VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO"

Transcrição

1 TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MATÉRIAS TRABALHO Orientador Empresarial Microempreendedor Individual-Formalização-Setor de Serviços-Crescimento SETOR DE SERVIÇOS É CAMPEÃO EM FORMALIZAÇÕES NO BRASIL Das cinco atividades mais procuradas na hora de legalizar o negócio, quatro são do setor de serviços: venda de roupas (10,4%), cabeleireiros (7,3%), lanchonetes (2,9%) e mercearias (2,6%) A cada cem microempreendedores individuais (MEIs) formalizados em todo o País, 36% atuam no setor de serviços. A participação dos MEIs neste setor é maior do que a das micro e pequenas empresas (MPEs), de 28%. Os dados fazem parte do estudo do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) sobre o Microempreendedor Individual, categoria de empresários que fatura até R$ 5 mil por mês. No último ano, o número de MEIs que prestam serviços de estética registrou crescimento de 132%, o maior percentual entre as dez principais atividades desenvolvidas pela categoria. Outros serviços também tiveram formalizações expressivas no período, como cabeleireiros (82%), lanchonetes (79%), bares (77%) e reparação de computadores (61%). Muitas atividades classificadas como indústria são próximas do setor de serviços, como marceneiros, soldadores, montador de móveis, instalador de máquinas e equipamentos industriais, entre outras, reforça o presidente do Sebrae, Luiz Barretto. O estudo, realizado entre março e abril de 2012, mostra o perfil desse novo empreendedor brasileiro. Foram ouvidas 11,5 mil pessoas em todas as capitais e em municípios de médio e pequeno porte no País. Até a conclusão da pesquisa, o total de MEIs no Brasil era de cerca de 2,1 milhões. Hoje, este número está em torno de 2,5 milhões. A análise levou em consideração também os dados fornecidos pela Receita Federal até o dia 30 de abril de O regime de formalização é destinado a trabalhadores por conta própria que tenha uma receita bruta de até R$ 60 mil por ano. Para aderir, o trabalhador pode ter apenas um empregado contratado e não pode ter participação em outra empresa como sócio ou titular.

2 Entre as vantagens oferecidas por essa figura jurídica está o registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ), que facilita a abertura de conta bancária e permite a emissão de notas fiscais. Com a formalização, é preciso contribuir com cerca de R$ 35 mensais para a Previdência Social e assim tem acesso a benefícios como aposentadoria, auxíliomaternidade, auxílio-doença, entre outros. No total, 471 atividades possibilitam o registro. Atividade terá 2,8 milhões de adesões até o fim do ano O País deve ter 2,8 milhões de microempreendedores individuais (MEIs) até o fim do ano, de acordo com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae). Desde 2009, com a formalização junto à Receita Federal, os registros desta categoria de empresários têm crescido. De janeiro a abril de 2012, foram mais de 350 mil. A expectativa é de que o ritmo continue intenso e até 2014 o Brasil tenha 4 milhões de MEIs. O estado de São Paulo responde pela maior parcela de microempreendedores individuais (23,7%). O Rio de Janeiro fica em segundo lugar (12,4%), seguido por Minas Gerais (10,1%), Bahia (7,7%) e Rio Grande do Sul (5,6%). Os setores de comércio e serviços respondem, juntos, por 75% do total de MEIs no País. A indústria é responsável por 17% dos representantes da categoria e a construção civil detém 8%. Construção civil e serviços ampliaram a parcela de MEIs de maio de 2011 para abril deste ano, em 0,7 e 0,1 ponto percentual, respectivamente. Indústria e comércio recuaram 0,6 e 0,2 ponto porcentual na mesma base de comparação. Falta orientação sobre busca de crédito Apesar de os Microempreendedores Individuais (MEIs) procurarem mais os bancos públicos para pedir empréstimo, são essas instituições financeiras que menos concedem crédito ao grupo. De acordo com uma pesquisa do Sebrae, os bancos estatais são os que têm menor taxa de liberação para esse público, de 50%. Mesmo assim, 68% procuram esses locais para obter empréstimos. A Caixa Econômica Federal é a mais procurada pelos MEIs - 29% disseram que buscaram crédito na Caixa. Na sequência, vêm Banco do Brasil (23%), Bradesco (12%), Banco do Nordeste (9%), Banco Itaú (8%), programas estaduais de microcrédito (8%) e Banco Santander (7%). Os restantes 15% buscam crédito em outras fontes. Os MEIs que procuraram instituições privadas (27%) foram mais bem-sucedidos: 62% conseguiram o empréstimo. A porcentagem aumenta nas cooperativas de crédito (79%), nas fontes diversas e particulares (68%) e nas Organizações Não Governamentais (89%). Apesar disso, só 6% dos MEIs buscaram empréstimos em cooperativas de crédito ou ONGs e 2% buscaram fontes particulares. A maioria (90%) disse não ter buscado crédito após a formalização. A parcela de quem que procurou crédito diminuiu 5 pontos percentuais em comparação com o resultado de Proposta converte tributos em crédito para primeira empresa. 2

