O Acordo de Haia Relativo ao Registro. Internacional de Desenhos Industriais: Principais características e vantagens

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Acordo de Haia Relativo ao Registro. Internacional de Desenhos Industriais: Principais características e vantagens"

Transcrição

1 O Acordo de Haia Relativo ao Registro Internacional de Desenhos Industriais: Principais características e vantagens

2 Publicação OMPI N 911(P) ISBN X 2

3 Índice Página Introdução 4 Quem pode usufruir do sistema de Haia? 4 Onde pode a proteção ser obtida? 5 O pedido internacional 6 Quais os efeitos do registro internacional? 9 Duração da proteção 9 Alterações no Registro Internacional 10 Quais as vantagens do uso do sistema de Haia? 10 Informações adicionais sobre o sistema de Haia 11

4 Introdução 1. O Acordo de Haia é um sistema de registro internacional que possibilita a obtenção de proteção para desenhos industrais em vários Estados e/ou organizações intergovernamentais (ambos denominados partes contratantes ) por meio de um único pedido de registro internacional a ser apresentado junto à Secretaria Internacional da Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI). 2. Em virtude do Acordo de Haia, um único pedido de registro internacional ( pedido internacional ) substitui toda uma série de pedidos que, do contrário, teríam que ser depositados junto a diferentes Administrações nacionais (ou regionais). 3. O Acordo de Haia é formado por três tratados distintos: O Ato de Londres de 2 de junho de 1934 ( Ato de 1934 ); O Ato de Haia de 28 de novembro de 1960 ( Ato de 1960 ); O Ato de Genebra de 2 de julho de 1999 ( Ato de 1999 ). 4. Estes três Atos do Acordo de Haia são autônomos e totalmente independentes um do outro. Cada um consiste em um tratado internacional, de maneira que um Estado pode ser parte de apenas um, dois, ou dos três Atos, se assim desejar. (Uma lista das partes contratantes assim como as datas em que elas se tornaram membros do Ato de 1999, do Ato de 1960 e/ou do Ato de 1934, encontra-se disponível na página da Internet da OMPI ( sob o título Atividades & Serviços/Desenhos Internacionais.) Quem pode usufruir do sistema de Haia? 5. Não é qualquer pessoa que pode apresentar um pedido internacional com base no Acordo de Haia. Para poder apresentar este tipo de pedido, o solicitante (titular do pedido) deve preencher ao menos uma das seguintes condições: (a) ter a nacionalidade de uma parte contratante, ou 4

5 (b) ter o domicílio no território de uma parte contratante, ou (c) ter um estabelecimento industrial ou comercial real e efetivo no território de uma parte contratante. 6. Ademais, no caso do Ato de 1999, um pedido internacional pode também ser apresentado com base na residência habitual do solicitante em uma parte contratante. 7. A parte contratante onde o solicitante preenche uma das condições acima é chamada Estado de origem no Ato de 1960 e parte contratante do solicitante no Ato de Uma pessoa que não preencha nenhuma das condições acima não está habilitada a apresentar um pedido de registro internacional com base no Acordo de Haia. Esta pessoa deve, para obter a proteção desejada, apresentar seu pedido de registro pela via nacional (ou regional), ou seja, diretamente às Administrações nacionais (ou regionais). Onde pode a proteção ser obtida? 9. A proteção só pode ser obtida nas partes contratantes membros do mesmo Ato do qual seja membro também a parte contrante com a qual o solicitante tenha a conexão necessária (através da nacionalidade, domicílio, estabelecimento ou residência habitual) para apresentar um pedido internacional. Por exemplo, se um solicitante diz ter a conexão necessária com uma parte contratante membro exclusivamente do Ato de 1999, ele só pode requerer a proteção do seu desenho em partes contratantes que sejam também membros do Ato de 1999 (sendo elas membros ou não do Ato de 1960 e/ou do Ato de 1934). Por outro lado, este solicitante não está habilitado a requerer proteção em partes contratantes que são membros apenas do Ato de 1960 e/ou do Ato de Se o solicitante diz ter a conexão necessária com uma parte contrante que seja parte em ambos os Atos de 1999 e o de 1960, ele pode obter proteção para o seu desenho em todas as partes contratantes membros 5

6 do Ato de 1960 e/ou do Ato de O solicitante não poderá, porém, obter proteção em nenhuma parte contratante que seja membro exclusivamente do Ato de O sistema de Haia não pode ser utilizado para proteger um desenho industrial em um país que não seja parte no Acordo de Haia. Em outras palavras, para que um desenho seja protegido neste(s) país(es), o solicitante não tem escolha a não ser a apresentação do pedido pela via nacional (ou regional). O pedido internacional Desnecessário um pedido de registro ou registro anterior 12. Um pedido internacional não requer um pedido de registro ou registro nacional anterior. Portanto, um desenho industrial pode ser protegido pela primeira vez no nível internacional através do Acordo de Haia. Conteúdo do pedido 13. O pedido internacional deve ser apresentado em inglês ou francês (dependendo da escolha do solicitante) e no formulário oficial fornecido pela Secretaria Internacional (disponível na página da Internet da OMPI). 14. O pedido deve conter necessariamente uma reprodução do desenho industrial em questão, juntamente com a designação das partes contratantes onde a proteção está sendo requerida. 15. Um pedido internacional pode conter até 100 desenhos diferentes. Entretanto, todos devem pertencer à mesma classe internacional da Classificação Internacional de Desenhos Industriais (Classificação de Locarno). 16. O solicitante pode requerer o adiamento da publicação dos seus desenhos por um período de até 12 meses (de acordo com o Ato de 1960) ou 30 meses (de acordo com o Ato de 1999). Este período deve ser contado 6

7 a partir da data de apresentação do pedido ou, no caso de prioridade, a partir da data da prioridade. 17. Um pedido internacional está sujeito ao pagamento de três tipos de taxas (em francos suíços), a saber: taxa básica; taxa de publicação, e para cada parte contratante designada, a taxa padrão ou a taxa individual. 18. Uma tabela e uma calculadora automática de taxas estão disponíveis no sítio Web da OMPI. Transmitindo o pedido internacional à Secretaria Internacional 19. Normalmente, o pedido internacional é enviado diretamente à Secretaria Internacional da OMPI pelo solicitante ou seu reprentante. Porém, de acordo com o Ato de 1960, a parte contratante tem o direito de requerer que, quando considerada Estado de origem, o pedido seja apresentado através da sua Administração. Exame formal realizado pela Secretaria Internacional 20. Ao receber o pedido de registro internacional, a Secretaria Internacional verifica o preenchimento de todos os requisitos formais devidos, como por exemplo os relacionados à qualidade das repoduções dos desenhos industriais e o pagamento das taxas correspondentes. O solicitante é então informado de qualquer defeito em seu pedido que deve ser corrigido dentro do prazo prescrito de três meses. Do contrário, o pedido internacional será considerado como abandonado. 21. Quando um pedido internacional preenche os requisitos formais devidos, a Secretaria Internacional procede então com o seu registro (inscrição) no Registro Internacional, e (caso um adiamento de publicação não tenha sido solicitado) com a publicação do registro no Boletim de Desenhos Internacionais. Essa publicação é feita eletronicamente na página 7

8 da Internet da OMPI e contém todas as informações relevantes relativas ao registro internacional, incluindo uma reprodução do desenho industrial. 22. É importante notar que a Secretaria Internacional não examina em nenhum momento a questão da novidade do desenho e, por isso, não tem o direito de recusar um pedido internacional com base nesta ou qualquer outra razão de mérito (o exame de mérito é um assunto de competência exclusiva da Administração de cada parte contratante). Exame de mérito realizado pela Administração de cada parte contratante designada: possibilidade de notificação de recusa de proteção 23. No momento da publicação do Boletim na Internet, cada Administração deve identificar os registros internacionais em que tenha sido designada, para proceder então com o exame de mérito de acordo com sua legislação nacional. Na verdade, uma das principais características do sistema de Haia é exatamente a possibilidade das Administrações das partes contratantes recusarem proteção em seus territórios de desenhos industriais que não estejam de acordo com as condições previstas em suas leis domésticas. Este tipo de recusa, entretanto, não pode ser proferida com base no descumprimento de requisitos formais, uma vez que estes requisitos já foram examinados e aceitos pela Secretaria Internacional. 24. Qualquer recusa de proteção deve ser notificada à Secretaria Internacional dentro de um período de seis meses contados a partir da data de publicação do registro internacional no sítio Web da OMPI. Porém, de acordo com o Ato de 1999, qualquer parte contratante cuja Administração faça exame de mérito, ou cuja legislação preveja a possibilidade de oposição, pode declarar que o período de recusa de seis meses seja substituído por um outro de 12 meses. 25. No caso de uma recusa, o solicitante terá os mesmos remédios que teria caso houvesse apresentado seu pedido diretamente à Administração que proferiu a recusa. Os procedimentos que se seguem à recusa são tratados diretamente com a Administração que a proferiu. Estes procedimentos transcorrem apenas no nível nacional. Uma apelação, por exemplo, deve ser submetida pelo titular do registro internacional à autoridade nacional 8

9 competente, dentro do prazo, e de acordo com todas as condições previstas na legislação nacional correspondente. A Secretaria Internacional não se involve em momento algum nestes procedimentos. Quais os efeitos do registro internacional? 26. Se dentro do prazo previsto nenhuma parte contratante designada notificar uma recusa (ou se esta recusa for posteriormente retirada), o registro internacional produzirá o mesmo efeito de uma concessão de registro no território da parte contratante em questão. Esta proteção será dada de acordo com as leis daquela parte contratante. 27. Isto significa que, para proteger um desenho industrial em uma determinada parte contratante e para estabelecer as autoridades competentes ou sanções relevantes em caso de suposta infração, a lei aplicável é aquela da parte contratante onde a proteção foi concedida. Por exemplo, se um registro internacional designa as partes contratantes A, B e C (e nenhuma delas recusou o registro), a proteção dos desenhos industriais em questão no território da parte contratante A, será regida pela legislação da parte contratante A, na parte contratante B, pela legislação da parte contratante B, e assim por adiante. 28. É importante notar que o sistema de Haia é meramente um acordo de procedimento internacional. Qualquer aspecto relacionado ao mérito da proteção obtida deve ser tratado exclusivamente pelas legislações domésticas de cada parte contratante. Duração da proteção 29. Registros internacionais têm um prazo inicial de vigência de 5 anos. Eles podem ser renovados por períodos adicionais de 5 anos com relação a cada uma das partes contratantes designadas até o período máximo de proteção previsto pela lei de cada uma dessas partes contratantes. 9

