Gestão do risco. Parte 1: Gestão do risco, Inovação, Biologia da empresa e Liderança. Uma perspectiva para afrontar o futuro. Jorge Henriques Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão do risco. Parte 1: Gestão do risco, Inovação, Biologia da empresa e Liderança. Uma perspectiva para afrontar o futuro. Jorge Henriques Silva"

Transcrição

1 Gestão do risco Parte 1: Gestão do risco, Inovação, Biologia da empresa e Liderança Uma perspectiva para afrontar o futuro Jorge Henriques Silva Introdução Gary Hamel começou a sua intervenção com as seguintes afirmações: «Nunca tinha visto os líderes empresariais tão apreensivos» e «As empresas com melhor desempenho serão aquelas que não esperarem pelo fim da tempestade». Sem querer apropriar-me das suas palavras na forma do raciocínio original mas na forma como podem ser interpretadas por todos nós, aproveito para as comentar segundo a minha visão e, assim, dar forma ao temário deste artigo. Apreensão significa, entre outras coisas: desassossego de espírito, receio, preocupação, cisma. Todos reconhecemos que o mundo dito, globalizado, vive momentos de grande incerteza, principalmente, por efeito da crise financeira. Ainda agora não são visíveis a olho nu todas as ramificações desta crise. Portanto, a gestão do risco está na ordem do dia. Saber interpretar e processar adequadamente as informações que nos chegam, antecipar e preparar planos de acção para aumentar a resiliência 1 da empresa é fundamental para a sua sobrevivência. Assim, a gestão do risco será o objecto do primeiro ensaio. Gary Hamel: «Tornar a inovação como parte do trabalho diário de cada empregado é outro dos desafios». Hoje em dia podemos adquirir facilmente a maior parte dos recursos nos respectivos mercados e a uma escala global, sejam eles recursos materiais, imateriais ou intangíveis (3). Por outro lado, a qualidade é uma obrigação. Nenhuma empresa é competitiva se não assegurar um nível de qualidade mínimo. O que nos diferencia realmente da concorrência é a inovação e a capacidade de superar continuadamente as expectativas dos clientes. 1 A resiliência, no meio corporativo, significa a capacidade de uma empresa ou corporação de se adaptar às mudanças no ambiente em que estão inseridas, ou seja, como elas conseguem reformular os seus processos de negócio para atender a novas exigências do mercado (ver Pág. 1

2 Qualquer um destes dois factores diferenciadores dependem quase inteiramente das pessoas e das organizações, ou seja, ainda não conheço nenhuma máquina que seja capaz de criar uma inovação ou que seja capaz de surpreender um cliente por algo que faz de forma única e não replicável. A inovação será o objecto do segundo ensaio. Gary Hamel: «O ritmo da mudança tem acelerado e nem as empresas evoluídas têm conseguido acompanhar sem sobressaltos essas mudanças. Uma das soluções apresentada por Hamel é a criação de empresas como organismos humanos, com processos autónomos.» Durante os últimos anos tenho-me dedicado a explorar, conceptualizar e imaginar as organizações segundo os princípios evolutivos da adaptação e da mutação como forma de reagir adequadamente a estas mudanças de ritmo acelerado. Neste comentário de Gary Hamel, vislumbro a oportunidade de desenvolver uma biologia da empresa, uma nova forma de organizar a empresa que goze das propriedades da adaptação e da mutação, que goze da capacidade de ler o ecossistema que a rodeia e traduzir as diferenças em oportunidades de ganhar vantagens competitivas duradouras que garantam a sua sustentabilidade. Este será o objecto do terceiro ensaio. Gary Hamel: «Tornar a inovação parte do trabalho diário de cada empregado é outro dos desafios, assim como levar os funcionários a darem o melhor de si.» Na situação actual em que se fala de inovação e transformação organizacional torna-se cada vez mais importante que as empresas desenvolvam uma cultura que promova e desenvolva a liderança como factor chave para uma avaliação de desempenho eficaz e um desenvolvimento das competências necessárias para a prossecução dos objectivos. Esta liderança é uma liderança diferente, com pessoas diferentes tanto do lado dos líderes como do lado dos liderados. Esta realidade exige a nós líderes a compreensão de como estas mudanças afectam a nossa capacidade de liderança e aos liderados uma nova visão da missão do líder. Este será o tema do quarto ensaio. Estes 4 ensaios não encerram tudo o que há para debater, para questionar, para colocar em causa, mas, do meu ponto de vista, são temas que estão pouco amadurecidos dentro das organizações e merecem uma reflexão especial. Quem souber desenvolver estas 4 áreas e o fizer bem terá acesso a vantagens competitivas significativas e verá a sua competitividade amplamente alargada. No final, apresentarei um capítulo de conclusões, e um conjunto de acções que considero importante desenvolver no curto prazo para reagir à crise actual e recriar a empresa para responder às mudanças que se avizinham. O leitor pode ler cada um dos ensaios individualmente pois, não são interdependentes, nem sequenciais ficando ao seu critério a ordem pela qual o desejar fazer. Pág. 2

