Contabilometria. Aula 10 Grau de Ajustamento e Verificação das Premissas MQO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contabilometria. Aula 10 Grau de Ajustamento e Verificação das Premissas MQO"

Transcrição

1 Contabilometria Aula 10 Grau de Ajustamento e Verificação das Premissas MQO

2 Ferramentas Análise de Dados Regressão Regressão Linear - Exemplo Usando o Excel

3 Regressão Linear Output do Excel RESUMO DOS RESULTADOS Estatística de regressão R múltiplo 0,7621 R-Quadrado 0,5808 R-quadrado ajustado 0,5284 Erro padrão 41,3303 Observações 10 A equação de regressão é: Preço = 98, ,110*Área em pés quadrados ANOVA gl SQ MQ F F de significação Regressão , ,935 11,085 0,010 Resíduo , ,196 Total ,5 Coeficientes Erro padrão Stat t valor-p 95% inferiores 95% superiores Inferior 95,0% Superior 95,0% Interseção 98,248 58,033 1,693 0,129-35, ,074-35, ,074 Pés quadrados (X) 0,110 0,033 3,329 0,010 0,034 0,186 0,034 0,186

4 Regressão Linear Output do Excel RESUMO DOS RESULTADOS Estatística de regressão R múltiplo 0,7621 R-Quadrado 0,5808 R-quadrado ajustado 0,5284 Erro padrão 41,3303 Observações 10 Erros padrão da da estimativa e dos coeficientes ANOVA gl SQ MQ F F de significação Regressão , ,935 11,085 0,010 Resíduo , ,196 Total ,5 Coeficientes Erro padrão Stat t valor-p 95% inferiores 95% superiores Inferior 95,0% Superior 95,0% Interseção 98,248 58,033 1,693 0,129-35, ,074-35, ,074 Pés quadrados (X) 0,110 0,033 3,329 0,010 0,034 0,186 0,034 0,186 Estatística de teste e valor-p do teste de hipótese Intervalos de confiança a 95%

5 Medidas de Variação A variação total é composta de duas partes: STQ SQReg SQR Soma Total dos Quadrados Soma dos Quadrados da Regressão Soma dos Quadrados dos Resíduos ou Erros 2 STQ ( Yi Y) 2 SQ R eg ( Yˆ Y) SQR Y ˆ i Y ) onde: Y = Valor médio da variável dependente Y i = Valores observados da variável dependente i Ŷi = Valor previsto para Y para um dado valor de X i ( i 2

6 Medidas de Variação STQ = soma total dos quadrados Mede a variação dos valores de Y i em torno de sua média Y SQReg = soma dos quadrados da regressão É a variação explicada, atribuída a relação entre X e Y SQR = soma dos quadrados dos erros É a variação não explicada, atribuída a fatores outros que não a relação entre X e Y

7 Medidas de Variação Y i Y Y _ Y _ STQ = (Y i - Y) 2 SQR = (Y i - Y i ) 2 _ SQReg = (Y i - Y) 2 Y _ Y X i X

8 Coeficiente de Determinação, R 2 O coeficiente de determinação mede a proporção da variação em Y que é explicada pela variável independente X no modelo de regressão. O coeficiente de determinação é também chamado de r-quadrado e é escrito r 2 R 2 SQ Re g STQ soma dos quadrados da regressão soma totaldos quadrados 0 R 2 1

9 Coeficiente de Determinação, R 2 Y R 2 = 1 Y R 2 = -1 X Relação linear perfeita entre X e Y: 100% da variação em Y é explicada pela variação em X R 2 = 1 X

10 Coeficiente de Determinação, R 2 Y Y X 0 < R 2 < 1 Relações lineares imperfeitas entre X e Y: Parte e não toda a variação em Y é explicada pela variação em X X

11 Coeficiente de Determinação, R 2 Y R 2 = 0 Não há relação linear entre X e Y: R 2 = 0 X Os valores de Y não têm relação com. (Nenhuma variação em Y pode ser explicada pela variação em X)

12 Regressão Linear - Exemplo Coeficiente de Determinação, r 2 RESUMO DOS RESULTADOS Estatística de regressão R múltiplo 0,7621 R-Quadrado 0,5808 R-quadrado ajustado 0,5284 Erro padrão 41,3303 Observações 10 r 2 SQReg STQ % da variação no preço das casas é explicada pela variação no tamanho ANOVA gl SQ MQ F F de significação Regressão , ,935 11,085 0,010 Resíduo , ,196 Total ,5 Coeficientes Erro padrão Stat t valor-p 95% inferiores 95% superiores Inferior 95,0% Superior 95,0% Interseção 98,248 58,033 1,693 0,129-35, ,074-35, ,074 Pés quadrados (X) 0,110 0,033 3,329 0,010 0,034 0,186 0,034 0,186

13 Tabela ANOVA e Teste F Estatística de teste F: F MQ Re g MQR onde SQReg MQReg k SQR MQR n k 1 onde F segue uma distribuição F com k g.l. no numerador e (n - k - 1) g.l. no denominador (k = no. de variáveis independentes no modelo de regressão)

14 Tabela ANOVA e Teste F Estatística de regressão R múltiplo 0,7621 R-Quadrado 0,5808 R-quadrado ajustado 0,5284 Erro padrão 41,3303 Observações 10 F MQReg MQR Com 1 e 8 graus de liberdade Valor-P para o teste F ANOVA gl SQ MQ F F de significação Regressão , ,935 11,085 0,010 Resíduo , ,196 Total ,5

15 Teste F H 0 : β 1 = 0 H 1 : β 1 0 =.05 gl 1 = 1 gl 2 = 8 Valor Crítico: Estatística de teste: MQ Re g F MQR Decisão: Rejeita H 0 a = 0.05 F = Não rejeita H 0 =.05 Rejeita H 0 F.05 = 5.32 F Conclusão: Há evidências suficientes de que o tamanho da casa afeta o preço de venda.

16 Premissas da Regressão Linearidade A relação entre X e Y é linear Independência dos Erros ou Autocorrelação Residual Os valores dos erros são estatisticamente independentes Normalidade dos Erros Os erros são normalmente distribuídos para cada valor de X Igualdade de Variâncias (também chamada homoscedasticidade) A variância dos erros é igual para todos os valores de X

17 Análise de Resíduos e i Y i Yˆ i O resíduo para a observação i, e i, é a diferença entre os seus valores observado e previsto Verifique as premissas do modelo de regressão linear examinando os resíduos da regressão Verifique a premissa de Linearidade Verifique a premissa de Independência Verifique a premissa de distribuição Normal Verifique a Igualdade de variâncias entre os valores de X

18 residuos residuos Análise de Resíduos - Linearidade Y Y x x x x Não Linear Linear No output do excel é o gráfico Plotagem de resíduos

19 residuos residuos Análise dos Resíduos Independência (ou autocorrelação) residuos Não Independentes Independentes X X X

20 Autocorrelação ou Independência - efeitos Os resíduos não podem ser correlacionados entre si, ou seja, um erro associado a um valor de y não deve influir de maneira significativa no erro associado a outro valor de y. É um problema mais comum quando os dados são coletados ao longo do tempo. O erro padrão de b será subestimado, o que levará a estatísticas t maiores, levando a uma rejeição da hipótese de que b = 0, sem que na verdade o seja. Podemos aceitar uma variável independente que deveria ser excluída do modelo. Se a hipótese for violada o método MQO não pode ser usado para estimar a e b.

21 residuos Autocorrelação ou Independência - causas Erro na especificação funcional do modelo de regressão Omissão de variável independente importante para o modelo de regressão

22 residuos Autocorrelação ou Independência como avaliar Análise gráfica do resíduos

23 Resíduos Autocorrelação ou Independência como avaliar Análise gráfica do resíduos Gráfico de Resíduos no Tempo 15 Aqui, os resíduos parecem ter um padrão cíclico, não aleatório Tempo (t) Viola a premissa de resíduos independentes do modelo de regressão linear

24 Autocorrelação ou Independência como avaliar Estatística de Durbin-Watson H 0 : resíduos não são correlacionados H 1 : há autocorrelação D n i2 O intervalo possível para D é 0 D 4 ( e e i n i1 e 2 i ) 2 i1 D deve ser perto de 2 se H 0 é verdadeira menos do que 2 sinaliza autocorrelação positiva, D maior do que 2 sinaliza autocorrelação negativa

25 Estatística de Durbin-Watson H 0 : não existe autocorrelação positiva H 1 : existe autocorrelação positivia Calcule a estatística de Durbin-Watson = D (A estatística de Durbin-Watson pode ser calculada usando o Excel) Encontre os valores d I e d S na tabela de Durbin-Watson (para um tamanho de amostra n e no. de coeficientes k) Autocorrelação Positiva Região não conclusiva Ausência de Autocorrelação Região não conclusiva Autocorrelação Negativa 0 d I d S 4 - d S 4 - d I 4 2

26 residuos residuos Homoscedasticidade Y Y x x x x Variâncias não homogêneas Variâncias homogêneas

27 Homocedasticidade Exemplo de situações que podem levar ao problema da homocedasticidade: Relação entre poupança e renda das famílias: famílias com renda mais alta poupam, em média, mais que as de menor renda, mas com maior variabilidade. Modelos de aprendizagem: com o tempo a ocorrência de erros ou falhas diminui, e também sua variação. Dados discrepantes: um dado discrepante é uma observação de uma população diferente daquela que gera o restante das observações amostradas.

28 Homocedasticidade teste de Pesaran-Pesaran O teste consiste em fazer uma regressão com variável dependende sendo o termo de erro ao quadrado, u 2, e a variável independente sendo o quadrado dos valores previstos para y, y. u 2 a b.yˆ 2 H 0 : resíduos homocedásticos H 1 : resíduos heterocedásticos Se o teste F indicar que a regressão é válida, rejeita-se H 0, e portanto, há indícios de heterocedasticidade.

29 Verificando a Normalidade dos Erros causas A violação da normalidade dos erros pode estar ligada a: Omissão de variáveis explicativas importantes Inclusão de variável explicativa irrelevante Utilização de relação matemática incorreta

30 Verificando a Normalidade dos Erros como avaliar Teste não paramétrico de Kolmogorov - Smirnov Etapas da realização do teste: 1. Calcular os termos de erro u i 2. Ordená-los na ordem crescente 3. Calcular o desvio-padrão s 4. Dividir cada erro pelo desvio padrão obterndo h i = u i / s 5. Obter z i, a probabilidade acumulada da distribuição normal padronizada, considerando o valor de h i 6. Calcular i/n onde i é o no. de ordem do termo de erro, e n o no. de observações 7. Calcular (i/n z i ) para cada observação 8. O valor máximo obtido no passo anterior é a estatística de teste D

31 Verificando a Normalidade dos Erros como avaliar Teste não paramétrico de Kolmogorov - Smirnov 8. O valor máximo obtido no passo anterior é a estatística de teste D D max 9. O valor de D crítico é obtido na Tabela de valores críticos da estatística D para o teste de Kolmogorov-Smirnov, depende do tamanho da amostra e o nível de significância do teste 10. Se D D crítico aceitamos a hipótese de que os resíduos se distribuem normalmente i n Se D > D crítico rejeitamos a hipótese de que os resíduos se distribuem normalmente z i

32 Regressão Linear - Exemplo Output Excel - Resíduos Resíduos Resultados de Resíduos Preço Previsto da Casa Resíduos Resíduos - Modelo de Preço de Casas Pés Quadrados Nenhuma premissa parece ter sido violada Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc. Chap 13-32

Cap. 12 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc.

Cap. 12 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc. Cap. 1 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 008 Prentice-Hall, Inc. Chap 1-1 Final de curso... tempo de recordar : ) Cap. 9 Fundamentos de testes

Leia mais

Contabilometria. Aula 11 Regressão Linear Múltipla e Variáveis Dummy

Contabilometria. Aula 11 Regressão Linear Múltipla e Variáveis Dummy Contailometria Aula Regressão Linear Múltipla e Variáveis Dummy O Modelo de Regressão Múltipla Ideia: Examinar a relação linear entre variável dependente (Y) & ou mais variáveis independentes (X i ). Modelo

Leia mais

EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO

EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO _2010_03_Exercicio _Regressão_exemplo O gerente de uma loja de artigos escolares, cada semana, deve decidir quanto gastar com propaganda e que atrativo (por exemplo preços

Leia mais

Estatística II. Aula 7. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística II. Aula 7. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística II Aula 7 Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Análise da Variância Objetivos do Aprendizado Nesta aula você aprenderá: A utilizar a análise de variância de fator único para testar diferenças

Leia mais

AULAS 14, 15 E 16 Análise de Regressão Múltipla: Problemas Adicionais

AULAS 14, 15 E 16 Análise de Regressão Múltipla: Problemas Adicionais 1 AULAS 14, 15 E 16 Análise de Regressão Múltipla: Problemas Adicionais Ernesto F. L. Amaral 20 e 22 de abril e 04 de maio de 2010 Métodos Quantitativos de Avaliação de Políticas Públicas (DCP 030D) Fonte:

Leia mais

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência 1 AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência Ernesto F. L. Amaral 23 e 25 de novembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à econometria: uma

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 REGRESSÃO MÚLTIPLA APLICADA AOS DADOS DE VENDAS DE UMA REDE DE LOJAS DE ELETRODOMÉSTICOS VANESSA SIQUEIRA PERES 1 RESUMO: Esse trabalho foi realizado com o objetivo de ajustar os dados de vendas de uma

Leia mais

Regressão Logística. Daniel Araújo Melo - dam2@cin.ufpe.br. Graduação

Regressão Logística. Daniel Araújo Melo - dam2@cin.ufpe.br. Graduação Regressão Logística Daniel Araújo Melo - dam2@cin.ufpe.br Graduação 1 Introdução Objetivo Encontrar o melhor modelo para descrever a relação entre variável de saída (variável dependente) e variáveis independentes

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Metodologias de Avaliação de Impacto Objetiva quantificar as mudanças que o projeto causou na vida dos beneficiários. Plano de Aula Método experimental: regressão

Leia mais

CAPÍTULO 12 AUTOCORRELAÇÃO

CAPÍTULO 12 AUTOCORRELAÇÃO Econometria Semestre 2010.01 121 121 CAPÍTULO 12 AUTOCORRELAÇÃO 12.1. A NATUREZA DO PROBLEMA O objetivo deste capítulo é examinar as conseqüências da violação de uma das hipóteses fundamentais do modelo

Leia mais

Análise de regressão linear simples. Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu

Análise de regressão linear simples. Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Análise de regressão linear simples Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Introdução A análise de regressão estuda o relacionamento entre uma variável chamada a variável dependente

Leia mais

Capítulo 11 Análise da Variância. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc. Chap 11-1

Capítulo 11 Análise da Variância. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc. Chap 11-1 Capítulo 11 Análise da Variância Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc. Chap 11-1 Objetivos do Aprendizado Neste capítulo você aprenderá: Os conceitos básicos da modelagem

Leia mais

REGRESSÃO LINEAR SIMPLES PARTE III

REGRESSÃO LINEAR SIMPLES PARTE III REGRESSÃO LINEAR SIMPLES PARTE III Instalando e usando a opção Regressão do Excel. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor da Cavalcante

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

Anova Univariada e Multivariada

Anova Univariada e Multivariada UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE ESTATÍSTICA Anova Univariada e Multivariada Curso: Bacharelado em Estatística Disciplina: Estatística Aplicada Nome: Denis

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Correlação Estatística e Probabilidade Uma correlação é uma relação entre duas variáveis. Os dados podem ser representados por pares ordenados (x,y), onde x é a variável independente ou variável explanatória

Leia mais

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder

COMENTÁRIO AFRM/RS 2012 ESTATÍSTICA Prof. Sérgio Altenfelder Comentário Geral: Prova muito difícil, muito fora dos padrões das provas do TCE administração e Economia, praticamente só caiu teoria. Existem três questões (4, 45 e 47) que devem ser anuladas, por tratarem

Leia mais

Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla

Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla Carla Henriques Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Carla Henriques (DepMAT ESTV) Análise de Regres. Linear Simples e Múltipla

Leia mais

ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM

ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM UM EXEMPLO DE APLICAÇÃO Digamos que temos 6 métodos de ensino aplicados a 30 crianças cada

Leia mais

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 03 Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis 2 OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição.

Leia mais

Exemplo Regressão Linear Simples

Exemplo Regressão Linear Simples Exemplo Regressão Linear Simples Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 1 o Semestre 2013 G. A. Paula (IME-USP) Área e Preço de Imóveis 1 o Semestre 2013 1 /

Leia mais

Datas Importantes 2013/01

Datas Importantes 2013/01 INSTRUMENTAÇÃO CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO PROBABILIDADE PROPAGAÇÃO DE INCERTEZA MÍNIMOS QUADRADOS Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Datas Importantes

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO NORTE DE GOIÁS (PORANGATU).

MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO NORTE DE GOIÁS (PORANGATU). XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP - 9 MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO NORTE DE GOIÁS (PORANGATU).

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Departamento De Estatística Curso de Estatística. Jarbas Hagen da Costa

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Departamento De Estatística Curso de Estatística. Jarbas Hagen da Costa UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Departamento De Estatística Curso de Estatística Jarbas Hagen da Costa Fatores Associados ao na Esperança de Vida Ao Nascer Nos Municípios de Minas Gerais nos Períodos

Leia mais

PROPOSTA DE MÉTODO PARA MONITORAMENTO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE UM GRÁFICO DE CONTROLE PARA RESÍDUOS DE MODELOS DE REGRESSÃO

PROPOSTA DE MÉTODO PARA MONITORAMENTO DE PROCESSOS ATRAVÉS DE UM GRÁFICO DE CONTROLE PARA RESÍDUOS DE MODELOS DE REGRESSÃO XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014

PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA. 09/abril de 2014 PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DE FLORESTAS TROPICAIS-PG-CFT INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA-INPA 09/abril de 2014 Considerações Estatísticas para Planejamento e Publicação 1 Circularidade do Método

Leia mais

IV TESTES PARA DUAS AMOSTRAS INDEPENDENTES

IV TESTES PARA DUAS AMOSTRAS INDEPENDENTES IV TESTES PARA DUAS AMOSTRAS INDEPENDENTES Estes testes se aplicam a planos amostrais onde se deseja comparar dois grupos independentes. Esses grupos podem ter sido formados de duas maneiras diferentes:

Leia mais

Pós-Graduação em Economia e Gestão em Saúde Módulo de Estatística Aplicada

Pós-Graduação em Economia e Gestão em Saúde Módulo de Estatística Aplicada ÍNDICE 1. CONCEITOS BÁSICOS 2 1.1 FASES DE UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA 2 2. ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS 3 2.1 TABELAS E GRÁFICOS 3 2.2 ESTATÍSTICA DESCRITIVA 9 2.2.1 Medidas de Tendência Central 10 2.2.2

Leia mais

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes 4 Análise de Dados 4.1 Perfil dos Respondentes A taxa de resposta foi de aproximadamente 8% de respostas na amostra de clientes que compram fora da loja (telefone e/ou Internet) e 3% na amostra de clientes

Leia mais

ANÁLISE DE DADOS ESTATÍSTICOS COM O MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007

ANÁLISE DE DADOS ESTATÍSTICOS COM O MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 ANÁLISE DE DADOS ESTATÍSTICOS COM O MICROSOFT OFFICE EXCEL 2007 2 Professor Claodomir Antonio Martinazzo Sumário 1 Introdução... 03 2 Instalação da ferramenta Análise de Dados... 04 3 Estatística Descritiva...

Leia mais

ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA ARROZ

ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA ARROZ ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA INTERNACIONAL DO ARROZ PANORAMA DO MERCADO MUNDIAL DE ARROZ PRINCIPAIS PRODUTORES (em milhões de toneladas) Região 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Var % (14*/13)

Leia mais

Conceitos Básicos de Estatística Aula 2

Conceitos Básicos de Estatística Aula 2 Conceitos Básicos de Estatística Aula 2 ISCTE - IUL, Mestrados de Continuidade Diana Aldea Mendes diana.mendes@iscte.pt 13 de Setembro de 2011 DMQ, ISCTE-IUL (diana.mendes@iscte.pt) Estatística 13 de Setembro

Leia mais

A presente seção apresenta e especifica as hipótese que se buscou testar com o experimento. A seção 5 vai detalhar o desenho do experimento.

A presente seção apresenta e especifica as hipótese que se buscou testar com o experimento. A seção 5 vai detalhar o desenho do experimento. 4 Plano de Análise O desenho do experimento realizado foi elaborado de forma a identificar o quão relevantes para a explicação do fenômeno de overbidding são os fatores mencionados na literatura em questão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Programa de Graduação em Estatística. Samuel de Oliveira

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Programa de Graduação em Estatística. Samuel de Oliveira UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA Programa de Graduação em Estatística Samuel de Oliveira INFERÊNCIA E ANÁLISE DE RESÍDUOS E DE DIAGNÓSTICO EM

Leia mais

O Uso do EXCEL para Análises Estatísticas HEP58000

O Uso do EXCEL para Análises Estatísticas HEP58000 O Uso do EXCEL para Análises Estatísticas EP58 Curso de Bioestatística Regina Bernal Nilza Nunes da Silva Março de Índice I. Sobre o Excel... 4 II. Planilha Eletrônica... 5 II.. Pasta de trabalho... 5

Leia mais

1 ANEXO 1 LUCROS E PERDAS 2002 YEAR 2002 PROFIT & LOSS Currency: Reais JAN FEB MAR APR MAY JUN JUL AUG SEP OCT NOV DEC TOTAL INDEX

1 ANEXO 1 LUCROS E PERDAS 2002 YEAR 2002 PROFIT & LOSS Currency: Reais JAN FEB MAR APR MAY JUN JUL AUG SEP OCT NOV DEC TOTAL INDEX 1 ANEXO 1 LUCROS E PERDAS 2002 YEAR 2002 PROFIT & LOSS Currency: Reais JAN FEB MAR APR MAY JUN JUL AUG SEP OCT NOV DEC TOTAL INDEX 1- Gross Margin GRUPO 2.01 - HOUSEHOLD CLEANNING Net Sales 251.504 194.598

Leia mais

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto A econometria é o laboratório dos economistas, que busca reproduzir o funcionamento do mundo de forma experimental, como se faz nas ciências naturais. Os modelos

Leia mais

Técnicas Multivariadas em Saúde. Comparações de Médias Multivariadas. Métodos Multivariados em Saúde - 2015. Roteiro. Testes de Significância

Técnicas Multivariadas em Saúde. Comparações de Médias Multivariadas. Métodos Multivariados em Saúde - 2015. Roteiro. Testes de Significância Roteiro Técnicas Multivariadas em Saúde Lupércio França Bessegato Dep. Estatística/UFJF 1. Introdução 2. Distribuições de Probabilidade Multivariadas 3. Representação de Dados Multivariados 4. Testes de

Leia mais

Por que estudar econometria? Passos para uma análise econômica empírica. Por que estudar econometria? Tipos de dados Cross Section

Por que estudar econometria? Passos para uma análise econômica empírica. Por que estudar econometria? Tipos de dados Cross Section Por que estudar econometria? Inexistência de dados experimentais (experimentos controlados) em economia O que é Econometria? Necessidade de usar dados não experimentais, ou melhor, dados observados para

Leia mais

UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul CCET - Centro de Ciências Exatas e Tecnologia DEC - Departamento de Estruturas e Construção Civil

UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul CCET - Centro de Ciências Exatas e Tecnologia DEC - Departamento de Estruturas e Construção Civil UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul CCET - Centro de Ciências Exatas e Tecnologia DEC - Departamento de Estruturas e Construção Civil Disciplina: Professor Wagner Augusto Andreasi, M. Engº

Leia mais

4 Resultados e Discussões

4 Resultados e Discussões 4 Resultados e Discussões 4.1 Resultados e Discussões Para cada um dos modelos descridos no capitulo anterior foram realizadas as estimativas dos seus respectivos parâmetros, bem como o teste necessário

Leia mais

Especialização em Engenharia Clínica

Especialização em Engenharia Clínica Especialização em Engenharia Clínica Introdução a Bioestatística Docente: > Marcelino M. de Andrade, Dr. Apresentação: Módulo 02 Teoria Elementar da Amostragem A teoria elementar da amostragem é um estudo

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE SOBREO ÍNDICE IBOVESPA INFLUENCE OF THE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE INDEX ON THE IBOVESPA INDEX

INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE SOBREO ÍNDICE IBOVESPA INFLUENCE OF THE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE INDEX ON THE IBOVESPA INDEX INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE SOBREO ÍNDICE IBOVESPA INFLUENCE OF THE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE INDEX ON THE IBOVESPA INDEX Esp. Leandro Antônio Brondani Especialista em Finanças

Leia mais

Ferramentas da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT

Ferramentas da Qualidade. Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Ferramentas da Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histogramas Histograma O histograma é um gráfico de barras no qual o eixo horizontal, subdividido em vários pequenos intervalos, apresenta

Leia mais

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr

Análise de Regressão. Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho. Cleber Moura Edson Samuel Jr Análise de Regressão Tópicos Avançados em Avaliação de Desempenho Cleber Moura Edson Samuel Jr Agenda Introdução Passos para Realização da Análise Modelos para Análise de Regressão Regressão Linear Simples

Leia mais

Testes (Não) Paramétricos

Testes (Não) Paramétricos Armando B. Mendes, DM, UAç 09--006 ANOVA: Objectivos Verificar as condições de aplicabilidade de testes de comparação de médias; Utilizar ANOVA a um factor, a dois factores e mais de dois factores e interpretar

Leia mais

Testedegeradoresde. Parte X. 38 Testes de Ajuste à Distribuição. 38.1 Teste Chi-Quadrado

Testedegeradoresde. Parte X. 38 Testes de Ajuste à Distribuição. 38.1 Teste Chi-Quadrado Parte X Testedegeradoresde números aleatórios Os usuários de uma simulação devem se certificar de que os números fornecidos pelo gerador de números aleatórios são suficientemente aleatórios. O primeiro

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Modelos de Equações simultâneas

Modelos de Equações simultâneas Modelos de Equações simultâneas y 1 = α 1 y 2 + β 1 z 1 + u 1 y 2 = α 2 y 1 + β 2 z 2 + u 2 Capítulo 16 1 Modelo de equações simultâneas Exemplo de determinação de horas e salário. 2 Modelo de equações

Leia mais

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução Capítulo 8 - Testes de hipóteses 8.1 Introdução Nos capítulos anteriores vimos como estimar um parâmetro desconhecido a partir de uma amostra (obtendo estimativas pontuais e intervalos de confiança para

Leia mais

Modelo de Regressão Linear e suas Aplicações

Modelo de Regressão Linear e suas Aplicações UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Modelo de Regressão Linear e suas Aplicações Sandra Cristina Antunes Rodrigues Relatório de Estágio para obtenção do Grau de Mestre em Ensino de Matemática no 3º

Leia mais

Regressão Linear em SPSS

Regressão Linear em SPSS Regressão Linear em SPSS 1. No ficheiro Calor.sav encontram-se os valores do consumo mensal de energia, medido em milhões de unidades termais britânicas, acompanhados de valores de output, em milhões de

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

PREVISÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM PETROLINA - PE

PREVISÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM PETROLINA - PE Revista Brasileira de Energia, Vol. 18, N o. 1, 1 o Sem. 2012, pp. 129-141 129 PREVISÃO DE CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM PETROLINA - PE Alexandre Alex Silva e Caldas 1 Eucymara França Nunes Santos 2 RESUMO

Leia mais

Investigação Sociológica

Investigação Sociológica Investigação Sociológica Analisar modelos com Equações Estruturais Rui Brites rui.brites@iscte.pt 1 Modelação de Equações Estruturais (MEE) (SEM structural equations modeling) com SPSS/AMOS O essencial

Leia mais

Introdução aos Modelos Lineares em Ecologia

Introdução aos Modelos Lineares em Ecologia Introdução aos Modelos Lineares em Ecologia Prof. Adriano Sanches Melo - Dep. Ecologia UFG asm.adrimelo no gmail.com Página do curso: www.ecologia.ufrgs.br/~adrimelo/lm/ Livro-texto: Crawley, M.J. 2005.

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Terceira Lista de Exercícios 22 de julho de 20 Seja X uma VA contínua com função densidade de probabilidade f dada por Calcule P ( < X < 2. f(x = 2 e x x R. A fdp dada tem o seguinte

Leia mais

Capítulo 3 Modelos Estatísticos

Capítulo 3 Modelos Estatísticos Capítulo 3 Modelos Estatísticos Slide 1 Resenha Variáveis Aleatórias Distribuição Binomial Distribuição de Poisson Distribuição Normal Distribuição t de Student Distribuição Qui-quadrado Resenha Slide

Leia mais

Faturamento de Restaurantes

Faturamento de Restaurantes Faturamento de Restaurantes Gilberto A. Paula Departamento de Estatística IME-USP, Brasil giapaula@ime.usp.br 2 o Semestre 2015 G. A. Paula (IME-USP) Faturamento de Restaurantes 2 o Semestre 2015 1 / 28

Leia mais

AULAS 02 E 03 Modelo de Regressão Simples

AULAS 02 E 03 Modelo de Regressão Simples 1 AULAS 02 E 03 Modelo de Regressão Simples Ernesto F. L. Amaral 04 e 09 de março de 2010 Métodos Quantitativos de Avaliação de Políticas Públicas (DCP 030D) Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS GRADUADOS EM ENGENHARIA NA ECONOMIA - UMA COMPROVAÇÃO EMPÍRICA NA POLÔNIA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS GRADUADOS EM ENGENHARIA NA ECONOMIA - UMA COMPROVAÇÃO EMPÍRICA NA POLÔNIA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS GRADUADOS EM ENGENHARIA NA ECONOMIA - UMA COMPROVAÇÃO EMPÍRICA NA POLÔNIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

SisDEA Home Windows Versão 1

SisDEA Home Windows Versão 1 ROTEIRO PARA CRIAÇÃO E ANÁLISE MODELO REGRESSÃO 1. COMO CRIAR UM MODELO NO SISDEA Ao iniciar o SisDEA Home, será apresentada a tela inicial de Bem Vindo ao SisDEA Windows. Selecione a opção Criar Novo

Leia mais

Exemplos de Testes de Hipóteses para Médias Populacionais

Exemplos de Testes de Hipóteses para Médias Populacionais Exemplos de Testes de Hipóteses para Médias Populacionais Vamos considerar exemplos de testes de hipóteses para a média de uma população para os dois casos mais importantes na prática: O tamanho da amostra

Leia mais

Excel Básico e Avançado. Aula 6

Excel Básico e Avançado. Aula 6 Excel Básico e Avançado Aula 6 Prof. Dr. Marco Antonio Leonel Caetano Mudanças Abruptas www.mudancasabruptas.com.br TABELA DE FREQUÊNCIAS Objetivos Quantificar repetições de experimentos e eventos Ajudar

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-010 - APO 11. O Dia do Trabalho, dia 1º de maio, é o 11º dia do ano quando o ano não é bissexto. No ano de 1958, ano em que o Brasil ganhou,

Leia mais

Correlação e Regressão

Correlação e Regressão Correlação e Regressão Análise de dados. Tópico Prof. Dr. Ricardo Primi & Prof. Dr. Fabian Javier Marin Rueda Adaptado de Gregory J. Meyer, University of Toledo, USA; Apresentação na Universidade e São

Leia mais

UMA ABORDAGEM DOS TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS COM UTILIZAÇÃO DO EXCEL

UMA ABORDAGEM DOS TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS COM UTILIZAÇÃO DO EXCEL UMA ABORDAGEM DOS TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS COM UTILIZAÇÃO DO EXCEL Arthur Alexandre Hackbarth Neto, Esp. FURB Universidade Regional de Blumenau Carlos Efrain Stein, Ms. FURB Universidade Regional de Blumenau

Leia mais

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL 6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL Este capítulo procurará explicar os movimentos do investimento, tanto das contas nacionais quanto das empresas abertas com ações negociadas em bolsa através

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008

Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 083020 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/04/2008 Universidade Federal de São Carlos Departamento de Matemática 08300 - Curso de Cálculo Numérico - Turma E Resolução da Primeira Prova - 16/0/008 1. (0 pts.) Considere o sistema de ponto flutuante normalizado

Leia mais

ANAIS PROPOSTA DE MODELO DE PREVISÃO DE PREÇO DA GASOLINA AO CONSUMIDOR FINAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ANAIS PROPOSTA DE MODELO DE PREVISÃO DE PREÇO DA GASOLINA AO CONSUMIDOR FINAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROPOSTA DE MODELO DE PREVISÃO DE PREÇO DA GASOLINA AO CONSUMIDOR FINAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MÁRCIO PITZER ( pitzer.marcio@gmail.com ) UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ANDRÉ LINDOLFO ZIEBELL RICARDO (

Leia mais

Ajuste de Curvas. Ajuste de Curvas

Ajuste de Curvas. Ajuste de Curvas Ajuste de Curvas 2 AJUSTE DE CURVAS Em matemática e estatística aplicada existem muitas situações em que conhecemos uma tabela de pontos (x; y). Nessa tabela os valores de y são obtidos experimentalmente

Leia mais

Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Curso de Avaliação Econômica de Projetos Sociais A instituição - Ballet de Santa Teresa É uma instituição que promove a inclusão sócio-educativa e cultural de moradores de áreas de alto risco social através

Leia mais

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná

Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de Transmissão em Solos do Estado do Paraná COBRAMSEG 21: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 21 ABMS. Estudo da Viabilidade do Uso do Penetrômetro Dinâmico Leve (DPL) para Projetos de Fundações de Linhas de

Leia mais

Análise de Regressão Linear Simples III

Análise de Regressão Linear Simples III Análise de Regressão Linear Simples III Aula 03 Gujarati e Porter Capítulos 4 e 5 Wooldridge Seção.5 Suposições, Propriedades e Teste t Suposições e Propriedades RLS.1 O modelo de regressão é linear nos

Leia mais

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente.

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente. TESTES NÃO - PARAMÉTRICOS As técnicas da Estatística Não-Paramétrica são, particularmente, adaptáveis aos dados das ciências do comportamento. A aplicação dessas técnicas não exige suposições quanto à

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/1/011 pelo CEPERJ 59. O cartão de crédito que João utiliza cobra 10% de juros ao mês,

Leia mais

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE DADOS observação = previsível + aleatória aleatória obedece algum modelo de probabilidade ferramenta: análise de variância identificar fatores, controláveis, que expliquem o fenômeno ou alterem a característica

Leia mais

1. INTRODUÇÃO AO EVIEWS. 1.1. Construção da Base de Dados

1. INTRODUÇÃO AO EVIEWS. 1.1. Construção da Base de Dados Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Curso de Doutorado em Economia (Estágio Docência) Disciplina: Econometria Aplicada Professor: Sabino Porto Junior Estagiário:

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O EVA E OS INVESTIMENTOS EM RESPONSABILIDADE SOCIAL COORPORATIVA DAS INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS DO BRASIL NO PERIODO DE 1997 A 2006

RELAÇÃO ENTRE O EVA E OS INVESTIMENTOS EM RESPONSABILIDADE SOCIAL COORPORATIVA DAS INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS DO BRASIL NO PERIODO DE 1997 A 2006 RELAÇÃO ENTRE O EVA E OS INVESTIMENTOS EM RESPONSABILIDADE SOCIAL COORPORATIVA DAS INSTITUIÇÕES BANCÁRIAS DO BRASIL NO PERIODO DE 1997 A 2006 Autor: SÉRGIO RAMOS FIGUEIREDO (UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES

Leia mais

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A.

IMES Catanduva. Probabilidades e Estatística. no Excel. Matemática. Bertolo, L.A. IMES Catanduva Probabilidades e Estatística Estatística no Excel Matemática Bertolo, L.A. Aplicada Versão BETA Maio 2010 Bertolo Estatística Aplicada no Excel Capítulo 3 Dados Bivariados São pares de valores

Leia mais

Probabilidades e Estatística

Probabilidades e Estatística Trabalho Prático de Avaliação Probabilidades e Estatística Grupo Nº 3 Célia Teixeira ei3636 Mário Serafim ei2300 José Afonso ei2467 João Pereira ei3502 Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Beja Temas

Leia mais

Desvendando a Estatística com o R Commander

Desvendando a Estatística com o R Commander UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná Desvendando a Estatística com o R Commander Prof. MSc. Jonas Joacir Radtke Sumário 1 Introdução p. 3 1.1 Instalação do R Commander..........................

Leia mais

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS

MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS MINISTE RIO DA EDUCAÇA O UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS DEPARTAMENTO DE CIE NCIAS EXATAS Programa de Pós-Graduação em Estatística e Experimentação Agropecuária Prova do Processo Seletivo para o Mestrado

Leia mais

5 Cap 8 Análise de Resíduos. Outline. 2 Cap 2 O tempo. 3 Cap 3 Funções de Sobrevida. Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 22

5 Cap 8 Análise de Resíduos. Outline. 2 Cap 2 O tempo. 3 Cap 3 Funções de Sobrevida. Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 22 Outline Cap 8 Análise de Resíduos 1 Cap 1 Introdução 2 Cap 2 O tempo 3 Cap 3 Funções de Sobrevida 4 Cap 4 Não-Paramétrica 5 Cap 8 Análise de Resíduos Carvalho MS (2009) Sobrevida 1 / 22 Objetivos Analisar

Leia mais

Utilização da regressão linear como ferramenta de decisão na gestão de custos.

Utilização da regressão linear como ferramenta de decisão na gestão de custos. Utilização da regressão linear como ferramenta de decisão na gestão de custos. Isair Sell (Universidade Federal de Santa Catarina - Brasil) - isairsell@ibest.com.br Resumo A contabilidade é vista como

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

APOSTILA CONSIDERAÇÃO DO RISCO NA AVALIAÇÃO DE PROJETOS

APOSTILA CONSIDERAÇÃO DO RISCO NA AVALIAÇÃO DE PROJETOS Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos AJUSTE COMPLEMENTAR ENTRE O BRASIL E CEPAL/ILPES POLÍTICAS PARA GESTÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS CURSO

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

TUTORIAL SOBRE ANÁLISE DE REGRESSÃO

TUTORIAL SOBRE ANÁLISE DE REGRESSÃO TUTORIAL SOBRE ANÁLISE DE REGRESSÃO I. No R: ### Exemplo dados dos alunos: altura x peso ### x = altura e y = peso ############################################ # Entrada de Dados x

Leia mais

MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR

MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR MAXIMIZAÇÃO DO RESULTADO ATRAVÉS DA MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO E DA PROGRAMAÇÃO LINEAR Corrar, Luiz João Cunha, Darliane* Feitosa, Agricioneide* Professor e Mestrandas em Contabilidade e Controladoria Faculdade

Leia mais

PROJETO PRESTES MAIA. Transposição Seca Santos Guarujá

PROJETO PRESTES MAIA. Transposição Seca Santos Guarujá PROJETO PRESTES MAIA Transposição Seca Santos Guarujá Análise de alternativas construtivas em função da localização com melhores indicadores de demanda CONCEPÇÃO DO PROJETO DE ENGENHARIA Restrições da

Leia mais

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL Adm. Financeira II Aula 05 - Técnicas Orç. Capital - Pg. 1/8 TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução 1.1. Considerar fatores importantes fora do controle da empresa 1.2. Fatores qualitativos

Leia mais

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia

4. Metodologia. Capítulo 4 - Metodologia Capítulo 4 - Metodologia 4. Metodologia Neste capítulo é apresentada a metodologia utilizada na modelagem, estando dividida em duas seções: uma referente às tábuas de múltiplos decrementos, e outra referente

Leia mais

Capítulo 4 Testes de Hipóteses

Capítulo 4 Testes de Hipóteses L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 61 Capítulo 4 Testes de Hipóteses Inferência estatística pode ser definida como um conjunto de procedimentos que nos permite tirar conclusões

Leia mais

Métodos Estatísticos sticos Aplicados à Engenharia de Software Experimental

Métodos Estatísticos sticos Aplicados à Engenharia de Software Experimental A Utilização de Métodos M Estatísticos sticos no Planejamento e Análise de Estudos Experimentais em Engenharia de Software Marco Antônio P. Araújo CES/JF e Faculdade Metodista Granbery maraujo@acessa.com

Leia mais

Modelando a Variância

Modelando a Variância Capítulo 6 Modelando a Variância 6.1 Introdução Nos modelos vistos até aqui a variância dos erros foi assumida constante ao longo do tempo, i.e. V ar(ɛ t ) = E(ɛ 2 t ) = σɛ 2. Muitas séries temporais no

Leia mais

Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro. Ana Paula

Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro. Ana Paula Aritmética de Ponto Flutuante e Noções de Erro Sumário 1 Introdução 2 Sistemas de Numeração 3 Representação de Números Inteiros no Computador 4 Representação de Números Reais no Computador 5 Operações

Leia mais