Contabilometria. Aula 11 Regressão Linear Múltipla e Variáveis Dummy

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contabilometria. Aula 11 Regressão Linear Múltipla e Variáveis Dummy"

Transcrição

1 Contailometria Aula Regressão Linear Múltipla e Variáveis Dummy

2 O Modelo de Regressão Múltipla Ideia: Examinar a relação linear entre variável dependente (Y) & ou mais variáveis independentes (X i ). Modelo de Regressão com k Variáveis Independentes: Intercepto Inclinações na população Erro Aleatório Y i β 0 β X i β X i β k X ki ε i

3 Equação da Regressão Múltipla Os coeficientes do modelo de regressão múltipla são estimados a partir de dados amostrais Modelo de regressão múltipla com k variáveis independentes Valor estimado (ou previsto) de Y Intercepto estimado Coeficinetes angulares estimados Ŷ i 0 X i X i k X ki Neste capítulo usaremos o Excel para oter os coeficientes angulares da regressão e outras medidas.

4 Equação da Regressão Múltipla Exemplo com duas variáveis independentes Y Ŷ 0 X X X X

5 Equação da Regressão Múltipla Variáveis - Exemplo Uma empresa deseja analisar o comportamento dos custos indiretos de faricação (cif), em função das variáveis: horas de mão-de-ora direta (hmod) e horasmáquina (hm). Variável Dependente: Custos Indiretos (em $) Variável Independente: Horas de mão-de-ora direta (em h) Horas-máquina (em h) Dados coletados durante 5 meses

6 Equação da Regressão Múltipla Variáveis - Exemplo Período CIF HMOD HM Equação da Regressão Múltipla: CIF = 0 + (hmod) + (hm) CIF = 0 + X + X Onde: X = hmod X = hm

7 Regressão Linear Simples CIF = f(hmod) Estatística de regressão R múltiplo 0,883 R-Quadrado 0,780 R-quadrado ajustado 0,763 Erro padrão 48,985 Oservações 5 ANOVA gl SQ MQ F F de significação Regressão 0.99,6 0.99,6 45,967 0, Resíduo ,08.399,54 Total ,33 Coeficientes Erro padrão Stat t valor-p 95% inferiores 95% superiores Interseção 00,8 Vvc 4,76 4,8 0,0003 0,60 9,04 HMOD 8, 4,5 6,78 0,0000 9,5 37,07 Vvc V Custo Variável Custo Fixo

8 Estatística de regressão R múltiplo 0,90 R-Quadrado 0,846 R-quadrado ajustado 0,834 Erro padrão 40,9 Oservações 5 Regressão Linear Simples CIF = f(hm) ANOVA gl SQ MQ F F de significação Regressão 9.74,3 9.74,3 7,496 0,00000 Resíduo 3.769,0.674,55 Total ,33 Coeficientes Erro padrão Stat t valor-p 95% inferiores 95% superiores Interseção 08,88 Vvc 3,7 6,38 0, ,0 79,55 HM 4,8,68 8,46 0,0000 0,55 7,80 Vvc Custo Variável Custo Fixo

9 Estatística de regressão R múltiplo 0,94 R-Quadrado 0,885 R-quadrado ajustado 0,866 Erro padrão 36,87 Oservações 5 Regressão Linear Múltipla CIF = f(hmod;hm) R SQReg STQ 58, ,33 0,885 ANOVA gl SQ MQ F F de significação Regressão 5.8, ,47 46,65 0,00000 Resíduo 6.74,39.356,0 Total ,33 88,5% da variação nos custos indiretos de faricação é explicada pela variação nas horas de mão de ora direta e horas-máquina. CoeficientesErro padrão Stat t valor-p 95% inferiores 95% superiores Interseção 84,88 3,76 5,8 0, ,68 54,09 HMOD,75 5,84,03 0,067-0,97 4,46 HM 9,37,8 3,37 0,0065 3, 5,5

10 R ajustado Mostra a proporção da variação em Y explicada pelo conjunto das variáveis X ajustado ao número de variáveis X utilizadas no modelo R aj n ( R n k (onde n = tamanho da amostra, k = numero de coeficientes da regressão) Penaliza o uso excessivo e desnecessário de variáveis independentes É menor que r Útil ao comparar modelos com diferentes especificações )

11 R ajustado Estatística de regressão R múltiplo 0,94 R-Quadrado 0,885 R-quadrado ajustado 0,866 Erro padrão 36,87 Oservações 5 R aj 5 ( 0,88498) ,58% ANOVA gl SQ MQ F F de significação Regressão 5.8, ,47 46,65 0,00000 Resíduo 6.74,39.356,0 Total ,33 CoeficientesErro padrão Stat t valor-p 95% inferiores 95% superiores Interseção 84,88 3,76 5,8 0, ,68 54,09 HMOD,75 5,84,03 0,067-0,97 4,46 HM 9,37,8 3,37 0,0065 3, 5,5

12 Como testar a validade da regressão como um todo As hipóteses são definidas em termos do coeficiente de determinação: H 0 : R = 0 H : R > 0 O F teste é calculado pela fórmula: F teste Variância Explicada Variância Não Explicada R k R n k

13 R ajustado Estatística de regressão R múltiplo 0,94 R-Quadrado 0,885 R-quadrado ajustado 0,866 Erro padrão 36,87 Oservações 5 F teste R k R n k 0, , ,65 ANOVA gl SQ MQ F F de significação Regressão 5.8, ,47 46,65 0,00000 Resíduo 6.74,39.356,0 Total ,33 CoeficientesErro padrão Stat t valor-p 95% inferiores 95% superiores Interseção 84,88 Vvc 3,76 5,8 0, ,68 54,09 HMOD,75 5,84,03 0,067-0,97 4,46 Vvc HM 9,37,8 3,37 0,0065 3, 5,5 Custo Variável Custo Fixo Não significativo a um α = 5%

14 Como hmod e hm foram signficativas quando consideradas em modelos de regressão linear simples, e quando colocadas simultaneamente somente uma é significativa? Multicolinearidade!!

15 Multicolinearidade Ocorre quando duas variáveis explicativas são altamente correlacionadas. Neste caso elas fornecerão informações semelhantes para explicar a variável dependente. Isso dificulta entender qual a contriuição de cada uma, prejudicando a capacidade preditiva do modelo. Sintoma: R ajustado elevado mas com poucos coeficientes ( i ) estatisticamente significativos No nosso exemplo, R ajustado é alto, mas o coeficiente de hmod não é significativamente diferente de zero.

16 Multicolinearidade Podemos oservar o coeficiente de correlação entre as variáveis explicativas. Excel: Ferramentas Análise de Dados Correlação CIF HMOD HM CIF HMOD 0,8894 HM 0,9986 0, Um dos métodos mais utilizados pelos pesquisadores para detectar a multicolinearidade é o FIV (Fator de Inflação da Variância)

17 Detectando a Colinearidade FIV - Fator Inflacionário da Variância FIV j é usado para medir a colinearidade: FIV j R j onde R j é o coeficiente de determinação de um modelo de regressão que usa X j como variável dependente e todas as demais variáveis X como variáveis independentes Se FIV j > 5, X j é altamente correlacionado com as outras variáveis independentes

18 Utilizando Variáveis Binárias Dummy Uma variável dummy é uma variável independente categórica com dois níveis: Sim ou não, masculino ou feminino, presente ou não, etc Codificada com 0 ou Assume-se iguais coeficientes para as demais variáveis Se há mais de duas possiilidades, o número de variáveis dummy necessário será (número de possiilidades - )

19 Exemplo de variáveis Dummy Considere: Y = vendas de tortas X = preço Ŷ 0 X X X = feriado (X = se houve feriado durante a semana) (X = 0 se não houve feriado naquela semana)

20 Exemplo de variáveis Dummy Ŷ 0 X () ( 0 ) X Com feriado Ŷ 0 X (0) 0 X Sem feriado Y (vendas) Diferentes Interceptos Mesma Inclinação X (Preço) Se H 0 : β = 0 é rejeitada, então Feriado tem efeito significativo nas vendas de tortas

21 Exemplo de variáveis Dummy Vendas (Preço) 5(Feriado) Vendas: número de tortas vendidas por semana Preço: preço da torta em $ Feriado: Se houve feriado naquela semana 0 Se não houve feriado = 5: em média, as vendas são maiores em 5 unidades nas semanas com feriado do que nas semanas sem feriado, dado o mesmo preço

22 Modelo com variável Dummy Mais do que dois níveis O número de variáveis dummy é o no. de possiilidades menos um Exemplo: Y = preço do imóvel ; X = área do imóvel Se o estilo da casa é algo que tamém influencia o preço Estilo = casa um andar, casa duplex, apartamento Três níveis, então duas variáveis dummy são necessárias

23 Modelo com variável Dummy Mais do que dois níveis Exemplo: Assuma que um andar é a categoria ase, e use X e X 3 para as outras categorias: Y = preço da casa X = área da casa X = se casa duplex, 0 caso contrário X 3 = se apartamento, 0 caso contrário A equação do modelo de regressão múltipla é: Ŷ 0 X X 3X3

24 Modelo com variável Dummy Mais do que dois níveis Considere a equação da regressão: Ŷ 0,43 0,045X 3,53X 8,84X 3 Para casa um andar: X = X 3 = 0 Ŷ 0,43 0,045X Para casa duplex: X = ; X 3 = 0 Ŷ Ŷ 0,43 0,045X 0,43 0,045X 3,53 Para apartamento: X = 0; X 3 = 8,84 Para uma mesma área, uma casa duplex terá uma estimativa de preço médio 3,53 milhares de dólares mais que uma casa de um andar. Para uma mesma área, um apartamento terá uma estimativa de preço médio 8,84 milhares de dólares a mais que uma casa de um andar.

25 Interações entre Variáveis Independentes Permite avaliar interações entre pares de variáveis X A resposta a uma variável X pode ser diferente para diferentes níveis de outra variável X Considera o produto de dois termos ) (X X X X X X X Ŷ

26 Efeito da Interação Dado: Y β βx βx β3xx 0 ε Sem o termo de interação, o efeito de X em Y é medido por β Com o termo de interação, o efeito de X em Y é medido por β + β 3 X O efeito muda à medida que X muda

27 Exemplo de Interação Suponha que X é uma variável dummy a equação da regressão estimada é Ŷ= + X + 3X + 4X X Y 8 X = : Y = + X + 3() + 4X () = 4 + 6X X = 0: Y = + X + 3(0) + 4X (0) = + X X As inclinações são diferentes se o efeito de X em Y depende do valor de X

28 Exemplo A Cia Leite Black deseja conhecer a relação entre a evolução das quantidades vendidas (q) e preços (p). Para isso, selecionou uma amostra com valores relativos aos últimos 4 meses. A empresa enfrentou uma greve do quinto ao sétimo mês. Como a greve influenciou o modelo formado pelas variáveis p e q? Qde. Vendida Preço Meses (q) (p) 98 0, , , , , , , , , ,90 0,93 3 0, , ,97

Contabilometria. Aula 10 Grau de Ajustamento e Verificação das Premissas MQO

Contabilometria. Aula 10 Grau de Ajustamento e Verificação das Premissas MQO Contabilometria Aula 10 Grau de Ajustamento e Verificação das Premissas MQO Ferramentas -------- Análise de Dados -------- Regressão Regressão Linear - Exemplo Usando o Excel Regressão Linear Output do

Leia mais

EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO

EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO _2010_03_Exercicio _Regressão_exemplo O gerente de uma loja de artigos escolares, cada semana, deve decidir quanto gastar com propaganda e que atrativo (por exemplo preços

Leia mais

Estatística II. Aula 7. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística II. Aula 7. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística II Aula 7 Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Análise da Variância Objetivos do Aprendizado Nesta aula você aprenderá: A utilizar a análise de variância de fator único para testar diferenças

Leia mais

AULAS 14, 15 E 16 Análise de Regressão Múltipla: Problemas Adicionais

AULAS 14, 15 E 16 Análise de Regressão Múltipla: Problemas Adicionais 1 AULAS 14, 15 E 16 Análise de Regressão Múltipla: Problemas Adicionais Ernesto F. L. Amaral 20 e 22 de abril e 04 de maio de 2010 Métodos Quantitativos de Avaliação de Políticas Públicas (DCP 030D) Fonte:

Leia mais

Modelos de Equações simultâneas

Modelos de Equações simultâneas Modelos de Equações simultâneas y 1 = α 1 y 2 + β 1 z 1 + u 1 y 2 = α 2 y 1 + β 2 z 2 + u 2 Capítulo 16 1 Modelo de equações simultâneas Exemplo de determinação de horas e salário. 2 Modelo de equações

Leia mais

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto

Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto Aula 5 Técnicas para Estimação do Impacto A econometria é o laboratório dos economistas, que busca reproduzir o funcionamento do mundo de forma experimental, como se faz nas ciências naturais. Os modelos

Leia mais

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto

Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Aula 5 Metodologias de avaliação de impacto Metodologias de Avaliação de Impacto Objetiva quantificar as mudanças que o projeto causou na vida dos beneficiários. Plano de Aula Método experimental: regressão

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 REGRESSÃO MÚLTIPLA APLICADA AOS DADOS DE VENDAS DE UMA REDE DE LOJAS DE ELETRODOMÉSTICOS VANESSA SIQUEIRA PERES 1 RESUMO: Esse trabalho foi realizado com o objetivo de ajustar os dados de vendas de uma

Leia mais

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL 6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL Este capítulo procurará explicar os movimentos do investimento, tanto das contas nacionais quanto das empresas abertas com ações negociadas em bolsa através

Leia mais

Cap. 12 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc.

Cap. 12 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc. Cap. 1 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 008 Prentice-Hall, Inc. Chap 1-1 Final de curso... tempo de recordar : ) Cap. 9 Fundamentos de testes

Leia mais

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4.1 Preparação de Dados Foi utilizada uma base de dados de 156 clientes que tiveram o vencimento de seus títulos compreendidos no período de abril

Leia mais

Utilização da regressão linear como ferramenta de decisão na gestão de custos.

Utilização da regressão linear como ferramenta de decisão na gestão de custos. Utilização da regressão linear como ferramenta de decisão na gestão de custos. Isair Sell (Universidade Federal de Santa Catarina - Brasil) - isairsell@ibest.com.br Resumo A contabilidade é vista como

Leia mais

O Uso do EXCEL para Análises Estatísticas HEP58000

O Uso do EXCEL para Análises Estatísticas HEP58000 O Uso do EXCEL para Análises Estatísticas EP58 Curso de Bioestatística Regina Bernal Nilza Nunes da Silva Março de Índice I. Sobre o Excel... 4 II. Planilha Eletrônica... 5 II.. Pasta de trabalho... 5

Leia mais

MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO NORTE DE GOIÁS (PORANGATU).

MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO NORTE DE GOIÁS (PORANGATU). XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP - 9 MODELAGEM DE DADOS POR REGRESSÃO LINEAR MÚLTIPLA PARA AVALIAÇÃO DE IMÓVEIS RURAIS NA REGIÃO NORTE DE GOIÁS (PORANGATU).

Leia mais

Regressão Logística. Daniel Araújo Melo - dam2@cin.ufpe.br. Graduação

Regressão Logística. Daniel Araújo Melo - dam2@cin.ufpe.br. Graduação Regressão Logística Daniel Araújo Melo - dam2@cin.ufpe.br Graduação 1 Introdução Objetivo Encontrar o melhor modelo para descrever a relação entre variável de saída (variável dependente) e variáveis independentes

Leia mais

Datas Importantes 2013/01

Datas Importantes 2013/01 INSTRUMENTAÇÃO CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO PROBABILIDADE PROPAGAÇÃO DE INCERTEZA MÍNIMOS QUADRADOS Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Datas Importantes

Leia mais

Anova Univariada e Multivariada

Anova Univariada e Multivariada UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS FACULDADE DE ESTATÍSTICA Anova Univariada e Multivariada Curso: Bacharelado em Estatística Disciplina: Estatística Aplicada Nome: Denis

Leia mais

Correlação quando uma Variável é Nominal

Correlação quando uma Variável é Nominal Correlação quando uma Variável é Nominal Em geral, quando uma das duas variáveis é do tipo categórica e puramente nominal (isto é, não pode nem ser ordenada) não se pode fazer um estudo de correlação.

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem)

P. P. G. em Agricultura de Precisão DPADP0803: Geoestatística (Prof. Dr. Elódio Sebem) Considerações Iniciais É impossível saber, antes de amostrar, de que maneira os valores das variáveis irão se comportar: se dependente ou independente uma da outra. Devido as limitações da estatística

Leia mais

ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM

ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM UM EXEMPLO DE APLICAÇÃO Digamos que temos 6 métodos de ensino aplicados a 30 crianças cada

Leia mais

5 A Metodologia de Estudo de Eventos

5 A Metodologia de Estudo de Eventos 57 5 A Metodologia de Estudo de Eventos 5.1. Principais Conceitos Introduzido em 1969 pelo estudo de Fama, Fisher, Jensen e Roll, o estudo de evento consiste na análise quanto à existência ou não de uma

Leia mais

AULAS 02 E 03 Modelo de Regressão Simples

AULAS 02 E 03 Modelo de Regressão Simples 1 AULAS 02 E 03 Modelo de Regressão Simples Ernesto F. L. Amaral 04 e 09 de março de 2010 Métodos Quantitativos de Avaliação de Políticas Públicas (DCP 030D) Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à

Leia mais

Introdução às equações diferenciais

Introdução às equações diferenciais Introdução às equações diferenciais Professor Leonardo Crochik Notas de aula 1 O que é 1. é uma equação:... =... 2. a incógnita não é um número x R, mas uma função x(t) : R R 3. na equação estão presentes,

Leia mais

COORDENAÇÃO VERTICAL DO TRANSPORTE DE MADEIRA: ANÁLISE EMPÍRICA DOS ARRANJOS INSTITUCIONAIS EXISTENTES NA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CELULOSE

COORDENAÇÃO VERTICAL DO TRANSPORTE DE MADEIRA: ANÁLISE EMPÍRICA DOS ARRANJOS INSTITUCIONAIS EXISTENTES NA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CELULOSE COORDENAÇÃO VERTICAL DO TRANSPORTE DE MADEIRA: ANÁLISE EMPÍRICA DOS ARRANJOS INSTITUCIONAIS EXISTENTES NA INDÚSTRIA BRASILEIRA DE CELULOSE v.7, n.1, p. 1-16, abr. 2000 Breno de Arruda Moraes Ribeiro José

Leia mais

4 Resultados e Discussões

4 Resultados e Discussões 4 Resultados e Discussões 4.1 Resultados e Discussões Para cada um dos modelos descridos no capitulo anterior foram realizadas as estimativas dos seus respectivos parâmetros, bem como o teste necessário

Leia mais

Avaliação da transferência passiva de informações para mudança de comportamento de médicos

Avaliação da transferência passiva de informações para mudança de comportamento de médicos Avaliação da transferência passiva de informações para mudança de comportamento de médicos Jorge de Azevedo Paul Douglas Fisher Ronaldo Bordin Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Medicina

Leia mais

ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA ARROZ

ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA ARROZ ESTUDO SOBRE POSSÍVEL MUDANÇA NA GEOGRAFIA INTERNACIONAL DO ARROZ PANORAMA DO MERCADO MUNDIAL DE ARROZ PRINCIPAIS PRODUTORES (em milhões de toneladas) Região 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* Var % (14*/13)

Leia mais

Estatística Descritiva III. Análises de Correlação e Regressão

Estatística Descritiva III. Análises de Correlação e Regressão Estatística Descritiva III Análises de Correlação e Regressão 1 Associação entre variáveis qualitativas Tabelas de Contigência 2 Podemos construir tabelas de frequências conjuntas (tabelas de contingência),

Leia mais

Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla

Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla Análise de Regressão Linear Simples e Múltipla Carla Henriques Departamento de Matemática Escola Superior de Tecnologia de Viseu Carla Henriques (DepMAT ESTV) Análise de Regres. Linear Simples e Múltipla

Leia mais

ANÁLISE DA INSPEÇÃO DA LARGURA DOS TECIDOS DE POLIPROPILENO DA INDÚSTRIA TÊXTIL OESTE LTDA

ANÁLISE DA INSPEÇÃO DA LARGURA DOS TECIDOS DE POLIPROPILENO DA INDÚSTRIA TÊXTIL OESTE LTDA ANÁLISE DA INSPEÇÃO DA LARGURA DOS TECIDOS DE POLIPROPILENO DA INDÚSTRIA TÊXTIL OESTE LTDA ORIENTADORA: Dra. Maria Emília Camargo - UNISC - kamargo@zaz.com.br CO-ORIENTADORA: Dra. Suzana Leitão Russo -

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma

Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma Equações Diferenciais de Ordem Superior Uma e.d.o. de segunda ordem é da forma ou então d 2 y ( dt = f t, y, dy ) 2 dt y = f(t, y, y ). (1) Dizemos que a equação (1) é linear quando a função f for linear

Leia mais

Métodos de Previsão da Demanda utilizando o Excel. Este material deve ser utilizado em conjunto com as Planilhas de Apoio que tratam dessas Técnicas.

Métodos de Previsão da Demanda utilizando o Excel. Este material deve ser utilizado em conjunto com as Planilhas de Apoio que tratam dessas Técnicas. Métodos de Previsão da Demanda utilizando o Excel -Modelos Quantitativo Amortecimento Triplo (Winter) Decomposição -Técnicas Causais: Regressão Este material deve ser utilizado em conjunto com as Planilhas

Leia mais

A metodologia ARIMA (Auto-regressivo-Integrado-Média-Móvel),

A metodologia ARIMA (Auto-regressivo-Integrado-Média-Móvel), nfelizmente, o uso de ferramentas tornais de previsão é muito pouco adotado por empresas no Brasil. A opinião geral é que no Brasil é impossível fazer previsão. O ambiente econômico é muito instável, a

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Introdução aos Modelos Lineares em Ecologia

Introdução aos Modelos Lineares em Ecologia Introdução aos Modelos Lineares em Ecologia Prof. Adriano Sanches Melo - Dep. Ecologia UFG asm.adrimelo no gmail.com Página do curso: www.ecologia.ufrgs.br/~adrimelo/lm/ Livro-texto: Crawley, M.J. 2005.

Leia mais

Técnicas Multivariadas em Saúde. Comparações de Médias Multivariadas. Métodos Multivariados em Saúde - 2015. Roteiro. Testes de Significância

Técnicas Multivariadas em Saúde. Comparações de Médias Multivariadas. Métodos Multivariados em Saúde - 2015. Roteiro. Testes de Significância Roteiro Técnicas Multivariadas em Saúde Lupércio França Bessegato Dep. Estatística/UFJF 1. Introdução 2. Distribuições de Probabilidade Multivariadas 3. Representação de Dados Multivariados 4. Testes de

Leia mais

Grupo A - 1 o semestre de 2014 Gabarito Lista de exercícios 11 - Teste Qhi-quadrado C A S A

Grupo A - 1 o semestre de 2014 Gabarito Lista de exercícios 11 - Teste Qhi-quadrado C A S A Exercício 1. (2,0 pontos). Em um estudo que está sendo realizado por uma pesquisadora da Escola de Educação Física da USP, deseja-se avaliar características das lutas de judô em diferentes categorias.

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS GRADUADOS EM ENGENHARIA NA ECONOMIA - UMA COMPROVAÇÃO EMPÍRICA NA POLÔNIA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS GRADUADOS EM ENGENHARIA NA ECONOMIA - UMA COMPROVAÇÃO EMPÍRICA NA POLÔNIA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS GRADUADOS EM ENGENHARIA NA ECONOMIA - UMA COMPROVAÇÃO EMPÍRICA NA POLÔNIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE

MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE MÓDULO 2 PLANEJAMENTO LOGÍSTICO ASSOCIADO AO TRANSPORTE 2.1 - Níveis de Planejamento O planejamento logístico tenta responder aos questionamentos de: O QUE? QUANDO? COMO? Nos níveis estratégico, tático

Leia mais

Faculdade Sagrada Família

Faculdade Sagrada Família AULA 12 - AJUSTAMENTO DE CURVAS E O MÉTODO DOS MÍNIMOS QUADRADOS Ajustamento de Curvas Sempre que desejamos estudar determinada variável em função de outra, fazemos uma análise de regressão. Podemos dizer

Leia mais

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes

4 Análise de Dados. 4.1 Perfil dos Respondentes 4 Análise de Dados 4.1 Perfil dos Respondentes A taxa de resposta foi de aproximadamente 8% de respostas na amostra de clientes que compram fora da loja (telefone e/ou Internet) e 3% na amostra de clientes

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

Temas especiais: análise de séries. temporais de. causas de morte. selecionadas

Temas especiais: análise de séries. temporais de. causas de morte. selecionadas 5 Temas especiais: análise de séries temporais de causas de morte selecionadas SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE TENDÊNCIA DO RISCO DE MORTE POR ALGUMAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NAS

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE SOBREO ÍNDICE IBOVESPA INFLUENCE OF THE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE INDEX ON THE IBOVESPA INDEX

INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE SOBREO ÍNDICE IBOVESPA INFLUENCE OF THE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE INDEX ON THE IBOVESPA INDEX INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE SOBREO ÍNDICE IBOVESPA INFLUENCE OF THE DOW JONES INDUSTRIAL AVERAGE INDEX ON THE IBOVESPA INDEX Esp. Leandro Antônio Brondani Especialista em Finanças

Leia mais

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente.

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente. TESTES NÃO - PARAMÉTRICOS As técnicas da Estatística Não-Paramétrica são, particularmente, adaptáveis aos dados das ciências do comportamento. A aplicação dessas técnicas não exige suposições quanto à

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA POLÍTICA CURSO DE GESTÃO PÚBLICA Professor: Ernesto Friedrich de Lima Amaral Disciplina: Avaliação

Leia mais

Equações Diferenciais Ordinárias

Equações Diferenciais Ordinárias Equações Diferenciais Ordinárias Uma equação diferencial é uma equação que relaciona uma ou mais funções (desconhecidas com uma ou mais das suas derivadas. Eemplos: ( t dt ( t, u t d u ( cos( ( t d u +

Leia mais

7 Considerações finais

7 Considerações finais 243 7 Considerações finais A utilização de outros tipos de materiais, como o aço inoxidável, na construção civil vem despertando interesse devido aos benefícios desse aço, e a tendência decrescente de

Leia mais

Singularidades de Funções de Variáveis Complexas

Singularidades de Funções de Variáveis Complexas Singularidades de Funções de Variáveis Complexas AULA 11 META: Introduzir o conceito de singularidades de funções de variáveis complexas. OBJETIVOS: Ao fim da aula os alunos deverão ser capazes de: Definir

Leia mais

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL

TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL Adm. Financeira II Aula 05 - Técnicas Orç. Capital - Pg. 1/8 TÉCNICAS DE ANÁLISE DE ORÇAMENTO DE CAPITAL 1. Introdução 1.1. Considerar fatores importantes fora do controle da empresa 1.2. Fatores qualitativos

Leia mais

Esta aula foi compilada por alunos. Caso encontre erros, favor procurar no email: luisfca@gmail.com ou. landeira@puc-rio.br

Esta aula foi compilada por alunos. Caso encontre erros, favor procurar no email: luisfca@gmail.com ou. landeira@puc-rio.br Prof. Landeira-Fernandez Bioestatística Esta aula foi compilada por alunos. Caso encontre erros, favor procurar no email: luisfca@gmail.com ou Rio de Janeiro, 23 de junho de 2015. landeira@puc-rio.br AULA

Leia mais

INFLUÊNCIA DO MODELO FLEURIET NA GERAÇÃO DE VALOR ECONÔMICO AGREGADO DAS EMPRESAS DO SETOR VAREJISTA E DE TRANSPORTES

INFLUÊNCIA DO MODELO FLEURIET NA GERAÇÃO DE VALOR ECONÔMICO AGREGADO DAS EMPRESAS DO SETOR VAREJISTA E DE TRANSPORTES 1 INFLUÊNCIA DO MODELO FLEURIET NA GERAÇÃO DE VALOR ECONÔMICO AGREGADO DAS EMPRESAS DO SETOR VAREJISTA E DE TRANSPORTES ANA CARLA MORAES DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ROBERTO BRAGA UNIVERSIDADE

Leia mais

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009

XVIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 19 a 23 de outubro de 2009 19 a 3 de outubro de 009 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DO COMPLEXO SOJA, DE 000 A 008 GISLAINE FERNANDES GUIMARAES 1, GELTON GERALDO FERNANDES GUIMARAES, JOÃO DE DEUS SOUZA CARNEIRO 3, CRISTINA LELIS

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE MODELOS DE REGRESSÃO ESPACIAL NA PREVISÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTES RESUMO

ANÁLISE DO DESEMPENHO DE MODELOS DE REGRESSÃO ESPACIAL NA PREVISÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTES RESUMO ANÁLISE DO DESEMPENHO DE MODELOS DE REGRESSÃO ESPACIAL NA PREVISÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTES Simone Becker Lopes Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de São Carlos São Paulo SP Brasil simone@sc.usp.br

Leia mais

ANAIS PROPOSTA DE MODELO DE PREVISÃO DE PREÇO DA GASOLINA AO CONSUMIDOR FINAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ANAIS PROPOSTA DE MODELO DE PREVISÃO DE PREÇO DA GASOLINA AO CONSUMIDOR FINAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PROPOSTA DE MODELO DE PREVISÃO DE PREÇO DA GASOLINA AO CONSUMIDOR FINAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO MÁRCIO PITZER ( pitzer.marcio@gmail.com ) UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ ANDRÉ LINDOLFO ZIEBELL RICARDO (

Leia mais

5 Considerações Finais e Recomendações

5 Considerações Finais e Recomendações Considerações Finais e Recomendações 132 5 Considerações Finais e Recomendações O controle estatístico de processos compõe-se essencialmente do monitoramento on line dos processos por gráficos de controle

Leia mais

Artigo Número 76 TESTES ESTATÍSTICOS PARA COMPARAÇÃO DE MÉDIAS. Andréia Fróes Galuci Oliveira 1

Artigo Número 76 TESTES ESTATÍSTICOS PARA COMPARAÇÃO DE MÉDIAS. Andréia Fróes Galuci Oliveira 1 Revista Eletrônica Nutritime, v.5, n 6, p.777-788 Novembro/Dezembro 008. Artigo Número 76 TESTES ESTATÍSTICOS PARA COMPARAÇÃO DE MÉDIAS Andréia Fróes Galuci Oliveira 1 INTRODUÇÃO Quando a análise de variância

Leia mais

2 Estudo dos Acoplamentos

2 Estudo dos Acoplamentos 24 2 Estudo dos Acoplamentos Um problema acoplado é aquele em que dois ou mais sistemas físicos interagem entre si e cujo acoplamento pode ocorrer através de diferentes graus de interação (Zienkiewicz

Leia mais

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis

INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis INE 7001 - Procedimentos de Análise Bidimensional de variáveis QUANTITATIVAS utilizando o Microsoft Excel. Professor Marcelo Menezes Reis O objetivo deste texto é apresentar os principais procedimentos

Leia mais

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS

ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS IV ENECULT - Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura 28 a 30 de maio de 2008 Faculdade de Comunicação/UFBa, Salvador-Bahia-Brasil. ECONOMIA DA CULTURA - EQUIPAMENTOS AUDIOVISUAIS NOS MUNICÍPIOS

Leia mais

Pós-Graduação em Economia e Gestão em Saúde Módulo de Estatística Aplicada

Pós-Graduação em Economia e Gestão em Saúde Módulo de Estatística Aplicada ÍNDICE 1. CONCEITOS BÁSICOS 2 1.1 FASES DE UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA 2 2. ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS 3 2.1 TABELAS E GRÁFICOS 3 2.2 ESTATÍSTICA DESCRITIVA 9 2.2.1 Medidas de Tendência Central 10 2.2.2

Leia mais

Delineamento em Blocos ao Acaso

Delineamento em Blocos ao Acaso Costa, S.C. 1 Universidade Estadual de Londrina Departamento de Estatística Delineamento em Blocos ao Acaso Silvano Cesar da Costa Londrina - Paraná Costa, S.C. 2 Delineamento em Blocos Casualizados Experimento

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE PROGNÓSTICO CAUSAL

FERRAMENTAS DA QUALIDADE PROGNÓSTICO CAUSAL FERRAMENTAS DA QUALIDADE PROGNÓSTICO CAUSAL Prognóstico é um processo de estimativa de fatores desconhecidos Existem muitos usos para o prognóstico. Toda indústria necessita prever o "fator desconhecido",

Leia mais

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução Capítulo 8 - Testes de hipóteses 8.1 Introdução Nos capítulos anteriores vimos como estimar um parâmetro desconhecido a partir de uma amostra (obtendo estimativas pontuais e intervalos de confiança para

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 8 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo. Tipos

Leia mais

Mapa 1. Brasil: 2000 Distribuição espacial das áreas urbanas dos municípios brasileiros*.

Mapa 1. Brasil: 2000 Distribuição espacial das áreas urbanas dos municípios brasileiros*. Densidade populacional urbana e fluxos migratórios: um modelo de estimação da área urbana dos municípios brasileiros Ricardo Alexandrino Garcia 1 Ralfo Matos 2 1 INTRODUÇÃO Questões sobre o processo migratório

Leia mais

ANALYSIS OF LINEAR REGRESSION AND MONETARY ADJUSTMENT THE VALUES: A STUDY ABOUT PREDICTIVE MODELINGS OF COSTS WITH FIXED AND VARIABLE COMPONENTS

ANALYSIS OF LINEAR REGRESSION AND MONETARY ADJUSTMENT THE VALUES: A STUDY ABOUT PREDICTIVE MODELINGS OF COSTS WITH FIXED AND VARIABLE COMPONENTS ARTIGO ORIGINAL ANÁLISE DE REGRESSÃO LINEAR E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA DE VALORES: UM ESTUDO CONSIDERANDO MODELAGENS PREDITIVAS DE CUSTOS COM COMPONENTES FIXOS E VARIÁVEIS ANALYSIS OF LINEAR REGRESSION AND

Leia mais

ESTATÍSTICA BÁSICA COM ANÁLISE E TRATAMENTO ESTATÍSTICO DE DADOS EM SPSS

ESTATÍSTICA BÁSICA COM ANÁLISE E TRATAMENTO ESTATÍSTICO DE DADOS EM SPSS ESTATÍSTICA BÁSICA COM ANÁLISE E TRATAMENTO ESTATÍSTICO DE DADOS EM SPSS Escola de Enfermagem UFRGS Julho/2007 Juscelino Zemiacki Estatístico Programa Básico: AULA 1 Noções Básicas de Estatística AULA

Leia mais

Regressão Logística. Propriedades

Regressão Logística. Propriedades Regressão Logística Propriedades Geralmente a grande questão a ser respondida nos estudos epidemiológicos é saber qual a relação entre uma ou mais variáveis que refletem a exposição e a doença (efeito).

Leia mais

A finalidade dos testes de hipóteses paramétrico é avaliar afirmações sobre os valores dos parâmetros populacionais.

A finalidade dos testes de hipóteses paramétrico é avaliar afirmações sobre os valores dos parâmetros populacionais. Prof. Janete Pereira Amador Introdução Os métodos utilizados para realização de inferências a respeito dos parâmetros pertencem a duas categorias. Pode-se estimar ou prever o valor do parâmetro, através

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

Para mais de duas variáveis independentes, em função de uma variável dependente.

Para mais de duas variáveis independentes, em função de uma variável dependente. MÉTODOS QUANTlTATlVOS APLlCADOS À CONTABlLlDADE Prof. Héber Lavor Moreira Plano de Aula TEMA: REGRESSÃO MÚLTlPLA - Caso Multiplan S/A lntrodução Em muitos casos uma variável pode estar relacionada com

Leia mais

EA616 - Análise Linear de Sistemas Aula 28 - Estabilidade do Estado

EA616 - Análise Linear de Sistemas Aula 28 - Estabilidade do Estado Aula 28 EA616 - Análise Linear de Sistemas Aula 28 - Estabilidade do Estado Prof. Ricardo C.L.F. Oliveira Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação Universidade Estadual de Campinas 2 o Semestre

Leia mais

Predição do risco de hospitalização de idosos: adaptação de uma metodologia para clientes de uma operadora de planos de saúde

Predição do risco de hospitalização de idosos: adaptação de uma metodologia para clientes de uma operadora de planos de saúde Predição do risco de hospitalização de idosos: adaptação de uma metodologia para clientes de uma operadora de planos de saúde Justificativa Camila Canella Cherubino Ilka Afonso Reis Fernando Martin Biscione

Leia mais

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais:

2. São grupos, respectivamente, de crédito na Conta 1 (PIB) e débito na Conta 2 (RNDB) das Contas Nacionais: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Núcleo de Pós-Graduação e Pesquisa em Economia Mestrado Profissional em Desenvolvimento Regional e Gestão de Empreendimentos Locais

Leia mais

Novos Métodos para. Dimensionamento Sísmico de Estruturas

Novos Métodos para. Dimensionamento Sísmico de Estruturas Novos Métodos para Dimensionamento Sísmico de Estruturas Rita Bento Instituto Superior Técnico Junho 2003 Ciclo de Palestras em Engenharia Civil 2003 Universidade Nova de Lisboa Centro de Investigação

Leia mais

4. A FUNÇÃO AFIM. Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares

4. A FUNÇÃO AFIM. Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares 38 4. A FUNÇÃO AFIM Uma função f: R R chama-se afim quando existem números reais a e b tais que f(x) = ax + b para todo x R. Casos particulares 1) A função identidade fr : Rdefinida por f(x) = x para todo

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

Correlação e Regressão

Correlação e Regressão Correlação e Regressão Análise de dados. Tópico Prof. Dr. Ricardo Primi & Prof. Dr. Fabian Javier Marin Rueda Adaptado de Gregory J. Meyer, University of Toledo, USA; Apresentação na Universidade e São

Leia mais

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são:

As técnicas mais difundidas para avaliar propostas de investimentos são: 18 CAPÍTULO 1 INVESTIMENTO A LONGO PRAZO (continuação) 2. Técnicas de Orçamento de Capital 2.1 Técnicas de análise de Orçamento de Capital As técnicas de análise de orçamentos de capital são utilizadas

Leia mais

ENSINO PRESENCIAL VERSUS

ENSINO PRESENCIAL VERSUS ENSINO PRESENCIAL VERSUS A DISTÂNCIA: UM ESTUDO SOBRE MOTIVAÇÃO DISCENTE PARA APRENDIZAGEM E SEUS DIRECIONADORES, NO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PRESENTIAL TEACHING VERSUS DISTANCE TEACHING:

Leia mais

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos

AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos 1 AULAS 03 E 04 A linguagem dos projetos Ernesto F. L. Amaral 11 e 13 de setembro de 2012 Avaliação de Políticas Públicas (DCP 046) Fonte: Cohen, Ernesto, e Rolando Franco. 2000. Avaliação de Projetos

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Aula 4: MÉTODOS DE PESQUISA EM PSICOLOGIA COGNITIVA

Aula 4: MÉTODOS DE PESQUISA EM PSICOLOGIA COGNITIVA Aula 4: MÉTODOS DE PESQUISA EM PSICOLOGIA COGNITIVA (STERNBERG, R. (2000) Psicologia cognitiva. Porto Alegre: Artes Médicas). Leitura Complementar: Hockembury, D. H., & S. E. Hockenbury. (2003). Descobrindo

Leia mais

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Processo de actualização anual da Carta Social 2008

CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Processo de actualização anual da Carta Social 2008 CARTA SOCIAL REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAIS Processo de actualização anual da Carta Social 2008 Entidades Proprietárias, Entidade Gestora e Equipamentos e Respostas Sociais já existentes na Base

Leia mais

REGRESSÃO LINEAR SIMPLES PARTE III

REGRESSÃO LINEAR SIMPLES PARTE III REGRESSÃO LINEAR SIMPLES PARTE III Instalando e usando a opção Regressão do Excel. Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor da Cavalcante

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-2010 - APO Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística - SEPLAG-010 - APO 11. O Dia do Trabalho, dia 1º de maio, é o 11º dia do ano quando o ano não é bissexto. No ano de 1958, ano em que o Brasil ganhou,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda.

DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1. Palavras-chaves: desigualdade, pobreza, equações de rendimento, distribuição de renda. DISTRIBUIÇÃO DA RENDA NO BRASIL EM 1999 1 Rodolfo Hoffmann 2 RESUMO Este trabalho analisa a distribuição da renda no Brasil e em seis regiões do país, utilizando os dados da PNAD de 1999. É examinada a

Leia mais

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ

Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Universidade Federal de São João Del Rei - UFSJ Instituída pela Lei 0.45, de 9/04/00 - D.O.U. de /04/00 Pró-Reitoria de Ensino de Graduação - PROEN Disciplina: Cálculo Numérico Ano: 03 Prof: Natã Goulart

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/1/011 pelo CEPERJ 59. O cartão de crédito que João utiliza cobra 10% de juros ao mês,

Leia mais

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II

Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II DISCIPLINA: MACROECONOMIA 24/03/2015 Prof. João Basilio Pereima Neto E-mail: joaobasilio@ufpr.com.br Lista de Exercícios nº 1 - Parte I e II 1. Modelo OA - Mercado de Trabalho com flexibilidade de Preços

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS TRANSFORMADAS DE LAPLACE Preliminares No estudo de sistemas de controle, e comum usar-se diagramas de blocos, como o da figura 1. Diagramas de blocos podem ser utilizados

Leia mais

10 ANÁLISE E DISCUSSÃO DA PESQUISA

10 ANÁLISE E DISCUSSÃO DA PESQUISA Foi realizado experimento o qual é descrito no Capítulo nove deste trabalho. O experimento teve como objetivo verificar o nível de desconforto entre homens e mulheres em relação às bicicletas dos tipos

Leia mais

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência

AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência 1 AULAS 24 E 25 Análise de Regressão Múltipla: Inferência Ernesto F. L. Amaral 23 e 25 de novembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Wooldridge, Jeffrey M. Introdução à econometria: uma

Leia mais

CPV 82% de aprovação dos nossos alunos na ESPM

CPV 82% de aprovação dos nossos alunos na ESPM CPV 8% de aprovação dos nossos alunos na ESPM ESPM Resolvida Prova E 11/novembro/01 MATEMÁTICA 1. A distribuição dos n moradores de um pequeno prédio de 4 5 apartamentos é dada pela matriz 1 y, 6 y + 1

Leia mais

FÍSICA. Questões de 01 a 06

FÍSICA. Questões de 01 a 06 FIS. 1 FÍSICA Questões de 01 a 06 01. Um estudante de Física executou um experimento de Mecânica, colocando um bloco de massa m = 2kg sobre um plano homogêneo de inclinação regulável, conforme a figura

Leia mais