PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR."

Transcrição

1 PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR. AUTOR: DAIVE CRISTIANO LOPES DE FREITAS 1 Instituição: Secretaria de Educação do Estado de São Paulo Resumo A pesquisa tem como objetivo discutir as possibilidades para se trabalhar a aula expositiva de história de forma articulada com recursos imagéticos e áudios-visuais através de softwares e suas influências nas práticas pedagógicas, proporcionando no cotidiano do aprendizado dos alunos o uso da linguagem visual ao lado da linguagem textual para enriquecer o saber histórico escolar. Esta proposta parte da prática de ensino na Escola Estadual Heloisa Lemenhe Marasca, desde 2005 com alunos do Ensino Fundamental I e II. Os objetivos pedagógicos, ao se fazer uso desses recursos são de construir no aluno a noção de sujeito histórico; incentivar o aluno a perceber o objeto histórico e a historicidade de objetos a partir da retratação de monumentos, edifícios, objetos do trabalho e do cotidiano e a percepção dos fatos e acontecimentos históricos identificando movimentos de rupturas, permanências, mudanças e simultaneidades ao longo do currículo; fortalecer no aluno a consciência histórica e a importância da memória como elementos para a construção da cidadania e para a formação de uma cultura patrimonial e a ler diferentes formas de registros escritos, iconográficos, áudios e visuais. Palavras-chave: História, educação, leitura de imagens e memória. Abstract The research aims to discuss the possibilities to work lecturing history articulated with features imagery and audio-visual software and through their influence on teaching practices, providing the daily life of students learning the use of visual language alongside the textual language to enrich the school historical knowledge. This proposal is part of teaching practice in the State School Heloisa Lemenhe Marasca since 2005 with primary school students I and II. 1 Graduado em História pela UNESP/Franca (2000) e Mestrado em Educação pela UNESP/Rio Claro. Atualmente é professor titular de cargo (PEB II) - EE Heloisa Lemenhe Marasca. 756

2 The pedagogical objectives, when making use of these resources are to build on the student the notion of historical subject, encouraging the student to realize the object history and historicity of objects from the retraction of monuments, buildings, objects of work and everyday life and perception facts and historical events identifying movements ruptures, continuities, changes and concurrences across the curriculum; strengthen the student to historical consciousness and the importance of memory as elements for the construction of citizenship and the formation of a culture sheet and read different forms of written records, iconographic, audio and visual. Keywords: history, education, reading images memory. Este trabalho tem por objetivo explorar as práticas de ensino de História no ensino fundamental com o uso articulado de meios imagéticos e audiovisuais. A partir da proposta dos Parâmetros Curriculares Nacionais, diretrizes elaboradas pelo Governo Federal que orientam a educação no Brasil, que, dentre outros objetivos previstos no ensino fundamental dos quais os alunos sejam capazes de saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos é que este projeto se propõe a explorar. Nesta pesquisa, discutimos as possibilidades para se trabalhar a aula expositiva de história de forma articulada com recursos imagéticos e áudios-visuais através de softwares e suas influências nas práticas pedagógicas, proporcionando no cotidiano do aprendizado dos alunos o uso da linguagem visual ao lado da linguagem textual para enriquecer o saber histórico escolar. Esta proposta parte da prática de ensino na Escola Estadual Heloisa Lemenhe Marasca, desde 2005 com alunos do Ensino Fundamental I ou II e Supletivo. O processo de massificação da informatização no contexto da globalização facilitou às pessoas o acesso a um número incomensurável de informações que circulam em escala planetária. Porém, em meio a essa democratização das informações urge pensar, em termos de educação, sobre as possibilidades de o professor fazer uso destas empregando-as na forma de conhecimento na sala de aula. Pensadores da educação vêm discutindo nos últimos anos nesse processo de inserção dos multimeios no processo de ensino-aprendizagem. A partir desta reflexão que este projeto parte das experiências e práticas em sala de aula sobre o uso articulado de fontes iconográficas fotográficas, artísticas e jornalísticas, obras plásticas, charges, mapas e outros; músicas e videoclipes e; produções cinematográficas com o objetivo 757

3 de facilitar o aprendizado dos alunos com relação ao conteúdo, abrindo a possibilidade de compreender melhor o conteúdo estudado não apenas de forma textual, mas imagética. Em meus primeiros anos como professor, percebi lentamente que a história que aprendemos enquanto discentes é a história que nos molda como docentes. O fato é que, ao nos formarmos como professores, ingressamos carregados de conhecimento, mas carentes de experiência. E o profissional docente se constrói necessariamente através da experiência no cotidiano na sala de aula. No entanto, a referência geralmente de quem se inicia como docente enceta de suas experiências como aluno diante de seus professores. Nesse trabalho de atenção minuciosa aos métodos e procedimentos vejo que faço parte de uma geração anterior ao processo de massificação da informatização: faço parte de uma geração que tinha como sonho de consumo American way of life : telefone a discagem, VCR (Video Cassette Recorder), aparelhos de som com toca discos long play, rádio FM e compact cassette. Computadores pessoais, quando apareceram eram quase tão caros quanto um carro usado. E hoje, ironicamente, vejo meus alunos brincando com MP3, celulares, iphone e ipod e percebo um distanciamento do trabalho docente que não concorreu a essa evolução. O material didático é um exemplo regular. Enquanto aluno, minha janela para ver o mundo na escola era o livro didático. Nele encontrava diversas ilustrações segundo as quais para BELMIRO (2000): a imagem tem a importância de ajudar na visualização agradável da página. Se há textos muitos longos, ela serve para quebrar o ritmo cansativo da leitura. Para o autor o uso de imagens tem sua importância enquanto adereço para comprazer-se diante do enfado que o texto produz. Hoje, porém nossos alunos têm acesso e consomem imagens e sons constantemente e nós professores entramos na sala de aula e dispomos de giz e lousa. E carregamos em muitos casos algo considerado tão virtuoso que pessoalmente chego a considerar um vício. É o fato de que a excelência de uma aula se determina pela capacidade de o professor apresentar todo o seu conhecimento sobre o conteúdo na forma de um monólogo, e esperar que os alunos, atentamente e em silêncio irrestrito, decorem as falas de sua prédica. A realidade, no entanto, é frustrante, pois sabemos que a maioria dos alunos afirmo por experiência dificilmente se mantém em silêncio e hermeticamente atento. Ao longo de tantas experiências e frustrações percebi que era preciso mudar o método de se elaborar uma aula expositiva, visto que entrar numa sala de aula é como adentrar em caverna paleolítica e nesse momento faço uso de algumas metáforas, pois diante da Terceira Revolução Industrial onde a tecnologia presenteia tantas possibilidades aos consumidores ávidos da integração e interação cibercultural, notamos que a maioria dos professores se limita ao uso do medievalesco quadro negro. 758

4 Refletindo sobre o ensino de História, segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais, para formar o aluno somente para a cidadania e o trabalho o que é passível de debates fervorosos por diversos pensadores penso de forma um pouco idílica que o professor de História tem uma possibilidade singular de apresentar ao aluno seu conteúdo por outros caminhos sem se desvincular de seus objetivos pedagógicos. A partir dos conteúdos e dos livros didáticos é possível apresentamos aos alunos vários personagem/sujeitos históricos, lugares e fatos que um dia eles poderão possivelmente vir a conhecer ou provavelmente não através do uso coordenado e articulado de recursos midiáticos. Começo essa reflexão com uma pergunta de pronto acato a uma resposta negativa. Quantos de nossos alunos, em tantos anos de magistério, sabemos que foram ao Complexo De Pirâmides De Gizé no Egito, ao palácio de Versalhes, Paris, França, ao Museu Imperial em Petrópolis/RJ ou a casa museu de Getúlio Vargas em São Borja/RS? Desconheço qualquer um de meus alunos. E talvez nós professores não tenhamos nem idéia de como seja cada um desses lugares. E esperamos que os alunos tenham aprendido nos respectivos capítulos do currículo de História o que é Teocracia, Absolutismo, Parlamentarismo às avessas e Populismo. Nessa linha de pensamento, imagino que o ideal da aula de História seria o professor como um guia levar os seus alunos até a Place de la Concorde na Avenida dos Champs- Élysées em Paris e mostrar-lhes onde estava a guilhotina a época do Terreur da Revolução Francesa. Mas a realidade não nos permite tanto. Porém, a Internet pode nos oferecer o suporte além do informativo e textual, o imagético. Podemos buscar na internet imagens do determinado local histórico onde tudo ocorreu e que muitas vezes não encontramos no livro didático. Já expressava o filósofo e historiador escocês David Hume no século XVIII: o mais vivo pensamento é inferior a mais embotada das sensações. Neste caso, transpondo seu pensamento para o século XXI, há de se pensar que na sala de aula devemos fazer uso da linguagem verbal e textual que importantíssimos são para a formação dos alunos. Porém, também podemos contextualizar a partir das produções imagéticas e audiovisuais para complementar nosso trabalho. A mídia para o consumo e para a alienação A mídia e seus processos de massificação passaram por diversas leituras críticas que apontaram dois aspectos importantes visados neste projeto: o processo de padronização, homogeneização e alienação das identidades culturais e o incentivo ao consumismo. Primeiramente, vemos a partir da década de 1930, os pensadores da Escola de Frankfurt, Theodor Adorno ( ) e Max Horkheimer ( ), se debruçar para 759

5 uma crítica sobre a arte nas sociedades industrializadas e da indústria cultural. Eram estudos que apontavam as produções culturais para a massa como um poderoso instrumento de alienação, massificação da sociedade, por meio da manipulação da subjetividade humana. Acompanhando os pensadores alemães, para Thompson (1998), no decorrer do século XX, os filmes, principalmente os chamados hollywoodianos, operaram como instrumento ativo no processo de massificação de uma ideologia norteadora do status quo de grupos dominantes. Nesse sentido, o cinema contribuiu para disseminação da cultura hegemônica e padronizadora como um dos instrumentos de homogeneização cultural em conformidade com os interesses do capitalismo. A partir das obras de Henry Giroux e David Harvey (1995) também é possível perceber como a mídia se tornou um meio atuante para o consumo dos artefatos culturais espetacularizados e dos modismos que muda a sensibilidade e um mundo do efêmero e do descartável. Trata-se de outra característica importante da mídia construída ao longo do século XX, que, segundo os interesses do modelo capitalista, incita o consumismo entre as massas por meio da comunicação/sedução audiovisual e propagandeia um discurso, uma representação do real em suas concepções do que é ser sujeito em forma de entretenimento em prejuízo da análise crítica. A mídia e a educação Segundo Kellner (2001) a mídia tem realmente a sua habilidade de induzir os indivíduos a uma identificação com as representações sociais e as ideologias dos dominantes. Porém, versar sobre a mídia somente como utensílio de dominação e de alienação das massas colocaria limites à potencialidade que os recursos midiáticos podem apresentar para uma nova lógica da construção do conhecimento. Podemos perceber uma confluência na proposta de Kellner de se fazer uso sobre a mídia na sala de aula no discurso dos Parâmetros Curriculares Nacionais de História do Ensino Fundamental: O trabalho do professor consiste em introduzir o aluno na leitura das diversas fontes de informação, para que adquira, pouco a pouco, autonomia intelectual. O percurso do trabalho escolar inicia, dentro dessa perspectiva, com a identificação das especificidades das linguagens dos documentos textos escritos, desenhos, filmes, das suas simbologias e das formas de construções dessas mensagens. 760

6 O documento ainda afirma sobre a necessidade de o aluno ter acesso a uma diversidade de documentos que favoreçam: o aprendizado de como ler documentos variados, tanto aqueles que podem ser encontrados na realidade social (construções, organização urbana, instrumentos de trabalho, meios de comunicação, vestimentas, relações sociais e de trabalho) como também produções escritas, imagens e filmes. No entanto, para autores como Citelli a escola brasileira, em plena era da globalização, da exploração dos meios de comunicação de massa, vive um hiato entre o discurso pedagógico construído ao longo dos anos e a sociedade, visto que as novas gerações estão absorvendo cada vez mais formas de comunicação áudio-visual como filmes, vídeos e internet, e não somente elementos da linguagem vergal e textual. Isto se deve a uma perspectiva conservadora na qual privilegia as práticas pedagógicas, valorizando muito mais a postura racional, subjugando outras práticas e expressões estéticas, outras linguagens, especificamente as visuais. Percebe-se assim um descrédito para a existência de outras linguagens que produzem também outras representações e que podem ser utilizadas para a produção e compreensão do conhecimento histórico na sala de aula. Diante deste contexto onde o sujeito se coloca diante da televisão condicionado a uma atitude passiva, sem diálogo, caberia ao docente se tornar um mediador do aluno, com sua experiência de vida, com a linguagem verbal e a visual, na tentativa de travar diálogos, possibilitando ampliar horizontes, não só de conteúdo, mas de maneiras de interpretar e ler o mundo, quer seja pela palavra, som ou imagem. O narrador de Walter Benjamin Muitos pensadores da educação têm proposto diversas formas de aproximação no processo de laboração de conhecimento através da mídia digital, com o objetivo de desenvolver uma geração mais crítica e reflexiva. Entre elas, propõe-se que os professores façam uso dos discursos produzidos pela mídia não como mera divulgadora da ideologia dominante nem mesmo como entretenimento inofensivo, mas como produções complexas que articulam os diferentes discursos sociais, culturais e políticos. É nessa perspectiva que compreendemos, com o olhar de historiador crítico, que rastreamos somente as informações encerradas no discurso porque, segundo LEITE (2001), embora muda, a imagem pode ser lida como um mosaico que muda constantemente de 761

7 configuração...o mosaico que se transfigura e o olhar procura outras configurações. Confere ao professor verificar as potencialidades dos textos imagéticos, no processo de interpretação, assimilação, num processo de trocas, de intercâmbio do verbal e do visual, de criação e fruição de linguagens. Entre as considerações de Walter Benjamin, existe aquela que trata da figura do narrador que o autor alemão nos apresenta em dois personagens arcaicos de narradores: o lavrador sedentário e o marinheiro mercante. Cada qual narra suas experiências para transmiti-las às gerações mais jovens. Dessa leitura, identifico o professor como aquele que narra aos alunos a partir das imagens do passado monumentos, desenhos, pinturas, ferramentas, fotografias, filmes e músicas as experiências dos sujeitos do passado. Se o marinheiro mercante leva seus ouvintes a lugares distantes e fantásticos através da imaginação de seus ouvintes, o professor o faz através das imagens: conduz o aluno a fatos, lugares e a personagens históricos muito distantes de sua realidade através dos exemplos mencionados. Se o lavrador sedentário constrói suas histórias em torno da realidade próxima de seus ouvintes, o professor apresenta aos alunos a História batendo a porta da sala: num bairro próximo, em outra cidade, na capital do Estado, em um monumento, uma edificação ou um objeto que os alunos veem todos os dias, mas talvez não conheçam ainda o seu significado histórico. Como destaca LEITE (2001):...a leitura da mensagem visual depende de uma compreensão global e de uma análise dos pormenores, mesmo sem levar em conta, todos os detalhes e as articulações parciais de seus elementos. Para se compreender a mensagem visual opera-se uma leitura imagética, em que se entrecruzam o contexto espacial e o contexto do leitor; o contexto em que está inserida a imagem; o conteúdo explícito da imagem; a formação cultural e intelectual do leitor. Cada capítulo do currículo de História proporciona uma singularidade de imagens e requer uma articulação no trabalho de investigação e de organização do professor que passa a gerir suas aulas com uma liberdade que o livro não oferece. E que se valendo da linguagem visual percebe certos vícios que passam despercebidos. Tomemos o exemplo dos livros didáticos que em muitos casos nos apresenta o índio brasileiro de forma homogeneizada e deforma a sua identidade cultural. E em muitos casos, a menção de uma nação indígena se 762

8 limita à legenda de um mapa. O uso de imagens pode nos favorecer, por exemplo, a conhecer as aparentes diferenças físicas e culturais de índios como caiapós, pipipãs, pataxós e rikbaktsas como na ordem a seguir. (ver Anexo 1) Para os alunos que nunca tiveram a oportunidade de conhecer uma tribo indígena torna-se muito mais interessante a aula, porque suas vestes, seus trejeitos, seus modos de indenidade do corpo são muito incomuns para eles. Outro aspecto relevante abordado atualmente na escola é o tema da auteridade. Segundo os Parâmetros Curriculares, do trabalho com a identidade decorre, também, a questão da construção das noções de diferenças e de semelhanças. Nesse sentido, é importante a compreensão do eu e a percepção do outro, do estranho, que se apresenta como alguém diferente. Para existir a compreensão do outro, os estudos devem permitir a identificação das diferenças no próprio grupo de convívio, considerando os jovens e os velhos, os homens e as mulheres, as crianças e os adultos, e o outro exterior, o forasteiro, aquele que vive em outro local. Para existir a compreensão do nós, é importante a identificação de elementos culturais comuns no grupo local e comum a toda a população nacional e, ainda, a percepção de que outros grupos e povos, próximos ou distantes no tempo e no espaço, constroem modos de vida diferenciados. A abordagem proposta pelos Parâmetros Curriculares acompanhou o caminho traçado da Escola dos Annales que se firmou ao longo de mais de 70 anos apresentando, através de seus membros, um elenco variado de fontes históricas para se abordar um determinado tema. A Escola dos Annales elaborou uma prática historiográfica que tem como princípio básico a abordagem da história como problematização dos objetos estudados. Uma segunda característica importante para nosso trabalho foi construída pelos Annales: é a intertextualidade que envolve estudo de diversas formas de fontes históricas para a compreensão do passado. Outra terceira característica é a interdisciplinaridade que apresenta diferentes abordagens teórico-metodológicas de diversas ciências como a sociologia, a psicologia, a antropologia, a economia entre outras. Pensando a transposição dos métodos de pesquisa da História para o ensino de História é necessário se pensar na constituição de competências dos professores para se trabalhar pedagogicamente com as mídias, tecnologias e suas diversas linguagens em contextos formais e não formais. Em relação ao tratamento metodológico procuramos refletir sobre a necessidade de se selecionar as imagens na Internet seguindo a escolha de abordagem, reflexão e organização de informações, problematização, interpretação, análise, localização espacial e ordenação 763

9 temporal dos fatos e sujeitos históricos registrados através de escritas, desenhos, pinturas, esculturas, monumentos, fotografias, instrumentos de trabalho, fragmentos de utensílios cotidianos e estilos arquitetônicos, entre outras possibilidades. Essas várias formas de documentos são basilares como fontes de informações a serem interpretadas, analisadas e comparadas como exemplos de modos de viver, de visões da realidade, de possibilidades construtivas, características de épocas e contextos, observados tanto na sua dimensão material, como na sua dimensão abstrata e simbólica. Essas constatações permitem tomar este projeto como construção da experiência e da prática como professor da disciplina de História do ensino fundamental da rede pública de ensino do Estado de São Paulo com recursos midiáticos. Ao longo dos últimos cinco anos na rede de ensino venho utilizando programas como o Microsoft PowerPoint, para criação, edição e exibição de apresentações gráficas, e Windows Movie Maker, software de edição de vídeos, para elaborar e apresentar as aulas expositivas. O uso diário tem facilitado e diversificado a apresentação de cada capítulo do conteúdo de História para os alunos e a sua aprendizagem do saber histórico escolar. O uso de ambos, porém, tem funções distintas quanto o modo de criar situações para que os alunos aprendam os conteúdos propostos, mas com o objetivo comum de levar aos alunos a melhor compreensão e facilitar as etapas seguintes de construção do saberes propostos e a investigação de outras possibilidades de se evidenciar os objetos estudados. O uso de PowerPoint Primeiramente verificamos a importância do uso do software PowerPoint, a partir das vantagens técnicas como a otimização do tempo. Com o seu uso é possível aproveitar melhor o tempo que era gasto com o escrever, apagar e reescrever com giz no medievalesco quadro negro. Ou mesmo o uso de mapas e outros recursos ilustrativos que, ora, vezes a escola de repente não possui. Por outro lado, seguindo a vertente didática, a partir do momento em que tratamos o conteúdo curricular como referência, encontramos mais possibilidades que contemplam o saber histórico escolar que tornam possível trabalhar o conteúdo de forma não fragmentada, contextualizado local e globalmente. Assim, o conhecimento do contexto em que vivem torna-se mais significativo, pois os alunos passam a perceber as relações que se estabelecem entre os elementos do contexto, para poder então estabelecer relações com conceitos e conhecimentos mais complexos. 764

