MANUAL TÉCNICO para FIAÇÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL TÉCNICO para FIAÇÕES"

Transcrição

1 MANUAL TÉCNICO pr FIAÇÕES Rev 01-Abril/2000

2 F i b r C e l ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO CARACTERÍSTICAS DAS FIBRAS DE VISCOSE CARACTERÍSTICAS FÍSICO-QUÍMICAS IDENTIFICAÇÃO DO FARDO SISTEMA DE ABERTURA DOS FARDOS DE VISCOSE CONDIÇÕES CLIMÁTICAS NA FIAÇÃO PROCESSAMENTO...7 Mistur lgodão/viscose...7 Acbmento n mistur lgodão/viscose...9 Mistur poliéster/viscose...14 Fluxos de processo...14 Btedor...16 Crd...19 Pssdeir...20 Mçroqueir...21 Filtório (nel)...23 Conicleir...25 Open End CONVERSÕES E FÓRMULAS PRINCIPAIS FIBRAS ASSISTÊNCIA TÉCNICA...31 Págin 2

3 F i b r C e l 1. Introdução A fibr de viscose é produzid prtir de um elemento nturl, o linter de lgodão. Trt-se de um fibr regenerd obtid trvés d dissolução ds fibrs de mteril celulósico (lgodão) formndo-se um pst celulósic que por extrusão (fieirs) e em contto com outr solução volt precipitr-se regenerndo o mteril fibroso, produzindo-se ssim fibr rtificil de viscose. A fibr de viscose é utilizd pr fição sistem lgodão sendo fornecid nos títulos 1,3 dtex e 1,7 dtex e comprimentos de 32 mm e 38 mm. Por trtr-se de um fibr que possui sus crcterístics de título e comprimento extremmente regulres e por possuir su origem de um fibr nturl (celulose de lgodão) confere o processo de fição excelentes crcterístics de processbilidde e fibilidde sej ns misturs com lgodão ou poliéster ou n produção de fios 100% viscose. A fibr de viscose com comprimento 32 mm é recomendd pr misturs com lgodão crddo, e com fibr de poliéster com corte 32 mm. Já fibr de viscose com comprimento 38 mm é recomendd pr mistur com fibr de poliéster com corte 38 mm e produção de fios 100% viscose. Podemos citr como sendo s mis usuis misturs de fibrs encontrds no mercdo : Algodão/viscose 75/25% e 67/33% Linho/viscose 55/45% e 40/60% Poliéster/viscose 67/33% Acrílico/viscose 50/50% Em busc de novs plicções muits outrs misturs estão sendo desenvolvids, como por exemplo : Viscose/poliéster 67/33% e 50/50% Com relção mistur lgodão/viscose é conselhável que utilizção de viscose n mistur não ultrpsse os 33%, pois pode-se gerr no processo de tingimento diferenç de igulizção no tingimento ds fibrs, cusndo um specto rjdo no rtigo finl, menos que este efeito sej desejdo. Págin 3

4 F i b r C e l 2. Crcterístics ds fibrs de viscose Título (dtex) 1,3 1,7 3,3 Título (den) 1,17 1,53 2,97 Micronire 3,30 4,32 Comprimento (mm) Mticidde OP - BR OP - BR OP - BR Tencidde (g/dtex) 2,0-2,20 2,0-2,20 2,0-2,20 Alongmento (%) 17,0-20,0 17,0-20,0 17,0-20,0 Obs.: OP = Opco, BR = Brilhnte 3. Crcterístics físico-químics Peso Específico 1,52 g/cm 3 Secção Trnsversl Lobuld (estrid) Ponto de Fusão Não funde e sim decompõem-se em 180ºC 205ºC Resistênci luz Resistênci os ácidos e álclis Resistênci oxidntes Resistênci microorgnismos Absorção de umidde Tingimento Perd de resistênci trção qundo exposto por um período prolongdo à luz solr Similr o lgodão, ou sej ácidos concentrdos frio ou diluídos quente destroem fibr. Soluções lclins fortes cusm inchmento d fibr e perd de resistênci trção Atcd por oxidntes fortes Degrdável pel ção d nturez Altmente higroscópic, bsorvendo té 13,0% de umidde 21º C e 65% de umidde reltiv Similr o lgodão Págin 4

5 F i b r C e l 4. Identificção do frdo O frdo de viscose é fornecido em emblgem de tel de polipropileno sendo mrrdo com rmes de ço. Deve-se tomr o CUIDADO PARA NÃO CORTAR A EMBALAGEM evitndo com isso um possível contminção de polipropileno no interior do frdo. Todos os frdos são fornecidos com : Umidde de 7,0 11,5% Dimensões de 1,14 x 0,71 x 0,96 (m) Peso de +/- 235,0 kg Etiquet de identificção Obs.: O peso é descrito n etiquet e no romneio que segue junto com not fiscl, sendo o peso bruto, líquido e comercil. A identificção do frdo const em um etiquet extern o frdo como descrit bixo : Título em dtex Título em den Identificção Mticidde Brilhnte ou Opco Comprimento em mm Descrição do Peso Cor Número do Lote Número de produção do frdo Págin 5

6 F i b r C e l 5. Sistem de bertur dos frdos de viscose Recomend-se bertur de frdos em um quntidde suficiente que poss gerr um bo mescl de fibrs. Normlmente bertur dos frdos é feit com no mínimo 12 frdos, porém est condição depende d áre que o cliente possui disponível pr est operção. Todos os frdos possuem n su etiquet um numerção, que determin su seqüênci de produção. Recomend-se o consumo dos frdos n su seqüênci de numerção, e em ordem crescente tomndo o cuiddo de não trblhr-se com um intervlo de numerção muito grnde. Por exemplo : Abrindo frdos n.º e pss-se consumir frdos n.º O consumo dos frdos não deve ser feito por igul, recomend-se que crg dos frdos bertos dev ser consumid de form irregulr gerndo sempre troc de 25% em 25% d crg totl dos frdos com isto grnte-se um troc mis homogêne e constnte entre os frdos grntindo um excelente homogeneizção ds fibrs. Por exemplo : Pr um bertur de 12 frdos deve-se trocr de 3 em 3 frdos (25% d crg totl (12 frdos) Os frdos devem ser condiciondos n sl de bertur, livres de su emblgem, por um período mínimo de 12 hors pr que fibr de viscose equilibre-se com condição climátic d sl de bertur grntindo-se um ótim processbilidde o longo do processo de fição. Pr o período de inverno, onde condição climátic gerlmente é mis crític pr o processo de fir, recomend-se que os frdos fiquem por um período mis prolongdo de climtizção. NUNCA DEVE-SE MISTURAR FARDOS DE LOTES DIFERENTES. Ocorrendo este tipo de mistur Fibr S.A. não grnte indenizção de eventuis problems que possm ocorrer. Frdos com lotes diferentes possuem crcterístics distints que podem fetr o processmento e qulidde do produto finl. 6. Condições climátics n fição A condição climátic ns indústris têxteis é ftor fundmentl pr obter-se o mior rendimento ds mtéris-prims serem utilizds. No processo de fição isto torn-se bstnte crítico pr obter-se um bo processbilidde e um bo qulidde do fio. Recomend-se que trblhe-se ns seguintes fixs: Tempertur : 25 30º C Umidde reltiv (%) : 55 65% Págin 6

7 F i b r C e l 7. Processmento Mistur lgodão/viscose Est mistur pode ser processd em dois csos : N Pssdeir No Btedor N Pssdeir Nest mistur utiliz-se 12,5 33% de viscose, o que determin o fio lterções ns crcterístics físics (melhori d qulidde do fio e lterção do toque, com mior conforto do rtigo finl, lterção do brilho do rtigo finl) e químics (umento do rendimento de tinturri, devido mior bsorção de cornte pel viscose com relção o lgodão). A mistur é relizd n 1ª pssgem sendo suficientes 2 pssgens pr obter um bo uniformizção d mescl ds fibrs. Nos processos de bertur/limpez e crds s fibrs são processds seprdmente obtendo-se ssim um excelente performnce d viscose. Agreg-se com este processo ótims crcterístics de fibilidde umentndo regulridde de comprimento ds fibrs e diminuindo quntidde de fibrs voláteis, melhorndo limpez n fição. Outro ponto ser destcdo n utilizção de viscose n mistur com lgodão é diminuição d dministrção de estoques do lgodão. Recomend-se utilizção ds fibrs de viscose 1,3 ou 1,7 dtex / 32 mm. No Btedor Nest condição utiliz-se de 5 10% de viscose no lgodão fim de obter-se melhori em lgums crcterístics do fio de lgodão. É utilizd principlmente qundo trblh-se com lgodões de pior qulidde. Com entrd de viscose, ns quntiddes citds, não se lterm s crcterístics físics e químics do fio de lgodão. O que se busc neste tipo de mistur é um melhor n fibilidde do lgodão, melhorndo-se s crcterístics de resistênci, longmento, Uster, pontos finos e grossos e rendimento de produção d fição. Est mistur, devido pequen quntidde de viscose, é processd n primeir etp do processo (bertur/limpez) nos bridores e btedores. Recomend-se utilizção ds fibrs de viscose 1,3 ou 1,7 dtex / 32 mm. Págin 7