3 Parte 1 Gestão do Risco (GR) A apreensão que os empresários sentem resulta em grande medida da dificuldade em gerir o risco. O risco é um conceito imaterial que depende da explicitação dos critérios para a sua identificação, detecção e quantificação. Na maior parte das vezes o risco é uma percepção dos gestores de topo ou da equipa de direcção de primeira linha e é baseado no conhecimento individual sobre as ameaças que podem afectar a empresa. Desde logo, fica a questão, as pessoas sabíam, por exemplo, que a crise financeira iría constituir uma ameaça a tantos sectores e a uma escala global? Todavia, ainda estamos a tentar descobrir todas as implicações, fruto de uma latência muito superior àquela que se poderia prever sem que seja possível ver o acúmen da epidemia que alastra mas, da qual, ainda não se visualiza o final. Esperemos que todos os fundamentos dos planos de acções desenvolvidos sejam mais do que sofismas inúteis e sejam eficazes para estancar esta onda hemorrágica. Nós não conhecemos o que não conhecemos nem sequer sabemos o que não conhecemos. Sócrates dizia: A única sabedoria verdadeira está em saber que você não sabe nada. É mais importante criar mecanismos que nos permitam saber que a situação 2 mudou, em que medida e medir o grau de vulnerabilidade, do que, catalogar apenas as ameaças conhecidas e os respectivos riscos. Isto significa também, ter um mapa que descreve a situação em todos os momentos (como uma impressão digital) e que nos permite comparar as diferenças entre o esperado e o novo. Este mapa obedece à mesma lei de Sócrates antes enunciada, nunca é definitivo nem total e recorrerá sempre a simplificações, devido ao facto de os recursos serem finitos e os modelos terem de ser preparados em tempo útil. Sobra o contributo essencialmente humano de imaginação, correlação lateral e transversal, combinação de saberes e factos aparentemente desconexos - intuição - para estabelecer novas correlações e assim desenvolver e melhorar os modelos. Esta é uma atitude prospectiva de questionamento sobre os pressupostos que serviram de base a um modelo, a uma perspectiva, a um cenário de uma situação que se projecta no futuro. Assim, além da questão da anatomia 3 do risco é fundamental para o gerir, a sua quantificação, conforme nos sugeriram Norton e Kaplan: you cannot manage what you cannot measure (4). Porém, o cálculo obedece a regras, fórmulas, heurísticas e intuições que são dificilmente representadas por uma fórmula ou por um modelo formal. Todavia, a medida é intrinsecamente dinâmica porque depende da situação. Sempre que a situação se modifica é necessário validá-la e para que essa comparação possa ser efectuada, os pressupostos enunciados durante a fase de construção das hipóteses que sustentam o modelo têm que coincidir com aqueles que caracterizam a nova situação. 2 Situação: é uma configuração do mundo num determinado momento (7). 3 Anatomia: ciência que trata da descrição e estrutura dos organismos animais ou vegetais (ver Pág. 3

4 É justamente, a improbabilidade de se poder conhecer todos os factores que caracterizam uma situação que do ponto de vista fisiológico 4 do risco, o seu comportamento é totalmente dinâmico. O risco é então, difícil de calcular e difícil de prever o seu comportamento, pelo que, à que tomar acções e atitudes radicalmente diferentes daquelas que estamos habituados (paradigma vigente). A gestão do risco passa a ser uma actividade fundamentalmente prospectiva (que faz ver adiante ou ao longe) ao invés de ser perspectiva (aspecto que apresentam os objectos vistos de longe). Figura 1 Modelo do processo de gestão do risco Na figura 1 apresento um diagrama com um conjunto de processos e elementos que podem contribuir para uma elaboração de uma estratégia de mitigação do risco. O processo Gestão do Risco tem como principal objectivo construir uma camada de resiliência à volta da empresa. Este processo, tem como input a exposição a uma ameaça que teve ou tem impacto para a empresa (devido a uma vulnerabilidade). Alguns exemplos deste tipo de input podem ser: aumento da cotação em bolsa de um material; greve de trabalhadores; quebra de encomendas; restrições legais não contempladas; incêndio; problema de qualidade grave; ataque de um vírus; outros. Alguns dos outputs típicos deste processo são: plano de contingência; plano de emergência; catálogo de ameaças; catálogo de vulnerabilidades; catálogo de impactos e catálogo de riscos. Para operacionalizar o processo Gestão do Risco apresento uma proposta de alguns subprocessos que o compõem: Encenar situação; Simular/Ensaiar cenário; Implementar mecanismos de detecção; Detectar riscos; Comunicar. 4 Fisiologia: parte da Biologia que estuda as funções dos órgãos nos seres vivos, animais ou vegetais (ver Pág. 4

5 O sub-processo Encenar situação visa recriar sob a forma de modelos, diferentes situações que permitam a simulação ou o ensaio (Simular/Ensaiar cenário) da resposta às ameaças de uma forma concertada e focada no objectivo de mitigar os efeitos decorrentes da exposição. O sub-processo Simular/Ensaiar cenário permite perspectivar uma situação futura com base nos pressupostos enunciados no cenário. Esta simulação permitirá, através dos modelos utilizados, antecipar alguns factos, efeitos e consequências. Esta informação servirá de apoio à tomada de decisão dos gestores. Estas decisões, normalmente, visam o equilíbrio entre o esforço dispendido em reduzir a vulnerabilidade a uma ameaça e o respectivo impacto. Ou seja, se a empresa é imune a uma ameaça (no sentido de não vulnerável) então não valerá a pena investir demasiados recursos para implementar mecanismos de detecção e de mitigação a essa ameaça de forma a reduzir o risco que já é muito baixo. No caso contrário, a empresa decidirá o grau de vulnerabilidade e, consequentemente, do risco que pretende assumir como aceitável. O sub-processo Implementar mecanismos de detecção visa assegurar que os recursos necessários para a implementação e criação de mecanismos de detecção e prevenção de riscos são utilizados para a criação de inteligência do negócio e assim obter informação relevante para antecipar acções e mitigar possíveis impactos. O sub-processo Detectar riscos visa garantir que existem as capacidades de detectar riscos existentes ou novos e processar essa informação para que a avaliação de impacto forneça a informação necessária aos gestores de risco para tomarem as acções adequadas. O sub-processo Comunicação procura de uma forma pro-activa criar uma consciência colectiva relativamente ao risco e todas as suas componentes bem como informar quais os procedimentos a realizar em caso de exposição a uma ameaça com impacto para a empresa. Conclusões As ameaças sempre existiram e sempre existirão, mas depende da empresa, tomar as acções necessárias para identificar, prevenir, sensibilizar, comunicar e implementar planos de acção e meios de detecção eficazes que permitam atingir os objectivos de resiliência da empresa. Todas as pessoas da empresa deverão estar em permanente alerta e vigilantes para que em caso de desconfiança ou exposição sejam imediatamente executados os procedimentos previstos nos respectivos planos de acção. Sabemos, de exemplos bem conhecidos, como o de risco de incêndio que a prevenção se faz, também, através de simulacros que ajudam a automatizar as acções de contenção e a reagir atempadamente minorando o impacto. Os simulacros são uma forma de operacionalizar o processo Simular/Ensaiar cenário e fornecem informações importantes sobre a eficácia de reacção a uma ameaça. A operacionalização da GR é, nestes tempos de mudança acelerada, um instrumento fundamental para a gestão das empresas e para a sua sustentabilidade. Recomenda-se a Pág. 5

6 criação de um grupo específico dedicado às funções de GR implementando um conjunto de sub-processos que operacionalizem a resposta da empresa às eventuais ameaças. Na lista seguinte apresento um conjunto de aspectos a desenvolver numa empresa que está determinada a fazer e a usar a GR para garantir a sua competitividade: Crie um grupo dedicado à GR que responde como staff à direcção de topo e em conjunto elabore uma política de gestão do risco que sirva como missão e visão. Operacionalize o processo Gestão do Risco utilizando o paradigma de gestão por processos para obter métricas e poder criar objectivos com indicadores mensuráveis com impacto no negócio. Faça uma primeira avaliação do risco e prepare a primeira comunicação que servirá como acção de sensibilização para todas as pessoas. Se for necessário contrate uma empresa consultora especialista na área de negócio para melhor identificar as ameaças, vulnerabilidades e impactos. Depois, trace um roadmap que seja claro para a organização definindo exactamente qual o nível de risco que se pretende assumir como aceitável. Crie um plano de comunicação adequado em termos de conteúdo e frequência que permita de uma forma clara identificar qual o posicionamento da empresa no roadmap definido. Faça um calendário de auditorias realizado por pessoas externas à empresa e ao grupo responsável pela GR com feedback directo à direcção de topo da empresa. Pág. 6

7 Resumo e conclusões Gary Hamel desafia-nos para a urgência da mudança. De entre todas as suas sugestões aquela que maior dificuldade terá em penetrar nas organizações, é a de construir uma organização semelhante a um organismo humano. O conceito é sedutor mas ainda difícil de operacionalizar e, quando assim acontece, significa que o risco da sua implementação é bastante alto. Defendi que o paradigma BPM/BPO suporta esta nova organização mas exige uma transformação organizacional radical. As transformações organizacionais expõem a organização a perigos nem sempre antecipados, exigem um compromisso de todas as pessoas e o exemplo vigoroso e rigoroso da gestão de topo, os arquitectos responsáveis pela arquitectura da empresa. Porém, a alternativa à mudança é a apatia e isso é o que Gary Hamel nos desafia a contrariar. A gestão do risco e a liderança, dois dos quatro ensaios deste artigo, constituem pilares para ajudar a operacionalizar esta mudança. A gestão do risco, como forma de avaliar e medir os impactos das transformações realizadas ou a realizar e, a liderança, como factor principal para o desenvolvimento das competências organizacionais alinhadas com os objectivos da empresa. No ensaio sobre liderança dei particular enfoque ao trabalhador do conhecimento, essa pseudo-classe, que tão mal conhecemos e cada vez mais importante. O trabalhador do conhecimento será uma das peças diferenciadoras nas organizações actuais e futuras. A especialização (intensidade do conhecimento) será cada vez maior e exigirá competências adequadas e em quantidade para responder à velocidade da mudança. Mudar ou morrer será um dos motes cada vez mais frequentes. Por último, termino, citando o economista francês Jacques Attali (13) numa entrevista que deu à TSF no programa Pessoal e Transmissível 5 : CVM Que imagem lhe ocorre ao ouvir a palavra, futuro? JA Ocorre-me a palavra acção. Para usar uma metáfora comum à França e a Portugal, ou seja, uma metáfora do mundo do futebol, não somos espectadores do jogo, somos jogadores. Para um jogador não se põe a questão de ser optimista ou pessimista quanto ao futuro, ele joga. Joguemos então em vez de assistirmos ao jogo. 5 Ver podcast em do dia Pág. 7

8 O autor: Jorge Silva, é licenciado em Engenharia (Eng. Electrotécnica e Computadores) pelo IST - Instituto Superior Técnico de Lisboa na área de Sistemas e Computadores. Actualmente é Dir. Informática em Portugal do grupo FICOSA e Huf. Com uma carreira diversificada, trabalhou em variados projectos desde a inteligência artificial à gestão de uma PME. Nos últimos 8 anos dedicou parte do seu tempo à transformação organizacional. Desenvolveu ainda projectos relacionados com a gestão do conhecimento, desenho de BSC (Balanced Score Card) e organizações do tipo BPO com enfoque na area de IT (ITIL). Actualmente está focado em entender como criar as capacidades organizacionais para a inovação através de organizações flexíveis, adaptáveis e agéis baseadas na gestão de processos conhecimento-intensivos. Trabalhou previamente na Alcatel, Digital e Siemens. Durante os últimos anos foi convidado por várias instituições para apresentar seminários e coleccionar seminários para executivos (EGP Escola de Gestão do Porto). Pág. 8

9 Bibliografia 1. Portugal, Computer World. Gary Hamel diz ser urgente acelerar a mudança.: Hamel, Gary. Liderando a revolução.: Editora Campus. ISBN Silva, Jorge. Non-disruptive Organizational Transformation and Organizational Structures for BPO Organizations.: White Paper (Jorge Silva), Kaplan, Robert S., Norton, David P. The Strategy-focused Organization.: Harvard Business School Press, ISBN: Silva, Jorge, Cabañas, Paloma e Cardoso, Leonor. Pequeno livro do conhecimento.: Huf Portuguesa, Lda, Porter, Michael E. Competitive Advantage ISBN: Muñoz-Seca, Beatriz, Riverola, Josep. Del buen pensar y del mejor hacer.: McGraw Hill, ISBN: X. 8. Vasconcelos, André, et al. A Framework for Modelling Strategy, Business Processes and Information Systems.: Centro de Engenharia Organizacional, INESC Inovação. 9. Scheer, A.-W. ARIS - Business Process Modelling.: Springer. ISBN: Tribolet, José. Conhecimento e Inovação Organizacional.: Centro de Engenharia Organizacional, INESC Inovação, Vargas, Ricardo. A arte de tornar-se inútil.: Gradiva, ISBN: Davenport, Thomas H. Profissão: Trabalhador do Conhecimento.: Edimpresa Editora, Lda. ISBN: Attali, Jacques. Breve História do Futuro.: Dom Quixote, ISBN: Pág. 9

Reengenharia de Processos

Reengenharia de Processos Reengenharia de Processos 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates 1 Enquadramento 2 Metodologia 3 Templates Transformação da Administração Pública É necessário transformar a Administração Pública de

Leia mais

Gestão por Processos ISO 9001: 2000

Gestão por Processos ISO 9001: 2000 Gestão por Processos 1 2 Existem três tipos de empresas: - as que fazem as coisas acontecer; - as que vêem as coisas acontecer; - as que não fazem ideia do que está a acontecer (Kotler) 3 Para o Sucesso

Leia mais

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard

O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard O controlo de gestão nas unidades de saúde: o Balanced Scorecard P o r C a r l o s M a n u e l S o u s a R i b e i r o O Balanced Scorecard apresenta-se como alternativa viável aos tradicionais sistemas

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios

Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão dos Negócios Workshop A Competitividade das Empresas & o Balanced Scorecard Balanced Scorecard: Modernidade na Gestão JAIME RAMOS GUERRA JLM CONSULTORES DE GESTÃO, SA () INSTITUTO POLITECNICO DE LEIRIA jaime.guerra@jlm.pt

Leia mais

Planeamento e estratégia

Planeamento e estratégia Planeamento e estratégia Tipos de planos e vantagens Etapas do processo de planeamento Informação para o planeamento Análise SWOT Definir missão e objectivos Processo de gestão estratégica Níveis da estratégia

Leia mais

AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7

AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7 Í N D I C E INTRODUÇÃO... 3 DEFINIÇÃO DO BALANCED SCORECARD - SECTOR PÚBLICO... 4 AS DIFERENÇAS DO BSC NO SECTOR PRIVADO E NO SECTOR PÚBLICO... 7 MISSÃO E ESTRATÉGIA... 7 PERSPECTIVA FINANCEIRA... 8 PERSPECTIVA

Leia mais

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de

A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de A Importância dos Recursos Humanos (Gestão de Pessoas) na Gestão Empresarial Marketing Interno Licenciatura de Comunicação Empresarial 3º Ano Docente: Dr. Jorge Remondes / Discente: Ana Teresa Cardoso

Leia mais

JOAQUIM LUÍS LOUREIRO GESTÃO DO CONHECIMENTO

JOAQUIM LUÍS LOUREIRO GESTÃO DO CONHECIMENTO JOAQUIM LUÍS LOUREIRO GESTÃO DO CONHECIMENTO Portugal/2003 Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems

SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança. SQS Software Quality Systems SQS Portugal Portfólio de Serviços de Segurança SQS Software Quality Systems SQS Portugal Apresentação A SQS Portugal - Software Quality Systems, é uma empresa especializada em ajudar os seus clientes

Leia mais

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Módulo 4.1 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EVOLUÇÃO DA COMPETIÇÃO NOS NEGÓCIOS 1. Revolução industrial: Surgimento das primeiras organizações e como consequência, a competição pelo mercado de commodities. 2.

Leia mais

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1

GESTÃO de PROJECTOS. Gestor de Projectos Informáticos. Luís Manuel Borges Gouveia 1 GESTÃO de PROJECTOS Gestor de Projectos Informáticos Luís Manuel Borges Gouveia 1 Iniciar o projecto estabelecer objectivos definir alvos estabelecer a estratégia conceber a estrutura de base do trabalho

Leia mais

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA

PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA PRIMAVERA BUSINESS SOFTWARE SOLUTIONS, SA Introdução Nesta edição do Catálogo de Serviços apresentamos os vários tipos de serviços que compõe a actual oferta da Primavera na área dos serviços de consultoria.

Leia mais

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO::

::ENQUADRAMENTO ::ENQUADRAMENTO:: ::ENQUADRAMENTO:: :: ENQUADRAMENTO :: O actual ambiente de negócios caracteriza-se por rápidas mudanças que envolvem a esfera politica, económica, social e cultural das sociedades. A capacidade de se adaptar

Leia mais

FÁBRICA DE TINTAS 2000, SA

FÁBRICA DE TINTAS 2000, SA Sérgio Faria sfaria@tintas2000.pt Lisboa - Julho de 2009 FÁBRICA DE TINTAS 2000, SA A CRIATIVIDADE E A INOVAÇÃO COMO FACTORES DE COMPETITIVIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL www.tintas2000.pt Fábrica

Leia mais

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT

Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Segurança Operacional na EDP; porque importa vigiar a segurança da infra-estrutura IT Direção de Sistemas de Informação 30 de Janeiro, 2013 Contexto da Segurança na EDP 2 O contexto da Segurança na EDP

Leia mais

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br

Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação. cynaracarvalho@yahoo.com.br $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR Gerenciamento de Riscos em Segurança da informação cynaracarvalho@yahoo.com.br

Leia mais

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999

OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 COMO GERIR A INFORMAÇÃO OLIVEIRA, Helena. Como gerir a informação. DIGITAL ON LINE, v.5, n.5, Mai, 1999 RESUMO:"O mundo dos negócios vai mudar mais nos próximos 10 anos do que nos últimos 50 anos. O êxito

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Ambiente externo à empresa. Resumo

Ambiente externo à empresa. Resumo Ambiente externo à empresa Fábio Bruno Tavares de Sousa 1 1) Fábio Sousa fabiobtsousa@gmail.com Resumo O ambiente empresarial é bastante complexo. Na actualidade, é imprescindível avaliar o comportamento

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais

Carteira. de formação. análise às nossas oportunidades e recursos. Missão, Visão e Objectivos. Desenvolver competências técnicas e transversais conteúdos: Programa de formação avançada centrado nas competências e necessidades dos profissionais. PÁGINA 2 Cinco motivos para prefirir a INOVE RH como o seu parceiro, numa ligação baseada na igualdade

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA - Master em Gestão Sistemas de Informação

Leia mais

Balanced Scorecard e a

Balanced Scorecard e a Sessões de Trabalho Balanced Scorecard e a Execução Estratégica Programa de 3 dias de Treino Inscrições até 31/Março = 375 + IVA Inscrições até 11/Abril = 750 + IVA Local: Armazém SYV (em Lisboa, na Junqueira)

Leia mais

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio

Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Formação Profissional Controlo Interno e Auditoria Interna Lisboa, 24 e 25 de Maio Assessoria de Gestão, Lda Controlo Interno e Auditoria Interna No actual contexto de crise, em que as organizações estão

Leia mais

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo

Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo Gerenciamento Estratégico e EHS Uma parceria que dá certo INTRODUÇÃO O Balanced Scorecard (BSC) é uma metodologia desenvolvida para traduzir, em termos operacionais, a Visão e a Estratégia das organizações

Leia mais

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito

A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito A Universidade Corporativa: reflexão sobre a motivação, benefícios e implicações do conceito Miguel Rombert Trigo 1, Luis Borges Gouveia 2 mtrigo@ufp.pt, lmbg@ufp.pt 1 ProjEstQ, Pr. 9 de Abril, 349, 4249-004

Leia mais

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de.

Área Departamental de Engenharia Electrotécnica. 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25. Teste de. Área Departamental de Engenharia Electrotécnica 3º Ano (Bolonha) 1º Semestre Ano lectivo de 2007/2008 2008.01.25 Teste de Gestão 1. Defina organização e enuncie os seus princípios fundamentais. Podemos

Leia mais

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão

Estudo As TIC para um mundo mais seguro. Mário do Carmo Durão Seminário: As TIC para um Mundo Mais Seguro Segurança na Era Digital 25 de Novembro de 2010 Instituto de Estudos Superiores Militares Estudo As TIC para um mundo mais seguro Mário do Carmo Durão Patrocinadores

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE

CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE CONCORRÊNCIA E COMPETITIVIDADE Capítulo 7 Balanced Scorecard ÍNDICE 7.1 O que é o Balanced Scorecard 7.2 Indicadores de Ocorrência 7.3 O Método 7.4 Diagramas de Balanced Scorecard Capítulo 7 - BALANCED

Leia mais

Uma Questão de Atitude...

Uma Questão de Atitude... Uma Questão de Atitude... Catálogo de Formação 2014 1 Introdução 3 Soluções de Formação 3 Áreas de Formação 4 Desenvolvimento Pessoal 5 Comercial 12 Secretariado e Trabalho Administrativo 15 Indústrias

Leia mais

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323

Inscrições e pedido de informações: acege@acege.pt ou 217 941 323 Portugal tem futuro! Liderar com responsabilidade Introdução: A ACEGE em parceria com a CIP e o IAPMEI está a desenvolver o programa Liderar com Responsabilidade, que quer potenciar a acção dos líderes

Leia mais

As Organizações e os Sistemas de Informação

As Organizações e os Sistemas de Informação As Organizações e os Sistemas de Informação Uma Introdução Luís Paulo Peixoto dos Santos Junho, 2002 Uma organização é uma estrutura complexa e formal cujo objectivo é gerar produtos ou serviços, com ou

Leia mais

Um Modelo de Gestão de Projectos

Um Modelo de Gestão de Projectos 3 Um Modelo de Gestão de Projectos 3.1 Fases do Modelo de Gestão de Projectos Dois reputados consultores e investigadores em gestão de projectos de software Joseph Weiss e Robert Wysocki descobriram que

Leia mais

Reorganização Dinâmica em Situações de Gestão de Crise. Resumo

Reorganização Dinâmica em Situações de Gestão de Crise. Resumo Reorganização Dinâmica em Situações de Gestão de Crise Sérgio Guerreiro Instituto de Sistemas e Robótica IST Torre Norte, Av. Rovisco Pais, 1, 1049-001 Lisboa, Portugal slguerreiro@clix.pt José Tribolet

Leia mais

PROGRAMA DE DIREÇÃO DE EMPRESAS

PROGRAMA DE DIREÇÃO DE EMPRESAS 2016 JANEIRO > JULHO PORTO www.aese.pt/pde Escola associada: PROGRAMA DE DIREÇÃO DE EMPRESAS OBJETIVOS DO PROGRAMA O PDE atinge este ano a sua sexagésima edição, destacando-se como o Programa mais vezes

Leia mais

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012

APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 APEX- APOIO À PROMOÇÃO DA EXPORTAÇÃO DAS PME 2012 A aposta no apoio à internacionalização tem sido um dos propósitos da AIDA que, ao longo dos anos, tem vindo a realizar diversas acções direccionadas para

Leia mais

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting

ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting ANA obtém certificação em quatro áreas críticas com apoio da VP Consulting Contactos: Isabel Fonseca Marketing VP Consulting Telefone: +351 22 605 37 10 Fax: +351 22 600 07 13 Email: info@vpconsulting.pt

Leia mais

Vigilância Tecnológica

Vigilância Tecnológica Vigilância Tecnológica Filipe Duarte, 2010 1 Objectivo Conhecer as bases para implementar um sistema de vigilância tecnológica (SVT) 2 O que É? Um sistema de vigilância tecnológica (SVT) é uma ferramenta

Leia mais

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO DEFINIÇÕES OPERACIONAIS E INDICADORES COMPORTAMENTAIS Pag. 1 Elaborada por Central Business Abril 2006 para o ABRIL/2006 2 COMPETÊNCIAS CHAVE PARA O EMPREENDEDORISMO

Leia mais

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa

O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa EUROPA: RESULTADOS DA INVESTIGAÇÃO Elaborado por Research em colaboração com a SAP Patrocinado por O futuro do planeamento financeiro e análise na Europa LÍDERES FINANCEIROS PRONUNCIAM-SE SOBRE A SUA MISSÃO

Leia mais

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas)

IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) IAPMEI Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e ao Investimento (Programa Gerir Formação e Consultoria para Pequenas Empresas) APOIO DO FUNDO SOCIAL EUROPEU: Através do Programa Operacional Emprego,

Leia mais

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com.

ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD. BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL www.brunovalim.com. ACERTE NOS INDICADORES DE DESEMPENHO SOB A ÓTICA DO BALANCED SCORECARD BRUNO VALIM ITIL, COBIT, MCST, HDI-SCTL O que torna o homem diferente dos outros animais é a habilidade de OBSERVAR, MEDIR, ANALISAR

Leia mais

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E

www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E www.tal-search.com P O R T U G A L E S P A N H A A N G O L A M O Ç A M B I Q U E Quem somos? Quem somos? O que fazemos? O que nos distingue? Onde estamos? 2 Quem somos? APRESENTAÇÃO A Talent Search foi

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

Balanced Scorecard e Desenvolvimento Sustentável

Balanced Scorecard e Desenvolvimento Sustentável Balanced Scorecard e Desenvolvimento Sustentável Planeamento estratégico num contexto de gestão ambiental, responsabilidade social e controlo financeiro Introdução Uma estratégia de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Maio de 2011 PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Esta Pós-Graduação resulta da parceria entre a APEL

Leia mais

Balanced Scorecard e SIADAP: Articulação, Integração e Desenvolvimento

Balanced Scorecard e SIADAP: Articulação, Integração e Desenvolvimento 50 Administração Pública Interface Balanced Scorecard e SIADAP: Articulação, Integração e Desenvolvimento O BSC poderá ser a solução quando a necessidade de mudança se centrar no alinhamento da organização

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

Análise SWOT Grupo ADS

Análise SWOT Grupo ADS Escola Superior de Tecnologia Instituto Politécnico de Castelo Branco Departamento de Informática Curso de Engenharia Informática Disciplina de Aspectos Sócio-Profissionais da Informática 5º Ano Ano Lectivo

Leia mais

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas

Informática. Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação. Aula 3. Introdução aos Sistemas Informática Aula 3 Conceitos Básicos. Informação e Sistemas de Informação Comunicação Empresarial 2º Ano Ano lectivo 2003-2004 Introdução aos Sistemas A Teoria dos Sistemas proporciona um meio poderoso

Leia mais

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais?

de empresas ou de organizações de todos os tipos? O que fazem os líderes eficazes que os distingue dos demais? TEMA - liderança 5 LEADERSHIP AGENDA O Que fazem os LÍDERES eficazes Porque é que certas pessoas têm um sucesso continuado e recorrente na liderança de empresas ou de organizações de todos os tipos? O

Leia mais

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES Processos de Gestão ADC/DEI/FCTUC/2000/01 CAP. 2 Introdução à Gestão das Organizações 1 CAPÍTULO 2 INTRODUÇÃO À GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES 2.1. Conceito de Gestão Vivemos numa sociedade de organizações (dos

Leia mais

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica

Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica Sílvia Pereira Marketing e Comunicação Joana Santos SI de Gestão Estratégica www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Quem somos Desenvolvemos SI desde 1988 Trabalhamos com Grandes Empresas e Organismos

Leia mais

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ

ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ ESCOLA PAULISTA DE NEGOCIOS DISCIPLINA: ESTRATÉGIA E PLANEJAMENTO CORPORATIVO PROFESSOR: CLAUDEMIR DUCA VASCONCELOS ALUNOS: BRUNO ROSA VIVIANE DINIZ INTRODUÇÃO Estratégia é hoje uma das palavras mais utilizadas

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO

ORGANIZAÇÃO DO LIVRO Prefácio A performance dos serviços públicos constitui um tema que interessa a todos os cidadãos em qualquer país. A eficiência, a quantidade e a qualidade dos bens e serviços produzidos pelos organismos

Leia mais

MINI MBA EM GESTÃO. Luanda UMA OPORTUNIDADE QUE RESULTARÁ NUM NOVO IMPULSO PARA A SUA EMPRESA

MINI MBA EM GESTÃO. Luanda UMA OPORTUNIDADE QUE RESULTARÁ NUM NOVO IMPULSO PARA A SUA EMPRESA MINI Luanda 6ª Edição MBA EM UMA OPORTUNIDADE QUE RESULTARÁ NUM NOVO IMPULSO PARA A SUA EMPRESA GESTÃO MINI MBA EM GESTÃO Um programa conciso e único Na linha das anteriores edições, merecedoras de Novas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO UMA REALIDADE INCONTORNÁVEL

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO UMA REALIDADE INCONTORNÁVEL GREEN FESTIVAL, Centro de Congressos do Estoril Cascais, 22 de Setembro de 2009 Rui Cunha Marques rcmar@civil.ist.utl.pt CESUR, Instituto Superior Técnico Universidade Técnica de Lisboa AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso

Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Como elaborar um Plano de Negócios de Sucesso Pedro João 28 de Abril 2011 Fundação António Cupertino de Miranda Introdução ao Plano de Negócios Modelo de Negócio Análise Financeira Estrutura do Plano de

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

Como tudo começou...

Como tudo começou... Gestão Estratégica 7 Implementação da Estratégica - BSC Prof. Dr. Marco Antonio Pereira pereira@marco.eng.br Como tudo começou... 1982 In Search of Excellence (Vencendo a Crise) vendeu 1.000.000 de livros

Leia mais

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação

Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Executive Revolution Programs Competitive intelligence e inovação Neste curso serão abordadas as melhores práticas que permitem gerir estrategicamente a informação, tendo em vista a criação de valor para

Leia mais

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução:

EDIÇÃO 2011/2012. Introdução: EDIÇÃO 2011/2012 Introdução: O Programa Formação PME é um programa financiado pelo POPH (Programa Operacional Potencial Humano) tendo a AEP - Associação Empresarial de Portugal, como Organismo Intermédio,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1

APRESENTAÇÃO. www.get-pt.com 1 APRESENTAÇÃO www.get-pt.com 1 -2- CULTURA GET -1- A nossa Visão Acreditamos que o elemento crítico para a obtenção de resultados superiores são as Pessoas. A nossa Missão A nossa missão é ajudar a melhorar

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)?

1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? 1 - Como definir o Balanced Scorecard (BSC)? Conceitualmente, o Balanced Scorecard, também conhecido como BSC, é um modelo de gestão que auxilia as organizações a traduzir a estratégia em objetivos operacionais

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

#11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO #11 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO ÍNDICE 1. 2. 3. 4. 5. 6. Apresentação Níveis de planejamento Conceito geral Planejamento estratégico e o MEG Dicas para elaborar um planejamento estratégico eficaz Sobre a

Leia mais

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A.

AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. AUDITORIAS DE VALOR FN-HOTELARIA, S.A. Empresa especializada na concepção, instalação e manutenção de equipamentos para a indústria hoteleira, restauração e similares. Primeira empresa do sector a nível

Leia mais

Finanças para Não Financeiros

Finanças para Não Financeiros www.pwc.pt/academy Finanças para Não Financeiros Academia da PwC Este curso permite-lhe compreender melhor as demonstrações financeiras, os termos utilizados e interpretar os principais indicadores sobre

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco

Conceito O2. O futuro tem muitos nomes. Para a Conceito O2 é Coaching. Sinta uma lufada de ar fresco. :!:!: em foco :!:!: em foco Conceito O2 Sinta uma lufada de ar fresco Executive Coaching Através do processo de Executive Coaching a Conceito O2 realiza um acompanhamento personalizado dos seus Clientes com objectivo

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

F I C H A D A D I S C I P L I N A

F I C H A D A D I S C I P L I N A Pós-Graduações MBA Master em Gestão F I C H A D A D I S C I P L I N A I D E N T I F I C A Ç Ã O D A D I S C I P L I N A Curso: Disciplina: Docente: e-mail: MBA e PGE Gestão de Sistemas de Informação Luis

Leia mais

Business Intelligence Framework

Business Intelligence Framework Business Intelligence Framework José Peixoto and Júlio Lopes Departamento de Informática Universidade do Minho Abstract. Este artigo apresenta os elementos que constituem a Framework desenvolvida, bem

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM

A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM FACULDADE DE LETRAS DA UNIVERSIDADE DO PORTO A gestão de processos de negócio: conceitos e ferramentas BPM Trabalho realizado por: Ana Luisa Veiga Filipa Ramalho Doutora Maria Manuela Pinto GSI 2007 AGENDA:

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Carta de Segurança da Informação

Carta de Segurança da Informação Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA QUAL FOR A SUA NATUREZA. Todo e qualquer produto

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO

A. PROMOVER A DIVULGAÇÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO FICHA DE TRABALHO CADERNO FICHA 5. GESTÃO DO CONHECIMENTO 5.5. ORIENTAÇÕES ESTRATÉGICAS O presente documento constitui uma Ficha que é parte integrante de um Caderno temático, de âmbito mais alargado,

Leia mais

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações

A Gestão, os Sistemas de Informação e a Informação nas Organizações Introdução: Os Sistemas de Informação (SI) enquanto assunto de gestão têm cerca de 30 anos de idade e a sua evolução ao longo destes últimos anos tem sido tão dramática como irregular. A importância dos

Leia mais

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos

Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC. Joana Miguel Santos Casos de Estudo nacionais Traduzir a estratégia em ação com o BSC Joana Miguel Santos Caso de Sucesso: Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social

Leia mais

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas

Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação. 6.5 - Reestruturação de Empresas Capítulo 6. Conceitos e Metodologias de Reengenharia e Reestruturação 6.5 - Reestruturação de Empresas O Contexto Mudança constante Pressões diversas sobre as empresas Concorrência intensa e global Exigências

Leia mais

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias

Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Optimização das organizações através da inovação das Tecnologias Índice Quem Somos O SGI da AMBISIG; A implementação do SGIDI na AMBISIG; Caso de Sucesso. Quem somos? Somos uma empresa com 16 anos de experiência

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Arquitecturas de Controlo. Carlos Carreto

Sistemas Robóticos. Sumário. Introdução. Introdução. Arquitecturas de Controlo. Carlos Carreto umário istemas Robóticos de Controlo Introdução deliberativas reactivas híbridas baseadas em comportamentos Carlos Carreto Curso de Engenharia Informática Ano lectivo 2003/2004 Escola uperior de Tecnologia

Leia mais

Referencial técnico-pedagógico da intervenção

Referencial técnico-pedagógico da intervenção Referencial técnico-pedagógico da intervenção De seguida explicitamos os referenciais técnico-pedagógicos das fases do MOVE-PME que carecem de uma sistematização constituindo factores de diferenciação

Leia mais

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015

Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos. 24 de Fevereiro de 2015 Executive breakfast Planeamento, Controlo e Gestão de Recursos Públicos 24 de Fevereiro de 2015 1 Agenda 08:00-8:30 Recepção 08:30-8:45 Abertura Margarida Bajanca, Partner Deloitte 08:45-9:30 Melhores

Leia mais

O SCORECARD de RECURSOS HUMANOS. Como medir o Capital Humano da sua Empresa

O SCORECARD de RECURSOS HUMANOS. Como medir o Capital Humano da sua Empresa O SCORECARD de RECURSOS HUMANOS ou Como medir o Capital Humano da sua Empresa Medir o Capital Humano será missão impossível? Quantos de nós, Gestores de Recursos Humanos, conseguiremos responder afirmativamente

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA

ISEL REGULAMENTO DO GABINETE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA. Aprovado pelo Presidente do ISEL em LISBOA REGULAMENTO DO DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Aprovado pelo Presidente do ISEL em INTRODUÇÃO No âmbito da gestão pública a Auditoria Interna é uma alavanca de modernização e um instrumento

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais