PROCESSO DE DESIGN PROJETO DE PRODUTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO DE DESIGN PROJETO DE PRODUTO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CAMPOS DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ - BC DEPARTAMENTO DE DESIGN ALINE ORSI ARTHUR SOARES KAMILLA SGROTT ROSANGELA KYRILLOS PROCESSO DE DESIGN PROJETO DE PRODUTO Disciplina: Processo de Design Ministrante: Paulo César Ferroli BALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC 2007

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO OBJETIVOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Estado da Arte Estado do Design PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Perguntas de Baxter Ferramentas do Projeto Metodologia PROJETO Pré-Concepção Técnicas de Criatividade Concepção Painel Semântico Geração de Alternativas Descrição Detalhada da Alternativa Escolhida Pós-Concepção...14 CONSIDERAÇÕES FINAIS...15 REFERÊNCIAS...16 APÊNDICES...17 ANEXOS...23

3

4 INTRODUÇÃO A elaboração do nosso projeto está ligada diretamente ao camping. Com a vida agitada que as pessoas tem,o camping é um lugar muito procurado para quem quer relaxar e esquecer dos problemas da cidade. Lugares calmos, prática de esportes radicais, silêncio, contato com natureza, estes são alguns dos tópicos e palavras relacionadas com os praticantes do camping. 3

5 1 OBJETIVOS O objetivo geral deste trabalho é fazer um projeto que possa auxiliar a vida do campista. Fornecendo conforto e praticidade ao praticante. O produto será desenvolvido com o enfoque na agregação de valores e multi-função. Desenvolveremos uma mochila que possibilite a redução de peso e facilite o transporte dos acessórios necessários para a prática. Também agregaremos funções possibilitando a redução do número de produtos e acessórios levados para a prática pelo campista. Escolhemos este tema e produto pelas visíveis tendências que a nossa sociedade está seguindo. Cada vez mais os indivíduos estão procurando aventuras e práticas que fujam do convívio diário que eles têm nos centros urbanos. Identificamos a constante grande quantidade de aparatos necessários e a falta de conforto obtida pelos praticantes da atividade. 4

6 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 ESTADO DA ARTE O camping é uma área estruturada com diversos níveis de sofisticação, do inglês:camping, para o português : acampamento. É um local onde se estabelecem barracas ou tendas, geralmente com proximidade à natureza, onde toda a infra-estrutura é levada pelos campistas. O homem Antigamente muitos consideravam o estilo de vida do campista um tanto solitário e penoso, pois era o isolamento sem conforto algum. Se compararmos as situações do campismo passado com o atual no que se refere aos locais e ao clima, não encontraremos grandes diferenças,mas existe um abismo nas condições entre passado e presente, hoje em dia contamos com uma enorme gama de produtos e com alta tecnologia, porem ainda tem muito a ser melhorado. Devido essa possível grande variação nas dimensões corporais, as médias não são aconselhadas a serem usadas, mas sim trabalhar com essa gama de variação. Em qualquer grupo populacional dado, estatisticamente, as medidas do corpo são distribuídas em uma faixa média, enquanto que um número menor de medidas extremas situa-se nas duas pontas da tabela. Esses dados antropométricos são frequentemente expressados em percentispratica o campismo desde os tempos remotos. Seu foco mudou bastante, hoje o homem pratica o campismo buscando o lazer e o descanço. 2.2 ESTADO DO DESIGN Realizada uma pesquisa de produtos semelhantes já disponíveis atualmente no mercado. Esta pesquisa serviu para termos noção de outras soluções disponíveis. O campista geralmente utiliza a seguinte série de acessórios/produtos durante a atividade: Barracas, Sacos de Dormir, Mochilas, Cantis, Repelentes, 5

7 Lanternas, Kit multi-função (Canivete, garfo, faca e ferramentas), Aquecedores, Fogareiros e Kit de primeiros-socorros. Os produtos que são utilizados no camping devem, por via de regra, ser portáteis e leves. Se possível, sejam fáceis de manusear, isto porque poderão ser utilizados nas mais adversas situações durante a experiência: Chuvas, ventanias, escuridão e etc... As mochilas geralmente contam com diversos compartimentos, alguns pré-moldados para certas aplicações, tais como: Tocadores de música portáteis, celulares, carteiras, recipientes para líquidos e lanternas. As mochilas também podem contar com acabamento impermeável, tanto no exterior como nas suas vedações e fechos. Elas devem apresentar boa capacidade de armazenamento, pois o campista leva toda sua estrutura dentro dela. Devido a este fator, também deverá ser bastante ergonômica, com apoios e cintas na altura da cintura e do peito. Isto para facilitar o suporte à coluna vertebral. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 3.1 DESCRIÇÃO 5 PERGUNTAS DE BAXTER Qual é exatamente o problema que você esta querendo resolver? Resolver os problemas de acomodação do campista em um acampamento. Porque este problema existe? Porque as fabricas deste ramo resolvem este problema de uma maneira diferente, não muito eficaz para os campistas. Ele é uma parte especifica de um problema maior e mais amplo? Não, pois o problema compreende a vários fatores dentro de um abrigo. 6

8 Solucionando-se este problema maior a parte especifica também será selecionada? Sim, pois solucionaremos o problema maior e dessa maneira todos os problemas específicos serão solucionados da melhor maneira possivel Em vez disso seria melhor atacar primeiro a parte especifica? Vamos procurar trabalhar com a parte maior, pois precisamos resolver alguns problemas específicos que juntos formam o todo. Dessa maneira poderemos solucionar os problemas existentes nas acomodações atuais e com isso confortar da melhor maneira possivel o campista Qual é a solução ideal para o problema? A solução maior para o problema é procurar resolver algunsd aspectos existentes na acomodações para o camping atuais, que atrapalham as horas de descanço e de sono nos acampamentos O que caracteriza essa solução ideal? Essa solução é caracterizada pó um bom tempo de experiência em camping, e durante esse tempo descobrimos vários problemas com a acomodação, por exemplo uma melhor organização do espaço, um conforto melhor para dormir, e o transporte do material de camping Quais são as restrições que dificultam o alcance dessa solução ideal? Existem restrições como nao poder aplicar qualquer material no desenvolvimento deste produto..não aumentar muito o espaço externo, projetar um produto mais leve e mais portátil possivel e que proporcione conforto e melhor maneira possivel as pessoas. 3.2 FERRAMENTAS DO PROJETO Até o momento foram utilizadas ferramentas de projeto como as oito perguntas do Baxter para definir o problema de projeto antes de iniciar as pesquisas do mesmo. E outras ferramentas usadas como o cronograma de 7

9 projeto para programar o tempo década etapa, os painéis semânticos para saber o estilo de vida do consumidor, a expressão do produto e o tema visual do mesmo. 3.3 METODOLOGIA A metodologia usada para desenvolver o projeto de um novo sistema de acomodação para camping é o MD3E, Método Desdobrado em três etapas criado pelo professor M. Sc.Flávio Santos. É um método muito interessante, pois desdobra todos os itens do projeto de uma maneira fácil de se trabalhar e bem detalhada, melhorando assim a gestão do processo do design. A gestão do processo do design fica dividida em três etapas básicas que seriam: Pré-concepção, com a definição do problema, especificação do produto e a especificação do projeto. A concepção, com a geração de alternativas e a definição e justificativa e por ultimo a Pós-concepção, com o detalhamento dos subsistemas, especificação dos componentes e a especificação da produção, venda e pós venda. 4 PROJETO 4.1 PRÉ-CONCEPÇÃO O Objetivo do desenvolvimento deste produto é juntar a função de dois dos acessórios mais utilizados e essenciais para o campista. Estes são: uma unidade de armazenamento e transporte de itens pessoais e uma unidade de proteção e abrigo pessoal TÉCNICAS DE CRIATIVIDADE Utilizamos basicamente o Brainstorm para desenvolver e auxiliar a geração de alternativas. O método consiste de uma sessão onde há um Líder, membros e uma secretária. O processo proíbe críticas durante sua execução. 8

10 O tema é definido pelo Líder e os membros começam a gerar idéias sobre o mesmo, qualque coisa é válida nessa etapa, a secretária, toma notas das idéias. Em uma segunda etapa estas idéias são refinadas e há a escolha de uma idéia final. As ferramentas de desenvolvimento de projeto utilizadas foram o MD3E e Cronograma. O MD3E consiste em um método de desdobramento do projeto em três etapas, criado pelo Prof. Flávio Anthero Vianna dos Santos. O Cronograma nos permite ter uma visão geral de todas as datas e processos que ocorrerão durante o projeto. Utilizando as duas ferramentas em conjunto, temos uma visão geral de todo o andamento e etapas do projeto. Permitindo assim ter bastante controle e otimizar ao máximo todo o projeto. Os desdobramentos destas duas ferramentas podem ser encontrados na sessão de anexos. 4.2 CONCEPÇÃO Painel Semântico Foram desenvolvidos três painéis para auxiliar na visualização e conceituação do universo do produto. Os temas para os três painéis foram: O estilo de vida dos consumidores, O universo dos produtos e Expressão do produto. Os três estão disponíveis na sessão de anexo Geração de Alternativas Foram desenvolvidas aproximadamente 10 alternativas que se encontram disponíveis na sessão de anexo Descrição detalhada da alternativa escolhida 9

11 A alternativa escolhida se encontra na sessão de Anexos e está identificada. A escolha dela foi realizada pelo grupo por vários motivos como, por exemplo, o fromato anatômico, modelo compacto de fácil manuseio, distribuição de peso de maneira uniforme, formas harmoniosas, é um modelo versátil. Nosso produto é uma mochila que se transforma em barraca. A mochila é impermeável, suas alças possuem acolchoamentos para maior conforto do usuário. Ela é dividida por vários copmartimentos que sào vedados com zipper. Possuí também bolsos externos de fácil acesso para o armazenamento de outros acessórios. As estruturas das laterais internas da mochila se desmontam para a montagem, fácil e ágil, da barraca. A Barraca é individual e possui uma estrutura forte e resistente aos intempéries. 4.3 Pós-Concepção Desenho Ilustrativo da Alternativa Final 10

12 Fig 1: Desenho Ilustrativo da Alternativa Final. Fig 2: Mochila transformada na Barraca. 11

13 5 CONSIDERAÇOES FINAIS Esperamos que com o desenvolvimento deste produto, conseguiremos prover para os usuários de camping um conforto muito na experiência vivida por eles na prática da atividade. Acreditamos que um produto como o nosso desenvolvido, fará com que novos adeptos se interessem pela atividade, pois com ele, o praticante terá uma garantia de conforto e facilidade de uso. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Wikipedia. Camping. Enciclopédia Online. Disponível em < >. Acesso em: 03 março Wikipedia. Acampamento. Enciclopédia Online. Disponível em < >. Acesso em: 03 março ACAMP. Associação de Camping. Comunidade de camping brasileira. Disponível em < >. Acesso em: 05 março Mercado Livre. Guia de Compras de Camping. Lista de produtos disponíveis para venda. Disponível em < >. Acesso em: 07 março CCB. Camping Club do Brasil. Página na enciclopédia. Disponível em < >. Acesso em: 05 março Camping Club. Camping Club do Brasil. Página do Clube. Disponível em < >. Acesso em: 05 março APÊNDICES Apêndice 1: Cronograma do Projeto Final e 5W2H 12

14 Universidade do Vale do Itajaí CES Balneário Camboriú Curso de Design Industrial Processo de Design - 3º período 2007/1 Prof.: Paulo Cesar Machado Ferroli, Dr.Eng. 1. Cronograma Equipe Aline Orsi Arthur Soares Henriques Kamila Sgrott Rosangela Barbosa Kyrillos Foi desenvolvido um cronograma para o projeto, baseado no 1º estágio do método MD3E. A data escolhida para início do desenvolvimento da atividade foi o da aula anterior, dia 17 de abril. O prazo final para execução e entrega do projeto é dia 03 de julho, data do último encontro desta matéria. Abril Maio Junho Jul Atividade / Datas Planejamento Projeto Análise do Problema Atributos do Produto Caminhos Criativos Geração de Alternativas Seleção e adequação Subsistemas e Componentes Processos Produtivos Mercado 2. 5W2H Após definidas as datas no cronograma, partimos para a execução do 5W2H, que em português significa: O quê, Por que, Quem, Onde, Quando, Como e Quanto Custará. Eliminamos a coluna Why e How Much, a primeira por ser redundante e a segunda por não termos como estimar os custos nesta etapa do processo. Atividade What Who Where When How Planejamento Projeto Análise do Problema Atributos do Produto Caminhos Criativos Geração de Alternativas Seleção e Adequação Sub-sistemas e Componentes Processos Produtivos Mercado Cronograma Investimentos Tecnologias Pesquisas Conceito Temática Funcionais Estético Simbólicos Ergonômica Estética Tecnológica Lançamento Venda Pós-Venda Arthur Arthur Kamila Rodrigo Grupo Grupo Grupo Grupo Grupo Grupo Casa Faculdade Casa Faculdade Faculdade Faculdade Faculdade Faculdade Faculdade 17/abril / 24/abril 17/abril / 08/mail 24/abril / 08/maio 08/maio / 22/maio 15/maio / 27/maio 22/maio / 05/junho 05/junho / 19/junho 12/junho / 19/junho 19/junho / 03/julho Métodos Pesquisa Contexto Pesquisa Contexto Métodos Desenhos Análise Pesquisa Pesquisa e Análise Pesquisa e Análise

15 Apêndice 2: Painéis Semânticos 14

16 Expressão do Produto

17 Referências Visuais

18 Estilo de Vida dos Consumidores

19 ANEXOS Geração de Alternativas Fig 3: Alternativa 1 15

20 Fig 4: Alternativa 2 16

21 Fig 5: Alternativa 3 17

22 Fig 6: Alternativa 4 18

23 Figura 7: Alternativa 5 19

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

DESIGN URBANO: Projeto de Ponto de Táxi. Acadêmica: Ana Lucia Spessatto. Orientador: Prof. Luiz Claudio Mazolla Vieira M. Sc.

DESIGN URBANO: Projeto de Ponto de Táxi. Acadêmica: Ana Lucia Spessatto. Orientador: Prof. Luiz Claudio Mazolla Vieira M. Sc. DESIGN URBANO: Projeto de Ponto de Táxi Acadêmica: Ana Lucia Spessatto Orientador: Prof. Luiz Claudio Mazolla Vieira M. Sc. Tema Design Urbano a partir de um projeto de Ponto de Táxi. Problema Como desenvolver

Leia mais

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Fernando Pires Barbosa, Carlos Roberto Gressler, Marcio Andre Dell Aglio Frick, Daniel Michelon de Carli, Giséli Bastos, Henrique

Leia mais

Mapas de Rotas Tecnológicas Roadmaps Conceitos, Tipos e Etapas de Elaboração. LELIO FELLOWS FILHO 05 de julho de 2007

Mapas de Rotas Tecnológicas Roadmaps Conceitos, Tipos e Etapas de Elaboração. LELIO FELLOWS FILHO 05 de julho de 2007 Mapas de Rotas Tecnológicas Roadmaps Conceitos, Tipos e Etapas de Elaboração LELIO FELLOWS FILHO 05 de julho de 2007 ROADMAP: do quê se trata Os mapas tecnológicos ou technology roadmaps fazem parte das

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ

PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ PROJETO INTERDISCIPLINAR DO MÓDULO DE AGÊNCIAS DE VIAGENS E TRANSPORTES ( PIMAT ): ESTUDO DE CASO TURISMO E HOTELARIA / SÃO JOSÉ Fabiano Ceretta 1 Resumo: O projeto interdisciplinar do módulo de Agências

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO PROJETO DESAFIO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO Prof. CARLOS HENRIQUE LAGEMANN Prof. PAULO FERNANDO SALVADOR Prof. RONALDO CESAR TREMARIN Bolsista Diandra Tainá Rockenbach emc@univates.br

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA

MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA MATRIZ SWOT VANTAGENS DE SUA UTILIZAÇÃO NO COMÉRCIO VAREJISTA Daniela Vaz Munhê 1 Jenifer Oliveira Custódio Camara 1 Luana Stefani 1 Murilo Henrique de Paula 1 Claudinei Novelli 2 Cátia Roberta Guillardi

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

Mochilas para vendedores de mate: um projeto de design com base no contexto social do Rio de Janeiro

Mochilas para vendedores de mate: um projeto de design com base no contexto social do Rio de Janeiro Mochilas para vendedores de mate: um projeto de design com base no contexto social do Rio de Janeiro Clarissa Lucena clalucenalima@gmail.com Curso bacharelado em Design de Moda SENAI CETIQT Brasil Orientadora

Leia mais

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com MANUAL ESCOLA FLEX Revisado em 09/07/2008 Sistema Flex www.sistemaflex.com Índice Manual Escola Flex Índice... 2 Tela de Abertura (Splash Screen)... 3 Login... 4 Seleção de Empresas... 5 Tela Principal...

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

MODELAGEM MATEMÁTICA

MODELAGEM MATEMÁTICA 600 MODELAGEM MATEMÁTICA *Carla da Silva Santos **Marlene Menegazzi RESUMO Este artigo retrata através de seus dados históricos, métodos e exemplo prático uma metodologia alternativa de ensino nos levando

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos

Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Aula Nº 9 Gerenciamento de Recursos Humanos em projetos Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam tratar da identificação bem como do estabelecimento de uma estrutura organizacional apropriada ao

Leia mais

Aula 04 - Planejamento Estratégico

Aula 04 - Planejamento Estratégico Aula 04 - Planejamento Estratégico Objetivos da Aula: Os objetivos desta aula visam permitir com que você saiba definir o escopo do projeto. Para tal, serão apresentados elementos que ajudem a elaborar

Leia mais

Workshop. Planejamento e gestão de indicadores para projetos digitais

Workshop. Planejamento e gestão de indicadores para projetos digitais Workshop Planejamento e gestão de indicadores para projetos digitais 12th CONTECSI USP 22 de maio de 2015 Mini CV - Prof. Sthefan Berwanger Tem pós em Educação no Ensino Superior e Bacharelado em Física

Leia mais

Na segunda parada, 2 pessoas saem do ônibus e 2

Na segunda parada, 2 pessoas saem do ônibus e 2 Módulo 3 TESTEDEATENÇÃO Você está dirigindo um ônibus que vai do Rio de Janeiro para Fortaleza. No início temos 32 passageiros no ônibus. Na primeira parada, 11 pessoas saem do ônibus e 9 entram. Na segunda

Leia mais

A pista de fórmula 1 para recipientes

A pista de fórmula 1 para recipientes A pista de fórmula 1 para recipientes Ele alcança altas velocidades e é impressionante devido a sua alta performance e eficiência: o sistema para transporte de recipientes HEUFT conveyor é uma verdadeira

Leia mais

O que é Estudio Cosmica?

O que é Estudio Cosmica? Apresentacao O que é Estudio Cosmica? Criação e Concepção de Ideias e Projetos. Estudio Cosmica é um Estúdio de Criação e desenvolvimento de Ideias, Sempre Atento e antenado ao Mercado e novidades, buscando

Leia mais

Equações do primeiro grau

Equações do primeiro grau Módulo 1 Unidade 3 Equações do primeiro grau Para início de conversa... Você tem um telefone celular ou conhece alguém que tenha? Você sabia que o telefone celular é um dos meios de comunicação que mais

Leia mais

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos.

Em 2012, a Prosoft planejou o lançamento da Versão 5 dos seus produtos. VERSÃO 5 Outubro/2012 Release Notes Não deixe de atualizar o seu sistema Planejamos a entrega ao longo do exercício de 2012 com mais de 140 melhorias. Mais segurança, agilidade e facilidade de uso, atendendo

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves

MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK. Cesar Eduardo Freitas Italo Alves MSF- MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK Cesar Eduardo Freitas Italo Alves A ORIGEM DO MSF (MICROSOFT SOLUTIONS FRAMEWORK) Baseado na experiência da empresa na construção de softwares como Office e Windows e

Leia mais

Escola de esportes na Natureza

Escola de esportes na Natureza Escola de esportes na Natureza INTRODUÇÃO O Brasil reúne condições ideais para a prática de esportes na Natureza. Temos temperaturas do ar e da água amenas, clima relativamente calmo e uma infinidade de

Leia mais

Guia de Recursos e Funcionalidades

Guia de Recursos e Funcionalidades Guia de Recursos e Funcionalidades Sobre o Treasy O Treasy é uma solução completa para Planejamento e Controladoria, com o melhor custo x benefício do mercado. Confira alguns dos recursos disponíveis para

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de

Copiright de todos artigos, textos, desenhos e lições. A reprodução parcial ou total desta aula só é permitida através de autorização por escrito de 1 Nesta aula você aprenderá a diferenciar um desenhista de um ilustrador e ainda iniciará com os primeiros exercícios de desenho. (Mateus Machado) O DESENHISTA E O ILUSTRADOR Ainda que não sejam profissionais

Leia mais

APRESENTAÇÃO O DESIGN É HOJE UM RECURSO ESTRATÉGICO FUNDAMENTAL PARA AUMENTAR O POTENCIAL COMPETITIVO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS.

APRESENTAÇÃO O DESIGN É HOJE UM RECURSO ESTRATÉGICO FUNDAMENTAL PARA AUMENTAR O POTENCIAL COMPETITIVO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. O QUE É DESIGN APRESENTAÇÃO O design ocupa grande parte do cotidiano das pessoas e das empresas, representado por uma infinidade de produtos e serviços. Ele é o meio que as empresas utilizam para transformar

Leia mais

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 Engenharia Unificada I FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação Formas de comunicação em Projetos de Engenharia (PE) Interpretação

Leia mais

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto

Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM. Fechando o ciclo de planejamento do produto Questão em foco: Gerenciamento do Portfólio de Produto em uma estratégia de PLM Fechando o ciclo de planejamento do produto Tech-Clarity, Inc. 2010 Sumário Introdução à questão... 3 As Primeiras Coisas

Leia mais

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado.

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. , ()! $ Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. Uma estratégia muito utilizada para organizar visualmente informações numéricas

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento O HOMEM NÃO É A SOMA DO QUE ELE TEM, MAS A TOTALIDADE DO QUE AINDA NÃO TEM, DO QUE PODERIA TER.

Treinamento e Desenvolvimento O HOMEM NÃO É A SOMA DO QUE ELE TEM, MAS A TOTALIDADE DO QUE AINDA NÃO TEM, DO QUE PODERIA TER. Treinamento e Desenvolvimento O HOMEM NÃO É A SOMA DO QUE ELE TEM, MAS A TOTALIDADE DO QUE AINDA NÃO TEM, DO QUE PODERIA TER. JEAN-PAUL SARTRE Se queres colher em três anos, planta trigo... Se queres colher

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO MOBILIÁRIO EM AÇO.

A EVOLUÇÃO DO MOBILIÁRIO EM AÇO. A EVOLUÇÃO DO MOBILIÁRIO EM AÇO. A Linha Fenix revolucionou o conceito em mobiliários inteligentes, trazendo a vanguarda em sistemas, integração e estrutura, aliados a inovação da marca. 3FE208 Estante

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

APLICATIVO DE MAPEAMENTO DE LOCAIS PARA PRÁTICAS ESPORTIVAS OUTDOOR VIA SENSIBILIDADE AO CONTEXTO

APLICATIVO DE MAPEAMENTO DE LOCAIS PARA PRÁTICAS ESPORTIVAS OUTDOOR VIA SENSIBILIDADE AO CONTEXTO Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Engenharia da Computação Centro de Informática 2014.1 APLICATIVO DE MAPEAMENTO DE LOCAIS PARA PRÁTICAS ESPORTIVAS OUTDOOR VIA SENSIBILIDADE AO CONTEXTO Aluno:

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS CUSTOMER SUCCESS STORY Junho 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Project & Portfolio Management SaaS PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários:

Leia mais

Fundamentos da Administração Estratégica AULA 2

Fundamentos da Administração Estratégica AULA 2 Fundamentos da Administração Estratégica AULA 2 Fundamentos da Administração Vem do latim: ad (direção para, tendência para) e minister (subordinação ou obediência), e significa aquele que realiza uma

Leia mais

PFERDErgonomics EDIÇÃO Nº 2

PFERDErgonomics EDIÇÃO Nº 2 PFERDErgonomics EDIÇÃO Nº 2 A ergonomia é uma disciplina que estuda a relação do homem e os ambientes em que ele interage. Um de seus principais objetivos é criar condições adequadas de trabalho tanto

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Plataforma Sharp OSA VAÇÃO

Plataforma Sharp OSA VAÇÃO Plataforma Sharp OSA VAÇÃO A plataforma Sharp OSA abre sua MFP para se tornar um portal personalizado, localizado estrategicamente dentro do seu negócio. Associado a um amplo potencial de desenvolvimento

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo ILHÉUS - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo Módulo

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6 Introdução Há 50 anos, as cadeias eram gerenciadas por lápis, papel e calculadora. Hoje existem softwares. Esta parte da aula fará um tour pelos tipos de softwares

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO

CONTRATO DE TRABALHO 1. O que estamos tentando realizar? Objetivo do Projeto: Padronizar o serviço de atendimento de solicitações de documentos nas do Sistema. Importância do Projeto (ligação com o Planes e os clientes): Ligação

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM

Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Maio 2014 Renova Energia Otimiza Gestão de Conhecimento e Projetos com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Empresa: Renova Energia Indústria: Energia Funcionários: 182 (2012) Faturamento:

Leia mais

Decor Store. Interiores. Loja de Decorações de Interiores. Cristiane Dal Prá Designer de Interiores

Decor Store. Interiores. Loja de Decorações de Interiores. Cristiane Dal Prá Designer de Interiores Decor Store Interiores Loja de Decorações de Interiores Cristiane Dal Prá Designer de Interiores Quem somos A Decor Store Interiores é uma loja que agrega em um único espaço vários itens relacionados a

Leia mais

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que

EDITAL SENAI SESI DE INOVAÇÃO. Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui. Complexidade das tecnologias critério de avaliação que ANEXO II Caráter inovador projeto cujo escopo ainda não possui registro em base de patentes brasileira. Também serão considerados caráter inovador para este Edital os registros de patente de domínio público

Leia mais

C.LEO Jean Rasia. Diretoria de Preparação de Lideranças

C.LEO Jean Rasia. Diretoria de Preparação de Lideranças C.LEO Jean Rasia Diretoria de Preparação de Lideranças Planejamento de Campanhas O que é Planejamento É um processo contínuo e dinâmico que consiste em um conjunto de ações intencionais, integradas, coordenadas

Leia mais

B O U N D B R A S I L FEAL. Fundamentos em Educação ao Ar Livre

B O U N D B R A S I L FEAL. Fundamentos em Educação ao Ar Livre OUTWARD B O U N D B R A S I L FEAL Fundamentos em Educação ao Ar Livre Serra do Papagaio - Verão de 2016 Amplie seu horizonte na 24 a edição do FE AL! Descubra os segredos de equipes de alta performance

Leia mais

O NOVO tablet Toughpad FZ-M1 Windows de 7 polegadas. Estamos projetando um mundo melhor, ao oferecer o poder de um PC na palma de sua mão.

O NOVO tablet Toughpad FZ-M1 Windows de 7 polegadas. Estamos projetando um mundo melhor, ao oferecer o poder de um PC na palma de sua mão. O NOVO tablet Toughpad FZ-M1 Windows de 7 polegadas. Estamos projetando um mundo melhor, ao oferecer o poder de um PC na palma de sua mão. APRESENTANDO O PRIMEIRO TABLET ROBUSTO DE 7 POLEGADAS, WINDOWS

Leia mais

TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS:

TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS: TRANSFORMANDO OPORTUNIDADES EM RESULTADOS: O Médio Vale do Itajaí é uma das regiões mais desenvolvidas de SC. Um fator primordial para esse potencial econômico é a sua tradição industrial, que faz com

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa.

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Etimologia Vem do latim projectus que significa ação de

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

CA Clarity PPM. Visão geral. Benefícios. agility made possible

CA Clarity PPM. Visão geral. Benefícios. agility made possible FOLHA DO PRODUTO CA Clarity PPM agility made possible O CA Clarity Project & Portfolio Management (CA Clarity PPM) o ajuda a inovar com agilidade, a transformar seu portfólio com confiança e a manter os

Leia mais

construímos a inovação POR

construímos a inovação POR construímos a inovação POR construímos a inovação 2 3 Compact Habit, uma iniciativa da empresa de Manresa, Constructora d Aro S.A., foi criada em 2004 para atender à necessidade de inovação na construção.

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

GUIA DELL PARA A MOBILIDADE

GUIA DELL PARA A MOBILIDADE GUIA DELL PARA A MOBILIDADE COMO OS COMPUTADORES PORTÁTEIS DEVERIAM SER Quer um computador portátil sem compromissos. Quer reduzir o tempo de interrupção com sistemas que resistem até às mais duras condições

Leia mais

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA MODELO DE APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS Elaborado por Prof. Dr. Rodrigo Sampaio Fernandes Um projeto de pesquisa consiste em um documento no qual

Leia mais

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5

Introdução...3. O que é marca?...4. Marcas x produtos...4. Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Marcas Marcas Introdução...3 O que é marca?...4 Marcas x produtos...4 Kotler apresenta cinco níveis para um produto:...5 Exemplo de diferentes níveis de produto...6 Desafios do branding...8 Conceito de

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula :

Como Criar uma Aula? Na página inicial do Portal do Professor, acesse ESPAÇO DA AULA: Ao entrar no ESPAÇO DA AULA, clique no ícone Criar Aula : Como Criar uma Aula? Para criar uma sugestão de aula é necessário que você já tenha se cadastrado no Portal do Professor. Para se cadastrar clique em Inscreva-se, localizado na primeira página do Portal.

Leia mais

AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA SILVA JUNIOR, CAIO CESAR DUARTE DE CARVALHO, OSMAR DA SILVA MOTTA JUNIOR

AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA SILVA JUNIOR, CAIO CESAR DUARTE DE CARVALHO, OSMAR DA SILVA MOTTA JUNIOR TÍTULO: SISTEMA PARA GERENCIAMENTO DE TEATROS DIONÍSIO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): EDUARDO COSTA LOPES DA

Leia mais

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL

Revista Inteligência Competitiva José Fonseca de Medeiros ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 244 ABRAIC E A PROFISSÃO DE ANALISTA DE INTELIGÊNCIA COMPETITIVA NO BRASIL 1 Entrevista com Francisco Diretor de Articulação Nacional da ABRAIC, sobre a profissão de analista de inteligência competitiva

Leia mais

Soluções em climatização. Silêncio, eficiência e design

Soluções em climatização. Silêncio, eficiência e design Soluções em climatização Silêncio, eficiência e design A EMPRESA O ponto inicial do que viria a se tornar a Olimpia Splendid de hoje é uma empresa totalmente italiana, que se tornou conhecida mundialmente

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS

INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS INOVAÇÃO NA ADVOCACIA A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL NOS ESCRITÓRIOS JURÍDICOS Ari Lima Um empreendimento comercial tem duas e só duas funções básicas: marketing e inovação. O resto são custos. Peter Drucker

Leia mais

1 - Conceituação de Produto

1 - Conceituação de Produto 1 - Conceituação de Produto Se para a maioria dos estúdios de design, o trabalho tem início com o desenvolvimento do produto, engana-se pois o processo começa com a conceituação. Pois, da precisão do conceito

Leia mais

Gerenciador de Mudanças automatizadas

Gerenciador de Mudanças automatizadas Benefícios para os Negócios Minimizando a dependência em processos manuais e reduzindo risco de erro humano Reduz o tempo, esforço e risco de erro humano que existem ao mudar a configuração em dispositivos

Leia mais

Como Fazer um Pôster?

Como Fazer um Pôster? Como Fazer um Pôster? O que é um Pôster? O pôster é um meio de comunicação visual. É uma fonte de informação do trabalho realizado, complementada por sua apresentação oral. A rigor, é um sumário e uma

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto A U A UL LA Ciclo de um produto Um problema Você já percebeu, ao andar pelos corredores de um supermercado, a infinidade de produtos industrializados? Desde alimentos a produtos de limpeza e eletrodomésticos,

Leia mais

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para:

... MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! MUITOS CAMPOS ABERTOS, PORÉM SEM A ESPECIALIZAÇÃO NECESSÁRIA. Precisa-se de mão de obra para: MERCADO DE GAMES NO BRASIL EM FASE DE CONSTRUÇÃO! Precisa-se de mão de obra para: Marketing Vendas Distribuição Finanças Localização Desenvolvimento de novos negócios Programação... MUITOS CAMPOS ABERTOS,

Leia mais

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA

LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA LOGÍSTICA MADE DIFFERENT LOGÍSTICA ENTREGA ESPECIAL Na economia globalizada 24/7 de hoje, a logística e a gestão de armazéns eficientes são essenciais para o sucesso operacional. O BEUMER Group possui

Leia mais

Mercado de Capitais. O Processo de Investir. Professor: Roberto César

Mercado de Capitais. O Processo de Investir. Professor: Roberto César Mercado de Capitais O Processo de Investir Professor: Roberto César PASSOS PARA INVESTIR NA BOLSA 1 - Defina um Objetivo 2 - Formas de Investir 3 - Encontre a melhor Corretora para você 4 - Abra sua conta

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

Gestão de Portfólio de Projetos

Gestão de Portfólio de Projetos Dez/2010 Gestão de de Projetos Prof. Américo Pinto FGV, IBMEC-RJ, PUC-RJ, COPPEAD Email: contato@americopinto.com.br Twitter: @americopinto Linkedin: Americo Pinto Website: www.americopinto.com.br Por

Leia mais

How To. Introdução. Volume 3 - Número 3 Dezembro 2010 SBC HORIZONTES 26

How To. Introdução. Volume 3 - Número 3 Dezembro 2010 SBC HORIZONTES 26 Como planejar uma Pesquisa Científica Sugestões para o desenvolvimento de uma pesquisa científica Jane Aparecida Buzzi Pereira Neves, janeabp@gmail.com, Faculdades Expoente, Curitiba, PR. Luiz Antônio

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

USO DE REDES SOCIAIS EM AMBIENTES CORPORATIVOS. www.gentispanel.com.br

USO DE REDES SOCIAIS EM AMBIENTES CORPORATIVOS. www.gentispanel.com.br USO DE REDES SOCIAIS EM AMBIENTES CORPORATIVOS www.gentispanel.com.br Só quem tem uma base de 6,5 milhões de pessoas pode resolver suas pesquisas de mercado em poucos dias. Pesquisas ad-hoc Consumidores

Leia mais

Kit Porta Interna em PVC. Catálogo de Produtos

Kit Porta Interna em PVC. Catálogo de Produtos Kit Porta Interna em PVC Catálogo de Produtos Um mundo novo está de portas abertas para você. Entre e conheça a mais alta tecnologia. A Claris é a marca líder em esquadrias de PVC no mercado brasileiro,

Leia mais

MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS INTELIGENTES DE GERENCIAMENTO DE EVENTOS E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO

MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS INTELIGENTES DE GERENCIAMENTO DE EVENTOS E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS GERENCIAMENTO DE EVENTOS INTELIGENTES DE E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO SEJA VOCÊ GERENTE DE UNIDADE OU PROFISSIONAL DO SETOR DE COMBATE

Leia mais

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas

PPG - Programa de Profissionalização da Gestão. Pequenas e Médias Empresas PPG - Programa de Profissionalização da Gestão Pequenas e Médias Empresas 2010 Comunidade de interesse em Gestão Empresarial + Convidados Discutir novas idéias e estimular o uso de conceitos e práticas

Leia mais