Qualidade da água. Operação e manutenção. Relase. Software simula incorporação da biomassa nos reservatórios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade da água. Operação e manutenção. Relase. Software simula incorporação da biomassa nos reservatórios"

Transcrição

1 Assessoria de Suporte a Pesquisa e Desenvolvimento De FURNAS 3ª Edição ANO 2 junho/2010 Qualidade da água Operação e manutenção Metodologia reduz custo na compra de contatos elétricos Software simula incorporação da biomassa nos reservatórios Relase Rede de Laboratórios do Sistema Eletrobras busca sinergias Portal P&D+I: acesso rápido a informações e projetos de inovação via intranet

2 sumário Foto da capa: Reinaldo Hingel 2 Editorial 4 Nome próprio APOENA: novo nome da Revista de P&D+I Equipamento instalado em um dos laboratórios do GESAR, cujo trabalho deu origem ao FERSim, software que faz simulação de reservatórios em 3D 5 Intranet Portal P&D+I: informação sob medida 6 Simulador Solução reproduz 9 Conservação sistema equivalente em tamanho reduzido de Energia Troca em larga escala de lâmpadas incandescentes pelas fluorescentes compactas Assessoria de Suporte a Pesquisa e Desenvolvimento 3ª Edição Ano 2 junho/2010 Carlos Nadalutti Filho Diretor-Presidente Mário Márcio Rogar Diretor de Engenharia Márcio Antônio Arantes Porto Diretor de Construção Cesar Ribeiro Zani Diretor de Operação do Sistema e Comercialização de Energia Luís Fernando Paroli Santos Diretor de Gestão Corporativa Luiz Henrique Hamann Diretor Financeiro

3 12 Política de P&D+I Eletrobras mapeia rede de laboratórios das subsidiárias em busca de sinergias 27 Concreto Estudo avalia resistência com simulações em laboratório 15 Concreto Projeto comprova vantagens do uso do Método Rampado com Rolo (CCR) 30 Transmissão Metodologia contra corrosão em fundações tipo grelha 18 Reservatórios Tecnologia 3D simula 24 Operação na tela do computador incorporação de biomassa nos reservatórios e Manutenção Economina da ordem de 60% na compra de contatos elétricos 33 Concreto Reparos a profundidades de até 180 metros 36 Agenda realização Assessoria de Suporte a Pesquisa e Desenvolvimento (APD.E) Gerência Renato Santos Norbert Costa Coordenadora Liane de Jesus Costa apoio Coordenação de Comunicação Social (CO.P) CONTEÚDO Editor Responsável Luiz Fajardo - MTB Reportagem Júlio Santos Revisão e Copydesk Luiz Fajardo Júlio Santos Projeto gráfico doispontos:soluções Diagramação Múltiplos Comunicação Assessoria de produção gráfica Divisão de Manutenção Gráfica e Comunicações (DMGC.G/Furnas) Endereço R. Real Grandeza, 219, sala C - Botafogo Rio de Janeiro - RJ CEP: Telefone: Internet: Tiragem exemplares

4 EDITORIAL Um olhar para o futuro 2 APOENA Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

5 Inovação, palavra que está tão na moda que até publicidade de restaurante está falando nela! Será que todos nós em FURNAS sabemos o que ela significa? Inovar é ter uma ideia nova, criar um método ou objeto essencialmente diferente do que havia antes. Dizem os especialistas em gestão que as empresas que querem sobreviver precisam constante men te buscar o novo. Para se ter uma noção da importância que esta questão ganhou nos úl ti mos tempos, basta observar mos que os debates entre os candidatos a presidente para o próxi mo mandato com a classe em presarial têm a inovação como um dos temas principais. Como o resultado dos bons projetos de P&D é sempre uma inovação, entendemos que nos sa revis ta deveria ter inovação no nome. Seria não mais a Revista de P&D de FURNAS, mas a Re vista de P&D+I de FURNAS. Foi então, que nossa Empresa ganhou uma nova mar ca, a da Ele tro bras Furnas e pensamos que já era a hora de dar à revista um nome pró prio, independente de mudanças organizacionais. O título APOENA, que, em tupi-guarani, quer dizer aquele que en xerga longe, tem tudo a ver com inovação. A história da esco lha des se nome é contada nes ta edição. Por força da Política de P&D+I do Sistema Eletrobras, as atividades de gestão da proprie da de intelectual foram transferidas da Assessoria de Administração de Contratos, Nor ma li zação e Arquivo Técnico para a Assessoria de Suporte a Pesquisa e Desenvolvimen to. Es tamos nos estru turando para atuar de forma significativa em mais essa frente. Luis Cláudio da Silva Frade, chefe do Departamento de Gestão Tecnológica da Ele tro bras, fala sobre a criação e o funcionamento da Relase, a Rede de Laboratórios do Sis te ma Eletrobras. Outra matéria da edição informa sobre o lançamento do Portal de P&D+I, trabalhado pelo Depar tamento de Desenvolvimento de Sistemas em parceria com a Assessoria de Su por te a Pesqui sa e Desenvolvimento. Contando com a funcionalidade do software Microsoft Share point, o portal se transforma em um repositório de informações continuamente a tu ali za do, per mi tin do que os colaboradores encontrem nele tudo o que precisarem para de sen volver seus trabalhos. Como não poderia deixar de ser, apresentamos, também, nesta edição, a descrição de no ve projetos de P&D em andamento ou concluídos. São pesquisas das áreas de ma nutenção, su per visão de operação, meio ambiente, tecnologias e estruturas de concreto; todos eles tra zendo im portantes resultados para nossa Empresa. Desejamos a todos uma leitura inspiradora que os motive a pensar de modo diferente, pa ra en contrarmos novos caminhos para inovar. Sem inovação não há sustentabilidade eco nômica, ambiental nem social. Inovar sem pre e para sempre. Boa leitura, Renato Santos Norbert Costa Gerente da Assessoria de Suporte a Pesquisa e Desenvolvimento (APD.E) Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação APOENA 3

