Preservar a Riqueza do Acionista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Preservar a Riqueza do Acionista"

Transcrição

1 OSCAR MALVESSI Consultoria em Valor Av. Paulista, 807 conj São Paulo - SP Tel Preservar a Riqueza do Acionista É uma alternativa dos dirigente ou um fato concreto a ser considerado?? IBGC Fórum de Debates Geração de Valor 29 de Julho de 2014

2 Empresas existem para Gerar Riquezas e Criar Valor ao Acionista = DONOS!!! Agenda da apresentação: 1 - Quando e porque o Lucro, EBITDA ou medidas clássicas de análise não respondem adequadamente? 2 - Há diferenças entre análise tradicional e o uso da Criação de Valor ao Acionista * 3 - Quais são os fundamentos e as vantagens em adotar a metodologia de Criação de Valor ao Acionista /EVA 4 - Resultados: algumas evidencias empíricas e exemplos. * = Valor Econômico Criado. Denominação utilizada na TESE de Doutorado (FGV-EAESP-2001), nos artigos e trabalhos visando expressar a metodologia de Criação de Valor ao Acionista e sua convergência aos princípios de governança corporativa. Termo conhecido por EVA - Economic Value Added ou Valor Econômico Adicionado. EVA é marca da Stern Stewart de N. Y. é marca registrada da Oscar Malvessi Consultoria em Valor. O estado da arte em gestão estratégica financeira

3 O estado da arte em gestão estratégica financeira Reflexão: Revisitando conceitos de retorno Você entregaria seus $$$ sem remuneração conhecida?? Deixaria os $$$ na gaveta?? Afinal, como você aplica/avalia $$$?? E como Dirigente ou Conselheiro como avalia os retornos?? É o Econômico?

4 O estado da arte em gestão estratégica financeira Qual o Instrumento que mede retorno da sua empresa? I. - Lucro, II. - EBITDA, III. - Qual Retorno..., Retorno é por diferença??? IV. - Não, não são mais os Indicadores Clássicos de Análise = 1935 que nos dão respostas consistentes e claras!!!!!! V. - Preservar a Riqueza na Organização = VALOR.

5 O estado da arte em gestão estratégica financeira Preservar a fortuna do Acionista: O impacto da remuneração variável Todo bônus e remuneração variável aos gestores que não preserve em primeiro lugar a remuneração do Patrimônio do Acionista, destrói a riqueza ao invés de CRIAR = /EVA. É necessário uma resposta: Como funciona o alinhamento de interesses na sua Empresa?

6 Criar de Valor = Revendo os Conceitos: Remuneração dos Gestores - IBGC A remuneração total da Diretoria deve estar vinculada a resultados, com metas de curto e longo prazos relacionadas, de forma objetiva, à geração de valor econômico para a organização. O objetivo é que a remuneração seja uma ferramenta efetiva de alinhamento dos interesses dos diretores com os da organização; leia-se gestores, acionistas e seus stakeholders. Importante = provoca mudança no DNA dos gestores: OBS.: o sublinhado é nosso = foco no. Fonte: IBGC-Código melhores práticas governança corporativa (item 3.9) - 4ª Ed. 10/2009. O estado da arte em gestão estratégica financeira

7 O estado da arte em gestão estratégica financeira O que pode preservar a Riqueza: Usar = Criação de Valor L u c r o não é V a l o r e não é Caixa, portanto: Criar Valor ao Acionista* é no mínimo manter e preservar o Patrimônio. É superar a expectativa do Custo de Capital da Cia. Assim: I ) Criar VALOR /EVA = ROIC MAIOR do WACC II) Destruir VALOR = ROIC MENOR do que WACC. *Conceito: Alfred Marshall = 1890 / Residual Income Prof. Rappaport 1983

8 Composição do Bônus Quais os indicadores usados pelas Cias. em % AVALIAR: Qual o impacto na CRIAÇÂO DE VALOR para aquelas Empresas que REMUNERAM por indicadores CLÁSSICOS 1 Resultado/Lucro Líquido 24% 2 Resultado/EBITDA 23% 3 Faturamento 20% 4 Qualidade/Satisfação do Cliente 13% 5 Custos 12% 6 Volume de Produção 11% 7 Retorno sobre o Investimento 8% 8 Participação no mercado 8% 9 Outros 13% FONTE: base_pricewaterhausecoopers publicação da pesquisa O estado da arte em gestão estratégica financeira

9 O estado da arte em gestão estratégica financeira Aonde está a visão de perenidade das Empresas?? Empresas Familiares* A realidade é dura e não perdoa.. I - País desenvolvido como os EUA: 30 a 35% das Empresas Familiares chegam à 2ª Geração 10% chegam à 3ª Geração Expectativa vida média empresas USA: - Capital pulverizado = 40 anos, - Empresas Familiares = 25 anos. II - Pais em desenvolvimento = No BRASIL: Empresas Familiares: 20 a 30% chegam à 2ª Geração Só 5% chegam à 3ª Geração. *Fonte: Roberto Faldini.

10 Empresas que Criam ou Destroem a Riquezas do Acionista ESTUDO COMPROVOU*: 2/3 das empresas apresentam Lucro, mas, somente 15% Criam Valor ao Acionista Tese de Doutorado: FGV-EAESP (2001) = Criação de Valor ao Acionista A experiência das Empresas privadas de Capital Aberto: período Atualizações: 1ª) ; 2ª) ; 3ª) ; 4ª) ; 5ª) 2007; 6ª) 2008 e 7ª) até O estado da arte em gestão estratégica financeira

11 V E C O estado da arte O em estado gestão da estratégica arte em financeira gestão estratégica financeira A explicação técnica da Fusão Brahma com a Antarctica. 1. exemplo: Artigo Revista ABAMEC-SP de março 2000

12 Empresas existem para Gerar Riquezas e Criar Valor ao Acionista Primeira Publicação = Criação de Valor ao Acionista Por que duas empresas com LUCRO LÍQUIDO, uma pode CRIAR VALOR enquanto a outra DESTRÓI VALOR aos acionistas? = O que influencia o Valor da empresa no mercado? = São as decisões de Investimento, Estrutura Capital e a Remuneração Acionistas? = E as estratégias empresariais = Explicam a do Lucro, a capacidade de aumentar a Criação de Valor e o Valor de uma Empresa? Artigos Publicados: Revista ABAMEC em março de 2000; Revista Exame de outubro de O estado da arte em gestão estratégica financeira

