Aula Nº 2 Empresa - O Empresário

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aula Nº 2 Empresa - O Empresário"

Transcrição

1 Aula Nº 2 Empresa - O Empresário Objetivos da aula: Nesta aula, vamos definir Empresa, considerando a orientação da legislação. Também vamos conhecer e definir o empresário e os requisitos legais para sua caracterização. 1. A EMPRESA Sabemos que, atualmente, o Direito Comercial adota a Teoria da Empresa, que define empresa como qualquer atividade organizada para a produção e circulação de bens e serviços, salvo as atividades intelectuais. Logo, empresa é sinônimo de atividade empresarial, ou seja, atividade de produção ou circulação de bens e serviços. Na linguagem comum, utilizamos a expressão empresa muitas vezes para designar a sociedade empresarial, ou ainda, um estabelecimento comercial. Exemplo: a empresa foi pintada, a empresa foi assaltada, hoje vou até a empresa. Assim, não podemos confundir empresa com sociedade empresarial nem com o local em que se desenvolve a atividade empresarial. A empresa é uma atividade que poderá ser realizada por um empresário individual (pessoa física) ou por uma sociedade empresária (pessoa jurídica). Ressalte-se que os sócios da sociedade empresária não são empresários, empresária é a sociedade. Os seus sócios poderão ser chamados de 11

2 investidores ou empreendedores, mas não de empresários. 2. O EMPRESÁRIO O Código Civil Brasileiro não define empresa, mas somente empresário. Artigo 966: Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços. Parágrafo único: Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa. Logo, se empresa é atividade, quem exerce essa atividade é o empresário. Repetimos que a empresa é uma atividade que poderá ser realizada por um empresário individual (pessoa física) ou por uma sociedade empresária (pessoa jurídica). Estamos nos referindo, nesse item, ao empresário no sentido amplo, ou seja, tanto o empresário individual como a sociedade empresária. Da definição legal de empresário, extraímos alguns requisitos necessários para a caracterização do exercício da atividade empresarial. São eles: profissionalidade, atividade econômica, atividade organizada, produção e circulação de bens e serviços. Vejamos cada um deles: 1) PROFISSIONALIDADE O empresário exerce profissionalmente a atividade empresarial. Esse profissionalismo engloba os conceitos de pessoalidade, habitualidade e monopólio das informações. 12

3 Habitualidade diz respeito à repetição diuturna de atos, à reiteração da prática da atividade. Assim, não será empresário aquele que exerce, esporadicamente ou eventualmente, a venda de bens. Pessoalidade se traduz na necessidade de o empresário exercer pessoalmente a atividade empresarial. A pessoalidade não requer que o empresário exerça a atividade sozinho, este pode contratar empregados, mão-de-obra necessária à consecução da atividade. No entanto, esses empregados não são empresários, pois exercem a atividade em nome do empregador, sendo considerados seus prepostos. Monopólio das informações significa que o empresário detém todo o conhecimento e informações acerca do produto ou serviço que executa, ou seja, conhece as técnicas de produção dos bens e da execução dos serviços, qualidades necessárias, matéria-prima empregada, condições de uso, nocividade, defeitos e outros. Concluindo, será empresário aquele que exercer a atividade empresarial profissionalmente, ou seja, com habitualidade, pessoalidade e com o monopólio das informações. 2) ATIVIDADE ECONÔMICA A atividade empresarial é considerada econômica porque tem como finalidade a obtenção de lucro. Ressalte-se que o lucro pode ser a finalidade da atividade ou apenas um meio para se alcançar outros objetivos. 3) ATIVIDADE ORGANIZADA A atividade empresarial é organizada, pois nela estão presentes os quatro fatores de produção: capital, insumos, mão-de-obra e tecnologia. Assim, não será empresário quem exerce atividade econômica de produção e circulação de bens ou serviços sem um desses fatores. Por exemplo, quem compra de atacadistas peças de vestuário e as leva às casas de freguesas para vendê-las (sacoleiras) explora atividade de circulação de bens com 13

4 finalidade lucrativa, mas não poderá ser considerada empresária, pois não organiza mão-de-obra, não possui empregados. 4) PRODUÇÃO OU CIRCULAÇÃO DE BENS OU SERVIÇOS Produzir bens é fabricá-los, é a essência da indústria, e toda atividade industrial é empresarial. Produzir serviços é a mesma coisa que prestar serviços. A circulação de bens é a atividade de comércio, a mediação entre o produtor e o consumidor, e a circulação de serviços também requer essa mediação, ou ainda, intermediar a prestação de serviços. Concluindo, empresário é aquele que exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou serviços. 3. ATIVIDADES ECONÔMICAS CIVIS As atividades empresariais não abrangem todas as atividades econômicas possíveis, existindo outras que não são regulamentadas pelas mesmas disposições legais que regulamentam os empresários, são as denominadas atividades econômicas civis. As atividades econômicas civis são regulamentadas pelo Direito Civil, pelas regras civis. Podemos falar que são quatro as categorias de atividades econômicas civis: aquelas exploradas por quem não é empresário; quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística; produtores rurais não inscritos no Registro de Empresas (Junta Comercial) e Cooperativas. 14

5 1) Aquelas exploradas por quem não é empresário Atividades desenvolvidas por quem não esteja definido legalmente como empresário serão atividades civis. Para a definição de empresário, podemos nos socorrer da lição mencionada no item II e lembramos o exemplo da sacoleira que, embora exerça atividade de circulação de bens com o intuito de lucro, não é empresária e, portanto, a atividade exercida por ela será considerada uma atividade econômica civil. 2) Quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística Esta categoria está prevista no parágrafo único do art.966 do Código Civil Brasileiro: Artigo 966: [...] Parágrafo único: Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa. Podemos citar como exemplos aquelas atividades exercidas pelos profissionais liberais (médicos, dentistas, advogados), pelos músicos, escritores, artistas plásticos. Afirma o dispositivo legal citado que, mesmo que esses profissionais contratem auxiliares, não estarão exercendo atividade empresarial. Exemplo: o dentista que contrata uma auxiliar para seu consultório. No entanto, o mesmo texto da lei nos diz que se essas profissões constituírem elementos de empresa serão consideradas atividades empresariais e não mais civis. Essas profissões passam a constituir elementos de empresa quando 15

6 exercerem uma atividade organizada, com mão-de-obra, capital, tecnologia, sendo o exercício da profissão somente um de seus elementos. Exemplo: um dentista especializado em odontologia pediátrica possui seu consultório e uma auxiliar (atividade econômica civil), mas, para aproveitamento maior da clientela, organiza uma clínica, contratando outros dentistas de diversas especialidades, vários auxiliares, recepcionistas, contador, faxineiras etc. Esse dentista não mais estará exercendo uma atividade civil, pois sua profissão passou a ser somente um elemento de uma atividade empresarial organizada. 3) Produtores rurais não inscritos no Registro de Empresas (Junta Comercial). A atividade rural no Brasil, regra geral, é explorada, principalmente, de duas formas distintas: pelos titulares de grandes negócios rurais (agroindústria ou agronegócio) e pela família que explora uma agricultura de sobrevivência. Diante disso, nosso legislador deixou a critério do ruralista a sua condição, de conformidade com o art. 971 do Código Civil Brasileiro: Art O empresário, cuja atividade rural constitua sua principal profissão, pode, observadas as formalidades de que tratam o art. 968 e seus parágrafos, requerer inscrição no Registro Público de Empresas Mercantis da respectiva sede, caso em que, depois de inscrito, ficará equiparado, para todos os efeitos, ao empresário sujeito a registro. Assim, somente será considerado empresário o produtor rural devidamente inscrito no Registro de Empresas, que são, na sua maioria, os grandes empresários rurais. 4) Cooperativas Por força do art. 982 do Código Civil, as Cooperativas serão sempre 16

7 sociedades simples (sociedades civis), independentemente da atividade que explorem. O estudo das Cooperativas é realizado pelo Direito Civil e estas são regulamentadas pelos arts a do Código Civil e pela Lei nº 5764/71. Síntese Com o estudo realizado nesta aula, fomos capazes de: definir empresa e distingui-la de outros institutos; conhecer a definição de empresário e atividade empresarial; saber que a empresa pode ser desenvolvida por uma pessoa física (empresário individual) e por uma pessoa jurídica (sociedade empresária); distinguir atividades empresariais de atividades civis. Referências BRASIL. Código Civil. 3. ed. São Paulo: Saraiva, COELHO, Fábio Ulhoa. Manual de Direito Comercial. 17. ed. São Paulo: Saraiva, GONÇALVES, Maria Gabriela Venturoti Perrotta Rios; GONÇALVES, Victor Eduardo Rios. Direito Comercial Direito de Empresa e Sociedades Empresárias. São Paulo: Saraiva,

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE

TEORIA. Como Tudo Começou... EMPRESA TEORIA DA EMPRESA EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE TEORIA DA EMPRESA TEORIA DA EMPRESA Como Tudo Começou... EXPANSÃO MARÍTIMA E AS FASES DO DIREITO EMPRESARIAL ATOS DE COMERCIO : COMERCIANTE FASE SUBJETIVA Matrícula PRODUTOR CONSUMIDOR FASE OBJETIVA Atos

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO

DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO DIREITO EMPRESARIAL PROFESSORA ELISABETE VIDO SUMÁRIO 1. EVOLUÇÃO HISTÓRICA 2. TEORIA DA EMPRESA 3. ATIVIDADE EMPRESARIAL 4. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL 5. ATIVIDADE RURAL 6. EMPRESÁRIO INDIVIDUAL REGULAR X

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Breves considerações tributárias quanto a atividade de empresário (antiga firma individual) na atividade de representação comercial Juliano César Borges de Vito* Um dos fatores preponderantes

Leia mais

EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho

EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho EMPRESÁRIO / COMERCIANTE (Ponto 2) Prof. João Glicério de Oliveira Filho I. Conceito de empresário - Art. 966, CC/2002 (Lei n. 10.406, 10 de janeiro de 2002) - Profissionalismo: a. Habitualidade b. Pessoalidade

Leia mais

Sociedade uniprofissional registrada na JUCESP e o ISS Kiyoshi Harada*

Sociedade uniprofissional registrada na JUCESP e o ISS Kiyoshi Harada* Sociedade uniprofissional registrada na JUCESP e o ISS Kiyoshi Harada* A maioria esmagadora dos municípios seguindo o modelo equivocado da legislação paulistana, Lei n 13.701/2003, somente permite a tributação

Leia mais

A teoria do direito empresarial se subdivide em três:

A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIAS DO DIREITO EMPRESARIAL A teoria do direito empresarial se subdivide em três: TEORIA SUBJETIVA o direito comercial se caracterizava por dois fatores: RAMO ASSECURATÓRIO DE PRIVILÉGIOS À CLASSE BURGUESA,

Leia mais

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil

Interpretação do art. 966 do novo Código Civil Interpretação do art. 966 do novo Código Civil A TEORIA DA EMPRESA NO NOVO CÓDIGO CIVIL E A INTERPRETAÇÃO DO ART. 966: OS GRANDES ESCRITÓRIOS DE ADVOCACIA DEVERÃO TER REGISTRO NA JUNTA COMERCIAL? Bruno

Leia mais

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A

ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS S E N T E N Ç A ESTADO DO RIO DE JANEIRO PODER JUDICIÁRIO COMARCA DO RIO DE JANEIRO JUÍZO DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS Proc. 0131032-43.2011.8.19.0001 Consulente: REGISTRADOR DO RCPJ DA CAPITAL Vistos, etc.

Leia mais

NOVO CÓDIGO CIVIL ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES PARA O REGISTRO DE EMPRESAS. Denis Dall Asta Msc. Denisdall@unioeste.br

NOVO CÓDIGO CIVIL ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES PARA O REGISTRO DE EMPRESAS. Denis Dall Asta Msc. Denisdall@unioeste.br NOVO CÓDIGO CIVIL ALGUNS ASPECTOS RELEVANTES PARA O REGISTRO DE EMPRESAS. Denisdall@unioeste.br TIPOS JURÍDICOS ABORDADOS EMPRESÁRIO SOCIEDADE EMPRESÁRIA LIMITADA REVOGAÇÃO DE PARTE DO CÓDIGO COMERCIAL

Leia mais

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90

CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Comissão de Coordenação de Correição Corregedoria-Adjunta da Área de Infraestrutura CCC - Artigo 117, inciso X, da Lei nº 8.112/90 Inicialmente, esclareço que assumi a relatoria do tema por ter sucedido

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM

FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM FACULDADE PITÁGORAS CAMPUS BETIM A SOCIEDADE SIMPLES PABLO ROGER DE ANDRADE Administração 6º período Disciplina Direito Empresarial Professor Douglas BETIM 2010 A luta pela existência é a lei suprema de

Leia mais

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal

A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal A ILEGALIDADE DA ATIVIDADE EMPRESARIAL POR MILITAR DA ATIVA O excesso legislativo da norma penal Art. 204 do CPM e outros diplomas legais Por: Euclides Cachioli de Lima. Muitos são os doutrinadores que

Leia mais

Sociedade prestadora de serviços contábeis; a) Natureza Jurídica b) Onde Registrar?

Sociedade prestadora de serviços contábeis; a) Natureza Jurídica b) Onde Registrar? Sociedade prestadora de serviços contábeis; a) Natureza Jurídica b) Onde Registrar? I - Introdução Com o advento da lei 10.406 de 10 de janeiro de 2002 (NCC), foi extinto no ordenamento jurídico Pátrio,

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

Direito Empresarial A figura do empresário

Direito Empresarial A figura do empresário Direito Empresarial A figura do empresário Olá. Como estão?! Hoje trataremos sobre um tema interessantíssimo (e básico) no direito empresarial. Falaremos sobre a figura do empresário. Vamos brincar? Boa

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado

TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS. Cácito Augusto Advogado TRABALHOS TÉCNICOS Divisão Jurídica SOCIEDADES SIMPLES E EMPRESARIAS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ATUAIS Cácito Augusto Advogado I INTRODUÇÃO Após quatro anos de vigência do Novo Código Civil brasileiro, que

Leia mais

SOCIEDADES PROFISSIONAIS DEVEM PAGAR ISS FIXO

SOCIEDADES PROFISSIONAIS DEVEM PAGAR ISS FIXO SOCIEDADES PROFISSIONAIS DEVEM PAGAR ISS FIXO Gustavo Brigagão A discussão desse tema parece infindável: se a forma como se dá a incidência do ISS nos serviços prestados por sociedades profissionais deve

Leia mais

EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos de empresário. Sociedades empresariais.

EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos de empresário. Sociedades empresariais. AULA XI CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: DIREITO PRIVADO: EMPRESARIAL PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ EMENTA: DIREITO EMPRESARIAL: empresa, espécies, divisão. Empresário. Atos

Leia mais

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO.

COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. ** 1 COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO. PROJETO DE LEI N o 6.279, DE 2013 Altera a lei que regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade

Leia mais

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL

RETA FINAL - MG Disciplina: Direito Empresarial Aula nº 01 DIREITO EMPRESARIAL DIREITO EMPRESARIAL 1. Atividade Empresarial ( art. 966 e ss do CC) Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Direito empresarial: nome empresarial no novo Código Civil Joseph Robert Terrell* RESUMO Com o Novo Código Civil em vigor, ocorreram algumas modificações quanto ao nome empresarial.

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal

Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Documentação Exigida para Inscrição no Cadastro Fiscal do Distrito Federal Secretaria de Estado de Fazenda do Distrito Federal 2005 ÍNDICE 1) SOCIEDADE EMPRESÁRIA LTDA:... 3 2) SOCIEDADE ANONIMA S/A:...

Leia mais

ROTINAS PREVIDENCIÁRIAS INTRODUÇÃO AO CNPJ E CEI

ROTINAS PREVIDENCIÁRIAS INTRODUÇÃO AO CNPJ E CEI UNIDADE 1 C ROTINAS PREVIDENCIÁRIAS MÓDULO 1. CADASTRO INTRODUÇÃO AO CNPJ E CEI versão 1.0 dezembro/2010 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Ao final desta Unidade, você será capaz de: 1. Definir o que é cadastro; 2.

Leia mais

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os

Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os Autônomo e Contrato de prestac ão de servic os O SEBRAE e o que ele pode fazer pelo seu negócio O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A mudança do direito empresarial no direito brasileiro Elias Jacobsen Bana Com o advento do novo Código Civil em 2002, todo o sistema societário que antes existia passou a vigorar

Leia mais

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA

ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA ORIGENS DAS RELAÇÕES COMERCIAIS E SURGIMENTO DA TEORIA DA EMPRESA Resumo JOÃO BATISTA DE ALVARENGA 1 O objetivo do trabalho proposto é analisar as origens das relações comerciais, sua evolução até o momento

Leia mais

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos.

Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Principais artigos do Código Civil, Livro II, Direito de Empresa, para concursos. Olá, amigos. Como vão? Espero que tudo bem. Traremos hoje os principais artigos do Código Civil a serem estudados para

Leia mais

Coordenação Geral de Tributação

Coordenação Geral de Tributação Fl. 10 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 19 Data 13 de agosto de 2013 Origem COFIS ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA IRPJ A EIRELI não se confunde com

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

SOCIEDADE EMPRESÁRIA

SOCIEDADE EMPRESÁRIA SOCIEDADE EMPRESÁRIA I-CONCEITO Na construção do conceito de sociedade empresária dois institutos jurídicos servem de alicerce: a pessoa jurídica e a atividade empresarial. Um ponto de partida, assim para

Leia mais

A atividade contábil e o ISS

A atividade contábil e o ISS A atividade contábil e o ISS Janeiro de 2014. A prática da atividade de contabilista pode ser exercida por profissional autônomo, sociedade empresária e sociedade simples. Para tanto, o responsável tem

Leia mais

O FALECIMENTO DO SÓCIO DE EMPRESA LIMITADA E A SUCESSÃO DE SUAS QUOTAS À LUZ DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO

O FALECIMENTO DO SÓCIO DE EMPRESA LIMITADA E A SUCESSÃO DE SUAS QUOTAS À LUZ DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO O FALECIMENTO DO SÓCIO DE EMPRESA LIMITADA E A SUCESSÃO DE SUAS QUOTAS À LUZ DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO O falecimento do sócio de empresa limitada é matéria de grande interesse prático para qualquer sociedade

Leia mais

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada

Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Inovação Legislativa Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Prof. Nelton T. Pellizzoni : Mestrando em Direitos Difusos, Universidade Metropolitana de Santos; Especialista em Direito Civil, Comercial

Leia mais

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO

Profa. Joseane Cauduro. Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Profa. Joseane Cauduro Unidade I DIREITO SOCIETÁRIO Introdução A unidade I aborda: empresa e empresário; formação das sociedades; tipos de sociedades. Objetivos da disciplina: apresentar aos estudantes

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ-SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio em Técnico

Leia mais

tratados contra a dupla tributação

tratados contra a dupla tributação tratados contra a dupla tributação lucros de empresas controladas no exterior 2012 João Francisco Bianco MEDIDA PROVISÓRIA No 2.158-35, DE 24 DE AGOSTO DE 2001. Art.74. Os lucros auferidos por controlada

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 02

DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 02 REFORÇO ACADÊMICO DIREITO EMPRESARIAL PROF. ROBERTA MAROPO AULA 02 ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL CONCEITO - Art. 1142. Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para exercício da empresa,

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros

Empreendedorismo. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Empreendedorismo Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Panorama histórico Empreendedores medievais Panorama histórico Desde a antiguidade até a Revolução Industrial (Século XVIII), o trabalho sempre foi feito

Leia mais

2ª ATIVIDADE: (TRABALHO MANUSCRITO): COMENTÁRIO LIVRE EM 10 LINHAS REFERENTE A UMA PESQUISA LEGISLATIVA.

2ª ATIVIDADE: (TRABALHO MANUSCRITO): COMENTÁRIO LIVRE EM 10 LINHAS REFERENTE A UMA PESQUISA LEGISLATIVA. MATRÍCULA: CURSO: SEMESTRE: UNIDADE: ENTREGA / / - PRAZO LIMITE AV1. Vide dicas MDE: Material Didático Estácio. 1ª ATIVIDADE: Pesquisar um tema referente a matéria na biblioteca e redigir um artigo nos

Leia mais

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e Jorge Pereira de Souza Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 PROGRAMA A INTRODUÇÃO DO SUPER SIMPLES PARA OS SERVIÇOS DE

Leia mais

Plano de Ensino. Objetivos. Ementa

Plano de Ensino. Objetivos. Ementa Plano de Ensino Disciplina: DIREITO EMPRESARIAL I Código: Série: 2ª Obrigatória (X ) Optativa ( ) CHTeórica: 68 CH Prática: CH Total: 68 Horas Obs: Objetivos Geral: Apresentar aos alunos os pontos principais

Leia mais

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial:

PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV. 1. História e conceito do Direito Industrial: PROPRIEDADE INDUSTRIAL - IV 1. História e conceito do Direito Industrial: - Como referência ao direito industrial encontramos o uso da expressão marca e patente. Este ramo do direito teve início na Inglaterra

Leia mais

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007.

ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. ANEXO F: ANEXO DO PROJETO PEDAGÓGICO VERSÃO 2007. DESCRIÇÃO DAS EMENTAS, OBJETIVOS, PLANO DE DISCIPLINAS E BIBLIOGRAFIA. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS: ORGANIZAÇÃO DE EMPRESAS Ementa: Empresa. Técnicas de Administração,

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PESSOA JURÍDICA Para a liberação de acesso ao Cadastro NIS pela internet, o empregador deverá entregar na Agência onde será concedida a autorização, cópia e original de documentação

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 172 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DE PESSOA JURÍDICA - IRPJ PERCENTUAL. LUCRO PRESUMIDO.

Leia mais

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI)

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (EIRELI) A EIRELI é uma nova forma de pessoa jurídica composta por uma só pessoa física. Os primórdios das pessoas jurídicas sempre estiveram ligados à ideia

Leia mais

Prof. Vilmar A. Silva. Direito Empresarial. O Empresário

Prof. Vilmar A. Silva. Direito Empresarial. O Empresário 1 Prof. Vilmar A. Silva Direito Empresarial O Empresário Conceito de empresário É definido na lei como o profissional exercente de atividade econômica organizada para a produção ou circulação de bens ou

Leia mais

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa.

TIPOS DE EMPRESAS. Se a opção for a de Empresário Individual, o patrimônio particular se confunde com o da empresa. 1 TIPOS DE EMPRESAS A atividade econômica organizada produtiva pode ser exercida individualmente ou de forma coletiva, objetivando a partilha do resultado. Se a opção for a de Empresário Individual, o

Leia mais

ABERTURA DE EMPRESAS

ABERTURA DE EMPRESAS ABERTURA DE EMPRESAS PLANO DE CONTABILIDADE COM FIDELIDADE 2 ANOS ESCRITÓRIO - Abertura de empresa sem custo no plano de fidelidade; ESCRITÓRIO DE COMERCIO - Carência de 03 (três) meses (honorário); ESCRITÓRIO

Leia mais

Terceiro Setor, ONGs e Institutos

Terceiro Setor, ONGs e Institutos Terceiro Setor, ONGs e Institutos Tomáz de Aquino Resende Promotor de Justiça. Coordenador do Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Tutela de Fundações de Minas Gerais. Usualmente é chamado de

Leia mais

Estabelecimento Empresarial

Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Empresarial É a base física da empresa, que consagra um conjunto de bens corpóreos e incorpóreos, constituindo uma universalidade que pode ser objeto de negócios jurídicos. É todo o complexo

Leia mais

Acervo técnico, sua valorização e reconhecimento contábil.

Acervo técnico, sua valorização e reconhecimento contábil. Acervo técnico, sua valorização e reconhecimento contábil. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a valorização importância, reconhecimento e mensuração dos

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Direito Empresarial ADM 065. 36h 5º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Direito Empresarial ADM 065. 36h 5º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A confusão entre pessoa física e empresa individual para efeitos de habilitação técnica na licitação à luz do Código Civil Carlos Alexandre Perin* Segundo a teoria do emérito comercialista

Leia mais

SECRETARIA GERAL-SEGER. ORIENTAÇÃO N 022-2009. 13 de fevereiro de 2.009.

SECRETARIA GERAL-SEGER. ORIENTAÇÃO N 022-2009. 13 de fevereiro de 2.009. 1 SECRETARIA GERAL-SEGER. ORIENTAÇÃO N 022-2009. 13 de fevereiro de 2.009. Ref. - Lei Complementar n 128, de 19.12.2008. Transformação de Empresário Individual em Sociedade Empresária Limitada. Transformação

Leia mais

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Contrato de Corretagem. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Contrato de Corretagem Corretagem O vocábulo "corretor", vem do verbo correr, em seu significado semântico quer dizer: O que anda, procura, agencia negócios comerciais ou civis, serve de intermediário

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 81, de 2002.

RESOLUÇÃO CNSP N o 81, de 2002. RESOLUÇÃO CNSP N o 81, de 2002. Dispõe sobre a atividade dos corretores de seguros de ramos elementares e dos corretores de seguros de vida, capitalização e previdência, bem como seus prepostos. A SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES RESOLUÇÃO CFC N.º 1.390/12 Dispõe sobre o Registro Cadastral das Organizações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO I

Leia mais

ÓRGÃOS E ATOS DO REGISTRO DE EMPRESA DIREITO EMPRESARIAL I 5º DIV PROFESSORA CAMILA ILÁRIO

ÓRGÃOS E ATOS DO REGISTRO DE EMPRESA DIREITO EMPRESARIAL I 5º DIV PROFESSORA CAMILA ILÁRIO ÓRGÃOS E ATOS DO REGISTRO DE EMPRESA DIREITO EMPRESARIAL I 5º DIV PROFESSORA CAMILA ILÁRIO O empresário é obrigado a inscrever-se no Registro das Empresas antes de dar início à exploração do negócio a

Leia mais

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL

TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL TEORIA DO ESTABELECIMENTO EMPRESARIAL Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a teoria do estabelecimento empresarial, considerando o seu teorema e axiomas,

Leia mais

REPRESENTAÇÃO COMERCIAL

REPRESENTAÇÃO COMERCIAL REPRESENTAÇÃO COMERCIAL I- LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: O Código Civil brasileiro traça as diretrizes gerais sobre contratos de agência e distribuição em seus artigos 710 a 721. A representação comercial no Código

Leia mais

PREVIDÊNCIA SOCAL PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO DO SEGURO SOCIAL SOCIAL. Educação Previdenciária

PREVIDÊNCIA SOCAL PREVIDÊNCIA SOCIAL INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO DO SEGURO SOCIAL SOCIAL. Educação Previdenciária Como os trabalhadores e trabalhadoras podem contar com a proteção da Previdência Social? É isso que veremos nesta aula. A Previdência Social é um regime contributivo, portanto, para ter direitos aos benefícios,

Leia mais

Direito de empresa. Prof. Cristiano Erse. www.erse.com.br

Direito de empresa. Prof. Cristiano Erse. www.erse.com.br Direito de empresa Prof. Cristiano Erse www.erse.com.br Do direito comercial ao direito de empresa Direito comercial: foco nos atos de comércio e no comerciante. Direito empresarial: foco na empresa e

Leia mais

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO?

EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO? Revista Jurídica da Unic / Emam - v. 1 - n. 1 - jul./dez. 2013 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LIMITADA: INOVAÇÃO OU CONFUSÃO? Hellen Caroline Ordones Nery Bucair 1 INTRODUÇÃO O empresário individual,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos/SP Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Habilitação Profissional Técnica de

Leia mais

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS

LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL COMERCIO DE VEÍCULOS USADOS LUCRO PRESUMIDO (COM RESTRIÇÕES) LUCRO REAL SIMPLES NACIONAL (COM RESTRIÇÕES) LEI nº 9.716/98 Artigo 5º As pessoas jurídicas que tenham como objeto

Leia mais

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E OS MEIOS PARA BUSCÁ-LA

I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E OS MEIOS PARA BUSCÁ-LA I ENCONTRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA RECUPERAÇÃO JUDICIAL E OS MEIOS PARA BUSCÁ-LA CLEILTON FERNANDES 1, JEFFESON CORDEIRO MUNIZ 1, LIDIANE FREITAS VARGAS 1, NIRLENE OLIVEIRA 1, SHEILA CRISTINA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Sociedade Uniprofissional e o (des)enquadramento do ISS Fixo

Sociedade Uniprofissional e o (des)enquadramento do ISS Fixo Sociedade Uniprofissional e o (des)enquadramento do ISS Fixo Autor: Prof. Pablo Arruda Especialista em Direito do Consumidor pela PUC-RJ. Professor do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais (IBMEC),

Leia mais

1. Legislação empresarial:

1. Legislação empresarial: 1 DIREITO EMPRESARIAL PONTO 1: Legislação empresarial PONTO 2: Conceitos de Direito Empresarial PONTO 3: Excluídos do Regime Jurídico Empresarial PONTO 4: Espécies de Empresário PONTO 5: Gênero de Sociedades

Leia mais

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa

NOTA TÉCNICA Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil Assessoria Legislativa NOTA TÉCNICA PROJETO DE LEI 4.138/2012 ADVOGADO PROFISSIONAL INDIVIDUAL ALTERAÇÃO NECESSÁRIA. Alteração legislativa que diminuirá a informalidade e a sonegação fiscal. Criação de novos empregos e formalização

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC PAULINO BOTELHO Código: 091 Município: São Carlos - SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de TÉCNICO

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.371/11 Dispõe sobre o Registro das Entidades Empresariais de Contabilidade. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLVE: CAPÍTULO

Leia mais

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Registro de Empresa. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Registro de Empresa Obrigações aos Empresários São obrigações dos empresários: a) Seguir um sistema de contabilidade, mecanizado ou não, com base na escrituração uniforme de seus livros, em correspondência

Leia mais

8. Regularização do Negócio

8. Regularização do Negócio 8. Regularização do Negócio Conteúdo 1. Forma Jurídica das Empresas 2. Consulta Comercial 3. Busca de Nome Comercial 4. Arquivamento do contrato social/requerimento de Empresário 5. Solicitação do CNPJ

Leia mais

SEÇÃO IV DOS CONTRIBUINTES E DOS RESPONSÁVEIS

SEÇÃO IV DOS CONTRIBUINTES E DOS RESPONSÁVEIS SEÇÃO IV DOS CONTRIBUINTES E DOS RESPONSÁVEIS Art. 109. O contribuinte do imposto é o prestador de serviço. Redação dada pelo artº 1º da Lei nº 16.933 de 30/12/2003. Art. 109. Contribuinte do imposto é

Leia mais

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO

PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO PROJETO DE LEI 4330 DISCUSSÃO ACERCA DA TERCEIRIZAÇÃO Análise acerca das últimas discussões sobre o Projeto de Lei 4330, que regula o contrato de prestação de serviços terceirizados e as relações de trabalho

Leia mais

Aulas de 08 a 18/03/13

Aulas de 08 a 18/03/13 Aulas de 08 a 18/03/13 6. Nome Empresarial 6.1. Alteração do nome empresarial O nome empresarial pode ser alterado a qualquer momento, respeitados os requisitos citados acima. Assim, o nome empresarial

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O.

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. UNIDADE V CIÊNCIAS CONTÁBEIS TEMA: TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PROFª: PAOLA JULIEN O. SANTOS TEORIA GERAL DAS SOCIEDADES COMERCIAIS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ 1. CONCEITO DE SOCIEDADE

Leia mais

OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. FATO GERADOR e OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. Curso Online Intensivo OAB/FGV - V Exame Unificado

OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. FATO GERADOR e OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA. Curso Online Intensivo OAB/FGV - V Exame Unificado Curso Online Intensivo OAB/FGV - V Exame Unificado Direito Tributário Aula 07 Professor Claudio Carneiro Fato Gerador Classificação do Fato Gerador Elementos do Fato Gerador Integral Relação Jurídica Tributária

Leia mais

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas

Pessoa jurídica. Administração. Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial. Classificação das pessoas jurídicas Administração Profa.: Barbara Mourão dos Santos Direito Societário: sociedade simples e sociedade empresarial Pessoa jurídica Agrupamento de pessoas físicas e/ou jurídicas que tem o seu ato constitutivo

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua

ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA. Como criar ou adequar a sua ENTIDADES DE UTILIDADE PÚBLICA Como criar ou adequar a sua A presente publicação é dirigida às pessoas que desejam ir além de suas obrigações e deveres individuais, para trabalharem por questões de interesse

Leia mais

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13

A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas. 15 ago 13 A função da associação de classe na construção e defesa de suas agendas 15 ago 13 Associação Iniciativa formal ou informal que reúne pessoas físicas ou jurídicas com objetivos comuns, visando superar

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Espécies de Sociedades de acordo com o novo Código Civil

Espécies de Sociedades de acordo com o novo Código Civil Empresas: Passos para abertura de empresa: 1. Definir qual o tipo de Pessoa Jurídica irá compor: 1.1 Sociedade Se constitui quando duas ou mais pessoas se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 74 - Data 28 de março de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A RENDA DA PESSOA JURÍDICA - IRPJ DEDUTIBILIDADE DE DESPESAS.

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

SOCIEDADES COMERCIAIS

SOCIEDADES COMERCIAIS Legislação Societária / Direito Comercial Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 11 SOCIEDADES COMERCIAIS Sociedade comercial é a pessoa jurídica de direito privado, nãoestatal, que tem por objeto social

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Dos Produtos e Serviços Gratuitos e a Aplicação do CDC Sumário: 1. Considerações Iniciais; 2. Do Consumidor; 3. Do Fornecedor; 4. Dos Serviços Gratuitos; 5. Conclusão; 6. Bibliografia

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização.

Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. Resumo Aula-tema 03: Relações de Trabalho: empregado x empregador. Terceirização. O Direito do Trabalho não se preocupa apenas e tão somente com as relações entre empregado e empregador. Sua abrangência

Leia mais

Material de apoio para a disciplina de Direito Civil V Professor Foed Saliba Smaka Jr. Faculdade do Litoral Paranaense ISEPE Guaratuba 2015.

Material de apoio para a disciplina de Direito Civil V Professor Foed Saliba Smaka Jr. Faculdade do Litoral Paranaense ISEPE Guaratuba 2015. Material de apoio para a disciplina de Direito Civil V Professor Foed Saliba Smaka Jr. Faculdade do Litoral Paranaense ISEPE Guaratuba 2015. ADVERTÊNCIA Os textos apresentados neste trabalho correspondem

Leia mais

PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > DIREITO COMERCIAL III > RESUMO Nº 1 > AS SOCIEDADES COMERCIAIS NO NOVO CÓDIGO CIVIL

PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > DIREITO COMERCIAL III > RESUMO Nº 1 > AS SOCIEDADES COMERCIAIS NO NOVO CÓDIGO CIVIL PÁGINA JURÍDICA > ARTIGOS DE PROFESSORES > DIREITO COMERCIAL III > RESUMO Nº 1 > AS SOCIEDADES COMERCIAIS NO NOVO CÓDIGO CIVIL Prof. Marcos Raposo 2002 1. - Nosso curso de Direito Comercial III abrange

Leia mais

BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014

BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014 BREVE ANÁLISE SOBRE AS ALTERAÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR Nº 123 DE 2006 (LEI DO SIMPLES NACIONAL) PELO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 60 DE 2014 (com ênfase nas sociedades prestadoras de serviços médicos)

Leia mais

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro

Direito Societário. Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Direito Societário Centro de Informática UFPE Disciplina: Gestão de Negócios Bruno Suassuna Carvalho Monteiro Importância do Direito Societário Conhecimento Jurídico como ferramenta para a gestão de negócios

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Plano de Trabalho Docente 2014

Plano de Trabalho Docente 2014. Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Ensino Técnico Técnico Etec Professora Nair Luccas Ribeiro Código: 156 Município: Teodoro Sampaio Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações

Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações 1 Pessoa Jurídica de Direito Privado como Sujeito de Direitos e Obrigações Maria Bernadete Miranda Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99)

Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) Estatuto das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Lei nº 9.841/99) A aprovação da Lei nº 9.841/99, de 05 de outubro de 1999, mais conhecida por "Estatuto da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte",

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA

DIREITO EMPRESARIAL APRESENTAÇÃO EMENTA EMPRESARIAL NÍVEL DE ENSINO: Graduação CARGA HORÁRIA: 80h PROFESSORES-AUTORES: Telder Andrade Lage Ana Luisa Coelho Perim Fabiano Eustáquio Zica Silva APRESENTAÇÃO O direito empresarial, ramo do direito

Leia mais