10 30. Pedidos de renovação devem ser apresentados à Secretaria Internacional juntamente com o pagamento das taxas de renovação correspondentes. As renovações podem ser feitas para todos ou alguns dos desenhos industriais incluídos no registro, e para todas ou algumas das partes contratantes designadas. Alterações no Registro Internacional 31. São passíveis de inscrição no Registro Internacional, as seguintes alterações (que podem inclusive afetar o registro internacional): (a) mudança de nome e endereço do titular; (b) mudança de titularidade do registro internacional (com relação a todas ou algumas das partes contratantes designadas e/ou com relação a todos ou alguns desenhos industriais); (c) renúncia de todos os desenhos industriais, com relação a todas ou algumas das partes contratantes, e (d) limitação de apenas alguns dos desenhos industriais, com relação a todas ou algumas das partes contratantes. 32. Um pedido de inscrição de alterações desse tipo deve ser apresentado à Secretaria Internacional no formulário correspondente e acompanhado das taxas devidas. Informações relativas a essas alterações são então inscritas no Registro Internacional e publicadas no Boletim de Desenhos Internacionais para conhecimento de terceiros. Quais as vantagens do uso do sistema de Haia? 33. O sistema de Haia de registros internacionais surgiu da necessidade e da busca por simplicidade e economia. O sistema possibilita aos titulares de desenhos em uma parte contratante, obterem proteção para seus desenhos com o mínimo possível de formalidades e gastos. Estes titulares estão 10

11 especialmente isentos da necessidade de apresentar, separadamente, pedidos de registro em cada uma das partes contratantes onde busquem proteção para seus desenhos. Eles evitam assim complicações advindas de procedimentos e idiomas diferentes de um país para outro. 34. O sistema de Haia também evita a necessidade constante de monitorar prazos de renovação que variam de Estado para Estado para uma série de registros nacionais. Ele evita também a necessidade de pagamento de várias taxas diferentes em moedas distintas. 35. Ao utilizar o Acordo de Haia, o mesmo resultado pode ser obtido através de um único pedido de registro, em um idioma, frente o pagamento de um conjunto de taxas, em uma moeda e junto à uma Administração (a Secretaria Internacional). 36. Ademais, com um único registro internacional produzindo efeito em várias partes contratantes, o gerenciamento do registro torna-se muito mais fácil. Por exemplo, uma mudança de nome e endereço do titular ou uma transferência de titularidade com relação a todas ou apenas algumas das partes contratantes designadas, pode ser inscrita no Registro Internacional e produzir os devidos efeitos, por meio de um único e simples procedimento junto à Secretaria Internacional. Informações adicionais sobre o sistema de Haia 37. Informações adicionais sobre o sistema de Haia de registro internacional de desenhos industrais estão disponíveis no sítio Web da OMPI ( sob o título Atividades e Serviços/Desenhos Internacionais. Além de informações gerais, este sítio também contém: o texto completo do Ato de 1999, do Ato de 1960, do Ato de 1934, do Regulamento Comum e das Instruções Administrativas; o texto completo do Guia para o Registro Internacional de Desenhos por meio do Acordo de Haia; 11

12 uma lista das partes contratantes juntamente com a indicação das respectivas datas em que cada uma delas tornou-se parte do Ato de 1999, do Ato de 1960 e/ou do Ato de 1934; os formulários emitidos pela Secretaria Internacional em versão MS Word e PDF; as taxas atuais (incluindo as taxas individuais de designação); estatísticas anuais relativas aos registros internacionais. 12

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas

18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas 18. Convenção sobre o Reconhecimento dos Divórcios e das Separações de Pessoas Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar o reconhecimento de divórcios e separações de pessoas obtidos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 26. CONVENÇÃO SOBRE A CELEBRAÇÃO E O RECONHECIMENTO DA VALIDADE DOS CASAMENTOS (concluída em 14 de março de 1978) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando facilitar a celebração de casamentos

Leia mais

A legislação determina as seguintes condições para a oficialização do casamento. Os cônjuges devem estar em conformidade com todas essas condições.

A legislação determina as seguintes condições para a oficialização do casamento. Os cônjuges devem estar em conformidade com todas essas condições. 結 婚 と 離 婚 1. Casamento Num casamento internacional (ou seja, o casamento de duas pessoas com nacionalidades diferentes) faz-se necessário obedecer as leis dos países de origem dos cônjuges. É importante

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 25. CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL PARA REGIMES DE BENS MATRIMONIAIS (celebrada em 14 de março de 1978) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer previsões comuns concernente

Leia mais

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente.

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente. MARCA O que é marca? É um sinal visualmente perceptível, usado para identificar e distinguir certos bens e serviços produzidos ou procedentes de uma específica pessoa ou empresa. As marcas podem ser: Nominativa:

Leia mais

PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 *

PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 * PROTOCOLO referente ao Acordo de Madri relativo ao Registro Internacional de Marcas adotado em Madri em 27 de Junho de 1989 * Artigo 1º - Membros da União de Madri Os Estados partes do presente Protocolo

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 15. CONVENÇÃO SOBRE A ESCOLHA DO FORO (celebrada em 25 de novembro de 1965) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer previsões comuns sobre a validade e efeitos de acordos sobre

Leia mais

Janeiro 2013 v1.2/dbg

Janeiro 2013 v1.2/dbg DBGEP Alteraço es para 2013 Janeiro 2013 v1.2/dbg Introdução... 3 Faturação... 4 Alterações legislativas... 4 Alterações no software... 5 A Subsídios e Propinas... 5 F - Faturação... 7 Processamento de

Leia mais

TCEnet e TCELogin Manual Técnico

TCEnet e TCELogin Manual Técnico TCEnet e TCELogin Manual Técnico 1. O que há de novo O TCELogin está na sua terceira versão. A principal novidade é o uso de certificados pessoais do padrão ICP-Brasil. O uso desses certificados permite

Leia mais

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES.

