PERFIL DO ADMINISTRADOR HOSPITALAR EM GOIÂNIA - GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DO ADMINISTRADOR HOSPITALAR EM GOIÂNIA - GOIÁS"

Transcrição

1 5, 6 e 7 de Agosto de 2010 ISSN PERFIL DO ADMINISTRADOR HOSPITALAR EM GOIÂNIA - GOIÁS Tereza Cristina Pinheiro de Lima (Pontifícia Universidade Católica de Goiás) Crisane Henrique Monteiro (Pontifícia Universidade Católica de Goiás) O presente artigo tem como objetivo identificar e caracterizar o perfil do administrador hospitalar de Goiânia. A base de dados da pesquisa para identificar os hospitais em Goiânia - Goiás, foi constituída através da Associação dos Hospitaiis do Estado de Goiás - AHEGO. Na base de dados da AHEGO consta o registro de 52 hospitais, institutos e maternidades. Foi aplicado questionário em 18 administradores das instituições hospitalares totalizando 34,61 % dos hospitais. Os resultados indicam que Através da pesquisa e da tabulação dos dados, pode-se observar que na amostra pesquisada 50% dos administradores de hospitais são do sexo masculino, com faixa etária entre 26 e 35 anos ( 44,5%) e 50% dos administradores são do sexo feminino, com faixa etária entre 36 a 45 anos (34%); 61% dos administradores são nascidos em Goiás; 83,7% são casados; 39% dos administradores possuem apenas 1 filho; 93,4% são graduados em nível superior, com predominância para 58 % formados em Administração, sendo que 27,8% dos administradores concluíram a graduação na Pontifícia Universidade Católica de Goiás. 89% possuem curso de pós-graduação sendo que 63% se especializaram em Administração Hospitalar. Declaram que se mantém atualizados através de cursos de curta duração (50%) e congressos (20%). A terminologia de seus cargos é administrador (78%). O tempo de exercício no cargo atual é mais de 10 anos (44%), com uma jornada semanal de trabalho de 40 h semanais para 61% e como renda mensal recebem de 10 a 17 salários mínimos (60%). Palavras-chaves: administração hospitalar, gestão de pessoas, perfil sócio-econômico, perfil profissional.

2 INTRODUÇÃO A administração hospitalar é uma área da administração que está se expandindo cada vez mais. O aumento crescente da estrutura hospitalar aumentou também a complexidade do seu funcionamento. Para que um hospital seja administrado com sucesso, é indispensável que possua em seu quadro de pessoal, um profissional técnico e conceitualmente preparado para gerir os seus recursos humanos, financeiros, materiais e tecnológicos. Administrar um hospital é uma tarefa complexa, pois envolve o conhecimento sobre a área da saúde, juntamente com as técnicas e conhecimentos de administração de empresas. O presente artigo tem como objetivo identificar e caracterizar o perfil do administrador hospitalar de Goiânia. Pretende-se para o alcance desse objetivo, pesquisar nos hospitais de Goiânia quem são os seus administradores; levantar dados específicos sobre suas características pessoais, sociais e profissionais; questionar nos hospitais administrados por médicos o motivo pelo qual não contratam administradores formados e analisar nos hospitais administrados por profissionais da administração porque eles contratam administradores formados. O estudo justifica-se pela curiosidade e interesse da pesquisadora em relação à área da administração hospitalar, tendo como objetivo o aprofundamento e entendimento do papel e do perfil do administrador que atua nos hospitais de Goiânia. Para tanto, estudou as teorias que explicam o perfil do administrador, suas funções, habilidades e atitudes, bem como, os conceitos e discussões que envolvem a administração hospitalar e os hospitais existentes em Goiânia-Goiás, buscando contextualizar o universo da pesquisa. Discutiu-se também, estudos que colaboraram para responder os objetivos específicos de levantar os dados sobre os hospitais existentes em Goiânia cadastrados na Associação dos Hospitais do Estado de Goiás; pesquisar nos hospitais de Goiânia quem são os seus administradores; levantar dados específicos sobre suas características pessoais, sociais e 7

3 profissionais; questionar nos hospitais administrados por médicos o motivo pelo qual não contratam administradores formados e analisar nos hospitais administrados por profissionais da administração porque eles contratam administradores formados. A pesquisa e análise dos dados partiram da necessidade de responder a seguinte problematização: qual o perfil do administrador hospitalar de Goiânia e se os hospitais são administrados por médicos ou por administradores formados e ainda, confirmar ou refutar a hipótese de os hospitais de Goiânia são administrados por profissionais graduados em Administração. A base de dados da pesquisa foi constituída a partir da Associação dos Hospitais do Estado de Goiás - AHGO. Foram 52 hospitais e institutos filiados a AHGO que formaram a amostra para a base de dados. A pesquisa foi realizada através do envio de questionários para os 52 hospitais e institutos, sendo retornados 18 questionários respondidos, totalizando 34,61% dos hospitais de Goiânia. Por fim apresenta-se a análise dos dados fundamentada com a teoria, questionários e entrevistas respondendo a questões que envolvem a construção do conhecimento sobre o perfil do administrador dos hospitais em Goiânia/GO. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA ADMINISTRAÇÃO A Administração é um fenômeno do mundo moderno que abrange todo tipo de organização. Toda empresa necessita de coordenação, tomada de decisões, avaliação de objetivos, coordenação de atividades e pessoas, planejamento, estabelecimento de metas e objetivos, independente de seu ramo de atuação e/ou atividade. Chiavenato (2000, p. 17), afirma que: Administração significa a maneira de governar organizações ou parte delas. È o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos organizacionais para alcançar determinados objetivos de maneira eficiente e eficaz. Segundo Maximiano (2000, p. 26), a administração é um processo de tomar decisões e realizar ações que compreende quatro processos principais interligados: planejamento, 8

4 organização, execução e controle. Em uma época de mudanças e incertezas, a administração tornou-se o centro da atividade humana. O mundo moderno se caracteriza por organizações nas quais o esforço cooperativo do homem é a base fundamental da sociedade. A tarefa básica da administração é fazer as coisas por meio das pessoas de maneira eficiente e eficaz. A abordagem da escola da administração científica se baseia na tentativa de aplicação dos métodos da ciência aos trabalhos operacionais a fim de aumentar a eficiência e a eficácia no trabalho. Assim, buscando um um resgate histórico nos estudos de Maximiano (2000, p. 56): A pessoa que transformou o debate sobre eficiência num conjunto de princípios e técnicas foi Frederick Winslow Taylor, líder de um grupo que promoveu o movimento da administração científica. Em essência, os princípios e as técnicas criados por esse movimento procuravam aumentar a eficiência dos trabalhadores por meio da racionalização do trabalho. O autor acima, afirma ainda que a organização é um sistema de recursos complexos que procura realizar objetivos. Um sistema é um todo complexo e organizado, formado de partes ou elementos que interagem. Um empreendimento humano moldado intencionalmente para atingir determinados objetivos. As organizações assumem várias formas organizacionais em diferentes épocas e ambientes de acordo com seus objetivos, missão e valores, buscando uma estrutura organizacional (divisão do trabalho, níveis hierárquicos, departamentalização, controle) que possibilite realizar seus objetivos. Conforme Maximiano (2000, p. 325): O modelo de estrutura organizacional é uma solução estável, porém dinâmica, que deve ser capaz de atender a situações que podem variar de um momento para outro. Para um administrador, é importante compreender as características básicas dos modelos organizacionais e as variáveis situacionais que os influenciam. As funções administrativas são conjuntos de tarefas interdependentes. Cada uma das funções contribui para a realização da missão, propósito ou tarefa total de uma organização. Planejar como primeira função administrativa consiste na tomada antecipada de decisões sobre o que fazer antes da ação ser necessária e existem três níveis: planejamento estratégico, tático e operacional. A função organizar é a função administrativa que determina e agrupa as atividades necessárias ao alcance dos objetivos e as atribui às respectivas posições e pessoas. Maximiano 9

5 (2000, p. 295), afirma que, organizar são conjuntos de tarefas interdependentes. Cada uma das funções contribui para a realização da missão, propósito ou tarefa total de uma organização. Para que os objetivos possam ser alcançados, os planos, executados e as pessoas possam trabalhar eficientemente, as atividades precisam ser adequadamente agrupadas de maneira lógica e a autoridade distribuída de maneira a evitar conflitos e confusões. Assim, a função de direção se relaciona diretamente com a maneira pela qual objetivos devem ser alcançados por meio da atividade das pessoas que compõem a organização. Significa interpretar os planos para outros e dar as instruções sobre como executá-los em direção aos objetivos a atingir. Conforme Chiavenato (2000, p. 143): A direção constitui a terceira função administrativa e vem depois do planejamento e da organização. A direção está relacionada à ação e tem a ver com as pessoas. As pessoas precisam ser dinamizadas em seus cargos e funções, treinadas e guiadas e motivadas para alcançarem os resultados que delas se esperam. Para dirigir os subordinados, o administrador, em qualquer nível da organização, precisa comunicar, liderar e motivar As teorias sobre estilos de direção ou liderança prescrevem um estilo particular de conduta do líder que provoque resultados finais e satisfação das pessoas. Outra função, não menos importante, refere-se ao controle cuja finalidade está em assegurar que os resultados do que foi planejado, organizado e dirigido sejam realizados. O controle consiste fundamentalmente em um processo que guia a atividade exercida para um fim previamente determinado. As empresas enfrentam hoje muitos desafios e oportunidades, entre eles a globalização, a mudança tecnológica e a desregulamentação. Sua resposta a isso é investir no papel do administrador e seu perfil de competências, com conhecimentos, habilidades e atitudes que possibilitem a gestão dos objetivos organizacionais com lucratividade e responsabilidade social, atendendo ao interesse de seus clientes e da sociedade maior. O administrador é o responsável pela condução de uma organização. É ele quem vai guiar e orientar os membros da organização para que, em conjunto, atinjam os resultados esperados. Para isso torna-se necessário o desenvolvimento de habilidades técnicas (conhecimentos, 10

6 métodos, técnicas e equipamentos necessários para a realização de suas tarefas específicas:; habilidade humana (trabalhar com pessoas) e habilidade conceitual (compreender a organização e sua complexidade). O administrador detém uma multiplicidade de papéis que envolvem papeis interpessoais, papel de liderança, de coordenação de equipes de trabalho, elo de ligação entre a sua e outras organizações, coletar e disseminar informações que seja relevantes para sua empresa, papel de porta-voz, papel de decisão, administração de conflitos, solucionador de problemas, negociador, alocador de recursos, (MAXIMIANO, STONER E FREEMAN, MINTZBERG, 2000). Contextualizando o campo de pesquisa torna-se relevante compreender o hospital como uma empresa que presta serviços. Sendo uma empresa, ele é também um sistema, composto de elementos interligados, que buscam resultados positivos e o melhor funcionamento da organização, para atender e satisfazer seus clientes, possuindo uma meta em comum: a cura do paciente. CHERUBIM (2005, p.10) afirma que: O hospital é um estabelecimento complexo, não só pela própria natureza da sua atividade, que é a de assistir pessoas acometidas de algum tipo de doença, mas também pela sua própria composição física funcional. É nele que se encontram equipamentos e instalações muito sofisticadas, que exigem redobrada atenção para que suas ações possam ser desenvolvidas a contento. Foi a partir da década de 1960 que as autoridades que se dedicavam à administração hospitalar, passaram a se preocupar mais com a organização e o planejamento dos hospitais. Com isso, o hospital passa a ser visto como uma empresa. (PEREIRA et al. 2005) Segundo MEZOMO (1992), o hospital é visto tradicionalmente como uma organização de serviços, porque o paciente é submetido a um processo de cuidados individualizados, que busca atender às suas necessidades específicas. Mas o hospital possui também características industriais, porque além de atender os pacientes, os hospitais de grande porte processam milhares de quilos de roupas todos os dias; seus laboratórios testam grande quantidade de sangue e outros fluídos corporais; sua cozinha produz e serve mais refeições por dia do que muitos grandes restaurantes em algumas semanas ou meses,etc. E para que todos esses processos se desenvolvam da melhor forma possível, é necessário o uso da administração no ambiente hospitalar. 11

7 Segundo BORBA E LISBOA (2006, p. 32) e Cobra (2001), as organizações hospitalares são prestadoras de serviços e diferem das produtoras de bens, caracterizando-se pela intangibilidade (não pode ser armazenado, não tem aparência estética, gosto, cheiro), inseparabilidade (o serviço é consumido pelo paciente ao mesmo tempo em que está sendo produzido), variabilidade ( uma série de circunstâncias que se apresentam no momento da prestação do serviço) e a perecibilidade (não pode ser estocado). A administração hospitalar também tem sua história. BORBA E LISBOA (2006, p. 32) conceituam a administração hospitalar como o conjunto de princípios e atividades que envolvem o planejamento, organização, direção e controle das ações praticadas por gestores de instituições de saúde das redes públicas e privadas. Os hospitais, como qualquer organização, são compostos por um sistema. E as partes deste sistema devem estar integradas e em harmonia, para que este funcione da melhor maneira possível. Nos hospitais, a tecnologia é uma variável organizacional, pois, o seu ambiente de tarefa é influenciado pelos novos equipamentos e aparelhos de diagnósticos que chegam na instituição e estão sempre sendo atualizados. De acordo com CHERUBIN ( 2005, p.19): O hospital é o estabelecimento de saúde que mais sofrem investidas no seu comportamento funcional e, principalmente, na sua composição física, envolvendo equipamentos e instalações. São muito freqüentes as inovações, com a introdução de novos métodos que alteram o comportamento dos profissionais no exercício de suas atividades. Segundo CHERUBIM (2005), no hospital ocorrem mudanças bruscas, ás vezes bem expressivas, provocadas pelas exigências de órgãos públicos que comandam a atividade de saúde, pelo corpo clinico, funcionários e pacientes. Para que uma organização seja administrada com sucesso, seja ela uma instituição hospitalar ou não, é necessário que o profissional contratado para atuar neste cargo possua as habilidades e conhecimentos necessários, para aliar teoria e prática e fazer todas as partes do sistema organizacional trabalhar em harmonia. CHERUBIM ( 2005, p. 16) afirma que: 12

8 O hospital é um ambiente onde se desenvolve grande volume de atividades, que devem operar em harmonia. Este efeito indispensável é produzido com maior ou menor intensidade segundo a tônica de liderança exercida pelo administrador. O hospital é o palco onde trabalham vários profissionais de várias especialidades e diferentes matizes. O comum entre eles é o atuar em perfeita consonância para a conquista dos resultados preconizados. O administrador hospitalar, assim como todos os administradores, deve exercer as funções que já foram descritas no início deste trabalho que são: planejar, organizar, dirigir e controlar. Mas essas funções serão aplicadas aos hospitais com mais eficiência eficácia, se o administrador tiver especialização na área hospitalar, juntamente com um curso de administração. Pois é essencial conhecer o funcionamento de um hospital detalhadamente, para se exercer uma administração de sucesso. Segundo Pereira et.al ( 2005, p.27): Como empresa, o hospital tem objetivos, metas e resultados a serem alcançados, e precisa de uma ótima política de suprimentos, finanças e recursos humanos, o que exige aplicação efetiva dos conceitos básicos de administração (planejamento, organização, controle e direção). Todas essas questões implicam a existência e a atuação de um profissional qualificado e especializado, só por seu intermédio poderá ocorrer a implantação de um sistema administrativo capaz de fazer a gestão de todos esses recursos de forma eficiente. Borba, citado por PEREIRA ET AL (2005, p.22), ainda diz que a administração do hospital precisa ser entregue a um profissional formado em administração, com especialização em administração hospitalar. Segundo CHERUBIN (2005, p.18) : A habilitação profissional do administrador hospitalar no Brasil, decorre da criação da Lei nº 4.769, de 9 de setembro de 1965, que regulou a profissão e criou o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Administração. A administração hospitalar é uma especialização da administração geral e o graduado deve inscrever-se nos conselhos regionais de administração para que exerça legalmente sua profissão. De acordo com PEREIRA ET AL (2005), os hospitais brasileiros ainda contam com um número muito reduzido de profissionais para atuar na administração hospitalar. Mas para que o profissional exerça sua função com prestígio e sucesso é necessário que, além de ter uma formação acadêmica bem feita em administração e possuir especialização na área hospitalar, ele deve também possuir outros atributos. Um dos principais atributos que um profissional de administração deve ter é a liderança. 13

9 Manter-se atualizado também é extremamente importante para acompanhar as constantes inovações de tecnologias e procedimentos que ocorrem em um hospital. È fundamental que o administrador esteja atento a velocidade das inovações, acompanhar essas mudanças e investir em suas competências intelectuais, organizacionais, comunicativas, comportamentais, políticas e sociais. ( André e Amboni (1198), citado por PEREIRA;GALVÃO,CHANES (2005, p.17). Os estudos de CHERUBIM (2005) relacionam o perfil de competências que deve ter o administrador hospitalar, a saber: relacionar muito bem com as pessoas; administrar seu tempo; conhecer todos os profissionais com quem trabalha; comunicar bem; improvisar quando necessário; ouvir as pessoas; relacionar-se bem com a entidade proprietária do hospital; conviver bem com seus colaboradores; fazer os profissionais se orgulharem da instituição em que trabalham; solucionar conflitos e discordâncias; participar eficazmente das reuniões; tomar decisões; extrair boas idéias dos profissionais colaboradores; estimular os profissionais; elogiar para motivar; incrementar incentivos; recompensar os profissionais; delegar com resultado; imprimir conduta ética; saber julgar desentendimentos; fazer críticas construtivas; valorizar e estimular o trabalho em equipe; contratar bem os membros da equipe; aplicar treinamento aos profissionais; apreciar o desempenho dos profissionais; reverter resultados adversos; projetar o futuro do hospital; programar mudanças; reorganizar o hospital; primar pela qualidade; realizar parcerias com fornecedores; manter boas relações com os clientes; solucionar as queixas dos clientes; enxergar o hospital através dos doentes ;reestruturar o hospital;gerenciar a terceirização; trabalhar com eficiência e eficácia sempre. PEREIRA ET AL ( 2005, p. 22) diz que: o administrador bem preparado levará o hospital a desenvolver suas atividades com harmonia, agradando plenamente a clientes, colaboradores e corpo clínico. Métodos e Procedimentos A base de dados da pesquisa para identificar os hospitais em Goiânia Goiás, foi constituída através da Associação dos Hospitais do Estado de Goiás AHEGO. Na base de dados da AHEGO consta o registro de 52 hospitais, institutos e maternidades. Em seguida com a base 14

10 de dados, autorização e validação do presidente da AHEGO foram enviadas para o Administrador ou Diretor Administrativo dos hospitais um questionário. O questionário foi estabelecido com base no referencial teórico dos objetivos gerais e específicos, com 19 questões, sendo seis questões abertas e quinze fechadas. Conforme testes realizados o questionário requereu tempo inferior a quinze minutos para preenchimento do administrador hospitalar com a pesquisadora, que recolhia o questionário imediatamente após sua conclusão. Apresentação e análise dos dados Da amostra de 52 hospitais, institutos e maternidades que formaram a base de dados do estudo, foi possível contato com 18 instituições totalizando 34,61% dos hospitais de Goiânia. O presente capítulo tem como objetivo apresentar os dados referentes ao perfil do administrador hospitalar de Goiânia suas características pessoais, seu perfil sócio-econômico, profissional e sua visão sobre a administração e o administrador. Através da pesquisa e da tabulação dos dados, pode-se observar que na amostra pesquisada 55% dos administradores de hospitais são do sexo masculino, com faixa etária entre 26 e 35 anos ( 44,5%) e 45% dos administradores são do sexo feminino, com faixa etária entre 36 a 45 anos (34%); 61% dos administradores são nascidos em Goiás; 83,7% são casados; 39% dos administradores possuem apenas 1 filho residente com os mesmos; 28% possuem 2 filhos; 22% possuem 3 ou mais filhos e 11% não possuem nenhum filho. Dos administradores pesquisados, 93,4% são graduados em nível superior, com predominância para 58 % formados em Administração, 17,6% são formados em Medicina; 12% são graduados em Contabilidade e 5,8 % são graduados no curso de Direito, conforme apresentado na figura a seguir: Figura 1: Curso de Graduação dos Administradores. 15

11 Curso de Graduação 58,8% 60% 50,% 40,% 30,% 20,% 10,% 17,6% 12% 5,8% 5,8% Medicina Administração Contabilidade Direito Outros 0,% Figura 10: Representação gráfica do curso de graduação do administrador hospitalar. Quando questionados sobre a instituição em que fizeram o curso de graduação obteve-se a resposta de que 27,8% dos administradores concluíram a graduação na Pontifícia Universidade Católica de Goiás e 72,2% em outras instituições como: Universidade Salgado de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica de Campinas PUCAMP, Universidade São Camilo do Rio de Janeiro e São Paulo, Universidade Federal de Goiás, Universidade Católica de Salvador, Universidade Federal de Juiz de Fora - MG, Universidade Federal Fluminense RJ e Universidade de Cuiabá UNIC, dentre outras. Quanto a realização de pós-graduação 89% dos administradores de hospitais possuem pós-graduação e 11% não fizeram pós-graduação ainda, sendo que 63% se especializaram em Administração Hospitalar e 31% em outros cursos como: Planejamento estratégico, Gestão Empresarial, Auditoria de saúde, dentre outros e 6% têm pós-graduação em Administração. Os meios de aperfeiçoamento profissional utilizados pelo administrador hospitalar são palestras (50%) seguida de cursos de curta duração para 20 %, congressos (10%), livros (10%) e 10% disseram outros meios em que buscam sua qualificação. Foi questionado sobre a titulação de seu cargo no hospital em que atuam, sendo que 78% recebem o título de administrador; 11% de diretor geral; 5,5% são de gerente geral e 5,5% possuem o título de gerente administrativo financeiro. 16

12 Conforme a figura a seguir, percebe-se o tempo de exercício no cargo atual, sendo que 44% dos administradores estão no cargo hà 10 anos ou mais; 28% dos administradores estão no cargo entre 1 a 3 anos; 28% estão no cargo atual de 4 a 9 anos; e nenhum foi contratado recentemente ( no período de 1 a 6 meses). Constata-se assim que a maioria dos administradores hospitalares (44%) tem muitos anos de experiência na área em que atuam. Figura 02: Tempo de exercício no cargo atual Tempo de exercício no cargo atual 44% 45% 40% 35% 30% 25% 20% 15% 10% 5% 0% 0% 28% 28% 1 a 6 meses 1 a 3 anos 4 a 9 anos 10 anos ou mais No que se refere a jornada semanal de trabalho, os administradores trabalham mais de 40 horas semanais para 61%, 39% trabalham de 20 a 40 horas semanais e nenhum administrador tem uma jornada de até 20 horas por semana. Sobre perfil de competências do Administrador Hospitalar em termos de conhecimentos, habilidades e atitudes, os pesquisados relacionaram as seguintes características: ser organizado, ter conhecimento na área de administração, capacidade técnica, criatividade, dinamismo, visão de futuro, bom senso, ponderação, ética, liderança, disponibilidade de tempo, dedicação, responsabilidade, gostar do que faz e estar atualizado com as mudanças e inovações. Quando questionados sobre a renda mensal, 60 % recebem de 10 a 17 salários mínimos, 30% recebem de 4 a 9 salários mínimos, 10% não responderam e nenhum dos pesquisados recebem de 1 a 3 salários mínimos. 17

13 CONSIDERAÇÕES FINAIS O estudo realizado traçou o perfil do administrador hositalar de Goiânia Goiás, tendo como base de dados da pesquisa 52 instituições registradas na Associação dos Hospitais do Estado de Goiás AHEGO, quando foi aplicado um questionário em 18 administradores totalizando uma amostra de 34,61 % dos hospitais. Os resultados indicam a partir da coleta e análise dos dados que: 55% dos administradores são do sexo masculino, com faixa etária entre 26 e 35 anos ( 44,5%); 45% dos administradores são do sexo feminino, com faixa etária entre 36 a 45 anos (34%); 61% dos administradores são nascidos em Goiás; 83,7% são casados; 39% dos administradores possuem apenas 1 filho; 93,4% são graduados em nível superior, com predominância para 58 % formados em Administração, 27,8% dos administradores concluíram a graduação na Pontifícia Universidade Católica de Goiás; 89% possuem curso de pós-graduação sendo que 63% se especializaram em Administração Hospitalar. 50% se mantém atualizados através de cursos de curta duração e congressos (20%); 78 % dos administradores recebem como denominação de seus cargos no hosital: administrador; 44% estão a mais de 10 anos no exercício do cargo atual; 61% possuem uma jornada semanal de 40 h; 60 % recebem de 10 a 17 salários mínimos. Sobre perfil de competências do Administrador Hospitalar em termos de conhecimentos, habilidades e atitudes, os pesquisados relacionaram as seguintes características: ser organizado, ter conhecimento na área de administração, capacidade técnica, criatividade, dinamismo, visão de 18

14 futuro, bom senso, ponderação, ética, liderança, disponibilidade de tempo, dedicação, responsabilidade, gostar do que faz e estar atualizado com as mudanças e inovações. O estudo realizado alcançou o objetivo de traçar o perfil do administrador hospitalar respondendo a questão de qual era o perfil do administrador dos hospitais em Goiânia, com ênfase na percepção de que os administradores hospitalares são formados em Administração (58%) com pós-graduação na área de Administração Hospitalar ( 63%), confirmando a hipótese de que os hospitais de Goiânia são administrados por profissionais graduados em Administração. O estudo apresentou limitações quanto ao desejo de participação dos profissionais na pesquisa deixando perguntas sem respostas como benefícios recebidos, tarefas realizadas como administrador e por fim, sendo que a última questão era aberta. Sugere-se que novas pesquisas sejam realizadas para aprofundamento do tema em questão. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: ARAÚJO, Luís César Gonçalves de. Organização e Métodos e as Tecnologias de Gestão Organizacional. São Paulo: Atlas, 2006 BARBETTA, Pedro Alberto. Estatística aplicada às ciências sociais. 3.ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, BORBA, Valdir Ribeiro. Teoria geral da administração hospitalar: estrutura e evolução do processo de gestão hospitalar. Rio de Janeiro: Qualitymark, BOWERSOX, Donald J, CLOSS, David J. Logística Empresarial: O processo de integração da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, 2001 CARDOSO, Alberto Lemos, BRITO, Breno Xavier. Administração Financeira Orçamentária. Goiânia: Ucg, 2004 CHIAVENATO, Idalberto. Introdução à teoria geral da administração. 5.ed. São Paulo: Makron Books, CHERUBIN, Niversindo Antonio. A arte de ser um administrador hospitalar líder. 2.ed.São Paulo: Loyola,

15 COBRA, Marcos. Administração de Marketing. São Paulo: Atlas 1997 GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed São Paulo: Atlas,2002 KOTLER, Philip. Administração de Marketing. São Paulo: Person Education, 2006 LAKATOS, Eva Maria; Marconi, Marina de Andrade. Metodologia cientifica. 4. ed. São Paulo; Atlas, MAXIMIANO, Antônio César Amaru. Introdução à Administração. São Paulo: Atlas, 2000 MEGGINSON, Leon C.; MOSLEY, Donald C.; PIETRI, JR., Paul H. Administração: conceitos e aplicações. 4.ed. São Paulo: Harbra, MEZOMO, Joao Catarin. Qualidade hospitalar: reinventando a administração do hospital. São Paulo: Cedas, OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças. Sistemas, Organização e Métodos: uma abordagem gerencial. São Paulo: Atlas, PEREIRA, Luciane Lúcio; GALVÃO, Claudia Raffa; CHANES, Marcelo. Administração hospitalar: instrumentos para a gestão profissional.são Paulo: Loyola, STONER, James A.F; FREEMAN, R. Edward. Administração. 5.ed.São Paulo: Makron Books, YAMAMOTO, Edson. Os novos médicos administradores. São Paulo: Futura,

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br

FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA. drivanmelo@yahoo.com.br FUNDAMENTOS DE ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA drivanmelo@yahoo.com.br ADMINISTRAÇÃO AD Prefixo latino = Junto de AD MINISTRAÇÃO MINISTER Radical = Obediência, Subordinação Significa aquele que realiza uma função

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Estruturas Organizacionais

Estruturas Organizacionais Estruturas Organizacionais Deve ser delineado de acordo com os objetivos e estratégias estabelecidos pela empresa. É uma ferramenta básica para alcançar as situações almejadas pela empresa. Conceito de

Leia mais

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares

Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Rotinas de DP- Professor: Robson Soares Capítulo 2 Conceitos de Gestão de Pessoas - Conceitos de Gestão de Pessoas e seus objetivos Neste capítulo serão apresentados os conceitos básicos sobre a Gestão

Leia mais

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral.

Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos. *Operários (1933) Tarsila do Amaral. Sejam Bem Vindos! Disciplina: Gestão de Pessoas 1 Prof. Patrício Vasconcelos *Operários (1933) Tarsila do Amaral. A Função Administrativa RH É uma função administrativa compreendida por um conjunto de

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu. MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Estratégia e Liderança Empresarial Apresentação O programa de MBA em Estratégia e Liderança Empresarial tem por objetivo preparar profissionais para

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

Desenvolvimento Humano

Desenvolvimento Humano ASSESSORIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Desenvolvimento Humano ADVISORY Os desafios transformam-se em fatores motivacionais quando os profissionais se sentem bem preparados para enfrentá-los. E uma equipe

Leia mais

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG

Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Endomarketing: um estudo de caso em uma agência de uma instituição financeira de Bambuí- MG Bruna Jheynice Silva Rodrigues 1 ; Lauriene Teixeira Santos 2 ; Augusto Chaves Martins 3 ; Afonso Régis Sabino

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012

XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 XII Encontro de Pós-Graduação e Pesquisa Universidade de Fortaleza 22 à 26 de Outubro de 2012 GESTÃO PARTICIPATIVA NA CONSTRUÇÃO DA QUALIDADE DE ENSINO EM COOPERATIVAS EDUCACIONAIS DO PIAUÍ Cyjara Orsano

Leia mais

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos

FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO. Prof.: Daniela Pedroso Campos FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof.: Daniela Pedroso Campos Objetivo Geral: Compreender o que é Administração, o que os administradores fazem e quais os princípios, as técnicas e as ferramentas que direcionam

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA GOIANO PROJETO DE PESQUISA-ETENSÃO MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE

Leia mais

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA

ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA 1 ATIVIDADES DE LINHA E DE ASSESSORIA SUMÁRIO Introdução... 01 1. Diferenciação das Atividades de Linha e Assessoria... 02 2. Autoridade de Linha... 03 3. Autoridade de Assessoria... 04 4. A Atuação da

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br

GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO. Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br GERENCIAMENTO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Guia de Estudo Vamos utilizar para a nossa disciplina de Modelagem de Processos com BPM o guia

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA

FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA FACULDADE ANHANGUERA DE ITAPECERICA DA SERRA Profº Paulo Barreto Paulo.santosi9@aedu.com www.paulobarretoi9consultoria.com.br 1 Analista da Divisão de Contratos da PRODESP Diretor de Esporte do Prodesp

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS 0 UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS LUIZ PAULO RONCHI FREITAS AS FUNÇÕES DA CONTROLADORIA E O PERFIL DO CONTROLLER NAS EMPRESAS INTEGRANTES DOS PRINCIPAIS

Leia mais

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br

Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas comercial@trecsson.com.br PREZADO (A) SENHOR (A) Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres

Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE. Professora Ani Torres Unidade II GESTÃO ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS Professora Ani Torres Gestão de Pessoas Conjunto de métodos, políticas,técnicas e práticas definidos com o objetivo de orientar o comportamento humano

Leia mais

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO

12/02/2012. Administração I. Estrutura da Administração INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO INTRODUÇÃO À TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO Idalberto Chiavenato Conceitos; Evidências históricas; e Estruturando a administração. 1 Administração I Administração é criar um ambiente para o esforço grupal

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão Estratégica de Negócios Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão Estratégica de Negócios tem por objetivo desenvolver a

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO

GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS PRÓ-REITORIA REITORIA DE PÓS P S GRADUAÇÃO E PESQUISA COORDENAÇÃO DE PÓS P S GRADUAÇÃO GESTÃO DE EQUIPE: LIDERANÇA A E COMUNICAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN

ORIENTADOR(ES): JANAÍNA CARLA LOPES, JOÃO ANGELO SEGANTIN, KEINA POLIANA PIVARRO DALMOLIN PAGLIARIN Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: MOTIVAÇÃO HUMANA - UM ESTUDO NA EMPRESA MAHRRY CONFECÇÕES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br

Prezado(a) Sr.(a.) Atenciosamente, Sárgom Ceranto Marketing e Soluções Corporativas. comercial@trecsson.com.br Prezado(a) Sr.(a.) Agradecemos seu interesse em nossos programa de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você está recebendo o programa do curso de Pós-MBA

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César

Teoria Básica da Administração. Liderança e Comunicação. Professor: Roberto César Teoria Básica da Administração Liderança e Comunicação Professor: Roberto César Liderança O líder nasce líder ou aprende a ser líder? Liderar é conhecer a motivação humana e saber conduzir as pessoas a

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Business & Executive Coaching - BEC

Business & Executive Coaching - BEC IAC International Association of Coaching Empresas são Resultados de Pessoas José Roberto Marques - JRM O Atual Cenário no Mundo dos Negócios O mundo dos negócios está cada vez mais competitivo, nesse

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro

O MBA CONTROLLER foi lançado em 1994 e é o mais tradicional MBA do mercado brasileiro MBA Controller Ao cursar o MBA CONTROLLER FIPECAFI/ANEFAC, o aluno convive com pessoas de diferentes perfis entre os mais diversos segmentos de mercado e com a experiência profissional exigida para que

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV

MANUAL DA QUALIDADE Viva Vida Produtos de Lazer Ltda. Manual da Qualidade - MQ V. 1 Sistema de Gestão da Qualidade Viva Vida - SGQVV MANUAL DA QUALIDADE Manual da Qualidade - MQ Página 1 de 15 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE 1 INTRODUÇÃO...3 1.1 EMPRESA...3 1.2 HISTÓRICO...3 1.3 MISSÃO...4 1.4 VISÃO...4 1.5 FILOSOFIA...4 1.6 VALORES...5

Leia mais

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações

O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Projeto Saber Contábil O Papel Estratégico da Gestão de Pessoas para a Competitividade das Organizações Alessandra Mercante Programa Apresentar a relação da Gestão de pessoas com as estratégias organizacionais,

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA

A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL LTDA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 A GESTÃO DE PESSOAS NA ÁREA DE FOMENTO MERCANTIL: UM ESTUDO DE CASO NA IGUANA FACTORING FOMENTO MERCANTIL

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Programa de Capacitação

Programa de Capacitação Programa de Capacitação 1. Introdução As transformações dos processos de trabalho e a rapidez com que surgem novos conhecimentos e informações têm exigido uma capacitação permanente e continuada para propiciar

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre.

R E S O L U Ç Ã O. Artigo 2º - O Currículo, ora alterado, será implantado no início do ano 2000, para os matriculados no 1º semestre. RESOLUÇÃO CONSEPE 30/99 ALTERA O PLANO CURRICULAR E O REGIME DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso da atribuição

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng.

Marcos Antonio Lima de Oliveira, MSc Quality Engineer ASQ/USA Diretor da ISOQUALITAS www.qualitas.eng.br qualitas@qualitas.eng. 01. O QUE SIGNIFICA A SIGLA ISO? É a federação mundial dos organismos de normalização, fundada em 1947 e contanto atualmente com 156 países membros. A ABNT é representante oficial da ISO no Brasil e participou

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia IFMG - campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Empregabilidade: uma análise das competências e habilidades pessoais e acadêmicas desenvolvidas pelos graduandos do IFMG - Campus Bambuí, necessárias ao ingresso no mercado de trabalho FRANCIELE CLÁUDIA

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 350-GR/UNICENTRO, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2013. Aprova, ad referendum do CEPE, o Curso de Especialização em MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no

Leia mais

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE

PMI-SP PMI-SC PMI-RS PMI PMI-PR PMI-PE ESTUDO DE BENCHMARKING EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS 2009 Brasil Uma realização dos Chapters Brasileiros do PMI - Project Management Institute PMI-SP PMI-RJ PMI-AM PMI-SC PMI-BA ANEXO 1 PMI-RS PMI PMI-CE

Leia mais

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS

G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS G P - AMPLITUDE DE CONTROLE E NÍVEIS HIERÁRQUICOS Amplitude de Controle Conceito Também denominada amplitude administrativa ou ainda amplitude de supervisão, refere-se ao número de subordinados que um

Leia mais

O que é Administração

O que é Administração O que é Administração Bem vindo ao curso de administração de empresas. Pretendemos mostrar a você no período que passaremos juntos, alguns conceitos aplicados à administração. Nossa matéria será puramente

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança

Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Especialização em Gestão Estratégica de Pessoas e Liderança Apresentação CAMPUS IGUATEMI Inscrições em Breve Turma 02 --> *Alunos matriculados após o início das aulas poderão cursar as disciplinas já realizadas,

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Qualidade na Saúde. Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF

Qualidade na Saúde. Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF Qualidade na Saúde Patrícia Paula Dias de Sá Residente de Gestão Hospitalar - Administração Hospital Universitário - UFJF De acordo com o Dicionário Aurélio, QUALIDADE consiste na: * Maneira de ser, boa

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES

PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES PROFILE RESUMIDO LIDERANÇA DAS EQUIPES A Prima Consultoria A Prima Consultoria é uma empresa regional de consultoria em gestão, fundamentada no princípio de entregar produtos de valor para empresas, governo

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012.

ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO. Junho de 2012. ANÚNCIO DE VAGA DESCRIÇÃO DO POSTO Posição: Director Executivo Programa Inter Religioso Contra a Malária (PIRCOM) Projecto Academy for Educational Development/Communication for Change (C Change) Supervisor:

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 42-CEPE/UNICENTRO, DE 21 DE DEZEMBRO DE 2012. Aprova o Curso de Especialização MBA em Gestão Estratégica de Organizações, modalidade regular, a ser ministrado no Campus Santa Cruz, da UNICENTRO.

Leia mais

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas

MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas MBA Executivo Liderança e Desenvolvimento de Pessoas Proposta do curso: O curso de MBA Executivo em Liderança e Desenvolvimento de Pessoas proporciona ao participante o conhecimento sobre liderança, motivação

Leia mais

Introdução à Teoria Geral da Administração

Introdução à Teoria Geral da Administração à Teoria Geral da Administração Disciplina: Modelo de Gestão Página: 1 Aula: 01 Página: 2 O mundo em que vivemos é uma sociedade institucionalizada e composta por organizações. Todas as atividades relacionadas

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida;

Gestor-líder: processo dinâmico de criação, habilidade, competência para perceber das limitações do sistema e propor solução rápida; AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Gestão de Políticas Participativas ALUNO(A):Mª da Conceição V. da MATRÍCULA: Silva NÚCLEO REGIONAL:Recife DATA:17/09/2013 QUESTÃO

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE CÓDIGO: SAU532 DISCIPLINA: GESTÃO EMPRESARIAL EM ORGANIZAÇÕES NA ÁREA DA SAÚDE CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Abordagens contemporâneas

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

Ensino Técnico. Qualificação: Qualificação Técnica de Nível Médio de Assistente Administrativo

Ensino Técnico. Qualificação: Qualificação Técnica de Nível Médio de Assistente Administrativo Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS - SP Eixo Tecnológico: Gestão & Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012

ORGANIZAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA Aula 16/02/2012 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE UNIPAC DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua Tiradentes, nº. 66 Centro Uberlândia/MG - Telefax: (34) 3291-2100

Leia mais

Uma empresa especializada em empresas.

Uma empresa especializada em empresas. Sua equipe tem colaborado para que a empresa seja uma das mais competitivas i no mercado? Para avaliar quanto a sua equipe atual está dimensionada, preparada e motivada para os desafios do mercado, você

Leia mais

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas:

Função do órgão GP NEAF. Contexto da GP. Objetivos da GP. Gestão de Pessoas: Gestão de Pessoas: Conceitos, importância, relação com os outros sistemas de organização. Fundamentos, teorias, escolas da administração e o seu impacto na gestão de pessoas. Função do órgão de recursos

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO

ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO Estratégia e Planejamento Corporativo AULA 2 Abril 2015 Diagnóstico da Empresa O que somos, onde estamos, e onde queremos chegar. Alguns definem diagnóstico como etapa que antecede um projeto. Em questões

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL

PORTFÓLIO INSTITUCIONAL PORTFÓLIO INSTITUCIONAL Fundada em 01/08/2006 a PILLAR ASSESSORIA EMPRESARIAL LTDA - ME é uma empresa formada por profissionais capacitados, com o objetivo de prestar assessoria em serviços técnicos e

Leia mais

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES

TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Cassia Uhler FOLTRAN 1 RGM: 079313 Helen C. Alves LOURENÇO¹ RGM: 085342 Jêissi Sabta GAVIOLLI¹ RGM: 079312 Rogério Bueno ROSA¹ RGM:

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL

OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL OFICINA DA PESQUISA DISCIPLINA: COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Apresentar

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES.

UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. UM CAMINHAR DA ADMINISTRAÇÃO E O DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: LIDERANÇA, MOTIVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE EQUIPES. Eder Gomes da Silva 1 Resumo: O presente artigo trazer um estudo teórico buscando adquirir

Leia mais

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano

Empresa como Sistema e seus Subsistemas. Professora Cintia Caetano Empresa como Sistema e seus Subsistemas Professora Cintia Caetano A empresa como um Sistema Aberto As organizações empresariais interagem com o ambiente e a sociedade de maneira completa. Uma empresa é

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivo Geral da Disciplina: Compreender

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO

GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 109 GESTÃO DO CRÉDITO: AVALIAÇÃO DO RISCO, E ANÁLISE PARA TOMADA DE DECISÃO DE CRÉDITO Claudinei Higino da Silva,

Leia mais

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008

RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG POSIÇAO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 Belo Horizonte

Leia mais

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS

Secretaria de Estado da Administração e da Previdência Departamento de Recursos Humanos Escola de Governo do Paraná SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS 1º MÓDULO: SÍNTESE DAS EMENTAS PROPOSTAS Economia e Sociedade do Conhecimento: Conceitos básicos: economia da informação e conhecimento. Investimentos tangíveis e intangíveis. Gestão do Conhecimento e

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS: O papel do Gestor de RH

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS: O papel do Gestor de RH ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS: O papel do Gestor de RH A importância de se implantar programas para aperfeiçoamento de gestores Ana Clara Jorge Carolina Marques de Rezende Isabela Amantéa M. Lima Marcelle

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Fundamentos do Comportamento de Grupo

Fundamentos do Comportamento de Grupo Fundamentos do Comportamento de Grupo 1: Motivação no trabalho e suas influências sobre o desempenho: Definir e classificar os grupos; Analisar as dinâmicas presentes nos grupos; Refletir sobre a influência

Leia mais