ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS"

Transcrição

1 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS CLÁUSULA DE INVESTIMENTOS EM P&D I. Aspectos gerais 1. Introdução O objetivo da cláusula de Investimentos em P&D é a geração de novas tecnologias, novos produtos, processos e metodologias para o setor de petróleo e gás natural, tendo como conseqüência o aumento da competitividade da indústria nacional. Espera se que o beneficiário seja a sociedade brasileira com o desenvolvimento tecnológico, a geração de empregos e a disponibilização de produtos (combustíveis, fontes de energia) mais baratos e com qualidade. 2. Aplicação dos recursos A Regulamentação da Cláusula baseou-se na estruturação de projetos/programas que pudessem abranger várias possibilidades de utilização dos recursos, no que se refere aos locais/instalações nos quais os mesmos podem ser aplicados. Programa X (conjunto de projetos) - projetos executados nas próprias instalações do concessionário e das afiliadas; - projetos contratados junto a empresas nacionais; e - projetos contratados junto a instituições credenciadas pela ANP para este fim. A cláusula de Investimentos em P&D estabelece que pelo menos 50% dos recursos sejam aplicados em projetos contratados junto a instituições credenciadas. 3. Despesas admitidas De acordo com a Regulamentação, as despesas admitidas podem ser classificadas em duas categorias: despesas ordinárias, sem necessidade de autorização prévia, e despesas não-ordinárias, sujeitas à autorização prévia pela ANP. A autorização prévia foi o mecanismo adotado pela ANP para atender a solicitações dos concessionários e Instituições no sentido de ampliar o escopo das despesas admitidas. Para efeitos de cumprimento da cláusula de Investimentos em P&D, ressalta-se que todas as despesas realizadas devem ser comprovadas e constar do Relatório Demonstrativo anual. 1

2 3.1. Despesas Ordinárias / Sem Autorização Prévia: Nas Instalações do concessionário e/ou afiliadas 1. Projetos, programas de pesquisa básica, aplicada e desenvolvimento experimental 2. Construção e instalação de protótipos e unidades-piloto 3. Aquisição de: Equipamentos Instrumentos Materiais utilizados em experimentos e construção de protótipos ou instalações piloto 4. Salário bruto do pessoal que atue nas atividades qualificadas como de Pesquisa e Desenvolvimento Instituições Credenciadas a) projetos e/ou programas de pesquisa básica e aplicada e/ou desenvolvimento experimental; b) construção e instalação de protótipos e unidades-piloto. Empresas nacionais a) projetos e/ou programas de desenvolvimento experimental; b) construção e instalação de protótipos e unidades-piloto Despesas Não-ordinárias / Com Autorização Prévia - projetos/programas que devem ser submetidos à ANP, quais sejam: Instituições Credenciadas a) Gestão tecnológica de programas/projetos gerenciamento dos programas/projetos; b) Programas de formação de recursos humanos; c) Implantação de infra-estrutura laboratorial; d) Contratação de pessoal administrativo e técnico-operacional por 2 anos para as unidades laboratoriais implantadas (relacionados ao item anterior); e) P&D em Tecnologia Industrial Básica tecnologias de metrologia, normatização e certificação de novos produtos/processos e novas instalações laboratoriais; f) P&D na área de Energia fontes de energia renováveis, especialmente biocombustíveis. 2

3 Empresas nacionais (dentro dos 50% do concessionário) a) Programas Tecnológicos de desenvolvimento e capacitação de fornecedores (micro, pequenas e médias empresas), incluindo projeto de inovação tecnológica de produto ou processo e de fabricação piloto. II. Estruturação de Programas / Redes Temáticas Para estruturação das despesas em programas ou redes temáticas relacionadas às áreas (segmentos do setor de petróleo e gás natural), é desejável que se tenha as informações abaixo: a) Objetivos da Rede Temática b) Finalidade (aplicação) quais os problemas técnicos a serem resolvidos (demandas/necessidades e gargalos tecnológicos relacionados ao tema que serão abrangidos pelos projetos) c) Resultados esperados (tecnologias, produtos, processos, metodologias e capacitação tecnológica, infra-estrutura laboratorial); d) Benefícios/impactos técnico-econômicos esperados para o setor e) Lista de Projetos/Instituições envolvidas / empresas envolvidas f) Duração g) Valor h) Coordenação Técnica (Gestão Tecnológica) III. Estrutura de apresentação dos Projetos Tecnológicos As observações que se seguem são de ordem geral, sendo válidas para qualquer projeto: A) Título - deve ser claro e expressar o objetivo/resultado do projeto. Exemplos de títulos de projetos: a) Desenvolvimento de novo material cerâmico para revestimento de poços. b) Montagem/implantação ou implementação de laboratório para desenvolvimento e teste de novos materiais. c) Formação de Recursos Humanos especializados para a Rede de Concreto e Refratários para a indústria do petróleo. d) Desenvolvimento de novos padrões de medidas (ou ensaios) para homologação de novo material ou subsidiar elaboração de normas técnicas. e) Gestão tecnológica da Rede de Concreto e Refratários para a indústria do petróleo. f) Fabricação-piloto de válvula específica para gasoduto. (cadeia de fornecedores) 3

4 B) Objetivo - deve ser mais claro expressar e especificar as principais características técnicas do resultado tecnológico esperado em qualquer das modalidades de projeto. Os exemplos abaixo são ilustrativos. É desejável suficiência descritiva para compreensão do objetivo do projeto. a) Desenvolver novo material cerâmico para revestimento de poços, com propriedades de impermeabilidade, a partir de uma mistura das seguintes substâncias yyyyyyy e xxxxxxx, por meio do processo de xxxxxxx, etc. b) Montar/implantar ou implementar laboratório de célula PVT para desenvolvimento de processos/metodologias para análises e caracterização de óleos pesados, especificar as características finais do laboratório...etc. c) Formar Recursos Humanos especializados para a Rede de Concreto e Refratários para o setor de petróleo, por meio da concessão de bolsas de estudo de nível médio, graduação, mestrado e doutorado, cujos trabalhos finais estarão relacionados aos projetos constantes da referida rede, etc. d) Desenvolver novos padrões de medidas relacionadas a propriedade física ou química ou características funcionais para homologação de novo equipamento ou subsidiar elaboração de normas técnicas, etc. e) Realizar a gestão tecnológica da Rede de Concreto e Refratários para a indústria do petróleo, que compreende de X projetos, envolvendo Y instituições de P&D e Z empresas, etc. f) Realizar a fabricação piloto de uma válvula específica para gasoduto, com as seguintes caraterísticas técnicas etc. (cadeia de fornecedores). C) Justificativa (para quê, por quê e como) a. Qual o problema técnico a ser resolvido (ou a demanda ou a necessidade) para o setor, no âmbito regional ou nacional. Situação tecnológica atual (inclui estado da arte). b. Aplicação no setor de petróleo e gás natural c. Qual o benefício/técnico econômico. d. No caso de infra-estrutura laboratorial acrescentar: i. Quais outras aplicações do laboratório (outros setores demandantes). Qual a necessidade de montagem de laboratório, justificando seu porte/características (área construída, instalações especiais, requisitos de SMS específicos, ambientes, material de escritório, computadores e equipamentos/instrumentos e recursos humanos necessários para operá-los). i Caso seja uma ampliação/implementação especificar o que falta e justificar sua aplicação/finalidade exemplo: porque a aquisição de um determinado equipamento seria fundamental ao laboratório. iv. Qual a necessidade de intercâmbio tecnológico por quê, com quem e como se dará. e. No caso de Formação de Recursos Humanos acrescentar: i. Apresentar uma avaliação sobre a situação existente no que se refere à oferta de profissionais na área em questão (quantitativa e qualitativa), justificando a 4

5 i necessidade de formação de profissionais qualificados, bem como a importância do tema para o setor. Justificar como os temas das monografias, dissertações e teses contribuirão para o desenvolvimento tecnológico ou terão aplicação prática ou contribuirão para o estudo de um problema técnico específico relacionado ao tema que estrutura a Rede. Justificar o quantitativo de bolsas concedidas (nível médio, graduação, mestrado e doutorado) nas Instituições participantes da respectiva Rede. f. No caso de Gestão Tecnológica, acrescentar: i. Apresentar uma avaliação das dificuldades para o gerenciamento de uma rede, considerando a complexidade dos temas e a existência de dezenas de projetos, desenvolvidos de forma simultânea por várias Instituições. Justificar o benefício da gestão tecnológica ser realizada por uma Instituição possuindo uma equipe dedicada tempo integral para controle de prazo, avaliação dos resultados e verificação da aplicação dos recursos com mais eficiência. g. No caso de Projetos de Tecnologia Industrial Básica, acrescentar: i. Necessidade de normas técnicas para homologação do produto/processo (competitividade no mercado internacional). i Necessidade de padrões de medidas e de ensaios não rotineiros, especialmente para certificação e controle de qualidade. Justificar a importância para a qualidade, o meio ambiente, a saúde e a segurança. h. No caso de Fabricação-piloto : i. Justificar a necessidade de engenharia do produto, adequação da linha de produção, regulamentação, atendimento às normas técnicas, design, contratação de fornecedores peças/componentes, e testes para homologação. i Justificar o benefício técnico-econômico para o setor e para o País (substituição de importação). Justificar o benefício para a indústria nacional competitividade, atendimento a demanda etc. D) Resultados Esperados - especificar os resultados tecnológicos esperados (produtos e processos) e os benefícios técnico-econômicos dos resultados gerados. Exemplos: - No caso de infra-estrutura especificar o porte do laboratório (capacidade), quais as tecnologias que podem ser desenvolvidas com o Laboratório, etc. - No caso de Recursos humanos, especificar o resultado, além do quantitativo de profissionais formados, as tecnologias ou trabalhos desenvolvidos por estes (qualitativo). E) Mecanismos de acompanhamento/avaliação - Como se dará o acompanhamento: reuniões periódicas, avaliações/relatórios parciais (inclusive considerando a necessidade de encaminhamento de relatórios anuais para os concessionários e semestrais para as instituições de P&D credenciadas). 5

6 - Ferramentas de acompanhamento, elaboração de indicadores de desempenho. - Avaliação dos resultados indicadores de eficiência, de eficácia e de resultado, impactos (técnicos- econômicos) dos resultados no setor de petróleo e gás natural, benefícios sociais, etc. F) Equipe Especificar e justificar os diferentes tipos de vínculo dos participantes do projeto. Para os tipos de vínculos relacionados a seguir, observar: - Bolsas de produtividade - podem ser destinadas a professores/funcionários, devendo ser observado o número de horas dedicado ao projeto, de forma a evitar conflito com outras atividades acadêmicas ou outros projetos. - Bolsas de pesquisa e iniciação cientifica (estágio) - podem ser consideradas desde que os valores sejam compatíveis com os valores do CNPq. - Atenção: Bolsas de mestrado e doutorado somente poderão constar no projeto de Formação de Recursos Humanos e compatíveis com os valores do CNPq. G) Orçamento É desejável justificar todos os itens, especialmente: - equipamentos/instrumentos (o porquê da aquisição) - viagens nacionais (quem, para onde e para quê) - viagens ao exterior (quem, onde e para quê) - consultoria (quem, por que, onde e duração) - mobiliário de escritório (quantidade, utilização no projeto) - computadores (quantidade, utilização no projeto) - bolsas de pesquisas (tipo, quantidade, duração) - construção de instalações físicas (onde, para quê, porte/características) - insumos básicos, material de consumo (quantidade, utilização no projeto), etc. H) Etapas /cronograma físico - Apresentar o cronograma no formato de um histograma, de forma a permitir a verificação da relação entre as diferentes etapas do projeto (seqüência e duração). - Forma de estruturação das etapas especificar e justificar a seqüência lógica e interdependência das etapas. 6

INVESTIMENTOS EM P&D PARA A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS NATURAL IV SEMINÁRIO RIO-METROLOGIA. Rio/20 de abril/2006

INVESTIMENTOS EM P&D PARA A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS NATURAL IV SEMINÁRIO RIO-METROLOGIA. Rio/20 de abril/2006 INVESTIMENTOS EM P&D PARA A INDÚSTRIA DO PETRÓLEO E GÁS NATURAL Luiz Oswaldo Norris Aranha IV SEMINÁRIO RIO-METROLOGIA Rio/20 de abril/2006 OBJETIVOS DA CLÁUSULA Atribuição legal Lei 9478 de 06/08/1997

Leia mais

REGULAMENTO ANP Nº 5/2005

REGULAMENTO ANP Nº 5/2005 Revisão 01-24/novembro/2005 Título: Regulamento Técnico para realização dos Investimentos em Pesquisa e Desenvolvimento e Elaboração do Relatório Demonstrativo das Despesas Realizadas Tipo: Requisitos

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

Seminário Jurídico-Fiscal

Seminário Jurídico-Fiscal Seminário Jurídico-Fiscal Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Tathiany R. Moreira de Camargo Superintendente-Adjunta de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico Recursos Destinados a P&D&I Mantém-se a obrigatoriedade,

Leia mais

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás

Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás Certificação de Conteúdo Local Serviços de Petróleo e Gás O que é? Conteúdo Local é a relação entre o valor dos bens produzidos e serviços prestados no país para executar o contrato e o valor total dos

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Redes SIBRATEC Serviços Tecnológicos

ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Redes SIBRATEC Serviços Tecnológicos ELABORAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO Redes SIBRATEC Serviços Tecnológicos Esta apresentação tem por objetivo passar a visão técnica da FINEP quando da avaliação dos projetos submetidos para financiamento na

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E METAS Art. 1º. O Programa de Capacitação Institucional PCI tem por objetivo promover a melhoria da qualidade das funções

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH. Recursos Humanos Universidade Petrobras

PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH. Recursos Humanos Universidade Petrobras PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PFRH Recursos Humanos Universidade Petrobras PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS - PFRH Objetivo Ampliar e fortalecer a formação de recursos

Leia mais

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA IV REGIÃO (SP) COMISSÃO DE ENSINO TÉCNICO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE PARA CURSOS TÉCNICOS DA ÁREA QUÍMICA CRITÉRIOS PARA A RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 1 - NOVEMBRO DE 2010 WWW.CRQ4.ORG.BR

Leia mais

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação

CONCEITOS DE INOVAÇÃO. Título da Apresentação CONCEITOS DE INOVAÇÃO Título da Apresentação Novo Marco Legal para Fomento à P,D&I Lei de Inovação. Nº 10.973 (02.12.04) Apresenta um conjunto de medidas de incentivos à inovação científica e tecnológica,

Leia mais

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação

Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Lei de Informática - Incentivos Fiscais para Investimentos em Tecnologia e Inovação Prof. Dr. Elvis Fusco 2014 Prefeitura Municipal de Garça Apresentação Prof. Dr. Elvis Fusco Centro Universitário Eurípides

Leia mais

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077)

Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Tutorial: Lei da Informática (Leis 8.248, 10.176 e 11.077) Sobre a autora Eng. Adelice Leite de Godoy Obteve sua graduação em Engenharia Química pela Unicamp em 1992, completando sua formação com o Curso

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE

VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE VI FIPEN CONVÊNIO PETROBRAS SEBRAE PETROBRAS - REGAP Contagem 19 de outubro de 2011 Iniciativas de Qualificação - PROMINP PROMINP O PROMINP (Programa de Mobilização da Indústria Nacional do Petróleo e

Leia mais

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar

Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Apoiamos grandes empresas a otimizar os investimentos em P,D&I e reduzir os riscos de inovar Com quase 10 anos de atuação no Brasil, é uma das empresas pioneiras especializadas em mecanismos financeiros

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos DE E DE Elaboração de Projetos PROGRAMAÇÃO DA AULA Estrutura de projetos de inovação Avaliação de projetos de inovação DE E DE Características dos Projetos de P&D DE E DE OPORTUNIDADES Parceiros Recursos

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche nos EUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública UNICENTRO/CAPES nº 01/2011 Em atendimento a chamada CAPES 01/211 do Programa Ciência sem Fronteiras, a UNICENTRO torna pública a seleção de estudantes de graduação em áreas e temas de estudo

Leia mais

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior

2011/2014. Medidas. Agendas Estratégicas Setoriais. medidas em destaque. Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Medidas Estímulos ao Investimento e à Inovação Comércio Exterior Plano Competitividade Brasil Exportadora Maior Financiamento à Exportação 2011/2014 Defesa Comercial Defesa da Indústria e do Mercado Interno

Leia mais

Oportunidades para Portugal, no âmbito da Exploração e Produção de Petróleo no Brasil. Sérgio C. Pinheiro

Oportunidades para Portugal, no âmbito da Exploração e Produção de Petróleo no Brasil. Sérgio C. Pinheiro Oportunidades para Portugal, no âmbito da Exploração e Produção de Petróleo no Brasil Sérgio C. Pinheiro 17 de Setembro de 2012 Conteúdo I. ENQUADRAMENTO II. APLICAÇÃO DOS RECURSOS III. INVESTIMENTO E

Leia mais

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013)

Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Avaliação de Políticas Públicas (Resolução nº 44, de 2013) Presidente: SENADOR CRISTOVAM BUARQUE Vice-Presidente: SENADOR HÉLIO JOSÉ Relator: SENADOR OMAR AZIZ Proposta de Plano de Trabalho Avaliação de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior/CNPq (SWG)

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS. Graduação Sanduíche no Exterior/CNPq (SWG) Edital N o 01 SWG/UNICENTRO/CNPq A Universidade Estadual do Centro-Oeste, por meio da Coordenação Institucional do Programa Ciência sem Fronteiras, com base no Termo de Concessão 800773/2011-0 do Programa

Leia mais

- ATENÇÃO PESQUISADORES -

- ATENÇÃO PESQUISADORES - - ATENÇÃO PESQUISADORES - Informamos abaixo os últimos editais para fomento à pesquisa divulgados pela FAPESB e CNPQ, para conhecimento e possível envio de propostas de projetos: Órgão Responsável: FAPESP

Leia mais

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso

Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Tecnólogo em Manutenção Industrial Contexto do Curso Diagramas que descrevem o contexto, objetivos e participantes dos projetos 1 Tecnólogo em Manutenção Industrial Missão: Formar tecnólogos de nível superior

Leia mais

Roteiro para apresentação de projetos de cooperação internacional, inclusive seu Plano Operacional. Identificação das Associações Universitárias

Roteiro para apresentação de projetos de cooperação internacional, inclusive seu Plano Operacional. Identificação das Associações Universitárias Roteiro para apresentação de projetos de cooperação internacional, inclusive seu Plano Operacional O objetivo deste roteiro é facilitar a apresentação e a análise das propostas de projetos encaminhadas,

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS Objetivos da apresentação Exposição dos principais detalhes do edital,

Leia mais

1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

1. DAS DISPOSIÇÕES GERAIS UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU COORDENAÇÃO DE GRADUAÇÃO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO SANDUÍCHE A Universidade

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

REITORIA EDITAL Nº 27/2015

REITORIA EDITAL Nº 27/2015 REITORIA EDITAL Nº 27/2015 O Reitor da Universidade Vila Velha UVV torna público a todos os interessados que estão abertas, de 29 de setembro até 10 de outubro de 2015, as inscrições de propostas provenientes

Leia mais

Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB

Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB Formulário de Apresentação de Proposta - TECNOVA PB Secretaria de Recursos Hídricos, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia - SERHMACT Fundação de Apoio à Pesquisa - FAPESQ Setembro/Outubro de 2013 TECNOVA

Leia mais

PROGRAMA INOVACRED /FINEP. Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes:

PROGRAMA INOVACRED /FINEP. Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes: PROGRAMA INOVACRED /FINEP Classificação do porte das empresas Empresas com receita bruta anual ou anualizada de até R$ 90 milhões, divididas nos seguintes portes: Porte I empresas com receita operacional

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011

Programa Ciência sem Fronteiras. Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011 Programa Ciência sem Fronteiras Graduação Sanduíche nos EUA Chamada Pública CAPES nº 01/2011 A CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, vinculada ao Ministério da Educação,

Leia mais

UNIVERSIDADE NILTON LINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE NILTON LINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL INICIAÇÃO CIENTÍFICA/2015-2016 Programa de Iniciação Científica PROIC/NILTON LINS A Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade NILTON LINS, por meio da Coordenação de Iniciação Científica,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 122, DE 26 DE NOVEMBRO DE 2015 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 69ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de novembro de 2015, no uso das atribuições que

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Pós-Graduação Stricto Sensu Pós-Graduação Lato Sensu Extensão Graduação Diagnósticos Tecnológicos Soluções de Problemas Empresariais

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 08/2009 O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FUNCAP, na pessoa de seu Presidente, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás

Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás Exigências de Conteúdo Local no Setor de Petróleo e Gás São Paulo, 12/04/2013 Estrutura da Política de CL MME/CNPE Estratégias e Política de Conteúdo Local ANP Regulamentação Monitoramento Fiscalização

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais

Fundação Carmelitana Mário Palmério FACIHUS Faculdade de Ciências Humanas e Sociais Edital do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica PIBIC/FAPEMIG/FUCAMP 2015/2016 Edital Nº 01/2015 - Convocação de Projetos de Pesquisa para Bolsas de Iniciação Científica O Núcleo de

Leia mais

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX

Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro - SOFTEX QUALIFICACAO DE PROFISSIONAIS NO MODELO SEI/CMMI CHAMADA PÚBLICA SOFTEX No. CPS/01/2004 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA IMPLANTACAO

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Fundação Instituída nos termos da Lei nº 5.152, de 21/10/1966 São Luís - Maranhão. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS SELEÇÃO INTERNA

Leia mais

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP

Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Conteúdo Local na Construção Naval e Offshore Brasileira: O papel da ANP Coordenadoria de Conteúdo Local Marintec South America / 12ª Navalshore, 12/08/15 A Política de Conteúdo Local Definição: Política

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 009/2015 CONSUP DE 01 DE JUNHO DE 2015 APROVA O PROGRAMA DE APOIO À PESQUISA E INOVAÇÃO DA FACULDADE TERRA NORDESTE - FATENE O DIRETOR GERAL DA FACULDADE TERRA NORDESTE - FATENE, no uso de

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Considerando a necessidade de padronização da metodologia de análise, dos critérios de avaliação e do fluxo de encaminhamento da proposta institucional submetida à Chamada Pública MCTI/FINEP/CT-INFRA PROINFRA

Leia mais

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo

Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Apoio para fornecedores do setor de Petróleo & Gás em São Paulo Ubirajara Sampaio de Campos Subsecretário de Petróleo e Gás Secretaria de Energia do Estado de São Paulo Santos Offshore 09 Abril 2014 Indústria

Leia mais

EDITAL PROPI/PROEN/PROEX Nº 002/2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CSF/IFRS/CNPq. Bolsas de Graduação Sanduíche no Exterior SWG CNPq

EDITAL PROPI/PROEN/PROEX Nº 002/2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CSF/IFRS/CNPq. Bolsas de Graduação Sanduíche no Exterior SWG CNPq EDITAL PROPI/PROEN/PROEX Nº 002/2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CSF/IFRS/CNPq Bolsas de Graduação Sanduíche no Exterior SWG CNPq As Pró-Reitorias de Pesquisa e Inovação, de Ensino e de Extensão do

Leia mais

Av. Itália, Km8 Campus Carreiros Rio Grande, RS Brasil 96201-900 fone: 53.32336772 e- mail:propesp@furg.br

Av. Itália, Km8 Campus Carreiros Rio Grande, RS Brasil 96201-900 fone: 53.32336772 e- mail:propesp@furg.br As Pró-reitorias de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPESP) e de Graduação (PROGRAD), no uso de suas atribuições, tornam público o edital de seleção interna para o Programa Ciência sem Fronteiras - Graduação

Leia mais

Instituto Nacional de Tecnologia (INT) EMBRAPII. Financiamento para pesquisa, desenvolvimento e inovação

Instituto Nacional de Tecnologia (INT) EMBRAPII. Financiamento para pesquisa, desenvolvimento e inovação Instituto Nacional de Tecnologia (INT) EMBRAPII Financiamento para pesquisa, desenvolvimento e inovação INT: parceiro da inovação A participação no programa EMBRAPII colocou o Instituto Nacional de Tecnologia

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO

ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO ANEXO XII ATIVIDADES NÃO REALIZADAS POR RESTRIÇÃO DE PESSOAL E DE ORÇAMENTO QUADRO 1 Atividades a não serem realizadas por restrição

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO Versão 04/02/2011 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de Pedagogia.

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO

Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Fundo Setorial de Petróleo e Gás Natural Comitê Gestor REGIMENTO INTERNO (aprovado na 49ª Reunião do Comitê realizada em 11 de abril de 2013) CAPÍTULO I Do

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI)

RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) RELAÇÕES ENTRE O IFRS E AS FUNDAÇÕES DE APOIO AUTORIZADAS PELO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC) E PELO MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI) Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações

Leia mais

Portaria Nº 002A/012, de 07 de maio de 2012

Portaria Nº 002A/012, de 07 de maio de 2012 Portaria Nº 002A/012, de 07 de maio de 2012 DISPÕE SOBRE A REALIZAÇÃO DE PÓS- DOUTORADO NO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO BRASILEIRA DA. A COORDENAÇÃO DO BRASILEIRA DA, no uso de suas atribuições

Leia mais

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Faculdade Fucapi Instituto de Ensino Superior Fucapi Coordenação de Pesquisa CPESQ Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica

Leia mais

Av. Itália, Km8 Campus Carreiros Rio Grande, RS Brasil 96201-900 fone: 53.32336772 e- mail:propesp@furg.br

Av. Itália, Km8 Campus Carreiros Rio Grande, RS Brasil 96201-900 fone: 53.32336772 e- mail:propesp@furg.br As Pró-reitorias de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPESP) e de Graduação (PROGRAD), no uso de suas atribuições, tornam público o edital de seleção interna para o Programa Ciência sem Fronteiras - Graduação

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO E ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO E ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO E ASSESSORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CHAMADA PÚBLICA PROEN BOLSAS SANDUÍCHE NA GRADUAÇÃO Nº 01/2011

Leia mais

EDITAL Nº 006/2011-PRPI

EDITAL Nº 006/2011-PRPI EDITAL Nº 006/2011-PRPI A Pró-reitora de Pesquisa e Inovação e a Coordenadora de Relações Internacionais Pró-reitoria de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE,

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

EDITAL Nº 035-2011/PROPP/UEMS Programa - CsF-SWG /CNPq

EDITAL Nº 035-2011/PROPP/UEMS Programa - CsF-SWG /CNPq EDITAL Nº 035-2011/PROPP/UEMS Programa - CsF-SWG /CNPq SELEÇÃO DE ALUNOS AO PROGRAMA INSTITUCIONAL CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS BOLSAS SANDUÍCHE NA GRADUAÇÃO CsF-SWG /CNPq 1. OBJETO A Pró-Reitora de Pesquisa

Leia mais

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas:

3.2. Os projetos de pesquisa e de extensão deverão, necessariamente, referir-se ao Poder Legislativo e ser vinculados às seguintes linhas temáticas: CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA-GERAL DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO FORMAÇÃO DOS GRUPOS DE PESQUISA E EXTENSÃO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 14,

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES E CNPq) EDITAL nº 06 de 28 de Março de 2012

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES E CNPq) EDITAL nº 06 de 28 de Março de 2012 PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES E CNPq) EDITAL nº 06 de 28 de Março de 2012 A Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação vêm através deste Edital, divulgar no âmbito da Instituição a todos

Leia mais

ANEXO II. Título <>

ANEXO II. Título <<que resuma o objetivo geral do subprojeto (Texto limitado a 150 caracteres)>> Título Sigla da Proposta Área Geográfica de Execução

Leia mais

CHAMADA INTERNA 40/2011 PRPGP-PROGRAD-SAI PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPq - UFSM

CHAMADA INTERNA 40/2011 PRPGP-PROGRAD-SAI PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS CNPq - UFSM Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Pró-Reitoria de Graduação Secretaria de Apoio Internacional CHAMADA INTERNA 40/ PRPGP-PROGRAD-SAI PROGRAMA

Leia mais

EDITAL PIBIC/CNPq-IF - 2014

EDITAL PIBIC/CNPq-IF - 2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC-IF EDITAL PIBIC/CNPq-IF - 2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO INSTITUTO FLORESTAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS DO

Leia mais

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica

Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Da Ideia ao Recurso: apoio financeiro para Inovação Tecnológica Christimara Garcia CEO Inventta+bgi São Paulo, 29 de abril de 2015 CONTEXTO BRASILEIRO APOIO DIRETO Captação de Recursos Evolução dos desembolsos

Leia mais

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Universidade de Cuiabá CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente da Mantenedora Presidente: Ed. Rodrigo Calvo Galindo Base legal

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES-CNPq)

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES-CNPq) PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CAPES-CNPq) EDITAL PROPEPG Nº 06 de 04 de Junho de 2013 A Pró-Reitoria de Pesquisa, Extensão e Pós-Graduação vêm através deste Edital, divulgar no âmbito da Instituição

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de Ciências Contábeis.

Leia mais

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PIC A iniciação científica viabiliza, aos universitários

Leia mais

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA FIESP - DECOMTEC INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Programa de Inovação Tecnologica FIESP CIESP - SENAI Sede Fiesp 2013 Chave para a competitividade das empresas e o desenvolvimento do país Determinante para o aumento

Leia mais

C.E.S.A.R Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Regimento Interno do Mestrado Profissional em Engenharia de Software

C.E.S.A.R Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Regimento Interno do Mestrado Profissional em Engenharia de Software C.E.S.A.R Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife Regimento Interno do Mestrado Profissional em Engenharia de Software Junho 005 Capítulo I DA ESTRUTURA E DO OBJETIVO Art. º Este Regimento estabelece

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 01/2012 Regulamenta a relação entre a UFCG e sua fundação de apoio e define critérios

Leia mais

EDITAL Nº 005/2011-PRPI

EDITAL Nº 005/2011-PRPI EDITAL Nº 005/2011-PRPI A Pró-reitora de Pesquisa e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE, no uso de suas atribuições, torna público que estão abertas as inscrições

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 CURSO: MESTRADO PROFISSIONAL COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE MATERIAIS ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 23 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Materiais PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

FAQ Edital SENAI SESI de inovação 2010 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010

FAQ Edital SENAI SESI de inovação 2010 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010 FAQ 21 Edital SENAI SESI de inovação 2010 1. Edital SENAI e SESI 1.1 O que é o Edital SENAI e SESI de Inovação? O Edital é uma iniciativa do SENAI e do SESI que visa despertar a cultura da inovação na

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 391, DE 25 DE JULHO DE 2012

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 391, DE 25 DE JULHO DE 2012 INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA PORTARIA Nº 391, DE 25 DE JULHO DE 2012 O PRESIDENTE DO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA Inmetro, no uso de suas atribuições

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS NA UNICESUMAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS NA UNICESUMAR 1 REGULAMENTO DO PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS NA UNICESUMAR Com a finalidade de acompanhar a participação de seus estudantes de graduação APROVADOS no Programa Ciência sem Fronteiras (PCsF), o Centro

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

MCTI/CNPq/IPEA/CEDEPLAR

MCTI/CNPq/IPEA/CEDEPLAR MCTI/CNPq/IPEA/CEDEPLAR A pesquisa científico-tecnológica de excelência depende de uma ótima infraestrutura que forneça aos pesquisadores os meios necessários para a realização de investigações de alto

Leia mais

Formulário de Solicitação de BOLSA

Formulário de Solicitação de BOLSA Formulário de Solicitação de BOLSA TREINAMENTO TÉCNICO TT GRADUAÇÃO MO IC PÓS-GRADUAÇÃO M D PD AP PESQUISA PQ PV SOLICITANTE (não omita nem abrevie nomes) NOME: CADASTRO: ORIENTADOR se houver (não omita

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLOGICO

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CsF) PROCESSO SELETIVO INTERNO DO CsF RESOLUÇÃO 04/2013

1ª CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CsF) PROCESSO SELETIVO INTERNO DO CsF RESOLUÇÃO 04/2013 1ª CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS (CsF) PROCESSO SELETIVO INTERNO DO CsF RESOLUÇÃO 04/2013 Ciência sem Fronteiras é um programa do Governo Federal que busca promover a consolidação, expansão

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 13/CUn, de 27 setembro de 2011. Dispõe sobre as normas que regulamentam as relações entre a Universidade Federal de Santa Catarina e as suas fundações de apoio. O PRESIDENTE DO

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES PRÓ-REITORIA ACADÊMICA BURITIS / CARLOS LUZ / SILVA LOBO ATIVIDADES COMPLEMENTARES As Atividades Complementares, conforme as Diretrizes Curriculares do MEC, são atividades extracurriculares obrigatórias

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE M I N UT A EDITAL FOPIN 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE M I N UT A EDITAL FOPIN 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE M I N UT A INSTRUÇÃO DE SERVIÇO PROPPI N o 06 de 09 de Julho de 2015 EDITAL FOPIN 2015 PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA DAS

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec E&P Onshore Sondeas de Perfuração Onshore Equipamentos

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019. Agosto-2014 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE TECNOLOGIA PDI 2015-2019 Agosto-2014 2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO E ORÇAMENTO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais

Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais Instituto Nacional de Tecnologia em União e Revestimento de Materiais Apoio Institucional Apoio Financeiro Nossos Desafios 2011 Cadeia Produtiva Complexa Setores Industriais Construção e Engenharia Aero-espacial

Leia mais

EDITAL UnC 137/2011 I DISPOSIÇÕES GERAIS:

EDITAL UnC 137/2011 I DISPOSIÇÕES GERAIS: EDITAL UnC 137/2011 Dispõe sobre a Concessão de cotas de bolsa na modalidade Graduação Sanduíche no Exterior SWG do Programa Ciência sem Fronteiras do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e

Leia mais