Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus"

Transcrição

1

2 Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

3 AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo Princípios do Estruturalismo Princípios do Gerativismo Princípios da Sociolinguística

4 Formalismo x Funcionalismo FORMALISMO considera a análise da forma linguística mais importante do que a sua função. - Concepção formal: a língua é um objeto autônomo, cuja estrutura independe de seu uso em situações comunicativas reais; interpreta a língua como uma atividade mental. - Principais representantes: Saussure*, Bloomfield e Chomsky.

5 FUNCIONALISMO considera que a FUNÇÃO das formas linguísticas desempenha um papel predominante em relação à forma. Para Neves, 1997 (p.17), [...] a linguagem, acima de tudo, permite ao homem reação e referência à realidade extralinguística.

6 - Concepção funcional: a língua é um instrumento de comunicação, por isso não pode ser analisada como um objeto autônomo, mas sim como uma estrutura sujeita às pressões externas às situações comunicativas, o que ajuda a determinar a sua estrutura gramatical.

7 - Principais representantes do Funcionalismo: Escola de Genebra - implicitamente com Saussure*, Bally, Tesnière que influenciou Helbig e Martinet; Escola Linguística de Praga - Mathesius, Trubetzyoy, Jakobson, Danes, Firbas, etc; Escola de Londres - Firth e Halliday; Grupo da Holanda - Reichling e Simon Dik; Linguistas da costa oeste norte americana: Givón, Hopper, Thompson e Chafe, entre outros.

8 Tipos de Funcionalismo Conservador - aponta a inadequação do formalismo ou do estruturalismo, assumindo uma postura crítica, mas não propõe uma análise da estrutura; Moderado - não só aponta a inadequação, mas vai além, propondo uma análise funcionalista da estrutura; Extremado - nega a realidade da estrutura como estrutura e considera que as regras se baseiam internamente na função, não havendo, pois, restrições sintáticas. (NICHOLS, 1984, apud NEVES 1997)

9 Estruturalismo Marco de origem: publicação do Curso de Linguística geral (1916). Principais características: - Apresentação do método indutivo e empírico de Saussure, o consolida a ciência Linguística; - vê a língua como uma estrutura autônoma e homogênea; - a parole (fala - parte individual da língua) sofre interferência de fatores sociais, logo o objeto de estudo deve ser a langue (sistema/estrutura comum a todos os falantes de uma língua).

10 Escolas estruturalistas Estruturalismo Europeu - Ferdinad Saussure estrutura as unidades não são independentes do sistema; autonomia a organização interna de qualquer língua é um dado original; Estruturalismo americano - Bloomfield indivíduo rejeita a distinção língua/fala; substância vê os fenômenos como substância/materialidade; distribuição combinação de elementos (fonema>morfema>palavra>frase)

11 Gerativismo Marco inicial: a ideia de uma Gramática Gerativa Transformacional, proposta em 1957 por Noam Chomsky, principal representante gerativista. Principais características: - reação ao descritivismo americano; - língua = competência e desempenho (performance) - princípios (propriedades universais inatas) e parâmetros (vários modos de manifestação de um princípio nas línguas naturais).

12 Sociolinguística Marco inicial: década de 1960, pesquisas desenvolvidas por William Labov, principal representante dessa corrente teórica. Principais características: - concebe a língua como uma realidade sociocultural, plural, portanto ela é heterogênea; - a heterogeneidade é possível de ser analisada de forma coerente, superando o ideal homogeneizante do estruturalismo.

13 2ª PARTE: Tema 3 - Conhecendo o sistema linguístico: níveis da gramática Introdução ao nível fonético Introdução ao nível fonológico Introdução ao nível morfológico Introdução ao nível sintático

14 A gramática de uma língua é um conjunto de regras fonológicas, morfológicas, sintáticas e semânticas que atuam de forma simultânea.

15 Fonética O que é? Ciência que estuda os sons da fala independentemente da função que eles possam desempenhar numa determinada língua. Objetivo: descrever os sons da fala Unidade mínima: fone (sons da fala) Tipos básicos de som: - Consoantes: ponto e modo de articulação; - Vogais: altura e posição da língua e arredondamento dos lábios.

16 Fonologia O que é? Ciência que estuda os fones segundo a função que eles cumprem numa língua específica (ex.: [p]ato/[m]ato). Unidade mínima: fonema (fones com significado numa língua) Ideia central: oposição - par mínimo: [f]ala/[v]ala; [b]ar/[p]ar

17 E OS ALOFONES? ALOFONES são as diferentes realizações de um mesmo fonema, várias possibilidades de pronúncia não acarretando mudança de significado. Observe, por exemplo, a pronúncia do /d/ nos seguintes contextos: a) diante de -a e de o em /d/a/d/o b) diante de -i na pronúncia do carioca: /d /ia

18 Morfologia O que é? Ciência que estuda a estrutura interna das palavras. Unidade mínima: morfema Tipos básicos de morfemas: - Lexical sentido dicionarizável (ex.: feliz) - Flexional ou Gramatical informações gramaticais (ex.: felizmente; estudar)

19 OUTROS MORFEMAS Vejamos os morfemas da palavra in-feliz-mente : Morfema livre: pode aparecer sozinho formando outras palavras, é o caso de feliz. Obs.: Todo morfema lexical é também um morfema livre. Morfema preso: só podem aparecer ligados a um outro morfema, formando sempre novas palavras, é o caso dos morfemas in- e mente.