6 Nome próprio APOENA: para quem enxerga longe Alexandre Pinhel Soares: muita pesquisa na Internet e inspiração na tradição tupi-guarani para indicar nome escolhido para batizar a Revista de P&D+I Aquele que enxerga longe. A definição se encaixa sob medida para a área de inovação, como indica a cultura tupi-guarani com a pa la vra APOENA, que a partir desta terceira edição ficará estampada na capa da revista de Pes quisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D+I) da Ele trobras Furnas. A escolha ocor reu por meio da cam - panha da qual participa ram 25 pes soas. Quem mergulhou no nosso pas sado in dígena para olhar para o futuro e vencer a disputa foi o engenheiro Alexandre Pinhel Soa res, da Superintendência de En ge nha ria de Manutenção, Departamento de Equi pa men tos Eletroeletrônicos (EMO.O/ DQE.O/DQET.O). Pesquisei um nome nacionalista por achar que assim teria chance de ganhar. Quando me deparei com este nome indígena não ti ve dú vidas, conta Alexandre Pinhel, que fez um tra balho de pesquisa em dicionários indíge nas existentes na Internet para apontar o no me. Busquei várias referências, fazendo cru za men tos em diversos sites e dicionários, lembra. Os 25 participantes da campanha interna, realizada de 14 de abril a 15 de maio, indica ram um total de 127 nomes. Com isso, nossos co- Reinaldo Hingel laboradores não perderam tempo para tes tar a criatividade. A Assessoria de Suporte à Pesquisa e Desenvolvimento realizou a votação para escolha no dia 18 de maio. Junto ao novo nome, a re vis ta carregará um slogan baseado no di cio ná rio tu piguarani, indicando que, assim como todo o processo de inovação, ela é uma publi cação para quem enxerga longe. E que tam bém apon tará caminhos que a Empresa vem percorrendo na área de pesquisa e desenvolvimento. Agradecemos a todos que participaram desta campanha: Alarico de Oliveira Souto Netto (DGM.E); Alexandre Pinhel Soares (DQE.O); Altamir Antonio Vieira (DRG.O); Andre Luiz De Maria (ALE.P); Anne Neiry de Mendonça Lopes (DCT.C); Cassius Ricardo Nascimento Ferreira (DGB.C); Cesar Augusto da Silva (DSG.G); Claudio Guttler (AIC.P); Claudio Rocha Bueno (DG); Ewerton Felix de Azevedo (DEF.F); Flavio Barros Nepomuceno (DRN.O); Florys Fabia Almeida Pereira Tosta (DAM.G); Gilberto Henrique de Morais (DRM.O); Henrique Honorato Netto (DAQ.G); Jose Jorge da Silva Machado (DDS.G); Lindoval Vieira Bóia (DAM.G); Luis Antonio Ferreira do Amaral (DCT.C); Luiz Paulo Pinheiro Giffoni (DGM.E); Luiz Roberto Soares Honório (DRT.O); Mariana Borges de Magalhães (DEA.E); Nelson Luis Villa (DRT.O); Paulo Waldomiro Fernandes Lobão (DDS.G); Pedro de Souza Moreira (DAM.G); Sergio Ricardo Ramos da Silveira (AAT.E); e Wladimir Rodrigues Ramos (DG). 4 APOENA Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

7 Intranet Informação por um clique Da esquerda para a direita, Nei Martins Araújo Lima, Luana Ramos, Pedro Costa e Alexandre Azevedo, da área de Desenvolvimento de Sistemas: sintonia fina para criar Portal P&D+I na Intranet A partir de agora, o acesso às informações da área de pesquisa e desenvolvimento da Ele tro bras Furnas está mais rápido. Com a cri a ção do Portal P&D+I, que está na intranet da Empresa, os profissionais terão à disposição uma solução prática para trocar experi ên cias e geren ciar o conhecimento sobre os pro jetos e procedi mentos coordenados pela As sessoria de Supor te à Pesquisa e Desenvol vi mento. Ele é o quarto portal da Eletrobras Furnas a entrar no ar utili zando o soft wa re Sharepoint, e o primeiro basea do no pro grama já usando a nova marca Eletrobras Furnas. O Portal P&D+I reúne um conteúdo sob me di da para a área. O site tem informações so bre todos os ciclos de P&D, de 2000 até 2009; comitê de P&D; políticas de normatização; ar quivos em PDF, World, Excel e em texto; mi nutas de contratos; procedimentos para gestão de projetos pelo SAP; regras de relacio namento com as em- Reinaldo Hingel presas contratadas; links para legislação; manuais; propriedade intelec tual; e um canal para responder às perguntas mais frequentes sobre o tema, além do próprio conteúdo da revista. Além disso, as prospecções internas das demandas de P&D passarão a ser feitas pelo por tal. Pla neja-se, futuramente, a integração do Portal com a Internet para possibilitar que se jam feitas prospecções externas de projetos de P&D e a sua integração com o SAP, para que as informações existentes no ERP também sejam acessadas por ele. A base do Portal P&D+I é uma ferramenta da Microsoft chamada Sharepoint, que permite o trabalho colaborativo e a troca de informações entre os usuários. Uma das facilidades é a possibilidade de fazer buscas indexadas em todo o conteúdo, exemplifica o analista de sis tema Nei Martins Araújo Lima, do Depar ta mento de Desenvolvimento de Sistemas. Ou seja, com o recurso também fica mais fá cil ge renciar e localizar a massa de in for ma ção disponibilizada. Outra vantagem do Sharepoint, conta ele, é a agilidade para administrar e publicar novos conteúdos, o que permite categorizá-los de acordo com as necessidades da assessoria. A própria equipe da área de pesquisa e desen vol vimento vai atualizar as informações, ga n han do assim autonomia para gerenciar o con teú do do Portal, ressalta Nei Lima, que de senvolveu o serviço junto com outros três pro fissionais do Departamento de Desenvol vi mento de Sistemas, Alexandre Azevedo, Lua na Ramos e Pedro Costa. O Portal P&D+I poderá ser acessado, via link na FurnasNet, por todo fun cionário da Eletrobras Furnas que for co nec ta do à intranet. No entanto, a ferramen ta tem re cursos para estabelecer grupos que te rão aces sos específicos a determinadas áreas. Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação APOENA 5

8 Simulação PROGRAMA PARA CÁLCULO E EXECUÇÃO DE EQUIVALENTES DINÂMICOS Nilo José Pereira de Macedo (RJ) Departamento de Estudos e Planejamento Elétrico da Operação (DEE.O) Reinaldo Hingel Em tamanho reduzido 6 APOENA Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

