PROCESSO DE DESIGN PROJETO DE PRODUTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO DE DESIGN PROJETO DE PRODUTO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ UNIVALI CAMPOS DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ - BC DEPARTAMENTO DE DESIGN ALINE ORSI ARTHUR SOARES KAMILLA SGROTT ROSANGELA KYRILLOS PROCESSO DE DESIGN PROJETO DE PRODUTO Disciplina: Processo de Design Ministrante: Paulo César Ferroli BALNEÁRIO CAMBORIÚ - SC 2007

2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO OBJETIVOS REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Estado da Arte Estado do Design PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Perguntas de Baxter Ferramentas do Projeto Metodologia PROJETO Pré-Concepção Técnicas de Criatividade Concepção Painel Semântico Geração de Alternativas Descrição Detalhada da Alternativa Escolhida Pós-Concepção...14 CONSIDERAÇÕES FINAIS...15 REFERÊNCIAS...16 APÊNDICES...17 ANEXOS...23

3

4 INTRODUÇÃO A elaboração do nosso projeto está ligada diretamente ao camping. Com a vida agitada que as pessoas tem,o camping é um lugar muito procurado para quem quer relaxar e esquecer dos problemas da cidade. Lugares calmos, prática de esportes radicais, silêncio, contato com natureza, estes são alguns dos tópicos e palavras relacionadas com os praticantes do camping. 3

5 1 OBJETIVOS O objetivo geral deste trabalho é fazer um projeto que possa auxiliar a vida do campista. Fornecendo conforto e praticidade ao praticante. O produto será desenvolvido com o enfoque na agregação de valores e multi-função. Desenvolveremos uma mochila que possibilite a redução de peso e facilite o transporte dos acessórios necessários para a prática. Também agregaremos funções possibilitando a redução do número de produtos e acessórios levados para a prática pelo campista. Escolhemos este tema e produto pelas visíveis tendências que a nossa sociedade está seguindo. Cada vez mais os indivíduos estão procurando aventuras e práticas que fujam do convívio diário que eles têm nos centros urbanos. Identificamos a constante grande quantidade de aparatos necessários e a falta de conforto obtida pelos praticantes da atividade. 4

6 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 ESTADO DA ARTE O camping é uma área estruturada com diversos níveis de sofisticação, do inglês:camping, para o português : acampamento. É um local onde se estabelecem barracas ou tendas, geralmente com proximidade à natureza, onde toda a infra-estrutura é levada pelos campistas. O homem Antigamente muitos consideravam o estilo de vida do campista um tanto solitário e penoso, pois era o isolamento sem conforto algum. Se compararmos as situações do campismo passado com o atual no que se refere aos locais e ao clima, não encontraremos grandes diferenças,mas existe um abismo nas condições entre passado e presente, hoje em dia contamos com uma enorme gama de produtos e com alta tecnologia, porem ainda tem muito a ser melhorado. Devido essa possível grande variação nas dimensões corporais, as médias não são aconselhadas a serem usadas, mas sim trabalhar com essa gama de variação. Em qualquer grupo populacional dado, estatisticamente, as medidas do corpo são distribuídas em uma faixa média, enquanto que um número menor de medidas extremas situa-se nas duas pontas da tabela. Esses dados antropométricos são frequentemente expressados em percentispratica o campismo desde os tempos remotos. Seu foco mudou bastante, hoje o homem pratica o campismo buscando o lazer e o descanço. 2.2 ESTADO DO DESIGN Realizada uma pesquisa de produtos semelhantes já disponíveis atualmente no mercado. Esta pesquisa serviu para termos noção de outras soluções disponíveis. O campista geralmente utiliza a seguinte série de acessórios/produtos durante a atividade: Barracas, Sacos de Dormir, Mochilas, Cantis, Repelentes, 5

7 Lanternas, Kit multi-função (Canivete, garfo, faca e ferramentas), Aquecedores, Fogareiros e Kit de primeiros-socorros. Os produtos que são utilizados no camping devem, por via de regra, ser portáteis e leves. Se possível, sejam fáceis de manusear, isto porque poderão ser utilizados nas mais adversas situações durante a experiência: Chuvas, ventanias, escuridão e etc... As mochilas geralmente contam com diversos compartimentos, alguns pré-moldados para certas aplicações, tais como: Tocadores de música portáteis, celulares, carteiras, recipientes para líquidos e lanternas. As mochilas também podem contar com acabamento impermeável, tanto no exterior como nas suas vedações e fechos. Elas devem apresentar boa capacidade de armazenamento, pois o campista leva toda sua estrutura dentro dela. Devido a este fator, também deverá ser bastante ergonômica, com apoios e cintas na altura da cintura e do peito. Isto para facilitar o suporte à coluna vertebral. 3 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 3.1 DESCRIÇÃO 5 PERGUNTAS DE BAXTER Qual é exatamente o problema que você esta querendo resolver? Resolver os problemas de acomodação do campista em um acampamento. Porque este problema existe? Porque as fabricas deste ramo resolvem este problema de uma maneira diferente, não muito eficaz para os campistas. Ele é uma parte especifica de um problema maior e mais amplo? Não, pois o problema compreende a vários fatores dentro de um abrigo. 6

8 Solucionando-se este problema maior a parte especifica também será selecionada? Sim, pois solucionaremos o problema maior e dessa maneira todos os problemas específicos serão solucionados da melhor maneira possivel Em vez disso seria melhor atacar primeiro a parte especifica? Vamos procurar trabalhar com a parte maior, pois precisamos resolver alguns problemas específicos que juntos formam o todo. Dessa maneira poderemos solucionar os problemas existentes nas acomodações atuais e com isso confortar da melhor maneira possivel o campista Qual é a solução ideal para o problema? A solução maior para o problema é procurar resolver algunsd aspectos existentes na acomodações para o camping atuais, que atrapalham as horas de descanço e de sono nos acampamentos O que caracteriza essa solução ideal? Essa solução é caracterizada pó um bom tempo de experiência em camping, e durante esse tempo descobrimos vários problemas com a acomodação, por exemplo uma melhor organização do espaço, um conforto melhor para dormir, e o transporte do material de camping Quais são as restrições que dificultam o alcance dessa solução ideal? Existem restrições como nao poder aplicar qualquer material no desenvolvimento deste produto..não aumentar muito o espaço externo, projetar um produto mais leve e mais portátil possivel e que proporcione conforto e melhor maneira possivel as pessoas. 3.2 FERRAMENTAS DO PROJETO Até o momento foram utilizadas ferramentas de projeto como as oito perguntas do Baxter para definir o problema de projeto antes de iniciar as pesquisas do mesmo. E outras ferramentas usadas como o cronograma de 7

9 projeto para programar o tempo década etapa, os painéis semânticos para saber o estilo de vida do consumidor, a expressão do produto e o tema visual do mesmo. 3.3 METODOLOGIA A metodologia usada para desenvolver o projeto de um novo sistema de acomodação para camping é o MD3E, Método Desdobrado em três etapas criado pelo professor M. Sc.Flávio Santos. É um método muito interessante, pois desdobra todos os itens do projeto de uma maneira fácil de se trabalhar e bem detalhada, melhorando assim a gestão do processo do design. A gestão do processo do design fica dividida em três etapas básicas que seriam: Pré-concepção, com a definição do problema, especificação do produto e a especificação do projeto. A concepção, com a geração de alternativas e a definição e justificativa e por ultimo a Pós-concepção, com o detalhamento dos subsistemas, especificação dos componentes e a especificação da produção, venda e pós venda. 4 PROJETO 4.1 PRÉ-CONCEPÇÃO O Objetivo do desenvolvimento deste produto é juntar a função de dois dos acessórios mais utilizados e essenciais para o campista. Estes são: uma unidade de armazenamento e transporte de itens pessoais e uma unidade de proteção e abrigo pessoal TÉCNICAS DE CRIATIVIDADE Utilizamos basicamente o Brainstorm para desenvolver e auxiliar a geração de alternativas. O método consiste de uma sessão onde há um Líder, membros e uma secretária. O processo proíbe críticas durante sua execução. 8

10 O tema é definido pelo Líder e os membros começam a gerar idéias sobre o mesmo, qualque coisa é válida nessa etapa, a secretária, toma notas das idéias. Em uma segunda etapa estas idéias são refinadas e há a escolha de uma idéia final. As ferramentas de desenvolvimento de projeto utilizadas foram o MD3E e Cronograma. O MD3E consiste em um método de desdobramento do projeto em três etapas, criado pelo Prof. Flávio Anthero Vianna dos Santos. O Cronograma nos permite ter uma visão geral de todas as datas e processos que ocorrerão durante o projeto. Utilizando as duas ferramentas em conjunto, temos uma visão geral de todo o andamento e etapas do projeto. Permitindo assim ter bastante controle e otimizar ao máximo todo o projeto. Os desdobramentos destas duas ferramentas podem ser encontrados na sessão de anexos. 4.2 CONCEPÇÃO Painel Semântico Foram desenvolvidos três painéis para auxiliar na visualização e conceituação do universo do produto. Os temas para os três painéis foram: O estilo de vida dos consumidores, O universo dos produtos e Expressão do produto. Os três estão disponíveis na sessão de anexo Geração de Alternativas Foram desenvolvidas aproximadamente 10 alternativas que se encontram disponíveis na sessão de anexo Descrição detalhada da alternativa escolhida 9

11 A alternativa escolhida se encontra na sessão de Anexos e está identificada. A escolha dela foi realizada pelo grupo por vários motivos como, por exemplo, o fromato anatômico, modelo compacto de fácil manuseio, distribuição de peso de maneira uniforme, formas harmoniosas, é um modelo versátil. Nosso produto é uma mochila que se transforma em barraca. A mochila é impermeável, suas alças possuem acolchoamentos para maior conforto do usuário. Ela é dividida por vários copmartimentos que sào vedados com zipper. Possuí também bolsos externos de fácil acesso para o armazenamento de outros acessórios. As estruturas das laterais internas da mochila se desmontam para a montagem, fácil e ágil, da barraca. A Barraca é individual e possui uma estrutura forte e resistente aos intempéries. 4.3 Pós-Concepção Desenho Ilustrativo da Alternativa Final 10

12 Fig 1: Desenho Ilustrativo da Alternativa Final. Fig 2: Mochila transformada na Barraca. 11

13 5 CONSIDERAÇOES FINAIS Esperamos que com o desenvolvimento deste produto, conseguiremos prover para os usuários de camping um conforto muito na experiência vivida por eles na prática da atividade. Acreditamos que um produto como o nosso desenvolvido, fará com que novos adeptos se interessem pela atividade, pois com ele, o praticante terá uma garantia de conforto e facilidade de uso. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Wikipedia. Camping. Enciclopédia Online. Disponível em < >. Acesso em: 03 março Wikipedia. Acampamento. Enciclopédia Online. Disponível em < >. Acesso em: 03 março ACAMP. Associação de Camping. Comunidade de camping brasileira. Disponível em < >. Acesso em: 05 março Mercado Livre. Guia de Compras de Camping. Lista de produtos disponíveis para venda. Disponível em < >. Acesso em: 07 março CCB. Camping Club do Brasil. Página na enciclopédia. Disponível em < >. Acesso em: 05 março Camping Club. Camping Club do Brasil. Página do Clube. Disponível em < >. Acesso em: 05 março APÊNDICES Apêndice 1: Cronograma do Projeto Final e 5W2H 12

14 Universidade do Vale do Itajaí CES Balneário Camboriú Curso de Design Industrial Processo de Design - 3º período 2007/1 Prof.: Paulo Cesar Machado Ferroli, Dr.Eng. 1. Cronograma Equipe Aline Orsi Arthur Soares Henriques Kamila Sgrott Rosangela Barbosa Kyrillos Foi desenvolvido um cronograma para o projeto, baseado no 1º estágio do método MD3E. A data escolhida para início do desenvolvimento da atividade foi o da aula anterior, dia 17 de abril. O prazo final para execução e entrega do projeto é dia 03 de julho, data do último encontro desta matéria. Abril Maio Junho Jul Atividade / Datas Planejamento Projeto Análise do Problema Atributos do Produto Caminhos Criativos Geração de Alternativas Seleção e adequação Subsistemas e Componentes Processos Produtivos Mercado 2. 5W2H Após definidas as datas no cronograma, partimos para a execução do 5W2H, que em português significa: O quê, Por que, Quem, Onde, Quando, Como e Quanto Custará. Eliminamos a coluna Why e How Much, a primeira por ser redundante e a segunda por não termos como estimar os custos nesta etapa do processo. Atividade What Who Where When How Planejamento Projeto Análise do Problema Atributos do Produto Caminhos Criativos Geração de Alternativas Seleção e Adequação Sub-sistemas e Componentes Processos Produtivos Mercado Cronograma Investimentos Tecnologias Pesquisas Conceito Temática Funcionais Estético Simbólicos Ergonômica Estética Tecnológica Lançamento Venda Pós-Venda Arthur Arthur Kamila Rodrigo Grupo Grupo Grupo Grupo Grupo Grupo Casa Faculdade Casa Faculdade Faculdade Faculdade Faculdade Faculdade Faculdade 17/abril / 24/abril 17/abril / 08/mail 24/abril / 08/maio 08/maio / 22/maio 15/maio / 27/maio 22/maio / 05/junho 05/junho / 19/junho 12/junho / 19/junho 19/junho / 03/julho Métodos Pesquisa Contexto Pesquisa Contexto Métodos Desenhos Análise Pesquisa Pesquisa e Análise Pesquisa e Análise

15 Apêndice 2: Painéis Semânticos 14

16 Expressão do Produto

17 Referências Visuais

18 Estilo de Vida dos Consumidores

19 ANEXOS Geração de Alternativas Fig 3: Alternativa 1 15

20 Fig 4: Alternativa 2 16

21 Fig 5: Alternativa 3 17

22 Fig 6: Alternativa 4 18

23 Figura 7: Alternativa 5 19

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM

Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Gestão de Serviços de TI com ITIL: resultados da implantação no CPD da UFSM Fernando Pires Barbosa, Carlos Roberto Gressler, Marcio Andre Dell Aglio Frick, Daniel Michelon de Carli, Giséli Bastos, Henrique

Leia mais

DESIGN URBANO: Projeto de Ponto de Táxi. Acadêmica: Ana Lucia Spessatto. Orientador: Prof. Luiz Claudio Mazolla Vieira M. Sc.

DESIGN URBANO: Projeto de Ponto de Táxi. Acadêmica: Ana Lucia Spessatto. Orientador: Prof. Luiz Claudio Mazolla Vieira M. Sc. DESIGN URBANO: Projeto de Ponto de Táxi Acadêmica: Ana Lucia Spessatto Orientador: Prof. Luiz Claudio Mazolla Vieira M. Sc. Tema Design Urbano a partir de um projeto de Ponto de Táxi. Problema Como desenvolver

Leia mais

Workshop. Planejamento e gestão de indicadores para projetos digitais

Workshop. Planejamento e gestão de indicadores para projetos digitais Workshop Planejamento e gestão de indicadores para projetos digitais 12th CONTECSI USP 22 de maio de 2015 Mini CV - Prof. Sthefan Berwanger Tem pós em Educação no Ensino Superior e Bacharelado em Física

Leia mais

O catálogo On-line dos produtos da Pramet Tools s.r.o. contém parâmetros técnicos, desenhos e possibilidade de criar seu próprio kit de ferramentas.

O catálogo On-line dos produtos da Pramet Tools s.r.o. contém parâmetros técnicos, desenhos e possibilidade de criar seu próprio kit de ferramentas. Guia do Usuário [Versão 1.0, Atualizado em 1.11.2012] Pramet Tools s.r.o., [PRAMET E-catálogo Guia do Usuário ] O catálogo On-line dos produtos da Pramet Tools s.r.o. contém parâmetros técnicos, desenhos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO

DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO PROJETO DESAFIO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DESENVOLVIMENTO DE PRODUTO Prof. CARLOS HENRIQUE LAGEMANN Prof. PAULO FERNANDO SALVADOR Prof. RONALDO CESAR TREMARIN Bolsista Diandra Tainá Rockenbach emc@univates.br

Leia mais

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto

Ciclo de um produto. Você já percebeu, ao andar pelos corredores. Um problema. Ciclo do produto A U A UL LA Ciclo de um produto Um problema Você já percebeu, ao andar pelos corredores de um supermercado, a infinidade de produtos industrializados? Desde alimentos a produtos de limpeza e eletrodomésticos,

Leia mais

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA

PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA PROJETO DE INOVAÇÃO E MELHORIA 1. Introdução A apresentação dos Projetos de Inovação e Melhoria - PIM pelos Escalões/Divisões possui os seguintes objetivos: a. Estimular os Escalões e Divisões do Cmdo

Leia mais

1 - Conceituação de Produto

1 - Conceituação de Produto 1 - Conceituação de Produto Se para a maioria dos estúdios de design, o trabalho tem início com o desenvolvimento do produto, engana-se pois o processo começa com a conceituação. Pois, da precisão do conceito

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO MOBILIÁRIO EM AÇO.

A EVOLUÇÃO DO MOBILIÁRIO EM AÇO. A EVOLUÇÃO DO MOBILIÁRIO EM AÇO. A Linha Fenix revolucionou o conceito em mobiliários inteligentes, trazendo a vanguarda em sistemas, integração e estrutura, aliados a inovação da marca. 3FE208 Estante

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa.

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Disciplina: Projeto de Implementação de Sistemas Arquivísticos Profa. Lillian Alvares Etimologia Vem do latim projectus que significa ação de

Leia mais

GPWeb Gestão de projetos

GPWeb Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GPWeb Gestão de projetos Brasília DF, Maio de 2015 1 Sumário O que é um projeto?... 5 O que é o GPWeb?... 6 Como criar um projeto no GPWeb:... 6 As partes envolvidas: Integração/

Leia mais

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2

Boas Práticas em Gerenciamento de Projetos Material utilizado nas aulas de Pós-graduação do Centro de Informática 2010.2 O que é um? s: Tradicional e/ou Ágil? Cristine Gusmão, PhD Tem início e fim bem determinados Things are not always what they seem. Phaedrus, Escritor e fabulista Romano O projeto é uma sequência única,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TI DE UM NÚCLEO DE APOIO PRESENCIAL DE EAD

PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TI DE UM NÚCLEO DE APOIO PRESENCIAL DE EAD PLANO DE AÇÃO DE IMPLANTAÇÃO DA INFRAESTRUTURA DE TI DE UM NÚCLEO DE APOIO PRESENCIAL DE EAD Roberto Douglas da Costa 1, Fábio Alexandre G. Silva 2, Ana Cristina T. B. da Costa 3 1, 2, 3 IFRN Instituto

Leia mais

Na segunda parada, 2 pessoas saem do ônibus e 2

Na segunda parada, 2 pessoas saem do ônibus e 2 Módulo 3 TESTEDEATENÇÃO Você está dirigindo um ônibus que vai do Rio de Janeiro para Fortaleza. No início temos 32 passageiros no ônibus. Na primeira parada, 11 pessoas saem do ônibus e 9 entram. Na segunda

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013

ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 ESTUDO TÉCNICO N.º 01/2013 MONIB: Painel de Indicadores de Monitoramento do Plano Brasil Sem Miséria concepção e funcionalidades MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SECRETARIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo

PROJETO DE PESQUISA: passo a passo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo ILHÉUS - BAHIA 2013 PROFª MSC. RITA LÍRIO DE OLIVEIRA PROJETO DE PESQUISA: passo a passo Módulo

Leia mais

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado.

Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. , ()! $ Lidar com números e estatísticas não é fácil. Reunir esses números numa apresentação pode ser ainda mais complicado. Uma estratégia muito utilizada para organizar visualmente informações numéricas

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ergonomia aplicada ao Design de produtos: Um estudo de caso sobre o Design de bicicletas 1 INTRODUÇÃO

1 INTRODUÇÃO. Ergonomia aplicada ao Design de produtos: Um estudo de caso sobre o Design de bicicletas 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho foi elaborado com o objetivo mostrar ser viável o uso de bicicletas que proporcionem conforto e segurança e advertir para o surgimento de fisiopatologias nos usuários de bicicletas.

Leia mais

Soluções em climatização. Silêncio, eficiência e design

Soluções em climatização. Silêncio, eficiência e design Soluções em climatização Silêncio, eficiência e design A EMPRESA O ponto inicial do que viria a se tornar a Olimpia Splendid de hoje é uma empresa totalmente italiana, que se tornou conhecida mundialmente

Leia mais

Mídia Kit FUIACAMPAR 2015-2016. para campings

Mídia Kit FUIACAMPAR 2015-2016. para campings Mídia Kit FUIACAMPAR 2015-2016 para campings Sobre o FuiAcampar FuiAcampar é o Site de Campismo do Brasil, que reúne dados sobre campings do país e informações sobre o mundo do campismo. Um espaço de troca,

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

Refil Hydrat Pró. Código: 0166A Peso: 216 gramas

Refil Hydrat Pró. Código: 0166A Peso: 216 gramas LANÇAMENTO ÚNICO PRODUZIDO NO BRASIL Refil Hydrat Pró Código: 0166A Peso: 216 gramas Mais que um reservatório, o Hydrat Pró é um sistema com alto desempenho que conecta você à hidratação na hora que você

Leia mais

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA

O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA PRÁTICA 1) TÍTULO O PAINEL OUVIDORIA COMO PRÁTICA DE GESTÃO DAS RECLAMAÇÕES NA CAIXA 2) DESCRIÇÃO DA PRÁTICA - limite de 8 (oito) páginas: A Ouvidoria da Caixa, responsável pelo atendimento, registro,

Leia mais

B O U N D B R A S I L FEAL. Fundamentos em Educação ao Ar Livre

B O U N D B R A S I L FEAL. Fundamentos em Educação ao Ar Livre OUTWARD B O U N D B R A S I L FEAL Fundamentos em Educação ao Ar Livre Serra do Papagaio - Verão de 2016 Amplie seu horizonte na 24 a edição do FE AL! Descubra os segredos de equipes de alta performance

Leia mais

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA

PLANEJAMENTO DA MANUFATURA 58 FUNDIÇÃO e SERVIÇOS NOV. 2012 PLANEJAMENTO DA MANUFATURA Otimizando o planejamento de fundidos em uma linha de montagem de motores (II) O texto dá continuidade à análise do uso da simulação na otimização

Leia mais

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto

1 Inicie um novo. Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007. projeto Guia de Referência Rápida de Gerenciamento de Projeto para o Project 2007 1 Inicie um novo Antes de começar um novo, uma organização deve determinar se ele se enquadra em suas metas estratégicas. Os executivos

Leia mais

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO

FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO FERRAMENTAS DE AVALIAÇÃO Auxiliam no: controle dos processos; identificação os problemas ou desvios; objetivo de avaliar e analisar; Facilitando a tomada de decisão. Coleta de dados confiáveis: a ferramenta

Leia mais

REVISTA ELETROLAR NEWS, a única b2b do segmento, com freqüência de 45 dias e 20.000 exemplares auditados pelo IVC.

REVISTA ELETROLAR NEWS, a única b2b do segmento, com freqüência de 45 dias e 20.000 exemplares auditados pelo IVC. REVISTA ELETROLAR NEWS, a única b2b do segmento, com freqüência de 45 dias e 20.000 exemplares auditados pelo IVC. FEIRA ELETROLAR SHOW, evento anual B2B que reúne a indústria e o varejo, mais de 1.000

Leia mais

Noções Básicas de Excel página 1 de 19

Noções Básicas de Excel página 1 de 19 Noções Básicas de Excel página 1 de 19 Conhecendo a tela do Excel. A BARRA DE FÓRMULAS exibe o conteúdo de cada célula (local) da planilha. Nela podemos inserir e alterar nomes, datas, fórmulas, funções.

Leia mais

Apresentando o novo modelo de atendimento Centro Marista de Serviços - CMS. Curitiba, Julho de 2014

Apresentando o novo modelo de atendimento Centro Marista de Serviços - CMS. Curitiba, Julho de 2014 Apresentando o novo modelo de atendimento Centro Marista de Serviços - CMS Curitiba, Julho de 2014 Vamos à prática: Como abrir um chamado? Entre na ferramenta com seu login e senha de rede (a mesma que

Leia mais

Kit Porta Interna em PVC. Catálogo de Produtos

Kit Porta Interna em PVC. Catálogo de Produtos Kit Porta Interna em PVC Catálogo de Produtos Um mundo novo está de portas abertas para você. Entre e conheça a mais alta tecnologia. A Claris é a marca líder em esquadrias de PVC no mercado brasileiro,

Leia mais

Como Fazer um Pôster?

Como Fazer um Pôster? Como Fazer um Pôster? O que é um Pôster? O pôster é um meio de comunicação visual. É uma fonte de informação do trabalho realizado, complementada por sua apresentação oral. A rigor, é um sumário e uma

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com

MANUAL ESCOLA FLEX. Revisado em 09/07/2008. Sistema Flex www.sistemaflex.com MANUAL ESCOLA FLEX Revisado em 09/07/2008 Sistema Flex www.sistemaflex.com Índice Manual Escola Flex Índice... 2 Tela de Abertura (Splash Screen)... 3 Login... 4 Seleção de Empresas... 5 Tela Principal...

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa

O Guia Prático da. Arquitetura Corporativa O Guia Prático da Arquitetura Corporativa SUMÁRIO INTRODUÇÃO ARQUITETURA CORPORATIVA NO BRASIL RECURSOS HUMANOS, TURNOVER, NORMAS E LEIS TRABALHISTAS MÓVEIS DE ESCRITÓRIO Tudo o que você precisa saber

Leia mais

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho.

:: aula 11. :: Diagrama de Seqüência e Protótipos. :: Olá! Nesta aula, continuaremos a 4ª fase do Projeto Desenho. :: Nome do Curso Sistemas da informação :: Nome da Unidade Curricular PI Sistemas orientados a objetos :: Tema da aula Diagrama de Seqüência e Prototipação :: Fase / Etapa Fase 4 Desenho do Projeto e Interligação

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Adriana Beal, Eng. MBA Maio de 2001 INTRODUÇÃO À GESTÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, Eng. MBA Maio de 2001 Apresentação Existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão

Leia mais

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas

EN1002 Engenharia Unificada I. FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas EN1002 Engenharia Unificada I FORMAÇÃO DE EQUIPES Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas Conteúdo da Apresentação Formas de comunicação em Projetos de Engenharia (PE) Interpretação

Leia mais

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com

Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Introdução a Banco de Dados Docente: Éberton da Silva Marinho e-mail: ebertonsm@gmail.com 12/06/2013 Sumário Motivação da Disciplina

Leia mais

Contrato de Suporte End.: Telefones:

Contrato de Suporte End.: Telefones: Contrato de Suporte Contrato de Suporte Desafios das empresas no que se refere à infraestrutura de TI Possuir uma infraestrutura de TI que atenda as necessidades da empresa Obter disponibilidade dos recursos

Leia mais

APÊNDICES. Curso de Word Avançado Adicione um apêndice ao seu documento

APÊNDICES. Curso de Word Avançado Adicione um apêndice ao seu documento Curso de Word Avançado Adicione um apêndice ao seu documento Você precisa adicionar um apêndice ao seu livro, trabalho, relatório, manual ou outro documento? O apêndice é um conjunto de informações úteis

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

SUMÁRIO. Cursos STE SUMÁRIO... 1

SUMÁRIO. Cursos STE SUMÁRIO... 1 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 STEGEM - INTERFACE... 2 1 Introdução... 2 2 A interface... 2 2.1 Painel de Navegação... 3 2.2 Barra de Menus em forma de Ribbon... 4 2.3 Painel de Trabalho... 5 2.4 Barra de Status...

Leia mais

3 Resumo de dados com Tabelas e Gráficos dinâmicos

3 Resumo de dados com Tabelas e Gráficos dinâmicos 3 Resumo de dados com Tabelas e Gráficos dinâmicos Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Tabela dinâmica...3 Processo de construção...3

Leia mais

CATÁLOGO DE PUBLICIDADE Online e Offline

CATÁLOGO DE PUBLICIDADE Online e Offline Comunique-se durante 365 dias do ano com os executivos e compradores que decidem por mais de 26 mil pontos de venda. CATÁLOGO DE PUBLICIDADE Online e Offline Revista Eletrolar News Guia do Comprador Portal

Leia mais

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6. André Jun Nishizawa Softwares de Cadeia de Suprimentos Capítulo 6 Introdução Há 50 anos, as cadeias eram gerenciadas por lápis, papel e calculadora. Hoje existem softwares. Esta parte da aula fará um tour pelos tipos de softwares

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4

EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 1 EDUCAÇÃO EXECUTIVA PARA O MERCADO FINANCEIRO MAIO / 2005 108-TC-B4 NADINE WASSMER TREINA E-LEARNING treina@treina.com.br ROSANA GOMES CONTEÚDOS E HABILIDADES EDUCAÇÃO CORPORATIVA DESCRIÇÃO DE PROJETO

Leia mais

T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA

T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA T E C N O LO G I A E D U C AC I O N A L LOUSA EDUCACIONAL INTERATIVA w w w. h o m e l a b. c o m.b r APRESENTAÇÃO Nos últimos anos, o perfil dos alunos no mundo tem mudado em consequência dos estímulos

Leia mais

Treinamento e Desenvolvimento O HOMEM NÃO É A SOMA DO QUE ELE TEM, MAS A TOTALIDADE DO QUE AINDA NÃO TEM, DO QUE PODERIA TER.

Treinamento e Desenvolvimento O HOMEM NÃO É A SOMA DO QUE ELE TEM, MAS A TOTALIDADE DO QUE AINDA NÃO TEM, DO QUE PODERIA TER. Treinamento e Desenvolvimento O HOMEM NÃO É A SOMA DO QUE ELE TEM, MAS A TOTALIDADE DO QUE AINDA NÃO TEM, DO QUE PODERIA TER. JEAN-PAUL SARTRE Se queres colher em três anos, planta trigo... Se queres colher

Leia mais

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela

Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Aula 01 - Formatações prontas e condicionais. Sumário. Formatar como Tabela Aula 01 - Formatações prontas e Sumário Formatar como Tabela Formatar como Tabela (cont.) Alterando as formatações aplicadas e adicionando novos itens Removendo a formatação de tabela aplicada Formatação

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

1 SEGURANÇA, 2 PRATICIDADE, 3 CONFORTO

1 SEGURANÇA, 2 PRATICIDADE, 3 CONFORTO ATIVIDADES RECREATIVAS 052 Texto: Aênio Rodrigues; Diagramação: Khelven Klay AÊNIO RODRIGUES Faça sua apresentação: Sou desbravador desde os 9, participo do clube Reino Marinho da cidade de Lagarto-SE.

Leia mais

APLICATIVO APRESENTAÇÕES EFEITOS IMAGENS POWERPOINT SLIDES SONS VÍDEOS TEXTOS

APLICATIVO APRESENTAÇÕES EFEITOS IMAGENS POWERPOINT SLIDES SONS VÍDEOS TEXTOS Respostas do Capítulo 1 1. Caça-palavras - Localize as seguintes palavras: APLICATIVO APRESENTAÇÕES EFEITOS IMAGENS POWERPOINT SLIDES SONS VÍDEOS TEXTOS IMAGEM 03 2. Use as palavras do quadro para completar

Leia mais

Autor: Júlio Battisti www.juliobattisti.com.br

Autor: Júlio Battisti www.juliobattisti.com.br Autor: Júlio Battisti www.juliobattisti.com.br Livro: Aprenda com Júlio Battisti: Excel 2010 Avançado, Análise de Dados e Cenários, Tabelas e Gráficos Dinâmicos, Macros e Programação VBA - Através de Exemplos

Leia mais

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3

ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3. A série... 3 WORD 2007 E 2010 ÍNDICE ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 A série... 3 01 CAPTURAS DE TELA WORD 2010... 3 02 IMAGENS 2007/2010... 5 03 NOTAS DE RODAPÉ... 13 04 NUMERAÇÃO DE PÁGINAS... 15 05 CONTAR PALAVRAS...

Leia mais

JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO EM ARTE

JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS PROJETO DE PESQUISA AVALIAÇÃO EM ARTE UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL JULIANA STEDILLE RICHELLY DE MACEDO RAMOS

Leia mais

Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial.

Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial. Sistema de Gerenciamento de Tráfego Miconic 10 A solução final para filas e aglomerações no seu edifício comercial. Elevadores de Passageiros Schindler Tempo O menor tempo entre você e o seu andar O Miconic

Leia mais

CASE. Título Tecnix OPSO - Economia em Sistemas de Regulagem de Pressão em Instalações Residenciais de Gás Combustível. Categoria INFRAESTRUTURA

CASE. Título Tecnix OPSO - Economia em Sistemas de Regulagem de Pressão em Instalações Residenciais de Gás Combustível. Categoria INFRAESTRUTURA CASE Título Tecnix OPSO - Economia em Sistemas de Regulagem de Pressão em Instalações Residenciais de Gás Combustível Categoria INFRAESTRUTURA SINOPSE O Brasil apresenta historicamente uma forte dependência

Leia mais

Liderança. Potencial PSI. Competências. Liderança: Qual é a definição? Conhecimento. -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor

Liderança. Potencial PSI. Competências. Liderança: Qual é a definição? Conhecimento. -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor Liderança Competências Conhecimento Habilidade Atitude - - Relacionamento - - -Com pares - Com subordinado - Com clientes -Com Gestor Crise Liderança: Qual é a definição? Principal fator de saída da empresa

Leia mais

Sumário 1. O acesso ao ambiente virtual de aprendizagem da FSMA...4 2. A sala de aula virtual...5 3. A rotina do estudante...8 3.1.

Sumário 1. O acesso ao ambiente virtual de aprendizagem da FSMA...4 2. A sala de aula virtual...5 3. A rotina do estudante...8 3.1. Guia do estudante Sumário 1. O acesso ao ambiente virtual de aprendizagem da FSMA...4 2. A sala de aula virtual...5 3. A rotina do estudante...8 3.1. Participando dos fóruns...8 3.1.1. Passo a Passo: Postando

Leia mais

CICLO DE VIDA DE PROJETO ESPACIAL

CICLO DE VIDA DE PROJETO ESPACIAL CSE-403-4 Tópicos Especiais em Garantia de Missão e de Produtos Espaciais Título: CICLO DE VIDA DE PROJETO ESPACIAL Autores: Alirio Cavalcanti de Brito José Iram Mota Barbosa Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade

Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade Avaliação da Usabilidade no Desenvolvimento do Produto: estudo de caso na concepção de um aparelho para monitoramento de velocidade Usability Evaluation in Product Design: a case study in the design of

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO DOS COMPONENTES DO VEÍCULO NO ESFORÇO DE FECHAMENTO DE PORTAS AUTOMOTIVAS

ESTUDO DO IMPACTO DOS COMPONENTES DO VEÍCULO NO ESFORÇO DE FECHAMENTO DE PORTAS AUTOMOTIVAS ESTUDO DO IMPACTO DOS COMPONENTES DO VEÍCULO NO ESFORÇO DE FECHAMENTO DE PORTAS AUTOMOTIVAS Alexandre Santos de Souza Júlio Cesar Roque Rutson Alves de Aquino AEDB FER RESUMO O presente artigo tem como

Leia mais

MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS INTELIGENTES DE GERENCIAMENTO DE EVENTOS E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO

MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS INTELIGENTES DE GERENCIAMENTO DE EVENTOS E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS GERENCIAMENTO DE EVENTOS INTELIGENTES DE E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO SEJA VOCÊ GERENTE DE UNIDADE OU PROFISSIONAL DO SETOR DE COMBATE

Leia mais

Manual do Usuário - Versão beta Última revisão 09/06/2011

Manual do Usuário - Versão beta Última revisão 09/06/2011 Manual do Usuário - Versão beta Última revisão 09/06/2011 2011 NÚCLEO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO REITORA Maria Beatriz Moreira Luce VICE-REITOR Norberto Hoppen DIRETOR DO NTIC Diego Luís

Leia mais

ESPÍRITO ORIGAMA 4 5

ESPÍRITO ORIGAMA 4 5 SOBRE A ORIGAMA A Origama, criada em 2012, é uma marca portuguesa que actua no mercado têxtil com produtos na área do lazer e tempos livres, originais e diferenciados pelo design e utilidade, que proporcionem

Leia mais

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação

Universidade Federal Rural de Pernambuco. Bacharelado em Sistemas de Informação. Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Universidade Federal Rural de Pernambuco Bacharelado em Sistemas de Informação Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas de Informação Docente: Rodrigo Aluna: Thays Melo de Moraes Diagramas do Projeto

Leia mais

QUALIDADE APLICADA EM PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Pedro Trindade Fontes 1 André Rodrigues da Silva 2 Fábio Fernandes 3 RESUMO

QUALIDADE APLICADA EM PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Pedro Trindade Fontes 1 André Rodrigues da Silva 2 Fábio Fernandes 3 RESUMO QUALIDADE APLICADA EM PROJETO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Pedro Trindade Fontes 1 André Rodrigues da Silva 2 Fábio Fernandes 3 RESUMO Este artigo tem como finalidade abordar a importância das ferramentas

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital

Gustavo Noronha Silva. Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos do Software Livre na Inclusão Digital Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES junho / 2003 Gustavo Noronha Silva Projeto de Pesquisa: Impactos

Leia mais

Parabéns! Você acaba de adquirir uma loja virtual pronto para seu uso!

Parabéns! Você acaba de adquirir uma loja virtual pronto para seu uso! Parabéns! Você acaba de adquirir uma loja virtual pronto para seu uso! Através deste tutorial, será possível gerenciar todo o conteúdo de sua loja. Temos especialistas que poderão auxiliar a manusear o

Leia mais

CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CONSOLIDAÇÃO DE DÚVIDAS APRESENTADAS

CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CONSOLIDAÇÃO DE DÚVIDAS APRESENTADAS CONSULTA AO MERCADO RFI REQUEST FOR INFORMATION CONSOLIDAÇÃO DE DÚVIDAS APRESENTADAS 1. Dúvidas Gerais Pergunta: Os processos e metodologias de avaliação de riscos do Banco estão definidos e implantados?

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1

U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 U NIFACS ERGONOMIA INFORMACIONAL PROFª MARIANNE HARTMANN 2006.1 AULA 20 PROBLEMAS DE INTERFACE 12.maio.2006 FAVOR DESLIGAR OS CELULARES usabilidade compreende a habilidade do software em permitir que o

Leia mais

:: aula 4. :: Cronograma de Desenvolvimento do Projeto. Olá!

:: aula 4. :: Cronograma de Desenvolvimento do Projeto. Olá! :: Nome do Curso Sistemas da informação :: Nome da Unidade Curricular PI Sistemas orientados a objetos :: Tema da aula Cronograma de desenvolvimento do Projeto :: Fase / Etapa do Projeto e Interligação

Leia mais

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva.

O TRAFip é uma poderosa ferramenta de coleta e caracterização de tráfego de rede IP, que vem resolver esse problema de forma definitiva. Não há dúvida de que o ambiente de rede está cada vez mais complexo e que sua gestão é um grande desafio. Nesse cenário, saber o que está passando por essa importante infraestrutura é um ponto crítico

Leia mais

1. Referencial Teórico A importância da Matemática para o Administrador de Empresas

1. Referencial Teórico A importância da Matemática para o Administrador de Empresas Evento: 2º Encontro de Iniciação Científica da Faculdade Apogeu Local: Sala 04 da Faculdade Apogeu Dia: 07/05/2012 Professor Mestre Sidnei Barbosa Ferreira Relatora: Janete Pereira da Silva (aluna do 1º

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD. Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS GIZ/PROGRAD Tutorial UFMG Virtual Os primeiros passos do docente Nereu Agnelo Cavalheiro contato@nereujr.com Tutorial UFMG Virtual Primeiros passos do docente Este

Leia mais

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial

O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial O poder da presença O valor empresarial da colaboração presencial Sumário executivo À medida que as organizações competem e crescem em uma economia global dinâmica, um novo conjunto de pontos cruciais

Leia mais

Planilha Eletrônica Excel

Planilha Eletrônica Excel COLÉGIO LA SALLE CANOAS Técnico em Informática Planilha Eletrônica Excel Excel Prof. Valter N. Silva Colégio La Salle Canoas Página 2 1. NOÇÕES BÁSICAS O Microsoft Excel 7.0 é um programa de planilha eletrônica,

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico.

PROJETO ARARIBÁ. Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. PROJETO ARARIBÁ Um projeto que trabalha a compreensão leitora, apresenta uma organização clara dos conteúdos e um programa de atividades específico. ARARIBÁ HISTÓRIA O livro tem oito unidades, divididas

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

UNOCHAPECÓ - ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS ENGENHARIA MECÂNICA - P.I. PROF. EDERSON MOREIRA PAZ

UNOCHAPECÓ - ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS ENGENHARIA MECÂNICA - P.I. PROF. EDERSON MOREIRA PAZ UNOCHAPECÓ - ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS ENGENHARIA MECÂNICA - P.I. PROF. EDERSON MOREIRA PAZ PESQUISA DE MERCADO Alguns fatores específicos e relevantes para a confecção de uma proposta. CONSUMIDORES

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS

MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS MBA EM DESIGN DE INTERIORES COMERCIAIS O programa irá prepará-lo para ser um especialista em Design de Interiores Comerciais na elaboração de projetos comerciais ou de serviços. MBA EM DESIGN DE INTERIORES

Leia mais

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem

5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 5 motivos para gerenciar sua frota na nuvem 2 ÍNDICE >> Introdução... 3 >> O que é software na nuvem... 6 >> Vantagens do software na nuvem... 8 >> Conclusão... 13 >> Sobre a Frota Control... 15 3 Introdução

Leia mais

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos

Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Manual Básico do Usuário GP-Web Gestão de projetos Departamento de Planejamento Pró-reitoria de Planejamento e Finanças Universidade Federal de Santa Catarina 1 Sumário O que é um projeto?... 4 O que é

Leia mais

CONTRATO DE TRABALHO

CONTRATO DE TRABALHO 1. O que estamos tentando realizar? Objetivo do Projeto: Padronizar o serviço de atendimento de solicitações de documentos nas do Sistema. Importância do Projeto (ligação com o Planes e os clientes): Ligação

Leia mais

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa Entendendo suas opções de separação Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa automação 1 Entendendo que traz suas resultados opções de separação Entendendo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CENTRO DE ESTUDOS SOCIAIS APLICADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CIÊNCIAS CONTÁBEIS E TURISMO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO PLANO DE DISCIPLINA DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO

ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO ESTÁGIO DE NIVELAMENTO DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS MACROPROCESSO DE GESTÃO DO PORTFÓLIO 05.11.2015 SUMÁRIO INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DE PORTFÓLIO CENÁRIO NEGATIVO DOS PORTFÓLIOS NAS ORGANIZAÇÕES GOVERNANÇA

Leia mais