iflow Manual de Utilizador do FlowEditor iflow Manual de Utilizador do FlowEditor Versão 1.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "iflow 4.2.0 - Manual de Utilizador do FlowEditor iflow 4.2.0 Manual de Utilizador do FlowEditor Versão 1.0"

Transcrição

1 iflow Manual de Utilizador do FlowEditor Versão 1.0 Infosistema, Setembro de 2012

2 Índice de conteúdos 1 Introdução Conceitos Básicos Fluxos Blocos Funcionais Portos Tipos de Portos de Saída Blocos Como Plugins Conectores de Blocos Ligação de Blocos através de conectores Variáveis de Processo Variáveis Pré-definidas Sintaxe de Parametrização Sintaxe do tipo variável Sintaxe do tipo condição Operadores Exemplo de utilização Sintaxe do tipo expressão Exemplo de utilização Utilização do Editor Edição de Blocos Parametrizações Comuns Bibliotecas e os seus principais Blocos Biblioteca Básica Bloco Início Bloco Fim Bloco Beanshell (Tarefa) Bloco SubFluxo (Subprocesso) Bloco Condição (Gateway Exclusiva) Bloco Bifurcação (Gateway Paralela Bifurcação) Bloco Sincronização (Gateway Paralela Sincronização) Bloco Junção Exclusiva (Gateway Exclusiva Sincronização) Biblioteca Perfis Bloco Obter Info Utilizador Bloco Enviar Para Bloco Escalar Hierarquicamente Bloco Obter Superior Hierárquico Blocos Está nos Perfis Blocos Está nos Perfis e Está nos Perfis Texto Bloco Obter Info Unidade Orgânica Bloco Obter Unidade Orgânica Acima Bloco Verificar Autenticação Bloco Obter Utilizadores do Perfil Bloco Obter Perfis do Utilizador Bloco Obter Dono da Delegação Bloco Obter Substituto da Delegação Biblioteca Utils Bloco Formulário Bloco Atribuição Bloco Validações Bloco Data Bloco Importar Dados Bloco Séries Bloco Criar Documento Biblioteca Processo Bloco Abrir Processo Bloco Pesquisa Processo Muda Processo... Infosistema 2

3 Bloco Muda Processo com Utilizador Bloco Guarda em BD Bloco Limpa Erros Processo Bloco Detalhe de Processo Biblioteca Base Dados Blocos SQLSelect, SQLInsert, SQLUpdate e SQLDelete Bloco SQLBatchInsert Bloco SQLBatchUpdate Biblioteca Notificação Bloco Bloco para Perfil Bloco para Intervenientes Blocos SMS e SMS para Perfil Bloco Notificação Biblioteca Eventos Bloco NOP Bloco Evento Biblioteca WebServices Bloco Web Services Biblioteca Relatórios Bloco Relatório Biblioteca FlowDocs Bloco Obter Documento Bloco Inserir Documento Bloco Listar Documentos Bloco Listar Pastas Bloco Apagar Documento Particularidades na Definição dos Blocos Biblioteca Básica Biblioteca Perfis Biblioteca Utils Biblioteca Processo Biblioteca Base de Dados Biblioteca Notificação Biblioteca Evento Biblioteca WebServices Biblioteca Relatórios Biblioteca FlowDocs Activar um Fluxo FlowEditor iflow Anexos Gráficos Pie Chart Bar Chart e Stacked Chart Índice de ilustrações Ilustração 1: Alguns Blocos do Editor... 9 Ilustração 19: Exemplo do uso do bloco Beanshell Ilustração 22: Edição de Atributos do bloco SubFluxo (parte 1) Ilustração 23: Edição de Atributos do bloco SubFluxo (parte 2) Ilustração 24: Edição de Atributos do bloco SubFluxo (parte 3) Ilustração 4: Edição de Atributos do bloco Condição Ilustração 21: Edição de Atributos do bloco Sincronização Ilustração 7: Edição de Atributos do bloco Obter Info Utilizador Ilustração 8: Edição de atributos por Utilizador Ilustração 9: Edição de atributos por Perfil... Infosistema 3

4 Ilustração 10: Edição de atributos por Perfil Texto Ilustração 11: Obter Superior Hierárquico Ilustração 12: Edição de Atributos do bloco Está nos Perfis Ilustração 13: Edição de Atributos do bloco Está nos Perfis Texto Ilustração 14: Edição de Atributos do bloco Verificar Autenticação Ilustração 15: Edição de Atributos do bloco Obter Utilizadores do Perfil Ilustração 16: Edição de Atributos do bloco Obter Perfis do Utilizador Ilustração 17: Edição de Atributos do bloco Obter Dono da Delegação Ilustração 18: Edição de Atributos do bloco Obter Substituto da Delegação Ilustração 5: Bloco Formulário Ilustração 6: Lista de Selecção Ilustração 2: Atribuição de variáveis Ilustração 3: Validações Ilustração 20: Edição de Atributos do bloco Data Ilustração 25: Edição de Atributos do bloco Importar Dados Ilustração 26: Edição de Atributos do bloco Séries Ilustração 27: Edição de Atributos do bloco Criar Documento Ilustração 28: Edição de Atributos do bloco Abrir Processo Ilustração 29: Edição (tipo 1) de Atributos do bloco Pesquisa de Processo Ilustração 30: Edição (tipo 2) de Atributos do bloco Pesquisa de Processo Ilustração 31: Edição de Atributos do bloco Muda Processo Ilustração 32: Edição de Atributos do bloco Muda Processo com Utilizador Ilustração 33: Edição de Atributos do bloco Detalhe de Processo Ilustração 34: Edição de Atributos do bloco SQLSelect Ilustração 35: Edição de Atributos do bloco SQLInsert Ilustração 36: Edição de Atributos do bloco SQLUpdate Ilustração 37: Edição de Atributos do bloco SQLDelete Ilustração 38: Edição de Atributos do bloco SQLBatchInsert Ilustração 39: Edição de Atributos do bloco SQLBatchUpdate Ilustração 40: Edição de Atributos do bloco (mensagem) Ilustração 41: Edição de Atributos do bloco (template) Ilustração 42: Edição de Atributos do bloco (parte 1) Ilustração 43: Edição de Atributos do bloco (parte 2) Ilustração 44: Edição de Atributos do bloco para Intervenientes Ilustração 45: Edição de Atributos do bloco SMS para Perfil Ilustração 46: Edição de Atributos do bloco SMS para Perfil Ilustração 47: Edição de Atributos do bloco Notificação Ilustração 48: Edição de Atributos do bloco NOP Ilustração 49: Edição de Atributos do bloco Evento Ilustração 50: Edição de Atributos do bloco WebServices (Propriedades) Ilustração 51: Edição de Atributos do bloco WebService (Mapeamento Input) Ilustração 52: Edição de Atributos do bloco WebService (Mapeamento Output) Ilustração 53: Edição de Atributos do bloco Report Ilustração 54: Edição de Atributos do bloco Obter Documento Ilustração 55: Edição de Atributos do bloco Inserir Documento Ilustração 56: Edição de Atributos do bloco Listar Documentos (parte 1) Ilustração 57: Edição de Atributos do bloco Listar Documentos (parte 2) Ilustração 58: Edição de Atributos do bloco Listar Pastas (parte 1) Ilustração 59: Edição de Atributos do bloco Listar Pastas (parte 2) Ilustração 60: Edição de Atributos do bloco Apagar Documento Ilustração 61: Envio de Fluxo Ilustração 62: Download de Fluxo Ilustração 63: Área de Administração do iflow Ilustração 64: Inicialização das variáveis para o gráfico do tipo Pie Ilustração 65: Edição de atributos do campo Gráfico para o tipo Pie Ilustração 66: Exemplo de Pie Chart Ilustração 67: Inicialização das variáveis para o gráfico do tipo Bar Ilustração 68: Edição de atributos do campo Gráfico para o tipo Bar Ilustração 69: Bar Chart Ilustração 70: Stacked Chart... Infosistema 4

5 1 Introdução O FlowEditor é a ferramenta associada ao iflow que permite criar e editar os fluxos de processo. Um fluxo é composto por um conjunto de blocos funcionais, interligados entre si, no qual os dados do processo circulam e são processados. Este documento é um manual de utilizador do FlowEditor, com o objectivo de apoiar o utilizador na construção e manutenção de fluxos iflow. 2 Conceitos Básicos Para se utilizar o FlowEditor é necessário dominar alguns conceitos básicos da sua utilização, que serão descritos seguidamente. 2.1 Fluxos Um fluxo é uma sequência de blocos funcionais organizados para executar as tarefas de um processo. Um fluxo é o desenho de um processo. No editor compõem-se os fluxos que serão executados (instanciados em processos) no iflow. 2.2 Blocos Funcionais Um bloco funcional é a representação de uma funcionalidade que será executada quando o processo passar pelo estado que lhe corresponde. Os blocos podem ter ou não interacção com o utilizador, ou seja, corresponder a tarefas manuais ou automáticas. Um exemplo de um bloco com interacção é o Bloco Formulário e um exemplo de um bloco sem interacção é o Bloco Notificação. Os blocos podem ser entendidos como estados de uma máquina de estados. Os blocos são caracterizados por um conjunto de parametrizações, uma funcionalidade intrínseca e um conjunto de portos de entrada, saída ou evento Portos Os portos podem são de 3 grandes tipos distintos: Entrada o porto de entrada é o ponto onde o processo transita para o bloco dando início ao seu processamento; Saída um porto de saída serve como ponto de transição de um bloco para o bloco seguinte no fluxo ou estado seguinte na máquina de estados quando aquele termina o processamento; Evento associado a um conjunto restrito de blocos, um porto evento é um porto que serve para alterar o fluxo normal de um processo pela ligação a um bloco evento. Quando o evento do bloco é despoletado, o fluxo é desviado por esse porto, em vez de utilizar a saída normal; Normalmente os blocos têm um porto de entrada, um ou nenhum porto de evento e um ou mais portos de saída, que dependem do resultado da execução do bloco. Existem excepções a estas regras que são explicadas mais adiante no documento. Os portos de entrada estão sempre do lado esquerdo dos blocos, os portos de saída do lado direito e os portos de evento em baixo (na verdade podem ser definidos blocos com outra configuração, mas a Infosistema 5

6 prática é utilizar a regra definida, como é o caso em todos os blocos das bibliotecas base entregues com o iflow) Tipos de Portos de Saída Existem vários tipos de blocos se saída que podem coexistir num determinado bloco. Os três tipos de saída mais típicos são: Porto de Saída Normal - porto por onde sai o processo quando a execução do bloco termina como esperada. Num processo a funcionar normalmente será o tipo de portos mais activados; Porto de Saída Vazia em alguns blocos como por exemplo o SQL Select ou o Escalar Hierarquicamente há situações que se pretendem distinguir como excepções, mas que não são erro. No primeiro caso temos por exemplo uma query que não retorna resultados e no segundo o caso em que o utilizador já está no topo da hierarquia. Nestes blocos existe uma saída vazia, para indicar estas situações; Porto de Saída de Erro quando a execução de um bloco não ocorre como esperado por motivo de erro interno, ou porque foi mal parametrizado, ou porque não foi possível estabelecer algum tipo de ligação externa, como por exemplo a uma base de dados, ou por qualquer outro motivo, a saída de um bloco dá-se pelo porto de saída de erro; A distribuição dos portos de saída nos blocos varia, mas há uma regra que é utilizada de forma genérica, a saber: Nos blocos com 1 porto de saída, a saída é a normal; Nos blocos com 2 portos de saída: o o A primeira é a normal e a segunda de erro (caso mais comum); Ou a primeira e a segunda são normais alternativas (caso do Bloco Condição); Nos blocos com 3 portos de saída: o o A primeira é normal, a segunda vazia e a terceira de erro (caso mais comum); Ou as duas primeiras são normais e a terceira de erro (caso do Bloco Bifurcação); Blocos Como Plugins Os blocos são plugins do FlowEditor, ou seja, é possível acrescentar novos blocos desenvolvidos com base na API iflowblocks e carregados no repositório da aplicação. O desenvolvimento de blocos é uma funcionalidade avançada que está fora do âmbito deste documento. 2.3 Conectores de Blocos Os blocos interligam-se através de conectores. Na lógica do iflow, os conectores não têm estado nem propriedades, apenas servindo para indicar o caminho a seguir pelo processo entre os blocos. Um conector liga sempre um porto de saída de um bloco a um porto de entrada de outro bloco ou um porto de evento a um bloco Evento (neste caso o conector é indicado a tracejado para se distinguir dos conectores ditos normais) Ligação de Blocos através de conectores Para ligar um bloco a outro basta simplesmente pressionar o botão esquerdo do rato em cima de um porto de saída ou evento de um bloco, arrastar o rato e largar em cima de um porto de Infosistema 6

7 2.4 Variáveis de Processo Um processo é caracterizado por um estado, representado em cada momento pelo bloco em execução e pelos dados que o compõe. No iflow, aos dados de processo dá-se o nome de variáveis. Cada variável representa um pedaço de informação do processo. Existem variáveis de vários tipos como texto, numéricas ou documentos, cada um dos tipos com as suas características. As variáveis de processo são declaradas e configuradas no Catálogo de Variáveis que existe no bloco Início, disponível em todos os fluxos Variáveis Pré-definidas Existe um conjunto de variáveis pré-definidas que estão disponíveis no catálogo assim que um fluxo é criado. Estas variáveis podem ser utilizadas em conjunto com as que forem definidas pelo utilizador, com a única distinção que não podem ser removidas nem alteradas. 2.5 Sintaxe de Parametrização Um dos conceitos mais importantes no desenho de fluxos para o iflow é o tipo de sintaxe que deve ser utilizada na parametrização dos blocos, nomeadamente nos campos de preenchimento livre. Os campos de preenchimento livre, na maioria dos casos comportam um conjunto limitado de tipos de conteúdo, discriminados da seguinte forma: Variável Nos campos do editor de formulários ou no Bloco Cópia, por exemplo, há campos cujo conteúdo deve ser simplesmente uma variável do processo, necessariamente definida no catálogo de variáveis; Texto Alguns campos deverão ser preenchidos com texto que será apresentado tal e qual for escrito. São exemplos o campo cabeçalho no formulário ou o nome de uma coluna nas tabelas do formulário; Condição Os campos condição são campos cujo conteúdo deve ser uma expressão que se avalia como verdadeira ou falsa; Expressão O tipo expressão permite a utilização de texto, variáveis e até condições na sua construção, cujo resultado deve ser um texto dinâmico, por substituição das variáveis e condições na execução. Este é de longe o tipo mais comum na parametrização de blocos do editor. Em caso de não ser expressa ou óbvia a utilização de outro tipo, este deve ser considerado; Os tipos: variável, condição e expressão têm uma sintaxe própria Sintaxe do tipo variável As variáveis são sempre referenciadas pelo nome que está no catálogo. Existe apenas uma situação especial, que são os tipos Lista. Neste caso há situações em que se pretende a utilização de toda a lista, como no caso das colunas nas tabelas, mas há situações em que se pretende aceder a um elemento da lista. Neste caso devem ser utilizados parênteses rectos [ e ] com indicação da posição na lista, que começa em 0. Por exemplo, se existir uma variável do tipo TextArray com o nome lista_de_nomes e pretendermos aceder à 3ª posição na lista a sintaxe é: lista_de_nomes[2] O valor obtido é sempre do tipo simples equivalente, neste caso, Infosistema 7