20 Alomorfe: formas diferentes de um mesmo morfema, a depender do contexto fônico. O prefixo in-, por exemplo, pode aparecer como: i-legal ou im-possível. Morfema zero {0}: é a ausência um morfema numa forma lexical em oposição à presença de morfema em outra unidade léxica; traz sempre uma informação gramatical. Veja os exemplos: (01) menino{0}/menina ({0} = gênero masculino) (02) falava{0}/falávamos ({0} = 1ª pessoa do singular)

21 Sintaxe O que é? Ciência que estuda a organização das palavras na frase. Unidade de análise: sentença(s) (S= SN + SV) Tipos de sintagma: - Sintagma NOMINAL = DETERMINANTE (DET)+ NOME - Sintagma VERBAL = VERBO + (SP) (SN) - Sintagma preposicional (SP)= PREPOSIÇÃO + SN - Sintagma adjetivo (SAdj) = adjetivo (ou expressão, oração) - Sintagma adverbial (SAdv) = advérbio (ou expressão, oração)

22 EXEMPLO (01) Todos os bons alunos fizeram a atividade. DET DET Ajunto NÚCLEO NÚCLEO DET NÚCLEO adnom. do SN1 do SV do SN2 S = SN1 + SV SN1 = Todos os bons alunos SN = DET + DET + SAdj + N SAdj = adjetivo SV = fizeram a atividade SV = V + SN2 SN2 = DET + N

Apresentação 11 Lista de abreviações 13. Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM

Apresentação 11 Lista de abreviações 13. Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM Sumário Apresentação 11 Lista de abreviações 13 Parte I: NATUREZA, ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DA LINGUAGEM O homem, a linguagem e o conhecimento ( 1-6) O processo da comunicação humana ( 7-11) Funções da

Leia mais

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo

Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Módulo 01: As distintas abordagens sobre a linguagem: Estruturalismo, Gerativismo, Funcionalismo, Cognitivismo Sintaxe do Português I 1º semestre de 2015 sim, ele chegou! Finalmente! Prof. Dr. Paulo Roberto

Leia mais

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p

Aula 6 GERATIVISMO. MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p Aula 6 GERATIVISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Linguística Gerativa Gerativismo Gramática Gerativa

Leia mais

A CONCORDÂNCIA VERBAL NA GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS (MARIA HELENA MOURA NEVES, EDITORA UNESP, 2000)

A CONCORDÂNCIA VERBAL NA GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS (MARIA HELENA MOURA NEVES, EDITORA UNESP, 2000) A CONCORDÂNCIA VERBAL NA GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS (MARIA HELENA MOURA NEVES, EDITORA UNESP, 2000) Elias Alves de Andrade * 1. INTRODUÇÃO Tendo por objeto de análise a Gramática de usos do português,

Leia mais

3 Metodologia de trabalho

3 Metodologia de trabalho 3 Metodologia de trabalho Trabalharemos com dados que serão quantificados e depois analisados qualitativamente. A quantificação dos dados levará ao conhecimento da(s) estrutura(s) preferida(s) no caso

Leia mais

Capítulo1. Capítulo2. Índice A LÍNGUA E A LINGUAGEM O PORTUGUÊS: uma língua, muitas variedades... 15

Capítulo1. Capítulo2. Índice A LÍNGUA E A LINGUAGEM O PORTUGUÊS: uma língua, muitas variedades... 15 Capítulo1 Capítulo2 A LÍNGUA E A LINGUAGEM............................................. 9 Linguagem: aptidão inata.............................................. 10 Funções.............................................................

Leia mais

0 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS

0 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SECRETARIA DOS ÓRGÃOS COLEGIADOS DELIBERAÇÃO N 0 210, 14 DE JULHO DE 2009 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO, tendo em vista a decisão tomada em sua 277ª Reunião Ordinária, realizada em 14 de julho de 2009, e considerando

Leia mais

Morfologia e Classes Apresentação da Professora Gramaticais Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Ementa Organização da Disciplina

Morfologia e Classes Apresentação da Professora Gramaticais Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Ementa Organização da Disciplina Morfologia e Classes Gramaticais Teleaula 1 Prof.ª Me. Margarete T. A. Costa tutorialetras@grupouninter.com.br Licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas Apresentação da Professora Letras Português

Leia mais

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula

Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Professora: Jéssica Nayra Sayão de Paula Conceitos básicos e importantes a serem fixados: 1- Sincronia e Diacronia; 2- Língua e Fala 3- Significante e Significado 4- Paradigma e Sintagma 5- Fonética e

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DE LETRAS Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem literária. Variação da língua, considerando

Leia mais

Unidade: O Gerativismo de Chomsky. Unidade I:

Unidade: O Gerativismo de Chomsky. Unidade I: Unidade: O Gerativismo de Chomsky Unidade I: 0 Unidade: O Gerativismo de Chomsky A Gramática Gerativa Até os anos 50 foram as correntes estruturalistas que dominaram o cenário dos estudos linguísticos

Leia mais

Aula 5 ESTRUTURALISMO

Aula 5 ESTRUTURALISMO Aula 5 ESTRUTURALISMO MARTELOTTA, Mário Eduardo. Manual de Linguística. São Paulo: Contexto, 2012, p. 113-126 Prof. Cecília Toledo- cissa.valle@hotmail.com Sistema, estrutura, estruturalismo SISTEMA: resultado

Leia mais

tempo leva a notar que elas são uma fórmula para uma adaptação mais econômica às necessidades de comunicação na sociedade.

tempo leva a notar que elas são uma fórmula para uma adaptação mais econômica às necessidades de comunicação na sociedade. 2 O funcionalismo O funcionalismo é mais que uma teoria, é um modo de pensar sobre a linguagem e suas relações com a organização do mundo, por isso não é possível delinear somente uma corrente de estudos

Leia mais

Sumarizando: o que é uma língua. Métodos para seu estudo...44

Sumarizando: o que é uma língua. Métodos para seu estudo...44 sumário APRESENTAÇÃO...13 1. O que se entende por língua Estudando a língua portuguesa...17 1.1 O Vocabulário: nascimento e morte das palavras. Consultando um dicionário...20 1.2 A Semântica: o sentido

Leia mais

1 Introdução. 1.1 O que motivou a pesquisa e objetivos

1 Introdução. 1.1 O que motivou a pesquisa e objetivos 1 Introdução 1.1 O que motivou a pesquisa e objetivos Os conceitos de transitividade verbal e de complementação verbal são de fundamental importância para o estudo da sintaxe na língua portuguesa. Entretanto,

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

Correntes lingüísticas: notas sobre o formalismo e o funcionalismo

Correntes lingüísticas: notas sobre o formalismo e o funcionalismo Correntes lingüísticas: notas sobre o formalismo e o funcionalismo Leilane Ramos da Silva 2 Introdução Costuma-se afirmar, nos compêndios dedicados aos estudos da linguagem, que o pensamento lingüístico

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LETRAS-PORTUGUÊS - IRATI (Currículo iniciado em 2015) ANÁLISE DO DISCURSO 68 h/a 1753/I Vertentes da Análise do Discurso. Discurso e efeito de sentido. Condições de

Leia mais

6LET062 LINGUAGEM E SEUS USOS A linguagem verbal como forma de circulação de conhecimentos. Normatividade e usos da linguagem.

6LET062 LINGUAGEM E SEUS USOS A linguagem verbal como forma de circulação de conhecimentos. Normatividade e usos da linguagem. HABILITAÇÃO: BACHARELADO EM ESTUDOS LITERÁRIOS 1ª Série 6LET063 LINGUAGEM COMO MANIFESTAÇÃO ARTÍSTICA Linguagem como manifestação artística, considerando os procedimentos sócio-históricos e culturais.

Leia mais

O SISTEMA DE CASOS: INTERFACE ENTRE A MORFOLOGIA E A SINTAXE Dimar Silva de Deus (Unipaulistana)

O SISTEMA DE CASOS: INTERFACE ENTRE A MORFOLOGIA E A SINTAXE Dimar Silva de Deus (Unipaulistana) O SISTEMA DE CASOS: INTERFACE ENTRE A MORFOLOGIA E A SINTAXE Dimar Silva de Deus (Unipaulistana) dimmar@gmail.com O SISTEMA DE CASOS Quando se estudam línguas que comportam morfemas de caso, como o latim,

Leia mais

Breno Keifer Eleutério Marcelo Dias Regis Renata Lameira Silvia Barros

Breno Keifer Eleutério Marcelo Dias Regis Renata Lameira Silvia Barros Breno Keifer Eleutério Marcelo Dias Regis Renata Lameira Silvia Barros Origens: Anterior as correntes formalistas;...) o que houve, na realidade, foi uma reatualização de seus princípios. O paradigma funcional

Leia mais

Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe substantivo, verbo, Morfologia. Morfologia classes gramaticais

Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe substantivo, verbo, Morfologia. Morfologia classes gramaticais Língua Portuguesa Nesta bimestral você aprendeu sobre diversos conceitos como Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe, e partir desses conceitos vamos revisar os principais assuntos estudados. Quando falamos

Leia mais

A CONCORDÂNCIA VERBAL NA GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS (MARIA HELENA MOURA NEVES, UNESP, 2000) Angela Rodrigues (USP) Elias Alves de Andrade (USP)

A CONCORDÂNCIA VERBAL NA GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS (MARIA HELENA MOURA NEVES, UNESP, 2000) Angela Rodrigues (USP) Elias Alves de Andrade (USP) FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES A CONCORDÂNCIA VERBAL NA GRAMÁTICA DE USOS DO PORTUGUÊS (MARIA HELENA MOURA NEVES, UNESP, 2000) Angela Rodrigues (USP) Elias Alves de Andrade (USP) INTRODUÇÃO Tendo

Leia mais

Pensamento e linguagem

Pensamento e linguagem Pensamento e linguagem Função da linguagem Comunicar o pensamento É universal (há situações que nem todos sabem fazer), mas todos se comunicam Comunicação verbal Transmissão da informação Características

Leia mais

Linguagem: produtividade e sistematicidade

Linguagem: produtividade e sistematicidade Linguagem: produtividade e sistematicidade Referências: Chomsky, Noam, Syntactic Structures, The Hague, Mouton, 1957. Chomsky, Noam, Aspects of the Theory of Syntax, Cambridge (Mas.), The MIT Press, 1965.

Leia mais

Língua Portuguesa. Professoras: Fernanda e Danúzia

Língua Portuguesa. Professoras: Fernanda e Danúzia Língua Portuguesa Professoras: Fernanda e Danúzia Nesta bimestral você aprendeu sobre diversos conceitos como Morfologia, Sintaxe e Morfossintaxe, e partir desses conceitos vamos revisar os principais

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

2 O Funcionalismo: fundamentação teórico-metodológica

2 O Funcionalismo: fundamentação teórico-metodológica 24 2 O Funcionalismo: fundamentação teórico-metodológica Reflitamos sobre a escola funcionalista neste capítulo, destacando seus pressupostos teóricos, seu histórico, suas vertentes e principais representantes.

Leia mais

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos.

Conceituação. Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Linguagem e Cultura Conceituação Linguagem é qualquer sistema organizado de sinais que serve de meio de comunicação de ideias ou sentimentos. Cultura é todo saber humano, o cabedal de conhecimento de um

Leia mais

OS DIFERENTES CONCEITOS DE GRAMÁTICA NOS ESTUDOS LINGUISTÍCOS

OS DIFERENTES CONCEITOS DE GRAMÁTICA NOS ESTUDOS LINGUISTÍCOS OS DIFERENTES CONCEITOS DE GRAMÁTICA NOS ESTUDOS LINGUISTÍCOS Francinalva Andrade Bezerra¹ RESUMO: Este trabalho pretende investigar os diferentes conceitos de gramática nos estudos linguísticos. Nesse

Leia mais

Adriana Kuerten Dellagnello Raquel Carolina Souza Ferraz D'Ely Equipe Professores-Tutores Eva, Donesca, Lidiomar e Tânia

Adriana Kuerten Dellagnello Raquel Carolina Souza Ferraz D'Ely Equipe Professores-Tutores Eva, Donesca, Lidiomar e Tânia Adriana Kuerten Dellagnello Raquel Carolina Souza Ferraz D'Ely Equipe Professores-Tutores Eva, Donesca, Lidiomar e Tânia Atividade Introdutória Match Point Marta Medeiros Match point Leia o texto Match

Leia mais

A estrutura argumental dos verbos de ação

A estrutura argumental dos verbos de ação PublICa III (2007) 28-35 A estrutura argumental dos verbos de ação Fabiano de Carvalho Araújo 1, Maria Angélica Furtado da Cunha 2 1 2 Bolsista CNPq/PIBIC, Professora Orientadora, Departamento de Letras,

Leia mais

PREFIXOS DERIVADOS DE PREPOSIÇÕES EM TEXTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA DOS SÉCULOS XVII E XVIII

PREFIXOS DERIVADOS DE PREPOSIÇÕES EM TEXTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA DOS SÉCULOS XVII E XVIII Universidade Federal da Bahia Instituto de Letras Programa de Pós-Graduação em Letras e Lingüística PREFIXOS DERIVADOS DE PREPOSIÇÕES EM TEXTOS DE LÍNGUA PORTUGUESA DOS SÉCULOS XVII E XVIII por DAVI DE

Leia mais

Mestrado. Disciplinas Obrigatórias. créditos: 3 CHT: 45 Modalidade: presencial. créditos: 3 CHT: 45 Modalidade: presencial

Mestrado. Disciplinas Obrigatórias. créditos: 3 CHT: 45 Modalidade: presencial. créditos: 3 CHT: 45 Modalidade: presencial Mestrado Carga horária mínima: 360 horas Disciplinas Obrigatórias LEF700 - Fonologia Bases da análise fonológica. Dados fonéticos e sua interpretação. Concepções de fonema. Fonologia estrutural e Fonologia

Leia mais

2 A morfologia lexical

2 A morfologia lexical 2 A morfologia lexical Nossa intenção, neste capítulo, é apreciar os estudos de morfologia lexical, de forma a destacar dois pontos centrais: as condições de produção e de produtividade lexicais. Para

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos SINTAXE, SINTAXES: UMA INTRODUÇÃO Glenda Aparecida Queiroz Milanio (UFMG) glendamilanio@hotmail.com OTHERO, Gabriel de Ávila; KENEDY, Eduardo. (Orgs.) Sintaxe, sintaxes: uma introdução. São Paulo: Contexto,

Leia mais

O FUNCIONALISMO E O GERATIVISMO: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E EXPOENTES

O FUNCIONALISMO E O GERATIVISMO: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E EXPOENTES 345 O FUNCIONALISMO E O GERATIVISMO: PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS E EXPOENTES MURAD, Carla Regina Rachid Otavio 1 Recebido em: 2010-17-05 Aprovado em: 2011-10-05 ISSUE DOI: 10.3738/1982.2278.597 RESUMO:

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. Ana Lúcia dos Santos. Usos dos Verbos Ser e Estar no Português Brasileiro:

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP. Ana Lúcia dos Santos. Usos dos Verbos Ser e Estar no Português Brasileiro: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Ana Lúcia dos Santos Usos dos Verbos Ser e Estar no Português Brasileiro: Uma Abordagem Funcional. MESTRADO EM LÍNGUA PORTUGUESA SÃO PAULO 2016 PONTIFÍCIA

Leia mais

Conhecer as divisões da Linguística e as linhas teóricas. predominantes do século XX, de modo a instrumentalizarse

Conhecer as divisões da Linguística e as linhas teóricas. predominantes do século XX, de modo a instrumentalizarse 2 aula CORRENTES TEÓRICAS DA LINGUÍSTICA NO SÉCULO XX E DIVISÕES Meta Conhecer as divisões da Linguística e as linhas teóricas predominantes do século XX, de modo a instrumentalizarse para apreciar estas

Leia mais

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola. HABILITAÇÃO: LICENCIATURA EM LÍNGUA ESPANHOLA 1ª Série 6LEM064 GRAMÁTICA DA LÍNGUA ESPANHOLA I Estudo de aspectos fonético-fonológicos e ortográficos e das estruturas morfossintáticas da língua espanhola.

Leia mais

SINTAGMA E PARADIMA Maria Lucia Mexias Simon (CiFEFiL)

SINTAGMA E PARADIMA Maria Lucia Mexias Simon (CiFEFiL) SINTAGMA E PARADIMA Maria Lucia Mexias Simon (CiFEFiL) mmexiassimon@yahoo.com.br O paradigma, o modelo, significa um sistema pré-estabelecido, ou já existente. A língua é o paradigma. O sintagma é uma

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN)

Linguagem, Língua, Linguística. Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) Linguagem, Língua, Linguística Apoio Pedagógico: Estudos Linguísticos I Tutor: Frederico Cavalcante (POSLIN) e-mail: fredericoa4@gmail.com Encontro 1 Linguagem Linguagem: a capacidade humana de utilizar

Leia mais

Processamento de Linguagem Natural

Processamento de Linguagem Natural Processamento de Linguagem Natural Prof. Dr. Silvio do Lago Pereira Departamento de Tecnologia da Informação Faculdade de Tecnologia de São Paulo Introdução Processamento de de linguagem natural (PLN)

Leia mais

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE

ÍNDICE PRIMEIRA PARTE ÍNDICE PRIMEIRA PARTE IN T R O D U Ç Ã O... 9 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA SLH T J... 11 1. Sem iótica... II 2. Lingüística... 12 3. Herm enêutica... 12 4. Texto Jurídico... 13 CAPÍTULO 1 - GRAMATICA DA

Leia mais

Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano

Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano Conteúdo para concurso de bolsa 9º ano Língua Portuguesa: - Interpretação de texto; - Revisão Análise morfossintática; - Revisão de período composto por subordinação (subordinadas substantivas); - Período

Leia mais

P R O G R A M A. IV Unidade Prática de textos: Textos de autores portugueses e brasileiros dos séculos XIX e XX

P R O G R A M A. IV Unidade Prática de textos: Textos de autores portugueses e brasileiros dos séculos XIX e XX PERÍODO: 76.1 / 77.2 I Unidade Estrutura e formação dos vocábulos 1.1 Estruturas mórficas 1.2 - Formação do léxico português 1.3 - Processos de formação de palavras II Unidade Funções sintáticas dos termos

Leia mais

Aula 2 LEXEMA E A PALAVRA MORFOSSINTÁTICA. META Desenvolver o estudo do lexema e da palavra morfossintática.

Aula 2 LEXEMA E A PALAVRA MORFOSSINTÁTICA. META Desenvolver o estudo do lexema e da palavra morfossintática. LEXEMA E A PALAVRA MORFOSSINTÁTICA META Desenvolver o estudo do lexema e da palavra morfossintática. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: estabelecer as diferenças devidas entre a teoria padrão

Leia mais

TEORIAS DE LÍNGUA E SEGUNDA LÍNGUA DESAFIO O ESTRUTURALISMO AULA 02: O ESTRUTURALISMO

TEORIAS DE LÍNGUA E SEGUNDA LÍNGUA DESAFIO O ESTRUTURALISMO AULA 02: O ESTRUTURALISMO TEORIAS DE LÍNGUA E SEGUNDA LÍNGUA AULA 02: O ESTRUTURALISMO TÓPICO 03: DESENVOLVIMENTO DE LINGUÍSTICAS ESTRUTURAIS NA EUROPA E NA AMÉRICA VERSÃO TEXTUAL Caro(a) aluno(a), seja bem vindo(a) ao tópico 3

Leia mais

FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978

FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978 FICHAMENTO: COLEÇÃO OS PENSADORES, Saussure, Jakobson, Hjelmslev, Chomsky, tradução Carlos Vogt, 2 edição, abril Cultural, 1978 Definir como ciência que estuda a linguagem com métodos próprios, a Lingüística

Leia mais

VERBOS LEVES OBSERVAÇÕES SOBRE O PORTUGUÊS DO BRASIL 3 Nataniel dos Santos Gomes (UFRJ, UNISUAM)

VERBOS LEVES OBSERVAÇÕES SOBRE O PORTUGUÊS DO BRASIL 3 Nataniel dos Santos Gomes (UFRJ, UNISUAM) DEPARTAMENTO DE LETRAS VERBOS LEVES OBSERVAÇÕES SOBRE O PORTUGUÊS DO BRASIL 3 Nataniel dos Santos Gomes (UFRJ, UNISUAM) INTRODUÇÃO O presente trabalho tem a intenção de trazer uma reflexão para os estudantes

Leia mais

Manual de Lingüística, organizado pelo Prof. Martelotta, surge

Manual de Lingüística, organizado pelo Prof. Martelotta, surge Cardernos de Letras da UFF Dossiê: Preconceito lingüístico e cânone literário, no 36, p. 177-183, 1. sem. 2008 177 MANUAL DE LINGÜÍSTICA Ivo do Rosário Manual de Lingüística, organizado pelo Prof. Martelotta,

Leia mais

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores

ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores ANEXO 1 A Ementário e Quadro de disciplinas por Departamentos/Setores LET 1 - DISCIPLINAS DO SETORES DE LÍNGUA PORTUGUESA,LITERATURAS E LATIM Atenção: As disciplinas em negrito são novas disciplinas propostas.

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE PORTUGUÊS C1

PROGRAMAÇÃO DE PORTUGUÊS C1 POGAMAÇÃO D POTUGUÊS C1 OBJTIVOS GAIS O aprendente do nível C1 é capaz de compreender um vasto número de textos longos e exigentes, reconhecendo os seus significados implícitos. É capaz de se exprimir

Leia mais

Algumas noções básicas de lingüística: os níveis descritivos da linguagem

Algumas noções básicas de lingüística: os níveis descritivos da linguagem Algumas noções básicas de lingüística: os níveis descritivos da linguagem A língua pode ser estudada sob diferentes perspectivas (descritiva, social, cognitiva, etc.). Cada língua pode ser estudada como

Leia mais

Há dois sintagmas essenciais: o sintagma nominal (SN), cujo núcleo é um nome ou palavra que seja equivalente; e o sintagma verbal (SV) cujo núcleo é

Há dois sintagmas essenciais: o sintagma nominal (SN), cujo núcleo é um nome ou palavra que seja equivalente; e o sintagma verbal (SV) cujo núcleo é Há dois sintagmas essenciais: o sintagma nominal (SN), cujo núcleo é um nome ou palavra que seja equivalente; e o sintagma verbal (SV) cujo núcleo é uma forma verbal. Existem também o sintagma adjetival

Leia mais

..AASsrâT" ROSA VIRGÍNIA MATTOS E SILVA. O Português Arcaico. Uma Aproximação. Vol. I Léxico e morfologia

..AASsrâT ROSA VIRGÍNIA MATTOS E SILVA. O Português Arcaico. Uma Aproximação. Vol. I Léxico e morfologia ..AASsrâT" ROSA VIRGÍNIA MATTOS E SILVA O Português Arcaico Uma Aproximação Vol. I Léxico e morfologia Imprensa Nacional-Casa da Moeda Lisboa 2008 ÍNDICE GERAL Abreviaturas, convenções e alfabeto fonético

Leia mais

Antes de iniciar as respostas, faça uma leitura completa da avaliação. Lembre-se:

Antes de iniciar as respostas, faça uma leitura completa da avaliação. Lembre-se: 9º Rasuras serão consideradas erro! Não use corretivo! Não abrevie palavras! Utilize apenas caneta de tinta azul ou preta! Responda ao que foi solicitado de forma coerente e coesa. Boa Sorte! Dar o conceito

Leia mais

Introdução à perspectiva cognitivista da linguagem: visão geral. Sintaxe do Português II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo FFLCH-USP DLCV FLP

Introdução à perspectiva cognitivista da linguagem: visão geral. Sintaxe do Português II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo FFLCH-USP DLCV FLP Introdução à perspectiva cognitivista da linguagem: visão geral Sintaxe do Português II Prof. Dr. Paulo Roberto Gonçalves Segundo FFLCH-USP DLCV FLP O que é a Linguística Cognitiva (LC)? Para Croft & Cruse

Leia mais

ESTRUTURALISMO LINGÜÍSTICO

ESTRUTURALISMO LINGÜÍSTICO ESTRUTURALISMO LINGÜÍSTICO 1 INTRODUÇÃO Prof.Ms.Giselda dos Santos Costa CEFET-PI/ UNED -Floriano 2000 Este trabalho tem como finalidade apresentar uma análise da lingüística estrutural cuja importância

Leia mais

2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa. CEF Serviço de Bar

2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa. CEF Serviço de Bar 2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa CEF Serviço de Bar CONTEÚDOS 1º PERÍODO AULAS PREVISTAS 46 TEXTOS DE TEATRO - AUTO DA BARCA DO INFERNO,

Leia mais

EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA

EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA EMENTAS Departamento de Letras Estrangeiras UNIDADE CURRICULAR DE LÍNGUA E LITERATURA ITALIANA Italiano I: Língua e Cultura - Introdução às situações prático-discursivas da língua italiana mediante o uso

Leia mais

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Metas/Domínios Objetivos gerais Conteúdos Programáticos Critérios 3º Ano Oralidade O3 Comprensão do oral Expressão oral Escutar para aprender e construir conhecimentos Produzir um discurso oral

Leia mais

O QUE VEM A SER ECOLINGUÍSTICA? Hildo Honório do Couto

O QUE VEM A SER ECOLINGUÍSTICA? Hildo Honório do Couto O QUE VEM A SER ECOLINGUÍSTICA? Hildo Honório do Couto Universidade de Brasília ECOLINGUÍSTICA - Definição: estudo das (inter-)relações entre língua e (seu) meio ambiente. -O que a definição implica: Ecologia

Leia mais

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE

HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE º ANO/1º SEMESTRE HORÁRIO DO CURSO DE LETRAS PERÍODOS DIURNO E NOTURNO ANO LETIVO DE 2014 1º ANO/1º SEMESTRE 2 aulas) Observação: Leitura e Produção de Textos I * * (LNG1050) Habilidades Básicas Integradas do Inglês: Produção

Leia mais

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE ENSINO DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome do COMPONENTE CURRICULAR: LINGUÍSTICA I Curso: LICENCIATURA EM LETRAS COM HABILITAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA Período: 2 Semestre: 2015.1 Carga Horária:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 11º ANO

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. GINESTAL MACHADO PLANIFICAÇÃO ANUAL DE PORTUGUÊS 11º ANO Objetivos: Desenvolver os processos linguísticos, cognitivos e metacognitivos necessários à operacionalização de cada uma das competências de compreensão e produção nas modalidades oral e escrita. Interpretar

Leia mais

Processamento de Linguagem Natural

Processamento de Linguagem Natural Processamento de Linguagem Natural Prof. Dr. Silvio do Lago Pereira Departamento de Tecnologia da Informação Faculdade de Tecnologia de São Paulo Introdução Processamento de de linguagem natural (PLN)

Leia mais

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático As Dicotomias Linguísticas Sincronia versus Diacronia Língua versus Fala Significante

Leia mais

LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA EM LÍNGUA PORTUGUESA E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20H Ingresso a partir de 2011/1 Fundamentos dos Estudos Literários Codicred: 12224-04 NÍVEL I Ementa: Funções da literatura. Discurso

Leia mais

Evento: Seleção para o Semestre I das Casas de Cultura Estrangeira PARECER

Evento: Seleção para o Semestre I das Casas de Cultura Estrangeira PARECER Questão 22 A questão 22 trata de sintaxe, especificamente, item 4.4 do Programa: distinção entre regentes e regidos. É correta a alternativa B. No trecho até incendiar a secretaria da escola para queimar

Leia mais

Processamento de Linguagem Natural. Linguagem: todo sistema do qual se pode extrair um significado. pode servir como meio de comunicação

Processamento de Linguagem Natural. Linguagem: todo sistema do qual se pode extrair um significado. pode servir como meio de comunicação Processamento de Linguagem Natural Linguagem: todo sistema do qual se pode extrair um significado pode servir como meio de comunicação De forma geral: Linguagens são todos os sistemas de comunicação humanos

Leia mais

OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA

OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA OBJETO DIRETO E OBJETO INDIRETO EM UM LIVRO DIDÁTICO: GRAMÁTICA NORMATIVA VS. GRAMÁTICA EXPLICATIVA/GERATIVA Jessé Pantoja SERRÃO (G-UFPA) Antônia Fernanda de Souza NOGUEIRA (UFPA) 120 Resumo Este artigo

Leia mais

MOVIMENTO OU DEPENDÊNCIAS DESCONTÍNUAS: UMA REFLEXÃO INTRODUTÓRIA SOBRE ABORDAGENS DE INTERROGATIVAS-QU NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

MOVIMENTO OU DEPENDÊNCIAS DESCONTÍNUAS: UMA REFLEXÃO INTRODUTÓRIA SOBRE ABORDAGENS DE INTERROGATIVAS-QU NO PORTUGUÊS BRASILEIRO MOVIMENTO OU DEPENDÊNCIAS DESCONTÍNUAS: UMA REFLEXÃO INTRODUTÓRIA SOBRE ABORDAGENS DE INTERROGATIVAS-QU NO PORTUGUÊS BRASILEIRO André da Luz Pereira RESUMO: Tendo por base a perspectiva gerativista, que

Leia mais

APOIO PEDAGÓGICO AO NÚCLEO COMUM

APOIO PEDAGÓGICO AO NÚCLEO COMUM APOIO PEDAGÓGICO AO NÚCLEO COMUM GRAMÁTICA TRADICIONAL SINTAXE II: TERMOS INTEGRANTES E TERMOS ACESSÓRIOS Tutora: Ariana de Carvalho TERMOS INTEGRANTES A nomenclatura está relacionada com a função dos

Leia mais

Funcionalismo linguístico: um breve percurso histórico da Europa aos Estados Unidos

Funcionalismo linguístico: um breve percurso histórico da Europa aos Estados Unidos Funcionalismo linguístico: um breve percurso histórico da Europa aos Estados Unidos Ana Paula Pereira Martins RESUMO Este trabalho tem como objetivo central traçar um breve panorama histórico acerca dos

Leia mais

1. A VISÃO FUNCIONALISTA DA LINGUAGEM NO SÉCULO XX Mário Eduardo Martelotta Eduardo Kenedy

1. A VISÃO FUNCIONALISTA DA LINGUAGEM NO SÉCULO XX Mário Eduardo Martelotta Eduardo Kenedy 1. A VISÃO FUNCIONALISTA DA LINGUAGEM NO SÉCULO XX Mário Eduardo Martelotta Eduardo Kenedy A lingüística do século XIX, em suas pesquisas de ordem eminentemente histórico-comparativa, deixou um importante

Leia mais

Linguística formal e linguística do discurso: continuidades e rupturas teóricas

Linguística formal e linguística do discurso: continuidades e rupturas teóricas Linguística formal e linguística do discurso: continuidades e rupturas teóricas Fabiana Silva Santos Thais Silva Santos SANTOS, Fabiana, S; SANTOS, Thais S. Linguística formal e linguística do discurso:

Leia mais

Relatório. Ano lectivo

Relatório. Ano lectivo Relatório Ano lectivo 2006-2007 111014 acessos (independentemente do estatuto dos professores inscritos: tutores; convidados; participantes; visitantes) de 28 de Setembro de 2006 a 28 de Setembro de 2007.

Leia mais

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014

CURRÍCULO DA DISCIPLINA DE PORTUGUÊS/ CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 1º Ciclo Metas/Domínios Objetivos gerais Conteúdos Programáticos Critérios 1º Ano Oralidade O1 Comprensão do oral Expressão oral Respeitar regras da interação discursiva Escutar discursos breves para aprender

Leia mais

O uso do morfema zero nas desinências númeropessoais presente na fala de adultos não escolarizados

O uso do morfema zero nas desinências númeropessoais presente na fala de adultos não escolarizados O uso do morfema zero nas desinências númeropessoais presente na fala de adultos não escolarizados Nara Maria Fiel de Quevedo Sgarbi 1, Odette G. L. Alttman de Souza Campos 2 1 Universidade Estadual Paulista

Leia mais

Sumário. Abreviaturas, convenções e alfabeto fonético... 9

Sumário. Abreviaturas, convenções e alfabeto fonético... 9 Sumário Abreviaturas, convenções e alfabeto fonético... 9 Explicação inicial ao leitor... 13 Por que estudar hoje o português arcaico?... 15 FONOLOGIA... 19 Definindo o português arcaico... 21 O português

Leia mais

A ceitabilidade/gramaticalidade, Desempenho/Competência e, finalmente, a Performance.

A ceitabilidade/gramaticalidade, Desempenho/Competência e, finalmente, a Performance. Resumo: Nesse breve ensaio, produzido a partir de pesquisa bibliográfica, pretendo mostrar como funcionam as Teorias formuladas por Chomsky. Pretendo ainda mostrar a importância dessas teorias para o desenvolvimento

Leia mais

MORFOLOGIA UMA ENTREVISTA COM MARGARIDA BASÍLIO

MORFOLOGIA UMA ENTREVISTA COM MARGARIDA BASÍLIO BASÍLIO, Margarida M. P. Morfologia: uma entrevista com Margarida Basílio. ReVEL. Vol. 7, n. 12, março de 2009. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. MORFOLOGIA UMA ENTREVISTA COM MARGARIDA BASÍLIO Margarida

Leia mais

BOLSÃO 2017 / 6º ANO

BOLSÃO 2017 / 6º ANO Você que se inscreveu no Bolsão do Colégio Futuro Vip para cursar o 6º ano do Ensino Fundamental está BOLSÃO 2017 / 6º ANO Fonética Fonema distinção entre FONEMA e LETRA Sílaba número de sílabas / divisão

Leia mais

FUNDAÇÃO EUCLIDES DA CUNHA CONCURSO PÚBLICO DE SÃO MATEUS RESPOSTA AO RECURSO DA PROVA OBJETIVA

FUNDAÇÃO EUCLIDES DA CUNHA CONCURSO PÚBLICO DE SÃO MATEUS RESPOSTA AO RECURSO DA PROVA OBJETIVA CONCURSO PÚBLICO DE SÃO MATEUS CARGO: Fonoaudiólogo S 43 QUESTÃO NÚMERO: 03 Embora a candidata não tenha apresentado fundamentação teórica, para dar origem ao presente recurso, esta Banca informa que a

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO Ano Lectivo 2008/ Planificação a Longo Prazo ESPANHOL L/E (Iniciação nível I) 10ºAno Formação Específica

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO Ano Lectivo 2008/ Planificação a Longo Prazo ESPANHOL L/E (Iniciação nível I) 10ºAno Formação Específica ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO Ano Lectivo 2008/ 2009 Planificação a Longo Prazo ESPANHOL L/E (Iniciação nível I) 10ºAno Formação Específica Objectivos de aprendizagem Competências comunicativas Conteúdos

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS

CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS CLASSIFICAÇÃO DAS CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS CAUSAIS Principais conjunções causais: porque, visto que, já que, uma vez que, como (= porque). Exemplos: - Não pude comprar o CD porque estava em falta. - Ele

Leia mais

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17

Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 índice Geral Prefácio índice geral Lista das abreviaturas 14 Lista dos símbolos 16 Introdução geral 17 Raimundo Tavares Lopes 27 Descrição isocrónica contrastiva das variedades das ilhas do Fogo e de Santiago

Leia mais

Objectivos / Competências Conteúdos Descrição dos itens

Objectivos / Competências Conteúdos Descrição dos itens MATRIZ DA PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA AO ABRIGO DO DECRETO-LEI Nº 357/07, DE 29 DE OUTUBRO ESPANHOL NÍVEL DE INICIAÇÃO 12.º ANO (Cursos Científicos- Humanísticos Decreto Lei nº 74/04, de 26 de Março)

Leia mais

Lista 3 - Língua Portuguesa 1

Lista 3 - Língua Portuguesa 1 Lista 3 - Língua Portuguesa 1 Frase, oração e período; sujeito e predicado LISTA 3 - LP 1 - FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO; SUJEITO E PREDICADO Frase, oração e período; sujeito e predicado Na fala ou na escrita,

Leia mais

Análise Linguística (CE67C) Prof. Fabio Mesquita EXEMPLO DE ATIVIDADE DE MORFOLOGIA. Parte I Descrição teórica

Análise Linguística (CE67C) Prof. Fabio Mesquita EXEMPLO DE ATIVIDADE DE MORFOLOGIA. Parte I Descrição teórica Análise Linguística (CE67C) Prof. Fabio Mesquita EXEMPLO DE ATIVIDADE DE MORFOLOGIA Parte I Descrição teórica Derivação e Composição Toda língua possui mecanismos ou processos para formar palavras novas.

Leia mais

SINTAGMA ADJETIVAL E SINTAGMA PREPOSICIONADO

SINTAGMA ADJETIVAL E SINTAGMA PREPOSICIONADO SINTAGMA ADJETIVAL E SINTAGMA PREPOSICIONADO META Descrever a estrutura e o funcionamento do sintagma adjetival. Analisar e descrever a organização e o emprego do sintagma preposicionado. OBJETIVOS Ao

Leia mais

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação F a c u l d a d e d e L e t r a s d a U n i v e r s i d a d e d e L i s b o a D e p a r t a m e n t o d e L i n g u í s t i c a G e r a l e R o m â n i c a E s t r u t u r a d a s F r a s e s e m P o r

Leia mais

META Apresentar a divisão da Linguística e sua relação com outras disciplinas e com as gramáticas.

META Apresentar a divisão da Linguística e sua relação com outras disciplinas e com as gramáticas. LINGUÍSTICA: DIVISÃO E INTERDISCIPLINARIDADE META Apresentar a divisão da Linguística e sua relação com outras disciplinas e com as gramáticas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar

Leia mais

GRAMÁTICA MODERNA DA LÍNGUA PORTUGUESA

GRAMÁTICA MODERNA DA LÍNGUA PORTUGUESA GRAMÁTICA MODERNA DA LÍNGUA PORTUGUESA Sumário Capítulo 1 O ESTUDO DAS PALAVRAS Lição 1 Fonética 1.1. Fonema e letra 1.2. Divisão dos fonemas 1.3. Classificação dos fonemas 1.4. Encontro vocálico 1.5.

Leia mais

Letras Língua Inglesa

Letras Língua Inglesa Letras Língua Inglesa 1 semestre Núcleo de estudos interdisciplinares I 45h Ementa: Estuda os procedimentos envolvidos na realização de uma pesquisa cientifica. Desenvolve habilidade de produção de fichamento,

Leia mais

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso

Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso Curso Técnico Subsequente em Tradução e Interpretação de Libras Nome do Curso CÂMPUS PALHOÇA BILÍNGUE MATRIZ CURRICULAR Módulo/Semestre 1 Carga horária total: 400h Libras I 160h Não há Sujeito Surdo, Diferença,

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores O USO DA CONSTRUÇÃO ESTAR + GERÚNDIO: UMA PRÁTICA REFLEXIVA NO PROCESSO DE ENSINO E PRENDIZAGEM

Leia mais

META Expor os conceitos linguísticos fundamentais, no que se refere ao conceito de linguagem, língua, fala e às características da linguagem humana.

META Expor os conceitos linguísticos fundamentais, no que se refere ao conceito de linguagem, língua, fala e às características da linguagem humana. CONCEITOS LINGUÍSTICOS FUNDAMENTAIS Aula 4 META Expor os conceitos linguísticos fundamentais, no que se refere ao conceito de linguagem, língua, fala e às características da linguagem humana. OBJETIVOS

Leia mais