O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O comportamento do mercado brasileiro de ensino superior"

Transcrição

1 O comportamento o mercao brasileiro e ensino superior Fernano Luiz Anrae Bahiense (UNIVILLE e FAMEG) Milton Procópio e Borba (UDESC) Resumo Estuo escritivo sobre a expansão o mercao brasileiro e ensino superior, através os supostos e emana e oferta e mercao. O objetivo foi encontrar matematicamente as funções a variável contínua que representam a emana e a oferta ajustaas e mostrar o comportamento estas funções até ocorrer o referio equilíbrio. O resultao obtio apontou para um equilíbrio que se ará em 234. A conclusão enunciaa foi a ratificação a hipótese: a existência e um eterminao tempo t no qual se ará o equilíbrio este mercao, implicano um mercao caa vez mais competitivo e requerente e posicionamentos em relação às estratégias competitivas que everão ser formulaas pelas instituições e ensino superior. Palavras-chave: Ensino Superior; Equilíbrio e Mercao; Competitiviae. 1. Introução Este artigo ecorre a pesquisa intitulaa O Comportamento o Mercao Brasileiro e Ensino Superior: um estuo escritivo, na qual se investiga o comportamento a emana e a oferta e vagas neste tipo e ensino, especificamente a grauação, em toos os estaos brasileiros. A finaliae este estuo é verificar a conição e existência e potencial para ocorrer ou não o equilíbrio e mercao. Caso positivo, será calculao o tempo para o equilíbrio e, conseqüentemente, haverá a realização e maiores estuos sobre a competitiviae e, até mesmo, a hipercompetititiviae que passarão a fazer parte o ambiente as Instituições e Ensino Superior (IES). Preliminarmente, já se verifica que a expansão o ensino superior no Brasil está apresentano características comportamentais e equilíbrio e mercao. O Ministério a Eucação e o Desporto (MEC), através o Instituto Nacional e Estuos e Pesquisas Eucacionais (INEP), mostra entre iversos aos, os especificamente referentes à evolução a emana e a oferta e vagas por ensino superior, grauação, no Brasil e em toos os seus estaos, períoo 1986/21. Os Censos Eucacionais e as Sinopses Estatísticas a Eucação Superior mostram claramente a expansão estes supostos. Estas estatísticas, juntamente com o tratamento matemático, possibilitam a escrição o comportamento tanto a emana quanto a oferta e vagas na grauação, a partir o qual se poe amitir a possibiliae e equilíbrio e mercao. Naturalmente, esta expansão já está inamizano o ambiente e ensino superior, requereno os gestores as instituições este tipo e ensino e e outros estuiosos, um conhecimento mais acurao este fenômeno. Rojo (21) afirma que o crescimento na quantiae e instituições e ensino superior no Brasil está gerano um ambiente e competitiviae, fazeno com que estas instituições tenham necessiae e interpretar o contexto ambiental. Bahiense, D. (22) argumenta sobre a emana e a oferta e ensino superior no Brasil mostrano o esequilíbrio e mercao, favoravelmente à expansão a emana, caracterizano um mercao potencialmente compraor. Almeia (21) enfoca as novas universiaes na ciae e São Paulo. Esta situação e expansão, que acaba por gerar um ambiente competitivo para as instituições e ensino superior está, também, muito bem contextualizaa nas palavras e Tachizawa e Anrae (21, p. 22). ENEGEP 23 ABEPRO 1

