COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES"

Transcrição

1 COMPREENDENDO MELHOR O APOIO DA FAPEMIG À PROTEÇÃO INTELECTUAL DE INVENTORES INDEPENDENTES 1- A FAPEMIG apoia, tecnicamente e financeiramente, os inventores independentes na proteção e manutenção de invenções, modelos de utilidade, desenhos industriais, cultivares e programas de computador junto aos órgãos competentes pela proteção. Mas o que vêm a ser inventores independentes? De acordo com a Lei Mineira de Inovação (Lei N , de 17/01/2008), inventores independentes são pessoas físicas, sem vínculo empregatício com instituição pública ou privada, que sejam inventores ou obtentores de criação. O significa a FAPEMIG apoiar tecnicamente e financeiramente os inventores independentes? Significa que, quando a FAPEMIG avalia e decide apoiar uma inovação, a sua Gerência de Propriedade Intelectual, por meio do Departamento de Proteção Intelectual (ver organogramas da FAPEMIG a seguir), auxilia, quando for o caso, o inventor independente no depósito de pedido de proteção junto aos órgãos competentes das invenções, modelos de utilidade, desenhos industriais, cultivares e programas de computador, ajudando-o no preenchimento dos formulários e na redação dos documentos cabíveis e obrigatórios. Além disso, a FAPEMIG garante o acompanhamento dos pedidos de proteção depositados, efetuando todos os trâmites necessários para a manutenção das proteções nos órgãos competentes. Esse acompanhamento é feito toda semana. Em relação ao apoio financeiro, a FAPEMIG, no âmbito nacional, efetua o pagamento das taxas necessárias à manutenção da propriedade intelectual. 1

2 2

3 O que é invenção, modelo de utilidade, desenho industrial, cultivar e programa de computador, tipos de propriedade intelectual cuja proteção é apoiada pela FAPEMIG? Invenção e Modelo de Utilidade: invenção refere-se a produto ou processo que não existe no estado da técnica, ou seja, que atende aos requisitos de novidade, atividade inventiva e aplicação industrial, enquanto modelo de utilidade refere-se a um objeto de uso prático, ou parte deste, resultante de um aperfeiçoamento de algo já existente no estado da técnica e que possua nova forma ou disposição que decorra em melhoria funcional no seu uso ou em sua fabricação. A proteção de uma invenção e de um modelo de utilidade é conferida pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Desenho Industrial: consiste na forma plástica ornamental de um objeto ou o conjunto ornamental de linhas e cores que possa ser aplicado a um produto, proporcionando resultado visual novo e original na sua configuração externa e que possa servir de tipo de fabricação industrial (definição de acordo com a Lei da Propriedade Industrial). O registro de Desenho Industrial é realizado junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Cultivar: pode ser definida como uma subdivisão de uma espécie agrícola que se distingue de outra por qualquer característica perfeitamente identificável, seja de ordem morfológica, fisiológica, bioquímica ou outras julgadas suficientes para sua identificação (definição dada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA). Em suma, cultivar é uma nova variedade de espécie vegetal geneticamente melhorada. No caso de cultivares, para sua comercialização é necessário registrá-las junto ao Registro Nacional de Cultivares (RNC). Entretanto, para a pessoa física ou jurídica que obtém as cultivares cobrar e receber royalties do licenciamento, as cultivares deverão estar protegidas no Serviço Nacional de Proteção de Cultivares (SNPC/MAPA). Programa de Computador: de acordo com a Organização Mundial de Propriedade Intelectual OMPI, Programa de Computador se refere a um conjunto de instruções que controla as operações de um computador para permitir que ele execute uma tarefa específica, como a armazenagem e a recuperação de informações. O registro de Programa de Computador é realizado junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). 3

4 2- Em contrapartida ao apoio técnico e financeiro da FAPEMIG concedido ao inventor independente, o mesmo deverá assinar um Contrato de Cotitularidade com a FAPEMIG (ver modelo) que definirá as obrigações e direitos do inventor independente e da FAPEMIG, estabelecendo a participação de cada parte no processo de proteção e manutenção da propriedade intelectual, assim como as responsabilidades das partes no que diz respeito à inserção da tecnologia no mercado. Quais serão os direitos da FAPEMIG a partir do momento em que for assinado um Contrato de Cotitularidade com o inventor independente? A FAPEMIG passará a ser cotitular da propriedade intelectual, na proporção a ser definida em cada caso, mediante negociação com o inventor independente. Essa participação na titularidade garantirá à FAPEMIG o direito de receber ganhos econômicos auferidos com a exploração comercial da criação protegida, de acordo com o percentual definido da titularidade. Quais serão os direitos do inventor independente a partir do momento em que for assinado um Contrato de Cotitularidade com a FAPEMIG? O inventor independente terá o seu pedido de proteção depositado no órgão competente pela proteção; o acompanhamento do mesmo ao longo da vigência legal da proteção; a execução dos trâmites necessários à manutenção da propriedade intelectual; e o pagamento de todas as taxas nacionais obrigatórias para a manutenção da propriedade intelectual. Quais serão as obrigações do inventor independente a partir do momento em que for assinado um Contrato de Cotitularidade com a FAPEMIG? O inventor independente assume a responsabilidade de inserir a propriedade intelectual no mercado. A princípio, essa responsabilidade não será compartilhada com a FAPEMIG. Ela é exclusiva do inventor independente. Entretanto, a FAPEMIG, quando julgar conveniente, poderá auxiliar o inventor independente no processo de inserir a propriedade intelectual no mercado. 4

5 Quais serão as obrigações da FAPEMIG a partir do momento em que for assinado um Contrato de Cotitularidade com o inventor independente? Auxiliá-lo na proteção de sua tecnologia, ajudando-o redigir os documentos necessários e preencher os formulários cabíveis. Pagar as taxas nacionais de proteção. Acompanhar a propriedade intelectual ao longo da sua vigência legal. 3- No caso do apoio da FAPEMIG à proteção internacional, este ocorrerá segundo a Deliberação da FAPEMIG n. 72/2013, obedecendo às mesmas regras para as Entidades de Ciência, Tecnologia e Inovação (ECTIs) apoiadas pela FAPEMIG. O inventor independente ao encaminhar solicitação de apoio à FAPEMIG para proteção internacional deverá encaminhar no prazo mínimo de 90 dias de antecedência, antes do encerramento do prazo legal para a efetivação da proteção via PCT - Patent Cooperation Treaty. A proteção internacional até a fase do PCT será feita sem custo para os inventores independentes e estará condicionada à apresentação do Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica da Tecnologia. O apoio da FAPEMIG nas fases nacionais estará condicionado ao estabelecimento de parceria com empresa para a produção e comercialização da propriedade intelectual. 4- Para a concessão do apoio aos inventores independentes, a FAPEMIG analisa a propriedade intelectual sob dois enfoques: a possibilidade de proteção junto aos órgãos competentes e o potencial mercadológico da tecnologia. Como se dá a análise sob o enfoque da possibilidade de proteção da propriedade intelectual por parte da FAPEMIG? A FAPEMIG ao receber o formulário devidamente preenchido e assinado pelo inventor independente, encaminhado, via correio, à Gerência de Propriedade Intelectual (GPI) da FAPEMIG, analisará o conteúdo das informações. O setor responsável por fazer essa análise inicial é o Departamento de Proteção Intelectual (DPI), vinculado à GPI. 5

6 Cabe ressaltar que o DPI, caso considere insuficientes as informações presentes no formulário de solicitação de apoio, contactará o inventor independente e solicitará maiores informações. De posse de todas as informações necessárias, o DPI iniciará sua análise. Quando a solicitação de apoio já apresenta um depósito de pedido de proteção efetivado junto a algum órgão competente, o DPI, primeiramente, verificará se o pedido de proteção foi realizado segundo as exigências legais, apresentando todas as informações obrigatórias para a concessão da proteção por parte do órgão responsável, como é o caso do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). Caso o DPI julgue que o pedido de proteção não atenda às exigências legais, o seu parecer será negativo, o qual será encaminhado à GPI e outras instâncias da FAPEMIG, se necessário, para análise. Havendo a concordância pelo indeferimento da solicitação, este será comunicado, via ofício, ao inventor independente. Naqueles casos em o DPI considerar que o pedido de proteção foi realizado atendendo às exigências legais, apresentando suficiência descritiva, ou nos casos em que o inventor independente ainda não efetivou o pedido de proteção, o DPI efetuará, quando envolver solicitação de apoio à invenção, a modelo de utilidade e a desenho industrial, buscas nos bancos de patentes e de desenhos industriais, nacional e internacionais, com intuito de comprovar se a tecnologia atende aos requisitos legais de proteção, a saber: - requisitos legais de proteção para uma invenção: novidade, atividade inventiva e aplicação industrial. De acordo com a Lei n /96 (Lei da Propriedade Industrial), uma invenção apresenta novidade quando não está compreendida no estado da técnica; apresenta atividade inventiva sempre que, para um técnico no assunto, não decorra de maneira evidente ou óbvia do estado da técnica e, por fim, é suscetível de aplicação industrial quando possa ser utilizada ou produzida em qualquer tipo de indústria. - requisitos legais de proteção para um modelo de utilidade: novidade, ato inventivo e aplicação industrial. De acordo com a Lei n /96 (Lei da Propriedade Industrial), um modelo de utilidade é novo quando não está compreendido no estado da técnica, apresenta ato inventivo sempre que, para um técnico no assunto, não decorra de maneira comum ou vulgar do estado da técnica e é suscetível de aplicação 6

7 industrial quando possa ser utilizado ou produzido em qualquer tipo de indústria. - requisitos legais de registro para um desenho industrial: novidade, originalidade e aplicação industrial. De acordo com a Lei n /96 (Lei da Propriedade Industrial), um desenho industrial é novo quando não está compreendido no estado da técnica, é original quando dele resulte uma configuração visual distintiva em relação a outros objetos anteriores e deve servir de tipo de fabricação industrial. Cabe salientar que haverá casos, dependendo da complexidade da tecnologia, que o DPI solicitará ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI) buscas nos bancos de patentes e de desenhos industriais. A partir do momento em que é tomada a decisão de solicitar esse tipo de busca junto ao INPI, o DPI solicitará o pagamento das taxas cabíveis ao processo perante o INPI, assim como preencherá os documentos obrigatórios, os quais serão protocolados no INPI sempre com o conhecimento e aval do inventor independente. De posse dos resultados das buscas, sejam as realizadas pela FAPEMIG ou as efetivadas pelo INPI, o DPI emitirá o seu parecer, o qual será positivo à medida que o referido Departamento verificar que a tecnologia atende aos requisitos legais da proteção. Caso contrário, o parecer será negativo. Observação: Quando os resultados das buscas não forem suficientes para que o DPI emita seu parecer, o Departamento poderá solicitar outros esclarecimentos por parte do inventor independente e/ou recorrer à consultoria de um especialista Ad hoc da área da tecnologia, quem analisará a propriedade intelectual, incluindo os resultados das buscas nos bancos de patentes e de desenhos industriais. Nesses casos, o DPI somente emitirá o seu parecer quando tiver em mãos os esclarecimentos do inventor independente e/ou quando tiver resposta do Ad hoc. Independente do conteúdo do parecer do DPI, este será encaminhado à Gerência de Propriedade Intelectual (GPI) e, se necessário, a outras instâncias da FAPEMIG, para análise. Em caso de indeferimento da solicitação, o inventor independente será comunicado via ofício. 7

8 Toda solicitação de apoio que atender favoravelmente aos requisitos da proteção, também será analisada sob o aspecto do potencial mercadológico da tecnologia. Como se dá a análise sob o enfoque do potencial mercadológico da propriedade intelectual por parte da FAPEMIG? A Gerência de Inovação (GIN), por meio do seu Departamento de Relações Empresariais (DRE), é o setor da FAPEMIG responsável por essa análise. Entre os pontos observados nesse enfoque estão: o estágio de desenvolvimento da tecnologia; a legislação que regulamenta a utilização da propriedade intelectual, quando for o caso; os produtos substitutos existentes para a tecnologia; a concorrência existente na área. Após análise, a GIN encaminhará parecer para o DPI/GPI. 5- Finalizadas as análises sob os aspectos legais da proteção da propriedade intelectual e do potencial mercadológico da tecnologia, será tomada a decisão final quanto ao deferimento ou indeferimento da solicitação de apoio do inventor independente. Ressalta-se que não há prazo definido para análise da solicitação de apoio à proteção intelectual. Cada caso é um caso. O prazo de análise dependerá da complexidade da tecnologia e da priorização da demanda. Não há como prever o andamento do processo, uma vez que o mesmo poderá envolver agentes externos à FAPEMIG, como é o caso do INPI e do consultor Ad hoc. No entanto, ressalta-se que a FAPEMIG adota o procedimento de sempre agilizar o processo. 8

Proteção da Propriedade Intelectual. Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio

Proteção da Propriedade Intelectual. Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Proteção da Propriedade Intelectual Prof. Dilson A. Bisognin, PhD. Depto. de Fitotecnia UFSM Sec. da Agricultura, Pecuária e Agronegócio Propriedade Intelectual Expressão genérica que corresponde ao direito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES)

REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) REGIMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO (INIT/UFES) Da caracterização, dos fins e dos objetivos Art. 1º. Este Regimento regulamenta a estrutura,

Leia mais

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas.

PATENTES E SUAS ETAPAS. Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. PATENTES E SUAS ETAPAS Antes de efetuado um depósito, recomendamos exame E BUSCA preliminar, para verificar se o pedido está de acordo com as normas. A busca de anterioridade não é obrigatória, mas é altamente

Leia mais

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB

MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB Anexo(5), da Port nº 26/2011, da SecCTM MARINHA DO BRASIL SECRETARIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIAE INOVAÇÃO DA MARINHA NORMAS PARA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NA MB 1 PROPÓSITO Estabelecer orientações

Leia mais

Gestão da Propriedade Industrial

Gestão da Propriedade Industrial Gestão da Propriedade Industrial ZEA DUQUE VIEIRA LUNA MAYERHOFF Rio de Janeiro Julho/2009 Sistema de Propriedade Intelectual Consiste em um conjunto de instrumentos importantes para o processo de Inovação:

Leia mais

INVENTOR INDEPENDENTE

INVENTOR INDEPENDENTE CONTRATO DE RECONHECIMENTO DE TITULARIDADE, DIREITOS E DEVERES SOBRE TECNOLOGIA QUE ENTRE SI CELEBRAM A FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA DO ESTADO DE MINAS GERAIS FAPEMIG E O INVENTOR INDEPENDENTE XXXXXXXXXXXXXXXXXXX.

Leia mais

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA PESQUISA E DESENVOLVIMENTO ICA 80-10 PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO 2013 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 16/2011

EDITAL FAPEMIG 16/2011 EDITAL FAPEMIG 16/2011 PROGRAMA ESTRUTURADOR REDE DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA MESTRES E DOUTORES A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais FAPEMIG, atendendo à orientação

Leia mais

PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE

PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE PATENTES E MODELOS DE UTILIDADE Existem mentes privilegiadas, capazes de inventar produtos ou processos que em muito têm contribuído para o progresso da humanidade. Falamos, por exemplo de um medicamento,

Leia mais

CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ

CESUMAR CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA (NIT) CAPÍTULO 1 Das Disposições Preliminares Art. 1 - As normas e diretrizes para a gestão da política de inovação, bem como de proteção à propriedade industrial

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 13/2010 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia

Leia mais

Brasília, agosto de 2005.

Brasília, agosto de 2005. Brasília, agosto de 2005. A Proteção Legal das Jóias As jóias podem ser protegidas, legalmente, por duas naturezas jurídicas: 1. Registro de Desenho Industrial O desenho industrial protege a forma nova

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Comissão Permanente de Propriedade Intelectual RESOLUÇÃO Nº 021/2007 DO CONSELHO SUPERIOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

Leia mais

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011

Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Resolução 158/Reitoria/Univates Lajeado, 23 de novembro de 2011 Estabelece a Política Institucional de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia do Centro Universitário UNIVATES O Reitor do

Leia mais

O Reitor em exercício da Universidade de Santa Cruz do Sul, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista a decisão do Conselho Universitário,

O Reitor em exercício da Universidade de Santa Cruz do Sul, no uso de suas atribuições legais, tendo em vista a decisão do Conselho Universitário, REITORIA RESOLUÇÃO Nº. 20, de 26 de maio de 2011. Dá nova redação à Resolução nº. 81, de 14 de dezembro de 2006, que estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual e Transferência

Leia mais

Cartilha do Inventor JUNHO DE 2012. NIT Mantiqueira

Cartilha do Inventor JUNHO DE 2012. NIT Mantiqueira Cartilha do Inventor JUNHO DE 2012 NIT Mantiqueira PREFÁCIO Ao longo dos últimos dois anos o atendimento àqueles que tomaram a iniciativa de solicitar pedidos de patente de invenção ou de registro de software

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM SAÚDE CAPÍTULO I DA CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto

Leia mais

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA

REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA REGULAMENTO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UTFPR CAPÍTULO I DA FINALIDADE E LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA Art. 1º O presente Regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades de propriedade intelectual

Leia mais

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz

Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Perguntas e respostas sobre patentes da Fiocruz Em que momento procurar a área de Patentes da Gestec? O pesquisador pode procurar a área de Patentes da Gestec através do Núcleo de Inovação Tecnológica

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU POLÍTICA INSTITUCIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DO INTA A propriedade intelectual abrange duas grandes áreas: Propriedade Industrial (patentes,

Leia mais

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLUÇÃO CS nº xx/2009 REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA RESOLVE: O Conselho Superior do Instituto Federal Farroupilha,

Leia mais

PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002

PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002 PORTARIA Nº 493 DE 27/02/2002 A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições, e considerando a Lei nº 9.279 de 14/05/96, que regula os direitos e obrigações relativos

Leia mais

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011.

RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. RESOLUÇÃO UNIV N o 31 DE 27 DE JULHO DE 2011. Aprova o novo Regulamento da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual da Universidade Estadual de Ponta Grossa, e revoga a Resolução UNIV n o 27, de 20

Leia mais

Resolução nº 02-07 CONSUNI

Resolução nº 02-07 CONSUNI Resolução nº 02-07 CONSUNI O Conselho Universitário da Universidade de Caxias do Sul UCS, no uso das suas atribuições estatutárias e regimentais, e considerando a Portaria n. º 170, de 15 de maio de 1998,

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS

EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS EDITAL FAPEMIG 13/2013 PROGRAMA DE APOIO À INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EM MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE TECNOVA MINAS GERAIS Objetivos da apresentação Exposição dos principais detalhes do edital,

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Maio / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014

RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 RESOLUÇÃO CONSU 018/2014 Estabelece as diretrizes da Política Institucional de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação da UEFS e dá outras providências. O Reitor da Universidade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE E DOS OBJETIVOS Art. 1 - O presente regulamento tem por finalidade regulamentar as atividades do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT)

Leia mais

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98)

Propriedade Industrial. (Lei 9.279/96) Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Propriedade Industrial Patentes (Lei 9.279/96) Invenção Modelo de Utilidade Desenho Industrial Marcas Direitos Autorais (Lei 9.610/98) Software (Lei n 9.609/98) Patentes Invenção/Modelo de Utilidade Proteção

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI

PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI PROPRIEDADE INTELECTUAL O Que é? Para Que Serve? Eduardo Winter Coordenador de Programas de Pós- Graduação e Pesquisa INPI Abril / 2011 Propriedade Intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT. Coordenadoria de Projetos e Inovação. Marcelo Gomes Cardoso

Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT. Coordenadoria de Projetos e Inovação. Marcelo Gomes Cardoso Núcleo de Inovação Tecnológica - NIT Coordenadoria de Projetos e Inovação Marcelo Gomes Cardoso Maio / 2013 Coordenadoria de Projetos e Inovação A Coordenadoria de Projetos e Inovação é um órgão suplementar

Leia mais

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO

CAPÍTULO II DO ESTÍMULO À CONSTRUÇÃO DE AMBIENTES ESPECIALIZADOS E COOPERATIVOS DE INOVAÇÃO LEI Nº 3095, de 17 de Novembro de 2006 DISPÕE sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo no âmbito do Estado do Amazonas, e dá outras providências O GOVERNADOR

Leia mais

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual

Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual Nota: O estudo deste módulo requer cerca de 02 horas. Módulo 2: Introdução à Propriedade Intelectual O que é Propriedade Intelectual? Você provavelmente sabe a resposta desta questão. Sabemos que o inventor

Leia mais

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são:

Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: Quais os requisitos de patenteabilidade? Os requisitos de patenteabilidade, previstos na Lei de Propriedade Industrial 9.279/96, são: (1) Novidade - a matéria objeto da pesquisa precisa ser nova, ou melhor,

Leia mais

Patentes absurdas. Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154)

Patentes absurdas. Escada spider para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Patentes absurdas Escada "spider" para a banheira. (Doughney Edward Thomas Patrick 1994 Nº Patente GB 2272154) Leia mais em: As patentes mais absurdas da história http://www.mdig.com.br/index.php?itemid=21894

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 06/2010 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS

SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Curitiba, 18 de março de 2015. 1 SELO ALIMENTOS DO PARANÁ INFORMAÇÕES GERAIS Sumário APRESENTAÇÃO... 3 JUSTIFICATIVAS E BENEFÍCIOS... 3 COMO OBTER O SELO...

Leia mais

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS

Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DIRETORIA DE RELAÇÕES EMPRESARIAIS E COMUNITÁRIAS Propriedade intelectual Câmpus Pato Branco NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA O que é a propriedade intelectual? A convenção da Organização Mundial da Propriedade Intelectual define como propriedade intelectual:

Leia mais

Dê-se ciência, publique-se, cumpra-se.

Dê-se ciência, publique-se, cumpra-se. RESOLUÇÃO Nº 034-CONSUP/IFAM, 22 de setembro de 2014. Que aprova o Regimento do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas. O Reitor Substituto

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL

PROPRIEDADE INTELECTUAL PROPRIEDADE INTELECTUAL RN-034/2014 Regulamenta os direitos sobre criações intelectuais resultantes de pesquisas apoiadas por instrumentos de fomento - auxílios e bolsas - disponibilizados pelo CNPq, a

Leia mais

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos

REDAÇÃO DE PATENTES. Parte I - Revisão de Conceitos REDAÇÃO DE PATENTES Parte I - Revisão de Conceitos Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos

Leia mais

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil

O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil O Sistema de Propriedade Intelectual no Brasil Propriedade intelectual É o conjunto de direitos que incidem sobre as criações do intelecto humano. Sistema criado para garantir a propriedade ou exclusividade

Leia mais

considerando a necessidade de regulamentar a propriedade intelectual da Unoesc;

considerando a necessidade de regulamentar a propriedade intelectual da Unoesc; RESOLUÇÃO Nº 213/CONSUN/2009. Define política e diretrizes para a gestão da Propriedade Intelectual no âmbito da Unoesc. O Conselho Universitário da Universidade do Oeste de Santa Catarina, no uso de suas

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 13 a 17 de abril de 2009 São João Del-Rei- MG OBJETIVO: Apresentar uma visão atualizada dos mecanismos de proteção

Leia mais

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente.

Figurativa: aquela constituída por desenho, figura ou qualquer forma estilizada de letra e número, isoladamente. MARCA O que é marca? É um sinal visualmente perceptível, usado para identificar e distinguir certos bens e serviços produzidos ou procedentes de uma específica pessoa ou empresa. As marcas podem ser: Nominativa:

Leia mais

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012

RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 RESOLUÇÃO N 49, DE 27 DE SETEMBRO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 33ª Reunião Ordinária, realizada no dia vinte e sete de setembro de 2012, no uso das atribuições

Leia mais

3. DOS ITENS FINANCIÁVEIS

3. DOS ITENS FINANCIÁVEIS EDITAL PROPPI Nº 011/2015 EDITAL DO INVENTOR: DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS INOVADORES COM GERAÇÃO DE PATENTES O Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação do Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

9.8 Toda comunicação eletrônica entre os proponentes e a empresa contratada deverá ocorrer com cópia para o NIT, através do e-mail nit@ifrs.edu.br.

9.8 Toda comunicação eletrônica entre os proponentes e a empresa contratada deverá ocorrer com cópia para o NIT, através do e-mail nit@ifrs.edu.br. EDITAL PROPPI Nº 013/2015 SELEÇÃO DE INVENÇÃO OU MODELO DE UTILIDADE PARA BUSCA DE ANTERIORIDADES E ESCRITA DE RELATÓRIO DESCRITIVO PARA ENCAMINHAMENTO DE PEDIDO DE PATENTE O Pró-Reitor de Pesquisa, Pós-Graduação

Leia mais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais

Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Formação do Engenheiro de Produção: Competências Acadêmicas e Profissionais Propriedade Intelectual e seu impacto nos programas de pós-graduação XVI ENCEP Encontro Nacional de Coordenadores de Cursos de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

RESOLUÇÃO CA Nº 011/2012

RESOLUÇÃO CA Nº 011/2012 RESOLUÇÃO CA Nº 011/2012 Dispõe sobre a regulamentação da propriedade intelectual no âmbito da Faculdade Independente do Nordeste - FAINOR O Presidente do Conselho Acadêmico, no uso de suas atribuições

Leia mais

Manual de Procedimentos. Volume 7 Área de Transferência e Tecnologia

Manual de Procedimentos. Volume 7 Área de Transferência e Tecnologia Manual de Procedimentos Volume 7 Área de Transferência e Tecnologia Índice Princípios Gerais... 3 Abreviaturas e Acrónimos... 4 Legislação Aplicável... 5 Mapa de Actualização do Documento... 6 Capítulo

Leia mais

Síntese para estudos sobre Propriedade Intelectual Níveis Técnico e Médio

Síntese para estudos sobre Propriedade Intelectual Níveis Técnico e Médio Síntese para estudos sobre Propriedade Intelectual Níveis Técnico e Médio MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO MCTI Subsecretaria de Coordenação das Unidades de Pesquisas SCUP Arranjo de Núcleos

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007

CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 CHAMADA PÚBLICA MEC/MDIC/MCT 01/2007 O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC, O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC e o MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA - MCT, tornam público e

Leia mais

Inovação da Ideia ao Mercado

Inovação da Ideia ao Mercado Inovação da Ideia ao Mercado Como proteger minha Inovação 26.05.2015 AHK-SP Henrique Steuer I. de Mello henrique@dannemann.com.br dannemann.com.br 2013 2013 Dannemann Dannemann Siemsen. Siemsen. Todos

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 10.09.2014 Henrique Frizzo 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação Lei 10.973/2004 - Lei de Inovação:

Leia mais

Propriedade Intelectual e Patentes

Propriedade Intelectual e Patentes Propriedade Intelectual e Patentes Ernani Souza Jr. Redator de Patentes NUPITEC - CDT/UnB Patentes http://www.forbes.com/sites/timworstall/2013/02/10/apples-winning-the-samsung-patent-battles-and-losing-the-war/

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Patentes Conceitos Básicos

Patentes Conceitos Básicos Patentes Conceitos Básicos O que é patente O que é patenteável O que não é patenteável Como é um documento de patente Como definir o escopo de proteção Como é o processo de patenteamento 2014 www.axonal.com.br

Leia mais

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 65 DOE de 08/04/08

Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 65 DOE de 08/04/08 Diário Oficial Estado de São Paulo Poder Executivo Seção I Palácio dos Bandeirantes Av. Morumbi, 4.500 - Morumbi - CEP 05698-900 - Fone: 3745-3344 Nº 65 DOE de 08/04/08 COORDENADORIA DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual

Proteção do Conhecimento da Embrapa Milho e Sorgo por meio da Propriedade Intelectual O que é a Propriedade Intelectual A Propriedade Intelectual é o mecanismo que visa proteger a propriedade sobre o conhecimento, fruto da inteligência e do talento humano. Divide-se tradicionalmente em

Leia mais

CARTILHA DE PI DO CADUCEUS

CARTILHA DE PI DO CADUCEUS CARTILHA DE PI DO CADUCEUS SUAS IDEIAS PODEM SER VALIOSAS! Vivemos hoje no mundo da informação e do conhecimento, onde o crescimento e a sustentação de qualquer indústria são sobretudo determinados por

Leia mais

VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES

VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES VIOLAÇÕES DE PATENTES E DESENHOS INDUSTRIAIS NO BRASIL E O SISTEMA INTERNACIONAL DE PATENTES MILTON LEÃO BARCELLOS & CIA. LTDA. PROPRIEDADE INTELECTUAL DESDE 1957 Milton Lucídio Leão Barcellos Advogado

Leia mais

Coordenadoria de Propriedade Intelectual da Secretaria de Negócios

Coordenadoria de Propriedade Intelectual da Secretaria de Negócios Coordenadoria de Propriedade Intelectual da Secretaria de Negócios Coordenadoria de Propriedade Intelectual Apresentação dos Analistas Processo Interno O que fazemos Gestão do processo de acesso, coleta

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO 15º PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO 15º PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL DO PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NO 15º PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA De ordem da Sra. Juliana Salvador Ferreira de Mello, Vice-reitora do Centro Universitário Newton

Leia mais

PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998

PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998 PORTARIA Nº 3064, de 5 de novembro de 1998 A REITORA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL, no uso de suas atribuições e tendo em vista o que consta no Programa Tecnológico, que integra o Plano

Leia mais

PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL. Profa. Dra. Suzana Leitão Russo

PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL. Profa. Dra. Suzana Leitão Russo PROPRIEDADE INTELECTUAL DESENHO INDUSTRIAL Profa. Dra. Suzana Leitão Russo DESENHO OU MODELO INDUSTRIAL Concepção funcional-estética de um produto, possível de reprodução em série, industrialmente. Vigência:10

Leia mais

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo.

Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. 1. Registo Os direitos da propriedade industrial adquirem-se mediante o seu registo. O registo das modalidades da Propriedade Industrial, compete a todos operadores das actividades económicas que nisso

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 005, DE 04 DE FEVEREIRO DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 005, DE 04 DE FEVEREIRO DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 005, DE 04 DE FEVEREIRO DE 2011 Aprova EMENTA: Dispõe sobre a política de inovação tecnológica

Leia mais

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010

DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 DECRETO LEGISLATIVO Nº 489 DE 16 DE NOVEMBRO DE 2010 Autoriza o Poder Executivo Estadual adotar medidas de incentivo à inovação tecnológica no Estado de Mato Grosso do Sul e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou, e eu, em seu nome, promulgo a seguinte Lei:

O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou, e eu, em seu nome, promulgo a seguinte Lei: Governador do Estado LEI Nº 17.348, DE 17 DE JANEIRO DE 2008. Dispõe sobre o incentivo à inovação tecnológica no Estado. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus

Leia mais

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade

ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade A A protecção das invenções ões Instituto Nacional da Propriedade Industrial Departamento de Patentes e Modelos de Utilidade 1 A protecção das invenções Sumário rio: 1. Modalidades de protecção 2. O que

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.196, DE 13 DE JULHO DE 2009. (publicada no DOE nº 132, de 14 de julho de 2009) Estabelece medidas de incentivo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 SECRETARIA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO N 182 CEPEX/2006 APROVA A ALTERAÇÃO DA SIGLA DO NÚCLEO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E O SEU REGIMENTO O Reitor e Presidente do CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

CARGA HORÁRIA: 40 horas QUADRO DE HORÁRIOS. Segunda 05/04. Terça 06/04. Quarta 07/04. Quinta 08/04. Sexta 09/04. Horário.

CARGA HORÁRIA: 40 horas QUADRO DE HORÁRIOS. Segunda 05/04. Terça 06/04. Quarta 07/04. Quinta 08/04. Sexta 09/04. Horário. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO CURSO BÁSICO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL PARA GESTORES DE TECNOLOGIA 05 a 09 de abril de 2010 Centro de Treinamento do INPI- Praça Mauá, 07/ 10 o andar, RJ Informações: cursos@inpi.gov.br

Leia mais

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I

CAPES COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR Anexo I Portaria nº 028, de 27 de janeiro de 2010. Anexo I Anexo I REGULAMENTO DA CONCESSÃO DO AUXÍLIO FINANCEIRO A PROJETO EDUCACIONAL E DE PESQUISA - AUXPE 1. Da Concessão e Aceitação 1.1 A solicitação e concessão de recursos financeiros dar-se-á mediante celebração

Leia mais

Inovação tecnológica e empreendedorismo:

Inovação tecnológica e empreendedorismo: Inovação tecnológica e empreendedorismo: Ciência, desenvolvimento tecnológico, proteção industrial e geração de novos negócios Prof. Dr. Cleber Gustavo Dias 22/09/2015 Programação da oficina 1. Relações

Leia mais

APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS EDITAL Nº001/2015 - APEC

APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS EDITAL Nº001/2015 - APEC APOIO A PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS EDITAL Nº001/2015 - APEC O Governo do Estado do Maranhão e a Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTEC), por meio da Fundação de Amparo

Leia mais

EDITAL FAPEMIG 18/2007 PROGRAMA USO MÚLTIPLO DE FLORESTAS RENOVÁVEIS

EDITAL FAPEMIG 18/2007 PROGRAMA USO MÚLTIPLO DE FLORESTAS RENOVÁVEIS EDITAL FAPEMIG 18/2007 PROGRAMA USO MÚLTIPLO DE FLORESTAS RENOVÁVEIS USO MÚLTIPLO DA MADEIRA VISANDO A ESTRUTURAÇÃO E LANÇAMENTO DO PÓLO DE EXCELÊNCIA EM FLORESTAS RENOVÁVEIS. A Fundação de Amparo à Pesquisa

Leia mais

Eduardo Magalhães Machado 26/11/2002

Eduardo Magalhães Machado 26/11/2002 Montaury Pimenta, Machado & Lioce - Rio de Janeiro - RJ - BR 1º SEMINÁRIO DE MARCAS DO SUL DO BRASIL IMPORTÂNCIA DA PROTEÇÃO DA PROPRIEDADE INTELECTUAL NO BRASIL E EXTERIOR Eduardo Magalhães Machado 26/11/2002

Leia mais

Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR

Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR Curso Geral Módulo EaD DL 101P BR OBJETIVO: Apresentar uma visão atualizada dos mecanismos de proteção das criações intelectuais, enfocando o arcabouço legal brasileiro e as atribuições do INPI. CARGA

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Manual do Usuário SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 INTRODUÇÃO 4 ACESSO AO SISTEMA 5 CADASTRO 6 1 Identificação da ICT 6 2 Política

Leia mais

23/04/2015. e revolucionaram a vida humana na terra. Pesquisa & Inovação: pilares de riqueza e soberania das nações; INTELECTUAL DA UNESP

23/04/2015. e revolucionaram a vida humana na terra. Pesquisa & Inovação: pilares de riqueza e soberania das nações; INTELECTUAL DA UNESP WORKSHOP Extensão Universitária, Inovação Tecnológica e Desenvolvimento Regional AUIN, CONSTRUINDO AS BASES DA PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNESP VANDERLAN DA S. BOLZANI Instituto de Química, Araraquara

Leia mais

PATENTES - CURSO BÁSICO

PATENTES - CURSO BÁSICO PATENTES - CURSO BÁSICO Maria Fernanda Paresqui Corrêa 1 Juliana Manasfi Figueiredo 2 Pesquisadoras em Propriedade Industrial 1 DIALP - Divisão de Alimentos, Plantas e Correlatos 2 DIMOL - Divisão de Biologia

Leia mais

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos.

Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. Visão Geral da Lei de Inovação: Avanços e Desafios após 10 anos. 12.08.2015 Henrique Frizzo 2015 Trench, Rossi e Watanabe Advogados 1 Conceitos Gerais da Lei de Inovação Conceitos Gerais da Lei de Inovação

Leia mais

POLÍTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA (RNP)

POLÍTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA (RNP) REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA (RNP) MOTIVAÇÃO A Lei de Inovação federal, Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, regulamentada pelo Decreto nº 5.563 de 11 de outubro de 2005, estabelece medidas de

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho

Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho Núcleo de Inovação Tecnológica Campus Muzambinho Líder: Gustavo Rabelo Botrel Miranda Vice-líder: Paulo Sérgio de Souza 1º Tesoureiro: Gustavo José da Silva 2º Tesoureiro: Hugo Baldan Júnior 1º Secretário:

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA CONHECIMENTO DE INVENÇÃO

QUESTIONÁRIO PARA CONHECIMENTO DE INVENÇÃO QUESTIONÁRIO PARA CONHECIMENTO DE INVENÇÃO Dados referentes ao(s) inventor(es)/autor(es): Inventor responsável pelo preenchimento e envio* Nome: Unidade: E-mail: Data: Campos de preenchimento exclusivo

Leia mais

MANUAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL

MANUAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL MANUAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL ANEXO I Política de Inovação Tecnológica da Universidade Federal de Pelotas Aprovado pela Resolução CONSUN nº Coordenação de Inovação Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa

Leia mais

Regulamento de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia Planejamento do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais CNPEM

Regulamento de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia Planejamento do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais CNPEM Regulamento de Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia Planejamento do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais CNPEM Aprovado na 66ª Reunião do Conselho de Administração, em 29/08/2013.

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação Manual do Usuário SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 3 ACESSO AO SISTEMA 4 CADASTRO 6 1 Identificação da ICT 6 2 Política

Leia mais

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES

COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES COMO PROTEGER SUA INVENÇÃO NO BRASIL UTILIZANDO AS PATENTES Dr Rockfeller Maciel Peçanha Conselheiro e Diretor do CREA-RJ Esta apresentação é de responsabilidade do autor não refletindo necessariamente

Leia mais

2.1.1 Preenchimento do formulário de inscrição. Deve ser preenchido de forma a contemplar as etapas a seguir:

2.1.1 Preenchimento do formulário de inscrição. Deve ser preenchido de forma a contemplar as etapas a seguir: EDITAL PIBITI Nº 041/2013 Goiânia, 26 de dezembro de 2013. A Universidade Federal de Goiás por intermédio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós- Graduação torna público o presente edital e convida os interessados

Leia mais

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008

Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 DOE 20/06/2008, Seção I, Pág. 1/3 Lei Complementar LEI COMPLEMENTAR Nº 1049, DE 19 DE JUNHO DE 2008 Dispõe sobre medidas de incentivo à inovação tecnológica, à pesquisa científica e tecnológica, ao desenvolvimento

Leia mais

EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ

EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ EDITAL Nº 135 /2010 DE 22 DE NOVEMBRO DE 2010 SELEÇÃO DE NOVOS EMPREENDIMENTOS PARA INSTALAÇÃO NA INCUBADORA DE EMPRESAS DO CEFET- MG NASCENTE ARAXÁ O DIRETOR-GERAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

Núcleo de Inovação Tecnológica

Núcleo de Inovação Tecnológica UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Fepagro em Foco Estruturação de NITs Porto Alegre, 07 de novembro de 2012 Núcleo de Inovação Tecnológica É o orgão integrante da estrutura da ICT com a finalidade

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CAPÍTULO I DA CATEGORIA Art. 1 O Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT) é o órgão responsável por gerir a política de inovação adotada pelo Instituto Federal

Leia mais