COMPARTILHAMENTO E REGISTRO DE CONHECIMENTO: PROPOSTA DE MODELO PARA GESTÃO DE PROCESSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPARTILHAMENTO E REGISTRO DE CONHECIMENTO: PROPOSTA DE MODELO PARA GESTÃO DE PROCESSOS"

Transcrição

1 COMPARTILHAMENTO E REGISTRO DE CONHECIMENTO: PROPOSTA DE MODELO PARA GESTÃO DE PROCESSOS Danielly Oliveira Inomata 1 Fernanda Schweitzer 2 Gregorio Varvakis 3 Guillermo Antonio Dávila Calle 4 Resumo: Dentre os objetivos da área de Gestão do conhecimento, está o de desenvolver formas de compartilhar conhecimento para criar benefícios de valor agregado para a organização. Ete trabalho considera que a gestão de processos precisa potencializar o compartilhamento do conhecimento, especialmente com relação a questão de como promover a continuidade dos processos organizacionais por meio do compartilhamento/registro do conhecimento corporativo. Tem como objetivo sugerir um modelo de referência para o compartilhamento do conhecimento corporativo visando a gestão de processos. A metodologia da pesquisa foi desenvolvida sob a base do paradigma exploratório e teórico empírico, realizou-se uma pesquisa bibliográfica direcionada ao tema, entrevista e questionarios para coletar os dados, em uma empresa do setor energético. Conclui-se que as informações corporativas quando dispersas, não estruturadas ou não categorizadas, ocasiona o caos informacional e impossibilita a recuperação e o acesso ao conhecimento, e protocolo modelo proposto se mostrou eficaz para conhecer, identificar e capturar os processos organizacionais, as práticas que podem auxiliar no compartilhamento do conhecimento e com isso melhorar os resultados da organização. Palavras-chave: Gestão do conhecimento; Compartilhamento do conhecimento; Processos organizacionais; Gestão de processos 1. INTRODUÇÃO A gestão das informações corporativas é fundamental para a memória organizacional, considera-se que a informação é insumo para construção do conhecimento e consequentemente para tomada de decisão. Derivada de dados objetivos (registros) e subjetivos (memória), a informação transforma-se em conhecimento quando contextualizada, e para que isto seja possível é necessário a criação de ferramentas, técnicas e ambientes para estimular a disseminação, uso e compartilhamento do conhecimento. O conhecimento quer dizer uma relação entre sujeito e objeto (HESSEN, 2000). Segundo Davenport (1998, p. 173) a gestão estratégica da informação: [...] é um conjunto estruturado de atividades que incluem o modo como as empresas obtêm, distribuem e usam a informação e o conhecimento. Mais importante, identificar todos os passos de um processo informacional todas 1 Mestre e doutoranda em Ciência da Informação, pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). 2 Mestre em Engenharia e Gestão do Conhecimento, doutoranda em Ciência da Informação, pela UFSC. 3 Professor dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento e do Programa de Pós- Graduação em Ciência da Informação, na UFSC. 4 Mestre em Ciência da Informação e doutorando em Engenharia e Gestão do Conhecimento, pela UFSC. 1

2 as fontes envolvidas, todas as pessoas que afetam cada passo, todos os problemas que surgem. Na prática, a gestão de recursos informacionais nas organizações é obter a informação correta na hora certa, na forma/meio correto para destiná-la. Estas informações surgem de atividades e processos organizacionais (ALVARENGA NETO, 2008). Toda organização desenvolve inúmeras atividades para alcançar algum resultado na forma de produto (bens ou serviços). Estas atividades pertencem à um conjunto de processos organizacionais, que de forma integrada tem a finalidade de promover a consecução dos objetivos da organização. Há uma forte relação entre informação e atividades: as informações são ativadoras de atividades e as atividades produzem informações. As organizações são grandes coleções de processos (GONÇALVES, 2000), os processos são fontes de conhecimento nas suas entradas, atividades e produtos, existindo um fluxo de informação ao longo do processo (HARRINGTON, 1993). A ausência de uma estrutura organizacional atenta à gestão da informação impede a sinergia entre os diferentes processos, tanto em virtude do excesso como a escassez de informações (CANDIDO et al., 2005). As informações corporativas podem derivar de documentos, processos e atividades, bem como seus fluxos e compartilhamentos. Identificar quais são os documentos, atividades e os processos de interações e compartilhamentos dentro da organização é primordial para dar início à gestão estratégica da informação corporativa. Diante desses apontamentos, a pergunta de pesquisa é: Que práticas de compartilhamento do conhecimento podem facilitar o registro do conhecimento para o gerenciamento de processos corporativos? Esta pesquisa tem o objetivo de sugerir um modelo de referência para o compartilhamento do conhecimento corporativo visando a gestão de processos. Tendo com objetivos específicos: a) Identificar na literatura práticas de compartilhamento e registro do conhecimento; b) Selecionar as práticas que podem ser aplicadas aos processos organizacionais; c) Verificar a aplicabilidade das práticas para registro e documentação dos processos corporativos. Justifica-se o recorte compartilhamento do conhecimento por entender que está relacionado com outros processos de conhecimento, por exemplo: para a criação do conhecimento (o compartilhamento é antecedente fundamental para tal) e para o uso do conhecimento (processo que é potencializado com o compartilhamento). 2

3 2. GESTÃO DO CONHECIMENTO CORPORATIVO A Gestão do Conhecimento é a gestão das atividades e processos que promovem o conhecimento para o aumento da competitividade por meio do melhor uso e da criação de fontes de conhecimento individuais e coletivas (CEN, 2008). Objetivando a melhoria de produtividade por meio da gestão de processos que melhoram os ciclos do conhecimento organizacional. Na mesma linha, a gestão do conhecimento pode ser caraterizada como uma abordagem integrada da identificação, criação, armazenamento, compartilhamento e aplicação do conhecimento para aumentar a competitividade organizacional (APO, 2009). Como salientam Hammer, Leonard e Davenport (2004), o objetivo da Gestão do Conhecimento não é obter mais dos indivíduos, mas obter mais de toda a organização, dito dessa forma, a maneira de se fazer isso é melhorando o desempenho dos processos empresariais, onde os trabalhadores de todos os níveis contribuem. A identificação e análise do negócio no qual estão embutidos os aspectos de conhecimento são fundamentais para o sucesso da sistematização e da gestão do conhecimento nas organizações (URIONA; DONADEL; VARVAKIS, 2008; SCHREIBER et al., 2002). 2.1 Compartilhamento de conhecimento Kogut e Zander (1992) já destacavam que promover a criação e compartilhamento de conhecimento dentro das organizações é um desafio essencial no ambiente empresarial. O compartilhamento de conhecimento pode ser definido como a cultura de interação social em que ocorre a troca de conhecimentos, experiências e habilidades (LIN, 2007), para levar a um melhor desempenho devido à melhoria da tomada de decisão e uma melhor coordenação (ZARRAGA; BONACHE, 2003). Para as organizações o compartilhamento de conhecimento é uma forma de assegurar que seus trabalhadores possam repassar uns aos outros o conhecimento que possuem, e garantir a disseminação e posse do conhecimento de que necessitam (TONET E PAZ, 2006). Na prática, o compartilhamento de conhecimento é desafiante, ao passo que se o conhecimento não for compartilhado, os recursos cognitivos disponíveis dentro de um grupo permanecem subutilizados (ARGOTE, 2013; CABRERA; CABRERA, 2005). 3

4 2.2 Práticas de compartilhamento do conhecimento Diversos autores definem o termo compartilhamento de conhecimento (APO,2010; LIN; LEE; WANG, 2009; STEIL, 2007; MCINEMEY; DAY,2007; DAVENPORT;PRUSAK, 1998). O presente estudo utiliza o conceito da APO (2010), o qual define compartilhamento de conhecimento como o intercâmbio regular e sustentado de conhecimento entre os membros da organização, gerando um aprendizado continuo para atender os objetivos de negocio. Segundo APO (2010), o compartilhamento do conhecimento depende de melhores práticas, processos, ferramentas e técnicas para transferir e ampliar o conhecimento. No que tange às práticas voltadas ao compartilhamento, elas são identificadas, classificadas e abordadas em estudos diversos, como por exemplo APO (2009,2010), CEN (2004) e Becerra-Fernandez e Sabherwal (2001) no Modelo SECI. Conforme a APO (2010) existem práticas de GC desenvolvidas principalmente para melhorar e apoiar os processos de negócio e projetos empresariais, estas práticas serão utilizadas no presente estudo e estão agrupadas em dois tipos, as práticas não associadas à tecnologia (Não utiliza TI) e as práticas que são associadas a TI (Sim utiliza TI). No quadro 1 são apresentadas as práticas de compartilhamento de conhecimento. PROCESSO Compartilhamento do Conhecimento Quadro 1: Práticas de compartilhamento de conhecimento. PRÁTICAS Assistência entre pares Revisões de Aprendizagem Revisão depois da Ação Narrativas Comunidades de Práticas Espaços Físicos de Colaboração Café do Conhecimento/ Encontros informais Taxonomias Biblioteca de Documentos Bases de Conhecimentos (Wikis, etc) Blogs Serviços de Redes Sociais Voz sobre IP (VOIP) Cluster de Conhecimento Localização de Especialista Espaços Virtuais de Colaboração Portal do Conhecimento Vídeo Compartilhado Mestre Aprendiz Fonte: APO (2010). 4

5 Para este trabalho, aplicou-se diversas práticas de GC. Assim, o ambiente criado para o compartilhamento do conhecimento envolveu: a) encontros informais, com aplicação das entrevistas com cada um dos empregados envolvidos; b) registro do conhecimento explicitado fornecido em cada uma das entrevistas; c) o produto final do trabalho foi uma base com a compilação de todas as informações coletadas: os processos desenvolvidos por esta área, as atividades realizadas, os documentos gerados durante estas atividades e o fluxo e compartilhamento de informações entre as áreas. 3. GESTÃO DE PROCESSOS (GP) A gestão de processos é um processo de gestão (HARRINGTON, 1993; GONÇALES, 2000; VARVAKIS et al., 2008). Os processos são fontes de conhecimento nas suas entradas, atividades e produtos, existindo um fluxo de informação ao longo do processo (HARRINGTON, 1993). Porém, vale ressaltar que a transformação de inputs em outputs de valor não é suficiente, um processo típico também envolve feedback, rentabilidade, transformação de itens não tangíveis (informação e conhecimento) e etc (GONÇALVES, 2000). A gestão de processos deve considerar tanto os processos quanto as mudanças nos ambientes, considerando que as mudanças são oportunidades para a melhoria contínua e a forma de gerenciamento de processos (DÁVILA; LEOCADIO; VARVAKIS, 2008). Assim, sustenta-se que Gestão de processos é a definição, análise e melhoria contínua dos processos, com o objetivo de atender as necessidades e expectivas do cliente. 3.1 Etapas de Gestão de Processos Argumenta-se que o conhecimento é insumo para a Gestão de processos. E a gestão de processos apresenta vantagens para a organização, especificamente ao atendimento das necessidades dos clientes, permite visão ampla e horizontal do negócio, e processos claramente definidos. E no que tange ao conhecimento global do processo visa a melhor utilização dos recursos (otimização e priorização), melhoria na comunicação e maior envolvimento dos funcionários em todos os níveis. 5

6 Para Harrington (1993), o melhoramento de processos é um aspecto do desenvolvimento organizacional, no qual o dono do processo identifica, analisa e melhora processos existentes na organização para atingir novos objetivos, tais como incrementar rentabilidade e desempenho, reduzindo custos e acelerando tempos. Nessa linha, para os autores são etapas da Gestão de processos: Conhecer, identificar e Capturar (para melhorar), conforme detalhado na Figura 1. Figura 1: Etapas do processo de Gestão de Processos Fonte: Elaboração dos autores com base no material da disciplina Práticas de Gestão (2013). Todos os processos geram valor, ou seja, possuem valor agregado, porém nem todas as organizações visualizam ou entendem onde está o valor. 3.2 Práticas de compartilhamento do conhecimento como facilitadores de Gestão de Processos O foco da gestão do conhecimento é a forma de compartilhar conhecimento para criar benefícios de valor agregado para a organização, sendo que o conhecimento é poder, o compartilhamento do conhecimento també é poder (LIEBOWITZ, 2001). Na prática, a partilha de conhecimento tem dois aspectos: um é comportamental, o outro é tecnológico (RYU; HO; HAN, 2003), entende-se que um complementa o outro, e a tecnologia é um meio facilitador para o compartilhamento do conhecimento. 6

7 É bastante difundido na literatura que o maior desafio do compartilhamento do conhecimento é mudar o comportamento das pessoas (RUGGLES, 1998; RYU; HO; HAN, 2003). O compartilhamento do conhecimento dependente da atividade sobre a interação e comunicação entre os indivíduos, de modo que o seu sucesso depende da quantidade e qualidade da interação entre os indivíduos e a vontade e capacidade de usar o conhecimento. Diante disso, parece que o desafio também ocorre com relação ao compartilhamento de informação, cultura e políticas da organização ao considerar que a informação gera conhecimento que por sua vez é a informação em ação efetiva, focada em resultados (DRUCKER, 1999). Alguns estudos sobre compartilhamento do conhecimento (BOCK et al., 2005; KANKANHALLI et al, 2005; SHIN et al, 2007; WASKO; FARAJ, 2005) demonstram que quando as pessoas pensam que a sua experiência pode melhorar o trabalho eficiência e aumentar a produtividade, com isso estarão mais inclinados a compartilhar conhecimentos com os outros colegas. Ao considerar que o GP concentra seus eforços na melhoria contínua das atividades que efetivamente agregam valor aos produtos [...], ao memo tempo que busca eliminar ou reduzir aquelas operaçoes que apenas geram custos e que não contribuem para a satisfação do consumidor (VARVAKIS et al., [2005?]). Para a organização isso significa aumento global da qualidade e produtividade, ressalta-se que o compartilhamento do conhecimento pode ser um facilitador para que isso efetivamente aconteça. 4. METODOLOGIA A presente pesquisa é desenvolvida sob a base do paradigma exploratório e teórico empírico (VERGARA, 2005). Realizou-se uma pesquisa bibliográfica direcionada ao tema, considerando sua relevância em toda pesquisa científica ao reunir fontes de informação sobre a temática pesquisada. O levantamento e análise das práticas de criação de conhecimento foram úteis para a extração dos construtos para o modelo de referência proposto. Para a coleta de informações (do case) existem três possibilidades de métodos, quais sejam a entrevista, o questionário e a observação. Optou-se, primeiramente, pela entrevista, baseando-se em um questionário semiestruturado. Porém, utilizou-se quando extremamente necessário o método de questionário, visando a coletar informações simples e rápidas que não foram possíveis coletar durante as entrevistas, afim de contemplar a socialização do 7

8 conhecimento para transformação do conhecimento tácito dos entrevistados para o conhecimento explícito. Ao todo foram realizadas 39 entrevistas, somando cerca de 58 horas de gravações. Todos os colaboradores foram entrevistados, e nesta etapa compilou-se as informações específicas de cada atividade desenvolvida por ele individualmente. Além da compreensão da atividade em si, o foco era identificar os documentos e informações produzidas, e as especificidades de cada documento. As etapas do case aplicado contemplaram: a) Identificação de processos e atividades do departamento; b) Recursos envolvidos em cada uma das atividades, considerando recursos humanos e recursos tecnológicos; c) Identificação dos documentos e informações produzidas a partir de cada uma das atividades, bem como as especificidades de cada documento; d) Identificação dos sistemas de suporte aos documentos e informações; e) Identificação dos fluxos e compartilhamento de conhecimento, informações e documentos entre as áreas da organização (internas) ou órgãos externos. Para compilar as informações coletadas durante a entrevista, estruturou-se uma base de dados em formato Excel. Figura 2: Etapas da pesquisa. Pesquisa Exploratória e Descritiva Desenvolvimento do modelo Coleta de dados Análise dos dados Revisão de literaura direcionada ao tema Outras fontes de informação (material da disciplina) Seleção das práticas de compartilha mento de conhecimento Elaboração do roteiro Entrevista Roteiro semiestruturado Colaboradores Anáile de conteúdo Etapas: Préanálise; Exploração do material; Tratamentos dos resultados. Fonte: Elaborado pelos autores (2013). Em seguida serão apresentados os principais resultados da aplicação do modelo, em uma empresa do setor energético. Contudo, o modelo não possui relação direta com a área que a empresa atua, logo, pode ser aplicado em empresas de diversos setores. 8

9 5. RESULTADOS A busca exploratória na literatura contribuiu como arcabouço teórico para o desenvolvimento do modelo aplicado na prática. Como os recursos eram limitados, não fez parte desta pesquisa qualquer sistema que envolvesse as práticas de gestão do conhecimento (wiki, blogs, comunidades virtuais, etc), todos os resultados foram coletados a partir das entrevistas realizadas. Após foram apresentados os resultados à área para consolidação dos mesmos. O modelo desenvolvido (figura 3) teve como objetivo contemplar as etapas de: a) Localização de fontes de conhecimento: consiste na identificação de processos e atividades desenvolvidas e compartilhadas; b) Identificação de emissor e destinatário: consiste na identificação dos colaboradores e/ou fontes de conhecimento, os fluxos e interações, bem como os recursos envolvidos c) Utilização de práticas de GC: além da identificação dos documentos e informações produzidas a partir de cada uma das atividades, bem como as especificidades de cada documento, esta etapa prevê quais são as práticas de GC utilizadas; d) Assimilação de conhecimentos: consiste na identificação dos sistemas de suporte aos documentos e informações, configurados como estruturas que subsidiam a assimilação dos conhecimentos pelos colaboradores; e) Implementação de práticas de GC: para que esta etapa aconteça de forma eficaz, deve-se ter claramente identificados os fluxos e compartilhamento de conhecimento, informações e documentos entre as áreas da organização (internas) ou órgãos externos, para a melhor implementação das melhores práticas de compartilhamento do conhecimento. Figura 3 Etapas para o compartilhamento de conhecimentos. Fonte: Elaborado pelos autores, com base na literatura comparada à prática. 9

10 Sem dúvidas esse é um processo contínuo que se retroalimenta, considerando que a empresa é um organismo vivo, que produz diversas fontes de conhecimento ao longo de sua existência, e as práticas quando implementadas podem auxiliar no compartilhamento do conhecimento, e, por consequência, melhorar os resultados da organização. Quanto à identificação de processos e atividade do departamento, conseguiu-se identificar 5 macroprocessos: a) Folha de pagamento; b) Recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento; c) Remuneração e Benefícios; d) Saúde e Segurança no Trabalho; e) Comunicação Interna e Qualidade de Vida. Os macroprocessos identificados, não possuíam etapas lineares de acontecimento, eles possuíam interações ao longo de vários microprocessos. Conforme Gonçalves (2000), vale ressaltar que nem sempre um processo terá atividades sequenciais, com fluxos bem definidos, com início e fins claros. Neste caso específico, alguns macroprocessos possuíam relação de atividades, outros não, conforme quadro abaixo: Recrutamento e Seleção Remuneração e Benefícios Folha de Pagamento Saúde e Segurança no Trabalho Qualidade de Vida Treinamento e Desenvolvimento Ao mapear os macroprocessos, registravam-se as seguintes informações: a) Qual o objetivo do processo, b) Quais as atividades executadas nos processos, c) Quais as pessoas envolvidas no processo e d) Quais as interações com as demais áreas da companhia. Para mapear os macroprocessos, os coordenadores de cada uma das áreas foram entrevistados. Ao desdobrar os macroprocessos, foi possível contabilizar 16 microprocessos e derivados destes, 186 documentos produzidos. Quanto aos recursos envolvidos em cada uma das atividades, pode-se identificar a distribuição dos recursos humanos, detalha-se que: 10

11 Quadro 2 Macroprocessos e Recursos humanos Macroprocessos Nº Recursos Humanos a) Folha de pagamento; 5 b) Recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento; 5 c) Remuneração e Benefícios; 5 d) Saúde e Segurança no Trabalho; 5 e) Comunicação Interna e Qualidade de Vida. 4 Total 24* * Estes foram os colaboradores entrevistados, alguns foram entrevistados mais de uma vez (comando as 39 entrevistas), por serem chaves no processo. Fonte: Dados da pesquisa (2013). Com as entrevistas foi possível identificar as informações específicas de cada atividade desenvolvida por cada colaborador individualmente. Além da compreensão da atividade em si, o foco era identificar os documentos e informações produzidas, e as especificidades de cada documento. Dentre os formatos contemplados durante a entrevista, constatou se a presença de documentos digitais, impressos e híbridos. Como documentos digitais entende se por aqueles que são eletrônicos, porém, caracterizados pela codificação em dígitos binários, acessados por meio de sistemas computacionais. Já os documentos impressos são aqueles que se apresentam na forma de documento físico (papel) e os híbridos são a mistura de formatos digitais, impressos, microfilmados e eletrônicos. Abaixo segue o panorama do formato dos documentos: Tabela 1 - Formato dos documentos FORMATO DO DOCUMENTO PERCENTUAL Digital 32% Impresso 19% Híbrido 49% Fonte: Dados da pesquisa (2013). Quanto a emissão dos documentos, foi possível identificar que do total de 186 documentos, 125 são emitidos pelo próprio departamento, os demais advêm de outras áreas da empresa (órgãos internos) e outras empresas (órgãos externos). 11

12 A movimentação é constituída por toda a circulação e compartilhamento de documentos e informações entre o Departamento de Recursos Humanos e demais áreas da empresa ou externas à ela. Esta etapa foi mapeada em quatro perspectivas: documentos advindos de outras áreas internas, documentos advindos de órgãos externos, documentos enviados para outras áreas internas e documentos enviados para órgãos externos. Como neste tópico abordar-se ão os locais de origem e locais para onde os documentos foram enviados, usar-se ão números absolutos e porcentagem do total dos documentos mapeados, sendo por vezes admitida a possibilidade de o mesmo documento ser emitido por dois lugares, ou ser encaminhado para mais de um lugar, por tanto a soma dos resultados será maior que o montante de documentos mapeados. Gráfico 1 Compartilhamento de documentos e informações. Compartilhamento de Documentos e Informações advindos de áreas internas advindos de órgãos externos enviados à áreas internas enviados à órgãos externos Fonte: Dados da pesquisa (2013). A partir da descrição dos documentos, e principalmente das informações contidas nos fluxos, foi possível determinar as inter-relações entre os processos tanto com áreas internas e externas, determinar as quantidades e porcentagens quanto à formalidade dos documentos, à forma de armazenamento, à movimentação desses no âmbito interno e externo da organização entre outros mecanismos de análise. Também foi possível compreender a dinâmica dos processos, atividades e documentos desenvolvidos, identificar os participantes dos processos e principalmente manter o registro do conhecimento sobre cada uma das atividades. 12

13 Durante as entrevistas, identificou-se algumas lacunas quanto às práticas de gestão do conhecimento. Quais são as práticas existentes? Quais são informais e quais não? Quais deveriam existir prioritariamente? Muitos dos colaboradores com menos de 5 anos de empresa não possuíam conhecimento suficiente sobre o processo num todo, apenas sobre a parte a qual ele participava, sem compreender a finalidade ou objetivo daquele processo. Contudo, o conhecimento tácito individual, adquirido através da experiência profissional ao longo dos anos ficou evidente nos entrevistados que possuíam mais de 20 anos de casa, os mesmos demonstraram possuir amplo conhecimento sobre o processo num todo. As práticas de gestão do conhecimento nesta empresa são informais, através de grupos de trabalho, conversas informais para conhecimento dos processos organizacionais, troca de informações, etc. A falta de ferramentas de colaboração para explicitação do conhecimento ficou evidente nesta etapa. Uma das maiores lacunas encontradas foi a falta de documentação normativa, envolvendo a explicitação do conhecimento sobre a execução de determinados processos. Muitos colaboradores (principalmente os que possuem menos tempo de experiência na empresa) identificaram a necessidade de registrar/procedimentar/documentar as etapas dos processos para que se possa recuperar as informações e garantir a prosperidade organizacional. Diante dessas observações ficou evidente que ocorrem mais práticas informais, principalmente, conversas entre colegas, sugere-se como práticas a serem priorizadas, formalizadas e institucionalizadas na organização para o compartilhamento do conhecimento: Assistência entre pares, Espaços físicos e virtuais de colaboração, Biblioteca de conhecimento, Bases de conhecimentos, Mestre/Aprendiz. 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Respondendo a questão de pesquisa formulada identifica-se que a prática de compartilhamento de conhecimento que pode facilitar o registro do conhecimento para o gerenciamento dos processos corporativos é a interação e comunicação entre os indivíduos. Contudo, por meio desta aplicação como sugestão para promoção do compartilhamento do conhecimento, sugere-se à empresa o desenvolvimento de formas de colaboração e compartilhamento de conhecimento, por meio da cultura de socialização e explicitação do conhecimento tácito, convertendo o conhecimento em vantagem competitiva, através da implantação de uma plataforma de social business, envolvendo os recursos de: 13

14 Fóruns, para discussão, compartilhamento e registro de informações; Comunidades, como ferramenta de armazenamento da memória organizacional, no qual empregados teriam o compromisso de documentar e divulgar as ações, compartilhar projetos, melhores práticas, cases. Atualmente estas informações não estão sendo compartilhadas a nível corporativo (U.O.s, s individuais); Bases de Conhecimentos (Wikis), no qual os empregados atuariam em conjunto para a construção estruturada das informações e do conhecimento da empresa. A implementação desta ferramenta visa contemplar as necessidades detectadas durante a aplicação da pesquisa, garantindo a memória organizacional visando a prosperidade do negócio, tendo como justificativa: Compartilhamento do Conhecimento, em função da aposentadoria de profissionais especializados e renovação do quadro de pessoal; Criação de comunidades de prática para retenção e disseminação do conhecimento e experiências; Integração entre as unidades de negócio; Atuação em equipes multidisciplinares e matriciais; Colaboração e comunicação ágil entre pessoas de diferentes áreas e regiões; Otimização de recursos e aumento da eficiência dos processos; Disponibilização de informações para acesso remoto, de maneira ágil e amigável aos usuários. Com relação ao protocolo proposto para conhecer, identificar e capturar os processos organizacionais, as práticas que podem auxiliar no compartilhamento do conhecimento e com isso melhorar os resultados da organização, propõem-se visualizá-lo na organização conforme a figura 4. 14

15 Figura 4 Visão global dos processos organizacionais e o compartilhamento do conhecimento. Organização Fonte: Elaborado pelos autores (2013). Contudo, vale ressaltar que este é apenas uma sugestão de um modelo de referência para o compartilhamento do conhecimento corporativo visando a gestão de processos. Como esta pesquisa se limitou ao recorte do compartilhamento do conhecimento, este modelo pode ser expandido, por isso se recomenda a aplicação do modelo em outros ambientes corporativos, podendo inclusive testar a inclusão de outros processos de GC. REFERÊNCIAS APO Asian Productivity Organization. Knowledge Management: Facilitators Guide. Tokyo, ARGOTE, L. Organizational Learning: Creating, Retaining and Transferring Knowledge. 2a. ed. New York: Spring, BOCK, G.-W.; ZMUD, R. W.; KIM, Y.-G.; LEE, J.N. Behavioral intention formation in knowledge sharing: Examining the roles of extrinsic motivators, social-psychological forces, and organizational climate. MIS Quarterly, v. 29, n. 1, p , CABRERA, E. F.; CABRERA, A. Fostering knowledge sharing through people management practices. International Journal of Human Resource Management, v. 16, n. 5, pp , DRUCKER, Peter. Sociedade Pós-Capitalista. 7. ed. São Paulo: Pioneira,

16 EUROPEAN GUIDE TO GOOD PRACTICE IN KNOWLEDGE MANAGEMENT. Part 1: Knowledge Management Framework, European Committee for Standardization, (http://www.cen.eu). GONÇALVES, J. E. L. As empresas são grandes coleções de processos. RAE - Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 1, HAMMER, M.; LEONARD, D.; DAVENPORT, T. Why don t we know more about knowledge? MIT Sloan Management Review, Cambridge, v. 4, n. 45, p , HARRINGTON, James. Aperfeiçoando Processos Empresariais. São Paulo: Makron Books, KANKANHALLI, A.; TAN, B. C. Y.; WEI, K. K. Contributing knowledge to electronic knowledge repositories: An empirical investigation. Mis Quarterly, v. 29, n. 1, p , KOGUT, B.; ZANDER, U. Knowledge of the firm, combinative capabilities, and the replication of technology. Organization Science, v. 3, n. 3, pp , LIEBOWITZ, J. Knowledge management and its link to artificial Intelligence. Expert Systems with Applications, v. 20, p. 1-6, NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008 pp , RUGGLES, R. The state of notion: Knowledge management in practice. California Management Review, v. 49, n. 3, p , RYU, Seewon; HO, Seung Hee; Han, Ingoo. Knowledge sharing behavior of physicians in hospitals. Expert Systems with Applications, v. 25, n. 1, July, p , SCHREIBER, G. et al. Knowledge Engineering and Management: the CommonKADS Methodology. MIT Press: Cambridge, SHIN, S. K.; ISHMAN, M.; SANDERS, G. L. An empirical investigation of socio-cultural factors of information sharing in China. Information & Management, v. 44, n. 2, p , SILVA, E. L. da, MENEZES, E. M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2000, 118 p. TONET, H. C.; PAZ, M. G. T. Um modelo para o compartilhamento de conhecimento no trabalho. Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 2, p , ISSN URIONA, M.; DONADEL, A. C.; VARVAKIS, G. Modelagem de processos intensivos em conhecimento: um estudo comparativo. In. VI Congresso Latinoamericano de Dinámica de Sistemas,

17 VERGARA, S. M. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 4. Ed. São Paulo: Atlas, WASKO, M. M.; FARAJ, S. Why should I share? Examining social capital and knowledge contribution in electronic networks of practice. MIS Quarterly, v. 29, n. 1, p , ZARRAGA, C.; BONACHE, J. Assessing the team environment for knowledge sharing: an empirical analysis. International Journal of Human Resource Management, v. 14, n. 7, 17

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO

TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO TRABALHOS TÉCNICOS Coordenação de Documentação e Informação INOVAÇÃO E GERENCIAMENTO DE PROCESSOS: UMA ANÁLISE BASEADA NA GESTÃO DO CONHECIMENTO INTRODUÇÃO Os processos empresariais são fluxos de valor

Leia mais

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008

O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento. Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 O papel do bibliotecário na Gestão do Conhecimento Profª Dr a Valéria Martin Valls Abril de 2008 Apresentação Doutora e Mestre em Ciências da Comunicação / Bibliotecária (ECA/USP); Docente do curso de

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA

Algumas Instituições. World Bank. Gartner Group. Knowledge Transfer International APQC OCDE IPEA Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka Takeuchi J. Bair E. Stear J. Hibbard Verna Allee Ross Dawson Tom Davenport Larry

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a.

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Programa de Pós Graduação em Ciência da Informação Prof a. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia

Leia mais

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento

Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Utilização de ferramentas de colaboração para Gestão do Conhecimento Carlos Roberto de Souza Tavares 1 Carlos Mário Dal Col Zeve 2 RESUMO Um dos maiores problemas que as empresas atuais enfrentam refere-se

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Fóruns Comunidades de Prática Mapeamento do Conhecimento Portal Intranet Extranet Banco de Competências Memória Organizacional

Leia mais

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia.

OBSERVATÓRIO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO. Palavras-chave: Gestão da Informação. Gestão do conhecimento. OGI. Google alertas. Biblioteconomia. XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 RESUMO OBSERVATÓRIO DE

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Principais Autores Michael Polanyi Karl M. Wiig Henry Mitzenberg Betty Ann Mackintosh Gordon Petrash Ikujiro Nonaka Hirotaka

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Prof a Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Tecnologia e Gestão O principal papel da Tecnologia da Informação na Gestão do Conhecimento consiste em: Ampliar o alcance

Leia mais

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão

Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO. Profa. Leonor Cordeiro Brandão Unidade II GESTÃO DO CONHECIMENTO Profa. Leonor Cordeiro Brandão Relembrando Vimos alguns conceitos importantes: O que são dados; O que é informação; Quando uma informação se transforma em conhecimento;

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA RESUMO 1 A IMPORTÂNCIA DO FEEDBACK NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO REALIZADO NAS ORGANIZAÇÕES DA ZONA DA MATA MINEIRA Daniel de Souza Ferreira 1 RESUMO Ferreira, Daniel de Souza. A Impostância do Feedback

Leia mais

Gestão do Conhecimento

Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento 8º Congresso Internacional da Qualidade para Competitividade 02/07/2006 Dr. José Cláudio C. Terra Slide 1 Era do Conhecimento Linha de Montagem Linha de Montagem? Slide 2 Era do

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Partes Iniciais ou Elementos Pré- Textuais Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso Professor: Fernando Zaidan PROJETO - Elaboração de um projeto é de grande importância

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras realizar a pesquisa

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras realizar a pesquisa Núcleo de Pós Graduação Pitágoras realizar a pesquisa Como fazer pesquisa? interpretar resultados Especialização em Engenharia de Software com Ênfase em Java Disciplina: Orientação de Conclusão de Curso

Leia mais

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento

MBA em Administração e Gestão do Conhecimento MBA em Administração e Gestão do Conhecimento Gestão do Conhecimento Aula 3 Profa. Me. Ana Carolina Bustamante Olá! Bem-vindos à nossa terceira aula. Antes de mais nada, assista ao vídeo a seguir e conheça

Leia mais

Gestão do Conhecimento Case Documentar

Gestão do Conhecimento Case Documentar Gestão do Conhecimento Case Documentar GESTÃO DO CONHECIMENTO CASE DOCUMENTAR Empresa: Documentar Tecnologia e Informação Localização: R. Barão de Macaúbas 460 20º Andar Santo Antônio BH/MG Segmento: Tecnologia,

Leia mais

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações.

Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Plenária II O Profissional Arquivista e a Gestão do Conhecimento: demandas contemporâneas nas organizações. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira Salvador, 2013 Conhecimento Organizacional 2 A Produção

Leia mais

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL

O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL O APORTE DOS ARQUIVOS PARA A GESTÃO DO CONHECIMENTO ORGANIZACIONAL Marilene Lobo Abreu Barbosa 21 de outubro de 2013 Arquivos, bibliotecas e museus Foram os primeiros sistemas de informação e, inicialmente,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS 1 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E GESTÃO DO CONHECIMENTO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS BRASILEIRAS E PORTUGUESAS São Carlos SP Abril 2011 Euro Marques Júnior USP eurojr@uol.com.br Educação Universitária Serviços

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011

Gestão de TI. Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Gestão de TI Aula 9 - Prof. Bruno Moreno 27/06/2011 Aula passada... CRM BI - Introdução Sistemas Interorganizacionais 17:08 2 Aula de hoje... Gestão do Conhecimento 17:08 3 85% dos ativos de conhecimento

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

Portal de Periódicos da CAPES: evolução do acesso pela UEPG 2005 a 2013 : experiência da capacitação de usuários com cursos de extensão

Portal de Periódicos da CAPES: evolução do acesso pela UEPG 2005 a 2013 : experiência da capacitação de usuários com cursos de extensão 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( x ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento

VANTAGEM ESTRATÉGICA. Assunto: Administração do Conhecimento 1 VANTAGEM ESTRATÉGICA Assunto: Administração do Conhecimento Objetivos do capítulo: 1. Explicar como os sistemas de administração do conhecimento podem ajudar na iniciativa de construir uma empresa geradora

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ATRIBUIÇÃO DE AULAS EM ESCOLAS TÉCNICAS

MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ATRIBUIÇÃO DE AULAS EM ESCOLAS TÉCNICAS MAPEAMENTO DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ATRIBUIÇÃO DE AULAS EM ESCOLAS TÉCNICAS Carlos Eduardo da Trindade Ribeiro 1 Edriano Carlos Campana 1 Alexandre Navarro Teixeira 1 João Pedro Albino 2 Humberto

Leia mais

A comunicação empresarial e a gestão da mudança

A comunicação empresarial e a gestão da mudança Renato Dias Baptista Índice 1 As mudanças organizacionais 1 1.1 Comunicação e mudança organizacional............. 2 2 Considerações Finais 4 3 Referências Bibliográficas 4 1 As mudanças organizacionais

Leia mais

MÉTODO PARA IMPLANTAR O CRM APOIADO A GESTÃO DO CONHECIMENTO

MÉTODO PARA IMPLANTAR O CRM APOIADO A GESTÃO DO CONHECIMENTO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO HABILITAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS MÉTODO PARA IMPLANTAR O CRM APOIADO A GESTÃO DO CONHECIMENTO E A SERVIÇOS DIGITAIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO I Aluno: Fábio Schmidt

Leia mais

Introdução. Gestão do Conhecimento GC

Introdução. Gestão do Conhecimento GC Introdução A tecnologia da informação tem um aspecto muito peculiar quanto aos seus resultados, uma vez que a simples disponibilização dos recursos computacionais (banco de dados, sistemas de ERP, CRM,

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia.

Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Construção de um Sistema de Informações Estratégicas, Integrando Conhecimento, Inteligência e Estratégia. Introdução Sávio Marcos Garbin Considerando-se que no contexto atual a turbulência é a normalidade,

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

ALINHANDO A GESTÃO DO CONHECIMENTO COM A ESTRATÉGIA EMPRESARIAL: FUNDAMENTOS PARA A GESTÃO DA MUDANÇA NO MODELO DE GESTÃO DA ITAIPU BINACIONAL

ALINHANDO A GESTÃO DO CONHECIMENTO COM A ESTRATÉGIA EMPRESARIAL: FUNDAMENTOS PARA A GESTÃO DA MUDANÇA NO MODELO DE GESTÃO DA ITAIPU BINACIONAL ALINHANDO A GESTÃO DO CONHECIMENTO COM A ESTRATÉGIA EMPRESARIAL: FUNDAMENTOS PARA A GESTÃO DA MUDANÇA NO MODELO DE GESTÃO DA ITAIPU BINACIONAL Miguel Augusto Zydan Soria, Edson Pinheiro de Lima, Jaime

Leia mais

O SERPRO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO: UMA LIÇÃO A SER APRENDIDA VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013

O SERPRO E A GESTÃO DO CONHECIMENTO: UMA LIÇÃO A SER APRENDIDA VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013 VIVIANNE VERAS SERPRO JUNHO 2013 O SERPRO MELHORES PRÁTICAS LIÇÕES APRENDIDAS PRÓXIMOS PASSOS... O SERPRO ORGANOGRAMA A EMPRESA ESTRUTURA LINHAS DE NEGÓCIO CLIENTES E SERVIÇOS -Política de Propriedade

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Tópicos da aula GESTÃO DA INFORMAÇÃO GESTÃO DO CONHECIMENTO CAPITAL INTELECTUAL TOMADA DE DECISÃO ENGENHARIA DA INFORMAÇÃO Sistemas de Informações Ondas de transformação da humanidade Revolução Agrícola

Leia mais

1. O QUE ANTECEDEU O LIVRO?

1. O QUE ANTECEDEU O LIVRO? Brasília, 11 de abril de 2012 I. ANTECEDENTES 1. O QUE ANTECEDEU O LIVRO? 2002 Início dos estudos sobre Gestão do Conhecimento 2003 2007. Estudos e pesquisas realizados no Ipea: 2004. Governo que aprende:

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS. Aula 12 FACULDADE CAMÕES PORTARIA 4.059 PROGRAMA DE ADAPTAÇÃO DE DISCIPLINAS AO AMBIENTE ON-LINE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL DOCENTE: ANTONIO SIEMSEN MUNHOZ, MSC. ÚLTIMA ATUALIZAÇÃO: FEVEREIRO DE 2007. Gestão

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social.

PALAVRAS-CHAVE: compartilhamento de conhecimento; gestão do conhecimento; responsabilidade social. PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNICENTRO, PROVARS: COMPARTILHANDO CONHECIMENTOS PARA A EFETIVAÇÃO DE UMA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. RESUMO: O presente trabalho pretendeu verificar

Leia mais

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília. Faculdade de Ciência da Informação. Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Fóruns / Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias e experiências que

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO

A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES DE UMA TRANSPORTADORA DA CIDADE DE SÃO PAULO: UM ESTUDO DE CASO Marcelo Cristian Vieira 1, Carolina Zavadzki Martins 2,Gerliane

Leia mais

Programa de Gestão do Conhecimento: O conhecimento em nossas mãos.

Programa de Gestão do Conhecimento: O conhecimento em nossas mãos. Programa de Gestão do Conhecimento: O conhecimento em nossas mãos. Natal, 2014 2 Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte Gerência de Desenvolvimento Humano Unidade de Administração e Desenvolvimento

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto

A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS. Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto A GESTÃO DO CONHECIMENTO EM PROJETOS COMPLEXOS Prof. Esp. Cesar Augusto Pereira Peixoto Brasília, 26 de Agosto de 2014 Sumário APRESENTAÇÃO FUNDAMENTOS TEÓRICOS PRÁTICAS DE GESTÃO DO CONHECIMENTO ESTUDO

Leia mais

www.fernando.parreiras.nom.br

www.fernando.parreiras.nom.br Análise comparativa de processos de desenvolvimento de software à luz da gestão do conhecimento: um estudo de caso de empresas mineiras Fernando Silva Parreiras Gilzirene Simone Oliveira Contexto A engenharia

Leia mais

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento

O Projeto MelhorAção e a Gestão do Conhecimento Prof a Dr a Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação Universidade de Brasília Coordenadora Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos Consolidados Instituto Brasileiro de Informação em Ciência

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11

Gestão do Conhecimento. Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Capitulo 11 Gestão do Conhecimento Objetivos da aula Gestão de Conhecimento Sistemas de Gestão de Conhecimento Por que hoje as empresas necessitam de programas de gestão do conhecimento

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO. MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias Coordenação Acadêmica: Maria Elizabeth Pupe Johann 1 OBJETIVOS: Objetivo Geral: - Promover o desenvolvimento

Leia mais

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence

Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Gestão do Conhecimento: Uma Visão Geral Para Business Intelligence Banco de Dados para BI: José Roberto Escodeiro 10/10/2011 1. Linha do Tempo 2. Era do Conhecimento Índice 3. Ativos Tangíveis e intangíveis

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

Palestra: Como implementar a Gestão do Conhecimento na Administração Publica

Palestra: Como implementar a Gestão do Conhecimento na Administração Publica Palestra: Como implementar a Gestão do Conhecimento na Administração Publica Prof. Dr. Fábio Ferreira Batista Seminário: Políticas de Informação: avanços e desafios rumo à gestão do conhecimento. Fundação

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST -

AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - AUDIÊNCIA PÚBLICA SOBRE TERCEIRIZAÇÃO - TST - (4 e 5 de outubro de 2011) PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Administrador de Empresas com Pós Graduação em Business Administration pela New York University

Leia mais

As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento

As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento As duas leis fundamentais da Gestão do Conhecimento Como e por que aumentar a Potência de Aprendizagem nas organizações. Filipe M. Cassapo, Gerente de TI, SIEMENS, Filipe@siemens.com Competição e ciclos

Leia mais

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br

www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Outras Apostilas em: www.projetode redes.co m.br www.redesde com p uta dores. com. br Centro Universitário Geraldo di Biase 1. Sistemas, Processos e Informações Ao observarmos o funcionamento de um setor

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas

BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação e perspectivas 2da. Jornada sobre la Biblioteca Digital Universitaria JBD2004 Buenos Aires, 17-18 de junio de 2004 BIBLIOTECA DIGITAL DA UFRGS: implementação

Leia mais

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO

RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO RETORNO EM EDUCAÇÃO CORPORATIVA DEVE SER MENSURADO Apesar de as empresas brasileiras estarem despertando para o valor das ações de educação corporativa em prol dos seus negócios, muitos gestores ainda

Leia mais

Como fazer pesquisa? Faculdade Pitágoras 20/08/2011. Projeto de Pesquisa 1 PROJETO PROJETO. Professor: Fernando Zaidan

Como fazer pesquisa? Faculdade Pitágoras 20/08/2011. Projeto de Pesquisa 1 PROJETO PROJETO. Professor: Fernando Zaidan Como fazer pesquisa? Faculdade Pitágoras realizar a pesquisa interpretar resultados Projeto de Pesquisa 1 Professor: Fernando Zaidan Tema Título (provisório) Objetivos e Questão PROJETO Artigo e Defesa

Leia mais

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO

PARTE 9. Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO PARTE 9 Capítulo 25 GESTÃO DO CONHECIMENTO ATIVO INTANGÍVEL Ativos que não têm substância física, mas proporcionam benefícios econômicos, como: competência dos gerentes, sua experiência e conhecimento

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software

Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gestão do Conhecimento e Dasenvolvimento de Software Gabriel Gavasso 1 Anderson R. Yanzer Cabral 2 Resumo: Gerenciar o conhecimento nas organizações tem se tornado um grande desafio, visto a grande importância

Leia mais

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos.

Marketing Visão 360º. O nosso objetivo é ter uma visão ampla dos temas de Marketing, abordando os seguintes tópicos. Marketing Visão 360º O Mundo do Marketing em parceria com a TNS Research International está realizando pesquisas mensais com profissionais da área de marketing para investigar temas relacionados ao dia-a-dia

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Redes de empresa e inovação

Redes de empresa e inovação Redes de empresa e inovação Disciplina: Gestão da Tecnologia e da Inovação Universidade Federal do Vale do São Francisco Campus de Juazeiro BA Colegiado de Engenharia de Produção Professor MSc. Marcel

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

Por que gerenciar comunicação nos projetos?

Por que gerenciar comunicação nos projetos? Por que gerenciar comunicação nos projetos? Rogério Magno Pires Rezende Engenheiro Mecânico, Gerente de orçamento, MIP Engenharia SA e pósgraduado em Gestão de Projetos pelo Ietec. Gerenciar comunicação

Leia mais

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior

A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO. Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior A GESTÃO DO CONHECIMENTO DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES: A PARTICIPAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO Roberta Moraes de Bem Divino Ignácio Ribeiro Júnior Resumo: Diante da sociedade do conhecimento na qual vive, torna-se

Leia mais

Planejamento de sistemas de informação.

Planejamento de sistemas de informação. Planejamento de sistemas de informação. O planejamento de sistemas de informação e da tecnologia da informação é o processo de identificação das aplicações baseadas em computadores para apoiar a organização

Leia mais

www.jrsantiago.com.br

www.jrsantiago.com.br www.jrsantiago.com.br Gestão do Conhecimento em Projetos José Renato Santiago Cenário Corporativo Muitas empresas gastam parte significativa de seu tempo no planejamento e desenvolvimento de atividades,

Leia mais

Implantando Comunidadesde Prática

Implantando Comunidadesde Prática Implantando Comunidadesde Prática SUCESU 11 de Novembrode 2008 Cristiano Rocha, Milestone O mundomudou 80 s 2008 80 s 2008 O quedefine, hoje, a riquezadas organizações? surge uma economia baseada no conhecimento

Leia mais

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB

VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB VISÃO SISTÊMICA EM GERENCIAMENTO DE PROJETOS PARA WEB Rogério Fernandes da Costa Professor especialista Faculdade Sumaré rogerio.fernandes@sumare.edu.br Resumo: O presente estudo tem como objetivo abordar

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI

Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Plano Estratégico de Tecnologia de Informação - PETI Hercio M. Ferraro Neto Pós-Graduando em Adm. De Sistemas de Informação Neste artigo iremos tratar de uma ferramenta da administração de sistemas de

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos

A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos A evolução da tecnologia da informação nos últimos 45 anos Denis Alcides Rezende Do processamento de dados a TI Na década de 1960, o tema tecnológico que rondava as organizações era o processamento de

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012

As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 As novas tecnologias podem finalmente - viabilizar o RH Estratégico? Thais Silva I Janeiro 2012 Universo TOTVS Fundada em 1983 6ª maior empresa de software (ERP) do mundo Líder em Software no Brasil e

Leia mais

O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília.

O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília. O Comportamento informacional dos pós-graduandos em Ciências Sócias e Humanas: um estudo com os pós-graduandos da UNESP de Marília. Eixo Temático: Livre Nome: Etiene Siqueira de Oliveira - Bolsista: PIBIC/CNPq

Leia mais

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil

Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Inovação no acervo e acesso de informações: o sistema de repositório institucional nos Tribunais de Contas do Brasil Sílvia Maria Berté Volpato (TCE/SC) - silviaberte@hotmail.com

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1

A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 A Comunicação no Modelo de Excelência da Gestão (MEG) 1 Narjara Bárbara Xavier Silva 2 Patrícia Morais da Silva 3 Resumo O presente trabalho é resultado do Projeto de Extensão da Universidade Federal da

Leia mais

Curso PMIP - Project Management Information Professional

Curso PMIP - Project Management Information Professional Curso PMIP - Project Management Information Professional ECM+GED+Gestão por Processos= O primeiro passo para integrar as informações com o conhecimento da sua empresa. Atualmente é cada vez mais claro

Leia mais

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 15. Tópicos Especiais I Sistemas de Informação. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 15 Aula 15 Tópicos Especiais I Sistemas de Informação Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Conceitos básicos sobre Sistemas de Informação Conceitos sobre Sistemas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Tecnologia da Informação, Gestão da Informação, gestão do conhecimento, ferramentas computacionais.

PALAVRAS-CHAVE: Tecnologia da Informação, Gestão da Informação, gestão do conhecimento, ferramentas computacionais. A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO COMO FERRAMENTA DE AUXÍLIO À GESTÃO DA INFORMAÇÃO E DO CONHECIMENTO: UM ESTUDO DE CASO DO PRC PROGRAMA DE REPASSE DO CONHECIMENTO NO SETOR ELÉTRICO GIUVANIA TEREZINHA LEHMKUHL

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO Documento 7.1 RESUMO EXECUTIVO RELATÓRIO FINAL DO PROJETO TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICIPIOS DO ESTADO DA BAHIA TCM-BA SALVADOR BAHIA MARÇO / 2010 1/10 1. Introdução Este documento faz parte do escopo do

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Gestão em TI Tópicos Especiais Retenção do Conhecimento Vantagem Competitiva nos SI Introdução As organizações têm demonstrado uma crescente demanda por informações

Leia mais