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES. Resolução da Assembleia da República n.º 32/97 Tratado de Budapeste sobre o Reconhecimento Internacional do Depósito de Microrganismos para Efeitos do Procedimento em Matéria de Patentes, adoptado em Budapeste

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China CONVENÇÃO SOBRE A JURISDIÇÃO, LEI APLICÁVEL E RECONHECIMENTO DE DECISÕES EM MATÉRIA DE ADOÇÃO (Concluída em 15 de novembro de 1965) (Conforme o seu artigo 23, esta Convenção teve vigência limitada até

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria Nacional de Renda de Cidadania Instrução Operacional nº 27 SENARC/MDS Brasília, 22 janeiro de 2009. Divulga aos municípios orientações sobre a utilização do Sistema de Atendimento e Solicitação de Formulários (Sasf) 1 APRESENTAÇÃO O

Leia mais

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES

REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES REGULAMENTO DE UTILIZAÇÃO DE CORREIO ELECTRÓNICO DOS SOLICITADORES * Aprovado em assembleia-geral de 1/7/2003 Nos termos do al f) do n.º 1 do art.º 30.º, do n.º 6 do art.º 33.º e da alínea j) do art.º

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

CARTILHA DO MEDIADOR

CARTILHA DO MEDIADOR CARTILHA DO MEDIADOR SISTEMA PARA ELABORAÇÃO E SOLICITAÇÃO DE REGISTRO DE INSTRUMENTOS COLETIVOS INSTRUÇÕES INICIAIS - INTERNET a) O Sistema Mediador está disponível na Internet, no endereço eletrônico

Leia mais

Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial

Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial FAQ Perguntas Frequentes versão 19/3/13 Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial 1. Quais são as modalidades de cadastro disponíveis para solicitação de CNPJ? No

Leia mais

PROCEDIMENTOS DO REGISTO DA MARCA EM MOÇAMBIQUE.

PROCEDIMENTOS DO REGISTO DA MARCA EM MOÇAMBIQUE. PROCEDIMENTOS DO REGISTO DA MARCA EM MOÇAMBIQUE. Os procedimentos do registo da marca encontram-se dispostos no Código da Propriedade Industrial adiante (CPI), artigos 110 à 135; o registo é igualmente

Leia mais

Divisão de Atos Internacionais

Divisão de Atos Internacionais Divisão de Atos Internacionais Âmbito de AplicaçãoConvenção Interamericana Sobre Obrigação Alimentar (Adotada no Plenário da Quarta Conferência Especializada Interamericana sobre Direito Internacional

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS PARA EMISSÃO DE VISTO CANADENSE

CONDIÇÕES GERAIS PARA EMISSÃO DE VISTO CANADENSE CONDIÇÕES GERAIS PARA EMISSÃO DE VISTO CANADENSE 1. Todos os documentos enviados ao Consulado Geral do Canadá em São Paulo não são devolvidos com exceção do passaporte. Caso envie algum documento original,

Leia mais

6.Casamento Divórcio Internacional こん り こん

6.Casamento Divórcio Internacional こん り こん 6.Casamento Divórcio Internacional こくさいけっ こん り こん 国 際 結 婚 離 婚 1.Casamento Num casamento internacional (ou seja, o casamento de duas pessoas com nacionalidades diferentes) faz-se necessário obedecer as

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO Emendas de 2014 à Convenção do Trabalho Marítimo, 2006 Aprovada pela Conferência na sua centésima trigésima sessão, Genebra, 11 de junho de 2014 Tradução não oficial

Leia mais

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA

ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA ACORDO PARA A PROMOÇÃO E A PROTEÇÃO RECÍPROCA DE INVESTIMENTOS ENTRE O GOVERNO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O GOVERNO DA REPÚBLICA DA CORÉIA O Governo da República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

1 Instruções gerais para os dois formulários. 2 Instruções para o formulário relativo ao total dos ativos. Fevereiro de 2015.

1 Instruções gerais para os dois formulários. 2 Instruções para o formulário relativo ao total dos ativos. Fevereiro de 2015. Instruções para preenchimento dos formulários relativos ao total dos ativos e das posições em risco para efeitos de recolha dos fatores de taxa utilizados no cálculo das taxas de supervisão Fevereiro de

Leia mais

Manual de Utilização ZENDESK. Instruções Básicas

Manual de Utilização ZENDESK. Instruções Básicas Manual de Utilização ZENDESK Instruções Básicas Novembro/2013 SUMÁRIO 1 Acesso à ferramenta... 3 2 A Ferramenta... 4 3 Tickets... 8 3.1 Novo Ticket... 8 3.2 Acompanhamentos de Tickets já existentes...

Leia mais

Guia de instruções passo a passo para o registro de Projetos de Pesquisa na PRPPG

Guia de instruções passo a passo para o registro de Projetos de Pesquisa na PRPPG UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE PESQUISA Guia de instruções passo a passo para o registro de Projetos de Pesquisa na PRPPG O Sistema de Acadêmico

Leia mais

Acordo de Lisboa, Sistema de Haia e a Lei 9279/96 Lei da Propriedade Industrial

Acordo de Lisboa, Sistema de Haia e a Lei 9279/96 Lei da Propriedade Industrial Acordo de Lisboa, Sistema de Haia e a Lei 9279/96 Lei da Propriedade Industrial Brasília, 11 de agosto de 2009 Maria Alice Camargo Calliari Coordenadora Geral de Outros Registros Diretoria de Contratos

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010. Estabelece os procedimentos para o registro das tarifas aéreas comercializadas correspondentes aos serviços de transporte

Leia mais

Material de apoio. Portaria SNJ nº 252, de 27/ 12/ 12, publicada no D.O.U. de 31/ 12 /12. Manual do usuário. Manual da nova comprovação de vínculo.

Material de apoio. Portaria SNJ nº 252, de 27/ 12/ 12, publicada no D.O.U. de 31/ 12 /12. Manual do usuário. Manual da nova comprovação de vínculo. Material de apoio Material de apoio Portaria SNJ nº 252, de 27/ 12/ 12, publicada no D.O.U. de 31/ 12 /12. Manual do usuário. Manual da nova comprovação de vínculo. Informações Gerais O sistema CNES/MJ

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIRETORIA DE PATENTES

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIRETORIA DE PATENTES MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL DIRETORIA DE PATENTES Perguntas Frenquentes - PPH 1. O que é o PPH? O PPH é uma modalidade de exame prioritário.

Leia mais

Comitê Consultivo Governamental

Comitê Consultivo Governamental Comitê Consultivo Governamental Regras de auxílio viagem do GAC 23 de junho de 2015 Histórico O orçamento da ICANN determinou o auxílio viagem para 30 membros do GAC em cada encontro da ICANN. Esses membros

Leia mais

Política WHOIS do Nome de Domínio.eu

Política WHOIS do Nome de Domínio.eu Política WHOIS do Nome de Domínio.eu 1/7 DEFINIÇÕES Os termos definidos nos Termos e Condições e/ou nas Normas de Resolução de Litígios do domínio.eu são utilizados no presente documento em maiúsculas.

Leia mais

Guia de Preenchimento Cadastro de Operadores

Guia de Preenchimento Cadastro de Operadores Guia de Preenchimento Cadastro de Operadores Data 07/2013 SUMÁRIO I. Introdução... 3 1. Sistema Cadastro de Operadores... 3 2. Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas Negociação de Instrumentos

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

Ambiente de Pagamentos

Ambiente de Pagamentos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DA FAZENDA COORDENADORIA DA ADMINISTRAÇÃOTRIBUTÁRIA DIRETORIA DE INFORMAÇÕES Ambiente de Pagamentos Manual do Contribuinte Versão 26/09/2011 Índice Analítico 1.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA ANAC Nº 804/SRE, DE 21 DE MAIO DE 2010. (Texto compilado) Estabelece os procedimentos para o registro das tarifas aéreas comercializadas correspondentes aos serviços

Leia mais

A NECESSIDADE DA PROTECÇÃO DA (SUA) MARCA EM MOÇAMBIQUE 1

A NECESSIDADE DA PROTECÇÃO DA (SUA) MARCA EM MOÇAMBIQUE 1 A NECESSIDADE DA PROTECÇÃO DA (SUA) MARCA EM MOÇAMBIQUE 1 1. INTRODUÇÃO Nos últimos dois anos a SAL testemunhou dois casos de duas grandes multinacionais que ao entrarem no mercado nacional com investimentos

Leia mais

Dúvidas mais frequentes Fase de inscrição no concurso

Dúvidas mais frequentes Fase de inscrição no concurso UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO PRÓ-REITORIA DE PESSOAL Dúvidas mais frequentes Fase de inscrição no concurso IMPORTANTE O edital regulador do concurso e seus anexos, todos disponíveis no sitio

Leia mais

GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS

GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS GUIA DE APOIO ÀS CANDIDATURAS Recomendações Gerais para Preenchimento do Formulário de Candidatura: ANTES do preenchimento da candidatura: o que precisa saber/ fazer? Reunir informação: Consultar as Normas

Leia mais

BRASCAN RESIDENTIAL PROPERTIES S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES

BRASCAN RESIDENTIAL PROPERTIES S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES BRASCAN RESIDENTIAL PROPERTIES S.A. PLANO DE OPÇÃO DE COMPRA DE AÇÕES SUMÁRIO PLANO DE OPÇÃO PARA AÇÃO... 3 SEÇÃO 1. DISPOSIÇÃO GERAL... 3 1.1 Propósito... 3 1.2 Administração... 3 1.3 Interpretação...

Leia mais

Lei de acesso a informações públicas: principais pontos

Lei de acesso a informações públicas: principais pontos Lei de acesso a informações públicas: principais pontos Íntegra do texto 1. Quem deve cumprir a lei Órgãos públicos dos três poderes (Executivo, Legislativo e Judiciário) dos três níveis de governo (federal,

Leia mais

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2

ÍNDICE. Manual do COMPRASNET Versão 1 Jan/2002 2 ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Navegando pela área de livre acesso...4 3. Navegando pela área de ACESSO SEGURO...6 A. Instalando o Certificado de Segurança...6 B. Fazendo Cadastramento nos Serviços

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012

INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012 INSTRUÇÕES GERAIS DE TRANSMISSÃO JANEIRO 2012 Instruções de transmissão e preenchimento da Declaração da Movimentação de Produtos com ICMS Diferido - DMD Art. 1º Os contribuintes inscritos no cadastro

Leia mais

Perguntas Frequentes

Perguntas Frequentes Perguntas Frequentes 1. Qual o diploma que estabelece o regime de constituição, gestão e funcionamento do mercado organizado de resíduos (MOR), nos termos do n.º 2 do artigo 62.º do Decreto-Lei n.º 178/2006,

Leia mais

Material de apoio. Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES.