3 Mulheres têm como vantagem os horários mais flexíveis A figura do Microempreendedor Individual (MEI) tem sido um incentivo à inclusão produtiva feminina no Brasil. As mulheres já representam 46% do segmento. O MEI é o segmento de maior participação empresarial feminina no País. As mulheres conduzem cerca de um terço das micro e pequenas empresas no Brasil, mas, entre os empreendedores, a participação é maior, quase a metade do total, ressaltou o presidente do Sebrae, Luiz Barretto. Uma das razões que faz as mulheres buscarem a alternativa é a flexibilidade de horários, uma vez que muitas delas ainda acumulam a administração da casa e dos filhos. A possibilidade de trabalhar em casa e ter uma fonte de renda atrai as mulheres para empreender, completou Barretto. As mulheres representam a mesma proporção que os homens no setor de serviços (50%) e quase a metade no comércio (48%). Elas são maioria na indústria (52%), setor que inclui muitas atividades próximas de serviços, como produção de marmitas ou quentinhas, bufê para eventos, costureiras, fabricação de bijuterias, confecção de roupas íntimas, bolsas e bonés, produção de massas, pães, doces e chocolates, tapeçaria, entre outros. Das dez atividades com o maior número de MEI, cinco são conduzidas principalmente por mulheres. Nos serviços de estética, elas são 97%, outros 77% entre cabeleireiros, 77% na comercialização de alimentos para consumo doméstico, 75% no varejo de confecções e 56% entre as lanchonetes. A exceção é a construção civil, onde as mulheres são apenas 5%, principalmente em razão das atividades: 97% daqueles que trabalham com obras de alvenaria são homens, outros 93% entre os que fazem instalações elétricas. Registro apresenta impacto positivo nos investimentos A saída da informalidade gera impactos positivos no desempenho dos negócios conduzidos pelos Microempreendedores Individuais (MEI). O levantamento do Sebrae mostra que 55% dos empreendedores que já tinham um negócio antes da formalização tiveram aumento no faturamento da empresa após o registro. Os investimentos na empresa também foram maiores para 54% dos entrevistados que afirmaram já possuir um negócio informal e 52% passaram a ter maior controle financeiro, o que representa melhoria de gestão. Com o registro, o novo empresário passa a ter um CNPJ e pode emitir nota fiscal. Dessa forma, tem acesso a oportunidades de negócios que os informais não têm, como a possibilidade de vender produtos e serviços para grandes empresas e participar de licitações dos governos municipais, estaduais e federal. Segundo o estudo do Sebrae, 26% dos empreendedores que saíram da informalidade ampliaram as vendas para outras empresas. Porém, apenas 5% passaram a vender mais para governos. É preciso estar atento e capacitado para aproveitar essas oportunidades. 3

4 Somente a União compra cerca de R$ 15 bilhões por ano de produtos e serviços fornecidos por pequenos negócios, afirmou o presidente do Sebrae. A formalização também permite negociar preços melhores com fornecedores, uma vez que as compras feitas por pessoas jurídicas normalmente são facilitadas. No entanto, o estudo revela que os MEI ainda não aproveitam essas vantagens: somente 3% reduziram os valores de compras de insumos para seus empreendimentos. Proposta converte tributos em crédito para primeira empresa A Câmara dos Deputados analisa proposta que cria incentivos para a primeira empresa e para a primeira empresa verde, com o objetivo de estimular novos empreendimentos, em especial, aqueles destinados a resolver problemas socioambientais. O Projeto de Lei 3674/12, do deputado Otavio Leite (PSDB-RJ), converte impostos, taxas e contribuições a serem recolhidos pela primeira empresa ou pela primeira empresa para economia verde em empréstimos da União para fomentar o crescimento e a capitalização desses empreendimentos. A proposta define primeira empresa como aquela criada por pessoa física, ou pessoas físicas, cujos nomes, até então, jamais tenham sido registrados no CNPJ. A primeira empresa para economia verde é definida como aquela pertencente à economia verde, preocupada com a preservação do meio ambiente, ou seja, com o bem-estar e em reduzir os riscos ambientais e a escassez ecológica. O PL 3674/12 estabelece que, durante 24 meses, todos os impostos, taxas, contribuições e encargos devidos serão convertidos, automaticamente, em créditos e deduzidos do faturamento da empresa caracterizada como primeira empresa. A única exceção é o FGTS recolhido para os empregados da primeira empresa. Quando for qualificada como primeira empresa para economia verde, a duração do incentivo será triplicada, assim como o prazo para a quitação do empréstimo. A primeira empresa só começará o efetivo pagamento depois de dois anos de funcionamento, e terá 48 meses para quitar o débito. Caso o empresário venda a empresa ou partes dela, os empréstimos concedidos serão considerados vencidos e devidos imediatamente. Quem criar uma empresa, ao invés de ser onerado por uma infinidade de taxas, terá, automaticamente, tais pesados ônus transformados em créditos, de forma a capitalizar seu empreendimento e, assim, criar riquezas e empregos, explica o autor da proposta. Ulysses Maranhão, que representa o Conselho Nacional de Jovens Empresários, acredita que o projeto atenua uma das principais dificuldades das novas empresas: a alta carga tributária. A empresa, quando começa, é como um recém-nascido, ela precisa de cuidados especiais. 4

5 Maranhão explicou que a entidade acompanhou a formulação da proposta, que foi discutida pela Associação Nacional de Jovens Empresários, da qual fazem parte. A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analisada pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio; de Finanças e Tributação, e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Sispro atualiza sistema de gestão patrimonial às regulamentações de ICMS A Sispro, provedora de tecnologia e serviços para a gestão de negócios, atualizou o sistema Sispro Patrimônio às mais recentes regulamentações e atualizações das normas do ICMS dos estados, visando a garantir às empresas a capacidade de gestão e controle dos ativos patrimoniais às exigências legais. A mais recente regulamentação foi anunciada pelo Rio Grande do Sul, para o RICMS-RS, que foi modificado no dia 20 de julho a partir da publicação do Decreto A partir desta alteração, foi reduzido o período de apropriação dos créditos dos bens do ativo permanente quando estes bens forem produzidos naquele estado da federação. O prazo para entrega da EFD ICMS/IPI no Rio Grande do Sul termina nesta quarta-feira, dia 15, e a escrituração já deve contemplar esta nova forma de crédito fiscal. Segundo Marli Ruaro, consultora da Sispro, a atualização do Sispro Patrimônio é um trabalho constante. Fonte: Jornal do Comércio, em Mantenha os Endereços Eletrônicos de sua Organização sempre atualizados e sua Assinatura em dia para não serem prejudicados nos envios das atualizações. Para verificar a regularidade de sua Assinatura e atualizar seus Endereços Eletrônicos, encaminhe uma solicitação através do endereço Um Ótimo Dia para Você! Equipe Técnica Estamos no Twitter! Follow us: 5

