GOIÁSFARMA. Fique atento às mudanças no mercado farmacêutico. Aquisição. Garantindo bons pro ssionais no mercado. Não confunda beleza com saúde

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOIÁSFARMA. Fique atento às mudanças no mercado farmacêutico. Aquisição. Garantindo bons pro ssionais no mercado. Não confunda beleza com saúde"

Transcrição

1 Ano I - nº 3 - novembro/dezembro de 2008 GOIÁSFARMA Revista do Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás Aquisição O sonho em ampliar a área do CRF-GO torna-se realidade Garantindo bons pro ssionais no mercado Goiás é pioneiro na criação do Curso de Capacitação para farmacêuticos recém-formados Não confunda beleza com saúde Após reuniões para discutir sobre uso indiscriminado de anabolizantes, CRF-GO planeja lançar campanha educativa Fique atento às mudanças no mercado farmacêutico

2

3 Editorial Um ano de conquistas É com orgulho que encerramos mais um ano com diversas ações e um saldo positivo de atividades. Neste ano, muitas foram as nossas conquistas, e uma delas merece destaque especial: a aquisição de uma outra casa para ampliação da sede. Realizamos mais de 40 cursos englobando e abrangendo diversos aspectos da atuação farmacêutica. No que diz respeito à quali cação pro ssional, fomos pioneiros na criação do curso de capacitação para recém-formados, levando até eles informações que vão muito além das recebidas nos bancos universitários, tendo realizado este ano 16 cursos os quais contaram com a participação de mais de 200 pro ssionais que acabam de entrar para o mercado. Deles, 97% aprovaram a iniciativa do CRF-GO e o conteúdo abrangido. Servimos de exemplo e fomos referência nacional para os demais Conselhos Regionais, principalmente no que diz respeito ao programa Conselho Itinerante. Com ele, realizamos mais de mil atendimentos em boa parte das cidades localizadas no interior do Estado. E em uma das nossas visitas, fomos elogiados pelo Conselheiro Federal do Maranhão, Ronaldo Pereira Filho, pela nossa lisura e transparência em todas as nossas ações. E nos orgulhamos disso. Tivemos também a presença da presidente do Conselho Regional do Maranhão, Mary Jane Limeira de Oliveira, e da vice- presidente do Conselho Regional de Pernambuco, Rosalina dos Santos de Menezes, que acompanharam o Conselho Itinerante em algumas cidades para levar a nossa experiência para ser aplicada em seus Estados. Ocupamos lugar de destaque com o número de scais atuantes na scalização do exercício da pro ssão no Estado. E ainda na scalização, mostramos que pretendemos continuar no caminho do aprimoramento dos pro ssionais, principalmente na capacitação dos scais do CRF-GO. Muitas mudanças ocorreram no mercado farmacêutico. Alguns medicamentos foram retirados e outros foram incluídos à lista C1 da Portaria 344/98. Diante disso levamos essas informações aos farmacêuticos, que precisam estar a par de tudo que ocorre na categoria e no mercado em que atuam. Em 2009, pretendemos continuar investindo na capacitação dos pro ssionais, pois este é o maior legado que podemos deixar aos colegas. Com responsabilidade e compromisso sempre trabalharemos para a valorização de uma categoria imprescindível para a sociedade. Quero também deixar meus votos de um Natal cheio de paz e muita saúde e um Ano-Novo repleto de realizações e sucesso a todos os farmacêuticos e familiares. E desejamos que em 2009 repitam as alegrias que perpetuam nosso viver, a m de vencermos as adversidades e superarmos os desa os que surgirão e nos ajudarão a buscar nosso crescimento pro ssional e pessoal. Feliz 2009 a todos. Uma boa leitura! Nara Luíza de Oliveira, presidente do CRF-GO nov-dez/2008 Goiásfarma 3

4 Fundado em 05 de julho de 1961, por Agnelo Arlington Fleury Curado Rua 1.122, nº Setor Marista - CEP Goiânia Goiás - Brasil - Fone: (62) Fax: DIRETORIA Nara Luíza de Oliveira - presidente William Cardoso Cruvinel - vice-presidente Ernestina Rocha de Souza e Silva - secretária-geral Marlene Ramos Vasconcelos - tesoureira CONSELHEIROS 2006/2009 Nara Luíza de Oliveira Marlene Ramos Vasconcelos William Cardoso Cruvinel José Elizaine Borges Cadri Saleh Ahmad Awad (suplente) CONSELHEIROS 2007/2010 Maria Conceição Morais Pereira Renzo Freire de Almeida Edemilson Cardoso da Conceição Edson Negreiros dos Santos Sueza Abadia de Souza (suplente) CONSELHEIROS 2008/2011 Mirtes Barros Bezerra de Oliveira Gomes Ernestina Rocha de Souza e Silva Lorena Baia de Oliveira Alencar Evandro Tokarski Wander Cairo Albernaz (suplente) CONSELHEIROS FEDERAIS 2007/2010 Jaldo de Souza Santos Radif Domingos (suplente) CONSELHO EDITORIAL Diretoria do CRF-GO PRODUÇÃO GRÁFICA E PUBLICITÁRIA Avenida E, nº conjunto 1.401/B Jardim Goiás CEP Goiânia - Goiás - Brasil (62) EDIÇÃO E COORDENAÇÃO GERAL José Ides Nery de Oliveira COLABORAÇÃO Marileuza Carneiro Laura Rodrigues Marcus Ráime Marcelus Paulino Martha Cristhina Március Cleiber Conselho Federal de Farmácia (CFF) JORNALISTA RESPONSÁVEL Naiara Gonçalves - Mtb-39640/SP DIAGRAMAÇÃO E DESIGNER GRÁFICO Thales Moraes - (62) FOTÓGRAFOS Yosikazu Maeda, Leandro Augusto, sxc.hu e Arquivo do CRF-GO DISTRIBUIÇÃO GRATUITA Em todo o Estado de Goiás TIRAGEM (oito mil) exemplares IMPORTANTE: Goiásfarma é uma publicação o cial do Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás. Os artigos e matérias assinados são de inteira responsabilidade dos seus autores e não representam, necessariamente, a posição do CRF-GO. Anuncie aqui: (62) / Contato comercial: Nery ou Neuza 4 Goiásfarma nov-dez/2008

5 nov-dez/2008 Goiásfarma 5

6 Curso de Capacitação Garantindo bons pro ssionais no mercado Mais de 200 farmacêuticos já foram capacitados, divididos em 16 cursos Goiás é pioneiro na criação do Curso de Capacitação para farmacêuticos recém-formados Depois de observar a di culdade dos recém-formados ao assumirem a responsabilidade técnica de farmácias e drogarias, a diretoria do CRF-GO, decidiu criar um curso de Capacitação que abrangesse as principais legislações vigentes, o código de ética da pro ssão e as principais responsabilidades do farmacêutico, tanto do ponto de vista ético como social. O curso traz também informações importantes como a montagem de Procedimento Operacional Padrão (POP), Plano de Gerenciamento de Resíduos da Saúde (PGRSS) e Sistema Nacional de Gerenciamento de Produto Controlado (SNGPC). Além de medicamentos controlados, é abordado balanços, Portaria 344/98 e outras legislações importantes que regulamentam o mercado farmacêutico. Luciana Calil Criado e normatizado pela Portaria nº 26 de 2008, inicialmente para tirar as principais dúvidas dos recém-formados, tornou-se um sucesso e despertou o interesse de farmacêuticos já atuantes no mercado que buscam obter um aperfeiçoamento e atualização dos conhecimentos. O curso é ministrado pela farmacêutica-bioquímica Luciana Calil Samora de Moraes, especialista em Farmácia Clínica, MBA em Gestão Avançada do Varejo Farmacêutico, com Docência Superior e uma vasta experiência no comércio farmacêutico. O resultado deste programa é bastante satisfatório. Depois do curso, os pro ssionais participantes sempre entram em contato para agradecer ou buscar outras informações, a rma a professora. Maioria aprova iniciativa Segundo pesquisa de opinião, realizada no nal de cada curso, 97% acharam excelente a iniciativa do CRF-GO em oferecer o curso e 86% classi caram o conteúdo como excelente. Para a recém-formada Ludmila Cantieri Carneiro, além de aprender sobre assuntos do dia-a-dia, há a possibilidade de tirar dúvidas. Brilhante a idéia desse curso!, diz entusiasmada. Sua colega de pro ssão, Irisdete Aparecida Lourenço, compartilha da idéia. Posso dizer que esse dia de curso contribuiu para que eu seja uma melhor pro ssional. Isabela Camargo sugere que o curso seja feito sempre, Já tivemos a participação de 200 farmacêuticos divididos em mais de 16 turmas, optamos por turmas de no máximo 12 pessoas para facilitar as explicações e sanar as dúvidas, contabiliza Luciana. Participa como ministrante do curso o scal do CRF-GO, Guilherme Carvalho dos Reis, que fala sobre o Código de Ética da Pro ssão Farmacêutica, da estrutura do CRF-GO e de como tramita os processos pelos departamentos. A diretora do CRF-GO, Ernestina Rocha de Sousa e Silva, trás dicas e informações sobre a pro ssão. Ela, que é conselheira regional e coordenadora de medicamentos da Superintendência de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado de Goiás (SVISA-GO), ainda trata das dúvidas sobre o SNGPC. pois esclarece e previne a nós recém-formados de possíveis erros. Lívia Niara Sila parabeniza o CRF-GO por estar dando uma visão mais ampla do que realmente é a pro ssão farmacêutica. Esses cursos são de super importância para que possamos nos reciclar e atualizar, cita Charlene Oliveira Costa Morcus. A farmacêutica Patrícia Corradi Elias a rma que antes de conhecer o trabalho, estava completamente insegura, cheia de dúvidas. Ter conversado com os pro ssionais do Conselho e participado do curso oferecido foi muito importante para esse início pro ssional, naliza. 6 Goiásfarma nov-dez/2008

