Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem"

Transcrição

1 Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Profª. Sandra Moreira

2 Conteúdo Programático As Dicotomias Linguísticas Sincronia versus Diacronia Língua versus Fala Significante versus Significado Paradigma versus Sintagma A Dupla Articulação da Linguagem Martinet e a Dupla Articulação da Linguagem A Economia Linguística

3 Objetivos da Unidade Ao final desta unidade você deverá ser capaz de: Compreender o conceito de dicotomias dentro da teoria saussureana; Identificar as características das quatro dicotomias apresentadas; Entender os conceitos da dupla articulação da linguagem e da economia linguística.

4 AS DICOTOMIAS LINGUÍSTICAS Não se deve pensar, no caso de uma dicotomia presente no texto saussureano, que se trata de algo que é dividido em dois, deve-se pensar de outro modo. Uma dicotomia em Saussure diz respeito a um par de conceitos que devem ser definidos um em relação ao outro, de modo que um só faz sentido em relação ao outro (PIETROFORTE, 2005, p.77,78). Disponí vel em : Acesso 11/02/10

5 AS DICOTOMIAS LINGUÍSTICAS Sincronia versus Diacronia Quando falamos em sincronia e diacronia, referimo-nos a possíveis perspectivas de estudo, ou seja, nosso objeto a língua pode ser analisado considerando-se diferentes pontos de vista. Disponível em Acesso 11/02/10

6 AS DICOTOMIAS LINGUÍSTICAS Sincronia versus Diacronia Quando consideramos a língua em suas mudanças históricas, isto é, nas transformações que sofre ao longo do tempo, adotamos uma perspectiva diacrônica. Disponível em Acesso 11/02/10

7 AS DICOTOMIAS LINGUÍSTICAS Sincronia versus Diacronia Quando consideramos a língua em um dado momento, adotamos a perspectiva sincrônica. Para Saussure, um estudo científico da língua só poderia ser realizado se a considerasse em um dado momento, como que congelada, por isso estabeleceu que a Linguística deveria estudar a língua na perspectiva sincrônica. Disponível em Acesso 11/02/10

8 Língua versus Fala AS DICOTOMIAS LINGUÍSTICAS A língua é definida como um sistema de signos, ou seja, um conjunto de unidades organizadas que formam um todo (ORLANDI, 1986, p.23), sendo, dessa forma definida, para Saussure, como um sistema abstrato, social, geral, coletivo. Disponível em Acesso 11/02/10

9 Língua versus Fala AS DICOTOMIAS LINGUÍSTICAS A fala é a realização concreta da língua pelo sujeito, sendo variável, circunstancial, individual. Para Saussure, a Linguística deverá se ocupar do estudo da língua, pelo fato de a fala ser variável e circunstancial, não sendo passível de uma análise com base no conceito de estrutura, como é o caso da língua. Disponível em Acesso 11/02/10

10 AS DICOTOMIAS LINGUÍSTICAS Significante versus Significado Saussure define o signo linguístico como a relação de uma imagem acústica, também chamada de significante, com um conceito, denominado significado. Disponível em Acesso 11/02/10

11 AS DICOTOMIAS LINGUÍSTICAS Significante versus Significado Devemos observar duas características importantes relacionadas ao signo e seus elementos constituintes: A arbitrariedade do signo. A distinção entre o significante e a oralidade. Disponível em Acesso: 11/02/10

12 AS DICOTOMIAS LINGUÍSTICAS Paradigma versus Sintagma Paradigma é um conjunto de unidades de mesmo valor. A língua nos oferece diversos paradigmas, repletos de possibilidades para que realizemos escolhas. Disponível em Acesso 11/02/10 O sintagma é o resultado obtido a partir da seleção de unidades (nos paradigmas) e sua combinação, de acordo com a ordenação que cada língua permite.

13 AS DICOTOMIAS LINGUÍSTICAS Paradigma versus Sintagma Eixo Paradigmático (seleção) Sujeito verbo complemento Maria gosta de chocolate João gosta de chocolate Maria detesta chocolate José adora amoras Ela quer roupas novas Eixo Sintagmático (combinação)

14 A DUPLA ARTICULAÇÃO DA LINGUAGEM Martinet e a Dupla Articulação da Linguagem O termo articulação significa constituição por partes e, em relação à língua, refere-se à possibilidade de um conjunto ser dividido em unidades menores. Disponível em E/s320/dupla%5B1%5D.jpg Acesso 11/02/10

15 A DUPLA ARTICULAÇÃO DA LINGUAGEM Martinet e a Dupla Articulação da Linguagem Ao analisarmos uma construção em sua primeira articulação, encontramos as formas mínimas dotadas de sentido, os menores signos da língua, ou seja, os morfemas. Os morfemas são definidos como unidades mínimas significativas. eu + estud- + -ei