2 A competição poe surgir inesperaamente e qualquer lugar. Isto significa que as organizações, entre elas as instituições e ensino superior IESs, não poem mais se sentir excessivamente confiantes com as fatias e mercao e as posições competitivas conquistaas. Para as IESs que estão se efrontano com a necessiae melhoria a qualiae o processo ensinoaprenizagem, com o problema o encolhimento as margens e lucro, com a necessiae e iminuir custos unitários operacionais e melhorar o overhea nestes mercaos competitivos o equacionamento e tais questões constitui hoje uma preocupação-chave. [Sem grifos no original]. Reunino-se e grafano estes aos, tem-se uma percepção mais acuraa a inâmica esta expansão, através os supostos econômicos a emana e a oferta. A emana, neste contexto, é entenia como a procura por uma vaga na IES, através os processos seletivos e acesso às instituições. A oferta é entenia como a quantiae e vagas que as IES oferecem para este processo. O gráfico 1 e o gráfico 2 evienciam acentuaa expansão a emana e a oferta, relativas ao ensino superior, grauação, conforme mostra o conjunto e seus pontos nos iagramas e ispersão. Quantiae Ano Demana Observaa Gráfico 1: O Comportamento Discreto a Demana por Ensino Superior: Grauação - Brasil, 1986/ Quantiae Ano Oferta Observaa Gráfico 2: O Comportamento Discreto a Oferta e Vagas Para o Ensino Superior: Grauação Brasil, 1986/21 Castro (2) informa a necessiae e maior aprofunamento as observações, mas eixa claro que a eucação superior atravessa uma fase e expansão e muança, responeno tanto à pressão a emana quanto à intervenção as políticas públicas para o setor. Explicano a expansão aceleraa, afirma que nos últimos cinco anos o sistema e ensino superior teve um crescimento relativo e 43,1%, e que everá atingir em 22 a casa e três milhões e alunos. Em Universiaes Feerais: ensino e qualiae para mais alunos, Souza (2), Ex Ministro a Eucação, abora o crescimento as matrículas nas universiaes feerais. Afirma que a tenência à aceleração o crescimento a matrícula continua e, generalizano, afirma também que os novos números a eucação superior no Brasil são impactantes.concernente a estas evoluções, consierao o períoo 1994/21 por apresentar aos mais concentraos e mais pertinentes à realização esta análise em 23, ecorre mesmo que aina não tão significante, que a variação a oferta é maior que a variação a emana. Seguno Chiang (1982), o mercao estará em equilíbrio quano a emana e a oferta forem ENEGEP 23 ABEPRO 2

3 iguais. Esta é a tenência para o mercao e ensino superior brasileiro, respeitao os quantitativos apresentaos nos tempos especificaos. Com efeito, o quantitativo resultante a ivisão a emana pela oferta (relação), a partir e 1996, está ecresceno e convergino, mesmo que lentamente, para um. Isto significa que, à meia que se aproximar e um, mais e mais a emana tenerá à oferta e, portanto, há a tenência ao equilíbrio. Esta tenência está caracterizaa na tabela 1 e no gráfico 3. Relação entre a emana e a oferta ,9 4,4 3,68 3,71 3,32 3,2 Fonte: Os autores. Tabela 1: Relação Entre a Demana e a Oferta e Ensino Superior: Grauação, Brasil, 1994/21. Relação entre a Demana e a Oferta Ano Situação e Equilíbrio e Mercao Comportamento o Mercao Gráfico 3: Tenência ao Equilíbrio e Mercao o Ensino Superior: Grauação Brasil, 1994/21 Realmente, se verifica a expansão o ensino superior no Brasil e sua tenência a um mercao equilibrao. Notaamente, o MEC e o INEP enfatizaram muito a expansão, toavia, ao que se apresenta, sem maiores preocupações ou nenhuma preocupação com as conições microambientais que poem resultar em fatores estratégicos ecisivos para a competição entre as IES, conseqüência a tenência ao equilíbrio e mercao. Este quaro poerá requerer a formulação e estratégias por parte as IES para a manutenção ou ganho e novas posições competitivas. O cálculo e um eterminao tempo t para o equilíbrio este mercao é perfeitamente possível com base no comportamento a emana e a oferta. 2. Objetivos - Geral: Mostrar a eterminação o tempo para o equilíbrio o mercao brasileiro e ensino superior; - Específicos: - Mostrar matematicamente as funções a variável contínua que representam a emana e a oferta ajustaas; - Mostrar o comportamento estas funções até ocorrer o equilíbrio o mercao. 3. O Cálculo o tempo e equilíbrio para o mercao brasileiro e ensino superior Bahiense (22), a partir as estatísticas o MEC/INEP, proceeu ao cálculo para apuração as funções matemáticas ajustaas a um comportamento contínuo e suas variáveis. Para tanto, grafou a emana observaa a variável iscreta, grafou a oferta observaa a variável iscreta. Em ambos os gráficos, o comportamento escrito foi semelhante ao e uma curva na forma exponencial. Concernente a este comportamento utilizou-se o métoo a regressão nãolinear com ajuste exponencial e o métoo os mínimos quaraos que remonta ao século XIX com os estuos o matemático Anrien Legenre. ENEGEP 23 ABEPRO 3

4 3.1 As Funções Ajustaas e os Ajustes à Demana e à Oferta Observaas O Métoo os Mínimos Quaraos permite encontrar os coeficientes (a) e (b) que aplicaos ao Número e Euller (e) eterminam as funções emana e oferta ajustaas. No o caso brasileiro, sejam os aos a seguir referentes à emana () e à oferta (q), conforme expressam os gráficos 1, no gráfico 2 num tempo (t): = = = = = = e q = t = e q = t = 2 e q = t = 4 e q = t = 5 e q = t = 6 e q = t = 7 Resulta o cálculo os elementos para se encontrar os coeficientes (a) e (b). A tabela 2 eviencia estes elementos, o que permite elaborar o seguinte sistema e equações: ln t t.ln t² 14,62 14, ,5 4 14, , ,3 5 75, , , , ,85 49 ln 89,74 t t.ln = 362, 22 t 2 = 13 = = 24 Fonte: Os autores. 6a + 24b = 89,74 24a + 13b = 362,22 cuja solução é: a = 14,573 e b =,96 Tabela 2: Elementos Para Cálculo a Função Demana Ajustaa Logo, a função emana ajustaa, (aj), é expressa por: (aj) 14,573+,96t = e.. A partir esta função matemática a variável contínua, é possível escrever o comportamento a função Demana Ajustaa e compará-lo ao comportamento a função Demana Observaa. Assim proceeno, conforme mostra o gráfico 4, se verifica o ajuste estas funções. Note-se que, exceto por um erro mínimo, a função Demana Ajustaa poe escrever o comportamento a emana observaa e possibilitar, portanto, sua projeção temporal Demana Observaa Demana Ajustaa Gráfico 4: Sobreposição entre as Demanas Observaa e Ajustaa Brasil, 1994/21 ENEGEP 23 ABEPRO 4

5 O mesmo proceimento se aplica para se encontrar o moelo matemático que representa a função Oferta Ajustaa, cujos elementos para o cálculo estão ispostos na tabela 3. ln q T t.ln q t² 13,26 13, , , , , , ,1 6 84, , ,11 49 ln q = 82,6 t = 24 t.lnq = 332, 71 t 2 = 13 Fonte: Os autores. Tabela 3: Elementos Para Cálculo a Função Oferta Ajustaa Resulta o Métoo os Mínimos Quaraos: 6a + 24b = 82,6 24a + 13b = 332,71 cuja solução é a = 13,152 e b =,131 De posse os coeficientes enuncia-se a função. q (aj) 13,152+,131t = e. Assim, também é possível escrever o comportamento a função Oferta Ajustaa e comparálo ao comportamento a função Oferta Observaa. Da mesma forma escreve-se seu comportamento e compara-se com a emana observaa, conforme mostra o gráfico Oferta Observaa Oferta Ajustaa Gráfico 5: Sobreposição entre as Ofertas Observaa e Ajustaa Brasil, 1994/21 Com os moelos matemáticos encontraos e a razão entre a emana e a oferta observaas teneno a um, conforme eviencia a Tabela 1 e o Gráfico 3, torna-se possível encontrar o tempo para o equilíbrio este mercao. 3.2 Cálculo o Tempo e Equilíbrio Para encontrar este tempo basta igualar as funções a variável contínuas encontraas, representaas pelas equações que se seguem. ENEGEP 23 ABEPRO 5

