Q.1) O que é um Visto de Negócios?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Q.1) O que é um Visto de Negócios?"

Transcrição

1 PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE VISTOS DE TRABALHO EMITIDOS PELA ÍNDIA. Introdução Nas últimas semanas, várias perguntas tem sido feitas sobre o tipo de vistos emitidos pela Índia para estrangeiros em situação de visitas de trabalho. Fica claro que basicamente existem dois tipos de visto relacionados ao trabalho. 1. Visto de Negócios (Business Visa), designado como B Visto 2. Visto Empregatício (Employment Visa), designado como E Visto. Perguntas frequentes sobre assuntos supracitados e respostas delineadas abaixo para informação, direcionamento e cumprimento de todos os interessados. Q.1) O que é um Visto de Negócios? O visto de negócios é outorgado a um estrangeiro nacional que queira visitar a Índia para estabelecer uma industria ou negócio, ou que queira comprar/vender produtos industriais na Índia. Este visto está sujeito as seguintes condições: I. O requerente é uma pessoa de capacidade financeira assegurada e com perícia no campo pretendido de negócios. II. O requerente não estará visitando a Índia para negócios de empréstimo de dinheiro ou para emprego de expediente completo, envolvendo o pagamento de salário na Índia.

2 III. A facilidade de Visto de Negócios será também estendida para executivos sênior de firmas, especialistas, guia turísticos e agentes de viagem etc que visitarão a Índia por conta de projetos de trabalho de importância nacional, incluindo aqueles trabalhos de servidores do setor publico e dirigindo negócios de turismo de estrangeiros ou negócios relacionados a ele. IV. Um estrangeiro terá que obedecer a todos os requisitos como o pagamento de taxas etc. V. A concessão de visto de negócios esta sujeita a qualquer nova instrução emitida pelo Governo da Índia nas bases de reciprocidade com outros países de tempos em tempos. VI. O visto de negócios deverá ser emitido no país de origem, ou no país de residência do interessado, se nele tiver pelo menos dois anos de permanência nesse país. Q.2) Quem é elegível para um Visto de Negócios? I. Nacionais estrangeiros que queiram visitar a Índia para estabelecer laços comerciais e empreendimentos, ou que queiram explorar possibilidades de montar negócio industrial/comercial na Índia. II. Nacionais estrangeiros que venham para a Índia para comprar/vender produtos industriais, comerciais ou bens duráveis. III. Nacionais estrangeiros que venham para a Índia para encontros/reuniões técnicas, reuniões de conselho, reuniões geais para prover suporte a serviços de negócio. IV. Estrangeiro indo para a Índia para recrutar mão de obra.

3 V. Estrangeiros que sejam sócios nos negócios e/ou trabalhando como Diretor na Empresa. VI. Estrangeiros que venham para a Índia para consultas sobre exposições avaliar ou monitorar a qualidade, dar especificações, fazer encomendas, negociar suprimentos etc... Relatar os bens e serviços procurados na Índia. VII. Compradores estrangeiros que vem para transações de negócios com fornecedores, fornecedores em potencial localizados na Índia, para avaliar ou monitorar a qualidade, dar especificações, fazer pedidos, negociar suprimentos etc. Relacionados a bens e serviços procurados na Índia. VIII. Especialistas estrangeiros numa visita de curta duração com o intuito de monitorar o progresso de um projeto em andamento, dirigindo reuniões com consumidores indianos e ou prover algum nível alto de direcionamento técnico. IX. Estrangeiros vindo para Índia para atividades de pré- vendas ou pós- vendas não cumulativo para a execução de qualquer contrato ou projeto. X. Estagiários estrangeiros de empresas/corporações de multinacionais vindos para treinamento interno nas regionais da empresa localizada na Índia. XI. Estudantes estrangeiros patrocinados pela AIESEC para estágio em projetos de trabalho baseados nas empresas/industrias. Q3) Qual é duração de um visto de negócios? O visto de negócios com múltiplas entradas é outorgado por um período de até 5 anos, ou um período mais curto segundo pedido. Uma estadia estipulada poder ser prescrita para cada visita pela própria Embaixada.

4 Q4) Quais documentos são necessários para dar entrada junto com uma aplicação para um visto de Negócios? I. O estrangeiro deve ter um documento de viagem válido e uma permissão de re- entrada, se requerido sob a lei do país em questão. II. Prova de capacidade financeira e especialização na área entendida de negócio. Q5) O que é um visto de trabalho? Um visto de emprego e outorgado para estrangeiros desejando vir a Índia com o proposito de se empregar, sujeito as seguintes condições: I. O requerente é um profissional qualificado e especializado, ou uma pessoa que tenha sido contratado por uma empresa, organização, Industria, ou empreendimento etc... na Índia em contrato ou emprego no nível executivo sênior, ou numa posição gerencial. Etc. II. Visto de trabalho não é outorgado para trabalhos nos quais um grande número de indianos qualificados seja disponível. III. Visto de trabalho não é outorgado para trabalhos rotineiros, ordinários ou de secretariado/empregos de escritório. IV. O visto de trabalho deve ser emitido desde o país de origem, ou de um país de domicilio do estrangeiro contanto que o período de residência permanente desse requerente no país em questão seja de mais de dois anos.

5 V. A empresa/organização indiana contratando estrangeiros para a execução de projetos/contratos será responsáveis pela conduta do nacional estrangeiro durante sua estadia e também na sua saída após o término de seu visto. VI. O estrangeiro terá que cumprir com todos os outros requisitos como pagamento de taxas de responsabilidade entre outras. Q.6) Quem é elegível para o visto de trabalho? Sujeito as condições enumeradas na questão B5 acima, o seguinte será elegível para o visto de trabalho. I. Nacionais estrangeiros vindo à Índia para a execução de projetos/contratos (independente da duração da visita). II. Nacionais estrangeiros que estão vindo a Índia para curtas visitas para reparo de qualquer tipo de planta, ou maquinário como parte da garantia ou contrato anual de manutenção. III. Engenheiros estrangeiros/técnicos vindo a Índia para a instalação e comissionamento de equipamentos/máquinas/ferramentas. IV. Especialistas Estrangeiros vindo a Índia para transmitir treinamentos para o pessoal de empresa indiana. V. Pessoal estrangeiro deputado para prover suporte/serviços técnicos, transferência de know- how, suprimento de serviços para os quais a empresa indiana pague honorários/royalties/ para a empresa estrangeira. VI. Nacionais estrangeiros vindo a Índia como consultores em contrato para quem empresa indiana pague remuneração fixa, (pode não ser na forma de salário mensal).

6 VII. Artistas estrangeiros engajados na performance regular durante a duração do contrato de trabalho dado por hotéis, clubes e outras organizações. VIII. Nacionais estrangeiros que venham para a Índia trabalhar como treinadores. IX. Desportistas estrangeiros que detêm contrato por um específico período de tempo por um clube/organização indiano. X. Trabalhadores autônomos nacionais estrangeiros vindo para a Índia para fornecendo serviços de engenharia, medicina, contabilidade, serviço legal ou qualquer outro tipo de serviço de alta proficiência na sua capacidade como consultores independentes. Q7) Qual é a duração do visto de trabalho? Um nacional estrangeiro vindo para a Índia à trabalho pode inicialmente ser outorgado um visto de trabalho pela Embaixada da Índia no exterior de até um ano. A primeira prorrogação, se necessária, será outorgada pelo MHA. Outras prorrogações, se necessárias, podem ser concedidas pelo respectivo Estado do Governo/FRO no período máximo de 5 anos da data de emissão do visto. Estrangeiros vindos com visto de trabalho precisam se registrar com o FRRO/FRO concernente dentro de duas semanas da data de chegada. Q8) Quais documentos são necessários para dar entrada no pedido de visto de trabalho? I. O nacional estrangeiro deve ter um documento válido de viagem e permissão de re- entrada, se necessária baixo as leis do país em questão.

7 II. O nacional estrangeiro deve entregar prova documental de sua empregabilidade, contrato, ou engajamento com a empresa/organização etc... Na Índia. III. O nacional estrangeiro deve entregar prova documental de suas qualificações educacionais e especialidade profissional. Q9) Pode um nacional estrangeiro querendo executar projetos na Índia vir a ser concedido um visto de negócios? Não. Um nacional estrangeiro vindo a executar projeto/contratos só poderá vir a Índia com um visto de trabalho. Q10) Pode um nacional estrangeiro já na Índia executando projetos com um visto de negócios ser permitido prorrogar seu visto de negócios para além do 31 de Outubro de 2009? Não, um nacional estrangeiro que já se encontre na Índia com um visto de negócios e engajar na execução de projeto/contrato deve abandonar o país até o dia 31 de Outubro de Q11) podem nacionais estrangeiros já na Índia executando projetos com visto de negócios serem permitidos de converter seu visto de negócios em visto de trabalho sem deixar o país. Não. Q12) Qual categoria de visto pode ser concedida para membros familiares de nacionais estrangeiros vindo a Índia com vistos de negócios? As Embaixadas da Índia poderão emitir um visto X, (ex. Visto de dependente) para os membros da família do nacional estrangeiro concedido visto de negócios na sua

8 discrição, sujeito as verificações de segurança com tanto que os membros da família sejam elegíveis à concessão desse tipo de visto. Q13) Qual categoria de visto será concedido para membros de familiares de nacionais estrangeiros vindo a Índia para trabalhar? Com respeito a membros da família de um nacional estrangeiro o qual foi concedido visto tipo E, Embaixadas da Índia poderão conceder um visto tipo x (ex. Visto de Dependente). A validade desse tipo de visto poderá ser com vencimento mutuo com a validade do visto principal do nacional, ou por um período pequeno de duração como seja considerado necessário pela Embaixada da Índia, sujeito as verificações de seguranda com tanto que os membros da família sejam elegíveis à concessão desse tipo de visto. Q14) Pode uma empresa/organização estrangeira que não tenha algum projeto/ escritório / subsidiaria/ joint venture/ escritório central na Índia poderá patrocinar um nacional/empregado estrangeiro de uma empresa estrangeira para um visto de trabalho? Não. Q15) Pode um empresa/organização que tenha adquirido um contrato de execução de projeto para uma empresa estrangeira que não tenha nenhuma base na índia patrocinar um empregado de empresa estrangeria para um visto de trabalho? Não. Q16) Se a organização/ entidade patrocinar um visto de trabalho, isto significa que a organização/entidade tem necessariamente que ser o empregador da pessoa?

9 Não Q17) Qual categoria de visto será concedido para um professor de língua estrangeira/interprete? Visto de trabalho. Q18) Qual categoria de visto será concedido para um Chef especialista estrangeiro? Visto de trabalho. Q19) Qual tipo de visto será concedido para um gerente de quadro superior ou um especialista empregado por firma estrangeira que seja relocado para a Índia para trabalhar num projeto específico / atribuição de gestão? Visto de trabalho.

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS

CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS CONTABILIDADE BÁSICA I 1ª LISTA DE EXERCÍCIOS UNIDADE I PANORAMA GERAL DA CONTABILIDADE 1) O que é contabilidade e qual o seu objetivo? 2) Onde a contabilidade pode ser aplicada? 3) Quais são os usuários

Leia mais

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014

Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Resolução SEMAC nº 20 DE 23/10/2014 Norma Estadual - Mato Grosso do Sul Publicado no DOE em 24 out 2014 Regulamenta dispositivos da Lei n. 11.959, de 29 de junho de 2009 relativo ao registro dos pescadores

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 08/05/2015 da Empresa UNIMED JUIZ DE FORA COOPERATIVA DE TRABALHO pág. 16/49 pág. 17/49 pág. 18/49 pág. 19/49 pág. 20/49 pág. 21/49 pág. 22/49 pág. 23/49 pág. 24/49 pág. 25/49 pág. 26/49 pág. 27/49 pág. 28/49 pág. 29/49 pág. 30/49 pág. 31/49 pág. 32/49 pág. 33/49 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 21/11/2014 da Empresa ANDRADE GUTIERREZ S/A, Nire e pág. 1/46 pág. 2/46 pág. 3/46 pág. 4/46 pág. 5/46 pág. 6/46 pág. 7/46 pág. 8/46 pág. 9/46 pág. 10/46 pág. 11/46 pág. 12/46 pág. 13/46 pág. 14/46 pág. 15/46 pág. 16/46 pág. 17/46 pág. 18/46 pág. 19/46 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico que este documento da empresa COOPERNOVA COOPERATIVA NOVALIMENSE DE TRANSPORTE DE CARGAS E pág. 1/23 pág. 2/23 pág. 3/23 pág. 4/23 pág. 5/23 pág. 6/23 pág. 7/23 pág. 8/23 pág. 9/23 pág. 10/23 pág. 11/23 pág. 12/23 pág. 13/23 pág. 14/23 pág. 15/23 pág. 16/23 pág. 17/23 pág. 18/23 pág. 19/23 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 19/10/2015 da Empresa COOPERATIVA DE CONSUMO DOS SERVIDORES DO pág. 1/26 pág. 2/26 pág. 3/26 pág. 4/26 pág. 5/26 pág. 6/26 pág. 7/26 pág. 8/26 pág. 9/26 pág. 10/26 pág. 11/26 pág. 12/26 pág. 13/26 pág. 14/26 pág. 15/26 pág. 16/26 pág. 17/26 pág. 18/26 pág. 19/26 pág.

Leia mais

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e

Junta Comercial do Estado de Minas Gerais Certifico registro sob o nº em 13/04/2016 da Empresa ALGAR TI CONSULTORIA S/A, Nire e pág. 1/71 pág. 2/71 pág. 3/71 pág. 4/71 pág. 5/71 pág. 6/71 pág. 7/71 pág. 8/71 pág. 9/71 pág. 10/71 pág. 11/71 pág. 12/71 pág. 13/71 pág. 14/71 pág. 15/71 pág. 16/71 pág. 17/71 pág. 18/71 pág. 19/71 pág.

Leia mais

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta

Certifico que este documento da empresa UNIMED MONTES CLAROS COOPERATIVA DE TRABALHO MEDICO, Nire: , foi deferido e arquivado na Junta pág. 1/34 pág. 2/34 pág. 3/34 pág. 4/34 pág. 5/34 pág. 6/34 pág. 7/34 pág. 8/34 pág. 9/34 pág. 10/34 pág. 11/34 pág. 12/34 pág. 13/34 pág. 14/34 pág. 15/34 pág. 16/34 pág. 17/34 pág. 18/34 pág. 19/34 pág.

Leia mais

Definições. Tarefa: atividades individualizadas e executadas por um ocupante de cargo. Cargos simples e repetitivos.

Definições. Tarefa: atividades individualizadas e executadas por um ocupante de cargo. Cargos simples e repetitivos. Desenho de Cargos 1 Definições Tarefa: atividades individualizadas e executadas por um ocupante de cargo. Cargos simples e repetitivos. Atribuição: atividades individualizadas, executadas por um ocupante

Leia mais

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Licenciatura em Matemática - Campus de Cornélio Procópio

Regulamento das Atividades Complementares do Curso de Licenciatura em Matemática - Campus de Cornélio Procópio Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Cornélio Procópio Diretoria de Graduação e Educação Profissional Coordenação do Curso de Licenciatura em Matemática Regulamento

Leia mais

Não-Me-Toque, 31 de janeiro de Charles Manolo de Morais Vereador do PP

Não-Me-Toque, 31 de janeiro de Charles Manolo de Morais Vereador do PP PEDIDO DE INDICAÇÃO Nº 007/2017 O vereador, Charles Manolo de Morais, com que esta subscreve requer na forma regimental (art. 156) que seja encaminhado ao Prefeito Municipal, Sr. Armando Carlos Roos, este

Leia mais

Nota Técnica de Expediente nº 19 /2012, do SEJUR. Expediente CFM nº 1945/2012 I - RELATÓRIO

Nota Técnica de Expediente nº 19 /2012, do SEJUR. Expediente CFM nº 1945/2012 I - RELATÓRIO EMENTA: Resolução CFM nº 1832/2008 Visto de estudante para médico estrangeiro formado em medicina em faculdade estrangeira Ingresso no Brasil para cursar pós-graduação Anuência do CRM Visto temporário

Leia mais

Quarta-feira, 18 de janeiro de Direção Regional do Trabalho e da Ação Inspetiva. Regulamentação do Trabalho. Despachos:

Quarta-feira, 18 de janeiro de Direção Regional do Trabalho e da Ação Inspetiva. Regulamentação do Trabalho. Despachos: REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 18 de janeiro de 2017 Série RELAÇÕES DE TRABALHO Sumário SECRETARIA REGIONAL DA INCLUSÃO E ASSUNTOS SOCIAIS Direção Regional do Trabalho e da Ação

Leia mais

POLÍTICA DE CRÉDITO - EXPORTAÇÃO

POLÍTICA DE CRÉDITO - EXPORTAÇÃO Ref. - Assunto Página: 1 / 7 de Publicação: : POLÍTICA DE CRÉDITO - EXPORTAÇÃO Responsáveis: ATIVIDADE NOME CARGO Elaboração Controles Internos Revisores Fausto Rogério Ferreira Pinto Coord. Crédito e

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA RENOVAÇÃO DO PROGRAMA AUXÍLIO MORADIA

DOCUMENTAÇÃO PARA RENOVAÇÃO DO PROGRAMA AUXÍLIO MORADIA DOCUMENTAÇÃO PARA RENOVAÇÃO DO PROGRAMA AUXÍLIO MORADIA FORMULÁRIO DE RENOVAÇÃO; HISTÓRICO ACADÊMICO ATUALIZADO (2015.2); COMPROVAÇÃO DE MORADIA dos pais (conta de água ou de luz) COMPROVAÇÃO DE MORADIA

Leia mais

Prefeitura Municipal de Nova Mutum Estado de Mato Grosso CNPJ /

Prefeitura Municipal de Nova Mutum Estado de Mato Grosso CNPJ / LEI Nº 1.685, DE 15 DE JULHO DE 2013. Concede revisão salarial aos Servidores Públicos Municipais e dá outras providências. O Sr. Adriano Xavier Pivetta, Prefeito de Nova Mutum,, no uso de suas atribuições

Leia mais

Programa de Internacionalização de Empresas

Programa de Internacionalização de Empresas Programa de Internacionalização de Empresas Seminário: Oportunidades de Negócios e Internacionalização México Aspectos Legais da Abertura de Empresas no México Curriculum Vitae Rui Caminha Barbosa Socio

Leia mais

C O N F I D E N C I A L

C O N F I D E N C I A L 1/14 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGO DE PROMOTOR DE JUSTIÇA SUBSTITUTO EDITAL Nº 1 MPE/PI, DE 25 DE ABRIL DE 2012

Leia mais

Princípios de Negócios Grupo Freudenberg

Princípios de Negócios Grupo Freudenberg Princípios de Negócios Grupo Freudenberg 2 Freudenberg uma empresa familiar diversificada 1. O Grupo Freudenberg é uma empresa amplamente diversificada. Desenvolveu-se de maneira orgânica, aproveitando-se

Leia mais

L E I. Art. 2º. Fica criado o cargo de ASSESSOR DA JUNTA MILITAR da Secretaria. Municipal de Governo.

L E I. Art. 2º. Fica criado o cargo de ASSESSOR DA JUNTA MILITAR da Secretaria. Municipal de Governo. L E I Nº 1436 de 21 de janeiro de 2011 Altera a Lei nº 1255/2009, Extingue e Cria Cargos e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Capão do Leão, Estado do Rio Grande do Sul. Faz saber que a Câmara

Leia mais

TABELA SALARIAL - JORNADA MENSAL DE 200 HORAS

TABELA SALARIAL - JORNADA MENSAL DE 200 HORAS TABELA SALARIAL - JORNADA MENSAL DE 200 HORAS CARGOS DE GRATIFICAÇÃO (40%) SOBRE O SALÁRIO BASE CARGO SALÁRIO ADMINISTRADOR DE BANCO DE DADOS JR 4.620,21 ADMINISTRADOR DE BANCO DE DADOS PL 5.895,61 ADMINISTRADOR

Leia mais

LABORATÓRIO RÁDIO EDITAL N. º 008/2013. (alunos a partir do 2º período de jornalismo)

LABORATÓRIO RÁDIO EDITAL N. º 008/2013. (alunos a partir do 2º período de jornalismo) CONCURSO DE MONITORIA LABORATÓRIO RÁDIO EDITAL N. º 008/2013 (alunos a partir do 2º período de jornalismo) I. DAS VAGAS, BOLSA DE MONITORIA, REGIME JURÍDICO E CARGA HORÁRIA. 1- Número de vagas: 02(duas)

Leia mais

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995

LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 LEI Nº 8.987, DE 13 DE FEVEREIRO DE 1995 Dispõe sobre o Regime de Concessão e Permissão da Prestação de Serviços Públicos previsto no art. 175 da Constituição Federal, e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Regulamento de Estágio Supervisionado. Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS

Regulamento de Estágio Supervisionado. Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS Regulamento de Estágio Supervisionado Capítulo I DO ESTATUTO E SEUS OBJETIVOS Art 1 o. O presente Estatuto disciplina os aspectos da organização e funcionamento do Estágio Curricular Supervisionado do

Leia mais

Decreto n.º 1/91 Acordo, por troca de notas, entre Portugal e a Suíça, sobre Tratamento Recíproco em Matéria de Autorização de Residência

Decreto n.º 1/91 Acordo, por troca de notas, entre Portugal e a Suíça, sobre Tratamento Recíproco em Matéria de Autorização de Residência Decreto n.º 1/91 Acordo, por troca de notas, entre Portugal e a Suíça, sobre Tratamento Recíproco em Matéria de Autorização de Residência Nos termos da alínea c) do n.º 1 do artigo 200.º da Constituição,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS ENSINO A DISTÂNCIA COLEGIADO DO COMPONENTE CURRICULAR - CDS PROGRAMA DE ESTÁGIO DE MONITORIA

CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS ENSINO A DISTÂNCIA COLEGIADO DO COMPONENTE CURRICULAR - CDS PROGRAMA DE ESTÁGIO DE MONITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS ENSINO A DISTÂNCIA COLEGIADO DO COMPONENTE CURRICULAR - CDS PROGRAMA DE ESTÁGIO DE MONITORIA EDITAL DE CONCURSO DE ESTÁGIO DE MONITORIA DO COMPONENTE CURRICULAR CIDADANIA,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Graduação Coordenação de Estágio, Monitoria e Egressos

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Pró-Reitoria de Graduação Coordenação de Estágio, Monitoria e Egressos TERMO DE COMPROMISSO PARA ESTÁGIO NÃO OBRIGATÓRIO DA LEGISLAÇÃO DE REGÊNCIA, DA CONCEITUAÇÃO E DOS PRÉ-REQUISITOS LEGAIS. 1. O presente TCE é regido pela Lei n.º 11.788, de 25 de setembro de 2008 e, no

Leia mais

Tabela Completa Lei Complementar 123 Anexo I - Atividades de Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA TOTAL CSLL COFINS PIS/PASEP INSS ICMS

Tabela Completa Lei Complementar 123 Anexo I - Atividades de Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA TOTAL CSLL COFINS PIS/PASEP INSS ICMS Tabela Completa Lei Complementar 123 Anexo I - Atividades de Comércio Receita Bruta em 12 meses (em R$) ALÍQUOTA IRPJ TOTAL CSLL COFINS PIS/PASEP INSS ICMS Até 120.000,00 4,00% 0,00% 0,21% 0,74% 0,00%

Leia mais

DESENVOLVIMENTO NA CARREIRA. TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS EM EM EDUCAÇÃO Aula Aula 1 1

DESENVOLVIMENTO NA CARREIRA. TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS EM EM EDUCAÇÃO Aula Aula 1 1 DESENVOLVIMENTO NA CARREIRA TÉCNICOS-ADMINISTRATIVOS EM EM EDUCAÇÃO Aula Aula 1 1 O servidor Técnico-Administrativo é responsável por executar atividades relacionadas ao suporte que as instituições federais

Leia mais

ANATOMIA HUMANA EDITAL N. º 011/2015. I. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, REGIME JURÍDICO E CARGA HORÁRIA.

ANATOMIA HUMANA EDITAL N. º 011/2015. I. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, REGIME JURÍDICO E CARGA HORÁRIA. CONCURSO DE MONITORIA ANATOMIA HUMANA EDITAL N. º 011/2015. I. DAS VAGAS, REMUNERAÇÃO, REGIME JURÍDICO E CARGA HORÁRIA. 1- Número de vagas: 01 vaga 2- O aluno no exercício da função de monitor receberá

Leia mais

- REGIME LEGAL DE COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS -

- REGIME LEGAL DE COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS - Ficha de Verificação N.º CMI - REGIME LEGAL DE COMBATE AO BRANQUEAMENTO DE CAPITAIS - 1) IDENTIFICAÇÃO PESSOA SINGULAR CLIENTE: RESIDENTE NÃO RESIDENTE Nome Completo Data de Nascimento Local Nacionalidade

Leia mais

Sistemas de Informação na Empresa

Sistemas de Informação na Empresa Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/ :30 12:00

AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/ :30 12:00 AULA 2/4 ASSUNTOS ABORDADOS: Gestão da cadeia de suprimentos. Gestão de estoques. 04/05/2013 10:30 12:00 Assunto: Gestão da cadeia de suprimentos. Consiste em gerenciar estrategicamente diferentes fluxos

Leia mais

Dotações DESPESA EMPENHADA DESPESA LIQUIDADA

Dotações DESPESA EMPENHADA DESPESA LIQUIDADA 01.00.00.000.0000.0000.0.0.00.00.00.00.00 CAMARA MUNICIPAL DE VEREADORES 687.427,03 107.759,34 107.759,34 579.667,69 104.377,34 104.377,34 01.01.00.000.0000.0000.0.0.00.00.00.00.00 CAMARA MUNICIPAL DE

Leia mais

Valor Agregado Consulores Associados

Valor Agregado Consulores Associados Competência em Vendas & Negociação José Carlos Martins F. de Mello Valor Agregado Consulores Associados 2017 Competência em Vendas & Negociação Apresentação Competência em Vendas & Negociação é um programa

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DE RECURSOS HUMANOS STAFF MANAGEMENT PLAN Preparado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto

Leia mais

CONSELHO DELIBERATIVO DA FUNAPE RESOLUÇÃO Nº 04, DE 13 DE JUNHO DE 2002.

CONSELHO DELIBERATIVO DA FUNAPE RESOLUÇÃO Nº 04, DE 13 DE JUNHO DE 2002. CONSELHO DELIBERATIVO DA FUNAPE RESOLUÇÃO Nº 04, DE 13 DE JUNHO DE 2002. CONSOLIDAÇÃO ALTERA A RESOLUÇÃO Nº 02 E TRAZ NOVAS DIRETRIZES PARA AS CONTRATAÇÕES DE PESSOAL PELA FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE FLEXIBILIZAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA. CAPÍTULO I Definição

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE FLEXIBILIZAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA. CAPÍTULO I Definição REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE FLEXIBILIZAÇÃO DO CURSO DE MEDICINA CAPÍTULO I Definição Art. 1º A flexibilização curricular envolve atividades acadêmicas previstas no projeto pedagógico do Curso de Medicina

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE PSICOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO O Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia informa que estarão abertas as inscrições para o pleito de (01)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO MULTIDISCIPLINAR EM SAÚDE - CAMPUS ANÍSIO TEIXEIRA COLEGIADO DE NUTRIÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA 02/2011 Revoga a Instrução Normativa 03/2008 e estabelece as normas

Leia mais

O Percurso de uma Empresa Familiar

O Percurso de uma Empresa Familiar O Percurso de uma Empresa Familiar DEFINIÇÃO: De uma forma genérica, define-se Empresa Familiar como aquela em que a propriedade e controle estão nas mãos de um grupo unido por relações de parentesco (uma

Leia mais

QUER. melhorar. seus resultados. no Agronegócio? Confira 5 passos de como empresas lideres conseguem os melhores resultados.

QUER. melhorar. seus resultados. no Agronegócio? Confira 5 passos de como empresas lideres conseguem os melhores resultados. QUER melhorar seus resultados no Agronegócio? Confira 5 passos de como empresas lideres conseguem os melhores resultados. Introdução: A última década permitiu constatar ao país e ao mundo o enorme potencial

Leia mais

Proposta Técnica. - Acompanhar a dinâmica sazonal dos bancos de macrófitas aquáticas e descrevê-la nos relatórios;

Proposta Técnica. - Acompanhar a dinâmica sazonal dos bancos de macrófitas aquáticas e descrevê-la nos relatórios; PROPOSTA: 264.07109 CLIENTE: CERAN ATIVIDADE: Monitoramento Ambiental LOCALIDADE: Bento Gonçalves e Flores da Cunha DATA: 25/11/2009. Proposta Técnica 1. Objeto Esta Proposta Técnica tem por objetivo estabelecer

Leia mais

Trabalhadores dependentes

Trabalhadores dependentes Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social - Principais alterações Trabalhadores dependentes Ana Duarte PwC Agenda 1. Base de incidência (novas componentes) 2. Taxas 3.

Leia mais

REDAÇÃO MODELO EDITAL N. º 066/2011. ( Somente alunos a partir do 3º ao 7º períodos do Curso de Jornalismo)

REDAÇÃO MODELO EDITAL N. º 066/2011. ( Somente alunos a partir do 3º ao 7º períodos do Curso de Jornalismo) CONCURSO DE MONITORIA REDAÇÃO MODELO EDITAL N. º 066/2011 ( Somente alunos a partir do 3º ao 7º períodos do Curso de Jornalismo) I. DAS VAGAS, BOLSA DE MONITORIA, REGIME JURÍDICO E CARGA HORÁRIA. 1- Número

Leia mais

EDITAL 01/2016 Homologado pelo Conselho de Bolsas e Taxas do Programa de Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental em 30 de Setembro de 2016

EDITAL 01/2016 Homologado pelo Conselho de Bolsas e Taxas do Programa de Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental em 30 de Setembro de 2016 EDITAL 01/2016 Homologado pelo Conselho de Bolsas e Taxas do Programa de Mestrado em Ciência e Tecnologia Ambiental em 30 de Setembro de 2016 Programa CAPES/Universidade do Sagrado Coração Seleção de Bolsistas

Leia mais

Licenciatura

Licenciatura Licenciatura 2015-2016 DIREITO COMERCIAL I e II PROFESSOR DOUTOR PEDRO PAES DE VASCONCELOS Primeira Parte Direito Comercial Geral. Sumário Summary I. O Direito Comercial. 1.O Comércio e o Direito Comercial.

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Ano Base: 2013 Demonstrativo da Proposta da Despesa

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Sistema Integrado para Administração Financeira Ano Base: 2013 Demonstrativo da Proposta da Despesa 0100 - ATIVIDADE DE APOIO ADMINISTRATIVO 20780 - Preservação do Patrimônio Público 0001 - Rio Grande do Norte Assegurar os recursos orçamentários necessários à cobertura de despesas com a conservação do

Leia mais

Novo Modelo de Formação

Novo Modelo de Formação Novo Modelo de Formação Conhecimento Melhoria Aperfeiçoamento Fomentar e favorecer a aquisição de conhecimentos Melhoria da qualidade de intervenção dos treinadores Promover o aperfeiçoamento qualitativo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES Secretaria Municipal de Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOGI DAS CRUZES Secretaria Municipal de Saúde EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 21/2008 ABRE INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA ATENDER ÀS NECESSIDADES DE PESSOAL DAS UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE MOGI DAS CRUZES.

Leia mais

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Intercâmbio de Estudantes, Estágio Profissional e Voluntariado

VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Intercâmbio de Estudantes, Estágio Profissional e Voluntariado VISTO DE ESTADA TEMPORÁRIA: Intercâmbio de Estudantes, Estágio Profissional e Voluntariado Documentação do Requerente Formulário de pedido de visto devidamente preenchido online (www.cgportugalemluanda.com)

Leia mais

O capital intelectual: desenvolvimento e retenção de talentos (o caso RFF & Associados)

O capital intelectual: desenvolvimento e retenção de talentos (o caso RFF & Associados) O capital intelectual: desenvolvimento e retenção de talentos (o caso RFF & Associados) Rogério M. Fernandes Ferreira (Advogado e Sócio fundador da RFF & Associados) Índice 1. Investimento em formação

Leia mais

w w w. o l h o s d e a g u i a s. c o m. b r

w w w. o l h o s d e a g u i a s. c o m. b r w w w. o l h o s d e a g u i a s. c o m. b r BEM-VINDO! CONTAMOS COM VOCÊ! Quem Somos A Empresa Olhos de águias é um Clube de Compras, um Clube de Amigos, um Clube de Famílias. Nascemos na aprazível cidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria de Acompanhamento Econômico Parecer Técnico n.º 06538/2008/RJ COGCE/SEAE/MF 09 de setembro de 2008 Referência: Ofício n 5878/2008/SDE/GAB, de 03 de setembro de 2008. Assunto:

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO! Caso prático de conversão de um demonstrativo contábil para moeda estrangeira.! Planilha para conversão

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES Contas.cnt

CADERNO DE QUESTÕES Contas.cnt Contas.cnt 01. Com relação à situação patrimonial, assinale a opção INCORRETA. a) A compra de matéria-prima a prazo provoca aumento no Ativo e no Passivo. b) A integralização de capital em dinheiro provoca

Leia mais

Sobretaxa extraordinária 2016 e ficheiro mensal de remunerações

Sobretaxa extraordinária 2016 e ficheiro mensal de remunerações Sobretaxa extraordinária 2016 e ficheiro mensal de remunerações A Softnova já procedeu à alteração do módulo de Gestão de Pessoal, para contemplar o cálculo da sobretaxa extraordinária, gerar o ficheiro

Leia mais

empreender com resultados FRANQUIAS

empreender com resultados FRANQUIAS empreender com resultados FRANQUIAS nossa história 2009 - Ano em que o jovem empreendedor Cristiano Cicuto inaugura em Campo Grande - MS, sua primeira loja de câmbio, sendo esta uma representação da Treviso

Leia mais

OFERTA FORMATIVA LÍNGUAS ESTRANGEIRAS: - ESPANHOL OU FRANCÊS

OFERTA FORMATIVA LÍNGUAS ESTRANGEIRAS: - ESPANHOL OU FRANCÊS Ensino Básico OFERTA FORMATIVA LÍNGUAS ESTRANGEIRAS: - ESPANHOL OU FRANCÊS - INGLÊS Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias Distribuição das disciplinas por ano de escolaridade Matemática

Leia mais

DIREÇÃO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA A ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO

DIREÇÃO e GESTÃO da CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA A ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO PROCEDIMENTOS PARA A ATRIBUIÇÃO DO TÍTULO DE ENGENHEIRO ESPECIALISTA EM DIREÇÃO E GESTÃO DA CONSTRUÇÃO 10 de novembro de 2010 (Documento ratificado pela Comissão Executiva da Especialização em 24 outubro

Leia mais

CRM/MG. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais CNPJ: / Página:1/5

CRM/MG. Comparativo da Despesa Paga. Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais CNPJ: / Página:1/5 Conselho Regional de Medicina do Estado de Minas Gerais CNPJ: 22.256.879/0001-70 Comparativo da Paga 6.2.2.1.1 - CRÉDITO DISPONÍVEL - DESPESAS CORRENTES 40.485.923,89 13.291.871,93 34.047.849,65 6.438.074,24

Leia mais

Manual de Normas Contrato Mercantil

Manual de Normas Contrato Mercantil Versão: 23/11/2015 Documento Público 2 / 8 MANUAL DE NORMAS CONTRATO MERCANTIL SÚMÁRIO CAPÍTULO I DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DISPONIBILIZADAS PELA CETIP 4 CAPÍTULO III DOS PARTICIPANTES 4

Leia mais

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 6

PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 6 PO - Procedimento Operacional Revisão: 02 Folha: 1 de 6 1. OBJETIVO Orientar a condução dos processos de de forma a garantir a uniformidade e eficiência dos procedimentos, ferramentas e técnicas utilizadas,

Leia mais

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos

Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos Balanço Patrimonial - Exercicios Resolvidos ::: Fonte Do Saber - Mania de Conhecimento ::: adsense1 AS RESPOSTAS ESTÃO DE VERMELHO. O BALANÇO PATRIMONIAL - EXERCÍCIOS 1) Aponte a alternativa em que não

Leia mais

Objetivos da aula. Auditoria e objetivos 3/11/16. ò Conceituação; ò Espécies e tipos de auditoria; ò Auditoria Administrativa: conceito e aplicação.

Objetivos da aula. Auditoria e objetivos 3/11/16. ò Conceituação; ò Espécies e tipos de auditoria; ò Auditoria Administrativa: conceito e aplicação. Prof. Carlos William de Carvalho Objetivos da aula ò Conceituação; ò Espécies e tipos de auditoria; ò Auditoria Administrativa: conceito e aplicação. 2 Auditoria e objetivos ò A conceituação de auditoria

Leia mais

GESTÃO DE MARCA & MÍDIA INSTRUÇÕES PARA BENEFICIÁRIOS

GESTÃO DE MARCA & MÍDIA INSTRUÇÕES PARA BENEFICIÁRIOS GESTÃO DE MARCA & MÍDIA INSTRUÇÕES PARA BENEFICIÁRIOS Por favor, assegure-se de que esta informação seja compartilhada com a pessoa responsável pela comunicação de sua organização. Última atualização:

Leia mais

ANEXO I DA DISTRIBUIÇÃO DAS VAGAS POR MUNICÍPIO FUNÇÃO BELEM * PCD PARAGOMINAS MARABÁ SANTARÉM ALTAMIRA ITAITUBA ESCOLARIDADE - NIVEL SUPERIOR

ANEXO I DA DISTRIBUIÇÃO DAS VAGAS POR MUNICÍPIO FUNÇÃO BELEM * PCD PARAGOMINAS MARABÁ SANTARÉM ALTAMIRA ITAITUBA ESCOLARIDADE - NIVEL SUPERIOR ANEXO I DA DISTRIBUIÇÃO VAGAS POR MUNICÍPIO TECNICO EM GESTÃO DE MEIO AMBIENTE FUNÇÃO BELEM * PCD PARAGOMINAS MARABÁ SANTARÉM ALTAMIRA ITAITUBA ESCOLARIDADE - NIVEL SUPERIOR SOCIAIS 02 BIOLÓGICAS 04 01

Leia mais

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências

Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências O Presidente da República, usando das atribuições que lhe confere o Art. 81, item

Leia mais

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação.

Art. 2º - As instituições e serviços de saúde incluirão a atividade de Enfermagem no seu planejamento e programação. 1 Decreto Nº 94.406/87 Regulamenta a Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre o exercício da Enfermagem, e dá outras providências. O Presidente da República, usando das atribuições que lhe

Leia mais

ANEXO I Partilha do Simples Nacional Comércio Abrange: IRPJ - CSLL - COFINS - PIS - CPP - ICMS Efeitos a partir de 01/01/2018

ANEXO I Partilha do Simples Nacional Comércio Abrange: IRPJ - CSLL - COFINS - PIS - CPP - ICMS Efeitos a partir de 01/01/2018 ANEXO I Partilha do Simples Nacional Comércio Abrange: IRPJ - CSLL - COFINS - PIS - CPP - ICMS 1a. Faixa De 0,00 a 180.000,00 15.000,00 4,00% 0,00 0,000% a 4,000% 2a. Faixa De 180.000,01 a 360.000,00 30.000,00

Leia mais

Bolsas Damanda Social da CAPES

Bolsas Damanda Social da CAPES Bolsas Damanda Social da CAPES Bolsa Programa de Demanda Socialda CAPES Objetivo Promover a formação de recursos humanos de alto nível, por meio de concessão de bolsas a cursos de pós-graduação stricto

Leia mais

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

FATEC-CARAPICUÍBA. Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO FATEC-CARAPICUÍBA Doc. 1 REGIMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO ASTI (Jogos, Segurança, Bacharel, SI) CURSO ADS (Análise e Desenvolvimento de Sistemas) 2 1. DA NATUREZA DO ESTÁGIO 1.1 O estágio curricular

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL (Diretoria Geral do Pessoal / 1860)

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL (Diretoria Geral do Pessoal / 1860) MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO-GERAL DO PESSOAL (Diretoria Geral do Pessoal / 1860) PORTARIA N o 207 - DGP, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2003. Aprova as Normas para Implantação da Ficha

Leia mais

LEI N , DE 18 DE JUNHO DE 2014

LEI N , DE 18 DE JUNHO DE 2014 LEI N. 12.998, DE 18 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre remuneração das Carreiras e dos Planos Especiais de Cargos das Agências Reguladoras, das Carreiras e do Plano Especial de Cargos do Departamento Nacional

Leia mais

EDITAL DIRGRAD 05 / 2014 ABERTURA CURSO DE INGLÊS (CALEM)

EDITAL DIRGRAD 05 / 2014 ABERTURA CURSO DE INGLÊS (CALEM) EDITAL DIRGRAD 05 / 2014 ABERTURA CURSO DE INGLÊS (CALEM) A (DIRGRAD) do Câmpus Dois Vizinhos da (UTFPR) torna pública a abertura das inscrições para o curso de Inglês do Centro Acadêmico de Línguas Estrangeiras

Leia mais

ABIMDE. Diretoria de Operações - DIROP

ABIMDE. Diretoria de Operações - DIROP ABIMDE Diretoria de Operações - DIROP Superintendência de Operações Internacionais - SUPOI Gerência Executiva de Operações do Setor Aéreo e Defesa GEAER Gerência de Operações de Defesa 02 de agosto de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE. O CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO da UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE, no uso de suas atribuições legais, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 177/2009/CONEPE Aprova Normas Específicas do Estágio Curricular

Leia mais

CRF/BA. Comparativo da Despesa Paga CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: / Página:1/6

CRF/BA. Comparativo da Despesa Paga CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: / Página:1/6 CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: 13.529.565/0001-02 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 10.692.70 517.916,89 9.309.452,52 1.383.247,48 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESAS

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DO FinanciE PROGRAMA DE FINANCIAMENTO INTERNO DO UNICURITIBA

INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DO FinanciE PROGRAMA DE FINANCIAMENTO INTERNO DO UNICURITIBA INSTRUÇÕES PARA SOLICITAÇÃO DO FinanciE PROGRAMA DE FINANCIAMENTO INTERNO DO UNICURITIBA Para ter validade, o formulário deve ser assinado pelo próprio discente requerente; somente a retirada ou entrega

Leia mais

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017

RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017 RESOLUÇÃO SICREDI CREDUNI 001/2017 Atualiza a Resolução CREDUNI 003/2016 de 08/09/2016 sobre critérios e taxas de juros de empréstimos de acordo com as condições oferecidas pelo cooperado modificando o

Leia mais

GV em Novos olhares por Prof. Adm. Luciano Nicoletti Jr admfreework

GV em Novos olhares por Prof. Adm. Luciano Nicoletti Jr admfreework GV em Novos olhares por Prof. Adm. Luciano Nicoletti Jr admfreework 2 Luciano Nicoletti Jr Administrador de Empresas CRA SP 123340 MBA Gestão Administrativa e Marketing Pós Graduado em Logística Empresarial

Leia mais

Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados.

Domínio Sistemas Ltda. Todos os direitos reservados. Domínio Atendimento Saiba que este documento não poderá ser reproduzido, seja por meio eletrônico ou mecânico, sem a permissão expressa por escrito da Domínio Sistemas Ltda. Nesse caso, somente a Domínio

Leia mais

Posicionamento Consultoria De Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA)

Posicionamento Consultoria De Segmentos Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) Emissão do Recibo Pagamento de Autônomo (RPA) 11/06/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 4. Conclusão... 4 5. Informações

Leia mais

LEI Nº 745/2016, DE 01 DE ABRIL DE 2016.

LEI Nº 745/2016, DE 01 DE ABRIL DE 2016. LEI Nº 745/2016, DE 01 DE ABRIL DE 2016. Fica autorizado o Poder público Municipal a criação de vagas no quadro dos servidores públicos do Município de Luís Eduardo Magalhães, alterando anexo I da Lei

Leia mais

CRF/BA. Comparativo da Despesa Paga CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: / Página:1/6

CRF/BA. Comparativo da Despesa Paga CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: / Página:1/6 CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DA BAHIA - CRF-BA CNPJ: 13.529.565/0001-02 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 10.292.70 9.375.483,91 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESAS CORRENTES 10.038.70

Leia mais

Comparativo da Despesa Paga. Plano de Saúde, Serviços Hospitalares e Farmacêuticos BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS RGPS - CFF

Comparativo da Despesa Paga. Plano de Saúde, Serviços Hospitalares e Farmacêuticos BENEFÍCIOS ASSISTENCIAIS RGPS - CFF CONSELHO REGIONAL DE FARMACIA DO AMAPA CNPJ: 12.967.467/0001-94 Comparativo da Paga CRÉDITO DISPONÍVEL DA DESPESA 1.066.322,00 986.698,34 CRÉDITO DISPONÍVEL DESPESAS CORRENTES 804.332,00 724.708,34 PESSOAL

Leia mais

CURSO DE TREINADOR DE PADEL NÍVEL I

CURSO DE TREINADOR DE PADEL NÍVEL I CURSO DE TREINADOR DE PADEL NÍVEL I A atividade de Treinador de Padel tem vindo a tornar- se cada vez mais exigente e complexa, de que resulta a consequente necessidade de melhoria na qualidade e na robustez

Leia mais

PORTARIA N o 388 de 01/08/2016

PORTARIA N o 388 de 01/08/2016 PORTARIA N o 388 de 01/08/2016 Aprova a Tabela de Descontos para alunos matriculados em cursos e programas da Universidade Positivo (UP). O Reitor da Universidade Positivo, no uso de suas atribuições estatutárias,

Leia mais

III EXAME PARA COLABORADOR AUTORIZADO DE NOTÁRIO. Previsto na alínea d), do Artigo 2.º da Portaria n.º 55/2011, de 28 de Janeiro

III EXAME PARA COLABORADOR AUTORIZADO DE NOTÁRIO. Previsto na alínea d), do Artigo 2.º da Portaria n.º 55/2011, de 28 de Janeiro III EXAME PARA COLABORADOR AUTORIZADO DE NOTÁRIO Previsto na alínea d), do Artigo 2.º da Portaria n.º 55/2011, de 28 de Janeiro Lisboa, 26 de Outubro de 2013 Duração: 1 hora e 30 minutos Responda sucintamente

Leia mais

ANEXO I FILME. Nome do(a) aluno(a) Curso Semestre Data / / Título do filme. Crédito (direção, ano e produção)

ANEXO I FILME. Nome do(a) aluno(a) Curso Semestre Data / / Título do filme. Crédito (direção, ano e produção) ANEXO I FILME Curso Semestre Data / / Título do filme Crédito (direção, ano e produção) Duração do filme Resumo (aspectos históricos, políticos, econômicos); Aspectos pedagógicos (relação ensino/aprendizagem

Leia mais

CAIXA DE APOS. E PENSAO DOS SERV. MUN. SARANDI - PRESERV Estado do Paraná

CAIXA DE APOS. E PENSAO DOS SERV. MUN. SARANDI - PRESERV Estado do Paraná 32 06/02/2012 EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS 120010927200142151339039000 1005 42,30 Objeto: Despesa relativo ao envio de Correspondências no mês de Janeiro de 2012, conforme Contrato 9912287221.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE ARTES PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA - - MESTRADO ACADÊMICO Edital UFU/IARTE/PPGAC n.01/2016 Edital de classificação para distribuição de Bolsas de Mestrado do Curso de Mestrado Acadêmico em Artes Cênicas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CAMPUS FLORESTAL INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Rodovia LMG 818, km 06, Florestal MG, 35.690-000. Tel: (31) 3536-3300 COORDENAÇÃO DO CURSO DE AGRONOMIA Regulamento das Atividades

Leia mais

Tópicos Especiais em Engenharia de Produção

Tópicos Especiais em Engenharia de Produção Tópicos Especiais em Engenharia de Produção Tema (desde 2015) Gestão da Cadeia de Suprimentos Supply Chain Management Prof. Valério Salomon www.feg.unesp.br/salomon Os profissionais mais bem pagos do momento

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE NÃO TER CURSADO ENSINO MÉDIO EM ESCOLA PRIVADA

ANEXO I DECLARAÇÃO DE NÃO TER CURSADO ENSINO MÉDIO EM ESCOLA PRIVADA ANEXO I DECLARAÇÃO DE NÃO TER CURSADO ENSINO MÉDIO EM ESCOLA PRIVADA Eu,, nacionalidade, estado civil, CPF e RG, declaro, para os fins de reserva de vagas no PROCESSO SELETIVO PARA PROVIMENTO DE VAGAS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA DO ESTADO DE SÃO PAULO CREA-SP Instrução n.º 2579 Dispõe sobre concessão de férias aos funcionários do Crea-SP e revoga a Instrução n.º 2554/2012. O Presidente em exercício do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Estado de

Leia mais