IRMANDADE DE MISERICÓRDIA DE MONTE ALTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IRMANDADE DE MISERICÓRDIA DE MONTE ALTO"

Transcrição

1 DE MISERICÓRDIA MONTE ALTO IRMANDADE DE MISERICÓRDIA DE MONTE ALTO RELATÓRIO DE DIRETORIA Exercício 2009 Santa Casa de Monte Alto Classificada entre os 45 melhores hospitais do Estado de São Paulo que atendem SUS e em 5º lugar na regional de Ribeirão Preto, conforme pesquisa realizada em 2007 e 2008, pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. Declarada de utilidade pública pela Lei Estadual n 5911 de 18/10/60 e pela Lei Municipal n 504 de 07/07/1965 Declarada de utilidade pública Federal, conforme Decreto nº de 05/10/1.972 (mantida pelo Decreto de 27/05/1992) Relatório Largo de 8 de Diretoria Fevereiro, Exercício - PABX (16) FAX Caixa Postal CEP Monte Alto - SP 1 C.N.P.J./MF / Registro ANS nº Registro CRM/SP nº Site: - :

2 MENSAGEM DO PROVEDOR Meus Caros irmãos e amigos, Mais uma vez, seguindo as diretrizes da sua missão de filantropia e cumprindo as disposições estatutárias, a Diretoria da Santa Casa de Misericórdia de Monte Alto, o Relatório Anual e o Balanço Financeiro do ano de 2009, os Investimentos e as Benfeitorias realizadas para apreciação da Irmandade de Misericórdia de Monte Alto e da sociedade montealtense. É certo que a realização de qualquer Assembléia Geral nesta Entidade representa um momento de imensa satisfação para nós, Diretores Administrativos, especialmente esta Assembléia Geral Ordinária, onde temos o prazer e a obrigação de prestar contas, notadamente demonstrando tudo o que aconteceu de relevante nesta Santa Casa. Mesmo com as imensas dificuldades enfrentadas durante o ano de 2009, os resultados que apresentamos são altamente gratificantes. Dentre eles, destacamos com orgulho a pesquisa realizada pelo Governo do Estado, entre os usuários do Sistema Único de Saúde, enquadrando a Santa Casa de Misericórdia de Monte Alto no 41º (quadragésimo primeiro) lugar entre os mais de 500 (quinhentos) hospitais que atendem ao SUS no Estado de São Paulo e em 5º (quinto) lugar entre os melhores na Regional de Saúde de Ribeirão Preto, tornando-a referência em atendimento neste setor. Como de costume, por mais um ano de trabalho, seguimos um modelo de administração pautado pela impessoalidade, profissionalismo, honestidade, moralidade, seriedade e transparência da Diretoria, Médicos e funcionários desta Entidade. A nossa Santa Casa, como tantas outras no Brasil, também enfrenta dificuldades financeiras diariamente, entretanto, não obstante isso, não nos abatemos, haja vista termos força para lutar e vontade de vencer. É raro o dia em que por aqui não passe um diretor, que deixou de lado seus afazeres familiares, particulares, profissionais e até mesmo sociais, para verificar e observar o andamento dos trabalhos. Hoje a nossa Santa Casa é considerada modelo, recebemos várias visitas de pessoas de outros hospitais que também passam por dificuldades, que vêm até aqui para ver a forma com que conduzimos os trabalhos. Isto não se deve só ao trabalho da Diretoria, mas sim à grande interação e disposição da equipe de funcionários, irmãs e corpo clínico em fazer da Santa Casa um hospital humanizado e com qualidade no atendimento sempre com muita transparência. Pois bem, o Relatório Anual mostra os fatos marcantes ocorridos no ano de 2009, em todos os setores da nossa instituição filantrópica. Dentre eles, podemos destacar nessa mensagem os seguintes pontos: O plano de Saúde da Santa Casa continua funcionando com toda regularidade, atendendo a todas as exigências da ANS Agência Nacional de Saúde, proporcionando com isto maior confiabilidade aos usuários. Em março de 2009 colocamos em funcionamento a nova lavanderia, construída de acordo com as normas da Vigilância Sanitária que, com o apoio da Pró-Vida, foi totalmente equipada e vêm atendendo a todas as necessidades da Entidade. Relatório de Diretoria - Exercício

3 Adquirimos o Prontuário Eletrônico que é o sistema de Registro Eletrônico de todas as informações clínicas do paciente que tem como objetivo ser fonte de informação clínica, meio de comunicação compartilhado de todo o corpo clínico e registro legal das ações médicas. Em agosto de 2009, a Diretoria ratificou em reunião a Missão, Visão e Valores da Santa Casa de Misericórdia de Monte Alto, princípios norteadores dos objetivos da instituição, definidos com a orientação do Programa CEALAG, que visam a melhoria da assistência oferecida aos nossos clientes, parceiros, funcionários e colaboradores. O ano de 2009 foi, ainda, marcado por muitas realizações, e graças ao apoio do Deputado Estadual Dr. Luiz Carlos Gondim, do Deputado Federal Dimas Ramalho, do Governo do Estado de São Paulo e da Prefeitura Municipal de Monte Alto. O nosso irmão benemérito Deputado Estadual Dr Luiz Carlos Gondim, que muito tem ajudado esta Santa Casa, conseguiu junto a Secretaria de Estado da Saúde, um valor total de R$ ,00 (cento e sessenta mil reais) em verbas, sendo R$ ,00 (sessenta mil) destinada à manutenção e custeio e R$ ,00 (cem mil) para a reforma e ampliação da Unidade de Terapia Intensiva. Por intermédio do Deputado Federal Dimas Ramalho conseguimos um total de R$ ,00 (trezentos mil reais) em verbas para a construção da cozinha, planejada com modernidade para atender às normas vigentes da engenharia civil e da vigilância sanitária. O Governo do Estado de São Paulo contribuiu com a importância de R$ ,00 (quinze mil, oitocentos e dezessete reais) destinada à manutenção e custeio. A Prefeitura Municipal de Monte Alto também representou um papel muito importante na manutenção e custeio da Entidade, destinando recursos no importe de R$ ,77 (cento e quinze mil, setecentos e setenta e sete reais e setenta e sete centavos). No ano em referência, a Santa Casa manteve a parceria com a Prefeitura Municipal de Monte Alto, trabalhando sempre em conjunto para proporcionar atendimento de saúde com qualidade à toda população montealtense. Por fim, ao término de mais um ano de muitas dificuldades, mas também de grandes alegrias, em nome de toda a Diretoria Administrativa, quero externar o agradecimento a todos que têm contribuído para o fortalecimento e o engrandecimento da nossa Santa Casa, de um modo especial, aos deputados supra mencionados, ao Governo do Estado de São Paulo, à Prefeitura Municipal de Monte Alto, aos Diretores, funcionários, irmãs, médicos, à toda população montealtense e, acima de tudo e de todos, à DEUS que é nosso grande protetor que sempre nos dá ânimo nos momentos difíceis. Neste instante, apresento o Relatório Anual em que esta Diretoria Administrativa demonstra detalhadamente tudo o que ocorreu de importante na Santa Casa em Muito obrigado. Roberto Afonso Colatreli Provedor Relatório de Diretoria - Exercício

4 HISTÓRICO A Irmandade de Misericórdia de Monte Alto é uma Entidade de Fins Filantrópicos, fundada em 1º de janeiro de 1917, sediada na cidade de Monte Alto SP. Sua finalidade é manter, administrar e desenvolver a Santa Casa de Misericórdia, bem como receber outros estabelecimentos congêneres que venham a criar ou aceitar, prestar assistência médico-hospitalar e demais atividades afins aos enfermos e acidentados, gratuitamente ou não, criar, constituir ou participar de outras empresas, quando para isso possua os necessários recursos ou quando, com fim especial, lhe sejam feitos legados ou doações e estimular a prática das obras de caridade. As atividades abrangem o atendimento pelo Sistema Único de Saúde nas áreas hospitalar e ambulatorial. Em 29 de abril de 1995 foi criado o Plano de Saúde SISTEMA VIDA DE SAÚDE que para atendimento de seus usuários utiliza os serviços da Santa Casa de Monte Alto e de uma rede credenciada de médicos e laboratórios e em junho de 2006 a Irmandade fez um novo investimento, criou a Drogaria Sistema Vida de Saúde para vender medicamentos para usuários do seu plano de saúde. Declarada de Utilidade Pública Federal, conforme. Decreto n de 05/10/1972 (Mantido pelo Decreto de 27/05/1992) Declarada de utilidade Pública pela Lei Estadual n 5911 de 18/10/60 Declarada de Utilidade Pública Municipal pela Lei n 504 de 07/07/1965 Registro no CRM/SP n Registro no CNAS n /41-90 Registro no CNES n Registro no CMAS n 04/98 Registro na ANS nº Entidade Privada / Filantrópica CNPJ: / Endereço : Largo 8 de Fevereiro, nº CEP: Cidade: Monte Alto Estado: São Paulo PABX: Caixa Postal: 180 Relatório de Diretoria - Exercício

5 MISSÃO, VISÃO E VALORES Em agosto de 2009, a Diretoria ratificou em reunião a Missão, Visão e Valores da Santa Casa de Monte Alto, que foram definidos com a orientação do Programa CEALAG. Estes irão nortear os objetivos da Irmandade para melhorar cada dia mais a assistência oferecida aos nossos clientes, parceiros, funcionários e colaboradores. Missão Prestar assistência em saúde com humanização, qualidade e responsabilidade social. Visão Tornar-se excelência na assistência à saúde em média complexidade à população assistida. Valores Acolhimento, humanização, ética e honestidade. Compromisso, transparência com a sociedade e colaboradores. DIRETORIA ( Biênio Abril de 2008 a Março de 2010 ) Provedor... Roberto Afonso Colatreli Vice-Provedor...Jayme Barato 1º Secretário...Dino Bruzadin 2º Secretário...Benedito Aparecido Martins 1º Tesoureiro...Adair Teixeira 2º Tesoureiro... Laerte Antonio de Carvalho Dir.Patrimônio...Euclides Carlos Perdonatti Mesários:...Ananias Aparecido Pereira Antonio Carlos Fiorentin Carlos Fernando Serafim Luiz Antonio Cestari Celso César Cola Dilter Piovezan Conselho Fiscal:...Antonio Jesus Peroni José Augusto Sartor Silvio Aparecido Vrech Supl.Conselho...Alessandro Pavanelli Relatório de Diretoria - Exercício

6 CORPO CLÍNICO 2009 O Corpo Clínico da Santa Casa de Monte Alto é constituído por trinta e cinco médicos com especialização em suas respectivas áreas e constantes cursos de aprimoramento. O hospital é aberto a freqüente participação de outros médicos convidados pelo nosso Corpo Clínico, para realização de cirurgias e exames, o que nos honra muito. Tivemos nos últimos anos um incremento no número de exames subsidiários realizados em nosso hospital. Hoje cirurgias de alta complexidade aqui são realizadas com segurança o que trouxe pacientes de outras regiões para nossa Santa Casa. DIREÇÃO CLÍNICA Diretor Clínico... Diogo Aparecido Simão Vice Diretor Clínico..... Mário Mitsuo Ogata MÉDICOS DO CORPO CLÍNICO Adauto Cáprio Junior... Neurologogia Antenor Minari Júnior... Anestesiologista Armando Lépore Junior... Pediatria Carlos Jacomo Pollo...Gastroenterologia e Cirurgia Geral Diogo Aparecido Simão...Otorrinolaringologia Denis Pereira Bitencourt... Ortopedista Edimar Rimoldi...Cardiologia e Clínica Médica Eliane Ap. de Carvalho Perdonati...Oftalmologia Elias Dias Martins Junior... Anestesiologia Eugênio Freire A. Andrade Filho... Ortopedia / Traumatologia Fauze Haddad... Pediatria Fauze Haddad Junior..... Gastroenterologia e Cirurgia Geral Fernando Bernardo da Fonseca... Clínica Médica Francisco Spanó Neto... Ginecologia e Obstetrícia Graziela Ligia Teixeira... Oftalmologia João Davanço Neto... Ginecologia e Obstetrícia Joaquim Roberto de Oliveira... Cardiologia e Clínica Médica José Maria Modesto... Urologia José Yoshio Morishita... Pediatria Juliana Rodrigues Daneluzzi... Psiquiatria Leonel Carlos de Oliveira... Cardiologia Letícia dos Santos Bicudo... Cardiologia e Ecocardiograma Lúcia Helena Senna P.Ogata... Radiologia / Ultrassonografia Luciana Carareto Brambilla... Reumatologista Relatório de Diretoria - Exercício

7 Luis Gustavo Gazone Martins... Ortopedia / Traumatologia Marcelo Bellini Dalio.. Cirurgia Vascular Márcia Abud Haddad... Geriatria e Clínica Médica Marcus Vinicius Caramico... Ginecologia e Obstetrícia Marília M. Giannoni de Oliveira... Dermatologia Mário Mitsuo Ogata... Oftalmologia Maurício de Mattos Piovezan... Endocrinologia e Clínica Médica Paulimar Aparecido Janones... Gastroenterologia e Cirurgia Geral Randal Henrique de Oliveira... Ginecologia e Obstetrícia Renato Vasconcellos Angelotti... Urologia Thais R.B. de Medeiros Ribeiro... Dermatologia COMISSÕES INTERNAS De acordo com a determinação do Conselho Federal de Medicina a Santa Casa mantém as comissões de ética médica, revisão de prontuários, infecção hospitalar, revisão de óbitos e comissão intra-hospitalar de transplantes. Constituídas da seguinte forma: Comissão de Ética Médica: Presidente: Antenor Minari Junior Membros: Dr. Adauto Cáprio Junior Dr. Armando Lepore Junior Dr. Fauze Haddad Dr. Luis Gustavo Gazone Martins Comissão de Revisão de Prontuários: Drª Márcia Haddad Dr. Marcus Vinicius Caramico Comissão de Revisão de óbitos: Dr. Randal Henrique de Oliveira Dr. Adauto Cárprio Junior Dr. Edimar Rimoldi Relatório de Diretoria - Exercício