7 Artigo Medicamento e orientação Jaldo de Souza Santos, Presidente do Conselho Federal de Farmácia Os medicamentos, mesmo os (aparentemente) inofensivos analgésicos e colírios, podem desencadear diferentes reações adversas - algumas graves -, principalmente efeitos colaterais. Essas reações são inerentes ao medicamento. Mas é possível controlá-las, ou diminuir a níveis baixíssimos a sua incidência, se o farmacêutico prestar aos pacientes os seus serviços, entre os quais a orientação sobre o uso coreto das substâncias. O farmacêutico é o pro ssional, técnica, cientí ca e legalmente habilitado para esta prática. Recentemente, a Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), órgão do Ministério da Saúde, fez um estudo sobre intoxicações por medicamentos, no Brasil. O resultado é alarmante. Em 2006, quase 33 mil pessoas foram intoxicadas por uso desses produtos. As causas foram várias, como o uso acidental, erros na administração, efeitos adversos, interações medicamentosas ou entre medicamentos e alimentos, automedicação e uso irracional. Os medicamentos responsáveis por casos de intoxicação, em mais de 70% das vezes, foram adquiridos com receita médica, em farmácias. Pior: apenas 25% dos que adquiriram os produtos foram orientados. Os efeitos negativos dos medicamentos, além dos cidadãos, mina, também, a saúde dos sistemas público e privado de saúde. Os hospitais gastam fábulas com esses problemas, inclusive com o retorno de pacientes (muitos precisam ser internados) em decorrência de complicações causadas pelo uso de fármacos. Nas emergências, 40% dos pacientes são atendidos em decorrência de problemas causados por essas substâncias. A situação insustentável não é uma mancha apenas na saúde brasileira. Estatísticas revelam que, nos Estados Unidos, as reações indesejáveis a medicamentos são a quarta causa de morte. Matam mais que a Aids. Em 2007, o Ministério da Saúde, convencido pelo Conselho Federal de Farmácia, deu um passo decisivo neste sentido: criou o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Mais: no dia 24 de setembro, o Ministro da Saúde, José Essas farmácias e drogarias perderam o sentido de saúde e assumiram a lógica do mercado. Gomes Temporão, anunciou o programa A informação é o melhor remédio. Em muitas farmácias e drogarias particulares, a situação é grave. Várias não mantêm o farmacêutico presente, deixando os balcões livres para a prática da empurroterapia. Essas farmácias e drogarias perderam o sentido de saúde e assumiram a lógica do mercado. Elas se transformaram em mercearias e zeram do medicamento uma mercadoria, quando este, em verdade, é um bem social a serviço da recuperação da saúde das pessoas. O medicamento, quando vendido sem a orientação farmacêutica, pode restringir-se apenas à condição de produto químico, que cura, ou mata com a mesma intensidade. O que faz a diferença é a orientação que deve ser agregada a ele. Os estabelecimentos desconectados do sentido de saúde a rmam que faltam farmacêuticos, no mercado, e, por isso, não têm como contratá-los. Isso é uma balela. O Brasil tem farmacêuticos para farmácias e um menor número de outros estabelecimentos (laboratórios de análises clínicas, indústrias de medicamentos, de alimentos e de cosméticos, entre outras). E, por ano, é lançada, no mercado brasileiro, cerca de dez mil novos farmacêuticos. Está claro que não basta o paciente ter o acesso ao medicamento, se ele não acessar, também, a orientação. Ela é o que dá segurança ao usuário do medicamento. As autoridades - eu insisto em me dirigir às municipais - precisam sensibilizar-se para isso. Do contrário, iremos expandir mais ainda as nossas estatísticas sobre os problemas relacionados ao uso dos medicamentos. nov-dez/2008 Goiásfarma 7

8 Homenagem Este título é de todos os farmacêuticos brasileiros, disse o presidente do CFF Jaldo de Souza Santos recebe título de Cidadão Honorário de Brasília Luta incansável pelas prerrogativas da categoria e empreendedorismo marcam a trajetória deste farmacêutico ACâmara Legislativa do Distrito Federal realizou sessão solene no dia 29 de outubro, no auditório do Memorial JK, em Brasília, para conceder o título de Cidadão Honorário de Brasília ao presidente do Conselho Federal de Farmácia (CFF), Jaldo de Souza Santos. O título foi outorgado, graças a um Projeto do deputado distrital Milton Barbosa (PSDB-DF). A solenidade reuniu parlamentares, diretores e funcionários dos Conselhos Federal e Regionais de Farmácia, farmacêuticos, acadêmicos de Farmácia e familiares de Souza Santos. O deputado distrital Milton Barbosa, presidente da sessão solene, iniciou o seu discurso lembrando do farmacêutico empreendedor que, assim que se formou, em 1956, comprou a Farmácia do Povo, em Goiânia, uma das pioneiras da cidade, e que se mantém ativa. O deputado lembrou, ainda, que Dr. Jaldo foi um dos fundadores do Conselho Regional de Farmácia de Goiás e, por três vezes, seu diretor. Elegeu-se, pela primeira vez, conselheiro Federal de Farmácia, em 1972 e anos depois, foi eleito pelo Plenário do CFF para exercer o cargo de secretário-geral do órgão. Logo em seguida, foi eleito presidente do CFF, cargo que ocupa pelo quinto mandato consecutivo. No relato feito pelo parlamentar cou clara a luta incansável de Souza Santos pela pro ssão. Uma passagem citada pelo deputado foi a visita de Souza Santos ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em janeiro de Dr. Jaldo reuniu-se com Lula, no Palácio do Planalto, a quem entregou uma homenagem - a Comenda do Mérito Farmacêutico Internacional - mas, também, reivindicou a participação dos farmacêuticos nos programas de atenção básica do SUS (Sistema Único de Saúde). A resposta ao seu apelo veio, três dias depois, com a publicação da Portaria 154, do Ministério da Saúde, criando os Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASFs), disse Barbosa. O irmão mais velho de Dr. Jaldo, João de Souza Santos, falou em nome da família. Falar do meu irmão Jaldo é fácil, porque eu o acompanho, desde o seu nascimento. Basta dizer que eu fui o encarregado de chamar a parteira, em Araguaiana, em Mato Grosso. Estava chegando, ali, o último fruto do casal Álvaro Theóphilo e Isabel, lembrou João. João de Souza Santos lembrou que os princípios familiares sempre nortearam a vida de Jaldo e de todos os irmãos. Em nossa família, nós sempre nos ajudamos. E foi graças a esse princípio, que Jaldo conseguiu 8 Goiásfarma nov-dez/2008

9 Integrantes da mesa na entrega do título comprar a Farmácia do Povo, há 53 anos, com a ajuda de nosso irmão Alberto, disse. Daí para frente, acrescentou João, Jaldo incorporou a luta em favor da pro ssão farmacêutica, até chegar à Presidência do CFF. A presidente do Conselho Regional de Farmácia de Goiás (CRF- GO), Nara Luiza de Oliveira, falou em nome do Estado de origem de Dr. Jaldo. O governador de Goiás, Alcides Rodrigues não pôde comparecer à solenidade, mas enviou como seu representante o presidente da Iquego (Indústria Química do Estado de Goiás), deputado federal Pedro Canedo. Ele declarou que Goiás tem adquirido notoriedade, em todo o País, por causa da qualidade dos serviços oferecidos pelos pro ssionais da saúde, inclusive os farmacêuticos. Já o presidente do Conselho Regional do Distrito Federal, Hélio José de Araújo, ocupou a tribuna do auditório, para lembrar a maneira cordial como o presidente do CFF recebe quem o procura. Representando o Plenário do Conselho Federal de Farmácia, o vice-presidente do órgão, Amilson Álvares, fez um paralelo entre Souza Santos e Brasília. A cidade nasceu como Capital Federal, pouco depois que Dr. Jaldo formava-se em Farmácia, em O título sacramenta a sua cidadania brasiliense e abre mais ainda o seu coração para o desejo de continuar morando nesta cidade, o que ele já faz, há mais de 12 anos, e de continuar a sua luta destemida pela pro ssão, disse Amilson Álvares. O atual diretor da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Agnelo Queiroz, disse que é uma honra para Brasília ter Dr. Jaldo como seu morador. Ele destacou que o presidente do CFF é um interlocutor permanente dos farmacêuticos junto à Anvisa, desde que a Agência foi criada. Aliás, aproveito para lembrar que Dr. Jaldo foi um defensor da criação da Anvisa. E, depois de criada, ele passou a defender políticas púbicas que garantissem o acesso da população aos medicamentos e aos serviços farmacêuticos, lembrou Agnelo Queiroz. Jaldo de Souza Santos fez um discurso em que manifestou toda a sua emoção pelo recebimento do título e pelas lembranças de sua luta em favor da pro ssão. Ele explicou que, quando assumiu a presidência do CFF, traçou planos e metas. Tenho o orgulho de dizer todos os planos foram executados, ou estão em fase de execução, destacou. Souza Santos destacou, ainda, que desde a sua visita ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o Governo passou a fazer várias manifestações de reconhecimento à importância dos serviços farmacêuticos no SUS. Uma delas é a criação do programa chamado A orientação é o melhor remédio, lançado, em setembro, pelo ministro José Gomes Temporão. O programa tem em seu núcleo o farmacêutico. Muitas coisas orgulham-me na vida. Uma delas é ser farmacêutico. Eu estou emocionado, e só posso concluir dizendo que este título é de todos os farmacêuticos brasileiros. nov-dez/2008 Goiásfarma 9

