UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO COPPEAD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO COPPEAD"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO COPPEAD Estratégia de Serviços: Um Estudo de Casos no Setor de Hotéis "Cinco Estrelas" do Rio de Janeiro Daniela Felipe dos Santos Gomes Tese de Mestrado Orientador Kleber Fossati Figueiredo Rio de Janeiro 1994

2 ESTRATÉGIA DE SERVIÇOS: Um Estudo de Casos no Setor de Hotéis "Cinco Estrelas" do Rio de Janeiro Daniela Felipe dos Santos Gomes Tese submetida ao corpo docente do Instituto de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEADIUFRJ, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do grau de Mestre em Ciências (M. Se.) em Administração. Aprovado por: Prof. Kle er 19ue 0.- COPPEADIUFRJ Presidente da Banca Profa Angela da Rocha - COPPEADIUFRJ Prof. E. erardo Guimarães Rocha - PUCIRJ Rio de Janeiro 1994

3 ih Gomes, Daniela Felipe dos Santos Estratégia de Serviços: Um Estudo de Casos no Setor de Hotéis "Cinco Estrelas" do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: COPPEADIUFRJ, xiii, 285p. il. Tese - Universidade Federal do Rio de Janeiro, COPPEAD. 1. Estratégia de Serviços. 2. Hotéis "Cinco Estrelas". 3. Tese (Mestrado - COPPEADIUFRJ). I. Título.

4 iv A meus pais e a meu marido

5 v Agradecimentos "Ao meu orientador, Prof Kleber Fossati Figueiredo, por todo apoio e compreensão nos diferentes momentos do meu curso de mestrado, bem como por sua orientação objetiva e segura. "Aos membros da banca examinadora, Pro!" Ângela da Rocha e Prof Everardo Guimarães Rocha, pelas sugestões enriquecedoras. "A minha família e aos meus amigos, pela compreensão e incentivo. "A Paulo, pelo companheirismo e sugestões que me incentivaram durante todo o trabalho. "Aos funcionários da COPPEAD, pela colaboração e amizade durante todo o período do curso. "Aos colegas e professores da COPPEAD, pela convivência enriquecedora. "Ao apoio de diversos executivos do setor hoteleiro que forneceram informações sobre suas empresas e sobre o mercado.

6 vi RESUMO DA TESE APRESENTADA À COPPEAD/UFRJ, COMO PARTE DOS REQUISITOS NECESSÀRlOS PARA A OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM CIÊNCIAS (M. Se.). ESTRA TÉGIA DE SERVIÇOS: UM ESTUDO DE CASOS NO SETOR DE HOTÉIS "CINCO ESTRELAS" DO RIO DE JANEIRO DANIELA FELIPE DOS SANTOS GOMES MAIO/1994 ORIENTADOR: PROGRAMA: PROF. KLEBER FOSSATI FIGUEIREDO ADMINISTRAÇÃO Baseando-se na estrutura conceitual do modelo estratégico de gestão de serviços desenvolvido por James Heskett (1986), procurou-se construir um modelo estratégico para o Setor Hoteleiro, utilizando-se de extensa Revisão de Literatura que incorporasse ao modelo as peculiaridades do Serviço Hoteleiro. Através do relato e da análise de quatro casos de hotéis "Cinco Estrelas", procurouse comprovar a aplicação do modelo estratégico. Deste modo, este estudo contempla as experiências destes hotéis no que tange aos Elementos Básicos do modelo (Segmentação de Mercado, Conceito do Serviço, Estratégia Operacional e Sistema de Prestação do Serviço), bem como aos elementos integrativos (posicionamento, Aiavancagem Valor-Custo e Integração Estratégia - Sistema).

7 vii ABSTRACT OF THESIS PRESENTED TO COPPEADIUFRJ AS PARTIAL FULFILLMENT FOR THE DEGREE OF MAS TER OF SCIENCES (M.Se.) ESTRATÉGIA DE SERVIÇOS: UM ESTUDO DE CASOS NO SETOR DE HOTÉIS "CINCO ESTRELAS" DO RIO DE JANEffiO DANIELA FEL EDOS SANTOS GOMES MAY 1994 CHAIRMAN: DEPARTMENT: PROF. KLEBER FOSSATI FIGUEIREDO ADMINISTRAÇÃO Based on the eoneeptual strueture of the stratregie mo dei of serviee management built by James Heskett (1986), a strategie model for the hotel seetor was adapted, using thorough study ofliterature and ineorporating hotel serviee partieularities to the model. Through a deseription and an analysis of four "Five Star" hotel ease studies, the aplieability of the strategie model was tested. Therefore, this study eovers the experienees of these hotels regarding the model's basie e1ements (Market Segmentation, Serviee Coneept, Operating Strategy and Serviee Delivery System) as well as the integrative elements (Positioning, Value/Cost Leverage and Strategy/System Integration).

8 viii SUMÁRIO CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO O Assunto e sua Importância Objetivos e Organização do Estudo CAPÍTULO II - REVISÃO DE LITERATURA 09 II.l - O Conceito de Estratégia e a Importância de uma Estratégia Específica para o Setor de Serviços 10 II.2 - Modelos Estratégicos para Empresas de Serviço 13 li A proposta de Heskett: Visão Estratégica de Serviço 13 li Variante da Proposta de Heskett: A visão Estratégica de Serviços Inovadores 18 II Abordagem de Gronroos: Gerenciamento dos "Momentos da Venlade" em Serviços 21 n.3 - O Setor Hoteleiro: Evolução Histórica, Caracterização e Diferenciação 27 II Evolução Histórica: origem/difusão do termo e o desenvolvimento do setor II Caracterização do Setor Hoteleiro II Diferenciação no Mercado Hoteleiro II.4 - Modelo Estratégico para o Setor Hoteleiro II Elementos Básicos A - Segmentação de Mercado: escolha do público-alvo B - Conceito do Serviço C - Estratégia Operacional D - Sistema de Prestação do Serviço II Elementos Integrativos A - Posicionamento e Diferenciação B - Alavancagem Valor-Custo i. Combinação de Elementos de Padronização e Personalização 65 ii. Ênfase nos Serviços Facilmente Alavancados: Aplicação da Tecnologia e Racionalização dos Sistemas

9 ix iii. Administração da Oferta e Demanda 70 iv. Envolvimento do Consumidor na Prestação do Serviço 73 v. Uso Efetivo de Dados como Instrumento de Alavancagem vi. Gerenciamento da Qualidade: os "Momentos da Verdade" C - Integração Estratégia Operacional - Sistemade Prestação do Serviço CAPÍTULO III - METODOLOGIA 87 CAPÍTULO IV - DESCRIÇÃO DOS CASOS 94 IV.l - Hotel "A" 94 IV.2 - Hotel "B" 119 IV.3 - Hotel "C" 146 IVA - Hotel "D" 168 CAPÍTULO V - ANÁLISE DOS CASOS 194 Y.l - Elementos Básicos 194 A - Segmentação de Mercado: escolha do público-alvo 194 B - Conceito do Serviço 200 C - Estratégia Operacional 203 D - Sistema de Prestação do Serviço 216 V.2 - Elementos Integrativos 220 A - Posicionamento e Diferenciação 220 B - A1avancagem Valor-Custo 224 i. Combinação de Elementos de Padronização e Personalização 224 ii. Ênfase nos Serviços Facilmente A1avancados: Aplicação da Tecnologia e Racionalização dos Sistemas 226 iii. Administração da Oferta e Demanda 228 iv. Envolvimento do Consumidor na Prestação do Serviço 232 v. Uso Efetivo de Dados como Instrumento de A1avancagem 233 vi. Gerenciamento da Qualidade 234 C - Integração Estratégia Operacional - Sistemade Prestação do Serviço 237

10 x CAPÍTULO VI - RESUMO, CONCLUSÕES E SUGESTÕES PARA PESQUISAS FUTURAS 240 VI. 1 - Objetivos do estudo e Metodologia empregada 240 VI.2 - Conclusões 241 VI.2. l - VI As Características Inerentes a Serviços e suas Repercussões no Modelo Estratégico As Experiências dos Hotéis "Cinco Estrelas" VI As Varíáveis Relevantes para a Configuração dos Elementos Estratégicos 250 VI A Aplicação do Modelo Estudado para o Setor Hoteleiro 254 VI.3 - Áreas para Pesquisas Futuras 256 BIBLIOGRAFIA 258 ANEXOS 267 Anexo A: Carta de Apresentação 267 Roteiro da Entrevista 268 Anexo B: Carta de Apresentação 274 Questionário 275

11 xi LISTA DE QUADROS I. A Classificação dos Hotéis segundo os Critérios da EMBRATUR Caracterização dos Hotéis Pesquisados Caracterização das Redes Hoteleiras Pesquisadas Caracterização da Oferta de Hospedagem da Amostra Perfil da Oferta de Hospedagem (Hotel "A") Taxa Média de Ocupação Anual (Hotel "A") Perfil da Oferta de Hospedagem (Hotel "C") Perfil da Rede Hoteleira (Hotel "D") Perfil da Oferta de Hospedagem (Hotel "D") 172 lo. A política de Segmentação segundo Dimensão "Objetivo de Viagem" 195 li. A política de Segmentação segundo Dimensão "Origem do Viajante" Mecanismos Utilizados para Identificar Caracteristicas e Necessidades dos Diversos Segmentos Mecanismos de Avaliação sobre a Satisfação dos Hóspedes e Falhas no Sistema de Prestação do Serviço Integração dos diversos Departamentos e Funcionários Estrutura Organizacional Mecanismos de Motivação do Funcionário Política de Treinamento Campanhas Publicitárias: âmbito dos anúncios e canais utilizados no período Elementos do Sistema de Prestação do Serviço As características do Sistema de Prestação de Serviço usados na Diferenciação de cada Hotel perante os Concorrentes no Rio de Janeiro Dificuldades e Deficiências identificadas no Sistema de Prestação de Serviço 22. Os investimentos Realizados em relação ao Planejado 23. Mensagens utilizadas nas Propagandas Fatores Determinantes de Prioridades nos Investimentos em Tecnologia 227

12 xii 25. Mecanismos utilizados para promoção de vendas em períodos de baixa ocupação 26. Mecanismos utilizados em Períodos de Alta Ocupação 27. Mecanismos de Ajuste dos Custos à Receita Menor 28. SazonaJidade 29. Mecanismos de Avaliação da Qualidade dos Serviços e da Empresa 30. Gerenciamento e Aprimoramento da Qualidade 31. Recuperação do Serviço

13 xiii LISTA DE FIGURAS 1. Efeito Multiplicador da Atividade Hoteleira 2. Elementos Básicos de uma Visão Estratégica de Serviços 3. Elementos Integrativos de uma Visão Estratégica de Serviços 4, Maneiras pelas quais os Elementos da Visão Estratégica para Serviços de Vanguarda são Diferentes 5. Esquematização do Modelo de Gronroos 6. Taxa de Ocupação dos Hotéis "Cinco Estrelas" na Década de O Pacote de Serviços que compõe a Oferta Hoteleira 8. Qualidade Total Percebida

14 CAPÍTULO I - INTRODUCÃO O Assunto e sua Importância Nas últimas décadas, o setor de serviços vem se constituindo em um dos segmentos da economia mundial que mais se desenvolveu, tendo apresentado excelentes resultados financeiros. Serviços ligados às áreas financeira, hoteleira, de transportes, de saúde, de educação, de seguros, etc., têm contribuído, enormemente para o bem estar social, uma vez que se baseiam em sistemas operacionais que utilizam mão-de-obra intensiva, garantindo um considerável volume de empregos. Inúmeras mudanças sócio-político-econômicas estão alterando, constantemente, o perfil da sociedade contemporânea. Dentre essas mudanças, destacam-se o maior tempo para lazer, o aumento da expectativa de vida e sua complexidade, as crescentes preocupações com a família, ecologia e segurança, além da escassez de recursos naturais, que, juntos, estimularam o crescimento do setor de serviços, nas mais variadas áreas da economia. Apesar da diversidade dos setores dentro da área de serviços, podem-se destacar algumas caracteristicas comuns a todos os gêneros, que criam contextos específicos para a gestão administrativa e operacional de empresas prestadoras de serviços. Portanto, uma nova filosofia empresarial, baseada na compreensão das caracteristicas inerentes a serviços, faz-se necessária para assegurar bons níveis de produtividade e qualidade, capazes de sustentar uma estratégia competitiva de sucesso. Dentre as inúmeras atividades de serviços, o setor hoteleiro vem se destacando, há décadas, como um setor extremamente relevante na economia e no próprio desenvolvimento de várias nações. A hotelaria é a base do setor de turismo, que deve ser visto como uma atividade de grande interesse para o Brasil, diante de seu potencial inesgotável, incluindo as prodigalidades de sua natureza e de sua cultura. Não obstante, a própria cultura brasileira constitui alicerce ao turismo, uma vez que a nação demonstra

15 2 vocação para a realização de "grandes espetáculos" 1, que despertam a atenção mundial, contribuindo para a divulgação do potencial turístico brasileiro no mercado internacional. A potencialidade da atividade hoteleira, alavancada no turismo, é ressaltada através de diversos artigos do setor turístico, que proclamam, constantemente, a importância do turismo para o desenvolvimento da economia de um pais. O artigo "A Indústria do Século 21 ", publicado na revista HOTELNEWS, em 1991, afirma que, na década de 80, o turismo internacional cresceu a uma taxa média de 4% ao ano, sendo que sua receita atual representa mais de 7% do comércio mundial de bens e serviços, constituindo junto à indústria petrolífera e de armamentos, as principais atividades do comércio internacional. Este mesmo artigo destaca o peso do mercado hoteleiro na economia nacional: "O setor hoteleiro no Brasil representa uma fatia importante da economia nacional, somando investimentos superiores a US$10 bilhões. Além disso, representa uma atividade produtiva moderna, estando pronta a apropriar, crescentemente, novas tecnologias." (p.21) A Hotelaria não só gera empregos diretos, ensejando o aproveitamento de considerável força de trabalho (da mais simples até a mais alta qualificação) (Abelheira, 1992), mas também, considerando o efeito multiplicador (Dornbusch e Fischer, 1978; Mill e Morrison, 1985), provoca repercussões em inúmeros segmentos da economia, garantindo, assim, indiretamente, empregos, receitas fiscais e rendas na construção civil, no comércio, etc., capazes de resolver grande parte dos problemas sociais que afligem a nação. A figura 1 esquematiza o efeito multiplicador, que caracteriza a hotelaria como importante atividade geradora de progresso econômico. 1 Como por exemplo, o "Reveillon", na praia de Copacabana, e o Desfile Carnavalesco, no sambódromo, que contam com a participação de milhares de cidadãos.

16 3 FIGURA 1 Efeito Multiplicador da Atividade Hoteleira --In9fsUMnhs JIs"nli" E Po ".. -c:::.--- btuhil iv'l'soi,- ioiils- - F."""io.. -- Iq\llpw otos -[::: --SdU'hs--... U1"'1" E L- Con.sbuCI' Civil - -- aaterlu,rius!mpnitriros '---- Sih,i,, - flulciohar-ios ",,1 -[ DeSPlUS de suhsjshnch. Outros,utu ::: diptido de nlll 11lorrison (Um.,.221 Mendes e Carvalho (1991) afirmam que o setor hoteleiro permitiu ao Brasil receber, em 1990, divisas de US$ 1,2 bilhões, representando o sétimo item da pauta de exportações. No entanto, apesar do incomensurável potencial do país, as estatísticas apontam que o

17 4 Brasil representa somente 1% da receita gerada pelo Turismo Mundial, que, tendo por base o setor hoteleiro, representava, no início da década de 90, 2,5 trilhões de dólares 2. o Brasil, embora dotado deste imenso potencial turístico, não consegue explorar toda a capacidade do setor: enquanto o turismo corresponde a 10% do PIB espanhol e a 9% do de Portugal, no Brasil esse percentual cai para 4%. Em 1992, o Brasil recebeu 1,8 milhões de turistas estrangeiros, enquanto a Espanha hospedou 40 milhões e Portugal, 9 milhões. No início da década de 90, instalou-se um quadro recessivo no mercado turístico interno, que pode ser justificado pela própria diminuição do fluxo turístico internacional, pelas notícias sobre o aumento da violência no país e pela redução dos investimentos para promover o turismo no exterior 3. Como resultado de baixas taxas de ocupaçã0 4 decorrentes dessa conjuntura, a rentabilidade média da maioría das empresas piorou nos últimos anos: segundo a revista EXAME MELHORES E MAIORES (Agosto 1993), a taxa média de ocupação dos hotéis ficou em 50%, e a mediana, que indica a rentabilidade das vintes maiores empresas do setor, passou de -4,8% para -8%. Se no momento o mercado hoteleiro não apresenta uma situação confortável, por outro lado, há inúmeras perspectivas de crescimento para esse setor, a médio e longo prazos, considerando os vários aspectos do imenso potencial do país, ainda inexplorados. 2 Estes dados constam do periódico EXAME MELHORES E MAIORES (Agosto 1991 e 1992). Os dados sobre a receita do turismo mundial foram estimados pelo "World Travei and Tourism Council". 3 Na promoção do turismo, o governo da Jamaica, por exemplo, gasta anualmente 40 milhões de dólares, o do Peru, 25 milhões de dólares, o do México, 45 milhões de dólares (apenas nos EUA), e o de Porto Rico investe 17,5 millhões de dólares (também somente nos EUA), contra os 2 a 4 milhões de dólares desembolsados pela EMBRATUR a cada ano (EXAME MELHORES E MAIORES, Agosto 1991; O GLOBO, 06 fev 94). 4 Para maiores detalhes sobre a taxa de ocupação do mercado, vide a seção no capítulo de Revisão de Literatura.

18 5 As dificuldades decorrentes da recessão e as expectativas diante do potencial nacional estão estimulando o setor a procurar saídas criativas para atrair clientes e a aumentar suas taxas de ocupação. O turismo de negócios vem despontando como um caminho a ser trilhado; além disto, muitos investimentos já correspondem á ampliação e á adaptação de apartamentos e de demais instalações destinadas a feiras, eventos de negócios e congressos. Portanto, é primordial que os hotéis aprimorem seus sistemas de prestação de serviço, baseados em um programa de qualidade e em uma filosofia de marketing compatíveis com as necessidades de seu público-alvo e sua disponibilidade de recursos. Concomitantemente, a atividade hoteleira é altamente complexa: tanto na formulação da oferta quanto na determinação da demanda, atuam os mais variados fatores, que obrigam a que este setor, seja encarado, nos vários níveis de intervenção, com o máximo de planejamento, profissionalismo e empenho, exigindo, para tal, um modelo estratégico de serviços. A busca de alternativas eficazes, que revertam o quadro recessivo no mercado hoteleiro exige uma profunda revisão das inúmeras experiências de gestão hoteleira. No entanto, não há um só modelo-padrão que atenda simultaneamente a todas as características e necessidades dos mais diferentes serviços hoteleiros existentes no país Objetivos e Organização do Estudo Neste sentido, o presente trabalho apresentará inúmeras contribuições, de vários estudiosos, na linha de pesquisa sobre serviços, abordando diversos aspectos estratégicos que atendam ás caracteristicas peculiares da gestão de serviços. A hotelaria é um claro exemplo da necessidade de um modelo estratégico de gestão que crie sinergia, através de uma compreensão holistica do serviço, assumindo a convergência e a coordenação de elementos de marketing, operações e recursos humanos. Não obstante, a configuração dos 5 Vide seçãoll3.3 sobre a diferenciação no mercado hoteleiro.

19 6 elementos estratégicos, bem como os pontos fortes e fracos de um hotel, são parcialmente determinados pelo estágio de integração ( ou não) a redes nacionais ou internacionais. A contribuição que este estudo pretende dar consiste, através do relato e da análise de quatro experiências na gestão hoteleira de padrão "cinco estrelas", em tentar comprovar a aplicação do modelo estratégico para o setor de serviços hoteleiros, dentro da conjuntura nacional (meio-ambiente em que se encontra), baseado no trabalho de James Heskett (1986) e apresentado no capítulo de Revisão de Literatura. Este autor desenvolveu um modelo estratégico de gestão de serviços, a partir de experiências de empresas de sucesso, os quais resultaram em relevantes vantagens competitivas nos mais diversos setores de serviços. Seu modelo se encontra constituído de quatro elementos básicos, que compõem a estrutura conceitual da visão estratégica de sucesso: escolha de um público-alvo (segmentação), conceito bem definido de serviço, estratégia operacional focada e sistema de prestação de serviço bem planejado. Não obstante, seu modelo propõe que a harmonia desses elementos básicos deve ser sustentada através de elementos integrativos, garantindo, desta forma, a consistência da estratégia, bem como a sinergia entre os diversos recursos econômicos utilizados. Estes elementos integrativos são: posicionamento, alavancagem valor-custo e, por último, integração estratégia operacional-sistema de prestação de serviço. Paralelamente, Heskett (1986) e outros estudiosos, analisando as características inerentes a serviços (heterogeneidade, perecibilidade, simultaneidade produção-consumo, variabilidade do "output" e intangibilidade), levantaram as repercussões que estas peculiaridades geram na prestação de serviços. Portanto, o presente trabalho pretende, no primeiro momento, apresentar um modelo estratégico para serviços, baseando-se na estrutura conceitual do trabalho de Heskett (1986), incorporando contribuições destes outros autores, no sentido de ampliar e detalhar a contemplação dos elementos básicos e integrativos. Não obstante, ao longo do modelo, pretende-se enfatizar as características de serviços que devem ser incorporadas ao mesmo, uma vez que geram consequências na gestão de serviços, em relação aos vários elementos estratégicos. Na fase final, o trabalho

20 7 pretende ressaltar as variáveis (internas e externas) do sistema hoteleiro, que mais influenciam a configuração dos elementos das estratégias adotadas pelos hotéis. Para viabilizar este estudo sobre a estratégia de serviços hoteleiros, este trabalho encontra-se estruturado da seguinte forma: o capítulo II dedica-se a uma abrangente Revisão de Literatura que, além de caracterizar o sistema hoteleiro e historiar o seu surgimento, busca detalhar o modelo estratégico para serviços, como foi sugerido na proposta acima descrita. Como também já foi afirmado anteriormente, o exame minucioso deste modelo contará com a contribuição de outros autores que abordaram aspectos importantes para a estratégia de serviços. Faz-se necessário, porém, destacar a específica contribuição fornecida por Christian Gr6nroos (1990), no que tange à ênfase na qualidade total de serviços, e à orientação de marketing, questões que permeiam todo o trabalho. Este autor desenvolve um modelo estratégico que enfoca o processo de prestação de serviço, cujo sucesso está associado ao desenvolvimento da qualidade total (dimensões técnica e funcional), bem como ao comprometimento com as eficiências interna e externa do sistema. o capítulo III aborda a metodologia usada para testar a aplicação do modelo proposto no capítulo anterior. Nesta parte, estarão expostas as razões que levaram à escolha das empresas estudadas, a forma com que foram conduzidas as entrevistas, o desenvolvimento do questionário aplicado e todos os aspectos pertinentes à metodologia do estudo. No capítulo IV são descritos os casos pesquisados. A descrição reúne os dados obtidos em revistas especializadas, nas entrevistas e no questionário posteriormente aplicado (visando a formalização e complementação dos dados até então obtidos). As entrevistas foram feitas em fins de 1992 e os questionários foram aplicados em princípios de A descrição obedece à sequência de elementos apresentados no modelo do capítulo II, de forma a facilitar a comparação entre os diversos hotéis.

21 8 o capítulo V analisa e compara os casos "vis-a-vis" o modelo proposto, procurando ressaltar as diferenças e semelhanças encontradas. A sequência, na análise dos elementos estratégicos, segue aquelas estabelecidas nos capítulos II e IV. Finalmente, o capitulo VI apresenta um resumo do presente trabalho e as principais conclusões esboçadas a partir da análise feita no capítulo anterior. Neste momento, também serão sugeridas futuras pesquisas sobre o tema em questão.

22 CAPÍTULO 11 - REVISÃO DE LITERATURA o crescimento do setor de serviços, nos últimos anos, vem despertando o interesse por parte dos pesquisadores e estudiosos, gerando um volume de literatura valioso. O objetivo deste capítulo é apresentar uma revisão dos estudos que procuram abordar o tema de estratégias específicas para a gestão de serviços, identificando as principais consequências das características inerentes a serviços na sua gestão, com o propósito de, ao final do capítulo, aprofundar e detalhar um modelo estratégico, cuja estrutura conceitual encontra-se baseada no trabalho de James Heskett (1986). À estrutura básica do modelo serão incorporadas inúmeras contribuições de estudiosos na linha de pesquisa sobre gestão de serviços. Posteriormente, a aplicação deste modelo ampliado será testada para o setor hoteleiro. Em primeiro lugar, faz-se necessário abordar a definição de estratégia que o presente trabalho assumirá e, concomitantemente, esclarecer a relevância de uma estratégia específica para o setor de serviços. Estes dois aspectos serão apresentados na seção H.I. A pesquisa envolvendo empresas de serviços ainda é incipiente, principalmente em relação a estratégias de serviços. Portanto, em segundo lugar, na seção 11.2, serão resumidos alguns estudos que abordam modelos estratégicos para prestadoras de serviços. Para a posterior compreensão dos estudos de caso no setor hoteleiro a serem apresentados no capítulo IV, é necessário analisar a evolução histórica do setor, bem como sua caracterização e diferenciação. Estes temas serão abordados na seção li.3. Finalmente, na seçãoh.4, será apresentado o modelo estratégico para o setor hoteleiro e que, posteriormente, será utilizado para examinar algumas experiências de hotéis "cínco estrelas". Este item foi escrito reunindo o que será visto nas seções 1I.2 e li.3.

23 O Conceito de Estratégia e a Importância de uma Estratégia Específica para o Setor de Serviços Diante da infinidade de significados e interpretações, dados ao conceito de estratégia e encontrados na literatura, é imprescindível que se esclareça a definição que o presente trabalho assume. Originariamente, a palavra estratégia vem do grego estrategós, tendo sido historicamente aplicada na arte militar. Bethlem (1990, p.03) ilustra bem o surgimento deste conceito militar tradicional: "(...) o comandante da ação passou a se afastar da linha de frente para poder ter uma visão de conjunto das batalhas, em vez de se envolver diretamente na ação e ter sua visão reduzida a um pequeno campo." Da ênfase no cálculo e na força, o conceito foi evoluindo e se ampliando, e atualmente já podem ser verificadas, dentre outras, preocupações com a mobilidade, surpresa (associada à incerteza) e com os fatores psicológicos e sociológicos. Bethlem (1990) acrescenta que a utilização do conceito de "estratégia" na literatura empresarial-administrativa surgiu a partir da Teoria dos Jogos de von Neumann e Morgensten 6, na qual "estratégia" seria um conjunto de lançamentos ("entries") específicos de produto-mercado. Atualmente ainda é imperante a confusão, em consequência de definições, amplas ou limitadas, utilizadas. É comum encontrá-la como sinônimo de política, tática ou conceito global dos negócios da empresa. A definição que permeia o presente trabalho parte de Chandler (1962, p.463): 6 VON NEUMANN, J. V. & MORGENSTERN, o. Theory of Games and Economic Behavior. Princeton: Princeton University Press, 1953.

24 11 "A determinação de objetivos básicos de longo prazo da empresa, adoção de linhas de ação e a alocação de recursos necessários para o alcance destas metas. " Isto implica que a empresa precisa ser capaz de explorar as condições favoráveis, adequar-se ao quadro de restrições, ameaças e coações existentes, além de possuir flexibilidade suficiente para reagir e pró-agir às mudanças que ocorrem no seu meio ambiente. Em outras palavras: "A empresa é um organismo que precisa ser flexivel e adaptável para sobreviver, e a estratégia deve refletir isto." (BETHLEM, 1990, p. 52) Tais habilidades são imprescindíveis no mundo de hoje se for considerado o que, por exemplo, A. Tofller (1980) salientou com tanta repercussão em "A Terceira Onda": o mundo de hoje passa por transfonnações violentas, profundas e de velocidade eletrizante. Diante desse quadro permanente de mudanças, Bethlem (1990) acrescenta a necessidade de uma contínua avaliação da relação empresa-meio ambiente, e esclarece ainda, o papel da percepção e a filosofia dos dirigentes. Ele afirma que: "As estratégias são formuladas através do exame permanente dos recursos da empresa e das características do meio ambiente e da concorrência, visando atingir objetivos genéricos e específicos. Estes objetivos são estabelecidos também a partir da análise de recursos e circunstâncias como percebidos e em função da ideologia e valores da estrutura de poder." (p. 51) Mudanças sócio-político-econômicas ocorridas na sociedade contemporânea, incluindo a natureza dos negócios e as atitudes e estilo de vida das pessoas, têm gerado um contexto propício ao contínuo e fenomenal crescimento do setor de serviços. Dentre as

25 12 razões para tal, como, por exemplo, as mencionadas por Grõnroos (1990), pode-se citar o maior tempo disponível para lazer, aumentando a demanda em agências de viagens, resorts, hotéis, restaurantes, etc. o crescimento do setor, aliado ao reconhecimento das características inerentes a serviços 7, sugerido e analisado na literatura, como, por exemplo, por Sasser (1976), Sasser, Olsen e Wyckoff (1978), Normann (1984), Schmenner (1986), ou Grõnroos (1990), conduzem à busca de uma nova mentalidade empresarial que considere as diferenças genéricas e contextuais entre bens e serviços, sendo necessário um modelo estratégico específico para o setor. Tal modelo específico toma-se ainda mais importante dentro de um ambiente de mudanças, onde, diante de alterações internas e externas à organização, há a necessidade de um plano lógico e organizado, que possa adequar-se às mesmas com flexibilidade e agilidade. Frente a essa crescente conscientização voltada para a área de serviços, inúmeros autores passaram a incluir, mais explícitamente, no seu campo de estudos, os mais variados tópicos acerca do assunto. Destacam-se porém, trabalhos como Heskett (1986), Grõnroos (I 990), Heskett, Sasser e Hart (1990), cujas contribuições recaem sobre modelos estratégicos de gestão de serviços, que abordam os recursos e exigências de uma empresa "vis-a-vis" seus objetivos. Enfim, embora os conceitos de estratégia não façam referência a um determinado setor, nos últimos anos a crescente importância assumida pelo setor de serviços tem exigido 7 Pode-se identificar cinco diferenças genencas que separam os bens de serviços: heterogeneidade, perecibilidade, simultaneidade produção-consumo, variabilidade do output e intangibilidade. Berry (1980) define "bem" como um objeto, um dispositivo, uma coisa; enquanto que "serviço" é um feito, um desempenho, um esforço. Lovelock (1981) coloca que, do ponto de vista do cliente, serviços possuem três caracteristicas distintas: sua natureza experimental efêmera, a ênfase no tempo como uma unidade de consumo e o fato de que as pessoas (clientes e funcionários) participam no processo.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard

BALANCED SCORECARD. Balanced Scorecard Olá, pessoal! Hoje trago para vocês uma aula sobre um dos tópicos que será cobrado na prova de Analista do TCU 2008: o Balanced Scorecard BSC. Trata-se de um assunto afeto à área da Contabilidade Gerencial,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA

MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA MARKETING NAATIVIDADE TURÍSTICA Mestre em turismo e hotelaria-univali Professora do curso de turismo da Universidade de Uberaba-MG Trata-se nesse artigo da teoria e da prática do marketing no turismo.

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex...

Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... Atendimento pós-venda: gestão estratégica da ex... (/artigos /carreira/comopermanecercalmosob-pressao /89522/) Carreira Como permanecer calmo sob pressão (/artigos/carreira/como-permanecer-calmosob-pressao/89522/)

Leia mais

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL

MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL MODELO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO (MEG), UMA VISÃO SISTÊMICA ORGANIZACIONAL Alessandro Siqueira Tetznerl (1) : Engº. Civil - Pontifícia Universidade Católica de Campinas com pós-graduação em Gestão de Negócios

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING

Conceitos e tarefas da administração de marketing DESENVOLVIMENTO DE ESTRATEGIAS E PLANOS DE MARKETING Sumário Parte um Conceitos e tarefas da administração de marketing CAPITULO I MARKETING PARA 0 SÉCULO XXI A importância do marketing O escopo do marketing 0 que é marketing? Troca e transações A que se

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PROJETOS OS BENEFÍCIOS DA APLICAÇÃO DAS DIRETRIZES DA GESTÃO DE PROJETOS REUNIDAS NO PMBOK NO PLANEJAMENTO TURÍSTICO DE DESTINOS ALUNA: HELENA PERES

Leia mais

1- O que é um Plano de Marketing?

1- O que é um Plano de Marketing? 1- O que é um Plano de Marketing? 2.1-1ª etapa: Planejamento Um Plano de Marketing é um documento que detalha as ações necessárias para atingir um ou mais objetivos de marketing, adaptando-se a mudanças

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Modelo para elaboração do Plano de Negócios

Modelo para elaboração do Plano de Negócios Modelo para elaboração do Plano de Negócios 1- SUMÁRIO EXECUTIVO -Apesar de este tópico aparecer em primeiro lugar no Plano de Negócio, deverá ser escrito por último, pois constitui um resumo geral do

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Como desenvolver o seu plano empresarial

Como desenvolver o seu plano empresarial PLANO EMPRESARIAL Como desenvolver o seu plano empresarial l Esta apresentação tem por objetivo sugerir a criação de um plano empresarial focando q Anatomia de um plano empresarial q Base para a automatização

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04

Introdução 02. A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03. A Definição do Negócio 03. Imagem 03. Objetivos Financeiros 04 ESTUDO DE CASO A construção do BSC na ESPM do Rio de Janeiro Alexandre Mathias Diretor da ESPM do Rio de Janeiro INDICE Introdução 02 A Estratégia Corporativa ESPM Brasil 03 A Definição do Negócio 03 Imagem

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas

6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas 6 Modelo proposto: projeto de serviços dos sites de compras coletivas A partir do exposto, primeiramente apresentam-se as fases discriminadas no modelo proposto por Mello (2005), porém agora direcionadas

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade

Palavras-chave: Gestão Estratégica de Custos, competitividade, lucratividade GESTÃO ESTRATÉGICA DE CUSTOS COMO FERRAMENTA DE COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA COIMBRA & FILHOS LTDA. Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Capítulo 18 Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Questões abordadas no capítulo Quais são as etapas envolvidas

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

Missão, Visão e Valores

Missão, Visão e Valores , Visão e Valores Disciplina: Planejamento Estratégico Página: 1 Aula: 12 Introdução Página: 2 A primeira etapa no Planejamento Estratégico é estabelecer missão, visão e valores para a Organização; As

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

PLANO DIRETOR 2014 2019

PLANO DIRETOR 2014 2019 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII PLANO DIRETOR 2014 2019 1 Índice 1. INTRODUÇÃO... 4 2. MISSÃO... 8 3. VISÃO... 8 4. VALORES... 8 5. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 8 6. DIFERENCIAIS

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09

A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa. Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 A Integração de Remuneração, Reconhecimento e Recompensa Luiz Edmundo Rosa São Paulo, 26.03.09 AGENDA 1. Posicionando a Remuneração e Reconhecimento 2. Tendências e impactos na Gestão 3. Melhores Práticas:

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA

CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA CEAG Curso de Especialização em Administração para Graduados EMENTAS DAS DISCIPLINAS E CARGA HORÁRIA Habilidades Computacionais 32 h/a Oferece ao administrador uma visão sobre as potencialidades da tecnologia

Leia mais

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES

IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES IMPACTOS DA LOGÍSTICA DE SERVIÇOS NA ECONOMIA BRASILEIRA E A CONTRIBUIÇÃO DAS FACULDADES Ednilson Zanini 1 O serviço logístico tornou-se uma ferramenta importante para o desenvolvimento de relacionamentos

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração

Faculdade Pitágoras de Uberlândia. Administração Faculdade Pitágoras de Uberlândia Apostila de Administração Prof. Walteno Martins Parreira Júnior www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 SUMÁRIO 1 O PLANO DE NEGÓCIOS...2 1.1 SUMÁRIO EXECUTIVO...5

Leia mais

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência

Sistemas de Informação e o Processo de Gerência Sistemas de Informação e o Processo de Gerência É necessário que seja feita uma visão integrada do processo de administrar, para que se possa localizar adequadamente o sistema de informação neste mesmo

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL

SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS B) INFORMAÇÃO GERENCIAL 1. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL (SIG) Conjunto integrado de pessoas, procedimentos, banco de dados e dispositivos que suprem os gerentes e os tomadores

Leia mais

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS

GESTÃO DAS POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS NOS GOVERNOS ESTADUAIS BRASILEIROS Inter-American Development Bank Banco Interamericano de Desarrollo Banco Interamericano de desenvolvimento Banque interámericaine de développment BR-P1051 Departamento de Países do Cone Sul (CSC) Rascunho

Leia mais

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00

APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL. 02/01/2013 rev. 00 APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL 02/01/2013 rev. 00 PAUTA INSTITUCIONAL Sobre a Harpia OUTRAS INFORMAÇÕES Clientes Parceiros SERVIÇOS Responsabilidade Social Consultoria & Gestão Empresarial Planejamento Estratégico

Leia mais

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO

TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO TÍTULO: O CRM NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES EM UMA EMPRESA DE MATERIAL PARA CONSTRUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE AURIFLAMA AUTOR(ES):

Leia mais

Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal

Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal Gabinete de Apoio à Gestão da AHP Associação de Hotéis de Portugal E HCMS Hospitality Concepts & Management Solutions Índex Sobre a HCMS Empresa Missão Valores Serviços Áreas de Intervenção Directrizes

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES.

FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Prof. Edson Costa Aildefonso FERRAMENTA PARA GERAÇÃO DE IDÉIAS E SOLUÇÕES. Qualquer um de nós que possua alguma experiência em trabalho de grupo sabe como é difícil desenvolver maneiras criativas para

Leia mais

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Aula 03 CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Na prática, não existe uma classificação rígida, permitindo aos autores e principalmente as empresas classificar seus sistemas de diversas maneiras. A ênfase

Leia mais

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira

LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira LIVRO O GERENTE INTERMEDIÁRIO Autor: Wellington Moreira Manual de Sobrevivência dos Gestores, Supervisores, Coordenadores e Encarregados que atuam nas Organizações Brasileiras Capítulo 2 O Gestor Intermediário

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA

MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA MBA EXECUTIVO DA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA 2012.1 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS É uma instituição de direito privado, sem fins lucrativos, fundada em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de ser um centro voltado

Leia mais

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida

Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL. Prof. Roberto Almeida Unidade III GESTÃO EMPRESARIAL Prof. Roberto Almeida Esta estratégia compreende o comportamento global e integrado da empresa em relação ao ambiente que a circunda. Para Aquino:Os recursos humanos das

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral

Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação Profº Dr. Raul Amaral Estratégias de recursos humanos para serviços de alimentação. 1. Formação e manutenção da equipe de trabalho. 2. Pesquisa

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil

RESENHAS. Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil RESENHAS Marketing Turístico e de Hospitalidade: Fonte de Empregabilidade e Desenvolvimento para o Brasil Erika Helena Bautto Completa, abrangente e extremamente didática, Marketing Turístico e de Hospitalidade:

Leia mais

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO

SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO SISTEMAS DE REMUNERAÇÃO ESTRATÉGIAS DE REMUNERAÇÃO REMUNERAÇÃO ESTRATÉGICA É O USO INTELIGENTE DAS VÁRIAS FORMAS DE REMUNERAÇÃO, CUJO CONJUNTO ESTABELECE UM FORTE VÍNCULO COM A NOVA REALIDADE DAS ORGANIZAÇÕES

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios

UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios UNIDADE 5 A estrutura de um Plano de Negócios É evidente a importância de um bom plano de negócios para o empreendedor, mas ainda existem algumas questões a serem respondidas, por exemplo: Como desenvolver

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

2. As Empresas. Conteúdo

2. As Empresas. Conteúdo 2. As Empresas Conteúdo 1. Empresas 2. Características das Empresas 3. Rápida História das Organizações 4. Categoria de Empresas 5. Empresas Como Sistema Abertos 6. O Alinhamento Organizacional 7. Os Recursos

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões:

De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 7.1 Conclusões De acordo com os objectivos previamente definidos para esta investigação, apresentamos de seguida as respectivas conclusões: 1 - Descrever os instrumentos/modelos de gestão e marketing estratégicos

Leia mais

Tecnologia melhora o ABC

Tecnologia melhora o ABC Tecnologia melhora o ABC As inovações da informática estão contribuindo para tornar realidade a determinação de custos com base em atividade Por Mary Lee Geishecker FINANÇAS 18 Mais do que nunca, trabalhar

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE GARÇA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE BACHARELADO EM TURISMO RA: 31.939 TURISMO DE AVENTURA: ANÁLISES E QUESTIONAMENTOS SOBRE O PROCESSO DE CRIAÇÃO DA EXPERIÊNCIA

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

5 Proposta pedagógica da escola

5 Proposta pedagógica da escola 5 Proposta pedagógica da escola A escola onde este estudo se realizou localiza-se na periferia da cidade do Rio de Janeiro, e passou a integrar a rede FAETEC (Fundação de Apoio à Escola Técnica do Rio

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização

Gestão da Produção e Operações. Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Gestão da Produção e Operações Prof. Dr. José Carlos de Souza Lima Produção e Operações na Organização Objetivo Analisar a importância da função produção e operações nas organizações e sua hierarquia identificando

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

Gestão por Competências

Gestão por Competências Gestão por Competências 2 Professora: Zeila Susan Keli Silva 2º semestre 2012 1 Contexto Economia globalizada; Mudanças contextuais; Alto nível de complexidade do ambiente; Descoberta da ineficiência dos

Leia mais

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas:

O executivo ou especialista na área de marketing deve identificar três níveis de sistemas: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EAD MÓDULO IV A EMPRESA COMO SISTEMA Para o estudioso na área de marketing trabalhar melhor o planejamento nas organizações, ele precisa conhecer a empresa na sua totalidade e

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta.

Considerando que a pesquisa mercadológica é uma ferramenta de orientação para as decisões das empresas, assinale a opção correta. ESPE/Un SERE plicação: 2014 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 14: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO E RELAÇÕES SINDICAIS 14.1 O processo de segurança e qualidade de vida O processo de segurança é o que visa estabelecer disciplina e segurança,

Leia mais

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO

ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO 1 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO COM O PÚBLICO INTERNO Por Regina Stela Almeida Dias Mendes NOVEMBRO 2004 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA 2 ENDOMARKETING COMO FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education

Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas. Copyright 2006 by Pearson Education Gerenciamento da comunicação de massa: propaganda, promoção de vendas, eventos e relações públicas Copyright 2006 by Pearson Education Propaganda Qualquer forma paga de apresentação não pessoal e promocional

Leia mais

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros

Recursos Humanos. Hotelaria: gestores portugueses vs. estrangeiros Esta é uma versão post print de Cândido, Carlos J. F. (2004) Hotelaria: Gestores Portugueses vs. Estrangeiros, Gestão Pura, Ano II, N.º 7, Abril/Maio, 80-83. Recursos Humanos Hotelaria: gestores portugueses

Leia mais

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing

Plano de Marketing. Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing Plano de Marketing Introdução (breve) ao Marketing Análise de Mercado Estratégias de Marketing 1 Plano de Marketing É o resultado de um processo de planejamento. Define o quevai ser vendido, por quanto,

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais