Quanto vale a sua empresa?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Quanto vale a sua empresa?"

Transcrição

1 IMPRESSO ESPECIAL CONTRATO N.º /2001 ECT/DR/RJ Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial nº 29 Fevereiro / 2007 Quanto vale a sua empresa? As transações envolvendo compra e venda de laboratórios têm se tornado freqüentes no mercado de diagnóstico laboratorial no Brasil, nos últimos anos. Uma das etapas mais importantes na negociação é estabelecer o valor da empresa que está sendo adquirida, para que comprador e vendedor cheguem a um acordo.. Neste artigo, o consultor da área de Finanças Corporativas da Trevisan Consultores, Kenzo Otsuka, apresenta os métodos mais utilizados para se avaliar uma empresa ou negócio e as situações em que podem ser aplicados. Leia o artigo completo na página 2. Modelo Lean e os laboratórios clínicos Desenvolvido pela Toyota, do Japão, o Modelo Lean não é mais uma ferramenta de gestão, segundo os especialistas e estudiosos no assunto. Ele é considerado uma filosofia de negócios pois está voltado para o cliente e com aquilo que ele enxerga como valor no produto ou serviço adquirido. A aplicação do Lean tem mostrado resultados positivos em empresas de diversos ramos de negócios e diferentes portes, em diferentes países. Neste artigo, os médicos patologistas clínicos, Claudio Pereira e Gustavo Campana, explicam o que é o Lean, como esse método funciona e apresentam um caso de aplicação em laboratório clínico. Leia o artigo completo na página 4. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 1

2 Kenzo Otsuka* Quanto vale a sua empresa? Foto: Lizimar Dahlke Introdução O setor de medicina laboratorial no Brasil vem passando por profundas mudanças nos últimos anos. Essas mudanças não se restringem ao aspecto técnico ou tecnológico da atividade e ocorrem também no plano empresarial. Provavelmente, uma das transformações mais evidentes é o processo de consolidação do setor, que tem envolvido dezenas de transações de compra e venda de empresas de diagnóstico e medicina laboratorial nos últimos anos. Nesse contexto, o processo de avaliação de empresas assume importante papel, pois uma das questões-chave em transações de aquisição ou fusão de laboratórios consiste na definição do valor envolvido. Por que um negócio tem valor? Excetuando-se organizações do terceiro setor e instituições sem fins lucrativos, uma empresa ou negócio nada mais é do que um conjunto de ativos tangíveis (imóveis, equipamentos e veículos, entre outros) e intangíveis (conhecimento, tecnologia e marca, entre outros) organizados com o objetivo de gerar valor e, portanto, proporcionar retorno para o investimento feito pelo acionista. Essa geração de valor só ocorre, no entanto, se o negócio apresentar resultados econômicos positivos. Ou seja, de forma simplificada, um negócio tem valor se gera resultados positivos. Trata-se de um raciocínio óbvio: se o negócio ou empresa apresenta sucessivos prejuízos ou déficits de caixa, e se não há perspectivas de mudança dessa situação, por que continuar com ele? Neste caso hipotético, faz mais sentido se desfazer do negócio ou da empresa, vender seus ativos e liquidar os eventuais passivos que existem. Metodologias de avaliação mais utilizadas Existem diversos metodologias de avaliação de empresas ou negócios. O objetivo neste artigo é apresentar uma breve explicação sobre cada um desses métodos, sem entrar em detalhes técnicos. Não se tem a pretensão de esgotar o assunto neste espaço. Entre os mais utilizados e aceitos pelo mercado podem ser citados: método do fluxo de caixa descontado (do inglês discounted cash flow, ou DCF), método do patrimônio líquido ajustado (também conhecido como ativo tangível líquido), preço médio de ações e o método da avaliação relativa (ou de avaliação por múltiplos). Fluxo de caixa descontado Entre as diversas metodologias de avaliação de empresas existentes, a do fluxo de caixa descontado (DCF) é provavelmente a mais utilizada. Por este método, o valor da empresa é relacionado ao que potencialmente pode gerar de resultados, e corresponde ao valor presente dos fluxos de caixa futuros esperados, ajustado por ativos e passivos financeiros (dívidas) e não-operacionais da empresa: Valor do negócio (= ) valor presente dos fluxos de caixas futuros ( ) dívida líquida Os fluxos de caixa futuros são projetados com base em planos de negócios ou premissas discutidas e validadas pela administração. Uma abordagem usual para fluxo de caixa é o conceito de fluxo de caixa operacional, que é o fluxo de caixa disponível para o negócio (isto é, fluxo de caixa disponível para (i) pagamento de juros e principal referente ao capital de terceiros, e (ii) pagamento de dividendos referente ao capital próprio): (+) Receitas operacionais líquidas (-) Custos e despesas operacionais (exceto resultado financeiro) (=) EBIT (lucro antes de resultado financeiro e impostos). (+) Depreciação (=) EBITDA (lucro antes de impostos, resultado financeiro e depreciação/ amortização) (-) Investimento em ativo imobilizado (-) Investimento em capital de giro 2 - Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial

3 (-) Imposto de renda e contribuição social (=) Fluxo de caixa operacional Os fluxos de caixa projetados são, então, descontados a valor presente com base em taxa de desconto (% ao ano) que busca refletir os riscos do negócio. Em geral, a taxa de desconto é calculada segundo o método do WACC ( weighted average cost of capital, ou custo médio ponderado de capital). Simplificadamente, segundo essa metodologia, a taxa de desconto corresponde à média ponderada entre o custo de capital de terceiros (endividamento) e o custo do capital próprio. O valor da empresa é obtido deduzindo-se, do valor presente dos fluxos de caixa projetados, a dívida líquida que, basicamente, corresponde à diferença entre obrigações e disponibilidades da empresa. Eventuais contingências ativas ou passivas devem ser levadas em conta no processo de negociação. Em geral, os efeitos dessas contingências somente são considerados em caso de sua realização, através de ajustes nos pagamentos parcelados. Teoricamente, é o método mais completo pois pressupõe análise histórica da economia, do setor e da empresa, compreensão do negócio (mercado, estratégia, planos, operações), elaboração de projeções baseadas em planos de negócios e/ou premissas discutidas e validadas pela administração e a consideração dos riscos associados ao negócio (através da taxa de desconto). Por outro lado, é preciso tomar alguns cuidados na aplicação do DCF. Os seus resultados possuem elevada sensibilidade às premissas de projeção e às taxas de desconto. Adicionalmente, premissas de projeção extremamente otimistas ou conservadoras tendem a distorcer o resultado da avaliação. Patrimônio líquido ajustado (ativo tangível líquido) Por este método, o valor da empresa (o ativo tangível líquido ou patrimônio líquido ajustado) corresponde à soma dos valores individuais de seus ativos, deduzidos de seu passivo exigível e eventuais ativos intangíveis. É um método objetivo (baseado em demonstrações financeiras), mas tem como desvantagem o fato de ser baseado apenas no desempenho passado da empresa, não considerando perspectivas futuras. Trata-se de uma metodologia pouco utilizada para subsidiar transações de compra e venda de empresas rentáveis e em operação. O resultado obtido por este método sempre estará condicionado pela qualidade das demonstrações financeiras. Preço médio ponderado de ações O valor da empresa é definido por média ponderada do preço das ações cotadas em bolsa, em período anterior à data da avaliação. Sua aplicabilidade é restrita somente a organizações que têm ações em bolsa. Mesmo assim, ações com baixa liquidez (pouco transacionadas) podem apresentar preços médios não representativos do valor do negócio. Volatilidade do mercado acionário em determinados períodos pode gerar distorções no resultado segundo esse método. Avaliação relativa (ou por múltiplos) Baseia-se no princípio de que ativos semelhantes devem ter preços semelhantes. Assim, seguindo esse raciocínio, empresas semelhantes (ou comparáveis) deveriam ser valorizadas de forma semelhante. O valor de uma determinada empresa poderia, portanto, ser estimado a partir de múltiplos de empresas comparáveis. O procedimento de avaliação é aparentemente simples. Selecionam-se empresas comparáveis a que está em avaliação e calcula-se a média de múltiplos de valor das empresas comparáveis. Como exemplos de múltiplos podem ser citados valor da empresa/receita, valor da empresa/lucro, valor da empresa/ebitda. Aplica-se, então, o múltiplo médio obtido aos parâmetros da empresa em avaliação (por exemplo: receita, lucro ou EBITDA), obtendo-se o resultado para o valor da empresa. Trata-se de um método bastante difundido e utilizado como estimativa simplificada do valor da empresa. Porém, há algumas limitações em sua utilização. A identificação de empresas totalmente comparáveis nem sempre é tarefa fácil. Além disso, não considera especificidades dos mercados e das empresas. De forma geral, serve como ferramenta subsidiária ao método do fluxo de caixa descontado. Considerações finais O processo de avaliação de empresas não é uma ciência exata. Embora os métodos empregados para esse fim sejam quantitativos (o que tende a lhes conferir um caráter pretensamente científico), a avaliação envolve elementos muitas vezes subjetivos, seja na determinação das perspectivas sobre o futuro do negócio, seja na percepção do grau de risco associado, entre muitas outras considerações e variáveis. Avaliar uma empresa é basicamente desenvolver um processo de formar opinião que requer, do avaliador, conhecimento, experiência, bom senso e independência. *Consultor da área de Finanças Corporativas da Trevisan Consultores desde 2001, é graduado pela Escola Politécnica-USP e pela FEA-USP. Atua em avaliação de empresas, fusões e aquisições, elaboração de estudos de viabilidade e estruturação de planos de negócios. Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 3

4 Modelo Lean e os Laboratórios clínicos Foto: Estefan Radovicz Introdução Diversos desafios têm sido propostos ao setor de saúde e, conseqüentemente, à medicina diagnóstica nos últimos anos. O aumento dos custos do setor, em virtude do envelhecimento da população e da incorporação de tecnologia, associado ao modelo assistencial centrado na doença, e não na prevenção, e na remuneração por procedimentos, ao invés do pagamento por performance, têm levado a uma crise de financiamento dos serviços médicos. Pressão por redução nos custos, necessidade de operações com alta produtividade e a grande competitividade do mercado fizeram com que inúmeras ferramentas de gestão passassem a ser aplicadas dentro dos laboratórios. Neste contexto, diferentes ferramentas foram aplicadas de forma parcial e superficial, atingindo, em sua maioria, resultados insatisfatórios e também a falta de manutenção das melhorias conseguidas. Diferente de uma ferramenta de gestão, ou ainda, de qualidade, o Lean Thinking, ou Mentalidade Enxuta, é uma filosofia de negócios, tendo como principal foco o cliente e o que ele enxerga como Valor no produto ou serviço adquirido. Cláudio Pereira *1 O objetivo deste artigo é abordar os benefícios que os laboratórios podem dispor a partir do desenvolvimento da mentalidade enxuta. Gustavo Campana *2 Histórico A filosofia de negócios atualmente denominada Lean foi desenvolvida na Toyota, do Japão. Dentro da empresa é conhecido como Sistema de Produção Toyota (TPS). Ela era uma empresa muito pequena, na década de 30, quando alguns dos conceitos desse sistema foram desenvolvidos. Atualmente, é a segunda maior na indústria automobilística, tendo superado a Ford em 2006 e está a caminho de ultrapassar a General Motors (GM). O sistema de Produção Toyota baseia-se inicialmente na busca de estabilidade de materiais, máquinas, mão-de-obra e métodos (4 M s). Esta estabilidade permite que outros três conceitos sejam aplicados: o Heijunka, que é o nivelamento da produção, permitindo que ela atenda de forma satisfatória aos clientes; o Kaizen, que é a melhoria contínua dos processos ou fluxos de valor; e o trabalho padronizado, que é o estabelecimento de procedimentos precisos para o trabalho de cada operador. Foto: divulgação Na construção desse sistema de produção, dois pilares sustentam a Filosofia Lean: o Just in time e o Jidoka. O Just in time, considerado por muito tempo como sinônimo do sistema todo, prega que a empresa produza ou disponibilize apenas o que for necessário, no momento e local onde houver necessidade, e na quantidade necessária. O pilar Jidoka trata da detecção de defeitos em tempo real, durante a produção, por operadores auxiliados por máquinas. Esta abordagem se vale de dispositivos inteligentes que permitem uma produção à prova de erros fazer certo da primeira vez ou defeitos zero. Acima dos pilares, os objetivos perseguidos pelo sistema são: menor 4 - Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial

5 custo, maior qualidade e maior velocidade, com otimização do valor através da contínua eliminação dos desperdícios. O vice-presidente da Toyota, Taichii Ono, definiu como desperdício tudo que consome recursos mas não cria valor, e os classificou em sete principais categorias: - Superprodução - Movimentação - Espera - Transporte - Estoque - Processamento desnecessário - Inspeção No centro de todo o sistema estão as pessoas. Na Filosofia Lean, entende-se que as melhorias partem da base operacional (chão de fábrica), através da disseminação dos conceitos e da busca da causa raiz dos problemas (perguntar os cinco porquês ). Para os kaizens realizados, todos os colaboradores são ouvidos e tornam-se responsáveis pela implementação e busca da perfeição em todos os processos. Alguns pontos podem ser enumerados para o sucesso de uma gestão de pessoas Lean: organização descentralizada, com comunicação ampla, treinamento e educação constantes, estímulo a multifuncionalidade, integração e trabalho em equipe. O objetivo é criar nos colaboradores um senso real de propriedade sobre a empresa e os processos, facilitando a obtenção das melhorias. O papel das lideranças é fundamental. O sistema foi descoberto pelo mundo de forma mais consistente na década de 80. Os diferenciais da Toyota começaram a ser percebidos através de um estudo do Massachussetts Institute of Technology (MIT) o programa internacional de pesquisa sobre a indústria automobilística (IMVP). Este estudo contemplou 90 fábricas em 17 países. O resultado foi transformado em um livro de Womack, Jones e Roos, A máquina que mudou o mundo, que batizou a filosofia desenvolvida na Toyota como Produção Lean, traduzida, inicialmente, para a língua portuguesa como Produção Enxuta. Uma experiência única foi realizada nesse mesmo período. Através de um programa de transferência de tecnologia entre Toyota e General Motors, uma fábrica de péssimo desempenho da GM passou a ser administrada pela montadora japonesa o projeto Nummi (New United Motor Manufacturing). Os resultados foram impressionantes: em curto período, a fábrica tornou-se a de maior qualidade, produtividade, utilização de espaço e rotatividade de estoque da América do Norte. O sistema Toyota de produção passou a representar um novo paradigma para a indústria ocidental, em oposição ao de produção em massa, e inúmeras tentativas de sistematizá-lo e torná-lo mais facilmente adotado por empresas de todo o mundo foram realizadas. Relatamos alguns desses sucessos. Filosofia Lean em outras empresas e negócios Em 1996, foi publicado outro livro de Womack e Jones (com o título Lean Thinking), definindo e sistematizando essa filosofia de negócios. A expressão foi inicialmente traduzida como Mentalidade Enxuta, mas atualmente tem sido utilizada em nossa língua e no resto do mundo apenas como Lean. Nesse livro, vários cases de transformação Lean foram relatados, mostrando a sua aplicabilidade a diferentes setores e negócios, entre estes Lantech produção de máquinas, Wiremold produção de cabos, e Porsche indústria automobilística. Womack e Jones definiram cinco princípios para a implementação da filosofia Lean: especificar valor sob a ótica do cliente, alinhar na melhor seqüência as atividades que geram valor (Mapeamento do Fluxo de Valor), realizar estas atividades sem interrupções e no menor tempo (Fluxo Contínuo), sempre que alguém as solicita (Sistema Puxado pelo Cliente) e de maneira cada vez mais eficaz (Buscar a Perfeição). O ponto de partida para uma empresa se tornar Lean é especificar o que é realmente valor para seu Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 5

6 cliente. Apenas com esta definição é possível distinguir os processos que geram valor daqueles que são desperdício. Após essa etapa, é necessário o mapeamento dos processos da empresa (Fluxo de Valor). Na elaboração deste mapa, faz-se necessário o gemba walk, ou seja, caminhada pelo chão de fábrica e registro de todas as etapas e estoques presentes durante e entre os processos, assim como diferentes medidas de tempo, como, por exemplo, o tempo de ciclo de cada atividade e o Tempo Takt, ou ritmo da demanda, que leva em conta a demanda real para a produção e o tempo disponível para a operação. Este estudo gera o mapa do estado atual. Para prosseguir na implementação do Lean Thinking, uma pergunta deve ser respondida: Todas as etapas são necessárias?, ou, ainda, Todas as etapas agregam valor ao cliente?. Com isso, definimos então o que denominamos de Muda, ou Desperdício, que deve ser eliminado ou diminuído ao máximo. Definidos os processos que agregam valor ao cliente, definimos então o Mapa do Estado Futuro. Para desenho deste melhor Fluxo de Valor, diferentes ferramentas são necessárias: 5S, GBO (Gráfico de Balanceamento do Operador), Kanban (sinalizadores), Supermercados (estoques mínimos quando necessários), criação de FIFO (First In First Out Primeiro que Entra, Primeiro que Sai), diminuição de lotes em busca do One Piece Flow (Fluxo de Única Peça), Poka Yoke (dispositivo a prova de erros), além daquelas já descritas anteriormente, como Heijunka, Jidoka, Just in Time, Trabalho Padronizado e Estabilidade Básica. Todas essas ferramentas devem atender ao Tempo Takt, não gerando superprodução ou estoques, e devem colaborar para a obtenção de Fluxo Contínuo, reduzindo a linha de tempo entre o pedido e o recebimento do pagamento, em um sistema puxado pelos clientes. A busca pela perfeiçâo deve ser sempre a diretriz das empresas enxutas, através de auditorias, gemba walk, discussões com operadores e readequações à demanda (Tempo Takt). Para a implementação do estado futuro, preconiza-se a utilização do A3, ferramenta que demonstra, de forma simples, o estado atual, estado futuro, plano de ação, metas e indicadores. A implementação do Lean pode ser iniciada, como um projeto piloto, em uma única família de produto, e o Mapeamento do Fluxo de Valor deve ser realizado de porta-a-porta (order to cash). Implementação em laboratório clínico case NKB A implementação da Filosofia Lean na NKB Diagnósticos foi iniciada em abril de Como projeto piloto, uma única unidade técnico-administrativa foi escolhida, situada na cidade de São Paulo. Esta implementação contou com o apoio do Lean Institute Brasil. Uma equipe multidisciplinar foi formada para esse projeto e passou por um período de treinamento na filosofia Lean e em várias de suas ferramentas, através da metodologia do aprender fazendo e workshops teóricos. Como objetivos dessa implementação foram definidos: aumento da satisfação dos clientes, melhoria em qualidade, redução do TAT, aumento de produtividade, redução de custos, estoques e espaço ocupado, liberação de capacidade, capacitação de multiplicadores e inovação de mercado. As famílias de produtos e fluxos de valor foram estudados. Foram definidas que três famílias de produtos fariam parte de nosso projeto piloto: Automação, Técnicas Manuais e Semi-automação. Para este mapeamento, atenção especial foi dada aos setores de atendimento, triagem, área de soro e imunofluorescência. Definidos os Mapas do Estado Atual e Estado Futuro para cada família de produto, alinhados aos objetivos do projeto e da organização, foi iniciada a fase de implementação baseada na ferramenta A3 e no acompanhamento dos planos de ação e indicadores. Durante toda a fase de preparo para a implementação, que tem previsão de oito meses de duração, diversas ações para a eliminação de desperdícios e a aplicação de diversas ferramentas contempladas no Lean trouxeram resultados imediatos para a empresa: uso de gestão visual no abastecimento à produção, nivelamento de demanda no setor de preparo à produção, gestão visual dos indicadores de produção, maior tempo de disponibilidade dos equipamentos, diminuição do lead time, diminuição de lotes em operação, gestão visual e padronização dos tempos de coleta e centrifugação nas unidades e multiplicação dos conceitos e das análises críticas dos indicadores. 6 - Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial

7 Atualmente, estamos iniciando as simulações nas diferentes famílias de produtos: - Mudança de lay out e diminuição de movimentação na área de soro, com padronização do trabalho, permitindo maior disponibilidade dos equipamentos; - Criação de células de trabalho para a família imunofluorescência, com diminuição significativa dos lotes, buscando menor Lead Time, maior qualidade, ganhos de produtividade e liberação de capacidade; - Criação de FIFO e Fluxo Contínuo (One Piece Flow) na triagem e recepção de amostras, através da padronização do trabalho e tempo de encontro entre material e informação, nivelamento da demanda e gestão visual em todas as linhas de movimentação. Essas simulações têm trazido melhorias para as operações, além de contribuir para a formação de uma equipe de transformação Lean, que irá atuar, futuramente, com uma abrangência maior. Futuro do Lean Diferente de um modismo, o Lean tem sido considerado como uma idéia duradoura, com grande potencial de permanecer como uma inovação de valor no pensamento gerencial. A revista Strategy+Business publicou uma matéria, reproduzida pela HSM Management, em que seleciona o Lean como uma das dez idéias ou inovações de gestão que tem a maior probabilidade de perdurar por pelo menos mais dez anos. Diversas instituições de saúde hospitais, operadoras e laboratórios têm tido benefícios com a implementação da Filosofia Lean, e têm apresentado seus resultados em simpósios, como o recentemente promovido pelo Institute for Healthcare Improvement. Em seu livro mais recente, cujo título em português é Soluções Enxutas, Womack e Jones abordam o tema do consumo e prestação de serviços Lean. Uma nova metodologia é descrita, com foco na implementação Lean na prestação de serviços e no contato com clientes. É o chamado momento da verdade. Além das novas abordagens e possibilidades nas áreas de serviços e saúde, o Lean tem sido considerado como fundamental quando o tema é a sustentabilidade. Em seu livro Capitalismo Natural, Criando a Próxima Revolução Industrial, Hawken, Lovins e Lovins tratam do tema sustentabilidade ecológica. Esse livro, apesar de não versar sobre produção ou qualidade, apresenta um capítulo sobre Lean, considerando essa filosofia como um marco para a sustentabilidade do meio ambiente, pelo seu potencial de eliminar desperdícios e economizar os recursos ambientais. Terminamos este artigo reproduzindo o último parágrafo desse capítulo do livro: Quanto mais os serviços puderem ser prestados pela eficiência, a desmaterialização, a simplificação e a fabricação enxuta, tanto maior há de ser o entusiasmo com que os consumidores se mostrarão dispostos a pagar prestadores de serviços. Pela primeira vez, temos condições de imaginar uma economia mais compensadora e menos arriscada, cuja saúde, perspectivas e ritmos revertem as antigas suposições sobre o crescimento: uma economia em que crescemos usando cada vez menos e nos tornamos mais fortes sendo mais enxutos. *1 Diretor de operações da NKB e médico Patologista Clínico *2 Gestor técnico da NKB e médico Patologista Clínico Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial Jornal da SBPC/ML - Periodicidade mensal Rua Dois de Dezembro, 78 Salas 909/910 CEP Rio de Janeiro - RJ Tel. (21) Fax (21) Presidente 2006/2007 Wilson Shcolnik Diretor de Comunicação Octavio Fernandes da Silva Filho Criação, Arte e Diagramação Design To Ltda Jornalista responsável Roberto Duarte - Reg. Prof. RJ 23830JP Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial - 7

8 8 - Gestão Estratégica em Medicina Laboratorial

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica

Declaração de Conflitos de Interesse. Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Declaração de Conflitos de Interesse Diretor da NKB Medicina Diagnóstica Lean na Microbiologia Conceito de Lean Cláudio Pereira Diretor Regional NKB RJ Agenda Lean Thinking Sistema de Produção da Toyota

Leia mais

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74

Considerações sobre a Parte I - Histórico e componentes do lean, 74 Sumário Prefácio, xi Introdução, 1 Parte I - HISTÓRICO E COMPONENTES DO LEAN, 5 1 Conceito Enxuto: das Origens à Consolidação, 6 As indústrias da produção em massa, 8 Crise na indústria automobilística

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP)

CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA - IV REGIÃO (SP) Introdução ao Lean Thinking Ministrante: Christopher Thompson Lean Institute Brasil Contatos: lean@lean.org.br Apoio São Paulo, 16 de setembro de 2010 Observação:

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação

LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação LEAN-CURSOS E WORKSHOPS Cursos otimizados para as necessidades do Cliente Cursos Padrão Workshops de Capacitação Serviços : Cursos e workshops especialmente criados para capacitar a sua organização no

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa

Roteiro para elaboração de laudo de avaliação de empresa Roteiro de Laudo de Avaliação A elaboração de um Laudo de Avaliação de qualquer companhia é realizada em no mínimo 5 etapas, descritas sumariamente a seguir: 1ª. Etapa - Conhecimento inicial do negócio

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA 2013 15 anos CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA Ministrante: Sidnei Lopes Dias Realização: Gênesis Assessoria Empresarial CURSO DE FORMAÇÃO DE GESTORES EM MANUTENÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Demonstrativo de Preço

Demonstrativo de Preço 11:24 1/13 Demonstrativo de Preço 1. Sumário das Análises Apresentadas Nas análises apresentadas nesse documento demonstramos: (i) Como foi atingido o valor implícito da Telemig Celular (Operadora) (ii)

Leia mais

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS

COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS COMO DETERMINAR O PREÇO DE LANÇAMENTO DE UMA AÇÃO NA ADMISSÃO DE NOVOS SÓCIOS! Qual o preço de lançamento de cada nova ação?! Qual a participação do novo investidor no capital social?! Por que o mercado

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DE CADEIAS PRODUTIVAS 2ª OFICINA MAPEAMENTO DO FLUXO DE VALOR Lean Manufacturing é a busca da perfeição do processo através da eliminação de desperdícios Definir Valor Trabalhar

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com

Teresa Maciel MSC, PhD Candidate. Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Teresa Maciel MSC, PhD Candidate Docente UFRPE tmmaciel@gmail.com Sobre a instrutora... Doutoranda em Engenharia de Software (métodos ágeis), Mestre em Engenharia de Software (melhoria de processos de

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes

GembaConsulting. Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE. de nossos clientes Aumentamos a LUCRATIVIDADE e COMPETITIVIDADE de nossos clientes Atuação em todos os processos e atividades industriais ou administrativas que ocorrem entre a realização do pedido e a entrega do produto

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL

NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL NOVAS REGRAS CONTÁBEIS PARA 2010 CONTINUAÇÃO DE PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL CONTÁBIL Ana Beatriz Nunes Barbosa Em 31.07.2009, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) aprovou mais cinco normas contábeis

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO

TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO TÍTULO: GESTÃO DA PRODUÇÃO COM FOCO NA MANUFATURA ENXUTA MELHORIA DE PROCESSOS INDUSTRIAIS ATRAVÉS DO SISTEMA TOYOTA DE PRODUÇÃO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos. Viviane Salyna

Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos. Viviane Salyna Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos Viviane Salyna Estrutura da Apresentação Muitas abordagem de processos geram: Processos devem gerar resultados

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS

ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS ANALISANDO A ESTRATÉGIA ENTRE O APORTE DE CAPITAL E EMPRÉSTIMOS DE ACIONISTAS! Se as linhas de crédito estão escassas, qual a melhor estratégia para suprir a empresa com recursos?! É possível manter a

Leia mais

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880

Avenida Jamaris, 100, 10º e 3º andar, Moema São Paulo SP 04078-000 55 (11) 5051-8880 APRESENTAÇÃO DA EMPRESA E DOS SERVIÇOS AUDITORIA CONSULTORIA EMPRESARIAL CORPORATE FINANCE EXPANSÃO DE NEGÓCIOS CONTABILIDADE INTRODUÇÃO A FATORA tem mais de 10 anos de experiência em auditoria e consultoria

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

DECIFRANDO O CASH FLOW

DECIFRANDO O CASH FLOW Por: Theodoro Versolato Junior DECIFRANDO O CASH FLOW Para entender melhor o Cash Flow precisamos entender a sua origem: Demonstração do Resultado e Balanço Patrimonial. O Cash Flow é a Demonstração da

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL

ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução Uma empresa é administrada para satisfazer os interesses e objetivos de seus proprietários. Em particular, a organização de atividades econômicas em

Leia mais

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas

Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS. Prof. Walter Dominas Unidade IV INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo programático Unidade I Avaliação de Empresas Metodologias Simples Unidade II Avaliação de Empresas - Metodologias Complexas

Leia mais

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office

(LOQ4208) Processos da Indústria de Serviços 05 Lean Office Processos da Indústria de Serviços (LOQ4208) 5 Lean Office Isto não é... LEAN OFFICE 1 Aqui parece ser... LEAN OFFICE Lean Thinking: Os 5 Princípios Fundamentais 1. Definir o que é VALOR sob a ótica do

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS:

DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: Contabilidade de Custos e Gerencial CIC 816 Carga Horária: 60 Créditos: 04 Coordenador: Prof. Poueri do Carmo Mário Teoria de Custos (abordagem econômica e contábil). Métodos

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola

Introdução ao Lean Manufacturing. Dário Spinola Introdução ao Lean Manufacturing Dário Spinola Dário Uriel P. Spinola Sócio da Táktica Consultoria em Manufatura MBA em Conhecimento, Tecnologia e Inovação pela FIA/FEA USP Mestrando e Engenheiro de Produção

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília AVALIAÇÃO DA ADOÇÃO DE BPM NO BRASIL: ERROS, APRENDIZADOS E BOAS PRÁTICAS Leandro Jesus INVESTIR EM PROCESSOS:

Leia mais

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS

OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS http://www.administradores.com.br/artigos/ OS IMPACTOS DA FILOSOFIA JIT SOBRE A GESTÃO DO GIRO FINANCIADO POR CAPITAL DE TERCEIROS DIEGO FELIPE BORGES DE AMORIM Servidor Público (FGTAS), Bacharel em Administração

Leia mais

Portugal. Alemanha. França. Rússia. Holanda. Directivas Comunitárias. Fundada em 1978. UP - Serpins. UP - Serpins II

Portugal. Alemanha. França. Rússia. Holanda. Directivas Comunitárias. Fundada em 1978. UP - Serpins. UP - Serpins II EMPRESA FABRIL DE PRODUTOS ELÉCTRICOS, SA O Lean Lean na EFAPEL Carlos Ramos Gestão de Operações carlos.ramos@efapel.pt A EFAPEL no Mundo Exportamos para mais de 40 países da Europa,, Ásia, Europa Ásia,

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu

MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu MBA EM GESTÃO FINANCEIRA: CONTROLADORIA E AUDITORIA Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu Coordenação Acadêmica: Prof. José Carlos Abreu, Dr. 1 OBJETIVO: Objetivos Gerais: Atualizar e aprofundar

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Aplicando lean em indústrias de processo

Aplicando lean em indústrias de processo Aplicando lean em indústrias de processo Alexandre Cardoso* Os setores de alimentos, químico, farmacêutico e de cosméticos, que na sua essência são indústrias de processo, têm obtido sucesso na aplicação

Leia mais

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA

FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Unidade II FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Objetivos Ampliar a visão sobre os conceitos de Gestão Financeira; Conhecer modelos de estrutura financeira e seus resultados; Conhecer