16 A DUPLA ARTICULAÇÃO DA LINGUAGEM Martinet e a Dupla Articulação da Linguagem Essas unidades ainda podem ser analisadas na segunda articulação, quando encontramos as formas mínimas da língua, que não possuem significado, apenas a função de distinguir signos. São os fonemas. Os fonemas são definidos como unidades mínimas distintivas. e + u + e + s + t + u + d + e + i / ewestu dey/

17 A DUPLA ARTICULAÇÃO DA LINGUAGEM A Economia Linguística [...] as unidades do nível inferior da fonologia os sons da língua, ou fonemas não têm outra função além de se combinarem entre si para formar as unidades superiores da gramática (as palavras). É em virtude da dupla estrutura do plano da expressão que as línguas são capazes de representar economicamente muitos milhares de palavras diferentes, pois cada palavra pode ser representada por uma combinação diferente de um conjunto relativamente pequeno de sons [...] (LYONS, 1979, p.76) Disponível em AAAAE0/X3Z4Js_ALMM/s320/economia_gastos.jpg Acesso 12/02/10

18 OBRIGADA... Campus Liberdade R. Galvão Bueno, São Paulo SP Brasil T F

Unidade: As dicotomias linguísticas e a dupla articulação Unidade I: da linguagem

Unidade: As dicotomias linguísticas e a dupla articulação Unidade I: da linguagem Unidade: As dicotomias linguísticas e a dupla articulação Unidade I: da linguagem 0 Unidade: As dicotomias linguísticas e a dupla articulação da linguagem As Dicotomias Linguísticas Conforme estudamos

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978

FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978 FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978 Definir como ciência que estuda a linguagem com métodos próprios, a Lingüística

Leia mais

Apresentar o referencial teórico que sustenta as. Ao final desta aula, você deverá ser capaz de:

Apresentar o referencial teórico que sustenta as. Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: 5 aula DICOTOMIAS SAUSSUREANAS: LÍNGUA X FALA, SINCRONIA X DIACRONIA E SINTAGMA X PARADIGMA Meta Apresentar o referencial teórico que sustenta as dicotomias saussureanas. Objetivos Ao final desta aula,

Leia mais

Português. 1. Signo natural

Português. 1. Signo natural Português Ficha de apoio 1 1 os anos João Cunha fev/12 Nome: Nº: Turma: Signos O signo é objeto de estudo de ciências como a Semiologia, a Semiótica e a Linguística, entre outras. Existem várias teorias

Leia mais

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação.

TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. TESTE SEUS CONHECIMENTOS sobre o MESTRE GENEBRINO! Faça o teste, conte os pontos e veja no final comentários sobre a sua pontuação. Você encontra as leituras de apoio ao exercício neste link: http://www.revel.inf.br/pt/edicoes/?mode=especial&id=13

Leia mais

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Sintaxe do Português I 1º semestre de 2015 sim, ele chegou! Finalmente! Prof. Dr. Paulo Roberto

Leia mais

Apresentação 11 Lista de abreviações 13. Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM

Apresentação 11 Lista de abreviações 13. Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM Sumário Apresentação 11 Lista de abreviações 13 Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM O homem, a linguagem e o conhecimento ( 1-6) O processo da comunicação humana ( 7-11) Funções da

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

Considerando que o trecho acima tem caráter unicamente motivador, redija um texto acerca do seguinte tema.

Considerando que o trecho acima tem caráter unicamente motivador, redija um texto acerca do seguinte tema. Questão Para mostrar que o sincrônico e o diacrônico são, simultaneamente, autônomos e interdependentes, pode-se pensar na projeção de um corpo sobre um plano. Com efeito, toda projeção depende

Leia mais

DICOTOMIA LÍNGUA-FALA ESTRUTURAS EQUIVALENTES SINCRONIA E DIACRONIA SINTAGMA E RELAÇÕES ASSOCIATIVAS

DICOTOMIA LÍNGUA-FALA ESTRUTURAS EQUIVALENTES SINCRONIA E DIACRONIA SINTAGMA E RELAÇÕES ASSOCIATIVAS DICOTOMIA LÍNGUA-FALA ESTRUTURAS EQUIVALENTES SINCRONIA E DIACRONIA SINTAGMA E RELAÇÕES ASSOCIATIVAS 1 DICOTOMIA LÍNGUA-FALA (SAUSSURE) 1) Língua: entidade puramente abstracta, uma norma superior aos indivíduos,

Leia mais

Em resposta à solicitação de revisão do resultado da prova didática da candidata Ionara Fonseca da Silva Andrade, consideramos que:

Em resposta à solicitação de revisão do resultado da prova didática da candidata Ionara Fonseca da Silva Andrade, consideramos que: Parecer da Banca de Linguística e Língua Portuguesa referente ao recurso de solicitação de revisão da prova didática Candidata: Ionara Fonseca da Silva Andrade Inscrição 506 Edital 04/2010 CEMULTI Campus

Leia mais

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo

Leia mais

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN)

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) Linguagem, Língua, Linguística Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) e-mail: fredericoa4@gmail.com Encontro 1 Linguagem Linguagem: a capacidade humana de utilizar

Leia mais

O que são os signos? o signo não é a realidade (FIORIN, 2002, p. 58) Signo ou referente?

O que são os signos? o signo não é a realidade (FIORIN, 2002, p. 58) Signo ou referente? O que são os signos? os signos são qualquer coisa, ou estímulo físico, utilizados para representar objetos, qualidades, ideias ou eventos (BORDENAVE, 2002, p. 40) o signo não é a realidade (FIORIN, 2002,

Leia mais

ESTRUTURALISMO LINGÜÍSTICO

ESTRUTURALISMO LINGÜÍSTICO ESTRUTURALISMO LINGÜÍSTICO 1 INTRODUÇÃO Prof.Ms.Giselda dos Santos Costa CEFET-PI/ UNED -Floriano 2000 Este trabalho tem como finalidade apresentar uma análise da lingüística estrutural cuja importância

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana

Textos, filmes e outros materiais. Habilidades e Competências. Conteúdos/ Matéria. Categorias/ Questões. Tipo de aula. Semana PLANO DE CURSO DISCIPLINA: LINGUAGEM JURÍDICA (CÓD. ENEX 60106) ETAPA: 1ª TOTAL DE ENCONTROS: 15 SEMANAS Semana Conteúdos/ Matéria Categorias/ Questões Tipo aula Habilidas e Competências Textos, filmes

Leia mais

Ensino Básico: 1.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 4.º

Ensino Básico: 1.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 4.º DISCIPLINA: EXPRESSÕES ARTÍSTICAS CÓDIGO DA PROVA: 23 Ensino Básico: 1.º CICLO ANO DE ESCOLARIDADE: 4.º 1. Introdução O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência

Leia mais

DISCIPLINA: Expressões Artísticas CÓDIGO DA PROVA: 23. CICLO: 1º Ciclo ANO DE ESCOLARIDADE: 4º

DISCIPLINA: Expressões Artísticas CÓDIGO DA PROVA: 23. CICLO: 1º Ciclo ANO DE ESCOLARIDADE: 4º DISCIPLINA: Expressões Artísticas CÓDIGO DA PROVA: 23 CICLO: 1º Ciclo ANO DE ESCOLARIDADE: 4º 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova final de equivalência a frequência

Leia mais

INTRODUÇÃO À LEITURA DE SAUSSURE

INTRODUÇÃO À LEITURA DE SAUSSURE INTRODUÇÃO À LEITURA DE SAUSSURE BOUQUET, SIMON. Introdução à leitura de Saussure. Tradução de Carlos A. L. Salum; Ana Lúcia Franco. 9. ed. São Paulo: Cultrix, 2004. Edileuza Gimenes Moralis (UNEMAT) Geiza

Leia mais

Temática 2: A língua para Ferdinand de Saussure

Temática 2: A língua para Ferdinand de Saussure Curso de Licenciatura em Letras-Libras-UFSC Introdução aos Estudos Lingüísticos Temática 2: A língua para Ferdinand de Saussure O suíço Ferdinand de Saussure pode ser considerado o pai da lingüística moderna.

Leia mais

CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS CADA PAÍS TEM UMA LÍNGUA DE SINAIS PRÓPRIA E A LIBRAS É A LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS Desse modo, a língua de sinais não é uma língua universal, pois adquire características diferentes em cada país e,

Leia mais

Princípios Gerais em Linguística

Princípios Gerais em Linguística Princípios Gerais em Linguística Arnaldo Cortina Renata Coelho Marchezan Faculdade de Ciências e Letras - Araraquara - Unesp Resumo: Este texto tem por objetivo apresentar, a partir de uma abordagem histórica

Leia mais

o verbo "IR" possui uma forma neutra; possui também formas que marcam flexões pessoais que podem ser empréstimos da forma verbal em português,

o verbo IR possui uma forma neutra; possui também formas que marcam flexões pessoais que podem ser empréstimos da forma verbal em português, SEMED/2013 o verbo "IR" possui uma forma neutra; possui também formas que marcam flexões pessoais que podem ser empréstimos da forma verbal em português, representadas através de sinais soletrados ou do

Leia mais

Capacitação em Informática Educativa Módulo a distância. Plano de Atividades Mitos do Folclore

Capacitação em Informática Educativa Módulo a distância. Plano de Atividades Mitos do Folclore Capacitação em Informática Educativa Módulo a distância Escola Estadual Professor João Mestre Professora: Ana Alice Caovila Pereira Função: Professor para Ensino do Uso da Biblioteca Plano de Atividades

