Logística Humanitária: como ajudar ainda mais?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Logística Humanitária: como ajudar ainda mais?"

Transcrição

1

2 Autora - Camilla Felício Agostinho Mestre em Engenharia Logística e Supply Chain Management pelo MIT- Zaragoza International Logistics Program, Espanha. Especialização em Gestão da Cadeia de Suprimentos e Logística pelo LALT/UNICAMP. Coordenadora de Desenhos Logísticos pela DHL Supply Chain de 2008 a Recém-contratada pelos Médicos sem Fronteiras, Espanha. Logística Humanitária: como ajudar ainda mais? Como profissionais de logística, podemos ajudar as organizações humanitárias a desempenhar melhor o seu trabalho em situações de desastres, epidemias, conflitos armados e ausência de sistema de saúde. Elas recebem atenção e donativos de forma crescente, e a logística humanitária é um elo entre essas doações e a ajuda que prestam. Quanto melhor e mais eficiente for a sua supply chain, mais beneficiários serão alcançados. Mas essas organizações ainda carecem de recursos e ferramentas para prestar uma ajuda eficaz e eficiente. Após um desastre, começa uma corrida contra o relógio. O primeiro passo das organizações humanitárias é enviar uma equipe de primeira avaliação para analisar o grau dos danos, as pessoas afetadas, o tipo de ajuda e os materiais necessários. Esta etapa deve ser rápida, e se dá durante as primeiras 12 a 36 horas. Também é preciso acionar os doadores, e a mídia exerce um papel importante para difundir essa carência. Simultaneamente, é preciso montar um time de médicos, enfermeiras, psicólogos, uma equipe de suporte formada por provedores de água e saneamento, construção, energia e supply chain. Deve ser assegurado o aprovisionamento de alimentos, medicamentos, vacinas, cobertores, barracas, utensílios de cozinha, etc. Quando os materiais são provenientes de doações, costumam ser enviadas em grandes quantidades e sem planejamento. Muitas vezes as doações não correspondem ao que realmente é necessário, e fica difícil selecioná-las, armazená-las e distribuí-las. Em paralelo deve-se cuidar do transporte, tarefa complicada pelo grande fluxo de materiais em áreas que em geral já carecem de infraestrutura, e que, devido ao desastre, pode estar danificada. Ainda há atores com objetivos diferentes, que duplicam esforços: doadores, organizações humanitárias, governos, militares, mídia. É o caos logístico. Em situações de desastres naturais, parte da ajuda humanitária é de caráter emergencial, exigindo respostas rápidas e demandando altos investimentos. A outra ajuda é de caráter on-going ( em curso ), como em secas ou pobreza. Exigem ações de longo prazo, permitindo respostas planejadas e otimizadas. Uma operação emergencial se transforma em on-going quando, após um desastre, a estrutura local carece de saneamento de água, hospitais, profissionais da saúde, etc. Ciclone em Bangladesh e Índia: entregas last mile de artigos de primeiras necessidades, lonas de plástico e mantas Divulgação Divulgação 42 Revista Cargo News FanPage: Cargo News

3 A logística humanitária envolve planejamento, compras, transporte, armazenagem, gerenciamento de inventário, distribuição e satisfação dos atingidos (Wassenhove, 2006). Sua defasagem em relação à logística do setor privado, em termos de performance de supply chain, é estimada em 20 anos (Kopczak and Thomas, 2005). A logística representa grande parte do custo das organizações humanitárias. Isso se deve à urgência do trabalho: a prioridade é atuar o mais rápido possível, não importa como e a que custo (Davidson, 2006). Hoje, as organizações humanitárias sabem que a logística influencia no sucesso de uma missão. Ela define a velocidade e a eficácia da ajuda e representa sua parte mais cara, além de concentrar informações relacionadas às missões, sendo fonte de análi- Logística Humanitária ses e experiências. A Logística Humanitária é exemplar ao setor privado em diversos aspectos. Em geral são operações flexíveis e rápidas, respondendo à incerteza de suprimentos e demanda. Também são operações que atuam até o last mile, que são os beneficiários em áreas de estrutura quase inexistente. Para isso, servem-se de estoques pré-posicionados em áreas estratégicas, capazes de entregar rapidamente suprimentos de emergência. No terremoto do Haiti, graças a estoques de emergência no Panamá, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) levaram rapidamente os primeiros suprimentos ao país. Porém, enquanto no setor privado a logística dispõe de sistemas robustos de TI, especialistas, infraestrutura, padrões e iniciativas de colaboração, as organizações humanitárias carecem de alguns ou todos esses aspectos (Gustavsson, 2002). Estes são alguns dos desafios da logística humanitária: Estrutura: a estrutura logística é em geral inadequada, dependendo do país e do nível do desastre, que às vezes ocorrem em áreas de difícil acesso. Portos, aeroportos e estradas inaptas resultam em longos lead times; Incerteza: organizações humanitárias intervêm em ambientes dinâmicos, nos quais é difícil prever demandas e suprimentos; Urgência: as intervenções devem ser rápidas, por ser questão de vida ou morte (Wassenhove, 2006); Mídia: os meios de comunicação exercem papel decisivo na captação de doações, mas dependendo da informação divulgada, podem provocar doações em excesso ou não solicita Revista Cargo News 43

4 das, que geram bottlenecks em importação e aduanas; Burocracia: processos regulatórios e aduaneiros alargam lead times e prejudicam a eficiência da operação; Pouco incentivo em usar lessons learned: diferente do setor privado, não há o mercado para motivar a melhoria da performance (Wassenhove, 2006); Pessoas: a mão-de-obra é escassa, com turnover elevado devido às adversidades das missões. A maioria não é treinada, causando dificuldades em reter conhecimento na organização; Melhorias em segundo plano: a prioridade é levar ajuda, e por isso, a eficiência, os custos e a otimização ficam em segundo plano. Há pouco reconhecimento de que a Logística desempenha papel importante; Falta de informação: um dos maiores problemas é a falta de previsibilidade. Além disso, os sistemas de TI são muito simples ou inexistentes, sendo difícil rastrear um pedido na cadeia. Assim, a informação não reflete a realidade e os processos de monitoramento de performance, rastreamento e previsão da demanda ficam prejudicados; Aspectos culturais: quem trabalha na área humanitária provém de backgrounds diversos, atraídos por desejos de salvar o mundo (Kopczak and Thomas, 2005). Os salários não são altos e há pouca cobrança. Isso gera baixo nível de expectativa, e quanto menos se espera, menos se investe; Processo de melhoria contínua inexistente: normalmente se trabalha apagando o incêndio, preocupando-se em seguir procedimentos. Mas às vezes os procedimentos não são claros e sem padrões cada qual faz à sua maneira; Doações a curto prazo: elas em geral são alocadas por doadores diretos às missões de ajuda, e pouco é alocado para treinamentos e melhorias nos sistemas e processos (Kopczak and Thomas, 2005); Falta de gerenciamento de transporte: a falta de especialistas, investimentos e reconhecimento da importância da supply chain geram gaps no gerenciamento de transporte (uma das partes mais caras da cadeia de suprimento). O que pode ser mudado Muitos artigos falam sobre o que as organizações humanitárias podem aprender do setor privado e vice-versa. Essa análise é relevante, mas antes disso, é essencial cobrir os gaps primários da cadeia de suprimentos das operações humanitárias. Por isso, é importante primeiro identificar e separar o que é característica do setor humanitário, do que são problemas do setor humanitário. Características são aspectos externos que fogem do seu controle, e não podem mudar; Problemas são os da cadeia de suprimentos, passíveis de intervenção e melhoria. A figura 1 expõe uma reorganização dos desafios. Ela traz as características do setor humanitário com mais dificuldades operacionais de logística e suas consequências. Os itens mencionados na figura não são independentes. Eles fazem parte de um ciclo vicioso que se inicia com a falta de atenção, no nível gerencial, à logística. Assim, a alocação de recursos para essa área sempre foi limitada, gerando baixa performance. Como consequência, atividades logísticas sempre foram Figura 2: Sequência de mudanças na Logística Humanitária 44 Revista Cargo News FanPage: Cargo News