8 F i b r C e l Vntgens n mistur Algodão/Viscose Processo Vntgens Cuiddos Fição Diminuição d dministrção do estoque de lgodão, devido s mists. Diminuição ds perds de mtéri-prim o longo do processo Melhor processbilidde Redução ds fibrs voláteis, melhorndo limpez d fição Administrção, té 1ª pssdeir, d utilizção de dus mtéris-prims n produção Tecelgem Mlhri Tingimento / Acbmento Consumidor finl Melhor processbilidde Redução ds fibrs voláteis, melhorndo limpez d tecelgem Redução ds fibrs voláteis, melhorndo limpez ds máquins circulres Redução do número de prds / hor máquin Aumento de brilho Melhori no toque do rtigo Mior bsorção de umidde Melhor cimento Melhori no toque do rtigo Aumento do brilho do rtigo Aumento do conforto Seleção corret de corntes pr evitr efeito mescl. Vide obs. Controle de concentrção de lcli no brilho, no limite de 4,0% Obs.: Isto pr prticipção de viscose cim de 10% ou n mlhri circulr. Págin 8

9 F i b r C e l Acbmento n mistur lgodão/viscose Acbmento em Mlhs Os rtigos mistos de Algodão/Viscose tem um comportmento similr os trdicionis rtigos de Algodão 100% no que se refere o cbmento finl. Obtivemos os melhores resultdos qunto à estbilidde dimensionl utilizndo clndrs compctdeirs. Chegmos índices similres de mlhs de lgodão 100%. Com um mlh mist de CO 75% / CV 25%, conseguimos os seguintes resultdos : lrgur comprimento Encolhimento (%) 3,6 4,8 Pilling, n ocorrênci de excesso de pilling em rtigos mistos de CO/CV, recomendmos um processo chmdo de polimento biológico, que consiste n degrdção ds fibrils trvés de um enzim ácid. Alguns fornecedores são : Lmbr Clrint Henkel Fz-se o polimento biológico, ntes d clndrgem, ind no prelho de tingimento. Outros tipos de cbmentos como mcimento, trtmento hidrorepelente, nti-chm, e outros, podem ser feitos como ns trdicionis mlhs de lgodão 100%. SUGESTÃO DE FLUXOGRAMA PARA O ACABAMENTO DE MALHAS CO/CV : Mlh Cru Purg Alvejmento Tingimento Amcimento Polimento Biológico Hidro extrção Clndrgem Mlh beneficid Págin 9

10 F i b r C e l Acbmento em Tecidos Plnos CHAMUSCAGEM Recomendmos chmuscgem em tecidos plnos, com finlidde de mnter reduzid formção de Pilling, que é indesejável durnte o beneficimento ou em usos posteriores TRATAMENTO PRÉVIO Os tecidos plnos produzidos com misturs lgodão/viscose, podem ser submetidos os mesmos processos de trtmentos prévios que os tecidos de Algodão 100%. A diferencição entre os tecidos plnos e mlhs, está n desengomgem. Pr tecer fios de Algodão ou misturs é necessário engomr nteriormente os fios de urdume, fim de protegê-los durnte o processo de tecelgem, diminuindo o número de rupturs nos teres. Gerlmente engomgem dos fios de lgodão é feit com goms de um combinção à bse de mido e criltos, tmbém encontr-se no mercdo um gom produzid com fécul de mndioc modificd, que por su crcterístic químic, não necessit do uso de enzims durnte desengomgem. Pr desengomgem de goms à bse de mido utiliz-se milse (enzims) e tensotivos com tempertur vrindo de 25 à 75 C, dependendo do tipo de enzim utilizd e ds orientções dos fbricntes. A perfeit igulizção do tingimento depende de um desengomgem eficiente e homogêne. Trechos com resíduos de gom, podem prejudicr qulidde do tingimento, provocndo trechos sem tingir ou com tonlidde mis frc. A limpez do rtigo é efetud conforme os produtos plicdos nos processos nteriores. Como no cso ds mlhs, tmbém em tecidos plnos mercerizção é imprticável. O lvejmento mis indicdo é o oxidtivo, utilizndo Peróxido de Hidrogênio. Pr melhorr o specto visul do tecido, chmusc-se ntes de qulquer processo úmido. O uso de álclis em qulquer trtmento não pode exceder à 4,5% de concentrção, podendo degrdr Viscose. O trtmento prévio pode ser em processos contínuos descontínuos ou semicontínuos. Sugestão de receit pr trtmento prévio ( purg e lvejmento) : 0,2 g/l cloreto de sódio 52,0 g/l sod cústic 50 Bè 30,0 g/l detergente niônico 50,0 g/l peróxido de hidrogênio 1,0 g/l ntiespumnte 3,5 g/l querosene 5,0 g/l sequestrnte pr metis pesdos e ferro Pick-up : 80% Repouso : 16 hors Lvr Neutrlizr Págin 10

11 F i b r C e l TINGIMENTO Como já citdo nteriormente, s diferentes proprieddes de tingimento ds fibrs de lgodão e de viscose são responsáveis pelo efeito pós tingimento. Porém em tecidos plnos, devido su construção físic, esses efeitos podem ser mscrdos dificultndo su visulizção. Por esse motivo pode-se usr um quntidde mior de Fibrs de Viscose n composição to tecido, que melhor s crcterístics de toque e cimento do rtigo. Mesmo em tecidos plnos é imprescindível um corret seleção de corntes e testes prévios em lbortório, ntes do tingimento em produção. Obtivemos ótimos resultdos referentes à igulizção e solidez com corntes retivos em processos Pd-bth. Alguns corntes retivos que podem ser usdos em tecidos em processos Pd-bth : Procion H EXL - BASF Remzol - DYSTAR Cibcrone C - CIBA Drimren K - CLARIANT Nosss experiêncis mostrrm que o processo mis indicdo pr tecidos plnos é o Pd-bth. Como em mlhs, lém de corntes retivos ind é possível utilizção de corntes diretos, enxofre e à tin. Sendo que n miori dos csos é mior montgem ns fibrs de Viscose, obtendo tonliddes mis intenss. ACABAMENTO Os tecidos plnos de Algodão/Viscose podem ser submetidos os mesmos processos, pelos quis são submetidos os tecidos de Algodão 100%, sem nenhum restrição. Págin 11

12 F i b r C e l SUGESTÃO DE FLUXOGRAMA PARA O ACABAMENTO DE TECIDOS CO/CV : Tecido cru Chmuscgem Desengomgem Alvejmento Repouso Tingimento Repouso Secgem Estmpri Acbmento Tecido Beneficido Págin 12

13 F i b r C e l Acbmento em Fios Pr fios mistos Algodão/Viscose, recomendmos processá-los em bobins cruzds cônics. O enrolmento regulr dos mesmos é condição prévi pr um tingimento homogêneo. A densidde idel pr tingimento de bobins é de proximdmente 0,350 g/cm 3. Pr evitr, defeitos tintoriis por rzão d dificuldde de penetrção do bnho de tingimento, conselhmos não ultrpssr à 160 mm de diâmetro do cone. O trtmento prévio deve ser como em Algodão 100%, no entnto é fundmentl não expor o fio à bnhos com concentrção lclin cim de 4,5% no bnho totl. O tingimento de fios como nos csos nteriores podem ser relizdos com corntes retivos, diretos, enxofre e à tin. Em testes conseguimos bons resultdos com corntes Procion H EXL. As bobins cruzds devem ser tints em prelhos de pressão turbos como por exemplo : Obermyer Além de bobins cruzds, os fios CO/CV pode ser tingidos em meds, usndo os mesmos critérios de preprção e tingimento borddos nos itens nteriores. Págin 13

14 F i b r C e l Mistur poliéster/viscose Est mistur é muito utilizd n proporção 67/33% Pes/Cv sendo processd com muit fcilidde pois s dus fibrs se complementm ns sus crcterístics de fibilidde. A mistur é processd desde 1ª etp de fição (btedor/bertur) obtendo-se um excelente mistur entre s fibrs. Outrs percentuis de misturs podem ser processds como por exemplo: Poliéster/viscose 50/50% Viscose/poliéster 67/33% Recomend-se utilizção ds fibrs de viscose 1,3 ou 1,7 dtex / 32 mm ou 38 mm. Fluxos de processo A seguir são demonstrdos lguns fluxos de processos mis utilizdos pr fibr de viscose 100% e sus misturs com fibrs nturis (Algodão) e sintétics (Poliéster). Sistem Crddo Poliéster ou Algodão Abertur Viscose!! Abertur Crd Crd 1ª Pssgem 2ª Pssgem Mçroqueir Filtório Págin 14