6 aj = q aj 14,573 +,96 e = e 14,573 +,96 t = 13,152 +,131 t,131 t,96 t = 14,573,35 t = 1,421 1,421 t =,35 t = 4,28 t 4 13,152 +,131 t anos. 13, A Projeção a Demana e a Oferta e o Equilíbrio o Mercao Brasileiro e Ensino Superior A previsão para o equilíbrio este mercao é e mais 4 anos a partir e 1994, o que implica uma tenência ao equilíbrio no ano e 234. A tabela 4 especifica a projeção estes quantitativos e o gráfico 6 escreve a projeção monótona o comportamento a emana e a oferta teneno ao equilíbrio. Ano Demana ajustaa Oferta ajustaa Ano Demana ajustaa Oferta ajustaa Ano Demana ajustaa Oferta ajustaa Fonte: Os autores. Tabela 4: Projeção os Quantitativos a Demana e a Oferta, Ensino Superior Brasil, 22/ 234. Quantiae Ano Demana Ajustaa Oferta Ajustaa Gráfico 6: Comportamento Tenencioso ao Equilíbrio e Mercao o Ensino Superior no Brasil, 22/234 O estuo matemático e equilíbrio entre a emana e a oferta mostra o comportamento projetao este mercao. Corrobora com toas as afirmações e estimativas e expansão feitas para o país. Além isso, retrata uma situação e avanço em relação à oportuniae a população acessar o ensino superior. 4. Material e métoos O métoo científico utilizao neste estuo foi o Hipotético-Deutivo. Com efeito, funamenta-se que os conhecimentos isponíveis sobre a expansão o ensino superior no Brasil não aboram e muito menos explicam a possibiliae e equilíbrio e mercao, o que ENEGEP 23 ABEPRO 6

7 culmina por se estabelecer um problema. Na explicação o comportamento a emana e a oferta observaas, premissa geral, se estabelece uma caeia e raciocínio que gera a possibiliae e existência e um eterminao tempo e equilíbrio, conclusão hipotética, caso particular. 4.1 Apresentação as Técnicas e Pesquisa Foram utilizaas as pesquisas bibliográfica e escritiva. A Pesquisa Bibliográfica foi utilizaa na primeira etapa a pesquisa. Possibilitou a aboragem o problema teoricamente, a partir os supostos teóricos relativos a expansão o ensino superior. As principais bibliografias encontraas, as que aboram iretamente o problema, pelo INEP e pela Funação Getúlio Vargas (FGV). Os seguintes aos foram coletaos as estatísticas publicaas pelo INEP: a emana e a oferta e vagas no ensino superior no Brasil. Estes aos foram assim apresentaos: a) Gráfico 1: O Comportamento Discreto a Demana por Ensino Superior: Grauação - Brasil, 1986/21; b) Gráfico 2: O Comportamento Discreto a Oferta e Vagas Para o Ensino Superior: Grauação Brasil, 1986/21. Da análise estes aos poe-se estabelecer a relação existente entre eles, ou seja, a ivisão a emana pela oferta, e verificar o comportamento teneno ao equilíbrio e mercao. Isto foi expresso pela Tabela 1: Relação Entre a Demana e a Oferta e Ensino Superior: Grauação, Brasil, 1994/21 e pelo Gráfico 3: Tenência ao Equilíbrio e Mercao o Ensino Superior: Grauação Brasil, 1994/21. Como seguna etapa, a pesquisa escritiva foi utilizaa para se elaborar os moelos matemáticos as funções emana e oferta ajustaas, analisa-las e calcular o tempo e equilíbrio e mercao. A elaboração os moelos matemáticos consta o item 3.1: A Elaboração os Moelos Matemáticos as Funções Demana e Oferta Ajustaas e os Ajustes à Demana e à Oferta Observaas. O Gráfico 4: Sobreposição entre as Demanas Observaa e Ajustaa Brasil, 1994/21, retrata a análise sobre as emanas. Da mesma forma o Gráfico 5: Sobreposição entre as Ofertas Observaa e Ajustaa Brasil, 1994/21, retrata a análise sobre as ofertas. O item 3.2 escreve o Cálculo o Tempo e Equilíbrio, através a solução e uma equação exponencial. Este tempo possibilita a projeção para a situação e equilíbrio e mercao evienciaa no item 3.3: O Comportamento Projetao a Demana e a Oferta para o Equilíbrio o Mercao Brasileiro e Ensino Superior. A Tabela 4: Projeção os Quantitativos a Demana e a Oferta, Ensino Superior Brasil, 22/ 234 e o Gráfico 6: Comportamento Tenencioso ao Equilíbrio e Mercao o Ensino Superior no Brasil, 22/234, evienciam o comportamento a emana e a oferta ajustaas teneno ao equilíbrio e mercao. Decorre, portanto, que este proceimento científico obteve-se o resultao que satisfez a hipótese e atingiu aos objetivos este estuo. 5. Resultaos e Discussão Os resultaos poem ser assim enunciaos: - Tempo para o equilíbrio e mercao: 4 anos aproximaamente; - Funções matemáticas que representam a emana e a oferta: (aj) 14,573+,96t 13,152+,131t = e e q = e ; (aj) - Comportamento exponencial as funções até atingir o equilíbrio e mercao. ENEGEP 23 ABEPRO 7