10

11 Artigo Farmácia do cidadão Wesley Magno Ferreira, membro do grupo técnico em assistência farmacêutica do COMEN A cidade de Morrinhos, localizada há 130 km ao sul da capital do Estado de Goiás, vem desde 2005 experimentando aplicação do conceito de assistência farmacêutica por meio de diversas frentes de trabalhos desenvolvidos pelo Programa Farmácia do Cidadão. Em dezembro de 2004, o município passou a contar com mais um pro ssional de saúde em seu quadro permanente: o farmacêutico Wesley Magno Ferreira, graduado e especialista em Farmácia Hospitalar e Assistencial pela Universidade Federal de Goiás e membro do grupo técnico em assistência farmacêutica do Conselho Municipal de Entorpecentes (COMEN) e Secretaria Estadual da Saúde. Ao assumir a farmácia do município, ele encontrou um setor desarticulado dos demais serviços municipais de saúde e desacreditado em sua idéia por toda a comunidade. Estruturas física e logística inadequadas, ausência do elemento medicamento e sub-noti cação de prescrições médicas foram alguns dos fatores detectados. Tais circunstâncias passaram a ser o grande desa o de transformação da realidade. Para isto, organizar literalmente o Programa Farmácia do Cidadão e fazer esse contexto ganhar a denominação de farmácia tornou-se o meu principal objetivo, diz o farmacêutico. Inúmeros procedimentos foram elencados de acordo com a situação farmacêutica detectada. Ini- Prefeito Cleomar Gomes, Marlene Ramos, Wesley Magno e Nara Luíza Do ontem ao hoje na assistência farmacêutica à população morrinhense cialmente, ele buscou a conscientização do Gestor Público e a divulgação da importância e a relevância na melhoria do serviço farmacêutico prestado junto à população morrinhense. Posteriormente, ele inseriu a farmácia dentro do contexto de Saúde, promovendo a credibilidade junto aos mais diversos pro ssionais: médicos, enfermeiros e cirurgiões dentistas. Por último, na propagação deste conceito, foi despertada a aceitabilidade e o crédito individual de cada cidadão ao serviço prestado. O convencimento dos indivíduos que compuseram a equipe de trabalho, as parcerias bem sucedidas, o intercâmbio entre o Núcleo de Assistência Farmacêutica da Secretaria Estadual de Saúde (SES/GO) e o município de Morrinhos, galgado no dinamismo pro- ssional de Wesley Magno Ferreira, zeram com que se alcançasse um salto no número de receitas atendidas, passando de (em 2004) para (janeiro a dezembro de 2008). Os atendimentos especiais, segundo ele, passaram a ser efetivados quanto a pacientes diabéticos tipo I acompanhados e inseridos em protocolos especí cos, promoção de uso racional dos mais diversos medicamentos e educação continuada aos usuários de medicamentos de uso controlado. A ampliação do número de medicamentos ofertados de 36 (em 2004) para 104 (em 2008), controle de estoque rigoroso e armazenagem de medicamentos e correlatos adequados e versatilidade entre as diversas formas farmacêuticas visando a inclusão de todos os membros da comunidade no objetivo da cura de suas doenças, passaram a nortear a nova dinâmica da assistência prestada pela Farmácia Cidadão no Município de Morrinhos. Diante do excelente trabalho realizado, o CRF-GO esteve em Morrinhos, reunido com o prefeito Cleomar Gomes de Freitas, para falar sobre a importância do trabalho do colega e pedindo que ele continue à frente da farmácia. nov-dez/2008 Goiásfarma 11

12 Controle Vigilância Sanitária aumenta o rigor na comercialização de medicamentos controlados Produtos sujeitos a controle especial ganham maior rigidez na scalização, com ênfase nos anorexígenos e anabolizantes Para conter o uso indiscriminado de anorexígenos, medicamentos utilizados para inibir o apetite e perder peso e anabolizantes utilizados para aumentar a massa muscular, a Vigilância Sanitária Estadual tem publicado resoluções com o objetivo de normatizar a dispensação de medicamentos controlados em farmácias e drogarias. Ernestina Rocha de Sousa e Silva, coordenadora de medicamentos da Superintedência de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado de Goiás (SVISA-GO) e Secretária Geral do Conselho Regional de Farmácia (CRF-GO), explica que os anabolizantes e os anorexígenos fazem parte dos medicamentos controlados, que só podem ser dispensados mediante apresentação de prescrição médica, em formulário especí co, com todos os campos devidamente preenchidos. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) por meio da Portaria 344/98-SVS/ MS, aprovou o Regulamento Técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial, RDC 27/07, RDC 58/07 a qual dispõe sobre o controle e fiscalização de substâncias psicotrópicas anorexígenas, e Goiás publicou RE 02/2008-GAB/SES que aumenta as exigências para a dispensação de anabolizantes no âmbito do Estado. Ernestina explica que a normatização, dispõe de um Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SN- GPC), que estabelece a implantação do módulo para farmácias e drogarias, permitindo rastreabilidade de todas as atividades do estabelecimento relacionadas com a entrada (compra ou transferência) e a saída (venda/ dispensação) de substâncias ou medicamentos sujeitas ao controle especial. O sistema permite acompanhar a movimentação do medicamento desde a prescrição pelo médico até a venda na farmácia ou drogaria. No ato da compra, o cliente deverá apresentar ao farmacêutico o documento que o identifique, para o preenchimento do campo do comprador, afirma Ernestina. Segundo ela, as normas vigentes e a fiscalização exercida pela autoridade sanitária têm rendido frutos em Goiás. No episódio ocorrido que resultou em óbitos pelo uso indevido de anabolizantes, não foi registrado nenhum caso de medicamento de uso humano dispensado em farmácias e drogarias, alerta. A coordenadora da Vigilância Sanitária salienta que a venda de medicamentos sujeitos a controle especial deve atender legislação vigente. A comercialização indevida configura tráfico de drogas, pela lei federal, extensivo a toda a cadeia (produção, transporte, distribuição e dispensação), enfatiza. Ela ressalta que a responsabilidade também é do consumidor que deve conhecer seus direitos, ter consciência de que o uso irracional de medicamento pode causar danos à saúde, podendo levar até mesmo a óbito. E que o consumidor deve exigir atenção farmacêutica no momento da dispensação do medicamento, atribuição esta privativa do farmacêutico e adquirir medicamentos somente em farmácias que tenha farmacêutico presente e à sua disposição. 12 Goiásfarma nov-dez/2008

13 nov-dez/2008 Goiásfarma 13

14 Monitor de glicemia

15 Fique atento Medicamentos retirados do mercado Informação é um dos itens primordiais da pro ssão Importantes mudanças no mercado farmacêutico Nos últimos meses aconteceram grandes mudanças no mercado farmacêutico. Alguns medicamentos foram retirados e outros foram incluídos à lista C1 da Portaria 344/98. Temos medicamentos que foram apreendidos e outros que foram suspensos, diante disto a diretoria do CRF-GO, com a intenção de auxiliar nas principais di culdades e preocupada com as dúvidas que poderiam surgir, montou o seguinte texto com as principais mudanças ocorridas e as medidas e cuidados que os farmacêuticos precisam tomar. Farmacêutico precisa estar a par de tudo que acontece no segmento, pois a falta de informação não é atenuante para descumprimento da lei O pro ssional que trabalha na dispensação de medicamento tem que se munir de conhecimentos especí cos para dispensar. Ele precisa saber sobre legislação e ter ciência de onde buscar informação o su ciente para manter-se atualizado e não ser penalizado por falta de conhecimento uma vez que para trabalhar no ramo, é preciso ter informações sobre a legislação que normatiza o segmento. A Vigilância Sanitária de Goiás, preocupada com o controle de medicamentos no Estado, publicou no dia 21 de outubro deste ano no Diário O cial do Estado, a Resolução 002/2008-GAB/SES que determina a dispensação de anabolizantes, somente mediante apresentação de noti cação de receita B, a Resolução 003/2008-GAB/SES que regulamenta a liberação de seqüência numérica para confecção de talonários de noti cação de receituário B, B2 e retinóides e o fornecimento de talonários de receituário A e Resolução 004/2008-GAB/SES regulamentando que somente poderão confeccionar talonários de receituários para prescrição de medicamentos contendo substâncias psicotrópicas, entorpecentes e outras sujeitas a controle especial grá cas devidamente cadastradas pelo órgão de Vigilância Sanitária competente. Fica a cargo da coordenadora de medicamentos da Superintendência de Vigilância Sanitária e Ambiental do Estado de Goiás (SVISA-GO), Ernestina Rocha de Sousa e Silva, divulgar e fazer cumprir tais Resoluções no âmbito do Estado. Ela a rma que em parceria com o Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás (CRF- GO), ocorrerá a divulgação da Legislação e que o tema será prioridade nas palestras, reuniões, Conselho Itinerante e outros eventos, visando Ernestina a rma que tema será prioridade nov-dez/2008 Goiásfarma 15

16 o cumprimento da Legislação e a qualidade do atendimento prestado ao usuário. Conforme explica a superintendente da SVISA, Angela Maria de Miranda Melo Cardoso, os alertas sanitários acontecem como medida de segurança e regulação. Quando um produto está impróprio para o consumo, apresenta falhas no decorrer do tempo ou reação adversa caso do Prexige, é retirado do mercado, mesmo com registro da Anvisa. Casos de defeito no aspecto e teor ocasionados devido a falhas no controle de qualidade e no processo de fabricação também são analisados e caso sejam insatisfatórios são recolhidos, esclarece, apontando para a importância da noção do pro ssional para as notícias sobre o segmento. Ela cita que outro tipo de alerta sanitário é sobre o medicamento clandestino, vendido sem registro o qual não foi objeto de scalização sobre as boas práticas de fabricação comercializados principalmente por ambulantes e sacoleiros. Esse é o pior tipo de medicamento porque nós não temos o menor controle sobre ele, alerta. Medicamentos não devem ser comprados em hipótese alguma pelo consumidor a não ser em farmácias e drogarias sob orientação do farmacêutico, acrescenta Angela. O programa de farmacovigilância da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Farmácias Noti cadoras, faz justamente um estudo do medicamento pós-comércio, analisando e noti cando qualquer tipo de reação adversa causada ao paciente/ consumidor. Nota-se que o maior controle é sobre os medicamentos novos, que às vezes são usados de forma indiscriminada. No entanto, a população precisa ser esclarecida de que o medicamento que cura também pode matar, independente dele ter registro e cumprir com as boas práticas de fabricação. Nós partimos do princípio de que o medicamento deve ser puro, seguro e e caz, mas existem reações inesperadas, por isso é necessário o monitoramento póscomercialização, conclui. Angela alerta que o medicamento que cura também pode matar Coxibes mudanças na legislação A Resolução RDC nº 79, publicada em 04 de novembro de 2008, dispôs sobre a atualização do Anexo 1 Listas de substâncias sujeitas ao controle especial da Portaria SVS/MS nº 344/1998. Esta incluiu na Lista C1 (Lista das outras substâncias sujeitas ao controle especial) as substâncias e medicamentos que contenham os inibidores seletivos da COX-2: Celecoxibe (Celebra), Etoricoxibe (Arcoxia), Lumiracoxibe (Prexige), Parecoxibe (Bextra IM e IV), Rofecoxibe (Vioxx) e Valdecoxibe (Brextra). De acordo com a Legislação vigente, medicamentos e substâncias desta lista devem ser comercializados com Receita de Controle Especial em duas vias, com retenção da primeira via com todos os campos devidamente preenchidos. Devem, ainda, serem escrituradas eletronicamente por meio do Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC). O que fazer com os estoques dos medicamentos inibidores seletivos da COX-2 (Coxibes) que passam a pertencer à lista da portaria 344? Estoques antigos : Como as notas fiscais de aquisição ou de transferência dos produtos em estoque são de datas anteriores à publicação, torna-se inviável a escrituração (esta deve ser cronológica). Desta forma, orientamos que os estoques ora existentes sejam dispensados mediante receita médica, sem escrituração. Estoques novos : No caso de aquisições por compra ou transferência a partir do dia 05 de novembro de 2008, a dispensação e escrituração devem acontecer da mesma forma que os demais produtos da Lista C1, ou seja, dispensação mediante receita de controle especial em duas vias, com retenção da primeira devidamente preenchida e escrituração eletrônica em ordem cronológica no SNGPC. Desta forma, os estoques antigos devem ser esgotados e toda e qualquer aquisição deve ser escriturada e dispensada conforme os demais produtos controlados. Medicamento proibido A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu em novembro a manipulação da substância Rimonabanto, princípio ativo do medicamento Acomplia, fabricado pela Sano -Aventis (RE 4.087/2008). O princípio ativo também não pode mais ser importado. A Agência publicou ainda a suspensão formal da importação, distribuição e comercialização do Acomplia e determinou que a empresa faça o recolhimento do medicamento em todo o país (RE 4.086/2008). 16 Goiásfarma nov-dez/2008

17 Medicamentos que tiveram seus registros cancelados e que foram retirados do mercado: A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu suspender a comercialização e o uso, em todo o País, dos antiin amatórios Prexige (100mg e 400 mg) e Arcoxia (120 mg). Segundo os especialistas da Agência, os riscos da utilização desses medicamentos superam seus benefícios. Prexige Lumiracoxibe Indicação: Dores e tratamento da osteoartrite (um tipo de artrite), da dor aguda e da cólica menstrual primária. Suspenso: Outubro de 2008 Por quê: O uso do medicamento foi associado a arritmias cardíacas, hipertensão, doenças hepáticas e hemorragias. Arcoxia de 120 mg Indicação: Reumatismo, gota, artrite, osteoartrite, dor articular, cólica menstrual, em pós-operatórios, dores agudas e crônicas; Suspenso: Outubro de 2008 Por quê: Segundo o Ministério da Saúde, nesta dosagem o remédio pode levar ao desenvolvimento de problemas hepáticos. Brextra Indicação: Osteoartrite, artrite reumatóide e cólica menstrual. Suspenso: 2005 Por quê: Os riscos dos remédios incluíam alergias cutâneas graves, além de distúrbios cardiovasculares. No Brasil, seu uso passou a ser restrito aos hospitais. Vioxx Indicação: Dores e in amações em geral. Suspenso: 2004 Por quê: Pode ter causado mais de 140 mil casos de doenças cardiovasculares só nos Estados Unidos e mais de 56 mil mortes em cinco anos de mercado. O consumo diário do remédio dobrava os riscos de infarto e derrame. A Anvisa recomenda aos consumidores que estiverem fazendo uso dos medicamentos procurar seus médicos para que possam substituir os produtos sem interromper o tratamento. De acordo com nota, o cancelamento do registro desses produtos faz parte de um processo de trabalho iniciado em julho, na Anvisa, para reavaliar a segurança de uma nova classe de antiin amatórios, os inibidores da enzima ciclooxigenase. Medicamento proibido A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) suspendeu em novembro a manipulação da substância Rimonabanto, princípio ativo do medicamento Acomplia, fabricado pela Sano -Aventis (RE 4.087/2008). O princípio ativo também não pode mais ser importado. A Agência publicou ainda a suspensão formal da importação, distribuição e comercialização do Acomplia e determinou que a empresa faça o recolhimento do medicamento em todo o país (RE 4.086/2008). Acomplia Rimonabanto Indicação: Perda de peso especialmente na região abdominal. Suspensão: Em novembro de 2008 Por quê: As vendas do medicamento foram suspensas pelo próprio fabricante após recomendação expressa da Agência Européia de Medicamentos. Motivo: Dobra o risco de distúrbios psiquiátricos, especialmente depressão.dios incluíam alergias cutâneas graves, além de distúrbios cardiovasculares. No Brasil, seu uso passou a ser restrito aos hospitais. Estudos demonstraram que pacientes que utilizaram o medicamento tiveram aproximadamente o dobro de risco de desenvolver problemas psiquiátricos, como ansiedade e depressão, comparados àqueles que não utilizaram o produto. Produtos sem registro A Anvisa suspendeu a fabricação, a comercialização e a distribuição de produtos sem registro e sem autorização de funcionamento na Anvisa. (Alerta Sanitário 56/2008). Desta forma, de acordo com a Resolução RE nº. 328, de 22 de julho de 1999, que institui o Regulamento Técnico sobre as Boas Práticas de Dispensação de Medicamentos em Farmácias e Drogarias, o estabelecimento é responsável por somente dispensar produtos registrados ou declarados isentos de registros pelo órgão competente do Ministério da Saúde e adquiri-los de fornecedores legalmente licenciados no País. E ainda, deve manter procedimentos operacionais escritos quanto às condições para aquisição, armazenamento, conservação e dispensação de produtos. Para veri cação do registro/noti cação de produtos junto à Anvisa pode ser realizada consulta através do endereço eletrônico Conforme preconizado no Decreto nº /77, artigos 93, 94, 95, 97, e demais exigências sanitárias, as informações mínimas que todos os rótulos de medicamentos devem ter, estão dispostos na Resolução RDC nº333, de 19 de novembro de Já a Resolução RDC nº 211, de 14 de julho de 2005, estabelece os requisitos para a rotulagem obrigatória geral para Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes. E acrescentar que conforme Código Penal - DECRETO-LEI N , DE 7 DE DEZEMBRO DE CAPÍTULO III Dos crimes contra a saúde pública: Art Falsi car, corromper, adulterar ou alterar produto destinado a ns terapêuticos ou medicinais: (NR) Pena - reclusão, de 10 (dez) a 15 (quinze) anos, e multa. (NR) 1º Nas mesmas penas incorrem quem importa, vende, expõe à venda, tem em depósito para vender ou, de qualquer forma, distribui ou entrega a consumo o produto falsi cado, corrompido, adulterado ou alterado. (NR) 1 -A Incluem-se entre os produtos a que se refere este artigo os medicamentos, as matérias-primas, os insumos farmacêuticos, os cosméticos, os saneantes e os de uso em diagnóstico. nov-dez/2008 Goiásfarma 17

18 SNGPC Palestra sobre SNGPC esclarece farmacêuticos Dúvidas ainda são freqüentes durante o manuseio do sistema Palestra reúne um considerável número de pro ssionais Depois de acompanhar a quantidade de dúvidas e pedidos constantes de novos cursos sobre o Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados (SNGPC), o Conselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás (CRF-GO), por meio de sua presidente, Nara Luíza de Oliveira, decidiu convidar as farmacêuticas Márcia Gonçalves de Oliveira e Glória Latuf, ambas do departamento de regulamentação de produtos controlados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para virem até Goiânia ministrar palestra cujo objetivo era sanar as dúvidas mais freqüentes sobre o sistema. No dia 4 de dezembro, a palestra reuniu um grande número de pro ssionais farmacêuticos no auditório da Federação do Comércio, para esclarecimento do sistema. O evento teve início às 19h e se estendeu até às 23h, devido a quantidade de informações questionadas pelos presentes. Segundo Glória, o hotsite do Sistema é um veículo importante de informação para pro ssionais farmacêuticos, de vigilância sanitária e desenvolvedores de software. O hotsite tem diversas informações úteis, como o item Perguntas Freqüentes, que já contém 113 perguntas e respostas, manuais que orientam sobre as etapas a serem seguidas para a adesão ao Sistema, além de legislações, informações para desenvolvedores e notícias recentes, a rma. Márcia falou da importância de acessar o hotsite, uma vez que ali estão todas as informações sobre Atualização de passo a passo para Vigilâncias Sanitárias, Mala direta para esclarecimentos de dúvidas, Orientação sobre escrituração e receituário de produtos que contenham inibidores da COX2 e Melhorias no estoque de movimentação. No hotsite, é possível ainda o farmacêutico consultar e acompanhar se o medicamento continua com inconsistência ou se o problema já foi resolvido, esclarece Márcia. Nara Luiza conta que a agenda das palestrantes já tinha sido encerrada para o decorrer do ano, mas com sua insistência e pedidos foi possível sensibilizar as pro ssionais sobre a necessidade do evento. Diante da presença maciça de farmacêuticos, não restam dúvidas de que ainda há muitas questões sobre o sistema a serem esclarecidas, justi ca a presidente. Diretoria agradece presença das palestrantes Nara Luíza abre o evento, com a presença da diretoria 18 Goiásfarma nov-dez/2008

19 Ciclo de Palestras Aperfeiçoando pro ssionais Evento promovido pelo CRF-GO reúne farmacêuticos para debaterem atualidades da pro ssão OConselho Regional de Farmácia do Estado de Goiás (CRF-GO), focando quali car pro ssionais nas mais diversas áreas de atuação, realizou no dia 18 de outubro o Ciclo de Palestras. O evento reuniu diversos farmacêuticos e contou com a abordagem de oito temas diferentes. A idéia defendida pelo gerente de projetos e processos da rede de drogarias Santa Marta, Alexandre Mendes de Andrade, foi que para gerir bem uma drogaria, o farmacêutico precisa entender que sem o produto não se consegue prestar o serviço de assistência farmacêutica. Ele ministrou palestra sobre Controle de estoques e falou que o produto a ser comercializado tem que estar disponível, sendo dispensado adequadamente por um pro ssional quali cado. O farmacêutico tem que despertar para assuntos relacionados a gestão do varejo e da saúde e não focar apenas os aspectos técnicos que a pro ssão preconiza, a rma Alexandre. Segundo ele, para a empresa se manter viva, o pro ssional tem que estar cada vez mais envolvido com a gestão. Por essa razão é necessário ter muita atenção em relação aos produtos comercializados, a disponibilidade e a qualidade destes nos pontos de venda, e principalmente, ter empresas con áveis como fornecedoras. Por meio de uma gestão de estoque é possível preservar as margens de lucro garantindo a rentabilidade do negócio. Uma vez comprando mal, faltará ou encalhará produtos nas prateleiras, o que implicará em prejuízo, resume. Na visão dele, o farmacêutico bem informado e capacitado consegue colaborar com a gestão do ponto Público atende as expectativas projetadas pelo CRF-GO de venda, além de equilibrar a balança de estoque versus rentabilidade e qualidade de atendimento ao consumidor. Para colocar o farmacêutico interado sobre a necessidade da qualidade do transporte, a responsável técnica da Faster Brasex, Fabiana Gama, abordou o tema Os desa os da logística para distribuição de medicamentos perecíveis. Segundo ela, o farmacêutico que trabalha numa transportadora tem que ter a atenção voltada à raiz do problema, que é a sua estrutura. No passado o pro ssional não se atentava a essa qualidade inerente a sensibilidade do medicamento à temperatura, ao armazenamento, ao ambiente limpo e à estrutura ideal. Hoje este tipo de cuidado é imprescindível para garantia do princípio ativo do produto, a rma. Caroline Martins Gianvechio, farmacêutica da Pharma Distribuidora, assegura que este tipo de evento serve para atualização nos principais segmentos de atuação. Me formei há cinco anos e nem sempre tenho tempo de fazer cursos. Neste ciclo foi possível me interar de três assuntos diferentes, reciclando e agregando valor aos meus conhecimentos, aponta. E a função do pro ssional não ca restrita apenas a cuidados com medicamentos, o farmacêutico também tem grande responsabilidade no que diz respeito ao material médico hospitalar. Conforme explica o farmacêutico do Hospital da Polícia Militar de Minas Gerais, Guilherme Rezende de Souza Pinto, que falou sobre as Tendências no manejo de materiais hospitalares, o pro ssional demarcou seu espaço dentro do hospital, nos últimos anos, deixando de ser apenas um controlador de estoques para atuar num campo mais amplo. Por se tratar de uma equipe totalmente multidisciplinar, acaba interagindo com outros pro ssionais para utilizar os medicamentos e materiais de forma racional com foco no paciente, porém equilibrando a redução de custos da instituição. O nosso papel enquanto farmacêutico é assegurar que o produto adquiri- nov-dez/2008 Goiásfarma 19

20 CRF-GO, Fátima de Lourdes do Couto Araújo, concorda com Elza, e acrescenta: como scal é sempre bom conhecer todas as áreas para poder scalizar bem, ser multiplicador da pro ssão, além de exercer corretamente e com con- Nara Luíza, Alexandre Andrade e Comissão Farmácia Hospitalar ança aquilo que do atenda as exigências sanitárias, me proponho a fazer. tenha registro e embalagem de boa A visão do farmacêutico no qualidade, cita. E a partir do momento que assumimos a gestão do o tema abordado pelo diretor exe- ramo econômico do segmento foi material comprado, passamos a ter cutivo do ICA Instituto de Coaching a responsabilidade sobre seleção de Aplicado, Alexandre Prates. Para fornecedor, marca, garantia da integridade do produto no ponto de visdente, porém sem visão de liderança. ele, a farmácia é uma pro ssão ascenta de recebimento, armazenamento No curso não é passado o caminho e distribuição. Isso também é um de como liderar pessoas, como conduzir equipes e a própria carreira, papel importante para assegurar a integridade e esterilidade do material, acrescenta. saber quais os segredos de um líder enumera. O farmacêutico precisa Para a secretária executiva do para que possa colocar isso na própria pro ssão, completa. A idéia da Conselho Municipal de Saúde (COSE- MS), Elza Luiz Rodrigues de Souza, a palestra ministrada por ele foi levar quali cação pro ssional no processo ao pro ssional conhecimento sobre de aquisição e armazenamento de o ser humano, equipes, desenvolvimento de pessoas e principalmente o medicamentos é importante, uma vez que o sistema de ensino não forma desenvolvimento da própria carreira. pro ssional em saúde pública. Para José Eduardo Cavicchia Jorge, ela, a assistência farmacêutica está inserida em todos os níveis de comple- tratou do assunto Formação de Pre- da Cavicchia Consultores Associados, xidade. Acabamos tendo que correr ços em Farmácias de Manipulação. atrás de uma especialização focada à Ele expôs que o consumidor é quem área que atuamos, revela. A scal do determina o preço do produto que irá comprar. Mas manter uma estrutura complexa, com pessoal quali cado, atendendo as exigências estabelecidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tem um custo e este custo deve ser identi cado, classi cado e bem tratado para que as empresas tenham certeza de que o preço de venda contemple os custos gerados. E este, segundo ele, é o ponto fraco do segmento. Os preços são formados através de um fator que é aplicado sobre a matéria-prima envolvida na fórmula. É um número que se no passado foi su ciente para cobrir os custos gerados, hoje em dia Alexandre Prates é uma grande interrogação. Nós não sabemos se esse fator vai cobrir os custos gerados para elaboração da manipulação daquela fórmula ou se ele é insu ciente, diz. Um planejamento estratégico, com conhecimento preciso dos dados que compõem o preço é o caminho mais palpável. Em síntese, conforme ele explica, o pro ssional precisa adotar uma metodologia que pese toda a particularidade da estrutura administrativa da empresa. Uma metodologia customizada para o segmento tratando o setor como deve ser, um setor que produz sob encomenda, porém com tudo isso embarcado numa ferramenta, aconselha. Cavicchia a rma que, no País, poucos estabelecimentos têm um programa de formação de preços, devido o difícil acesso a índices, indicadores e estatísticas do custo operacional de um laboratório. Mas noto que está crescendo porque está doendo no bolso do empresário. Empresas com estruturas um pouco mais organizadas já estão praticando e tratando o preço de uma forma adequada. Atrás delas vem vindo as outras, numa velocidade baixa ainda, dada a gravidade da falta dessa metodologia, mas aos poucos estão se mexendo, justi ca. Cristina Souza Okuhara, farmacêutica da Farmogral, farmácia de manipulação situada em Parauapebas, interior do Pará, concorda com os pontos colocados por Cavicchia e acredita que uma ferramenta capaz de formar preços, a partir dos dados de custo, iria ajudar bastante. Sobre José Eduardo Cavicchia 20 Goiásfarma nov-dez/2008

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil

Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC: Inovando na qualidade de monitoramento e controle de medicamentos no Brasil SNGPC Ferramenta informatizada para captura de dados e geração de informação, a cerca da prescrição, dispensação e consumo

Leia mais

Fiscalizar, orientando Orientar, fiscalizando

Fiscalizar, orientando Orientar, fiscalizando Fiscalizar, orientando Orientar, fiscalizando O CFF e os CRFs estão implantando uma nova filosofia para a fiscalização farmacêutica. Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. O Presidente

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

www.grupoidealbr.com.br Conteúdo: legislação sanitária Professor (a): Paulo Nogueira Mini currículo: Fiscal Sanitário Municipal de Nível Superior da Vigilância Sanitária Municipal de Belo Horizonte. Biólogo

Leia mais

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008

Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Resolução nº 492 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Regulamenta o exercício profissional nos serviços de atendimento pré-hospitalar, na farmácia hospitalar e em outros serviços de saúde, de natureza pública

Leia mais

SNGPC versão 2.0 Antimicrobianos

SNGPC versão 2.0 Antimicrobianos SNGPC versão 2.0 Antimicrobianos Farm. Adam Macedo Adami Especialista em Dependências Químicas e Farmacologia Gerente de Medicamentos e Produtos da VISA Estadual Gestor Estadual do SNGPC de Mato Grosso

Leia mais

www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil

www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil www.saude.gov.br (Portal da saúde) Farmácia Popular do Brasil O Governo Federal criou o Programa Farmácia Popular do Brasil para ampliar o acesso aos medicamentos para as doenças mais comuns entre os cidadãos.

Leia mais

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos

1.5. Dados pessoais que devem constar na receita médica. 1.6. Validade das receitas de medicamentos antimicrobianos Atualizado: 10 / 05 / 2013 FAQ AI 1. Controle de medicamentos antimicrobianos (antibióticos) 1.1. Informações gerais 1.2. Uso contínuo (tratamento prolongado) 1.3. Retenção da segunda via da receita médica

Leia mais

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA RESOLUÇÃO Nº 601, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014

ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA RESOLUÇÃO Nº 601, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014 ENTIDADES DE FISCALIZAÇÃO DO EXERCÍCIO DAS PROFISSÕES LIBERAIS CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA RESOLUÇÃO Nº 601, DE 26 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre as atribuições do farmacêutico no âmbito da homeopatia

Leia mais

1.2. Escrituração de medicamentos e insumos farmacêuticos. 1.2.2. Arquivos XML sem movimentações. 1.2.2.1. Medicamentos vencidos

1.2. Escrituração de medicamentos e insumos farmacêuticos. 1.2.2. Arquivos XML sem movimentações. 1.2.2.1. Medicamentos vencidos Atualizado: 25 / 10 / 2013 FAQ AI 1. Escrituração e movimentação dos arquivos XML no SNGPC 1.1. Programa interno do estabelecimento 1.1.1. Alteração do software 1.2. Escrituração de medicamentos e insumos

Leia mais

Autores: Patrícia Turqueto Azzoni ¹, Virginia Swain Muller ², Fabiana Cristina Pereira Guimarães³.

Autores: Patrícia Turqueto Azzoni ¹, Virginia Swain Muller ², Fabiana Cristina Pereira Guimarães³. Título: Controle sanitário de estabelecimentos comerciais farmacêuticos com dispensação de produtos sujeitos ao controle da Portaria SVS/MS nº 344/98, e suas atualizações. Autores: Patrícia Turqueto Azzoni

Leia mais

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação

Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Amostra grátis de remédios: ANVISA regula a produção e dispensação Profª Dra Roseli Calil / DEC Enfº Adilton D. Leite / SADP A ANVISA, através da RDC (RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA da Agência Nacional

Leia mais

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013.

NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. NOTA TÉCNICA Perguntas e respostas referentes às Resoluções do CFF nº 585 e nº 586, de 29 de agosto de 2013. Assessoria da Presidência Assessoria técnica Grupo de consultores ad hoc Conselho Federal de

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº

NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº NOTA TÉCNICA SOBRE A RDC Nº 20/2011 Orientações de procedimentos relativos ao controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição isoladas ou em associação.

Leia mais

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010.

Fortaleza, 17 e 18 de junho de 2010. Fracionamento de medicamentos para dispensadores Parcerias: Defensoria Pública do Estado do Ceará; Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA Conselho Regional de Farmácia - CRF- CE Sindicato do

Leia mais

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007.

DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. DECRETO Nº 1710, DE 16 DE NOVEMBRO DE 2007. Institui o elenco de medicamentos e aprova o regulamento dos procedimentos de aquisição e dispensação de medicamentos especiais para tratamento ambulatorial

Leia mais

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações

Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública. Apresentação e orientações Formulário para envio de contribuições em Consulta Pública FORMULÁRIO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES EM CONSULTA PÚBLICA Apresentação e orientações Este Formulário possui a finalidade de enviar contribuições

Leia mais

COMO PROCEDER PARA COMERCIALIZAR MEDICAMENTOS CONTROLADOS

COMO PROCEDER PARA COMERCIALIZAR MEDICAMENTOS CONTROLADOS COMO PROCEDER PARA COMERCIALIZAR MEDICAMENTOS CONTROLADOS SNGPC Controle informatizado da Portaria 344/1998 Com o objetivo de facilitar o controle dos medicamentos pertencentes à Portaria 344/MS 1998,

Leia mais

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS

Atualizada.: 25/07/2013 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS 4 MÉDIA COMPLEXIDADE ANEXO 1 G- DISTRIBUIDORAS Drogarias; Ervanária, posto de medicamento, dispensário de medicamentos; Distribuidora com fracionamento de cosmético, perfume, produtos de higiene; Distribuidora

Leia mais

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA

JAIME CÉSAR DE MOURA OLIVEIRA Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 27, de 06 de abril de 2015 D.O.U de 08/04/2015 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

Sem fronteiras. Por Adriana Bezerra e Thais Noronha

Sem fronteiras. Por Adriana Bezerra e Thais Noronha Sem fronteiras Farmacêuticos são imprescindíveis ao transporte. Profissionais enfrentam desafios do setor Por Adriana Bezerra e Thais Noronha A partir do momento em que o produto sai da indústria, entra

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 529, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Institui o Programa Nacional de Segurança do

Leia mais

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA

DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA DÚVIDAS MAIS FREQUENTES NO BALCÃO DA FARMÁCIA Neste módulo vamos tratar de situações que envolvem dúvidas quanto à melhor maneira de agir e as práticas permitidas ou não pela legislação, mas que, comumente,

Leia mais

Resolução nº 577 de 25 de julho de 2013

Resolução nº 577 de 25 de julho de 2013 Resolução nº 577 de 25 de julho de 2013 Ementa: Dispõe sobre a direção técnica ou responsabilidade técnica de empresas ou estabelecimentos que dispensam, comercializam, fornecem e distribuem produtos farmacêuticos,

Leia mais

RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS

RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS Não reproduza sem os devidos créditos! PLÁGIO É CRIME! RASTREABILIDADE DE MEDICAMENTOS Farmacêutica Daiane Lima de Oliveira Serviço de Farmácia SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DE MEDICAMENTOS DOSE UNITÁRIA Cinco

Leia mais

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO

Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica PLANO DE CURSO CURSO DE FARMÁCIA Autorizado pela Portaria nº 991 de 01/12/08 DOU Nº 235 de 03/12/08 Seção 1. Pág. 35 Componente Curricular: Deontologia e Bioética Farmacêutica Código: FAR - 106 Pré-requisito: - Período

Leia mais

Projeto Ouvidoria Itinerante para a CVSPAF de. Estatísticas Mensais. fevereiro/2015

Projeto Ouvidoria Itinerante para a CVSPAF de. Estatísticas Mensais. fevereiro/2015 Projeto Ouvidoria Itinerante para a CVSPAF de São Estatísticas Paulo - SP. Mensais fevereiro/2015 Ouvidoria/Anvisa Ano 2015 1 Diretor Presidente Interino Jaime César de Moura Oliveira Diretores Ivo Bucaresky

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS

ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS ENCONTRO ESTADUAL DE FARMACÊUTICOS PREPARATÓRIO PARA A 15ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL OFICINA AMAZONAS Informações gerais Estado Amazonas Organizadores (sindicato e Sindicato dos Farmacêuticos

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova as diretrizes e estratégias para organização, fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil

Desafios para a Comunicação Efetiva em Farmacovigilância no Brasil IX Encontro Internacional de Farmacovigilância das Américas Painel: Comunicação do Risco em Farmacovigilância: o que fazer para a informação chegar a quem interessa? Desafios para a Comunicação Efetiva

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Claudia Witzel CICLO DA ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA O Ciclo da Assistência Farmacêutica compreende um sistema integrado de técnicas, científicas e operacionais SELEÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

RELATÓRIO. 1 Preâmbulo

RELATÓRIO. 1 Preâmbulo Minuta RELATÓRIO Da audiência pública promovida pela COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS sobre a Consulta Pública nº 69, de 2007, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, acerca de Boas Práticas Farmacêuticas

Leia mais

Artigos do. Jornal do CRM-MG. * Relação de médicos com a indústria farmacêutica

Artigos do. Jornal do CRM-MG. * Relação de médicos com a indústria farmacêutica Artigos do Jornal do CRM-MG Dezembro de 2008 * Projeto de lei desestimula automedicação * Relação de médicos com a indústria farmacêutica Janeiro de 2009 * Anvisa estabelece novas regras para a relação

Leia mais

CRF-PI comemora 50 anos

CRF-PI comemora 50 anos ANO IV NÚMERO 12 CRF-PI comemora 50 anos Na noite do dia 02 de Agosto, farmacêuticos e outros convidados estiveram presentes no evento comemorativo de cinquenta anos do Conselho Regional de Farmácia do

Leia mais

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS)

DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO. Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) 1 DOCUMENTOS EXIGIDOS PARA EMISSÃO DO ALVARÁ SANITÁRIO Área de Medicamentos e Produtos de Interesse à Saúde (AMPIS) DROGARIAS (CONFORME LEI FEDERAL 5991/73, RESOLUÇÃO RDC ANVISA 44/09 E OUTRAS PERTINENTES)

Leia mais

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo.