13 Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas* COMPORTAMENTOS BRAHMA ANTARCTICA Valor das ações (mil) R$ 323,00 R$ 205,80 Valor das ações (mil) R$ 509,46 R$ 27,07 Valor Mercado Empresa 1994 R$ 2,2 bi R$ 2,5 bi Patrimônio líquido R$ 1,9 bi R$ 1,7 bi Valor Mercado Empresa 1998 R$ 3,7 bi R$ 330 mi V.A.M. R$ 1,8 bi R$ (1,4) bi *Slides do artigo: Revista Mercado de Capitais ABAMEC -SP Ano IX - Ed /2000. O estado da arte em gestão estratégica financeira

14 % O estado da arte em gestão estratégica financeira Margem Oper. = LOLIR / Vendas Líquidas 28,0% 26,0% 24,0% 22,0% 20,0% 18,0% 16,0% 14,0% 12,0% 10,0% 8,0% 6,0% 4,0% 2,0% 0,0% Antarctica Consol. 26,8% 17,2% 9,7% 9,8% 10,5% 7,5% Brahma-Consol. 6,4% 5,4% 8,1% 15,5% 18,2% 12,4%

15 % REC ou ROIC = LOLIR / Capital Aplicado 20,0% 18,0% 16,0% 14,0% 12,0% 10,0% 8,0% 6,0% 4,0% 2,0% 0,0% Antarctica - Consol. 17,1% 10,9% 7,6% 6,2% 5,4% 3,3% Brahma - Consol. 18,2% 15,4% 18,7% 18,4% 18,8% 13,0% Ano O estado da arte em gestão estratégica financeira

16 % O estado da arte em gestão estratégica financeira 10,0% 8,0% 6,0% 4,0% 2,0% 0,0% -2,0% -4,0% -6,0% -8,0% -10,0% -12,0% V E C - Spread do Retorno Econômico Antarctica - Control. 2,2% -1,2% -5,8% -7,8% -8,1% -11,7% Brahma - Control. 6,9% 1,4% 7,0% 7,2% 7,5% 2,1%

17 O estado da arte em gestão estratégica financeira Comportamento do EBITDA Artigos com evidencias 1 - Fluxo de Caixa Operacional pode ser fração pequena do EBITDA Jornal Valor 17 abril Confortavelmente acomodados no engano. É possível gerir com competitividade uma empresa sem integrar as demonstrações financeiras? Revista do IBEF SP Maio/Junho de Mais artigos: Revista RI - n 96 de 02/2006, Gazeta Mercantil de 08/06/2006 e Revista IBEF News-SP - n 102 de 12/2006.

18 O estado da arte em gestão estratégica financeira A ponta do iceberg Métricas Clássicas X Itens Análise EBITDA LUCRO LÍQUIDO Receitas, Custos e Desp. Relacionados à operação Incluídos Incluídos Incluídos Depreciação Não considera Incluída Incluída IR / CSSL Não considera Incluídos Incluídos Custo capital terceiros Não considera Incluído Considera* Custo do capital acionista Não considera Não considera Considera* * Considera = item calculado através do WACC, registrado na D. R. como encargos (custo de capital) sobre todo Capital Empregado.

19 O estado da arte em gestão estratégica financeira O uso do EBITDA como instrumento de decisão = Gestor V a n t a g e n s: 1. Cálculos = simplicidade 2. Múltiplos = cálculos fáceis 3. Comparação = geração de caixa?? 4. Empréstimos e obrigações = covernants.

20 O estado da arte em gestão estratégica financeira O uso do EBITDA como instrumento de decisão = Gestor D e s v a n t a g e n s: 1. Alinhamento de interesses = não existe 2. Disciplina financeira = desconhece 3. Capital investido = despreza 4. Custo do Capital = é de graça 5. Encargos do I. R. = ignora 6. Indicador para bônus = não é apropriado.

21 O estado da arte em gestão estratégica financeira

22 O estado da arte em gestão estratégica financeira Tabela 2.0 O valor e comportamento % do EBITDA versus o Fluxo de Caixa Operacional: Períodos Indicadores Curto Prazo = 1 semestre de 2011 Longo Prazo = 2 anos* EBITDA FL. CAIXA OPERACIONAL EBITDA FL. CAIXA OPERACIONAL 1 - Todas Empresas EBITDA em R$ MM %/Rec. Liq. Fl. Cx. Oper. Em R$ MM %/Rec. Liq. EBITDA em R$ MM %/Rec. Liq. Fl. Cx. Oper. Em R$ MM %/Rec. Liq. B2W 173 7,7% ,4% 830 8,6% -83-0,9% CCDI ,0% ,5% ,4% ,6% Cielo ,1% ,5% ,7% ,6% Gafisa 153 7,7% ,2% 732 9,5% ,3% Hypermarcas ,0% 48 2,1% ,1% ,0% Positivo ,3% ,1% 135 2,7% 121 2,4% Redecard ,3% ,1% ,8% 234 4,1% Rossi ,9% ,9% ,7% ,1% Viver 40 9,6% ,3% ,2% ,7% Anhanguera ,9% 32 5,1% ,0% ,7% BM&F ,9% ,4% ,8% ,4% Multiplan ,5% 61 17,4% ,9% ,0% Pão de Açúcar ,6% ,6% ,2% ,8% 2 - Resumo: Medias positivas - 27,3% - 20,6% - 25,5% - 23,7% Medias negativas - -11,6% - -29,1% - 0% - -17,3% MEDIAS 21,3% - -53,9% 25,5% 3,3%

23 O estado da arte em gestão estratégica financeira 2. Exemplo: Publicação: 2009 e 2010 Disclousure técnico da Fusão da Perdigão com a Sadia no artigo da Revista IBEF-SP

24 O estado da arte em gestão estratégica financeira Oscar Malvessi Consultoria Avaliando o impacto das decisões dos gestores na Estrutura da Empresa 1 Sadia x Empresas = Estrutura dos Ativos Sadia 96/00 96/07 00/03 00/07 Capitais Operacionais 68% 64% 62% 63% Ativos Financeiros 32% 36% 38% 37% Capital Total 100% 100% 100% 100% Médias das Empresas 96/00 96/07 00/03 00/07 Capitais Operacionais 86% 88% 88% 89% Ativos Financeiros 14% 12% 12% 11% Capital Total 100% 100% 100% 100% 1.1 Sadia x Empresas = Estrutura de Financiamento Sadia 96/00 96/07 00/03 00/07 Patrimonio Liquido 44% 46% 41% 46% Endividamento L.P. 19% 26% 25% 28% Endividamento C.P. 37% 28% 34% 26% Obrigações Totais 100% 100% 100% 100% Médias das Empresas 96/00 96/07 00/03 00/07 Patrimonio Liquido 62% 62% 57% 61% Endividamento L.P. 22% 24% 26% 26% Endividamento C.P. 16% 14% 17% 13% Obrigações Totais 100% 100% 100% 100%

25 O estado da arte em gestão estratégica financeira Avaliando o impacto das decisões dos gestores na Riqueza dos Acionistas!!! 2 Sadia X Empresas = Estrutura dos Resultados Sadia 96/00 96/07 00/03 00/07 Lucro Operacional 44% 57% 52% 60% Receitas Financeiras 56% 43% 48% 40% Total 100% 100% 100% 100% M édias das Empresas 96/00 96/07 00/03 00/07 Lucro Operacional 66% 82% 81% 86% Receitas Financeiras 34% 18% 19% 14% Total 100% 100% 100% 100% 3 Sadia e Perdigão = Comportamento: Valor de Mercado Sadia 1/9/08 26/9/08 30/9/08 30/10/08 28/11/08 30/12/08 30/1/09 27/2/09 31/3/09 30/4/09 29/5/09 Valor Mercado Ações Análise Horiz. % 100,0 63,8 61,1 47,6 37,4 38,0 39,8 35,1 35,8 43,0 46,7 A.H. (Base - 30/12/08) 100,0 104,6 92,4 94,3 113,2 122,9 Perdigao 1/9/08 26/9/08 30/9/08 30/10/08 28/11/08 30/12/08 30/1/09 27/2/09 31/3/09 30/4/09 29/5/09 Valor Mercado Ações Análise Horiz. % 100,0 90,1 90,3 74,5 88,3 73,8 79,4 73,5 71,4 80,0 97,3 A.H. (Base - 30/12/08) 100,0 107,6 99,6 96,7 108,4 131,8

26 O estado da arte em gestão estratégica financeira Intrinsic Value of the Co. Putting the pieces together NOPAT = Net Operating Profit After Taxes Free Cash Flow Required Investments in Operating Capital (FCF) = FCF 1 FCF 2 FCF Value = (1 + WACC) 1 + (1 + WACC) (1 + WACC) 13ª ed. Ehrhardt 1º capítulo Weighted Average Cost of Capital (WACC) Market interest rates Market risk aversion Cost of debt Cost of equity Firm s debt/equity mix Firm s business risk

27 Finanças : fundamentos L u c r o X V a l o r Lucro Líquido, EBITDA e medidas Clássicas : não garantem a remuneração do capital do acionista nem a atratividade econômica de investir. São muito simples, tem falhas importantes!!!!. Criação de Valor /EVA : alinha a cultura de remuneração variável, o bônus ao mérito por Valor e o Custo de Oportunidade, o WACC. O acesso info.: é qualificado e diferenciado. = Identifica: Se a empresa Cria ou Destrói Valor O estado da arte em gestão estratégica financeira

28 Mensurando corretamente a Geração de Valor LUCRO OPERACIONAL APÓS I. R. L O L I R = NOPAT $ CUSTO D0 CAPITAL $ Capital Aplicado $ Tx. WACC = 13% $ 20 O estado da arte em gestão estratégica financeira

29 Criação de Valor ao Acionista Pra que serve?? Quando se usa?? Mudança da Cultura = Gestão Baseada em VALOR: 1. O MITO da Criação de Valor: NÃO existe Mito. O que existe é pensamento enviesado, desatualização, falta de conhecimento técnico contemporâneo, analises simplórias, e decisões incompletas... Para preservar a Organização/Empresa, sugere-se: a) Alinhar os interesses = dos Acionistas com os dos Dirigentes, = só quando o Acionista ganha os dirigentes ganham; b) Definir política de Preservação do Capital = Remuneração = Meritocracia: usar incentivos variáveis, sempre linkados as metas de Geração Valor ao Acionista = Preservar o Valor Investido = a riqueza da Organização. O estado da arte em gestão estratégica financeira

30 Por que adotar o Valor ao Acionista?? V A L O R: não representa um drive de resultados de curto prazo como o lucro, EBITDA ou o lucro por ação no trimestre; V A L O R = é equivalente a riqueza. Portanto, preservar a riqueza significa melhorar continuamente os retornos econômicos no L. P., visando ser sustentável e perene no tempo = Geração de Valor. O estado da arte em gestão estratégica financeira

31 C o n c l u s õ e s Lucro n ã o é V a l o r e não é caixa disponível. é visão do futuro, é estratégia, pois, integra a prática com os melhores instrumentos para gerir e mensurar. interliga os gestores as informações eco-financeiras da Cia, motiva as pessoas para melhorar de forma contínua os resultados com incentivos e remuneração variável linkando-as ao mérito = Geração de Valor. O estado da arte em gestão estratégica financeira

32 -Ideias contemporâneas e o impacto na cultura O que pode e o que deve ser melhorado, Porque?, como, quando e para quem..., Só os resultados econômicos são VALOR... Muito obrigado O estado da arte em gestão estratégica financeira Tel

33 Currículo e principais atividades Fundador da OSCAR MALVESSI Consultoria em Valor. Consultoria especializada em estratégia financeira voltada para a Geração de Valor ao Acionista- EVA e na análise da preservação do Patrimônio do Acionista, desenvolvendo trabalhos em: Implantação da metodologia de Criação de Valor ao Acionista - Valor Econômico Criado, ou EVA visando aumentar o valor da empresa para os acionistas; Preparação de empresas para processos de compra ou venda F&A e Valuation de Empresas; Avaliação da estrutura de capital, impacto do risco nacional, risco global e os resultados econômicos com análise estratégica comparativa entre a empresa com 10 a 12 peers internacionais; Reestruturação financeira com modelagem de informações inteligentes e treinamento com foco em Criação de Valor ; Tem atuado em Consultoria e treinamento no: Banco Santander-Brasil, Banco BMG, Banco Rabobank, Itaú-BBA, Cielo, EMBRAER, BMFBovespa, TOTVS, BRFoods, Hypermarcas, Lupatech, Alupar, Poit Energia, WEG, Ripasa, Farmasa, Camargo Corrêa, UBV SA, entre outras; Larga experiência como Diretor Administrativo-Financeiro e Consultor em estratégia financeira em empresas de agronegócios e pecuária, industrias de setores variados, construtoras, empresas de serviços, comércio e varejistas; Autor do livro Project Finance no Brasil - Fundamentos e Estudos de Casos : editado em 2002, é o primeiro livro sobre este tema publicado no Pais com 12 casos nacionais. Em outubro de 2008 foi lançada a 3ª edição com o primeiro caso de PPP no Brasil; É membro do comitê de Finanças do IBGC (2003) e o do IBEF-São Paulo; Professor de Carreira-Adjunto do Departamento de Finanças da EAESP-FGV, ministrando temas de finanças corporativas, Valuation, F&A, e Criação de Valor ao Acionista nos cursos regulares da Escola, nos cursos in company e pelo PEC-FGV. Estruturou e coordena os cursos de Fusões e Aquisições (2006) e de Project Finance e PPP no PEC desde 2002; Mestre (1981) na EAESP-FGV com o tema Capital de Giro, Doutor (2001) em Administração de Empresas (Finanças) na EAESP-FGV desenvolvendo a metodologia de Criação de Valor ao Acionista - Valor Econômico Criado e na Universidade do Texas (1998) créditos do Doutorado em Value Based Management; Tese de Doutorado: Criação de Valor ao Acionista (2001) na EAESP-FGV, com a Análise das empresas brasileiras no período de OBS.: Foram efetuadas atualizações e publicações desse banco de dados por 6 vezes com diferentes períodos; Autor de artigos sobre o tema Criação de Valor ao Acionista. Comparou-se empresas como Brahma e Antarctica em 1999 /2000, o caso Sadia adquirida pela Perdigão em 2009 /2010. Artigos sobre o impacto da Inflação, o comportamento do EBITDA versus geração de caixa publicados em revistas, como Exame, do IBEF-SP, da CVM, Abamec-SP, Relações Investidores e no Jornal Valor. O estado da arte em gestão estratégica financeira

Acionista A experiência das empresas privadas de capital aberto 1993-1998 e nas respectivas atualizações e artigos publicados.

Acionista A experiência das empresas privadas de capital aberto 1993-1998 e nas respectivas atualizações e artigos publicados. O EBITDA pode não ser um bom indicador como geração de caixa? É possível gerir com competitividade uma empresa sem integrar as demonstrações financeiras? Oscar Malvessi 1 Sabe-se que todo mundo está usando

Leia mais

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas

Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Empresas criam ou destroem a riqueza dos acionistas Por Oscar Malvessi Artigo publicado na revista Mercado de Capitais, ABAMEC-SP, ano IX, nº 81, em 03/2000. Por que, em duas empresas que apresentam lucro

Leia mais

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique.

2. O que representa e como é calculado o valor de uma empresa na Teoria Financeira? Exemplifique. Prova Parcial Malvessi Questão 1 (15%) 1. A teoria moderna de administração financeira consagra 3 decisões estratégicas básicas para a tomada de decisão do administrador financeiro. Conceitue-as claramente.

Leia mais

CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA

CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA CRIAÇÃO OU DESTRUIÇÃO DE VALOR AO ACIONISTA Revista Conjuntura Econômica 01/2000 Oscar Malvessi* COMPETIVIDADE, A VELOCIDADE COM QUE ESTÁ OCORRENDO A TRANSFORMAÇÃO dos negócios, a globalização dos mercados

Leia mais

Avaliação Econômica Valuation

Avaliação Econômica Valuation Avaliação Econômica Valuation Wikipedia The process of determining the current worth of an asset or company. There are many techniques that can be used to determine value, some are subjective and others

Leia mais

Como a estratégia equivocada destrói a riqueza do acionista

Como a estratégia equivocada destrói a riqueza do acionista Artigo Como a estratégia equivocada destrói a riqueza do acionista Divulgação por Oscar Malvessi* A punição para quem não adota formalmente a geração de valor ao acionista pode demorar, mas aparece. Soluções

Leia mais

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008).

Unidade IV. A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 7 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A necessidade de capital de giro é a chave para a administração financeira de uma empresa (Matarazzo, 2008). A administração

Leia mais

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim

Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim Uma Conciliação entre MVA e o VPL 1 Marcelo Arantes Alvim RESUMO O presente trabalho, apesar de ter sido publicado em 2000 é um assunto bem rico para os dias atuais, tem por objetivo fazer uma conciliação

Leia mais

2010 Incapital Finance - 3

2010 Incapital Finance - 3 METODOLOGIAS PARA AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BELO HORIZONTE - MG Apresentação: Palestra Fusões e Aquisições Cenários e Perspectivas Valuation Metodologias e Aplicações Desenvolvimento: Índice: 1. Introdução

Leia mais

Remuneração executiva e geração de valor

Remuneração executiva e geração de valor Remuneração executiva e geração de valor Práticas de remuneração e desempenho em empresas de capital aberto no Brasil Conteúdo I. Apresentação 3 II. Sobre a pesquisa 4 Características da amostra 5 III.

Leia mais

AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT )

AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT ) 1 AVALIAÇÃO DE PROJETOS UTILIZANDO AS MÉTRICAS DE GESTÃO BASEADA EM VALOR (VBM VALUE BASEAD MANAGEMENT ) Clóvis Luiz Padoveze * João Carlos de Oliveira ** Resumo: O presente trabalho consiste numa aplicação

Leia mais

O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A.

O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. O FOCO DA CONTROLADORIA: Um estudo de caso nas Demonstrações Contábeis da Empresa CEMAT Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. Rosangela Zimpel1 Heder Bassan2 Geovane Sornberger3 Sergio Guaraci Prado Rodrigues4

Leia mais

ENCONTRO ANUAL DO PAEX

ENCONTRO ANUAL DO PAEX ENCONTRO ANUAL DO PAEX Sustentabilidade Financeira para a Competitividade Prof. Haroldo Mota 2007 O CONFORTO DE CURTO PRAZO Empresa Acomodada Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ano 4 EBITDA 940 890 820 800 ( ) Var. NCG

Leia mais

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO

EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 1 EVA: O QUE É E POR QUE CALCULÁ-LO LUCRO OPERACIONAL APÓS O IMPOSTO DE RENDA CUSTO DE TODOS OS CAPITAIS EMPREGADOS NA EMPRESA (PRÓPRIO E DE TERCEIROS) EVA Autor: Francisco Cavalcante

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T15

Divulgação de Resultados 1T15 São Paulo - SP, 06 de Maio de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Divulgação de Resultados 2014

Divulgação de Resultados 2014 São Paulo - SP, 10 de Fevereiro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity

Leia mais

O QUE É MVA E COMO CALCULÁ-LO O CÁLCULO DO EVA E SUA LIGAÇÃO COM O MVA O MVA E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA

O QUE É MVA E COMO CALCULÁ-LO O CÁLCULO DO EVA E SUA LIGAÇÃO COM O MVA O MVA E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 13 O QUE É MVA E COMO CALCULÁ-LO O CÁLCULO DO EVA E SUA LIGAÇÃO COM O MVA O MVA E A CRIAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA CAVALCANTE & ASSOCIADOS Autor: Francisco Cavalcante Circular

Leia mais

A Perspectiva Financeira do Balanced Scorecard (BSC) e a Gestão Baseada em Valor (VBM ): Uma aplicação no Planejamento Estratégico

A Perspectiva Financeira do Balanced Scorecard (BSC) e a Gestão Baseada em Valor (VBM ): Uma aplicação no Planejamento Estratégico A Perspectiva Financeira do Balanced Scorecard (BSC) e a Gestão Baseada em Valor (VBM ): Uma aplicação no Planejamento Estratégico João Carlos de Oliveira (UNIMEP) joliveir@lpnet.com.br Clóvis Luiz Padoveze

Leia mais

2 Referencial Teórico

2 Referencial Teórico 2 Referencial Teórico Baseado na revisão da literatura, o propósito deste capítulo é apresentar a estrutura conceitual do tema de Avaliação de Investimentos, sendo dividido em diversas seções. Cada seção

Leia mais

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO

ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO I PASSIVO ATIVO I PASSIVO F ATIVO PASSIVO 3) DESTINAÇÃO DO LUCRO ATIVO PASSIVO 3) ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO ATIVO PASSIVO ATIVO PASSIVO AC ativo circulante ANC ativo não circulante PC passivo

Leia mais

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS BASES CONCEITUAIS DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Pro. Alexandre Assaf Neto Este trabalho tem por objetivo básico apresentar as bases conceituais do processo de avaliação econômica de empresas. Avaliação

Leia mais

O NOME DO JOGO É: O MÁXIMO DE RETORNO SOBRE INVESTIMENTO COM O MÍNIMO DE CUSTO DE CAPITAL

O NOME DO JOGO É: O MÁXIMO DE RETORNO SOBRE INVESTIMENTO COM O MÍNIMO DE CUSTO DE CAPITAL O NOME DO JOGO É: O MÁXIMO DE RETORNO SOBRE INVESTIMENTO COM O MÍNIMO DE CUSTO DE CAPITAL O impacto provocado pelas variações no:! Gasto fixo! Investimento! Preço de venda! Custo de capital! Volume de

Leia mais

Senhores Acionistas: FATURAMENTO CRESCE 47% E SUPERA A MARCA DOS R$ 4 BILHÕES

Senhores Acionistas: FATURAMENTO CRESCE 47% E SUPERA A MARCA DOS R$ 4 BILHÕES Senhores Acionistas: Após sofrer o impacto causado pela desvalorização da moeda brasileira no início de 1999, a economia do País, de um modo geral, mostrou resultados bastante positivos no encerramento

Leia mais

Medidas de Avaliação de Desempenho Financeiro e Criação de Valor: Um Estudo com Empresas Industriais

Medidas de Avaliação de Desempenho Financeiro e Criação de Valor: Um Estudo com Empresas Industriais Medidas de Avaliação de Desempenho Financeiro e Criação de Valor: Um Estudo com Empresas Industriais Elizabeth Krauter ekrauter@usp.br Universidade de São Paulo (USP), FEA São Paulo, SP, Brasil RESUMO

Leia mais

Desenho de Programas de Participação nos Lucros ou Resultados em Empresas Estatais

Desenho de Programas de Participação nos Lucros ou Resultados em Empresas Estatais Programa de Capacitação Desenho de Programas de Participação nos Lucros ou Resultados em Empresas Estatais 11 e 12 fevereiro 2009 Conteúdo Objetivos do Treinamento Agenda Contextualização: Remuneração

Leia mais

Economic Value Added O papel do DF na criação de valor

Economic Value Added O papel do DF na criação de valor 01 Dossier Economic Value Added O papel do DF na criação de valor 7 Opinião Jorge Bento Farinha O Valor de olhar para o Valor Para muitas empresas, os conceitos de Resultados Líquidos, EBIT (Earnings Before

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das

Melhores práticas. Cada vez mais cientes das Número de empresas brasileiras que procuram se aprimorar em governança corporativa aumentou na última edição do estudo Melhores práticas Estudo aponta que as empresas investem mais no aprimoramento dos

Leia mais

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Business Administration CBA. Rogério Medeiros Ueno

INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Business Administration CBA. Rogério Medeiros Ueno INSPER INSTITUTO DE ENSINO E PESQUISA Certificate in Business Administration CBA Rogério Medeiros Ueno Varejo de vestuário: avaliação do desempenho de loja utilizandose o EVA São Paulo 2012 Rogério Medeiros

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 11

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 11 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 11 ELABORAÇÃO DE UM ORÇAMENTO EMPRESARIAL TRATAMENTO DOS GASTOS FIXOS O CONCEITO DE UNIDADE DE NEGÓCIO BALANÇO, RESULTADO E FLUXO DE CAIXA DO LUCRO PARA O FATURAMENTO DE EQUILÍBRIO

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

I / GERAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA. Pesquisa sobre a Geração de Valor para o Acionista na Saraiva S.A. Livreiros Editores

I / GERAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA. Pesquisa sobre a Geração de Valor para o Acionista na Saraiva S.A. Livreiros Editores I / 1199902582 1111111111111111111111111111111111111111 GERAÇÃO DE VALOR PARA O ACIONISTA Pesquisa sobre a Geração de Valor para o Acionista na Saraiva S.A. Livreiros Editores Banca Examinadora Prof. Orientador

Leia mais

LIQUIDEZ O DILEMA DA LIQUIDEZ DE CAIXA

LIQUIDEZ O DILEMA DA LIQUIDEZ DE CAIXA LIQUIDEZ O DILEMA DA LIQUIDEZ DE CAIXA 22 REVISTA RI Fevereiro 2016 Competitividade mais acirrada, nível de crescimento da economia, inflação, perda do grau de investimento, juros elevados, muitos impostos

Leia mais

Localiza Rent a Car S.A. Apresentação de resultados de 2006 (R$ milhões - USGAAP)

Localiza Rent a Car S.A. Apresentação de resultados de 2006 (R$ milhões - USGAAP) Localiza Rent a Car S.A. Apresentação de resultados de 2006 (R$ milhões - USGAAP) 0 Destaques 2006: Crescimento com rentabilidade (R$ milhões, USGAAP) Frota média alugada Taxa de utilização aluguel de

Leia mais

LOGÍSTICA COMO INVESTIMENTO. João Roberto Rodrigues Bio

LOGÍSTICA COMO INVESTIMENTO. João Roberto Rodrigues Bio LOGÍSTICA COMO INVESTIMENTO Apresentação E M P R E S A S FIPECAFI Projetos Consultoria Desenvolvimento Gerencial MBA USP - Universidade de São Paulo FEA Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

Leia mais

COMO CRESCER EM MOMENTOS DE CRISE?

COMO CRESCER EM MOMENTOS DE CRISE? 35a CONVENÇÃO ANUAL DO ATACADISTA DISTRIBUIDOR ABAD 2015 COMITÊ DE PRESIDENTES REDE PAEX 2015 COMO CRESCER EM MOMENTOS DE CRISE? PROF. LEONARDO TEIXEIRA 2 TEMA E OBJETIVO TEMA: COMO CRESCER EM MOMENTOS

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010

Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Brasil Brokers divulga seus resultados do 2º Trimestre de 2010 Rio de Janeiro, 16 de agosto de 2010. A Brasil Brokers Participações S.A. (BM&FBovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no mercado de

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

AVALIAÇÃO DE EMPRESAS 1 2 sem/11 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alcides T. Lanzana 2 AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Introdução Valuation Métodos de atribuição de valor à empresa 3 USOS DO VALUATION Compra e Venda Fusões e Incorporações

Leia mais

Destaques do Período. Crescimento de dois dígitos em Reservas Confirmadas e Embarcadas, EBITDA e Lucro Líquido Ajustado no 2T15

Destaques do Período. Crescimento de dois dígitos em Reservas Confirmadas e Embarcadas, EBITDA e Lucro Líquido Ajustado no 2T15 Santo André, 05 de Agosto de 2015: CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo das Américas, informa aos seus acionistas e demais participantes do mercado

Leia mais

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015 (1T15 ) Resultados 1T15. www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2015 (1T15 ) Resultados 1T15. www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9 Resultados 1T15 www.lojasrenner.com.br/ri Página 0 de 9 LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float,

Leia mais

Earnings Release 4T14

Earnings Release 4T14 Santo André, 05 de fevereiro de 2015: A CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo da América Latina, informa aos seus acionistas e demais participantes

Leia mais

Apresentação de Resultados 3T05

Apresentação de Resultados 3T05 Apresentação de Resultados 3T05 Destaques Crescimento do Lucro Líquido foi de 316% no Terceiro Trimestre Crescimento da Receita no 3T05 A receita bruta foi maior em 71% (3T05x3T04) e 63% (9M05x9M04) Base

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Disclaimer Nossas estimativas e declarações futuras têm por embasamento, em grande parte, expectativas atuais e projeções sobre eventos futuros e tendências financeiras que afetam

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I

A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I A IMPORTÂNCIA DE UM PLANO FINANCEIRO EM UM BUSINESS PLAN - Parte I! Qual a importância do Plano Financeiro em um Business Plan?! Quais os tipos de Planejamento Financeiro utilizados em um Business Plan?!

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 22

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 22 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 22 GERENCIAMENTO DO CRESCIMENTO Cálculo da taxa de crescimento sustentável para as vendas (TCS) O que fazer quando o crescimento das vendas é diferente da TCS CAVALCANTE & ASSOCIADOS

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o Capital entre 2004 e 03/2006 SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 3: Qual o Valor das Empresas que Abriram o o A Quantidade do Capital Vendido o O Valor das Empresas no dia do IPO o O Valor das

Leia mais

Divulgação de Resultados 1T14

Divulgação de Resultados 1T14 Divulgação de Resultados 1T14 A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private-equity ( Fundos

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Apresentação dos Resultados 2T06

Apresentação dos Resultados 2T06 Apresentação dos Resultados 2T06 Aviso Legal Esta apresentação contém considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas de resultados operacionais e financeiros, e às perspectivas

Leia mais

COMO ORGANIZAR A APRESENTAÇÃO DOS INDICADORES ECONÔMICOS E FINANCEIROS (COLOCANDO-OS DEBAIXO DOS 3 DETERMINANTES DO RETORNO SOBRE

COMO ORGANIZAR A APRESENTAÇÃO DOS INDICADORES ECONÔMICOS E FINANCEIROS (COLOCANDO-OS DEBAIXO DOS 3 DETERMINANTES DO RETORNO SOBRE UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 5 COMO ORGANIZAR A APRESENTAÇÃO DOS INDICADORES ECONÔMICOS E FINANCEIROS (COLOCANDO-OS DEBAIXO DOS 3 DETERMINANTES DO RETORNO SOBRE O PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Retorno Sobre o Patrimônio

Leia mais

ANALISE DE EMPRESAS. Aluno: Thiago Medeiros Vidal Orientador: Marcelo Medeiros

ANALISE DE EMPRESAS. Aluno: Thiago Medeiros Vidal Orientador: Marcelo Medeiros ANALISE DE EMPRESAS Aluno: Thiago Medeiros Vidal Orientador: Marcelo Medeiros Introdução Foi feito um estudo dos diferentes métodos de avaliação de empresas usados pelos analistas dos mercado financeiro.

Leia mais

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers.

Quanto vale FINANÇAS. Miguel A. Eiranova é diretor da área de corporate finance da Price Waterhouse, firma que integra a PricewaterhouseCoopers. Quanto vale O preço de uma empresa, referência fundamental nas negociações de qualquer tentativa de fusão ou aquisição, nunca é aleatório. Ao contrário, sua determinação exige a combinação da análise estratégica

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015

RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 RESULTADOS 2T15 Teleconferência 10 de agosto de 2015 AVISO Nesta apresentação nós fazemos declarações prospectivas que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base crenças e suposições

Leia mais

Resultados 2T12 FLRY 3. Agosto / 2012

Resultados 2T12 FLRY 3. Agosto / 2012 Resultados 2T12 FLRY 3 Agosto / 2012 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS 2012 Aviso Legal Esta apresentação pode conter informações sobre eventos futuros. Tais informações não seriam apenas fatos históricos,

Leia mais

demonstrativos de resultados, e consequentemente a quantificação da riqueza dos acionistas.

demonstrativos de resultados, e consequentemente a quantificação da riqueza dos acionistas. A gestão das empresas vem revelando importantes avanços em sua forma de atuação, saindo de uma postura convencional de busca do lucro e rentabilidade para um enfoque preferencialmente voltado à riqueza

Leia mais

RESULTADO DO 1º TRIMESTRE DE 2013

RESULTADO DO 1º TRIMESTRE DE 2013 RESULTADO DO 1º TRIMESTRE DE 2013 DASA divulga receita bruta de R$ 640,4 milhões e geração de caixa operacional de R$ 43,3 milhões no 1T13 Romeu Cortes Domingues Presidente do Conselho de Administração

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

Resultados 2T10. Villa Flora Segmento Econômico

Resultados 2T10. Villa Flora Segmento Econômico Resultados 2T10 Villa Flora Segmento Econômico 1 Resultados 2T10 Aviso Importante Nós fazemos declarações sobre eventos futuros que estão sujeitas a riscos e incertezas. Tais declarações têm como base

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - ESTACIO PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - ESTACIO PARTICIPAÇÕES SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Resumo de Análise de Projetos de Investimento

Resumo de Análise de Projetos de Investimento Agosto/2011 Resumo de Análise de Projetos de Investimento Valor Quanto vale um ativo? Quanto vale uma empresa? Quanto vale um projeto? Valor Contábil É o valor da empresa para a Contabilidade. Ou seja,

Leia mais

CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO DE INTEGRAÇÃO ENTRE O CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES E O VALOR ECONÔMICO AGREGADO

CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO DE INTEGRAÇÃO ENTRE O CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES E O VALOR ECONÔMICO AGREGADO CONTROLADORIA: UM ESTUDO DE CASO DE INTEGRAÇÃO ENTRE O CUSTEIO BASEADO EM ATIVIDADES E O VALOR ECONÔMICO AGREGADO Silvio José MOURA E SILVA Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP)

Leia mais

Brasil Brokers divulga seus resultados do 4º Trimestre de 2009

Brasil Brokers divulga seus resultados do 4º Trimestre de 2009 Brasil Brokers divulga seus resultados do 4º Trimestre de 2009 Rio de Janeiro, 10 de março de 2010. A Brasil Brokers Participações S.A. (Bovespa: BBRK3) uma empresa com foco e atuação no mercado de intermediação

Leia mais

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE. Ferramentas Financeiras para Tomada de Decisão

UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE. Ferramentas Financeiras para Tomada de Decisão UNIVERSIDADE CÂNDIDO MENDES PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE Ferramentas Financeiras para Tomada de Decisão Por: Ana Paula Ribeiro da Silva Orientador: Professor: Mário Luis Trindade Rio

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T14 8 de maio de 2014

Teleconferência de Resultados 1T14 8 de maio de 2014 Teleconferência de Resultados 8 de maio de 2014 Destaques do Expressivo crescimento em vendas mesmas lojas (25,4%) com rentabilidade Crescimento da receita líquida total: 28,5% versus 1T13 R$2,3 bilhões

Leia mais

Quanto vale o meu negócio?

Quanto vale o meu negócio? Quanto vale o meu negócio? Apoio: Publicação: Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital (ABVCAP) Edição: Março 2015 Coordenação: Ângela Ximenes Superintendente Executiva Gabriela Sant Anna

Leia mais

ESTUDO SOBRE A APURAÇÃO DO SPREAD DA INDÚSTRIA BANCÁRIA

ESTUDO SOBRE A APURAÇÃO DO SPREAD DA INDÚSTRIA BANCÁRIA FUNDAÇÃO INSTITUTO DE PESQUISAS CONTÁBEIS,ATUARIAIS E FINANCEIRAS Órgão de apoio institucional ao Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP RESUMO ESTUDO SOBRE A APURAÇÃO DO SPREAD DA INDÚSTRIA

Leia mais

Hering inicia o ano com crescimento de 41% do EBITDA e salto de 35% em vendas

Hering inicia o ano com crescimento de 41% do EBITDA e salto de 35% em vendas Blumenau, 07 de maio de 2008 Cia. Hering (Bovespa: HGTX3), uma das maiores empresas de varejo e design de vestuário do Brasil, divulga os resultados do 1º trimestre de 2008 (1T08). As informações operacionais

Leia mais

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2015 (2T15 ) LOJAS RENNER S.A.

LOJAS RENNER S.A. RESULTADOS DO SEGUNDO TRIMESTRE DE 2015 (2T15 ) LOJAS RENNER S.A. Resultados 2T15 LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float, sendo considerada a primeira corporação

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - SECRETARIA DA FAZENDA - REAPLICAÇÃO

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - SECRETARIA DA FAZENDA - REAPLICAÇÃO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL - SECRETARIA DA FAZENDA - REAPLICAÇÃO JUSTIFICATIVAS PARA MANUTENÇÃO/PARA ALTERAÇÃO DE GABARITOS PRELIMINARES DO CONCURSO PÚBLICO Nº 01/2013 CONTABILIDADE GERAL QUESTÃO 04 MANTIDA

Leia mais

São Carlos Empreendimentos

São Carlos Empreendimentos São Carlos Empreendimentos SETOR IMOBILIÁRIO - IMÓVEIS COMERCIAIS PARA ALUGUEL Ticker BM&F Bovespa: SCAR3 1 / 28 Visão Geral Uma das principais empresas do Brasil que investem em imóveis comerciais para

Leia mais

VALUATION. Jaziel Pavine de Lima

VALUATION. Jaziel Pavine de Lima VALUATION 1 MBA em Controladoria e Finanças pela FUNDACE USP, MBA em Gestão Empresarial pela FGV, Valor de Empresas pela FIPECAFI USP, Certificação OCEB (OMG Certified Expert em BPM) pelo consórcio internacional

Leia mais

AQUISIÇÃO DA DEVELOPER Maio 2008

AQUISIÇÃO DA DEVELOPER Maio 2008 AQUISIÇÃO DA DEVELOPER Maio 2008 Aviso Esta apresentação foi preparada com o propósito exclusivo de informar sobre os objetivos e estrutura da transação realizada entre JHSF Participações S.A. ("JHSF")

Leia mais

Earnings Release 1T15

Earnings Release 1T15 Santo André, 05 de maio de 2015: A CVC Brasil Operadora e Agência de Viagens S.A. (BM&FBOVESPA: CVCB3), maior operadora de turismo das Américas, informa aos seus acionistas e demais participantes do mercado

Leia mais

Abrasca elege OdontoPrev como destaque do setor de serviços médicos

Abrasca elege OdontoPrev como destaque do setor de serviços médicos Data: segunda-feira, 14 de junho de 2010 Site: FENASEG Seção: Viver Seguro OnLine Abrasca elege OdontoPrev como destaque do setor de serviços médicos A Associação Brasileira de Companhias Abertas (abrasca)

Leia mais

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011

Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 Magazine Luiza S.A. Divulgação de Resultados do 4 o Trimestre de 2011 São Paulo, 22 de março de 2012 - Magazine Luiza S.A. (BM&FBOVESPA: MGLU3), uma das maiores redes varejistas com foco em bens duráveis

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

BANCO DO BRASIL 1º Trimestre 2012

BANCO DO BRASIL 1º Trimestre 2012 BANCO DO BRASIL 1º Trimestre 2012 Aviso Importante Esta apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, estimativas de crescimento, projeções de resultados e estratégias

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 18 COMO FAZER RAPIDAMENTE PROJEÇÃO DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Projeção do Balanço, Resultado e do Caixa integrados Qual o melhor método para uma projeção rápida Finalidades

Leia mais

Carta Mensal - Fevereiro 2013. sdasdasdasdasdasdasdasd. Carta Mensal. Fevereiro 2013

Carta Mensal - Fevereiro 2013. sdasdasdasdasdasdasdasd. Carta Mensal. Fevereiro 2013 Carta Mensal Fevereiro 2013 Conforme previsto na carta anterior, este mês optamos por focar nas teses de investimento com o intuiti de alinhar os investidores com as nossas posições atuais, promovendo

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

Análise Financeira de Balanço

Análise Financeira de Balanço UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira de Balanço Juliano Jun Tatsumi nº11462 Marina Carvalho Brandão nº11466 Itajubá,

Leia mais

2. Fundamentação teórica

2. Fundamentação teórica 19 2. Fundamentação teórica Conhecer as medidas de avaliação e desempenho tradicionais de uma empresa ajuda a entender o que levam gestores e acionistas a buscarem e a adotarem medidas de desempenho baseadas

Leia mais

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14

INFORMAÇÕES CONSOLIDADAS 1T14 Caxias do Sul, 12 de maio de 2014 - A Marcopolo S.A. (BM&FBOVESPA: POMO3; POMO4), divulga os resultados do primeiro trimestre de 2014 (1T14). As demonstrações financeiras são apresentadas de acordo com

Leia mais

DOES BNDES CREATE ECONOMIC PROFIT? ABSTRACT

DOES BNDES CREATE ECONOMIC PROFIT? ABSTRACT DOES BNDES CREATE ECONOMIC PROFIT? ABSTRACT The goal of this paper was to determine whether the BNDES, in the period between 2000 and 2011 generated economic profit for its main shareholder, the Federal

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Março de 205 Sumário A VIA VAREJO EM RESUMO B POSICIONAMENTO DA VIA VAREJO C DESTAQUES DO 4T4 2 Sumário A VIA VAREJO EM RESUMO B POSICIONAMENTO DA VIA VAREJO C DESTAQUES DO 4T4

Leia mais

Fórum de Debates Geração de Valor Ferramentas de Avaliação

Fórum de Debates Geração de Valor Ferramentas de Avaliação Fórum de Debates Geração de Valor Ferramentas de Avaliação 29 de julho de 2014 Copyright 2014 Stern Stewart Ltda. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser reproduzida ou transmitida

Leia mais

ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL

ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL ALEXANDRE ASSAF NETO www.institutoassaf.com.br assaf@terra.com.br CONCENTRAÇÃO DE CAPITAL E DIVIDENDOS NO BRASIL PRINCIPAIS TEMAS DESAFIOS E FATORES DE SUCESSO NA GLOBALIZAÇÃO. OBJETIVO DA EMPRESA. DIVIDENDOS:

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2013(1T13)

RESULTADOS DO PRIMEIRO TRIMESTRE DE 2013(1T13) LOJAS RENNER S.A. Companhia constituída em 1965 e de capital aberto desde 1967. Capital totalmente pulverizado desde 2005, com 100% de free float, sendo considerada a primeira corporação brasileira. Negociada

Leia mais

ADAIL MARCOS LIMA DA SILVA (UFCG) adail.marcos@hotmail.com

ADAIL MARCOS LIMA DA SILVA (UFCG) adail.marcos@hotmail.com XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

CSU CARDSYSTEM SA. investidorescsu@csu.com.br

CSU CARDSYSTEM SA. investidorescsu@csu.com.br CSU CARDSYSTEM SA investidorescsu@csu.com.br 2 Considerações Iniciais Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação

Leia mais

Pesquisa de Remuneração dos Administradores. Palestra Mensal IBGC Fevereiro de 2011

Pesquisa de Remuneração dos Administradores. Palestra Mensal IBGC Fevereiro de 2011 Pesquisa de Remuneração dos Administradores 2011 Palestra Mensal IBGC Fevereiro de 2011 1 Agenda Introdução Conselho de Administração Diretoria Estatutária Conselho Fiscal Divulgação da Remuneração Conclusão

Leia mais

Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2

Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2 Novo Mercado de Acesso no Brasil: Bovespa Mais e Bovespa Mais Nível 2 MERCADO jun/15 E O AMBIENTE PARA IPOS NO BRASIL Confidencial Restrita Confidencial Uso Interno X Público 1 HISTÓRICO DO MERCADO DE

Leia mais

Terceiro Trimestre de 2014

Terceiro Trimestre de 2014 Terceiro Trimestre de 2014 Relatório de Resultados e Informações Financeiras Suplementares Teleconferência 3T14 sexta-feira, 14 de novembro de 2014 Português 11h00 (horário de Brasília) 08h00 (horário

Leia mais

Think Ahead Soluções e Estratégias Empresariais. Consultoria e Assessoria Empresarial

Think Ahead Soluções e Estratégias Empresariais. Consultoria e Assessoria Empresarial Think Ahead Soluções e Estratégias Empresariais www.thinkahead.com.br Consultoria e Assessoria Empresarial Empresa O desafio e cultura da Think Ahead é trabalhar para tornar o dia a dia das empresas mais

Leia mais