Leia mais

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1

INTRODUÇÃO LM INNOMARITIME -2012. Página -1 INTRODUÇÃO A CONSTRUÇÃO NAVAL AJUSTADA ( Lean Shipbuilding ) é o processo de construção de navios e unidades offshore, orientado e executado segundo os princípios do sistema de gestão LEAN. Como em muitas

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA

O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA O DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO ENXUTA APLICADOS EM UMA ESTAMPARIA Alexandro Gilberto Silva 1 Eduardo Gonçalves Magnani 2 Sabrina G. Cabral 3 RESUMO: Neste trabalho é feito uma análise da diferença

Leia mais

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA

Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA Vantagens e Cuidados na utilização do Valor Econômico Agregado - EVA REVISANDO O CÁLCULO DO EVA QUAIS AS VANTAGENS DA UTILIZAÇÃO DA MÉTRICA EVA? COMO FAZER OS AJUSTES NA AVALIAÇÃO DOS S / INVESTIMENTOS?

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente

4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente 4 passos para uma Gestão Financeira Eficiente Saiba como melhorar a gestão financeira da sua empresa e manter o fluxo de caixa sob controle Ciclo Financeiro Introdução Uma boa gestão financeira é um dos

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise

Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Gestão do Fluxo de Caixa em Épocas de Crise Lucro que não gera caixa é ilusão "Se você tiver o suficiente, então o fluxo de caixa não é importante. Mas se você não tiver, nada é mais importante. É uma

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos)

Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) Experiência: Sistema PIER e Gestão por Resultados (Painel de Indicadores Estratégicos) SERPRO - Serviço Federal de Processamento de Dados Ministério da Fazenda Responsável: Adinilson Martins da Silva Técnico

Leia mais

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 AVISO Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária

NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária NBC TSP 10 - Contabilidade e Evidenciação em Economia Altamente Inflacionária Alcance 1. Uma entidade que prepara e apresenta Demonstrações Contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa

IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa IFRS EM DEBATE: Aspectos gerais do CPC da Pequena e Média Empresa outubro/2010 1 SIMPLIFICAÇÃO DOS PRONUNCIAMENTOS: Pronunciamento CPC PME - Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas (225 páginas)

Leia mais

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO

CONSULTORIA MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO MUDAR NEM SEMPRE É FÁCIL, MAS AS VEZES É NECESSÁRIO CONTEÚDO 1 APRESENTAÇÃO 2 PÁGINA 4 3 4 PÁGINA 9 PÁGINA 5 PÁGINA 3 APRESENTAÇÃO 1 O cenário de inovação e incertezas do século 21 posiciona o trabalho

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

Building, Construction & Real Estate

Building, Construction & Real Estate KPMG no Brasil Building, Construction & Real Estate FINANCIAL SERVICES kpmg.com/br Quem somos Constituída na Suíça e com sede em Amsterdã, a KPMG International Cooperative (KPMG International) é uma rede

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados do 4T09 Trisul (TRIS3 BZ) 16 de março de 2010

Transcrição da Teleconferência Resultados do 4T09 Trisul (TRIS3 BZ) 16 de março de 2010 Operadora: Bom dia, senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à teleconferência dos resultados do 4T09 da Trisul. Hoje nós temos a presença do Sr. Jorge Cury Neto, Diretor Presidente, e Sr. Marco Antônio Mattar,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Conselho de Administração Diretoria Geral Gerenciamento de Capital Diretoria de Controladoria, Operações, Jurídico, Ouvidoria e Cobrança Diretoria de Tesouraria, Produtos e Novos Negócios Operações Bancárias

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006

ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS. Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 ENTENDIMENTO DOS ASPECTOS ESTRATÉGICOS DE VALORAÇÃO PARA AQUISIÇÃO DE EMPRESAS Domingos A. Laudisio São Paulo, 13 de dezembro de 2006 No balanço real de uma empresa ativos e capacitações são financiados

Leia mais

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11]

Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Técnicas de Logística Enxuta [6 de 11] Introdução Rogério Bañolas ProLean Logística Enxuta No artigo anterior, vimos uma seqüência recomendada para implementação, bem como uma explicação sucinta de como

Leia mais

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007.

Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Relatório dos principais pontos relevantes a respeito das Demonstrações Contábeis do Exercício Social de 2007. Srs. Diretores, Membros do Conselho Fiscal e Deliberativo da CAC, Submetemos à apreciação

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE Belo Horizonte 2011 Felipe Pedroso Castelo Branco Cassemiro Martins BALANCED SCORECARD FACULDADE BELO HORIZONTE

Leia mais