10 O uso de imagens varia quantitativa e qualitativamente de acordo com cada capítulo estudado no currículo de História. Há, por exemplo, de se perceber que em se tratando do estudo de povos como egípcios e mesopotâmicos torna-se preferível fazer uso de fotografias atuais de sítios arqueológicos como pirâmides e zigurates ou objetos em museus em sua maioria. No caso de culturas mais influentes no processo de formação do Ocidente como gregas e romanas há uma possibilidade maior de se trabalhar, não somente com seus elementos da época retratados, mas com as artes plásticas, principalmente mas não exclusivamente as obras que foram produzidas ao longo da Idade Moderna até o findar do século XIX. São obras de artistas renascentistas, entre outros, que figuravam o passado grecoromano em suas temáticas. Entre o período absolutista e o início do século XIX, principalmente durante a Era Napoleônica, é possível cartografar vastas obras de artistas que compõe a figura de reis e generais, cidades importantes, batalhas celebrizando momentos proeminentes. Nesse momento de passagem para a Idade Contemporânea encontramos com certa facilidade na Internet as charges, caricaturas e cartoons e posteriormente uma progressiva substituição da pintura como meio para se retratar eventos históricos pelo uso da fotografia. Estas, ao longo do século XX, também passam a assumir um caráter que era difícil de ser utilizado na pintura com tanta freqüência: o caráter jornalístico. Podemos citar alguns exemplos como a foto de Kim Phúc, vítima dos bombardeios sob o Vietnam, de Sharbat Gula durante a invasão do Afeganistão pela União Soviética ou a chegada do homem à lua cuja pintura sequer teria o mesmo efeito. Segundo LEITE (2001), a imagem enquanto texto não verbal estabelece relações reflexivas entre estruturas sociais de um lado, e a seleção, apreensão, percepção, cognição e criação de imagem, de outro. Esta proposta baseia-se na idéia de que os conhecimentos históricos a partir das imagens tornam-se significativos para os alunos, como saber escolar e social, quando contribuem para que os alunos reflitam sobre as vivências e as produções humanas, materializadas no seu espaço de convívio direto e nas organizações das sociedades de tempos e espaços diferentes, reconhecendo-as como decorrentes de contradições e de regularidades históricas. A imagem acende no conjunto da observação descrições e narrações criando textos intermediários orais e verbais, fazendo fluir as relações que se estabelece entre o que esta vendo e as outras imagens BITTENCOURT (1997). Citamos, como outro exemplo dessas afirmações, no capítulo sobre a expansão marítima comercial e as grandes descobertas europeias do século XVI, o fato comum de 765

11 que o professor geralmente exige do aluno conhecer as valiosas especiarias que eram importadas do Oriente Extremo como seda, gengibre ou noz-moscada. (ver Anexo 2) Porém, o professor geralmente não se questiona se o aluno já viu ou sabe que serventia tem realmente cada um desses produtos. Mais curioso é perceber que a maior parte dos alunos aprende que, durante o período populista, Brasília, capital do País, foi inaugurada durante o governo de Juscelino Kubitschek. Contudo, se pedíssemos aos alunos para que identificassem através de fotografias entre os edifícios do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal em qual está o gabinete oficial da presidência, provavelmente não saberiam responder ou apontariam ingenuamente para o edifício do Congresso Nacional simplesmente por ser o mais famoso de todos. Não raro seria também a possibilidade de um desses alunos oportunamente passear em frente ao Museu da República, no bairro do Flamengo, no Rio de Janeiro e não se dar conta que este edifício era o Palácio do Catete, residência oficial do presidente anterior ao Palácio da Alvorada, e que lá estão expostos o pijama e a arma com a qual Getúlio Vargas se suicidou. Caminhando por indagações históricas é possível também estabelecer relações entre passado e presente com locais específicos. Temos como exemplo o Hino Nacional Brasileiro que contempla Ouviram do Ipiranga as margens plácidas.... Há, porém, de se indagar com o aluno: Será que esse rio ainda existe? Será que ainda é plácido, tranqüilo ou está poluído? Ou será que sofre com as enchentes no verão paulistano? (ver Anexo 3) Podemos refletir com o aluno também o que cada imagem pintada, desenhada ou fotografada traz consigo de carga ideológica, cultural entre outros. Segue o exemplo da tela Tiradentes Esquartejado, de Pedro Américo (1893) cuja feição remonta um Cristo republicano para atender à propaganda do regime que substituiu em golpe de Estado a monarquia brasileira e que desperta curiosidade na sala de aula. Existe também a possibilidade de se contrapor imagens que carregam pesos ideológicos opostos como no caso de Carmen Miranda, ícone da Good Neighbor Policy estado-unidense nos anos de 1940, e a foto do Guerrillero Heroico, Che Guevara, de autoria de Alberto Korda, símbolo da luta socialista contra o imperialismo norte-americano a partir dos anos de (ver Anexo 4) Podemos criar debates para análises de determinados momentos históricos, de eventos que pertencem ao passado mais próximo ou distante, de caráter material ou mental, que destaquem mudanças ou permanências ocorridas na vida coletiva a partir de imagens polêmicas, contraditórias e ações humanas significativas como a foto da fuga do soldado soviético Conrad Schumann durante a construção do Muro de Berlim Ou podemos 766

12 evidenciar os momentos de efervescência dos fatos que são registrados pelas câmeras como a primavera de Praga em (ver Anexo 5) A questão do anacronismo, trabalhada por historiadores que identificam a falta de consonância ou correspondência com uma época com relação à fonte documental também pode ser amplamente trabalhada como, por exemplo, no caso de Matthias Grünewald ( ), pintor alemão, precursor do expressionismo e um dos maiores pintores germânicos do gótico tardio. Em sua obra Escárnio de Cristo (Verspottung Christi, em alemão), de 1503 (ver Anexo 6), encontram-se personagens vestidos como no século do artista sendo o tema da obra inspirado no primeiro século da era cristã. São muitos os exemplos de imagens das quais o professor pode criar situações de aprendizagem para que os alunos dimensionem a sua realidade historicamente instigando-os a estabelecer relações entre o presente e o passado, o específico e o geral, as ações individuais e as coletivas, os interesses específicos de grupos e os acordos coletivos, as particularidades e os contextos, etc. Devem-se considerar informações basilares que responderiam perguntas do tipo: Como as imagens foram geradas? Por quem? Para quem? Por quê? O uso de recursos audiovisuais e o Windows Movie Maker Segundo os Parâmetros Curriculares os níveis das durações históricas estão relacionados à percepção das mudanças ou das permanências nas vivências humanas. As mudanças podem ser identificadas, por exemplo, apenas nos acontecimentos pontuais, como no caso da queda de um governo ou do início de uma revolta popular. Com o uso sistemático de vídeos é possível se perceber melhor a dimensão do tempo histórico e como se constituem os diferentes níveis e ritmos de durações temporais ao fazer comparações espaciais e cronológicas. Com relação ao uso do programa e Windows Movie Maker podemos destacar a facilidade com que dinamiza o uso de vídeos na sala de aula. Para se apresentar integralmente filmes atrelados a um determinado capítulo do currículo, precisa-se de muito tempo, visto que um filme dura em média uma hora e meia e ocupa pelo menos três aulas. Gera o incômodo de utilizar aulas de outros professores ou de se fragmentar a exibição o que leva a um possível desinteresse dos alunos. No entanto, com o uso do programa de edição é possível selecionar as cenas mais relevantes de um filme ou de alguns filmes adequando-as ao tempo de aula. O uso do filmes editados também pode facilitar a compreensão do conteúdo pelo aluno através do uso de legendas que servem para destacar alguma informação considerada importante pelo professor. 767

13 Com relação ao conteúdo, é importante ter em vista que os filmes geralmente trabalham com fatos pontuais, o que facilitar identificar os sujeitos históricos, os agentes de ação social, sendo eles indivíduos, grupos ou classes sociais que exprimem suas especificidades e características. A partir de Foucault podemos considerar a análise dos discursos inseridos num filme para o contexto da sala de aula. De acordo com Leite (2003), no ambiente escolar, as imagens e as mensagens de um filme podem ser trabalhadas em torno de uma perspectiva da desconstrução do padrão de ser da classe dominante, visto que o discurso da narrativa fílmica, por meio de suas falas que dão sentido as suas imagens, traz em si uma relação de poder. É o exemplo do contraste: no caso de filmes hollywoodianos de faroeste que até a década de 1950 e 1960 apresentavam o estereótipo do índio selvagem e sanguinário contra o cowboy heróico defensor da família e nascente nação americana. A partir das décadas seguintes é possível se perceber um revisionismo quando o índio passa a ser visto como uma vítima que perdeu sua terra em nome do progresso dos colonizadores norte-americanos. Semelhante leitura pode ser atribuída quando ocorre a Guerra do Vietnã onde o filme Os Boinas Verdes (The Green Berets, 1968) que, produzido durante o período do conflito, exalta o patriotismo dos soldados americanos. Diferentemente, os filmes que o precederam anos depois como Apocalipse Now de 1979 produzido por Francis Ford Coppola, Platoon de 1986, escrito e dirigido por Oliver Stone e Nascido para Matar (Full Metal Jacket, 1987) dirigido por Stanley Kubrick denunciavam os dramas vividos pelos jovens enviados para lutar nessa Guerra. O uso das películas leva o aluno a identificar de modo mais fluente o conteúdo estudado, visto que, em minha experiência na sala de aula, os alunos conseguem, por exemplo, identificar e diferenciar os acontecimentos da Guerra de Independência dos Estados Unidos e a sua Guerra de Secessão, reconhecendo suas estratégias de combate, seus uniformes e utensílios bélicos. Considerando-se que o conteúdo estudado sobre a Independência é apresentado no primeiro bimestre do oitavo ano e outro no terceiro bimestre do mesmo ano, muitos alunos esqueciam com muita facilidade esses conteúdos quando apenas eu trabalhava com material textual. Com o uso sistemático de vídeos é possível se perceber melhor a dimensão do tempo histórico e como se constituem os diferentes níveis e ritmos de durações temporais ao fazer comparações espaciais e cronológicas como, por exemplo, é possível pensar que, na segunda metade do século XIX, enquanto Friedrich Nietzsche viajava por cidades da velha Europa 768

14 Dias de Nietzsche em Turim, 2001, nos Estados Unidos, o Exército e colonos entravam em conflito com nativos sioux por terra como se vê no filme Dança com Lobos, ganhador de sete prêmios do Oscar em Por outro lado, podemos identificar um vício do trabalho que é acomodar de forma anacrônica personagens ou fatos a um mesmo período histórico. É o caso de se aproximar os compositores Wolfgang Amadeus Mozart e Ludwig van Beethoven em uma mesma época apenas pela afinidade de seus ofícios. Percebi esse fato quando apresentei no contexto da Era Napoleônica, no século XIX, um trecho do filme O Segredo de Beethoven (Copying Beethoven, 2006) com objetivo envolver a disciplina de História a de Artes com o compositor alemão do período de transição entre o Classicismo e o Romantismo. Ao passo que a cinebiografia de Mozart, compositor austríaco do período clássico, Amadeus de 1984, se vincula ao auge e ocaso do absolutismo na Europa. O confronto entre películas é impressionante quando consideramos aspectos como a nacionalidade de uma produção ou o seu contexto histórico. Haja o exemplo quando trabalhei com o capítulo sobre o Período Entre Guerras destacando a propaganda ideológica. Tive a oportunidade de apresentar aos alunos o uso da mídia em tempos de (des)construção de imagens políticas. De um lado o discurso flamejante de Adolf Hitler em Nuremberg na obra de Leni Riefensthal, Triunfo da Vontade (Triumph des Willens, 1935); no ângulo oposto, a animação soviética What Hitler Wants, literalmente O que Hitler quer, demoniza e ridiculariza o ditador nazista; e no ângulo democrático-liberal o Pato Donald, personagem/diplomata de Walt Disney, chacoteia o totalitarismo fascista em A Face Do Fuehrer (Der Fuehrer's Face, 1942), ganhador do Oscar de animação daquele ano. Outro momento histórico que apresenta uma série de contrastes marcantes é o capítulo sobre a invasão do Afeganistão pela União Soviética durante a década de 1980 e que passa esmaecido entre alguns livros de História do século XX. Nesse capítulo destaquei três filmes com pontos de vistas diferentes: o primeiro é Jogos Do Poder (Charlie Wilson's War, 2007), produção americana que retrata a Operação Ciclone em que o governo estadunidense passa a municiar os guerreiros mujahidin contra o exército soviético, apresentado como inimigo. Numa visão oposta, o filme 9º Pelotão (9 Рота, 2005) é uma produção russa, pós censura soviética, que retrata o drama de jovens idealista que vão combater os afegãos agora na condição de algozes. O filme Rambo 3 de 1988, e por isso o único dos três contemporâneo à guerra, coloca de forma fantasiosa o veterano da Guerra do Vietnã John Rambo contra o exército soviético e deixa implícito a propaganda anti-comunista, visto que seu diretor e 769

15 protagonista, Sylvester Stallone, é filiado ao Partido Republicano, o partido conservador dos Estados Unidos. Outro recurso áudio-visual importante é a música. Nesta modalidade passei a apresentar de modo mais atrativo fazendo uso de videoclipes e inserindo a legenda nas músicas, mesmo em português, o que captou ainda mais a atenção dos alunos. Com a música é possível construir a expressão de uma época a partir de seus artistas. Durante o Período da Ditadura Militar é possível montar um mosaico, uma seqüência cronológica onde a música é tomada como um termômetro da conjuntura política. Com Nara Leão Opinião 2 da peça teatral homônima de 1964, evidenciamos o começo da reação à censura; com Geraldo Vandré Pra não dizer que não falei de flores 3 o protesto poético em 1968; em Chico Buarque percebemos o recrudescimento do regime sob presidência de Médici ao perceber através de suas letras o dúbio sentido como Cálice 4 de 1973; Elis Regina traz também em O bêbado e o equilibrista 5 sua contribuição em relação à Lei de Anistia e o próprio Chico Buarque coloca subentendido na letra de Vai Passar 6, a idéia de que não era o bloco que estava passando no carnaval, mas as amarguras do regime de exceção estavam a passar, a acabar. Conclusões O cerne deste projeto visa discutir a possibilidade de se trabalhar com o uso de imagens, na forma de obras artísticas, desenhos e fotografias, assim como o recorte de filmes, séries e outros exemplos produções áudios-visuais que contemplem o ensino de História e o currículo utilizado nas escolas do ensino fundamental. Pensando sobre as práticas educativas, este projeto discute a possibilidade de se fazer um uso maior de artefatos tecnológicos e midiáticos, abrindo mão do uso constante dos tradicionalíssimos quadro negro, giz e livro didático enquanto recursos limitadíssimos para se ampliar as possibilidades de aprendizagem. 2 Podem me prender, podem me bater / Podem até deixar-me sem comer / Que eu não mudo de opinião., autoria de Zé Keti. 3 Há soldados armados/ Amados ou não/ Quase todos perdidos/ De armas na mão/ Nos quartéis lhes ensinam/ Uma antiga lição:/ De morrer pela pátria/ E viver sem razão. Escrita e interpretada por Geraldo Vandré. Ficou em segundo lugar no Festival Internacional da Canção de 1968 e, depois disso, teve sua execução proibida durante anos, pela ditadura militar brasileira. 4 Escrita por Chico Buarque e Gilberto Gil em 1973, nela ouvimos o trecho Silêncio na cidade não se escuta/ De que me vale ser filho da santa?/ Melhor seria ser filho da outra/ Outra realidade menos morta/ Tanta mentira, tanta força bruta. 5 Que sonha com a volta/ Do irmão do Henfil./ Com tanta gente que partiu/ Num rabo de foguete/ Chora! A nossa Pátria/ Mãe gentil/ Choram Marias E Clarisses/No solo do Brasil... 6 Num tempo página infeliz da nossa história,/ passagem desbotada na memória/ Das nossas novas gerações/ Dormia a nossa pátria mãe tão distraída/ sem perceber que era subtraída/ Em tenebrosas transações/ Seus filhos erravam cegos pelo continente,/ levavam pedras feito penitentes/ Erguendo estranhas catedrais. 770

16 Visa também estudar, como elemento importante ao lado da linguagem textual e verbal, a linguagem visual que se apresenta presente cada vez mais em uma sociedade midiática e que ao tempo que consome imagens sequer dialoga ou reflete sobre elas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADORNO, Theodor W., HORKHEIMER, Max; Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., ALMEIDA, MILTON José de. Imagens e sons: a nova cultura oral São Paulo: Cortez, BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política. 3ª ed., São Paulo, Brasiliense, BERNARDET, Jean-Claude e RAMOS, Alcides Freire. Cinema e história do Brasil. São Paulo: Editora da USP/Contexto BITTENCOURT, Circe. (org). O Saber histórico na sala de aula São Paulo: Contexto, BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História (5ª a 8ª séries)/secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, BURKE, Peter. A Escola dos Annales A Revolução Francesa da historiografia. São Paulo: UNESP CARDOSO, C. F.; MAUD, A. M. História e imagem: os exemplos da fotografia e do cinema. In: Domínios da história. Rio de Janeiro: Campus, CHARTIER, R. A história cultural: Entre práticas e representações. Lisboa: Difel, FELDMAN-BIANCO, B.; LEITE, M. L. M. (Orgs.). Desafios da imagem: fotografia, iconografia e vídeo nas ciências sociais. Campinas: Papirus, FERRO, Marc. Cinema e história. Rio de Janeiro: Paz e Terra FONSECA, Selva Guimarães. Caminhos da História Ensinada. Campinas: Papirus, FONSECA, Selva Guimarães (org). Currículos, saberes e culturas escolares. Campinas: Alínea, FONSECA, Selva Guimarães. Didática e prática de ensino de História: experiências, reflexões e aprendizados. Campinas, SP: Papirus, FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 3ed. São Paulo: Loyola,

17 GIROUX, H. Disneyzação da cultura infantil. In: SILVA, T. T. da; MOREIRA, A. F. (orgs.) Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes, 1995 KELLNER, Douglas. A cultura da mídia: estudos culturais: identidade e política. entre o moderno e o pós-moderno: Bauru, SP: EDUSC, LE GOFF, Jacques e outros. A Nova História. Lisboa, Edições 70, s/d. LEITE, Miriam Moreira. Imagem e educação. In: SEMINÁRIO PEDAGOGIA DA IMAGEM NA PEDAGOGIA, 1996, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFF, Retratos de família: Leitura da Fotografia Histórica 3 ed São Paulo: editora da Universidade de São Paulo, MENEZES, Gilda. Como usar outras linguagens na sala de aula São Paulo: Contexto, OROFINO, Maria Isabel. Midias e mediação escolar: pedagogia dos meios, participação e visibilidade. São Paulo: Cortez : Instituto Paulo Freire, PESAVENTO, Sandra Jatahy. "Em busca de uma outra história: Imaginando o Imaginário". In Revista Brasileira de História. São Paulo, Contexto/ANPUH, vol. 15, nº 29, 1995, p.16. RICOEUR, Paul. O percurso do reconhecimento. Tradução Nicolás Nyimi Campanário. SP: Loyola, A memória, a história, o esquecimento. Tradução: Alain François. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, ROSSI, M. H. Imagens que falam. Porto Alegre: Mediação, RÜSEN, Jörn. Razão histórica. Teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Tradução de Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UNB, 2001 TERUYA, T. K. Trabalho e educação na era midiática. Maringá, PR: Eduem, VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo, Martins Fontes Editora,

PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR.

PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR. PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR. 1 AUTOR: DAIVE CRISTIANO LOPES DE FREITAS 1 Instituição: Secretaria de Educação do Estado de São Paulo e-mail:

Leia mais

TÍTULO: PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR.

TÍTULO: PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR. TÍTULO: PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR. RESUMO: Este artigo consiste numa pesquisa sobre utilização de recursos imagéticos (obras de arte,

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema

Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema 1 Quando o historiador deixa de assistir e começa a analisar: Reflexões sobre a relação história e cinema Carlos Adriano F. de Lima Quando os irmãos Augusthe e Lois Lumiere apresentaram seu cinematógrafo

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DSCPLNA Disciplina: Prática Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 45 Obrigatória: sim Eletiva: não Número de Créditos: 03 Pré-Requisitos: não EMENTA Refletir sobre a produção da prática

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15

Escola Secundária com 2.º e 3.º ciclos Anselmo de Andrade. Critérios de Avaliação / Planificação 6.º Ano - HGP Grupo 400 História Ano Letivo 2014/15 Domínio/ Tema/unidade História de Portugal Subdomínio/ conteúdos Compreensão da espacialidade Temporalidade Metas de aprendizagem intermédias Meta 1 O aluno traça, em diferentes representações cartográficas,

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS JAGUARÃO CURSO DE PEDAGOGIA PLANO DE ENSINO 2011-1 DISCIPLINA: Arte e Educação - JP0029 PROFESSOR: Ms. Clóvis Da Rolt I DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Carga Horária Teórica: 60h Carga Horária Prática: 15h II EMENTA A disciplina de Arte e

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA

A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA A CULTURA VISUAL E O MEIO AMBIENTE COMO COMPONENTES TRANVERSALIZANTES PARA A AÇÃO EDUCATIVA Mariana Garcia Barbosa 1 Elisete Medianeira Tomazetti 2 Resumo: A pesquisa foi realizada em escola da rede estadual

Leia mais

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação.

Palavras-chave: Informática Educativa. Ferramenta pedagógica. Formação. 1 ARTE DIGITAL: O MUNDO DAS TELAS NA TELA DO COMPUTADOR Gláucio Odair Xavier de ALMEIDA Licenciado em Letras e Licenciando em computação Universidade Estadual da Paraíba/CCEA- Patos odairalmeida88@gmail.com

Leia mais

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição

Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica. mais possível. Com efeito, uma certeza acerca do conceito de arte é sua indefinição Considerações sobre Walter Benjamin e a Reprodutibilidade Técnica Danilo L. Brito (UFRJ) A arte tem sido alvo de discussões de diferentes teóricos ao longo da história, desde os gregos, com sua concepção

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA ATRAVÉS DA MÚSICA E IMAGENS: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA

O ENSINO DA GEOGRAFIA ATRAVÉS DA MÚSICA E IMAGENS: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA O ENSINO DA GEOGRAFIA ATRAVÉS DA MÚSICA E IMAGENS: UMA PROPOSTA METODOLÓGICA Maria Auxiliadora Ferreira dos Santos Professora de Geografia e Educação Ambiental Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia

Leia mais

Palavras-Chave: Educação; Estágio Supervisionado; Prática de Regência; Realidade da Educação.

Palavras-Chave: Educação; Estágio Supervisionado; Prática de Regência; Realidade da Educação. PERCEPÇÕES ESTABELECIDAS ATRAVÉS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL Il: A SALA DE AULA E SUAS ESPECIFICIDADES Tarcisio Santos Souza- UESC tarcisio_palito@hotmail.com Deborah Laís

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste

Geyso D. Germinari Universidade Estadual do Centro-Oeste O ENSINO DE HISTÓRIA LOCAL E A FORMAÇÃO DA CONSCIÊNCIA HISTÓRICA DE ALUNOS DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA COM A UNIDADE TEMÁTICA INVESTIGATIVA Geyso D. Germinari Universidade Estadual

Leia mais

CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA

CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA CINEMA: NOVAS PERSPECTIVAS PARA O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM ATRAVÉS DA LINGUAGEM MIDIÁTICA Adriana Aires Pereira 1 adriairespmr@gmail.com Maria Cristina Rigão Iop 2 mcriop@gmail.com Rodrissa Machado

Leia mais

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011

PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES. Diretrizes para o ensino de Arte 2011 PARÂMETRO DE ARTE PARA O ENSINO FUNDAMENTAL - REDE MUNICIPAL ENSINO DE TRÊS CORAÇÕES 1 Diretrizes para o ensino de Arte 2011 1 Arte e legislação educacional: A inclusão da Arte no currículo escolar foi

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA

EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA EXPERIÊNCIAS DE LEITURA, ESCRITA E MÚSICA Aline Mendes da SILVA, Marcilene Cardoso da SILVA, Reila Terezinha da Silva LUZ, Dulcéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES, Departamento de Educação UFG - Campus

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO COLÉGIO ESTADUAL ALCIDES MUNHOZ ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO Rua Marechal Floriano Peixoto, 61 Cep:84430-000 Fone/Fax:(42)34361327 e-mail: iuvalcidesmunhoz@seed.pr.gov.br Imbituva - Paraná Projeto de Leitura

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

O Livro Didático de História: Algumas reflexões sobre seus usos, finalidades, indicações e sua relação com a Consciência Histórica.

O Livro Didático de História: Algumas reflexões sobre seus usos, finalidades, indicações e sua relação com a Consciência Histórica. O Livro Didático de História: Algumas reflexões sobre seus usos, finalidades, indicações e sua relação com a Consciência Histórica. Leda Virgínia B. C. Potier. Mestranda PPGH/UFRN. RESUMO Qual o papel

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CHS TEORIA PRÁTICA ANO 340.3451.1 ESTÉTICA E HISTÓRIA DA ARTE 4ª 04 04 2/2009 OBJETIVOS Desenvolver

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA. Veruska Anacirema Santos da Silva A IMPORTÂNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES PARA O ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE CINEMA E HISTÓRIA Veruska Anacirema Santos da Silva Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Orientador: Prof. Dr. Edson Farias (UnB)

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB.

Cinema como ferramenta de aprendizagem¹. Angélica Moura CORDEIRO². Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. Cinema como ferramenta de aprendizagem¹ Angélica Moura CORDEIRO² Bianca da Costa ARAÚJO³ Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, PB. RESUMO Este artigo pronuncia o projeto Criancine que

Leia mais

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos

Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Novas estratégias no ensino de geografia para vestibulandos Renata de Souza Ribeiro (UERJ/FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/FFP) Eixo: Fazendo escola com múltiplas linguagens Resumo Este texto relata

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17032441 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Evolução das Artes Visuais II ETAPA 2ª Período

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular II Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 6º 1 - Ementa (sumário, resumo) Fundamentos teórico-práticos

Leia mais

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA Claudiane Lorini claudianelorini@hotmail.com Silvana Rodrigues da Silva madonalongati@hotmail.com Tânia Marli Peçanha de Brito taniam.brito@hotmail.com RESUMO: O ambiente

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA

NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA NO TEMPO DA MINHA AVÓ: REFLEXÃO E USO DA HISTÓRIA ORAL EM SALA DE AULA Juliana de Oliveira Meirelles Camargo Universidade Candido Mendes/ Instituto Prominas e-mail: Ju_meirelles@yahoo.com.br Léa Mattosinho

Leia mais

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte

ampliação dos significados. conhecedor fruidor decodificador da obra de arte Comunicação O ENSINO DAS ARTES VISUAIS NO CONTEXTO INTERDISCIPLINAR DA ESCOLA ALMEIDA, Maria Angélica Durães Mendes de VASONE, Tania Abrahão SARMENTO, Colégio Hugo Palavras-chave: Artes visuais Interdisciplinaridade

Leia mais

O TRABALHO, PERCEPÇÕES A PARTIR DA PRÉ-HISTORIA E DA ANTIGUIDADE

O TRABALHO, PERCEPÇÕES A PARTIR DA PRÉ-HISTORIA E DA ANTIGUIDADE O TRABALHO, PERCEPÇÕES A PARTIR DA PRÉ-HISTORIA E DA ANTIGUIDADE ALESSANDRA GOMES PORTO MAGALHÃES EMEFEJA ADMARDO SERAFIM DE OLIVEIRA O Ensino da Arte tem passado por muitas modificações ao longo dos anos.

Leia mais

GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA GEOMETRIA, LITERATURA E ARTE: CONEXÕES NO ENSINO- APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Kátia Stocco Smole Mathema katia@mathema.com.br Patrícia Cândido Mathema patrícia@mathema.com.br Resumo: Este minicurso, proposto

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC PROFª NAIR LUCCAS RIBEIRO Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias Componente

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de aulas de História Autora: Professora Vanessa Maria Rodrigues Viacava

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP

Resumo. GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP GT Produção Laboratorial Impresso Jornal cultural 2ª Opinião Márcia Eliane Rosa Professora de Jornalismo, doutoranda na ECA/USP Resumo O 2ª Opinião - Espaço cultural é um jornal-laboratório que vem sendo

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO

LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO LINGUAGEM ESCRITA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: FORMAS DE CONHECER O MUNDO SILVA, Hayana Crislayne Benevides da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I hayana_benevides@yahoo.com.br SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares

Walter Benjamin - Questões de Vestibulares Walter Benjamin - Questões de Vestibulares 1. (Uem 2011) A Escola de Frankfurt tem sua origem no Instituto de Pesquisa Social, fundado em 1923. Entre os pensadores expoentes da Escola de Frankfurt, destaca-se

Leia mais

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1

Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Uma abordagem do ensino de Estatística no Ensino Fundamental 1 Rosiane de Jesus Santos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Brasil rosijs7@yahoo.com.br Wederson Marcos Alves Universidade

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

Uma reflexão sobre a didática do ensino\aprendizagem de história nas salas de aula de rede pública.

Uma reflexão sobre a didática do ensino\aprendizagem de história nas salas de aula de rede pública. Uma reflexão sobre a didática do ensino\aprendizagem de história nas salas de aula de rede pública. ANA CARLA DE MEDEIROS TRINDADE * BRENDA SOARES SILVA * Resumo: Esse trabalho tem por objetivo fazer uma

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado.

Projeto: Música na Escola. O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Projeto: Música na Escola O amor é a melhor música na partitura da vida e sem ele, você é um eterno desafinado. Justificativa De acordo com as diretrizes curriculares, o som é a matériaprima da música;

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: TEODORO SAMPAIO Área de conhecimento: Ciências Humanas Componente Curricular: Historia

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural

Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Uma Perspectiva Sócio-Histórica do Processo de Alfabetização com Conscientização do Contexto Sociocultural Camila Turati Pessoa (Universidade Federal de Uberlândia) camilatpessoa@gmail.com Ruben de Oliveira

Leia mais

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA

MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA MAQUETE: RECURSO DIDÁTICO NAS AULAS DE GEOGRAFIA SANTOS, Jéssica Paula. UFG/REGIONAL/CATALÃO jessica-g-ts@hotmail.com SANTOS, Marina da Silva. UFG/REGIONAL/CATALÃO marinaavlis@hotmail.com Orientador: Dr.ª

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano XII Número 24 Julho de 2014 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano XII Número 24 Julho de 2014 Periódicos Semestral CURRÍCULO E CONHECIMENTO ESCOLAR: O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇAO INFANTIL Amanda Aparecida ALVES 1 Marta Fresneda TOMÉ 2 RESUMO Esta pesquisa investiga questões relacionadas ao currículo suas teorizações

Leia mais

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc

Attached File: Proposta de Curso para Pós.doc nome: Adilson José Gonçalves enviado_por: professor proposta: Ampliar as discuss~eos sobre o redesenho, apontando para a excelencia, agilidade, flexibilidade e aprofundamento da democratização da instituição.

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999)

A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) A HISTÓRIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA NOS LIVROS DIDÁTICOS BRASILEIROS EM DOIS TEMPOS: A OBRA DE HERMÍNIO SARGENTIM (1974 E 1999) Ioná Vieira Guimarães Venturi * Décio Gatti Júnior RESUMO O presente

Leia mais

Palavras-chave: Fotografia, Ensino de História, Educação Histórica

Palavras-chave: Fotografia, Ensino de História, Educação Histórica 1 FOTOGRAFIA E ENSINO DE HISTÓRIA: MEDIADORES CULTURAIS NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO HISTÓRICO. Natalia Germano Gejão (Mestrado em História Social -UEL) Profª Drª Ana Heloisa Molina Palavras-chave: Fotografia,

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MCH0181 HISTÓRIAS EM QUADRINHOS SOB A PERSPECTIVA DA TEORIA BAKHTINIANA

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL 20 a 24 de outubro de 2008 A UTILIZAÇÃO DE DESENHOS ANIMADOS NA CULTURA VISUAL EDUCAÇÃO INFANTIL Caroline de Souza Gervazio 1 ; Luciana Figueiredo Lacanallo 2, Maria Ângela Garcia de Almeida 3 RESUMO:

Leia mais

Novos textos no ensino da Geografia

Novos textos no ensino da Geografia Novos textos no ensino da Geografia Renata de Souza Ribeiro (UERJ/ FFP) Thiago Jeremias Baptista (UERJ/ FFP) Resumo Este texto relata a experiência desenvolvida no curso Pré-vestibular Comunitário Cidadania

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA

FORMAÇÃO IDEOLÓGICA: O CONCEITO BASILAR E O AVANÇO DA TEORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL IV SEAD - SEMINÁRIO DE ESTUDOS EM ANÁLISE DO DISCURSO 1969-2009: Memória e história na/da Análise do Discurso Porto Alegre, de 10 a 13 de novembro de 2009 FORMAÇÃO

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

Área de Formação Pessoal e Social

Área de Formação Pessoal e Social Área de Formação Pessoal e Social Identidade/ Auto-estima Independência/ Autonomia Convivência democrática/ Cidadania Brincar com o outro (s); Ouvir os outros; Saber identificar-se a si e o outro; Esperar

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Ensino Médio Etec: PROFESSOR MARIO ANTONIO VERZA Código: 164 Município: PALMITAL Área de conhecimento: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Componente Curricular: GEOGRAFIA

Leia mais