Material de apoio. Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES. Material de apoio Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES. Material de apoio Disponível no site: : www.justica.gov.br, no link: Entidades Sociais >> CNES. Portaria

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Portabilidade de Carência em Planos de Saúde

Perguntas e Respostas sobre Portabilidade de Carência em Planos de Saúde Perguntas e Respostas sobre Portabilidade de Carência em Planos de Saúde Atos Normativos ANS Agência Nacional de Saúde Suplementar Resolução Normativa 186, de 14 de janeiro de 2009 - ANS Instrução Normativa

Leia mais

Q.1) O que é um Visto de Negócios?

Q.1) O que é um Visto de Negócios? PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VISTOS DE TRABALHO EMITIDOS PELA ÍNDIA. Introdução Nas últimas semanas, várias perguntas tem sido feitas sobre o tipo de vistos emitidos pela Índia para estrangeiros em situação

Leia mais

Notas sobre o formulário de pedido de inspecção de processo 1

Notas sobre o formulário de pedido de inspecção de processo 1 INSTITUTO DE HARMONIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO (IHMI) Marcas, Desenhos e Modelos Notas sobre o formulário de pedido de inspecção de processo 1 1. Observações gerais 1.1 Utilização do formulário O formulário

Leia mais

MEIO AMBIENTE DE TRABALHO (RUÍDO E VIBRAÇÕES)

MEIO AMBIENTE DE TRABALHO (RUÍDO E VIBRAÇÕES) Convenção 148 MEIO AMBIENTE DE TRABALHO (RUÍDO E VIBRAÇÕES) A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho convocada em Genebra pelo Conselho de Administração do Departamento Internacional

Leia mais

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são:

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: Quais os requisitos de patenteabilidade? Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: (1) Novidade - a matéria objeto da pesquisa precisa ser nova, ou melhor,

Leia mais

American Express @ Work Guia de Primeiros Passos

American Express @ Work Guia de Primeiros Passos American Express @ Work Guia de Primeiros Passos Utilize o American Express @ Work para gerenciar a Conta do Associado e da sua Empresa, realizar manutenções nas Contas, acessar Relatórios de forma rápida,

Leia mais

Manual do sistema SMARsa Web

Manual do sistema SMARsa Web Manual do sistema SMARsa Web Módulo Gestão de atividades RS/OS Requisição de serviço/ordem de serviço 1 Sumário INTRODUÇÃO...3 OBJETIVO...3 Bem-vindo ao sistema SMARsa WEB: Módulo gestão de atividades...4

Leia mais

Perguntas mais frequentes sobre o sistema EudraCT

Perguntas mais frequentes sobre o sistema EudraCT Perguntas mais frequentes sobre o sistema EudraCT 1. Segurança do sistema e confidencialidade P: Como posso ter a certeza de que os dados introduzidos estarão seguros? 2. Configuração do sistema P: Como

Leia mais

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR

Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR Microsoft Office Outlook Web Access ABYARAIMOVEIS.COM.BR 1 Índice: 01- Acesso ao WEBMAIL 02- Enviar uma mensagem 03- Anexar um arquivo em uma mensagem 04- Ler/Abrir uma mensagem 05- Responder uma mensagem

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13.

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13. Página 1 / 15 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13 Página 2 / 15 APRESENTAÇÃO O que é: O Sistema de Registro

Leia mais

Manual do Usuário - ProJuris Web - Fila de E-mails Página 1 de 8

Manual do Usuário - ProJuris Web - Fila de E-mails Página 1 de 8 As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações sem o prévio aviso, o que não representa um compromisso da Virtuem Informática. As pessoas, organizações ou empresas e eventos de exemplos

Leia mais

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE

Manual de Instrução. Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Manual de Instrução Para o preenchimento do questionário sobre OPERAÇÕES E POSIÇÕES COM EXTERIOR EMPRESAS DE TRANSPORTE Direcção de Estatísticas Económicas e Financeiras DEEF 1.Introdução O Manual de Instrução

Leia mais

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO

MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO MANUAL DO LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS Gerência de Controle da Poluição GCP : PASSO A PASSO O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento Ambiental é um procedimento

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL GUIA PARA O PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS ENTIDADE GESTORA ERP PORTUGAL Versão: 1.0 Data: 05-06-2009 Índice Acesso e estados dos Formulários... 3 Escolha do Formulário e submissão... 4 Bases para a navegação

Leia mais

CONTRATO DE TERMOS E CONDIÇÕES DAS CONVOCAÇÕES MODALIDADE B DA INICIATIVA REGIONAL DE PATENTES PARA O DESENVOLVIMENTO CAF

CONTRATO DE TERMOS E CONDIÇÕES DAS CONVOCAÇÕES MODALIDADE B DA INICIATIVA REGIONAL DE PATENTES PARA O DESENVOLVIMENTO CAF CONTRATO DE TERMOS E CONDIÇÕES DAS CONVOCAÇÕES MODALIDADE B DA INICIATIVA REGIONAL DE PATENTES PARA O DESENVOLVIMENTO CAF O conteúdo do presente contrato (adiante o Contrato ) constitui os termos e condições

Leia mais

Termos Gerais & Política de Compras da Fon

Termos Gerais & Política de Compras da Fon Termos Gerais & Política de Compras da Fon Definições Termos e Condições: Termos e Condições para a Venda de Equipamento (doravante denominado TCVE ). Fon Technology, S.L.: A Companhia que fornece ou vende

Leia mais

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de

directamente o estabelecimento e o funcionamento do mercado interno; Considerando que é pois necessário criar um certificado complementar de Regulamento (CEE) nº 1768/92 do Conselho, de 18 de Junho de 1992, relativo à criação de um certificado complementar de protecção para os medicamentos Jornal Oficial nº L 182 de 02/07/1992 p. 0001-0005

Leia mais

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA

SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA Convenção 135 SOBRE PROTEÇÃO E FACILIDADES A SEREM DISPENSADAS A REPRESENTANTES DE TRABALHADORES NA EMPRESA A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho, Convocada em Genebra pelo Conselho

Leia mais

Processo Controle de Documentos e Registros

Processo Controle de Documentos e Registros Dono do Processo Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Kelly Vitoriny 1. OBJETIVOS: Descrever a forma como

Leia mais

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores

10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores 10. Convenção Relativa à Competência das Autoridades e à Lei Aplicável em Matéria de Protecção de Menores Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer disposições comuns relativas

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO RDC Nº 2, DE 17 DE JANEIRO DE 2012 Institui o protocolo eletrônico para emissão de Certificado de Registro de Medicamento e Certidão de Registro para

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ANHEMBI MORUMBI

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ANHEMBI MORUMBI EDITAL 03/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ANHEMBI MORUMBI A Pró-reitora de Pesquisa, por meio da Coordenadoria de Pesquisa da Universidade Anhembi Morumbi torna público o

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

VESTIBULAR 2013 PERGUNTAS FREQUENTES COM RESPOSTAS. (2013.2). Ambos utilizarão as notas do ENEM 2012.

VESTIBULAR 2013 PERGUNTAS FREQUENTES COM RESPOSTAS. (2013.2). Ambos utilizarão as notas do ENEM 2012. VESTIBULAR 2013 PERGUNTAS FREQUENTES COM RESPOSTAS 1) Como será o processo vestibular da UFCG em 2013? Serão realizando dois (2) processos seletivos. O primeiro, para os cursos com entrada para o primeiro

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Avanços na transparência

Avanços na transparência Avanços na transparência A Capes está avançando não apenas na questão dos indicadores, como vimos nas semanas anteriores, mas também na transparência do sistema. Este assunto será explicado aqui, com ênfase

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão: 24/05/2010 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU

REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU 1.- Entidade organizadora. - A entidade organizadora deste concurso é a empresa Vacaciones edreams, S.L. Sociedad Unipersonal (a partir desde momento designada como edreams),

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão 1.0 23/07/2009 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

O setor comercial emite um comunicado de adesão de um novo contrato GDO para o setor.

O setor comercial emite um comunicado de adesão de um novo contrato GDO para o setor. 1/6 1. OBJETIVO Além de tornar uma atividade comum a todos do setor, proporcionar a promoção da saúde ocupacional dos empregados, resguardar a empresa de riscos empresariais perante órgãos fiscalizadores,

Leia mais

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação?

Índice. Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Índice Como aceder ao serviço de Certificação PME? Como efectuar uma operação de renovação da certificação? Como efectuar uma operação de confirmação de estimativas? Como aceder ao Serviço de Certificação

Leia mais

Novo Formato de Logins Manual de Consulta

Novo Formato de Logins Manual de Consulta Gestão Integrada de Acessos Novo Formato de Logins Manual de Consulta Gestão Integrada de Acessos Histórico de Alterações Versão Descrição Autor Data 1.0 Versão inicial DSI/PPQ 2014-07-11 Controlo do documento

Leia mais

Ministério da Educação. UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Edital DIRPPG 19/2012

Ministério da Educação. UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Edital DIRPPG 19/2012 lwrpr Ministério da Educação UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Câmpus Medianeira Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE TECNOLOGICA. FEDERAL 00 PARANA Edital DIRPPG 19/2012 PROGRAMA

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES EVENTOS DE MANIFESTAÇÃO DO DESTINATÁRIO

PERGUNTAS FREQUENTES EVENTOS DE MANIFESTAÇÃO DO DESTINATÁRIO PERGUNTAS FREQUENTES EVENTOS DE MANIFESTAÇÃO DO DESTINATÁRIO 1. O que é um evento da Nota Fiscal Eletrônica NF-e? É qualquer fato relacionado com uma NF-e, normalmente ocorrido após a sua respectiva autorização

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL. Profa. Dra. Suzana Leitão Russo

PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL. Profa. Dra. Suzana Leitão Russo PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL Profa. Dra. Suzana Leitão Russo DESENHO OU MODELO INDUSTRIAL Concepção funcional-estética de um produto, possível de reprodução em série, industrialmente. Vigência:10

Leia mais

INTRANET OPEN BUSINESS ANGELS

INTRANET OPEN BUSINESS ANGELS INTRANET OPEN BUSINESS ANGELS anual Índice de conteúdos INTRODUÇÃO...3 CONFIGURAR DADOS PESSOAIS...5 Preferências Pessoais...6 Alterar senha...7 Consultar dados...8 SECÇÃO INTRANET...9 Conteúdo Intranet...12

Leia mais

Manual do usuário. v1.0

Manual do usuário. v1.0 Manual do usuário v1.0 1 Iniciando com o Vivo Gestão 1. como fazer login a. 1º acesso b. como recuperar a senha c. escolher uma conta ou grupo (hierarquia de contas) 2. como consultar... de uma linha a.

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Receber intimações: poderão receber intimações em processos eletrônicos nos quais estejam vinculados.

Receber intimações: poderão receber intimações em processos eletrônicos nos quais estejam vinculados. INTRODUÇÃO O tribunal de Justiça de Santa Catarina, em um processo de evolução dos serviços disponíveis no portal e-saj, passa a disponibilizar a peritos, leiloeiros, tradutores e administradores de massas

Leia mais

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação

27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação 27. Convenção da Haia sobre a Lei Aplicável aos Contratos de Mediação e à Representação Os Estados signatários da presente Convenção: Desejosos de estabelecer disposições comuns sobre a lei aplicável aos

Leia mais

Há 63 perguntas no questionário.

Há 63 perguntas no questionário. Questionário para aplicação da métrica LEFIS: desenvolvimento do governo eletrônico O principal objetivo deste questionário é avaliar a performance de websites de governo eletrônico considerando elementos

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Porto Alegre Brasil University of New South Wales Sydney Austrália Universidade do Povo Macau - China 22. CONVENÇÃO SOBRE A LEI APLICÁVEL A RESPONSABILIDADE SOBRE O FATO DO PRODUTO (celebrada em 2 de outubro de 1973) Os Estados signatários da presente Convenção, Desejando estabelecer previsões comuns sobre

Leia mais

CARTILHA. Principais mudanças contidas na versão 1.7.1.0

CARTILHA. Principais mudanças contidas na versão 1.7.1.0 CARTILHA PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO Principais mudanças contidas na versão 1.7.1.0 Belo Horizonte 2015 Corregedoria-Geral de Justiça SUMÁRIO 1. Introdução 2. Perfil de Advogado 3. Módulo de Procuradoria

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU

REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU REGULAMENTO DO CONCURSO: MACAU 1.- Entidade organizadora. - A entidade organizadora deste concurso é a empresa Vacaciones edreams, S.L. Sociedad Unipersonal (a partir desde momento designada como edreams),

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ORDEM DE SERVIÇO (SOSI) STI Unesp - Campus Experimental de Ourinhos

PROCEDIMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ORDEM DE SERVIÇO (SOSI) STI Unesp - Campus Experimental de Ourinhos PROCEDIMENTOS PARA A UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE SOLICITAÇÃO DE ORDEM DE SERVIÇO (SOSI) STI Unesp - Campus Experimental de Ourinhos 1 SISTEMA DE ORDEM DE SERVIÇO DE INFORMÁTICA Este documento tem o objeto

Leia mais

Segurança e Saúde dos Trabalhadores

Segurança e Saúde dos Trabalhadores Segurança e Saúde dos Trabalhadores [1]CONVENÇÃO N. 155 I Aprovada na 67ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1981), entrou em vigor no plano internacional em 11.8.83. II Dados referentes

Leia mais

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 1 12 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 12 Em 2013, o registro de dados no

Leia mais

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet.

Está apto a utilizar o sistema, o usuário que tenha conhecimentos básicos de informática e navegação na internet. 1. Descrição Geral Este manual descreve as operações disponíveis no módulo VTWEB Client, cuja finalidade é gerenciar cadastros de funcionários, realização de pedidos e controle financeiro dos pedidos.

Leia mais

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório.

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Fique atento aos procedimentos e prazos estabelecidos pela Lei para declaração de despesas com saúde. art certificado digital-siops-10,5x29,7.indd

Leia mais

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES

COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES 1- A FAPEMIG apoia, tecnicamente e financeiramente, os inventores independentes na proteção e manutenção de invenções,

Leia mais

Entendendo como funciona o NAT

Entendendo como funciona o NAT Entendendo como funciona o NAT Vamos inicialmente entender exatamente qual a função do NAT e em que situações ele é indicado. O NAT surgiu como uma alternativa real para o problema de falta de endereços

Leia mais

Guia para a declaração de despesas no Programa SUDOE

Guia para a declaração de despesas no Programa SUDOE Guia para a declaração de despesas no Programa SUDOE CAPÍTULO 1: INTRODUÇÃO... 2 CAPÍTULO 2: ACESSO AO MÓDULO DE GESTÃO DE DESPESAS PAGAS... 3 CAPÍTULO 3: GESTÃO DAS DESPESAS PAGAS... 4 3.1 Incorporação

Leia mais

2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO O disposto nesta Norma aplica-se a todos os empregados da CELEPAR.

2. ÂMBITO DE APLICAÇÃO O disposto nesta Norma aplica-se a todos os empregados da CELEPAR. Páginas 1 / 7 1. OBJETIVO Regulamentar a concessão do benefício Auxílio Educação nos termos do Acordo Coletivo de Trabalho vigente, estabelecendo critérios e procedimentos para a efetivação do reembolso

Leia mais

Faculdade de Ciências e Letras de Assis UNESP Edital nº 008/2015 DTA/STG Processo Seletivo de Transferência para o ano letivo de 2016.

Faculdade de Ciências e Letras de Assis UNESP Edital nº 008/2015 DTA/STG Processo Seletivo de Transferência para o ano letivo de 2016. Faculdade de Ciências e Letras de Assis UNESP Edital nº 008/2015 DTA/STG Processo Seletivo de Transferência para o ano letivo de 2016. Estarão abertas, nos dias 20, 21 e 22/01/2016, as inscrições para

Leia mais

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL MERCOSUL/GMC/RES. N 56/02 SECRETARÍA DEL MERCOSUR DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO E REVISÃO DE REGULAMENTOS TÉCNICOS MERCOSUL E PROCEDIMENTOS MERCOSUL DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC N

Leia mais