PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL"

Transcrição

1 PROJETO CASA LAR DO CEGO IDOSO CIDADANIA NO ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL DADOS DA ORGANIZAÇÃO: Nome: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB, mantenedora da Casa Lar do Cego Idoso Endereço: Rua Braille nº480 núcleo residencial Costa e Silva Bairro Rubem Berta Porto Alegre/RS Telefone: RESPONSÁVEL LEGAL PELA ORGANIZAÇÃO: Nome: Adão Alcides Zanandréa Cargo: Presidente Fone: (51) ESTRUTURA ORGANIZACIONAL: - Conselho administrativo - Conselho deliberativo - Assembleia geral RESPONSÁVEL TÉCNICO PELO PROJETO: Nome: Tatiane Fortes Assoni Neu Cargo: Assistente social Fone: (51)

2 JUSTIFICATIVA: Considerando o aumento significativo da população idosa no Brasil, e que no processo de envelhecimento ocorrem alterações fisiológicas e biológicas que afetam o idoso como as doenças crônico-degenerativas (diabetes, hipertensão,obesidade e doenças cardiovascular) comuns nesta população, são as principais causas do crescimento das taxas de idosos com deficiência ou com alguma incapacidade laboral reduzindo sua autonomia, fazendo-os viver na dependência de uma ou mais pessoas que suprem as suas incapacidades para a realização das atividades de vida diária. É considerando esta realidade e a carência de atendimento qualificado e humanizado a pessoa idosa com deficiência que a ACELB busca apoio da sociedade civil e pessoa jurídica, articulando-se com a rede para prestar atendimento a este público, respeitando a diversidade e liberdade destes, trabalhando em prol da ampliação e consolidação da cidadania com vistas à garantia de direitos civis e sociais. Para oferecer este atendimento de longa permanência com condições dignas de moradia e convivência social dispomos de uma equipe multiprofissional composta por assistente social, médica, enfermeira, fisioterapeuta, nutricionista, técnicas de enfermagem, coordenador administrativo, secretária e serviços gerais e colaboradores voluntários, além de atividades sociais, culturais,grupo de convivência, festas de aniversários, passeios externos, trabalhos manuais, música, festas em datas especiais (natal, dia dos avós, dias dos pais, dia das mães, festa junina) com vistas à socialização destas pessoas com a comunidade e seus familiares. Dispõe-se de um espaço físico acessível em todas as dependências e áreas de lazer. Atualmente presta-se atendimento em média a 40 pessoas, mas háestrutura física para atender até 72 idosos/as. A entidade tem uma área construída de 2500 m², sua estrutura física é composta por quartos individuais, duplos ou no máximo três pessoas, com banheiro no quarto, e outros distribuídos ao longo da Instituição, sala de convivência, áreas externas cobertas e ao ar livre, 2

3 lavanderia, rouparia, refeitório, cozinha, dispensas, salão de festas, sala de atividades, posto de enfermagem e salas individuais para cada profissional. PÚBLICO ALVO: Pessoas idosas com deficiência visual ou não, podendo atender em caráter de emergência e de modo provisório pessoas adultas, menores de 60 anos com deficiência visual em situação de vulnerabilidade social. OBJETIVO: Prestar atendimento de longa permanência a pessoa idosa com deficiência visual ou não em situação de vulnerabilidade social, oferecendo-lhes condições dignas de moradia e melhoria da qualidade de vida. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: 1 - Manter o espaço físico com condições sanitárias para moradia: Ação: manter espaço higienizado, evitando a proliferação de fungos e bactérias; Meta: fornecer boas condições de saúde e higiene aos moradores: Indicador de resultado: certificados de limpeza de caixa d água, dedetização e afins. 2 - Prestar serviço de nutrição e dietética: Ação: manter a cozinha, refeitório e dispensas organizadas, limpas, atendendo as determinações da ANVISA, com supervisão do profissional da área. Meta: oferecer seis refeições diárias com orientação nutricional prescrita e acompanhamento individual. Indicador de resultado: relatórios, prescrições e evoluções nos prontuários dos moradores. 3 - Prestar atendimento de assistência social: Ação: atender os idosos/as em suas necessidades sociais, realizando acolhimento, estudo socioeconômico e avaliação para ingresso na Casa, prestando orientações e encaminhamentos para a rede de serviços, articulando-se com os serviços de outras 3

4 políticas públicas sociais e demais órgãos, visando a defesa e garantia de direitos, o fortalecimento dos vínculos familiares e o convívio social. Meta:garantir o acesso aos bens e serviços disponíveis na rede para os usuários; fomentar a participação familiar na vida dos idosos, fortalecendo os vínculos familiares; a participação dos idosos em atividades sociais, culturais, de lazer e de convivência, contribuindo com a melhoria da qualidade de vida dos moradores. Indicador de resultado: Relatórios das atividades, prontuários individuais, fotos das atividades e depoimentos. 4 - Prestar serviços de cuidados com a saúde: Ação: manter equipe para atendimento básico de saúde com médico, enfermeiro, fisioterapeuta, nutricionista e técnicos em enfermagem. Meta: oferecer atendimento digno e humanizado ao publico alvo, elevando a autoestima e a longevidade dos moradores. Indicador de resultado: relatórios, evoluções individuais nos prontuários moradores e fotos. de METODOLOGIA: O ingresso dos idosos no Lar ocorrerá mediante entrevista com o setor de Serviço Social e avaliação de saúde no qual deverão participar os familiares/responsáveis e o idoso e quando necessário será realizada visita domiciliar. Na disponibilidade da vaga, familiares e idoso passam por mais uma entrevista e é realizado os acordos pertinentes, passada orientações sobre o funcionamento da instituição e as responsabilidades das partes quanto as atividades da vida diária do idoso e a corresponsabilidade dos familiares/responsáveis na manutenção e subsistência do mesmo no Lar. O idoso terá prontuário social e de saúde individual e terá acompanhamento pela equipe técnica, administrativa e de apoio da Instituição. 4

5 Em caso de não haver vaga ou o idoso não ter perfil para residir no Lar, o mesmo e seus familiares/responsáveis serão orientados e encaminhados quanto os demais serviços disponíveis na rede e encaminhados quando necessário ao Centros de Referência de Assistência Social de baixa ou alta complexidade, conforme o caso. RECURSOS HUMANOS EXISTENTES: Quantidade Recursos humanos Carga Horária 01 Assistente Social Auxiliar administrativo Auxiliar de serviços gerais Cozinheira Enfermeira Estagiários de Nível técnico Estagiários de nível superior Fisioterapeuta Médico Nutricionista Técnico de enfermagem 36 DESPESAS FINANCEIRAS PERMANENTES: Item Descrição Valor mensal (R$) 1 Recursos humanos R$ ,00 2 Gêneros alimentícios R$ 7.670,00 3 Materiais de limpeza R$ 3.150,00 5 Energia elétrica R$ 2.150,00 6 Telefone R$ 900,00 7 Material de expediente R$ 1.500,00 8 Manutenção de mobiliário R$ 2.215,00 9 Gás R$ 1.100,00 Total R$ ,00 Porto alegre, 05 de abril de

PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2014. Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB. Bairro: Rubem Berta

PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2014. Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB. Bairro: Rubem Berta ASSOCIAÇÃO DE CEGOS LOUIS BRAILLE CNPJ. 88173968/0001-60 Endereço: Rua Braille, 480 Núcleo Residencial Costa e Silva Bairro: Rubem Berta POA-RS - CEP: 91150-140 e-mail: acelb@terra.com.br Fone: 3344-18-04-33406840

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE CEGOS LOUIS BRAILLE

ASSOCIAÇÃO DE CEGOS LOUIS BRAILLE PLANO DE TRABALHO EXERCÍCIO 2015 Dados de Identificação: Nome da Entidade: Associação de Cegos Louis Braille - ACELB Endereço: Rua Braille, 480 Núcleo Residencial Costa e Silva Bairro: Rubem Berta Região

Leia mais

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS

SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS SERVIÇO: ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA PESSOAS ADULTAS DESCRIÇÃO: Modalidade: Centro Dia para pessoa Idosa Serviço voltado para o atendimento, regime parcial, de pessoas idosas de 60 anos ou mais, de

Leia mais

Asilo São Vicente de Paulo

Asilo São Vicente de Paulo Asilo São Vicente de Paulo O Asilo São Vicente de Paulo promove a qualidade de vida e o resgate à dignidade da pessoa idosa. Atualmente é responsável pela garantia dos direitos fundamentais de 150 idosas.

Leia mais

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil

Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis. Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Instituições de Longa Permanência: Desafios e Modelos Possíveis Neuma Nogueira Coordenadora do Grupo Vida - Brasil Há 17 anos promovendo os direitos dos idosos com qualidade de vida. Nossa História O Grupo

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS

QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS QUESTIONÁRIO DOS PROFISSIONAIS QUE ATUAM NAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS ILPIS NDF IN PROFISSIONAIS Entrevistador (a): Supervisor(a): Data da entrevista: Nome da Instituição (fantasia):

Leia mais

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES

ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES ANEXO 3 ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ROTEIRO DE INSPEÇÃO DE CLÍNICAS DE IDOSOS E SIMILARES Data da vistoria: / / A CADASTRO

Leia mais

OBSERVATÓRIO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM PIRACICABA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS AUTISTAS DE PIRACICABA AUMA

OBSERVATÓRIO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM PIRACICABA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS AUTISTAS DE PIRACICABA AUMA OBSERVATÓRIO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DIRIGIDAS À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE EM PIRACICABA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS AUTISTAS DE PIRACICABA AUMA Entidade não governamental, com personalidade jurídica

Leia mais

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES.

THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. THALITA KUM PROJETO - CUIDANDO COM HUMANIDADE DOS ACAMADOS E DE SEUS CUIDADORES. ANA LUCIA MESQUITA DUMONT; Elisa Nunes Figueiredo. Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte SMSA-BH (Atenção Básica)

Leia mais

III- DADOS DO PRESIDENTE

III- DADOS DO PRESIDENTE PLANO DE AÇÃO 2014 I- IDENTIFICAÇÃO Nome: Associação dos Deficientes Físicos de Lençóis Paulista - ADEFILP Endereço: Pernambuco, 333, Jardim Cruzeiro Lençóis Paulista SP CEP 18680470 Telefone: (014) 3264-9700

Leia mais

INSTITUTO DE GESTÃO SOCIAL DO TERCEIRO SETOR

INSTITUTO DE GESTÃO SOCIAL DO TERCEIRO SETOR INSTITUTO DE GESTÃO SOCIAL DO TERCEIRO SETOR 1 Normas de Convivência e manual operacional Breve apresentação do IGES 2 IGES - é uma instituição sem fins lucrativos, certificada como OSCIP que tem por finalidade,

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 NOME DO SERVIÇO Serviço de Acolhimento Institucional para Idosos, classificado como Serviço de proteção Social Especial de Alta Complexidade. DESCRIÇÃO A entidade prestou em

Leia mais

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO

ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO ANEXO I PROGRAMA ESTADUAL DE PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA E ESPECIAL, DA REDE SOCIAL SÃO PAULO I- DA PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA. II- DA PROTEÇÃO SOCIAL ESPECIAL. III- DO CO-FINANCIAMENTO E DOS REQUISITOS, PARA O

Leia mais

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES

INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES ANEXO I ROTEIRO PARA INSPEÇÃO PERÍODICA 1 DOS SERVIÇOS DE ACOLHIMENTO Data: / / INSTITUCIONAL PARA CRIANÇAS E ADOLESCENTES Modalidade: ( ) Acolhimento Institucional ( ) Casa Lar 1 - DADOS GERAIS 1.1. Nome

Leia mais

ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS

ANEXO II AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS ANEXO II "AÇÕES DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO E DE FORTALECIMENTO DA RAPS" INTEGRANTES, OU A SEREM INCLUÍDAS, NO PLANO DE AÇÃO DA RAPS EQUIPE DE DESINSTITCUIONALIZAÇÃO - MODALIDADE: VALOR DO PROJETO: 1. DADOS

Leia mais

1.3. Do Diretor responsável pelo projeto da Escola de Educação Infantil Madre Paula

1.3. Do Diretor responsável pelo projeto da Escola de Educação Infantil Madre Paula RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2014 1- IDENTIDADE DO INSTITUTO MADRE PAULA ELIZABETE CERIOLI 1.1 - Da Entidade Social Nome: INSTITUTO MADRE PAULA ELIZABETE CERIOLI Endereço: CEP: 06653-020 Tel: (011) 4141-2017

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA

II SEMINÁRIO ESTADUAL DA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA II SEMINÁRIO ESTADUAL DA CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA FLORIANÓPOLIS/SC Junho 2010 Júlio César V Guimarães O Reordenamento Institucional da Liga das Senhoras Católicas de São Paulo Educandário Dom

Leia mais

Melhor em Casa Curitiba-PR

Melhor em Casa Curitiba-PR Melhor em Casa Curitiba-PR ATENÇÃO DOMICILIAR Modalidade de Atenção à Saúde, substitutiva ou complementar às já existentes, caracterizada por um conjunto de ações de promoção à saúde, prevenção e tratamento

Leia mais

O COMPROMISSO DE CUIDAR BEM DE QUEM MAIS PRECISA

O COMPROMISSO DE CUIDAR BEM DE QUEM MAIS PRECISA O COMPROMISSO DE CUIDAR BEM DE QUEM MAIS PRECISA DEDICADO AO POVO DE UBERLÂNDIA, AOS SERVIDORES MUNICIPAIS E A TODAS AS PESSOAS QUE TRABALHAM PELO BEM DA NOSSA GENTE. Uberlândia-MG, janeiro de 2012. BemSocial.

Leia mais

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas:

Em resumo, trata-se de seis (6) modalidades de serviços de 24 horas: MORADIA ASSISTIDA OBJETIVO GERAL: Garantir o acolhimento institucional de pessoas em situação de rua abordadas pelo projeto Centro Legal, servindo de referência como moradia para os em tratamento de saúde

Leia mais

Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas

Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas Hospital do Coração Impactos do Programa de Qualidade de Vida na Gestão de Pessoas Rosa Bosquetti Coordenadora de Enfermagem Unidade Coronariana O Hospital O Hospital O Hospital HCor: missão, visão e valores

Leia mais

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas

Oficinas de tratamento. Redes sociais. Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Oficinas de tratamento Redes sociais Centros de Atenção Psicossocial Álcool e drogas Irma Rossa Médica Residência em Medicina Interna- HNSC Médica Clínica- CAPS ad HNSC Mestre em Clínica Médica- UFRGS

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2008

PLANO DE TRABALHO 2008 PLANO DE TRABALHO 2008 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1.1. NOME DA ENTIDADE: Casa de Nazaré Centro de Apoio ao Menor 1.2. Endereço: Rua Coronel Timóteo nº 350 1.3. Bairro: Cristal 1.4. Região CORAS: 05 1.5.

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Proposta de Serviços de Convivência e Fortalecimento de Vínculos Proteção Social Básica do SUAS BLOCO I - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO NOME DA ENTIDADE: TIPO DE SERVIÇO: ( ) de convivência para crianças de 3

Leia mais

SANTOS. Habitantes: 419.400 População Idosa: 80.353 (19,2%)

SANTOS. Habitantes: 419.400 População Idosa: 80.353 (19,2%) SANTOS Habitantes: 419.400 População Idosa: 80.353 (19,2%) Fonte: IBGE 2010 PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS SECRETARIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SEÇÃO REPÚBLICAS REPÚBLICA PARA IDOSOS Definição Modelo de atendimento

Leia mais

Seminário Estadual. 4.ºRelatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM)

Seminário Estadual. 4.ºRelatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Seminário Estadual 4.ºRelatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Escola da Gestante DrªZilda Arns Apucarana João Carlos de Oliveira Prefeito Municipal Escola

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação

Mostra de Projetos 2011. Projovem em Ação Mostra de Projetos 2011 Projovem em Ação Mostra Local de: Londrina. Categoria do projeto: Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa: Prefeitura Municipal Santa Cecilia

Leia mais

Manual de Acolhimento. Lar de Idosos. Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo

Manual de Acolhimento. Lar de Idosos. Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo Manual de Acolhimento Lar de Idosos da Santa Casa da Misericórdia de Angra do Heroísmo Rua Professor Augusto Monjardino 9700-020 Angra do Heroísmo Telefone:

Leia mais

Ficha de Protocolo. Aplicável a: Sócios/as e respetivos familiares, ascendentes e descendentes (cônjuge, filhos, pais e sogros)

Ficha de Protocolo. Aplicável a: Sócios/as e respetivos familiares, ascendentes e descendentes (cônjuge, filhos, pais e sogros) Ficha de Protocolo Resumo do Protocolo Entidade: Miminho aos Avós Unidade de Torres Vedras Local: Área da Grande Lisboa Serviços/Produtos: Apoio domiciliário e cuidados geriátricos, bem como acesso aos

Leia mais

Projeto Pequenas Damas

Projeto Pequenas Damas Mostra Local de: Arapongas Projeto Pequenas Damas Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Associação das Damas de Caridade de Arapongas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO PAULISTA

PREFEITURA MUNICIPAL DO PAULISTA ANEXO I QUADRO DE VAGAS I - PARA A SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE EMPREGO / FORMAÇÃO TOTAL DE VAGAS VAGAS RESERVADA S P / PCD ANALISTA AMBIENTAL FORMAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL 01 - ANALISTA AMBIENTAL FORMAÇÃO

Leia mais

SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M

SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M SERVI O SOCIAL NOVA JERUSAL M Jardim das Paineiras Campinas/SP - Brasil - CEP.: 13.091-107 Fone.(19) 3255-8350 e-mail: falecom@ssnjcamp.org CNPJ: 67.170993/0001-10 Site: www.ssnjcamp.org SERVI O SOCIAL

Leia mais

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília

Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Departamento de Assistência Social DAS Unidade Brasília Programas e Serviços de Atenção à População em Situação de Vulnerabilidade Social, Econômica e Pessoal Brasília, Maio de 2013. Apresentação A Federação

Leia mais

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário

Plano Anual de Atividades. Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário 2015 CENTRO SOCIAL DA SÉ CATEDRAL DO PORTO Plano Anual de Atividades Resposta Social: Serviço de Apoio Domiciliário Porto, 2015 Índice Introdução 2 Serviço de Apoio Domiciliário SAD 3 Princípios/regras

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE

2. APRESENTAÇÃO DA ENTIDADE 1. APRESENTAÇÃO DO PROJETO Resumo executivo: O presente projeto solicita ao CMDCA recursos financeiros para aportar custos de manutenção da Aldeias Infantis SOS - Porto Alegre, cujo o foco do trabalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA AO IDOSO USUÁRIO

AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA AO IDOSO USUÁRIO AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA AO IDOSO USUÁRIO Regina Irene Diaz Moreira Formiga UNIPE- reginaformiga@yahoo.com.br A Política Nacional do Idoso 1 assevera que

Leia mais

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012

RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 RECOMENDAÇÃO ADMINISTRATIVA nº 01/2012 CONSIDERANDO: 1. A existência do Procedimento Preparatório n. 0089.11.000011-7, cujo objeto é apurar eventual irregularidade em casa de abrigo para idosos na Rua

Leia mais

Pequeno Cotolengo Paranaense PROJETO ADOTE UM LEITO - Promovendo a garantia de direitos de crianças e adolescentes com deficiências múltiplas.

Pequeno Cotolengo Paranaense PROJETO ADOTE UM LEITO - Promovendo a garantia de direitos de crianças e adolescentes com deficiências múltiplas. Pequeno Cotolengo Paranaense PROJETO ADOTE UM LEITO - Promovendo a garantia de direitos de crianças e adolescentes com deficiências múltiplas. Missão Melhorar a qualidade de vida proporcionando inclusão

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL. Anna Cláudia Rodrigues Alves. Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL. Anna Cláudia Rodrigues Alves. Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF HOSPITAL UNIVERSITÁRIO HU/UFJF SERVIÇO SOCIAL Anna Cláudia Rodrigues Alves Chefe do Serviço Social HU/UFJF Mestre em Saúde Coletiva / UFJF FALSO VERDADES E INVERDADES SOBRE O SERVIÇO SOCIAL VERDADEIRO

Leia mais

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15

Instituições. Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade. Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições Módulo II Organizações de Apoio à Comunidade Disciplina Ação Social VAS - 2014/15 Instituições O que é uma instituição? Estabelecimento de utilidade pública, organização ou fundação Organização

Leia mais

Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal

Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal Maria Tertuliana de Souza Oliveira Secretária Municipal Assistência Social Contexto Histórico Perde o caráter Assistencialista e passa ser Direito de acordo com critérios estabelecidos por Lei ( LOAS no

Leia mais

1. UNIDADE CONVENENTE: SECRETARIA MUNICIPAL DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME (SETRA)

1. UNIDADE CONVENENTE: SECRETARIA MUNICIPAL DE TRABALHO, DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME (SETRA) ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇO DE ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL PARA JOVENS E ADULTOS COM DEFICIÊNCIA, EM SITUAÇÃO DE DEPENDÊNCIA RESIDÊNCIA INCLUSIVA 1. UNIDADE CONVENENTE: SECRETARIA MUNICIPAL DE TRABALHO,

Leia mais

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II

I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II I Seminário Internacional de Atenção Primária em Saúde de São Paulo PARTE II DESENVOLVIMENTO DO PROJETO EM 2009 Objetivos: REUNIÕES TÉCNICAS DE TRABALHO PactuaçãodoPlanodeTrabalhoedoPlanodeAções Desenvolvimento

Leia mais

ANEXO I Descrição dos Cargos

ANEXO I Descrição dos Cargos ANEXO I Descrição dos Cargos DESCRIÇÃO: 1. - Auxiliar de Enfermagem: Prestar cuidados diretos de enfermagem ao paciente, por delegação e sob a supervisão do enfermeiro e do médico. Administrar medicação

Leia mais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais GERENCIAMENTO de Casos Especiais Gerenciamento de Casos Especiais.indd 1 19/10/2015 15:32:28 Gerenciamento de Casos Especiais Objetivo: Facilitar o atendimento aos clientes que apresentam dificuldades

Leia mais

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO

PREFEITURA DE MONTES CLAROS SECRETARIA MUNCIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO 1ª RETIFICAÇÃO DO EDITAL Nº 004/2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA DE PESSOAL PARA ATENDER A RECENSEAMENTO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA E A DIVERSOS OUTROS PROGRAMAS E SERVIÇOS

Leia mais

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Viana - COMDICAVI Lei Municipal Nº. 1214/94

Conselho Municipal dos Direitos da Criança e Adolescente de Viana - COMDICAVI Lei Municipal Nº. 1214/94 EDITAL Nº. 01/2014 - COMDICAVI Dispõe sobre o chancelamento de projetos das entidades não governamentais e órgãos governamentais de atendimento à criança e ao adolescente, para financiamento com recursos

Leia mais

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI

AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE NAS ILPI Sylvia Elisabeth Sanner - Nutricionista PMSP SMS - CRSSul STS Santo Amaro/Cidade Ademar SUVIS Santo Amaro/Cidade Ademar Vigilância Sanitária VIGILÂNCIA SANITÁRIA Divide-se

Leia mais

PROJETO MATURIDADE ATIVA: PROTEÇÃO E ATENÇÃO INTEGRAL AOS IDOSOS DA SPAAN

PROJETO MATURIDADE ATIVA: PROTEÇÃO E ATENÇÃO INTEGRAL AOS IDOSOS DA SPAAN SOCIEDADE PORTO-ALEGRENSE DE AUXILIO AOS NECESSITADOS SPAAN PROJETO MATURIDADE ATIVA: PROTEÇÃO E ATENÇÃO INTEGRAL AOS IDOSOS DA SPAAN Porto Alegre, março de 20. 1- DADOS DA INSTITUIÇÃO 1.1 Identificação

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS A sistematização que segue refere-se aos pontos trabalhados pelo grupo, no sentido de ativar a reflexão de questões que seriam tratadas no Encontro Estadual dos Trabalhadores do SUAS, realizado dia 16

Leia mais

Manual de Orientação ao Cliente

Manual de Orientação ao Cliente Manual de Orientação ao Cliente Prezado Cliente O Hospital IGESP reúne em um moderno complexo hospitalar, os mais avançados recursos tecnológicos e a excelência na qualidade do atendimento prestado por

Leia mais

CADASTRO DE ADESÃO DAS ENTIDADES SOCIAIS

CADASTRO DE ADESÃO DAS ENTIDADES SOCIAIS Prezado Responsável Legal, CADASTRO DE ADESÃO Pedimos a gentileza de preencher e rubricar todas as páginas deste formulário e apresentar os seguintes documentos para conferência no Programa Mesa Brasil

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Conselho Estadual do Idoso de Minas Gerais

Conselho Estadual do Idoso de Minas Gerais Conselho Estadual do Idoso de Minas Gerais O Conselho Estadual do Idoso - CEI - foi criado pela Lei nº 13.176 de 20 de janeiro de 1999, como um órgão deliberativo e controlador das políticas e das ações

Leia mais

PLANO VIVER SEM LIMITE

PLANO VIVER SEM LIMITE PLANO VIVER SEM LIMITE O Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência PLANO VIVER SEM LIMITE 2011-2014 foi instituído por meio do Decreto da Presidência da República nº 7.612, de 17/11/2011 e

Leia mais

BLOCO 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO

BLOCO 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO QUESTIONÁRIO DAS INSTITUIÇÕES DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS NDF INSTITUIÇÃO IN Entrevistador (a): Supervisor(a): Data da entrevista: Nome da Instituição: Endereço completo (Rua, Av., etc., número):

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO

PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO PROJETO PARA A PINTURA DO PRÉDIO IDENTIFICAÇÃO O Centro de Valorização da Criança, também designado pela sigla CEVAC, constituído em dez de setembro de 1987, é uma Entidade Filantrópica sem fins lucrativos,

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/9 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apoios Sociais Pessoas com Deficiência

Leia mais

Centro POP Infraestrutura

Centro POP Infraestrutura CENTRO POP Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua Centro POP Infraestrutura Onde deve ser localizado o Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua

Leia mais

Anexo I Atribuições e Requisitos dos Empregos

Anexo I Atribuições e Requisitos dos Empregos 15 Anexo I Atribuições e Requisitos dos Empregos SÍNTESE DOS DEVERES E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGOS 1. ATRIBUIÇÕES COMUNS: 1.1 Aos empregos de nível fundamental, médio e técnico: - Participar de atividades

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE FUNDAÇÃO ASSISTÊNCIA SOCIAL E CIDADANIA 1 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PROJETO TÉCNICO: ACESSUAS TRABALHO / PRONATEC EQUIPE RESPONSÁVEL: Proteção Social Básica PERÍODO: Setembro

Leia mais

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa

Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Santa Casa da Misericórdia de Lisboa Gabinete de Promoção do Voluntariado Diretora Luísa Godinho EVOLUÇÃO HISTÓRICA VOLUNTARIADO na SCML 1498 Fundação Compromisso assumido por 100 homens bons 1998 Publicação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL 1252 Diário da República, 1.ª série N.º 42 2 de março de 2015 ANEXO Montantes dos apoios a atribuir à «Manutenção e recuperação de galerias ripícolas» (a que se refere o n.º 1 do artigo 13.º) Escalões

Leia mais

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica

Serviços de Proteção Social Básica Dados sobre os serviços de Proteção Social Básica SECRETARIA MUNICIPAL DE POLITICAS SOCIAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Belo Horizonte, 05 de fevereiro de 2010. Prezado Senhor, A Secretaria Municipal Adjunta de Assistência Social,

Leia mais

Asilo. São Vicente de Paulo. Há 88 anos atendendo à população de Curitiba e Região. Socialização e atendimento humanizado.

Asilo. São Vicente de Paulo. Há 88 anos atendendo à população de Curitiba e Região. Socialização e atendimento humanizado. Socialização e atendimento humanizado A tipificação Nacional dos Serviços Socioassistencias estabelece que o atendimento no Asilo São Vicente de Paulo é de Proteção Social Especial de Alta Complexidade.

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência

Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Segurança e Manutenção das Atividades da APAE/DF em benefício dos Programas de Autogestão da Pessoa com Deficiência Proposta de Parceria BRASÍLIA, JUNHO DE 2011. Nome do Projeto Segurança e Manutenção

Leia mais

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS

PAIF. Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Secretaria Nacional de Assistência Social Programa de Atenção Integral à Família - PAIF CRAS PAIF IMPORTANTE INTERRELAÇÃO ENTRE PAIF E CRAS CRAS O

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA VIII Jornada de Estágio de Serviço Social A PRÁTICA PROFISSIONAL DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS - APAE DE PALMEIRA Apresentador: Mayara Lucia Martins. MARTINS, Mayara

Leia mais

Relatório de Atividades

Relatório de Atividades 1 Relatório de Atividades 2013 2 1- Identificação Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil (GPACI) Rua Antônio Miguel Pereira, 45 Jardim Faculdade Sorocaba São Paulo CEP: 18030-250 Telefone:

Leia mais

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO

CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO CENTRO SOCIAL PAROQUIAL DE OEIRAS LAR DE IDOSOS REGULAMENTO Artigo 1º CAPÍTULO I Disposições Gerais Âmbito O Centro Social Paroquial de Oeiras é uma Instituição Particular de Solidariedade Social com cariz

Leia mais

CENSO SUAS 2015 Questionário Centros de Convivência

CENSO SUAS 2015 Questionário Centros de Convivência As informações declaradas pelo agente público neste questionário possuem Fé Pública e constituem registros administrativos do Sistema Único de Assistência Social. O fornecimento de informações inverídicas

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012

CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO. Caio Nakashima Março 2012 CECAD Consulta Extração Seleção de Informações do CADÚNICO Caio Nakashima Março 2012 Introdução O Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal é o principal instrumento de identificação e seleção

Leia mais

ANEXO II - DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS - DO CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO

ANEXO II - DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS - DO CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO ANEXO II - DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS - DO CARGO DE AGENTE ADMINISTRATIVO - recepcionar e atender ao público usuário dos programas, projetos e serviços da assistência, procurando identificá-las, tomando

Leia mais

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS

GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS GUIA PRÁTICO RESPOSTAS SOCIAIS POPULAÇÃO ADULTA PESSOAS IDOSAS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/10 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Respostas Sociais População

Leia mais

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde

O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde O Nutricionista nas Políticas Públicas: atuação no Sistema Único de Saúde Patrícia Constante Jaime CGAN/DAB/SAS/MS Encontro sobre Qualidade na Formação e Exercício Profissional do Nutricionista Brasília,

Leia mais

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida.

Cada utente é um ser Humano único, pelo que respeitamos a sua pessoa, os seus ideais, as suas crenças, a sua história e o seu projecto de vida. 1. APRESENTAÇÃO DA INSTITUIÇÃO A Casa do Povo de Alvalade foi criada em 1943, por grupo informal de pessoas, na tentativa de dar resposta às necessidades das pessoas que a esta se iam associando. Com o

Leia mais

1 Campanha do Agasalho

1 Campanha do Agasalho 1 Campanha do Agasalho A Cruz Vermelha de São Paulo encerrou, no dia 31 de julho, a Campanha do Agasalho 2011, que beneficiou quatro comunidades de São Paulo: Vila Brasilândia, Jardim Pantanal, Parelheiros

Leia mais

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade

Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização com Qualidade PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE DIRETORIA GERAL DE REGULAÇÃO DO SISTEMA GERÊNCIA DE ATENÇÃO BÁSICA Recife em Defesa da Vida Agosto, 2012 VI Seminário Internacional de Atenção Básica Universalização

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

EU SOU VOLUNTÁRIO! EU SOU CIDADÃO SOLIDÁRIO! Ser voluntário é um ato de cidadania ativa e responsável.

EU SOU VOLUNTÁRIO! EU SOU CIDADÃO SOLIDÁRIO! Ser voluntário é um ato de cidadania ativa e responsável. Mais informações em www.cm-leiria.pt/pages/431, através do email accao.social@cm-leiria.pt ou nos Serviços de ação social do Município de Leiria EU SOU VOLUNTÁRIO! EU SOU CIDADÃO SOLIDÁRIO! Ser voluntário

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL PREFEITURA MUNICIPAL DE NATAL Lei Nº 05129/99 Tipo: LEI ORDINÁRIA Autor: CHEFE DO EXECUTIVO MUNICIPAL Data: (13/9/1999) Classificação: REGULAMENTAÇÃO Ementa: Dispõe sobre a Política Municipal do idoso,

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO 2011 CURSO RESPONSÁVEL PELO PROJETO

PROJETOS DE EXTENSÃO 2011 CURSO RESPONSÁVEL PELO PROJETO ATENÇÃO À CRIANÇA (S) DE EXECUÇÃO E FREQUÊNCIA Projeto Sorriso Visa proporcionar às crianças internas e usuárias do PSF do Crianças da Casa de Passagem e do PSF Santa Rita bairro Santa Rita o conhecimento

Leia mais

Processo Seletivo Para atuar no CAPS (Centro de Apoio Psicossocial) Para Vagas em Aberto e Formação de Cadastro Reserva

Processo Seletivo Para atuar no CAPS (Centro de Apoio Psicossocial) Para Vagas em Aberto e Formação de Cadastro Reserva Processo Seletivo Para atuar no CAPS (Centro de Apoio Psicossocial) Para Vagas em Aberto e Formação de Cadastro Reserva Categoria Vagas Vagas Pessoas com Deficiência Carga Horária Semanal Vencimento Mensal

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Resolução nº 12/2009 fls. 1 RESOLUÇÃO nº 12 DE 22 DE OUTUBRO DE 2009 Altera a Resolução 06/2007 que trata do Regimento do Restaurante Escola da UFPel. O Presidente do Conselho Coordenador do Ensino, da

Leia mais

Técnico Auxiliar de Saúde

Técnico Auxiliar de Saúde Técnico Auxiliar de Saúde Trabalho elaborado por: Luís Damas Índice Introdução... 3 Técnico Auxiliar de Saúde... 4 O que faz o Técnico Auxiliar de Saúde?... 4 As atividades principais a desempenhar por

Leia mais

EXIGÊNCIAS MÍNIMAS VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA TODOS ESTABELECIMENTOS INSTALAÇÃO INDEPENDENTE DA MORADIA EDIFICAÇÃO DE ALVENARIA ANEXO 8 (COM TELEFONE DO CONTRIBUINTE) LAUDO DESINSETIZAÇÃO/DESRATIZAÇÃO/LIMPEZA

Leia mais

Certificado COMTIBA Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente / Captação de Recursos FMCA

Certificado COMTIBA Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente / Captação de Recursos FMCA Certificado COMTIBA Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente / Captação de Recursos FMCA 2 1 Identificação 3 2 Cenário 3 3 Apresentação da Entidade 4 3.1 Histórico da Entidade e Data

Leia mais

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012.

RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. RESOLUÇÃO COFFITO Nº 418, DE 4 DE JUNHO DE 2012. Diário Oficial da União nº 109, de 6 de Junho de 2012 (quarta-feira) Seção 1 Págs. 227_232 Entidades de Fiscalização do Exercício das Profissões Liberais

Leia mais

Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar

Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar COORDENAÇÃO-GERAL DE ATENÇÃO DOMICILIAR DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA/DAB Passo-a-passo para Implantação das Equipes de Atenção Domiciliar Ação: Ampliação e qualificação da atenção domiciliar. Para quem:

Leia mais

AMIM PROJETO SOCIAL FUNDO MUNICIPAL DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ORÇAMENTO IDOSO

AMIM PROJETO SOCIAL FUNDO MUNICIPAL DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ORÇAMENTO IDOSO AMIM PROJETO SOCIAL FUNDO MUNICIPAL DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ORÇAMENTO IDOSO 2016 PLANO DE TRABALHO 1 DADOS CADASTRAIS DO TOMADOR INSTITUIÇÃO PROPONENTE CNPJ AMIM Associação da Melhor Idade de Mandaguari

Leia mais