15 F i b r C e l Mistur Snduíche Abridores Pesdores Poliéster " # Abertur Snduíche Viscose Poliéster " # Viscose Abertur Abridor Pesdor Crd Crd 1ª Pssgem 1ª Pssgem 2ª Pssgem 2ª Pssgem Mçroqueir Mçroqueir Filtório Filtório Págin 15

16 F i b r C e l Btedor A fibr de viscose é extremmente regulr ns sus crcterístics de título e comprimento sendo tmbém isent de impurezs. Como é fornecid com um prébertur, recomend-se que viscose psse por um mínimo de pontos de btedori e limpez fim de mnter-se s crcterístics físics d fibr e reduzir no mínimo os desperdícios gerdos nest etp do processmento. A fibr de viscose pode ser processd em qulquer linh de bertur/limpez tuis, sej por sistem de limentção por rolos de mnt ou por sistem shoot-feed. Cso o Cliente possu um linh pr 100% lgodão onde não foi previsto o processmento de viscose, será necessário relizr lguns justes trvés d utilizção de sistems by-pss, fim de diminuir-se os pontos de tque fibr de viscose. Btedores formdores de mnt Normlmente utiliz-se btedor formdor de mnt tnto pr produção de mteril 100% viscose como pr misturs poliéster/viscose. No cso ds misturs poliéster/viscose normlmente o mteril é pesdo e misturdo em um etp nterior, sendo est fse relizd trvés de um blnç e um operdor. Neste método temse vntgem de obter-se um ótim homogeneizção ds fibrs, porém tem-se desvntgem de um possível flh de composição d mistur pois mesm é relizd de form mnul trvés de operdores. Recomend-se, em comprção s regulgens utilizds pr lgodão, o fechmento ds grelhs, diminuição d rotção do kirschner pr RPM, fechmento ds cixs de limentção, pressão ds clndrs em 5,5 Br e pressão do mndril em 4,0 Br. Os rolos devem ser produzidos com g/metros com comprimento de metros. Deve-se observr pr mnt um CV(%) máximo de 2,2%. Estes prâmetros são válidos pr s misturs poliéster/viscose e pr 100% viscose. Págin 16

17 F i b r C e l Processmento em mistur Intim Os bridores pesdores são normlmente utilizdos qundo d produção ds misturs poliéster/viscose, pois grntem precisão e constânci no percentul de composição ds fibrs n mistur. Além deste specto neste método consegue-se um ótim homogenizção entre s fibrs. Recomend-se bertur de no mínimo 12 frdos de viscose por esteir limentdor. Deve-se justr bertur entre cilindro igulizdor e esteir limentdor inclind pr 15 mm pr pens mnter-se um limentção constnte e com os flocos ds fibrs bertos, sem fibrs glomerds. Ajustr o peso ds blnçs pr composição desejd e quntidde necessári de produção. Por exemplo: Mistur poliéster/viscose 67/33%, 950 g. n blnç de poliéster e 940 grs. n blnç de viscose, sendo linh compost por 02 esteirs de poliéster e 01 esteir de viscose, obtendo-se o regime de trblho d linh em 80% go / 20% stop pr 600 kg/hor. Mistur Snduíche Pr s linhs de produção que não possuem os bridores pesdores utiliz-se mistur snduíche, isto pr s misturs poliéster/viscose. Neste método, ssim como no método de btedores formdores de mnt, tem-se ótim homogeinizção ds fibrs n mistur, ms tem-se desvntgem de um possível flh de composição d mistur. Nest situção pes-se seprdmente cd fibr ser utilizd esplhndose s fibrs em um áre pré-determind (cixs) ou boxes, formndo-se cmds ds fibrs utilizds. Recomend-se que pr o enchimento dests cixs s fibrs sejm esplhds de tl form que cd cmd ocupe tod áre d cix. A cix deve ser limentd formndo-se s cmds n horizontl, e o consumo dests cmds deve ser relizd n verticl, grntindo-se um melhor homogeinizção d mistur. É importnte que s pesgens estejm entre kg. sendo relizds por um mesmo operdor, e que ltur d mistur snduíche não ultrpsse 1 metro. Est mistur poderá ser processd em btedores formdores de mnt e em sistems shoot-feed. Exemplo de snduíche : Cmd de Viscose Cmd de Poliéster Cmd de Viscose Cmd de Poliéster Págin 17

18 F i b r C e l Observções Mistur lgodão/viscose Pr mistur lgodão/viscose normlmente process-se, n bertur/limpez, s dus fibrs seprdmente fim de se poupr viscose, já que el não necessit d mesm limpez que é dd o lgodão. Como s fibrs são processds seprdmente vle o que foi descrito nteriormente. A mistur proprimente dit é relizd n 1ª pssgem. Utilizção de tint fls A tint fls é utilizd como rtifício pr identificção do produto dentro d fição fim de se evitr misturs. O cornte ser utilizdo n produção de fios 100% viscose e pr misturs poliéster/viscose deve ser d clsse de corntes ácidos, não tendo nenhum finidde com s fibrs mencionds. Pr mistur lgodão/viscose não se deve utilizr tint fls. A tint fls é plicd vi spry normlmente n esteir de limentção dos btedores formdores de mnt e dos bridores, e pr os bridores pesdores plic-se tint fls n esteir de limentção pós s blnçs. Dissolver o cornte em um solução com águ sendo recomenddo de 1/4 1/7 (prte de cornte / prte de águ). Utilizção de reencimgem A fibr de viscose é fornecid com um tipo de cbmento com crcterístics ntiestátic, coesivo fibr-fibr e lubrificnte fibr-metl que grnte um bo processbilidde. Porém devido condição climátic de cd fábric em lgums circunstâncis é necessári plicção de lgum produto de encimgem com crcterístic nti-estátic e/ou coesiv. Recomend-se plicção como descrito com tint fls n solução com águ de 1/15 1/20 (prte de encimgem / prte de águ), plicndo de 0,1% 0,15% de mteril tivo (encimgem) sobre o peso do mteril seco. Indicção de lguns produtos utilizdos no mercdo : Morisol 1590 (Indrp) Lubrostt (Lmbr) Midstt (Midln) Gpstt (Gp Quimic) Gintex (Multi Import) Págin 18

19 F i b r C e l Crd Regulgens A fibr de viscose process-se muito bem em tods s máquins de lt produção tulmente em trblho sej pr 100% viscose ou sus misturs. A seguir são recomendds lgums regulgens como prâmetro pr busc do juste idel. Produto 100% Cv Pes / Cv Co / Cv Rotção Tmbor (rpm) Briseur (rpm) Doffer (m/mim) Registros (poleg./1000) Tmbor/flts Tmbor/doffer Tmbor/briseur Mes/briseur Tmbor/Grelh Entrd (frente) Meio Meio Síd (trás) Flts/minuto 2,5 2,5 4,5 Título (Ne) síd 0,11-0,15 0,11-0,15 0,11-0,15 Estirgem Velocidde máxim (m/min) Gurnições As gurnições citds são recomendds pelos fbricntes pr fibrs de 1,3 1,7 dtex. Órgão Populção Ponts/pol 2 Ângulo Cilindro Doffer Briseur Flts Págin 19

20 F i b r C e l Pssdeir Pr formção d mistur poliéster/viscose ou lgodão/viscose n 1ª pssgem com proporção de 67/33%, deve-se utilizr seguinte distribuição : CAB. A xx Cv Cv xx xx xx xx xx síd CAB. B xx xx xx xx xx Cv Cv xx Obs.: xx pode ser lgodão (Co) ou poliéster (Pes). Neste cso sugerimos utilizção de dublgem 6 com tods s fits de limentção com o mesmo título. Pr utilizção de dublgem 8 deve-se diferencir o título d fit de viscose do título d fit de poliéster ou lgodão pr grntir-se composição corret d mistur. N 2ª pssgem é recomenddo cruzr-se s lts ds cbeçs 1 e 2 (mistur dinâmic) fim de obter-se um perfeit homogeinizção/distribuição ds fibrs de poliéster/lgodão e viscose n seção do fio. A seguir são sugerids lgums regulgens pr produção de fios 100% viscose e pr s misturs poliéster/viscose e lgodão/viscose. Ests regulgens servem como prâmetro pr busc d regulgem idel n 1ª e 2ª pssgem. Máquin Fs 720 How Rieter Trem de Estirgem 3 x 4 3 x 4 3 x 3 (inferior x superior) Produto 100% Cv Pes/ Cv Co/ Cv 100% Cv Pes/ Cv Co/ Cv 100% Cv Pes/ Cv Co/ Cv Dublgem 7 ou ou Pré-Estirgem 1,5 1,7 1,5 1,7 1,5 1,7 Escrtmento Comprimento fibr (mm) Zon Trseir Zon Dinteir Título (Ne) síd 0,11 0,13 Velocidde máxim (m/min) 0,11 0,13 0,11 0,13 1,5 1,7 1,5 1,7 1,5 1,7 Comprimento fibr ,11 0, ,11 0, ,11 0,13 1,16 1,28 1,16 1,28 1,16 1,28 Comprimento fibr ,11 0, ,11 0, ,11 0, Págin 20

21 F i b r C e l Observções Recomend-se utilizr borrchs com durez entre 80 85º Shore Do. Pr mnter-se um bo processbilidde ns pssdeirs é fundmentl que os rolinhos de borrch estejm limpos e sem nenhum tipo de deformção (cortes, burcos ou ondulções). Muits vezes os rolinhos de borrch em contto com s fibrs rtificiis (viscose) e sintétics (poliéster) crregm-se de eletricidde estátic devendo-se ser limpos fim de evitr-se enrolmentos nos rolinhos/cilindros. Est limpez deve ser relizd, nos rolinhos de borrch trvés de Bercolizção que é o fechmento dos poros d borrch trvés de um trtmento com luz, ou trvés de trtmento químico trvés de ácidos onde borrch dos rolinhos é queimd. Como exemplo de receit podemos citr : Águ 500 ml ou Álcool 1000 ml Ácido nítrico 110 g Iodo metálico 100 g Ácido sulfúrico 120 g Iodeto de potássio 100 g Bicromto de Potássio 80 g Pr plicção dest receit deve-se utilizr os equipmentos de segurnç necessários pr evitr-se cidentes devido presenç de produtos químicos perigosos. Mçroqueir Regulgens A fibr de viscose qundo processd em 100% viscose ou em sus misturs comport-se muito bem ns tuis mçroqueirs existentes no mercdo. Os justes de trblho serem relizdos são simples e devem ser relizdos pós verificção visul de como fibr de viscose está comportndo-se n máquin. Normlmente just-se rotção do fuso, tensão de enrolmento d bobin, torção do pvio, préestirgem, pressão do brço pendulr e poio dos mnchões (clips). Algums desss regulgens são citds seguir como referenci pr busc de um juste idel, tomndo-se como bse um máquin How modelo RMK 2B. Produto / Comprimento fibr (mm) 100% Cv 38 mm Pes/Cv 38 mm Co/Cv 32 mm Título (Ne) síd 0,90 0,90 0,90 Rpm fuso Torção/polegd 0,78 0,84 0,70 0,74 0,96 1,02 Pré-estirgem 1,15 1,36 1,15 1,21 1,21 1,24 Escrtmento (mm) 45 x 50 x x 50 x x 45 x 50 Clips Verde Verde verde Pressão do brço pendulr vm / vm / vm / vm vd / vm / vm / vd vd / vm / vm / vd Obs.: vd = verde, vm = vermelho Págin 21

22 F i b r C e l Observções As regulgens de pré-estirgem, torção e escrtmento dependem diretmente do tipo de mistur processd, do comprimento ds fibrs e do título (Ne) de síd. Título (Ne): Com relção o título (Ne) de síd dependerá do título (Ne) do fio ser produzido, porém deve-se considerr que fix idel de estirgem totl n mçroqueir deve estr entre 8 11 vezes. Pré-estirgem : Com relção pré-estirgem recomend-se um fix de trblho entre 1,15 1,40. Torção : Com relção torção deve-se considerr lguns ftores primordiis pr definição d torção idel do pvio. A torção idel do pvio é quel que drá o pvio resistênci suficiente pr um bo processbilidde n mçroqueir, sem que hj um excesso de rupturs n mçroqueir nem um problem de fls estirgem no pvio. Outro ftor importnte é que no filtório torção não estej em excesso no pvio de modo dificultr estirgem do mesmo gerndo pontos grossos no fio e excesso de rupturs no filtório. Recomend-se trblhr com ftor lf (inglês) de torção de 0,70 0,90. Rolinhos de borrch : Recomend-se utilizr borrchs com durez entre 80 85º Shore Do. Pr limpez dos rolinhos de borrch utilizr s recomendções citds pr s pssdeirs. Págin 22

23 F i b r C e l Filtório (nel) Regulgens A fibr de viscose process-se muito bem em tods s máquins tulmente em trblho sej pr 100% viscose ou sus misturs. A seguir são recomendds lgums regulgens como prâmetro pr busc do juste idel, tomndo-se como bse um máquin How UA-33B. Produto / Comprimento fibr (mm) 100% Cv 38 mm Pes/Cv 38 mm Co/Cv 32 mm Título (Ne) síd Fuso (rpm) Torção/polegd 18,5 21,5 18,5 19,5 19,5 21,0 Pré-estirgem 1,15 1,36 1,15 1,25 1,15 1,25 Escrtmento (mm) 45 x x x 55 Vijnte (m/s) 31,9 35,2 31,9 Clips Brnco brnco mrelo Pressão do brço pendulr Verde verde verde Observções As regulgens de pré-estirgem, torção e escrtmento dependem diretmente do tipo de mistur processd, do comprimento ds fibrs e do título (Ne) de síd. Título (Ne) : Com relção o título (Ne) de síd dependerá do título (Ne) do fio ser produzido, porém deve-se considerr que fix idel de estirgem totl no filtório deve estr entre vezes. Pré-estirgem : Com relção pré-estirgem recomend-se um fix de trblho entre 1,15 1,40. Torção : A torção é um ftor decisivo pr obtenção de um fio de bo qulidde que grnt um produto sem formção de excesso de pêlos e/ou pillings no produto finl, bem como grnt um bo processbilidde nos processos seguintes, sej n mlhri ou n tecelgem. Recomend-se que trblhe-se com os seguintes ftores lf (inglês) de torção : Comprimento fibr (mm) Mlhri 3,4 3,7 3,3 3,6 Tecelgem 3,7 4,0 3,6 3,9 Págin 23

24 F i b r C e l Vijntes : A velocidde do vijnte não deve ultrpssr os 36 m/s. Rolinhos de Borrch : Recomend-se utilizr borrchs com durez entre 80 85º Shore Do. Pr limpez dos rolinhos de borrch utilizr s recomendções citds pr s pssdeirs. Clço Distncidor dos mnchões (Clips) : O clips ou poio é utilizdo pr mnter-se um distânci entre o mnchão superior e inferior no trem de estirgem. Est distânci está diretmente relciond com o título (Ne) do fio ser produzido. A seguir é dd um tbel orienttiv pr utilizção do clips pr o brço pendulr SKF PK 225. Título do Fio (Ne) Altur do Clips (mm) Cor do Clips ,0 Verde ,0 Preto ,5 3,0 Lilás / Brnco ,0 Amrelo ,5 Vermelho Limite de fibilidde : É o menor título que se pode produzir com um finur de fibr mntendo-se s crcterístics físics do fio e su processbilidde. Pr isto utiliz-se d seguinte fórmul : Ne <= X (dtex d fibr ser utilizd) Págin 24

25 F i b r C e l Conicleir Os fios produzidos com fibr de Viscose, sejm 100% Viscose ou sus misturs, processm-se sem nenhum problem ns conicleirs. Mesmo ns mis moderns que trblhm com velociddes de enrolmento lts. Por ser um etp que tem grnde influênci nos processos seguintes, sej tecelgem ou mlhri, recomendmos lguns pontos que devem ser checdos : Constânci n tensão ds espuls. Altur do pr-blão. Tensão de enrolmento entre grms. Limpez do conjunto prfindor (no cso de fios pr mlhri). Superfície do tmbor (isento de rnhurs ou rebrbs) Brço tomdor do fio (isento de rebrbs e juste d distânci do brço pr o cone). Sistem de freio do tmbor e do cone (evitr deslizmento entre cone e tmbor). Contrpeso do brço do cone. Durez do cone. Velocidde de enrolmento, conforme o título (Ne) do cone. Regulgens d emend splicer. Limpez d máquin. Págin 25

26 F i b r C e l Open End Regulgens A fibr de viscose process-se muito bem ns máquins open end tuis, que trblhm em lt rotção. Pr produção de fios em open end, sej 100% viscose ou ns misturs lgodão/viscose e poliéster/viscose é recomenddo utilizção d fibr 1,3 dtex 32 mm ou 38 mm. O comprimento d fibr ser utilizd está diretmente relciond o diâmetro do rotor e o tipo de mistur processd. Com relção o diâmetro do rotor recomend-se que sej obedecid relção entre 0,9 1,0, entre o diâmetro do rotor e o comprimento d fibr ser utilizd. A seguir são recomendds lgums regulgens como prâmetro pr busc do juste idel. Máquin Autocoro Sávio FRS C/2C (Cix fição Se 9) Produto 100% Cv Co/Cv 100% Cv Co/Cv Título síd (Ne) Rotor (tipo) T231B5 T231D 40 S 35 S Rotor (rpm) Dimetro rotor (mm) Crdinh (tipo) S22P B174DN D1 C1 Crdinh (rpm) Funil KN 4 KSR 4 S8T6 S4T6 Torque stop brnco brnco sim sim Velocidde (m/mim) Observções As regulgens citds nteriormente estão diretmente relcionds com o título (dtex) e comprimento (mm) d fibr, composição d mistur e título (Ne) de síd do fio. É recomenddo não utilizr-se fibr de viscose opco, devido lt brsividde que o opciznte gregdo fibr ger. Isto cus um umento de desgste nos rotores ds máquins open end. Págin 26

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo)

Processo TIG. Eletrodo (negativo) Argônio. Arco elétrico Ar Ar + + e - Terra (positivo) Processo TIG No processo de soldgem rco sob proteção gsos, região se unir é quecid té que se tinj o ponto de fusão, pr que isto ocorr, é fornecid um energi trvés do rco elétrico, que irá fundir tnto o

Leia mais

Manual de Operação e Instalação

Manual de Operação e Instalação Mnul de Operção e Instlção Clh Prshll MEDIDOR DE VAZÃO EM CANAIS ABERTOS Cód: 073AA-025-122M Rev. B Novembro / 2008 S/A. Ru João Serrno, 250 Birro do Limão São Pulo SP CEP 02551-060 Fone: (11) 3488-8999

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS

BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS A BOLETIM TÉCNICO LAMINADOS Últim tulizção Mio/2011 VERSÃO MAIO/2011 ACABAMENTOS NATURAL: O cbmento pdrão d chp possui bi reflectânci e pode presentr vrições de brilho. BRILHANTE: Esse tipo de cbmento

Leia mais

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo

Rolamentos com uma fileira de esferas de contato oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo Rolmentos com um fileir de esfers de contto oblíquo 232 Definições e ptidões 232 Séries 233 Vrintes 233 Tolerâncis e jogos 234 Elementos de cálculo 236

Leia mais

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente

Revestimentos com alto desempenho para indústria de petróleo e gás. Desempenho excepcional, excelente serviço ao cliente Petróleo e Gás Revestimentos com lto desempenho pr indústri de petróleo e gás Desempenho excepcionl, excelente serviço o cliente Representndo Revestimentos de polietileno Revestimentos de polipropileno

Leia mais

Construção e montagem

Construção e montagem Construção e montgem Tetos Knuf D11 Construção Os tetos Knuf com chps de gesso podem ser fixdos diretmente o teto originl ou suspensos com tirnte e suportes. As chps de gesso são prfusds num estrutur metálic,

Leia mais

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos.

Acoplamento. Tipos de acoplamento. Acoplamento por dados. Acoplamento por imagem. Exemplo. É o grau de dependência entre dois módulos. Acoplmento É o gru de dependênci entre dois módulos. Objetivo: minimizr o coplmento grndes sistems devem ser segmentdos em módulos simples A qulidde do projeto será vlid pelo gru de modulrizção do sistem.

Leia mais

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS

A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELHADOS COM DIFERENTES TIPOS DE TELHAS A MODELAGEM MATEMÁTICA NA CONSTRUÇÃO DE TELADOS COM DIFERENTES TIOS DE TELAS Angéli Cervi, Rosne Bins, Til Deckert e edro A.. Borges 4. Resumo A modelgem mtemátic é um método de investigção que utiliz

Leia mais

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE

07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE 07 AVALIAÇÃO DO EFEITO DO TRATAMENTO DE SEMENTES NA QUALIDADE FISIOLOGICA DA SEMENTE E A EFICIENCIA NO CONTROLE DE PRAGAS INICIAIS NA CULTURA DA SOJA Objetivo Este trblho tem como objetivo vlir o efeito

Leia mais

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se

Simbolicamente, para. e 1. a tem-se . Logritmos Inicilmente vmos trtr dos ritmos, um ferrment crid pr uilir no desenvolvimento de cálculos e que o longo do tempo mostrou-se um modelo dequdo pr vários fenômenos ns ciêncis em gerl. Os ritmos

Leia mais

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600

COPEL INSTRUÇÕES PARA CÁLCULO DA DEMANDA EM EDIFÍCIOS NTC 900600 1 - INTRODUÇÃO Ests instruções têm por objetivo fornecer s orientções pr utilizção do critério pr cálculo d demnd de edifícios residenciis de uso coletivo O referido critério é plicável os órgãos d COPEL

Leia mais

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia

Ar condicionado a absorção e Central modular de co-geração de energia Ar condiciondo sorção e Centrl modulr de co-gerção de energi Opções Competitivs n Gestão Energétic Eng./Arq. Mrco Tulio Strling de Vsconcellos IX CONBRAVA 23 de Setemro de 2005 Tópicos d Apresentção Chillers

Leia mais

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza

Operadores momento e energia e o Princípio da Incerteza Operdores momento e energi e o Princípio d Incertez A U L A 5 Mets d ul Definir os operdores quânticos do momento liner e d energi e enuncir o Princípio d Incertez de Heisenberg. objetivos clculr grndezs

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1

CÓDIGO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ. Versão 1.1 CÓDIO DE CONDUTA MÓDULO CHÁ Versão 1.1 Cópis e trduções deste documento estão disponíveis em formto eletrônico no site d UTZ Certified: www.utzcertified.org Este documento foi trduzido do Inglês. Se houver

Leia mais

UNESP - FEIS - DEFERS

UNESP - FEIS - DEFERS UNESP - FEIS - DEFERS DISCIPLINA: ARMAZENAMENTO E BENEFICIAMENTO DE GRÃOS Exercício Modelo sobre Secgem de Grãos Como técnico contrtdo pr ssessorr u propriedde produtor de milho pr grãos, efetur u nálise

Leia mais

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial

1º semestre de Engenharia Civil/Mecânica Cálculo 1 Profa Olga (1º sem de 2015) Função Exponencial º semestre de Engenhri Civil/Mecânic Cálculo Prof Olg (º sem de 05) Função Eponencil Definição: É tod função f: R R d form =, com R >0 e. Eemplos: = ; = ( ) ; = 3 ; = e Gráfico: ) Construir o gráfico d

Leia mais

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia)

COLÉGIO NAVAL 2016 (1º dia) COLÉGIO NAVAL 016 (1º di) MATEMÁTICA PROVA AMARELA Nº 01 PROVA ROSA Nº 0 ( 5 40) 01) Sej S som dos vlores inteiros que stisfzem inequção 10 1 0. Sendo ssim, pode-se firmr que + ) S é um número divisíel

Leia mais

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto

Desvio do comportamento ideal com aumento da concentração de soluto Soluções reis: tividdes Nenhum solução rel é idel Desvio do comportmento idel com umento d concentrção de soluto O termo tividde ( J ) descreve o comportmento de um solução fstd d condição idel. Descreve

Leia mais

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA

PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA PROJETO DE CONSTRUÇÃO DE FOSSA BIODISGESTORA Acdêmicos: Adenilton Sntos Moreir 123 RESUMO Este rtigo present um projeto de foss biodigestor, que será executdo pelo utor do mesmo, su principl finlidde é

Leia mais

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ

INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ INFLUÊNCIA DO CLIMA (EL NIÑO E LA NIÑA) NO MANEJO DE DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ Ricrdo S. Blrdin Mrcelo G. Mdlosso Mônic P. Debortoli Giuvn Lenz. Dep. Defes Fitossnitári - UFSM; Instituto Phytus. Em nos

Leia mais

CPV O cursinho que mais aprova na GV

CPV O cursinho que mais aprova na GV O cursinho que mis prov n GV FGV Administrção 04/junho/006 MATEMÁTICA 0. Pulo comprou um utomóvel fle que pode ser bstecido com álcool ou com gsolin. O mnul d montdor inform que o consumo médio do veículo

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA #8. fonte imagem: Google Earth FUNCIONL ENTORNO IDENTIFICR RELÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERNDO OS TRIBUTOS DO LUGR - MSSS EDIFICDS, RELÇÕES DE PROXIMIDDE, DIÁLOGO, INTEGRÇÃO OU UTONOMI O ENTORNO D CSH #9 É COMPOSTO

Leia mais

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc.

São possíveis ladrilhamentos com um único molde na forma de qualquer quadrilátero, de alguns tipos de pentágonos irregulares, etc. LADRILHAMENTOS Elvi Mureb Sllum Mtemtec-IME-USP A rte do ldrilhmento consiste no preenchimento do plno, por moldes, sem superposição ou burcos. El existe desde que o homem começou usr pedrs pr cobrir o

Leia mais

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC

1 MÁQUINAS ELÉTRICAS II 1233 A/C : PROF. CAGNON - 2005 ENSAIO 01 : OBTENÇÃO DA CARACTERÍSTICA A VAZIO DE UMA MÁQUINA CC 1 MÁQUINS ELÉTRICS II 1233 /C : PROF. CGNON - 2005 LBORTÓRIO L1 ENSIO 01 : OBTENÇÃO D CRCTERÍSTIC ZIO DE UM MÁQUIN CC 1. Objetivo Neste ensio será relizdo o levntmento d crcterístic de funcionmento vzio

Leia mais

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso

LFS - Canaletas de PVC UFS - Caixas de Tomada para Piso Ctálogo LFS - UFS LFS - Cnlets de PVC UFS - Cixs de Tomd pr Piso fique conectdo. pense oo. Linh LFS Cnlets de PVC Com lto pdrão estético, s cnlets OBO vlorizm o miente, lém de oferecerem possiilidde de

Leia mais

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina

Português. Manual de Instruções. Função USB. Transferindo padrões de bordado para a máquina Atualização fácil da sua máquina Mnul de Instruções Função USB Trnsferindo pdrões de borddo pr máquin Atulizção fácil d su máquin Português Introdução Este mnul fornece descrições sobre trnsferênci de pdrões de borddo de um mídi USB

Leia mais

Gabarito - Matemática Grupo G

Gabarito - Matemática Grupo G 1 QUESTÃO: (1,0 ponto) Avlidor Revisor Um resturnte cobr, no lmoço, té s 16 h, o preço fixo de R$ 1,00 por pesso. Após s 16h, esse vlor ci pr R$ 1,00. Em determindo di, 0 pessos lmoçrm no resturnte, sendo

Leia mais

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C.

1 As grandezas A, B e C são tais que A é diretamente proporcional a B e inversamente proporcional a C. As grndezs A, B e C são tis que A é diretmente proporcionl B e inversmente proporcionl C. Qundo B = 00 e C = 4 tem-se A = 5. Qul será o vlor de A qundo tivermos B = 0 e C = 5? B AC Temos, pelo enuncido,

Leia mais

CTM Primeira Lista de Exercícios

CTM Primeira Lista de Exercícios CTM Primeir List de Exercícios. Cite crcterístics típics de cd um ds 5 clsses de mteriis presentds no curso. Metis: resistentes, dúcteis, bons condutores térmicos/elétricos Cerâmics: resistentes, frágeis,

Leia mais

Desempenho de coletores solares planos

Desempenho de coletores solares planos Universidde do Vle do Rio dos Sinos UNISINOS Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Mecânic Energi Solr érmic Desempenho de coletores solres plnos 2 º. semestre, 2015 Os testes seguem norms específics. Brsil:

Leia mais

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação

Característica de Regulação do Gerador de Corrente Contínua com Excitação em Derivação Experiênci I Crcterístic de egulção do Gerdor de Corrente Contínu com Excitção em Derivção 1. Introdução Neste ensio máquin de corrente contínu ANEL trblhrá como gerdor utoexcitdo, não sendo mis necessári

Leia mais

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA

A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA A ÁGUA COMO TEMA GERADOR PARA O ENSINO DE QUÍMICA AUTORES: AMARAL, An Pul Mgno; NETO, Antônio d Luz Cost. E-MAIL: mgno_n@yhoo.com.br; ntonioluzneto@gmil.com INTRODUÇÃO Sendo um desfio ensinr químic pr

Leia mais

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios

Uso Racional de Energia Elétrica em Residências e Condomínios Uso Rcionl de Energi Elétric em Residêncis e Condomínios Css Verifique s Condições ds Instlções : Dimensionmento; Execução; Mnutenção; Conservção. Css Verifique os Hábitos de consumo : Form pessol de utilizção

Leia mais

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso.

TEMA CENTRAL: A interface do cuidado de enfermagem com as políticas de atenção ao idoso. TERMO DE ADESÃO A POLITICA DE INSCRIÇÃO NOS EVENTOS DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENFERMAGEM 9ª. JORNADA BRASILEIRA DE ENFERMAGEM GERIÁTRICA E GERONTOLÓGICA TEMA CENTRAL: A interfce do cuiddo de enfermgem

Leia mais

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO

a FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Cristin Antunes Mnuel Bispo Pul Guindeir FICHA DE AVALIAÇÃO FORMATIVA 9.º ANO Escol Turm N.º Dt Grupo I Documento I É um serviço de tendimento telefónico de Trigem, Aconselhmento e Encminhmento, Assistênci

Leia mais

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE;

Considerando a necessidade de contínua atualização do Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE; http://www.mm.gov.br/port/conm/res/res97/res22697.html Pge 1 of 5 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 226, DE 20 DE AGOSTO DE 1997 O Conselho Ncionl do Meio Ambiente - CONAMA, no uso ds tribuições que lhe são conferids

Leia mais

Semelhança e áreas 1,5

Semelhança e áreas 1,5 A UA UL LA Semelhnç e áres Introdução N Aul 17, estudmos o Teorem de Tles e semelhnç de triângulos. Nest ul, vmos tornr mis gerl o conceito de semelhnç e ver como se comportm s áres de figurs semelhntes.

Leia mais

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996

Hydraulics. Unidades Hidráulicas CATÁLOGO 2600-500/NA BR AGOSTO 1996 Hydrulics Uniddes Hidráulics CATÁLOGO 2600-500/NR AGOSTO 1996 Grnti Certificção Termo de grnti A Prker Hnnifin Ind. e Com. Ltd, Divisão Hidráulic, dorvnte denomind simplesmente Prker, grnte os seus produtos

Leia mais

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos

6.1 Recursos de Curto Prazo ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO. Capital de giro. Capital circulante. Recursos aplicados em ativos circulantes (ativos ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 6.1 Recursos de curto przo 6.2 Administrção de disponibiliddes 6.3 Administrção de estoques 6.4 Administrção de conts 6.1 Recursos de Curto Przo Administrção Finnceir e

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE CURSO: ADMINISTRAÇÃO/CIÊNCIAS CONTÁBEI /LOGISTICA ASSUNTO: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DE FUNÇÕES PROFESSOR: MARCOS AGUIAR MAT. BÁSICA I. FUNÇÕES. DEFINIÇÃO Ddos

Leia mais

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP

WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Paulo/SP WASTE TO ENERGY: UMA ALTERNATIVA VIÁVEL PARA O BRASIL? 01/10/2015 FIESP São Pulo/SP PNRS E O WASTE-TO-ENERGY Definições do Artigo 3º - A nov ordenção básic dos processos Ordem de prioriddes do Artigo 9º

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K)

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO. DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turma K) ESCOLA SECUNDÁRIA DE CALDAS TAIPAS CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE COMÉRCIO DISCIPLINA: ORGANIZAR E GERIR A EMPRESA (10º Ano Turm K) PLANIFICAÇÃO ANUAL Diretor do Curso Celso Mnuel Lim Docente Celso Mnuel

Leia mais

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação

Internação WEB BR Distribuidora v20130701.docx. Manual de Internação Mnul de Internção ÍNDICE CARO CREDENCIADO, LEIA COM ATENÇÃO.... 3 FATURAMENTO... 3 PROBLEMAS DE CADASTRO... 3 PENDÊNCIA DO ATENDIMENTO... 3 ACESSANDO O MEDLINK WEB... 4 ADMINISTRAÇÃO DE USUÁRIOS... 5 CRIANDO

Leia mais

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes

ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1. CIV 247 OBRAS DE TERRA Prof. Romero César Gomes ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO AULA 1 CIV 47 OBRAS DE TERRA Prof. Romero Césr Gomes 1.1 Introdução. 1. Tipos de Estruturs de Contenção. 1.3 Empuxos de Terr. Aul 1 Introdução São estruturs projetds pr resistir

Leia mais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais

Professores Edu Vicente e Marcos José Colégio Pedro II Departamento de Matemática Potências e Radicais POTÊNCIAS A potênci de epoente n ( n nturl mior que ) do número, representd por n, é o produto de n ftores iguis. n =...... ( n ftores) é chmdo de bse n é chmdo de epoente Eemplos =... = 8 =... = PROPRIEDADES

Leia mais

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS

IP-09 INSTRUÇÃO DE PROJETO DE REFORÇO PARA RESTAURAÇÃO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS 1. OBJETIVO O presente documento tem por objetivo presentr s instruções pr projeto de reforço dos pvimentos executdos pel Prefeitur do Município de São Pulo. 2. INTRODUÇÃO Este procedimento estbelece critérios

Leia mais

Programação Linear Introdução

Programação Linear Introdução Progrmção Liner Introdução Prof. Msc. Fernndo M. A. Nogueir EPD - Deprtmento de Engenhri de Produção FE - Fculdde de Engenhri UFJF - Universidde Federl de Juiz de For Progrmção Liner - Modelgem Progrmção

Leia mais

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80)

MRP / MRP II MRP MRP / MRP II 28/04/2009. www.paulorodrigues.pro.br. Material Required Planning (anos 60) Manufacturing Resource Planning (anos 80) MSc. Pulo Cesr C. Rodrigues pulo.rodrigues@usc.br www.pulorodrigues.pro.br Mestre em Engenhri de Produção MRP Mteril Required Plnning (nos 60) Mnufcturing Resource Plnning (nos 80) MRP = Mteril Requirement

Leia mais

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água

Dia 1 de Outubro Dia Nacional da Água Divisão de Plnemento Ambientl e Proteção Civil Di 1 de Outubro Di Ncionl d Águ entre 2 mil e 8 mil milhões de pessos té Águ 2050, num momento em que meç do Aquecimento Globl d Terr é um A águ é essencil

Leia mais

3 - A Metalurgia Extrativa

3 - A Metalurgia Extrativa 7 3 - A Metlurgi Extrtiv 3-1. Principis metis A metlurgi extrtiv estud otenção dos metis prtir de fontes mineris d nturez e d suct. Um comprção entre os principis metis produzidos pelo Homem em escl mundil

Leia mais

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr.

Eletrotécnica. Módulo III Parte I Motores CC. Prof. Sidelmo M. Silva, Dr. Sidelmo M. Silva, Dr. 1 Eletrotécnic Módulo III Prte I Motores CC Prof. 2 3 Máquin CC Crcterístics Básics Muito versáteis (bos crcterístics conjugdo X velocidde) Elevdos conjugdos de prtid Aplicções em sistems de lto desempenho

Leia mais

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra

Serviços de Acção Social da Universidade de Coimbra Serviços de Acção Socil d Universidde de Coimbr Serviço de Pessol e Recursos Humnos O que é o bono de fmíli pr crinçs e jovens? É um poio em dinheiro, pgo menslmente, pr judr s fmílis no sustento e n educção

Leia mais

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou

POLINÔMIOS. Definição: Um polinômio de grau n é uma função que pode ser escrita na forma. n em que cada a i é um número complexo (ou POLINÔMIOS Definição: Um polinômio de gru n é um função que pode ser escrit n form P() n n i 0... n i em que cd i é um número compleo (ou i 0 rel) tl que n é um número nturl e n 0. Os números i são denomindos

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS MÉTODOS PRÁTICOS E CEMA DE PROJETO DE CORREIA TRANSPORTADORA EVALUATION OF PRACTICAL AND CEMA METHODS OF BELT CONVEYOR S DESIGN

AVALIAÇÃO DOS MÉTODOS PRÁTICOS E CEMA DE PROJETO DE CORREIA TRANSPORTADORA EVALUATION OF PRACTICAL AND CEMA METHODS OF BELT CONVEYOR S DESIGN Engenhri/Engineering 55 AALIAÇÃO DOS MÉTODOS PRÁTICOS E CEMA DE PROJETO DE CORREIA TRANSPORTADORA SANTOS, A.D 1 ;OLIEIRA T. D. 2 1 Doutorndo em Engenhri Químic, Fculdde de Engenhri Químic - FEQ d Universidde

Leia mais

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001

XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX BOLETIM DE SEGURANÇA XRX07-001 XEROX Boletim de Segurnç XRX07-001 Há vulnerbiliddes n ESS/Controldor de Rede que, se forem explords, podem permitir execução remot de softwre rbitrário, flsificção

Leia mais

14. Geradores de Vapor

14. Geradores de Vapor 14. Gerdores de Vpor 14.1. Introdução Equipmento destindo à produção de por. O por gerdo pode ser utilizdo pr diersos fins: quecimento, processos industriis, como fluido de trblho em máquins motors. Pr

Leia mais

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação

Manual de instalação. Aquecedor de reserva de monobloco de baixa temperatura Daikin Altherma EKMBUHCA3V3 EKMBUHCA9W1. Manual de instalação Aquecedor de reserv de monoloco de ix tempertur Dikin EKMBUHCAV EKMBUHCA9W Portugues Índice Índice Acerc d documentção. Acerc deste documento... Acerc d cix. Aquecedor de reserv..... Pr retirr os cessórios

Leia mais

Conversão de Energia I

Conversão de Energia I Deprtmento de ngenhri létric Aul 5.3 Gerdores de Corrente Contínu Prof. Clodomiro Unsihuy Vil Bibliogrfi FITZGRALD, A.., KINGSLY Jr. C. UMANS, S. D. Máquins létrics: com Introdução à letrônic De Potênci.

Leia mais

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário

Transporte de solvente através de membranas: estado estacionário Trnsporte de solvente trvés de membrns: estdo estcionário Estudos experimentis mostrm que o fluxo de solvente (águ) em respost pressão hidráulic, em um meio homogêneo e poroso, é nálogo o fluxo difusivo

Leia mais

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto

Algoritmos de Busca de Palavras em Texto Revisdo 08Nov12 A busc de pdrões dentro de um conjunto de informções tem um grnde plicção em computção. São muits s vrições deste problem, desde procurr determinds plvrs ou sentençs em um texto té procurr

Leia mais

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico

Ondulada Brasilit. Catálogo Técnico Onduld Brsilit Ctálogo Técnico TECNOLOGIA CRFS: CIMENTO REFORÇADO COM FIO SINTÉTICO. A ALTERNATIVA SEGURA DA BRASILIT PARA A SUBSTITUIÇÃO DEFINITIVA DO AMIANTO. Seguindo um tendênci mundil, e em respeito

Leia mais

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295

a a 3,88965 $140 7 9% 7 $187 7 9% a 5, 03295 Anuiddes equivlentes: $480 + $113 + $149 5 9% 5 VPL A (1, 09) $56, 37 A 5 9% 3,88965 5 9% 5 9% AE = = = = $14, 49 = 3,88965 AE B $140 $620 + $120 + 7 9% 7 VPL B (1, 09) $60, 54 = = = 5, 03295 7 9% 7 9%

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA Pró-Reitoria Acadêmica Setor de Pesquisa FORMULÁRIO PARA INSCRIÇÃO DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Coordenção/Colegido o(s) qul(is) será vinculdo: Engenhris Curso (s) : Engenhris Nome do projeto: MtLb Aplicdo n Resolução de Sistems Lineres.

Leia mais

Capítulo 1 Introdução à Física

Capítulo 1 Introdução à Física Vetor Pré Vestiulr Comunitário Físic 1 Cpítulo 1 Introdução à Físic Antes de começrem com os conceitos práticos d Físic, é imprescindível pr os lunos de Pré-Vestiulr estrem certificdos de que dominm os

Leia mais

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade

CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA. Lei de Velocidade CINÉTICA QUÍMICA Lei de Velocidde LEIS DE VELOCIDADE - DETERMINAÇÃO Os eperimentos em Cinétic Químic fornecem os vlores ds concentrções ds espécies em função do tempo. A lei de velocidde que govern um

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL

ESTADO DO MARANHÃO MINISTÉRIO PÚBLICO PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA a CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE MEIO AMBIENTE, URBANISMO E PATRIMÔNIO CULTURAL 1 N O T A T É C N I C A N º. 0 0 3 / 2 0 0 7 Análise ds demnds identificds ns udiêncis públics do Plnejmento Estrtégico. Construção de plnejmento. 1 JUSTIFICATIVA Após relizção de seis udiêncis públics

Leia mais

Manual de Operações Atualização do KIT I

Manual de Operações Atualização do KIT I Mnul de Operções Atulizção do KIT I ÍNDICE ANTES DE INICIAR... 2 NOVOS RECURSOS...2 EXIBIÇÃO DO TECIDO DURANTE O ALINHAMENTO DA POSIÇÃO DO BORDADO... 3 ALTERAÇÃO DO TAMANHO DO DESENHO, MANTENDO A DENSIDADE

Leia mais

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006)

Projecções Cotadas. Luís Miguel Cotrim Mateus, Assistente (2006) 1 Projecções Cotds Luís Miguel Cotrim Mteus, Assistente (2006) 2 Nestes pontmentos não se fz o desenvolvimento exustivo de tods s mtéris, focndo-se pens lguns items. Pelo indicdo, estes pontmentos não

Leia mais

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro

TÍTULO: Métodos de Avaliação e Identificação de Riscos nos Locais de Trabalho. AUTORIA: Ricardo Pedro TÍTULO: Métodos de Avlição e Identificção de Riscos nos Locis de Trblho AUTORIA: Ricrdo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 167 (Novembro/Dezembro de 2006) 1. Enqudrmento legl A vlição e identificção de

Leia mais

D I V I S Ã O D E S O L D A S P A R A B R A S A G E M. Nossas inovações, suas soluções

D I V I S Ã O D E S O L D A S P A R A B R A S A G E M. Nossas inovações, suas soluções D I V I S Ã O D E S O L D A S P A R A B R A S A G E M Nosss inovções, sus soluções ÍICE 03 Sobre Cennbrs / O que é brsgem 04 Vntgens do processo de brsgem / Termos utilizdos nos processos de brsgem 05

Leia mais

1 Fórmulas de Newton-Cotes

1 Fórmulas de Newton-Cotes As nots de ul que se seguem são um compilção dos textos relciondos n bibliogrfi e não têm intenção de substitui o livro-texto, nem qulquer outr bibliogrfi. Integrção Numéric Exemplos de problems: ) Como

Leia mais

Cálculo III-A Módulo 8

Cálculo III-A Módulo 8 Universidde Federl Fluminense Instituto de Mtemátic e Esttístic Deprtmento de Mtemátic Aplicd álculo III-A Módulo 8 Aul 15 Integrl de Linh de mpo Vetoril Objetivo Definir integris de linh. Estudr lgums

Leia mais

USO DOMÉSTICO JET CLEAN. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso.

USO DOMÉSTICO JET CLEAN. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso. Mnul de Instruções Lvdor de Alt Pressão Residencil JET CLEAN ATENÇÃO: Lei s instruções ntes do uso. USO DOMÉSTICO SAL -Serviço de Atendimento Lvor 0800 770-2715 COMPONENTES G A N O F { F.1 F.2 F.3 C M

Leia mais

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é,

Matemática Aplicada. A Mostre que a combinação dos movimentos N e S, em qualquer ordem, é nula, isto é, Mtemátic Aplicd Considere, no espço crtesino idimensionl, os movimentos unitários N, S, L e O definidos seguir, onde (, ) R é um ponto qulquer: N(, ) (, ) S(, ) (, ) L(, ) (, ) O(, ) (, ) Considere ind

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério d Educção Universidde Tecnológic Federl do Prná Comissão Permnente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO PROJETOS ELÉTRICOS INSTRUÇÕES

Leia mais

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens

Capítulo 3. Autómatos e respectivas linguagens Cpítulo 3. Neste estudo, os utómtos serão considerdos principlmente como dispositivos de ceitção d lingugem, e respectiv estrutur intern será discutid pens n medid em que se relcione com lingugem ceite.

Leia mais

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras

Liberdade de expressão na mídia: seus prós e contras Universidde Estdul de Cmpins Fernnd Resende Serrdourd RA: 093739 Disciplin: CS101- Métodos e Técnics de Pesquis Professor: Armndo Vlente Propost de Projeto de Pesquis Liberdde de expressão n mídi: seus

Leia mais

USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso.

USO DOMÉSTICO. Manual de Instruções Lavadora de Alta Pressão Residencial. ATENÇÃO: Leia as instruções antes do uso. Mnul de Instruções Lvdor de Alt Pressão Residencil SK USO DOMÉSTICO ATENÇÃO: Lei s instruções ntes do uso. SAL -Serviço de Atendimento Lvor 0800 770-715 COMPONENTES F A M N D E { E.1 E. E.3 C K L B { L.

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia:

1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.3. CPF: 1.4. Endereço: 2.1-Razão Social: 2.2- Nome Fantasia: Cdstro de Instlções e Sistems de Armzenmento de Derivdos de Petróleo e Outros Combustíveis 1. IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO EMPREENDIMENTO: 1.1. NOME: 1.2. Doc. Identidde: Órgão Expedidor: UF: 1.3.

Leia mais

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp

b 2 = 1: (resp. R2 e ab) 8.1B Calcule a área da região delimitada pelo eixo x, pelas retas x = B; B > 0; e pelo grá co da função y = x 2 exp 8.1 Áres Plns Suponh que cert região D do plno xy sej delimitd pelo eixo x, pels rets x = e x = b e pelo grá co de um função contínu e não negtiv y = f (x) ; x b, como mostr gur 8.1. A áre d região D é

Leia mais

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág.

01. Documento comprovativo da legitimidade do requerente. Pág. a. 02. Termo de responsabilidade do técnico pela ocupação da via pública. Pág. Câmr Municipl d Amdor DAU - Deprtmento de Administrção Urbnístic OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA 20 Assunto: Ocupção d Vi Públic. MOD. 20/CMA/DAU/2004 FOLHA 00 List de Documentos (Consultr instruções em nexo)

Leia mais

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b]

, então ela é integrável em [ a, b] Interpretação geométrica: seja contínua e positiva em um intervalo [ a, b] Interl Deinid Se é um unção de, então su interl deinid é um interl restrit à vlores em um intervlo especíico, dimos, O resultdo é um número que depende pens de e, e não de Vejmos deinição: Deinição: Sej

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (II Determinntes) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Determinntes Índice 2 Determinntes 2

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ARTE DESPERTAR MARCA ARTE DESPERTAR VERSÃO PREFERENCIAL A mrc é compost pelo símbolo e pelo logotipo Arte Despertr. Ambos devem ser utilizdos n disposição

Leia mais

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama.

Cartilha Explicativa. Segurança para quem você ama. Crtilh Explictiv Segurnç pr quem você m. Bem-vindo, novo prticipnte! É com stisfção que recebemos su desão o Fmíli Previdênci, plno desenhdo pr oferecer um complementção de posentdori num modelo moderno

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plno de Trblho Docente 2014 Ensino Médio Etec Etec: PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Áre de conhecimento: Ciêncis d Nturez, Mtemátic e sus Tecnologis Componente Curriculr: FÍSICA

Leia mais

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo

a) sexto b) sétimo c) oitavo d) nono e) décimo 1 INSPER 16/06/013 Seu Pé Direito ns Melhores Fculddes 1. Nos plnos seguir, estão representds dus relções entre s vriáveis x e y: y = x e y = x, pr x 0.. Em um sequênci, o terceiro termo é igul o primeiro

Leia mais

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

I Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica USO DE UM DISPOSITIVO FACTS SVC EM SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE CONTÍNUA Lino Timóteo Conceição de Brito Aluno do Progrm de Pós-Grdução em Engenhri Elétric Unesp Buru Prof. Dr. André Christóvão Pio

Leia mais

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário.

Uma roda gigante tem 10m de raio e possui 12 assentos, igualmente espaçados, e gira no sentido horário. Questão PROVA FINAL DE MATEMÁTICA - TURMAS DO O ANO DO ENSINO MÉDIO COLÉGIO ANCHIETA-BA - OUTUBRO DE. ELABORAÇÃO: PROFESSORES OCTAMAR MARQUES E ADRIANO CARIBÉ. PROFESSORA MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um rod

Leia mais

Introdução à Programação Linear

Introdução à Programação Linear CAPÍTULO. Definição Um problem de PL consiste em determinr vlores não negtivos pr s vriáveis de decisão, de form que stisfçm s restrições imposts e que optimizem (minimizem ou mimizem) um função (rel)

Leia mais

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY

SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY SOCIEDADE EDUCACIONAL DE SANTA CATARINA INSTITUTO SUPERIOR TUPY IDENTIFICAÇÃO PLANO DE ENSINO Curso: Engenhri de Produção Período/Módulo: 6º Período Disciplin/Unidde Curriculr: Simulção de Sistems de Produção

Leia mais

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos:

Fluxo Gênico. Desvios de Hardy-Weinberg. Estimativas de Fluxo gênico podem ser feitas através de dois tipos de métodos: Desvios de Hrdy-Weinberg cslmento preferencil Mutção Recombinção Deriv Genétic Fluo gênico Fluo Gênico O modelo de Hrdy-Weinberg consider pens um únic populção miori ds espécies tem váris populções locis

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) « IFPB» Concurso Público Professor Efetivo de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico» Editl Nº 136/2011 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS (PERFIL 7) «21. Um dos principis equipmentos

Leia mais

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem*

Educação Ambiental na Comunidade Escolar no Entorno do Parque Natural Municipal do Paragem* Educção Ambientl n Comunid Escolr no Entorno do Prque Nturl Municipl do Prgem* 1 ALMEIDA, Grciel Gonçlves ; ARENDT, Krine Sles; LIRA, Elinlv Silv ; MACEDO, Gbriel Zcris; VIEIRA, An Pul. Plvrs-chve: Meio

Leia mais

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões.

ALICATES. Furo do rebite calibrado permite perfeito. sua vida útil. com alicates padrões. AICAES Mior Vid Útil do Corte Design do corte perfeiçodo e trtdo termicmente pr mior vid útil do licte. Cbo Ergonômico Cbo ntidesliznte fbricdo em duplo mteril pr mior conforto. Mior Durbilidde Fbricdo

Leia mais

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013

Ilha Solteira, 17 de janeiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Nossos prceiros Pel trnsprênci e qulidde d plicção dos recursos públicos Ilh Solteir, 17 de jneiro de 2013. OFICIO OSISA 05/2013 Ao Exmo. Sr. Alberto dos Sntos Júnior Presidente d Câmr Municipl de Ilh

Leia mais

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING

LINHA DE PRODUTOS MARINE STEEL LIFTING LINHA E PROUTOS Somos um empres especilizd n comercilizção de ferrgens pr embrcções e cessórios pr mrrção e elevção de crgs. Com o objetivo de fcilitr utilizção do nosso ctálogo, clssificmos nossos produtos

Leia mais

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210

Área de Conhecimento ARTES. Período de Execução. Matrícula. Telefone. (84) 8112-2985 / ramal: 6210 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL 01/014-PROEX/IFRN Os cmpos sombredos

Leia mais

Licenciatura em Engenharia Electrónica

Licenciatura em Engenharia Electrónica Licencitur em Engenhri Electrónic Circuitos Electrónicos Básicos Lbortório Montgens mplificdors de fonte comum, port comum e dreno comum IST2012 Objectivos Com este trblho pretendese que os lunos observem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 MISSÃO DO CURSO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: TECNOLOGIA EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL MISSÃO DO CURSO O Curso Superior de Tecnologi em Automção Industril do Centro Universitário Estácio Rdil de São Pulo tem

Leia mais