PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR."

Transcrição

1 PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR. 1 AUTOR: DAIVE CRISTIANO LOPES DE FREITAS 1 Instituição: Secretaria de Educação do Estado de São Paulo Este projeto tem por objetivo explorar as práticas de ensino de História no ensino fundamental com o uso articulado de meios imagéticos e audiovisuais. A partir da proposta dos Parâmetros Curriculares Nacionais, diretrizes elaboradas pelo Governo Federal que orientam a educação no Brasil, que, dentre outros objetivos previstos no ensino fundamental dos quais os alunos sejam capazes de saber utilizar diferentes fontes de informação e recursos tecnológicos para adquirir e construir conhecimentos é que este projeto se propõe a explorar. O processo de massificação da informatização no contexto da globalização facilitou às pessoas o acesso a um número incomensurável de informações que circulam em escala planetária. Porém, em meio a essa democratização das informações urge pensar, em termos de educação, sobre as possibilidades de o professor fazer uso destas empregando-as na forma de conhecimento na sala de aula. Pensadores da educação vêm discutindo nos últimos anos nesse processo de inserção dos multimeios no processo de ensino-aprendizagem. A partir desta reflexão que este projeto parte das experiências e práticas em sala de aula sobre o uso articulado de fontes iconográficas fotográficas, artísticas e jornalísticas, obras plásticas, charges, mapas e outros; músicas e videoclipes e; produções cinematográficas com o objetivo de facilitar o aprendizado dos alunos com relação ao conteúdo, abrindo a possibilidade de compreender melhor o conteúdo estudado não apenas de forma textual, mas imagética. Em meus primeiros anos como professor, percebi lentamente que a história que aprendemos enquanto discentes é a história que nos molda como docentes. O fato é que, ao nos formarmos como professores, ingressamos carregados de conhecimento, mas carentes de experiência. E o profissional docente se constrói necessariamente através da experiência no 1 Graduado em História pela UNESP/Franca (2000) e Mestrado em Educação pela UNESP/Rio Claro. Atualmente é professor titular de cargo (PEB II) - EE Heloisa Lemenhe Marasca.

2 2 cotidiano na sala de aula. No entanto, a referência geralmente de quem se inicia como docente enceta de suas experiências como aluno diante de seus professores. Nesse trabalho de atenção minuciosa aos métodos e procedimentos vejo que faço parte de uma geração anterior ao processo de massificação da informatização: faço parte de uma geração que tinha como sonho de consumo American way of life : telefone a discagem, VCR (Video Cassette Recorder), aparelhos de som com toca discos long play, rádio FM e compact cassette. Computadores pessoais, quando apareceram eram quase tão caros quanto um carro usado. E hoje, ironicamente, vejo meus alunos brincando com MP3, celulares, iphone e ipod e percebo um distanciamento do trabalho docente que não concorreu a essa evolução. O material didático é um exemplo regular. Enquanto aluno, minha janela para ver o mundo na escola era o livro didático. Nele encontrava diversas ilustrações segundo as quais para BELMIRO (2000): a imagem tem a importância de ajudar na visualização agradável da página. Se há textos muitos longos, ela serve para quebrar o ritmo cansativo da leitura. Para o autor o uso de imagens tem sua importância enquanto adereço para comprazer-se diante do enfado que o texto produz. Hoje, porém nossos alunos têm acesso e consomem imagens e sons constantemente e nós professores entramos na sala de aula e dispomos de giz e lousa. E carregamos em muitos casos algo considerado tão virtuoso que pessoalmente chego a considerar um vício. É o fato de que a excelência de uma aula se determina pela capacidade de o professor apresentar todo o seu conhecimento sobre o conteúdo na forma de um monólogo, e esperar que os alunos, atentamente e em silêncio irrestrito, decorem as falas de sua prédica. A realidade, no entanto, é frustrante, pois sabemos que a maioria dos alunos afirmo por experiência dificilmente se mantém em silêncio e hermeticamente atento. Ao longo de tantas experiências e frustrações percebi que era preciso mudar o método de se elaborar uma aula expositiva, visto que entrar numa sala de aula é como adentrar em caverna paleolítica e nesse momento faço uso de algumas metáforas, pois diante da Terceira Revolução Industrial onde a tecnologia presenteia tantas possibilidades aos consumidores ávidos da integração e interação cibercultural, notamos que a maioria dos professores se limita ao uso do medievalesco quadro negro. Refletindo sobre o ensino de História, segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais, para formar o aluno somente para a cidadania e o trabalho o que é passível de debates fervorosos por diversos pensadores penso de forma um pouco idílica que o professor de

3 3 História tem uma possibilidade singular de apresentar ao aluno seu conteúdo por outros caminhos sem se desvincular de seus objetivos pedagógicos. A partir dos conteúdos e dos livros didáticos é possível apresentamos aos alunos vários personagem/sujeitos históricos, lugares e fatos que um dia eles poderão possivelmente vir a conhecer ou provavelmente não através do uso coordenado e articulado de recursos midiáticos. Começo essa reflexão com uma pergunta de pronto acato a uma resposta negativa. Quantos de nossos alunos, em tantos anos de magistério, sabemos que foram ao Complexo De Pirâmides De Gizé no Egito, ao palácio de Versalhes, Paris, França, ao Museu Imperial em Petrópolis/RJ ou a casa museu de Getúlio Vargas em São Borja/RS? Desconheço qualquer um de meus alunos. E talvez nós professores não tenhamos nem idéia de como seja cada um desses lugares. E esperamos que os alunos tenham aprendido nos respectivos capítulos do currículo de História o que é Teocracia, Absolutismo, Parlamentarismo às avessas e Populismo. Nessa linha de pensamento, imagino que o ideal da aula de História seria o professor como um guia levar os seus alunos até a Place de la Concorde na Avenida dos Champs- Élysées em Paris e mostrar-lhes onde estava a guilhotina a época do Terreur da Revolução Francesa. Mas a realidade não nos permite tanto. Porém, a Internet pode nos oferecer o suporte além do informativo e textual, o imagético. Podemos buscar na internet imagens do determinado local histórico onde tudo ocorreu e que muitas vezes não encontramos no livro didático. Já expressava o filósofo e historiador escocês David Hume no século XVIII: o mais vivo pensamento é inferior a mais embotada das sensações. Neste caso, transpondo seu pensamento para o século XXI, há de se pensar que na sala de aula devemos fazer uso da linguagem verbal e textual que importantíssimos são para a formação dos alunos. Porém, também podemos contextualizar a partir das produções imagéticas e audiovisuais para complementar nosso trabalho. A mídia para o consumo e para a alienação A mídia e seus processos de massificação passaram por diversas leituras críticas que apontaram dois aspectos importantes visados neste projeto: o processo de padronização, homogeneização e alienação das identidades culturais e o incentivo ao consumismo. Primeiramente, vemos a partir da década de 1930, os pensadores da Escola de Frankfurt, Theodor Adorno ( ) e Max Horkheimer ( ), se debruçar para

4 4 uma crítica sobre a arte nas sociedades industrializadas e da indústria cultural. Eram estudos que apontavam as produções culturais para a massa como um poderoso instrumento de alienação, massificação da sociedade, por meio da manipulação da subjetividade humana. Acompanhando os pensadores alemães, para Thompson (1998), no decorrer do século XX, os filmes, principalmente os chamados hollywoodianos, operaram como instrumento ativo no processo de massificação de uma ideologia norteadora do status quo de grupos dominantes. Nesse sentido, o cinema contribuiu para disseminação da cultura hegemônica e padronizadora como um dos instrumentos de homogeneização cultural em conformidade com os interesses do capitalismo. A partir das obras de Henry Giroux e David Harvey (1995) também é possível perceber como a mídia se tornou um meio atuante para o consumo dos artefatos culturais espetacularizados e dos modismos que muda a sensibilidade e um mundo do efêmero e do descartável. Trata-se de outra característica importante da mídia construída ao longo do século XX, que, segundo os interesses do modelo capitalista, incita o consumismo entre as massas por meio da comunicação/sedução audiovisual e propagandeia um discurso, uma representação do real em suas concepções do que é ser sujeito em forma de entretenimento em prejuízo da análise crítica. A mídia e a educação Segundo Kellner (2001) a mídia tem realmente a sua habilidade de induzir os indivíduos a uma identificação com as representações sociais e as ideologias dos dominantes. Porém, versar sobre a mídia somente como utensílio de dominação e de alienação das massas colocaria limites à potencialidade que os recursos midiáticos podem apresentar para uma nova lógica da construção do conhecimento. Podemos perceber uma confluência na proposta de Kellner de se fazer uso sobre a mídia na sala de aula no discurso dos Parâmetros Curriculares Nacionais de História do Ensino Fundamental: O trabalho do professor consiste em introduzir o aluno na leitura das diversas fontes de informação, para que adquira, pouco a pouco, autonomia intelectual. O percurso do trabalho escolar inicia, dentro dessa perspectiva, com a identificação das especificidades das linguagens dos documentos textos escritos, desenhos, filmes, das suas simbologias e das formas de construções dessas mensagens. O documento ainda afirma sobre a necessidade de o aluno ter acesso a uma diversidade de documentos que favoreçam:

5 o aprendizado de como ler documentos variados, tanto aqueles que podem ser encontrados na realidade social (construções, organização urbana, instrumentos de trabalho, meios de comunicação, vestimentas, relações sociais e de trabalho) como também produções escritas, imagens e filmes. 5 No entanto, para autores como Citelli a escola brasileira, em plena era da globalização, da exploração dos meios de comunicação de massa, vive um hiato entre o discurso pedagógico construído ao longo dos anos e a sociedade, visto que as novas gerações estão absorvendo cada vez mais formas de comunicação áudio-visual como filmes, vídeos e internet, e não somente elementos da linguagem vergal e textual. Isto se deve a uma perspectiva conservadora na qual privilegia as práticas pedagógicas, valorizando muito mais a postura racional, subjugando outras práticas e expressões estéticas, outras linguagens, especificamente as visuais. Percebe-se assim um descrédito para a existência de outras linguagens que produzem também outras representações e que podem ser utilizadas para a produção e compreensão do conhecimento histórico na sala de aula. Diante deste contexto onde o sujeito se coloca diante da televisão condicionado a uma atitude passiva, sem diálogo, caberia ao docente se tornar um mediador do aluno, com sua experiência de vida, com a linguagem verbal e a visual, na tentativa de travar diálogos, possibilitando ampliar horizontes, não só de conteúdo, mas de maneiras de interpretar e ler o mundo, quer seja pela palavra, som ou imagem. O narrador de Walter Benjamin Muitos pensadores da educação têm proposto diversas formas de aproximação no processo de laboração de conhecimento através da mídia digital, com o objetivo de desenvolver uma geração mais crítica e reflexiva. Entre elas, propõe-se que os professores façam uso dos discursos produzidos pela mídia não como mera divulgadora da ideologia dominante nem mesmo como entretenimento inofensivo, mas como produções complexas que articulam os diferentes discursos sociais, culturais e políticos. É nessa perspectiva que compreendemos, com o olhar de historiador crítico, que rastreamos somente as informações encerradas no discurso porque, segundo LEITE (2001), embora muda, a imagem pode ser lida como um mosaico que muda constantemente de configuração...o mosaico que se transfigura e o olhar procura outras configurações. Confere ao professor verificar as potencialidades dos textos imagéticos, no processo de interpretação,

6 6 assimilação, num processo de trocas, de intercâmbio do verbal e do visual, de criação e fruição de linguagens. Entre as considerações de Walter Benjamin, existe aquela que trata da figura do narrador que o autor alemão nos apresenta em dois personagens arcaicos de narradores: o lavrador sedentário e o marinheiro mercante. Cada qual narra suas experiências para transmiti-las às gerações mais jovens. Dessa leitura, identifico o professor como aquele que narra aos alunos a partir das imagens do passado monumentos, desenhos, pinturas, ferramentas, fotografias, filmes e músicas as experiências dos sujeitos do passado. Se o marinheiro mercante leva seus ouvintes a lugares distantes e fantásticos através da imaginação de seus ouvintes, o professor o faz através das imagens: conduz o aluno a fatos, lugares e a personagens históricos muito distantes de sua realidade através dos exemplos mencionados. Se o lavrador sedentário constrói suas histórias em torno da realidade próxima de seus ouvintes, o professor apresenta aos alunos a História batendo a porta da sala: num bairro próximo, em outra cidade, na capital do Estado, em um monumento, uma edificação ou um objeto que os alunos veem todos os dias, mas talvez não conheçam ainda o seu significado histórico. Como destaca LEITE (2001):...a leitura da mensagem visual depende de uma compreensão global e de uma análise dos pormenores, mesmo sem levar em conta, todos os detalhes e as articulações parciais de seus elementos. Para se compreender a mensagem visual opera-se uma leitura imagética, em que se entrecruzam o contexto espacial e o contexto do leitor; o contexto em que está inserida a imagem; o conteúdo explícito da imagem; a formação cultural e intelectual do leitor. Cada capítulo do currículo de História proporciona uma singularidade de imagens e requer uma articulação no trabalho de investigação e de organização do professor que passa a gerir suas aulas com uma liberdade que o livro não oferece. E que se valendo da linguagem visual percebe certos vícios que passam despercebidos. Tomemos o exemplo dos livros didáticos que em muitos casos nos apresenta o índio brasileiro de forma homogeneizada e deforma a sua identidade cultural. E em muitos casos, a menção de uma nação indígena se limita à legenda de um mapa. O uso de imagens pode nos favorecer, por exemplo, a conhecer as aparentes diferenças físicas e culturais de índios como caiapós, pipipãs, pataxós e rikbaktsas como na ordem a seguir. (ver Anexo 1)

7 7 Para os alunos que nunca tiveram a oportunidade de conhecer uma tribo indígena torna-se muito mais interessante a aula, porque suas vestes, seus trejeitos, seus modos de indenidade do corpo são muito incomuns para eles. Outro aspecto relevante abordado atualmente na escola é o tema da auteridade. Segundo os Parâmetros Curriculares, do trabalho com a identidade decorre, também, a questão da construção das noções de diferenças e de semelhanças. Nesse sentido, é importante a compreensão do eu e a percepção do outro, do estranho, que se apresenta como alguém diferente. Para existir a compreensão do outro, os estudos devem permitir a identificação das diferenças no próprio grupo de convívio, considerando os jovens e os velhos, os homens e as mulheres, as crianças e os adultos, e o outro exterior, o forasteiro, aquele que vive em outro local. Para existir a compreensão do nós, é importante a identificação de elementos culturais comuns no grupo local e comum a toda a população nacional e, ainda, a percepção de que outros grupos e povos, próximos ou distantes no tempo e no espaço, constroem modos de vida diferenciados. A abordagem proposta pelos Parâmetros Curriculares acompanhou o caminho traçado da Escola dos Annales que se firmou ao longo de mais de 70 anos apresentando, através de seus membros, um elenco variado de fontes históricas para se abordar um determinado tema. A Escola dos Annales elaborou uma prática historiográfica que tem como princípio básico a abordagem da história como problematização dos objetos estudados. Uma segunda característica importante para nosso trabalho foi construída pelos Annales: é a intertextualidade que envolve estudo de diversas formas de fontes históricas para a compreensão do passado. Outra terceira característica é a interdisciplinaridade que apresenta diferentes abordagens teórico-metodológicas de diversas ciências como a sociologia, a psicologia, a antropologia, a economia entre outras. Pensando a transposição dos métodos de pesquisa da História para o ensino de História é necessário se pensar na constituição de competências dos professores para se trabalhar pedagogicamente com as mídias, tecnologias e suas diversas linguagens em contextos formais e não formais. Em relação ao tratamento metodológico procuramos refletir sobre a necessidade de se selecionar as imagens na Internet seguindo a escolha de abordagem, reflexão e organização de informações, problematização, interpretação, análise, localização espacial e ordenação

8 8 temporal dos fatos e sujeitos históricos registrados através de escritas, desenhos, pinturas, esculturas, monumentos, fotografias, instrumentos de trabalho, fragmentos de utensílios cotidianos e estilos arquitetônicos, entre outras possibilidades. Essas várias formas de documentos são basilares como fontes de informações a serem interpretadas, analisadas e comparadas como exemplos de modos de viver, de visões da realidade, de possibilidades construtivas, características de épocas e contextos, observados tanto na sua dimensão material, como na sua dimensão abstrata e simbólica. Essas constatações permitem tomar este projeto como construção da experiência e da prática como professor da disciplina de História do ensino fundamental da rede pública de ensino do Estado de São Paulo com recursos midiáticos. Ao longo dos últimos cinco anos na rede de ensino venho utilizando programas como o Microsoft PowerPoint, para criação, edição e exibição de apresentações gráficas, e Windows Movie Maker, software de edição de vídeos, para elaborar e apresentar as aulas expositivas. O uso diário tem facilitado e diversificado a apresentação de cada capítulo do conteúdo de História para os alunos e a sua aprendizagem do saber histórico escolar. O uso de ambos, porém, tem funções distintas quanto o modo de criar situações para que os alunos aprendam os conteúdos propostos, mas com o objetivo comum de levar aos alunos a melhor compreensão e facilitar as etapas seguintes de construção do saberes propostos e a investigação de outras possibilidades de se evidenciar os objetos estudados. O uso de PowerPoint Primeiramente verificamos a importância do uso do software PowerPoint, a partir das vantagens técnicas como a otimização do tempo. Com o seu uso é possível aproveitar melhor o tempo que era gasto com o escrever, apagar e reescrever com giz no medievalesco quadro negro. Ou mesmo o uso de mapas e outros recursos ilustrativos que, ora, vezes a escola de repente não possui. Por outro lado, seguindo a vertente didática, a partir do momento em que tratamos o conteúdo curricular como referência, encontramos mais possibilidades que contemplam o saber histórico escolar que tornam possível trabalhar o conteúdo de forma não fragmentada, contextualizado local e globalmente. Assim, o conhecimento do contexto em que vivem torna-se mais significativo, pois os alunos passam a perceber as relações que se estabelecem

9 9 entre os elementos do contexto, para poder então estabelecer relações com conceitos e conhecimentos mais complexos. O uso de imagens varia quantitativa e qualitativamente de acordo com cada capítulo estudado no currículo de História. Há, por exemplo, de se perceber que em se tratando do estudo de povos como egípcios e mesopotâmicos torna-se preferível fazer uso de fotografias atuais de sítios arqueológicos como pirâmides e zigurates ou objetos em museus em sua maioria. No caso de culturas mais influentes no processo de formação do Ocidente como gregas e romanas há uma possibilidade maior de se trabalhar, não somente com seus elementos da época retratados, mas com as artes plásticas, principalmente mas não exclusivamente as obras que foram produzidas ao longo da Idade Moderna até o findar do século XIX. São obras de artistas renascentistas, entre outros, que figuravam o passado grecoromano em suas temáticas. Entre o período absolutista e o início do século XIX, principalmente durante a Era Napoleônica, é possível cartografar vastas obras de artistas que compõe a figura de reis e generais, cidades importantes, batalhas celebrizando momentos proeminentes. Nesse momento de passagem para a Idade Contemporânea encontramos com certa facilidade na Internet as charges, caricaturas e cartoons e posteriormente uma progressiva substituição da pintura como meio para se retratar eventos históricos pelo uso da fotografia. Estas, ao longo do século XX, também passam a assumir um caráter que era difícil de ser utilizado na pintura com tanta freqüência: o caráter jornalístico. Podemos citar alguns exemplos como a foto de Kim Phúc, vítima dos bombardeios sob o Vietnam, de Sharbat Gula durante a invasão do Afeganistão pela União Soviética ou a chegada do homem à lua cuja pintura sequer teria o mesmo efeito. Segundo LEITE (2001), a imagem enquanto texto não verbal estabelece relações reflexivas entre estruturas sociais de um lado, e a seleção, apreensão, percepção, cognição e criação de imagem, de outro. Esta proposta baseia-se na idéia de que os conhecimentos históricos a partir das imagens tornam-se significativos para os alunos, como saber escolar e social, quando contribuem para que os alunos reflitam sobre as vivências e as produções humanas, materializadas no seu espaço de convívio direto e nas organizações das sociedades de tempos e espaços diferentes, reconhecendo-as como decorrentes de contradições e de regularidades históricas. A imagem acende no conjunto da observação descrições e narrações

10 10 criando textos intermediários orais e verbais, fazendo fluir as relações que se estabelece entre o que esta vendo e as outras imagens BITTENCOURT (1997). Citamos, como outro exemplo dessas afirmações, no capítulo sobre a expansão marítima comercial e as grandes descobertas europeias do século XVI, o fato comum de que o professor geralmente exige do aluno conhecer as valiosas especiarias que eram importadas do Oriente Extremo como seda, gengibre ou noz-moscada. (ver Anexo 2) Porém, o professor geralmente não se questiona se o aluno já viu ou sabe que serventia tem realmente cada um desses produtos. Mais curioso é perceber que a maior parte dos alunos aprende que, durante o período populista, Brasília, capital do País, foi inaugurada durante o governo de Juscelino Kubitschek. Contudo, se pedíssemos aos alunos para que identificassem através de fotografias entre os edifícios do Palácio do Planalto, do Congresso Nacional e do Supremo Tribunal Federal em qual está o gabinete oficial da presidência, provavelmente não saberiam responder ou apontariam ingenuamente para o edifício do Congresso Nacional simplesmente por ser o mais famoso de todos. Não raro seria também a possibilidade de um desses alunos oportunamente passear em frente ao Museu da República, no bairro do Flamengo, no Rio de Janeiro e não se dar conta que este edifício era o Palácio do Catete, residência oficial do presidente anterior ao Palácio da Alvorada, e que lá estão expostos o pijama e a arma com a qual Getúlio Vargas se suicidou. Caminhando por indagações históricas é possível também estabelecer relações entre passado e presente com locais específicos. Temos como exemplo o Hino Nacional Brasileiro que contempla Ouviram do Ipiranga as margens plácidas.... Há, porém, de se indagar com o aluno: Será que esse rio ainda existe? Será que ainda é plácido, tranqüilo ou está poluído? Ou será que sofre com as enchentes no verão paulistano? (ver Anexo 3) Podemos refletir com o aluno também o que cada imagem pintada, desenhada ou fotografada traz consigo de carga ideológica, cultural entre outros. Segue o exemplo da tela Tiradentes Esquartejado, de Pedro Américo (1893) cuja feição remonta um Cristo republicano para atender à propaganda do regime que substituiu em golpe de Estado a monarquia brasileira e que desperta curiosidade na sala de aula. Existe também a possibilidade de se contrapor imagens que carregam pesos ideológicos opostos como no caso de Carmen Miranda, ícone da Good Neighbor Policy estado-unidense nos anos de 1940, e a foto do

11 11 Guerrillero Heroico, Che Guevara, de autoria de Alberto Korda, símbolo da luta socialista contra o imperialismo norte-americano a partir dos anos de (ver Anexo 4) Podemos criar debates para análises de determinados momentos históricos, de eventos que pertencem ao passado mais próximo ou distante, de caráter material ou mental, que destaquem mudanças ou permanências ocorridas na vida coletiva a partir de imagens polêmicas, contraditórias e ações humanas significativas como a foto da fuga do soldado soviético Conrad Schumann durante a construção do Muro de Berlim Ou podemos evidenciar os momentos de efervescência dos fatos que são registrados pelas câmeras como a primavera de Praga em (ver Anexo 5) A questão do anacronismo, trabalhada por historiadores que identificam a falta de consonância ou correspondência com uma época com relação à fonte documental também pode ser amplamente trabalhada como, por exemplo, no caso de Matthias Grünewald ( ), pintor alemão, precursor do expressionismo e um dos maiores pintores germânicos do gótico tardio. Em sua obra Escárnio de Cristo (Verspottung Christi, em alemão), de 1503 (ver Anexo 6), encontram-se personagens vestidos como no século do artista sendo o tema da obra inspirado no primeiro século da era cristã. São muitos os exemplos de imagens das quais o professor pode criar situações de aprendizagem para que os alunos dimensionem a sua realidade historicamente instigando-os a estabelecer relações entre o presente e o passado, o específico e o geral, as ações individuais e as coletivas, os interesses específicos de grupos e os acordos coletivos, as particularidades e os contextos, etc. Devem-se considerar informações basilares que responderiam perguntas do tipo: Como as imagens foram geradas? Por quem? Para quem? Por quê? O uso de recursos audiovisuais e o Windows Movie Maker Segundo os Parâmetros Curriculares os níveis das durações históricas estão relacionados à percepção das mudanças ou das permanências nas vivências humanas. As mudanças podem ser identificadas, por exemplo, apenas nos acontecimentos pontuais, como no caso da queda de um governo ou do início de uma revolta popular. Com o uso sistemático de vídeos é possível se perceber melhor a dimensão do tempo histórico e como se constituem os diferentes níveis e ritmos de durações temporais ao fazer comparações espaciais e cronológicas.

12 12 Com relação ao uso do programa e Windows Movie Maker podemos destacar a facilidade com que dinamiza o uso de vídeos na sala de aula. Para se apresentar integralmente filmes atrelados a um determinado capítulo do currículo, precisa-se de muito tempo, visto que um filme dura em média uma hora e meia e ocupa pelo menos três aulas. Gera o incômodo de utilizar aulas de outros professores ou de se fragmentar a exibição o que leva a um possível desinteresse dos alunos. No entanto, com o uso do programa de edição é possível selecionar as cenas mais relevantes de um filme ou de alguns filmes adequando-as ao tempo de aula. O uso do filmes editados também pode facilitar a compreensão do conteúdo pelo aluno através do uso de legendas que servem para destacar alguma informação considerada importante pelo professor. Com relação ao conteúdo, é importante ter em vista que os filmes geralmente trabalham com fatos pontuais, o que facilitar identificar os sujeitos históricos, os agentes de ação social, sendo eles indivíduos, grupos ou classes sociais que exprimem suas especificidades e características. A partir de Foucault podemos considerar a análise dos discursos inseridos num filme para o contexto da sala de aula. De acordo com Leite (2003), no ambiente escolar, as imagens e as mensagens de um filme podem ser trabalhadas em torno de uma perspectiva da desconstrução do padrão de ser da classe dominante, visto que o discurso da narrativa fílmica, por meio de suas falas que dão sentido as suas imagens, traz em si uma relação de poder. É o exemplo do contraste: no caso de filmes hollywoodianos de faroeste que até a década de 1950 e 1960 apresentavam o estereótipo do índio selvagem e sanguinário contra o cowboy heróico defensor da família e nascente nação americana. A partir das décadas seguintes é possível se perceber um revisionismo quando o índio passa a ser visto como uma vítima que perdeu sua terra em nome do progresso dos colonizadores norte-americanos. Semelhante leitura pode ser atribuída quando ocorre a Guerra do Vietnã onde o filme Os Boinas Verdes (The Green Berets, 1968) que, produzido durante o período do conflito, exalta o patriotismo dos soldados americanos. Diferentemente, os filmes que o precederam anos depois como Apocalipse Now de 1979 produzido por Francis Ford Coppola, Platoon de 1986, escrito e dirigido por Oliver Stone e Nascido para Matar (Full Metal Jacket, 1987)

13 13 dirigido por Stanley Kubrick denunciavam os dramas vividos pelos jovens enviados para lutar nessa Guerra. O uso das películas leva o aluno a identificar de modo mais fluente o conteúdo estudado, visto que, em minha experiência na sala de aula, os alunos conseguem, por exemplo, identificar e diferenciar os acontecimentos da Guerra de Independência dos Estados Unidos e a sua Guerra de Secessão, reconhecendo suas estratégias de combate, seus uniformes e utensílios bélicos. Considerando-se que o conteúdo estudado sobre a Independência é apresentado no primeiro bimestre do oitavo ano e outro no terceiro bimestre do mesmo ano, muitos alunos esqueciam com muita facilidade esses conteúdos quando apenas eu trabalhava com material textual. Com o uso sistemático de vídeos é possível se perceber melhor a dimensão do tempo histórico e como se constituem os diferentes níveis e ritmos de durações temporais ao fazer comparações espaciais e cronológicas como, por exemplo, é possível pensar que, na segunda metade do século XIX, enquanto Friedrich Nietzsche viajava por cidades da velha Europa Dias de Nietzsche em Turim, 2001, nos Estados Unidos, o Exército e colonos entravam em conflito com nativos sioux por terra como se vê no filme Dança com Lobos, ganhador de sete prêmios do Oscar em Por outro lado, podemos identificar um vício do trabalho que é acomodar de forma anacrônica personagens ou fatos a um mesmo período histórico. É o caso de se aproximar os compositores Wolfgang Amadeus Mozart e Ludwig van Beethoven em uma mesma época apenas pela afinidade de seus ofícios. Percebi esse fato quando apresentei no contexto da Era Napoleônica, no século XIX, um trecho do filme O Segredo de Beethoven (Copying Beethoven, 2006) com objetivo envolver a disciplina de História a de Artes com o compositor alemão do período de transição entre o Classicismo e o Romantismo. Ao passo que a cinebiografia de Mozart, compositor austríaco do período clássico, Amadeus de 1984, se vincula ao auge e ocaso do absolutismo na Europa. O confronto entre películas é impressionante quando consideramos aspectos como a nacionalidade de uma produção ou o seu contexto histórico. Haja o exemplo quando trabalhei com o capítulo sobre o Período Entre Guerras destacando a propaganda ideológica. Tive a oportunidade de apresentar aos alunos o uso da mídia em tempos de (des)construção de imagens políticas. De um lado o discurso flamejante de Adolf Hitler em Nuremberg na obra

14 14 de Leni Riefensthal, Triunfo da Vontade (Triumph des Willens, 1935); no ângulo oposto, a animação soviética What Hitler Wants, literalmente O que Hitler quer, demoniza e ridiculariza o ditador nazista; e no ângulo democrático-liberal o Pato Donald, personagem/diplomata de Walt Disney, chacoteia o totalitarismo fascista em A Face Do Fuehrer (Der Fuehrer's Face, 1942), ganhador do Oscar de animação daquele ano. Outro momento histórico que apresenta uma série de contrastes marcantes é o capítulo sobre a invasão do Afeganistão pela União Soviética durante a década de 1980 e que passa esmaecido entre alguns livros de História do século XX. Nesse capítulo destaquei três filmes com pontos de vistas diferentes: o primeiro é Jogos Do Poder (Charlie Wilson's War, 2007), produção americana que retrata a Operação Ciclone em que o governo estadunidense passa a municiar os guerreiros mujahidin contra o exército soviético, apresentado como inimigo. Numa visão oposta, o filme 9º Pelotão (9 Рота, 2005) é uma produção russa, pós censura soviética, que retrata o drama de jovens idealista que vão combater os afegãos agora na condição de algozes. O filme Rambo 3 de 1988, e por isso o único dos três contemporâneo à guerra, coloca de forma fantasiosa o veterano da Guerra do Vietnã John Rambo contra o exército soviético e deixa implícito a propaganda anti-comunista, visto que seu diretor e protagonista, Sylvester Stallone, é filiado ao Partido Republicano, o partido conservador dos Estados Unidos. Outro recurso áudio-visual importante é a música. Nesta modalidade passei a apresentar de modo mais atrativo fazendo uso de videoclipes e inserindo a legenda nas músicas, mesmo em português, o que captou ainda mais a atenção dos alunos. Com a música é possível construir a expressão de uma época a partir de seus artistas. Durante o Período da Ditadura Militar é possível montar um mosaico, uma seqüência cronológica onde a música é tomada como um termômetro da conjuntura política. Com Nara Leão Opinião 2 da peça teatral homônima de 1964, evidenciamos o começo da reação à censura; com Geraldo Vandré Pra não dizer que não falei de flores 3 o protesto poético em 1968; em Chico Buarque percebemos o recrudescimento do regime sob presidência de Médici 2 Podem me prender, podem me bater / Podem até deixar-me sem comer / Que eu não mudo de opinião., autoria de Zé Keti. 3 Há soldados armados/ Amados ou não/ Quase todos perdidos/ De armas na mão/ Nos quartéis lhes ensinam/ Uma antiga lição:/ De morrer pela pátria/ E viver sem razão. Escrita e interpretada por Geraldo Vandré. Ficou em segundo lugar no Festival Internacional da Canção de 1968 e, depois disso, teve sua execução proibida durante anos, pela ditadura militar brasileira.

15 15 ao perceber através de suas letras o dúbio sentido como Cálice 4 de 1973; Elis Regina traz também em O bêbado e o equilibrista 5 sua contribuição em relação à Lei de Anistia e o próprio Chico Buarque coloca subentendido na letra de Vai Passar 6, a idéia de que não era o bloco que estava passando no carnaval, mas as amarguras do regime de exceção estavam a passar, a acabar. Conclusões O cerne deste projeto visa discutir a possibilidade de se trabalhar com o uso de imagens, na forma de obras artísticas, desenhos e fotografias, assim como o recorte de filmes, séries e outros exemplos produções áudios-visuais que contemplem o ensino de História e o currículo utilizado nas escolas do ensino fundamental. Pensando sobre as práticas educativas, este projeto discute a possibilidade de se fazer um uso maior de artefatos tecnológicos e midiáticos, abrindo mão do uso constante dos tradicionalíssimos quadro negro, giz e livro didático enquanto recursos limitadíssimos para se ampliar as possibilidades de aprendizagem. Visa também estudar, como elemento importante ao lado da linguagem textual e verbal, a linguagem visual que se apresenta presente cada vez mais em uma sociedade midiática e que ao tempo que consome imagens sequer dialoga ou reflete sobre elas. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ADORNO, Theodor W., HORKHEIMER, Max; Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., ALMEIDA, MILTON José de. Imagens e sons: a nova cultura oral São Paulo: Cortez, BENJAMIN, Walter. Obras Escolhidas. Magia e Técnica, Arte e Política. 3ª ed., São Paulo, Brasiliense, Escrita por Chico Buarque e Gilberto Gil em 1973, nela ouvimos o trecho Silêncio na cidade não se escuta/ De que me vale ser filho da santa?/ Melhor seria ser filho da outra/ Outra realidade menos morta/ Tanta mentira, tanta força bruta. 5 Que sonha com a volta/ Do irmão do Henfil./ Com tanta gente que partiu/ Num rabo de foguete/ Chora! A nossa Pátria/ Mãe gentil/ Choram Marias E Clarisses/No solo do Brasil... 6 Num tempo página infeliz da nossa história,/ passagem desbotada na memória/ Das nossas novas gerações/ Dormia a nossa pátria mãe tão distraída/ sem perceber que era subtraída/ Em tenebrosas transações/ Seus filhos erravam cegos pelo continente,/ levavam pedras feito penitentes/ Erguendo estranhas catedrais.

16 16 BERNARDET, Jean-Claude e RAMOS, Alcides Freire. Cinema e história do Brasil. São Paulo: Editora da USP/Contexto BITTENCOURT, Circe. (org). O Saber histórico na sala de aula São Paulo: Contexto, BOURDIEU, Pierre. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História (5ª a 8ª séries)/secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, BURKE, Peter. A Escola dos Annales A Revolução Francesa da historiografia. São Paulo: UNESP CARDOSO, C. F.; MAUD, A. M. História e imagem: os exemplos da fotografia e do cinema. In: Domínios da história. Rio de Janeiro: Campus, CHARTIER, R. A história cultural: Entre práticas e representações. Lisboa: Difel, FELDMAN-BIANCO, B.; LEITE, M. L. M. (Orgs.). Desafios da imagem: fotografia, iconografia e vídeo nas ciências sociais. Campinas: Papirus, FERRO, Marc. Cinema e história. Rio de Janeiro: Paz e Terra FONSECA, Selva Guimarães. Caminhos da História Ensinada. Campinas: Papirus, FONSECA, Selva Guimarães (org). Currículos, saberes e culturas escolares. Campinas: Alínea, FONSECA, Selva Guimarães. Didática e prática de ensino de História: experiências, reflexões e aprendizados. Campinas, SP: Papirus, FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. 3ed. São Paulo: Loyola, GIROUX, H. Disneyzação da cultura infantil. In: SILVA, T. T. da; MOREIRA, A. F. (orgs.) Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes, 1995 KELLNER, Douglas. A cultura da mídia: estudos culturais: identidade e política. entre o moderno e o pós-moderno: Bauru, SP: EDUSC, LE GOFF, Jacques e outros. A Nova História. Lisboa, Edições 70, s/d. LEITE, Miriam Moreira. Imagem e educação. In: SEMINÁRIO PEDAGOGIA DA IMAGEM NA PEDAGOGIA, 1996, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UFF, 1996.

17 17. Retratos de família: Leitura da Fotografia Histórica 3 ed São Paulo: editora da Universidade de São Paulo, MENEZES, Gilda. Como usar outras linguagens na sala de aula São Paulo: Contexto, OROFINO, Maria Isabel. Midias e mediação escolar: pedagogia dos meios, participação e visibilidade. São Paulo: Cortez : Instituto Paulo Freire, PESAVENTO, Sandra Jatahy. "Em busca de uma outra história: Imaginando o Imaginário". In Revista Brasileira de História. São Paulo, Contexto/ANPUH, vol. 15, nº 29, 1995, p.16. RICOEUR, Paul. O percurso do reconhecimento. Tradução Nicolás Nyimi Campanário. SP: Loyola, A memória, a história, o esquecimento. Tradução: Alain François. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, ROSSI, M. H. Imagens que falam. Porto Alegre: Mediação, RÜSEN, Jörn. Razão histórica. Teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Tradução de Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UNB, 2001 TERUYA, T. K. Trabalho e educação na era midiática. Maringá, PR: Eduem, VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo, Martins Fontes Editora, Anexo 1

18 18 Em sentido horário: índios pipipã, rikbaktsa, pataxó e caiapó. Anexo 2 Bicho-da-seda, gengibre e noz-moscada. Anexo 3

19 19 O Riacho do Ipiranga (hoje córrego) localizado na cidade de São Paulo, no bairro que dá o seu nome onde se situa, onde, às margens, o então príncipe e herdeiro do trono de Portugal, dom Pedro declarou a Independência do Brasil, em 7 de setembro de Anexo 4 Tiradentes Esquartejado, de Pedro Américo (1893), Carmen Miranda e Che Guevara. Anexo 5 Fuga do soldado soviético Conrad Schumann durante a construção do Muro de Berlim em 1961 e a primavera de Praga em Anexo 6

20 20 Escárnio de Cristo (Verspottung Christi, em alemão), obra de Matthias Grünewald ( ) de 1503

PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR.

PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR. PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR. AUTOR: DAIVE CRISTIANO LOPES DE FREITAS 1 Instituição: Secretaria de Educação do Estado de São Paulo E-mail:

Leia mais

TÍTULO: PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR.

TÍTULO: PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR. TÍTULO: PEDAGOGIA DAS IMAGENS: A ARTE E OS MULTIMEIOS COMO POTENCIALIZADORES DO SABER HISTÓRICO ESCOLAR. RESUMO: Este artigo consiste numa pesquisa sobre utilização de recursos imagéticos (obras de arte,

Leia mais

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB

POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB POLO ARTE NA ESCOLA: FORMAÇÃO CONTINUADA DE ENSINO DA ARTE PARA PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA DE BANANEIRAS/PB ANDRADE, Luciene de 1 BARBOSA,Jamylli da Costa 2 FERREIRA, Jalmira Linhares Damasceno 3 SANTOS,

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRICULO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Curso: Pedagogia Carga Horária: 36h Ano: 2011 Professor: José Paulo de Assis Rocha Plano de Ensino Disciplina: Arte e Educação Período: 1º ano Turno: noturno

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA Tais Pires de Oliveira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Geografia tais_piresoliveira@hotmail.com

Leia mais

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS.

LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. LENDO IMAGENS A PARTIR DE PROPOSTAS DE AÇÃO EDUCATIVA EM EVENTOS DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM GOIÁS. ARAÚJO, Haroldo de 1; Prof.Dr. Costa, Luis Edegar de Oliveira 2;. Palavras chaves: Arte contemporânea; curadoria;

Leia mais

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves

Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves TEMA : BRINCANDO E APRENDENDO NA ESCOLA Coordenadoras: Enalva de Santana Santos e Márcia Soares Ramos Alves Autora: Prof a Cássia de Fátima da S. Souza PÚBLICO ALVO Alunos de 04 anos TEMA: BRINCANDO E

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO FERNANDA SERRER ORIENTADOR(A): PROFESSOR(A) STOP MOTION RECURSO MIDIÁTICO NO PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA

HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA HISTÓRIA ORAL NO ENSINO FUNDAMENTAL: O REGIME MILITAR NO EX- TERRITÓRIO DE RORAIMA LYSNE NÔZENIR DE LIMA LIRA, 1 HSTÉFFANY PEREIRA MUNIZ 2 1. Introdução Este trabalho foi criado a partir da experiência

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais

Situando o uso da mídia em contextos educacionais Situando o uso da mídia em contextos educacionais Maria Cecília Martinsi Dentre os pressupostos educacionais relevantes para a época atual, considera-se que as múltiplas dimensões do ser humano - intelectual,

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS

CURIOSIDADE É UMA COCEIRA QUE DÁ NAS IDÉIAS PAUTA DO ENCONTRO Início : 13hs30 1. Parte teórica 20 2. Oficina elaboração de mapas conceituais e infográficos ( processo) 40 3. Socialização dos resultados ( produto) 40 4. Avaliação geral da proposta

Leia mais

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1. Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil CRIARCONTEXTO: ANÁLISE DO DISCURSO NAS LETRAS DE MÚSICA 1 Juliana Dionildo dos Santos 2 e Eliane Marquez da Fonseca Fernandes 3 Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, CEP - 74001-970, Brasil

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM?

ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? ÁREAS DE CONTEÚDO: O QUE SÃO? COMO SE DEFINEM? As Áreas de Conteúdo são áreas em que se manifesta o desenvolvimento humano ao longo da vida e são comuns a todos os graus de ensino. Na educação pré-escolar

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM

O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM O USO DE TECNOLOGIAS NAS AULAS DE MATEMÁTICA E CRENÇAS SOBRE A SUA APRENDIZAGEM Justificativa ABREU,Tamires de Sá 1 BARRETO, Maria de Fátima Teixeira² Palavras chave: crenças, matemática, softwares, vídeos.

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO DIAGNÓSTICO DO PERFIL DO LEITOR: ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ENSINO PÚBLICO E PRIVADO NA REGIÃO OESTE DO ESTADO DE SÃO PAULO Érika Cristina Mashorca Fiorelli, UNESP - Presidente Prudente-SP, SESI/SP; Ana

Leia mais

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP

Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP Contribuição da metodologia de pesquisa na Educação Tutorial: A formação dos petianos do PET Pedagogia da UFOP ALVES, Crislaine 1; CARVALHO, Daiane 1; CRUZ, Júlia 1, FÉLIX, Michelle 1; FERREIRA, Juliane

Leia mais

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA

O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA O TEXTO COMO ELEMENTO DE MEDIAÇÃO ENTRE OS SUJEITOS DA AÇÃO EDUCATIVA Maria Lúcia C. Neder Como já afirmamos anteriormente, no Texto-base, a produção, a seleção e a organização de textos para a EAD devem

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

Dicionário. Conceitos. Históricos

Dicionário. Conceitos. Históricos Dicionário de Conceitos Históricos Kalina Vanderlei Silva Maciel Henrique Silva Dicionário de Conceitos Históricos Copyright 2005 Kalina Vanderlei Silva e Maciel Henrique Silva Todos os direitos desta

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo

Palavras-chave: 1. Artes; 2. Audiovisual 3. Educação; 4. Rádio; 5. Vídeo Artes Audiovisuais: Estratégia cooperativa na modalidade Educação Jovem e Adulta - EJA STEFANELLI, Ricardo 1 Instituto Federal de Educação Tecnológica de São Paulo RESUMO O presente trabalho na disciplina

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1

Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 1 Revista Avisa lá, nº 2 Ed. Janeiro/2000 Coluna: Conhecendo a Criança Descobrindo o que a criança sabe na atividade inicial Regina Scarpa 1 O professor deve sempre observar as crianças para conhecê-las

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO

Eletiva VOCÊ EM VÍDEO Eletiva VOCÊ EM VÍDEO E.E. Princesa Isabel Número da sala e sessão Professor(es) Apresentador(es): Adriana Prado Aparecida Pereira da Silva Realização: Foco A Escola Estadual Princesa Isabel, por meio

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO

CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA CIDADE DE SÃO PAULO ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO NÚCLEO DE AÇÃO EDUCATIVA O(S) USO(S) DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO EM SALA DE AULA BRUNA EVELIN LOPES SANTOS CENÁRIOS DA PAISAGEM URBANA TRANSFORMAÇÕES DA PAISAGEM DA

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Filosofia Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Introdução à Filosofia, o estudo da filosofia;

Leia mais

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA

DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA DISPOSITIVOS MÓVEIS NA ESCOLA: POSSIBILIDADES NA SALA DE AULA Jessica Kelly Sousa Ferreira PPGFP-UEPB jessicaferreiraprofe@gmail.com INTRODUÇÃO A presente pesquisa embasa-se nos pressupostos de que o uso

Leia mais

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar

Colégio La Salle São João. Professora Kelen Costa Educação Infantil. Educação Infantil- Brincar também é Educar Colégio La Salle São João Professora Kelen Costa Educação Infantil Educação Infantil- Brincar também é Educar A importância do lúdico na formação docente e nas práticas de sala de aula. A educação lúdica

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa

UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa CULTURAS E CONHECIMENTOS DISCIPLINARES ANO 3 EDIÇÃO 16 UM MINUTO PRA FALAR DO MUNDO Davina Marques Ludmila Alexandra dos Santos Sarraipa O sabiá Teco vai fugir da gaiola em busca de um lugar melhor para

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso Pedagogia Disciplina

Leia mais

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA

OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA OFICINA EDUCOMUNICATIVA EM FOTOGRAFIA Uma proposta para aplicação no Programa Mais Educação Izabele Silva Gomes Universidade Federal de Campina Grande UFCG izabelesilvag@gmail.com Orientador (a): Professora

Leia mais

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 6, Mar.2015. ISSN 2175-37

ÁGORA, Porto Alegre, Ano 6, Mar.2015. ISSN 2175-37 17 ÁGORA, Porto Alegre, Ano 6, Mar.2015. ISSN 2175-37 PROJETO CONSTRUÇÃO: CRIATIVIDADE E INTERDISCIPLINARIDADE NA ESCOLA Ezequiel Viapiana 1 Gisele Damiani 2 Anelise Pereira Baur 3 Paola Junqueira dos

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE HISTÓRIA Nome: Nº 2 a. Série Data: / /2015 Professores: Gabriel e Marcelo Nota: (valor: 1,0) 3º bimestre de 2015 A - Introdução Neste bimestre, sua média foi inferior a 6,0 e

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA OBJETIVOS Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CURSO: INFORMÁTICA FORMA/GRAU:( X)integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA

Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas. Disciplina Prática de Ensino. Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Curso Educação Artística Habilitação: Artes Plásticas Disciplina Prática de Ensino Ano letivo 2011 Série 3ª Carga Horária 72 H/aula Professor(a) José Paulo de Assis Rocha JUSTIFICATIVA Assim como curadores

Leia mais

Pedagogia Profª Alessandra M. T. Domeniquelli. Roteiro. Perfil profissional do professor

Pedagogia Profª Alessandra M. T. Domeniquelli. Roteiro. Perfil profissional do professor Pedagogia Profª Alessandra M. T. Domeniquelli Abordagens do Processo Educativo, Saberes Docentes e Identidade Profissional Roteiro Reflexões sobre o papel do professor da Educação Infantil Educar, Cuidar

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA PROGRAMA DA DSCPLNA Disciplina: Prática Código da Disciplina: Carga Horária Semestral: 45 Obrigatória: sim Eletiva: não Número de Créditos: 03 Pré-Requisitos: não EMENTA Refletir sobre a produção da prática

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO ÁREA DE COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - 2012 7 ANO TURMAS A e B Prof. Alexandre Magno Guimarães Ementa:

Leia mais

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO

A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO A LEITURA LITERÁRIA: UM OLHAR SOBRE AS ESTRATÉGIAS DE INCENTIVO À LEITURA DA LITERATURA NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ENSINO FUNDAMENTAL DE SÃO SEBASTIÃO Autores: Rúbia Ribeiro LEÃO; Letícia Érica Gonçalves

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Geografia Carga Horária Semestral: 80 horas Semestre do Curso: 8º 1 - Ementa (sumário, resumo) Ementa: O

Leia mais

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental

Plano de aula para três encontros de 50 minutos cada. Tema: Vida e obra de Vincent Van Gogh. Público alvo: 4º série do Ensino fundamental UDESC UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA DAV- DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS Curso: Licenciatura em Artes Visuais Disciplina: Cultura Visual Professora: Jociele Lampert Acadêmica: Cristine Silva Santos

Leia mais

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO

LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO LER E ESCREVER: APRENDER COM O LÚDICO Inês Aparecida Costa QUINTANILHA; Lívia Matos FOLHA; Dulcéria. TARTUCI; Maria Marta Lopes FLORES. Reila Terezinha da Silva LUZ; Departamento de Educação, UFG-Campus

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Médio Etec: PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: SÃO CARLOS Área de conhecimento: Ciências da Natureza e suas Tecnologias. Componente Curricular: BIOLOGIA Série:

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Literatura Brasileira e infantil Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 2º 1 - Ementa (sumário, resumo) Literatura infantil:

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Conteúdos e Metodologia de Educação Física Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Educação

Leia mais

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA

A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA A DESCODIFICAÇÃO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA Henrique Innecco Longo e-mail: hlongo@civil.ee.ufrj.br Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de Mecânica Aplicada e Estruturas Escola de Engenharia,

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental

Pedro Bandeira. Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental Pedro Bandeira Pequeno pode tudo Leitor em processo 2 o e 3 o anos do Ensino Fundamental PROJETO DE LEITURA Coordenação: Maria José Nóbrega Elaboração: Rosane Pamplona De Leitores e Asas MARIA JOSÉ NÓBREGA

Leia mais

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação

ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59. Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br. Apresentação ÁLBUM DE FOTOGRAFIA: A PRÁTICA DO LETRAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 59 Elaine Leal Fernandes elfleal@ig.com.br Graduada em pedagogia e fonoaudiologia, Pós-graduada em linguagem, Professora da Creche-Escola

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação

A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação A ditadura civil-militar brasileira através das artes: uma experiência com alunos do ensino médio no Colégio de Aplicação Beatrice Rossotti rossottibeatrice@gmail.com Instituto de História, 9º período

Leia mais

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS

ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS ARTES DA INFÂNCIA 1/5 CABEÇAS 2 3 Artes da Infância infans Do latim, infans significa aquele que ainda não teve acesso à linguagem falada. Na infância adquirimos conhecimentos, acumulamos vivências e construímos

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos da Educação de Jovens e Adultos Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 3º 1 - Ementa (sumário, resumo) Abordagens

Leia mais

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA

O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA O ENSINO DE PORTUGUÊS MEDIADO PELA INFORMÁTICA Fernanda Mara Cruz (SEED/PR-PG-UFF) Introdução Os processos de ensinar e aprender estão a cada dia mais inovadores e com a presença de uma grande variedade

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA

A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA A FORMAÇÃO DO PEDAGOGO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA Luciana Pereira de Sousa 1 Carmem Lucia Artioli Rolim 2 Resumo O presente estudo propõe discutir o contexto da formação dos pedagogos para o ensino da

Leia mais