ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 02/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 02/2013"

Transcrição

1 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 02/2013 Aos: Senhores(as) Secretários(as) Municipais de Assistência Social e Conselheiros Municipais de Assistência Social. Referente: Elaboração do Plano Municipal de Assistência Social. A necessidade de incorporação, pela Política Municipal de Assistência Social, de práticas e execução de serviços planejados, baseadas em diagnósticos e estudos de realidade social, exige a elaboração do Plano Municipal de Assistência Social. Tal exigência é estabelecida pela Lei Orgânica de Assistência Social LOAS, em seu Art. 30. Ainda, a NOB/SUAS 2012, reforça a necessidade da sua elaboração, Art. 18. O Plano de Assistência Social, de que trata o art. 30 da LOAS, é um instrumento de planejamento estratégico que organiza, regula e norteia a execução da PNAS na perspectiva do SUAS nos municípios. A responsabilidade de elaboração do Plano de Assistência Social é do Órgão Gestor da Política Secretaria Municipal de Assistência Social, que submete a aprovação do Conselho Municipal de Assistência Social CMAS. O Plano constitui instrumento técnico e político, estratégico para a descentralização democrática da Assistência Social, envolvendo no processo de elaboração os trabalhadores do SUAS, as entidades de Assistência Social, inscritas no CMAS, os usuários atendidos por está política pública, e os conselheiros municipais de Assistência Social, atores importantes do processo de definições de prioridades. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão elaborar os respectivos Planos de Assistência Social a cada 4 (quatro) anos, de acordo com os períodos de elaboração do Plano Plurianual - PPA. ¹ Orientação Técnica elaborada a partir da Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social NOB/SUAS 2012 e do Caderno do CapacitaSUAS, Volume 3 Planos de Assistência Social: Diretrizes para elaboração, ambos documentos do Ministério do Desenvolvimento Social MDS.

2 Considerando que o Estado de Santa Catarina, em reunião da CIB realizada em 27 de fevereiro, pactuou o encaminhamento dos Planos Municipais de Assistência Social para a Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação SST, até o final do mês de setembro, colaborando no processo de elaboração deste instrumento de planejamento por parte dos municípios, sugerimos o roteiro abaixo para a apresentação do Plano Municipal de Assistência Social, o qual contempla os componentes básicos determinados pela NOB/SUAS Florianópolis/SC, 11 de março de Janice Merigo Mestre em Serviço Social Assistente Social da FECAM CRESS/SC 2514 Federação Catarinense de Municípios FECAM Rua Santos Saraiva, Estreito Florianópolis/SC

3 PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL I. Identificação 1.1.Plano Municipal de Assistência Social Vigência: Período de elaboração: Responsáveis pela elaboração: Nome Representação (CMAS, Órgão Gestor, CRAS, CREAS, Usuários, Entidades...) Nome do responsável para contato: Telefone: Prefeitura Municipal Município: Nome do Gestor Municipal (Prefeito): Nível de Gestão: ( ) Inicial ( )Básica ( ) Plena Porte do Município: ( ) Pequeno Porte I ( ) Pequeno Porte II ( ) Médio Porte ( ) Grande Porte Endereço da Prefeitura: Rua: Bairro: Número: CEP: Telefone: Site: 1.3.Secretaria Municipal de Assistência Social Nome do Órgão Gestor (Secretaria): Nome do Gestor Municipal (Secretário/a): Endereço da Prefeitura: Rua:

4 Bairro: CEP: Número: Telefone: Site: 1.4.Fundo Municipal de Assistência Social Nome do Gestor do FMAS: Lei de Criação do FMAS: CNPJ: Fontes de Recursos: ( ) Federal ( ) Estadual ( ) Municipal 1.5.Conselho Municipal de Assistência Social Nome do Presidente: Possui Secretaria Executiva: ( ) Sim ( ) Não O Secretário(a) Executivo(a) possui nível superior: ( ) Sim ( ) Não Nome: Telefone: Conselheiros Governamentais: Nome Secretaria que representa Conselheiros da Sociedade Civil: Nome Segmento que representa (usuários, entidades e/ou categoria de trabalhadores) Ações desenvolvidas pelo CMAS, conforme suas atribuições: O CMAS é a Instância de Controle Social do Programa Bolsa Família: ( ) Sim ( ) Não Endereço: Rua: Bairro: Número: CEP: Telefone: Site:

5 II. Introdução Na introdução é importante discorrer sobre como foi elaborado o Plano Municipal de Assistência Social, por quem, de que forma (reuniões ampliadas, plenárias do CMAS, reuniões com usuários). As facilidades e dificuldades do processo, sua contribuição na condução e aperfeiçoamento da gestão da política de Assistência Social. III. Diagnóstico socioterritorial Conforme página 39 do Caderno Volume 3 CapacitaSUAS (anexo) IV. Objetivos gerais e específicos Conforme página 54 do Caderno Volume 3 CapacitaSUAS (anexo) V. Diretrizes e prioridades deliberadas Conforme página 55 do Caderno Volume 3 CapacitaSUAS (anexo) Gestão VI. Ações e estratégias correspondentes para sua implementação Ações Estratégias Proteção Social Básica Ações Estratégias Proteção Social Especial de Média Complexidade Ações Estratégias

6 Proteção Social de Alta Complexidade Ações Estratégias Benefícios Eventuais Descrição (Decreto nº 6.307, de 14 de dezembro de 2007) 1.Auxilio Funeral ( ) Pecúnia ( )Bens materiais 2.Auxílio natalidade ( ) Pecúnia ( )Bens materiais 3.Calamidade Pública Cestas básicas Fotos para documentação 4.Vulnerabilidade Temporária Aluguel social Fotos para documentação O município conta com Lei Municipal que institui os benefícios eventuais: ( ) Sim ( ) Não VII. Metas estabelecidas Conforme página 56 do Caderno Volume 3 CapacitaSUAS (anexo) Gestão Ações Metas Quantificação, número de famílias indivíduos em atendimento, considerando a necessidade de ampliação Proteção Social Básica Ações Metas Quantificação, número de famílias indivíduos em atendimento, considerando a necessidade de ampliação

7 Proteção Social Especial de Média Complexidade Ações Metas Quantificação, número de famílias indivíduos em atendimento, considerando a necessidade de ampliação Proteção Social Especial de Alta Complexidade Ações Metas Quantificação, número de famílias indivíduos em atendimento, considerando a necessidade de ampliação Benefícios Eventuais Descrição (Decreto nº 6.307, de 14 de dezembro de 2007) Auxilio Funeral Auxílio natalidade Calamidade Pública Cestas básicas Fotos para documentação Vulnerabilidade Temporária Aluguel social Fotos para documentação VIII. Resultados e impactos esperados IX. Recursos materiais, humanos e financeiros disponíveis e necessários Recursos DISPONÍVEIS: HUMANOS

8 Secretaria Municipal de Assistência Social Categoria Profissional Insira o número de profissionais conforme forma de contratação Efetivos Processo Seletivo Comissionados Assistente Social Psicólogo Pedagogo Orientadores Sociais (educadores, monitores, cuidadores) Auxiliar administrativo Operadores de cadastro único Secretário Diretores Gerentes Coordenadores Estagiários Recepcionistas Telefonistas Motoristas Outros Total Proteção Social Básica CRAS Categoria Profissional Insira o número de profissionais conforme forma de contratação Efetivos Processo Seletivo Comissionados Assistente Social Psicólogo Orientadores Sociais (educadores, monitores, cuidadores) Auxiliar administrativo Coordenador Estagiários Recepcionista Motorista Outros Total

9 Proteção Social Especial de Média Complexidade Categoria Profissional Insira o número de profissionais conforme forma de contratação Efetivos Processo Seletivo Comissionados Assistente Social Psicólogo Advogado Orientadores Sociais (educadores, monitores, cuidadores) Auxiliar administrativo Coordenador Estagiários Recepcionista Motorista Outros Total Proteção Social Especial de Alta Complexidade (organizar por equipamentos conforme cada município) Categoria Profissional Insira o número de profissionais conforme forma de contratação Efetivos Processo Seletivo Comissionados Assistente Social Psicólogo Orientadores Sociais (educadores, monitores, cuidadores) Auxiliar administrativo Coordenador Estagiários Recepcionista Motorista Outros Total MATERIAIS

10 FINANCEIROS Recursos NECESSÁRIOS: HUMANOS Secretaria Municipal de Assistência Social Categoria Profissional Insira o número de profissionais conforme forma de contratação Efetivos Processo Seletivo Comissionados Assistente Social Psicólogo Pedagogo Orientadores Sociais (educadores, monitores, cuidadores) Auxiliar administrativo Operadores de cadastro único Secretário Diretores Gerentes Coordenadores Estagiários Recepcionistas Telefonistas Motoristas Outros Total Proteção Social Básica CRAS Categoria Profissional Insira o número de profissionais conforme forma de

11 contratação Efetivos Processo Seletivo Comissionados Assistente Social Psicólogo Orientadores Sociais (educadores, monitores, cuidadores) Auxiliar administrativo Coordenador Estagiários Recepcionista Motorista Outros Total Proteção Social Especial de Média Complexidade Categoria Profissional Insira o número de profissionais conforme forma de contratação Efetivos Processo Seletivo Comissionados Assistente Social Psicólogo Advogado Orientadores Sociais (educadores, monitores, cuidadores) Auxiliar administrativo Coordenador Estagiários Recepcionista Motorista Outros Total Proteção Social Especial de Alta Complexidade (organizar por equipamentos conforme cada município) Categoria Profissional Insira o número de profissionais conforme forma de contratação Efetivos Processo Seletivo Comissionados Assistente Social

12 Psicólogo Orientadores Sociais (educadores, monitores, cuidadores) Auxiliar administrativo Coordenador Estagiários Recepcionista Motorista Outros Total MATERIAIS FINANCEIROS X. Mecanismos e fontes de financiamento Conforme página 57 do Caderno Volume 3 CapacitaSUAS (anexo) Planilhas que serão trabalhadas na Capacitação ofertada pela FECAM aos municípios, Planejamento orçamentário da Assistência Social (com base no PPA ) ANO Planejamento orçamentário do município (em reais) Orçamento da Assistência Social (em reais) Percentual da Assistência Social em Relação ao Orçamento do Município

13 Planejamento Orçamentário da Assistência Social (com base no PPA 2014/1017 Detalhamento das Fontes e Elementos de Despesas) Planejamento Orçamentário (em reais) Secretaria Municipal de Assistência Social Despesas Correntes Fonte (Municipal, Estadual, Federal) Total Geral Despesas de Capital Fonte (Municipal, Estadual, Federal) Total Geral Total Geral Fonte (Municipal, Estadual, Federal) Total Geral Orçamento Mensal do Governo Federal destinado ao Município.

14 Incentivo Ação Orçamentária Teto Financeiro IGD- Índice de Gestão Descentralizada do Bolsa Família Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família Proteção Social Básica Valor Proteção Social Especial Valor Orçamento Anual de Repasse de Recursos do Governo do Estado de Santa Catarina Proteção Especial de Média Complexidade Valor Proteção Social Especial de Alta Complexidade Valor

15 Benefícios Eventuais Valor XI. Cobertura da rede prestadora de serviços Conforme página 50 do Caderno Volume 3 CapacitaSUAS (anexo) 11.1.Equipamentos Públicos Equipamento Proteção Social Básica Nº de Famílias Atendidas e/ou Acompanhadas Equipamento Proteção Social Especial de Média Complexidade Nº de Famílias Atendidas e/ou Acompanhadas Equipamento Proteção Social Especial de Alta Complexidade Nº de Famílias Atendidas e/ou Acompanhadas 11.2.Rede Socioassistencial Nome da entidade Forma de inscrição no CMAS Nível de proteção Descrição das principais ações ( )Entidade ( ) Serviço ( ) Programa ( ) Projeto ( )Benefício ( ) Entidade ( ) Serviço ( ) Programa ( ) Projeto ( )Benefício ( ) Entidade ( ) Serviço ( ) Programa ( ) Projeto ( )Benefício ( ) Básica ( ) Média Complexidade ( ) Alta Complexidade ( ) Básica ( ) Média Complexidade Entidade ( ) Serviço ( ) Alta

16 ( ) ( ) Programa ( ) Projeto ( )Benefício Entidade ( ) ( ) Serviço ( ) Programa ( ) Projeto ( )Benefício Complexidade ( ) Básica 11.3.Equipamentos das Demais Políticas Públicas Saúde Unidades de Saúde Educação Escolas Municipais XII. Indicadores de monitoramento e avaliação Conforme página 63 do Caderno Volume 3 CapacitaSUAS (anexo) Níveis de Proteção Instrumentos Periodicidade Gestão Proteção Social Especial de Média Complexidade Proteção Social Especial de Alta Complexidade Proteção Social Especial de Média XIII. Espaço temporal de execução Ações XIV. Aprovação do CMAS Parecer do Conselho Municipal de Assistência Social Data da assembleia de deliberação: Número da Resolução: Nome do Presidente: Assinatura:

17

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2014/2017 FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas PPA ASSISTÊNCIA SOCIAL ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social. Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social Orientações para a realização das Conferências Municipais de Assistência Social Programação da conferência poderá incluir: 1. Momento de Abertura, que contará

Leia mais

Seminário Cenários e Perspectivas do SUAS em Minas Gerais

Seminário Cenários e Perspectivas do SUAS em Minas Gerais Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social - SEDESE Subsecretaria de Assistência Social - SUBAS Seminário Cenários e Perspectivas do SUAS em Minas Gerais Março de 2009 Política de Assistência Social

Leia mais

Secretaria Nacional de Assistência Social Novembro/2012

Secretaria Nacional de Assistência Social Novembro/2012 Secretaria Nacional de Assistência Social Novembro/ PLANEJAMENTO E GESTÃO FINANCEIRA NO SUAS: A NOVA NOB Norma Operacional Básica da Assistência Social NOB SUAS/2005 Resolução CNAS nº 130, de 15 /07/2005;

Leia mais

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS

Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS Curitiba, 11 de junho de 2010. Orientação sobre Plano de Ação e Demonstrativo Sintético Anual de execução físico-financeira do SUAS 1. SUAS WEB O SUAS-Web é um sistema informatizado que o Ministério do

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012. Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas Objetivos: Traduzem os resultados que se pretende atingir com a execução

Leia mais

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015

LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 LEI N.º 7.390, DE 6 DE MAIO DE 2015 Institui o Sistema Municipal de Assistência Social do Município de Santo Antônio da Patrulha e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL de Santo Antônio da Patrulha,

Leia mais

A Gestão e o Financiamento na

A Gestão e o Financiamento na IX Conferência Nacional de Assistência Social A Gestão e o Financiamento na efetivação do SUAS Por: Sandra Manes SUAS Sistema público não contributivo, descentralizado e participativo que tem por função

Leia mais

Sis m Ú ic As is n i So i - S

Sis m Ú ic As is n i So i - S Sis m Ú ic As is n i So i - S Expediente Sistema Único de Assistência Social SUAS Publicação Federação Catarinense de Municípios FECAM Associações de Municípios de Santa Catarina Elaboração Jaqueline Teixeira

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis.

Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. MENSAGEM Nº. 02/2013 Excelentíssimo Senhor Presidente da Câmara de Vereadores e demais Edis. Com nossos cordiais cumprimentos encaminhamos a V. Exa. e digníssimos Pares dessa R. Casa Legislativa, o Projeto

Leia mais

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS

PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA DO SUAS CRAS Centro de Referência de Assistência Social PÚBLICO-ALVO: A PROTEÇÃO SOCIAL BÁSICA B DO SUAS Famílias, seus membros e indivíduos em situação de vulnerabilidade social

Leia mais

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos.

Oficina. com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros, para o correto funcionamento dos conselhos. Oficina Gestão do SUAS e o Controle Social Ementa: Orientar a reorganização dos órgãos gestores no tocante a legislação, com garantias de diárias, equipamentos, transporte, capacitação, RH entre outros,

Leia mais

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI)

Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) Presidência da República Controladoria-Geral da União Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI) PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL (PETI) O PETI é um programa do Governo Federal que

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012

PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 PLANO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NOB/SUAS/2012 Vânia Guareski Souto Assistente Social - Especialista em Gestão Social de Políticas Públicas social.vania@gmail.com Mapeamento e cobertura da rede prestadora de

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL RESOLUÇÃO N.º 191, DE 10 DE NOVEMBRO 2005 DOU 17/11/2005 Institui orientação para regulamentação do art. 3º

Leia mais

OFICINA Plano Municipal de Educação

OFICINA Plano Municipal de Educação OFICINA Plano Municipal de Educação 6º Fórum Extraordinário UNDIME Florianópolis, 26 a 30 de maio de 2014 HISTÓRICO 1932 Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova 1934 - Constituição Federal, Art. 150 1962

Leia mais

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR).

3 o A instância coordenadora da Política Nacional de Assistência Social é o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. (NR). PROJETO DE LEI Altera a Lei n o 8.742, de 7 de dezembro de 1993, que dispõe sobre a organização da Assistência Social. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 6 o, 13, 14, 15, 16, 17, 20, 22 e

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008

Prefeitura Municipal de Itanhangá Gestão 2005/2008 LEI Nº 019/2005 DATA: 10 DE MARÇO DE 2005. SÚMULA: CRIA O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL DA OUTRAS PROVIDÊNCIS. O Sr. VALDIR CAMPAGNOLO, Prefeito Municipal de Itanhangá, Estado de Mato Grosso,

Leia mais

Conselho Municipal de Assistencia Social. Lei Municipal 3848/2011 EDITAL 01/2015

Conselho Municipal de Assistencia Social. Lei Municipal 3848/2011 EDITAL 01/2015 EDITAL 01/2015 Abre inscrições de projetos para captação de recursos através do Fundo Municipal de Assistência Social CMAS para entidades da sociedade civil e programas governamentais que desenvolvam Programas

Leia mais

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:

A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma: CONDICIONALIDADES DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA ATORES RESPONSÁVEIS PELA GESTÃO A operacionalização da gestão de condicionalidades no Programa Bolsa Família (PBF) ocorre de forma:» Intersetorial: com os responsáveis

Leia mais

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor

Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Congresso Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais B rasília-d F Nova Lei de Certificação e Acompanhamento Finalístico das Entidades ü A Constituição Federal

Leia mais

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento,

Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos Secretaria Executiva de Desenvolvimento e Assistência Social Gerência de Planejamento, Projetos e Capacitação Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONTROLE E PARTICIPAÇÃO SOCIAL NA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS SEMINÁRIO PROTEÇÃO SOCIAL NO BRASIL E ÁFRICA BRASÍLIA AGOSTO/2008 MARCO REGULATÓRIO RIO A

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Irma Martins Moroni da Silveira FALAR DA CONTEMPORANEIDADE É REFLETIR SOBRE O TEMPO PRESENTE Falar do hoje da Assistência Social; Como

Leia mais

A importância do planejamento na organização da oferta de serviços, benefícios e projetos: concepção e metodologia

A importância do planejamento na organização da oferta de serviços, benefícios e projetos: concepção e metodologia A importância do planejamento na organização da oferta de serviços, benefícios e projetos: concepção e metodologia Planejar é muito mais do que uma atividade burocrática, pois......organiza as idéias;...expõe

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03 de 18 de fevereiro de 2014

RESOLUÇÃO Nº 03 de 18 de fevereiro de 2014 Matéria publicada no DOE/SC nº 19.767 de 26/2/214 Alterada pela Resolução CEAS nº 18/214 Alterada pela Resolução CEAS nº 3/214 RESOLUÇÃO Nº 3 de 18 de fevereiro de 214 Aprova o Plano de Aplicação dos recursos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Quadriênio 2010-2013

ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Quadriênio 2010-2013 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Quadriênio 2010-2013 Este documento e seus anexos apresentam um conjunto de orientações técnicas para subsidiar a elaboração do Plano

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais

LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. outras providência s. CAPÍTULO I. Das disposições Gerais LEI MUNICIPAL Nº 4.723, DE 22 DE DEZE M B R O DE 2010. Dispõe sobre a Política de Assistência Social No Município, cria o Conselho Municipal de Assistência Social e o Fundo Municipal de Assistência Social

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS.

REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS. REESTRUTURAÇÃO INSTITUCIONAL DOS ÓRGÃOS GESTORES, PARA ADEQUAÇÃO À ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO SUAS. OFICINA 2 Ofertas da Assistência Social: Serviços por níveis de proteção básica e especial de média

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

NUCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE DO SUAS

NUCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE DO SUAS Secretaria de Assistência Social, Trabalho e Habitação NUCLEO DE EDUCAÇÃO PERMANENTE DO SUAS Florianópolis, 25 de setembro de GESTÃO DO TRABALHO Se configura como área de abrangência do SUAS que trata

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE SAÚDE INTEGRAL DA POPULAÇÃO DO CAMPO E DA FLORESTA Departamento de Apoio à Gestão Participativa /DAGEP Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa /SGEP Ministério

Leia mais

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo:

F n i a n n a c n i c a i m a en e t n o Foco: Objetivo: FINANCIAMENTO DO SUAS: GESTÃO MUNICIPAL E AS DESIGUALDADES REGIONAIS Financiamento Foco: competências da gestão municipal, especialmente no enfrentamento das desigualdades regionais exige o debate sobre

Leia mais

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS

EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS EDITAL DE COMPOSIÇÃO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Meio Ambiente convida os Órgãos Públicos

Leia mais

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904

Câmara Municipal de Uberaba A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 A Comunidade em Ação LEI Nº 7.904 Disciplina a Política Municipal de Enfrentamento à Violência Sexual e dá outras providências. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015

CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL 2015 2015 uma década de existência do SUAS Decisão política de priorização, na agenda federal, da atenção às populações mais vulneráveis, do

Leia mais

Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia

Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia Atualizações das Leis Municipais Encontro Estadual dos Gestores e Técnicos da Assistência Social da Bahia DIREITO Normativas Política Pública # direito LOAS atualizada Elaboração Âncoras Nacional Universalidade

Leia mais

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROPOSTAS APROVADAS NA PLENÁRIA FINAL DA VII CONFERÊNCIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL EIXO 1 Processo Histórico da Participação Popular no País: nossa cidade e territórios em movimento; Trajetória e

Leia mais

CAS/DF RECOMENDAMOS A LEITURA DO MANUAL PARA O CORRETO PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO

CAS/DF RECOMENDAMOS A LEITURA DO MANUAL PARA O CORRETO PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO As informações declaradas pelo agente público neste questionário possuem Fé Pública e constituem registros administrativos Sistema Único de Assistência Social. O fornecimento de informações inverídicas

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS

EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS EIXO 5 GESTÃO DA POLÍTICA NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PROPOSTAS APROVADAS OBTIVERAM ENTRE 80 e 100% DOS VOTOS Garantir a elaboração e implementação da política e do Plano Decenal

Leia mais

LEI Nº 4.292 DE 04 DE FEVEREIRO DE 2011

LEI Nº 4.292 DE 04 DE FEVEREIRO DE 2011 LEI Nº 4.292 DE 04 DE FEVEREIRO DE 2011 Regulamenta a Concessão dos Benefícios Eventuais da Política Municipal de Assistência Social NATALICIO JOSÉ BOTOLLI, Prefeito Municipal de Getúlio Vargas, em exercício,

Leia mais

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social

Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Protocolo de Gestão Integrada de Serviços, Benefícios e Transferências de Renda no âmbito do Sistema Único de Assistência Social Ms. Waleska Ramalho Ribeiro - UFPB A concepção republicana do SUAS requer

Leia mais

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012

A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 A Vigilância Socioassistencial e a Implantação da NOB SUAS 2012 Luis Otavio Farias Coordenador Geral dos Serviços de Vigilância Social Departamento de Gestão do SUAS Secretaria Nacional de Assistência

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09

CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE PARNAMIRIM Casa Antônio Lustosa de Oliveira Cabral CNPJ n.º 35.446.376/0001-09 Lei n 763/2010. EMENTA: Dispõe sobre a política municipal de segurança alimentar e nutricional sustentável do município de Parnamirim-PE e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA CÂMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 03/13 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS PARA ELABORAÇÃO - 2014 Introdução: O Planejamento é uma tecnologia de gestão que visa articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas

Leia mais

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS

Cadastro Nacional das Entidades de Assistência Social CNEAS Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome MDS Secretaria Nacional de Assistencia Social SNAS Departamento da Rede Socioassistencial Privada do SUAS DRSP Cadastro Nacional das Entidades de Assistência

Leia mais

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor

Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor Secretaria de Trabalho, Emprego e Promoção Social Piraí do Sul/PR: Órgão Gestor RODRIGUES, Camila Moreira (estágio II), e-mail:camila.rodrigues91@hotmail.com KUSDRA, Rosiele Guimarães (supervisora), e-mail:

Leia mais

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS

Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS Conselho Nacional de Assistência Social - CNAS RESOLUÇÃO Nº 14, DE 15 MAIO DE 2014 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades ou organizações de Assistência Social, bem como dos serviços,

Leia mais

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS

FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - FMAS FUNDO SECRETARIA MUNICIPAL DO TRABALHO, ASSISTÊNCIA SOCIAL E DIREITOS

Leia mais

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão

Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais. Guia Rápido. O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Programa Bolsa Família e Cadastro Único para Programas Sociais Guia Rápido O que os municípios devem fazer nos primeiros 60 dias de gestão Janeiro de 2013 Apresentação Enfrentar a pobreza e as desigualdades

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME Secretaria Nacional de Assistência Social NOB SUAS

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME Secretaria Nacional de Assistência Social NOB SUAS MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME Secretaria Nacional de Assistência Social NOB SUAS Brasília, 10 de outubro de 2012 SIGLÁRIO BPC Benefício de Prestação Continuada CadÚnico Cadastro

Leia mais

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS

Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Palestra: Política Nacional de Assistência Social e Sistema Único da Assistência Social SUAS Professores: Leonardo Martins Prudente e Adailton Amaral Barbosa Leite Brasília, Agosto de 2013 Política Nacional

Leia mais

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS

Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS Coordenação-Geral de Regulação da Gestão do SUAS do Departamento de Gestão do SUAS SUAS E SISAN MARCO LEGAL - Art. 6º da CF/88 : São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À POBREZA SEDES SUPERINTENDÊNCIA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL SAS NOTA TÉCNICA COFINANCIAMENTO DO SUAS O Sistema Único de Assistência

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*)

RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) RESOLUÇÃO Nº 101 DE 17 DE MARÇO DE 2005 (*) Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Dispõe sobre os Procedimentos e critérios para a aprovação de projetos a serem financiados com recursos

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS

EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS EIXO 5 GESTÃO DOS BENEFÍCIOS DO SUAS Objetivos específicos Avaliar do ponto de vista do controle social os processos de acompanhamento da gestão dos benefícios e transferência de renda, Avaliar e fortalecer

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA APRESENTAÇÃO A CARTA DE SERVIÇOS atende a uma indicação do Programa Nacional de Gestão Pública, aderido pela Prefeitura do Município de Porto Velho, cujo programa é coordenado pela Secretaria Municipal

Leia mais

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos

Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos Plano Decenal SUAS 2005-2015 e o Plano Decenal 2016-2026: Como fazer a análise do SUAS que temos como projetar o SUAS que queremos luziele.tapajos@ufsc.br PLANEJAR O SUAS Definir horizontes da proteção

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS

FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS FÓRUM REGIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL DO ALTO VALE DO ITAJAÍ RIO DO SUL SC 2015 CARTA DE PRINCÍPIOS 1. Natureza e Finalidade O Fórum Regional de Educação Infantil do Alto Vale do Itajaí - FREIAVI é um espaço

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 1.413, DE 10 DE JULHO DE 2013 Redefine as regras e critérios

Leia mais

Termo de Referência. Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

Termo de Referência. Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas Ministério da Justiça Secretaria Nacional de Justiça Termo de Referência Grupo Interministerial de Monitoramento e Avaliação do II Plano Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas 1. Grupo Interministerial

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS

CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTENCIA SOCIAL - CMAS EDITAL 001/2014. Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS EDITAL 001/2014 Conselho Municipal de Assistência Social- CMAS O CONSELHO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CMAS TORNA PÚBLICO O PROCESSO DE SELEÇÃO DE ENTIDADES E ORGANIZAÇÃO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL, PROGRAMAS,

Leia mais

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS

GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS GUIA DE ARGUMENTOS DE VENDAS O Plano Diretor é uma lei municipal que estabelece diretrizes para a ocupação da cidade. Ele deve identificar e analisar as características físicas, as atividades predominantes

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais

Edital de Convocação nº 01/2015. Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais Edital de Convocação nº 01/2015 Convocação para Inscrição de Entidades e Organizações Não-Governamentais A Presidente do CMAS Conselho Municipal de Assistência Social de Cáceres, no uso de suas atribuições

Leia mais

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS

ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS ACOMPANHAMENTO E APOIO TÉCNICO À GESTÃO DESCENTRALIZADA DO SUAS O ACOMPANHAMENTO E APOIO NO ÂMBITO DO SUAS LINHA DO TEMPO Acompanhamento e Apoio Técnico no SUAS 2005 2007 2008 NOB-SUAS Prevê a habilitação

Leia mais

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social

Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Financiamento no Sistema Único de Assistência Social Fundo Nacional de Assistência Social SUAS- FNAS SUAS MÉDIA COMPLEXIDADE ALTA COMPLEXIDADE BÁSICO abrigos albergues Cuidado no domicílio CENTRAIS DE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA CENTRO DE REFERÊNCIAS TÉCNICAS EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONVERSANDO SOBRE A PSICOLOGIA E O SUAS 1. Categorias profissionais que já compõem o SUAS RS: - Psicólogo - Assistente Social - Advogado - Educador Social - Nutricionista - Pedagogo - Enfermeiro - Estagiários - Supervisores e Coordenação - Técnico

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

IX Conferência Nacional de Assistência Social

IX Conferência Nacional de Assistência Social IX Conferência Nacional de Assistência Social EIXO 1: O COFINANCIAMENTO OBRIGATÓRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL Por: Sandra Manes Objetivos específicos: Avaliar o atual quadro da gestão orçamentária; Fortalecer

Leia mais

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A:

Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. D E C R E T A: DECRETO N 1.289, DE 28 DE AGOSTO DE 2014. Aprova o Regimento Interno do Centro de Referência de Assistência Social - CRAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE DOURADOS, Estado de Mato Grosso do Sul, no uso das atribuições

Leia mais

ANTONIO CARLOS NARDI

ANTONIO CARLOS NARDI ANTONIO CARLOS NARDI QUE DEMOCRACIA QUEREMOS? A conquista do estado democrático de direito na década de 1980 no Brasil, após longo período burocrático-autoritário, trouxe o desafio de construção de uma

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

PARTICIPAÇÃO POPULAR NO SUAS

PARTICIPAÇÃO POPULAR NO SUAS PARTICIPAÇÃO POPULAR NO SUAS MINISTÉRIO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE Á FOME MDS Secretaria Nacional de Assistência Social SNAS Departamento de Gestão do SUAS DGSUAS Coordenação Geral de Regulação

Leia mais

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015

DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 DECRETO Nº 277 DE 23 DE MARÇO DE 2015 Estabelece medidas administrativas temporárias para contenção e otimização de despesas, no âmbito do Poder Executivo, cria o Conselho Gestor para Eficiência Administrativa

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

MANUAL DE ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL Governo do Estado de Alagoas Secretaria de Estado de Assistência e Desenvolvimento Social Teotônio Brandão Vilela Filho GOVERNADOR DO ESTADO Solange Bentes Jurema SECRETÁRIA DE ESTADO DE ASSISTÊNCIA E

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2009 Estabelece instruções sobre Benefício de Prestação Continuada-BPC referentes a dispositivos

Leia mais

JOSÉ CARLOS AGUILERA Conselho de Assistência Social do Distrito Federal CAS/DF

JOSÉ CARLOS AGUILERA Conselho de Assistência Social do Distrito Federal CAS/DF Ministério Público e Terceiro Setor Atuação institucional na proteção dos direitos sociais Nova Lei de Filantropia e Acompanhamento Finalístico das Entidades do Terceiro Setor JOSÉ CARLOS AGUILERA Conselho

Leia mais

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE Seção I Da Finalidade Art. 1º A Unidade de Apoio à Gestão Estratégica (UAGE) tem como finalidade promover o gerenciamento estratégico setorial

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS LEI Nº 14.830, de 11 de agosto de 2009 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual do Artesanato e da Economia Solidária - CEAES, e adota outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015

Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015 Orientações sobre a realização das Conferências de Assistência Social/ 2015 Renata Nunes Portela Tema Consolidar o SUAS de vez rumo a 2016 Lema Pacto Republicano do SUAS rumo a 2026. O SUAS que temos e

Leia mais

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento

Texto 2. Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Texto 2 Conhecendo o Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família (IGD-PBF) e o seu gerenciamento Após estudarmos sobre o contexto histórico em torno do repasse de recurso financeiro por

Leia mais

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social!

Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! Entenda o Fundo Municipal de Assistência Social! CONSELHEIROS ROSA DE FÁTIMA BARGE HAGE Presidente JOSÉ CARLOS ARAÚJO Vice - Presidente MARA LÚCIA BARBALHO DA CRUZ Corregedora ALCIDES DA SILVA ALCÂNTARA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

TEXTO 4. 2. Realizar o planejamento das ações do Programa, definir as ações a serem executadas e as

TEXTO 4. 2. Realizar o planejamento das ações do Programa, definir as ações a serem executadas e as TEXTO 4 PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DO ACESSO AO MUNDO DO TRABALHO - ACESSUAS TRABALHO GESTÃO. No texto anterior vimos o fluxo do ACESSUAS TRABALHO a partir se seus três eixos de ação: articulação, mobilização

Leia mais

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde

NOTA TÉCNICA 16 2013. Política Nacional de Educação Popular em Saúde NOTA TÉCNICA 16 2013 Política Nacional de Educação Popular em Saúde Brasília, 20 de maio de 2013 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Educação Popular em Saúde PNEP-SUS foi apresentada e aprovada no Conselho

Leia mais

AVISO DE LICITAÇÃO DESERTA PREGÃO PRESENCIAL 069/2014

AVISO DE LICITAÇÃO DESERTA PREGÃO PRESENCIAL 069/2014 Diário Oficial Ano: 4 Edição: 1149 Páginas: 6 Índice do diário Licitações Pregão Presencial - Nº 069/2014 DESERTA Atos Oficiais Resolução - Nº 011/2014 Resolução - Nº 012/2014 Licitações Pregão Presencial

Leia mais

A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único. Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016

A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único. Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016 A Inscrição dos Beneficiários do BPC no Cadastro Único Encontro Regional do Congemas NORTE Natal, 23 e 24 de março de 2016 Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social BPC Direito constitucional

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 33, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO Nº 33, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO Nº 33, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012 Aprova a Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social -NOB/SUAS. O CONSELHO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - CNAS, em reunião ordinária realizada

Leia mais