A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO INSTRUMENTO DE CAPACITAÇÃO DE DOCENTES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO INSTRUMENTO DE CAPACITAÇÃO DE DOCENTES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO"

Transcrição

1 A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO INSTRUMENTO DE CAPACITAÇÃO DE DOCENTES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO AUTOR INSTITUIÇÃO SONIA MARA THATER ROMERO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRACÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 1. A IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO No mundo turbulento e de mudanças rápidas em que estamos inseridos, as organizações necessitam do investimento no capital humano como uma das únicas formas de garantir a sobrevivência. As instituições só alcançam seus objetivos pela participação e atuação eficaz das pessoas, por isso, o Processo de avaliação de Desempenho é uma ferramenta que possibilita avaliar o alcance dos objetivos das organizações. O docente de graduação tem uma responsabilidade impar, ele forma integralmente o profissional que atuará no contexto organizacional do século XXI. Por esta razão, a capacitação e avaliação docente têm um relevante significado, na medida em que serve como instrumento eficaz para o aprimoramento do desempenho. Como parte de um processo contínuo e sistêmico, busca o aumento da qualidade do ensino superior, como meta maior. Os padrões de Desempenho Esperado demonstram o perfil desejado do desempenho docente na instituição, embasando tecnicamente a tomada de decisões e evitando erros de julgamentos empíricos e préconcebidos. Um padrão tecnicamente definido, torna a instituição consciente de suas deficiências e de seus pontos fortes, preparando-a para Planos de Ações globais e novos desafios que buscam a capacitação eficaz de seus recursos humanos. O processo assentado em Padrões de Desempenho Esperado, lida, praticamente, com a avaliação por objetivos, passível de resultados explícitos e mensuráveis, que propiciam a retroalimentação de todo o Sistema. A Avaliação de Desempenho Docente, tecnicamente elaborada, fornece uma série de subsídios para decisões posteriores, como por exemplo; a) Melhoria do Desempenho Na medida em que possuímos informações que possibilitem a retroalimentação do sistema, podemos intervir através de ações específicas. b) Necessidades de Treinamento e Desenvolvimento - O instrumental fornece informações que demonstram necessidades de treinamento em áreas específicas; a partir daí, pode ser elaborado um Plano de Ação para atendimento destas necessidades. c) Planos de carreira Conforme o Plano de Carreira da Instituição, obtemos subsídios que orientam decisões sobre a carreira do docente, evitando disciminações e parcialidades.

2 d) Recolocações - As transferências e/ou remanejamentos de pessoal necessitam de embasamentos técnicos que a Avaliação de Desempenho Docente fornece com eficácia. e) Feedback para o Recrutamento e Seleção Outro subsídio fornecido que pode ser aplicado no estágio probatório ou na vigência do contrato de experiência. f) Avaliação Institucional - No momento em que avaliamos os cargos, obtemos um perfil global do desempenho da instituição, norteando planejamentos estratégicos e projetos táticos específicos de aprimoramento. A eficácia do Processo de Avaliação do Desempenho Docente fundamentais; está embasada em três condições 1) A conscientização e a sensibilização de todo o corpo institucional sobre a importância e a credibilidade do projeto; 2) Os instrumentos tecnicamente elaborados, com fatores descritos claramente ; critério e padrões definidos. 3) Um plano estratégico para o treinamento dos avaliadores e dos avaliados. Nenhuma destas três condições apresentadas esta isolada, pelo contrario, elas são interdependentes e intercomplementares. De nada adiantara se tivermos instrumentos altamente sofisticados e um grupo de avaliadores pouco preparados, assim como o contrario também e verdadeiro. Estas três condições fundamentais esclarecem a visão de processo inerente a Avaliação de Desempenho Docente; a analise, aplicação dos resultados e a manutenção do processo fecham os circulo sistêmico. Entretanto, e importante salientar que qualquer programa de Avaliação Desempenho Docente devera ser elaborado individualmente, mesmo seguindo as condições citadas, deve existir a busca da unicidade e da individualidade, particulares a cada instituição. 2. AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE COMO INSTRUMENTO DE CAPACITAÇÃO. Todo processo de Avaliação de Desempenho exige uma visão clara sobre os resultados esperados. Esta visão devera ser o farol que indicara o caminho a ser seguido. Já vimos que a Avaliação de Desempenho e um processo amplo, e pode ser implantado em qualquer tipo de organização. A aplicação da Avaliação de Desempenho Docente (ADD) pode ser considerada como uma inovação das institucionais educacionais que buscam formas alternativas de capacitar seu corpo docente. Com as devidas adaptações, o processo busca formas alternativas de capacitar seu corpo docente. Com as devidas adaptações, o processo e extensível a todo o corpo funcional, o que demonstra a busca da eficácia institucional. Necessitamos de dois tipos de desempenho para analizarmos os resutados da ADD, são eles: o Desempenho Esperado (DE), ou seja, o que a instituição espera do docente; e o Desempenho Real (DR), ou seja, o desempenho apresentado pelo docente num período pré-determinado de tempo Uma vez delineado o DE, e conhecido, através da aplicação do Instrumento de Avaliação de Desempenho, DR, a analise entre eles nos mostrara ate que ponto o DR esta dentro do DE, estrapola o DE, ou não alcança o DE. Norteados pelo objetivo de capacitação docente, e subsidiados pelo Padrão de Desempenho Esperado (PDE), podemos concentrar nossa atenção para os casos em que o DR não alcançou o DE. A analise destes resultados gera um Plano de Ação de Capacitação Docente, com o objetivo de atender as carências detectadas através de programas de formação e qualificação.