5 emergenciais, e nunca uma prioridade nos níveis mais altos das organizações, iniciando o ciclo novamente (Wassenhove, 2006). Portanto, muito do que se pode melhorar nas operações provém da falta de reconhecimento de que a Logística, e mais especificamente, a Cadeia de Suprimentos, é fator determinante do sucesso ou o fracasso de uma operação de emergência. A primeira coluna mostra os fatores externos sobre os quais as organizações humanitárias não têm controle; as demais são suas consequências: problemas operacionais que podem ser melhorados. As boas práticas do setor privado são relevantes para superá-los. Porém, observa-se que investimentos em melhorias não geram os resultados esperados sem que, previamente, haja investimentos em recursos, ou seja, pessoas e informação. Como exemplo, observemos a implementação de Key Performance Indicators em uma organização humanitária que apresenta elevado turnover, falta de mão de obra especializada e um sistema de TI inapropriado. O resultado serão pessoas frustradas por não saber o que são KPIs, como gerar KPIs, como analisar KPIs e como implementar melhorias a partir de KPIs. As mesmas pessoas, por não usar o sistema de TI corretamente, vão extrair dados e gerar informações que não refletem a realidade. Menezes (2010) menciona que o uso da informação nas missões é deficiente, em grande parte pela falta de conhecimento dos conceitos de supply chain, falta de reconhecimento de que supply chain é essencial na área de suporte para as missões, e pela falta de regras claras sobre registro de dados. Ou seja, a informação é comprometida pelo fator humano. Assim, implementar as boas práticas provenientes do setor privado, como medidores de performance e sistemas de previsão de demanda, serão perdidas a longo prazo se antes não investirmos em pessoas e sistemas de informação, na sequência como a Figura 2 propõe. Figura 2: Sequência de mudanças na Logística Humanitária A figura 2 representa uma sequência de implementação de mudanças, começando pelo reconhecimento de que a Logística é importante, e que deve ter maior participação no planejamento e budgeting de uma organização. Como a maioria das organizações humanitárias já começaram a implementar algumas mudanças no setor de supply chain, entende-se que esta etapa já foi alcançada ou está em andamento. Em seguida, pessoas e informações são propostas como a próxima etapa. Indo mais adiante, focar primeiramente em pessoas para depois focar em informação, aumenta as chances de se obter sucesso posteriormente. Por exemplo, mesmo implementando um sistema de TI extremamente eficiente, se as pessoas não estiverem preparadas para usá-lo, haverá grandes atrasados nos resultados esperados. Portanto, investir em treinamento, incentivos, direcionamento, para posteriormente investir em sistemas de TI, procedimentos, padronização, e, por último, KPIs, sistemas de melhoria contínua, sistemas de previsão de demanda, representa uma sequência que pode fornecer resultados a longo prazo, porém consistentes. Conclusão A sequência de investimento em supply chain, focando primeiramente em pessoas e informação, pode resultar em melhorias consistentes e eficazes, mesmo que sejam em longo prazo. Como as organizações humanitárias estão anos atrás quando comparadas ao setor privado, sugere-se primeiro o reconhecimento de que a cadeia de suprimentos é parte essencial da operação de ajuda humanitária. A partir desse reconhecimento, é possível obter fundos internamente, aumentando a participação da área da Logística nas etapas de Planejamento e Budgeting, e externamente, mostrando aos doadores que usar as doações para melhorar processos é uma forma de ajudar indiretamente, resultando em mais pessoas atendidas. Posteriormente, é possível investir em pessoas (treinamento e incentivos) e informação, através de procedimentos claros e sistemas de TI. Posteriormente valerá a pena investir em processos como medidores de performance e sistemas de previsão de demanda. É importante ressaltar que a implementação desses aspectos deve ser seguida por uma mudança na mentalidade da organização, principalmente no que diz respeito a diretrizes e nível de exigência, para que os novos processos sejam estritamente seguidos. A Logística Humanitária envolve operações imensas, responde rapidamente, emprega pessoas extremamente motivadas, e, principalmente, salva vidas. Vale a pena melhorá-la! Referências Bibliográficas Camilla, F. A. (2011) Auditing Models for Humanitarian Supply Chains. Tese de Mestrado, MIT-ZARAGOZA INTER- NATIONAL LOGISTICS PROGRAM, Zaragoza. Davidson, A. L. (2011) Key Performance Indicators in Humanitarian Logistics. Tese de Mestrado, MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY, Cambridge. Gustavsson, L. (2002) Humanitarian Logistics: Context and Challenges. Forced Migration Review, Oxford, n. 18, p Kopczak, L. R. e Thomas, A. S. (2005) From Logistics to Supply Chain Management: The Path Forward in the Humanitarian Sector. Fritz Institute, California. Médicos sin Fronteras (2011) Cómo actuamos en las emergencias. Disponível em: <http://www.msf.es/multimedia/foto- -galerias/2010/como-actuamos-en-emergencias>. Acesso em: 01 novembro de Menezes, M. (2010) Auditing Report on MSF s Supply Chain in India and Overall Perceptions after visiting India and Zimbabwe s missions. Zaragoza Logistics Center and MSF. WASSENHOVE, L. V. (2006) Humanitarian aid logistics: supply chain management in high gear. Journal of the Operational Research Society, v. 57, p Revista Cargo News 45

Abner Luiz Soares Machado

Abner Luiz Soares Machado PICPE 2014 Projeto de Pesquisa Científica TÍTULO DO PROJETO: Logística Humanitária para Atendimento a Desastres Naturais: Estudo de Caso COORDENADOR DO PROJETO: Júlio César da Silva ALUNO DE INICIAÇÃO:

Leia mais

INDICADORES DE DESEMPENHO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS HUMANITÁRIA. Tábata Rejane Bertazzo (1) Adriana Leiras(2) Hugo Tsugunobu Yoshida Yoshizaki(3)

INDICADORES DE DESEMPENHO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS HUMANITÁRIA. Tábata Rejane Bertazzo (1) Adriana Leiras(2) Hugo Tsugunobu Yoshida Yoshizaki(3) INDICADORES DE DESEMPENHO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS HUMANITÁRIA Tábata Rejane Bertazzo (1) Adriana Leiras(2) Hugo Tsugunobu Yoshida Yoshizaki(3) Departamento de Engenharia de Produção (1), (3) Universidade

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DALA (DAMAGE & LOSS ASSESSMENT) A CASOS DE DESASTRES NO BRASIL

ANÁLISE CRÍTICA DA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DALA (DAMAGE & LOSS ASSESSMENT) A CASOS DE DESASTRES NO BRASIL ANÁLISE CRÍTICA DA APLICAÇÃO DA METODOLOGIA DALA (DAMAGE & LOSS ASSESSMENT) A CASOS DE DESASTRES NO BRASIL Raysa Antais (PUC-RJ ) raysaantais@gmail.com Rebeca Hechtman (PUC-RJ ) rebecah7@gmail.com DANIEL

Leia mais

GESTÃO DO CONHECIMENTO APLICADO À LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: BENCHMARKING COM OS MÉDICOS SEM FRONTEIRAS

GESTÃO DO CONHECIMENTO APLICADO À LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: BENCHMARKING COM OS MÉDICOS SEM FRONTEIRAS GESTÃO DO CONHECIMENTO APLICADO À LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: BENCHMARKING COM OS MÉDICOS SEM FRONTEIRAS Kauan M. Pimentel Natália S. Souza Vera L. Monteiro kauanmagalhaes@gmail.com nataliasantos.souza@yahoo.com.br

Leia mais

Alexandre Oliveira oliveira.a@cebralog.com

Alexandre Oliveira oliveira.a@cebralog.com Supply Chain Management como ferramenta estratégica na indústria química, contribuindo para a redução de custos e satisfação do cliente oliveira.a@cebralog.com Diretor do Cebralog Consultoria e Treinamento

Leia mais

COORDENAÇÃO NA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: UMA REVISÃO DA LITERATURA ACADÊMICA INTERNACIONAL

COORDENAÇÃO NA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: UMA REVISÃO DA LITERATURA ACADÊMICA INTERNACIONAL COORDENAÇÃO NA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: UMA REVISÃO DA LITERATURA ACADÊMICA INTERNACIONAL Tabata Rejane Bertazzo (USP ) tabata.bertazzo@gmail.com Jose Renato Soares Cebolo (USP ) renato.cebolo@gmail.com

Leia mais

Donare: Sistema de Gerenciamento de Ações Humanitárias

Donare: Sistema de Gerenciamento de Ações Humanitárias Donare: Sistema de Gerenciamento de Ações Humanitárias Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Sistemas de Informação da Veris Faculdades, para a obtenção do título de Bacharel em Sistemas

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

REVISÃO E HIERARQUIZAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES NECESSÁRIAS PARA UM SOFTWARE DE GESTÃO DE DESASTRES

REVISÃO E HIERARQUIZAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES NECESSÁRIAS PARA UM SOFTWARE DE GESTÃO DE DESASTRES REVISÃO E HIERARQUIZAÇÃO DAS FUNCIONALIDADES NECESSÁRIAS PARA UM SOFTWARE DE GESTÃO DE DESASTRES Daniel Eckhardt (PUC) daneckhardt@gmail.com Adriana Leiras (PUC) adrianaleiras@puc-rio.br Um aprimoramento

Leia mais

A LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: APONTAMENTOS E A PERSPECTIVA DA CADEIA DE ASSISTENCIA HUMANITÁRIA

A LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: APONTAMENTOS E A PERSPECTIVA DA CADEIA DE ASSISTENCIA HUMANITÁRIA XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: APONTAMENTOS E A PERSPECTIVA DA CADEIA DE ASSISTENCIA HUMANITÁRIA Christiane Wenck Nogueira (UFSC) christianewenck@ig.com.br Mirian

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com

Governança de T.I. Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de T.I Professor: Ernesto Junior Aula IV Unidade II E-mail: egpjunior@gmail.com Governança de TI Os modelos atuais para governança partem de processos empresariais serviços prestados, modelos

Leia mais

PMD Pro Forward Fazendo um mundo melhor, um projeto por vez

PMD Pro Forward Fazendo um mundo melhor, um projeto por vez PMD Pro Forward Fazendo um mundo melhor, um projeto por vez RESULTADOS E IMPACTOS DOS PRIMEIROS CINCO ANOS APLICANDO A CERTIFICAÇÃO PMD PRO NO SETOR DE DESENVOLVIMENTO AO NÍVEL INTERNACIONAL O final do

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda.

artigo SUPPLY CHAIN Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. O PAPEL DA AUTOMAÇÃO NA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Ricardo Caruso Vieira (rcaruso@aquarius.com.br), Departamento de Serviços Especiais da Aquarius Software Ltda. INTRODUÇÃO Peter Drucker, um dos pensadores

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

RASTREABILIDADE & VISIBILIDADE DE FERRAMENTAS COM WELCOSS-iTracking COSS / SANDVIK / VOLKSWAGEN

RASTREABILIDADE & VISIBILIDADE DE FERRAMENTAS COM WELCOSS-iTracking COSS / SANDVIK / VOLKSWAGEN MANUFATURA São Carlos, SP Brasil, 11.10.2011 t h i n k c u s t o m e r RASTREABILIDADE & VISIBILIDADE DE FERRAMENTAS COM WELCOSS-iTracking COSS / / VOLKSWAGEN O Projeto Sandvik-Volkswagen Implementar uma

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa

Uma visão abrangente dos negócios. Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Uma visão abrangente dos negócios Solução para superar barreiras e otimizar recursos na sua empresa Negócios sem barreiras O fenômeno da globalização tornou o mercado mais interconectado e rico em oportunidades.

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios

Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios IBM Global Technology Services White Paper Novembro de 2010 Serviços IBM de Resiliência e Continuidade de Negócios Ajudando os negócios a permanecerem competitivos 2 Serviços IBM de Resiliência e Continuidade

Leia mais

UMA ANÁLISE SOBRE O PÓS-DESASTRE DAS CHUVAS EM CUBATÃO OCORRIDAS EM FEVEREIRO DE 2013

UMA ANÁLISE SOBRE O PÓS-DESASTRE DAS CHUVAS EM CUBATÃO OCORRIDAS EM FEVEREIRO DE 2013 UMA ANÁLISE SOBRE O PÓS-DESASTRE DAS CHUVAS EM CUBATÃO OCORRIDAS EM FEVEREIRO DE 2013 Priscilla Vieira Carneiro Otávio Augusto Fernandes Costa Irineu de Brito Junior Hugo Tsugunobu Yoshida Yoshizaki UMA

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC CI-206 Adm. de TI & IT Prof. Antonio URBAN Referência: Plano de Contingência para Recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação Palavras-chave: Tecnologia de Informação, Tecnologia de Comunicação,

Leia mais

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos

Logistica e Distribuição. Conceito. Nomenclatura dos Operadores Logísticos A terceirização de serviços logísticos se constitui uma das Logística e Distribuição novas tendências da prática empresarial moderna, principalmente dentro dos conceitos da Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

GESTÃO DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: PROPOSTA DE UM REFERENCIAL TEÓRICO

GESTÃO DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: PROPOSTA DE UM REFERENCIAL TEÓRICO GESTÃO DA LOGÍSTICA HUMANITÁRIA: PROPOSTA DE UM REFERENCIAL TEÓRICO Luiza de Castro Ferreira da Silva Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto COPPEAD de Administração Mestrado em Administração

Leia mais

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF

PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS. Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF PROJETO GUIA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS Oficina 5 de Fevereiro de 2013 ENAP Brasília - DF 1 Agenda 9h Abertura da Oficina ( 15 min ) o Boas vindas e apresentação individual de todos os participantes e

Leia mais

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos.

Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender gerenciamento de riscos. ITIL V3 Porquê na ITIL nas empresas? o Para termos uma resposta efetiva é preciso entender o porque da governança; o Entender o gerenciamento de riscos. Porquê Governança? Porque suas ações e seus requisitos

Leia mais

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial.

