Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social"

Transcrição

1 Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade tecnológica Ações Orçamentárias Indicador(es) Número de Ações 16 Aplicações do setor privado em P&D de tecnologias da informação Exportação de software Número de domínios Internet Número de usuários Internet Órgão(s) 24 - Ministério da Ciência e Tecnologia 26 - Ministério da Educação Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Produto: Produto desenvolvido Unidade de Medida: unidade UO: M. Ciência e Tecnologia Gerar novos produtos e serviços baseados no uso das Tecnologias da Informação e das Comunicações, disseminando e ampliando oportunidades para o setor industrial e de serviços e para o cidadão. Desenvolvimento de projetos piloto, protótipos e estudos que orientem a implantação de novos serviços e produtos baseados nas tecnologias da informação e da comunicação, buscando gerar oportunidades de novos negócios, modernização das atividades tradicionais e acesso do cidadão aos benefícios de tais tecnologias meses MCT/Secretaroa Executiva. Realizar o planejamento sob orientação das políticas nacionais expressas pelo do Programa Sociedade da Informação. Implementar as ações por meio de planos e projetos, convênios e contratos com instituições públicas e privadas. Executá-las utilizando as competências das instituições públicas e privadas selecionadas para a prototipagem e implantação de produtos e serviços. S S N N Etapas de Projeto Ordem Etapa da Etapa Resultado Valor 0 Prospecção de projetos Levantamento de projetos prioritários nas áreas de saúde, educação e qualificação/emprego Editais para desenvolvimento de produtos e serviços Contratação de projetos-piloto Contratação de protótipos dos objetos selecionados Aplicações piloto Implantação e difusão Implantação do produto ou do serviço no ambiente de produção pública Novos serviços e produtos Total art. 218, CF; MP nº 2.216/37/01; Decreto Presidencial nº de 15 de dezembro de Produto: Profissional capacitado Capacitação de Recursos Humanos para Pesquisa de Interesse da Área de Tecnologias da Informação Unidade de Medida: unidade UO: Fundo Ampliar e fortalecer a qualificação dos recursos humanos envolvidos com a P&D, visando à capacitação e à competitividade da área de tecnologia da informação e da cadeia de conhecimento associada. Viabilização de treinamento e aperfeiçoamento de profissionais do setor de tecnologia da informação, por meio de bolsas de estudos, conforme política 358

2 estabelecida pelo Comitê Gestor e pelos procedimentos adotados pelo CNPq. FINEP, FNDCT. Analisar a demanda qualificada por formação de pessoal e a necessidade de bolsas associadas aos projetos de pesquisa, obedecidas as definições do Comitê Gestor e os procedimentos operacionais do CNPq. art. 218, CF; Decreto-lei n.º 719/69; Leis n.º 8.172/91 e de 11 de outubro de Atualização Tecnológica dos Centros Nacionais de Processamento de Alto Desempenho (PAD) Produto: Projeto apoiado Unidade de Medida: unidade UO: Fundo Ampliar a capacidade nacional de processamento de alto desempenho. Realização de investimentos em hardware, software e recursos computacionais de gerenciamento, com o objetivo de aumentar a capacidade de processamento de alto desempenho meses FINEP, FNDCT. Contratar projetos apresentados pelas instituições de pesquisa após análise de mérito e avaliação de capacidade institucional para execução da proposta em período e condições previamente acordados. S N N S Centros de pesquisa e setores produtivos. art. 218, CF; Decreto-lei n.º 719/ Produto: Laboratório implantado Fomento à Capacitação Laboratorial em Sistemas de Imagens Digitais Unidade de Medida: unidade UO: Fundo Implantar centros nacionais de excelência em sistemas e imagens digitais para transferir tecnologias para o setor econômico. Implantação de 2 laboratórios de sistemas e imagens digitais prestando serviços a terceiros e treinamento meses FINEP, como Secretaria Executiva do FNDCT. Fomentar, análisar, aprovar e contratar projetos. 359

3 S N N S Instituições de pesquisa, empresas do setor. art. 218, CF; Decreto-lei n.º 719/ Rede Nacional de Pesquisa - Internet II Produto: Nós de rede instalado Unidade de Medida: gigapop UO: M. Ciência e Tecnologia Permitir a integração das comunidades de ensino, de pesquisa e de informação e conhecimento. Implantação de infra-estrutura de serviços de redes de comunicação de alta capacidade e de sistemas de processamento de alto desempenho meses MCT/Sexec/Rede Nacional de Pesquisa. Realizar o planejamento: O planejamento de implantação de infra-estrutura Internet 2 por estudos técnicos teóricos pelo corpo técnico da RNP, que incluem consultas a especialistas no País e no exterior, discutir em fóruns técnicos como o LARC, dentre outros. Realizar o planejamento das ações que permitirão a colaboração entre universidades e institutos de pesquisa brasileiros com organizações no exterior conjuntamente pela RNP e pelo Protem-CC/CNPq, Programa Temático Multiinstitucional em Ciência da Computação. Implementar as ações por planos e projetos, convênios e contratos com instituições públicas e privadas. A RNP, em colaboração com as instituições que sediam os pontos-de-presença e compõem as ReMAVs, é responsável pela seleção e pela avaliação dessas ações. Executar, utilizando as competências técnicas da RNP e de dos seus parceiros públicos e privados. Em especial, cada instituição que sedia um ponto-de-presença da rede em cada estado será responsável pela operação e pela manutenção do serviço de rede do GigaPoP. Apoiar a gestão das atividades administrativas e técnicas em sistemas de informação (Intranet) próprio que permite a comunicação e a colaboração dos parceiros, a documentação de atividades e a execução distribuída. Etapas de Projeto Ordem Etapa da Etapa Resultado Valor 0 Implantação do novo backbone RNP2 Aumentar as capacidades de transmissão e processamento de informações no backbone e PoPs. 13 pontos-de-presença transformados em GigaPoPs, permitindo a interconexão de 13 Remavs no País e a sua conexão as iniciativas Internet 2 nos EUA e na Europa Total art. 218, CF; MP nº 2.216/37/01; Decreto Presidencial nº 3.294/ Estudos do Impacto das Tecnologias da Informação na Sociedade Brasileira Produto: Estudo realizado Unidade de Medida: unidade UO: CNPq Subsidiar as políticas governamentais e as posições do País nos foros internacionais. Realização de estudos contendo a avaliação dos impactos relacionados com ética, censura, segurança e privacidade, resultantes da "revolução da informação", sobre os diversos setores da sociedade e da economia brasileira meses Diretoria de Programas Horizontais e Instrumentais. 360

4 Realizar o planejamento sob orientação das políticas nacionais expressas pelo Programa da Sociedade da Informação, que, para ser eficaz, deve conhecer as potencialidades e as restrições atualmente existentes no País, para que os benefícios esperados possam atingir a maior fração da população. Relacionar os estudos a serem contratados às diversas ações e iniciativas do Programa. Implantar por editais, chamadas e contratação direta de estudos, envolvendo universidades e empresas de consultoria. Realizar a execução por meio de universidades e empresas de consultoria. Acompanhar por meio do MCT e do Programa Sociedade da Informação. art. 218, CF; Lei nº 6.124/74; Decreto nº 3.567/00; Decreto nº 3.294/ Fomento à Pesquisa e ao Desenvolvimento de Tecnologias para a Sociedade da Informação Produto: Projeto apoiado Unidade de Medida: unidade UO: CNPq Fomentar o desenvolvimento de pesquisa e desenvolvimento tecnológico relacionados às tecnologias da informação e da comunicação. Apoio financeiro a projetos de pesquisa/estudos nas áreas de Engenharia e Ciência da Computação, Matemática Computacional, Tecnologia da informação, inclusive prototipagem em infra-estrutura avançada de redes. Diretoria de Programas Instrumentais e Horizontais do CNPq Um grupo de trabalho composto de representantes dos setores acadêmicos, empresarial e do Governo, planeja e define o foco da atividade. Essa definição é baseada em levantamentos do estado da arte da área, dados estatísticos do setor/subsetor e relatórios de avaliação das atividades/projetos desenvolvidos nos anos anteriores e/ou em andamento. Assim, são identificadas as oportunidades e as possíveis soluções para os problemas a serem enfrentados, levando-se em consideração a política macro do plano de governo. Fazer a implementação por um edital de chamada de projetos, contendo os critérios para a seleção das propostas, as condições de acompanhamento e avaliação, o valor e a duração da contratação. Basear a seleção dos projetos em pareceres de especialistas e/ou por recomendação de um comitê técnico composto para tal. Contratar os projetos mediante assinatura de um instrumento jurídico (termo de concessão e aceitação de apoio ao financiamento de projetos de C&T) entre o coordenador do grupo e o CNPq (em 2001, cerca de 136 pesquisadores). Neste instrumento, estabelecer as regras para execução (forma e periodicidade de liberação dos recursos, forma de utilização dos recursos, metas, resultados esperados, relatórios para acompanhamento etc.) S N N S Comunidade científica e tecnológica atuante na área de Tecnologia da Informação, entidades estrangeiras interessadas nos projetos. art. 218, CF; Lei nº 6.124/74; Decreto nº 3.567/00; Resoluções Normativas nº 001 de 96, nº 017, nº 016 de 95, nº 016 de Produto: Tecnologia desenvolvida Desenvolvimento de Tecnologias em Informática e Automação Avançada Unidade de Medida: unidade UO: M. Ciência e Tecnologia Realizar pesquisas, desenvover e transferir tecnologia em informática industrial e automação avançada para as empresas. Projetos e apoio em tecnologias de informática aplicada e automação voltados à melhoria de produtos e processos e ao aumento da competitividade; projetos de transferência de conhecimentos tecnológicos; desenvolvimento de projetos de P&D para demonstração de aplicação de tecnologias inovadoras e capacitação. Parcerias e cooperações nacionais e internacionais. Capacitação em tecnologias de base ("Core Technologies"). Prestação de serviços de alto conteúdo tecnológico Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI. Planejar sob orientação das políticas nacionais expressas pelo Programa Sociedade da Informação e pelo planejamento estratégico e suas revisões, em que se observa a evolução do mercado demandante dessa tecnologia, a evolução da tecnologia da informação e de seus parâmetros de mérito; implementar por pesquisas, planos e projetos, dos acordos, convênios e contratos com instituições públicas e privadas; executar, utilizando a capacidade laboratorial e as competências da entidade e de parceiros no País e no exterior. 361

