O CONSUMIDOR NAS RELAÇÕES DE CONSUMO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CONSUMIDOR NAS RELAÇÕES DE CONSUMO."

Transcrição

1 O CONSUMIDOR NAS RELAÇÕES DE CONSUMO. 1. Características da relação de consumo. 2. Definições de consumidor. 2.1 Consumidor real, art. 2º, caput da lei nº 8078/ Consumidor equiparado, art. 2º, parágrafo único, da lei nº 8078/ Consumidor equiparado, art. 17 da lei nº 8078/ Consumidor equiparado, art. 29 da lei nº 8078/ Conclusão. 1. Características da relação de consumo. Arthur Luis Mendonça Rollo, Mestre e Doutorando em Direitos Difusos e Coletivos pela PUC/SP, Professor Titular da Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo, Advogado. Passou a ser necessária uma legislação de consumo a partir da massificação da produção e da prestação dos serviços. Antes da revolução industrial, as relações eram diretas entre os artesãos e os consumidores, sem intermediários. A produção de massa inseriu diversos intermediários entre o fornecedor e o consumidor, eliminando o contato direto que antes havia. Além do consumidor ter ficado sem saber para quem reclamar, os esclarecimentos sobre o funcionamento dos produtos e serviços deixaram de ser dados, provocando uma série de problemas. O aumento da produção diminuiu o preço dos produtos, fazendo com que diminuísse a importância de cada consumidor. Na pequena produção do artesão o lucro obtido na venda de cada produto era maior. Consequentemente, cada consumidor perdido significava diminuição considerável do lucro. Na produção em larga escala, o consumidor perdeu importância, porque o fator determinante do lucro passou a ser a quantidade. O lucro obtido em cada produto deixou de ter tanta importância. A perda da importância individual do consumidor levou o fornecedor a impor no mercado as regras. Surgiram os contratos de adesão, com cláusulas pré-definidas, que deveriam ser integralmente aceitas ou recusadas pelo consumidor. O consumidor que deixasse de contratar deixava também de atender a uma necessidade sua. Já o fornecedor que deixasse de contratar perdia apenas um consumidor, sendo que o lucro continuava garantido pelos demais consumidores. Essa disparidade de forças tornou necessária uma legislação específica de consumo, uma vez que as regras do direito civil não serviam para enfrentar essa nova realidade. A relação de consumo, portanto, parte de uma desigualdade: o fornecedor impõe as regras e o consumidor tem que aceitar, sob pena de não se satisfazer. A Constituição Federal reconhece expressamente essa vulnerabilidade no art. 5º, XXXII, quando afirma que o Estado promoverá a defesa do consumidor e no art. 48 do ADCT, que determina a elaboração do Código de Defesa do Consumidor. 1

2 A característica marcante da relação de consumo é a vulnerabilidade do consumidor, que a identifica como relação desigual. A legislação de consumo vem para tentar restabelecer a isonomia, estabelecendo instrumentos de direito material e processual, que visam aparelhar o consumidor para que ele possa ter dignidade no mercado. Essa vulnerabilidade ocorre, em regra, nos aspectos técnico, patrimonial e jurídico. A vulnerabilidade técnica existirá toda a vez que o consumidor não conhecer o funcionamento do produto, a sua forma de produção, de armazenamento, de comercialização, etc.. O fornecedor conhece seus produtos e serviços como ninguém, porque escolheu aquela atividade para desempenhar visando o lucro, ao passo que o consumidor, como regra, compra sem saber as dificuldades e os problemas que aquele produto ou serviço podem acarretar. A vulnerabilidade patrimonial significa que, também como regra, o fornecedor tem melhores condições econômicas do que o consumidor. Isso faz com que o fornecedor suporte as conseqüências de um produto ou serviço, defeituoso ou viciado, de forma muito mais adequada do que o consumidor. Já a vulnerabilidade jurídica significa que, quase sempre, o fornecedor tem estrutura jurídica própria ou condições econômicas para contratar escritórios especializados, enquanto que o consumidor, muitas vezes, não sabe a quem recorrer quando é prejudicado. Quando o consumidor possui a vulnerabilidade técnica, o que, ainda que seja o mais comum, pode não ocorrer no caso concreto, está presente a figura jurídica da hipossuficiência. Hipossuficiente é o consumidor que tem a sua vulnerabilidade, que é de todo e qualquer consumidor por presunção constitucional jure et de jure, exacerbada pelo desconhecimento técnico do produto ou serviço que está sendo adquirido. É nesse prisma, de vulnerabilidade e de hipossuficiência, que surge a relação de consumo. A aplicação do direito do consumidor é absolutamente necessária nesse tipo de relação, sob pena do consumidor sofrer ainda mais no mercado de consumo. De outro lado, a aplicação da legislação de consumo às relações de direito civil ou comercial, desequilibrará relações iguais, onerando sobremaneira um dos contratantes. É por isso, para restabelecer a isonomia quando ela não existe e para deixar de afetá-la quando está presente, que é necessária a perfeita identificação do consumidor, uma vez que deixar de aplicar a Lei nº 8078/90 em relações de consumo ou aplicá-la em outros tipos de relação configura, antes de mais nada, injustiça. Na relação de consumo, que tem de um lado o consumidor e de outro o fornecedor, que têm entre si produto e serviço, ou apenas um deles, é imperioso determinar rigorosamente os sujeitos e os objetos. Sem dúvida alguma, tarefa das mais espinhosas é identificar o consumidor, objetivo das nossas considerações. 2. Definições de consumidor. 2

3 A lei nº 8078/90 buscou colocar número significativo de pessoas sob a sua proteção. Para tanto, além de definir o consumidor real no art. 2º, caput, equiparou diversas pessoas aos consumidores, como se depreende da redação do art. 2º, parágrafo único, do art. 17 e do art. 29. Parte-se do consumidor individualizado e concreto, para os consumidores equiparados que, inclusive, não precisam ser identificados para ser protegidos. O art. 29 dessa lei resguarda um universo difuso de consumidores, que merecerão proteção pelo simples fato de estarem expostos às práticas comerciais dos fornecedores. O objetivo da lei nº 8078/90 foi o de proteger o maior número possível de pessoas. 2.1 Consumidor real, art. 2º, caput da lei nº 8078/90. O consumidor real, segundo a definição legal, é toda a pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final.. Pode-se afirmar, com segurança, que toda a pessoa física é consumidora. Ninguém pode estar vivo e não consumir. Ainda que umas pessoas consumam mais do que as outras, mesmo aquela pessoa socialmente mais inferiorizada consome. Certamente maior será o consumo daqueles que têm atendido o piso vital mínimo, estabelecido pelo art. 6º da Constituição Federal. Quem não tem educação, saúde, trabalho, moradia, lazer, etc. não consegue exercer plenamente o consumo. Entretanto, mesmo aqueles que não têm esse mínimo atendido acabam consumindo, porque se utilizam dos serviços do Estado ou mesmo porque conseguem algum dinheiro para prover seu sustento, o que resulta em consumo, ainda que mínimo. A proteção da lei é maior para as pessoas físicas, mas as pessoas jurídicas também são consideradas consumidoras. Desde a multinacional até a microempresa podem ser consideradas consumidoras, pouco importando, inclusive, sua nacionalidade, conquanto que tenham consumido no Brasil. Tanto no caso das pessoas físicas quanto das jurídicas, o fator determinante da relação de consumo será a vulnerabilidade, ou seja, a ausência do poder de barganha, a sujeição integral às regras e até aos caprichos do fornecedor. Consumidor também não é só aquele que adquire como também aquele que utiliza o produto ou serviço. Quem não comprou mas utilizou ou ingeriu o produto adquirido será consumidor. Quem não comprou mas usufruiu do serviço adquirido será consumidor. O maior dilema referente à identificação do consumidor está na determinação de quem é destinatário final segundo o código. Parece que o legislador preocupou-se com a retirada do produto da cadeia produtiva, o que significa que só será consumidor aquele que adquirir o produto ou serviço para utilização pessoal, sem reaplicá-lo na cadeia produtiva. Essa questão, entretanto, não é nada simples, como veremos. 3

4 Surgiram na doutrina estrangeira duas correntes, que tentaram aclarar a questão: a dos finalistas e a dos maximalistas. Para os finalistas, em princípio, deveria ser dada a interpretação mais restrita à expressão destinatário final. Só seriam destinatários finais aqueles que não utilizassem, DE FORMA ALGUMA, o bem na sua atividade. O simples emprego do bem na atividade, qualquer que fosse a sua utilidade, descartava a relação de consumo. Só seria consumidor, então, aquele que adquirisse produtos e serviços para seu uso pessoal ou para uso da família e dos amigos. O pensamento dos finalistas evoluiu na direção do pensamento francês e belga, passando a admitir como consumidores aqueles que não exploram economicamente o bem adquirido. No atual estágio da corrente finalista, o que importa é saber se o produto ou serviço adquirido é absolutamente indispensável à atividade desenvolvida. Se a resposta a essa pergunta for positiva, estará descartada a relação de consumo. Traduzindo em exemplos, uma fábrica que compra máquinas para a sua produção não será considerada consumidora, porque os bens adquiridos são indispensáveis à sua atividade. Já essa mesma fábrica, quando realiza a dedetização de suas instalações, será considerada consumidora, porque, ainda que o serviço não fosse realizado, não estaria prejudicada a atividade da empresa. Muito embora grande parte dos doutrinadores endosse essa corrente, existem situações extremas em que a sua aplicação representa injustiça. Quando o proprietário de uma pequena venda dirige-se até um hipermercado para adquirir produtos em promoção para revendê-los, ele o faz nas exatas mesmas condições do consumidor comum, porque não terá qualquer vantagem e, não obstante isso, pelo fato de revender os produtos que vier a adquirir e ser essa revenda indispensável à sua sobrevivência enquanto comerciante, estará afastada, segundo os finalistas, a relação de consumo. Segundo os maximalistas, deve ser dada uma interpretação mais ampla à expressão destinatário final, uma vez que a Lei nº 8078/90 tem por objetivo regular o mercado de consumo e não apenas proteger o consumidor não profissional. Para eles, o enquadramento do adquirente do produto ou do serviço como consumidor deve ser o mais amplo possível, para abranger todos aqueles que consomem, ou seja, transformam o produto ou serviço adquirido, ainda que essa transformação ocorra visando a sua recolocação no mercado. Isso significa que a fábrica que adquire a máquina para a produção será considerada consumidora pela corrente maximalista. De outra parte, não poderá invocar a lei nº 8078/90 o proprietário da pequena venda do exemplo anterior. A aplicação dessa corrente, como se percebe, redundará na proteção de uma fábrica que adquire máquinas para a sua produção, deixando desprotegido aquele que adquire produtos sem qualquer vantagem e plenamente sujeito às determinações e regras impostas pelo fornecedor. 4

5 Isso, data venia, nos parece absurdo, pelo que negamos veementemente a aplicação dessa teoria na identificação do consumidor. Posição digna de nota também é a de Luiz Antonio Rizzato Nunes 1 que requer a identificação dos bens típicos de produção que são aqueles necessariamente destinados à produção e que não podem, ordinariamente, ser adquiridos pelo consumidor comum. Um dos exemplos que o autor referido cita é o da compra de uma usina de álcool. Segundo ele não se compram usinas para produção de álcool em lojas de departamentos, o que descarta a relação de consumo. Toda a vez que for adquirido um bem típico de produção estará descartada a relação de consumo. Via de conseqüência, se o bem adquirido no mercado puder ser utilizado como de consumo ou de produção, como uma máquina de escrever, que pode ser utilizada em casa ou no trabalho, estará caracterizada a relação de consumo. Entretanto, a nosso ver, essa opinião também comporta algumas distorções. Para fazer a crítica, destacamos trecho em que o autor citado expõe sua opinião: No entanto, pode acontecer e ocorre mesmo, na realidade de um produto ser típico de produção e ser adquirido por um consumidor para seu uso pessoal. É o exemplo de um grande avião, digamos, um Boeing 737. Não há dúvida de que esse avião é típico de produção, (utilizado no transporte comercial de cargas e passageiros), porém há milionário que o adquire para seu uso pessoal. Nessa hipótese, temos de aplicar, pela via de exceção, a regra geral do destinatário final consumidor. É que, no caso, atuando como comprador-consumidor que quer o bem para uso próprio, mesmo que ele não tenha sido planejado, projetado e montado para o fim de consumo, foi vendido e adquirido para tal. Daí, nessa relação jurídica específica também incidem as regras da Lei nº 8.078/90. Verifica-se que o exemplo acima cuidou de descartar a importância da identificação dos bens típicos de produção. Isso porque, segundo o autor, mesmo o bem típico de produção, quando adquirido excepcionalmente por uma pessoa física para uso próprio, poderá definir a relação de consumo. Luiz Antonio Rizzatto Nunes também ressalta, na mesma obra, que a responsabilidade do fornecedor poderá ser limitada, nos termos do art. 51, I da lei nº 8078/90, segunda parte, quando o porte da venda e da pessoa jurídica permitir uma melhor negociação. João Batista de Almeida 2, afirma ser indispensável para determinar quem é destinatário final perquirir a ausência de finalidade de intermediação ou revenda. 1 Curso de direito do consumidor: com exercícios, São Paulo: Saraiva, 2004, p A proteção jurídica do consumidor, 2. ed. Ver., São Paulo: Saraiva, 2000, p

6 Posição mais sólida, a nosso ver, é a de Cláudia Lima Marques e outros 3, para quem o que importa é verificar a existência ou não do desequilíbrio de força entre os contratantes, já que o:... desequilíbrio fático de forças nas relações de consumo é a justificação para um tratamento desequilibrado e desigual dos co-contratantes, protegendo o direito daquele que está na posição mais fraca, o vulnerável, o que é desigual fática e juridicamente.. Como visto, só se justifica a aplicação da lei nº 8078/90 quando existe o desequilíbrio de forças, ou seja, a sujeição inconteste de um às regras impostas pelo outro. Essa sujeição é a vulnerabilidade que, necessariamente, deve estar presente em toda e qualquer relação de consumo. Se não há vulnerabilidade não há relação de consumo, o que significa que o sujeito da relação só poderá ser identificado como consumidor se for vulnerável. O que importará, portanto, no caso do milionário que compra um Boeing 737 é se ele será vulnerável, no caso concreto. A nós parece impossível reconhecer essa vulnerabilidade, na medida em que repercutirá sensivelmente no lucro da empresa a não realização da venda de um avião desse porte. Talvez a repercussão não seja a mesma no caso de uma aeronave de porte menor, como um jato executivo. A aquisição de bens estranhos ao padrão regular de consumo, no nosso entender, quase sempre vem acompanhada do poder de negociação que, se existir, descartará a relação de consumo ou atenuará a responsabilidade do fornecedor, nos termos do art. 51, I da lei nº 8078/90. Sem falar também que não é desmedido pensar que o poder patrimonial, que está presente nessas compras fora do padrão regular de consumo, tem o condão de atenuar a vulnerabilidade técnica, na medida em que permite que o adquirente se faça assessorar por pessoa qualificada para avaliar a segurança daquela aquisição. A ausência do poder de negociação, de outra parte, justifica o enquadramento do proprietário da pequena venda, do exemplo anteriormente citado, como consumidor, corrigindo as anomalias das correntes doutrinárias criticadas. Por isso se diz que não há como identificar o consumidor sem analisar as circunstâncias do caso concreto. De qualquer forma, não nos parece adequado aplicar a lei nº 8078/90 a uma relação em que um milionário adquire um Boeing 737. Não entendemos tenha o legislador pretendido estender a aplicação dessa lei a esse tipo de situação. Para uma loja deixar de vender uma calça jeans, em razão da solicitação de desconto por parte do consumidor, não fará diferença, o que significa que se este deixar de comprar não afetará o fornecedor, mas deixará de satisfazer a sua necessidade. De outro lado, a fábrica certamente terá receio de deixar de vender um bem de grande porte, como um Boeing 737, que não é vendido em grande quantidade. 3 Comentários ao código de defesa do consumidor: art. 1º a 74: aspectos materiais, São Paulo: Editora Revista dos Tribunais,

7 O custo elevadíssimo de certos produtos, que os torna inacessíveis a quase toda a população, assemelha-se à época anterior à revolução industrial, em que os artesãos tinham muito lucro em cada produto. O lucro da fábrica na venda de cada um desses produtos, justifica a abertura de ampla negociação para o adquirente que, se não ficar satisfeito com as condições oferecidas, dirigir-se-á a outra fábrica, impactando aquele fornecedor que deixou de vender. O enquadramento do consumidor depende assim, substancialmente, da presença vulnerabilidade, caracterizada na ausência de poder de negociação. Se houver poder de negociação amplo, a nosso ver, estará descaracterizada a relação de consumo, que é imposta aos consumidores para mera aceitação. Cumpre notar que, sendo possível o enquadramento do consumidor no art. 2º, caput, da lei 8078/90, estará descartada a aplicação das definições de consumidor por equiparação. Não há porque equiparar diante do consumidor real. 2.2 Consumidor equiparado, art. 2º, parágrafo único, da lei nº 8078/90. O art. 2º, parágrafo único da lei nº 8078/90 equipara a consumidores a coletividade de pessoas que, ainda que não possa ser identificada, tenha, de alguma forma, participado da relação de consumo. Enquadra a coletividade de pessoas, DETERMINÁVEL OU NÃO, QUE NÃO SOFRA DANOS. Se estivermos diante de danos, aplicar-se-á o conceito do art. 17 do CDC, posto que estarão as pessoas lesadas enquadradas como vítimas do evento. Essa regra destina-se à tutela coletiva dos interesses dos consumidores nos casos, por exemplo, de colocação no mercado de produtos ou serviços que exponham a perigo a saúde do consumidor. Das quatro definições de consumidor, é esta a que comporta menor aplicação prática. 2.3 Consumidor equiparado, art. 17 da lei nº 8078/90. O art. 17 do CDC equipara aos consumidores as vítimas do acidente de consumo. Acidentes de consumo são os eventos danosos decorrentes das relações de consumo. Haverá acidente de consumo toda a vez que ocorrerem danos que ultrapassem a esfera do produto ou serviço, ou seja, características que não se limitem a torná-los impróprios ao consumo, inadequados ao consumo, a diminuírem o seu valor ou a implicarem em disparidade com a oferta, informação, etc.. O acidente de consumo caracteriza-se pela ocorrência de danos patrimoniais e morais, que não se circunscrevem a essas características descritas, que definem o vício. O acidente de consumo está ligado à idéia de defeito, que é provocado pelo não funcionamento, total ou parcial, do produto ou serviço ou por alguma característica que frustra as legítimas 7

8 expectativas do consumidor, causando-lhe dano de maior monta como, por exemplo, abalos psicológicos injustos e desproporcionais. Aquele que foi lesado pela abertura de conta corrente com documentos extraviados, muito embora não tenha contratado com o banco, será considerado consumidor nos termos desse artigo, por exemplo. As vítimas terrestres da queda de um avião, que não adquiriram a passagem e que não usufruíram da prestação de serviço, são consideradas consumidoras também nos termos desse artigo. 2.4 Consumidor equiparado, art. 29 da lei nº 8078/90. O capítulo V do CDC, que trata das práticas comerciais, equipara a consumidores todas as pessoas que, mesmo que não possam ser identificadas, foram ou estão expostas às práticas comerciais nele previstas. Práticas comerciais são todas as ações do fornecedor tendentes, direta ou indiretamente, à comercialização de produtos e serviços. Quase tudo o que o fornecedor faz pode ser definido como prática comercial, na medida em que o armazenamento, o transporte, o marketing, por exemplo, tendem, ainda que indiretamente, ao escoamento da produção. Rol exemplificativo de práticas comerciais abusivas está descrito no art. 39 da lei nº 8078/90. A doutrina afirma tratar-se da definição difusa de consumidor, uma vez que todo o mundo está, em tese, sujeito às inúmeras práticas comerciais. Cumpre notar que esse dispositivo destina-se também à defesa coletiva, notadamente em função da veiculação de técnicas de marketing, e não exige a identificação de um consumidor concreto sequer e, tampouco, o prejuízo. A simples exposição e o risco são suficientes para desencadear a aplicação deste dispositivo. 3. Conclusão. Muito embora o legislador tenha tentado abarcar o maior número de pessoas possível e tenha buscado definir com precisão a importante figura do consumidor, é muito difícil, na prática, identificar o consumidor. As inúmeras posições doutrinárias a respeito prestam-se, muitas vezes, a interpretações antagônicas e não atendem ao objetivo do legislador, que foi o de simplificar e não o de complicar. O fundamental no enquadramento do consumidor é perquirir acerca da vulnerabilidade, representada na ausência de poder de barganha. Ausente a vulnerabilidade estará descartada, a nosso ver, a relação de consumo. Nos casos em que esta vulnerabilidade for atenuada por alguma circunstância, poderá haver igualmente a limitação da responsabilidade do fornecedor. Todas essas circunstâncias devem ser avaliadas no caso concreto, sendo que as correntes doutrinárias estanques sempre 8

9 acabam, no plano prático, trazendo algum inconveniente que desqualifica a sua aplicação. O aplicador do direito deve atentar para o desequilíbrio que, ausente, não permitirá a aplicação da lei nº 8078/90. ALMEIDA, João Batista de. A proteção jurídica do consumidor, 2. ed. rev., atual. e ampl., São Paulo: Saraiva, MARQUES, Cláudia Lima. Comentários ao código de defesa do consumidor: arts. 1º a 74: aspectos materiais / Cláudia Lima Marques, Antônio Herman V. Benjamin, Bruno Miragem - São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2003; NUNES, Luiz Antonio Rizzato, Curso de direito do consumidor: com exercícios São Paulo: Saraiva,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL JULIANA PULLINO ARTIGO: O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL OU STRICTO SENSU: CONCEITO E PROTEÇÃO LEGAL Professora Doutora: Mirella D Angelo MESTRADO EM DIREITO UNIMES 2013 O CONSUMIDOR DESTINATÁRIO FINAL

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC

CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. Prof. Alexandre LIPP João PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC. b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1 CDC PONTO 1: BASE CONSTITUCIONAL DO CDC PONTO 2: a) DISTINÇÃO CONSUMIDOR E FORNECEDOR b) TEORIAS, INÍCIO DOS PRINCÍPIOS NO CDC 1) A BASE CONSTITUCIONAL DA DEFESA DO CONSUMIDOR: ART. 5º, XXXII 1, CF (Dir.

Leia mais

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica

Código de Defesa do Consumidor. Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica Código de Defesa do Consumidor Continuação aula anterior Vício e Defeito Teoria da desconsideração da pessoa jurídica EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE- Art. 12,parag.3o. CDC Fornecedor prova que não colocou

Leia mais

Noções de Direito do Consumidor. Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012

Noções de Direito do Consumidor. Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 Noções de Direito do Consumidor Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 AULA 01 18/06/2012 Mini Currículo P r o f e s s o r e A d v o g a d o. E s p e c i a l i s t a e m R e l a ç õ e s d e C o n s

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor.

Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. NOTA TÉCNICA n 3 Direito do Consumidor: Importante Instrumento de Regulação do Mercado. Anotações para o debate interno sobre Regulação e Direito do Consumidor. Alayde Avelar Freire Sant Anna Ouvidora/ANAC

Leia mais

O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais

O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais Direito do Consumidor Aula 01 Professora Flávia Zebulum O DIREITO DO CONSUMIDOR Aspectos Constitucionais -Direito e Garantia Fundamental: Art. 5, XXXII CF/88 -Princípio Inerente a Ordem Econômica: Art.

Leia mais

Alguns comentários sobre a proteção à saúde e segurança do consumidor

Alguns comentários sobre a proteção à saúde e segurança do consumidor Alguns comentários sobre a proteção à saúde e segurança do consumidor Marcia Helena Bosch Juíza de Direito no Estado de São Paulo, Professora da Escola Paulista da Magistratura e Doutoranda pela PUC-SP

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro A responsabilidade do comerciante nas relações de consumo Daniella Benkendorf Werneck Rio de Janeiro 2012 DANIELLA BENKENDORF WERNECK A responsabilidade

Leia mais

APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR AOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS

APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR AOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR AOS CONTRATOS ADMINISTRATIVOS Jatir Batista da Cunha 1 No processo nº TC-015.972/1999-2 do TCU, debateu-se a questão da aplicabilidade do Código de Defesa

Leia mais

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002

BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 1 BREVES APONTAMENTOS ACERCA DA FUNÇÃO SOCIAL DOS ALIMENTOS NO CÓDIGO CIVIL DE 2002 Noeli Manini Remonti 1 A lei, ao criar o instituto dos alimentos, estipulou a obrigação alimentar para garantir a subsistência

Leia mais

:"I D ... LUCIANO VELASQUE ROCHA :J :J :J L CONSUMIDOR JURIDICA )0 MINISTRO GILMAR MENDES. ~urulf EDITORA

:I D ... LUCIANO VELASQUE ROCHA :J :J :J L CONSUMIDOR JURIDICA )0 MINISTRO GILMAR MENDES. ~urulf EDITORA :"I D... n :J :J :J L,. LUCIANO VELASQUE ROCHA CONSUMIDOR ~ JURIDICA )0 MINISTRO GILMAR MENDES 3263 ~urulf EDITORA sumário INTRODUÇÃO - ESCOLHA DO TEMA... 21 INTRODUÇÃO - CONTEÚDO E MÉTODO... 23 INTRODUÇÃO

Leia mais

Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço

Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço Defesa do consumidor: responsabilidade do fornecedor por vício e por defeito do produto ou serviço Por André Motoharu Yoshino Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP).

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO FORNECEDOR PELOS RISCOS DO DESENVOLVIMENTO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO FORNECEDOR PELOS RISCOS DO DESENVOLVIMENTO PRISCILLA DA SILVA SANTOS RESPONSABILIDADE CIVIL DO FORNECEDOR PELOS RISCOS DO DESENVOLVIMENTO Monografia apresentada como requisito para conclusão do curso de bacharelado em Direito do Centro Universitário

Leia mais

A configuração da relação de consumo

A configuração da relação de consumo BuscaLegis.ccj.ufsc.br A configuração da relação de consumo Samuel Borges Gomes 1. Introdução O Código de Defesa do Consumidor (CDC) foi sem dúvida um marco na legislação brasileira no sentido de legitimação

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR » Cacildo Baptista Palhares Júnior Advogado em Araçatuba (SP) Questões comentadas de direito do consumidor da prova objetiva do concurso de 2010 para Defensor da Bahia Com referência ao CDC, julgue os

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. O Direito de Arrependimento Aplicado no Código de Defesa do Consumidor. Ângela Cristina Roque

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. O Direito de Arrependimento Aplicado no Código de Defesa do Consumidor. Ângela Cristina Roque Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro O Direito de Arrependimento Aplicado no Código de Defesa do Consumidor Ângela Cristina Roque Rio de Janeiro 2014 ANGELA CRISTINA ROQUE Direito de Arrependimento

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Venda Casada nos Contratos Bancários. Raul Pereira

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Venda Casada nos Contratos Bancários. Raul Pereira Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Venda Casada nos Contratos Bancários Raul Pereira Rio de Janeiro 2014 RAUL PEREIRA Venda Casada nos Contratos Bancários Artigo Científico apresentado

Leia mais

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO

CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 1 CURSO DE DIREITO DA INFORMÁTICA LUIZ MÁRIO MOUTINHO 03/09/2013 2 PROTEÇÃO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO E AS LIMITAÇÕES DO DECRETO 7.962/2013 3 Conclusões O CDC é mais do que suficiente para a

Leia mais

Tópicos de Direito do Consumidor Carga Horária: 20 h/a

Tópicos de Direito do Consumidor Carga Horária: 20 h/a Faculdade de Direito Milton Campos Reconhecida pelo Ministério da Educação Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Direito Civil Tópicos de Direito do Consumidor Carga Horária: 20 h/a 1- Ementa Princípios

Leia mais

AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO

AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO AS RESPONSABILIDADES NAS TRANSAÇÕES REALIZADAS ATRAVÉS DO E- COMMERCE ROFIS ELIAS FILHO ADVOGADO Copyleft é livre o uso desta apresentação para fins não comerciais, desde que a fonte e a autoria sejam

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Garantia Legal e Contratual, uma questão superada pela Teoria da Vida Útil. Walter da Silva Maizman* INTRODUÇÃO Intrincada questão repousa sobre a garantia dos produtos e serviços

Leia mais

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE

PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE BuscaLegis.ccj.ufsc.br PRESCRIÇÃO SEGURO-SAÚDE Autor: Valcir Edson Mayer Advogado e Professor OAB/SC 17.150 Rua General Osório, n.º 311 - Salas 202 e 205 Centro Coml. Diplomata - Centro - Timbó/SC CEP

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O DIREITO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR O DIREITO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO O DIREITO DO CONSUMIDOR NO COMÉRCIO ELETRÔNICO CECÍLIE OLIVEIRA MEDEIROS A compra on line já é uma realidade da qual empresas de todos os segmentos não podem mais fugir. A internet tem sido essencial na

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O Estatuto do idoso em Benefício do Réu. Roberto Dantes Schuman de Paula * DA NOVATIO LEGIS IN PEJUS Em outubro de 2003 a ordem jurídica foi inovada com o advento da lei 10741/03,

Leia mais

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC?

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? Alessandra Fernandes Hendler 1 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da economia e o aumento das relações negociais, os contratos securitários tomaram grande

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR

DIREITO DO CONSUMIDOR DIREITO DO CONSUMIDOR RETA FINAL - MG RELAÇÃO JURÍDICA DE CONSUMO A relação jurídica de consumo possui três elementos, a saber: o subjetivo, o objetivo e o finalístico. Por elemento subjetivo devemos entender

Leia mais

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa

PRÁTICAS COMERCIAS. Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa PRÁTICAS COMERCIAS Oferta Princípios da publicidade Publicidade abusiva e enganosa CONCEITO Práticas comerciais são os procedimentos, mecanismos, métodos e técnicas utilizados pelos fornecedores para,

Leia mais

DISCIPLINA: DIREITO CIVIL

DISCIPLINA: DIREITO CIVIL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO DISCIPLINA: DIREITO CIVIL QUESTÃO Nº 75 Protocolo: 11913003347-0 Recurso Indeferido, conforme motivação a seguir explicitada. Os bens coletivos

Leia mais

Advogada - Coordenadora Juizado Especial Cível Anexo Unisanta - Santos-SP 7DWLDQD/RSHV%DOXODAdvogada

Advogada - Coordenadora Juizado Especial Cível Anexo Unisanta - Santos-SP 7DWLDQD/RSHV%DOXODAdvogada APLICABILIDADE DO ART. 52 1.º DO C.D.C. &ULVWLQD1HYHV5XDV%HQDWWL Advogada - Coordenadora Juizado Especial Cível Anexo Unisanta - Santos-SP 7DWLDQD/RSHV%DOXODAdvogada Sumário: 1. Histórico do Direito do

Leia mais

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA

PARECER N, DE 2011. RELATOR: Senador SÉRGIO SOUZA PARECER N, DE 2011 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado nº 452, de 2011, da Senadora Angela Portela, que

Leia mais

PARECER Nº. 277/2013/GETRI/CRE/SEFIN Processo nº: 20100060000935

PARECER Nº. 277/2013/GETRI/CRE/SEFIN Processo nº: 20100060000935 Ementa: CONSULTA À LEGISLAÇÃO - TRIBUTAÇÃO DAS OPERAÇÕES DE ARRENDAMENTO MERCANTIL (LEASING) E SEUS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS RELACIONADOS. 1. Relatório A encaminhou a esta Gerência de Tributação,

Leia mais

1. Breve evolução histórica da tutela das relações de consumo

1. Breve evolução histórica da tutela das relações de consumo 1 A VULNERABILIDADE DO CONSUMIDOR NOS CONTRATOS DE FINANCIAMENTO Sergio Costa Garuzzi 1 INTRODUÇÃO O presente artigo aborda a questão da vulnerabilidade do consumidor nos contratos de financiamento, bem

Leia mais

As relações entre o franqueador e o franqueado e o Código de Defesa do Consumidor

As relações entre o franqueador e o franqueado e o Código de Defesa do Consumidor As relações entre o franqueador e o franqueado e o Código de Defesa do Consumidor Carlos Alberto Menezes Direito Ministro do Superior Tribunal de Justiça O O que se vai examinar, como tema central, no

Leia mais

2ª Fase Direito Civil

2ª Fase Direito Civil 2ª Fase Direito Civil Professor Fabio Alves fabio@ferreiraecamposadv.com CONTRATOS E CDC PRINCÍPIOS AUTONOMIA DA VONTADE PACTA SUNT SERVANDA BOA-FÉ OBJETIVA 1 Formação dos contratos Proposta e Aceitação

Leia mais

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR

CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR CONSTITUCIONALIZAÇÃO DOS DIREITOS TRABALHISTAS: O PRINCÍPIO DA PROTEÇÃO AO TRABALHADOR Luciana Santos Trindade Capelari Advogada trabalhista e empresarial, Especialista em Direito Processual, e em Direito

Leia mais

Processo nº 0010011-48.2015.8.16.0194

Processo nº 0010011-48.2015.8.16.0194 Processo nº 0010011-48.2015.8.16.0194 1. De acordo com o art. 18 da Lei n. 7.347/85 (Lei da Ação Civil Pública), Nas ações de que trata esta lei, não haverá adiantamento de custas, emolumentos, honorários

Leia mais

CAUTELAS DA CONSTRUTORA NA ESCOLHA DO FORNECEDOR DE INSUMOS: vícios ocultos e o regime de responsabilidade solidária do CDC

CAUTELAS DA CONSTRUTORA NA ESCOLHA DO FORNECEDOR DE INSUMOS: vícios ocultos e o regime de responsabilidade solidária do CDC CAUTELAS DA CONSTRUTORA NA ESCOLHA DO FORNECEDOR DE INSUMOS: vícios ocultos e o regime de responsabilidade solidária do CDC Por Rodrigo Antola Aita 1. Introdução As empresas construtoras e incorporadoras,

Leia mais

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar

Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Direito do Consumidor: Responsabilidade Civil e o Dever de Indenizar Formação de Servidores do PROCON RJ - 2012 RESUMO Finalidade da Responsabilidade Civil Segurança Jurídica Sistema de Garantias Tutela

Leia mais

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional.

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. 1 O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. Art. 5. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer

Leia mais

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes

Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Aspectos da responsabilidade civil no Código de Defesa do Consumidor e excludentes Michele Oliveira Teixeira advogada e professora do Centro Universitário Franciscano em Santa Maria (RS) Simone Stabel

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA

A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA A PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR E A INTERMEDIAÇÃO FINANCEIRA Matheus Corredato Rossi 1 Publicado originalmente em Fundos de Pensão Revista da ABRAPP / SINDAPP / ICSS. n. 316. São Paulo: mai/06. A importância

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DE DIREITOS HUMANOS E PARTICIPAÇÃO POPULAR VIVA CIDADÃO Folha nº Processo nº Rubrica: Matrícula: Processo n.º 148030/2015 Assunto: Análise do pedido de impugnação do Edital do Pregão nº 13/2015 referente à contratação de empresa especializada na aquisição e

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 540.235 - SP (2003/0059595-9) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO CASTRO FILHO : EMÍLIO ATHIÊ : CLÁUDIA DE CÁSSIA INABA MERLI E OUTROS : OLIVEIRA SILVA TAXI AÉREO LTDA : FERNANDO

Leia mais

www.procon.rs.gov.br Produzido em:06/09. Governo do Estado do Rio Grande do Sul CARTILHA DO CONSUMIDOR Trabalhando em prol da cidadania Apresentação O PROCON-RS através desta cartilha visa orientar de

Leia mais

MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO. (espaço aproximadamente 10 cm 4 )

MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO. (espaço aproximadamente 10 cm 4 ) Modelos práticos 1. Petição inicial rito ordinário MODELO DE PETIÇÃO INICIAL RITO ORDINÁRIO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO 1 DA VARA CÍVEL 2 DO FORO DA COMARCA DE CAMPINAS 3 NO ESTADO DE

Leia mais

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR

FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR FUTURAINVEST DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. CARTILHA DO CONSUMIDOR 1 Sumário 1 - A origem do Código de Defesa do Consumidor...3 2 - Código de Defesa do Consumidor... 3 3 - Direitos

Leia mais

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Prestação de Serviços. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Prestação de Serviços Contrato de Prestação de Serviços Visão Geral dos Contratos: Formação dos Contratos;e Inadimplemento Contratual. Formação dos Contratos Validade do Negócio Jurídico: Agente

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

DIREITO DO CONSUMIDOR

DIREITO DO CONSUMIDOR Capitulo I DIREITO DO CONSUMIDOR SUMÁRIO 1. Regulamentação das relações de consumo: 1.1 A Constituição e Código de Defesa do Consumidor; 1.2. Norma de ordem pública e de interesse social; 1.3. Aplicação

Leia mais

Práticas Comerciais. Práticas Abusivas Cobrança indevida Banco de dados Recall e Convenção Coletiva Consumo

Práticas Comerciais. Práticas Abusivas Cobrança indevida Banco de dados Recall e Convenção Coletiva Consumo Práticas Comerciais Práticas Abusivas Cobrança indevida Banco de dados Recall e Convenção Coletiva Consumo A garantia contratual A garantia ganhou proteção específica, mas não exaustiva. A lei garante

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROCON

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROCON MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ PROGRAMA DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR PROCON Rua Álvaro Mendes, nº2294, Centro, Teresina-PI, CEP.: 64.000-060 PROCESSO ADMINISTRATIVO Nº 589/2011 REFERENTE À

Leia mais

Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor. Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail.

Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor. Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail. Fundos de Investimento e o Código de Defesa do Consumidor Bruno Braz de Castro Doutorando em Direito Econômico (UFMG). braz.castro@gmail.com - A política econômica de defesa do consumidor. -- Liberalismo,

Leia mais

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação.

Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. Este Plano de Curso poderá sofrer alterações a critério do professor e/ou da Coordenação. DISCIPLINA: DIREITO DO CONSUMIDOR PROFESSORA: IVANA BONESI RODRIGUES LELLIS TURMA: 6º EM PLANO DE CURSO 2014/1

Leia mais

A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS A SÚMULA N. 297 DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA: APLICAÇÃO DO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR ÀS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS THALES PINTO GONTIJO 1 Recentemente, o Superior Tribunal de Justiça, por meio da

Leia mais

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada*

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* Como se sabe, em decorrência das disputas entre Estados e Municípios na partilha de impostos, o legislador constituinte de 1988 cindiu o

Leia mais

Autor: Deputado Antonio Bulhões Relator: Deputado Elismar Prado

Autor: Deputado Antonio Bulhões Relator: Deputado Elismar Prado COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI N o 5.995, DE 2009 Altera a Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990, Código de Defesa do Consumidor, para estender o direito de arrependimento ao consumidor

Leia mais

COMPRAS DIREITO A TROCA DO PRODUTO EPÍGRAFE "... VÍCIO DO PRODUTO E DO SERVIÇO. Art. 18. No prazo de trinta dias, comprado o bem com defeito,

COMPRAS DIREITO A TROCA DO PRODUTO EPÍGRAFE ... VÍCIO DO PRODUTO E DO SERVIÇO. Art. 18. No prazo de trinta dias, comprado o bem com defeito, COMPRAS DIREITO A TROCA DO PRODUTO EPÍGRAFE "... VÍCIO DO PRODUTO E DO SERVIÇO Art. 18 No prazo de trinta dias, comprado o bem com defeito, deve ele ser consertado, não havendo outro jeito. Não sendo o

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista.

Art. 1º. A presente Emenda Constitucional estabelece a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício da profissão de Jornalista. PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2009. (Do Sr. Dep. Paulo Pimenta e outros) Altera dispositivos da Constituição Federal para estabelecer a necessidade de curso superior em jornalismo para o exercício

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 168 Registro: 2015.0000424279 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 1034086-83.2014.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante LUIS EDUARDO DA SILVA NAVES, é apelado TEC

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E A TUTELA ESTATAL DIANTE DA PUBLICIDADE ABUSIVA

CONSIDERAÇÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E A TUTELA ESTATAL DIANTE DA PUBLICIDADE ABUSIVA CONSIDERAÇÕES SOBRE O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR E A TUTELA ESTATAL DIANTE DA PUBLICIDADE ABUSIVA Elaborado em 10.2006 Vitor Vilela Guglinski Assessor de juiz, especialista em Direito do Consumidor em

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Aguinaldo Ribeiro)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Aguinaldo Ribeiro) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Aguinaldo Ribeiro) Obriga as pessoas jurídicas inscritas no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas do Ministério da Fazenda - CNPJ/M.F à contratação de seguro de vida

Leia mais

BRENO TRAVASSOS SARKIS

BRENO TRAVASSOS SARKIS CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E SOCIAIS - FAJS BRENO TRAVASSOS SARKIS VÍCIO E FATO DO PRODUTO: DIVERGÊNCIAS ACERCA DA CONTAGEM DOS PRAZOS DE GARANTIA LEGAL E

Leia mais

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor

Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor Vício de Informação nos Boletos de Cobrança Bancários Código de Defesa do Consumidor PLÍNIO LACERDA MARTINS Mestre em Direito Promotor de Justiça Prof. de Direito do Consumidor UGF pliniolacerda@aol.com

Leia mais

DANOS MATERIAIS. A indenização material cabível vem prescrita no Art. 950 do CC/2002 e seu parágrafo único:

DANOS MATERIAIS. A indenização material cabível vem prescrita no Art. 950 do CC/2002 e seu parágrafo único: DOENÇA OCUPACIONAL - ARTS. 20 E 118, DA LEI 8.213/91 INDENIZAÇÃO POR DANOS MATERIAIS E MORAIS NOVA COMPETÊNCIA DO ART. 114, DA CF QUANTIFICAÇÃO DO DANO MATERIAL E MORAL Competência da Justiça do Trabalho.

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde 1 Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Publicado em Revista de Direito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro /Cont. de/ RJRJ, Rio de Janeiro, n.80, p. 95-99, jul./set.

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa NOTA TÉCNICA Projeto de Lei da Câmara nº 33/2013 Justiça do Trabalho Necessária presença de advogado e condenação em honorários sucumbenciais Entendimento favorável. O advogado é indispensável à administração

Leia mais

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil Nas Relações De Consumo Vícios Do Produto. Silvestre Afonso Rabelo Neto

Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro. Responsabilidade Civil Nas Relações De Consumo Vícios Do Produto. Silvestre Afonso Rabelo Neto Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro Responsabilidade Civil Nas Relações De Consumo Vícios Do Produto Silvestre Afonso Rabelo Neto Rio de Janeiro 2012 SILVESTRE AFONSO RABELO NETO Responsabilidade

Leia mais

NOVAS REFLEXÕES SOBRE A PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Mauro Schiavi 1

NOVAS REFLEXÕES SOBRE A PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO. Mauro Schiavi 1 NOVAS REFLEXÕES SOBRE A PRESCRIÇÃO DE OFÍCIO NO DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO Mauro Schiavi 1 Segundo Pontes de Miranda 2, a prescrição é a exceção, que alguém tem, contra o que não exerceu, durante certo

Leia mais

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS

PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS PRINCIPAIS CLASSIFICAÇÕES DOS ALIMENTOS 1. Quanto à fonte: a) Alimentos legais: fixados pela lei, fundamentados no direito de família, decorrentes do casamento, ou união estável ou da relação de parentesco

Leia mais

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO

CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO CONTRATO DE CONVIVÊNCIA E SUAS REPERCUSSÕES NO DIREITO SUCESSÓRIO Edgard Borba Fróes Neto 1 Resumo A possibilidade dos companheiros livremente estipularem regras de cunho patrimonial, mediante celebração

Leia mais

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde

Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Os Reajustes por Mudança de Faixa Etária nos Planos de Saúde Luciana de Oliveira Leal Halbritter Juíza de Direito do TJ RJ Mestre em Justiça e Cidadania pela UGF Sumário: 1. Introdução; 2. Aspectos Gerais;

Leia mais

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE LIMINAR

AÇÃO CIVIL PÚBLICA COM PEDIDO DE LIMINAR EXMO. SR. JUIZ DE DIREITO DA CAPITAL VARA EMPRESARIAL DA COMARCA DA A COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, vem, pela presente, por seus procuradores que

Leia mais

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN

unidades consumidoras com o mesmo CGC, independentemente de sua localização, desde que integrante do SIN Campinas/SP, 08 de abril de 2004 Ao senhor José Mario Miranda Abdo M.D. Diretor Geral da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL Ref.: Aviso de Audiência Pública nº 011/2004 Senhor Diretor Geral,

Leia mais

NATUREZA JURÍDICA DAS BONIFICAÇÕES E DESCONTOS. PIS-COFINS.

NATUREZA JURÍDICA DAS BONIFICAÇÕES E DESCONTOS. PIS-COFINS. NATUREZA JURÍDICA DAS BONIFICAÇÕES E DESCONTOS. PIS-COFINS. José Eduardo Soares de Melo Curitiba - 07.08.2014 I. VENDA DE MERCADORIA BONIFICAÇÕES E DESCONTOS Liberdade Contratual. Autonomia da Vontade

Leia mais

TERMO DE GARANTIA. Exija, pois, do estabelecimento comercial revendedor, o preenchimento correto deste Termo de Garantia.

TERMO DE GARANTIA. Exija, pois, do estabelecimento comercial revendedor, o preenchimento correto deste Termo de Garantia. TERMO DE GARANTIA I - PRAZO E COMPROVAÇÃO DA GARANTIA 1. Os Ventiladores de Teto Hunter são garantidos pela Hunter Fan do Brasil pelo prazo de 01 (um) ano, contado a partir da data de sua aquisição pelo

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) Acrescenta parágrafo único ao Art. 932, da Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, dispondo sobre a responsabilidade dos locatários de

Leia mais

Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade

Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade Contratos de Planos de Saúde: Princípios Básicos da Atividade 305 Márcio Olmo Cardoso 1 O contrato é um acordo de vontade que gera obrigações (efeitos jurídicos) de natureza jurídica bilateral; ou seja,

Leia mais

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO

RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO RESUMO EXPANDIDO VIII SEMINÁRIO DE PÓS-GRADUAÇÃO 1 TÍTULO DO TRABALHO A possibilidade de revisão dos contratos agrários sob o argumento de descumprimento da função social do contrato 2 AUTORES Andrea Tavares

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA O projeto de pesquisa a ser apresentado para o Curso de Graduação da UNIÃO DAS FA- CULDADES DOS GRANDES LAGOS constitui-se de uma proposta de como o trabalho

Leia mais

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta)

ROJETO DE LEI Nº, de 2015. (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) ROJETO DE LEI Nº, de 2015 (Do Sr. Deputado Marcos Rotta) Dispõe sobre segurança, danos materiais, furtos e indenizações, correspondentes a veículos nos estacionamento de estabelecimentos comerciais, shoppings

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

www.estudodeadministrativo.com.br

www.estudodeadministrativo.com.br DIREITO ADMINISTRATIVO RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO I - CONCEITO - A responsabilidade civil se traduz na obrigação de reparar danos patrimoniais, sendo que com base em tal premissa podemos afirmar

Leia mais

Rio de Janeiro, 26 de fevereiro de 2013. Exmº Sr. Carlos Daudt Brizola Ministro de Estado do Trabalho e Emprego. Senhor Ministro,

Rio de Janeiro, 26 de fevereiro de 2013. Exmº Sr. Carlos Daudt Brizola Ministro de Estado do Trabalho e Emprego. Senhor Ministro, Rio de Janeiro, 26 de fevereiro de 2013. Exmº Sr. Carlos Daudt Brizola Ministro de Estado do Trabalho e Emprego Ref.: O impacto social e econômico da Norma Regulamentadora nº 12 do Ministério do Trabalho

Leia mais

Da Responsabilidade Civil Objetiva. É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco.

Da Responsabilidade Civil Objetiva. É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco. Da Responsabilidade Civil Objetiva É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco. Na doutrina brasileira a matéria vem muito bem elaborada por Caio

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão

PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO ACRE 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca de Rio Branco. Decisão fls. 1 Autos n.º 0708777-72.2013.8.01.0001 Classe Ação Civil Pública Autor Defensoria Pública do Estado do Acre Réu Estado do Acre Decisão Trata-se de Ação Civil Pública, com pedido de tutela antecipada,

Leia mais

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul

Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul Direito à Imagem dos médicos. Filmagem do ato médico. Relações jurídicas distintas. Possibilidade de recusa do médico. Impossibilidade de cobrança. Enfraquecimento da relação médicopaciente. Precedente

Leia mais

A possibilidade da Pessoa Jurídica ser caracterizada como consumidora no chamado consumo intermediário

A possibilidade da Pessoa Jurídica ser caracterizada como consumidora no chamado consumo intermediário A possibilidade da Pessoa Jurídica ser caracterizada como consumidora no chamado consumo intermediário O enfoque é em que hipótese a pessoa jurídica pode ser considerada consumidora. Constata-se que não

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Cláusulas de exclusão nos contratos de planos de saúde 1 Por Amanda Flávio de Oliveira I- Os casos a) Um senhor casado, com pouco mais de 50 anos, descobre-se portador de câncer

Leia mais

- Lei 7.492/86 - Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional - Normalmente a Lei 7.492/86 é conhecida como "lei do colarinho branco".

- Lei 7.492/86 - Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional - Normalmente a Lei 7.492/86 é conhecida como lei do colarinho branco. Turma e Ano: Flex B (2013) Matéria / Aula: Leis Penais / Aula 05 Professor: Flávio Lucas Conteúdo: - Lei 7.492/86 (Crimes contra o Sistema Financeiro Nacional) - Lei 7.492/86 - Crimes contra o Sistema

Leia mais

QUESTIONAMENTO Audiência Pública 14/01/2011 Contratação de empresas para a prestação dos serviços de Publicidade para o Conglomerado Banco do Brasil

QUESTIONAMENTO Audiência Pública 14/01/2011 Contratação de empresas para a prestação dos serviços de Publicidade para o Conglomerado Banco do Brasil QUESTIONAMENTO Audiência Pública 14/01/2011 Contratação de empresas para a prestação dos serviços de Publicidade para o Conglomerado Banco do Brasil EMPRESA: FENAPRO Federação Nacional das Agências de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O direito à saúde na Constituição Federal de 1988: caracterização e efetividade Alexandre Gonçalves Lippel* 1. Caracterização do direito à saúde O direito à saúde emerge no constitucionalismo

Leia mais

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor:

Como oportunamente lembrou Maria Antonieta Zanardo Donato[1], ao tratar da árdua tarefa de conceituar o consumidor: CONSUMIDOR E SITES DA INTERNET Ingrid Melania Rasmusen Amaya Introdução Análise sob a ótica do Código de Defesa do Consumidor - Codecom considerando-se cliente o proprietário responsável pelo site a ser

Leia mais