a sintaxe comum, ou seja, a colocação ou situação das palavras em uma frase bem como as relações entre as palavras que compõem a frase.

10 Alfabetismo Processo Além deste oceano de lamúria, Somente o horror das trevas se divisa; Porém o tempo, a consumir-se em fúria, Não me amedronta, nem me martiriza. Por ser estreita a senda - eu não declino, Nem por pesada a mão que o mundo espalma; Eu sou dono e senhor de meu destino; Eu sou o comandante de minha alma. Invictus, William Ernest Henley Quando são esses fundamentos são dominados, tornamo-nos capazes de ler e escrever, expressar e compreender a informação escrita. A partir desse ponto surge o uso criativo da escrita.

11 Linguagem visual Definições Pomme (francês), apple (inglês), apfel (alemão), mollë (albanês), alma (húngaro), ull (irlandes), pomon (esperanto).

12 Linguagem visual Definições

13 Linguagem visual Definições Desejo, pecado, sabedoria.

14 Linguagem visual Definições Desejo, pecado, sabedoria.

15 Linguagem visual Definições Desejo, pecado, sabedoria. Apple, tecnologia, status.

16 Linguagem visual Definições ISOTYPE (International System of Typographic Picture Education) Equivalente visual de um dicionário que usa, em vez de palavras, imagens simples numa tentativa de uniformizar a comunicação valorizando a linguagem não-verbal. h p://www.gerdarntz.org/isotype

17 Linguagem visual Definições A visão é natural; criar e compreender mensagens visuais é natural até certo ponto.

18 Linguagem visual Definições Porém, a eficácia, em ambos os níveis, só pode ser alcançada através do estudo.

19 Linguagem visual Definições A visão é natural; criar e compreender mensagens visuais é natural até certo ponto. Porém, a eficácia, em ambos os níveis, só pode ser alcançada através do estudo.

20 Linguagem visual Definições A visão é natural; criar e compreender mensagens visuais é natural até certo ponto. Porém, a eficácia, em ambos os níveis, só pode ser alcançada através do estudo.

21 Linguagem visual Definições A visão é natural; criar e compreender mensagens visuais é natural até certo ponto. Porém, a eficácia, em ambos os níveis, só pode ser alcançada através do estudo.

22 Linguagem visual Definições A visão é natural; criar e compreender mensagens visuais é natural até certo ponto. Porém, a eficácia, em ambos os níveis, só pode ser alcançada através do estudo.

23 Linguagem visual Definições A visão é natural; criar e compreender mensagens visuais é natural até certo ponto. Porém, a eficácia, em ambos os níveis, só pode ser alcançada através do estudo.

24 Linguagem visual Definições A visão é natural; criar e compreender mensagens visuais é natural até certo ponto. Porém, a eficácia, em ambos os níveis, só pode ser alcançada através do estudo.

25 Alfabetismo visual Processo Assim como na linguagem verbal, o conteúdo da linguagem visual é extremamente influenciado pela importância das partes constitutivas, como a cor, a forma, a textura, a dimensão, a proporção, suas relações compositivas com o significado, sua sintaxe.

26 Alfabetismo visual Processo Primeiro aprendemos um sistema elementos que representam determinados conceitos.

27 Alfabetismo visual Processo Depois aprendermos as combinações desses elementos, que chamamos de símbolos e constituem os representantes ou substitutos das coisas, idéias e ações.

28 Alfabetismo visual Processo Por último, aprendemos a sintaxe comum, ou seja, a colocação ou situação desses símbolos em um layout bem como as relações entre os outros símbolos que compõem o layout.

29 Alfabetismo visual Processo Quando são esses fundamentos são dominados, tornamo-nos capazes de ler e escrever, expressar e compreender a informação visual. A partir desse ponto surge o uso criativo da linguagem visual.

30 Elementos básicos da comunicação visual Os elementos visuais constituem a substância básica daquilo que vemos e seu número é reduzido. Por poucos que são, são a matéria-prima de toda informação visual em termos de opção e combinações seletivas. - Ponto - Linha, - Forma - Direção - Tom - Cor - Textura - Dimensão - Escala - Movimento.

31 Elementos básicos da comunicação visual A escolha dos elementos visuais que serão enfatizados e a manipulação desses elementos, tendo em vista o efeito pretendido, está nas mãos do designer. O que ele decide fazer com eles é sua arte e seu ofício, e as opções são infinitas.

32 Referências bibliográficas Sintaxe da Linguagem Visual, Donis A. Dondis, 1997.

33 professor Rafael Hoffmann

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula 2. Prof. Carlos Café Dias

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula 2. Prof. Carlos Café Dias CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL Aula 2 Prof. Carlos Café Dias REFORÇANDO REPOSITÓRIO docente.ifrn.edu.br/carlosdias O QUE É CRIATIVIDADE? Criatividade é uma forma de loucura. Platão Inspiração

Leia mais

Aula 6 - Textura. professor Rafael Hoffmann

Aula 6 - Textura. professor Rafael Hoffmann Aula 6 - Textura professor Rafael Hoffmann tex.tu.ra s.f. 1 trama, tecido 2 aspecto tátil de uma superfície. Dicionário Houaiss Em design a textura pode ser concreta, tátil. Texturas palpáveis afetam a

Leia mais

Conteúdo 8 - Tipografia como forma de expressão

Conteúdo 8 - Tipografia como forma de expressão Conteúdo 8 - Tipografia como forma de expressão professor Rafael Hoffmann Perspectiva clássica A tipografia tem como função principal utilizar letras para comunicar palavras. Tipografia invisível: faz

Leia mais

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR

Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade. Departamento de Expressão Gráfica - UFPR Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade Departamento de Expressão Gráfica - UFPR COMUNICAÇÃO VISUAL Elementos Compositivos I Prof. Andrea Faria Andrade A informação por meio de sinais provocou

Leia mais

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali

Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali Semiótica Triádica CHARLES S. PEIRCE Semiótica da Comunicação Profa. Carol Casali A SEMIOSE Para Peirce, o importante não é o signo tal como em Saussure - mas a situação signíca, que ele chama de semiose.

Leia mais

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes.

BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. 1 BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA: Abordagens de Saussure, Peirce, Morris e Barthes. BREVE HISTÓRIA DA SEMIOLOGIA (1) Período Clássico; (2) Período Medieval; (3) Racionalismo; (4) Empirismo Britânico; (5)

Leia mais

Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe substantivo, verbo, Morfologia. Morfologia classes gramaticais

Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe substantivo, verbo, Morfologia. Morfologia classes gramaticais Língua Portuguesa Nesta bimestral você aprendeu sobre diversos conceitos como Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe, e partir desses conceitos vamos revisar os principais assuntos estudados. Quando falamos

Leia mais

Prof.: Diego Santos. Disciplina: Projeto Gráfico I

Prof.: Diego Santos. Disciplina: Projeto Gráfico I Prof.: Diego Santos Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Disciplina: Projeto Gráfico I Ementa Estudos elementares dos fundamentos da composição em desenho. Fundamentos

Leia mais

Design da Informação. Aula 02 História e Princípios do Design da Informação. Prof. Dalton Martins

Design da Informação. Aula 02 História e Princípios do Design da Informação. Prof. Dalton Martins Design da Informação Aula 02 História e Princípios do Design da Informação Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Gramática. Prof Guto

Gramática. Prof Guto Gramática Prof Guto O texto é uma reunião de ideias lógicas expressas pela combinação de palavras. A compreensão de texto nada mais é do que a capacidade de entender as partes de um texto e sua relação

Leia mais

Prof.: Diego Santos. Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM

Prof.: Diego Santos. Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Prof.: Diego Santos Especializações: Design _ FAMAP Comunicação com o Mercado_ ESPM Consumo_ ESPM Ementa Estudos elementares dos fundamentos da composição em desenho. Fundamentos básicos da composição.

Leia mais

Aula 5 - Escala. professor Rafael Hoffmann

Aula 5 - Escala. professor Rafael Hoffmann Aula 5 - Escala professor Rafael Hoffmann Os designers passam habitualmente por surpresas desagradáveis quando imprimem pela primeira vez uma peça impressa concebida numa tela de computador. Por exemplo,

Leia mais

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula I. Prof. Carlos Café Dias

CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL. Aula I. Prof. Carlos Café Dias CURSO DE EXTENSÃO EM PROGRAMAÇÃO VISUAL Aula I Prof. Carlos Café Dias APRESENTAÇÃO O CURSO O curso de extensão em Programação visual aborda a teoria e prática da comunicação visual, oportunizando o estudo

Leia mais

Lógica Proposicional Sintaxe

Lógica Proposicional Sintaxe Lógica Proposicional Sintaxe José Gustavo de Souza Paiva Lógica Proposicional Forma mais simples da lógica Fatos do mundo real representados por sentenças sem argumento proposições Proposição Sentença

Leia mais

Revisão de Semiótica

Revisão de Semiótica Revisão de Semiótica O que é semiótica? É a ciência dos signos e dos processos significativos (semiose) na natureza e na cultura. Winfried Nöth É a teoria geral dos signos (algo que representa alguma coisa

Leia mais

O Discurso da Poesia Concreta Uma Abordagem Semiótica

O Discurso da Poesia Concreta Uma Abordagem Semiótica O Discurso da Poesia Concreta Uma Abordagem Semiótica Em língua portuguesa, a palavra forma, de acordo com o Dicionário Houaiss, quer dizer, entre as várias definições do termo consideradas inclusive a

Leia mais

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos.

Semiótica. A semiótica é a teoria dos signos. A semiótica é a teoria dos signos. Segundo Umberto Eco, um signo é algo que está no lugar de outra coisa. Ou seja, que representa outra coisa. Uma árvore, por exemplo, pode ser representada por uma série

Leia mais

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Linguagem e Cultura Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um

Leia mais

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL

LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL LINGUAGEM VERBAL E NÃO VERBAL Existem várias formas de comunicação. Quando o homem A! se utiliza da palavra, ou seja, da linguagem oral ou escrita,dizemos que ele está utilizando uma linguagem verbal,

Leia mais

INSTITUTO EDUCACIONAL MANOEL PINHEIRO PROGRAMA DE ATIVIDADES DIAGNÓSTICAS PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS 2017

INSTITUTO EDUCACIONAL MANOEL PINHEIRO PROGRAMA DE ATIVIDADES DIAGNÓSTICAS PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS 2017 INSTITUTO EDUCACIONAL MANOEL PINHEIRO PROGRAMA DE ATIVIDADES DIAGNÓSTICAS PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS 2017 1ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO 1. Compreensão de textos diversos: Textos verbais e não verbais;

Leia mais

Cassirer. An Essay on Man. An Introduction to a Philosophy of Human Culture. New Haven/London: Yale University Press.1944:32

Cassirer. An Essay on Man. An Introduction to a Philosophy of Human Culture. New Haven/London: Yale University Press.1944:32 filosofia da arte 1942 1953 1895-1985 Serei suficientemente ousada [bold] para oferecer uma definição de arte que permita distinguir uma obra de arte de tudo o resto no mundo e, ao mesmo tempo, mostrar

Leia mais

Lógica Proposicional Parte 2

Lógica Proposicional Parte 2 Lógica Proposicional Parte 2 Como vimos na aula passada, podemos usar os operadores lógicos para combinar afirmações criando, assim, novas afirmações. Com o que vimos, já podemos combinar afirmações conhecidas

Leia mais

Expectativas de Aprendizagem dos Cursos oferecidos pelo INCO

Expectativas de Aprendizagem dos Cursos oferecidos pelo INCO Level 1 Ao final do Nível 1, você será capaz de: Usar linguagem de sala de aula Apresentar-se em diferentes registros Formular e responder perguntas de forma simples Compreender e usar expressões do dia-a-dia

Leia mais

RESUMO. Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente

RESUMO. Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente A MOTIVAÇÃO RELATIVA NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente por convenções sociais,

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA

A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA A PRÉ-HISTÓRIA DA LINGUAGEM ESCRITA Disciplina: Desenvolvimento Psicológico III Profª Ms. Luciene Blumer Pois nisto de criação literária cumpre não esquecer guardada a infinita distância que o mundo também

Leia mais

COMO É QUE APRENDES? TIPOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO

COMO É QUE APRENDES? TIPOS DE APRENDIZAGEM FORMAÇÃO F2 FORMAÇÃO APRENDES MELHOR ATRAVÉS DA OBSERVAÇÃO, OUVINDO OU PRATICANDO A INFORMAÇÃO QUE RECEBES? Todos somos diferentes quando se trata de aprendizagem e retenção de informação. Existem vários estilos

Leia mais

1. Linguagem escrita - Apresentação

1. Linguagem escrita - Apresentação 1. Linguagem escrita - Apresentação Súmula História e paradoxo da linguagem escrita sob o ponto de vista neurológico; teorias de aquisição da linguagem escrita Objetivos Compreender que a linguagem escrita

Leia mais

Comunicação e linguagens. Carlos Straccia ATO DE COMUNICAÇÃO. Referências bibliográficas

Comunicação e linguagens. Carlos Straccia ATO DE COMUNICAÇÃO. Referências bibliográficas ATO DE COMUNICAÇÃO Referências bibliográficas INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto: curso prático de leitura e redação. 5 ed. São Paulo: Scipione, 1998, p. 17. PEREIRA, José Haroldo. Curso básico de teoria

Leia mais

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos. 3/6/5AD836_1.jpg

Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos.  3/6/5AD836_1.jpg Gêneros Textuais Acadêmicocientíficos http://images.quebarato.com.br/photos/thumbs/ 3/6/5AD836_1.jpg Olá, Pessoal, Vamos acompanhar mais uma aula da prof. Alessandra. Hoje falaremos sobre alguns gêneros

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º 1.º CEB Agrupamento de Escolas Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º Saber escutar para reproduzir pequenas mensagens e Compreensão do oral Leitura Escrita para cumprir ordens e pedidos Prestar

Leia mais

Índice. Grupo Módulo 4

Índice. Grupo Módulo 4 GRUPO 5.4 MÓDULO 4 Índice 1. Níveis Conceituais Linguísticos...3 2. Nível 1 Pré-Silábico...3 3. Nível 2 Intermediário I...4 4. Nível 3 Silábico...5 5. Nível 4 Intermediário II ou Silábico-Alfabético...5

Leia mais

Conteúdo 1 - História da Escrita. professor Rafael Hoffmann

Conteúdo 1 - História da Escrita. professor Rafael Hoffmann Conteúdo 1 - História da Escrita professor Rafael Hoffmann Pinturas das cavernas de Lascoux (15000 e 13000 a.c.) Pi Sheng Cuneiforme: 3200 a.c. Hieróglifos: 3000 a.c. Sistemas baseados em pictogramas Pictogramas

Leia mais

Comunicação Visual. Introdução

Comunicação Visual. Introdução Comunicação Visual Introdução Comunicar é a capacidade de partilhar, pôr em comum, o que pensamos ou sentimos; é transmitir uma determinada mensagem. Para que a comunicação exista é necessária a existência

Leia mais

Há dois sintagmas essenciais: o sintagma nominal (SN), cujo núcleo é um nome ou palavra que seja equivalente; e o sintagma verbal (SV) cujo núcleo é

Há dois sintagmas essenciais: o sintagma nominal (SN), cujo núcleo é um nome ou palavra que seja equivalente; e o sintagma verbal (SV) cujo núcleo é Há dois sintagmas essenciais: o sintagma nominal (SN), cujo núcleo é um nome ou palavra que seja equivalente; e o sintagma verbal (SV) cujo núcleo é uma forma verbal. Existem também o sintagma adjetival

Leia mais

HORÁRIO DE RECUPERAÇÃO 7 o ANO. Componente Curricular DATA. 1 a SEMANA DESENHO GEOMÉTRICO / ARTES VISUAIS. História CIÊNCIAS MATEMÁTICA 1

HORÁRIO DE RECUPERAÇÃO 7 o ANO. Componente Curricular DATA. 1 a SEMANA DESENHO GEOMÉTRICO / ARTES VISUAIS. História CIÊNCIAS MATEMÁTICA 1 12 COLÉGIO AGOSTINIANO MENDEL HORÁRIO DE RECUPERAÇÃO 7 o ANO DATA 03/12 (sábado) 05/12 (2 a feira) 06/12 (3 a feira) 07/12 (4 a feira) 08/12 (5 a feira) 09/12 (6 a feira) 10/12 (sábado) Componente Curricular

Leia mais

Ano lectivo 2010 / 2011 Conteúdos programáticos essenciais Departamento do 1.º ciclo

Ano lectivo 2010 / 2011 Conteúdos programáticos essenciais Departamento do 1.º ciclo Ano de escolaridade: 1ºAno Língua Portuguesa Diálogos Jogos de identificação (palavra/imagem) Completar frases e palavras Escrita e leitura de vogais e consoantes Ditongos orais e nasais Memorização de

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira

TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira TEORIA DA LINGUAGEM Prof ª Giovana Uggioni Silveira COMUNICAÇÃO LINGUAGEM LÍNGUA FALA ESCRITA DISCURSO Forma de linguagem escrita (texto) ou falada (conversação no seu contexto social, político ou cultural).

Leia mais

Planificação anual Ano letivo: 2016/2017

Planificação anual Ano letivo: 2016/2017 Módulo 1 Número total de aulas previstas: 44 Competências Compreensão oral: Compreender globalmente intervenções sobre temas relacionados com a escola, os seus interesses, as atividades e relações quotidianas,

Leia mais

Lições de Português pela análise sintática

Lições de Português pela análise sintática Evanildo Bechara Professor Titular e Emérito da Universidade do Estado do Riy'deJãneÍro;(tJERj) e da Universidade Federal Fluminense (UFF) Membro da A caciemia 'Brasileira de Letras e da Academia Brasileira

Leia mais

01/08/2017 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

01/08/2017 PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo

PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos. Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO Conceitos básicos Prof Dr Divane de Vargas Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo PROCESSO DE COMUNICAÇÃO A comunicação permeia toda a ação do enfermeiro PROCESSO DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS. Planificação Anual / Mensal 2º ANO

Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS. Planificação Anual / Mensal 2º ANO Agrupamento de Escolas Piscinas Olivais PORTUGUÊS Planificação Anual / Mensal 2º ANO 2014/2015 Agrupamento PARA O de Escolas Piscinas - Olivais PLANIFICAÇÃO ANUAL / MENSAL DE PORTUGUÊS 2º ANO 1.º PERÍODO

Leia mais

Um alfabeto é um conjunto de símbolos indivisíveis de qualquer natureza. Um alfabeto é geralmente denotado pela letra grega Σ.

Um alfabeto é um conjunto de símbolos indivisíveis de qualquer natureza. Um alfabeto é geralmente denotado pela letra grega Σ. Linguagens O conceito de linguagem engloba uma variedade de categorias distintas de linguagens: linguagens naturais, linguagens de programação, linguagens matemáticas, etc. Uma definição geral de linguagem

Leia mais

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 3 Anos

Departamento da Educação Pré-Escolar. Perfil de Aprendizagens Específicas, no final dos 3 Anos DGEstE Direção de Serviços da Região Norte Agrupamento de Escolas LEONARDO COIMBRA FILHO, PORTO Código 152213 Departamento da Educação Pré-Escolar Ano Letivo 2016/2017 Perfil de Aprendizagens Específicas,

Leia mais

Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano

Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano Língua Portuguesa: - Interpretação de texto; - Revisão Análise morfossintática; - Revisão de período composto por subordinação (subordinadas substantivas); - Período

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 02 a Aula CARTOGRAFIA SISTEMÁTICA

Leia mais

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno)

5. Objetivo geral (prever a contribuição da disciplina em termos de conhecimento, habilidades e atitudes para a formação do aluno) ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II Semiótica Signo Linguagens Origem Vertentes Significado e significante Aplicação Prática Fases do processo de comunicação: Pulsação

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO

PLANIFICAÇÃO A MÉDIO / LONGO PRAZO 1 ESCOLA SECUNDÁRIA EÇA DE QUEIRÓS PÓVOA DE VARZIM 2015/201 FRANCÊS II 9º ANO ENSINO BÁSICO TOTAL DE AULAS PREVISTAS: 2 MANUAL ADOTADO: C EST TOP! NÍVEL 3 ASA 2 2015/201 1º Período DISCIPLINA: Francês

Leia mais

APRENDENDO ESCRITA DE SINAIS SignWriting

APRENDENDO ESCRITA DE SINAIS SignWriting APRENDENDO ESCRITA DE SINAIS SignWriting SERGIO S. RIBEIRO SignWriting Aprendendo a Escrita de Sinais I N T R O D U Ç Ã O SignWriting é um sistema visual escrito para todas as línguas de sinais ao redor

Leia mais

A cor será estudada a diversos níveis: a sua sintaxe, natureza, aspectos técnicos e valores perceptivos, psicológicos, estéticos e culturais.

A cor será estudada a diversos níveis: a sua sintaxe, natureza, aspectos técnicos e valores perceptivos, psicológicos, estéticos e culturais. COR E PERCEÇÃO VISUAL [11512] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS Que elementos da linguagem visual devo utilizar para comunicar com sucesso uma determinada mensagem? Que impacto emocional essa mensagem

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e

Leia mais

qualquer OBJETO pode vir a constituir ou representar um

qualquer OBJETO pode vir a constituir ou representar um qualquer OBJETO pode vir a constituir ou representar um EIO DE COMUNICAÇÃO: 1. o AMBIENTE onde se dão as relações humanas deve ser observado como o espaço de um CONCERTO DE MÍDIAS; 2. a mídia será estudada,

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ

LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ LÍNGUA PORTUGUESA PARA PESSOAS COM SURDEZ Organização: Profª Esp. Ariane Polizel Objetivos: Se comunicar com maior repertório da Língua Portuguesa na modalidade escrita. Favorecer a aprendizagem dos conteúdos

Leia mais

Diferentes abordagens de alfabetização

Diferentes abordagens de alfabetização ALFABETIZAÇÃO Diferentes abordagens de alfabetização MODELO 1 (MÉTODO FONÉTICO OU DIRETO) Identificar oralmente os fonemas da língua (sons). Corresponder o fonema ao grafema: mostrar a letra e a pronuncia

Leia mais

Matemática I Conjuntos Conjuntos Numéricos. Prof.: Joni Fusinato 1

Matemática I Conjuntos Conjuntos Numéricos. Prof.: Joni Fusinato  1 Matemática I Conjuntos Conjuntos Numéricos Prof.: Joni Fusinato joni.fusinato@ifsc.edu.br jfusinato@gmail.com 1 Teoria dos Conjuntos Teoria matemática dedicada ao estudo da associação entre objetos com

Leia mais

Aula 5 Funções sintáticas e transitividade verbal

Aula 5 Funções sintáticas e transitividade verbal Aula 5 Funções sintáticas e transitividade verbal Pablo Faria HL220C Prática de análise gramatical IEL/UNICAMP SUMÁRIO AULA ANTERIOR Predicado NOMENCLATURA COMPARADA Funções sintáticas diversas Quanto

Leia mais

Redação e Ideologia. (ou as marcas textuais ideológicas) Prof. Ana Paula Dibbern

Redação e Ideologia. (ou as marcas textuais ideológicas) Prof. Ana Paula Dibbern Redação e Ideologia (ou as marcas textuais ideológicas) Prof. Ana Paula Dibbern apdibbern@gmail.com Prof. Alexandre Linares alexandrelinares@gmail.com Ideologia Cazuza Meu partido É um coração partido

Leia mais

Roteiro de avaliações

Roteiro de avaliações Roteiro de avaliações MATUTINO 6º BRASIL - Interpretação de texto - Narração - Conto popular 18/04 Terça-feira LÍNGUA PORTUGUESA Tipos de frases quanto à expressividade; - Tipos de frases quanto à organização;

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2016 / º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2016 / º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2016 / 207 2.º CICLO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E EXPERIMENTAIS Disciplinas: Ciências Naturais e Ciências Físico-Químicas Ano Letivo 2016/2017 Produção de trabalhos escritos

Leia mais

REDIGINDO O RELATÓRIO DE PESQUISA

REDIGINDO O RELATÓRIO DE PESQUISA Profª Me. Érica Rios erica.carvalho@ucsal.br REDIGINDO O RELATÓRIO DE PESQUISA SELLTIZ, WRIGHTSMAN & COOK. KIDDER, L.H. (org.). Métodos de Pesquisa nas Relações Sociais, vol. 3 Análise de Resultados. São

Leia mais

(...) Eu canto em português errado. Acho que o imperfeito não participa do passado. Troco as pessoas. Troco os pronomes ( ).

(...) Eu canto em português errado. Acho que o imperfeito não participa do passado. Troco as pessoas. Troco os pronomes ( ). (...) Eu canto em português errado Acho que o imperfeito não participa do passado Troco as pessoas Troco os pronomes ( ). (Meninos e Meninas Legião Urbana) ALGUMAS ESCOLHAS LINGUÍSTICAS TORNAM O IDIOMA

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

THE ART OF TRANSLATION

THE ART OF TRANSLATION Last update: 9/2017 THE ART OF TRANSLATION an overview Ricardo Schütz MA TESL Palestra apresentada na Conferência Anual da ATA (American Translators Association) na cidade de São Francisco (EUA), em novembro

Leia mais

Roteiro do Simulado MATUTINO

Roteiro do Simulado MATUTINO Roteiro do Simulado MATUTINO 6º BRASIL 29/04 - Sábado Língua Portuguesa Tipos de frases quanto à expressividade; - Tipos de frases quanto à organização; - A ordem das palavras nas frases; - Ambiguidade,

Leia mais

Introdução a uma abordagem formal da sintaxe Teoria X-barra, II

Introdução a uma abordagem formal da sintaxe Teoria X-barra, II Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Letras Clássicas e Vernáculas Sintaxe do Português I FLC0277 Maria Clara Paixão de Sousa Introdução a uma abordagem formal da

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

REFERENCIAL DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS AVALIAÇÃO 3 ANOS. Aprendizagens. Construção da identidade e da autoestima

REFERENCIAL DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS AVALIAÇÃO 3 ANOS. Aprendizagens. Construção da identidade e da autoestima ANO LETIVO 2016/217 REFERENCIAL DO PERFIL DE COMPETÊNCIAS AVALIAÇÃO 3 ANOS Área de Construção da identidade e da autoestima Sabe o seu primeiro nome Sabe a idade Tem consciência de si e do outro Reconhece

Leia mais

Mapas temáticos e gráficos

Mapas temáticos e gráficos Mapas temáticos e gráficos Tipos de representações gráficas Mapas temáticos: representam os diversos fenômenos sociais e naturais. Gráficos expressam numericamente os mesmos fenômenos, facilitando o entendimento.

Leia mais

Bárbara da Silva. Português. Aula 52 Adjunto adnominal

Bárbara da Silva. Português. Aula 52 Adjunto adnominal Bárbara da Silva Português Aula 52 Adjunto adnominal Adjunto Adnominal É o termo que determina, especifica ou explica um substantivo. O adjunto adnominal possui função adjetiva na oração, a qual pode ser

Leia mais

Isabel Varajão IMAGEM EM EDUCAÇÃO. Mestrado em Ciências da Educação Tecnologia Educativa. Docente Professor Doutor Amadeu Alvarenga

Isabel Varajão IMAGEM EM EDUCAÇÃO. Mestrado em Ciências da Educação Tecnologia Educativa. Docente Professor Doutor Amadeu Alvarenga Isabel Varajão IMAGEM EM EDUCAÇÃO Docente Professor Doutor Amadeu Alvarenga 2009/2010 A IDEIA DE IMAGEM A QUESTÃO DO ALFABETISMO VISUAL Uma abordagem ao alfabetismo visual 1 A IDEIA DE IMAGEM I: A QUESTÃO

Leia mais

Sumário SUMÁRIO LÍNGUA PORTUGUESA. Paula Barbosa. 1. Noções gerais Grupo nominal... 20

Sumário SUMÁRIO LÍNGUA PORTUGUESA. Paula Barbosa. 1. Noções gerais Grupo nominal... 20 SUMÁRIO 11 LÍNGUA PORTUGUESA Paula Barbosa CLASSES GRAMATICAIS: O NOME E SEUS MODIFICADORES... 19 1. Noções gerais... 19 2. Grupo nominal... 20 CLASSES GRAMATICAIS: O VERBO E SEUS MODIFICADORES... 27 1.

Leia mais

Linguagem. Dr. Fábio Agertt

Linguagem. Dr. Fábio Agertt Dr. Fábio Agertt Linguagem Mecanismos não-verbais Linguagem é qualquer e todo sistema de sinais que serve de meio de comunicação de idéias ou sentimentos (sonoros, gráficos, gestuais) Embora os animais

Leia mais

PREDICATIVO DO OBJETO. A vitória tornou eleito o vereador.

PREDICATIVO DO OBJETO. A vitória tornou eleito o vereador. PREDICATIVO DO OBJETO A vitória tornou eleito o vereador. Façamos, pois, a análise sintática: SUJEITO = A vitória PREDICADO = tornou eleito o vereador OBJETO DIRETO = o vereador PREDICATIVO DO OBJETO=

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: LINGUAGEM JURÍDICA (CÓD. ENEX 60106) ETAPA: 1ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo aula Habilidas e Competências Textos, filmes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA: CÓDIGO NOME ( T - P ) COM 3029 DIREÇÃO DE ARTE EM PUBLICIDADE (4-2) OBJETIVOS

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM 1. Função referencial (ou denotativa) É aquela centralizada no referente, pois o emissor oferece informações da realidade. Linguagem usada na ciência, na arte realista, no jornal,

Leia mais

Linguagem Oral e Escrita

Linguagem Oral e Escrita FAAC Faculdade Afonso Cláudio Pólo Tijuca Rio de Janeiro Pós-graduação em Educação Linguagem Oral e Escrita Rosane Tesch rosanetesch@gmail.com Linguagem Oral e Linguagem Escrita - conceitos gerais Pensamento

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Caderno de Educação Especial

A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Caderno de Educação Especial A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Caderno de Educação Especial O que devemos considerar no processo de Alfabetização? Criança Ouvinte Criança Surda Faz uso das propriedades fonológicas

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Docente: Marcela Rodriguês dos Santos/ Rubinaldo da Silva Araújo Carga horária: 80h Disciplina: Produção Textual Serie: 6 Ano Plano de Curso I Unidade Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

Lógica dos Quantificadores: sintaxe

Lógica dos Quantificadores: sintaxe Lógica dos Quantificadores: sintaxe Renata de Freitas e Petrucio Viana IME, UFF 18 de junho de 2015 Sumário 1. Princípios sintáticos 2. Alfabeto de LQ 3. Fórmulas de LQ 4. Variáveis livres, variáveis ligadas

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. Professora Rosane Reis. MÓDULO 16 Teoria da comunicação

LÍNGUA PORTUGUESA. Professora Rosane Reis. MÓDULO 16 Teoria da comunicação LÍNGUA PORTUGUESA Professora Rosane Reis MÓDULO 16 Teoria da comunicação COMUNICAÇÃO As duas funções da linguagem: 1- relação entre o indivíduo e o conjunto de suas experiências com a realidade 2- relações

Leia mais

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas.

Durante. Utilize os conteúdos multimídia para ilustrar a matéria de outras formas. Olá, Professor! Assim como você, a Geekie também tem a missão de ajudar os alunos a atingir todo seu potencial e a realizar seus sonhos. Para isso, oferecemos recomendações personalizadas de estudo, para

Leia mais

TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente

TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER. vivendopelapalavra.com. Revisão e diagramação por: Helio Clemente TEORIA DA LINGUAGEM O REALISMO - NORMAN GEISLER vivendopelapalavra.com Revisão e diagramação por: Helio Clemente REALISMO: UMA ALTERNATIVA AO ESSENCIALISMO E AO CONVENCIONALISMO A visão convencionalista

Leia mais

Conteúdos: Língua, Linguagens e códigos Linguagem verbal e não verbal

Conteúdos: Língua, Linguagens e códigos Linguagem verbal e não verbal Conteúdos: Língua, Linguagens e códigos Linguagem verbal e não verbal Habilidades: Reconhecer a leitura de textos verbais e não verbais como possibilidade de acesso a diferentes informações Valorizar a

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA 7 o ANO Horário: das 7:20 h às 12:15 h. 1 a PROVA GEOGRAFIA DATA: 09/12/2015

RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA 7 o ANO Horário: das 7:20 h às 12:15 h. 1 a PROVA GEOGRAFIA DATA: 09/12/2015 02 C A M RECUPERAÇÃO DE GEOGRAFIA 1 a PROVA GEOGRAFIA DATA: 09/12/2015 Capítulo 3: O território brasileiro e suas regiões Capítulo 5: A distribuição da população brasileira Capítulo 6: O espaço rural brasileiro

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA OBJETIVOS: 6º ano Usar a Língua Portuguesa como língua materna, para integrar e organizar o mundo e a própria identidade com visão empreendedora e como pensador capaz de

Leia mais

TEXTOS NÃO-VERBAIS: UMA PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DO VERBAL

TEXTOS NÃO-VERBAIS: UMA PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DO VERBAL 1205 TEXTOS NÃO-VERBAIS: UMA PROPOSTA DE LEITURA E PRODUÇÃO DO VERBAL João Paulo Dias de Menezes 1 0. INTRODUÇÃO A conhecida dificuldade de produção textual levou-nos à escolha desse tema com a finalidade

Leia mais

Planificação a médio/ longo prazo

Planificação a médio/ longo prazo Planificação a médio/ longo prazo 1º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2012/2013 Ano letivo 2012/2013 1 PORTUGUÊS Manual adotado: ALFA Editora: Porto Editora Oralidade Oralidade Oralidade - Respeitar as regras

Leia mais

2 AULA. Conectivos e Quantificadores. lógicas. LIVRO. META: Introduzir os conectivos e quantificadores

2 AULA. Conectivos e Quantificadores. lógicas. LIVRO. META: Introduzir os conectivos e quantificadores 1 LIVRO Conectivos e Quantificadores Lógicos META: Introduzir os conectivos e quantificadores lógicos. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Compreender a semântica dos conectivos

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL MARIA JOSÉ Roteiro de Estudos da 2ª Unidade º ANO A

CENTRO EDUCACIONAL MARIA JOSÉ Roteiro de Estudos da 2ª Unidade º ANO A 1 CENTRO EDUCACIONAL MARIA JOSÉ Roteiro de Estudos da 2ª Unidade 2016 7º ANO A Empreendedores são aqueles que entendem que há uma pequena diferença entre obstáculos e oportunidades e são capazes de transformar

Leia mais

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS

HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS HISTÓRIA DA COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL E PRINCIPAIS ELEMENTOS A primeira necessidade? Comunicar-se. COMUNICAÇÃO É o processo que consiste em transmitir e receber uma mensagem, com a finalidade de afetar

Leia mais

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017

CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR. Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 II FORMAÇÃO INTERNACIONAL EM EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR MÓDULO 4 EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR NO ENSINO FUNDAMENTAL CURSO O JOGO COMO ESPAÇO DE ALFABETIZAÇÃO CORPORAL Prof. Fabio D Angelo Novembro 2017 O JOGO

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 3 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Fundamentos 1. Lógica de Predicados

Fundamentos 1. Lógica de Predicados Fundamentos 1 Lógica de Predicados Predicados e Quantificadores Estudamos até agora a lógica proposicional Predicados e Quantificadores Estudamos até agora a lógica proposicional A lógica proposicional

Leia mais

Morfologia e Classes Apresentação da Professora Gramaticais Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Ementa Organização da Disciplina

Morfologia e Classes Apresentação da Professora Gramaticais Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Ementa Organização da Disciplina Morfologia e Classes Gramaticais Teleaula 1 Prof.ª Me. Margarete T. A. Costa tutorialetras@grupouninter.com.br Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Apresentação da Professora Letras Português

Leia mais

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações Odilei França Graduado em Letras pela Fafipar. Graduado em Teologia pela Faculdade Batista. Professor de Língua Portuguesa para concursos públicos há 22 anos. Sintaxe do período composto: parte I Conceitos

Leia mais

OBJETIVOS E CONTEÚDOS

OBJETIVOS E CONTEÚDOS OBJETIVOS E CONTEÚDOS 1º BIMESTRE SISTEMA INTERATIVO DE ENSINO Língua Portuguesa 1º ano Capítulo 1 O Mundo das Letras Reconhecer as letras do alfabeto em caixa-alta; Ler e escrever as letras do próprio

Leia mais