Instituto de Pesquisas Tecnológicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instituto de Pesquisas Tecnológicas"

Transcrição

1 PLANO DIRETOR INTRODUÇÃO A Diretoria do IPT, em consonância às diretrizes de sua gestão iniciada em meados de 2001, põe em prática este Plano Diretor com o propósito de que a Instituição assuma um papel ainda mais relevante no cenário de inovação tecnológica nacional e internacional. Ao mesmo tempo, a Diretoria mantém o compromisso de dar continuidade ao esforço que o Instituto tem desenvolvido nos últimos anos para tornarse mais eficaz, eficiente e transparente. As oportunidades e desafios que o IPT tem pela frente apresentam-se em dois âmbitos, o externo e o interno à Instituição. No âmbito externo, existe uma enorme oportunidade de que o Instituto apoie o setor produtivo e o Governo a conseguir uma inserção maior e mais bem-sucedida no cenário global. O sucesso dessa inserção depende criticamente de aumento da qualidade dos bens e serviços produzidos neste estado e da produtividade dos seus processos produtivos. As ações que se apresentam como prioritárias incluem: o aumento de atividades de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia; a capacitação em Tecnologia Industrial Básica TIB; e o fortalecimento da infra-estrutura física e de serviços da região. Detecta-se uma necessidade mais aguda de apoio da parte das micro, pequenas e médias empresas. Neste quadro, o IPT propõe-se a atuar tanto no fornecimento de apoio diretor ao setor produtivo e à comunidade, quanto no apoio à formulação e execução de políticas públicas, especialmente aquelas que promovem a preservação do meio ambiente e a redução dos riscos ambientais e aquelas que buscam aumentar o melhor aproveitamento de recursos naturais e a redução de desperdícios através da inovação tecnológica. Para aumentar a eficácia destas ações, o Instituto propõe-se a ampliar sua participação em redes de agentes de inovação e buscar aliados entidades, empresas, agências e pares para ação conjunta. No âmbito interno, o Instituto buscará o aumento da qualidade dos seus próprios serviços e da produtividade de seus processos técnicos e administrativos. O Instituto tem lutado com sua falta de flexibilidade para implementar mudanças, decorrente em grande parte da sua atual forma jurídica e da rigidez das regras e práticas administrativas a que estão sujeitas instituições como o IPT. Entretanto, a Diretoria está resolvida a empenhar-se em ações criativas de valorização dos profissionais e estímulo ao aumento de atividades, além da imprescindível renovação de seus quadros e um esforço significativo para praticar melhores salários para seus empregados. 1

2 2. MISSÕES As missões essenciais do IPT são: Prover apoio tecnológico ao setor produtivo Apoio a políticas públicas Aprimorar e disponibilizar seu acervo tecnológico 3. DIRETRIZES E ESTRATÉGIAS PARA 2002 Para melhor atendimento das missões, a Diretoria do IPT estabeleceu quatro diretrizes básicas para o exercício de AUMENTAR AS ATIVIDADES DE PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO: pretende-se conseguir este aumento reforçando as alianças estratégicas existentes ou estabelecendo novas alianças através da busca de novos parceiros, junto a entidades, empresas e agências de fomento. AUMENTAR A PARTICIPAÇÃO EM REDES INTERNAS E EXTERNAS: para tanto o IPT procurará entrar firmemente em redes de excelência tecnológica, em áreas temáticas consideradas estratégicas, seja para o País seja para a Instituição. AUMENTAR EM 5% AS RECEITAS REAIS DO IPT: este aumento será alcançado preferencialmente através de recursos a serem obtidos junto aos fundos setoriais existentes, associados a fontes de recursos empresariais; deverão ser desenvolvidos projetos tanto por execução isolada pelo IPT, como por intermédio de alianças com parceiros externos. Ademais, o aumento da receita própria deverá ocorrer, também, através do aumento de receitas advindas do desenvolvimento de atividades de Tecnologia Industrial Básica (TIB), atividades responsáveis por um terço da Receita Própria do IPT. A busca de um crescimento real de 5% das receitas próprias do Instituto pode parecer modesta. No entanto, este valor foi estabelecido com base na perspectiva da taxa de crescimento do PIB brasileiro de 2,5%, da Indústria Geral de 2,4%, aumento da Taxa de Desemprego e Redução da Massa Real de Rendimentos para Tais fatos têm impacto sobre a solicitação de atividades por parte dos clientes do IPT. 2

3 Acrescente-se ainda o propósito de o IPT pensar o seu desempenho no longo prazo e por esta razão voltar suas atividades para P&D&I. Inúmeras destas atividades são desenvolvidas com recursos orçamentários, não gerando receita no curto prazo. Também, ainda visando manter sua excelência no longo prazo, o IPT deverá voltar muitas de suas atividades a aperfeiçoamento de seus funcionários, de forma a mantê-los atualizados, para que possa continuar atendendo o meio externo com qualidade e competência técnica. Ainda com relação às Receitas Próprias, durante 2002, procurar-se-á alterar sua qualidade, isto é, procurar-se-á aumentar o percentual de receitas advindas das atividades de P&D&I. RENOVAR E VALORIZAR OS PROFISSIONAIS DA INSTITUIÇÃO: finalmente, a renovação e valorização dos profissionais da instituição deverá ocorrer por intermédio do desenvolvimento de várias atividades com ênfase especial em duas delas: adequação salarial e realização de um concurso, através do qual deverão ser contratados 100 pesquisadores. As missões do IPT e as diretrizes serão alcançadas através de linhas de ações voltadas ao ambiente externo e linhas de ações voltadas para o ambiente interno (Figura 1), que são apresentadas em parte posterior deste texto. 4. DIAGNÓSTICO INSTITUCIONAL O diagnóstico institucional teve por diretriz identificar os fatores relevantes, internos e externos, que incidiram no sucesso ou no insucesso das ações pretendidas, para o ano precedente, pelas Unidades Técnicas e Coordenadorias que compõem o Instituto. Serviram como base a este diagnóstico a análise crítica e construtiva efetuada pelas diversas Unidades Técnicas e Coordenadorias, ponto de partida do processo de elaboração do Plano Diretor de Serão abordadas as principais oportunidades e ameaças que o Instituto enfrentou em 2001 e deverá enfrentar em Por possuírem atividades e clientes distintos, foram analisados os pontos fortes e fracos das áreas técnicas e de apoio separadamente, embora muitos destes pontos tenham identidade entre eles. 3

4 (Figura 1) MISSÕES - DIRETRIZES - LINHAS DE AÇÃO Missão 1: Apoiar Indústrias Missão 2: Apoiar Políticas Públicas Missão 3: Acervo Tecnológico Diretriz: Aumentar P&D&I Diretriz: Aumentar Receita 5% Diretriz: Ampliar Redes Diretriz: Renovar e Valorizar RH Linhas de Ação: Apoio ao Setor Produtivo 06 Linhas; 31 Ações Linhas de Ação: Apoio a Políticas Públicas 08 Linhas; 35 Ações Linhas de Ação: Força de Trabalho 01 Linha; 04 Ações Linhas de ação: Sistema de Gestão 01 Linha; 06 Ações 4

5 Nas áreas técnicas os pontos fortes foram classificados em seis grupos: 1. experiência e capacitação técnica da equipe de pesquisadores; 2. qualidade dos serviços prestados; 3. imagem do IPT no mercado, sinônimo de qualidade, confiabilidade e imparcialidade; 4. capacidade de atuação multidisciplinar por parte das unidades; 5. alguns laboratórios com equipamentos modernos; e, 6. sistema de qualidade implantado. Este levantamento mostra que existe um elevado potencial para a exploração da marca IPT, concretizada por meio de marketing institucional. Os pontos fracos apontados pelas áreas técnicas podem ser agrupados em: 1. dificuldade em renovar os recursos humanos; 2. infra-estrutura muitas vezes deficitária; 3. dificuldades nas operações internas; e, 4. ausência de política e atividade plena de marketing. É oportuno o registro de alguns comentários levantados sobre estes itens. Primeiramente, um item que apareceu na apreciação de todas as unidades: recursos humanos. Devido à falta de uma adequação salarial aos níveis praticados pelo mercado, falta de perspectiva de carreira dentro da Instituição, morosidade e ausência de contratações, o IPT vem encontrando dificuldades para manter um corpo técnico condizente com a excelência esperada pelos seus clientes. Isto gera uma apreensão muito grande com relação ao futuro da Instituição, muito dependente da capacidade técnica de seus funcionários. Este talvez seja o aspecto mais crítico com o qual o IPT se defronta. Outro ponto apontado são os investimentos insuficientes em infra-estrutura. Apesar de muitos laboratórios terem sido modernizados, com recursos advindos de recursos de órgãos de fomento e clientes, um grande número de laboratórios enfrenta problemas tanto com a obsolescência quanto à falta de equipamentos, além da falta de manutenção ou de equipes especializadas para tal. E, por último, um aspecto chave é a ausência de uma área de Marketing. A Instituição se ressente de uma política institucional voltada para uma maior inserção da marca IPT no mercado. Um ponto específico diz respeito à necessidade de profissionalizar a competência gerencial e a estrutura de apoio às atividades de marketing. 5

6 Os principais pontos fortes trazidos pelas áreas de apoio são a sua interatividade e o bom relacionamento com as áreas técnicas, a credibilidade das equipes de qualidade, as pesquisas de satisfação do cliente, que são cada vez mais utilizadas como indicadores de qualidade, além de diversas ações realizadas no intuito de se manter um elevado padrão de bem estar dos funcionários, como campanhas de vacinação, creches entre outros. Já os principais pontos fracos apontados pelas áreas de apoio, além do problema da falta de recursos humanos, são principalmente: informática e sistemas integrados de gestão. Com relação à informática, o problema se divide em dois aspectos: a precariedade dos equipamentos utilizados e a falta de capacitação dos funcionários para a plena utilização de ferramentas computacionais. Esta combinação acaba gerando uma barreira enorme à modernização e racionalização das rotinas de trabalho, gerando ineficiência. Os fatores citados acima têm grande influência sobre um outro aspecto que deixa a desejar no IPT: um sistema integrado de gestão entre a CEF, o CRH e a antiga Cad, hoje CGP e Coordenadoria de Suprimentos. Estando as informações dispersas pelo Instituto, há uma dificuldade enorme para elaboração de relatórios gerenciais e de controle de projetos. Para encerrar este Diagnóstico Institucional 2001/2002 deve-se chamar a atenção para as principais ameaças e oportunidades que o Instituto enfrentará em Entre as oportunidades consideradas, devem ser destacadas: a previsão de retomada de crescimento a para economia brasileira após os choques ocorridos no ano passado; o bom relacionamento do IPT com agências de fomento, MDIC, MCT e Agências reguladoras; fundos setoriais dispondo de vultosos recursos para desenvolvimento de inovação tecnológica e, por fim, a possibilidade de uma maior inserção do IPT no cenário nacional e internacional, através de parcerias e convênios com institutos de pesquisa e empresas sediadas no exterior. Entre as principais ameaças consideradas em 2002 deve-se ressaltar que o ano 2002 é um ano atípico, pois, em decorrência da legislação eleitoral, há restrições quanto a contratação de pessoal e mesmo de realização de contratos por parte das empresas estatais. Além disso, tem sido observado uma tendência de aumento da concorrência no mercado em que o IPT atua. Um resumo do que foi aqui discutido pode ser visualizado no quadro a seguir: 6

7 FORÇAS Experiência e capacitação técnica Qualidade dos serviços Imagem do IPT Atuação multidisciplinar Sistema da qualidade Pesquisas de satisfação Qualidade de vida OPORTUNIDADES Crescimento da economia Bom relacionamento IPT Governo Aumento recursos nos Fundos Setoriais Melhoria no cenário internacional Aumento nas parcerias do IPT FRAQUEZAS Renovação dos Recursos Humanos Infra-estrutura Operações internas Marketing Sistemas integrados Informática AMEAÇAS Legislação eleitoral restringindo contratações de pessoas e projetos Concorrência de outras instituições de P&D 5. PRINCIPAIS LINHAS DE AÇÃO A partir das diretrizes emanadas pela Diretoria e das excelências de competências que o Instituto dispõe, foi feito um levantamento das principais ações a serem desenvolvidas pelas diferentes áreas técnicas e de apoio do IPT, além da priorização e a classificação de tais ações. Conforme apresentado na abertura deste Plano, o Instituto enfrenta oportunidades e desafios em duas frentes, externa e interna, que serviram de base para uma classificação das ações. No que se refere ao ambiente externo, o IPT atua basicamente em duas grandes áreas: atendimento ao setor produtivo e a políticas públicas. Já com relação ao ambiente interno, as atividades, em 2002, terão duas áreas principais de atuação: a força de trabalho e o sistema de gestão. 7

8 Todas as áreas de atuação possuem linhas de ação, ou seja, um conjunto de ações que possuem características comuns. As ações foram agrupadas em 16 linhas de ação, como se segue: DIMENSÃO AMBIENTE EXTERNO: Apoio ao setor produtivo (6 linhas de ação) Tecnologia Industrial Básica (TIB); apoio às micro, pequenas e médias empresas; petróleo, combustíveis e energia; tecnologia de processos; informática; educação continuada. Apoio a políticas públicas (8 linhas de ação) gerenciamento de riscos; gerenciamento de resíduos; recursos hídricos; sistemas construtivos; sistemas de transporte; apoio tecnológico aos municípios; qualidade das compras públicas; apoio à formulação de políticas públicas. DIMENSÃO AMBIENTE INTERNO: Força de trabalho (1 linha de ação) Sistema de Gestão (1 linha de ação) A seguir serão detalhadas estas linhas de ação e suas motivações, além das principais ações correspondentes. 5.1 APOIO AO SETOR PRODUTIVO O apoio ao setor produtivo é proposto por meio de seis linhas de ação: Tecnologia Industrial Básica (TIB); apoio às micro, pequenas e médias empresas; petróleo, combustíveis e energia; tecnologia de processos; informática; e, educação continuada. 8

9 TECNOLOGIA INDUSTRIAL BÁSICA TIB Esta área de atividades tem características bastante próprias: trata-se de atendimento à demanda; exige infra-estrutura atualizada; são necessários altos investimentos, geralmente realizados com recursos de agências de fomento; exige parcerias com empresas para investimento nos laboratórios; eficiência da operação é importante; exige ações de marketing diferentes daquelas para venda de P&D&I. Para aumento de 5% (em valor real) nas receitas próprias esta área deverá ser reforçada, pois seu peso é muito grande na formação desta receita. O IPT tem uma rede de laboratórios muito conceituada; este reconhecimento foi obtido via credenciamento, participações em programas interlaboratoriais ou intercâmbio com outras instituições. O reforço nesta área é imprescindível pois ela é um instrumento de apoio à Inovação e Competitividade, compreendendo a metrologia, normalização, avaliação de conformidade e propriedade intelectual, além das áreas de informação tecnológica e tecnologia de gestão. Para reforçar esta linha de atuação o IPT, em 2002, desenvolverá cinco ações principais: criar competências adicionais em calibração em diferentes áreas em parceria com INMETRO; desenvolver a Metrologia Química no IPT; instalar novos laboratórios de ensaios; reforçar a atividade de normalização; expandir a atividade de Design no IPT, via o Centro SP Design (SCTDE, FIESP, SEBRAE-SP, IPT) APOIO ÀS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Esta é uma área de atuação muito importante e poderia até estar classificada como sendo de apoio a políticas públicas pois, embora se trate de atendimento ao setor produtivo, atende a política governamental de apoiar estas empresas, tendo em vista elevar sua competitividade e, quando for o caso, aumentar seu potencial exportador. São ações que procuram contribuir para a política pública de aumento às exportações brasileiras. Vale lembrar que as muitas ações desenvolvidas junto dessas empresas já ultrapassaram as fronteiras do Estado de São Paulo. Alguns projetos, devido 9

10 seus resultados positivos alcançados no Estado, foram abraçados pelo Governo Federal e por outros estados da Federação. Estas ações serão desenvolvidas com recursos de agências de fomento estaduais e federais, Fundo Verde- Amarelo, SEBRAE, federação de indústrias etc. São ações multidisciplinares, que exigem parcerias, internas e externas, pois necessitam do concurso das diferentes competências técnicas do IPT e de seus parceiros nos vários estados e de recursos financeiros de diferentes fontes. São quatro as principais ações dentro desta linha de ação: Programa de Apoio Tecnológico à Exportação Progex; expansão nacional (Fundo Verde-Amarelo); Programa de Unidades Móveis PRUMO; multiplicação em outros estados; Centro Incubador de Empresas Tecnológicas CIETEC (SCTDE, SEBRAE- SP, USP, IPEN, IPT); Sebrae Tecnologia Sebraetec PETRÓLEO, COMBUSTÍVEIS E ENERGIA Nesta área, as ações do IPT tomam diferentes formas pois elas referem-se desde à resolução de problemas de operação de unidades de exploração, processamento e transporte de petróleo quanto ao desenvolvimento de novos processos e produtos. Estas ações referem-se não apenas ao segmento de petróleo mas, também, de outros tipos de combustíveis e energia. São projetos de interesse do Estado de São Paulo, da Petrobras, da Agência Nacional de Energia, empresas privadas e por esta razão têm fontes diferentes de financiamento, sendo as principais fontes o CTPetro, CTEnerg e a Petrobras. São nove as principais ações propostas para esta área: Rede Paulista de Tecnologia de Dutos (SCTDE e Petrobras); Combustão industrial e em motores (CTPetro e Petrobras); Estacas off shore e dutos de produção (risers) (CTPetro e Petrobras); Estocagem subterrânea de gás natural (CTPetro e Petrobras); Deformabilidade de rochas em poços profundos (CTPetro e Petrobras); Redes de turbinas a gás palhetas (CTEnerg); Desenvolvimento de metodologia para controle de qualidade de combustíveis (ANP e CTPetro); 10