MPE INDICADORES Pequenos Negócios

MPE INDICADORES Pequenos Negócios MPE INDICADORES Pequenos Negócios no Brasil Categorias de pequenos negócios no Brasil MPE Indicadores MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta anual de até R$ 60 mil MICROEMPRESA Receita bruta

Leia mais

vamos agora estudar e classificar as empresas de acordo com o seu faturamento:

vamos agora estudar e classificar as empresas de acordo com o seu faturamento: Depois de estudar - a evolução do direito empresarial; - os conceitos de empregador, empresário e empresa; - O empresário e a sociedade empresária irregular (Diferente da Sociedade Simples); - A teoria

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS

ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS ESPECIALISTAS EM PEQUENOS NEGÓCIOS 98,5% do total de empresas no País MICRO E PEQUENAS NA ECONOMIA BRASILEIRA O QUE É CONSIDERADO PEQUENO NEGÓCIO NO BRASIL MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Receita bruta

Leia mais

ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA

ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA ELTON ORRIS GESTÃO EMPRESARIAL ÊNFASE EM MARKETING FATEC PÓS GRADUAÇÃO GESTÃO DE CUSTOS FACULDADE INTERNACIONAL DE CURITIBA GESTOR EMPRESARIAL SETOR DE SERVIÇOS GESTOR DE PROJETOS SETOR DE SERVIÇOS CURSO

Leia mais

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2016 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 7.061 Fornecedores 33.947 Contas a Receber 41.832

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016

INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos INDÚSTRIA DE ALIMENTOS NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Perfil do Microempreendedor Individual Sebrae Goiás

Perfil do Microempreendedor Individual Sebrae Goiás Perfil do Microempreendedor Individual 2015 Sebrae Goiás Metodologia Entrevistas por telefone com 9.657 Microempreendedores Individuais no Brasil; 384 Microempreendedores Individuais em Goiás; Entrevistas

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO DE JANEIRO - CAU / RJ BALANCETE DE JANEIRO DE 2013

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO DE JANEIRO - CAU / RJ BALANCETE DE JANEIRO DE 2013 BALANCETE DE JANEIRO DE 2013 ATIVO 9.854.457,63 ATIVO CIRCULANTE 9.658.703,72 Disponível Vinculado C/C Bancária 4.989.235,75 Créditos a Receber do Exercício 4.635.067,97 Demais Créditos e Valores a Curto

Leia mais

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira

Empreendedorismo. Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Empreendedorismo Prof. MSc. Márcio Rogério de Oliveira Unidades da Disciplina: As Empresas; Mortalidade, Competitividade e Inovação Empresarial; Empreendedorismo; Processo Empreendedor; Instituições de

Leia mais

O que é um plano de negócio. Prof. Marcio Cardoso Machado

O que é um plano de negócio. Prof. Marcio Cardoso Machado O que é um plano de negócio Prof. Marcio Cardoso Machado Planejamento Definição Um plano de negócio é um documento que descreve por escrito os objetivos de um negócio e quais passos devem ser dados para

Leia mais

Resultados de junho 2015

Resultados de junho 2015 Resultados de junho No 1º semestre de, as micro e pequenas empresas (MPEs) paulistas apresentaram queda de 11,9% no faturamento real sobre o mesmo período de 2014 (já descontada a inflação). O resultado

Leia mais

Cia. Hering D É B O R A D A R I N

Cia. Hering D É B O R A D A R I N Cia. Hering D É B O R A D A R I N G I O VA N N A S A R T O R V E R Í S S I M O C R E D I T S U I S S E A WA R D S 2 0 1 6 0 2 D E J U N H O D E 2 0 1 6 M A R C O A N T O N I O PAT H E F I L H O M A R I

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas CUIABÁ - MT 28/06/2016 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais

Exercício Nº 18. As receitas e as despesas ocorridas em X5, e os valores conhecidos do dólar são:

Exercício Nº 18. As receitas e as despesas ocorridas em X5, e os valores conhecidos do dólar são: Exercício Nº 18 Os Balanços Patrimoniais, em 31/12/X4 e 31/12/X5, e a Demonstração do Resultado do ano de X5 da Empresa Internacional S.A., em Reais, são os seguintes: Empresa Internacional S.A. - Balanços

Leia mais

Caminho Jurídico do Empreendedor

Caminho Jurídico do Empreendedor Caminho Jurídico do Empreendedor Introdução Início de Atividade Empresária requer: Modelo de empresas/tipos societários; Contrato social, Registro de marcas e patentes; Elaboração e estudo de contratos

Leia mais

Bradesco Seguro Simpli Empresa TABELA DE VENDAS

Bradesco Seguro Simpli Empresa TABELA DE VENDAS Bradesco Seguro Simpli Empresa TABELA DE VENDAS BRADESCO SEGURO SIMPLI EMPRESA ÍNDICE DE ATIVIDADES Pág. Pág. Benefícios e instruções de contratação Açougue Academia de ginástica, musculação, pilates,

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. CNPJ: 42.540.2 11/000 1-6 7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO A T I V O 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 805 12.378 Aplicações

Leia mais

SUPLEMENTO: A OPINIÃO DOS EMPREENDEDORES Avaliação de 2016 e perspectivas para Fevereiro/ 2017