8 Comissão de captação de órgãos: Dr. Edimar Rimoldi Coordenador Dr. Fauze Haddad Junior representante da cirurgia geral Dr. Adauto Caprio Junior representante da neurologia Dr. Antenor Minari Junior representante da anestesiologia Dr. Renato Vasconcellos Angelotti representante da urologia Sueli Regina Alves de Mello Baptista enfermeira da Unidade de Terapia Intensiva Luiza de Salles Gonçalves enfermeira Daisa Spanó psicóloga Vera Lucia Brandão Jovanelli assistente social Comitê Transfusional: Presidente: Dr. Fauze Haddad Junior Membros: Dr. Mauricio de Mattos Piovezan Dr, Armando Lepore Junior Dr. José Yoshio Morishita Enfermeira Elvira Silva Cumim Comissão de Controle de Infecção Hospitalar Representantes do Serviço Médico Presidente: Drª Viviane Romano de Moraes- Infectologista Drº Leonel Carlos de Oliveira- Cardiologista Drº Armando Lépore Júnior- Pediatra Representantes do Serviço de Enfermagem Enfermeira Sueli R. A. Melo Técnicas de Enfermagem : Vivane Bertachini, Iara Alves da Silva, Sonia M.Alves de Mello e Maria Tereza Brito Representante do Laboratório...: Marcos Antonio Zavatti Representante da Farmácia...: Priscila Aparecida Maran Representante da Administração...: João Edimar da Silva Relatório de Diretoria - Exercício

9 DADOS GERAIS: Número de funcionários ativos em 31/12/2009: SAC ( recepção, porteiros e telefonia)...16 funcionários Serviço de enfermagem funcionários Radiologia...11 funcionários Administração...20 funcionários Serviço Social...01 funcionários CPD...02 funcionários Dispensário de medicamentos/almoxarifado...14 funcionários SND Serviço de Nutrição e Dietética funcionários Lavanderia funcionários Limpeza e Manutenção funcionários Transporte...02 funcionários Medicina do Trabalho...03 funcionários Plano de Saúde...12 funcionários Departamento Jurídico funcionários Medicina Preventiva funcionários Farmácia externa funcionários Funcionários Inativos: Afastados pelo INSS funcionários LEITOS - Cirúrgicos...20 leitos Clínicos leitos Obstétricos leitos Pediátricos leitos Isolamento leitos LEITOS UTI UTI leitos CONVÊNIOS: SUS Sistema Único de Saúde Sistema Vida de Saúde Fundação CESP Sabesprev Saúde Bradesco CABESP Caixa Beneficente dos Funcionários do Banco do Estado de São Paulo PAMS Programa de Assistência Médica Supletiva Caixa Econômica Federal São Francisco Clínicas Fundação Padre Albino Relatório de Diretoria - Exercício

10 MOVIMENTO HOSPITALAR GERAL TOTAL GERAL DE ATENDIMENTOS INTERNAÇÕES E AMBULATORIO E SADT ATENDIMENTOS Particular Convênios SUS Total Clínica Médica Clínica Cirúrgica Clínica Pediátrica Clínica Obstétrica Ambulatório - Consulta plantão Ambulatório - Consulta retaguarda Atendimento Ambulatorial Ambulatorial prov. Consulta Endoscopias/Colon/Retos Consultas de Especialidades Exames Especializados Radiologia Laboratório Total Percentual 1% 28% 71% 100% MOVIMENTO HOSPITALAR - QUATIDADE DE ATENDIMENTOS - INTERNACOES E AMBULATORIO Particular Convênios SUS Total MOVIMENTO HOSPITALAR - PERCENTUAL DE ATENDIMENTOS - INTERNACOES E AMBULATORIO 100% 71% 50% 1% 28% 0% Particular Convênios SUS Percentual 1% 28% 71% Relatório de Diretoria - Exercício

11 MOVIMENTO DE INTERNAÇÕES TOTAL DE PACIENTE DIA Clinicas Particular Convênios SUS Total Médica Cirúrgica Pediátrica Obstétrica Total Percentual 1% 36% 63% 100% QUANTIDADE DE PACIENTE DIA Particular Convênios SUS PERCENTUAL DE PACIENTE DIA 80% 63% 60% 40% 36% 20% 0% 1% Particular Convênios SUS 1% 36% 63% Relatório de Diretoria - Exercício

12 MOVIMENTO AMBULATORIAL MOVIMENTO AMBULATORIAL Tipo Particular Convênio SUS Total Consulta plantão Consulta retaguarda Ambulatorial Ambulatorial prov. Consulta Endoscopias/Colon/Retos Consultas de Especialidades Exames Especializados Radiologia Laboratório Total Percentual 1% 28% 71% 100% MOVIMENTO AMBULATORIAL - QUANTIDADE DE ATENDIMENTOS Particular Convênio SUS Total MOVIMENTO AMBULATORIAL - PERCENTUAL DE ATENDIMENTOS 80% 71% 60% 40% 28% 20% 1% 0% Particular Convênio SUS Percentual 1% 28% 71% Relatório de Diretoria - Exercício

13 ATENDIMENTOS GRATUITOS EM 2009 RELATÓRIO DE GRATUIDADE Exames TOTAL Consultas 6 Procedimentos ambulatoriais 5 Curativos 44 Aplicação de injeção 417 Aferir Pressão Arterial 763 TOTAL MOVIMENTO DA MATERNIDADE EM 2009 PARTOS REALIZADOS Tipo Total Cesáreas 345 Normais 58 Fórceps 0 Total 403 NASCIMENTO POR SEXO Masculino Feminino Total Total NASCIMENTOS MENINOS X MENINAS meninos meninas Total Relatório de Diretoria - Exercício

14 INVESTIMENTOS Graças a indicação do saudoso Deputado Ricardo Izar, em 2008 a Santa Casa recebeu uma verba da Secretaria de Estado de São Paulo para a construção de uma nova lavanderia, pois a lavanderia existente era muito antiga e obsoleta e constantemente necessitava de manutenção, trazendo muitas despesas para a entidade. As obras foram iniciadas em e em março de 2009 a Santa Casa teve a satisfação de colocar em funcionamento a nova lavanderia que, com o apoio da Pró-Vida, foi totalmente equipada e vêm atendendo a todas as necessidades da entidade. A nova lavanderia foi construída de acordo com as normas da ANVISA, obedecendo a RDC 50, com barreira entre a área suja e área limpa, vestiários na área suja e limpa, rouparia. As funcionárias foram treinadas pela Comissão de Infecção Hospitalar sobre o manuseio das roupas, bem como a circulação interna, fluxo de roupas, fluxo de coleta. Em 2009 foram processados quilos de roupa. FOTOS DA LAVANDERIA Lavanderia Nova Equipamentos da lavanderia Lavanderia em funcionamento Placa de Inauguração da Lavanderia Relatório de Diretoria - Exercício