8 2.5.2 Sintaxe do tipo condição A sintaxe do tipo condição é a de uma expressão booleana Java. A sua utilização normal apenas exige um conhecimento básico que permita comparar valores. Nos tipos numéricos a comparação faz-se usando os operadores == ou!=, para testar a igualdade ou diferença respectivamente ou os operadores >, <, >= ou <= para comparações relativas. Nos tipos texto a comparação é feita através do método equals que é utilizado no Java para comparar objectos do tipo String (textos), da seguinte forma: botao_accao.equals( activar ) Nesta expressão compara-se o valor da variável do tipo Text botao_accao com o texto activar (a utilização de aspas indica que o que está a ser comparado é um texto literal e não uma variável). Se o valor ou conteúdo for activar então o resultado é verdadeiro. As expressões podem ser combinadas em expressões lógicas mais complexas através de uso de operadores Operadores São nornalmente usados os operadores:! para indicar a negação da condição que se segue; - para executar um ou lógico entre duas condições; && - para executar um e lógico entre duas condições; No agrupamento de várias condições utilizam-se os parênteses ( e ) como numa expressão lógica normal Exemplo de utilização Num exemplo prático de utilização em que existem as variáveis nome e botao_accao do tipo Text e a variável quantidade do tipo Integer, e pretendemos uma condição que verifique que a variável botao_accao tem o valor activar, a variável nome não tem o valor Desconhecido e a variável quantidade tem um valor superior a 20, podemos usar a expressão: botao_accao.equals( activar ) &&!nome.equals( Desconhecido ) && quantidade > Sintaxe do tipo expressão As expressões de texto têm uma sintaxe própria baseada no Java. Uma expressão, no contexto do FlowEditor, é um texto associado a variáveis cuja substituição em tempo de execução produz um resultado específico. A combinação de texto e variáveis utiliza expressões de texto delimitadas por aspas, variáveis representadas pelo seu nome e o operador de concatenação +, à semelhança da sintaxe Java para concatenação de Strings Exemplo de utilização Num exemplo prático de utilização em que existe a variável nome e pretendemos criar como resultado o texto: O nome do cliente é seguido do valor de nome, deve ser usada a expressão: O nome do cliente é + Infosistema 8

9 3 Utilização do Editor 3.1 Edição de Blocos A edição de blocos faz-se por duplo clique do rato em cima do bloco. Esta acção abre para cada bloco um editor de parametrização específico ao tipo de bloco. Através de um menu contextual, pressionando com o botão direito do rato há ainda as opções de alterar o nome do bloco (nome de apresentação no editor), remover o bloco, duplicar o bloco ou copiar para outro fluxo Parametrizações Comuns Grande parte dos blocos tem no topo dois campos para preenchimento livre: Descrição; Descrição do Resultado; Ambos os campos podem ser preenchidos (opcional mas recomendado) com expressões para geração de um texto dinâmico. O texto do campo Descrição será usado para apresentação do estado actual do processo na interface do iflow, como por exemplo na gestão de tarefas pendentes ou na pesquisa. A utilização de expressões dinâmicas permite apresentar em formato texto dados relevantes do processo para quem vê as listagens, como por exemplo o nome de um cliente, ou um número de contribuinte. O texto do campo Descrição do Resultado será usado no histórico do processo. A utilização de informação relevante permite ter mais informação na consulta de histórico. 4 Bibliotecas e os seus principais Blocos Para utilizar o FlowEditor é essencial uma boa compreensão do funcionamento dos blocos funcionais. Os blocos estão agrupados em bibliotecas de acordo com as suas características. Na Ilustração 1: Alguns Blocos do Editor estão representados os principais blocos disponíveis. Ilustração 1: Alguns Blocos do Editor 4.1 Biblioteca Básica Na biblioteca básica agrupa-se o conjunto de blocos das funcionalidades básicas, tipicamente os mais usados num fluxo, desde os blocos de inicio e fim do fluxo, aos blocos para introdução de dados e validação dos mesmos, passando pelos blocos lógicos Bloco Infosistema 9

10 O Bloco Início é o bloco no qual todos os processos se iniciam. Nele é possível criar propriedades e variáveis do fluxo. Este bloco é especial no sentido em que apenas pode existir um em cada fluxo e a sua parametrização é a parametrização de todo o fluxo. Catálogo de Variáveis: no Catálogo de Variáveis é possível definir novas variáveis para utilizar ao longo do ciclo de vida do fluxo, sendo definidas por: designação, valor inicial, tipo de dados, pesquisável, nome público e formato. A declaração das variáveis é obrigatória no catálogo antes de poderem ser utilizadas, sob pena de ocorrerem erros na execução dos processos. O catálogo apresenta também variáveis de sistema com potencial utilidade para o desenvolvimento dos fluxos (estas variáveis não podem ser removidas), tais como o identificador do utilizador que se encontra a executar o processo, o seu nome, o identificador do fluxo em execução, o identificador do processo, o número do processo, entre outras. As variáveis podem ser do tipo: Text, Integer, Float, Date, TextArray, IntegerArray, FloatArray, DateArray e Document. O valor inicial é dependente do tipo configurado. As variáveis podem ser inicializadas no catálogo. Propriedades Fluxo: configuráveis a posteriori na aplicação iflow (área de Administração), que podem ser utilizadas nos diversos blocos. Estas propriedades podem ser simples (par propriedade/valor), funcionando na prática como uma variável do processo, ou listas. A grande diferença entre as propriedades e as variáveis é que as propriedades são inicializadas com os valores configurados na plataforma/instalação (run-time), ao passo que as variáveis são inicializadas com valores definidos no fluxo (design-time), o que permite executar o mesmo fluxo em duas instalações distintas com valores diferentes para as suas propriedades; Início Mail: permite configurar o mapeamento dos atributos presentes no para inicio automático de processos (a configuração é efectuada nas propriedades dos fluxos); Detalhe: permite configurar se o fluxo tem detalhe e qual o nível de detalhe pretendido: default, em que o detalhe consiste na apresentação das variáveis com nome público configurado no catálogo e formulário, em que o detalhe é totalmente parametrizado através de um formulário dedicado. Em tempo de execução, o detalhe de um processo pode ser consultado através das pesquisas ou da utilização do bloco Detalhe de Processo. De referir que, sendo este o ponto de partida para cada fluxo, só poderá existir um bloco inicio e este já está presente quando se cria um novo processo. O Bloco Início não tem portos de entrada. Bloco Início tem apenas uma saída que corresponde ao início do fluxo Bloco Infosistema 10

11 O Bloco Fim serve para terminar o processo. Ao contrário do Bloco Início, pode existir mais que um Bloco Fim. É possível configurar a mensagem (expressão) a apresentar ao utilizador quando o processo termina. O Bloco Fim tem uma entrada normal. O Bloco Fim não tem saídas. Ao terminar o seu processamento o processo termina Bloco Beanshell (Tarefa) O bloco BeanShell representa uma tarefa e permite efectuar processamento de código Java arbitrário sobre o processo, usando uma biblioteca ligeiramente alterada da biblioteca BeanShell (http://www.beanshell.org). Neste bloco, a única configuração necessária corresponde ao código Java que se pretende executar. De notar que as variáveis de processo definidas no catálogo devem ter o prefixo _, ou seja, se se pretender usar a variável do processo telefone no código deste bloco, devese utilizar _telefone. Para variáveis definidas apenas no âmbito do bloco não é necessário o uso do mesmo prefixo. O tipo da variável na execução do beanshell é o tipo definido no catálogo no bloco Início (por exemplo, java.util.date para variáveis do tipo Date, java.lang.string para variáveis do tipo Text, java.lang.string[] para variáveis do tipo TextArray, pt.iflow.connector.document[] para variáveis do tipos Document, etc). Relativamente ao tipo Document, existente só no iflow, existe a seguinte interface que pode ser utilizada para obter informação de um documento: public int getdocid(); public String getfilename(); byte[] getcontent(); Ilustração 2: Exemplo do uso do bloco Infosistema 11

12 O Bloco BeanShell tem uma entrada normal. O Bloco BeanShell tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Bloco SubFluxo (Subprocesso) O bloco SubFluxo permite executar um novo e diferente fluxo dentro do fluxo actual, permitindo também mapear variáveis do fluxo principal para o novo fluxo (subfluxo). No fim do subfluxo, o focus retorna ao fluxo principal ou não, dependendo da configuração efectuada ao bloco. Existe também a possibilidade de no fim do subfluxo as variáveis do mesmo serem mapeadas para variáveis do fluxo principal. Ilustração 3: Edição de Atributos do bloco SubFluxo (parte 1) A configuração deste fluxo passa pela edição de 3 quadros distintos. No primeiro quadro (Ilustração 3: Edição de Atributos do bloco SubFluxo (parte 1)) é necessário definir qual o subfluxo que se pretende instanciar, se se pretende manter no fim do mesmo as actividades do fluxo original e se pretende bifurcar o processo, passando assim a existir dois processos distintos, um que executa o fluxo principal, outro que executa o subfluxo. No segundo quadro (Ilustração 4: Edição de Atributos do bloco SubFluxo (parte 2)) são definidas as variáveis que irão ser mapeadas do fluxo principal para o subfluxo, a 1ª coluna com as variáveis do fluxo principal a mapear e na segunda coluna as variáveis do subfluxo correspondentes. Finalmente, no terceiro quadro (Ilustração 5: Edição de Atributos do bloco SubFluxo (parte 3)) são definidas as variáveis que irão ser mapeadas do subfluxo para o subfluxo principal, a 1ª coluna com as variáveis do fluxo principal que irão receber os valores e na segunda coluna as variáveis do subfluxo Infosistema 12

13 Ilustração 4: Edição de Atributos do bloco SubFluxo (parte 2) Ilustração 5: Edição de Atributos do bloco SubFluxo (parte 3) O Bloco SubFluxo tem uma entrada normal. O Bloco SubFluxo tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do Infosistema 13

14 Bloco Condição (Gateway Exclusiva) O Bloco Condição permite validar uma condição (a colocar no campo Valor ) e com base num resultado verdadeiro ou falso optar por uma das saídas, seguindo por um ramo diferente do fluxo. É de certa forma similar ao de Validações, na medida em que também se configura uma condição e a sua avaliação decide o caminho a seguir. Ilustração 6: Edição de Atributos do bloco Condição O Bloco Condição tem uma entrada normal. O Bloco Condição tem duas saídas: a primeira é a saída Verdadeiro e a segunda a saída Falso. Se a condição tiver como resultado Verdadeiro o processo segue pelo porto Verdadeiro ; caso contrário, sai pelo porto inferior Falso. O bloco Condição é tipicamente utilizado para escolher ramos distintos do fluxo baseados em avaliação de dados do processo, como por exemplo a avaliação do tipo de processo ou documento Bloco Bifurcação (Gateway Paralela Bifurcação) O bloco Bifurcação permite bifurcar o processo actual em dois sub-processos, permitindo a execução paralela de actividades. Não tem qualquer parametrização. Quando o processo se separa em dois sub-processos paralelos são criados dois conjuntos distintos de dados, que poderão ser e normalmente são diferentes. Em cada ramo serão apresentados e Infosistema 14

15 os dados que lhe correspondem. O Bloco Bifurcação tem uma entrada normal. O Bloco Bifurcação tem três saídas: as duas primeiras são as saídas paralelas, uma para cada subprocesso e a terceira é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Bloco Sincronização (Gateway Paralela Sincronização) O Bloco Sincronização serve para juntar num só, dois ramos de sub-processos distintos. Na sincronização o utilizador deve parametrizar neste bloco de que modo a sincronização se faz. No DataSet Principal define-se qual o conjunto de dados primário, ou seja, qual o sub-processo principal. No Tipo de agendamento define-se em que utilizadores deve ser agendado o processo, considerando agendamentos diferentes nos dois ramos. Em baixo indicam-se quais as variáveis importantes do sub-processo secundário, ou seja, quais devem ser incorporadas e consideradas no processo principal (eventualmente neste terão valores diferentes adquiridos num ramo paralelo diferente). Ilustração 7: Edição de Atributos do bloco Sincronização O Bloco Sincronização tem duas entradas, às quais devem ser ligados os ramos dos sub-processos criados com a Infosistema 15

16 O Bloco Sincronização tem apenas uma saída, que é a do processo após junção dos dois ramos Bloco Junção Exclusiva (Gateway Exclusiva Sincronização) No bloco Junção Exclusiva ligam-se dois ramos de sub-processos diferentes. Com este bloco a junção de sub-processos não se faz. O primeiro a chegar ao bloco segue como processo principal enquanto o outro ramo é descartado. Utiliza-se quando há caminhos paralelos alternativos para o mesmo objectivo. O Bloco Junção Exclusiva tem duas entradas, às quais devem ser ligados os ramos dos sub-processos criados com a Bifurcação. O Bloco Junção Exclusiva tem apenas uma saída, que é a do processo que continua de um dos subprocessos. 4.2 Biblioteca Perfis Conjunto de blocos de acesso à informação de utilizadores, perfis e estruturas organizacionais, de forma transparente ao utilizador que modela o processo (o utilizador não necessita saber se a gestão de utilizadores é feita em base de dados, LDAP ou AD) e ainda de blocos para encaminhamento de processos para um ou vários utilizadores ou para o superior hierárquico Bloco Obter Info Utilizador Neste bloco é possível configurar a variável com o utilizador para o qual se vai obter dados e efectuar o mapeamento entre a informação disponível e as variáveis do processo que irão guardar esses dados (na coluna Value ), como se ilustra na Ilustração 8: Edição de Atributos do bloco Obter Info Utilizador (não definindo variável para dados que não sejam necessários ou que não se pretendam obter). A coluna de Input define qual a variável usada pelo bloco para servir de chave de Infosistema 16

17 Ilustração 8: Edição de Atributos do bloco Obter Info Utilizador O Bloco Obter Info Utilizador tem uma entrada normal. O Bloco Obter Info Utilizador tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada quando não é possível obter informação do utilizador por erro ou má configuração Bloco Enviar Para O bloco Enviar Para serve para fazer o reencaminhamento do processo para um utilizador ou utilizadores das seguintes formas (seleccionadas no Tipo): Por username específico - Neste caso o campo Utilizador deve ser preenchido com um nome (ID) de utilizador válido (Ilustração 9: Edição de atributos por Utilizador). Por perfil - para um perfil (grupo de utilizadores com uma determinada característica) seleccionado de uma lista dos existentes (Ilustração 10: Edição de atributos por Perfil) ; Por perfil dinâmico - perfil definido em texto (neste caso o valor do perfil é expressão e é útil para quando o perfil destino é dinâmico e definido ao longo do processo) e não por selecção (Ilustração 11: Edição de atributos por Perfil Infosistema 17

18 Ilustração 9: Edição de atributos por Utilizador Ilustração 10: Edição de atributos por Perfil Ilustração 11: Edição de atributos por Perfil Texto O Bloco Enviar Para tem uma entrada normal. O Bloco Enviar Para tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada quando não é possível encaminhar o processo para o utilizador ou Infosistema 18

19 (perfil) seleccionados Bloco Escalar Hierarquicamente O bloco Escalar Hierarquicamente serve para fazer o reencaminhamento do processo para o superior hierárquico do utilizador detentor do processo (não é configurável) e funciona da mesma forma que o Enviar Para. O Bloco Escalar Hierarquicamente tem uma entrada normal. O Bloco Escalar Hierarquicamente tem três saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída vazia e a terceira é a saída de erro. A saída vazia é utilizada quando o utilizador não tem superior hierárquico definido. A saída de erro é utilizada quando não é possível encaminhar o processo para o superior apesar de este existir Bloco Obter Superior Hierárquico O bloco Obter Superior Hierárquico permite obter o ID de utilizador do superior hierárquico para o utilizador configurado (no atributo User, coluna Valor, através de uma variável de processo) para a variável configurada no atributo UserUpVarName. Caso sejam necessários mais dados sobre o(s) superior(es) hierárquico(s), deverá conjugar-se este bloco com o bloco Obter Info Utilizador já descrito Infosistema 19

20 Ilustração 12: Obter Superior Hierárquico Na figura, a parametrização apresentada atribui à variável userup o ID de utilizador do superior hierárquico do utilizador indicado por userid. O Bloco Obter Superior Hierárquico tem uma entrada normal. O Bloco Obter Superior Hierárquico tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada quando não é possível obter informação sobre o superior do utilizador configurado Blocos Está nos Perfis Este bloco permite verificar se o utilizador que executa o processo tem um determinado perfil. Essa verificação só será analisada caso a condição expressa em cada uma das linhas se verifique (nas ilustrações, ao especificar true na condição, o teste ao perfil é sempre executado). Esta condição pode ser útil se se pretender verificar o perfil mediante algumas condições decorrentes do próprio processo. O perfil a testar em cada linha é seleccionado recorrendo a uma lista de selecção com os perfis existentes. O bloco suporta diversos testes de perfil que são todos avaliados. A mensagem de erro fica associada ao processo e será apresentada no próximo formulário em que o processo Infosistema 20

21 Ilustração 13: Edição de Atributos do bloco Está nos Perfis O Bloco Está nos Perfis tem uma entrada normal. O Bloco Está nos Perfis tem duas saídas: a primeira saída é a saída Verdadeiro, a segunda é a saída Falso. A saída de Verdadeiro é utilizada quando o utilizador está num dos perfis listados. A saída de Falso é utilizada quando o utilizador não está em nenhum dos perfis listados ou ocorre um erro interno do bloco Blocos Está nos Perfis e Está nos Perfis Texto A única diferença para o bloco Está nos Perfis consiste na configuração do campo Perfil, que é de preenchimento manual no caso do Está nos Perfis Texto (avaliado como uma expressão). A janela de edição para uma regra de exemplo encontra-se ilustrada na Ilustração 14: Edição de Atributos do bloco Está nos Perfis Texto. Ilustração 14: Edição de Atributos do bloco Está nos Perfis Infosistema 21

22 O Bloco Está nos Perfis Texto tem uma entrada normal. O Bloco Está nos Perfis Texto tem duas saídas: a primeira saída é a saída Verdadeiro, a segunda é a saída Falso. A saída de Verdadeiro é utilizada quando o utilizador está num dos perfis listados. A saída de Falso é utilizada quando o utilizador não está em nenhum dos perfis listados ou ocorre um erro interno do bloco Bloco Obter Info Unidade Orgânica O bloco Obter Info Unidade Orgânica obtém dados de uma dada Unidade Organizacional. O seu funcionamento é similar ao bloco Obter Info Utilizador descrito anteriormente, variando apenas o tipo de dados disponível já que se trata de unidades organizacionais e não utilizadores. O Obter Info Unidade Orgânica tem uma entrada normal. O Bloco Obter Info Unidade Orgânica tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada quando não é possível obter informação da unidade orgânica por erro ou má configuração Bloco Obter Unidade Orgânica Acima O bloco Obter Unidade Orgânica Acima obtém o mesmo tipo de dados que o bloco Obter Info Unidade Orgânica, mas para a unidade organizacional superior (em termos hierárquicos) à qual o utilizador actual do processo se Infosistema 22

23 O Obter Info Unidade Orgânica Acima tem uma entrada normal. O Bloco Obter Info Unidade Orgânica Acima tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada quando não é possível obter informação da unidade orgânica por erro ou má configuração Bloco Verificar Autenticação O bloco Verificar Autenticação é utilizado para autenticar um utilizador no decorrer de um processo, podendo ser qualquer utilizador, não apenas o que está activo no momento. O bloco é parametrizado com duas variáveis, em que uma deverá conter um ID de utilizador e a outra uma palavra passe, inserida num formulário, por exemplo, conforme Ilustração 15: Edição de Atributos do bloco Verificar Autenticação. Ilustração 15: Edição de Atributos do bloco Verificar Autenticação Entre utilizações possíveis estão o reforço de segurança num passo sensível de um processo, em que é necessário garantir que quem submete é realmente quem está a ver a informação, ou por exemplo, quando se faz uma acta em que todos os participantes devem assinar (neste caso a password deverá servir em vez da assinatura). O bloco Verificar Autenticação tem uma entrada normal. O Bloco Verificar Autenticação tem duas saídas: a primeira saída é a saída Sucesso, a segunda é a saída Infosistema 23

24 A saída Sucesso é utilizada quando a autenticação com o par ID de utilizador e palavra passe dá um resultado positivo, senão é utilizada a saída Insucesso Bloco Obter Utilizadores do Perfil Este bloco é utilizado para obter informação dos utilizadores que estejam num determinado Perfil. No campo Perfil deverá ser introduzida uma variável com cujo conteúdo é o nome do Perfil pretendido. Nos campos abaixo, coluna variável, deverão ser preenchidas variáveis do tipo lista de textos ( TextArray ) onde ficarão guardadas as informações dos utilizadores obtidos, um pouco à semelhança do que acontece para o bloco Obter Info Utilizador, com a diferença que neste caso são vários utilizadores. Na Ilustração 16: Edição de Atributos do bloco Obter Utilizadores do Perfil podemos ver um exemplo de configuração. Ilustração 16: Edição de Atributos do bloco Obter Utilizadores do Perfil O Bloco Obter Utilizadores do Perfil tem uma entrada normal. O Bloco Obter Utilizadores do Perfil tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do Infosistema 24

25 Bloco Obter Perfis do Utilizador Este bloco é complementar do Bloco Obter Utilizadores do Perfil permitindo obter a lista de Perfis em que o utilizador está presente. No campo ID do utilizador é introduzido o utilizador pretendido e na variável Perfis do utilizador configura-se a variável destino (que será do tipo TextArray ), como podemos visualizar na ilustração seguinte. Ilustração 17: Edição de Atributos do bloco Obter Perfis do Utilizador No caso exemplificado a variável user_profiles do tipo TextArray fica com a lista de perfis a que o utilizador representado por userid pertence. O Bloco Obter Perfis do Utilizador tem uma entrada normal. O Bloco Obter Perfis do Utilizador tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Bloco Obter Dono da Infosistema 25

26 Permite obter o dono da tarefa que foi delegada ao utilizador definido. Ilustração 18: Edição de Atributos do bloco Obter Dono da Delegação Este bloco é útil para manter o fluxo original de um processo quando por razões de delegação de tarefas um utilizador que está fora da hierarquia normal executa tarefas no processo. O Bloco Obter Dono da Delegação tem uma entrada normal. O Bloco Obter Dono da Delegação tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Bloco Obter Substituto da Delegação Complementar ao bloco Obter Dono da Delegação permite obter o utilizador a quem foi delegada uma tarefa a partir do dono original da Infosistema 26

27 Ilustração 19: Edição de Atributos do bloco Obter Substituto da Delegação O Bloco Obter Substituto da Delegação tem uma entrada normal. O Bloco Obter Substituto da Delegação tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco. 4.3 Biblioteca Utils Na biblioteca Utils encontra-se um conjunto diverso de blocos utilitários para todo o género de fluxos Bloco Formulário O Bloco Formulário serve, como o próprio nome indica, para criar formulários e é o bloco de parametrização mais complexa, com um editor próprio e distinto de outros blocos. O Bloco Formulário é o principal bloco de interacção com o utilizador. No formulário, é possível definir que campos e botões o compõe, qual a sua disposição e qual o estilo (stylesheet) a aplicar, como se pode observar na Ilustração 20: Bloco Infosistema 27

28 Ilustração 20: Bloco Formulário Na figura é apresentado o editor de formulários. Em cima estão as parametrizações do bloco que incluem: Descrição e Descrição do Resultado, comuns a vários blocos e descritas em capítulo prévio do documento; Stylesheet as stylesheets são modelos ou templates de apresentação, em formato XSLT, e servem para definir qual o aspecto da apresentação de cada formulário num browser. Numa lista são apresentadas todas as sylesheets disponíveis. Não havendo escolha é utilizada a stylesheet parametrizada para o fluxo nas propriedades do fluxo (no iflow separador Admin, opção Fluxos) e caso esta não esteja definida, a stylesheet default da organização; No editor apenas se configuram os campos, separadores e botões e a sua ordem de apresentação; Stylesheet de impressão do mesmo modo que a sylesheet de apresentação, a stylesheet de impressão é o modelo de impressão associado ao formulário, neste caso em formato FO (formatting objects) e que deverá ser pré-carregado (no iflow separador Admin). Quando for pressionado o botão Imprimir é gerado um ficheiro PDF a partir do modelo com substituição dos dados do processo.se não for escolhido um modelo, a impressão será a impressão normal do browser. Avançar quando Submeter Formulário A escolha desta opção implica que qualquer acção de subissão do formulário avança com o processo. Por exemplo uma lista de selecção com auto submissão e que normalmente apenas altera os dados do formulário mantém-se o processo no mesmo estado, com esta opção, faz avançar o processo; Lista dos campos São listados todos os campos que compõem o formulário, por ordem de apresentação, com as opções do lado direito com os botões, pela seguinte ordem: mover para cima, mover para baixo, remover, adicionar campo acima e editar. Para editar um campo pode simplesmente clicar em cima da linha que lhe corresponde; Botões em baixo estão representados os botões que irão ser apresentados aos utilizadores. Com as opções adicionar botão pode inserir-se um novo botão. Os botões podem ser movidos através das setas verdes e removidos com o botão -, ou adicionados com o botão + Infosistema 28

29 Cada campo do formulário tem também um editor próprio para a sua parametrização. Os campos disponíveis no formulário são os seguintes: Cabeçalho Permite definir um texto para um cabeçalho do formulário. Deve ser preenchido com texto simples; Sub-Cabeçalho Semelhante ao campo Cabeçalho, permite definir um texto, com a diferença de que deve ser preenchido com uma expressão de texto dinâmica; Caixa de Texto Permite criar uma caixa de texto no formulário, definindo o texto, a variável, o tipo de dados associado à variável e os comprimentos da caixa e do campo; Caixa de Password Similar à Caixa de Texto, não sendo possível definir o tipo de dados associado à variável, que por ser uma password, é texto; Tabela Permite criar uma tabela, definindo para cada coluna, o nome associado a ela, a variável, o tipo de dados associado à variável, o alinhamento na célula, algumas propriedades extra para alguns tipos de dados e ainda se é um campo de saída (disabled/readonly). A variável terá sempre de corresponder a uma lista, quer do processo, quer de propriedades do fluxo, sendo que neste último caso a variável terá de ter o Relativamente às propriedades extra, elas são importantes para os tipos de dados Check Box, Radio Button, Link e Lista de Selecção, sendo as propriedades separadas por,. Para o primeiro Check Box, é possível definir as seguintes propriedades: "textvar" com o nome da variável com o texto a atribuir (ou acrescentar) à variável com o texto associada a esta coluna. Essa variável tem o mesmo nome da variável associada à coluna acrescentada do sufixo "_text", ou seja, "<variável>_text" (em que <variável> é o nome atribuído à variável associada à coluna). Esta configuração é útil para poder mostrar os valores seleccionados num formato mais amigável num campo doutro tipo (como por exemplo, uma "Saída de Texto"); "textsep" com o separador a aplicar entre o texto de cada checkbox seleccionada na variável "<variável>_text" (em que <variável> é o nome atribuído à variável associada à coluna); "checkedvalue" com o texto a atribuir à variável "<variável>_checkedtext" (em que <variável> é o nome atribuído à variável associada à coluna). Esta configuração é útil para poder mostrar os valores seleccionados num formato mais amigável quando se está a exportar a tabela (para o formato Microsoft Excel, por exemplo) ou noutra tabela com um formato mais simples. Para o segundo tipo de dados, "Radio Button", só é possível definir as mesmas propriedades definidas no tipo "Check Box" com a excepção de "textsep", já que este tipo é exclusivo (só permite um valor seleccionado). Para o terceiro e último tipo, "Link", é possível definir as seguintes propriedades: "text" com o texto do link; "vardep<n>" (<n> indica a dependência e terá de ser não negativo) com as dependências do link. Por exemplo, se a variável associada a esta coluna for "link", existirem as Infosistema 29

30 "ardep0=flowid,vardep1=pid" e o link for seleccionado, passam a existir a variável "link_flowid" com o valor da dependência "flowid" e a variável "link_pid" com o valor da dependência "pid". Para o tipo de dados Caixa de Texto é possível definir as seguintes propriedades extra: maxlength indica o número de colunas disponíveis para escrita, por defeito a propriedade apresenta o valor 20; size indica o número de colunas disponíveis visualmente, por defeito a propriedade apresenta o valor 5; datatype o tipo de dados pode ser definido explicitamente com os tipos de dados existentes no iflow: datatype=pt.iflow.api.datatypes.text com as validações implícitas; Para o tipo de dados Lista de Selecção é necessário definir a descrição e o valor como Arrays (Listas), à semelhança do que sucede no campo Lista de Selecção definido após a descrição do campo tabela (Algumas definições são avançadas e implicam um bom conhecimento da API de desenvolvimento do iflow): descriptions definição das descrições a apresentar na lista de selecção presentes na tabela, esta propriedade é opcional, caso não seja indicada serão apresentados os valores definidos em values. Os valores serão obrigatoriamente definidos numa variável do tipo Array. values definição dos valores registados. Os valores serão obrigatoriamente definidos numa variável do tipo Array onchange Se o valor for igual a true (verdadeiro), o valor é submetido no momento da selecção. value_feeder esta propriedade permite definir valores diferentes para cada posição do Array. Para o seu correcto funcionamento basta criar uma classe Java que implemente a Interface pt.iflow.api.datatypes.formtablevaluefeeder e definir as diferentes posições. desc_feeder esta propriedade é semelhante à anterior indicando as descrições a apresentar ao utilizador, será necessário criar uma classe Java que implemente a Interface pt.iflow.api.datatypes.formtablevaluefeeder e definir as diferentes posições. Esta propriedade é opcional, no entanto se não for definida, por omissão as descrições serão idênticas ao value_feeder. É ainda possível definir, para este campo, a disponibilização do serviço de exportação, permitindo exportar os seus dados, e/ou o serviço de impressão, permitindo imprimir a tabela com a formatação com que é apresentada no formulário. Espaço Permite definir um espaço entre campos com vários tamanhos relativos; Lista de Selecção Permite definir uma lista de selecção, sendo possível definir o texto, a variável, se está disabled (campo de saída) e as várias opções. Aqui é possível definir opção a opção, ou então definir uma variável do tipo lista, (prefixando o texto com $ ) ou ainda definir uma propriedade do fluxo (prefixando ). De notar que o valor a atribuir à variável definida é o valor seleccionado pelo utilizador da coluna "Valor". No entanto, é criada uma outra variável, de seu nome "<variável>_text" (em que <variável> é o nome da variável associada à Lista de Selecção), com o valor seleccionado pelo utilizador da coluna "Texto", de modo a possuir um formato mais amigável. Na Ilustração 21: Lista de Selecção encontra-se a janela de edição do campo Lista de Selecção, onde se pode observar a definição com a designação e Infosistema 30

31 valores. Ilustração 21: Lista de Selecção Saída de Texto Permite mostrar em modo de texto o conteúdo de variáveis, sendo possível definir o texto, a variável, o tipo de dados associado à variável, oferece também a possibilidade de ocultar o campo caso da variável não possua valor. Área de Texto Permite definir uma área de texto, sendo possível definir o texto, a variável, o número de colunas e de linhas e se é um campo de saída (disabled). O tipo de dados associado é obviamente texto. Link Permite definir um link. Este poderá ser um link do processo onde se insere ou um link para fora dele. Neste campo é possível definir: o texto, a classe da CSS, o script a executar quando o link é clicado, a mensagem de Status do browser quando se passa com o rato sobre o link, o alinhamento, a condição de enable (condição Java), se o link é de processo, sendo que nesse caso é possível definir a variável e o valor para a variável (como expressão string de Java) se o link for pressionado, ao passo que se o link não for de processo é possível definir qual o URL e se se pretende abrir numa nova janela, sendo possível ainda definir neste caso, qual o nome a atribuir à janela. Mensagem de Texto Permite definir uma mensagem de texto. É similar ao cabeçalho, diferindo no facto deste campo poder ter outra formatação e no facto do texto ser uma expressão de texto;. Separador Permite definir um separador entre campos. O comportamento é semelhante ao espaço, Infosistema 31

32 uma formatação diferente. Caixa de Data Permite criar uma caixa de data no formulário, definindo o texto, a variável, o tipo de data associado à variável e a definição da data actual por default. Lista de Selecção SQL Idêntica à Lista de Selecção, com a variante que ao invés de configurar as diversas opções, configura-se a query sql a executar, sendo que essa query tem obrigatoriamente de retornar 2 colunas: em primeiro lugar o valor da opção e em segundo lugar o texto/descrição para apresentar ao utilizador. Tem que ser indicada a data source onde o bloco se deve ligar para executar a query. Lista de Selecção Conector Externo Idêntica à Lista de Selecção, com a variante dos dados serem alimentados por uma classe Java (que os poderá obter de um serviço, LDAP, etc. Este campo é de configuração avançada e implica conhecimento da API de desenvolvimento do iflow. Início de um novo Bloco Permite definir grupos de campos dentro de um formulário para aplicação de regras/comportamentos (exemplo, aplicar um condição de activação dos campos do grupo definido ou criar uma linha com colunas múltiplas); Início de uma nova coluna (mesmo bloco) Permite definir grupos de campos dentro de um bloco para aplicação de regras/comportamentos, neste caso a apresentação em múltiplas colunas. A percentagem da largura pode ser especificada no campo Largura da Coluna (em %), no entanto é conveniente que a soma dos valores de todas as colunas seja igual a 100%; Imagem Permite definir uma imagem previamente carregada, sendo possível definir o url, texto alternativo, alinhamento, comprimento, altura e a respectiva condição de disable. Ficheiro O campo ficheiro permite ao utilizador realizar várias operações sobre um ficheiro, nomeadamente download, upload e assinaturas. Tabela tamanho fixo O campo tabela de tamanho fixo permite definir uma tabela definindo célula a célula a sua constituição. Para cada célula pode ser definido também um comportamento baseado em código javascript a ser inserido na sylesheet do formulário. A sintaxe a utilizar neste campo é específica para esta utilização. A utilização é apenas recomendada a utilizadores avançados com conhecimento de programação Javascript e XSLT. Gráfico Permite a criação e visualização de gráficos com valores do processo (ver anexo Infosistema 32

33 Início de um novo TAB Container Permite definir um grupo de separadores. É sempre utilizado em conjunto com o campo Fim de um TAB Container definindo uma área onde os campos são apresentados em separadores. Entre estes dois campos apenas devem existir TAB Containers e os campos que os compõe, internamente. Fim de um TAB Container Terminador de um tab container iniciado por Início de um novo TAB Container Início de uma nova TAB Dentro de um TAB Container incializa um novo separador. Utilizado em conjunto com Fim de uma TAB define um espaço no qual todos os campos são apresentados num separador próprio, aquando da visualização do formulário num browser. Fim de uma TAB Finaliza um separador iniciado com Início de uma nova TAB. Botões O Formulário permite ainda a configuração de diversos tipos de botões: Cancelar: Permite cancelar o processo, este botão apenas é visível se o processo se encontrar em base de dados e no criador do processo. O cancelamento anula o processo que deixa de existir no servidor; Repor: Permite carregar novamente o formulário com as definições iniciais; Guardar: Permite guardar o processo em base de dados (se o processo ainda estiver em sessão força a persistência dos dados). Imprimir: Permite imprimir um documento que esteja seleccionado, este botão só é visível se o tiver seleccionado o respectivo FO de impressão. Avançar: Permite avançar para o bloco seguinte. Custom: Permite definir um botão customizado através dos campos variável, valor e condição mostrar custom. O que o botão faz quando pressionado é atribuir à variável seleccionada o valor preenchido. A variável deve ser do tipo Text e o valor é um texto livre a atribuir. À saída do formulário a variável pode ser testada verificando-se se o botão foi premido. Todos os botões apresentam ainda os atributos: Texto: Permite definir o texto a apresentar no botão; Tooltip: Definição da tooltip; Imagem: Imagem a apresentar no botão; Ignorar processamento da form: permite definir uma condição para ignorar o processamento do formulário (util quando o formulário apresenta campos obrigatórios); Confirmação em java script: permite definir uma confirmação em Javascript (utilização avançada). O Bloco Formulário tem uma entrada Infosistema 33

34 O Bloco Formulário tem duas saídas: a saída do lado direito é a saída normal. A saída em baixo é a saída Evento. Ao submeter o formulário por um dos seus botões ou links, o processo segue pelo porto de saída. Se o bloco tiver ligado um Bloco Evento na sua saída Evento o processo transita para o bloco evento sempre que este é disparado. A utilização mais comum desta funcionalidade é para garantir que um processo não permanece parado mais que um certo tempo num formulário, ligando este a um temporizador que leva o processo para outro caminho onde são normalmente feitas notificações, redistribuições ou outras acções tendentes a não deixar os tempos do processo exceder o permitido. Existem no entanto outros tipos de evento ou utilizações Bloco Atribuição O Bloco Atribuição serve para atribuir valores a variáveis do processo, definindo o nome da variável de destino na coluna Destino e o valor a ser atribuído, sendo este definido por uma expressão ou variável na coluna Origem. Na Ilustração 22: Atribuição de variáveis, ilustram-se várias situações para a configuração deste bloco. Ilustração 22: Atribuição de variáveis Podemos verificar a atribuição de três tipos de dados distintos na ilustração anterior. À variável name será atribuído o texto user1, os valores 0 e 1 serão atribuídos à variável list (tipo lista) de acordo com a posição indicada [0] e [1] e finalmente o número 100 será atribuído à variável total. As variáveis podem ainda ser igualadas a outras já existentes fornecendo essa indicação no campo de origem. O Bloco Atribuição tem uma entrada Infosistema 34

35 O Bloco Atribuição tem uma saída normal Bloco Validações O Bloco Validações efectua as validações pretendidas, associando mensagens de erro a condições, tal como se pode ver na figura seguinte. Ilustração 23: Validações Na coluna Condição são colocadas as condições, sendo as mensagens de erro uma expressão (na coluna Mensagem de Erro. No exemplo ilustrado, podemos concluir que se a variável motivo, do tipo Text tiver o valor 0, o bloco atribui o erro "Por favor seleccione um motivo." De notar que as condições são todas avaliadas, pelo que a mensagem de erro poderá ficar vazia (caso nenhuma se verifique) ou poderá ter todas as mensagens de erro (caso todas se verifiquem. O Bloco Validações tem uma entrada normal. O Bloco Validações tem duas saídas: a primeira é a saída Válido e a segunda a saída Inválido. Se nenhuma das condições de erro se verificar, o bloco sai pelo porto superior Válido ; caso contrário, sai pelo porto inferior Inválido. O bloco validações é tipicamente ligado a um Bloco Formulário para validar os dados inseridos pelo utilizador. Nesta situação a saída Válido dará seguimento ao fluxo enquanto a saída Inválido irá ser ligada novamente ao bloco de entrada de dados Infosistema 35

36 Bloco Data O bloco Data permite obter e carregar em variáveis do processo informações diversas acerca de uma data. Introduzindo uma data como input (a data actual é considerada caso não seja preenchido), é possível obter: dia (Dia), mês (Mes), mês por extenso (Nome Mes), ano (Ano), semana (Semana do Mes), inicio da semana (Primeiro Dia da Semana), fim da semana (Ultimo Dia da Semana). Na Ilustração 20 podemos verificar uma imagem exemplificativa. Ilustração 24: Edição de Atributos do bloco Data O Bloco Data tem uma entrada normal. O Bloco Data tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Bloco Importar Infosistema 36

37 O bloco Importar Dados permite importar dados para o processo a partir de uma folha de cálculo (formato Excel). Para tal é necessário configurar para cada variável a importar o nome da coluna no ficheiro Excel, o nome da variável de destino do processo e o modo de importação: Substituir se Existir ou Não Substituir se Existir. O processo de importação processa-se da seguinte maneira para cada variável definida: a aplicação procura no ficheiro Excel a coluna correspondente à variável em importação; cada linha dessa coluna é importada baseada no valor da variável no índice respectivo: se o valor da variável nesse índice estiver vazio, é importado para o processo; se o valor da variável nesse índice não estiver vazio e o modo de importação for Substituir se Existir, o valor é importado para o processo; se o valor da variável nesse índice não estiver vazio e o modo de importação for Não Substituir se Existir, o valor não é importado. A janela de edição dos atributos deste bloco encontra-se ilustrada na Ilustração 25: Edição de Atributos do bloco Importar Dados: Ilustração 25: Edição de Atributos do bloco Importar Dados O Bloco Importar Dados tem uma entrada normal. O Bloco Importar Dados tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Bloco Infosistema 37

38 Este bloco permite obter o próximo valor de uma série sequencial definida no iflow (Admin -> Séries). Para configurar o bloco deve ser indicado o nome da série (identificador único) e é ainda possível inserir um prefixo e um sufxo de formatação. O valor final é colocado na variável em Output/destination variable. Ilustração 26: Edição de Atributos do bloco Séries O Bloco Séries tem uma entrada normal. O Bloco Séries tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Bloco Criar Documento Permite a criação de um documento através de um template ou modelo previamente criado com base nas variáveis do processo. O documento gerado é em formato PDF. O bloco funciona um pouco como a impressão no Bloco Formulário, sendo que neste caso é totalmente independente da impressão. O documento gerado fica associado ao processo e pode ser tratado como qualquer outro documento inserido naquele. A variável que armazenará o documento deve ser do tipo Documento. No nome do ficheiro (expressão) coloca-se o nome que se pretende para o ficheiro Infosistema 38

39 Ilustração 27: Edição de Atributos do bloco Criar Documento O Bloco Criar Documento tem uma entrada normal. O Bloco Criar Documento tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco. 4.4 Biblioteca Processo Conjunto de blocos utilitários para manipulação, gestão e consulta de dados relativos aos processos Bloco Abrir Processo O bloco Abrir Processo permite transitar do processo actual para um novo processo. Na configuração do bloco usam-se os seguintes campos: Tipo de abertura: Importar Existente para abrir um processo existente, ou mais comummente Abrir Novo; ID do fluxo a abrir: Obrigatório, identifica o fluxo para o processo que se pretende abrir; ID do processo a abrir: ID do processo a abrir, caso exista; ID do sub-processo a abrir: ID do sub-processo a abrir, caso exista; Modo de abertura: passthru se for para ou JumpTo se for para saltar de imediato para o bloco configurado; ID do bloco a abrir: ID do bloco onde o processo abre. Se vazio abre no início e propaga-se até ao primeiro bloco de interacção (formulário ou Infosistema 39

40 Abrir em: Escolha se abre com um utilizador ou um grupo de utilizadores em quem o processo fica atribuído; Utilizador/Perfil: relacionado com a escolha anterior, especifica; Descrição abertura: descrição a considerar no primeiro estado do processo; Variáveis a importar: lista de variáveis, separadas por vírgulas, que se pretendem importar no novo processo criado; Variável para o PID criado: como o processo actual continua a existir, permite-se guardar a informação do PID do processo criado no processo actual; Ilustração 28: Edição de Atributos do bloco Abrir Processo O Bloco Abrir Processo tem uma entrada normal. O Bloco Abrir Processo tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Bloco Pesquisa Processo O bloco de Pesquisa Processo permite pesquisar e/ou obter dados de outros processos, respeitando os critérios configurados. As figuras seguintes ilustram a janela de edição de atributos deste Infosistema 40

41 Ilustração 29: Edição (tipo 1) de Atributos do bloco Pesquisa de Processo Ilustração 30: Edição (tipo 2) de Atributos do bloco Pesquisa de Processo Como se pode ver, neste bloco é necessário configurar as variáveis que se pretendem obter para cada processo e/ou sobre as quais se pretende pesquisar. Assim sendo, para cada variável é necessário definir: o seu tipo (se é variável do processo, ou se corresponde a uma data de estado ou ainda a uma descrição de estado); o seu nome; se se pretende obter o seu valor variável para o processo; se se pretende usá-la como critério de pesquisa e se sim, quais os processos que se pretende pesquisar (abertos, fechados ou todos); qual o operador SQL para a pesquisa (no formato String de Java, ex.: =, >, is not null ); o valor para usar na pesquisa (no formato de String de Java); se é sensível a maiúsculas/minúsculas. Estas variáveis deverão ser visualizadas num campo do tipo tabela do bloco de Formulário, já que cada processo encontrado irá ser inserido numa lista (de processos) composta pelas variáveis que se pretendam obter (formando assim uma tabela), ou noutro bloco que permita visualizar tabelas de dados. (Ilustração 29: Edição (tipo 1) de Atributos do bloco Pesquisa de Processo). Existe também a possibilidade de apenas introduzir linhas para critério de pesquisa e o bloco devolver um array (configurável no campo Array de Resultado ) o pid, subpid e flowid dos processos englobados nos critérios de pesquisa. Para tal é necessário activar a checkbox Retornar PIDs. De salientar também que a opção descrita anteriormente é exclusiva em relação ao fetch normal das variáveis que se pretendem extrair dos processos. Este array apenas poderá ser usado em conjunto com o tipo de campo do bloco formulário Tabela de Processo (Ilustração 30: Edição (tipo 2) de Atributos do bloco Pesquisa de Infosistema 41

42 O Bloco Abrir Processo tem uma entrada normal. O Bloco Abrir Processo tem três saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída vazia e a terceira a saída de erro. A saída vazia é utilizada caso não sejam retornados resultados. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Muda Processo O bloco serve para alterar o fluxo de processo, saltando para outro processo. Pode ser configurado indicando através de uma variável qual o processo que deve ser aberto, incluindo o ID de sub-processo que normalmente é 1. Ilustração 31: Edição de Atributos do bloco Muda Processo O Bloco Muda Processo tem uma entrada normal. O Bloco Muda Processo tem apenas uma Infosistema 42

43 Bloco Muda Processo com Utilizador Ilustração 32: Edição de Atributos do bloco Muda Processo com Utilizador O Bloco Muda Processo com Utilizador tem uma entrada normal. O Bloco Muda Processo com Utilizador tem apenas uma saída Bloco Guarda em BD O bloco Guarda em BD permite que em certo ponto do fluxo o processo seja guardado na Base de Dados do IFlow. Não tem qualquer tipo de configuração ou output. O Bloco Guarda em BD tem uma entrada normal. O Bloco Guarda em BD tem apenas uma Infosistema 43

44 Bloco Limpa Erros Processo Tal como o próprio nome indica, permite eliminar erros existentes no processo. Os erros são gerados pela execução de outros blocos como os blocos Validações ou Está nos Perfis, por exemplo. Não tem configuração. O Bloco Limpa Erros Processo tem uma entrada normal. O Bloco Limpa Erros Processo com Utilizador tem apenas uma saída Bloco Detalhe de Processo O bloco de Detalhe de Processo permite consultar o detalhe de um determinado processo. A apresentação deste bloco é definida no bloco Início, no separador Detalhe. O detalhe é apresentado como qualquer outro formulário, caso esteja definido no bloco Início. A sua janela de edição de atributos encontra-se ilustrada na Ilustração 33: Edição de Atributos do bloco Detalhe de Infosistema 44

45 Ilustração 33: Edição de Atributos do bloco Detalhe de Processo Os campos a definir são: ID Fluxo: ID do fluxo instanciado pelo processo a apresentar; ID Processo: ID do processo a apresentar; ID subprocesso: ID do subprocesso a apresentar. Normalmente 1, caso não sejam usados blocos Bifurcação; Número de Processo: o pnumber é o identificador do processo baseado em séries, se houver alguma associada, ou é igual ao número de processo, caso não exista série. Pode ser usado em alternativa ao ID de processo; O Bloco Detalhe de Processo tem uma entrada normal. O Bloco Detalhe de Processo tem apenas uma saída Biblioteca Base Dados Conjunto de blocos que permite efectuar operações SQL sobre uma base de dados. A base de dados é acedida através de uma data source configurada no Infosistema 45

46 Blocos SQLSelect, SQLInsert, SQLUpdate e SQLDelete Os blocos SQLSelect, SQLInsert, SQLUpdate e SQLDelete (toolbox Base Dados) permitem efectuar operações SQL sobre uma base de dados. Em todos eles é necessário configurar o atributo JNDIName com o nome JNDI da data source a utilizar, a Descrição e a Descrição do Resultado. Outra característica comum a todos eles é o facto de todos os atributos serem configurados como expressões (sintaxe de concatenação de Strings de Java) e a maior parte deles em linguagem SQL. De seguida descrevem-se os blocos mencionados, juntamente com os seus atributos: Bloco SQLSelect Permite efectuar pesquisas. Os atributos a configurar são: Select: valores a pesquisar. No select devem ser indicados os campos da base de dados sendo o mapeamento feito com a utilização de as como por exemplo name as nome coloca o conteúdo do campo name na variável nome; From: tabelas para a pesquisa (SQL); Where: condições para a pesquisa, se aplicável/pretendido (SQL); Group: critério de agrupamento, se aplicável/pretendido; Order: critério de ordenação dos resultados, se aplicável/pretendido(sql); ResultadoUnitário: indica se o resultado da pesquisa é unitário, caso no qual os valores pesquisados (definidos no campo Select ) são guardados como variáveis normais do processo; caso contrário, os valores pesquisados são guardados em Infosistema 46

47 Ilustração 34: Edição de Atributos do bloco SQLSelect Bloco SQLInsert Permite inserir dados do processo numa tabela em base de dados. Os atributos a configurar são: Into: tabela onde se vão inserir os dados (SQL); Names: nomes das colunas (SQL); Values: valores a inserir, respeitando a ordem definida no atributo anterior; Ilustração 35: Edição de Atributos do bloco SQLInsert Bloco SQLUpdate Permite actualizar dados numa determinada tabela em base de dados com dados do processo. Os atributos a configurar são: Tabela: tabela a actualizar Infosistema 47

48 Set: local para a atribuição dos pares nome-valor (SQL); Where: critério de actualização (SQL). De notar que se não for definido nenhum critério, a actualização dos dados definidos no atributo anterior irá ser feita em toda a tabela. Ilustração 36: Edição de Atributos do bloco SQLUpdate Bloco SQLDelete Permite apagar dados de uma tabela em base de dados. Os atributos a configurar são: Tabela: tabela onde se vão eliminar dados (SQL); Where: critério de remoção (SQL). De notar que se não for definido nenhum critério, todos os dados na tabela serão apagados. Ilustração 37: Edição de Atributos do bloco SQLDelete Os Blocos SQLSelect, SQLInsert, SQLUpdate e SQLDelete tem uma entrada normal. Os Blocos SQLSelect, SQLInsert, SQLUpdate e SQLDelete têm três saídas: a primeira para quando há resultados da execução, a segunda para quando não há resultados, por exemplo no select não Infosistema 48

49 nenhuma linha e a terceira para quando há um erro de processamento, como por exemplo a impossibilidade de se ligar à base de dados configurada Bloco SQLBatchInsert O bloco SQLBatchInsert permite, tal como o SQLInsert, inserir dados do processo numa tabela em base de dados, com a diferença de permitir efectuar a inserção de uma ou mais linhas numa dada tabela de Base de Dados. A sua janela de configuração é, obviamente, um pouco diferente do bloco SQLInsert e encontra-se ilustrada na figura seguinte: Ilustração 38: Edição de Atributos do bloco SQLBatchInsert Os atributos do Bloco SQLBatchInsert a configurar são: Into: tabela onde se vão inserir os dados (SQL); Names: nomes das colunas (SQL); Values: valores a inserir, respeitando a ordem definida no atributo anterior, os pontos de interrogação para cada valor que será introduzido por lista; Vars: variáveis (listas) pela ordem que irão ser introduzidos nos pontos de interrogação no atributo Values, as listas poderão ter um ou mais elementos mas todas deverão ser do mesmo tamanho (mesmo número de elementos). O Bloco SQLBatchInsert tem uma entrada Infosistema 49

50 O Bloco SQLBatchInsert tem três saídas: a primeira para quando há resultados da execução, a segunda para quando não há resultados e a terceira para quando há um erro de processamento, como por exemplo a impossibilidade de se ligar à base de dados configurada Bloco SQLBatchUpdate O bloco SQLBatchUpdate é semelhante ao bloco SQLUpdate, com a diferença que permite actualizar várias linhas numa determinada tabela em base de dados com dados do processo. Ilustração 39: Edição de Atributos do bloco SQLBatchUpdate Os atributos do Bloco SQLBatchUpdate a configurar são: Tabela: tabela onde se vão inserir os dados (SQL); Set: valores a inserir, respeitando a ordem definida no atributo anterior, os pontos de interrogação para cada valor que será introduzido por lista; Where: critério de actualização (SQL). SetVars: variáveis (listas) pela ordem que irão ser introduzidos nos pontos de interrogação no atributo Set, as listas poderão ter um ou mais elementos mas todas deverão ser do mesmo tamanho (mesmo número de elementos). WhereVars: Semelhante ao anterior, referente ao atributo Infosistema 50

51 O Bloco SQLBatchUpdate tem uma entrada normal. O Bloco SQLBatchUpdate tem três saídas: a primeira para quando há resultados da execução, a segunda para quando não há resultados e a terceira para quando há um erro de processamento, como por exemplo a impossibilidade de se ligar à base de dados configurada. 4.6 Biblioteca Notificação Conjunto de blocos que permite efectuar notificações, ou por correio electrónico ( ) ou por sistema de mensagens (sms) ou internas, tanto para utilizadores específicos como para grupos pré definidos de utilizadores (exemplo, por unidade orgânica) Bloco O bloco de serve para enviar uma mensagem de correio electrónico a um determinado utilizador, configurando o endereço de quem o está a enviar, o endereço para quem vai, o assunto e a mensagem (todos eles como expressões, com a sintaxe de concatenação de Strings em Java), como ilustrado nas figuras seguintes. Ilustração 40: Edição de Atributos do bloco Infosistema 51

52 Ilustração 41: Edição de Atributos do bloco (template) De salientar que a edição dos atributos mensagem e template pode ser feita de duas formas, sendo o preenchimento dos mesmos atributos mutuamente exclusivo. É possível preencher o atributo mensagem com a mensagem que se pretende e nesse caso não se preenche o atributo template. Em alternativa quando se procede à escolha do atributo template, que no fundo se trata de uma mensagem de correio electrónico pré definida, não se deve preencher o campo mensagem. A template será necessariamente uma template em XML disponível no iflow (Admin -> Recursos) para geração de um em HTML. O Bloco tem uma entrada normal. O Bloco tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Bloco para Perfil O bloco de para Perfil apresenta um funcionamento similar ao bloco , excepto para o(s) destinatário(s) da notificação por correio electrónico. Deverá ser escolhido o tipo de destinatário no atributo Para: Perfil para em seguida usar o atributo Perfill, escolhendo o perfil desejado dentro dos existentes para a aplicação; PerfilTexto para em seguida usar o atributo PerfilTexto, prenchendo como uma expressão (concatenação de Strings Java) qual o perfil Infosistema 52

53 Ilustração 42: Edição de Atributos do bloco (parte 1) Ilustração 43: Edição de Atributos do bloco (parte 2) O Bloco para Perfil tem uma entrada normal. O Bloco para Perfil tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do Infosistema 53

54 Bloco para Intervenientes O bloco para Intervenientes permite enviar uma notificação via correio electrónico para todos os intervenientes do processo. A sua configuração é semelhante à do bloco . No atributo intervenientes, é possível efectuar a escolha sobre se os mesmos recebem o directamente ou se recebem em cc (com conhecimento). Ilustração 44: Edição de Atributos do bloco para Intervenientes O Bloco para Intervenientes tem uma entrada normal. O Bloco para Intervenientes tem duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco Blocos SMS e SMS para Infosistema 54

55 Os blocos SMS e SMS para Perfil permitem enviar SMS, através da configuração do número do telefone no caso do bloco SMS ou do perfil (pelo escolha do perfil ou atrás do perfil em texto) no caso do bloco SMS para Perfil. E também pela configuração do assunto e da mensagem, todos eles como expressões (sintaxe de concatenação de Strings de Java) e idênticos em ambos os blocos. Ilustração 45: Edição de Atributos do bloco SMS para Perfil Ilustração 46: Edição de Atributos do bloco SMS para Perfil Os Blocos SMS e SMS para Perfil têm uma entrada normal. Os blocos SMS e SMS para Perfil têm duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do Infosistema 55

56 Bloco Notificação Permite, à semelhança de um , enviar notificações internas aos utilizadores da aplicação, configurando além do utilizador ou Perfil, a mensagem a enviar como expressão (concatenação de Strings de Java). Ilustração 47: Edição de Atributos do bloco Notificação Os Blocos SMS e SMS para Perfil têm uma entrada normal. Os blocos SMS e SMS para Perfil têm duas saídas: a primeira saída é a saída normal, a segunda é a saída de erro. A saída de erro é utilizada caso haja algum erro de processamento do bloco. 4.7 Biblioteca Eventos Conjunto de blocos que permite definir eventos, passando a ser possível executar certas zonas do fluxo depois do evento ser accionado (através de uma marca temporal configurável). Permite avançar um processo de forma automática sem a acção directa do utilizador com base em acontecimentos Infosistema 56

57 Bloco NOP O bloco NOP permite suspender o processo até que o evento seja accionado. Apenas permite configurar a mensagem apresentada ao utilizador quando o processo está neste estado. Ilustração 48: Edição de Atributos do bloco NOP O Bloco NOP têm uma entrada normal. O Bloco NOP apenas tem a saída de Evento onde pode ser ligado um evento para tirar o processo do estado supenso Bloco Evento O bloco Evento permite que o processo fique parado no bloco até a marca temporal expirar, voltando assim à execução normal do mesmo. Em termos de atributos temos dois por definir: Tipo, tendo como opção escolher o tipo de evento por Timer, AsyncWait ou Deadline; Propriedades, no caso do Tipo Timer é possível definir a descrição do evento que está a definir, se o timer deve contar apenas com os dias úteis da semana ou não e a marca temporal em minutos, no caso do Tipo AsyncWait. No caso da opção Deadline é definida a data em que o evento é disparado, através de uma variável. Nas figuras seguintes é possivel ver a definição dos atributos do bloco. Na imagem pode ver-se um exemplo para cada um dos tipos de Infosistema 57

58 Ilustração 49: Edição de Atributos do bloco Evento O Bloco Evento tem uma entrada que apenas pode ser ligada a uma saída de evento de outro bloco (formulário, encaminhamentos ou NOP). O Bloco Evento tem apenas uma saída normal. 4.8 Biblioteca WebServices Conjunto de blocos que permite realizar operações com Web Services Bloco Web Services O bloco Web Services permite efectuar pedidos a Web Services, a sua configuração é feita seleccionando qual é o WSDL (contrato). Após a escolha do WSDL e a sua configuração, como se pode ver no exemplo da figura Infosistema 58

59 Ilustração 50: Edição de Atributos do bloco WebServices (Propriedades) Depois de definidas as propriedades ficam disponíveis os separadores para mapeamento de inputs e outputs. Nos mapeamentos devem ser colocadas as variáveis de onde são obtidos os campos de input para o webservice e aquelas onde irão ficar guardados os outputs conforme apresentado na Ilustração 51: Edição de Atributos do bloco WebService (Mapeamento Input) e na Ilustração 52: Edição de Atributos do bloco WebService (Mapeamento Infosistema 59

60 Ilustração 51: Edição de Atributos do bloco WebService (Mapeamento Input) Ilustração 52: Edição de Atributos do bloco WebService (Mapeamento Infosistema 60

61 4.9 Biblioteca Relatórios Biblioteca utilitária no apoio à geração de relatórios Bloco Relatório O bloco Relatório permite definir um tempo de execução para uma determinada tarefa. É também utilizado como um marcador de fases do processo que depois podem ser consultadas nos relatórios (separador Relatórios no iflow). O campo Código do Relatório serve para denominar a fase em que o processo entra até ao próximo bloco relatório encontrado. O campo Tempo esperado para este estado define o SLA, ou tempo máximo que o processo deverá estar na fase que se inicia e até ao próximo bloco de relatório. De outro modo o campo Deadline pode ser utilizado para definir a data máxima para terminar a fase em questão, por utilização de uma variável. Ilustração 53: Edição de Atributos do bloco Report O Bloco Relatório tem uma entrada normal. O Bloco Relatório tem apenas uma saída normal Biblioteca FlowDocs A biblioteca FlowDocs permite a Integração da aplicação de Gestão Documental Alfresco com o Infosistema 61

62 Todos os blocos desta biblioteca têm uma entrada normal. Todos os blocos desta biblioteca têm duas saídas: a primeira para quando a operação é realizada com sucesso e a segunda para quando há um erro no processamento do bloco Bloco Obter Documento O bloco Obter Documento permite obter um documento proveniente da Gestão Documental para uma variável iflow do tipo Document, é possível ainda obter atributos extra para variáveis de processo clicando no botão + e introduzir a Propriedade e Variável respectiva como podemos verificar na Ilustração 49. Ilustração 54: Edição de Atributos do bloco Obter Infosistema 62

63 Bloco Inserir Documento O bloco Inserir Documento permite carregar um Documento do processo na Gestão Documental. O bloco permite dois métodos de introdução do local onde introduzir o documento na Gestão Documental: Texto (sintaxe de concatenação de Strings Java) ou utilizando a Árvore disponível. Ilustração 55: Edição de Atributos do bloco Inserir Documento Os atributos Título, Descrição, Autor e Variável podem ser preenchidos entre aspas (sintaxe de concatenação de Strings Java) ou recorrendo à utilização de variáveis do processo. É ainda possível inserir outras variáveis clicando no botão + e introduzir o Nome e Valor correspondente Bloco Listar Documentos O bloco Listar Documentos permite obter propriedades dos documentos inseridos na Gestão Documental. Na Ilustração 56: Edição de Atributos do bloco Listar Documentos (parte 1) podemos observar os atributos de Entrada (separador Entrada), para obter o documento especificamos o local do qual pretendemos obter a listagem dos documentos: Texto (sintaxe de concatenação de Strings Java) ou utilizando a Árvore disponível e os atributos pelos quais pretendemos Infosistema 63

64 Ilustração 56: Edição de Atributos do bloco Listar Documentos (parte 1) Seguidamente, no separador Saída introduzimos os atributos que pretendemos obter, tendo ainda a possibilidade de introduzir variáveis extra clicando no botão + e preencher os a propriedade e variável desejada, todas as variáveis têm de ser do tipo lista (TextArray) como se encontra ilustrado na figura seguinte. Ilustração 57: Edição de Atributos do bloco Listar Documentos (parte Infosistema 64

65 Bloco Listar Pastas O bloco listar pastas permite obter uma lista de pastas da Gestão Documental baseada em critérios de pesquisa. No separador Entrada podemos especificar o local de onde se pretende obter a listagem dos documentos: Texto (String Java) ou utilizando a Árvore disponível, no atributo padrão definimos o filtro de pesquisa e, podemos ainda definir a profundidade da pesquisa clicando na checkbox Definir Profundidade e introduzindo o valor pretendido no atributo profundidade. Ilustração 58: Edição de Atributos do bloco Listar Pastas (parte 1) No separador Saída define-se a variável do tipo lista (textarray) onde se deseja guardar a listagem obtida. Ilustração 59: Edição de Atributos do bloco Listar Pastas (parte Infosistema 65

66 Bloco Apagar Documento Permite apagar ficheiros locais ou remotos (no servidor DMS). Por defeito o bloco encontra-se configurado para tentar eliminar local e remotamente, no entanto podemos configurar a checkbox para apenas eliminar localmente. Neste caso apenas remove no iflow. Ilustração 60: Edição de Atributos do bloco Apagar Documento 5 Particularidades na Definição dos Blocos 5.1 Biblioteca Básica Início: nada a salientar; Fim: Ter em atenção que o bloco termina efectivamente o processo, deverá apenas ser usado se realmente for para acabar o processo, fechando-o; Atribuição: Neste bloco o campo Destino terá que ser obrigatoriamente uma variável (seja, float, uma texto, um textarray ou um IntegerArray). No campo Origem é possível ter variáveis, texto, números (floats ou integers). Para adicionar um linha basta clicar no botão como sinal de soma (+), para remover uma linha, selecciona-se a linha que se deseja eliminar (clicando na mesma) e em seguida basta clicar no botão com o sinal de subtracção (-); Validacões: A coluna Condição suporta uma ou mais condições desde que obedecem à regras Java (uso dos parenteses, (or), && (and), entre outros), onde as expressões mais usadas são: var1.equals( ); var1.equals(var2); varlist1.length(); var1 == null; var1 < num1; var1>= num1; entre outros. A coluna Error Message terá que ser sempre preenchida com uma String, String essa que se a(s) condição(ões) se verificar será colocada no topo do bloco formulário adjacente ao bloco validações. Condicão: O campo condição deste bloco funciona igualmente como a coluna condição do bloco Infosistema 66

67 Formulário: o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o o Cabeçalho nada a salientar; Sub-Cabeçalho nada a salientar; Caixa de Texto os atributos Expressão de Validação e Mensagem de Erro apenas estão editáveis quando seleccionado o atributo Campo Obrigatório. A Mensagem de Erro irá aparecer no topo do Formulário; Caixa de Password nada a salientar; Tabela nada a salientar; Espaço nada a salientar; Lista de Selecção quando seleccionado o atributo Texto com informação de Valor, o comportamento da lista se selecção altera-se, passando a mostrar as definições na coluna Texto e em seguida (e entre parêntesis) as definições da coluna Valor; Saída de Texto quando da utilização de uma variável do tipo Float no IFlow e se pretende definir a mesma como saída de texto, o seu output irá ser sempre com a extensão.0 exceptuando se for escolhido no atributo Tipo de Dados o Número Inteiro; Área de Texto não existe no campo Saída de Texto a opção de output do estilo da área de texto, logo para o efeito deverá ser usado o campo de Input Área de Texto com o atributo Campo de Saída activado; Link para poder editar os atributos Variável e Valor da Variável é necessário activar o atributo Link de Processo, para o mesmo efeito para o atributo Nome da Janela é necessário activar o atributo Abrir em Nova Janela; Mensagem de Texto o atributo Texto é preenchido apenas com texto, não suportando strings java ou qualquer variável; Separador nada a salientar; Caixa de Data ao seleccionar o atributo Data Actual (se vazio) faz com que a Variável definida fique com a data actual se não for preenchida e se avançar no formulário; Lista de Selecção SQL o atributo Query funciona como uma atribuição em Java, texto entre aspas ( um texto aqui ) e introdução de variáveis com o sinal de mais (+ var +), com o atributo Texto com informação de Valor, este campo funciona como descrito no campo Lista de Selecção; Início de um novo bloco - nada a salientar; Início de uma nova coluna (mesmo bloco) nada a salientar; Imagem nada a salientar; Ficheiro nada a salientar; Gráfico nada a salientar; Sub Cabeçalho nada a salientar; Tabela de Processo nada a Infosistema 67

68 5.2 Biblioteca Perfis Obter Info Utilizador: na coluna de Input apenas um dos campos pode estar com o seu valor a true, pois apenas poderá ser uma a chave de pesquisa que o bloco vais usar para obter as informações desejadas. Escalar Hierarquicamente: nada a salientar. Enviar Para: apenas é possível passar o processo para um utilizador específico ou para um perfil específico. Obter Superior Hierárquico: o valor do atributo UserUpVarName é por default userup, mas poderá ser alterado para qualquer variável que se desejar. Está nos Perfis: o campo Condição pode ser preenchido com uma condição ou se não fizer sentido existir uma, deve colocar-se true, no campo Mensagem se Falso deverá constar uma String ( blabla ). Está nos Perfis Texto: nada a salientar. Obter Info Unidade Orgânica: Na coluna de Input apenas um dos campos pode estar com o seu valor a true, pois apenas poderá ser uma a chave de pesquisa que o bloco vais usar para obter as informações desejadas Obter Unidade Orgânica Acima: Na coluna de Input apenas um dos campos pode estar com o seu valor a true, pois apenas poderá ser uma a chave de pesquisa que o bloco vais usar para obter as informações desejadas Verificar Autenticação: em ambos os atributos do bloco (LoginVar e PasswordVar) deverá ser definida uma variável. 5.3 Biblioteca Utils BeanShell: nada a salientar; Bifurcação: nada a salientar; Sincronização: nada a salientar; JunçãoExclusiva: nada a salientar; SubFlow: nada a salientar; Data: o atributo Data Input por default usa a data actual, se não lhe for definido nenhum valor. Importar Dados: nada a salientar; Séries: Todos os atributos devem ser definidos como Strings Java (entre aspas) exceptuando o atributo Variável de destino. Criar Documento: O atributo nome do ficheiro deve ser preenchido entre aspas (como uma String Java). 5.4 Biblioteca Processo Abrir Processo: nada a salientar; Pesquisa Processo: nada a salientar; Muda Processo: nada a Infosistema 68

69 Muda Processo com Utilizador: nada a salientar; Guarda em BD: nada a salientar; Limpa Erros Processo: nada a salientar; Detalhe Processo: nada a salientar; 5.5 Biblioteca Base de Dados SQLSelect: todos os atributos são de definição do tipo String Java e é possível o uso de variáveis; SQLInsert: todos os atributos são de definição do tipo String Java e é possível o uso de variáveis; quando se faz a inserção de um campo do tipo Date deverá ser efectuado da seguinte forma, to_date( +var+, DD/MM/YYYY ); SQLUpdate: todos os atributos são de definição do tipo String Java e é possível o uso de variáveis, quando se faz uma actualização de um campo do tipo Date deverá ser efectuado da seguinte forma, to_date( +var+, DD/MM/YYYY ); SQLDelete: todos os atributos são de definição do tipo String Java e é possível o uso de variáveis; SQLBatchInsert: todos os atributos são de definição do tipo String Java e é possível o uso de variáveis, excepto o campo Vars que se define, como exemplo (nome_list,idade_list,user_list); SQLBatchUpdate: todos os atributos são de definição do tipo String Java e é possível o uso de variáveis, excepto os campos SetVars e WhereVars que se definem, como exemplo (nome_list, idade_list, user_list); 5.6 Biblioteca Notificação os atributos de e assunto tem de estar entre aspas (exemplos, Reunião de Direcção ); o campo para, recebe variáveis; o campo mensagem é do tipo String Java e aceita variáveis; para Perfil: os atributos de e assunto tem de estar entre aspas (exemplos, Reunião de Direcção ); o campo mensagem é do tipo String Java e aceita variáveis; para Intervenientes: os atributos de e assunto tem de estar entre aspas (exemplos, Reunião de Direcção ); o campo para, recebe variáveis; o campo mensagem é do tipo String Java e aceita variáveis; SMS: Os atributos têm de estar entre aspas no caso de se pretender introduzir texto; SMS para Perfil: Os atributos têm de estar entre aspas no caso de se pretender introduzir texto (Sendo o formato de String Java); Notificação: O campo mensagem tem de estar entre aspas no caso de se pretender introduzir texto (Sendo o formato de String Infosistema 69

70 5.7 Biblioteca Evento NOP: nada a salientar; Evento: nada a salientar; 5.8 Biblioteca WebServices Web Services: nada a salientar; 5.9 Biblioteca Relatórios Report: O código do Relatório deve ser identificado com um nome identificativo; 5.10 Biblioteca FlowDocs Obter Documento: Quando se recorre ao uso de variáveis extra é necessário ter em atenção que as variáveis têm de existir. Inserir Documento: nada a salientar. Listar Documentos: nada a salientar. Listar Pastas: nada a salientar. Doc Info: nada a salientar; Apagar Documento: nada a salientar; 6 Activar um Fluxo 6.1 FlowEditor Após a ligação e configuração dos blocos que compõe o fluxo, é necessário carregá-lo para o iflow. Isso é feito através do menu Ficheiro do editor e seleccionando a opção Enviar Fluxo, a qual abre uma janela na qual se pode especificar nova versão ou sobrepor a Infosistema 70

71 Ilustração 61: Envio de Fluxo Caso se pretenda editar um fluxo já existente no iflow (para fazer alterações à lógica do processo, por exemplo), deve-se seleccionar a opção Download Fluxo do mesmo menu, escolhendo o fluxo da lista apresentada na janela de download, como ilustrado na figura seguinte. É ainda possível obter uma versão anterior à última (actual), mediante a escolha nos campos de versão. Ilustração 62: Download de Fluxo 6.2 iflow Após a criação do fluxo no editor e do seu upload, o passo seguinte é parametrizá-lo no lado do iflow. Para tal, deve-se efectuar o login na aplicação com um utilizador que tenha privilégios de administração, procedendo de seguida para área de Admin (só visível para utilizadores com privilégios de administração), ilustrada na figura Infosistema 71

72 Na área de administração existem ajudas contextuais em todos os submenus e opções. Ilustração 63: Área de Administração do iflow De seguida deve-se clicar em Fluxos no menu Fluxos e proceder à alteração das suas propriedades se pretendido, clicando no ícone da primeira coluna correspondente ao fluxo pretendido, resultando na página ilustrada na figura seguinte. Nesta página encontram-se as seguintes propriedades do fluxo seleccionado: Notificar Utilizador de Nova Tarefa Forçar Notificação para Perfis (quando NOTIFY_USER=Nao) Abortar Notificação para Perfis (quando NOTIFY_USER=Sim) Iniciar Processo em Title Pág. Entrada Link Pág. Entrada Mostra utilizador(es) para quem foi agendado processo Permite ou não iniciar um fluxo sem autenticação (link) Directoria de templates de Executar fluxo maximizado Permitir Visualizacao de Historicos Stylesheet default Template de Impressao de Detalhe Gerar link de download de Documentos com Infosistema 72

73 Tempo de vida de um processo fechado (em dias) Mostra utilizador(es) onde o processo está agendado Permitir acesso a utilizadores não registados. Formato para Números Decimais (#,##0.00) Formato para Números Inteiros (#0) Formato para as Datas (yyyy-mm-dd HH:mm) Inicio de processo por Após a configuração das propriedades, é necessário clicar em Guardar, para que elas fiquem guardadas na base de dados. É ainda possível importar e exportar as propriedades de e para um ficheiro respectivamente. O passo seguinte é a configuração das permissões por perfil de utilizador para o fluxo, seleccionando a segunda coluna de acordo com o fluxo sobre o qual se pretende alterar as permissões. Aqui pode-se visualizar os perfis e permissões já existentes para o fluxo, sendo possível alterar as permissões para um determinado perfil e/ou remover um determinado perfil. Além disso, é possível adicionar perfis à lista existente, seleccionando o(s) perfil(s) desejado(s) da lista disponibilizada e clicando em adicionar. De notar que só podem aceder ao fluxo os utilizadores pertencentes aos perfis que tenham permissões para tal. De seguida apresenta-se uma figura com esta área para o exemplo em análise. A partir deste momento passa a ser viável colocar o fluxo activo/disponível, pois já foram efectuadas todas as configurações necessárias, passando a ser possível a criação de processos nesse fluxo (para o caso dos utilizadores que o criem pertençam a um perfil que tenha permissões para tal). 7 Anexos 7.1 Gráficos Pie Chart Para a criação de um gráfico do tipo Pie será necessário criar uma variável do tipo IntegerArray ou FloatArray que irá guardar as proporções de cada fatia do gráfico, será também necessária a criação de uma variável do tipo TextArray, que irá conter a descrição de cada um dos valores indicados na variável anterior, como exemplo podemos criar duas variáveis no catálogo, denominadas produtos e valores do tipo TextArray e IntegerArray respectivamente. Seguidamente será necessário introduzir dados nas nossas variáveis, para este efeito iremos usar um bloco Beanshell e inicializamos cada um deles com os valores respectivos, valores no caso da variável valores e descrições no caso da variável produtos. A dimensão dos dois Arrays terá de ser idêntica dado que cada posição das descrições é referente às posições dos valores, podemos visualizar um exemplo na ilustração Infosistema 73

74 Ilustração 64: Inicialização das variáveis para o gráfico do tipo Pie O passo seguinte será a introdução de um campo do tipo Gráfico num bloco formulário. Ilustração 65: Edição de atributos do campo Gráfico para o tipo Pie A figura anterior ilustra os campos a serem preenchidos para o correcto funcionamento do gráfico. Template do gráfico: permite definir uma template previamente carregada no repositório, pie.chart neste caso; Titulo do Gráfico: permite definir o titulo a ser visualizado no gráfico, pode ser texto (String de Java) ou uma variável definida no processo; Labels: definição das etiquetas a representar cada um dos valores, será indicada uma variável do tipo TextArray contendo a descrição de cada um dos valores; Valores: definição de cada uma das fatias do gráfico, será indicada uma variável do tipo IntegerArray ou FloatArray contendo o valor em cada uma das suas posições; Largura do Gráfico: permite definir a largura desejada; Altura do Gráfico: permite definir a altura desejada; Alinhamento: permite definir o alinhamento do gráfico: esquerda, centro ou direita; Condição de Disable: definição de uma condição disable (do tipo Java), permitindo ocultar o gráfico em determinadas condições. Nestas condições o resultado obtido será o ilustrado na figura Infosistema 74

75 Ilustração 66: Exemplo de Pie Chart O iflow já se encontra com uma template do tipo Pie carregada no repositório, no entanto será necessária a criação de uma nova com base na template com a finalidade de ser personalizada de acordo com as necessidades, a definição de cada propriedade encontra-se documentada em Bar Chart e Stacked Chart Para a criação de um gráfico do tipo Bar ou Stacked serão necessárias variáveis adicionais, dado que este apresenta um comportamento diferente do gráfico do tipo Pie. Estes dois tipos de gráficos apresentam um comportamento semelhante, diferindo apenas no aspecto visual, no caso do tipo Stacked a série é toda definida numa barra, no caso do tipo Bar são apresentadas várias barras por série. Será necessário criar três variáveis do tipo TextArray que irão conter as séries, a designação e as labels. Seguidamente criamos várias variáveis do tipo IntegerArray ou FloatArray de acordo com o número de séries criado contendo os valores. Finalmente é criada uma variável do tipo TextArray que identifica cada um dos arrays anteriormente Infosistema 75

76 Ilustração 67: Inicialização das variáveis para o gráfico do tipo Bar O passo seguinte será a introdução de um campo do tipo Gráfico num bloco formulário. Ilustração 68: Edição de atributos do campo Gráfico para o tipo Bar Template do gráfico: permite definir uma template previamente carregada no repositório, bar.chart ou stacked.chart ; Titulo do Gráfico: permite definir o título a ser visualizado no gráfico, pode ser texto (String de Java) ou uma variável definida no processo; Labels: definição das series e etiquetas a representar, a primeira posição será as séries e a segunda as labels; Valores: Variável que contem a definição de todos os conjuntos de valores; Largura do Gráfico: permite definir a largura desejada; Altura do Gráfico: permite definir a altura desejada; Alinhamento: permite definir o alinhamento do gráfico: esquerda, centro ou direita; Condição de Disable: definição de uma condição disable (do tipo Java), permitindo ocultar o gráfico em determinadas condições. Nestas condições os resultados obtidos serão os ilustrados nas figuras Infosistema 76

77 Ilustração 69: Bar Chart Ilustração 70: Stacked Chart O iflow já se encontra com templates do tipo Bar e Stacked carregadas no repositório, no entanto será necessária a criação de novas com base nas templates com a finalidade de serem personalizada de acordo com as necessidades, a definição de cada propriedade encontra-se documentada em Salienta-se a importância das propriedades chart.bar.xx.axis e chart.bar.yy.axis que permitem a definição das abcissas e das Infosistema 77

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO

Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Acordo de licenciamento do EMPRESÁRIO Ao abrir a caixa do CD que contém o programa EMPRESÁRIO, o utilizador aceita os termos do contracto de licenciamento deste acordo. Licença Garantias A T&T outorga-lhe

Leia mais

Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00

Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00 Manual de Utilizador Aplicação Cliente Web Versão 1.0.00 Edição 1 Agosto 2011 Elaborado por: GSI Revisto e Aprovado por: COM/ MKT Este manual é propriedade exclusiva da empresa pelo que é proibida a sua

Leia mais

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares

Folha de cálculo. Excel. Agrupamento de Escolas de Amares Folha de cálculo Excel Agrupamento de Escolas de Amares Índice 1. Funcionalidades básicas... 3 1.1. Iniciar o Excel... 3 1.2. Criar um livro novo... 3 1.3. Abrir um livro existente... 3 1.4. Inserir uma

Leia mais

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor

20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor 20 Escola Digital Manual do Utilizador Professor Manual do Utilizador Professor... 1 1. Conhecer o 20 Escola Digital... 4 2. Autenticação... 6 2.1. Criar um registo na LeYa Educação... 6 2.2. Aceder ao

Leia mais

Manual de Utilização. Site Manager. Tecnologia ao serviço do Mundo Rural

Manual de Utilização. Site Manager. Tecnologia ao serviço do Mundo Rural Manual de Utilização Site Manager Tecnologia ao serviço do Mundo Rural Índice 1. Acesso ao Site Manager...3 2. Construção/Alteração do Menu Principal...4 3. Inserção/ Alteração de Conteúdos...7 4. Upload

Leia mais

Portal Web de Apoio às Filiadas

Portal Web de Apoio às Filiadas Portal Web de Apoio às Filiadas Manual de Utilizador Externo Titularidade: FCMP Data: 2014-02-03 Versão: 1 1 1. Introdução 3 2. Descrição das Funcionalidades 4 2.1. Entrada no sistema e credenciação de

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

Manual de Iniciaça o. Índice

Manual de Iniciaça o. Índice Manual de Iniciaça o Índice Passo 1- Definir... 2 Definir grupos de tarefas... 2 Definir funções... 6 Definir utilizadores... 11 Definir o Workflow... 14 Definir tarefas... 18 Passo 2 - Planear... 21 Planear

Leia mais

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0

MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 MANUAL DE INTRODUÇÃO AO ALFRESCO 3.0 Alfresco é uma marca registada da Alfresco Software Inc. 1 / 42 Índice de conteúdos Alfresco Visão geral...4 O que é e o que permite...4 Página Inicial do Alfresco...5

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Microsoft Office FrontPage 2003

Microsoft Office FrontPage 2003 Instituto Politécnico de Tomar Escola Superior de Gestão Área Interdepartamental de Tecnologias de Informação e Comunicação Microsoft Office FrontPage 2003 1 Microsoft Office FrontPage 2003 O Microsoft

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Índice 1. Sobre o Guia... 4 1.1 Objectivo... 4 1.2 Utilização do Guia... 4 1.3 Acrónimos e Abreviações... 4 2. Introdução ao Extracto on Line Aplicação

Leia mais

Manipulação de Células, linhas e Colunas

Manipulação de Células, linhas e Colunas Manipulação de Células, linhas e Colunas Seleccionar células Uma vez introduzidos os dados numa folha de cálculo, podemos querer efectuar alterações em relação a esses dados, como, por exemplo: apagar,

Leia mais

PRIMAVERA EXPRESS: Funcionalidades do Produto

PRIMAVERA EXPRESS: Funcionalidades do Produto PRIMAVERA EXPRESS: Funcionalidades do Produto Como efetuo a mudança de ano do Ponto de Venda? No Programa Express aceda a Tabelas Pontos de Venda Postos de Venda abrir o separador Movimentos Caixa e: -

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE. GestProcessos Online. Manual do Utilizador

EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE. GestProcessos Online. Manual do Utilizador EAmb V.1 ESPOSENDE AMBIENTE GestProcessos Online Manual do Utilizador GestProcessos Online GABINETE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO EAmb Esposende Ambiente, EEM Rua da Ribeira 4740-245 - Esposende

Leia mais

Adenda R4. Entidades Adjudicantes. Uma Empresa Certificada ISO 9001 e ISO 27001

Adenda R4. Entidades Adjudicantes. Uma Empresa Certificada ISO 9001 e ISO 27001 Adenda R4 Entidades Adjudicantes Uma Empresa Certificada ISO 9001 e ISO 27001 Índice 1. Introdução 2. Novas Funcionalidades anogov R4 3. Novas Abordagens anogov R4 4. Novas Soluções anogov R4+ 5. Índice

Leia mais

Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL

Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 PLATAFORMA ELECTRÓNICA VORTAL Acesso Universal Guia de Utilização Acesso Universal Janeiro 2010 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho...

Leia mais

Data última actualização: 20-06-2014. Instalação E-Portals

Data última actualização: 20-06-2014. Instalação E-Portals Data última actualização: 20-06-2014 Instalação E-Portals 1. Conteúdo 1. Conteúdo... 2 2. Instalação e Manutenção do EPT... 3 3. Configuração de perfis de sincronização... 6 3.1 Módulos Oficinas, GCE e

Leia mais

Catálogo Nacional de Compras Públicas. Manual de Fornecedores

Catálogo Nacional de Compras Públicas. Manual de Fornecedores 10 de Julho de 2009 Índice 1. Introdução... 3 1.1. Objectivo... 3 2. Fornecedor... 4 2.1. AQs/CPAs... 4 2.2. Contratos... 4 2.3. Grupos AQ/CPA... 5 3. Carregamento e Actualização do Catálogo... 7 3.1.

Leia mais

Manual Gestix Guia do Utilizador. Gestix.com

Manual Gestix Guia do Utilizador. Gestix.com Manual Gestix Guia do Utilizador Gestix.com Copyright Este documento é Copyright 2008 Westix TI Lda. Todos os direitos reservados. Todas as marcas registadas referidas neste Manual são propriedade dos

Leia mais

1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento

1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento Configurar o Word FIGURA 1.26 Serviços ligados 1.4.5 Ligar outros serviços de armazenamento O Microsoft Office 2013 apenas tem disponíveis ligações a serviços de armazenamento proprietários da Microsoft.

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR

CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR Índice Noções Básicas 3 Workflow 4 Permissões 5 Acessos 5 Layout 5 Autenticação 6 Homepage 8 Contactos 8 Upload 11 Relatórios 15 Verbatins 18 Utilizadores

Leia mais

MANUAL DO UTILIZADOR PROFESSOR(A)

MANUAL DO UTILIZADOR PROFESSOR(A) PROFESSOR(A) INTRODUÇÃO Caro(a) professor(a), Obrigado por descarregar este manual do utilizador do Ephorus. Em caso de dúvidas, por favor contacte o utilizador principal do Ephorus no seu estabelecimento

Leia mais

MANUAL ARTSOFT Mobile AutoSales

MANUAL ARTSOFT Mobile AutoSales MANUAL ARTSOFT Mobile AutoSales INDÍCE O que é?... 3 Como se configura?... 3 ARTSOFT... 3 ANDROID... 3 Login... 4 Home... 5 Funcionalidades... 6 Sincronização... 6 Contas... 7 Consultas... 7 Resumos...

Leia mais

Guia Rápido do Contacts

Guia Rápido do Contacts Guia Rápido do Contacts IPBRICK SA 12 de Novembro de 2014 1 Conteúdo 1 Introdução 3 2 IPBrick - Contactos 3 2.1 Separador Administração........................ 4 2.1.1 Requisitos dos ficheiros.csv..................

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo.

5 - Se o documento estiver completo, com os campos totalmente inseridos e com o aspecto que pretende, poderá guardá-lo. Impressão em série de cartas de formulário e mailings em grande número Intercalação de correio Base de Dados em Excel Comece por planear o aspecto da sua página final - é uma carta, uma página de etiquetas

Leia mais

Guia Utilizador do Serviço WebEDI da

Guia Utilizador do Serviço WebEDI da Guia Utilizador do Serviço WebEDI da Índice Activar conta WebEDI... 1 Aceder ao serviço WebEDI... 2 Recuperar dados de acesso... 3 WebEDI... 4 Editar dados do utilizador... 5 Consultar dados da Empresa...

Leia mais

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Índice 1. Introdução...3 2. Home Page...3 3. Pedido de Senha...4 3.1 Proponente...5 3.2 Técnico Qualificado...5 3.3 Proponente/Técnico

Leia mais

Guia de utilização. Acesso Universal

Guia de utilização. Acesso Universal Guia de utilização Março de 2009 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 4 Área de Trabalho... 5 Apresentar Propostas... 12 Classificar Documentos... 20 Submeter a Proposta... 21 Solicitação de Esclarecimentos/Comunicações...

Leia mais

Guia IPBRICK Billing 2.0

Guia IPBRICK Billing 2.0 Guia IPBRICK Billing 2.0 iportalmais 4 de Janeiro de 2013 1 Conteúdo 1 Introdução 3 2 Características 3 2.1 Novas características no Billing 2.0................... 3 3 Procedimento Básico 4 4 Instalação

Leia mais

Estrutura de um endereço de Internet

Estrutura de um endereço de Internet Barras do Internet Explorer Estrutura de um endereço de Internet Na Internet, cada servidor tem uma identificação única, correspondente ao endereço definido no IP (Internet Protocol). Esse endereço é composto

Leia mais

LeYa Educação Digital

LeYa Educação Digital Índice 1. Conhecer o 20 Aula Digital... 4 2. Registo no 20 Aula Digital... 5 3. Autenticação... 6 4. Página de entrada... 7 4.1. Pesquisar um projeto... 7 4.2. Favoritos... 7 4.3. Aceder a um projeto...

Leia mais

20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor

20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor 20 Aula Digital Manual do Utilizador do Professor Versão 1.0 Índice I. Começar a utilizar o 20 Aula Digital... 4 1. Registo... 4 2. Autenticação... 4 2.1. Recuperar palavra-passe... 5 II. Biblioteca...

Leia mais

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1

Versão 1.0. [08.02.2012] 2012, Portugal - Efacec Sistemas de Gestão S.A. Todos os direitos reservados. 1 Copyright 2012 Efacec Todos os direitos reservados. Não é permitida qualquer cópia, reprodução, transmissão ou utilização deste documento sem a prévia autorização escrita da Efacec Sistemas de Gestão S.A.

Leia mais

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica;

Mapas. Visualização de informação geográfica; Consulta e edição (mediante permissões) de informação geográfica; Mapas Destinado especialmente aos Utilizadores do GEOPORTAL, nele são descritas e explicadas as diferentes funcionalidades existentes no FrontOffice (GEOPORTAL). O GEOPORTAL é baseado em tecnologia Web,

Leia mais

Os elementos básicos do Word

Os elementos básicos do Word Os elementos básicos do Word 1 Barra de Menus: Permite aceder aos diferentes menus. Barra de ferramentas-padrão As ferramentas de acesso a Ficheiros: Ficheiro novo, Abertura de um documento existente e

Leia mais

GERENCIADOR DE CONTEÚDO

GERENCIADOR DE CONTEÚDO 1/1313 MANUAL DO USUÁRIO GERENCIADOR DE CONTEÚDO CRISTAL 2/13 ÍNDICE 1. OBJETIVO......3 2. OPERAÇÃO DOS MÓDULOS......3 2.1 GERENCIADOR DE CONTEÚDO......3 2.2 ADMINISTRAÇÃO......4 Perfil de Acesso:... 4

Leia mais

HTML - 7. Vitor Vaz da Silva Paula Graça

HTML - 7. Vitor Vaz da Silva Paula Graça HTML - 7 Vitor Vaz da Silva Paula Graça 1 Formulários Os formulários forms no HTML, são utilizados para a introdução de dados de uma determinada aplicação Os programas JavaScript têm como um dos seus maiores

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS...

Índice 1 INTRODUÇÃO...2 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 3 CRIAÇÃO DE ENTIDADES...12 4 DEPENDÊNCIAS...17 5 BANCOS, SEGURADORAS E CONSERVATÓRIAS... Índice 1 INTRODUÇÃO...2 1.1 JANELA ÚNICA DE ENTIDADES...3 1.2 PERMISSÕES POR UTILIZADOR...4 1.3 RESTRIÇÕES À VISUALIZAÇÃO/MANIPULAÇÃO...6 2 PESQUISA DE ENTIDADES...8 2.1 CRITÉRIOS DE PESQUISA...8 2.2 LISTA

Leia mais

ARQUIMEDES E CONTROLE DE OBRA

ARQUIMEDES E CONTROLE DE OBRA Catálogo de Novidades Versão 2009.1 1 ARQUIMEDES E CONTROLE DE OBRA A versão 2009.1 apresenta várias novidades e melhorias relativamente ao programa Arquimedes e Controle de Obra, que se indicam seguidamente.

Leia mais

FrontPage Express. Manuel Cabral Reis UTAD Departamento de Engenharias Curso de Ciências da Comunicação Disciplina de Introdução à Informática

FrontPage Express. Manuel Cabral Reis UTAD Departamento de Engenharias Curso de Ciências da Comunicação Disciplina de Introdução à Informática FrontPage Express Manuel Cabral Reis UTAD Departamento de Engenharias Curso de Ciências da Comunicação Disciplina de Introdução à Informática O que é o FrontePage Express Para aceder ao programa que vai

Leia mais

Versão 1.0. GEP Gabinete de Estratégia e Planeamento. aneamento. Rua Castilho, Nº 24 Lisboa 1250-069 Lisboa Homepage : http://www.gep.mtss.gov.

Versão 1.0. GEP Gabinete de Estratégia e Planeamento. aneamento. Rua Castilho, Nº 24 Lisboa 1250-069 Lisboa Homepage : http://www.gep.mtss.gov. Versão 1.0 GEP Gabinete de Estratégia e Planeamento aneamento. Rua Castilho, Nº 24 Lisboa 1250-069 Lisboa Homepage : http://www.gep.mtss.gov.pt Índice Folha 2 ÍNDICE Folha 1 - Requisitos -------------------------------------------------------------

Leia mais

Manual de Utilizador Externo Arquivo Digital. Santos, Tânia 2007. Última actualização: 25-06-2007

Manual de Utilizador Externo Arquivo Digital. Santos, Tânia 2007. Última actualização: 25-06-2007 Manual de Utilizador externo Arquivo Digital Santos, Tânia 2007 SIBUL Sistema Integrado de Bibliotecas da Universidade de Lisboa Última actualização: 25-06-2007 1 Introdução...3 O que é o Arquivo Digital

Leia mais

MANUAL ARTSOFT Mobile POS

MANUAL ARTSOFT Mobile POS MANUAL ARTSOFT Mobile POS INDÍCE O que é?... 3 Como se configura?... 3 ARTSOFT... 3 ANDROID... 3 Login... 4 Home... 5 Sincronização... 6 Utilizadores... 7 Entrada de stock... 7 Acerca... 8 Configuração...

Leia mais

Guia de utilização. Gestão de Mensagens. Março 2009

Guia de utilização. Gestão de Mensagens. Março 2009 Guia de utilização Gestão de Mensagens Março 2009 Índice Índice... 2 Novo Serviço de Gestão de Mensagens... 3 Criar Mensagens... 4 Layout Criar Mensagens... 5 Processo Criar Mensagens... 7 Gestão das Mensagens...

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

ZSRestWEB. Manual de Iniciação. BackOffice. Manual de Iniciação ZSRestWeb

ZSRestWEB. Manual de Iniciação. BackOffice. Manual de Iniciação ZSRestWeb ZSRestWEB Manual de Iniciação BackOffice 2 Introdução 4 Iniciar ZSRestWeb 4 Adicionar Atalho 4 Entrar no ZSRestWEB 5 Apresentação do ZSRestWEB 6 Widgets 7 Exemplo de Widget em Tabela: 8 Exemplo de Widget

Leia mais

Manual de Access 2007

Manual de Access 2007 Manual de Access 2007 Índice Introdução... 4 Melhor que um conjunto de listas... 5 Amizades com relações... 6 A Estrutura de uma Base de Dados... 8 Ambiente do Microsoft Access 2007... 9 Separadores do

Leia mais

BIS-Navigator. Add-In for Excel

BIS-Navigator. Add-In for Excel BIS-Navigator Add-In for Excel Manual do Utilizador V3.0 - Português Fev 2006 Publicado por Solutions for Informations Technologies Copyright 2000 da Solutions for Informations Technologies ou suas subsidiárias,

Leia mais

Gestão de bases de dados e listas

Gestão de bases de dados e listas Gestão de bases de dados e listas Uma das tarefas mais comuns em que são utilizadas folhas de cálculo é a gestão de listas (listas de números de telefone, listas de clientes, listas de tarefas, listas

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento

1.4.4 Configurar serviços de armazenamento 1.4.4 Configurar serviços de armazenamento Esta versão do Office permite guardar os documentos na nuvem do OneDrive, de modo que possa posteriormente aceder aos seus conteúdos a partir de qualquer dispositivo

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

Acesso ao Comercial. Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa

Acesso ao Comercial. Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa Acesso ao Comercial Ajudas para trabalhar mais eficientemente com o programa Neste Manual são apresentados écrans preenchidos com dados para melhor exemplificar as funcionalidades do programa. O uso do

Leia mais

Excel - Ficha de Trabalho

Excel - Ficha de Trabalho Excel - Ficha de Trabalho Facturação Avançada O trabalho que se segue consistirá numa folha de cálculo com alguma complexidade, em que existirão diferentes folhas no mesmo livro. Neste serão criadas Bases

Leia mais

Apresentar Propostas vortalgov

Apresentar Propostas vortalgov Guia de utilização Apresentar Propostas Janeiro 2008 Índice Preâmbulo... 3 Acesso à Plataforma... 3 Área de Trabalho... 4 PPA / C. Públicos... 4 Funcionalidades da pasta PPA / C. Públicos - Activos...

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Administrador 1 Índice 1. Sobre o Guia... 3 1.1 Objectivo... 3 1.2 Conceitos e Termos... 3 1.2 Utilização do Guia... 3 2. Ferramentas de Administração... 4 2.1

Leia mais

Paulo Mota (versão 1.2)

Paulo Mota (versão 1.2) Paulo Mota (versão 1.2) 2007 C.N.E. Núcleo de S. Miguel Departamento de Formação 2 ÍNDICE 1. Aceder à aplicação SIIE... 3 2. Importar dados... 4 2.1. Dados gerais dos elementos... 4 2.2. Dados gerais do

Leia mais

Manual de utilização do Centro de Administração Comerciante

Manual de utilização do Centro de Administração Comerciante REDUNICRE Manual de utilização do Centro de Administração Comerciante Versão: 0.3 Data: 16/05/2011 Este documento é propriedade da Unicre e deverá apenas ser utilizado como suporte de utilização das soluções

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo,

POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, Módulo POS Loja O que é um POS? Para que serve? POS significa Point of Sale Posto de Venda um local onde ocorre uma transação financeira, por exemplo, uma Loja que efetue venda ao público. Por outras palavras,

Leia mais

ZSRest. Manual Profissional. Comandos Rádio X64. V2011-Certificado

ZSRest. Manual Profissional. Comandos Rádio X64. V2011-Certificado Manual Profissional Comandos Rádio X64 V2011-Certificado 1 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. Configuração inicial... 3 4. Configurações X64... 5 a) Definições Gerais... 5 b) Documentos e Periféricos... 8

Leia mais

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1

Documento de actualização funcional. Refª JURI-DEV-20121221-v1 Documento de actualização funcional Refª JURI-DEV-20121221-v1 21 de Dezembro de 2012 Índice 1 Certificação com envio de ficheiro SAFT-PT para AT... 3 1.1 Sobre a Certificação... 3 1.2 Novas regras para

Leia mais

Manual de Utilização do Moodle

Manual de Utilização do Moodle Manual de Utilização do Moodle Alexandre Barras Baptista a.baptista@isegi.unl.pt 1 Índice Moodle... 3 Aceder ao Moodle SuGIK... 4 Login... 4 Disciplinas... 5 Estrutura da disciplina... 5 Edição da Disciplina...

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

Spelling Tabelas Apagar linhas numa tabela Merge e Split numa tabela Alinhamento vertical da tabela Introduzir texto na vertical

Spelling Tabelas Apagar linhas numa tabela Merge e Split numa tabela Alinhamento vertical da tabela Introduzir texto na vertical Word II Título: Iniciação ao WORD 2003. Nível: 1 Duração: 2 Tempos Objectivo: Iniciar o estudo da aplicação Microsoft Office Word. Dar a conhecer algumas ferramentas do Microsoft Office Word. Microsoft

Leia mais

MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales

MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales MANUAL ARTSOFT Mobile Pre Sales INDÍCE O que é?... 3 Como se configura?... 3 ARTSOFT... 3 ANDROID... 3 Login... 4 Home... 5 Funcionalidades... 6 Sincronização... 6 Contas... 7 Consultas... 7 Resumos...

Leia mais

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1

COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 COMPETÊNCIAS BÁSICAS EM TIC NAS EB1 Oficina do Correio Para saber mais sobre Correio electrónico 1. Dicas para melhor gerir e organizar o Correio Electrónico utilizando o Outlook Express Criar Pastas Escrever

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc.

Ferramentas como, por exemplo, linhas de conexão, formas automáticas, sombras pendentes, WordArt, etc. Ambiente de trabalho Ambiente de trabalho Porquê criar páginas web? A World Wide Web é a melhor forma das pessoas comunicarem umas com as outras. Nos dias de hoje, é importante poder comunicar com outras

Leia mais

LNDnet. Lançamento de notas pelos docentes. Portal académico

LNDnet. Lançamento de notas pelos docentes. Portal académico LNDnet Lançamento de notas pelos docentes Portal académico A base para elaboração do presente manual foi o manual da Digitalis (SIGES.11.0.0 Manual de Utilizador) ao no qual foram registada as adaptações

Leia mais

Migrar para o Excel 2010

Migrar para o Excel 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Excel 2010 é muito diferente do Excel 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as partes

Leia mais

Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas

Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas Tarefa Orientada 18 Tabelas dinâmicas Análise de dados através de tabelas dinâmicas. Conceitos teóricos As Tabelas Dinâmicas são tabelas interactivas que resumem elevadas quantidades de dados, usando estrutura

Leia mais

License Management. Manual de instruções do License Management

License Management. Manual de instruções do License Management License Management Manual de instruções do License Management Apenas para a utilização interna CLMTOC.fm Índice Índice 0 1 Informações elementares.............................................. 1-1 1.1

Leia mais

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24

BPstat. manual do utilizador. Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BPstat manual do utilizador Banco de Portugal BPstat Estatísticas online Manual do Utilizador 1/24 BANCO DE PORTUGAL Av. Almirante Reis, 71 1150-012 Lisboa www.bportugal.pt Edição Departamento de Estatística

Leia mais

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Leaseplan Portugal Bertrand Gossieaux SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Page2 INDICE 1. LOGIN, ESTRUTURA E SAÍDA DO SIM... 3 a) Login... 3 b) Estrutura principal... 4 c) Saída da

Leia mais

Área de Administração

Área de Administração Área de Administração versão 1.1 Partir de 2012/01/14 aplica-se para a versão phpcontact 1.2.x www.phpcontact.net Geral A área de administração é utilizado para uma fácil configuração do software elaboraçao

Leia mais

PACWEB Módulo de Pesquisa MANUAL DO UTILIZADOR

PACWEB Módulo de Pesquisa MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR Versão 1.3 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 2 2. INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO 3 2.1 INSTALAÇÃO 3 Instalar o Pacweb 3 Alterar o Ficheiro Default.htm 3 Criar um Virtual Directory 3 2.2 CONFIGURAÇÃO

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice Manual de Iniciação BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 a) BackOffice:... 4 b) Acesso BackOffice:... 4 4. Zonas... 6 c) Criar Zona:... 7 d) Modificar Zona:... 8 e) Remover

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização

Leia mais

Microsoft Windows. Aspectos gerais

Microsoft Windows. Aspectos gerais Aspectos gerais É um sistema operativo desenvolvido pela Microsoft Foi desenhado de modo a ser fundamentalmente utilizado em computadores pessoais Veio substituir o sistema operativo MS-DOS e as anteriores

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Ementas : Email e SMS. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Ementas : Email e SMS. v2011 Manual Avançado Ementas : Email e SMS v2011 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. INICIAR O ZSRest FrontOffice... 3 1 4. CONFIGURAÇÃO INICIAL... 4 b) Configurar E-Mail... 4 c) Configurar SMS... 5 i. Configurar

Leia mais

Administração da disciplina

Administração da disciplina Administração da disciplina Agrupamento Vertical de Escolas de Tarouca Documento disponível em: http://avetar.no-ip.org 1.Acesso e utilização da plataforma:. Seleccione a opção Entrar, que se encontra

Leia mais

Índice. Manual do programa Manage and Repair

Índice. Manual do programa Manage and Repair Manual do programa Manage and Repair Índice 1 Menu Ficheiro... 3 1.1 Entrar como... 3 1.2 Opções do utilizador... 3 2 Administração... 5 2.1 Opções do Programa... 5 2.1.1 Gerais (1)... 5 2.1.2 Gerais (2)...

Leia mais

Criar Conta. Click to edit Master title style

Criar Conta. Click to edit Master title style Click to edit Master title style Criar uma conta no EndNote Web Criar Conta O registo só é possível dentro da gama de IPs da b-on. Se já estiver registado na Web of Knowledge pode usar a mesma conta no

Leia mais

ZSBMS. Manual de Iniciação. BackOffice. Manual de Iniciação ZSBMS

ZSBMS. Manual de Iniciação. BackOffice. Manual de Iniciação ZSBMS 1 ZSBMS Manual de Iniciação BackOffice 2 Table of Contents Introdução... 4 Iniciar ZSBMS... 4 Adicionar Atalho... 4 Entrar no ZSBMS... 5 Apresentação do ZSBMS... 6 Widgets... 7 Exemplo de Widget em Tabela:...

Leia mais

EXCEL TABELAS DINÂMICAS

EXCEL TABELAS DINÂMICAS Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL TABELAS DINÂMICAS (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina Wanzeller

Leia mais

Procedimentos para a divulgação de eventos no site da ECUM

Procedimentos para a divulgação de eventos no site da ECUM Procedimentos para a divulgação de eventos no site da ECUM Pressupostos introdutórios 3 Descrição da tarefa 4 Autenticação/Login 4 Página de entrada 4 Criar um novo evento 5 Colocar um evento em destaque

Leia mais

Gerenciamento de Configuração. Treinamento OTRS ITSM

Gerenciamento de Configuração. Treinamento OTRS ITSM Gerenciamento de Configuração Treinamento OTRS ITSM Sumário Visão Geral do Módulo...3 Estado de Implantação...4 Estado de Incidente...4 Permissionamento...4 Gerenciando Itens de Configuração...5 Inclusão

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE

GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE GIAE VERSÃO 2.1.1 28 JUNHO DE 2011 MUITO IMPORTANTE Devido a um bug detectado no motor da base de dados, situação agora corrigida pelo fabricante, esta nova actualização do GIAE é disponibilizada numa

Leia mais

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix.

Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. Gerir Clientes no Gestix A Ficha de Cliente Faça a gestão da sua base de clientes com o Gestix. O Gestix oferece-lhe diversas formas de conhecer e acompanhar os seus clientes. Explore-o como uma poderosa

Leia mais

Base de dados I. Base de dados II

Base de dados I. Base de dados II Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação, relacionada com um determinado assunto ou finalidade, armazenada em computador em forma de ficheiros Para que serve? Serve

Leia mais

Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de Listas de Excel

Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de Listas de Excel Tarefa 18: Criar Tabelas Dinâmicas a partir de 1. Alguns conceitos sobre Tabelas Dinâmicas Com tabelas dinâmicas podemos criar dinâmica e imediatamente resumos de uma lista Excel ou de uma base de dados

Leia mais