11 Monitoramento de combustíveis veiculares (ANP); Misturas álcool/diesel/aditivos (Lubrizol e CTPetro) TECNOLOGIA DE PROCESSOS Esta linha de ação abrange diferentes áreas técnicas do IPT e tem clientes multivariados. As ações propostas objetivam o melhoramento de diversos processos produtivos de vários setores industriais e o desenvolvimento de processos para a fabricação de novos produtos. Adicionalmente, estas ações envolvem, também, o melhoramento da gestão de processos produtivos de modo a incrementar a produtividade e qualidade dos mesmos. São cinco os campos onde são propostas ações nesta linha: fundição de alumínio; processamento de nióbio (CBMM); microencapsulação (ZILLO, Lorenzetti, Rhodia, Nitrocarbono, FMUSP); biorreatores para vacinas (Vallée); extrusão de alumínio (ABAL) INFORMÁTICA E TELECOMUNICAÇÕES No apoio ao setor produtivo, a linha de ação Informática e Telecomunicações do IPT tem se beneficiado dos recursos provenientes dos incentivos fiscais às empresas do ramo. Os projetos a serem realizados ou que já estão em execução referem-se ao desenvolvimento de vários dispositivos e componentes integrantes de equipamentos eletromecânicos, ensaios em protótipos, manutenção e calibrações de instrumentos envolvidos nos processos de produção ou de desenvolvimento, desenvolvimento de softwares etc.. As fontes de recursos que sustentam esta linha de ação são as empresas do ramo, bancos, Secretarias de Governo e agências de fomento. Esta linha de ação em Informática e Telecomunicação tem seis ações principais: 11

12 desenvolvimento de softwares para automatização do fluxo de informações (Alcatel, SEFAZ-SP, Itautec); hardware e software URA Unidade de Resposta Audível (Itautec); desenvolvimento de comunicação de curta distância para ondas de rádio pedágio eletrônico; Labtelecom (Alcatel) rede de laboratórios; Web site e Web 3D; Visão computacional e reconhecimento de imagens (SCTDE, Fapesp) EDUCAÇÃO CONTINUADA A atualização da formação dos profissionais tem sido uma das preocupações do IPT. O acervo de conhecimentos existente na instituição além de ser preservado deve ser multiplicado. Visando difundir o conhecimento acumulado por seu corpo técnico, foram criados os cursos de Mestrado Profissional, atendendo às necessidades do meio em que o IPT atua. Tendo em vista a capacitação do meio interno e externo, são ministrados cursos de especialização, que são planejados e executados pelas áreas técnicas. Da linha de ação Educação Continuada faz parte o seguinte conjunto de ações: Quatro Cursos de Mestrado Profissional em: Tecnologia da Habitação, Engenharia da Computação, Tecnologia Ambiental e Processos Industriais; Cerca de 20 cursos de especialização (público externo); Cerca de 40 cursos de especialização (público interno). 5.2 APOIO A POLÍTICAS PÚBLICAS O apoio a políticas públicas deverá ser atendido por meio de oito linhas de ação: gerenciamento de riscos; gerenciamento de resíduos; recursos hídricos; sistemas construtivos; sistemas de transporte; apoio tecnológico aos municípios; qualidade das compras públicas; e, apoio à formulação de políticas públicas. 12

13 5.2.1 GERENCIAMENTO DE RISCOS A existência no IPT de várias especialidades lhe confere a capacidade de atuar em projetos de gerenciamento de riscos dos mais variados e em seus múltiplos aspectos. Sendo assim, o IPT tem estabelecido parcerias com diferentes entidades, podendo ser citadas prefeituras, DER, DAEE, Secretarias, órgãos de fomento etc. Têm sido realizadas análises de riscos em áreas ocupadas e sujeitas a escorregamentos, erosão, assoreamento, inundações e afundamentos, visando fornecer aos órgãos governamentais e de defesa civil, o conhecimento e os meios técnicos necessários para o gerenciamento e para a implementação de medidas preventivas e corretivas Vale lembrar que estas atividades, regra geral, têm benefício social direto e os resultados são de difícil mensuração. A relação custo/benefício deve obedecer padrões diferentes dos usualmente utilizados, pois o sucesso está na não ocorrência do desastre. O conjunto de ações proposto em Gerenciamento de Riscos é: Núcleo de monitoramento de riscos (SCTDE, DAEE, Sabesp, DER, CEDEC, Fapesp, IPT); PPDC Baixada Santista, Litoral Norte e Vale do Paraíba (SCTDE, IGUSP, SMA, CEDEC); Erosão zero (Prefeitura de São Paulo e DAEE); Prevenção de acidentes em dutos (Transpetro/Petrobras); Programa Serra do Mar (Fapesp) GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Atendendo ao que está acontecendo no meio externo, o IPT está expandindo suas atividades em projetos de gerenciamento de resíduos. Os trabalhos têm diferentes características, incluindo o desenvolvimento de modelo de gestão da reciclagem do lixo gerado nos municípios, sistema integrado para gestão regional do lixo, estudos para disposição e recuperação de rejeitos radioativos e contaminantes e levantamentos em áreas contaminadas. São atividades multidisciplinares, que exigem a participação de diferentes áreas técnicas e diferentes entidades públicas e privadas. As principais ações no âmbito desta linha de ação de Gerenciamento de Resíduos são: 13

14 Projeto Recicla para resíduos sólidos municipais (SEBRAE-SP, PATEM); Recuperação de resíduos industriais lodo galvânico, escória de aciaria e alumínio, areia de fundição; Tratamento via plasma térmico de resíduos industrial e hospitalar; Disposição de resíduos radioativos (CNEN); Recuperação de áreas contaminadas (Mauá/SP) RECURSOS HÍDRICOS Esta, também, é uma área em que o IPT tradicionalmente dá grande contribuição ao poder público. Em parcerias das mais diversas, o Instituto realiza estudos e levantamentos sobre qualidade e quantidade de recursos hídricos superficiais e subterrâneos, visando a melhoria dos sistemas de gestão e conservação de água, incluindo o desenvolvimento de métodos de detecção de vazamentos em redes de abastecimento público enterradas e de localização de poços. Realiza diagnósticos e prognósticos sobre assoreamento de represas de abastecimento público e contaminantes em sedimentos de fundo nas represas, a racionalização em sistemas de gerenciamento de aqüíferos. Além disso, está desenvolvendo a base de dados para a gestão de hidrovias e a Carta Hidrogeológica do Estado de São Paulo. Trata-se, portanto, de ações de grande alcance social. As principais ações nesta linha de Recursos Hídricos são: apoio técnico aos Comitês de Bacias (Fehidro); Gestão Metrológica da Água (CTHidro, CTH, Sabesp); diagnósticos no assoreamento de represas de abastecimento (Sabesp); racionalização do sistema de gerenciamento do Aqüífero Guarani (BID, GEF, OEA e MMA); Carta Hidrogeológica do Estado de São Paulo (DAEE, SMA-SP, CPRM); gestão e conservação da água (Sabesp, DAEE) SISTEMAS CONSTRUTIVOS São várias as linhas de ação do IPT no que se refere aos sistemas construtivos e em especial aos sistemas de habitação de interesse social. Estes programas têm sido financiados basicamente pelo estado, cooperativas habitacionais e 14

15 agências de fomento. São de extrema importância estas atividades devido ao grande déficit habitacional brasileiro e ao alto grau de desperdício existente no setor construtivo. Entre as principais ações contidas nesta linha Sistemas Construtivos podem ser citados: Programa Habitare Habitação de interesse social (Finep, SCTDE); Qualihab patologia de edificações (CDHU); Registro IPT qualidade dos materiais de construção (Netec, Argentina) SISTEMAS DE TRANSPORTE Nesta área o IPT tem desenvolvido projetos nos diversos modais, tanto em projetos de infra-estrutura, como em tecnologias de equipamentos, além de apoio à operação dos diversos modais, atendendo tantos os Poderes Concedentes, quanto às concessionárias desses modais. Nesta linha Sistemas de Transporte podem ser citadas as seguintes ações principais: Serviços tecnológicos em infra-estrutura (Metrô, DER); Terminais portuários hidroviários e marinas; Segurança veicular (Denatran); Inspeção veicular (Denatran e MCT); Pedágio eletrônico (Geipot, DER); Centro Fluvial de Jaú (Prefeitura Jaú, EPUSP, CEETPS/SCTDE, IPT) APOIO TECNOLÓGICO AOS MUNICÍPIOS O objetivo principal desta área de ação é a execução de serviços e estudos para prefeituras municipais do Estado de São Paulo, por meio do Programa de Apoio Tecnológico aos Municípios PATEM, destinado a fomentar e apoiar a implementação de projetos e políticas públicas de âmbito local e regional que possam contribuir para o desenvolvimento sustentável dos municípios, com geração de emprego, renda e qualidade de vida. Ademais, ainda no atendimento aos municípios está prevista a execução de um programa de apoio ao desenvolvimento turístico das estâncias. 15

16 Nesta linha de Apoio Tecnológico aos Municípios estão previstos: PATEM, com 20 atendimentos já confirmados e 10 aguardando recursos; Projetos para desenvolvimento turístico das estâncias (DADE/SCTDE) QUALIDADE DAS COMPRAS PÚBLICAS O Governo, pelo volume e valor das compras que realiza, tem grande impacto na economia. Cientes destes fatos, os governantes implantaram uma política de colocar a tecnologia disponível a serviço do Estado, de forma que os produtos comprados sejam condizentes com as necessidades e com o preço. Através desta política, o Estado orienta suas compras para fornecedores que possuam as qualidades exigidas ao mesmo tempo que estimula outros fabricantes a se capacitarem para fornecer produtos em igualdade de condições. Esta ação do Estado, grande comprador, exigirá melhoria tecnológica aumentando sua competitividade. O IPT coloca-se então neste processo no sentido de orientar as compras do Estado ao mesmo tempo que orienta as empresas para que tornem-se adequadas para este fornecimento. Dentro desta linha de ação denominada Qualidade das Compras Públicas, têm destaque: projetos de Avaliação da Qualidade do Mobiliário e dos Livros Escolares (MEC, PNUD e Fundescola); projetos de âmbito nacional livro didático (MEC); projeto de avaliação da qualidade dos Equipamentos de Proteção Individual (Polícia Militar/SP) APOIO À FORMULAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS Apoiar o Estado na formulação de suas políticas é uma das funções do IPT. Este apoio refere-se à política tecnológica, a políticas setoriais e mesmo à política de preços. Para isso, além de participar de diversos fóruns de discussão, o IPT desenvolve, com recursos orçamentários, projetos que atendem estas necessidades governamentais. Dentro desta linha de Apoio à Formulação de Políticas Públicas merecem destaque as ações: 16

17 implantação do Observatório Tecnológico; Análise das Cadeias Produtivas desenvolvimento de metodologia de análise e análise de cadeias específicas (SCTDE, Fapesp, IPT); estímulo ao Turismo (DADE/SCTDE); criação do Índice de Preços de Madeira e Móveis (MDIC, Secretaria de Governo/SP). 5.3 FORÇA DE TRABALHO As unidades e coordenadorias do IPT são unânimes em afirmar que falta ao Instituto uma política de renovação e readequação da força de trabalho. Durante sucessivos anos, o Instituto vem perdendo pessoal técnico e administrativo qualificado, seja devido à falta de perspectivas, tanto salariais e de carreira, quanto às políticas contracionistas do Estado. Por isso, a Diretoria Executiva está empenhada na busca da preservação e renovação de sua massa crítica, além de readequá-la à realidade do mercado. Como um meio para suprir as necessidades das unidades e no intuito de desenvolver profissionais capazes de equacionar os problemas científicos e tecnológicos da nação e, em especial, do Estado de São Paulo, buscar-se-á estabelecer o Programa de Pesquisador Visitante e Estágio para Alunos de pós-graduação. Para assegurar a força de trabalho que o IPT necessita estão propostas as seguintes ações: Concurso 100, para o ingresso de 100 novos pesquisadores; readequação do Plano de Carreira; adequação salarial, para uma compatibilização com as práticas de mercado; Programa Pesquisador Visitante e Estágio para Alunos de Pós-Graduação. 5.4 SISTEMAS DE GESTÃO O mundo atravessa uma revolução tecnológica de grandes dimensões, tendo como um de seus frutos a chamada tecnologia da informação, tecnologia essa que traz grandes oportunidades e implicações para todos, mas principalmente na forma de gestão das organizações, especialmente para o setor público. 17

18 Tomando como exemplo a Bolsa Eletrônica de Compras (BEC) do Estado de São Paulo, que o IPT ajudou a implementar, torna-se imprescindível para o Instituto modernizar a maneira pela qual é gerido. O IPT carece de um sistema de gestão unificado. Para que ocorra a modernização dos sistemas de gestão, o primeiro passo será identificar as necessidades e expectativas dos shareholders e clientes do IPT. Feito isso, será necessário um esforço ainda maior para uma mudança cultural por parte de todos os funcionários para a consecução destes objetivos. Com relação ao Modelo Institucional, novos modelos para o IPT vêm sendo estudados, tendo sempre como escopo buscar uma maior eficiência no cumprimento das missões institucionais. Finalmente, para manter a credibilidade e excelência dos serviços prestados pelo IPT, será iniciada a adequação dos laboratórios à norma NBR-ISO 9001:2000, que passará a ter validade a partir de dezembro/2003. Buscando a excelência na gestão operacional e institucional, as principais ações a serem executadas serão as seguintes: reorganização da Administração Superior do IPT; estruturar e implementar de forma plena a atividade de marketing; criar sistema de indicadores para Atividades-Fim; organizar e operar os serviços de apoio às atividades de marketing e ao sistema de gestão; iniciar adequação do Sistema da Qualidade à NBR-ISO 9001 (versão 2000). 6. PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA PARA 2002 A previsão orçamentária apresentada na Tabela Fontes e Aplicações de Recursos Exercício de 2002 reflete estimativas de despesas e receitas do IPT. Os principais destaques desta previsão orçamentária são: Dotação do Tesouro do Estado de São Paulo de R$ 42 milhões, conforme Lei n o de 28/12/

19 Um crescimento previsto da receita própria de 7% (em valor real) em relação a receita própria realizada em 2001, refletindo um esforço da Instituição para comercialização de seus serviços atuais e potenciais. Para fazer face a este aumento previsto de receitas está previsto uma elevação de 3% (em valor real) nas despesas de custeio do IPT. Dentro deste esforço de modernizar os laboratórios do IPT e de recuperar a infraestrutura do Instituto estão previstos investimentos no valor de R$ 5,5 milhões. Deste total, R$ 3,8 milhões serão realizados com recursos provenientes da FINEP e R$ 1,7 milhões serão realizados com recursos próprios. Não estão incluídos neste montante o valor de R$ 4,8 milhões, investimentos provenientes de recursos aportados no IPT por clientes e agências de fomento e que não entram no processo contábil formal, ou seja, recursos de pesquisas obtidos e gerenciados diretamente pela pessoa física do pesquisador. Para seu equilíbrio entre fontes e aplicações de recursos o Instituto necessita de captar recursos adicionais no valor de R$ 4,4 milhões, principalmente através de agências de fomento e com a busca de novas parcerias no mercado. Fica indicado ainda que, no quadro a seguir, não estão incluídos os valores em atraso com Impostos (ISS e IPTU), em negociação junto a Prefeitura do Município de São Paulo, no montante de R$ 4,9 milhões (vide Demonstrativo da Dívida, em anexo). 19

20 FONTES E APLICAÇÕES DE RECURSOS EXERCÍCIO 2002 (R$ mil) OPERACIONAL RECEITAS Receitas de Produtos e Serviços SCTDE FINEP Clientes Privados e Públicos Receita de Dotação Orçamentária DESPESAS Pessoal Próprio e Terceiros Outras Despesas SUPERÁVIT OPERACIONAL FINANCEIRO FONTES Superávit Operacional Depreciações Recursos a Captar APLICAÇÕES Investimentos C/Recursos FINEP C/Recursos Próprios Dívidas c/parcelamento negociado

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA FORTALECIMENTO DA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE MÁQUINAS E IMPLEMENTOS AGRÍCOLAS Cooperação CSMIA-ABIMAQ/ IPT / POLI-USP 29 de Abril 2013 - AGRISHOW Desafios da Competitividade e Consolidação do Setor 1. A maioria

Leia mais

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos

Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos Formação de Recursos Humanos na área de fármacos e medicamentos A formação em Farmácia Seminário do BNDES 7 de maio de 2003 Por que RH para Fármacos e Medicamentos? Fármacos e Medicamentos como campo estratégico