SUPLEMENTO: A OPINIÃO DOS EMPREENDEDORES Avaliação de 2016 e perspectivas para Fevereiro/ 2017 SUPLEMENTO: A OPINIÃO DOS EMPREENDEDORES Avaliação de 2016 e perspectivas para 2017 Fevereiro/ 2017 Destaques Quanto ao ano de 2016, na opinião de 53% dos proprietários de micro e pequenas empresas, os

Leia mais

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet

Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Apoio do BNDES a Pequenos e Médios Provedores de Internet Aracaju-SE 14.março.2016 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada

Leia mais

A Lei Geral da MPE. SEBRAE Rio de Janeiro 05 de outubro de 2004

A Lei Geral da MPE. SEBRAE Rio de Janeiro 05 de outubro de 2004 A Lei Geral da MPE A Lei Geral da MPE SEBRAE Rio de Janeiro 05 de outubro de 2004 Ricardo Tortorella: Economista, Mestrado em Finanças Públicas, Consultor do Fundo Monetário Internacional, do Banco Mundial

Leia mais

Quarta-feira, 13 de março de nº Ano XVI - Caderno B esta edição tem 22 páginas. BALANÇO PATRIMONIAL (em reais)

Quarta-feira, 13 de março de nº Ano XVI - Caderno B esta edição tem 22 páginas. BALANÇO PATRIMONIAL (em reais) Imprensa Oficial da Estância de Atibaia esta edição tem 22 páginas BALANÇO PATRIMONIAL (em reais) ASSOCIAÇÃO MISSIONÁRIA DE AJUDA CRISTÃ - AMAC Ativo 2012 2011 Passivo 2012 2011 Ativo Circulante Passivo

Leia mais

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA Assinatura: Nº Questão: 5 INSTRUÇÕES DA PROVA A prova é individual e intransferível, confira os seus dados. Responda dentro da área reservada ao aluno. Não escreva fora das margens ou atrás da folha. Textos

Leia mais

A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) nas MPE Brasileiras

A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) nas MPE Brasileiras 1 Especialistas em pequenos negócios / 0800 570 0800 / sebrae.com.br A Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) nas MPE Brasileiras Novembro 2015 Objetivo: avaliar o nível de utilização de TIC nas

Leia mais

A MARKETUP É UMA STARTUP QUE ACREDITA NA IMPORTÂNCIA DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E SUA ATITUDE EMPREENDEDORA

A MARKETUP É UMA STARTUP QUE ACREDITA NA IMPORTÂNCIA DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E SUA ATITUDE EMPREENDEDORA QUEM SOMOS A MARKETUP É UMA STARTUP QUE ACREDITA NA IMPORTÂNCIA DAS MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS E SUA ATITUDE EMPREENDEDORA 2 SÓCIOS E EQUIPE 3 MERCADO BRASIL O Brasil possui hoje mais de 16 milhões

Leia mais

artesanato Cartilha do Empreendedor Individual

artesanato Cartilha do Empreendedor Individual artesanato Cartilha do Empreendedor Individual 1 1. 5. Bom dia, Luiza! você que é artesã já pensou em ser uma empresária? Ser empresária para quê? E, como artesã, posso me registrar? Claro, existe uma

Leia mais

Panorama do Setor de HPPC 2016

Panorama do Setor de HPPC 2016 Evolução A Indústria Brasileira de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos apresentou um crescimento médio deflacionado composto próximo a 11,4% aa nos últimos 20 anos, tendo passado de um faturamento

Leia mais

Indicadores SEBRAE-SP

Indicadores SEBRAE-SP Indicadores SEBRAE-SP Especial: Mercado de Trabalho (resultados de 2012) Abril/13 Especial: Mercado de trabalho Este especial é um suplemento dos Indicadores Sebrae-SP, que traz dados inéditos sobre o

Leia mais

Vencimento 16/11/2016

Vencimento 16/11/2016 Nº do Cliente: 1188346 Período: 28/9/216 a 27/1/216 Mês de referência: 1/216 Data de emissão: 4/11/216 Número do celular: 11 9384-5977 Nº da fatura: 92538 Vencimento 16/11/216 Total a Pagar R$ 131,24 GABRIEL

Leia mais

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack

Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido. Prof. Dr. Érico Hack Aula 3 Imposto de Renda Pessoa Jurídica CSLL Contribuição Social sobre o Lucro Líquido Prof. Dr. Érico Hack IR Pessoa Jurídica Pessoa Física equiparada à pessoa jurídica (Empresas individuais) Empresário

Leia mais

FORMAÇÃO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PADRÃO DE RESPOSTA (2 a FASE)

FORMAÇÃO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PADRÃO DE RESPOSTA (2 a FASE) Questão n o 1 a) Pontos de equilíbrio contábil, econômico e financeiro: PEC = CDF 8.000.000 = 400.000 U MCU 20 PEE = CDF + LD 8.000.000 + 200.000 410.000 U MCU 20 PEF = CDF DND 8.000.000 800.000 = 360.000

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME. INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME INCLUSÃO PRODUTIVA URBANA Brasília, setembro de 2014 Eixos de atuação Mapa da Pobreza Aumento das capacidades e oportunidades GaranPa de Renda Inclusão

Leia mais

Contabilidade não é um bicho-de-sete-cabeças (para. Pequenos Empreendedores) Prof. Altino Dias

Contabilidade não é um bicho-de-sete-cabeças (para. Pequenos Empreendedores) Prof. Altino Dias Contabilidade não é um bicho-de-sete-cabeças (para Pequenos Empreendedores) Prof. Altino Dias Profissional da contabilidade Apresentação Empresário Serviços Assessoria Contábil. Professor Faculdade de

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO. João Victor

FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO. João Victor FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO João Victor Outubro, 2013 Contextualização do Capital de Giro FINANÇAS Fluxos Internacionais de Capital ÂMBITO Sistema Financeiro Nacional MACRO Mercados Financeiros ÂMBITO

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6)

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) DEMONSTRAÇÃO DO VALOR - DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) VENDAS Vendas Operacionais Vendas não Operacionais PDD- Constituição/Reversão VALOR BRUTO VALOR LIQUIDO VALOR TOTAL A DISTRIBUIR 2 4 6 INSUMOS

Leia mais

USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração

USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração USP/FEA/EAC Curso de Graduação em Administração Disciplina: Noções de Contabilidade para Administradores (EAC0111) Turmas: 01 e 02 Tema 5: Demonstração do Resultado do Exercício Prof.: Márcio Luiz Borinelli

Leia mais

SCAL SERVIÇOS DE CONTABILIDADE LTDA CNPJ : / Balanço Patrimonial de 01/01/2015 até 31/12/2015 Diário: 18

SCAL SERVIÇOS DE CONTABILIDADE LTDA CNPJ : / Balanço Patrimonial de 01/01/2015 até 31/12/2015 Diário: 18 ESPAÇO CIDADANIA E O PO RTUNIDADES SO CIAIS(01092) CNPJ : 02.539.959/0001-25 Balanço Patrimonial de 01/01/2015 até 31/12/2015 Diário: 18 Folha: 274 Descrição Nota Classificação Exercício Anterior Exercício

Leia mais

ANÁLISE DO IMPACTO DA ESCOLARIDADE NO CRESCIMENTO DO BRASIL

ANÁLISE DO IMPACTO DA ESCOLARIDADE NO CRESCIMENTO DO BRASIL ANÁLISE DO IMPACTO DA ESCOLARIDADE NO CRESCIMENTO DO BRASIL 1. Correlacionando o crescimento da população e o crescimento do Produto Interno Bruto desde 1900, percebe-se que há relação direta entre o crescimento

Leia mais

Resultados 3º Trimestre 2012

Resultados 3º Trimestre 2012 Resultados 3º Trimestre 2012 jan/03 abr/03 jul/03 out/03 jan/04 abr/04 jul/04 out/04 jan/05 abr/05 jul/05 out/05 jan/06 abr/06 jul/06 out/06 jan/07 abr/07 jul/07 out/07 jan/08 abr/08 jul/08 out/08 jan/09

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N O, DE 2016

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N O, DE 2016 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N O, DE 2016 (Do Sr. EDUARDO CURY) Institui o Programa de Incentivo à Regularização Fiscal do Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas

Leia mais

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados /

Forma de Atuação SEBRAE/RS. Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados / Forma de Atuação SEBRAE/RS Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br Importância dos Pequenos Negócios no RS Microempresas e Empresas de Pequeno

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII ORIENTAÇÃO OPERACIONAL 01/2017

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII ORIENTAÇÃO OPERACIONAL 01/2017 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E INOVAÇÃO INDUSTRIAL EMBRAPII ORIENTAÇÃO OPERACIONAL 01/2017 Março/2017 1 Controle de Versões Versão Histórico 1.0 Versão publicada no site em 24-03-2017 2 1. OBJETIVOS

Leia mais

Brasília, 20 de julho de 2011

Brasília, 20 de julho de 2011 PLP 578/2011 - Alterações na Sociedade de Propósito Específico para Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (art. 56, LC nº 123/2006) Brasília, 20 de julho de 211 Unidade de Políticas Públicas 1 Nota

Leia mais

Crescimento do empreendedorismo no Brasil.

Crescimento do empreendedorismo no Brasil. Professora Cíntia Crescimento do empreendedorismo no Brasil. Professora Cíntia 1 Conceito Empreendedorismo é o estudo voltado para o desenvolvimento de competências e habilidades relacionadas à criação

Leia mais

RECIBO DE ENTREGA DECLARAÇÃO ORIGINAL. Período abrangido pela Declaração: 01/07/2007 a 31/12/2007

RECIBO DE ENTREGA DECLARAÇÃO ORIGINAL. Período abrangido pela Declaração: 01/07/2007 a 31/12/2007 Declaração Anual do Simples Nacional(DASN) RECIBO DE ENTREGA DECLARAÇÃO ORIGINAL Período abrangido pela Declaração: 01/07/2007 a 31/12/2007 1 Informações do Contribuinte Nome Empresarial AVICOLA E MERCEARIA

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009.

LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. LEI MUNICIPAL Nº 1106/09, de 29 de dezembro de 2009. Altera a Lei Complementar nº 001/06 de 13 de fevereiro de 2006, Código Tributário Municipal de Camocim e determina outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

O Novo Código Civil e as MPEs Paulistas SONDAGEM DE OPINIÃO

O Novo Código Civil e as MPEs Paulistas SONDAGEM DE OPINIÃO O Novo Código Civil e as MPEs Paulistas SONDAGEM DE OPINIÃO Dezembro 2003 1 Introdução Objetivo: Avaliar o grau de conhecimento das empresas de micro e pequeno porte (MPEs) paulistas sobre o Novo Código

Leia mais

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Medindo Resultados Medir o desempenho da empresa é fundamental para o sucesso e a boa gestão. Não se trata apenas de uma boa prática gerencial,

Leia mais

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017

Soluções BNDES para pequenos negócios. Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Soluções BNDES para pequenos negócios Belo Horizonte - MG 20/06/2017 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações Indiretas Instituição Financeira Credenciada Informação

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S

CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S CONTRIBUIÇÕES: SINDICAL PATRONAL E PARA O SISTEMA S Apresentamos nesta cartilha os esclarecimentos necessários sobre contribuições sindical patronal

Leia mais

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Garibaldi - RS 29 de março de 2017

Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas. Garibaldi - RS 29 de março de 2017 Apoio do BNDES às Micro, Pequenas e Médias Empresas Garibaldi - RS 29 de março de 2017 Agenda 1. 2. Quem pode solicitar financiamento? O que podemos financiar? Principais produtos do BNDES para apoio às

Leia mais

Introdução ao Estudo do Direito Empresarial.

Introdução ao Estudo do Direito Empresarial. Introdução ao Estudo do Direito Empresarial. DAR INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO EMPRESARIAL E ÀS EMPRESAS INDIVIDUAIS. AUTOR(A): PROF. PEDRO LUIZ ZARANTONELLI INDRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO EMPRESARIAL.

Leia mais

Desempenho da Indústria Automobilística Brasileira

Desempenho da Indústria Automobilística Brasileira Desempenho da Indústria Automobilística Brasileira Junho / 2014 Presidente Luiz Moan Yabiku Junior Licenciamento total de autoveículos novos Comparativo Mensal Variações % 318,6 293,4 263,6 Jun-14 / Mai-14-10,2

Leia mais

Evolução das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Município de Guarulhos

Evolução das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Município de Guarulhos Evolução das Micro e Pequenas Empresas (MPEs) no Município de Guarulhos Análise comparativa 2004 x 2000 SEBRAE-SP São Paulo - 2006 Objetivos O objetivo deste estudo é analisar a evolução das micro e pequenas

Leia mais

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios

COMUNICADO. 1. Ambiente de Negócios 1.2 Contexto dos Pequenos Negócios no Brasil 1.3 Políticas públicas de apoio aos Pequenos Negócios COMUNICADO O SEBRAE NACIONAL Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, por meio da Universidade Corporativa SEBRAE, comunica que, na prova, serão avaliados conhecimentos conforme as áreas descritas

Leia mais

Guia de Utilização do Produto

Guia de Utilização do Produto Guia de Utilização do Produto www.ocf.iob.com.br Login: faça o login com seu código de usuário ou e-mail, digite sua senha e clique em Ok. IOB Orientador Contábil Fiscal Online, o melhor provedor de conteúdo

Leia mais

(Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) (1) Organização:... (2) Endereço:... Cidade:... Estado:...

(Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) (1) Organização:... (2) Endereço:... Cidade:... Estado:... ASSISTÊNCIA A PROJETOS COMUNITÁRIOS E DE SEGURANÇA HUMANA 1. Requerente FORMULÁRIO DE REQUERIMENTO (Favor preencher com letra de forma ou datilografado.) (1) Organização:... (2) Endereço:... Cidade:...

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,52 0,52 4,27 0,54 0,54 4,56 Fev. 0,19 0,71 4,12 0,49 1,03 4,61 Mar. 0,31 1,02 4,33

Leia mais

Octavas Jornadas sobre Mercado de Trabajo y Equidad en Argentina. A queda recente na desigualdade de renda no Brasil: determinantes e obstáculos

Octavas Jornadas sobre Mercado de Trabajo y Equidad en Argentina. A queda recente na desigualdade de renda no Brasil: determinantes e obstáculos A queda recente na desigualdade de renda no Brasil: determinantes e obstáculos Fernando Gaiger Silveira IPEA/Brasil Buenos Aires, 13 de agosto de 2010 A desigualdade da renda no Brasil diminui de modo

Leia mais

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Paulo Diogo Remo Willame

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Paulo Diogo Remo Willame Fundamentos da Gestão do Capital de Giro Paulo Diogo Remo Willame Finanças Empresarial: Âmbito Macro Macroeconomia Fluxos Internacionais de Capitais Sistemas Financeiros Mercados de Capitais Âmbito Micro

Leia mais

Índices de Preços. Em 12

Índices de Preços. Em 12 Indicadores econômicos Índices de Preços IPC/FIPE IPCA Período Em 12 Em 12 Mensal No ano Mensal No ano meses meses Jan. 0,46 0,46 6,27 0,48 0,48 5,84 Fev. 0,27 0,73 5,52 0,55 1,03 5,90 Mar. 0,40 1,14 6,28

Leia mais

Relatório do Administrador FI Imobiliário BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (CNPJ no / )

Relatório do Administrador FI Imobiliário BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (CNPJ no / ) Relatório do Administrador FI Imobiliário BB Votorantim JHSF Cidade Jardim Continental Tower (CNPJ no. 10.347.985/0001-80) Em conformidade com o Artigo n. 39 da Instrução CVM n. 472, de 31 de outubro de

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

Ajuste Fiscal. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h:p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/

Ajuste Fiscal. Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h:p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Ajuste Fiscal Fernando Nogueira da Costa Professor do IE- UNICAMP h:p://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Estrutura da Apresentação Renda do Trabalho e do Capital Ajuste Fiscal Reforma Tributária 2

Leia mais

DECLARAÇÃO DE RENDA FAMILIAR MENSAL DE ATIVIDADE FORMAL. Eu,,

DECLARAÇÃO DE RENDA FAMILIAR MENSAL DE ATIVIDADE FORMAL. Eu,, DECLARAÇÃO DE RENDA FAMILIAR MENSAL DE ATIVIDADE FORMAL Eu,, portador (a) do RG. e CPF residente Rua/Av., nº Bairro Cidade Estado, declaro sob as penas das Leis Civil e Penal para comprovação da situação

Leia mais

Portal da Transparência do Poder Executivo

Portal da Transparência do Poder Executivo Portal da Transparência do Poder Executivo transparencia.sc.gov.br Graziela Luiza Meincheim Diretora de Contabilidade Geral Florianópolis, 7 de julho de 2016 MARCOS LEGAIS 2011 2000 Lei de Responsabilidade

Leia mais

Como ser PJ. Cartilha com orientações para abrir uma firma e trabalhar como PJ.

Como ser PJ. Cartilha com orientações para abrir uma firma e trabalhar como PJ. Como ser PJ Cartilha com orientações para abrir uma firma e trabalhar como PJ. Como virar PJ Você acabou de ser contratado em uma bela oportunidade profissional, e atuará como pessoa jurídica. Ou por algum

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0

Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0 Exercício 1 Cia Revisão Balanço em 31/12/X0 Adiantamento de Salários 200,00 Aluguéis a Pagar 250,00 Caixa 1.050,00 Capital Social 12.000,00 Clientes 3.200,00 Contas a Pagar 350,00 Depósitos Judiciais (LP)

Leia mais

ROTEIRO PARA O EFD CONTRIBUIÇÕES

ROTEIRO PARA O EFD CONTRIBUIÇÕES ROTEIRO PARA O EFD CONTRIBUIÇÕES O mais importante na preparação do Scritta, para a geração do EFD Contribuições, inicialmente, é a a Configuração dos Impostos Federais. No entanto, todos os dados colocados

Leia mais

Oportunidades de Investimento em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação com Recursos da Política de Informática

Oportunidades de Investimento em Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação com Recursos da Política de Informática 2º Encontro Nacional da Inovação Tecnológica da Indústria Elétrica e Eletrônica - ENITEE Painel Políticas Públicas de Fomento à Inovação Tecnológica na Indústria Elétrica e Eletrônica Oportunidades de

Leia mais

Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 WALCRIS ROSITO - IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 2006

Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 WALCRIS ROSITO - IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 2006 Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 1 Tributação sobre o lucro (%) Lucro Real Lucro Presumido Lucro Arbitrado 2 Tributação sobre o lucro Lucro Real Obrigatoriedade:

Leia mais

Teleconferência de Resultados 2T16

Teleconferência de Resultados 2T16 Teleconferência de Resultados 2T16 1 2 Destaques Receita Líquida de R$100,0 milhões no 6M16. Lucro Líquido de R$45,8 milhões no 6M16. EBITDA Ajustado de R$18,3 milhões no 6M16. Fornecimento de 1,0 milhão

Leia mais

PANORAMA GERAL BALANÇO DOS ESTADOS

PANORAMA GERAL BALANÇO DOS ESTADOS PANORAMA GERAL Em novembro, totalizaram 1,8 milhão de empreendedores individuais no Brasil, superando a meta de 1,5 milhão de registros para 2011. Mesmo faltando um mês para fechar o ano, 2011 já registrou

Leia mais

Informativo Mensal Investimentos

Informativo Mensal Investimentos Objetivo Os investimentos dos Planos Básico e Suplementar, modalidade contribuição definida, tem por objetivo proporcionar rentabilidade no longo prazo através das oportunidades oferecidas pelos mercados

Leia mais

Vagas a serem publicadas dia 24 de Fevereiro de Obs: vagas sujeitas a alterações no decorrer do dia. Informações Central de Vagas

Vagas a serem publicadas dia 24 de Fevereiro de Obs: vagas sujeitas a alterações no decorrer do dia. Informações Central de Vagas Agência ARCOVERDE ARARIPINA IGARASSU GOIANA BEZERROS Vagas a serem publicadas dia 24 de Fevereiro de 2017 Descrição Mecânico eletricista de automóveis Mecânico eletricista de diesel (veículos automotores)

Leia mais

O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006)

O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006) O que é considerado pequeno negócio no Brasil? De acordo com a Lei Geral da Micro e Pequena Empresa (Lei 123/2006) REALIZAÇÕES SEBRAE BAHIA - 2015 Onde essas empresas estão Os Pequenos Negócios representam

Leia mais

NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA

NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA MEI do Comércio e da Indústria NOTA FISCAL AVULSA ELETRÔNICA MEI do Comércio e da Indústria O Microempreendedor Individual já pode emitir a Nota Fiscal Avulsa Eletrônica-NFA-e

Leia mais

Biodiversidade da Amazônia

Biodiversidade da Amazônia Parceria Objetivo Desenvolver conhecimento normativo, tecnológico e mercadológico quanto às oportunidades de negócios sustentáveis e produtivos da cadeia de cosméticos de base florestal madeireira e não

Leia mais

O benefício pela ótica governamental

O benefício pela ótica governamental INCENTIVOS FISCAIS: SOLUÇÃO OU PROBLEMA? O benefício pela ótica governamental Nilson Furtado de Oliveira Filho Compreensão do Tema Metodologicamente, não há uma definição precisa, única, ou padronizada,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo de ICMS ST Optante pelo Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Calculo de ICMS ST Optante pelo Simples Nacional Calculo de 07/11/2013 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Resolução CGSN nº51 de 22/12/2008... 3 3.2. Lei complementar

Leia mais

Roteiro Operacional Última atualização 06/02/2015

Roteiro Operacional Última atualização 06/02/2015 Roteiro Operacional Última atualização 06/02/2015 1. Público alvo 1.1 Atendidos - Aposentados e pensionistas do INSS -Códigos Benefícios- 1.2 Não atendidos -Códigos Benefícios- RESUMO DE CÓDIGOS NÃO CONSIGNÁVEIS

Leia mais

ABDE-BNDES-BID. Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs.

ABDE-BNDES-BID. Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs. ABDE-BNDES-BID Seminário e oficina Técnica ABDE-BNDES-BID: Políticas Ambientais como fonte de negócio para IFDs. Sessão V: Ampliando a atuação de IFDs no financiamento climático. Painel: O potencial na

Leia mais

ABRIL/2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES

ABRIL/2012 RELATÓRIO DE ATIVIDADES ABRIL/212 RELATÓRIO DE ATIVIDADES Relatório de Atividades por Setor Atendimentos à Comunidade em Abril/212 97 ADESITA 346 SINE Sistema Nacional de Emprego 43 Posto do Min. do Trabalho e Emprego ADESITA

Leia mais

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO INÍCIO EM JANEIRO/2013

DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO INÍCIO EM JANEIRO/2013 CIRCULAR Nº 39/2012 São Paulo, 11 de Dezembro de 2012. DESONERAÇÃO DA FOLHA DE PAGAMENTO INÍCIO EM JANEIRO/2013 À SEAC INDUSTRIA E COMERCIO DE ETIQUETAS LTDA Em atenção do Sr. Hernandes Bremer Prezado

Leia mais

COTAÇÃO DE PREÇOS N.º 002/2011

COTAÇÃO DE PREÇOS N.º 002/2011 COTAÇÃO DE PREÇOS N.º 002/2011 Fundação Interuniversitária de Estudos e Pesquisas sobre o Trabalho UNITRABALHO. Convênio UNITRABALHO Ministério do Desenvolvimento Agrário/SDT MDA/SDT Contrato 0321.685-67/2010

Leia mais

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL

SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL SEMINÁRIO REGIONAL MACEIÓ/AL ISS - OS FATORES QUE ALTERAM A BASE DE CÁLCULO PALESTRANTE: Ricardo Cavalcante Antas Auditor Fiscal SMF Maceió/AL. 07 e 08 de agosto 2012. FATORES QUE ALTERAM A B.C. Imunidade

Leia mais

DIVULGAÇÃO - VAGAS DE EMPREGO - SINEs PBH. Data: 30/01/2013

DIVULGAÇÃO - VAGAS DE EMPREGO - SINEs PBH. Data: 30/01/2013 DIVULGAÇÃO - VAGAS DE EMPREGO - SINEs PBH COM EXPERIÊNCIA Data: 30/01/2013 OCUPAÇÃO Nº DE VAGAS EXPERIÊNCIA ESCOLARIDADE SALÁRIO AÇOUGUEIRO 2 6 MESES ENSINO FUNDAMENTAL INCOMPLETO R$ 1.400,00 AÇOUGUEIRO

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Um dos grandes fatores limitantes ao crescimento e desenvolvimento das micro e pequenas empresas é a falta de conhecimento e do uso de informações gerenciais no negócio.

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO! Caso prático de conversão de um demonstrativo contábil para moeda estrangeira.! Planilha para conversão

Leia mais

Principais Novidades Dezembro/ 2012 a Março/2013

Principais Novidades Dezembro/ 2012 a Março/2013 Principais Novidades Dezembro/ 2012 a Março/2013 Sumário 1. Alterações nos menus Relatórios e Gráficos... 3 2. Resgate do orçamento para cálculo de rateio de condomínio... 4 3. Alteração em Permissões

Leia mais

Com a leitura ótica não é necessária a digitação dos dados demonstrados no tópico 11. 1

Com a leitura ótica não é necessária a digitação dos dados demonstrados no tópico 11. 1 1. SIAFI ATULF ( Geração da Lista de Fatura ) 1 TIPO DE LISTA: 2 ( EXTRA-SIAFI ) OPÇÃO DE PAGAMENTO: 1 ( CONCESSIONARIAS / TRIBUTOS / CARNES E ASSEMELHADOS ) ENTRADA DE DADOS: 1 ( MANUAL ) 2 BANCO: 001

Leia mais

TÍTULO: MEI-MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL UMA TRIBUTAÇÃO QUE VEIO PARA INCENTIVAR QUEM TRABALHA DE FORMA INFORMAL.

TÍTULO: MEI-MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL UMA TRIBUTAÇÃO QUE VEIO PARA INCENTIVAR QUEM TRABALHA DE FORMA INFORMAL. 16 TÍTULO: MEI-MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL UMA TRIBUTAÇÃO QUE VEIO PARA INCENTIVAR QUEM TRABALHA DE FORMA INFORMAL. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO:

Leia mais

GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio.

GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL. Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio. GUIA DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Tudo o que você precisa saber para formalizar o seu negócio. 2 Apresentação Milhões de brasileiros já estão aproveitando os benefícios de ser um Microempreendedor Individual.

Leia mais

Vencimento 16/08/2016

Vencimento 16/08/2016 Nº do Cliente: 1093717 Período: 28/06/2016 a 27/07/2016 Mês de referência: 07/2016 Data de emissão: 04/08/2016 Número do celular: 11 93803-5139 Nº da fatura: 000000660049 Vencimento 16/08/2016 Total a

Leia mais

RESPOSTAS CTB03MA - 1 NPC

RESPOSTAS CTB03MA - 1 NPC Questões solicitadas na avaliação 1ª NPC - 11 de abril de 2016 QUESTÃO 1: (1,0 ponto) RA = Rentabilidade do Ativo RPL = Rentabilidade do Patrimônio Líquido Qual a RA e a RPL da Cia. Excursão, sabendo-se

Leia mais

PRESS RELEASE 3º Trimestre de 2011

PRESS RELEASE 3º Trimestre de 2011 PRESS RELEASE 3º Trimestre de 2011 BOMBRIL DIVULGA RESULTADO DO TERCEIRO TRIMESTE DE 2011 A Bombril S/A (Bovespa: BOBR4), com 63 anos de atividade, atuando no segmento de indústria de higiene e limpeza,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Análise de Investimentos Copyright Pereira, F. I. Prof. Isidro MINI

Leia mais