15 EQUIPAMENTOS ADQURIDOS Para Melhor funcionamento do hospital, a Santa Casa investiu em novos equipamentos no ano de 2009: 02 Sensores de CO2 Capnostat III 01 Analisador de Oxigênio 01 Video Gastroscopio 6800 Investimentos na Aquisição de Móveis e Utensílios 01 Armário de aço c/ 2 portas1,98x1,20x0,45 01 Armário de aço c/ 2 portas 1,98x0,90x0,40 06 Estantes de aço 1,98x0,92x0,40 c/ 4 prateleira 06 colchão inflável caixa de ovo 01 mesa fixa em madeira (P.A) 03 Mesas para máquina/telefone 01 Ventilador de parede 60 cm preto 01 Purificador Soft Star Bco 02 TV Color CCE HPS Lava jato Jacto 6800 Aquisição de Equipamentos de Informática 01 Impressora multifuncional HP F Impressora HP Deskjet Impressora zebra TLP Impressora Laser HP Impressora HP Deskjet F Micro computador completo c/monitor 01 monitor LCD 01 leitor de código de barra 01 impressora mult funcional sansung 12 Longarinas executiva com 3 lugares 01 Impressora sansung laserjet ML 2010 (C.C) 01 Impressora Multifincional HP F Leitor Hibrido Inteligente 01 Rack para o servidor 01 Servidor completo sem monitor 01 Switch PRONTUÁRIO ELETRÔNICO Com o intuito de otimizar as informações do paciente a Santa Casa adquiriu em 2009 o Sistema de registro eletrônico de todas as informações clínicas do paciente que tem como objetivo ser fonte de informação clínica, meio de comunicação compartilhado de todo o corpo clínico e registro legal das ações médicas. Este sistema tem como principais benefícios o Controle eletrônico de registros de informações clínicas, Aumento da interação e compartilhamento de informações entre os profissionais assistentes, fortalecendo a equipe multidisciplinar, Prescrição eletrônica, agilizando o processo de dispensação e diminuição dos riscos de erros de interpretação de prescrições por letra ilegível, Troca de informações on-line diretamente com os Módulos de Portaria Externa e Interna e Gestão de Estoque, e indiretamente com Faturamentos, Custos, Administrativos. Relatório de Diretoria - Exercício

16 Este projeto envolveu o Corpo Clínico, a equipe de Enfermagem e outros profissionais ligados diretamente e indiretamente a assistência aos clientes pacientes e teve como piloto os setores de UTI e Centro Cirúrgico. RELATÓRIO GERENCIAL DE Em 2009, houve o empenho da Diretoria do Hospital em firmar parcerias, conseguir verbas para melhoria dos serviços, trazer novos procedimentos para serem realizados no município, conseguir novos credenciamentos para melhoria do atendimento e principalmente de desenvolver campanhas de prevenção e atenção a Saúde, investindo assim na saúde da população. Houve grande investimento na capacitação de funcionários com a realização de educação continuada e também de participação de funcionários e Diretores nos mais importantes eventos ligados a saúde pública e privada do país. O comprometimento dos funcionários com a instituição, mais uma vez pode ser confirmado com a realização da tradicional festa junina, organizada pelos funcionários para angariar fundos para nossa Santa Casa. Detalhamos abaixo esses eventos: VERBAS RECEBIDAS Em 2009 a Santa Casa recebeu várias verbas que contribuíram muito para o bom andamento do hospital e isto só foi possível graças ao apoio recebido do Deputado Estadual e irmão benemérito da Santa Casa Dr. Luiz Carlos Gondim, Deputado Dimas Ramalho, Governo do Estado de São Paulo e da Prefeitura Municipal de Monte Alto. Relação das verbas recebidas em 2009 Órgão Indicação Finalidade Valor Estadual-Secretaria de Estado da Saúde Governador José Serra Manutenção ,00 Estadual-Secretaria de Estado da Saúde Dep. Luis Carlos Gondim Manutenção ,00 Estadual-Secretaria de Estado da Saúde Dep. Luis Carlos Gondim Ampliação da UTI ,00 Estadual-Secretaria de Estado da Saúde Dep. Dimas Ramalho Construção da Cozinha ,00 Prefeitura Municipal de Monte Alto Manutenção ,77 Total de verbas ,77 O Deputado Estadual Luiz Carlos Gondim, sempre muito presente na Santa Casa, não mediu esforços para conseguir recursos estaduais para investimentos na ampliação de mais cinco leitos para a UTI Unidade de Terapia Intensiva da Santa Casa, o Deputado também conseguiu uma verba para manutenção e custeio da Entidade, totalizando um valor de R$ ,00 em O Deputado Dimas Ramalho, atendendo a um pedido da Diretoria, conseguiu uma verba de R$ ,00 para a construção de uma nova cozinha para a Santa Casa, este investimento é uma necessidade antiga, pois a cozinha atual é muito antiga, obsoleta e já não atende mais a demanda do hospital. Os recursos recebidos da Prefeitura Municipal de Monte Alto foram para manutenção e custeio da Entidade. PARCERIA COM A PREFEITURA Em janeiro de 2.009, a Irmandade de Misericórdia de Monte Alto disponibilizou, através de oficio protocolado junto a Secretaria Municipal de Saúde, mais de 60 % de seus serviços para o atendimento do SUS (Sistema Único de Saúde) e efetivou um percentual maior de atendimentos aos usuários do SUS. A Diretoria da Santa Casa pensando sempre em proporcionar uma saúde digna a toda a população manteve a parceira com a Secretaria Municipal de Saúde referente à medicina preventiva. Relatório de Diretoria - Exercício

17 Através dos ambulatórios de especialidades, que funcionam dentro das instalações da Santa Casa, os pacientes são atendidos por médicos que fazem o acompanhamento das doenças como diabetes, hipertensão e etc... Este acompanhamento vem proporcionando a diminuição dos números de internações, cujo reflexo trouxe melhor qualidade de vida a população Montealtense. Foi priorizada também a realização de cirurgias eletivas, nas especialidades disponíveis no ambulatório de cirurgia, realizando uma média de 42 cirurgias/mês, confirmando o compromisso da Santa Casa em prestar um atendimento de qualidade e igualitário aos pacientes do SUS, uma vez que o tempo de espera dos pacientes para realização destas cirurgias é cada vez menor, visando não ter demanda reprimida. SERVIÇO SOCIAL: O Serviço Social da Santa Casa de Monte Alto em 2009 deu continuidade ao trabalho que vem sendo desenvolvido no decorrer dos anos, prestação de serviços as famílias e pacientes deste Hospital. Esta prestação de serviço consiste em coordenar a transferência de pacientes para centro de referência quando necessário, agendar exames como cateterismo e outros, além de fazer a orientação, encaminhamento e agendamento dos pacientes para a continuidade do tratamento ambulatorial, após a alta, na Unidade de Saúde mais próxima de sua residência, inclusive com empréstimo de camas a pacientes que necessitem deste item. Em 2009, este departamento também articulou com as comissões das quais participa, tornando possível a realização de campanhas feitas em conjunto com a Comissão de Captação de Órgãos e Medicina Preventiva. CIRURGIA PIONEIRA Em 2009, a equipe de ortopedia da Santa Casa de Monte Alto, realizou cirurgia inédita na região: artroscopia de quadril, que consiste na introdução de micro-câmera na articulação entre o fêmur e o quadril. Segundo os médicos que realizaram a cirurgia, este procedimento é muito mais seguro por ser menos agressivo, tornando a recuperação mais rápida e minimizando o risco de infecções. Esta cirurgia somente foi possível, porque a Santa Casa possui profissionais altamente capacitados e qualificados e equipamentos e instalações necessárias para realização da mesma. Cirurgias como esta somente são realizadas em grandes centros como Campinas e São Paulo, o que demonstra o crescimento de nossa Santa Casa. Dr.Denis Bitencourt, Dr. Marcelo Godoi Cavalheiro e Dr. Luis Gustavo Gazoni Martins Médicos responsáveis pela cirurgia. Foto do procedimento cirúrgico Relatório de Diretoria - Exercício

18 CAPTAÇÃO DE ORGÃOS Em 2009, a Comissão de Captação de órgãos deu continuidade ao trabalho de conscientização da população em relação a Doação de Órgãos e Tecidos, considerando que o transplante tem o objetivo de salvar vidas, sendo a única alternativa em determinadas situações e oferecendo melhor qualidade de vida. O transplante é, portanto, a tão esperada resposta para milhares de pessoas com insuficiência orgânica terminal e cronicamente incapacitante. Neste contexto em setembro de 2009, a Comissão de Captação de órgãos da Santa Casa realizou, durante a Semana Nacional da Doação de Órgãos, vários eventos para esclarecimentos e conscientização da população. Foi elaborado vídeo sobre o Dia Nacional da Doação de Órgãos que foi apresentado durante toda a semana nas Unidades de Saúde da Família do município. A Comissão de captação de Órgãos e dois pacientes transplantados, Francisco Pissuti e Aparecido Alexandre, estiveram na Radio Cultura Fm de Monte Alto falando sobre a importância da doação de órgãos, foram distribuídos panfletos e feito esclarecimentos de duvidas na Feira livre da Praça São Benedito. Também foi celebrada Missa em Ação de Graças aos doadores e receptores de Órgãos e seus familiares, às 9:00 hs da manhã, na Igreja Nossa Senhora de Fátima no bairro Jardim Novo Bela Vista e às 19:hrs, nas Igrejas Evangélicas, Igreja Embaixadores de Cristo, localizada no Bairro Bela Vista do Mirante e Igreja do Evangelho Quadrangular, localizadas nos bairros: São Francisco, Jardim Califórnia, Jardim Novo Bela Vista, foi realizado Culto em Ação de Graças aos doadores e receptores de Órgãos e seus familiares. Em outubro de 2009, a Comissão de Captação de Órgãos, trouxe representantes da OPO (Organização de Procura de Órgãos de Ribeirão Preto) Dr. Jeová M. Rocha e Enfermeira Margarida Momenti para a realização de uma palestra sobre o processo de captação de órgãos e credenciamento do hospital como captador, nesta palestra, que foi realizada no auditório da Santa Casa, os funcionários puderam esclarecer suas dúvidas. Fotos do evento promovido pela comissão de Captação de Órgãos da Santa Casa e visita da OPO (Organização de Procura de Órgãos de Ribeirão Preto ) Relatório de Diretoria - Exercício

19 U.T.I. UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA. A UTI Unidade de Terapia Intensiva da Santa Casa é credenciada junto ao Ministério da Saúde desde 2008 e recebe pacientes graves, que necessitam de cuidados intensivos. Compreendem os cuidados intensivos a monitorização, cuidado integral, observação constante pela equipe de enfermagem e plantão médico contínuo a disposição de recursos de emergência e de equipe técnica capacitada para atender às necessidades desses pacientes. Entre os pacientes que foram atendidos na unidade em 2.009, vários são pessoas vindas da Central de Vagas, devido credenciamento no SUS. Com a implantação da UTI a Santa Casa teve a possibilidade de atender com maior resolutividade os pacientes que precisaram do serviço de média complexidade reduzindo deste modo as transferências para os grandes centros e garantindo um atendimento imediato, além de proporcionar maior segurança para realização de procedimentos de maior complexidade. Durante este ano foram atendidos 354 pacientes, sendo 280 do SUS e destes 60 recebidos da Central de Vagas, 73 dos convênios e 1 particular. A equipe da UTI deu continuidade ao trabalho de capacitação de seus funcionários através do programa de educação continuada com temas que supriram a necessidade de todos. Em março de 2009 promoveu gratuitamente o 1º Simpósio de Unidade de Terapia Intensiva de Monte Alto e contou com a participação de 300 pessoas por dia, o evento foi realizado durante três dias consecutivos. No Simpósio foram abordados temas de grande relevância como: Unidades de Terapia Intensiva são necessárias?, Humanização e Comunicação em UTI, Cuidados com o paciente critico Drenos e sondas, Monitorização em UTI, Terapia Nutricional/Enteral, Noções Básicas de Nutrição Parenteral, CCIH em UTI, Transporte Intra Hospitalar, Atualizações no atendimento a parada cardio respiratória. Panfleto do 1º Simpósio de Unidade de Terapia Intensiva realizado em março/09 Fotos do 1º Simpósio de Unidade de Terapia Intensiva da Santa Casa de Monte Alto. Relatório de Diretoria - Exercício

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS NECESSÁRIOS PARA COMPROVAÇÃO DOS ITENS DE VERIFICAÇÃO - UPA Quando da apresentação de protocolos, manual de normas e rotinas, procedimento operacional padrão (POP) e/ou outros documentos,

Leia mais

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA

APRESENTAÇÃO QUALIVIDA APRESENTAÇÃO QUALIVIDA (143.846 segurados ) (1.010.965 associados) (1.403.755 associados) (373.839 associados) 4.389 empresas 3.000.000 vidas * Dados jan 2013 2 MISSÃO NOSSA MISSÃO NOSSA MISSÃO Tornar

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia

Mostra de Projetos 2011. Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia Mostra de Projetos 2011 Combatendo a Mortalidade Materna e Infantil: Maximizando a Atuação das Agentes de Saúde do Município de Altônia Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação,

Leia mais

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba

Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade. Experiência da Contratualização no Município de Curitiba Atenção de Média e Alta Complexidade Hospitalar: Financiamento, Informação e Qualidade Experiência da Contratualização no Município de Curitiba 9º - AUDHOSP Águas de Lindóia Setembro/2010 Curitiba População:1.818.948

Leia mais

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ

HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ HOSPITAL SÃO RAFAEL TUDO É POSSÍVEL A QUEM CRÊ Origem A preocupação com as questões sociais fez com que o professor e sacerdote italiano D. Luigi Maria Verzé chegasse ao Brasil, em 1974, através do Monte

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10.

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EMERGENCIAL DE PROFISSIONAIS PARA ÁREA MÉDICA ESPECIALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI LEONARDO CHERINI PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Instituto Sócrates Guanaes

Instituto Sócrates Guanaes Instituto Sócrates Guanaes Instituição de direito privado sem fins lucrativos; Fundado em 13 de julho de 2000; Qualificado como Organização Social; Reconhecido como instituição de utilidade pública municipal

Leia mais

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil

Modelo GFACH - Anexo 1 Indicadores mais Utilizados na Gestão Hospitalar no Brasil Gestão do Relacionamento Externo Posicionamento no Sistema de Saúde Coeficiente de Mortalidade Nº de Óbitos / Nº de Indivíduos da Amostra * 1.000 Geral (toda a amostra), por idade (ex: infantil), por sexo

Leia mais

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014

Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 Ciclo de Debates GV Saúde: Quais as Perspectivas para as Operadoras de Planos de Saúde? Agosto 2014 1 Mercado de Planos de Saúde Impactado por 5 Tendências E o Mercado? Continuará a Crescer? 5 Usuário

Leia mais

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos

Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde Unimed São José dos Campos Núcleo de Atenção Integral à Saúde da Unimed SJC O Núcleo de Ação Integral à Saúde (NAIS) é o setor responsável pela promoção da saúde e prevenção

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE 2013. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 36, DE 25 DE JULHO DE

Leia mais

Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA

Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA Discussão de Cases- Boas Práticas CLINIPAM CLÍNICA PARANAENSE DE ASSISTÊNCIA MÉDICA CENTRO DE QUALIDADE DE VIDA Jamil Luminato 1981 Jamil Luminato 1981 2013 Visão Geral Medicina de Grupo de Curitiba 117.187

Leia mais

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002.

Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. Portaria nº 339 de 08 de Maio de 2002. O Secretário de Assistência à Saúde, no uso de suas atribuições legais, Considerando a Portaria GM/MS nº 866, de 09 de maio de 2002, que cria os mecanismos para organização

Leia mais

Relatório de Atividades

Relatório de Atividades 1 Relatório de Atividades 2013 2 1- Identificação Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil (GPACI) Rua Antônio Miguel Pereira, 45 Jardim Faculdade Sorocaba São Paulo CEP: 18030-250 Telefone:

Leia mais

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014

PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP. Maio de 2014 PROJETO DE ESTRUTURAÇÃO SAÚDE PÚBLICA Prefeitura Municipal de Itapeva - SP Maio de 2014 UMA RÁPIDA VISÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL HOJE Estrutura com grandes dimensões, complexa, onerosa e com falta de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO MINISTÉRIO DA SAÚDE GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) AGENDA ESTRATÉGICA DA GESTÃO (2012-2015) Este documento tem o propósito de promover o alinhamento da atual gestão

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4

Manual do Prestador SEPACO. Saúde. ANS - n 40.722-4 Manual do Prestador Saúde o ANS - n 40.722-4 SEPACO Prezado prestador, Este manual tem como objetivo formalizar a implantação das rotinas administrativas do Sepaco Saúde, informando as características

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃOADÃO Hospital Universitário Dr. Miguel Riet Corrêa Jr. Rua Visconde de Paranaguá, nº 24 Campus Saúde CEP: 96.200-190 Bairro Centro Rio Grande Rio Grande do Sul/RS Brasil Acesso

Leia mais

Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO. Dr. Antonio Carlos Forte

Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO. Dr. Antonio Carlos Forte Gestão Estratégica da Cadeia de Suprimentos: Modelos e Tendências SANTA CASA DE SÃO PAULO Dr. Antonio Carlos Forte SANTA CASA DE SÃO PAULO Complexo hospitalar formado por dez unidades de assistência a

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2014. Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB. Bairro: Rubem Berta

PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2014. Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB. Bairro: Rubem Berta ASSOCIAÇÃO DE CEGOS LOUIS BRAILLE CNPJ. 88173968/0001-60 Endereço: Rua Braille, 480 Núcleo Residencial Costa e Silva Bairro: Rubem Berta POA-RS - CEP: 91150-140 e-mail: acelb@terra.com.br Fone: 3344-18-04-33406840

Leia mais

"Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES

Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade? Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES "Acreditação: Valeu a pena investir na Certificação de Qualidade?" Centro Integrado de Atenção a Saúde CIAS Unimed Vitória - ES AGENDA Programação do Evento - Histórico do Centro Integrado de Atenção a

Leia mais

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II

I SEMINÁRIO NACIONAL DO PROGRAMA NACIONAL DE REORIENTAÇÃO DA FORMAÇÃO PROFISIONAL EM SAÚDE PRÓ-SAÚDE II Ministério da Educação Secretaria de Ensino Superior Diretoria de Hospitais Univ ersitários e Residências em Saúde A articulação da Graduação em Saúde, dos Hospitais de Ensino e das Residências em Saúde

Leia mais

SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS

SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS SAÚDE E TRATAMENTOS MÉDICOS CENTRO DE PROMOÇÃO À SAÚDE Iwata-shi Kounodai 57-1 É um órgão da prefeitura que tem como objetivo principal: promover serviços visando o bem-estar e a saúde dos cidadãos e a

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL

Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Experiência: REDUÇÃO DA TAXA DE CANCELAMENTO DE CIRURGIAS ATRAVÉS DA OTIMIZAÇÃO DO PROCESSO ASSISTENCIAL Hospital de Clínicas de Porto Alegre Ministério da Educação Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto

Leia mais

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL

O PACTO PELA VIDA É UM DOS SUBCOMPONENTES DO PACTO PELA SAÚDE PORTARIA 399/06. É O MARCO JURÍDICO DA PRIORIZAÇÃO DA SAÚDE DO IDOSO NO BRASIL SAÚDE DO IDOSO CURSO ESPECÍFICOS ENFERMAGEM - A Saúde do Idoso aparece como uma das prioridades no Pacto pela Vida, o que significa que, pela primeira vez na história das políticas públicas no Brasil,

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

DR. PEDRO JORGE GAYOSO DIRETORIA DE RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS I I

DR. PEDRO JORGE GAYOSO DIRETORIA DE RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS I I DR. PEDRO JORGE GAYOSO DIRETORIA DE RECURSOS E SERVIÇOS PRÓPRIOS I I Recursos e Serviços Próprios II Recursos e Serviços Próprios SAU II DIRETOR: DR. PEDRO JORGE LEITE GAYOSO DE SOUSA. COORDENADOR GERAL

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO

IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE CARACTERÍSTICAS DO ESTABELECIMENTO I SOLICITAÇÃO DE: INSCRIÇÃO REGISTRO CADASTRO ATUALIZAÇÃO DE DADOS: (a cargo do CRM) II 1 Razão Social IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE 2 Designação de Fantasia / Nome Usual 3 Endereço 4 Município

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte

Política Municipal de Saúde Perinatal. Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte Política Municipal de Saúde Perinatal Secretaria Municipal de Saúde Belo Horizonte BH -REDE ASSISTENCIAL 9 Distritos Sanitários 147 Centros de Saúde 544 ESF 2.420 ACS CERSAM, UPA, outros 34 hospitais conveniados

Leia mais

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE

CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE CARTA TÉCNICA CERTIFICADO DE ENTIDADE BENEFICENTE DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CEBAS ÁREA: SAÚDE ENTIDADES ABRANGIDAS: Entidades que atuam na área da saúde (Art. 4º ao Art. 11º da Lei nº 12.101/2009) ÓRGÃO RESPONSÁVEL

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR 2 ÍNDICE 1.APRESENTAÇÃO:...3 1.1 Introdução...3 1.2 Missão...3 1.3 Negócio...3 1.4 Visão...3 1.5 Princípios...3 1.6 Objetivos...3 1.7 Compromissos Éticos do P.S.D.C. de Caxias do Sul...4

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

Informação SUS, Não SUS e Filantropia

Informação SUS, Não SUS e Filantropia Informação SUS, Não SUS e Filantropia O que esses temas têm em comum e quais as implicações para prestadores e gestores. João Alfredo Carvalho Rodrigues Gonçalves Águas de Lindóia 12/09/2012 Agenda da

Leia mais

Relatório de. Gestão

Relatório de. Gestão Relatório de Gestão Sumário Apresentação... 2 Serviços Ofertados... 3 Recursos Humanos... 4 Análise Operacional... 5... U RGÊNCIA E EMERGÊNCIA... 5... A MBULATÓRIO... 6... I NTERNAÇÃO... 7... D ESEMPENHO

Leia mais

A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ

A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ A experiência do IRSSL com o Contrato de Gestão do HMIMJ O contexto Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio Libanês (2005) Assistencialismo Hospital Municipal Infantil Menino Jesus (2005) Responsabilidade

Leia mais

Autoriza o Executivo Municipal a instituir o Projeto CASA DA GESTANTE, dando outras providências.

Autoriza o Executivo Municipal a instituir o Projeto CASA DA GESTANTE, dando outras providências. LEI N 2.210, DE 04 DE NOVEMBRO DE 1998. Autoriza o Executivo Municipal a instituir o Projeto CASA DA GESTANTE, dando outras providências. ANTONIO BRAZ GENELHU MELO, Prefeito Municipal de Dourados, Estado

Leia mais

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR

PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR PROMOÇÃO DO PARTO NORMAL NA SAÚDE SUPLEMENTAR Ações já realizadas pela ANS desde 2004 Sensibilização do setor, promoção e participação ii em eventos para discussão com especialistas nacionais e internacionais

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR II REALIZADO NA UNIDADE BÁSICA DE SÁUDE VILA GAÚCHA PRISCILA DOS SANTOS LEDUR Porto Alegre 2011 PRISCILA DOS

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas.

A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. A Tecnologia da Informação e a saúde em Campinas. BENATO, L. Informática dos Municípios Associados (IMA) Resumo Campinas-SP conta com mais de 1 milhão de usuários do SUS, incluindo os munícipes de Campinas

Leia mais

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR

REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR REGIMENTO INTERNO HOSPITAL VETERINÁRIO UNIMAR O Coordenador do Curso de Medicina Veterinária da Universidade de Marília UNIMAR, no uso de suas atribuições legais, expede o presente regimento, regulamentando

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase

Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Universidade Federal de Juiz de Fora Hospital Universitário Programa de Avaliação de Desempenho (PROADES) Segunda Fase Registro de reuniões setoriais Setor: Serviço Social Unidade Dom Bosco Data: 29.05.2009

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Coleta de Leite Materno: Minimizando Agravos à Recém Nascidos e Salvando vidas diariamente.

Mostra de Projetos 2011. Coleta de Leite Materno: Minimizando Agravos à Recém Nascidos e Salvando vidas diariamente. Mostra de Projetos 2011 Coleta de Leite Materno: Minimizando Agravos à Recém Nascidos e Salvando vidas diariamente. Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: II - Projetos finalizados Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Unidades de Negócios

Unidades de Negócios Grupo Clivale Como surgiu? História Tudo começou com a iniciativa de Raphael Serravalle ao perceber a carência de um serviço médico especializado na cidade do Salvador, calçada, induziu dois de seus filhos:

Leia mais

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha.

HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. HOSPITAL ABREU SODRÉ A sua próxima escolha. Qualidade máxima e confiança são fundamentais no momento de escolher um hospital, e você precisa do que há de melhor na área médica. Por isso, prepare-se para

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS

IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS IV FÓRUM ÉTICO LEGAL EM ANÁLISES CLÍNICAS Brasília, 08 de junho de 2010. Cumprimento de Contratos das Operadoras com os Laboratórios Clínicos. DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO SETORIAL - DIDES Gerência de

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E SANTAS CASAS DE MISERICÓRDIA DO PARANÁ

HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E SANTAS CASAS DE MISERICÓRDIA DO PARANÁ HOSPITAIS FILANTRÓPICOS E SANTAS CASAS DE MISERICÓRDIA DO PARANÁ 103 Instituições Beneficentes na área da Saúde* 58 são Hospitais Filantrópicos e Santas Casas de Misericórdia 45 Hospitais Filantrópicos

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA

TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA TERMO DE AJUSTAMENTO DE CONDUTA Pelo presente instrumento, com fundamento nos termos que dispõe o art. 5º, 6º, da Lei 7.347/85, bem como no art. 5º e 6º do Decreto 2.181/97 e art. 5º da Lei Complementar

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo

Projeto Amplitude. Plano de Ação 2015. Conteúdo Projeto Amplitude Plano de Ação 2015 P r o j e t o A m p l i t u d e R u a C a p i t ã o C a v a l c a n t i, 1 4 7 V i l a M a r i a n a S ã o P a u l o 11 4304-9906 w w w. p r o j e t o a m p l i t u

Leia mais

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno

Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno Dez Passos para o Sucesso do Aleitamento Materno 1 Ter uma política de aleitamento materno escrita, que seja rotineiramente transmitida a toda a equipe de cuidados da saúde. 2 Capacitar toda equipe de

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões:

SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: - Mais de 12 mil atendimentos nos mutirões: SECRETARIA DE SAÚDE - Pronto Socorro Municipal recebe Licença Sanitária de Funcionamento: o Pronto Socorro Adulto de Taubaté teve seu funcionamento aprovado pela Vigilância Sanitária Estadual. O documento

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner:

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: 1) defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) universal, humanizado e de qualidade; 2) compromisso do governo com a geração de emprego, distribuição

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I

Boletim Informativo. O ano de 2013. Informe RH - Redução da Jornada de Trabalho. Próxima edição C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I C O N J U N T O H O S P I T A L A R DO M A N D A Q U I Boletim Informativo Nossa Missão: Promover assistência segura à saúde, com respeito e ética aos usuários, desenvolvendo o ensino e pesquisa na busca

Leia mais

Programa de Atenção Integrada ao Idoso

Programa de Atenção Integrada ao Idoso Programa de Atenção Integrada ao Idoso Valéria Terra¹, Maria Carolina Carmignani¹, Tereza Barczinski² ¹ Metrus Instituto de Seguridade Social ² Programa de Estudos Avançados em Administração Hospitalar

Leia mais

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos

Longo caminho. Acontece no mundo inteiro. Os doentes crônicos Gestão Foto: dreamstime.com Longo caminho Medida da ANS inicia discussão sobre a oferta de medicamentos ambulatoriais para doentes crônicos pelas operadoras de saúde Por Danylo Martins Acontece no mundo

Leia mais

Título do Projeto! JUNTOS PELA SAÚDE

Título do Projeto! JUNTOS PELA SAÚDE Título do Projeto! JUNTOS PELA SAÚDE População Saudável Campanhas para realização dos exames preventivos Material Educativo Comunicação População Saudável Educação em Saúde: Esta ação tem como objetivo

Leia mais

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS

SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS SERVMED SAÚDE MANUAL DE PREENCHIMENTO TISS MAIO/2007 Blumenau-SC, 18 de maio de 2007. À Rede Credenciada Prezados Credenciados: Como é de conhecimento de todos, dia 31 de maio de 2007 é o prazo que a Agência

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/2015 30/06/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/2015 30/06/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO. Relatório de gestão dos serviços assistenciais PRESTAÇÃO DE CONTAS JUNHO/2015 30/06/2015 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

Eventos Fehosp. Promovendo e fortalecendo as relações para o aprimoramento das ações na saúde.

Eventos Fehosp. Promovendo e fortalecendo as relações para o aprimoramento das ações na saúde. Eventos Fehosp. Promovendo e fortalecendo as relações para o aprimoramento das ações na saúde. Quem Somos A Fehosp Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo, é uma instituição

Leia mais

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde

Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Como a Tecnologia pode democratizar o acesso à saúde Smartcity Business América 2015 Curitiba PR Brazil Maio de 2015 Sociedades Inteligentes e Governaça Airton Coelho, MsC, PMP Secretário de Ciência e

Leia mais

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011

Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Programa de Divulgação da Qualificação dos Prestadores de Serviços RN nº 267/2011 Instrução Normativa sobre a divulgação da qualificação Primeira reunião do GT de Divulgação 07/02/2012 Quem divulgar? Todos

Leia mais

Hosp. Municipal Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto

Hosp. Municipal Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto Hosp. Municipal Prof. Dr. Alípio Corrêa Netto A construção do Hospital Municipal Profº Drº Alípio Corrêa Netto foi uma reivindicação do movimento popular junto à Secretaria de Higiene e Saúde desde 1982.

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Antes mesmo de inaugurar seu hospital, em 1971, a Sociedade já se dedicava ao exercício da responsabilidade social, atendendo crianças carentes da comunidade na área de Pediatria

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 - DOE de 10/10/09 - Seção 1 - p.95 Regimento Interno Capítulo I Das Finalidades Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 191 -

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar. Visão dos Prestadores

IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar. Visão dos Prestadores IMPLANTAÇÃO DA TABELA TUSS Terminologia Unificada em Saúde Suplementar Visão dos Prestadores HISTÓRICO 2003 TISS 2004 OFICINAS ANS TISS Porto Alegre: Importância do tema = 95,2% importante / muito importante

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS DEZEMBRO/2014 07/01/2015 HOSPITAL ESTADUAL ROCHA FARIA CAMPO GRANDE / RJ V. Relatório referente ao Contrato de Gestão 30/2012 sobre os serviços assistenciais da Maternidade, Odontologia

Leia mais

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher.

O lançamento aconteceu em 8 de março de 2004, Dia Internacional da Mulher. Sinopse As últimas décadas marcaram o avanço do papel da mulher na economia. Cada vez mais mulheres são responsáveis pela administração de seus lares e é crescente sua participação no mercado de trabalho,

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS

APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SÃO CARLOS APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS REFERENTE AO EXERCÍCIO DE 2012 E PROJETOS PARA 2013. FINANCEIRO Feito por: Diego dos Santos CONTABILIDADE/CUSTOS

Leia mais

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012.

Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. Circular 059/2012 São Paulo, 01 de Fevereiro de 2012. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) NORMAS DE FUNCIONAMENTO E HABILITAÇÃO DO SERVIÇO HOSPITALAR DE REFERÊNCIA ATENÇÃO PSICOSSOCIAL Diário Oficial da União

Leia mais

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ

MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ MATERNIDADE UNIMED UNIDADE GRAJAÚ Larissa Fernanda Silva Borges de Carvalho Enfermeira, Especialista em Gestão de Serviços de Saúde Gerente Assistencial da Maternidade Unimed BH Unidade Grajaú Governança

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0

Página 1. 1.31 Auxiliar de enfermagem da estratégia de Saúde da Família 0 1. FUNCIONÁRIOS EFETIVOS Cirurgião dentista clínico geral 0 1.1 Cirurgião dentista endodontista 6 1.2 Cirurgião dentista periodontista 16h 0 1.3 Cirurgião dentista periodontista 20h 3 1.4 Cirurgião dentista

Leia mais

Agência Nacional de Saúde Suplementar

Agência Nacional de Saúde Suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar A agência reguladora de planos de saúde do Brasil Audiência Pública, 10 de abril de 2013 1 Agência Nacional de Saúde Suplementar - ANS Agência reguladora do Governo

Leia mais

V Encontro dos Aprimorandos do Estado de São Paulo. O SUS no Estado de São Paulo: Contexto Atual

V Encontro dos Aprimorandos do Estado de São Paulo. O SUS no Estado de São Paulo: Contexto Atual V Encontro dos Aprimorandos do Estado de São Paulo O SUS no Estado de São Paulo: Contexto Atual Abril de 2011 Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo (2005) Gestão Plena do SUS no município recente

Leia mais

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado

A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado HUMANIZAÇÃO E ACESSO DE QUALIDADE A regulação médico-hospitalar nos sistemas de saúde público e privado Alexandre Mont Alverne 25/11/2015 Regulação Significado: Michaelis: Regular+ção: ato ou efeito de

Leia mais

Unimed Brasil. A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil:

Unimed Brasil. A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil: Unimed Brasil A Unimed é a maior experiência cooperativista na área da saúde em todo o mundo e também a maior rede de assistência médica do Brasil: Presente em 83% território nacional; 375 cooperativas

Leia mais

Consulta Pública n.º 09/2013

Consulta Pública n.º 09/2013 Consulta Pública n.º 09/2013 Diretor Relator: Dirceu Barbano Regime de tramitação: comum Publicação: 02/04/2013 Prazo para contribuição: 30 dias 09/04 à 08/05 Agenda Regulatória: não Área Técnica: GGTES

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO

ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO ANEXO II QUADRO DE ATRIBUIÇÕES, REQUISITOS E REMUNERAÇÃO FUNÇÃO / REMUNERAÇÃO Médico Infectologista REQUISITO Medicina e Título de Especialista concedido pela Respectiva Sociedade de Classe ou Residência

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Decreto Nº 94.406 / 1987 (Regulamentação da Lei nº 7.498 / 1986) Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da

Leia mais