9 PROGRAMA PARA CÁLCULO E EXECUÇÃO DE EQUIVALENTES DINÂMICOS O velho método de tentativa e erro, baseado apenas no feeling de experientes engenheiros e que consumia muito tempo, virou artigo do passado na hora de calcular um equivalente dinâmico. Mais eficiente e bem menos trabalhosa, a solução veio com o desenvolvimento de uma me todologia e de ferramentas para serem aplica das no Simulador de Sistemas Elétricos da Ele tro bras Furnas. Eis o resultado do projeto de P&D elaborado pelo Departamento de Estudos e Planejamento Elétrico da Operação, que per mitiu re pre sentar um sistema equivalente re du zido, ca paz de reproduzir de forma adequada o compor ta mento dinâmico de todo o Sistema Interligado. Calcular um equivalente dinâmico sem a ajuda de uma ferramenta computacional adequada po de ser uma tarefa extremamente laboriosa e de suces so duvidoso, sobretudo quando é neces sá rio re duzir drasticamente a dimensão do siste ma original para representar no simulador apenas al gumas linhas de transmissão e poucas unidades gera doras, explica o engenheiro eletricista Nilo Jo sé Pereira de Macedo, gerente do projeto de P&D. O simulador é empregado para testes de equi pamentos de controle em situações que tentam reproduzir suas condições reais de funcionamento em uma escala de tempo real. De acordo com ele, sua função, grosso modo, pode ser comparada aos simuladores utilizados pelas companhias aéreas para testar os controles das aeronaves e treinar pilotos. Só que, no nosso caso, ele é aplicado ao sistema elétrico de potência, observa. Segundo ele, essa metodologia pode auxiliar a pre paração da representação da rede elétrica no simulador e testar equipamentos como elos de corrente contínua, reguladores de tensão e de velocidade de geradores, compensa do res estáticos de reativo, capacitores série con tro la dos a tiristores e proteção de linhas de transmissão. Nilo Macedo conta que o ponto de partida para se obter um equivalente dinâmico é ter uma base de dados e programas que representem o Sis tema Elétrico Interligado com o maior número possível de usinas, linhas de transmissão e equi pamentos de controle, por exemplo. Reinaldo Hingel No processo foram utilizados como ferramentas principais os seguintes programas: Anarede e Anatem, voltados para o cálculo do fluxo de po tência e análise da estabilidade eletromecânica; Edinco, destinado ao cálculo de equi valentes di nâmicos; Newwedinconv e Equivanat, que au xi liam na preparação da base de dados. O gerente do projeto explica que o cálculo de equi valentes dinâmicos tem três etapas bá sicas: a identificação dos geradores coerentes, a redução estática da rede externa e a agregação dinâmica de modelos. Além da melhoria da precisão dos testes no Simulador de Sistemas Elétricos, a utilização de equivalentes dinâmicos permite uma redução no tempo de CPU em outras ferramentas de aná li ses, explica Nilo Macedo. Entre eles estão programas digitais que avaliam o comportamento dinâmico ou transitório do Sistema Interligado. A pesquisa para o desenvolvimento do Programa para Cálculo e Execução de Equivalentes Dinâmicos integrou dois ciclos de P&D, 2000/2001 e 2001/2002. No primeiro, com início em junho de 2002 e conclusão em janeiro de 2003, o inves timento realizado chegou a R$ 158,8 mil. De ju lho de 2003 a março de 2004, aconteceu a segunda etapa do projeto, com investimento total de R$ 133,7 mil. Nilo José Pereira de Macedo: sem ferramenta computacional adequada, calcular um equivalene dinâmica torna-se tarefa extremamente laboriosa e de sucesso duvidoso

10 Reinaldo Hingel Nilo de Macedo, em primeiro plano. Ao fundo, Fernando Mendonça da Fonseca (sentado) e Marcos Antonio Albuquerque, da equipe do projeto P i n g u e - P o n g u e Segurança operacional Além de reduzir tempo e custos, o emprego da metodologia no simulador aumenta a segurança operativa e melhora o desempenho do sistema, segundo explica o engenheiro eletricista Nilo José Pereira de Macedo. APOENA Quais os resultados possíveis com a adoção desta metodologia? NJPM Devido às dificuldades em se elaborar bons equivalentes dinâmicos do sistema, muitas análises são realizadas utilizando equivalentes estáticos, baseados em níveis de curto circuito, que só conseguem reproduzir o comportamento do sistema elétrico para tempos de observação dos fenômenos inferiores a um segundo. A utilização de equivalentes dinâmicos permite melhorar a qualidade da representação do sistema equivalente nos testes de equipamentos de proteção e controle. APOENA Na prática, o que a solução significa para a operação do sistema? NJPM Nas simulações de manobras ou de defeitos na rede elétrica, tais como curto circuito com abertura de linhas de transmissão, as oscilações de tensão e de potência na rede elétrica são bem reproduzidas durante uma escala de tempo maior, até valores da ordem de 10 segundos. Essas simulações mais precisas possibilitam o reajuste de controles dos equipamentos para aumentar a segurança operativa e melhorar o desempenho dinâmico do sistema. APOENA Como esta simulação amplia a capacidade dos elementos? NJPM Em algumas situações de curto circuito com abertura de linhas de transmissão, podem aparecer oscilações crescentes ou não amortecidas de tensão e potência que limitam a transferência da potência entre regiões do Sistema Elétrico Interligado. O reajuste de controles de alguns equipamentos testados no simulador pode melhorar o comportamento dinâmico do sistema durante emergências, reduzindo ou eliminando as oscilações e aumentando a capacidade de geração de usinas ou da transmissão entre as áreas do sistema. Colaborando com o gerente, mais dois profis sionais do Departamento de Estudos e Planejamento Elétrico da Operação participaram da exe cu ção dos trabalhos. Além da equipe da casa, o projeto con tou com a atuação do professor da PUC-Rio, Eduardo José S. Pires de Souza, pes qui sador que desde a década de 80 trabalha no de senvol vimen to do programa computacional Edin co. Ele é con si de rado o maior especialista bra sileiro nes ta matéria. Um dos resultados do desenvolvimento da me todo logia foi a dissertação de mestrado Agregação Dinâmica de Modelos de Estabilizadores com Du pla Entrada para o Cálculo de Equivalentes Dinâ micos, defendida pelo engenheiro Marcos An to nio Albuquerque para o Programa de Pós- gra dua ção do Departamento de Engenharia Elétri ca da PUC-Rio, em outubro de 2002; e a mo nogra fia Determinação de Equivalentes Dinâ micos pa ra Estudos de Estabilidade, submetida pelo en genheiro Fernando Mendonça da Fonseca ao Ins tituto de Sistemas Elétricos e Energia da Unifei (MG). A metodologia desenvolvida também foi divul gada via publicação de diversos trabalhos em se minários ou congressos nacionais e interna cio nais, além de ganhar espaço em revistas especializadas brasileiras e do exterior, por meio da PUC-Rio. Segundo Nilo Macedo, alguns desses trabalhos tiveram a participação de funcionários da Eletro bras Furnas. 8 APOENA Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

11 Conservação de Energia Reinaldo Hingel AVALIAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA DA POLUIÇÃO CAUSADA NO SISTEMA ELÉTRICO COM O EMPREGO DE EQUIPAMENTOS EFICIENTES CONSIDERANDO OS GANHOS COM A CONSERVAÇÃO DE ENERGIA Alexandre de Sousa R. dos Reis (RJ) Assessoria de Estudos e Programas de Conservação de Energia (ACE.E) Uso em larga escala Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação APOENA 9

12 C O M P O R T A M E N T O D E C O N C R E T O S D E B A R R A G E M Q U A N D O SUJEITOS À PATOLOGIA REAÇÃO ÁLCALI-AGREGADO Pesquisa gerenciada por Alexandre de Sousa Reis mostra viabilidade da substituição em larga escala das lâmpadas incandescentes pelas fluorescentes, sem impactar sistema elétrico Seja nas indústrias, no comércio, nas residências, escolas ou prédios públicos, o país tem ainda um grande terreno para reduzir o consumo final de energia. Uma pesquisa realizada pela Eletrobras Furnas comprovou a viabilidade da substituição em larga escala das lâmpadas incandescentes por flu o- rescentes compactas. Além dos ganhos em conservação de energia, o estudo mostrou que a troca em massa não causa impactos significativos na qualidade da energia. O grande desafio do estudo era identificar se, mesmo com a incidência de harmônicos, que provocam perturbações no sistema elétrico, era viável a substituição. Essa foi a grande motivação para o projeto, conta o engenheiro eletricista Alexandre de Sousa R. dos Reis, que durante 18 meses, de abril de 2005 a outubro de 2006, gerenciou o projeto de P&D intitulado Avaliação técnica e econômica da poluição causada no sistema elétrico com o emprego de equipamentos eficientes considerando os ganhos com a conservação de energia. Com investimento total de R$ 385,9 mil, este projeto do ciclo 2001/2002, além dos trabalhos Reinaldo Hingel em laboratório, usou como teste de campo 30 casas de um condomínio da cidade mineira de Itajubá, devido à proximidade com a Universidade Federal de Itajubá (Unifei), parceira tecnológica da Assessoria de Estudos e Programas de Conservação de Energia. Além dos impactos para a rede elétrica e dos ganhos no consumo de energia, o estudo também avaliou os efeitos ambientais do descarte das lâmpadas fluorescentes, que possuem mercúrio em seu processo de fabricação. Para ter a constatação prática dos impactos provocados pelo uso das lâmpadas fluorescentes, o estudo percorreu algumas etapas. A primeira de las envolveu os hábitos de consumo energético de cada uma das 30 casas. Segundo Alexandre Reis, nesta fase aconteceram medições pontuais do uso de energia nas casas, medições no trans formador do condomínio e depois uma medição na subestação da concessionária de energia local. Após esta pesquisa de hábitos de consumo, os moradores receberam lâmpadas fluorescentes com pactas com baixo fator de potência, sen do feitas depois novas medições. Num tercei ro momento foi distribuído um outro conjun to de lâmpadas fluorescentes compactas, es tas com alto fator de potência. Com as novas medições e o armazenamento dos dados, o projeto desenvolveu um soft ware baseado na lógica Fuzzy - metodologia pela qual a partir de variáveis subjetivas chega-se a uma conclusão objetiva. Por meio desta fer ramenta, conta o gerente do projeto, foi pos sível quantificar os ganhos energéticos, re la cionando aspectos técnicos, econômicos e ambientais. Na pesquisa, que envolveu uma equipe de 10 profissionais, o software também serviu para medir a relação custo-benefício do investi men to no uso das lâmpadas fluorescentes com pactas. O programa analisou variáveis co mo cus to da lâmpada, potência, tempo de utilização, consumo de energia reativa e geração de harmônicos. E a constatação final: economicamente a mudança é vantajosa, pois em relação às incan descentes as fluorescentes compactas permi tem uma 10 APOENA Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

13 Reinaldo Hingel P i n g u e - P o n g u e Uso potencial O resultado da pesquisa traz subsídios técnicos e econômicos para a substituição em maior escala das lâmpadas incandescentes pelas fluorescentes compactas. Para Alexandre Reis, coordenador da pesquisa, existe no Brasil um grande potencial para o uso desta solução. APOENA Quais foram os principais objetivos do projeto? AR O principal objetivo foi fazer a análise técnica e econômica da poluição causada na rede elétrica pelas cargas não lineares, como as lâmpadas fluorescentes compactas. Um outro objetivo foi desenvolver trabalhos de campo e de laboratório para verificar os efeitos destas cargas e comparar os ganhos decorrentes da redução no consumo de energia com a perda da qualidade de energia elétrica. Com o desenvolvimento deste trabalho, a concessionária adquiriu novos conhecimentos relacionados com a eficiência energética, qualidade da energia e o meio ambiente. APOENA Com que variáveis a pesquisa trabalhou, após armazenar uma grande massa de dados? AR O estudo forneceu uma série de variáveis para serem analisadas. Por exemplo, era preciso saber se a troca em massa das lâmpadas incandescentes por fluorescentes compactas de baixo fator de potência que tem grande incidência de harmônicos, com energia de origem térmica era viável. Neste caso, vimos que não. Já com o uso de lâmpadas fluorescentes com alto fa tor de potência e energia fornecida por fonte hidráulica o resultado se mostrou viável. APOENA Como analisar o potencial do país para fazer esta substituição? AR Existe sim no Brasil um grande potencial para a substituição das lâmpadas incandescentes pelas fluorescentes compactas, sobretudo, em prédios públicos, escolas e universidades. No caso da indústria e do comércio, onde já podemos ver estas lâmpadas em larga escala, já há um avanço maior na tecnologia de uso final, buscando maiores reduções no consumo de energia elétrica. Equipamento usado para medir consumo de energia nas residências de um condomínio em Itajubá (MG) que serviu de piloto redução de 75% no consumo ener gético, sem perder o fluxo luminoso. Ou seja, uma lâm pada fluorescente de 25 W produz a mesma lu minosidade que uma incandescente de 100 W. Seu tempo de vida útil também pode ser até 10 vezes maior. Outra preocupação verifi cada para o processo de troca em massa das lâmpadas é a necessidade de mitigar os impactos ambientais provocados pelo descarte do produto. Ao final deste projeto, concluímos que o uso de lâmpadas fluorescentes compactas contri bui para a redução no consumo de energia e que existe viabilidade econômica para a rea li zação da troca, diz o coordenador do pro je to, que resultou ainda na produção de arti gos téc nicos para divulgação em eventos co mo o XVIII SNPTEE (Se minário Nacional de Produção e Trans mis são de Energia), em 2005; IV Cite nel (Congresso de Inovação Tecnológica em Ener gia Elétrica), em 2007, e 4º Congres so Brasileiro de Eficiência Ener gética e Cogeração de Energia, também em Informações da pes quisa também foram utilizadas na elabora ção de uma tese de mestrado na Unifei. Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação APOENA 11

14 Política de P&D+I REDE DE LABORATÓRIOS DO SISTEMA ELETROBRAS (RELASE) Luis Cláudio Silva Frade (RJ) Departamento de Gestão Tecnológica (DTT) Acervo do CEPEL Censo dos laboratórios 12 APOENA Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