3 Os resultados em que o DR esta dentro ou acima do DE, geram Planos de Ação voltados ao aperfeiçoamento e a atualização, garantindo a manutenção destes resultados. Esta analise também pode nos mostrar indicadores de docentes capacitados para assumir funções mais dasafiadoras. DESEMPENHO ESPERADO = DE XXX XXX DESEMPENHO REAL = DR XXX ACIMA DO DE XXX DENTRO DO DE AÇÕES ESTRATÉGICAS ATUALIZAÇÃO APERFEIÇOAMENTO XXX XX ABAIXO DO DE Quadro de resultados numa Avaliação de Desempenho Docente. QUALIFICAÇÃO FORMAÇÃO Os relatórios finais podem ser emitidos em termos específicos, parciais e gerais, fornecendo resultados que possibilitam ações a curto e médio prazo, e mais uma série de outras informações, advindas de cruzamentos, que servem como banco de dados para posteriores pesquisas e tomada de decisões. 3. MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Falar em ADD, sem citar métodos existentes, é muito difícil, porém procuraremos resumir em poucas linhas noções gerais sobre a amplitude do tema e sobre os métodos mais comumente aplicados nas organizações. A metodologia usada para a elaboração dos instrumentos de Avaliação de Desempenho possui uma variedade significativa. Mesmo não existindo um método ideal, ou melhor que outro, a metodologia selecionada deverá estar estritamente conectada aos objetivos da instituição e da ADD. A seleção deverá considerar as características peculiares da instituição, do público-alvo e dos avaliadores, não esquecendo também dos resultados esperados. Os métodos de Avaliação de Desempenho podem ser analisados através de dois enfoques básicos: a) Métodos voltados ao passado. Estes métodos tem a vantagem de avaliar o desempenho já ocorrido num período pré-determinado de tempo, (de 6 meses a 1 ano). O desempenho passado não pode ser mudado, mas podemos delinear planos para manter e estimular os pontos fortes, ao mesmo tempo em que desenvolvemos os pontos fracos. Exemplos destes métodos são a Escala Gráfica simples, Escala Gráfica com Pontos, Lista de Verificação, Lista de Verificação Ponderada, Escolha Forçada, entre outros. b) Métodos voltados ao futuro. Estes métodos enfocam o desempenho futuro. Procuram detectar indicadores de potencial do funcionário e/ou estabelecer metas a serem alcançadas, também é necessária estipular um período determinado de tempo para promover o feedback. Exemplos destes métodos são as Avaliações Psicológicas e os Centros de Avaliação. Sabemos que não existe um método melhor que outro, a escolha é situacional. A aplicação de métodos mistos é uma alternativa extremamente viável, que diminui as desvantagens de um método único, possibilitando uma menor subjetividade e uma melhor adaptação às características específicas de cada instituição. 4. ESTRATÉGIAS DE IMPLEMENTAÇÃO As características das instituições educacionais são diferentes das características das indústrias. O produto é o ensino, e a qualidade resulta de uma série de ações interligadas. Porém, todo docente possui, além do background, uma formação didático/pedagógica que é mobilizada toda vez que ele atua profis sionalmente. A eficácia do Processo de Ensino/Aprendizagem depende deste e de muitos outros fatores. O desenvolvimento

4 constante do docente é uma garantia para a instituição de uma melhoria qualitativa, e de um investimento em sua imagem externa, fundamental para seu sucesso. A ADD é uma das formas alternativas de investimento, trazendo consigo um efeito strike altamente positivo. Um processo deste porte necessita de todo um planejamento estratégico de implementação, formado, basicamente por seis etapas: 1ª ETAPA Necessidade, detectada pela cúpula, de implantar um Processo de ADD, incorporação da importância, definição estratégica de objetivos e integração do processo no contexto de Desenvolvimento de Recursos Humanos da Instituição. 2ª ETAPA Elaboração do Projeto Geral de Implementação. Programa de Sensibilização de todos envolvidos (avaliadores e avaliados), em que serão informados os objetos da avaliação, a metodologia utilizada e a aplicação dos resultados, concomitantemente, os critérios, o instrumental e o Manual de Avaliação, já deverão estar em andamento, a cargo de um profissional especializado, de forma integrada e participativa. Esta etapa também inclui a testagem do Manual de Avaliação e do instrumento, através de um Projeto Piloto, seguido dos devidos ajustes técnicos detectados. 3ª ETAPA - Treinamento de avaliadores e avaliados. A definição sobre quem deverá avaliar é totalmente situacional, porém um sistema participativo propicia maior fidedignidade aos resultados obtidos. É importante salientar que todas as pessoas envolvidas são responsáveis pela avaliação, porém é fundamental também definir o grupo de avaliadores, que poderá ser formado, por exemplo, pelos coordenadores das áreas. Os avaliadores e avaliados deverão receber um treinamento teórico/prático. Analisaremos mais detalhadamente este tema. Como se trata de atividade docente, a observação in loco é fundamental para subsidiar o preenchimento de maturidade do instrumental. As organizações que possuem alto nível de maturidade e que já incorporaram a Avaliação de Desempenho como parte de sua cultura, podem partir para processos mais sofisticados de avaliações conjuntas e auto-avaliações. 4ª ETAPA Entrevista de ADD. É o momento em que, avaliador e avaliado, devidamente preparados e subsidiados de informações, sentam juntos para aplicação do instrumento de ADD. É o momento da negociação, das trocas de informações e da busca do consenso. A fidedignidade do processo dependerá, em grande parte, do preparo antecipado dos envolvidos para a Entrevista de ADD. É o momento do diálogo franco e sincero, em que avaliador e avaliado participam ativamente, analisando o desempenho apresentado, reforçando os pontos fortes, propondo, em conjunto, alternativas para os pontos fracos e delineando ações futuras sobre o desenvolvimento do avaliado. 5ª ETAPA Tabulação dos dados e emissão de relatórios. É a síntese de todo o processo através da tabulação dos instrumentos e da geração de relatórios diversos, advindos de cruzamentos de dados, conforme as necessidades e objetivos da instituição. 6ª ETAPA É o momento de aplicar os resultados através de Planos de Capacitação Docente, com o objetivo de sanar deficiências detectadas e reforçar desempenhos que atendem ao esperado. O Padrão de Desempenho Esperado proporciona a continuidade, através de ações, que em conjunto com o acompanhamento e com o feedback constante, garantem a manutenção do processo. 5. TREINAMENTO DE AVALIADORES E AVALIADOS A proposta do treinamento de avaliadores e avaliados justifica-se pela singularidade do grupo e pelo alto nível de formação cultural. Via de regra, somente os avaliadores recebem treinamento formal, mesmo assim, abordamos este tema em separado, porque grande parte do sucesso de toda Avaliação de Desempenho, depende do preparo dos envolvidos.

5 Os conteúdos a serem desenvolvidos no programa de Treinamento de Avaliação de Desempenho, devem contemplar, além dos aspectos teórico/práticos, comportamentais, domínio do instrumental e orientações para a Entrevista de Avaliação, as informações sobre os objetivos maiores da instituição e os resultados esperados. A elaboração de um Manual de Avaliação, organiza e facilita o treinamento, servindo ainda como guia para consultas posteriores. A título de sugestão, relacionamos alguns temas que podem constar neste manual: UNIDADE I - INTRODUÇÃO 1. Visão geral da implementação da ADD; 1.1 Justificativa; 1.2 Objetivos gerais; 1.3 Objetivos específicos; 1.4 Objetivos do Treinamento; 2. Importância da Avaliação de Desempenho; 2.1 Critérios da ADD; 2.2 Papel do avaliador; 2.3 Papel do avaliado; UNIDADE II - REFERENCIAL TEÓRICO/PRÁTICO 1. Comportamento avaliativo; 1.1 Noções gerais; personalidade e desempenho; 1.2 Diferenças individuais e desempenho; 1.3 Motivação e percepção; 1.4 Avaliando desempenhos; 1.5 Técnica e registro da observação in loco ; 1.6 A Entrevista de ADD; Condições do avaliado; Condições do avaliador; Clima, negociação e consenso; 1.7 Os 7 Pecados Capitais da Avaliação de Desempenho; UNIDADE III - INSTRUMENTALIZAÇÃO 1. O instrumento de ADD; 1.1 Áreas avaliadas;

6 1.2 Fatores considerados; 1.3 Padrão de Desempenho Esperado; 1.4 Graduações, pesos e resultados; 1.5 Orientações sobre o preenchimento; Salientamos que sugerimos os temas básicos para subsidiar o preparo adequado de avaliadores e avaliados, norteados pelo objetivo maior de buscar o autodesenvolvimento e a competência profissional, através do Processo de Avaliação de Desempenho Docente. 6. OS 7 PECADOS CAPITAIS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Quando lidamos com pessoas, nos deparamos com todo um emaranhado de complexidades inerentes ao ser humano, tão completo e perfeito, e ao mesmo tempo, tão fraco e suscetível à influência do ambiente e de outros seres humanos. A título ilustrativo, abordamos este tema em especial, porque trata da subjetividade que qualquer pessoa traz consigo, mas que compromete o alcance dos objetivos e gera prejuízos graves à difícil tarefa de avaliar pessoas. As propensões dos avaliadores podem comprometer toda a fidedignidade do processo. O lado emocional não deve interferir quando a objetividade e a imparcialidade guiam as ações. As tendências subjetivas dos avaliados, descritas pela simbologia dos 7 Pecados Capitais, devem ser evitadas quando buscamos a eficácia de qualquer processo de Avaliação de Desempenho. PECADO PRIMEIRO: O PRECONCEITO A Avaliação de Desempenho não é um ajuste de contas, mas um momento de crescimento e de autodesenvolvimento, por isso, não deixe que seus preconceitos interfiram. As simpatias e antipatias envolvidas, criam parcialidades prejudiciais. Seja imparcial! PECADO SEGUNDO: A PRECIPITAÇÃO Não se deixe influenciar, nem envolver, pelas ações que aconteceram na última semana; considere toda uma série de habilidades, conhecimentos e atitudes que ocorreram no período que está sendo avaliado. Você tem mais probabilidades de se fixar nas ações recentes, tanto positivas, como negativas. Não aja precipitadamente, consulte suas observações. PECADO TERCEIRO: EM CIMA DO MURO Este avaliador considera todo mundo como médio. Ninguém apresenta desempenho superior ou inferior, todos são mais ou menos regulares. Os motivos da Tendência Central são vários; pode ser que o próprio avaliador, que certamente está em cima do muro, não conheça, suficientemente seus avaliados, e tenha medo de super ou subvalorizá-los, ou ainda, não queira comprometer-se com os avaliados, com o processo e com a própria organização. Conheça seus subordinados, não fique em cima do muro, assuma seu papel de avaliador. PECADO QUARTO: BOM E RUIM O Efeito das Extremidades resulta em duas tendências nos avaliadores. O Bonzinho que superavalia o desempenho do grupo, considera todos excelentes; e o Durão, que subestima o desempenho do grupo, em outro extremo, considera todos como um bando de incompetentes. Não deixe que características tendenciosas de liderança interfiram no processo. PECADO QUINTO: EFEITO DE HALO

7 Consiste em estender um conceito emitido num fator aos demais fatores que não apresentam relação significativa. Não se deixe levar pelo resultado de um fator, avalie os diferentes aspectos do desempenho, separadamente. PECADO SEXTO: A ROTINA Consiste em repassar sempre o mesmo conceito, rigidamente. O avaliador não reconhece mudanças que ocorreram no desempenho do avaliado, tanto positivas, como negativas, e repete o mesmo conceito em todas as avaliações, entra ano, sai ano. Seja flexível, observe e registre suas conclusões. PECADO SÉTIMO: O HUMOR É o bom e o mau humor interferindo na avaliação. O excesso de euforia e o mau humor profundo, no dia da Entrevista de Avaliação, comprometem todo o processo. Procure acautelar-se para que as instabilidades do seu humor não permeiem o processo de avaliação. As tendências apresentadas chamam a atenção para a importância do tema. O complexo processo de Avaliação de Desempenho, nos leva a uma profunda reflexão sobre a relevância das posturas requeridas, tanto pelo avaliador, como pelos avaliados. A tecnologia aplicada no instrumental é facilmente controlada e ajustada às características do cargo que está sendo avaliado; porém o preparo das pessoas, envolve mudanças de comportamento e aquisições de atitudes que adentram nas complexidades intrínsicas ao ser humano. A manutenção do Programa envolve constante feedback, que consta com reavaliações do processo e do instrumental, e com o contínuo treinamento e desenvolvimento dos envolvidos. Um programa de ADD terá sucesso, na medida em que, tanto a tecnologia do instrumental, como a conscientização, participação e comprometimento dos envolvidos, atingirem níveis de igual desenvolvimento e eficácia. 7. INSTRUMENTO/SUGESTÃO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE A elaboração do Instrumento de ADD deverá ser coordenada por especialista da área, de forma participativa. As condições culturais da clientela permitem que avaliado e avaliador participem do processo. Analisando as etapas fundamentais para a elaboração do Instrumento de ADD, centro de um processo participativo, apresentamos as seguintes sugestões orientadoras: a) Questionário 1. Distribuído entre avaliadores e avaliados, com o objetivo de analisar os cargos, levantando os fatores de desempenho e o Padrão de Desempenho Esperado. b) Levantamento e tratamento dos dados pelo especialista. Consiste em transformar os dados apresentados no Questionário 1, em uma linguagem técnica, clara e unificadora. c) Questionário 2. Distribuído entre avaliadores e avaliados. Objetiva detectar o grau de importância de cada fator previamente determinado. d) Levantamento e tratamento dos dados pelo especialista, para verificação dos pesos finais, res ultantes da média da variação dos pesos atribuídos pelos participantes. Elaboração do Instrumento de ADD, apto a ser testado em um Projeto Piloto, para realizar, logo após, os ajustes técnicos dos desvios detectados. e) Instrumento pronto para ser aplicado em toda a instituição. O Instrumento/sugestão que apresentamos, possui características específicas que consideram os aspectos impares, referentes ao Cargo de Docente de Curso de Graduação.As bases resultaram de experiências,

8 vivencias e observações práticas das atividades docentes, e procuram contemplar alguns dos principais fatores do desempenho docente. O método misto, utilizado na elaboração do instrumento, busca maior flexibilidade na ampliação e na tabulação dos dados, complementada pela definição do Padrão de Desempenho Esperado (PDE) e norteado pelo objetivo de capacitação docente, O instrumento é composto de: a) Dados de identificação e orientações para o preenchimento b) Registro técnico do desempenho; c) Padrão de desempenho esperado (PDE); d) Ações sugeridas pelo avaliador e pelo avaliado e conclusões gerais. Procurando englobar as diversas atuações exigidas pelo papel do docente de graduação, o Instrumento de ADD e composto por fatores ponderantes e distribuídos em três grandes áreas abrangência: 1) AREA COGNITIVA envolve fatores relativos aos pré-requisitos e requisitos teórico/práticos pertinentes a atividade docente; 2) AREA COMPORTAMENTAL - Considera os fatores relativos a elementos atitudinais e comportamentais envolvidos na iteração docente/discente. 3) AREA ANDRAGOGICA - Envolve fatores aplicativos na docência de adultos e habilidades didático/pedagógicas essenciais à eficácia do Processo de Ensino/Aprendizagem. O registro completa-se com o PDE, definindo através de objetivos. Esta tática clarifica a graduação dos fatores,facilitando e possibilitando maior fidedignidade do instrumento. O PDE deve espelhar o perfil do docente para a instituição. A adequação deste padrão e de relevância fundamental para o alcance dos objetivos.

9 INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOCENTE Dados de Identificação: Instituição : Data / / Avaliado: _ Cargo: _ Disciplina: _ Avaliador: _ Cargo: _ Registro técnico: FATORES E ÁREAS ÁREA COGNITIVA: 1. DOMÍNIO DO CONTEÚDO. Considere o conhecimento e o domínio, em profundidade, do conteúdo referente a(s) disciplina(s) que o docente ministra. 2. CONHECIMENTO DIDÁTICO/PEDAGÓGICO. Considere o conhecimento referente ao Planejamento de Ensino/Aprendizagem. 3. CAPACIDADE DE ATUALIZAÇÃO E AUTO-DESENVOLVIMENTO. Considere a busca constante da atualização e a capacidade de reconhecer e superar deficiências através do autodesenvolvimento. 4. CAPACIDADE PARA ATINGIR OBJETIVOS. Considere o alcance dos objetivos previstos em função dos resultados apresentados. AREA COMPORTAMENTAL: 1. POSTURA, ÉTICA E IMPARCIALIDADE. Considere a postura, ética profissional e a imparcialidade demonstradas, no relacionamento, tanto a nível horizontal, vertical e diagonal, compatíveis com os valores e políticas da instituição. 2. EQUILIBRIO EMOCIONAL. Considere o domínio e o equilíbrio emocional demonstrado, tanto em situações cotidianas, como em situações de pressão. 3. COOPERAÇÃO E TRABALHO EM EQUIPE. Considere a capacidade de cooperar e trabalhar em Grupo de modo produtivo. 4. CRIATIVIDADE E MOTIVAÇÃO. Considere a proposição de inovações e aprimoramentos na atividade docente bem como a apresentação de estímulos e incentivos que possibilitem manter alto o nível motivacional do grupo discente. AREA ANDRAGOGICA 1. HABILIDADE DIDATICO/PEDAGOGICA. Considere a aplicação das ações previstas no planejamento de modo eficiente e eficaz. 2. HABILIDADE NA DINAMICA DE GRUPO. Considere o domínio de atividades em grupo, desenvolvendo a sociabilidade e o espírito crítico de forma produtiva. 3. HABILIDADE DE COMUNICAÇÃO E RELACIONAMENTO. Considere a demonstração do processo de comunicação como forma de interação pessoal na relação docente/discente, e em todos os níveis da instituição. 4. HABILIDADE DE AVALIAÇÃO. Considere a habilidade de lidar com instrumentos e aplicar a avaliacão como parte do processo de Ensino/Aprendizagem. GRADUAÇÃ O PESO A titulo de especialização, definimos o PDE de um dos fatores, juntamente com a complementação da graduação correspondente. PADRAO DE DESEMPENHO EESPERADO

10 AREA ANDRAGOGICA: FATOR 1. HABILIDADE DIDATICO1PEDAGOGICA.. OBJETIVO: - Desenvolver Planos de Aula e Curso, de forma eficaz, dentro do cronograma previsto. - Ministrar aulas, utilizando métodos, técnicas e recursos, adequados à clientela, buscando aprimorar a qualidade do ensino. O complemento dos fatores avaliados pode constar apenas no Manual de Avaliação, e ser consultado a titulo de orientação adicional para facilitar o preenchimento do instrumento. AREA ANDRAGÓGICA. FATOR 1: HABILIDADE DIDÁTICO/PEDOGÓGICA GRADUAÇÃO 1 GRADUAÇÃO 2 G5RADUAÇÃO 3 GRADUAÇÃO 4 Insuficiente. Os Planos Regular. Seus Planos Bom. Desenvolve Planos Muito Bom. Possui e deixam muito a desejar. necessitam de mais eficientes e bem aplica de forma excelente As aulas são fracas e o tecnologia educacional. elaborados. As aulas são a tecnologia educacional. grupo está desmotivado. Poderia aplicar mais dinâmicas e o grupo O grupo está altamente recursos nas suas aulas. apresenta-se motivado. motivado, e os resultados Atende ao que se espera. extrapolam o esperado. Complemento dos fatores. Com este exemplo, fica clara a facilidade que o PDE e a complementação dos fatores propiciam à ADD. Os pesos são extremament e importantes, pois diminuem as tendências dos avaliadores e ressalvam a importância que os fatores avaliados apresentam. Aqui, colocamos a titulo de exemplificação. O conhecimento ou não dos pesos, pelos avaliadores deve ser discutido, de forma aberta e participativa, com todos os envolvidos. A ultima etapa do instrumento compõe-se de ações sugeridas entre avaliado e avaliador, para melhoria do desempenho. Normalmente são feitas perguntas abertas de sondagem sobre assuntos como; pontos fracos que conhece; alternativas para sanar estes pontos fracos ; novas responsabilidades que acredita ter condições de assumir, planos futuros dentro da instituição, e outras tantas, conforme as necessidades e objetivos da Avaliação do Desempenho. Alem de fornecer informações importantes, esta ultima parte do instrumento serve como controle adicional da avaliação, pois o avaliador e avaliado, muitas vezes necessitam rever alguns posicionamentos, tomados no momento do preenchimento do registro propriamente dito. Estes cuidados todos, resultantes da participação dos envolvidos e da tecnologia do especialista responsável garantem a eficácia do processo, em que o grupo de docentes e a instituição se encontram Salientamos porem, que o instrumento devera adaptar-se as características da instituição, refletindo as filosofias políticas de Recursos Humanos adotados. Os resultados podem ser transformados em gráficos e curvas para melhor visualização, como por exemplo;.

11 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 20% Resultados da ADD 58% 22% ABAIXO DE DENTRO DE ACIMA DE O gráfico demonstra a percentagens dos desempenhos gerais apresentados, analisando os desempenhos que estão abaixo, acima e dentro do esperado, fornecido pelos resultados da soma dos pontos da ADD. 8. CONCLUSAO Não pretendemos, com esta pequena apresentação, abordar todos os aspectos deste rico tema de Avaliação de Desempenho, nosso objetivo foi desenvolver uma forma alternativa para a Avaliação de Desempenho Docente, buscando níveis mais altos de capacitação e, como conseqüência, a melhoria da qualidade do ensino nos cursos de graduação. BIBLIOGRAFIA DE APOIO BERGAMINI, Cecília w. e BERALDO, Deobel R., Avaliação de Desempenho Humano na Empresa, São Paulo, Ed. Atlas, LUCENA, Maria Diva de S., Avaliação de Desempenho. São Paulo, Ed. McGraw Hill, WERTHER Jr., W B e DAVIS Keith, Administracao de Pessoal e Recursos Humanos. São Paulo, Ed. Mc Graw Hill, 1983.

ESTUDO DE CASO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS

ESTUDO DE CASO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS RINGA MANAGEMENT ESTUDO DE CASO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS ESTUDO DE CASO: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COMO FERRAMENTA ESTRATÉGICA DE RECURSOS HUMANOS RESUMO Aline

Leia mais

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL

PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II Departamento de Orientação Profissional - EEUSP PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROFISSIONAL VERA LUCIA MIRA GONÇALVES AVALIAÇÃO JUÍZO DE VALOR Avaliação de desempenho

Leia mais

Avaliação de Desempenho

Avaliação de Desempenho Avaliação de Desempenho Avaliar Oportuniza rever, aperfeiçoar, refazer, buscar resultados e eficácia. Beneficia funcionários e organização. Aplicações Motivação Comprometimento Performance Comunicação

Leia mais

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO

REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO Apêndice Regulamento do Projeto Empresarial REGULAMENTO PROJETO EMPRESARIAL CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO O Projeto Empresarial constitui um momento de aquisição, construção e aprimoramento

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS

PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS PLANO DE CARGOS & SALÁRIOS UNIMED ANÁPOLIS 1 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 02 1 OBJETIVO DO MANUAL... 03 2 CONCEITOS UTILIZADOS... 04 3 POLÍTICA DE CARGOS E SALÁRIOS... 06 4 POLÍTICA DE CARREIRA... 07 5 AVALIAÇÃO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Programa de Avaliação de Desempenho da UTFPR. Programa de Avaliação de Desempenho dos Servidores da UTFPR

Programa de Avaliação de Desempenho da UTFPR. Programa de Avaliação de Desempenho dos Servidores da UTFPR Programa de Avaliação de Desempenho dos Servidores da UTFPR Universidade Tecnológica Federal do Paraná 100 anos Histórico 1966 - ETFPR professores e técnicost cnicos- administrativos avaliados. 1994 -

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA CENTRO DE INVESTIGAÇÃO E PREVENÇÃO DE ACIDENTES AERONÁUTICOS Manual de Aplicação Questionário de Levantamento Organizacional e de Fatores Humanos Brasília, novembro

Leia mais

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos

Equipe: Administradores de Sucesso. Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos Equipe: Administradores de Sucesso Componentes: Ricardo Miranda, Dalma Noronha, Fabio Macambira, Nivea Santos CONCEITOS PERFIS DE CARGOS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TIPOS DE AVALIAÇÃO FEEDBACK CASES SUMÁRIO

Leia mais

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas

Avaliação como instrumento de gestão de pessoas Glaucia Falcone Fonseca No contexto cada vez mais competitivo das organizações, a busca por resultados e qualidade é cada vez maior e a avaliação de pessoas assume o importante papel de instrumento de

Leia mais

Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas

Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas Motivos Causadores de Falhas de Comunicação dentro das Empresas Franci Daniele Prochnow (CEFET-PR) francidaniele@yahoo.com Dr. Magda Lauri Gomes Leite (CEFET-PR) magda@pg.cefetpr.br Dr. Luiz Alberto Pilatti

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas

Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Consultoria em Treinamento & Desenvolvimento de Pessoas Evolução PMC têm atuação diferenciada na gestão de pessoas e clima organizacional, gerando na equipe mais agilidade para a mudança e maior capacidade

Leia mais

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências

Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas Diversidade e Competências Gestão de Pessoas ESTRATEGICA 1985 a hoje Aumentar o envolvimento dos colaboradores e integrar sistemas de suporte ADMINISTRATIVA 1965 a 1985 Foco: indivíduos

Leia mais

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações

Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Considerações Éticas sobre o Processo de Avaliação de Desempenho nas Organizações Mirella Paiva 1 e Flora Tucci 2 Em uma sociedade marcada pela globalização, pelo dinamismo e pela competitividade, atingir

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE

PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIREÇÃO ACADÊMICA CPA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE EGRESSOS - PAE SÃO LUIS MA 2009 DIRETORIA ACADÊMICA Diretor

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312

NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL - NOR 312 MANUAL DE GESTÃO DE PESSOAS COD. 300 ASSUNTO: AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO FUNCIONAL COD: NOR 312 APROVAÇÃO: Resolução DIREX Nº 009/2012 de 30/01/2012 NORMA DE AVALIAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO 1/17 ÍNDICE

Leia mais

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS

O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS O PROCESSO DE SELEÇÃO NO CONTEXTO DO MODELO DE COMPETÊNCIAS E GESTÃO DOS TALENTOS Autor: Maria Rita Gramigna Como identificar potenciais e competências em um processo seletivo? Como agir com assertividade

Leia mais

Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015

Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015 Coaching de Equipe: Mitos e Realidade - Pré Congresso Rosa Krausz novembro / 2015 Rosa Krausz Coaching de Equipe: Mitos e Realidade EQUIPE Uma EQUIPE é um número limitado de pessoas, com habilidades complementares,

Leia mais

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo

RRelevância do curso. OObjetivo do curso. FFundamentação Teórica: ATENDIMENTO E POSTURA NO AMBIENTE DE TRABALHO. Público-alvo Vigilantes, vigias, porteiros ou interessados em ingressar nessas funções. A empresa que presta serviços de vigilância tem a grande preocupação de manter a segurança de seu cliente, mas também de não receber

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia

PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL: um relato de experiência de dois estagiários de psicologia MESQUITA NETO, Rui 1 DIAS, Vanessa Aparecida 2 NUNES, Ruth Vieira 3 RESUMO A organização depende das pessoas para atingir

Leia mais

Módulo IV. Delegação e Liderança

Módulo IV. Delegação e Liderança Módulo IV Delegação e Liderança "As pessoas perguntam qual é a diferença entre um líder e um chefe. O líder trabalha a descoberto, o chefe trabalha encapotado. O líder lidera, o chefe guia. Franklin Roosevelt

Leia mais

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com.

Introdução. Francini Sayonara Versiani Soares. Silva, Pós-graduanda em Alfabetização, Letramento e Linguagem Matemática francini.sayonara@ig.com. A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: DESAFIOS EMERGENTES NA PRÁTICA E POSSIBILIDADES CONSTRUÍDAS NA PÓS-GRADUAÇÃO EM ALFABETIZAÇÃO, LETRAMENTO E LINGUAGEM MATEMÁTICA Francini Sayonara Versiani Soares.

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento

Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Modelos, Métodos e Técnicas de Planejamento Profa. Marta Valentim Marília 2014 Modelos,

Leia mais

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES

O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES O PEDAGOGO NAS ORGANIZAÇÕES KOWALCZUK, Lidiane Mendes Ferreira - PUCPR lidianemendesf@gmail.com VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski - PUCPR alboni@alboni.com Eixo Temático: Formação de Professores

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS:

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO COM FOCO EM COMPETÊNCIAS: Implantação do sistema de Avaliação de Desempenho com Foco em Competências no Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região Belém PA 2013 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags

Estratégia Empresarial. Prof. Felipe Kovags Estratégia Empresarial Prof. Felipe Kovags Conteúdo programático Planejamento: definição, origem, espírito, princípios e tipos empresariais Planejamento estratégico por negócio Formulação de estratégia:

Leia mais

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS

ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS MBA DESENVOLVIMENTO AVANÇADO DE EXECUTIVOS ÊNFASE EM GESTÃO DE PESSOAS O MBA Desenvolvimento Avançado de Executivos possui como característica atender a um mercado altamente dinâmico e competitivo para

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE)

SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) STE/02 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL EDUCAÇÃO E GESTÃO DA TECNOLOGIA (STE) AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E POTENCIAL EM 360º NYDIA GUIMARÃES E ROCHA ABB RESUMO

Leia mais

PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICA EFICAZ DE GESTÃO EDUCACIONAL Satisfação do Cliente aluno em sala de aula. O diálogo como prática para a melhoria dos resultados Histórico da prática eficaz Uma das diretrizes institucionais do

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA

A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA Bernardo Leite AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO HÁ TEMPOS... Objetivos principais: Aumento de salário Demissão CONCLUSÃO: A APLICAÇÃO FOI DRASTICAMENTE REDUZIDA A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO É um processo natural e

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE ENSINO E PESQUISA DIRETORIA DE ESPECIALIZAÇÃO E EXTENSÃO (C Aprf Esp do Realengo/1945) NORMAS PARTICULARES PARA GESTÃO ESCOLAR NO ÂMBITO DA DIRETORIA

Leia mais

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe

Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Desenvolvimento de Liderança Motivação e Trabalho em Equipe Eduardo Rocha Diretor da DSG Consultoria Capacitar seus colaboradores, do gerente aos coordenadores é o melhor caminho para melhorar a eficácia

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares

Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Universidade de Brasília Faculdade de Ciência da Informação Profa. Lillian Alvares Existem três níveis distintos de planejamento: Planejamento Estratégico Planejamento Tático Planejamento Operacional Alcance

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE

PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE PROGRAMA DE APOIO E APERFEIÇOAMENTO PEDAGÓGICO AO DOCENTE DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE - MT 2011 Apresentação Articulado com o novo Plano de Desenvolvimento Institucional (2011-2015)

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE

REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE REGULAMENTO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE - PADI DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÂ DO NORTE 2013 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO AO DISCENTE PADI DA FACULDADE DE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃDO

Leia mais

POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE

POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE POLÍTICA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL TÉCNICO-ADMINISTRATIVO DA FUNDESTE OBJETIVOS E DIRETRIZES Art. 1º - Esta política aplica-se a todos os técnicos administrativos da Fundeste. Art. 2 º O objetivo

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO

PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO PROGRAMAÇÃO FOCO FORMAÇÃO CONTINUADA PARA DOCENTES COORD. PROFA. MS. MÁRCIA LIMA BORTOLETTO LOCAL DOS ENCONTROS Campinas: POLICAMP Rua: Luiz Otávio, 1281 Parque Santa Cândida Campinas SP Fone: (19) 3756-2300

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG)

PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) PROJETO DE PESQUISA MODALIDADE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (BOLSA PIC/FACIT/FAPEMIG) MONTES CLAROS FEVEREIRO/2014 1 COORDENAÇÃO DE PESQUISA PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM EM CURSOS

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br

MATERIAL DE APOIO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO COLABORADOR www.simplessolucoes.com.br Folha 1 de 6 O que é uma avaliação de desempenho? Avaliação de desempenho é um processo contínuo de análise da atuação do colaborador frente às tarefas, responsabilidades e comportamentos da função, contribuindo

Leia mais

Potencial PSI. Sistema RH. www.potencialpsi.com.br

Potencial PSI. Sistema RH. www.potencialpsi.com.br Sistema RH Sistema de RH RETENÇÃO ACOMPANHAMENTO CAPTAÇÃO DESLIGAMENTO Entrada do profissional no sistema DESENVOLVIMENTO Saída do profissional no sistema Recrutamento e Seleção Banco de talentos Projeto

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores

liderança conceito Sumário Liderança para potenciais e novos gestores Sumário Liderança para potenciais e novos gestores conceito Conceito de Liderança Competências do Líder Estilos de Liderança Habilidades Básicas Equipe de alta performance Habilidade com Pessoas Autoestima

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho

IBMEC Jr. Consultoria. A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho IBMEC Jr. Consultoria A melhor maneira de ingressar no mercado de trabalho O mercado de trabalho que nos espera não é o mesmo dos nossos pais... ... ele mudou! As mudanças Certeza Incerteza Real Virtual

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da

Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação Departamento de Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Planejamento e Gestão

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso O Curso Superior de Tecnologia em Secretariado visa formar profissionais com competência técnica, comunicação interpessoal, postura ética, visão holística, espírito

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

LEI Nº 3480/2014, DE 06 DE MAIO DE 2014.

LEI Nº 3480/2014, DE 06 DE MAIO DE 2014. LEI Nº 3480/2014, DE 06 DE MAIO DE 2014. ALTERA DISPOSITIVOS CONSTANTES NA LEI Nº 3224/2011, QUE ESTABELECE O PLANO DE CARREIRA E REMUNERAÇÃO DO MAGISTÉRIO PÚBLICO MUNICIPAL, INSTITUI O RESPECTIVO QUADRO

Leia mais

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES

MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES 1 MUDANÇA CULTURAL NAS ORGANIZAÇÕES Wainy Indaiá Exaltação Jesuíno 1 Marco Antônio 2 Resumo O objetivo deste trabalho é demonstrar a importância da análise do clima organizacional para mudança da cultura

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Técnico em Logística Integrado ao Ensino Médio. Professor: Isabel Santos

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015. Ensino Técnico. Habilitação Profissional: Técnico em Logística Integrado ao Ensino Médio. Professor: Isabel Santos PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2015 Código: 0262 Ensino Técnico ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Gestão de Pessoas Eixo Tecnológico: Gestão e negócios Módulo: 1º Série C.

Leia mais

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di?

GESTÃO DE DESEMPENHO. Prof. WAGNER RABELLO JR. Conceito de desempenho. Níveis de desempenho. O di? GESTÃO DE DESEMPENHO Prof. WAGNER RABELLO JR Conceito de desempenho Níveis de desempenho O di? O que medir? Resultados Desempenho Competências Fatores críticos de desempenho 1 Segundo Chiavenato, existem

Leia mais

Vivendo de acordo com nossos valores...

Vivendo de acordo com nossos valores... Vivendo de acordo com nossos valores... o jeito Kinross Nossa empresa, Kinross, é uma empresa internacional de mineração de ouro sediada no Canadá, com operações nos Estados Unidos da América, Rússia,

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

Clima Organizacional. Como mensurar e melhorar

Clima Organizacional. Como mensurar e melhorar Clima Organizacional Como mensurar e melhorar Índice Clique para navegar pelo material Capítulo 1 O que é o Clima Organizacional Capítulo 2 Clima Organizacional x Cultura Organizacional Capítulo 3 O impacto

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado

Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado Terceiro Setor Contribuições à Criação e Organização de um Núcleo de Voluntariado Para que possamos atuar com voluntários, em projetos sociais, em instituições públicas ou privadas é fundamental que se

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno

MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno MBA em Gestão de Pessoas e Comportamento Organizacional -Matutino e Noturno Apresentação CAMPUS STIEP Inscrições Abertas Turma 12 (Noturno) -->Últimas Vagas até o dia 27/05/2013 CAMPUS IGUATEMI Turma 13

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.

Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS. Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com. Ano: 2012 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Realiza Consultoria Empresarial Ltda. www.consultoriarealiza.com.br www.flaviopimentel.com.br MATRIZ DE COMPETÊNCIAS COMPORTAMENTAIS Alinhadas às Diretrizes

Leia mais

Letras - Língua Portuguesa

Letras - Língua Portuguesa UNIVERSIDADE DA INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL DA LUSOFONIA AFRO-BRASILEIRA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE ENSINO COORDENAÇÃO DE CURSO Letras - Língua Portuguesa 1. Perfil do Egresso: Em consonância

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

Modelo de Questionário de Desligamento

Modelo de Questionário de Desligamento RECRUTAMENTO E SELEÇÃO Planejamento Recrutamento Seleção Integração 1ª Etapa Surgimento de uma vaga - Dispensas do empregador (demissões); - Pedidos de demissão (saídas voluntárias demissionários); - Mortes;

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO?

RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL. QUAIS AS VANTAGENS DESTE PROCESSO PARA UMA ORGANIZAÇÃO? Resumo: O texto cita algumas evoluções no processo de recrutamento e seleção realizado pelas empresas. Avalia a importância dos recursos humanos, no contexto organizacional. Palavras-Chave: 1. Incentivo

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas

Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Pesquisa de Clima tornou-se uma ação estratégica de Gestão de Pessoas Boas propostas são essenciais para que uma gestão tenha êxito, mas para que isso ocorra é fundamental que os dirigentes organizacionais

Leia mais

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06

José Orlando Lima de Morais. Atividade de Portfólio caderno 06 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SECRETÁRIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DO PARÁ. PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO José Orlando Lima de Morais Atividade de Portfólio

Leia mais

3.1. Sensibilização CPA para novos coordenadores de ensino contratados

3.1. Sensibilização CPA para novos coordenadores de ensino contratados PLANO DE TRABALHO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO CPA GESTÃO 2012 1 SUMÁRIO 1. MEMBROS COMPONENTES DA CPA GESTÃO 2012... 03 2. INTRODUÇÃO... 03 3. PLANO DE TRABALHO GESTÃO 2012... 03 3.1. Sensibilização

Leia mais

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina

Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina. Cora Coralina Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Instituto Serzedello Corrêa - ISC É uma unidade de apoio estratégico ligada à Presidência do TCU. Criado pela Lei Orgânica do

Leia mais

Os estágios como ferramenta e exigências da formação do farmacêutico generalista

Os estágios como ferramenta e exigências da formação do farmacêutico generalista Os estágios como ferramenta e exigências da formação do farmacêutico generalista Prof.ª Danyelle Cristine Marini Coordenadora da Comissão Assessora de Educação Farmacêutica do CRF-SP Estágio Supervisionado

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, UM FATOR ESTRATÉGICO PARA QUALQUER ORGANIZAÇÃO

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, UM FATOR ESTRATÉGICO PARA QUALQUER ORGANIZAÇÃO UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL, UM FATOR ESTRATÉGICO PARA QUALQUER ORGANIZAÇÃO Curitiba 2012 CLEBERTON LUIS GOMES DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO

Leia mais

Pós-graduação lato sensu.

Pós-graduação lato sensu. MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Pós-graduação lato sensu 1 MBA Desenvolvimento e Gestão de Pessoas Curso de Especialização Pós-Graduação lato sensu PROGRAMA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GUARUJÁ 2013 REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Artigo 1º - O Estágio

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2004 Ano Base 2001_2002_2003 SOCIOLOGIA CAPES Período de Avaliação: 2001-2002-2003 Área de Avaliação: SOCIOLOGIA

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO MANUAL DO AVALIADOR Avaliar é fazer análise e ter a oportunidade de rever, aperfeiçoar, fazer de forma diferente, sempre em busca de eficácia e resultados. Gartner & Sánchez As

Leia mais

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report Avaliação de: Sr. Mario Exemplo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Liderança The Inner Leader Report

Leia mais

Educação Continuada em Enfermagem

Educação Continuada em Enfermagem Administração em Enfermagem II Departamento de Orientação Profissional Educação Continuada em Enfermagem VERA LUCIA MIRA GONÇALVES SUJEITO Organização Objetivos Expectativas Indivíduo Modernização das

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais