Exemplos de Testes de Hipóteses para Médias Populacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Exemplos de Testes de Hipóteses para Médias Populacionais"

Transcrição

1 Exemplos de Testes de Hipóteses para Médias Populacionais Vamos considerar exemplos de testes de hipóteses para a média de uma população para os dois casos mais importantes na prática: O tamanho da amostra selecionada é grande (maior do que 30); O tamanho da amostra selecionada é pequeno (menor do que 30), mas a distribuição populacional é aproximadamente normal. 1. A cervejaria BebeBier vende cervejas em embalagens cujos rótulos indicam um conteúdo de 600 ml. O Instituto Nacional de Pesos e Medidas (INPM) seleciona aleatoriamente 50 garrafas de cerveja produzidas pela companhia, mede seu conteúdo e obtém uma média amostral igual a 596,25 ml com desvio padrão de 14,06 ml. Com um nível de significância de 0,01, teste a hipótese de que a cervejaria esta enganando seus consumidores. O que o INPM quer testar é se a quantidade média de cerveja nas garrafas é diferente de 600 ml. Portanto, vai se adotar como hipótese nula a hipótese de que a quantidade média de cerveja por garrafa é igual a 600 ml. A hipótese alternativa é que a quantidade média de cerveja por garrafa é diferente de 600 ml: H 0 : µ 600 ml H 1 : µ 600 ml. Portanto, o teste a ser feito é do tipo bilateral. Como a amostra escolhida é grande (n > 30), o Teorema Central do Limite nos diz que a distribuição amostral das médias é aproximadamente normal. 1

2 Como o desvio padrão da população σ é desconhecido, podemos estimá-lo pelo desvio padrão da amostra. Desta forma, a distribuição amostral dos volumes médios de cerveja por garrafa será normal com, σ x µ x s n 600 ml; 14,06 1, A variável normal reduzida associada a x 596,25 é: z (596,25 600)/1,99 1,88. Utilizando a tabela da distribuição normal padrão, obtemos que a área sob a curva à direita de z vale 0,5 0,4699 0,03. Portanto P 2x0,03 0,06. Como o valor P é maior que 0,01, não se pode rejeitar a hipótese nula. Devese concluir que não há base suficiente para se mover um inquérito contra a cervejaria. O que se deve fazer num caso assim é repetir o estudo com uma nova amostra maior. 2

3 2. Um nutricionista faz propaganda na televisão afirmando: você perderá peso em uma semana seguindo a minha dieta. O PROCON faz um teste sobre esta afirmação selecionando 33 pessoas que se submeteram à dieta do nutricionista. Após uma semana de dieta essas pessoas perderam, em média, 510 g com um desvio padrão de 984 g. Com um nível de significância de 0,05, o PROCON pode dizer que a afirmação do anuncio é enganosa? A afirmação do anuncio diz que o peso médio das pessoas que fazem a dieta diminui após uma semana. Representando a média da perda de peso da amostra por µ, a afirmação do nutricionista corresponde a dizer que µ > 0. Vamos adotar como hipótese nula a afirmação contrária, ou seja, que a média da perda de peso é nula ou negativa (note que um valor negativo para a perda de peso corresponde, de fato, a um ganho de peso): H 0 : µ 0 g; H 1 : µ > 0 g. Portanto, temos que fazer um teste unilateral. Como o tamanho da amostra é grande (maior do que 30), a distribuição amostral da perda de peso será aproximadamente normal. Não conhecemos o desvio padrão da população de perdas de peso, mas podemos usar o desvio padrão da amostra, s, para estimá-lo. Temos então que a distribuição amostral da perda de peso é normal com parâmetros: µ x 0 g; 3

4 σ x s n ,29 g. 33 A variável normal reduzida associada a x 510 g é: z (510 0)/171,29 2,98. Utilizando a tabela da distribuição normal padrão, obtemos que a área sob a curva à direita de z vale 0,5 0,4986 0,0014. Portanto P 0,014. Como o valor P é menor que 0,05, rejeita-se a hipótese nula. As evidencias experimentais não permitem dizer que o nutricionista está fazendo propaganda enganosa. 3. Pesquisadores coletaram valores de amilase no soro de uma amostra aleatória de 15 pessoas aparentemente saudáveis. Os pesquisadores desejam saber, com um nível de significância de α 0,05, se é possível concluir que o valor médio de amilase no soro da população de pessoas saudáveis é diferente de 120 unidades/ml. O valor médio para a amostra foi de x 96 unidades/ml e o seu desvio padrão foi de s 35 unidades/ml. 4

5 Como a hipótese que se quer verificar é que µ 120, a hipótese nula a ser adotada é que µ 120: H 0 : µ 120 unidades/ml; H 1 : µ 120 unidades/ml. O teste a ser feito é bilateral. Neste caso, o tamanho da amostra é pequeno (menor do que 30), mas é razoável supor que a distribuição dos valores de amilase entre a população é normal. Portanto, pode-se usar a distribuição t de Student com o desvio padrão populacional σ sendo estimado pelo desvio padrão amostral s. Com os dados fornecidos, obtemos o seguinte valor para t: x µ ,4 t 2,65. s 35 9,04 n 15 Consultando a tabela da distribuição t de Student para gl n 1 14, vemos que na linha para gl 14 não existe um valor de t igual a 2,65 ou +2,65. Porém, existem valores maiores e menores do que 2,65, de maneira que se pode calcular um intervalo dentro do qual o valor P deve estar. O valor 2,65 é maior que 2,5096, que está na tabela (na linha de gl 14) e é o valor de t para o qual a área pintada abaixo da distribuição t (o valor P) é igual a 0,025. O valor 2,65 é menor que 2,9768, que está na tabela (na linha de gl 14) e é o valor de t para o qual o valor P é igual a 0,01. Portanto, o valor P para t 2,65 deve estar entre 0,025 e 0,01 (veja a figura a seguir). 0,01 < P < 0,025. 5

6 O valor P é menor do que 0,05. Logo, deve-se rejeitar a hipótese nula com um nível de significância de 0,05. Sendo assim, a conclusão dos pesquisadores deve ser a de que o valor médio de amilase no soro da população de pessoas saudáveis não é igual a 120 unidades/ml. 4. Um fabricante de pisos afirma que uma lajota de um certo tipo de piso produzido por ele pode agüentar um peso superior a 800 kg sem trincar. Uma agência de controle de qualidade seleciona uma amostra de 7 lajotas produzidas pela fábrica e determina que o peso médio suportado pela amostra sem trincar é de 1225,2 kg com desvio padrão de 425,8 kg. Esse estudo experimental permite concluir, com um nível de significância de 0,05, que a afirmação do fabricante de pisos esta correta? A afirmação da fábrica de pisos corresponde a dizer que o peso médio suportado por uma lajota é maior que 800 kg. Portanto, a afirmação contrária será utilizada como hipótese nula: 6

7 H 0 : µ 800 kg; H 1 : µ > 800 kg. Portanto, o teste a ser feito é do tipo unilateral. Neste caso, o tamanho da amostra é pequeno (n 7). Porém, é razoável supor que a distribuição dos pesos suportados pelas lajotas é normal. Neste caso, podemos usar a distribuição t de Student com o desvio padrão populacional sendo estimado pelo desvio padrão amostral. Temos então que: t x µ 1225,2 800 s 425,8 n 7 2,64. Consultando a tabela da distribuição t de Student para gl 7 1 6, vemos que não existe o valor 2,64. Existem apenas os números 2,4469, correspondendo a um valor de P 0,05, e 2,9687, correspondendo a um valor de P 0,025. Note que os valores de P dados pela tabela são para um teste bilateral (eles são dados pela soma das áreas à esquerda e à direita de t e t, respectivamente). Como no nosso caso estamos interessados em um teste unilateral, devemos dividir esses valores de P por 2 para obter a área apenas à direita de t. Portanto, temos que: 2,4469 < t < 2,9687 0,0125 < P < 0,025, ou seja, o valor P para o nosso caso é menor que 0,05. Isto implica que a hipótese nula deve ser rejeitada. Deve-se concluir que as evidências experimentais indicam que as lajotas podem suportar mais que 800 kg. 7

8 5. Em um estudo sobre as condições de saúde de uma certa comunidade, entrevistou-se 150 pessoas. Uma das perguntas dizia respeito à quantidade de remédios diferentes consumida por cada pessoa no último ano. Para a amostra de 150 pessoas, o número meio de remédios consumidos foi de 5,8 com desvio padrão de 3,1. Deseja-se saber se esses dados fornecem evidências suficientes para indicar que a média do número de remédios diferentes consumidos pela comunidade é maior do que 5. Utilize um nível de significância de 0,05. Neste caso, não se sabe se a distribuição do número de remédios consumidos pela comunidade é normal ou não. Em situações como esta, deve-se procurar tomar amostras grandes (maiores do que 30) e usar o desvio padrão amostral para estimar o desvio padrão populacional. Isto é o que foi feito na pesquisa, pois a amostra escolhida contém 150 pessoas. Neste caso o Teorema Central do Limite garante que a distribuição amostral de x será aproximadamente normal. Como σ é desconhecido, usa-se s em seu lugar. A pergunta feita pelos pesquisadores é se a média populacional é maior do que 5. A afirmação contrária a esta é a de que a média populacional é menor ou igual a 5. Portanto, as hipóteses nula e alternativa para este caso são: H 0 : µ 5; H 1 : µ > 5. O teste a ser feito para este caso é unilateral. Como a distribuição amostral das médias para este caso é aproximadamente normal, vamos calcular o valor z: 8

9 z x µ s n 5,8 5,0 3, ,8 0,25 3,2. Para este valor, a tabela da distribuição normal reduzida nos dá que a área a direita de z vale 0,5 0, ,0007. Este é o valor P para este problema. Como ele é menor do que α 0,05, deve-se rejeitar a hipótese nula e considerar que as evidências experimentais apóiam a afirmação de que as pessoas da comunidade consumiram, no último ano, um número de remédios diferentes maior do que O gerente de uma agência bancária afirma que a média dos saldos dos clientes da sua agência no fim do mês é positiva, ou seja, que, em média, os seus clientes terminam o mês no positivo. Seleciona-se uma amostra aleatória de 15 clientes da agência e a média dos seus saldos bancários no fim do mês é de R$ 126,70 com desvio padrão de R$ 84,30. Suponha que a distribuição dos saldos dos clientes da agência no fim do mês seja aproximadamente normal e teste a afirmação do gerente com um nível de significância de 0,05. A afirmação do gerente é a de que µ > 0. A afirmação contrária é a de que µ 0. Esta será nossa hipótese nula. Portanto: H 0 : µ 0; H 1 : µ > 0. O teste a ser feito deve ser do tipo unilateral. 9

10 Supondo que a distribuição populacional é aproximadamente normal, mas com uma amostra de tamanho pequeno (menor do que 30) devemos usar a distribuição t de Student. O valor de t para este caso é: t 126, , ,70 21,77 5,82. Procurando na tabela da distribuição t de Student para gl , vemos que o menor valor que aparece é t 3,3257. Para este valor, a área sob a curva à sua esquerda vale 0,0025 (metade de 0,005). Como 5,82 é menor do que 3,3257, a área sob a curva à esquerda de 5,82 será menor do que 0,0025 (veja a figura abaixo). Portanto, o valor P para este caso é menor do que 0,05 e a hipótese nula deve ser rejeitada. Isto significa que, mesmo que a média dos saldos da amostra coletada seja negativa, isto não constitui evidência estatisticamente significante para se concluir que a afirmação do gerente da agência está errada. Pelo contrário, a evidência é compatível com a afirmação do gerente de que a média dos saldos dos seus clientes ao fim do mês é positiva. 10

Estatística II Antonio Roque Aula 9. Testes de Hipóteses

Estatística II Antonio Roque Aula 9. Testes de Hipóteses Testes de Hipóteses Os problemas de inferência estatística tratados nas aulas anteriores podem ser enfocados de um ponto de vista um pouco diferente: ao invés de se construir intervalos de confiança para

Leia mais

Teste de Hipóteses e Intervalos de Confiança

Teste de Hipóteses e Intervalos de Confiança Teste de Hipóteses e Intervalos de Confiança Teste de Hipótese e Intervalo de Confiança para a média Monitor Adan Marcel 1) Deseja-se estudar se uma moléstia que ataca o rim altera o consumo de oxigênio

Leia mais

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente.

1. Os métodos Não-Paramétricos podem ser aplicados a uma ampla diversidade de situações, porque não exigem populações distribuídas normalmente. TESTES NÃO - PARAMÉTRICOS As técnicas da Estatística Não-Paramétrica são, particularmente, adaptáveis aos dados das ciências do comportamento. A aplicação dessas técnicas não exige suposições quanto à

Leia mais

SÉRIE: Estatística Básica Texto 4: TESTES DE HIPÓTESES SUMÁRIO

SÉRIE: Estatística Básica Texto 4: TESTES DE HIPÓTESES SUMÁRIO SUMÁRIO. INTRODUÇÃO... 3.. GENERALIDADES... 3.. METODOLOGIA DO TESTE DE HIPÓTESES... 3.3. AS HIPÓTESES... 3.4. A ESCOLHA DO TESTE ESTATÍSTICO... 4.5. CONCEITOS ADICIONAIS DO TESTE DE HIPÓTESES... 4.6.

Leia mais

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão. ESTATÍSTICA INDUTIVA 1. CORRELAÇÃO LINEAR 1.1 Diagrama de dispersão O comportamento conjunto de duas variáveis quantitativas pode ser observado por meio de um gráfico, denominado diagrama de dispersão.

Leia mais

A finalidade dos testes de hipóteses paramétrico é avaliar afirmações sobre os valores dos parâmetros populacionais.

A finalidade dos testes de hipóteses paramétrico é avaliar afirmações sobre os valores dos parâmetros populacionais. Prof. Janete Pereira Amador Introdução Os métodos utilizados para realização de inferências a respeito dos parâmetros pertencem a duas categorias. Pode-se estimar ou prever o valor do parâmetro, através

Leia mais

Intervalo de Confiança e cálculo de tamanho de amostra. Henrique Dantas Neder

Intervalo de Confiança e cálculo de tamanho de amostra. Henrique Dantas Neder Intervalo de Confiança e cálculo de tamanho de amostra Henrique Dantas Neder Intervalo de confiança para a média da população µ X Até o momento discutimos as propriedades da distrbuição normal e vimos

Leia mais

Hipótese Estatística:

Hipótese Estatística: 1 PUCRS FAMAT DEPTº DE ESTATÍSTICA TESTE DE HIPÓTESE SÉRGIO KATO Trata-se de uma técnica para se fazer inferência estatística. Ou seja, a partir de um teste de hipóteses, realizado com os dados amostrais,

Leia mais

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução

Capítulo 8 - Testes de hipóteses. 8.1 Introdução Capítulo 8 - Testes de hipóteses 8.1 Introdução Nos capítulos anteriores vimos como estimar um parâmetro desconhecido a partir de uma amostra (obtendo estimativas pontuais e intervalos de confiança para

Leia mais

Testes de Hipóteses para Mèdia de Populações Normais- Variância conhecida e desconhecida

Testes de Hipóteses para Mèdia de Populações Normais- Variância conhecida e desconhecida Testes de Hipóteses para Mèdia de Populações Normais- Variância conhecida e desconhecida Ivan Bezerra Allaman Considerando variância conhecida Introdução Nestes casos utiliza-se a seguinte estatística

Leia mais

Trabalhando com Pequenas Amostras: Distribuição t de Student

Trabalhando com Pequenas Amostras: Distribuição t de Student Probabilidade e Estatística Trabalhando com Pequenas Amostras: Distribuição t de Student Pequenas amostras x Grandes amostras Nos exemplos tratados até agora: amostras grandes (n>30) qualquer tipo de distribuição

Leia mais

Processos Estocásticos

Processos Estocásticos Processos Estocásticos Terceira Lista de Exercícios 22 de julho de 20 Seja X uma VA contínua com função densidade de probabilidade f dada por Calcule P ( < X < 2. f(x = 2 e x x R. A fdp dada tem o seguinte

Leia mais

LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES

LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES Monitora Juliana Dubinski LISTA DE INTERVALO DE CONFIANÇA E TESTE DE HIPÓTESES EXERCÍCIO 1 (INTERVALO DE CONFIANÇA PARA MÉDIA) Suponha que X represente a duração da vida de uma peça de equipamento. Admita-se

Leia mais

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos

CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos CAPÍTULO 9 Exercícios Resolvidos R9.1) Diâmetro de esferas de rolamento Os dados a seguir correspondem ao diâmetro, em mm, de 30 esferas de rolamento produzidas por uma máquina. 137 154 159 155 167 159

Leia mais

Aula 5 Distribuição amostral da média

Aula 5 Distribuição amostral da média Aula 5 Distribuição amostral da média Nesta aula você irá aprofundar seus conhecimentos sobre a distribuição amostral da média amostral. Na aula anterior analisamos, por meio de alguns exemplos, o comportamento

Leia mais

Capítulo 3 Modelos Estatísticos

Capítulo 3 Modelos Estatísticos Capítulo 3 Modelos Estatísticos Slide 1 Resenha Variáveis Aleatórias Distribuição Binomial Distribuição de Poisson Distribuição Normal Distribuição t de Student Distribuição Qui-quadrado Resenha Slide

Leia mais

Aula 3 Análise Estatística de Dados Experimentais em Excel Página 1 de 14. Exercício 1. Ferramentas >> Análise de Dados. Estatística Descritiva >> OK

Aula 3 Análise Estatística de Dados Experimentais em Excel Página 1 de 14. Exercício 1. Ferramentas >> Análise de Dados. Estatística Descritiva >> OK Aula 3 Análise Estatística de Dados Experimentais em Excel Página 1 de 14 Exercício 1 Ferramentas >> Análise de Dados Estatística Descritiva >> OK Aula 3 Análise Estatística de Dados Experimentais em Excel

Leia mais

Monitor Giovani Roveroto

Monitor Giovani Roveroto Monitor Giovani Roveroto Intervalo de Confiança 1. Suponha que o gerente de uma loja de comércio de tintas queira calcular a verdadeira quantidade de tinta contida em um galão, comprados de um fabricante

Leia mais

"Crescer não é evoluir, crescer é ficar maior. Evoluir é ficar melhor."

Crescer não é evoluir, crescer é ficar maior. Evoluir é ficar melhor. Notas de aula 6 "Crescer não é evoluir, crescer é ficar maior. Evoluir é ficar melhor." Disciplina: ESTATÍSTICA e PROBABILIDADE. Teoria da Decisão Estatística (TDE) - Testes de Hipóteses. Na prática, somos

Leia mais

Teste de Hipótese para uma Amostra Única

Teste de Hipótese para uma Amostra Única Teste de Hipótese para uma Amostra Única OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM Depois de um cuidadoso estudo deste capítulo, você deve ser capaz de: 1.Estruturar problemas de engenharia de tomada de decisão, como

Leia mais

Especialização em Engenharia Clínica

Especialização em Engenharia Clínica Especialização em Engenharia Clínica Introdução a Bioestatística Docente: > Marcelino M. de Andrade, Dr. Apresentação: Módulo 02 Teoria Elementar da Amostragem A teoria elementar da amostragem é um estudo

Leia mais

Estatística Aplicada para Engenharia Inferência para Duas Populações

Estatística Aplicada para Engenharia Inferência para Duas Populações Universidade Federal Fluminense Instituto de Matemática e Estatística Estatística Aplicada para Engenharia Inferência para Duas Populações Ana Maria Lima de Farias Departamento de Estatística Conteúdo

Leia mais

O teste de McNemar. A tabela 2x2. Depois

O teste de McNemar. A tabela 2x2. Depois Prof. Lorí Viali, Dr. http://www.pucrs.br/famat/viali/ viali@pucrs.br O teste de McNemar O teste de McNemar para a significância de mudanças é particularmente aplicável aos experimentos do tipo "antes

Leia mais

Estatística II. Aula 7. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc.

Estatística II. Aula 7. Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Estatística II Aula 7 Prof. Patricia Maria Bortolon, D. Sc. Análise da Variância Objetivos do Aprendizado Nesta aula você aprenderá: A utilizar a análise de variância de fator único para testar diferenças

Leia mais

a) Suponha que na amostra de 20 declarações foram encontrados 15 com dados incorrectos. Construa um

a) Suponha que na amostra de 20 declarações foram encontrados 15 com dados incorrectos. Construa um Escola Superior de Tecnologia de Viseu Probabilidades e Estatística 2007/2008 Ficha nº 7 1. O director comercial de uma cadeia de lojas pretende comparar duas técnicas de vendas, A e B, para o mesmo produto.

Leia mais

Aula 4 Estatística Conceitos básicos

Aula 4 Estatística Conceitos básicos Aula 4 Estatística Conceitos básicos Plano de Aula Amostra e universo Média Variância / desvio-padrão / erro-padrão Intervalo de confiança Teste de hipótese Amostra e Universo A estatística nos ajuda a

Leia mais

Cap. 12 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc.

Cap. 12 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos. Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 2008 Prentice-Hall, Inc. Cap. 1 Testes Qui- Quadrados e Testes Não-Paramétricos Statistics for Managers Using Microsoft Excel, 5e 008 Prentice-Hall, Inc. Chap 1-1 Final de curso... tempo de recordar : ) Cap. 9 Fundamentos de testes

Leia mais

MD Sequências e Indução Matemática 1

MD Sequências e Indução Matemática 1 Sequências Indução Matemática Renato Martins Assunção assuncao@dcc.ufmg.br Antonio Alfredo Ferreira Loureiro loureiro@dcc.ufmg.br MD Sequências e Indução Matemática 1 Introdução Uma das tarefas mais importantes

Leia mais

Teste de hipóteses com duas amostras. Estatística Aplicada Larson Farber

Teste de hipóteses com duas amostras. Estatística Aplicada Larson Farber 8 Teste de hipóteses com duas amostras Estatística Aplicada Larson Farber Seção 8.1 Testando a diferença entre duas médias (amostras grandes e independentes) Visão geral Para testar o efeito benéfico de

Leia mais

Aula 10 Testes de hipóteses

Aula 10 Testes de hipóteses Aula 10 Testes de hipóteses Na teoria de estimação, vimos que é possível, por meio de estatísticas amostrais adequadas, estimar parâmetros de uma população, dentro de certo intervalo de confiança. Nos

Leia mais

Distribuição Normal de Probabilidade

Distribuição Normal de Probabilidade Distribuição Normal de Probabilidade 1 Aspectos Gerais 2 A Distribuição Normal Padronizada 3 Determinação de Probabilidades 4 Cálculo de Valores 5 Teorema Central do Limite 1 1 Aspectos Gerais Variável

Leia mais

Desvendando a Estatística com o R Commander

Desvendando a Estatística com o R Commander UTFPR - Universidade Tecnológica Federal do Paraná Desvendando a Estatística com o R Commander Prof. MSc. Jonas Joacir Radtke Sumário 1 Introdução p. 3 1.1 Instalação do R Commander..........................

Leia mais

Instruções. N. de Inscrição:

Instruções. N. de Inscrição: Escola de Administração Fazendária Missão: Desenvolver pessoas para o aperfeiçoamento da gestão das fi nanças públicas e a promoção da cidadania. Prova Conhecimentos Específicos Edital ESAF n. 79, de 06/1/013

Leia mais

Conceitos Básicos de Estatística Aula 2

Conceitos Básicos de Estatística Aula 2 Conceitos Básicos de Estatística Aula 2 ISCTE - IUL, Mestrados de Continuidade Diana Aldea Mendes diana.mendes@iscte.pt 13 de Setembro de 2011 DMQ, ISCTE-IUL (diana.mendes@iscte.pt) Estatística 13 de Setembro

Leia mais

EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO

EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO EXCEL NA ANÁLISE DE REGRESSÃO _2010_03_Exercicio _Regressão_exemplo O gerente de uma loja de artigos escolares, cada semana, deve decidir quanto gastar com propaganda e que atrativo (por exemplo preços

Leia mais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais

Testes de Hipóteses para a Diferença Entre Duas Médias Populacionais Estatística II Atoio Roque Aula Testes de Hipóteses para a Difereça Etre Duas Médias Populacioais Vamos cosiderar o seguite problema: Um pesquisador está estudado o efeito da deficiêcia de vitamia E sobre

Leia mais

IV TESTES PARA DUAS AMOSTRAS INDEPENDENTES

IV TESTES PARA DUAS AMOSTRAS INDEPENDENTES IV TESTES PARA DUAS AMOSTRAS INDEPENDENTES Estes testes se aplicam a planos amostrais onde se deseja comparar dois grupos independentes. Esses grupos podem ter sido formados de duas maneiras diferentes:

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 3

LISTA DE EXERCÍCIOS 3 DISCIPLINA: CÁLCULO DAS PROBABILIDADES E ESTATÍSTICA I PERÍODO: 2013.2 LISTA DE EXERCÍCIOS 3 1) Uma empresa fabricante de pastilhas para freio efetua um teste para controle de qualidade de seus produtos.

Leia mais

Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I) Métodos Estadísticos 2008 Universidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordán. Teste de Hipóteses

Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I) Métodos Estadísticos 2008 Universidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordán. Teste de Hipóteses Aula 6. Testes de Hipóteses Paramétricos (I) Métodos Estadísticos 2008 Universidade de Averio Profª Gladys Castillo Jordán Teste de Hipóteses Procedimento estatístico que averigua se os dados sustentam

Leia mais

3 Estratégias de Análise Técnica

3 Estratégias de Análise Técnica 3 Estratégias de Análise Técnica Como foi visto no Capítulo 2, as estratégias dos investidores do mercado são compostas por dois fatores, a saber: o mecanismo de ativação σ i (t) (Eq. 2-10) e o mecanismo

Leia mais

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis

Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br 1 AULA 03 Revisão: Noções básicas de estatística aplicada a avaliações de imóveis 2 OBSERVAÇÃO: é o valor obtido durante um processo de medição.

Leia mais

Testes de Hipóteses para Diferença entre duas Médias - Amostras relacionadas

Testes de Hipóteses para Diferença entre duas Médias - Amostras relacionadas Testes de Hipóteses para Diferença entre duas Médias - Amostras relacionadas Introdução Ivan Bezerra Allaman Entende-se por amostras relacionadas ou emparelhadas quando a medida tomada na primeira amostra

Leia mais

Capítulo 4 Testes de Hipóteses

Capítulo 4 Testes de Hipóteses L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 61 Capítulo 4 Testes de Hipóteses Inferência estatística pode ser definida como um conjunto de procedimentos que nos permite tirar conclusões

Leia mais

CAPÍTULO 5 - Exercícios

CAPÍTULO 5 - Exercícios CAPÍTULO 5 - Exercícios Distibuições de variáveis aleatórias discretas: Binomial 1. Se 20% dos parafusos produzidos por uma máquina são defeituosos, determinar a probabilidade de, entre 4 parafusos escolhidos

Leia mais

Grupo A - 1 o semestre de 2014 Gabarito Lista de exercícios 11 - Teste Qhi-quadrado C A S A

Grupo A - 1 o semestre de 2014 Gabarito Lista de exercícios 11 - Teste Qhi-quadrado C A S A Exercício 1. (2,0 pontos). Em um estudo que está sendo realizado por uma pesquisadora da Escola de Educação Física da USP, deseja-se avaliar características das lutas de judô em diferentes categorias.

Leia mais

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM

UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Unidade 2 Distribuições de Frequências e Representação Gráfica UNIDADE 3 MEDIDAS DE POSIÇÃO E DISPERSÃO OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade, você deverá ser capaz de: Calcular

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO TAMANHO DE UMA AMOSTRA

DETERMINAÇÃO DO TAMANHO DE UMA AMOSTRA DETERMINAÇÃO DO TAMANHO DE UMA AMOSTRA INTRODUÇÃO O pesquisador social procura tirar conclusões a respeito de um grande número de sujeitos. Por exemplo, ele poderia desejar estudar: os 170.000.000 de cidadãos

Leia mais

Testes (Não) Paramétricos

Testes (Não) Paramétricos Armando B. Mendes, DM, UAç 09--006 ANOVA: Objectivos Verificar as condições de aplicabilidade de testes de comparação de médias; Utilizar ANOVA a um factor, a dois factores e mais de dois factores e interpretar

Leia mais

7Testes de hipótese. Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno. H 0 : 2,5 peças / hora

7Testes de hipótese. Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno. H 0 : 2,5 peças / hora 7Testes de hipótese Prof. Dr. Paulo Picchetti M.Sc. Erick Y. Mizuno COMENTÁRIOS INICIAIS Uma hipótese estatística é uma afirmativa a respeito de um parâmetro de uma distribuição de probabilidade. Por exemplo,

Leia mais

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos

Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de extremos Notas sobre a Fórmula de Taylor e o estudo de etremos O Teorema de Taylor estabelece que sob certas condições) uma função pode ser aproimada na proimidade de algum ponto dado) por um polinómio, de modo

Leia mais

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante

Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante Capítulo 2 Análise de Arredondamento em Ponto Flutuante 2.1 Introdução Neste capítulo, chamamos atenção para o fato de que o conjunto dos números representáveis em qualquer máquina é finito, e portanto

Leia mais

Datas Importantes 2013/01

Datas Importantes 2013/01 INSTRUMENTAÇÃO CARACTERÍSTICAS DE UM SISTEMA DE MEDIÇÃO PROBABILIDADE PROPAGAÇÃO DE INCERTEZA MÍNIMOS QUADRADOS Instrumentação - Profs. Isaac Silva - Filipi Vianna - Felipe Dalla Vecchia 2013 Datas Importantes

Leia mais

Distribuição Gaussiana. Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas

Distribuição Gaussiana. Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas Distribuição Gaussiana Modelo Probabilístico para Variáveis Contínuas Distribuição de Frequências do Peso, em gramas, de 10000 recém-nascidos Frequencia 0 500 1000 1500 2000 2500 3000 3500 1000 2000 3000

Leia mais

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística

Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística. Aula 4 Conceitos básicos de estatística Aula 4 Conceitos Básicos de Estatística Aula 4 Conceitos básicos de estatística A Estatística é a ciência de aprendizagem a partir de dados. Trata-se de uma disciplina estratégica, que coleta, analisa

Leia mais

Distribuição de probabilidades

Distribuição de probabilidades Luiz Carlos Terra Para que você possa compreender a parte da estatística que trata de estimação de valores, é necessário que tenha uma boa noção sobre o conceito de distribuição de probabilidades e curva

Leia mais

Técnicas Multivariadas em Saúde. Comparações de Médias Multivariadas. Métodos Multivariados em Saúde - 2015. Roteiro. Testes de Significância

Técnicas Multivariadas em Saúde. Comparações de Médias Multivariadas. Métodos Multivariados em Saúde - 2015. Roteiro. Testes de Significância Roteiro Técnicas Multivariadas em Saúde Lupércio França Bessegato Dep. Estatística/UFJF 1. Introdução 2. Distribuições de Probabilidade Multivariadas 3. Representação de Dados Multivariados 4. Testes de

Leia mais

ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM

ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA. Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM ANÁLISE DE VARIÂNCIA ANOVA Prof. Adriano Mendonça Souza, Dr. Departamento de Estatística - PPGEMQ / PPGEP - UFSM UM EXEMPLO DE APLICAÇÃO Digamos que temos 6 métodos de ensino aplicados a 30 crianças cada

Leia mais

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT

SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT SOCIEDADE BRASILEIRA DE MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM REDE NACIONAL PROFMAT GABARITO da 3 a Avaliação Nacional de Aritmética - MA14-21/12/2013 Questão 1. (pontuação: 2) (1,0) a) Enuncie e demonstre

Leia mais

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ

Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/12/2011 pelo CEPERJ Resoluções comentadas de Raciocínio Lógico e Estatística SEFAZ - Analista em Finanças Públicas Prova realizada em 04/1/011 pelo CEPERJ 59. O cartão de crédito que João utiliza cobra 10% de juros ao mês,

Leia mais

Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde

Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde Roteiro Análise de Sobrevivência Aplicada à Saúde Lupércio França Bessegato Dep. Estatística/UFJF 1. Conceitos Básicos 2. Técnicas Não Paramétricas 3. Modelos Probabilísticos e Inferência 4. Modelos de

Leia mais

Tipos de Modelos. Exemplos. Modelo determinístico. Exemplos. Modelo probabilístico. Causas Efeito. Determinístico. Sistema Real.

Tipos de Modelos. Exemplos. Modelo determinístico. Exemplos. Modelo probabilístico. Causas Efeito. Determinístico. Sistema Real. Tipos de Modelos Sistema Real Determinístico Prof. Lorí Viali, Dr. viali@mat.ufrgs.br http://www.mat.ufrgs.br/~viali/ Probabilístico Modelo determinístico Exemplos Gravitação F GM M /r Causas Efeito Aceleração

Leia mais

Variabilidade do processo

Variabilidade do processo Variabilidade do processo Em todo processo é natural encontrar certa quantidade de variabilidade. Processo sob controle estatístico: variabilidade natural por causas aleatórias Processo fora de controle:

Leia mais

Um jogo de preencher casas

Um jogo de preencher casas Um jogo de preencher casas 12 de Janeiro de 2015 Resumo Objetivos principais da aula de hoje: resolver um jogo com a ajuda de problemas de divisibilidade. Descrevemos nestas notas um jogo que estudamos

Leia mais

CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral

CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral CAP5: Amostragem e Distribuição Amostral O que é uma amostra? É um subconjunto de um universo (população). Ex: Amostra de sangue; amostra de pessoas, amostra de objetos, etc O que se espera de uma amostra?

Leia mais

Valor Prático da Distribuição Amostral de

Valor Prático da Distribuição Amostral de DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DA MÉDIA DA AMOSTRA OU DISTRIBUIÇÃO AMOSTRAL DE Antes de falarmos como calcular a margem de erro de uma pesquisa, vamos conhecer alguns resultados importantes da inferência estatística.

Leia mais

Padronização e Escores z. Transformação z Percentis

Padronização e Escores z. Transformação z Percentis Padronização e Escores z Transformação z Percentis Padronização Definição Padronização de escores é o processo de converter o escore bruto de uma distribuição em escore z. Escore bruto O valor individual

Leia mais

Estatística e Probabilidade

Estatística e Probabilidade Correlação Estatística e Probabilidade Uma correlação é uma relação entre duas variáveis. Os dados podem ser representados por pares ordenados (x,y), onde x é a variável independente ou variável explanatória

Leia mais

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno

Introdução a Química Analítica. Professora Mirian Maya Sakuno Introdução a Química Analítica Professora Mirian Maya Sakuno Química Analítica ou Química Quantitativa QUÍMICA ANALÍTICA: É a parte da química que estuda os princípios teóricos e práticos das análises

Leia mais

CAP4: Controle Estatístico do Processo (CEP)

CAP4: Controle Estatístico do Processo (CEP) CAP4: Controle Estatístico do Processo (CEP) O principal objetivo do CEP é detectar rapidamente a ocorrência de causas evitáveis que produzam defeitos nas unidades produzidas pelo processo, de modo que

Leia mais

PROBABILIDADE. Aula 5

PROBABILIDADE. Aula 5 Curso: Psicologia Disciplina: Métodos Quantitativos Profa. Valdinéia Data: 28/10/15 PROBABILIDADE Aula 5 Geralmente a cada experimento aparecem vários resultados possíveis. Por exemplo ao jogar uma moeda,

Leia mais

Olá pessoal. Foram bem? Até que a prova não foi difícil! Vamos corrigir.

Olá pessoal. Foram bem? Até que a prova não foi difícil! Vamos corrigir. Olá pessoal. Foram bem? Até que a prova não foi difícil! Vamos corrigir. Resolução Lembre-se das fórmulas: coeficiente de variação (x) = coeficiente de correlação (x, y) = desvio padrão (x) média (x) covariância

Leia mais

Equações Diferenciais

Equações Diferenciais Equações Diferenciais EQUAÇÕES DIFERENCIAS Em qualquer processo natural, as variáveis envolvidas e suas taxas de variação estão interligadas com uma ou outras por meio de princípios básicos científicos

Leia mais

Tecido 1 2 3 4 5 6 7 A 36 26 31 38 28 20 37 B 39 27 35 42 31 39 22

Tecido 1 2 3 4 5 6 7 A 36 26 31 38 28 20 37 B 39 27 35 42 31 39 22 Teste para diferença de médias Exemplo Dois tipos diferentes de tecido devem ser comparados. Uma máquina de testes Martindale pode comparar duas amostras ao mesmo tempo. O peso (em miligramas) para sete

Leia mais

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS

QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS LENIMAR NUNES DE ANDRADE INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA: QUESTÕES COMENTADAS E RESOLVIDAS 1 a edição ISBN 978-85-917238-0-5 João Pessoa Edição do Autor 2014 Prefácio Este texto foi elaborado para a disciplina Introdução

Leia mais

Grupo A - 1 o semestre de 2014 Gabarito Lista de exercícios 5 - Variáveis Aleatórias e Distribuição Binomial C A S A

Grupo A - 1 o semestre de 2014 Gabarito Lista de exercícios 5 - Variáveis Aleatórias e Distribuição Binomial C A S A Exercício 1. (2,0 pontos). Dados sobre acidentes automobilísticos levantados por uma companhia de seguros informaram o seguinte: a probabilidade de que um motorista segurado sofra um acidente automobilístico

Leia mais

Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ 2 )

Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ 2 ) Relações entre Variáveis Nominais: O Teste do Qui-Quadrado (χ ) Quando queremos medir a relação entre duas variáveis nominais, por exemplo, o sexo de uma pessoa (masculino/feminino) e a sua preferência

Leia mais

CURSO E COLÉGIO APOIO. Professor: Ronaldo Correa

CURSO E COLÉGIO APOIO. Professor: Ronaldo Correa CURSO E COLÉGIO APOIO Professor: Ronaldo Correa Holiday - Christmas.mpg medidas 1-Medidas Grandeza tudo aquilo que pode ser medido. Medir comparar com um padrão. No Brasil e na maioria dos países as unidades

Leia mais

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS

Introdução à Análise Química QUI 094 ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução a Analise Química - II sem/2012 Profa Ma Auxiliadora - 1 Introdução à Análise Química QUI 094 1 semestre 2012 Profa. Maria Auxiliadora Costa Matos ERRO E TRATAMENTO DE DADOS ANALÍTICOS Introdução

Leia mais

Artigo Número 76 TESTES ESTATÍSTICOS PARA COMPARAÇÃO DE MÉDIAS. Andréia Fróes Galuci Oliveira 1

Artigo Número 76 TESTES ESTATÍSTICOS PARA COMPARAÇÃO DE MÉDIAS. Andréia Fróes Galuci Oliveira 1 Revista Eletrônica Nutritime, v.5, n 6, p.777-788 Novembro/Dezembro 008. Artigo Número 76 TESTES ESTATÍSTICOS PARA COMPARAÇÃO DE MÉDIAS Andréia Fróes Galuci Oliveira 1 INTRODUÇÃO Quando a análise de variância

Leia mais

TESTE QUI - QUADRADO DE UMA AMOSTRA (também chamado TESTE DE ADERÊNCIA ou TESTE DE EFICIÊNCIA DE AJUSTE)

TESTE QUI - QUADRADO DE UMA AMOSTRA (também chamado TESTE DE ADERÊNCIA ou TESTE DE EFICIÊNCIA DE AJUSTE) TESTE QUI - QUADRADO DE UMA AMOSTRA (também chamado TESTE DE ADERÊNCIA ou TESTE DE EFICIÊNCIA DE AJUSTE) O Teste Qui-quadrado de uma amostra é utilizado em pesquisa de marketing para verificar se a distribuição

Leia mais

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento

Epidemiologia. Profa. Heloisa Nascimento Epidemiologia Profa. Heloisa Nascimento Medidas de efeito e medidas de associação -Um dos objetivos da pesquisa epidemiológica é o reconhecimento de uma relação causal entre uma particular exposição (fator

Leia mais

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA

MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA MÉDIA ARITMÉTICA MÉDIA PONDERADA MODA MEDIANA Em um amostra, quando se têm os valores de uma certa característica, é fácil constatar que os dados normalmente não se distribuem uniformemente, havendo uma

Leia mais

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar

Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar I Congresso Brasileiro de Engenharia Clínica Palestra: Incertezas de Medições em Calibrações: aplicações práticas no ambiente hospitalar São Paulo, 30 de Setembro de 2005 Gilberto Carlos Fidélis Instrutor

Leia mais

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal

Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti. Distribuição Normal Curso: Logística e Transportes Disciplina: Estatística Profa. Eliane Cabariti Distribuição Normal 1. Introdução O mundo é normal! Acredite se quiser! Muitos dos fenômenos aleatórios que encontramos na

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais Exame Final Nacional do Ensino Secundário Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 835/2.ª Fase 15 Páginas Duração

Leia mais

Provas resolvidas do ISS-SP Matemática Financeira Estatística Lógica Professor Joselias joselias@uol.com.br - http://professorjoselias.blogspot.

Provas resolvidas do ISS-SP Matemática Financeira Estatística Lógica Professor Joselias joselias@uol.com.br - http://professorjoselias.blogspot. PROVA RESOLVDA DO CONCURSO DE FSCAL DO SS-SP ESTATÍSTCA- RACOCÍNO LÓGCO E MATEMÁTCA FNANCERA Questão 51. Uma pessoa necessita efetuar dois pagamentos, um de R$ 2.000,00 daqui a 6 meses e outro de R$ 2.382,88

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MATEMÁTICA 4 a LISTA DE EXERCÍCIOS GBQ12 Professor: Ednaldo Carvalho Guimarães AMOSTRAGEM 1) Um pesquisador está interessado em saber o tempo médio que

Leia mais

4Distribuição de. freqüência

4Distribuição de. freqüência 4Distribuição de freqüência O objetivo desta Unidade é partir dos dados brutos, isto é, desorganizados, para uma apresentação formal. Nesse percurso, seção 1, destacaremos a diferença entre tabela primitiva

Leia mais

Estatística e Probabilidade. Aula 11 Cap 06

Estatística e Probabilidade. Aula 11 Cap 06 Aula 11 Cap 06 Intervalos de confiança para variância e desvio padrão Confiando no erro... Intervalos de Confiança para variância e desvio padrão Na produção industrial, é necessário controlar o tamanho

Leia mais

Correlação. Ivan Bezerra Allaman

Correlação. Ivan Bezerra Allaman Correlação Ivan Bezerra Allaman Introdução Vamos supor que um inspetor de segurança queira determinar se eiste uma relação entre o número de horas de treinamento de um empregado e o número de acidentes

Leia mais

UMA ABORDAGEM DOS TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS COM UTILIZAÇÃO DO EXCEL

UMA ABORDAGEM DOS TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS COM UTILIZAÇÃO DO EXCEL UMA ABORDAGEM DOS TESTES NÃO-PARAMÉTRICOS COM UTILIZAÇÃO DO EXCEL Arthur Alexandre Hackbarth Neto, Esp. FURB Universidade Regional de Blumenau Carlos Efrain Stein, Ms. FURB Universidade Regional de Blumenau

Leia mais

Introdução. Métodos de inferência são usados para tirar conclusões sobre a população usando informações obtidas a partir de uma amostra.

Introdução. Métodos de inferência são usados para tirar conclusões sobre a população usando informações obtidas a partir de uma amostra. Métodos Monte Carlo Introdução Métodos de inferência são usados para tirar conclusões sobre a população usando informações obtidas a partir de uma amostra. Estimativas pontuais e intervalares para os parâmetros;

Leia mais

Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL

Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL Faculdade de Medicina Universidade Federal do Ceará Elaborado por Eduardo Rebouças Carvalho Hermano Alexandre Lima Rocha DISTRIBUIÇÃO NORMAL - Uma curva de distribuição pode descrever a forma da distribuição

Leia mais

Pós-Graduação em Economia e Gestão em Saúde Módulo de Estatística Aplicada

Pós-Graduação em Economia e Gestão em Saúde Módulo de Estatística Aplicada ÍNDICE 1. CONCEITOS BÁSICOS 2 1.1 FASES DE UMA ANÁLISE ESTATÍSTICA 2 2. ANÁLISE EXPLORATÓRIA DOS DADOS 3 2.1 TABELAS E GRÁFICOS 3 2.2 ESTATÍSTICA DESCRITIVA 9 2.2.1 Medidas de Tendência Central 10 2.2.2

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

Tópico 8. Estatística Inferencial Teste de Hipóteses

Tópico 8. Estatística Inferencial Teste de Hipóteses Tópico 8 Estatística Inferencial Teste de Hipóteses Estatística Inferencial Princípio básico da estatística População (Plano de Amostragem Probabilística) Amostra Generalizar Descrever dados Parâmetro

Leia mais

Probabilidade e Estatística

Probabilidade e Estatística Probabilidade e Estatística TESTES DE HIPÓTESES (ou Testes de Significância) Estimação e Teste de Hipóteses Estimação e teste de hipóteses (ou significância) são os aspectos principais da Inferência Estatística

Leia mais

Universidade Federal Fluminense

Universidade Federal Fluminense Universidade Federal Fluminense INSTITUTO DE MATEMÁTICA E ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA ESTATÍSTICA V Lista 9: Intervalo de Confiança. 1. Um pesquisador está estudando a resistência de um determinado

Leia mais

Probabilidade - aula I

Probabilidade - aula I e 27 de Fevereiro de 2015 e e Experimentos Aleatórios e Objetivos Ao final deste capítulo você deve ser capaz de: Entender e descrever espaços amostrais e eventos para experimentos aleatórios. Interpretar

Leia mais