15 Rede de Laboratórios do Sistema Eletrobras (Relase) Com um levantamento preliminar para identificar serviços, atividades e estrutura das unidades, a Rede de Laboratórios do Sistema Eletrobras (Relase) começa a ganhar corpo. A Eletrobras planeja concluir até o mês de agosto deste ano o diagnóstico inicial da malha laboratorial existente em suas subsidiárias. O trabalho, até agora, já identificou a existência de 54 laboratórios localizados em várias cidades do país, mapeando 31 tipos de serviços de ensaios e calibrações. A Relase buscou conhecer os serviços e atividades prestados pelos laboratórios, procurando siner gias operacionais, funcionais e a troca de conhe cimentos e experiências entre eles. O projeto es tá alinhado com o Plano de Transformação da Eletrobras, dentro da política de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D+I). O investimento das empresas neste item está estimado na ordem de R$ 400 milhões para projetos de P&D, chegan do a R$ 600 milhões, se incluídas as atividades de ensaios, calibrações e serviços técnicos de enge nharia, por exemplo. O plano de transformação dentro da Política de P&D+I já incluía a criação da rede e de um programa estruturante para a venda de serviços. Daí veio a constatação de que os laboratórios são bas tante atuantes neste segmento. Um dos obje tivos é evitar que os laboratórios façam serviços repetidos. O outro é impedir que as empresas contratem serviços de terceiros, tendo condições de fazer em casa, explica Luis Cláudio Silva Frade, que sugeriu a criação da rede e é o chefe do Departamento de Gestão Tecnológica da Eletrobras, estimando que existam cerca de 100 laboratórios em todas as subsidiárias. A rede não incluirá informações dos laboratórios montados em universidades, como os do Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Eletrobras Procel). Segundo ele, a massa de informações levantadas pelo trabalho de diagnóstico ficará hospedada no portal da área de tecnologia que está em fa se de construção, com acesso diferenciado para quem é do Sistema Eletrobras. Por meio dele, Reinaldo Hingel além de conhecer a estrutura de cada laboratório e o contato dos responsáveis, o usuário identificará os serviços realizados, se a unidade tem acreditação do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) ou se tem certificado ISO. Em primeiro lugar, este é um trabalho de mapear e identificar o que os laboratórios fazem, quais são os serviços e para quem eles são prestados, ressalta Luis Frade. Nesta primeira etapa, por exemplo, foram identificados 31 tipos de serviços, que vão de ensaios de alta tensão em equipamentos e calibrações a ensaios em equipamen tos de segurança e calibração de medidores de energia, passando por ensaios de eficiência energética. O coordenador da Relase é o engenheiro Ronaldo Lourenço, do Departamento de Projetos Corpo rativos da Eletrobras. A montagem da rede busca evitar redundâncias na prestação dos serviços, evitando que as mesmas atividades sejam feitas por vários laboratórios. Ainda existe muito desconhecimento sobre os serviços prestados pelos próprios laboratórios do sistema, além da realização dos mesmos serviços em vários deles, comenta Luis Frade. A falta de conhecimento leva à contratação de serviços de terceiros. Um exemplo foi o caso do consórcio vencedor do leilão da Hidrelétrica Jirau, que contratou o ser- Luis Cláudio Frade: levantamento já mapeou 54 laboratórios em várias cidades do país, identificando 31 tipos de serviços de ensaios e calibrações

16 Acervo do CEPEL Acervo do CEPEL Equipamentos para testes e ensaios elétricos de alta potência no Cepel P i n g u e - P o n g u e Gestão compartilhada Luis Cláudio Silva Frade, chefe do Departamento de Gestão Tecnológica da Eletrobras, fala sobre o que motivou a criação da Relase e também como será a sua forma de gestão. APOENA Quando e como surgiu a ideia de criar a Relase? LCF A proposta de criação nasceu, em 2008, numa reunião do Comitê de Integração Corporativa de P&D+I do Sistema Eletrobras (Cicop), criado há sete anos por sugestão da Eletrobras Chesf em função das demandas da Lei Em 2009, saiu o termo de referência para a formação da Relase, que teve sua criação formal neste mesmo ano, por meio de uma resolução da diretoria. O Departamento de Projetos Corporativos, que tem como chefe o engenheiro Ronaldo Lourenço, ficou responsável por coordenar a rede. APOENA Como funciona o sistema de gestão da rede? LCF Hoje nós temos um documento formal que cria a rede e organiza sua gestão. Para a estruturação da rede, cada empresa indicou representantes, sendo hoje cerca de 30 pessoas. A partir daí, definiu-se a criação do Comitê de Gestão e Acompanhamento para fazer o plano de trabalho da Relase. A rede vai operar por meio de grupos de trabalho ou forças-tarefas, como os já criados para Ensaios de Projeto de Segurança Individual e Coletiva e para Transformadores de Distribuição. A ideia é criar quantas forças-tarefas forem necessárias. APOENA Este levantamento preliminar envolveu o quê? LCF Basicamente, pegamos os representantes de cada empresa no Cicop, que normalmente é o gerente da área de P&D, superintendente, chefe de departamento ou assistente do diretor, e pedimos que identificassem os laboratórios de cada uma delas. Fizemos também reuniões com a participação dos representantes dos laboratórios e aí aprovamos a estrutura da Relase na Diretoria Executiva da Eletrobras. viço de modelo reduzido da usina no mercado. A Eletrobras Furnas desenvolveu o know how pa ra implantar esta solução com o modelo redu zido de Santo Antônio, na unidade instalada em Belford Roxo, no Rio de Janeiro. No consórcio para construção de Jirau, estão Eletrobras Chesf e Eletrobras Eletrosul, cada uma delas com 20% de participação. Imagine o que isso significa de prejuízo para o sistema?, pergunta Luis Frade, acrescentando que a etapa atual envolve um levantamento mais refinado, com entrevistas in loco com os responsáveis pelos laboratórios. Luis Frade explica que o objetivo é refinar o inventário para saber exatamente o que cada um faz e como faz, os tipos de contratos, convênios e transferências existen tes etc. O objetivo é uniformizar os processos e ter uma tabela única de preços, observa Frade, explicando que o trabalho está alinhado à polí tica de venda de serviços do Sistema Eletrobras. Além de otimizar processos, reduzir custos na realização dos serviços, a estruturação da Rela se tem outra meta: investir na modernização dos laboratórios e na capacitação de mão de obra necessária. Sem abrir mão dos recursos das empre sas, Luis Frade conta que serão alocados recursos do Fundo de Desenvolvimento Tecnológico da Eletrobras para investir na reestrutração da malha. 14 APOENA Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

17 Concreto Jean Carlos Alexandre COMPORTAMENTO DO CONCRETO COMPACTADO COM ROLO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE COMPACTAÇÃO Newton Goulart Graça (GO) Departamento de Apoio e Controle Técnico (DCT.C) Laboratório de Concreto da Eletrobras Furnas Compactação na medida certa Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação APOENA 15

18 C O M P O R T A M E N T O D O C O N C R E T O C O M P A C T A D O C O M ROLO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE COMPACTAÇÃO Equipe trabalha a aplicação do concreto compactado com rolo, solução utilizada na construção de estruturas como barragens Acervo DCT.C Apesar da evolução do emprego do concreto compactado com rolo (CCR) no país nos últimos 20 anos, uma questão preocupa quem depende desta tecnologia. Trata-se do grau de compactação com que o con creto é executado. O baixo nível de com pac tação carrega sintomas de patologias, como a maior porosidade no concreto, capazes de afetar a estrutura das barragens. Em busca de com pro var cientificamente o método rampado, inven ta do pelos chineses, o Laboratório de Concreto da Eletrobras Furnas, em Aparecida de Goiânia (GO), desenvolveu o pro jeto Comportamento do concreto compacta do com rolo sob diferentes condições de compactação. Além das respostas científicas sobre o método rampado, a pesquisa também teve como obje- tivo responder a uma série de questionamentos. A lista inclui o comportamento das juntas de construção e da camada de CCR sob diferentes condições de exposição, a altura máxima da camada, a influência da compactação nas propriedades do CCR e as metodologias de ensaios inovadoras, conforme destaca o engenheiro civil Newton Goulart Graça, gerente adjunto do Departamento de Apoio e Controle Técnico. Segundo Newton Goulart, uma das patologias identificadas acontece com o aumento da per- P i n g u e - P o n g u e Alta resistência O engenheiro civil Newton Goulart Graça, nesta entrevista, mostra os resultados conseguidos com a aplicação do método rampado, e cita como exemplo o que foi feito na construção da barragem da Usina Hidrelétrica Lajeado. APOENA Que avaliação o senhor faz da evolução do CCR no país? Ela se dá, sobretudo, em que sentido? NGG O CCR evoluiu com a aplicação do método rampado e com a utilização de dosagens no ramo úmido. Temos executado CCR com baixos consumos com propriedades excepcionais. Na construção da barragem de CCR da Usina Hidrelétrica Lajeado, obtivemos resistência à compressão média de 12,6 MPa aos 180 dias e permeabilidade de m/s para CCR com 70 kg/m³ de consumo. APOENA Pela pesquisa, como é possível fazer a relação entre patologias e a menor compactação? NGG Com a menor compactação a porosidade do CCR é aumentada assim como suas características de resistência são sensivelmente reduzidas, podendo resultar, no primeiro caso, na não obtenção dos requerimentos especificados em projeto e, no segundo caso, na deterioração pela facilidade de penetração de agentes agressivos, o que leva à perda de durabilidade da estrutura. APOENA Existe algum caso na Eletrobras Furnas que sirva de exemplo? NGG Felizmente não. As barragens de CCR construídas pela Eletrobras Furnas, principalmente depois do método rampado introduzido na Usina Hidrelétrica Lajeado, têm tido comportamentos no mínimo de acordo com o especificado. Acervo DCT.C 16 APOENA Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

19 Jean Carlos Alexandre meabilidade, o que provoca a lixiviação do concreto. O engenheiro acrescenta que, em termos de resistência, pode haver até o colapso da estrutura. Percolações de água pelo maciço da barragem levam ao não funcionamento correto das estruturas, explica. O resultado: o custo ele vado e permanente na execução de reparos. O uso de tecnologias ou metodologias inadequadas resulta em projetos mais conservadores, com custos muito mais elevados, comenta o gerente do projeto. De acordo com o estudo, o baixo grau de compactação verificado se deve à dosagem, às deficiências no equipamento de compac tação e também à forma de controle desta compactação. O estudo aponta como uma das maiores dificuldades em barragens executadas com concreto compactado com rolo o tempo em que as juntas de construção entre as camadas podem ficar expostas sem que seja preciso aplicar qualquer ti po de tratamento. Neste caso, como solução pre ventiva às possíveis percolações é aplicada ar gamassa de ligação entre as camadas. Isto por que, acrescenta o estudo, o intervalo de tempo de lançamento entre as duas camadas consecutivas era normalmente da ordem de, no mínimo, 12 horas. O resultado natural era a secagem superficial da camada inferior, provocando a necessidade de tratamento. Para fazer os ensaios de laboratório, a equipe uti lizou uma pista experimental de CCR a fim de simular a condição real, em verdadeira grandeza, de execução de uma barragem de CCR no campo. O gerente do projeto conta que todo o trabalho de experimentação foi feito em três ou quatro camadas, nas quais foram representados todos os elementos necessários para os estudos. Na pista, os pesquisadores procuraram correlacionar as propriedades do CCR com compactações de concreto a 94%, 96% e 98% para uma dosagem de CCR com agregados do tipo litológico granito e consumo de cimento de 70 kg/m³. O es tudo buscou verificar o comportamento das seguintes propriedades: resistência à água; resistência à tração na compressão diametral; resis tência à tração simples no dispositivo Leroy; coe são e ângulo de atritos obtidos em ensaio de cisalhamento direto; determinação da porosidade; e resistência à compressão axial simples. Uma das respostas da pesquisa mostra que o grau de compactação tem importante influência nas propriedades do CCR e, consequentemente, nas estruturas construídas com este material. Por exemplo, o grau de compactação de 94% resulta em CCR poroso, permeável e de baixa resistência. Já o grau de compactação de 96%, de acordo com o estudo, pode ser entendido como um li mite inferior estatístico para o controle da compactação de barragens de CCR. O estudo acrescenta que isso acontece porque as propriedades para este grau de compactação mostraram-se in fe ri o- res, mas dentro de limites mínimos aceitáveis. É importante então, empregar-se métodos confiá veis de controle do grau de compactação em barragens, como o uso do densímetro nuclear, e métodos como membrana plástica ou frasco de areia devem ser vistos com a devida reserva, re comenda o estudo. O projeto, desenvolvido de 2002 a 2004, integrou o ciclo de P&D 2001/2002, recebendo investimentos de R$ 150,6 mil. Na elaboração dos estudos, participaram 11 profissionais, dos quais três doutores, um mestrando, um aluno de especialização, três engenheiros e três técnicos. A pesquisa também envolveu parcerias com a Uni versidade Federal de Goiás (UFG) e a Universidade de São Paulo (USP). Newton Goulart Graça mostra a pista experimental de CCR, que simula a condição real para execução deste tipo de concreto Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação APOENA 17

20 Reservatórios SISTEMA DE SIMULAÇÃO DA INCORPORAÇÃO DE BIOMASSA DURANTE O ENCHIMENTO DE COMPARTIMENTOS DE RESERVATÓRIOS Reinaldo Hingel Cássio Botelho Pereira Soares (RJ) Departamento de Engenharia Ambiental (DEA.E) Divisão de Meio Ambiente Natural (DNAT.E) Qualidade da água em jogo 18 APOENA Revista de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA

w w w. v o c e s a. c o m. b r SEFAZ BAHIA sumário executivo w w w. v o c e s a. c o m. b r w w w. e x a m e. c o m. b r melhores empresas para você trabalhar São Pau lo, setembro de 2010. Pre za do(a) Sr(a)., SEFAZ BAHIA Em pri mei ro lu gar,

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

Vamos Subir Nova Voz

Vamos Subir Nova Voz c c Vamos Subir Nova Voz 2 Letra e Música: Lucas Pimentel Arr: Henoch Thomas 2 5 2 to Eu-pos tem - po te-nho ou vi - do a pro- 2 g g 8 mes - sa de que vi - rás pra res -ga -tar os fi-lhos Teus Nem sem-pre

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES O caminho percorrido pelas subestações de energia elétrica até alcançar as modernas instalações de hoje. 1 Cem anos não são nada se comparados com o tempo em que o homem vem vagando

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO. Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá Campus de Guaratinguetá Trabalho de Conclusão de Curso Análise comparativa entre os aquecedores solares industrial

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR

DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR DESENVOLVIMENTO DE CALIBRADOR PARA OSCILÓGRAFOS DE DISJUNTOR Flávio Augusto Mereu Pioto Técnico Pleno de Desenvolvimento Divisão de Gestão de Manutenção Centro de Manutenções Especiais CTEEP Brasil fpioto@cteep.com.br

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Automação dos testes e do gerenciamento da manutenção de relés, medidores e transdutores

Automação dos testes e do gerenciamento da manutenção de relés, medidores e transdutores Automação dos testes e do gerenciamento da manutenção de relés, medidores e transdutores 1 P. S. Pereira; G. E. Lourenço; M. A. Choqueta; S. G. Campos; L. H. P. Junior Resumo Este artigo apresenta o resultado

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil RENATO OLIVEIRA GUIMARÃES Empresa Energética do Mato Grosso do Sul S.A. ANTONIO DE PADUA

Leia mais

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NO SISTEMA ELETROBRÁS Ubirajara Rocha Meira Diretor de Tecnologia 12ª Feira Internacional da Indústria Elétrica e Eletrônica Belo Horizonte MG 19-22 AGOSTO 2008 Sumário O Sistema

Leia mais

www.soumaisenem.com.br

www.soumaisenem.com.br 1. (Enem 2011) Uma das modalidades presentes nas olimpíadas é o salto com vara. As etapas de um dos saltos de um atleta estão representadas na figura: Desprezando-se as forças dissipativas (resistência

Leia mais

Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão

Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão Sistema de Aeronaves Remotamente Pilotadas Multiplataforma para Inspeção de Linhas de Transmissão Willian Ramires Pires Bezerra Companhia Hidro Elétrica do São Francisco Chesf Geraldo José Adabo Instituto

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO

CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO CENTRAIS ELÉTRICAS DO NORTE DO BRASIL S.A. COMPETÊNCIAS ATRIBUIÇÕES ORGANIZACIONAIS DIRETORIA DE OPERAÇÃO DIRETORIA DE OPERAÇÃO Cabe à Diretoria de Operação a gestão dos negócios geração, transmissão e

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NO INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NO INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NO INSTITUTO DE PESQUISAS HIDRÁULICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (UFRGS) Apresentamos neste case a implantação do software E3 no Laboratório de Eficiência

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-33 Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-33 Maceió, Brasil, Agosto de 2005 HISTÓRICO DA EVOLUÇÃO DE PERDAS EM TRANSFORMADORES DE DISTRIBUIÇÃO NO BRASIL E UMA VISÃO DE FUTURO Tema 1.1: Perdas Técnicas Autores: - ADILSON NOGUEIRA ARAÚJO TAP ELETRO-SISTEMAS - ERIVALDO COSTA COUTO

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA

IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO ELÉTRICO EM REDES DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ELETROTÉCNICA ANA CARLA CORDEIRO MICHEL ADOLPHO SLEDER ROSS IDENTIFICAÇÃO DE ILHAMENTO

Leia mais

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional

Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional Gestão do Conhecimento Corporativo: a experiência da Itaipu Binacional I Simpósio de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciência da Informação Universidade Estadual de Londrina - UEL Londrina 06 de março de 2010

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura.

Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. ANÁLISE DIMENSIONAL Modelos Reduzidos Prof. Manuel Rocha - LNEC Prof. Eduardo C. S. Thomaz Notas de aula Barragens de concreto em abóbada com dupla curvatura. Na década de 60, época do projeto e da construção

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA

TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA. ECO biopowe r ECO ARMAZENAMENTO PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA ARMAZENAMENTO TÉRMICO DELTASTORE SISTEMAS DE ARMAZENAMENTO DE ENERGIA TÉRMICA PARA APLICAÇÃO PÚBLICA, INDUSTRIAL E AGRÍCOLA INVENTIVE BY NATURE ECO biopowe r Precis ão alem ã, energia brasileira! www.ecobiopower.com.br

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU SISTEMAS ELÉTRICOS DE ENERGIA- SUPRIMENTO, REGULAÇÃO E MERCADO Motivação O setor elétrico brasileiro tem experimentado a partir da implantação do novo modelo setorial,

Leia mais

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas A Coordenação de Bibliotecas e a informatização do sistema: onde estamos e o que queremos 1988 - Sistema de Automação do NDC (SAND): Controle da Terminologia de Indexação e Sistema de Informações Legislativas

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Em busca da qualidade de

Em busca da qualidade de Diretoria de Gestão Corporativa-DG empresa Em busca da qualidade de gestão Inovações tecnológicas e gerenciais possibilitam mais eficiência à Eletrobras Furnas texto Leonardo da Cunha Valorizar o capital

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO DE MANIFESTAÇÃO DE

Leia mais

Curriculum Vitae. 2- Engenheiro Eletricista, formado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ) em 1975.

Curriculum Vitae. 2- Engenheiro Eletricista, formado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ) em 1975. Curriculum Vitae JOSÉ ALBERTO TOMAZ LOPES VIEIRA 1- Formação Profissional 2- Engenheiro Eletricista, formado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ) em 1975. 3 - Curso de especialização

Leia mais

Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil

Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil Projeto InovCity Status de execução e principais aprendizados para o desenvolvimento futuro das smart grids no Brasil São Paulo, 27 de Novembro de 2013 Agenda Grupo EDP Apresentação do projeto Status de

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 ESTUDO E DETERMINAÇÃO DE UM SISTEMA DE AQUECIMENTO DE MISTURA ÁGUA/ÓLEO PARA AVALIAÇÃO AUTOMÁTICA DE MEDIDORES DE VAZÃO

Leia mais

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores

Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Simulador de Custos de Contratação de Energia para Grandes Consumidores Aluno: Bruna dos Guaranys Martins Orientador: Delberis Araújo Lima Projeto: 1011 Introdução No Brasil, existem diferentes tipos de

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes!

ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! ALVENARIA: como reconhecer blocos de qualidade e ecoeficientes! Bloco de concreto As paredes são montadas a partir de componentes de alvenaria - os blocos. Portanto, é imprescindível que eles obedeçam

Leia mais

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Ponte de Vitória (ES) é um trabalho pioneiro no Brasil, principalmente

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços

Pesquisa e Desenvolvimento que geram avanços P&D O compromisso das empresas com o desenvolvimento sustentável por meio da energia limpa e renovável será demonstrado nesta seção do relatório. Nela são disponibilizados dados sobre a Pesquisa, Desenvolvimento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1) Geração e Transferência de Tecnologia 1.1) Estudo de viabilidade técnico-econômica de projetos Princípios fundamentais de aplicação de capital. Mecanismos de aplicação. Investimentos.

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS DE SISTEMAS MOTRIZES

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS DE SISTEMAS MOTRIZES SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GCE.14 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIV GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LABORATÓRIO

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS DE SISTEMAS MOTRIZES

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE OTIMIZAÇÃO DE SISTEMAS DE SISTEMAS MOTRIZES SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCE 19 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIV GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE OTIMIZAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO.

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Da Ideia à Utilização O Ciclo do Projeto na Cooperação Financeira

Da Ideia à Utilização O Ciclo do Projeto na Cooperação Financeira Da Ideia à Utilização O Ciclo do Projeto na Cooperação Financeira Cooperação Financeira O papel do KfW Banco de Desenvolvimento Há mais de 50 anos, o KfW Banco de Desenvolvimento apoia o governo federal

Leia mais

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO

ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO ENERGIA SOLAR FOTOVOLTAICA COMO FONTE DE GERAÇÃO DE ENERGIA COMPLEMENTAR NA INDÚSTRIA PARAIBANA: UM ESTUDO DE CASO DA COSTA 1, Cinthya Borges Lopes DA SILVA 2, Michele Gomes FERREIRA 3, João Marcelo Dias

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

Design pedagógico Módulo IV

Design pedagógico Módulo IV Energia Design pedagógico Módulo IV Escolha do tópico O que um aluno entre 14 e 18 anos acharia de interessante neste tópico? Que aplicações / exemplos do mundo real podem ser utilizados para engajar os

Leia mais

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG

Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Utilização do Google Earth e Google Maps na CEMIG Roberto Proença da Silva Carlos Alberto Moura Companhia Energética de Minas Gerais - CEMIG Superintendência de Tecnologia da Informação - TI Gerência de

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

Investimentos. aumentam capacidade de transmissão

Investimentos. aumentam capacidade de transmissão CAPA Investimentos aumentam capacidade de transmissão Novas obras e modernização das subestações garantem maior confiabilidade e segurança no abastecimento de energia elétrica Paralelamente à modernização

Leia mais

Anexo 1 - Material Informativo de Comunicação Prévia

Anexo 1 - Material Informativo de Comunicação Prévia Anexo 1 - Material Informativo de Comunicação Prévia LINHA DE TRANSMISSÃO 500 kv Manaus - Boa Vista e Subestações Associadas NO BRASIL, o sistema de transmissão de energia elétrica se desenvolveu utilizando

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais

23 a 27 de novembro de 2015 Inscrições abertas Vagas limitadas

23 a 27 de novembro de 2015 Inscrições abertas Vagas limitadas 23 a 27 de novembro de 2015 Inscrições abertas Vagas limitadas 9h 23/11 Abertura Boas-vindas Carlos Ribeiro, presidente do Conselho de Administração da ABCE 9:15 23/11 (manhã) Instrutor: Carlos Ribeiro

Leia mais

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO

PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO PLANO DE CURSO SIMPLIFICADO CURSO: MECÂNICO DE AR CONDICIONADO AUTOMOTIVO - PRONATEC 200 horas ÁREA: AUTOMOTIVA MODALIDADE: QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL UNIDADE(S) HABILITADA(S): CT PALMAS Plano de Curso

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPL VII 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GPL

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI 2010 22 a 26 de novembro XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Substituição da Subestação blindada, 69 kv, isolada a gás SF6 da Coelba, por uma Instalação

Leia mais

PROJETO IMPLANTAÇÃO DO SAP - ERP 6.0

PROJETO IMPLANTAÇÃO DO SAP - ERP 6.0 PROJETO IMPLANTAÇÃO DO SAP - ERP 6.0 Luiz Octavio Pinheiro Sondermann Gerente de Integração PMO AGENDA A Empresa Histórico Processo Licitatório O Projeto Sintonia AGENDA A Empresa Histórico Processo Licitatório

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

TOTAL DO ORGAO : R$ 780.749.368 QUADRO SINTESE POR FUNCOES QUADRO SINTESE POR SUBFUNCOES

TOTAL DO ORGAO : R$ 780.749.368 QUADRO SINTESE POR FUNCOES QUADRO SINTESE POR SUBFUNCOES QUADRO SINTESE POR ORGAO 32000 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA 780.749.368 6.0.0.0.00.00 RECURSOS DE CAPITAL - ORÇAMENTO DE INVESTIMENTO 677.449.495 6.1.0.0.00.00 RECURSOS PRÓPRIOS 167.672.207 6.1.1.0.00.00

Leia mais

Entrevista Jorge M. Samek Diretor Geral Brasileiro - Itaipu Binacional Curitiba, 13 de abril de 2015

Entrevista Jorge M. Samek Diretor Geral Brasileiro - Itaipu Binacional Curitiba, 13 de abril de 2015 1 Entrevista Jorge M. Samek Diretor Geral Brasileiro - Itaipu Binacional Curitiba, 13 de abril de 2015 P - O que significa para a Itaipu Binacional, para Foz do Iguaçu e região trinacional (Argentina,

Leia mais

Norma Interna: Ajuste Curricular

Norma Interna: Ajuste Curricular Norma Interna: Ajuste Curricular A RESOLUÇÃO Nº 61/08-CEPE fixa o currículo do MESTRADO e DOUTORADO acadêmico em Engenharia de Recursos Hídricos e Ambiental da Universidade Federal do Paraná. Este currículo

Leia mais

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano

Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Page 1 of 5 Reservatórios: queda nos estoques Aumento das restrições ambientais para UHEs reduz volume de armazenamento para menos de um ano Carolina Medeiros, da Agência CanalEnergia, Reportagem Especial

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Siemens Ltda. Av. Mutinga, 3800 05110-902 Pirituba São Paulo - SP Eficiência Energética www.siemens.com.br/eficiencia-energetica Sustentabilidade e Eficiência Energética

Leia mais

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013

Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT. Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Plano de Atendimento e Remoção de Acidentados em Linhas de Transmissão PARA LT Sylvio Ribeiro de Castro Lessa 12/08/2013 Fase: Diagnóstico Eloisa Barroso de Mattos Nutricionista Raquel Leão Firmino Reis

Leia mais

Controle de Processos: Introdução

Controle de Processos: Introdução Controle de Processos: Introdução Prof. Eduardo Stockler Tognetti & David Fiorillo Laboratório de Automação e Robótica (LARA) Dept. Engenharia Elétrica - UnB Conteúdo 1. Panorama da engenharia de controle

Leia mais

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. - Eletronorte Responsável: Uriel de Almeida Papa Equipe: Sérgio de Souza Cruz, Willams

Leia mais

CARLOS ROBERTO SUTTER

CARLOS ROBERTO SUTTER CARLOS ROBERTO SUTTER CREA-RJ.: xxxxx Engenheiro Eletricista - UFRJ, 1971. Idiomas: Inglês Cursos e Aperfeiçoamento Máquinas Elétricas -por Edward T. metcalf, PROMON, Rio de Janeiro, 1978, 1979 Congressos

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI 05 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES

Leia mais

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG GPC / 02 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V TEMA 2 SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG Gomes, N.S.(*) Andrade, S.R.C. Costa, C.A.B. Coutinho, C. E. B. CEMIG

Leia mais

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural

Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Implantação do Gerenciamento de Projetos no Processo de Expansão de Alta Tensão da CEMIG-D: Os Desafios da Mudança Cultural Júlio César Marques de Lima Agenda O Processo de Expansão AT da CEMIG-D. Cronograma

Leia mais

Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais

Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais Eleição :: Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais A eleição da nova Diretoria do Núcleo Regional de Minas Gerais para o triênio 2014 / 2017 ocorreu no dia 26 de junho de 2014, em Belo Horizonte.

Leia mais

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural

Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O uso do gás natural. Sobre a ANP. O uso do gás natural Definição do gás natural. Desenvolvimento do mercado de gás natural no Brasil. O gás natural é uma mistura de hidrocarbonetos gasosos, dentre os quais se destacam o metano, o etano e o propano, resultantes

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Suprimento (geração, transmissão e distribuição) de energia elétrica: aspectos socioambientais Lineu Belico dos Reis REQUISITOS BÁSICOS: Atendimento ao arcabouço legal ambiental

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL Guia KIP Green Eco A cor da KIP É VERDE A KIP tem um compromisso com o desenvolvimento de projetos de produtos que promovam a saúde e a sustentabilidade ambiental. A nossa meta é melhorar e aprimorar de

Leia mais