Leia mais

O QUE VEM A SER ECOLINGUÍSTICA? Hildo Honório do Couto

O QUE VEM A SER ECOLINGUÍSTICA? Hildo Honório do Couto O QUE VEM A SER ECOLINGUÍSTICA? Hildo Honório do Couto Universidade de Brasília ECOLINGUÍSTICA - Definição: estudo das (inter-)relações entre língua e (seu) meio ambiente. -O que a definição implica: Ecologia

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM 1. Função referencial (ou denotativa) É aquela centralizada no referente, pois o emissor oferece informações da realidade. Linguagem usada na ciência, na arte realista, no jornal,

Leia mais

Os mesmos autores afirmam ainda que, dentro do campo dos estudos da linguagem, deve-se saber que as teorias defendidas são basicamente cognitivas têm

Os mesmos autores afirmam ainda que, dentro do campo dos estudos da linguagem, deve-se saber que as teorias defendidas são basicamente cognitivas têm P á g i n a 23 As grandes teorias linguísticas: revisão teórica - I Fábio Macedo Simas Resumo: O propósito deste artigo é analisar as diversas escolas teóricas que permeiam o universo da linguística como

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDO 1

A CONSTRUÇÃO DE SENTIDO 1 1 A CONSTRUÇÃO DE SENTIDO 1 Isadora dos SANTOS Patrícia TRONCO Universidade de Passo Fundo Resumo: O artigo reflete sobre conceitos advindos da Lingüística Estruturalista. Assim, vamos estudar todas as

Leia mais

Linguagem: produtividade e sistematicidade

Linguagem: produtividade e sistematicidade Linguagem: produtividade e sistematicidade Referências: Chomsky, Noam, Syntactic Structures, The Hague, Mouton, 1957. Chomsky, Noam, Aspects of the Theory of Syntax, Cambridge (Mas.), The MIT Press, 1965.

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8ºANO

PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8ºANO PLANO DE ESTUDOS DE EDUCAÇÃO VISUAL 8ºANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO O aluno è capaz de: analisar o fenómeno de decomposição da cor; interpretar e distinguir contributos de teóricos da luz-cor;

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE ÍNDICE PRIMEIRA PARTE IN T R O D U Ç Ã O... 9 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA SLH T J... 11 1. Sem iótica... II 2. Lingüística... 12 3. Herm enêutica... 12 4. Texto Jurídico... 13 CAPÍTULO 1 - GRAMATICA DA

Leia mais

Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia. LINGUAGENS DOCUMENTÁRIAS Construção de Tesauros Disciplina

Ciências da Informação e da Documentação e Biblioteconomia. LINGUAGENS DOCUMENTÁRIAS Construção de Tesauros Disciplina LINGUAGENS DOCUMENTÁRIAS Construção de Tesauros Disciplina 5962036 Prof.ª Dr.ª Deise Sabbag Teoria da Terminologia A Palavra TERMINOLOGIA na literatura (de forma geral) apresenta três significados: Primeiro

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO

A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO A CONSTRUÇÃO DO SISTEMA DA ESCRITA COMO PROCESSO COGNITIVO SILVIA FERNANDES DE OLIVEIRA 1 INTRODUÇÃO Este projeto pretende enfocar a especificidade da construção do sistema da escrita como processo cognitivo.

Leia mais

Elaine Starosta Foguel 1

Elaine Starosta Foguel 1 Elaine Starosta Foguel 1 Psicanálise e Lingüística Quando estudamos, discutimos, e praticamos a psicanálise temos em mente a questão do significante lacaniano e o registro do simbólico, a premissa de que

Leia mais

TEORIAS DE LÍNGUA E SEGUNDA LÍNGUA DESAFIO O ESTRUTURALISMO AULA 02: O ESTRUTURALISMO

TEORIAS DE LÍNGUA E SEGUNDA LÍNGUA DESAFIO O ESTRUTURALISMO AULA 02: O ESTRUTURALISMO TEORIAS DE LÍNGUA E SEGUNDA LÍNGUA AULA 02: O ESTRUTURALISMO TÓPICO 03: DESENVOLVIMENTO DE LINGUÍSTICAS ESTRUTURAIS NA EUROPA E NA AMÉRICA VERSÃO TEXTUAL Caro(a) aluno(a), seja bem vindo(a) ao tópico 3

Leia mais

Estrutura das Demonstrações Contábeis

Estrutura das Demonstrações Contábeis Estrutura das Demonstrações Contábeis Conteúdo Programático As Demonstrações Contábeis; Balanço Patrimonial (BP); Demonstração do Resultado do Exercício (DRE); Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados

Leia mais

- que tenha uma boa justificativa (Por que é necessário pesquisar isso? Quais são as motivações e qual é a relevância do trabalho?

- que tenha uma boa justificativa (Por que é necessário pesquisar isso? Quais são as motivações e qual é a relevância do trabalho? Orientações para a elaboração de pôsteres Linguística: história e teoria 1/2013 O que é uma sessão de pôsteres? Em Congressos e eventos acadêmicos semelhantes, existem vários formatos de apresentação de

Leia mais

Prof. Walter Moreira Unesp / Marília, 2017

Prof. Walter Moreira Unesp / Marília, 2017 HJORLAND, Birger. As relações no tesauro são livres de contexto, definicionais e verdadeiras em todos os mundos possíveis"? Journal of the Association for Information Science and Technology, v. 66, n.

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) ANÁLISE DO DISCURSO 68 h/a 1753/I Vertentes da Análise do Discurso. Discurso e efeito de sentido. Condições de

Leia mais

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM)

ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) 1 REDEENSINAR JANEIRO DE 2001 ESTRUTURA, FORMATO E OBJETIVOS DA ESCOLA DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO (EPEM) Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Diretora de Conteúdos da

Leia mais

AS MUDANÇAS DO SUBSTANTIVO NOS TEXTOS CONSTITUCIONAIS BRASILEIROS

AS MUDANÇAS DO SUBSTANTIVO NOS TEXTOS CONSTITUCIONAIS BRASILEIROS AS MUDANÇAS DO SUBSTANTIVO NOS TEXTOS CONSTITUCIONAIS BRASILEIROS Natália Martins Gonçalves 1 Aline Espíndola de Borba¹ Fernanda Cizescki 2 INTRODUÇÃO A constituição de um país é a lei máxima que descreve

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - UFF

MATRIZ CURRICULAR - UFF Curso: LETRAS Titulação: LICENCIADO Habilitação: PORT-LITERATURAS Enfâse: - Linha de Formação: - Currículo: 87.01.001 Versão: 2 Turno: (OB) Carga horária obrigatória: 2515 (O) Carga horária optativa: 120

Leia mais

Prof ª Drª Dilma Tavares Luciano Universidade Federal de Pernambuco

Prof ª Drª Dilma Tavares Luciano Universidade Federal de Pernambuco Prof ª Drª Dilma Tavares Luciano Universidade Federal de Pernambuco dilma.tavares@ufpe.br Dificuldades e desordens Patologias Conhecer e tratar manifestações anormais Habilidades desenvolvidas pelo terapeuta

Leia mais

RESUMO. Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente

RESUMO. Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente A MOTIVAÇÃO RELATIVA NA LIBRAS Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO Segundo Saussure, língua é um sistema de signos constituído arbitrariamente por convenções sociais,

Leia mais

Tradutibilidades do Balé Clássico nos jogos digitais

Tradutibilidades do Balé Clássico nos jogos digitais Tradutibilidades do Balé Clássico nos jogos digitais Carlise Scalamato Duarte 1 RESUMO Este estudo investiga as relações sistêmicas entre o balé clássico, os jogos digitais e os corpos audiovisuais e o

Leia mais

LINGÜÍSTICA I. Rio de Janeiro / 2007 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE

LINGÜÍSTICA I. Rio de Janeiro / 2007 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE VICE-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO E CORPO DISCENTE COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA LINGÜÍSTICA I Rio de Janeiro / 2007 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS À UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO UNIVERSIDADE CASTELO

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO TURMA: 20 H

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO TURMA: 20 H Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Hospedagem Proeja FORMA/GRAU:( X )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura

Leia mais

DO ESTRUTURALISMO SAUSSURIANO AO GERATIVISMO CHOMSKIANO: A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM

DO ESTRUTURALISMO SAUSSURIANO AO GERATIVISMO CHOMSKIANO: A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM DO ESTRUTURALISMO SAUSSURIANO AO GERATIVISMO CHOMSKIANO: A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM Diego Teixeira de Souza 1 RESUMO: É sabido que a partir da publicação do Curso de Linguística Geral, de Ferdinand de Saussure,

Leia mais

Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de

Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de Pois é turma, agora que já foram estudados, os conceitos sobre eletricidade, o como se realiza o levantamento das potências e os dispositivos de proteção que alimentam os circuitos terminais, pode-se dizer

Leia mais

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014

CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 CONTEÚDO ESPECÍFICO DA PROVA DA ÁREA DE LETRAS GERAL PORTARIA Nº 258, DE 2 DE JUNHO DE 2014 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), no uso de suas

Leia mais

A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Caderno de Educação Especial

A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES. Caderno de Educação Especial A ALFABETIZAÇÃO DA PESSOA SURDA: DESAFIOS E POSSIBILIDADES Caderno de Educação Especial O que devemos considerar no processo de Alfabetização? Criança Ouvinte Criança Surda Faz uso das propriedades fonológicas

Leia mais

LINGUÍSTICA? QUE É ISSO? organizado por josé luiz fiorin

LINGUÍSTICA? QUE É ISSO? organizado por josé luiz fiorin LIVRO RESENHADO: FORIN, JOSE LUIZ (ORG.) LINGUI STICA? QUE E ISSO?. SA O PAULO: CONTEXTO, 2013. LINGUÍSTICA? QUE É ISSO? organizado por josé luiz fiorin Vicentônio Regis do Nascimento Silva Doutorando

Leia mais

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem

Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Linguagem e Fala nos Distúrbios de Aprendizagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Unidade 2: Sistemas de Numeração Numerais Binários e Bases de Potência de Dois Prof. Daniel Caetano

Unidade 2: Sistemas de Numeração Numerais Binários e Bases de Potência de Dois Prof. Daniel Caetano Arquitetura e Organização de Computadores Atualização: /8/ Unidade : Sistemas de Numeração Numerais Binários e Bases de Potência de Dois Prof. Daniel Caetano Objetivo: Apresentar as diferentes bases numéricas,

Leia mais

Línguas. Os principais sistemas de sinais empregues pelo ser humano para a transmissão de informação, se bem que não os únicos, são as línguas.

Línguas. Os principais sistemas de sinais empregues pelo ser humano para a transmissão de informação, se bem que não os únicos, são as línguas. John Lyons Línguas Os principais sistemas de sinais empregues pelo ser humano para a transmissão de informação, se bem que não os únicos, são as línguas. Um sinal é informativo se tornar o receptor sabedor

Leia mais

Curso: Licenciatura em Letras

Curso: Licenciatura em Letras Curso: Licenciatura em Letras Módulo: Formação Humanística números de variáveis, com as respectivas abrangendo técnicas e visitas culturais), Atividades Orientadas AO, ministrada por diversos docentes

Leia mais

Morfologia e Classes Apresentação da Professora Gramaticais Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Ementa Organização da Disciplina

Morfologia e Classes Apresentação da Professora Gramaticais Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Ementa Organização da Disciplina Morfologia e Classes Gramaticais Teleaula 1 Prof.ª Me. Margarete T. A. Costa tutorialetras@grupouninter.com.br Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Apresentação da Professora Letras Português

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

O legado de Saussure e o conceito de língua

O legado de Saussure e o conceito de língua 17 O legado de Saussure e o conceito de língua O legado de Saussure e o conceito de língua Heloisa M. M. Lima-Salles (UnB) Resumo: Neste artigo, discutimos o legado de Ferdinand Saussure, conforme exposto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA BÁSICA PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA BÁSICA DE PORTO ALTO Prova Extraordinária de Avaliação Matemática 2º Ciclo - 6.º Ano de Escolaridade Despacho Normativo

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 3.588, DE 04 DE SETEMBRO DE 2007 Homologa o Parecer nº 034/07-CEG, que aprova o Projeto Político

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Turismo, Hospitalidade e Lazer CURSO: Técnico em Eventos FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

As línguas de sinais, usadas pelas comunidades surdas, são constituídas de elementos próprios

As línguas de sinais, usadas pelas comunidades surdas, são constituídas de elementos próprios LIBRAS Estrutura gramatical da LIBRAS A língua de sinais tem gramática? A língua de sinais é mímica? As línguas de sinais, usadas pelas comunidades surdas, são constituídas de elementos próprios uma língua

Leia mais

Informação Prova Final a Nível de Escola

Informação Prova Final a Nível de Escola ESCOLA E.B. 2,3 DE MARCO DE CANAVESES Informação Prova Final a Nível de Escola Português - 2º Ciclo 51 1. Introdução Ano Letivo 2014/2015 Prova Escrita abril 2015 O presente documento divulga informação

Leia mais

Ensaio. cursodelinguísticageralesuasposíveisleiturasarespeitod. oriadovalorosanagramasdesausure:seumododepre

Ensaio. cursodelinguísticageralesuasposíveisleiturasarespeitod. oriadovalorosanagramasdesausure:seumododepre isteumdiálogoposível?oconceitodear Ensaio cursodelinguísticageralesuasposíveisleiturasarespeitod oriadovalorosanagramasdesausure:seumododepre nçanosestudosdalinguagemaproduçãoteóricadesausur doismanuscritosdofimdoséculoxixelian

Leia mais

Conhecimento explícito da língua LEITURA

Conhecimento explícito da língua LEITURA Compreensão do oral/expressão oral Leitura Conhecimento explícito da língua Escrita LEITURA 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Conhecimento explícito da língua 3. Ano de escolaridade:

Leia mais

Índice. Grupo Módulo 4

Índice. Grupo Módulo 4 GRUPO 5.4 MÓDULO 4 Índice 1. Níveis Conceituais Linguísticos...3 2. Nível 1 Pré-Silábico...3 3. Nível 2 Intermediário I...4 4. Nível 3 Silábico...5 5. Nível 4 Intermediário II ou Silábico-Alfabético...5

Leia mais

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana.

Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. Unidade IV Cultura A pluralidade na expressão humana. 29.2 Conteúdo: Estudo dos aspectos linguísticos em diferentes textos. Habilidade: Estabelecer, em textos de diferentes gêneros, relações entre recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 Programa da Unidade Curricular SEMIÓTICA Ano Lectivo 2012/2013 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Comunicação e Multimédia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular SEMIÓTICA

Leia mais

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva

ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa. Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva ANÁLISE DE DISCURSO de origem francesa Circulação e textualização do conhecimento científico PPGECT maio 2015 Henrique César da Silva Por que análise de discurso no campo da educação científica? Análise

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Ciências Económicas e Empresariais Licenciatura Marketing Unidade Curricular Introdução ao Direito Semestre: 1 Nº ECTS: 3,0 Regente José Caramelo Gomes Assistente

Leia mais

Aula 3 - Modelo Entidade-Relacionamento

Aula 3 - Modelo Entidade-Relacionamento Aula 3 - Modelo Entidade-Relacionamento 1. Conceitos básicos O modelo Entidade-Relacionamento (E-R) tem por base a percepção de que o mundo real é formado por um conjunto de objetos chamados de entidades

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS - 5 ANO DANIELA E CAROL

REUNIÃO DE PAIS - 5 ANO DANIELA E CAROL REUNIÃO DE PAIS - 5 ANO DANIELA E CAROL LÍNGUA PORTUGUESA PRODUÇÃO DE TEXTOS Projeto jornal eletrônico (blog) http://www.escolasanti.com.br/santinews Reescrevendo sob um novo olhar Narrativas de enigma

Leia mais

Sumarizando: o que é uma língua. Métodos para seu estudo...44

Sumarizando: o que é uma língua. Métodos para seu estudo...44 sumário APRESENTAÇÃO...13 1. O que se entende por língua Estudando a língua portuguesa...17 1.1 O Vocabulário: nascimento e morte das palavras. Consultando um dicionário...20 1.2 A Semântica: o sentido

Leia mais

Colégio Nossa Senhora da Piedade

Colégio Nossa Senhora da Piedade Colégio Nossa Senhora da Piedade Docente: Marcela Rodriguês dos Santos/ Rubinaldo da Silva Araújo Carga horária: 80h Disciplina: Produção Textual Serie: 6 Ano Plano de Curso I Unidade Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO PLANIFICAÇÃO

EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO PLANIFICAÇÃO Objetivos gerais: EDUCAÇÃO VISUAL 8º ANO PLANIFICAÇÃO COMPREENDER CONCEITOS TEÓRICO-CIENTÍFICOS DO FENÓMENO LUZ-COR. RECONHECER A IMPORTÂNCIA DA LUZ-COR NA PERCEÇÃO DO MEIO ENVOLVENTE. DISTINGUIR CARACTERÍSTICAS

Leia mais

SAUSSURE E O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA 1

SAUSSURE E O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA 1 SAUSSURE E O ENSINO DE LÍNGUA MATERNA 1 Francisco Romário Paz Carvalho 2 Resumo: Este trabalho tem como foco as contribuições da Linguística para o ensino de língua materna. Ferdinand de Saussure, no seu

Leia mais

- Identificar as características da norma, as fontes de Direito, sua vigência e hierarquia;

- Identificar as características da norma, as fontes de Direito, sua vigência e hierarquia; FUNDAMENTOS DO DIREITO [11111] GERAL Regime: Semestre: OBJETIVOS A unidade curricular de Fundamentos do Direito visa fornecer aos alunos uma introdução ao conceito, problemas e método do Direito, construindo

Leia mais

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás

Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA. Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II COMUNICAÇÃO APLICADA Profª. Carolina Lara Kallás Unidade II Semiótica Signo Linguagens Origem Vertentes Significado e significante Aplicação Prática Fases do processo de comunicação: Pulsação

Leia mais

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014

PROGRAMA DE CONTEÚDOS 2014 C O L É G I O L A S A L L E Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Guarani, 000 - Fone (05) 5-6 - Fax (05) 79-58 http://www.lasalle.edu.br/toledo/ DISCIPLINA: PROFESSOR(A): E-MAIL: PROGRAMA

Leia mais

A PALAVRA NO PROCESSO DE DESIGN: UMA REFLEXÃO APOIADA EM PRESSUPOSTOS LINGUÍSTICOS

A PALAVRA NO PROCESSO DE DESIGN: UMA REFLEXÃO APOIADA EM PRESSUPOSTOS LINGUÍSTICOS A PALAVRA NO PROCESSO DE DESIGN: UMA REFLEXÃO APOIADA EM PRESSUPOSTOS LINGUÍSTICOS Gabriel Bergmann Borges Vieira contato@gabrielbergmann.com Maria Amália Bergmann Borges Vieira ma.bergmann@hotmail.com

Leia mais

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE:

Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: PLANO DA DISCIPLINA COMPONENTE CURRICULAR: Língua Portuguesa e Literatura Brasileira CURSO: Técnico Integrado em Controle Ambiental SÉRIE: 1º Ano CARGA HORÁRIA: 100 h.r. EMENTA Estudos de Fonética e Fonologia

Leia mais

Da fala para a escrita: atividades de retextualização

Da fala para a escrita: atividades de retextualização Da fala para a escrita: atividades de retextualização Luiz Antônio Marcuschi, professor titular da Universidade Federal do Pernambuco, pós-doutor pela Universitat Freiburg na Alemanha e Doutor em Letras

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DE LETRAS Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem literária. Variação da língua, considerando

Leia mais

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p

Gramática e seu conceito. Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p Gramática e seu conceito Mattoso Câmara Jr. (1986) 16 ed. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes. p.11-16. Gramática descritiva ou sincrônica Estudo do mecanismo pelo qual uma dada língua funciona

Leia mais

Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: identificar as duas articulações como componentes da linguagem humana;

Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: identificar as duas articulações como componentes da linguagem humana; 7 aula DUPLA ARTICULAÇÃO DA LINGUAGEM Meta Apresentar referenciais teóricos que sustentam a constituição da linguagem humana numa dupla articulação, levando em consideração que é isto que diferencia o

Leia mais

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº06

3º Ano do Ensino Médio. Aula nº06 Nome: Ano: º Ano do E.M. Escola: Data: / / 3º Ano do Ensino Médio Aula nº06 Assunto: Noções de Estatística 1. Conceitos básicos Definição: A estatística é a ciência que recolhe, organiza, classifica, apresenta

Leia mais

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( )

A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO. Leon S. Vygotsky ( ) A TEORIA SÓCIO-CULTURAL DA APRENDIZAGEM E DO ENSINO Leon S. Vygotsky (1896-1934) O CONTEXTO DA OBRA - Viveu na União Soviética saída da Revolução Comunista de 1917 - Materialismo marxista - Desejava reescrever

Leia mais

João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém

João amava Teresa que amava Raimundo que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili que não amava ninguém Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Letras Clássicas e Vernáculas Sintaxe do Português I FLC0277 Maria Clara Paixão de Sousa AULA 2 Sintaxe e Teoria da linguagem

Leia mais

a. A língua possui uma única forma, representa o idioma que não se modifica e por isso devemos considerar o padrão como a representação da língua.

a. A língua possui uma única forma, representa o idioma que não se modifica e por isso devemos considerar o padrão como a representação da língua. 1 de 6 28/3/2013 00:36 A vidade de estudo 1- Nivelamento Português- 2012A Período: 11/03/2013 17:00 à 09/05/2013 23:59 (Horário de Brasília) Status: ABERTO Valor: 1.00 Gabarito: Gabarito não está liberado!

Leia mais

Exemplo: sinal NOME. VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Exemplo: sinal VERDE

Exemplo: sinal NOME. VARIAÇÃO REGIONAL: representa as variações de sinais de uma região para outra, no mesmo país. Exemplo: sinal VERDE Estruturas linguisticas da Libras Car@ alun@, já sabe como é a gramática da Libras, então vai observar como é a estrutura linguistica da Libras. Variação linguística A comunicação da comunidade surda do

Leia mais

Aula 11 Desenvolvimento da linguagem: emergência da sintaxe (parte 2)

Aula 11 Desenvolvimento da linguagem: emergência da sintaxe (parte 2) Aula 11 Desenvolvimento da linguagem: emergência da sintaxe (parte 2) Pablo Faria HL422A Linguagem e Pensamento: teoria e prática Módulo 1: Aquisição da Linguagem IEL/UNICAMP 5 de outubro de 2016 SUMÁRIO

Leia mais

Filosofia (aula 7) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE

Filosofia (aula 7) Dimmy Chaar Prof. de Filosofia. SAE Filosofia (aula 7) Prof. de Filosofia SAE leodcc@hotmail.com Linguagem Existe entre o poder da palavra e a disposição da alma a mesma relação entre a disposição dos remédios e a natureza do corpo. Alguns

Leia mais

GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS.

GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS. GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS http://2.bp.blogspot.com/_xt877irfia4/sk5y57pimsi/aaaaaaaaada/syk10agvmbw/s320/genero.jpg GÊNEROS E TIPOS TEXTUAIS Olá, Pessoal! Vamos acompanhar uma aula da Prof. Alessandra sobre

Leia mais

Língua Falada e Língua Escrita

Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada e Língua Escrita Língua Falada é a linguagem que usamos para nos comunicar, pronunciada pela boca, muitas vezes de modo informal, sem muitas regras e com algumas gírias; muito diferente da

Leia mais

Teoria da Computação. Clique de um Grafo. Alexandre Renato Rodrigues de Souza 1

Teoria da Computação. Clique de um Grafo. Alexandre Renato Rodrigues de Souza 1 Teoria da Computação Clique de um Grafo Alexandre Renato Rodrigues de Souza 1 O que é um grafo? Definição 1: grafo é uma estruturas utilizada para representar relações entre elementos de um dado conjunto.

Leia mais