5 art. 218, CF; MP nº 2.216/37/01; MP de 24 de agosto de Desenvolvimento Tecnológico para a Produção Industrial de Software Produto: Empresa atendida Unidade de Medida: unidade UO: M. Ciência e Tecnologia Desenvolver e disseminar ferramentas, sistemas e métodos para avaliação e melhoria da qualidade e dos processos de produção dos programas de computador Desenvolvimento, prospecção e adaptação de métodos, técnicas e ferramentas para avaliação e melhoria da qualidade de produtos e processos de software. Apoio para avaliação e melhoria da qualidade de produtos e processos de software. Transferência de métodos, técnicas e ferramentas. Disseminação do conhecimento adquirido. Parcerias e cooperações nacionais e internacionais. Prestação de serviços de alto conteúdo tecnológico. Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI. Planejar sob a orientação das políticas nacionais expressas pelo Programa Sociedade da Informação, e pelo planejamento estratégico e pelas suas revisões, em que se observa a evolução do mercado demandante dessa tecnologia, a evolução da tecnologia da informação e de seus parâmetros de mérito; implementar a ação por pesquisas, planos e projetos, acordos, convênios e contratos com instituições públicas e privadas; executar, utilizando a capacidade laboratorial e as competências da Entidade e dos parceiros no País e no exterior. art. 218, CF; MP nº 2.216/37/01; Decreto nº 3.563/ Fomento ao Desenvolvimento de Aplicações de Processamento de Alto Desempenho - PAD Produto: Projeto apoiado Unidade de Medida: unidade UO: Fundo Capacitar e desenvolver a tecnologia de processamento de alto desempenho no País, como ferramenta de aumento da competitividade do setor produtivo. Fomento ao desenvolvimento de aplicações de PAD em áreas estratégicas selecionadas para arquiteturas abertas, incremento da pesquisa e desenvolvimento nas empresas, pesquisa e formação de recursos humanos qualificados. FINEP, FNDCT. Contratar projetos apresentados pelas instituições de pesquisa (edital, encomenda ou demanda espontânea) após análise de mérito e avaliação de capacidade institucional para execução da proposta em período e condições previamente acordados. S S N S Setor privado. art. 218, CF; Decreto-lei nº 719/ Manutenção da Rede Nacional de Pesquisa Produto: Ponto de rede Unidade de Medida: unidade UO: M. Ciência e Tecnologia 362

6 mantido Dotar de maior velocidade a transmissão de informações e a realização de pesquisas científicas, para incrementar o grau de inserção do País na sociedade da informação. Manutenção e consolidação do acesso nacional a infra-estrutura de comunicações dotada de novos serviços de rede e de maior capacidade de transmissão de informação. MCT/Sexec/Rede Nacional de Pesquisa Realizar o planejamento de manutenção e atualização da rede de ensino e pesquisa anualmente pela RNP e utilizar indicadores e estatísticas da evolução padrão de tráfego e serviços de rede. Realizar estudos técnicos teóricos pelo corpo técnico da RNP, que incluem consultas a especialistas no País e no exterior, discutir em fóruns técnicos como o LARC, dentre outros. Os estudos práticos constituem avaliação em laboratório de testes ou em ambiente real (projetos piloto) da adequação de novas tecnologias de computação e comunicação. Implementar as ações por planos e projetos, convênios e contratos com instituições públicas e privadas. A RNP, em colaboração com as instituições que sediam os pontos-de-presença, é responsável pela seleção e avaliação dessas ações. Executar utilizando as competências técnicas da RNP e dos seus parceiros públicos e privados. Em especial, cada instituição que sedia um ponto-de-presença da rede em cada estado é responsável pela operação e pela manutenção do serviço de rede no estado. Apoiar a gestão das atividades administrativas e técnicas em sistema de informação (Intranet) próprio que permite a comunicação e a colaboração dos parceiros, a documentação de atividades e a execução distribuída. S S N N art. 218, CF; MP nº 2.216/37/01; Decreto Presidencial nº 3.294/99; Portaria MCT nº 200/94. Produto: Ponto de rede Unidade de Medida: unidade mantido Secretaria Executiva - SE/MEC UO: Ministério da Educação Existe um Conselho Gestor, composto de todos os Ministérios, que aprova, anualmente, um plano de trabalho para manutenção da rede nacional de pesquisa. A execução física da ação é feita no âmbito do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), que recebe transferência de recursos de todos os Ministérios envolvidos, por meio do Acordo Interministerial de Manutenção Conjunta. Com os recursos recebidos, o MCT contrata diretamente a operadora de telecomunicações, e firma contrato de gestão com Organizações Sociais, para recrutamento de pessoal, treinamento e manutenção de instalações. CF/88, Título VIII, Capítulo IV Desenvolvimento de Padrões para Bibliotecas Digitais Produto: Biblioteca atendida Unidade de Medida: unidade UO: M. Ciência e Tecnologia Desenvolver e transferir padrões, programas, protocolos, normas e formatos para bibliotecas digitais, organizar e integrar sistemas de informação em ciência e tecnologia. Monitoramento tecnológico das ferramentas utilizadas na construção de bibliotecas digitais (navegação na internet, levantamento bibliográfico, participação em eventos relacionados com a construção de bibliotecas digitais); absorção, internalização e repasse dessas ferramentas a outras instituições brasileiras interessadas na construção de bibliotecas digitais (downloads, parcerias e eventual aquisição); desenvolvimento/adaptação de ferramentas necessárias para a construção de bibliotecas digitais (por análise e programação realizada por pessoal do próprio IBICT ou eventuais consultores). Entendem-se como ferramentas softwares, formatos, protocolos, padrões e metodologias. Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia - IBICT. Desenvolver um conjunto de ferramentas padronizadas que possam ajudar na construção de bibliotecas digitais. 363

7 S S N N art. 218, CF; MP nº 2.216/37/01; Decreto nº /89; Decreto nº /54; Decreto nº 3.294/99; Decreto nº 3.567/00; Resolução Executiva nº 20/76, de 25 de março de Fomento à Pesquisa e Desenvolvimento em Tecnologia da Informação Produto: Projeto apoiado Unidade de Medida: unidade UO: Fundo Promover a realização de pesquisa científica e o desenvolvimento tecnológico da área de Tecnologia da informação, da cadeia produtiva e da cadeia de conhecimentos associada. Financiamento de projetos de desenvolvimento científico e tecnológico, conforme política estabelecida pelo Comitê Gestor, incluindo apoio a atividades de fluxo contínuo necessárias à execução dos projetos. FNDCT. art. 218, CF; Decreto-lei n.º 719/69; Leis n.º 8.172/91 e Lei / Pesquisa e Desenvolvimento na Área de Informática Produto: Projeto desenvolvido Unidade de Medida: unidade UO: M. Ciência e Tecnologia Promover o desenvolvimento científico e tecnológico no setor de informática e apoiar a introdução de tecnologias de informática no processo produtivo, com vistas a desenvolver novas tecnologias no setor de informática com ênfase na modernização do processo produtivo do País. Aplicação de técnicas e processos de qualificação e análise de falhas de produtos e processos da Tecnologia da Informação. Desenvolvimento das tecnologias do ciclo de engenharia de produtos de software e hardware. Desenvolvimento de aplicações em sistemas de informação. Provimento de suporte laboratorial e tecnológico a projetos de desenvolvimento científico e tecnológico. Projetos visando à aplicação da tecnologia da informação em sistemas sócioeconômico e ambientais. Desenvolvimento e demonstração de tecnologias para sistemas distribuídos e cooperativos de produção da inovação. Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI Planejar sob orientação das políticas nacionais expressas pelo Programa Sociedade da Informação, pelo planejamento estratégico e pelas suas revisões, em que se observa a evolução do mercado demandante dessa tecnologia, a evolução da tecnologia da informação e de seus parâmetros de mérito; implementar por pesquisas, planos e projetos, acordos, convênios e contratos com instituições públicas e privadas; executar utilizando a capacidade laboratorial e as competências da entidade dos parceiros no País e no exterior. art. 218, CF; MP nº 2.216/37/01; Decreto nº 3.563/ Apoio ao Fortalecimento das Empresas de Software para Exportação 364

8 Produto: Empresa apoiada Unidade de Medida: unidade UO: CNPq Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Fomento às empresas de software para o desenvolvimento de produtos competitivos destinados ao mercado externo mediante o apoio à formação de infraestrutura adequada de informação e comunicação, estímulo ao desenvolvimento de bens e serviços do setor de informática e automação, bem como realização de estudos do impacto das tecnologias de informação na sociedade brasileira. Diretoria de Programas Instrumentais e Horizontais do CNPq. Conduzir esta ação mediante processo sistemático e permanente de planejamento estratégico. Para tanto, um grupo de trabalho foi instituído, integrado por representantes dos setores acadêmico, empresarial e do Governo. Considerar, para a definição e o foco das atividades a serem desenvolvidas, os levantamentos do estado da arte da área, os dados estatísticos do setor/subsetor e os relatórios de progresso do planejamento estratégico do ano anterior. Identificar as oportunidades e os problemas a serem enfrentados, levando-se em consideração a política macro do plano de governo. Refletir este planejamento, a definição de projetos específicos ou edital de chamada de projetos, contendo os critérios para a seleção das propostas, as condições de acompanhamento e avaliação, o valor e a duração da contratação. Basear a seleção dos projetos em pareceres de especialistas e/ou por recomendação de um comitê técnico composto para tal. Contratar os projetos mediante assinatura de um instrumento jurídico entre o coordenador do projeto e o CNPq. Neste instrumento, estabelecer as regras para execução (forma e periodicidade de liberação dos recursos, forma de utilização dos recursos, metas, resultados esperados, relatórios para acompanhamento etc.) art. 218, CF; Lei nº 6.124/74; Decreto nº 3.567/ Desenvolvimento Tecnológico na Área de Componentes Eletrônicos e de Microestruturas Produto: Projeto desenvolvido Unidade de Medida: unidade UO: M. Ciência e Tecnologia Desenvolver tecnologias de prototipagem, caracterização, análise de falhas e produção em escala piloto de componentes eletrônicos e microestruturas. e pesquisar os respectivos processos de fabricação, visando à melhoria da qualidade e da competitividade dos produtos do setor eletro-eletrônico. Projetos e apoio ao desenvolvimento de sistemas e componentes eletrônicos aplicados às tecnologias da informação, voltadas à introdução de inovações e à melhoria dos processos e produtos; projetos de demonstração de viabilidade tecnológica, envolvendo a concepção, a prototipagem e a qualificação de componentes e sistemas eletrônicos; parcerias e cooperação nacionais e internacionais. Participação em órgãos certificadores e normalizadores; capacitação em tecnologias de base (CoreTechnologies). Institudo Nacional de Tecnologia da Informação - ITI. Planejar sob orientação das políticas nacionais expressas pelo Programa Sociedade da Informação, pelo planejamento estratégico e pelas suas revisões, em que se observa a evolução do mercado demandante dessa tecnologia, a evolução da tecnologia da informação e de seus parâmetros de mérito; implementar por pesquisas, planos e projetos, acordos, convênios e contratos com instituições públicas e privadas; executar, utilizando a capacidade laboratorial e as competências da Entidade e dos parceiros no País e no exterior. art. 218, CF; MP nº 2.216/37/01; MP 2.200/

Capacitação de Recursos Humanos em Pesquisa e Desenvolvimento para o Setor de Tecnologia da Informação (CT-Info)

Capacitação de Recursos Humanos em Pesquisa e Desenvolvimento para o Setor de Tecnologia da Informação (CT-Info) Programa 0465 Sociedade da Informação Objetivo Universalizar o acesso e a inclusão de todos os brasileiros na sociedade da informação Justificativa Público Alvo Produtores e usuários do conhecimento, empresas

Leia mais

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática

Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação. Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação Parte 4 - Programas Prioritários em Informática Rede Nacional de Pesquisa Ministério da Ciência e Tecnologia Resultados da Lei de Informática - Uma Avaliação

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

RNP2: Política de Uso Comitê Gestor RNP

RNP2: Política de Uso Comitê Gestor RNP ANEXO 1 À RESOLUÇÃO Nº 04/2001, DO COMITÊ GESTOR RNP RNP2: Política de Uso Comitê Gestor RNP Novembro de 2000 Este documento apresenta as condições e políticas de uso aceitável do backbone RNP2, incluindo

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública

V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação. Política de Informação Pública V CINFORM Encontro Nacional de Ciência da Informação Política de Informação Pública Salvador, 28 a 30 de junho de 2004 Política de Informação Pública Inclusão Digital de Micro e Pequeno Empresa Telecentros

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia

Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia ANEXO XIII XXXIII REUNIÓN ESPECIALIZADA DE CIENCIA Y TECNOLOGÍA DEL MERCOSUR Asunción, Paraguay 1, 2 y 3 de junio de 2005 Gran Hotel del Paraguay Projeto: Rede MERCOSUL de Tecnologia Anexo XIII Projeto:

Leia mais

Plano Plurianual 2012-2015

Plano Plurianual 2012-2015 12. Paraná Inovador PROGRAMA: 12 Órgão Responsável: Contextualização: Paraná Inovador Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI As ações em Ciência, Tecnologia e Inovação visam

Leia mais

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka

Segurança Computacional. Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Rodrigo Fujioka Segurança Computacional Auditoria da Tecnologia da Informação Auditoria da Tecnologia da Informação A Auditoria da TI é uma auditoria operacional, analisa a gestão

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: OEI/BRA/09/004 - Aprimoramento da

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura OEI/TOR/MEC/DTI nº 003/2009 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR 1. Projeto: OEI/BRA/09/004

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Soluções Inovadoras em Polímeros

Soluções Inovadoras em Polímeros Soluções Inovadoras em Polímeros Credenciamento na ANP N 562/2015 Credenciado Centro Tecnológico de Polímeros Evolução para Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Polímeros 1992 a 2011 2000 a 2011

Leia mais

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Estado de Goiás Secretaria de Ciência e Tecnologia Superintendência de Desenvolvimento Científico e Tecnológico SIBRATEC Instituído por meio do Decreto 6.259, de 20 de novembro de 2007 e complementado pela Resolução do Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008, para atender as demandas específicas de

Leia mais

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social

O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social II Fórum de Informação em Saúde IV Encontro da Rede BiblioSUS O Projeto Casa Brasil de inclusão digital e social Maria de Fátima Ramos Brandão Outubro/2007 1 Apresentação O Projeto Casa Brasil Modelos

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010

EQPS Belo Horizonte. Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 EQPS Belo Horizonte Política de Software e Serviços: Política Industrial & Plano de Ação C,T&I 2007-2010 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da Ciência e Tecnologia Secretaria

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial

Cooperação Técnica para Modernização dos Serviços Relativos à Propriedade Industrial Programa 0393 PROPRIEDADE INTELECTUAL Objetivo Garantir a propriedade intelectual e promover a disseminação de informações, visando estimular e diversificar a produção e o surgimento de novas tecnologias.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014)

00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Programa 2017 - Aviação Civil Número de Ações 26 Tipo: Operações Especiais 00P6 - Subvenção Econômica para o Desenvolvimento da Aviação Regional (MP nº 652, de 2014) Esfera: 10 - Orçamento Fiscal Função:

Leia mais

2 INOVAÇÃO NA PROVISÃO DE SERVIÇOS

2 INOVAÇÃO NA PROVISÃO DE SERVIÇOS 1 MELHORIA DA GESTÃO FISCAL DE MÉDIO PRAZO E DO INVESTIMENTO PÚBLICO 1.1 Diagnóstico e Proposição de Melhorias do Marco de Gasto de Médio Prazo 1.1.0 Não há 1.1.0.0 Não há 1.1.0.0.1 Diagnóstico da metodologia

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008.

CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS. RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. CURSO DE GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS RECONHECIDO conforme PORTARIA nº 295, de 25 de Junho de 2008. Título: Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Turno: Noturno

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional CONSULTOR SÊNIOR Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 080/2014, DE 25 DE JUNHO DE 2014 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010

Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Política de Software e Serviços: Ações MCT 2007-2010 Encontro da Qualidade e Produtividade em Software - EQPS Manaus, novembro/2007 Antenor Corrêa Coordenador-Geral de Software e Serviços Ministério da

Leia mais

COMO VENCER ESSES DESAFIOS?

COMO VENCER ESSES DESAFIOS? ONDE ESTÃO NOSSOS RECURSOS HUMANOS PARA INOVAÇÃO Apenas 30% dos pesquisadores estão na iniciativa privada Alocação dos Pesquisadores por setor - 2009 e 2010 (%) 100% 0% Empresas Governo Academia Setor

Leia mais

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas

AGENDA. Impacto na Região Linhas Estratégicas AGENDA Como Surgiu Situação Atual Variáveis Importantes Governança Conquistas Impacto na Região Linhas Estratégicas Rodrigo Fernandes Coordenador Executivo da COMTEC Como Surgiu A T.I. surgiu para prover

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

FACULDADE SENAC GOIÂNIA

FACULDADE SENAC GOIÂNIA FACULDADE SENAC GOIÂNIA NORMA ISO 12.207 Curso: GTI Matéria: Auditoria e Qualidade de Software Professor: Elias Ferreira Acadêmico: Luan Bueno Almeida Goiânia, 2015 CERTIFICAÇÃO PARA O MERCADO BRASILEIRO

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

Programa FAPESP. Pesquisa Inovativa EM. Pequenas Empresas

Programa FAPESP. Pesquisa Inovativa EM. Pequenas Empresas Programa FAPESP Pesquisa Inovativa EM Pequenas Empresas Foto CAPA: LÉO ramos Objetivos Criado em 1997, o Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) apoia a execução de pesquisa científica

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

Modelo de Parceria. GSAN Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento

Modelo de Parceria. GSAN Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento Modelo de Parceria GSAN Sistema Integrado de Gestão de Serviços de Saneamento Modelo Proposto Fábrica Código Fonte (correção / Evolução) Documentação, casos de uso e testes Treinamento / Capacitação ao

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

5º Workshop RNP2 13 e 14 de maio de 2004 Gramado RS

5º Workshop RNP2 13 e 14 de maio de 2004 Gramado RS 5º Workshop RNP2 13 e 14 de maio de 2004 Gramado RS Promovendo o debate sobre iniciativas ópticas e aplicações avançadas para redes acadêmicas http://www.rnp.br/wrnp2/2004/ O Workshop RNP2 é um evento

Leia mais

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015

Plano Estratégico do Programa de Mestrado em Direito da UniBrasil PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 PLANO ESTRATÉGICO 2010 2015 MAPA ESTRATÉGICO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DA UNIBRASIL MISSÃO Promover, desenvolver e publicar pesquisas de qualidade, com sólida base jurídica e contextualização

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional

Capacitação de Recursos Humanos para o Planejamento e Gestão do Desenvolvimento Regional Programa 0757 Gestão da Política de Integração Objetivo Apoiar o planejamento, avaliação e controle dos programas da área de integração nacional. Público Alvo Governo Ações Orçamentárias Indicador(es)

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO TOCANTINS CURSO DE GRADUAÇÃO PRESENCIAL SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Identificação do Curso Nome do Curso: Sistemas de Informação Titulação: Bacharelado Modalidade de ensino: Presencial

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011

A Mobilização Empresarial pela Inovação: 25/05/2011 A Mobilização Empresarial pela Inovação: Desafios da Inovação no Brasil Rafael Lucchesi Rafael Lucchesi 25/05/2011 CNI e vários líderes empresariais fizeram um balanço crítico da agenda empresarial em

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009.

DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. DECRETO Nº XX.XXX, DE XX DE XXXXXXXXXXXX DE 2009. Institui a Política de Tecnologia da Informação e Comunicação no Governo do Estado do Piauí, cria o Sistema de Governança de Tecnologia da Informação e

Leia mais

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Atender às novas demandas corporativas da UERJ e otimizar as soluções já implementadas, de acordo com a missão da Diretoria.

OBJETIVO ESTRATÉGICO 1: Atender às novas demandas corporativas da UERJ e otimizar as soluções já implementadas, de acordo com a missão da Diretoria. DINFO - DIRETORIA DE INFORMÁTICA MISSÃO DA UNIDADE: Gerir a tecnologia da informação na Universidade através do desenvolvimento de novos sistemas corporativos, da manutenção da infra-estrutura das redes

Leia mais

Modelo de Plano de Negócios

Modelo de Plano de Negócios EDITAL DE SELEÇÃO PÚBLICA CONJUNTA ANEEL / BNDES / FINEP DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO SETOR ELÉTRICO INOVA ENERGIA 01/2013 Modelo de Plano de Negócios Junho - 2013-1 - Introdução Este documento tem

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 2º Workshop Platec E&P Onshore - Sondas de Perfuração e Workover - Equipamentos

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA

AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA AÇÕES GOVERNAMENTAIS DE FOMENTO PARA O SETOR DE TI NA BAHIA PARQUE TECNOLÓGICO DA BAHIA ÁREAS DE ATUAÇÃO BIOTECNOLOGIA E SAÚDE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ENERGIAS E ENGENHARIAS TECNOCENTRO

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009

Projeto de Apoio a Inserção Internacional de. São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Projeto de Apoio a Inserção Internacional de MPE s Brasileiras Calçadistas do APL de São João Batista (SC) DEZEMBRO - 2009 Identificar OBJETIVOS DA AÇÃO e solucionar gargalos na gestão das empresas, principalmente

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Universidade Paulista

Universidade Paulista Universidade Paulista Ciência da Computação Sistemas de Informação Gestão da Qualidade Principais pontos da NBR ISO/IEC 12207 - Tecnologia da Informação Processos de ciclo de vida de software Sergio Petersen

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio

Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Regulamentação da Internet e seus impactos nos modelos de negócio Virgilio Almeida Secretário de Política de Informática Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Brasilia Setembro de 2015 Elementos

Leia mais

PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005

PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 PORTARIA Nº 1.849, DE 23 DE SETEMBRO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA JUSTIÇA, no uso de suas atribuições e considerando o disposto na Lei nº 10.933, de 11 de agosto de 2004, que dispõe sobre o Plano Plurianual

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

COMITÊ EXECUTIVO PARA A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM CIÊNCIAS DO MAR - PPG-Mar PLANO NACIONAL DE TRABALHO 2012-2015

COMITÊ EXECUTIVO PARA A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM CIÊNCIAS DO MAR - PPG-Mar PLANO NACIONAL DE TRABALHO 2012-2015 CIRM PSRM 180/ 120/8 9 COMITÊ EXECUTIVO PARA A FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS EM CIÊNCIAS DO MAR - 1.1. Apoiar, incentivar e promover a 1. Melhorar a qualificação do corpo qualificação do corpo docente da

Leia mais

Objetivo do curso: Formar profissionais qualificados na gestão comercial, possibilitando assim o crscimento individual e corporativo.

Objetivo do curso: Formar profissionais qualificados na gestão comercial, possibilitando assim o crscimento individual e corporativo. O Curso de Tecnologia em Gestão Comercial tem por finalidade formar profissionais na área de Gestão Comercial, embasando-os de conhecimentos técnicos, científicos e gerenciais. Desenvolvendo capacidades

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Formulação de Conteúdos Educacionais Programa Nacional de Tecnologia Educacional SEB DCE CGMID COGTEC PROINFO SEB SECRETARIA DE EDUCAÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1)

SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1) SISTEMA DE APOIO À MODERNIZAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO (PI 2.3 E 11.1) CA 9.03.2015 Versão Definitiva Consulta escrita Maio.2015 Página 1 de 13 TIPOLOGIAS DE INVESTIMENTOS

Leia mais

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350

POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA APROVAÇÃO: Resolução DIREX nº 462, de 10/09/2012. VIGÊNCIA: 10/09/2012 POLÍTICAS DE EDUCAÇÃO CORPORATIVA - NOR 350 1/6 ÍNDICE

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

ANEXO 15: NECESSIDADES DE CONHECER DA COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS (CGDEP)

ANEXO 15: NECESSIDADES DE CONHECER DA COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS (CGDEP) ANEXO 15: NECESSIDADES DE CONHECER DA COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS (CGDEP) Referentes ao Planejamento Estratégico EIXO 1 - GESTÃO POR COMPETÊNCIAS E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Objetivo

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia

Plan International e IIDAC com recursos do Fundo União Europeia INSTITUTO INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA CIDADANIA TERMO DE REFERÊNCIA No. 012/2015 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA/JURÍDICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. PROJETO Pontes para o Futuro 2. RECURSOS

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

SINFOR - Sindicato das indústrias da informação do distrito federal [ s i n f o r. o r g. b r ]

SINFOR - Sindicato das indústrias da informação do distrito federal [ s i n f o r. o r g. b r ] 1 SINFOR - Sindicato das indústrias da informação do distrito federal [ s i n f o r. o r g. b r ] Resolução CAMEX nº 8, de 29.03.2004 Altera para 2% (dois por cento), até 31 de dezembro de 2005, as alíquotas

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados

Metas Indicadores Ação para o Alcance das Metas Produto Esperado Fonte dos Dados PDI 20111 / 201 15 Pós-Graduação 1. Formar pessoas competentes e éticas, com alta qualificação científica, tecnológica e artística, comprometidas com o bem-estar social, adaptáveis às mudanças, capazes

Leia mais

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança

PLANO SETORIAL DE DANÇA. DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança PLANO SETORIAL DE DANÇA DOCUMENTO BASE: Secretaria de Políticas Culturais - SPC Fundação Nacional de Artes FUNARTE Câmaras Setoriais de Dança MARÇO DE 2009 CAPÍTULO I DO ESTADO FORTALECER A FUNÇÃO DO ESTADO

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO PRESIDÊNCIA ATO Nº 345/SETIN.SEGP.GP, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Reestrutura as unidades vinculadas à Secretaria de Tecnologia da Informação SETIN do Tribunal Superior do Trabalho.

Leia mais

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP

GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP 2014 PROGRAMA GRADUAÇÃO INOVADORA NA UNESP INTRODUÇÃO A Pró-reitoria de graduação (PROGRAD), a Câmara Central de Graduação (CCG), o Núcleo de Educação à Distância

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos

Planilha de Objetivos e Ações Viabilizadoras GT de Empreendedorismo, Inovação e Tecnologia A Santa Maria que Queremos Disseminar a cultura empreendedora e inovadora em Santa Maria Ações de disseminação da Cultura Empreendedora Ações de trabalho conjunto entre Universidades e Comunidade Divulgação do trabalho pelo CEI

Leia mais