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. Governança Corporativa A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. A virtualização dos negócios tem impactado diretamente a condição de fazer negócio, conferindo

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Prioridades regionais em Saúde e DESASTRES

Prioridades regionais em Saúde e DESASTRES Reducão do impacto das emergências e desastres na saúde Prioridades regionais em Saúde e DESASTRES Área de Preparativos para Situaciones de Emergencia y Socorro en Casos de Desastre ÁREA DE PREPARATIVOS

Leia mais

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo

RHIND Group. Rhind Group. Nossa Equipe. Nosso objetivo Rhind Group É uma empresa estruturada para prover soluções em consultoria e assessoria empresarial aos seus clientes e parceiros de negócios. Com larga experiência no mercado, a Rhind Group tem uma trajetória

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion

Governança de TI. Importância para as áreas de Auditoria e Compliance. Maio de 2011. IT Governance Discussion Governança de TI Importância para as áreas de Auditoria e Compliance Maio de 2011 Page 1 É esperado de TI mais do que deixar o sistema no ar. Page 2 O que mudou o Papel de TI? Aumento de riscos e de expectativas

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

UMA VISÃO DA LOGÍSTICA DE ATENDIMENTO À POPULAÇÃO ATINGIDA POR DESASTRE NATURAL

UMA VISÃO DA LOGÍSTICA DE ATENDIMENTO À POPULAÇÃO ATINGIDA POR DESASTRE NATURAL UMA VISÃO DA LOGÍSTICA DE ATENDIMENTO À POPULAÇÃO ATINGIDA POR DESASTRE NATURAL Renata Albergaria de Mello Bandeira Vânia Barcellos Gouveia Campos Adriano de Paula Fontainhas Bandeira Programa de Engenharia

Leia mais

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção

Coordenadoria de. Manutenção. Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Coordenadoria de Manutenção Manual de Procedimentos Administrativos da Coordenadoria de Manutenção Sumário 1. INTRODUÇÃO 3 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E FUNCIONAL 3 3. ORGANOGRAMA: 3 4. ATRIBUIÇÕES E COMPETÊNCIAS

Leia mais

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva Sergio Kamada* Este artigo tem como objetivo descrever a importância da Cadeia de Ajuda no processo de estabilização produtiva e apresentar métodos

Leia mais

Logística humanitária: realidade do estado de Mato Grosso do Sul

Logística humanitária: realidade do estado de Mato Grosso do Sul ISSN: 2316-3992 Logística humanitária: realidade do estado de Mato Grosso do Sul ALCAZAS, G. Q.1, MARRA, B. A.2, RAMOS, R. F. A.1, BARBOSA, F. B. M. H.1 Resumo Logística Humanitária é o processo de planejamento,

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Controlar. Otimizar. Crescer.

Controlar. Otimizar. Crescer. Controlar. Otimizar. Crescer. Neste material de suporte, você encontrará informações de SAM para: Novos Líderes de Tecnologia Fusões e Aquisições True-Up Assist Serviço Microsoft EAP Assist Assuma o controle

Leia mais

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico

Balanced Scorecard. Resumo Metodológico Balanced Scorecard Resumo Metodológico Estratégia nunca foi foi tão tão importante Business Week Week Entretanto... Menos de de 10% 10% das das estratégias efetivamente formuladas são são eficientemente

Leia mais

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP

CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP CURSOS GERENCIAIS 20/12/2010 Antonio Roberto Grazzia, MBA, PMP Em um ambiente de negócios competitivo, a condução de projetos de forma eficiente e sem desperdícios é um grande diferencial para o sucesso.

Leia mais

ANÁLISE DO PAPEL DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA NAS OPERAÇÕES DE RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS A PARTIR DA LEGISLAÇÃO VIGENTE

ANÁLISE DO PAPEL DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA NAS OPERAÇÕES DE RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS A PARTIR DA LEGISLAÇÃO VIGENTE ANÁLISE DO PAPEL DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA NAS OPERAÇÕES DE RESPOSTA A DESASTRES NATURAIS A PARTIR DA LEGISLAÇÃO VIGENTE Natália de Brito Oliveira Tharcisio Cotta Fontainha Adriana Leiras Lab HANDs - Humanitarian

Leia mais

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas

Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Evolução estratégica do processo de compras ou suprimentos de bens e serviços nas empresas Ataíde Braga Introdução A aquisição de bens e serviços a serem utilizados na produção e na revenda de produtos

Leia mais

1. Evolução da técnicas de gerenciamento

1. Evolução da técnicas de gerenciamento Gestão de Projetos Evolução das técnicas de gerenciamento; A história do gerenciamento de projetos; Características dos projetos; Causas de fracasso em projetos; Ciclo de vida de um projeto e suas fases;

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão

1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão 1 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão ISO 9001:2015 Histórico da série 2 2009 CBG Centro Brasileiro de Gestão Histórico da série REVISÕES DA SÉRIE ISO 9000 2000 2008 2015 1994 1987 3 2009 CBG Centro Brasileiro

Leia mais

Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores?

Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores? Você consegue dirigir seu carro sem um painel de controle? Você consegue gerenciar um Service Desk sem Indicadores? Será que está acabando a gasolina? Qual o consumo médio do carro na Estrada ou na Cidade?

Leia mais

Por que utilizar o modelo ITIL

Por que utilizar o modelo ITIL Por que utilizar o modelo ITIL... O que não é definido não pode ser controlado... O que não é controlado não pode ser medido... O que não é medido não pode ser melhorado Empregado para definir, controlar,

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

UMA ABORDAGEM À MODELAGEM DE PROCESSOS APLICADA A TAREFAS DE REFERÊNCIA PARA CENTRAIS DE SUPORTE PARA SITUAÇÕES EMERGENCIAIS

UMA ABORDAGEM À MODELAGEM DE PROCESSOS APLICADA A TAREFAS DE REFERÊNCIA PARA CENTRAIS DE SUPORTE PARA SITUAÇÕES EMERGENCIAIS UMA ABORDAGEM À MODELAGEM DE PROCESSOS APLICADA A TAREFAS DE REFERÊNCIA PARA CENTRAIS DE SUPORTE PARA SITUAÇÕES EMERGENCIAIS Márcia Marcondes Altimari Samed Fabiana Santos Lima Mirian Buss Gonçalves UMA

Leia mais

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS EM OPERAÇÕES HUMANITÁRIAS

UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS EM OPERAÇÕES HUMANITÁRIAS UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE DISTRIBUIÇÃO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS EM OPERAÇÕES HUMANITÁRIAS Sergio Ricardo Argollo da Costa (UNIGRANRIO) sergioargollo@yahoo.com.br Renata Albergaria de Mello Bandeira (IME)

Leia mais

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador

Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Faça mais, com menos: Como crescer em um mercado de trabalho desafiador Investir em pessoal com um programa de gestão de desempenho permite que uma operação de abastecimento não só sobreviva, mas cresça

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza

CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES. Por Caio Fiuza CSC 4.0: ALÉM DOS CUSTOS DAS TRANSAÇÕES Por Caio Fiuza Nos últimos 10 anos, a gestão das áreas de apoio nas grandes organizações brasileiras vem passando por importantes transformações. A principal delas

Leia mais

A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental

A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental A Integração de Canais Logísticos como Fator para Sustentabilidade Econômica e Ambiental Alexandre Borges Fagundes (UTFPR) borges.fagundes@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira (UTFPR) ivanir@utfpr.edu.br

Leia mais

Curso Superior de tecnologia em Logística

Curso Superior de tecnologia em Logística Curso Superior de tecnologia em Logística Prof. Rodolpho W. Ruiz Tema: Arranjos Operacionais Logísticos e Tipos de Modais Agenda da tele-aula Instalações Locais ou Centralizadas. Cross-Docking. Sistemas

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios

Governança de TI. Focos: Altas doses de Negociação Educação dos dirigentes das áreas de negócios Governança de TI Parte 3 Modelo de Governança v2 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR Modelo de Governança de TI Modelo adaptação para qualquer tipo de organização Componentes do modelo construídos/adaptados

Leia mais

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas:

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas: $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 ³6HJXUDQoDGH,QIRUPDo}HV &\QDUD&DUYDOKR

Leia mais

Cruz Vermelha Brasileira

Cruz Vermelha Brasileira Cruz Vermelha Brasileira Modelo de Gestão 5As MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO CENÁRIO INSTITUCIONAL Hospital de Campanha ARC Hospital de Campanha Atendimento Pré Hospitalar

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes.

a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. EMPRESA CRIADA EM 2007, a WZ é uma empresa de consultoria em logística que surgiu para melhorar e oferecer soluções simples e inteligentes. Além de fazer um diagnóstico e sugerir recomendações, a WZ acredita

Leia mais

LOGISTICA NO BRASIL, SUA HISTORIA E TRAJETÓRIA

LOGISTICA NO BRASIL, SUA HISTORIA E TRAJETÓRIA LOGISTICA NO BRASIL, SUA HISTORIA E TRAJETÓRIA Ane Caroline Possamai Goulart 1 Jacira Aparecida de Souza Wagner Zanatta 2 Resumo: Após caracterizarmos o conceito de logística, o artigo apresenta como a

Leia mais

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente.

Logística Integrada. Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Logística Integrada Esse termo refere-se ao papel da Logística como elemento de ligação entre todos os processos, desde o Fornecedor até o Cliente. Ballou (1993) Fonte: BALLOU, R. H. Logística Empresarial.

Leia mais

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais.

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. No atual cenário econômico, organizações do mundo inteiro enfrentam uma pressão enorme para gerir seus ativos proativamente

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

Secretaria Especial de Portos da Presidência da República O Porto como Elo Fundamental de uma Cadeia Logística Segura Luis Claudio Santana Montenegro Secretaria Especial de Portos / Presidência da República

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira SUPPLY CHAIN MANAGEMENT (SCM) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre DEFINIÇÃO DE CADEIA DE SUPRIMENTOS Conjunto de atividades que objetivam fornecer produtos

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação

Governança de TI. Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Governança de TI Por que a Governança de TI é vista como fator chave para criação de valor para o Negócio? 2010 Bridge Consulting Apresentação A Governança de Tecnologia

Leia mais

A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde

A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde A Qualidade na Prestação do Cuidado em Saúde Maria Christina Fekete 1 Apresentação O termo cuidado em saúde tem interpretação pouco precisa, tal como ocorre com o conceito de qualidade. Assim sendo, tratar

Leia mais

Aula 6 2º bim. - Gestão de Empresas Baseada na Demanda

Aula 6 2º bim. - Gestão de Empresas Baseada na Demanda Aula 6 2º bim. - Gestão de Empresas Baseada na Demanda Perfil de Risco da Cadeia Continuidade dos Negócios Grande preocupação das empresas. Atualmente, foca-se muito a TI e a gestão de processos internos,

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação

O Valor da TI. Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação O Valor da TI Introduzindo os conceitos do Val IT para mensuração do valor de Tecnologia da Informação 2010 Bridge Consulting

Leia mais

Entrega e Distribuição

Entrega e Distribuição Entrega e Distribuição 1 - Simplifique o processo de picking e embalagem O nome do jogo é evitar a duplicação de esforços. Os encargos salariais são baseados no tempo, por isso desenhe um gráfico operacional

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

Conduspar. Resumo. de empresa familiar à multinacional

Conduspar. Resumo. de empresa familiar à multinacional Conduspar de empresa familiar à multinacional por Andrea Bier Serafim Mestre em Administração pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (2003). Graduada em Administração pela Faculdade Católica de Administração

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios

Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI. Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Metodologia para Análise de Maturidade de Governança de TI Soluções em Gestão e TI que adicionam valor aos negócios Garanta a eficiência e a competitividade da sua empresa Análise de Maturidade de Governança

Leia mais

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo.

8/3/2009. Empreendimento temporário que tem por finalidade criar um produto, serviço ou resultado exclusivo. FAE S.J. dos Pinhais Projeto e Desenvolvimento de Software Conceitos Básicos Prof. Anderson D. Moura O que é um projeto? Conjunto de atividades que: 1. Objetivo específico que pode ser concluído 2. Tem

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência

Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência Lean enterprise: a gestão enxuta em busca da excelência José Mauro Mendes Pelosi* 1. O conceito atual de competitividade O processo de globalização e a evolução econômica de países emergentes, como China,

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

PLANO DIRETOR DE LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN: IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA E PRINCIPAIS RESULTADOS

PLANO DIRETOR DE LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN: IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA E PRINCIPAIS RESULTADOS PLANO DIRETOR DE LOGÍSTICA E SUPPLY CHAIN: IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA E PRINCIPAIS RESULTADOS Somente nos últimos dez anos as empresas começaram a perceber a gestão da cadeia de suprimentos como um poderoso

Leia mais

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos

ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação aos Business Club Healthcare, a TM Jobs e a Integrare 360 - Marketing de Conteúdo deram início a uma série de estudos de mercado para, ao longo do ano, mapear a abordagem dos hospitais e operadoras com relação

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES

A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES A APLICAÇÃO DO SISTEMA DE COMANDO EM OPERAÇÕES NA GESTÃO DE DESASTRES GESTÃO DE DESASTRES A expressão gestão de desastres foi recentemente conceituada pela Estratégia Internacional para a Redução de Desastres,

Leia mais