Leia mais

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT

FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT FORMAÇÃO E CAPACITAÇÃODE RECURSOS HUMANOS DA ANTT Quadro de Servidores SITUAÇÃO 2008 2009 Abril 2010 CARGOS EFETIVOS (*) 429 752 860 Analista Administrativo 16 40 41 Especialista em Regulação 98 156 169

Leia mais

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações

Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Apoio financeiro da FINEP para Metrologia e Telecomunicações Painel Setorial de Telecomunicações INMETRO 27 de outubro de 2006 Missão da FINEP Promover e financiar a inovação e a pesquisa científica e

Leia mais

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP

O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP O Papel da FINEP como Fomentadora de Projetos de Inovação Tecnológica EDGARD ROCCA Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa AITP erocca@finep.gov.br Tel: 21 2555-0641 Financiadora de Estudos e Projetos

Leia mais

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012

ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Fevereiro 2014 Um olhar da Inventta: ANÁLISE DO USO DOS INCENTIVOS FISCAIS À INOVAÇÃO EM 2012 Maria Carolina Rocha, Marina Loures e Otávio Vianna 1. Introdução A Lei do Bem, cujo principal objetivo é promover

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA

Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Prioridades e Recomendações (2011-2014) INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Documento de Trabalho SESSÃO TEMÁTICA INOVAÇÃO E PRODUTIVIDADE NA INDÚSTRIA Indicador de importância das prioridades (Resultado

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC

Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Instituto Euvaldo Lodi de Santa Catarina IEL/SC Uma estrutura de apoio à Inovação Eliza Coral, Dr. Eng., PMP Outubro, 2010 Diretrizes Organizacionais Missão Contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil

Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Investimento em Tecnologia e Desenvolvimento da Indústria Nacional de Bens e Serviços no Brasil Madhu Haridasan Coordenador de Tecnologia da Informação da Rede Brasil de Tecnologia Dispêndios nacionais

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos

BDMG. Semana Mineira de Redução de Resíduos. Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos BDMG Semana Mineira de Redução de Resíduos Instrumentos Financeiros para Redução de Resíduos Novembro de 2010 BDMG Desenvolvimento, inclusão social e sustentabilidade Perfil do BDMG Fundação: Lei Estadual

Leia mais

CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA

CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA CT-ENERG/Empresas: FINEP 02/2002 CARTA CONVITE ÀS EMPRESAS DA CADEIA PRODUTIVA VINCULADA AO SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA O MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, em cumprimento à recomendação do Comitê

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Dispõe sobre o Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico FNDCT, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas

Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Bem-Vindos NAGI P&G Campinas Núcleo de Apoio à Gestão da Inovação da Cadeia de Petróleo e Gás do Estado de São Paulo 2013-2014 Edital Pro-Inova FINEP/2010 Há oportunidades para participação de empresas

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento

10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento 10.3 Cronograma de Implantação e Orçamento A Tabela 85, a seguir, apresenta o Cronograma de Implantação e Orçamento detalhado para os programas propostos com o PERH/PB, objeto do capítulo anterior. Para

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015

A Estratégia do Conselho da Justiça Federal 2015/2020 CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 A Estratégia do Conselho da Justiça Federal CJF-POR-2015/00359, de 26 de agosto de 2015 SUEST/SEG 2015 A estratégia do CJF 3 APRESENTAÇÃO O Plano Estratégico do Conselho da Justiça Federal - CJF resume

Leia mais

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito

A importância do crédito para as pequenas e médias empresas. Condicionantes da oferta de crédito A importância do crédito para as pequenas e médias empresas Condicionantes da oferta de crédito Distribuição de empresas por porte MICRO PEQUENA MÉDIA GRANDE 0,4% 0,7% 6,2% Micro e Pequenas empresas 98,9%

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para credenciamento de Unidades EMBRAPII (UE)

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CLÁUSULA DE INVESTIMENTOS EM P&D I. Aspectos gerais 1. Introdução O objetivo da cláusula de Investimentos em P&D é a geração de novas tecnologias, novos

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA

Órgão de Coordenação: Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia e do Meio Ambiente SECTMA 12.4 SISTEMA DE GESTÃO PROPOSTO 12.4.1 ASPECTOS GERAIS O Sistema de Gestão proposto para o PERH-PB inclui órgãos da Administração Estadual, Administração Federal, Sociedade Civil e Usuários de Água, entre

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PEQUENOS negócios no BRASIL 99% 70% 40% 25% 1% do total de empresas brasileiras da criação de empregos formais da massa salarial do PIB das exportações

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL

RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL RELATÓRIO DO ENCONTRO DE PESQUISADORES ENVOLVIDOS COM INOVAÇÃO E EMPREENDEDORISMO NA UFPEL No dia 06 de fevereiro de 0, às h, reuniram-se, no Auditório do Prédio B da Epidemiologia, alguns pesquisadores

Leia mais

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE PETROBRAS - REGAP Contagem 19 de outubro de 2011 Iniciativas de Qualificação - PROMINP PROMINP O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense

PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense PROJETO Educação de Qualidade: direito de todo maranhense 1. DISCRIMINAÇÃO DO PROJETO Título do Projeto Educação de Qualidade: direito de todo maranhense Início Janeiro de 2015 Período de Execução Término

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS

APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Programa Plataformas Tecnológicas PLATEC II FPSO Workshop Tecnológico Campinas, 24-25 de abril de 2012 APOIO TECNOLÓGICO PARA A INDÚSTRIA BRASILEIRA DE NAVIPEÇAS Carlos Daher Padovezi Instituto de Pesquisas

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO PLANO DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA Flash Lan House: FOCO NO ALINHAMENTO ENTRE CAPITAL HUMANO E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA

Levantamento da Base. Industrial de Defesa. Levantamento da Base. Industrial de Defesa (BID) Reunião Plenária do COMDEFESA Levantamento da Base Industrial de Defesa (BID) Levantamento da Base Reunião Plenária do COMDEFESA Industrial de Defesa São Paulo, 05 de março de 2012 (BID) Reunião Ordinária ABIMDE São Bernardo do Campo,

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

DESENVOLVIMENTO. São Luís, 25 de Novembro de 2011 TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PARA O SETOR DE P&G

DESENVOLVIMENTO. São Luís, 25 de Novembro de 2011 TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PARA O SETOR DE P&G DESENVOLVIMENTO São Luís, 25 de Novembro de 2011 TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PARA O SETOR DE P&G CONVÊNIO PETROBRAS - SEBRAE OBJETIVO GERAL Promover a inserção competitiva e sustentável de micro e pequenas

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira:

Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Plano Inova Empresa Inovação e desenvolvimento econômico Investimento em inovação para elevar a produtividade e a competitividade da economia brasileira: Ampliação do patamar de investimentos Maior apoio

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013

PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 PORTARIA INTERMINISTERIAL No-10, DE 11 DE JULHO DE 2013 Regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Os MINISTROS

Leia mais

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA

Profa. Ligia Vianna. Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA Profa. Ligia Vianna Unidade II PRINCÍPIOS BÁSICOS DA ADMINISTRAÇÃO Num passado não muito distante, a ordem sociopolítica compreendia apenas dois setores, ou seja, um público e outro privado. Esses setores

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014

Plano BrasilMaior 2011/2014 Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Agenda de Ações para a Competitividade dos Pequenos Negócios Dimensões do Plano Brasil Maior -Quadro Síntese Dimensão Estruturante:

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia

Área de Comunicação. Tecnologia em. Produção Multimídia Área de Comunicação Produção Multimídia Curta Duração Produção Multimídia Carreira em Produção Multimídia O curso superior de Produção Multimídia da FIAM FAAM forma profissionais preparados para o mercado

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

Seminário Em Busca da Excelência 2008

Seminário Em Busca da Excelência 2008 Seminário Em Busca da Excelência 2008 IEL/SC - Implementação de sistema de gestão com base nos fundamentos da excelência Natalino Uggioni Maio, 2008 1 IEL em Santa Catarina Integrante da FIESC Federação

Leia mais

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 NOVO MODELO DE GESTÃO 1 ANO DE GOVERNO SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 DIAGNÓSTICO POSIÇÃO EM 31/12/2004 Dívidas de curto prazo 175,8 MILHÕES Disponibilidades

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2º RELATÓRIO PARCIAL DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL - CPA Mantenedora: Fundação Presidente Antônio Carlos Mantida: Faculdade Presidente Antônio Carlos de Araguari

Leia mais

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras

A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras A importância das exportações de serviços e da internacionalização das empresas brasileiras Guido Mantega Presidente - BNDES 25 o ENAEX- Novembro/2005 www.bndes.gov.br 1 Inserção do Brasil na Globalização

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014

PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 PROPOSTAS DA INDÚSTRIA PARA AS ELEIÇÕES 2014 Propostas para os candidatos Desde as eleições de 1994, a CNI apresenta à sociedade e aos candidatos sugestões para melhorar o desempenho da economia. Propostas

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior

O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior O País que Queremos Ser Os fatores de competitividade e o Plano Brasil Maior Alessandro Golombiewski Teixeira Secretário-Executivo São Paulo, agosto de 2012 Introdução 1 Contexto Econômico Internacional;

Leia mais

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR

3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV. 0DUoR 3Uy5HLWRULDSDUD$VVXQWRVGH 3HVTXLVDH3yV*UDGXDomRGD8)3( 5HODWyULRGH$WLYLGDGHV 0DUoR $'0,1,675$d 2 Aprovação junto a CPPG da Resolução nº 01/2001 que dispõe sobre as atribuições da Comissão de Pós-Graduação

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia

Ana Lúcia Vitale Torkomian. Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência e Tecnologia Sessão Plenária 5: Programas Nacionais de Estímulo e Apoio às Incubadoras de Empresas e Parques Tecnológicos Ana Lúcia Vitale Torkomian Secretária Adjunta de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Inovar para competir. Competir para crescer.

Inovar para competir. Competir para crescer. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Plano 2011/2014 sumário Plano Brasil Maior...7 Dimensões do Plano...8 Dimensão Estruturante...11

Leia mais

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1

Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 Diretrizes para a Construção de uma Política Tecnológica com Foco na Inovação 1 No mundo atual, um dos campos prioritários de intervenção do Estado está sendo a promoção do desenvolvimento tecnológico,

Leia mais

Núcleo de Gestão Ambiental Avançada - NUGA

Núcleo de Gestão Ambiental Avançada - NUGA Núcleo de Gestão Ambiental Avançada - NUGA Coordenador(es): Istvan Karoly Kasznar MISSÃO O Núcleo de Gestão Ambiental Avançada (NUGA) foi concebido para desenvolver estudos e práticas inovadoras de gestão

Leia mais

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA

UGE UNIDADE DE GESTÃO ESTRATÉGICA PLANO PLURIANUAL 2010 2012 Brasília, outubro de 2009. ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO DO SEBRAE/DF CENÁRIO DE RECURSOS DO SEBRAE/DF RESUMO DE RECEITA LIMITES ORÇAMENTÁRIOS RESUMO POR TIPOLOGIA CARTEIRA DE PROJETO

Leia mais

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS

GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS GESTÃO DO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA ASPECTOS LEGAIS, ADMINISTRATIVOS E CONTÁBEIS ILUMEXPO 2014 3ª Exposição e Fórum de Gestão de Iluminação Pública Luciana Hamada Junho 2014 IBAM, MUNICÍPIO E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública

Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública Ministério da Justiça Políticas de formação e valorização profissional em Segurança Pública SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA Diagnóstico da Formação em Segurança Pública (2001-2003) 2003) Cenário

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 05/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone:

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais