Linguagem: produtividade e sistematicidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Linguagem: produtividade e sistematicidade"

Transcrição

1 Linguagem: produtividade e sistematicidade Referências: Chomsky, Noam, Syntactic Structures, The Hague, Mouton, Chomsky, Noam, Aspects of the Theory of Syntax, Cambridge (Mas.), The MIT Press, Chomsky, Noam, Knowledge of Language, New York, Praeger, Chomsky, Noam, New Horizons in the Study of Language and Mind, Cambridge, Cambridge University Press, Faria, Isabel, et al., Introdução à Linguística Geral e Portuguesa, Lisboa, Caminho, Lycan, William G., Philosophy of Language, London, Routledge, Rodrigues, Adriano, Introdução à Semiótica, Lisboa, Presença, (1) Pouca gente sabe que, em 1931, Adolf Hitler visitou os Estados Unidos e, durante esta visita, fez turismo, teve um breve envolvimento amoroso com uma senhora chamada Maxine em Keokuk, no Iowa, experimentou peyote (o que fez com que ele tivesse alucinações com hordas de sapos e rãs vestidos com pequenas botas e a cantar o Horst Wessel Lied), infiltrou-se numa fábrica de munições perto de Detroit, encontrou-se secretamente com o vice-presidente Curtis para discutir o mercado futuro das peles de foca, e inventou o abridor de latas eléctrico (cf. Lycan, Philosophy of Language). (2) W gadjhafkl wkemvodw boemtnsm qoeuqrefqe. (3) O João gosta de gelado de baunilha. (4) Baunilha de gosta de o gelado João. A frase (1) exemplifica a produtividade da linguagem, já que certamente o leitor jamais terá lido esta frase antes e, no entanto, é capaz de compreendê-la, tal como em frases mais banais, como (3). Já (2) e (4) são exemplos de diferentes anomalias : (2) é uma 1

2 simples sequência de letras sem nenhum sentido em Português, enquanto (4), embora compostas por palavras que têm significado, é sintacticamente mal construída. Produtividade: um falante é capaz de produzir um número infinito de frases (bem formadas de acordo com as regras sintácticas, e com significado). O homem mordeu o cão. O homem mordeu o cão que mordeu o gato. O homem que gosta de gelado de baunilha mordeu o cão que mordeu o gato. Ninguém acredita que o homem que gosta de gelado de baunilha mordeu o cão que mordeu o gato na casa de massagens. Se ninguém acredita que o homem que gosta de gelado de baunilha mordeu o cão que mordeu o gato na casa de massagens, então não há problema. (1) Não há um limite para a frase mais extensa. (2) Não há um limite para o número de frases. Sistematicidade: os elementos das frases podem ser reaproveitados em outras frases, de acordo com as regras sintácticas. Ou seja, se um falante compreende a frase O João ama a Maria. também é capaz de compreender a frase A Maria ama o João. Como explicar a produtividade e a sistematicidade? Proposta: através da composicionalidade. Composicionalidade sintáctica: a estrutura de uma frase é exaustivamente determinada pelos seus constituintes e o modo como estão combinados. 2

3 Composicionalidade semântica: o significado de uma frase é exaustivamente determinado pelos significados dos seus constituintes e o modo como estão combinados. Exemplo: Estrutura sintáctica da frase O Pedro partiu para Paris às dez horas F SN SV DET N SV SPREP O Pedro V SPREP às dez horas PREP SN partiu para N Paris F: Frase SN: Sintagma Nominal SV: Sintagma Verbal DET: Determinante N: Nome ( substantivo ) V: Verbo SPREP: Sintagma preposicional PREP: Preposição (Cf. Introdução à Linguística Geral e Portuguesa) 3

4 Exemplos (simplificados) de regras sintácticas: F SN SV (toda frase é composta por um sintagma nominal e um sintagma verbal) SN (DET) (SADJ) N (SADJ) (um sintagma nominal é composto por um nome, que pode ser opcionalmente precedido por um determinante e um sintagma adjectival, e opcionalmente precedido de um sintagma adjectival). SPREP PREP SN (um sintagma preposicional é composto por uma preposição e um sintagma nominal). SV V (SN) (SPREP) (um sintagma verbal é composto por um verbo, opcionalmente seguido de um sintagma nominal, que pode ser opcionalmente seguido de um sintagma preposicional) (Cf. Introdução à Linguística Geral e Portuguesa) 4

5 Estrutura hierárquica da linguagem (combinatória a todos os níveis) Frases (estruturas de constituintes sintácticos) Significantes Palavras Morfemas Não significantes Fonemas Traços distintivos Dupla articulação (Jakobson, Martinet): as frases e palavras são constituídas a partir da articulação de elementos significantes mínimos (os morfemas); os morfemas, por sua vez, são constituídos a partir da articulação de elementos não significantes (os fonemas, que são combinatórias de traços distintivos). A dupla articulação é uma das características que distinguem a linguagem dos sistemas de comunicação de outras espécies. 5

6 Linguagem: uso infinito de meios finitos Léxico: número finito (embora vasto) de elementos significantes. Sintaxe: sistema de regras que combina itens lexicais de acordo com um número finito de categorias e produz a partir daí um número infinito de frases. Segredo: aplicação de regras recursivas (Chomsky). Basicamente, regras em que o output de uma operação pode servir como input para a operação seguinte. Exemplo (extremamente) simples: F F + e + F (a conjunção de duas frases compõe uma outra frase) Recursividade e composicionalidade permitem explicar a produtividade e a sistematicidade da linguagem. A autonomia da sintaxe Exemplo: frases sem sentido, mas bem construídas. Ideias verdes incolores dormem furiosamente (cf. Chomsky, Syntactic Structures, 1957). Outro exemplo: ambiguidade estrutural. Ninguém acredita que o homem que gosta de gelado de baunilha mordeu o cão que mordeu o gato na casa de massagens. Sintaxe: componente que gera um número infinito de descrições estruturais de frases, que recebem uma interpretação fonológica e uma interpretação semântica. 6

7 Algumas características da linguagem Criatividade, infinidade discreta (Chomsky): produção e compreensão de um número infinito de frases compostas a partir da combinação de elementos discretos, ou seja, descontínuos (aspecto digital da linguagem na base da sua estrutura combinatória). Dupla articulação (Jakobson, Martinet): elementos significantes produzidos a partir de elementos não significantes. Arbitrariedade do signo linguístico (Saussure): a palavra cão não morde! Deslocamento (Hockett): a linguagem permite comunicar informação sobre eventos e entidades ausentes, quer sejam contemporâneos, passados ou futuros, assim como fictícios ou mesmo inexistentes. A linguagem como órgão mental (Chomsky e a faculdade da linguagem ) Princípios e parâmetros A complexidade das estruturas sintácticas conduz à hipótese de que cada criança nasce com um conjunto inato de princípios universais da linguagem, um complexo sistema cognitivo teorizado como a Gramática Universal. Uma vez exposta a um determinado ambiente linguístico, a criança (ou mais exactamente, o seu sistema cognitivo linguístico) identifica os parâmetros próprios ao idioma, e a partir daí deriva as regras mais específicas. Pode dizer-se, assim, que cada nova geração recria a linguagem. É incorrecto falar-se no aprendizado de uma língua materna; tratase, antes, da maturação de um sistema cognitivo (activada pela exposição ao ambiente). 7

8 Algumas evidências: (1) argumento da pobreza do estímulo (2) pidgins e crioulos (3) linguagens gestuais criadas por crianças surdas Competência e desempenho (performance) Chomsky (Aspects of the Theory of Syntax, 1965): A competência é o conhecimento estritamente linguístico de cada falante, que lhe permite produzir e compreender um número infinito de frases. O desempenho é o exercício efectivo da competência, e não é estritamente linguístico, mas envolve a interacção de vários sistemas cognitivos (donde, cepticismo de Chomsky sobre a possibilidade de um estudo científico da performance). Linguagem-E e linguagem-i Chomsky (Knowledge of Language, 1986): A linguagem-e corresponde, grosso modo, às línguas tal como vulgarmente referidas; o E quer dizer tanto externa quanto extensional (no sentido da definição de um conjunto em extensão como uma lista dos seus elementos). A linguagem-i, por sua vez, corresponde ao estado da faculdade da linguagem no cérebro de cada falante; o I quer dizer tanto interna quanto intensional [é mesmo com s!] (no sentido da definição de um conjunto em intensão como a especificação das regras que geram os seus elementos). Apenas a linguagem-i pode ser objecto de conhecimento científico, já que a linguagem-e resulta de contingências históricas, culturais, sociais e políticas (Cf. Max Weinreich: Uma língua é um dialecto com um Exército e uma Marinha ). 8

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus

Curso: Letras Português/Espanhol. Disciplina: Linguística. Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus Curso: Letras Português/Espanhol Disciplina: Linguística Docente: Profa. Me. Viviane G. de Deus AULA 2 1ª PARTE: Tema 2 - Principais teóricos e teorias da Linguística moderna Formalismo x Funcionalismo

Leia mais

Linguagens e Programação Ano Lectivo 2006/2007. Relatório Trabalho Teórico. Linguagem Natural

Linguagens e Programação Ano Lectivo 2006/2007. Relatório Trabalho Teórico. Linguagem Natural Linguagens e Programação Ano Lectivo 2006/2007 Relatório Linguagem Natural Trabalho realizado por: Paulo Jorge Morais Costa - 1000334 Índice 1 Introdução 4 2 Compreender a Linguagem Natural 5 3 Linguagem

Leia mais

AVALIAÇÃO FONOLÓGICA EM DESTAQUE RESENHA DO LIVRO AVALIAÇÃO FONOLÓGICA DA CRIANÇA, DE YAVAS, HERNANDORENA & LAMPRECHT

AVALIAÇÃO FONOLÓGICA EM DESTAQUE RESENHA DO LIVRO AVALIAÇÃO FONOLÓGICA DA CRIANÇA, DE YAVAS, HERNANDORENA & LAMPRECHT FREITAS, Joselaine Moreira de; OTHERO, Gabriel de Ávila. Avaliação fonológica em destaque resenha do livro Avaliação fonológica da criança, de Yavas, Hernandorena & Lamprecht. ReVEL, v. 3, n. 5, 2005.

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

Língua(gem), Tecnologia e Informação

Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua, Tecnologia e Informação A Ciência da Informação estuda vários aspectos sobre o acesso ao registro, acesso ideal de maneira eficiente e eficaz O registro de

Leia mais

CHOMSKY E O ASPECTO CRIATIVO DA LINGUAGEM

CHOMSKY E O ASPECTO CRIATIVO DA LINGUAGEM GONÇALVES, Rodrigo T. Chomsky e o aspecto criativo da linguagem. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 5, n. 8, março de 2007. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. CHOMSKY E O ASPECTO CRIATIVO

Leia mais

Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda

Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda 1º Encontro de Pós-Graduação em Linguística Oposições Aspectuais em Português Língua Segunda O caso dos falantes de Russo em contexto de imersão Catarina Pereira da Silva Tema reconhecimento de oposições

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Compreensão e produção da linguagem verbal

Leia mais

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

LINGUÍSTICA APLICADA AO ENSINO DE LÍNGUA ESTRANGEIRA SPADA, Nina. Linguística Aplicada ao Ensino de Língua Estrangeira: uma entrevista com Nina Spada. Revista Virtual de Estudos da Linguagem - ReVEL. Vol. 2, n. 2, 2004. Tradução de Gabriel de Ávila Othero.

Leia mais

A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa. Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011

A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa. Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011 A Linguística Formal e sua relação com o ensino e com a pesquisa Prof. Dr. Aline Lorandi Prof. Doutoranda Taíse Simioni UNIPAMPA Bagé Março/2011 Ementa A Linguística formal se dedica ao estudo da estrutura

Leia mais

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR. Curso: Licenciatura em Educação Básica Ciclo: 1º Ramo: Educação Ano: 2º Designação:

PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR. Curso: Licenciatura em Educação Básica Ciclo: 1º Ramo: Educação Ano: 2º Designação: PROGRAMA DE UNIDADE CURRICULAR Curso: Licenciatura em Educação Básica Ciclo: 1º Ramo: Educação Ano: 2º Designação: Aquisição e Desenvolvimento da Linguagem Créditos: 5 Departamento: Ciências da Comunicação

Leia mais

Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1

Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1 Estudo comparativo dos padrões de lexicalização do português e do inglês: os Verbos de Movimento 1 Helio Roberto de Moraes * * Centro de Estudos Lingüísticos e Computacionais da Linguagem (CELiC)- Faculdade

Leia mais

AS PRINCIPAIS CORRENTES TEÓRICAS DA LINGUÍSTICA E OS ESTUDOS GRAMATICAIS

AS PRINCIPAIS CORRENTES TEÓRICAS DA LINGUÍSTICA E OS ESTUDOS GRAMATICAIS AS PRINCIPAIS CORRENTES TEÓRICAS DA LINGUÍSTICA E OS ESTUDOS GRAMATICAIS Amanda Maria de Oliveira 1 RESUMO: O objetivo deste trabalho é desenvolver um percurso teórico de modo a compreender os elos existentes

Leia mais

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h

Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Lingüística Código HL808 (turma A) Nome da disciplina Leitura Orientada em Sintaxe terça: 10h30h 12h10h Luiz Arthur Pagani Programa resumido Analisadores gramaticais são procedimentos para se executar

Leia mais

3 Pressupostos Teóricos

3 Pressupostos Teóricos 3 Pressupostos Teóricos 3.1 Os princípios teóricos de Harris 3.1.1 A aceitabilidade como fonte do conhecimento sintático A sustentação metodológica de referência para o desenvolvimento desta pesquisa é

Leia mais

ASPECTOS MORFOLÓGICOS NA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM:

ASPECTOS MORFOLÓGICOS NA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM: ASPECTOS MORFOLÓGICOS NA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM: O PLURAL DOS NOMES AOS 3, 5 E 7 ANOS Marina R.A. Augusto (UERJ/PUC-Rio) Paula da Assunção Azevedo Silva (UERJ) Priscila Pires Gonçalves (UERJ) Tatiana de

Leia mais

Análise das construções idiomáticas negativas enfáticas: uma visão cognitivista

Análise das construções idiomáticas negativas enfáticas: uma visão cognitivista Análise das construções idiomáticas negativas enfáticas: uma visão cognitivista Azussa Matsuoka * Luciene Ferreira da Silva Guedes* RESUMO: Este trabalho se propõe a analisar o processo de produção e compreensão

Leia mais

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida?

Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Como saber se a comunicação verbal é bem sucedida? Referências: Davidson, Donald, A nice derangement of epitaphs, in Martinich, A. P. (ed.), The Philosophy of Language, Oxford, Oxford University Press,

Leia mais

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE Aula INTRODUÇÃO À SINTAXE META Expor informações básicas sobre sintaxe. OBJETIVOS Ao final desta aula o aluno deverá: levar o aluno a compreender o que seja sintaxe de regência, de colocação e de concordância.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DESCRIÇÃO E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO SINTÁTICO E SEMÂNTICO DOS ADVÉRBIOS EM - MENTE Coordenador/E-mail: Gessilene Silveira Kanthack/

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

Edite - Um sistema de Acesso a Base de Dados em Língua Natural

Edite - Um sistema de Acesso a Base de Dados em Língua Natural Edite - Um sistema de Acesso a Base de Dados em Língua Natural Maria Luísa Torres Ribeiro Marques da Silva Coheur (Tese de mestrado defendida em Maio de 1997) 1 Motivação Direcção Geral de Turismo Inventário

Leia mais

Processamento de Linguagem Natural (PLN)

Processamento de Linguagem Natural (PLN) Universidade Federal do Espírito Santo Centro de Ciências Agrárias CCA UFES Departamento de Computação Universidade Federal do Espírito Santo CCA UFES Processamento de Linguagem Natural (PLN) Inteligência

Leia mais

AS DIFICULDADES ENCONTRADAS POR OUVINTES NA AQUISIÇÃO DA LIBRAS COMO L2 E A INTERFERÊNCIA DA MARCAÇÃO NÃO-MANUAL NA MUDANÇA DE SIGNIFICADO

AS DIFICULDADES ENCONTRADAS POR OUVINTES NA AQUISIÇÃO DA LIBRAS COMO L2 E A INTERFERÊNCIA DA MARCAÇÃO NÃO-MANUAL NA MUDANÇA DE SIGNIFICADO AS DIFICULDADES ENCONTRADAS POR OUVINTES NA AQUISIÇÃO DA LIBRAS COMO L2 E A INTERFERÊNCIA DA MARCAÇÃO NÃO-MANUAL NA MUDANÇA DE SIGNIFICADO Diego Teixeira de Souza 1 UNISINOS 1 Introdução No processo de

Leia mais

A Lingüística de Chomsky em contraposição ao Estruturalismo e ao. Behaviorismo

A Lingüística de Chomsky em contraposição ao Estruturalismo e ao. Behaviorismo A Lingüística de Chomsky em contraposição ao Estruturalismo e ao Abstract Behaviorismo Candice Glenday * The aim of this article is to present some of the main arguments constitutive of Chomsky s linguistics

Leia mais

Contribuições da comunicabilidade das imagens nos livros didáticos no processo de ensino-aprendizagem para alunos surdos

Contribuições da comunicabilidade das imagens nos livros didáticos no processo de ensino-aprendizagem para alunos surdos CONTRIBUIÇÕES DA COMUNICABILIDADE DAS IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PARA ALUNOS SURDOS ERNANI NUNES RIBEIRO (UFPE). Resumo Resumo de pesquisa de mestrado em educação que

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

Contextualismo e anti-contextualismo

Contextualismo e anti-contextualismo Contextualismo e anti-contextualismo Referências: Cappelen, Herman, and Lepore, Ernie, Insensitive Semantics, Oxford, Blackwell, 2005. Kaplan, David, Demonstratives, in Almog, J., Perry, J., and Wettstein,

Leia mais

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO

(1) PALAVRA TEMA FLEXÃO MORFOLÓGICA RADICAL CONSTITUINTE TEMÁTICO Alina Villalva 1 Radical, tema e palavra são termos familiares à análise morfológica, mas que, de um modo geral, têm sido mal aproveitados pelos diversos modelos que a praticam. Na verdade, estes conceitos

Leia mais

A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano

A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano A relação forma significado em morfologia Maria do Céu Caetano Abstract: With this short paper I intend to contrast two of the main morphological analysis models, i.e. the structuralist model (cf. Bloomfield

Leia mais

Aquisição da linguagem oral e escrita

Aquisição da linguagem oral e escrita Aquisição da linguagem oral e escrita Castilho Francisco Schneider INTRODUÇÃO Behavioristicamente, o termo aquisição de linguagem pode ser aceito sem questionamentos. Já sob o enfoque chomskiano, parece-nos

Leia mais

O processo de identificação de itens ambíguos Nome ou Adjetivo por falantes adultos do PB

O processo de identificação de itens ambíguos Nome ou Adjetivo por falantes adultos do PB O processo de identificação de itens ambíguos Nome ou Adjetivo por falantes adultos do PB Raquel Fellet Lawall (UFJF) a Maria Cristina Name (UFJF) b RESUMO: Investiga-se o papel de diferentes propriedades

Leia mais

Maria Carlota ROSA. Introdução à (Bio)Linguística. Linguagem e Mente. São Paulo SP: Contexto. 2010. 207 pp. ISBN: 978-85-7244-469-9

Maria Carlota ROSA. Introdução à (Bio)Linguística. Linguagem e Mente. São Paulo SP: Contexto. 2010. 207 pp. ISBN: 978-85-7244-469-9 João Veloso 247 Maria Carlota ROSA. Introdução à (Bio)Linguística. Linguagem e Mente. São Paulo SP: Contexto. 2010. 207 pp. ISBN: 978-85-7244-469-9 João Veloso jveloso@letras.up.pt Faculdade de Letras

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA. Profa. Conchita Kennedy Dantas

A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA. Profa. Conchita Kennedy Dantas A CRIANÇA BILÍNGUE: INFLUÊNCIAS DO BILINGUISMO SOBRE O DESENVOLVIMENTO INFANTIL ESCOLA PAN AMERICANA DA BAHIA Profa. Conchita Kennedy Dantas Bilingüismo Segundo alguns investigadores as crianças expostas

Leia mais

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO

MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO MATÉRIA DE CONTEÚDO (semioticamente amorfa) SUBSTÂNCIA DE CONTEÚDO (semioticamente formada) SIGNO FORMA DE CONTEÚDO FORMA DE EXPRESSÃO SUBSTÂNCIA DE EXPRESSÃO (semioticamente formada) MATÉRIA DE EXPRESSÃO

Leia mais

Austin: dizer é fazer

Austin: dizer é fazer Austin: dizer é fazer Referências: Austin, John L., How to do Things with Words, Oxford, Oxford University Press, 1975. Rodrigues, Adriano, A Partitura Invisível, Lisboa, Colibri, 2001. Searle, John, Speech

Leia mais

LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS

LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS 4511 LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (UENP FAFIJA) Estas reflexões sobre a inclusão de alunos surdos no ensino comum têm o

Leia mais

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER

LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER LINGUAGEM, LÍNGUA, LINGÜÍSTICA MARGARIDA PETTER Duas explicações da Origem do mundo palavra (a linguagem verbal) associada ao poder mágico de criar. Atributo reservado a Deus. Através dela ele criou as

Leia mais

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 241 Letras Libras INSTRUÇÕES 1. Confira,

Leia mais

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem

Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Linguística As Dicotomias Linguísticas e a Dupla Articulação da Linguagem Profª. Sandra Moreira Conteúdo Programático As Dicotomias Linguísticas Sincronia versus Diacronia Língua versus Fala Significante

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

Programa da Unidade Curricular

Programa da Unidade Curricular Unidade Curricular: ECTS: Carga horária: Ano Lectivo: Semestre(s): Docente(s): O Estudo da Linguagem Humana 6 ECTS 4h/semana 2014-2015 S1 Marina Vigário Objectivos de aprendizagem: Esta disciplina visa

Leia mais

ESTUDO DAS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS DO PORTUGUÊS DO BRASIL: Autora: Kariny Cristina de Souza Raposo (kd-raposo@uol.com.br)

ESTUDO DAS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS DO PORTUGUÊS DO BRASIL: Autora: Kariny Cristina de Souza Raposo (kd-raposo@uol.com.br) Dissertação de Mestrado ESTUDO DAS EXPRESSÕES IDIOMÁTICAS DO PORTUGUÊS DO BRASIL: UMA PROPOSTA DE SISTEMATIZAÇÃO Autora: Kariny Cristina de Souza Raposo (kd-raposo@uol.com.br) Orientador: Prof. Dr. Hugo

Leia mais

TEORIA GERATIVA E AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM*

TEORIA GERATIVA E AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM* 115 TEORIA GERATIVA E AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM* Marina R. A. Augusto Prof. Assistente do Dep. de Letras e Artes RESUMO Este artigo tem como objetivo explorar as relações e pressupostos assumidos em relação

Leia mais

Unidade: O Gerativismo de Chomsky. Unidade I:

Unidade: O Gerativismo de Chomsky. Unidade I: Unidade: O Gerativismo de Chomsky Unidade I: 0 Unidade: O Gerativismo de Chomsky A Gramática Gerativa Até os anos 50 foram as correntes estruturalistas que dominaram o cenário dos estudos linguísticos

Leia mais

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues

IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO. Adriano Duarte Rodrigues IMPLICAÇÕES DO ESTUDO DAS INTERACÇÕES VERBAIS PARA O ESTUDO DA LINGUAGEM E DA COMUNICAÇÃO Adriano Duarte Rodrigues Nesta última sessão do nosso curso, vou tentar esboçar algumas das mais importantes implicações

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos TÓPICOS LINGUÍSTICOS: SINTAXE NA LIBRAS Magno Pinheiro de Almeida (UEMS/UFMS) mpa_magno@hotmail.com Miguél Eugenio Almeida (UEMS) mealmeida_99@yahoo.com.br A língua já não é agora livre, porque o tempo

Leia mais

O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA

O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA O IMPACTO DO CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA LÍNGUA MATERNA NA APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Leandro Leal (UFG Campus Jataí) Neuda Alves do Lago (UFG Campus Jataí) RESUMO: A influência do conhecimento

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES

O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES O APAGAMENTO DO RÓTICO EM CODA SILÁBICA NA ESCRITA DE ESTUDANTES CATUENSES Geisa Borges da Costa RESUMO: O presente trabalho, pautando-se nos pressupostos teóricos da sociolingüística quantitativa variacionista,

Leia mais

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação

Guião 1 Anexo (v1.0) 2. Do léxico à frase 2.1. Classes de palavras e critérios para a sua identificação F a c u l d a d e d e L e t r a s d a U n i v e r s i d a d e d e L i s b o a D e p a r t a m e n t o d e L i n g u í s t i c a G e r a l e R o m â n i c a E s t r u t u r a d a s F r a s e s e m P o r

Leia mais

Avaliação da Articulação em Português Europeu: As Provas Sons em Palavras e Estimulação do Teste CPUP

Avaliação da Articulação em Português Europeu: As Provas Sons em Palavras e Estimulação do Teste CPUP Originalmente publicado em: MACHADO, C.; ALMEIDA, L.; GONÇALVES, M. e RAMALHO, V. (Org.) (Outubro de 2006). Actas da XI Conferência Internacional de Avaliação Psicológica: Formas e Contextos. Braga: Universidade

Leia mais

ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DE TRADUÇÃO SINTÁTICAS EM TEXTOS TRADUZIDOS POR ALUNOS DE LETRAS

ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DE TRADUÇÃO SINTÁTICAS EM TEXTOS TRADUZIDOS POR ALUNOS DE LETRAS ANÁLISE DAS ESTRATÉGIAS DE TRADUÇÃO SINTÁTICAS EM TEXTOS TRADUZIDOS POR ALUNOS DE LETRAS Marilia Bezerra Cacho 1 Sinara de Oliveira Branco 2 Resumo Partindo da hipótese de que a tradução pode ser utilizada

Leia mais

O tratamento do adjetivo atributivo na Head-driven Phrase Structure Grammar (HPSG)*

O tratamento do adjetivo atributivo na Head-driven Phrase Structure Grammar (HPSG)* O tratamento do adjetivo atributivo na Head-driven Phrase Structure Grammar (HPSG)* Albano Dalla Pria Faculdade de Ciências e Letras - Universidade Estadual Paulista (UNESP) - Caixa Postal 174 - cep 14.800-901

Leia mais

Linguístico: Uma Proposta de Reconhecedor Gramatical Usando Tecnologia Adaptativa

Linguístico: Uma Proposta de Reconhecedor Gramatical Usando Tecnologia Adaptativa Linguístico: Uma Proposta de Reconhecedor Gramatical Usando Tecnologia Adaptativa 1 Ana Contier, Djalma Padovani, João José Neto Resumo Este trabalho faz uma breve revisão dos conceitos de Tecnologia Adaptativa,

Leia mais

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS

LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS LICENCIATURA DUPLA EM ESPANHOL E PORTUGUES E RESPECTIVAS LITERATURAS Curso 1/20D Ingresso a partir de 2007 NÍVEL I Introdução à Pesquisa em Letras Codicred: 1216A-02 Ementa: Compreensão da linguagem como

Leia mais

Lógica Computacional

Lógica Computacional Aula Teórica 1: Apresentação António Ravara Simão Melo de Sousa Departamento de Informática, Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa Departamento de Informática, Faculdade Engenharia,

Leia mais

INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS

INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS INSTITUTO DE LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRA VERNÁCULAS PROJETO DE PESQUISA O LÉXICO NO LIVRO DIDÁTICO PROFA. ALBA VALÉRIA SILVA SALVADOR 2013.2 SUMÁRIO 1 RESUMO... 3 2 INTRODUÇÃO... 3 3 RELEVÂNCIA PARA A

Leia mais

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental

Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental - SEPesq Os Gêneros Discursivos: uma perspectiva dialógica de ensino de língua portuguesa no Ensino Fundamental Renata Faria A. Silva da Rosa Mestranda Letras/Linguística PPGL PUCRS renata.faria@acad.pucrs.br

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO: REPENSANDO A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA

NOVAS TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO: REPENSANDO A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA NOVAS TECNOLOGIAS EM EDUCAÇÃO: REPENSANDO A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Maria Elisabete Mariano dos SANTOS *, Edemilson J.R. BRANDÃO ** Universidade de Passo Fundo - Passo Fundo/RS. Resumo:

Leia mais

Ao se adaptar para o "quantificador"' QUALQUER, do português, a

Ao se adaptar para o quantificador' QUALQUER, do português, a SOBRE O COMPORTAMENTO SEMÂNTICO DE "QUALQUER" Márcio Renato Guimarães Ao se adaptar para o "quantificador"' QUALQUER, do português, a análise feita por Vendler (1967) para o ANY do inglês, uma ressalva

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO AQUISIÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA

UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO AQUISIÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO AQUISIÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM EM CRIANÇAS EM SITUAÇÃO DE RISCO, NA IDADE PRÉ-ESCOLAR ANEXOS MESTRADO

Leia mais

GRAMÁTICA PORTUGUESA 1 (Sintaxe-Semântica)

GRAMÁTICA PORTUGUESA 1 (Sintaxe-Semântica) FACULTADE DE FILOLOXÍA DEPARTAMENTO DE FILOLOXÍA GALEGA GRAMÁTICA PORTUGUESA 1 (Sintaxe-Semântica) José Luís Forneiro Pérez GUÍA DOCENTE E MATERIAL DIDÁCTICO 2015/2016 FACULTADE DE FILOLOXÍA. DEPARTAMENTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO Joaquim Cesar Cunha dos Santos ATIVIDADE 07 DISCIPLINA:

Leia mais

Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF. Todas as cidades são comuns, complexas e diversas. Esse é o argumento que

Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF. Todas as cidades são comuns, complexas e diversas. Esse é o argumento que Ordinary Cities: Between Modernity and Development Jennifer Robinson New York: Routledge, 2006, 204 p. Vera F. Rezende Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo- UFF Todas as cidades são comuns,

Leia mais

PROGRAMA DE PSICOLOGIA

PROGRAMA DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PSICOLOGIA 12ª Classe 2º CICLO DO ENSINO SECUNDÁRIO Disciplina Opcional Ficha Técnica TÍTULO: Programa de Introdução ao Psicologia - 12ª Classe EDITORA: INIDE IMPRESSÃO: GestGráfica, S.A. TIRAGEM:

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

Modelos de Desenho Curricular

Modelos de Desenho Curricular Modelos de Desenho Curricular Introdução Quando se planificam aulas, parte-se, frequentemente, de uma concepção restrita de currículo que tende a preocupar-se apenas em definir o programa, isto é, em decidir

Leia mais

O que significa Morfologia

O que significa Morfologia Morfologia Revisão O que significa Morfologia A palavra Morfologia tem sua origem a partir das formas gregas morphê, 'forma' e logos, 'estudo, tratado'. Então: Morfologia significa 'o estudo da forma'.

Leia mais

Possibilidade relativa

Possibilidade relativa Page 1 of 7 criticanarede.com ISSN 1749-8457 30 de Setembro de 2003 Metafísica e lógica filosófica Possibilidade relativa Três concepções Desidério Murcho Segundo a concepção de Bob Hale (1997) e Ian McFetridge

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o

Esta é uma breve análise de uma peça publicitária impressa que trabalha com o Chapeuzinho Vermelho ou Branca de Neve? O sincretismo imagem, texto e sentido. 1 Autor: Fernanda Rodrigues Pucci 2 Resumo: Este trabalho tem por objetivo analisar um anúncio de publicidade impressa em

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves, António Branco

Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves, António Branco Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves, António Branco Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa Abstract This paper describes the CINTIL-Treebank Online Searcher, a freely available

Leia mais

Compreensão/Expressão oral

Compreensão/Expressão oral ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL 3º C.E.B DISCIPLINA: Português ANO: 7º ANO : 2011/2012 SEQUÊNCIA 1 COMPETÊNCIAS/ Compreensão/Expressão oral Dispor-se a escutar. LEITURA

Leia mais

LINGU(AGEM)ÍSTICA E A CIÊNCIA COGNITIVA: OS CAMINHOS DA FACULDADE DA LINGUAGEM 1

LINGU(AGEM)ÍSTICA E A CIÊNCIA COGNITIVA: OS CAMINHOS DA FACULDADE DA LINGUAGEM 1 LINGU(AGEM)ÍSTICA E A CIÊNCIA COGNITIVA: OS CAMINHOS DA FACULDADE DA LINGUAGEM 1 Sueder Souza - UTFPR 2 RESUMO: Buscamos apresentar aqui os caminhos que a área da linguística percorreu até obter seu estatuo

Leia mais

Semiótica Funcionalista

Semiótica Funcionalista Semiótica Funcionalista Função objetivo, finalidade Funcionalismo oposto a formalismo entretanto, não há estruturas sem função e nem funções sem estrutura 2 Abordagens Básicas Signo função estrutural função

Leia mais

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO.

A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. A TEORIA DA PROPOSIÇÃO APRESENTADA NO PERIÉRMENEIAS: AS DIVISÃO DAS PRO- POSIÇÕES DO JUÍZO. Ac. Denise Carla de Deus (PIBIC/CNPq/UFSJ 2000-2002) Orientadora: Prof. Dra. Marilúze Ferreira Andrade e Silva

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO. Jean Piaget

DESENVOLVIMENTO COGNITIVO. Jean Piaget DESENVOLVIMENTO COGNITIVO Jean Piaget JEAN PIAGET Jean William Fritz Piaget nasceu a 9 de Agosto de 1896 em Neuchâtel e faleceu a 16 de Setembro de 1980 em Genebra. Estudou inicialmente Biologia, na Suíça,

Leia mais

A LINGÜÍSTICA ONTEM E HOJE

A LINGÜÍSTICA ONTEM E HOJE A LINGÜÍSTICA ONTEM E HOJE Daniela Araujo * RESUMO: Este trabalho escreve sobre a importância dos estudos em Lingüística, enfatizando os estudos de Ferdinand de Saussure(1974), fazendo um breve panorama

Leia mais

2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 8.º ANO

2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 8.º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS ESCOLA BÁSICA 2.3 POETA BERNARDO DE PASSOS PORTUGUÊS 2015/2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL 8.º ANO (cerca de 165 aulas) 1 ORALIDADE Interpretar discursos orais com diferentes

Leia mais

ANÁLISE SEMÂNTICO-POLISSÊMICA NA MÚSICA VENDO A VISTA

ANÁLISE SEMÂNTICO-POLISSÊMICA NA MÚSICA VENDO A VISTA ANÁLISE SEMÂNTICO-POLISSÊMICA NA MÚSICA VENDO A VISTA Janaina Quintino Faria (G-CLCA-UENP/CJ) Luana Carla Barros (G-CLCA-UENP/CJ) Valdinei Gonçalves De Oliveira (G-CLCA-UENP/CJ) Eva Cristina Francisco

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS Escola Básica 2/3 de Pedrouços Planificação de Português 7. 7ºano de escolaridade Ano letivo 2012/2013 Expressão oral Compreensão oral 1. o Período (+-64 aulas ) ))))))))646464+66666646

Leia mais

RESPOSTA FÍSICA TOTAL

RESPOSTA FÍSICA TOTAL RESPOSTA FÍSICA TOTAL Valdelice Prudêncio Lima UEMS João Fábio Sanches Silva UEMS O método apresentado é baseado na coordenação da fala e da ação, desenvolvido por James Asher, professor de psicologia

Leia mais

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O

Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O Linguística P R O F A. L I L L I A N A L V A R E S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A D A I N F O R M A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E D E B R A S Í L I A Conceito Ciência que visa descrever ou explicar

Leia mais

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze

Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Filosofia, Arte e Ciência : modos de pensar o acontecimento e o virtual segundo Gilles Deleuze Catarina Pombo Nabais No seu último livro, intitulado O que é a Filosofia?, Deleuze e Guattari desenham uma

Leia mais

Buscador Online do CINTIL-Treebank. Patricia Nunes Gonçalves & António Branco Universidade de Lisboa

Buscador Online do CINTIL-Treebank. Patricia Nunes Gonçalves & António Branco Universidade de Lisboa Buscador Online do CINTIL-Treebank Patricia Nunes Gonçalves & António Branco Universidade de Lisboa Abstract This paper describes the CINTIL-Treebank Online Searcher, a freely available online service

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software

De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software De Arte a Ciência: Regras para o Desenho de Software Neste artigo é apresentado um conjunto de regras de desenho um padrão de desenho universal associado ao princípio fundamental e aos requisitos axiomáticos.

Leia mais

RECURSOS DA INTERNET PARA O USO PEDAGÓGICO NAS AULAS DE

RECURSOS DA INTERNET PARA O USO PEDAGÓGICO NAS AULAS DE RECURSOS DA INTERNET PARA O USO PEDAGÓGICO NAS AULAS DE Resumo MATEMÁTICA Ana Paula R. Magalhães de Barros 1 / UNESP Rúbia Barcelos Amaral 2 /UNESP Devido ao aumento da oferta de recursos tecnológicos

Leia mais

TEORIA DE J. BRUNER. importância das influências sociais. J. Bruner et al. (1966) Studies in cognitive growth. New York. John Wiley & Sons.

TEORIA DE J. BRUNER. importância das influências sociais. J. Bruner et al. (1966) Studies in cognitive growth. New York. John Wiley & Sons. FCTUC - Psicologia Educacional II - 05/06 Bruner 1 TEORIA DE J. BRUNER Jerome BRUNER USA (1915-) construtivista aluno activo métodos activos método da descoberta socio-interaccionista importância das influências

Leia mais

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque EU GOSTO DE DOCE E EU VI A ELE NA PERSPECTIVA DA TEORIA DO CASO Daniel Mateus O Connell 1 INTRODUÇÃO O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque diferente. Até então, as pesquisas

Leia mais

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I:

Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I. Unidade I: Unidade: Os Níveis de Análise Linguística I Unidade I: 0 OS NÍVEIS DE ANÁLISE LINGUÍSTICA I Níveis de análise da língua Análise significa partição em segmentos menores para melhor compreensão do tema.

Leia mais

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1

PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 PONTO DE CONTATO: Transferência da Palatalização do Português para o Inglês 1 Mestranda Neliane Raquel Macedo Aquino (UFT) Resumo: A aprendizagem de uma língua estrangeira LE possibilita transferências

Leia mais

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS

PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E SEMÂNTICO PARA SENTENÇAS DO PORTUGUÊS Estudos Lingüísticos XXVI (Anais de Seminários do GEL) Trabalho apresentado no XLIV Seminário do GEL na UNITAU - Taubaté, em 1996 UNICAMP-IEL Campinas (1997), 352-357 PARSER: UM ANALISADOR SINTÁTICO E

Leia mais

MORFOLOGIA CATEGORIAL: UM OLHAR SEMÂNTICO SOBRE A MORFOLOGIA

MORFOLOGIA CATEGORIAL: UM OLHAR SEMÂNTICO SOBRE A MORFOLOGIA MORFOLOGIA CATEGORIAL: UM OLHAR SEMÂNTICO SOBRE A MORFOLOGIA LIVY REAL (Universidade Federal do Paraná) ABSTRACT: This work points a semantic approach (strongly based on Bayer (1997)) to the morphological

Leia mais

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva

Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva Marta Kohl de Oliveira Algumas Contribuições da Psicologia Cognitiva A criança que chega à escola é um indivíduo que sabe coisas e que opera intelectualmente de acordo com os mecanismos de funcionamento

Leia mais

TÓPICO III: INTRODUÇÃO A UMA ABORDAGEM FORMAL DA GRAMÁTICA 1. Teoria X-barra (ou: dos Constituintes Sintáticos)

TÓPICO III: INTRODUÇÃO A UMA ABORDAGEM FORMAL DA GRAMÁTICA 1. Teoria X-barra (ou: dos Constituintes Sintáticos) Universidade de São Paulo Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas Letras Clássicas e Vernáculas Sintaxe do Português I FLC0277 Maria Clara Paixão de Sousa TÓPICO III: INTRODUÇÃO A UMA ABORDAGEM

Leia mais