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo. ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de acesso expandido, uso compassivo e fornecimento de medicamento pósestudo. Apresentação: Biól. Andréia Rocha RELEMBRANDO

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal)

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR EMENDAS DE PLENÁRIO AO PROJETO DE LEI Nº 4.385, DE 1994. (Do Senado Federal) Dá nova redação ao artigo 15 da Lei nº 5.991, de 17 de dezembro de 1973, que dispõe sobre o

Leia mais

SBCC presente no Congresso da SOBRAFO

SBCC presente no Congresso da SOBRAFO SBCC presente no Congresso da SOBRAFO Entidade leva o conhecimento técnico sobre áreas limpas aos farmacêuticos em oncologia Por Carlos Sbarai Fotos: SS Vídeo / Sergio Sampaio Conceição Vista parcial do

Leia mais

COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO BRASIL

COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO BRASIL COMBATE À FALSIFICAÇÃO E FRAUDE DE MEDICAMENTOS E PRODUTOS FARMACÊUTICOS NO BRASIL Antônio Carlos da Costa Bezerra ANVISA - BRASIL VII EAMI - Cancun / México M - 15 a 17 de Outubro de 2008 Lei nº. 9.782,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006

RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006 RESOLUÇÃO Nº 448 DE 24 DE OUTUBRO DE 2006 1215 Ementa: Regula as atribuições do farmacêutico na indústria e importação de produtos para a saúde, respeitadas as atividades afins com outras profissões. O

Leia mais

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal

Inserir logo da VISA Estadual ou Municipal RELATÓRIO DE INSPEÇÃO VERIFICAÇÃO DO ATENDIMENTO ÀS DISPOSIÇÕES DA RDC n 67/07 2ª ETAPA DO CURSO DE CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA INSPEÇÃO EM FARMÁCIAS 1. IDENTIFICAÇÃO DA FARMÁCIA: 1.1. Razão Social:

Leia mais

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015

Ivo Bucaresky CONBRAFARMA. Diretor ANVISA. Agosto de 2015 Ivo Bucaresky Diretor ANVISA CONBRAFARMA Agosto de 2015 1 PROGRAMA DE MELHORIA DO PROCESSO DE REGULAMENTAÇÃO Diretrizes: Fortalecimento da capacidade institucional para gestão em regulação Melhoria da

Leia mais

12-Nov-12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012. Curitiba, 13 de novembro 2012 Kelly Cristiane Gusso Braga Comissão de Farmácia Hospitalar CRF PR

12-Nov-12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012. Curitiba, 13 de novembro 2012 Kelly Cristiane Gusso Braga Comissão de Farmácia Hospitalar CRF PR Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curitiba, 13 de novembro 2012 Kelly Cristiane Gusso Braga Comissão de Farmácia Hospitalar CRF PR 1 Garantir a guarda e o controle de medicamentos pertencentes às listas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.813, DE 22 DE JUNHO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências.

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA

PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA PROBLEMAS SANITÁRIOS NA PRÁTICA Dr. Alessandro Vieira De Martino Farmacêutico Bioquímico CRF 33754 Formado no curso de Farmácia e Bioquímica pela Universidade Bandeirante de São Paulo UNIBAN Pós-Graduado

Leia mais

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015

MEDICAMENTOS. CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 MEDICAMENTOS CAPACITAÇÃO EM FARMACOLOGIA PARA AS EQUIPES DE SAÚDE BUCAL Auxiliares e Técnicos em Saúde Bucal 2015 Parceria: Farmácia Escola da UFRGS - Programa Farmácia Popular Programa de Pós-Graduação

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador MARCELO CRIVELLA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 533, de 2013, do Senador Sérgio Souza, que estabelece a obrigatoriedade de as farmácias

Leia mais

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar.

09/02/2006. Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. 09/02/2006 Anvisa lança regras para atendimento médico domiciliar. Os pacientes que recebem atendimento médico em casa têm agora um regulamento para esses serviços. A Anvisa publicou, nesta segunda-feira

Leia mais

FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014

FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE. Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014 FARMÁCIA EM SERVIÇOS DE SAÚDE Farm. Corina Keller 23ª GESAU Blumenau 2014 Lei nº 5991/73: Art. 4º, Inciso X - Farmácia - estabelecimento de manipulação de fórmulas magistrais e oficinais, de comércio de

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 276, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 276, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 276, DE 2015 Altera a Lei nº 11.903, de 14 de janeiro de 2009, para aumentar os prazos de implantação do Sistema Nacional de Controle de Medicamentos. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

Manual de Orientação sobre prescrições de substâncias Medicamentos sujeitos a controle especial

Manual de Orientação sobre prescrições de substâncias Medicamentos sujeitos a controle especial Manual de Orientação sobre prescrições de substâncias Medicamentos sujeitos a controle especial O Centro de Vigilãncia Sanitária de São Paulo possui o ógrão colegiado Comissão Técnica da Produtos de Controle

Leia mais

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606

Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que RE 2605/2606 Implicações Legais Relacionadas ao Processamento de Artigos que Constam da Lista de Proibições RE 2605/2606 Luciana Pereira de Andrade Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária Gerência Geral de

Leia mais

Cartilha Orientativa de Drogaria da ABRAS

Cartilha Orientativa de Drogaria da ABRAS Cartilha Orientativa de Drogaria da ABRAS Cartilha _ Comitê de farmácias.indd 1 11/12/2009 16:10:15 2 Cartilha _ Comitê de farmácias.indd 2 11/12/2009 16:10:16 Introdução A Cartilha Orientativa de Drogaria

Leia mais

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS

ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS ANVISA ABRE CONSULTA PUBLICA PARA NORMATIVA PARA CONTROLADORAS DE PRAGAS A ANVISA (AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA) ABRIU A CONSULTA PUBLICA N. 76, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2008, DOCUMENTO QUE SUBSTITUIRA

Leia mais

ÍNDICE - 06/08/2004 O Estado de S.Paulo... 2 Geral...2 Folha de S.Paulo... 3 Opinião...3 O Dia (RJ)... 4 Ciência & Saúde...4

ÍNDICE - 06/08/2004 O Estado de S.Paulo... 2 Geral...2 Folha de S.Paulo... 3 Opinião...3 O Dia (RJ)... 4 Ciência & Saúde...4 ÍNDICE - O Estado de S.Paulo...2 Geral...2 EUA vão investigar remédio regulador do colesterol...2 Folha de S.Paulo...3 Opinião...3 PAINEL DO LEITOR...3 Genéricos...3 O Dia (RJ)...4 Ciência & Saúde...4

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999

BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 RESOLUÇÃO Nº 328, DE 22 DE JULHO DE 1999 Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensação de produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias. BOAS PRÁTICAS DE DISPENSAÇÃO PARA FARMÁCIA E DROGARIA

Leia mais

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011.

DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. DECRETO Nº 7.508, DE 28 DE JUNHO DE 2011. Regulamenta a Lei n o 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência

Leia mais

PARECER DO RELATOR, PELA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA, À EMENDA APRESENTADA AO PROJETO DE LEI Nº 3.887, DE

PARECER DO RELATOR, PELA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA, À EMENDA APRESENTADA AO PROJETO DE LEI Nº 3.887, DE PARECER DO RELATOR, PELA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA, À EMENDA APRESENTADA AO PROJETO DE LEI Nº 3.887, DE 1997. (EMENDA SUBSTITUTIVA GLOBAL) O SR. DARCÍSIO PERONDI (PMDB-RS. Pela ordem. Sem

Leia mais

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS

Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução RDC nº 52/2009 - SERVIÇO CONTROLE DE PRAGAS (DEDETIZAÇÃO) - FUNCIONAMENTO - NOVAS REGRAS - ADEQUAÇÃO EM 180 DIAS Resolução - RDC nº 52, de 22 de outubro de 2009 Dispõe sobre o funcionamento de

Leia mais

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE

CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE CARTA DE SÃO PAULO 5º CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS O USO RACIONAL DE MEDICAMENTOS E A SEGURANÇA DO PACIENTE A realização do I Congresso Brasileiro sobre o Uso Racional de Medicamentos

Leia mais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais

Prescrição Farmacêutica. Aspectos técnicos e legais Bem Vindos! Prescrição Farmacêutica Aspectos técnicos e legais Quem sou? Prof. Dr José Henrique Gialongo Gonçales Bomfim Farmacêutico Bioquímico 1998 Mestre em Toxicologia USP 2003 Doutor em Farmacologia

Leia mais

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces

Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Regulamento Interno da Farmácia Escola de Manipulação de Medicamentos do Curso de Bacharelado em Farmácia da Faculdade Asces Caruaru-PE 2014 REGULAMENTO INTERNO DA FARMÁCIA ESCOLA DE MANIPULAÇÃO DE MEDICAMENTOS

Leia mais

Segue abaixo uma notícia que também foi divulgada em 03/09/2008 sobre este assunto:

Segue abaixo uma notícia que também foi divulgada em 03/09/2008 sobre este assunto: Índice: 1- Orientações para Substituição de Responsável Técnico 2 2- Arquivo XML não aceito 2 3- Arquivo não validado por motivo de atraso na validação 3 4- Erro na transmissão de arquivos XML e problemas

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 50, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014. DOU DE 26/09/2014

RESOLUÇÃO-RDC N 50, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014. DOU DE 26/09/2014 RESOLUÇÃO-RDC N 50, DE 25 DE SETEMBRO DE 2014. DOU DE 26/09/2014 Dispõe sobre as medidas de controle de comercialização, prescrição e dispensação de medicamentos que contenham as substâncias anfepramona,

Leia mais

Análise dos Setores Operacionais da Farmácia Protocolos de funcionamento Administrativo

Análise dos Setores Operacionais da Farmácia Protocolos de funcionamento Administrativo Administração Farmacêutica Análise dos Setores Operacionais da Farmácia Protocolos de funcionamento Administrativo Farmacêutico/Farmacista: Cadri Awad FORMAÇÃO ACADÊMICA Farmacêutico com Habilitação em

Leia mais

Programação para 2011

Programação para 2011 Visadoc Assessoria em Vigilância Sanitária e Regulatória Curso de Assuntos Regulatórios e Registro de Produtos - Aplicados à Vigilância Sanitária Por que participar? O Curso de Assuntos Regulatórios e

Leia mais

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2

Índice. Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 1 Índice Farmácia de Manipulação Conhecendo uma farmácia de manipulação, suas vantagens e procedimentos... 2 A Empresa Informações sobre a empresa, farmacêuticas responsáveis, instalações, diferenciais

Leia mais

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012

CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 CAPACITAÇÃO SNVS RDC 11 E 12/2012 GERÊNCIA GERAL DE LABORATÓRIOS DE SAÚDE PÚBLICA Abril/2013 - Curitiba/PR Por Lais Santana Dantas Gerente Geral/ AGENDA: Regulação de Laboratórios Analíticos Laboratórios

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O GERENCIAMENTO (PGRQ)

PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O GERENCIAMENTO (PGRQ) PROPOSTA DE PROGRAMA PARA O GERENCIAMENTO DE Profa. Magda Beretta (Escola Politécnica) Prof. Lafaiete Cardoso (Instituto de Química) Profa. Viviana Zanta (Escola Politécnica) Outubro/2006 As atividades

Leia mais

Prova de Seleção de estagiários para o Serviço de Fiscalização 2014 Gabarito comentado

Prova de Seleção de estagiários para o Serviço de Fiscalização 2014 Gabarito comentado 1) No atendimento telefônico feito na sede do CRF-RJ o estagiário de farmácia ouviu o seguinte relato de um farmacêutico: Sou farmacêutico da Drogaria do bairro e não compareci hoje ao trabalho e o proprietário

Leia mais

Uma escola chamada CRF-SP

Uma escola chamada CRF-SP Capa Uma escola chamada CRF-SP Conselho Regional de Farmácia de São Paulo é a entidade farmacêutica que mais capacita profissionais no país O número, por si só, impressiona: mais de 15.000 profissionais.

Leia mais

Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Gerência-Geral de Medicamentos Unidade de Produtos Controlados - UPROC Sistema Nacional de Gerenciamento de Produtos Controlados - HISTÓRICO O controle de substâncias

Leia mais

PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ANVISA) Bom-dia, Ministro Presidente do Supremo Tribunal

PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ANVISA) Bom-dia, Ministro Presidente do Supremo Tribunal O SR. DIRCEU RAPOSO DE MELLO (DIRETOR PRESIDENTE DA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA- ANVISA) Bom-dia, Ministro Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Gilmar Mendes, em nome de quem eu

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Aprova o regulamento

Leia mais

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1

Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Nota Técnica Conjunta SESA N 02/2014 1 Assunto: Fluxo para solicitação, distribuição e dispensação do medicamento Palivizumabe para o tratamento profilático do Vírus Sincicial Respiratório (VSR) no Estado

Leia mais

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE

SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PORTO ALEGRE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA SANTA CASA: SAÚDE PÚBLICA COMPROMETIDA COM A PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Responsável pelo trabalho: Bruna Vallandro Trolli Vieira - Analista

Leia mais

Aula 7: Controle Sanitário (Lei 5991/73) Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Aula 7: Controle Sanitário (Lei 5991/73) Profa. Camila Barbosa de Carvalho Aula 7: Controle Sanitário (Lei 5991/73) Profa. Camila Barbosa de Carvalho Lei 5991/73 Dispõe sobre o controle sanitário do comércio de drogas, medicamentos, insumos farmacêuticos e correlatos, e dá outras

Leia mais

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS

18/2/2013. Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO OU RECEITA MÉDICA TIPOS DE RECEITAS PRESCRIÇÃO MÉDICA Profª Drª Alessandra Camillo S. C. Branco PRESCRIÇÃO OU RECÉITA MÉDICA CONCEITO Solicitação escrita, com instruções detalhadas, sobre o medicamento a ser dado ao paciente: Quantidade

Leia mais

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS.

AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS. Introdução AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DA FARMÁCIA HOSPITALAR DE UM HOSPITAL PSIQUIÁTRICO DE ANÁPOLIS. Iris Iasmine de Rezende Araújo (UEG), Jessyka Cordeiro de Godoi (UEG), Flavio Marques Lopes (UEG) flaviomarques@ueg.br

Leia mais

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007

Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios. Brasília, 1º de outubro de 2007 Audiência Pública Senado Federal Comissão de Assuntos Econômicos Subcomissão de Marcos Regulatórios Brasília, 1º de outubro de 2007 A ANVISA Autarquia sob regime especial Independência administrativa e

Leia mais

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS dos Santos, Coordenadora de Assistência Farmacêutica da Funasa, em Pernambuco, e do programa de assistência farmacêutica na saúde indígena. Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. m programa

Leia mais

Prescrição Médica. Medicina. Prática Médica. Prática Médica. Do latim ars medicina : arte da cura.

Prescrição Médica. Medicina. Prática Médica. Prática Médica. Do latim ars medicina : arte da cura. Medicina Do latim ars medicina : arte da cura. Prescrição Médica Surge de reações instintivas para aliviar a dor ou evitar a morte. Prof. Dr. Marcos Moreira Prof. Adjunto de Farmacologia, ICB/UFJF Prof.

Leia mais

O que o farmacêutico precisa saber sobre eles?

O que o farmacêutico precisa saber sobre eles? O que o farmacêutico precisa saber sobre eles? Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. FOTOS: Carolina Teixeira Alves armacêutico, o que você sabe sobre gases medicinais? Você se reconhece,

Leia mais

Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade

Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade Perguntas e respostas sobre Rastreabilidade Qual o benefício que a etiqueta trará para o cidadão? A etiqueta de segurança lançada pela Anvisa trará duas grandes novidades: garantir que o medicamento é

Leia mais

CARTA ABERTA SOBRE PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA

CARTA ABERTA SOBRE PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA CARTA ABERTA SOBRE PRESCRIÇÃO FARMACÊUTICA A garantia da provisão de serviços e produtos para o cuidado das pessoas é um problema de saúde coletiva. A dimensão da necessidade de acesso e utilização a recursos

Leia mais

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros.

3 - Introdução. gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos. 11 - Indicadores operacionais. 14 - Indicadores financeiros. 3 - Introdução 4 - Quais são as métricas para alcançar uma boa ÍNDICE As Métricas Fundamentais da Gestão Hospitalar gestão hospitalar? 8 - Indicadores clínicos 11 - Indicadores operacionais 14 - Indicadores

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE

SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE PORTARIA Nº 111, DE 27 DE JUNHO DE 2012. Dispõe sobre normas técnicas e administrativas relacionadas à prescrição e dispensação de medicamentos e insumos do Componente Básico

Leia mais

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006.

Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Página 1 de 6 Legislação em Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº11, DE 26 DE JANEIRO DE 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Funcionamento de Serviços que prestam Atenção

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 1, DE 22 JANEIRO DE 2008 Dispõe sobre a Vigilância Sanitária na Importação e Exportação de material de qualquer natureza,

Leia mais

ENTREVISTA COM Marília Coelho Cunha, Gerente-Geral de Inspeção de Medicamentos e Produtos da Anvisa

ENTREVISTA COM Marília Coelho Cunha, Gerente-Geral de Inspeção de Medicamentos e Produtos da Anvisa Por medicamentos seguros Anvisa lança etiqueta de segurança, com o objetivo de combater a falsificação e outras irregularidades envolvendo os medicamentos. Há uma luz amarela e não é de hoje sinalizando

Leia mais