8 Estes resultaos poem ser confrontaos com os tópicos aboraos teoricamente, ao tempo que poem expressar suas aplicações e limitações. Sobre a expansão o mercao brasileiro e ensino superior, os resultaos apresentaos confirmam as afirmações e Castro e e Souza sobre a expansão no sistema brasileiro e eucação superior. De fato, os gráficos 1 e 2 mostram o comportamento monotonamente crescente esta expansão, através a expansão a emana e a oferta. Sobre a expansão na emana e o crescimento populacional, com a projeção a expansão na emana surge uma interrogação quanto à população: será que a emana não acabará por ficar maior que a população, já que cresce exponencialmente? Seguno O Instituto Brasileiro e Geografia e Estatística (IBGE), a população brasileira em 2 era e pessoas. Verifica-se que a emana projetaa para o ano e 234 é e pessoas. Portanto, Esta emana não será maior que a própria população. Além isso, seguno o IBGE, a população cresce a uma taxa méia geométrica e 1,63%. Assim é possível estimar o tamanho a população para o ano referenciao. Moelo matemático: Seja Pf Seja Po a Então : Pf = P Logo, P P o a população final em um eterminao períoo. população inicial neste períoo. t (1+ i), one n é a taxa e crescimento e t o tempo. 1,63 = (1+ ) 1 = , Como se verifica a emana projetaa para o ano e 234 ( ) se comparaa à população projetaa para o mesmo ano ( ), correspone a 33,78% a população. Recomena-se a continuiae esta pesquisa para se verificar o percentual corresponente à população entre 18 e 24 anos, na qual se concentra a preocupação expressas pelo Plano Nacional e Eucação (2): No conjunto a América Latina, o Brasil apresenta um os ínices mais baixos e acesso à eucação superior, mesmo quano se leva em consieração o setor privao. Assim, a porcentagem e matriculaos na eucação superior brasileira em relação à população e 18 a 24 anos é e menos e 12%, comparano-se esfavoravelmente com os ínices e outros países o continente. A Argentina, embora conte com 4% a faixa etária, configura um caso a parte, uma vez que aotou o ingresso irrestrito, o que se reflete em altos ínices e repetência e evasão nos primeiros anos. Mas o Brasil continua em situação esfavorável frente ao Chile (2,6%), à Venezuela (26%) e à Bolívia (2,6%). Não resta úvia sobre o estao e expansão que se encontra o ensino superior no Brasil e, com isto, a expansão o tamanho o mercao, mensurao a partir e suas emanas e suas estimativas e projeções e crescimento até que se equilibre. Da mesma forma, se reconhece a necessiae e expansão neste setor, tanto para satisfação aqueles que querem prosseguir seus estuos quanto para o País melhorar seus inicaores e seu esenvolvimento. Sobre a aboragem competitiva, realmente se confirma o entenimento e Tachizawa e Anrae (2) quano expressam que nenhuma Instituição e Ensino Superior poe-se ar ao luxo e escansar sobre seus louros; caa qual tem que inovar incessantemente para poer competir e sobreviver. Esta situação é corroboraa pelo pela projeção e equilíbrio e ENEGEP 23 ABEPRO 8

9 mercao que, sem úvia, com a expansão a oferta fará surgir inúmeras novas IES, além e estimular as existentes à competição para manutenção ou ganho e novas posições competitivas. As aplicações e limitações os resultaos apresentaos a respeito o mercao e ensino superior no Brasil, com seus supostos e emana, oferta e equilíbrio, poem ser utilizaos para iversas finaliaes, muito embora também tenham suas limitações.os resultaos poem possibilitar, principalmente, as seguintes aplicações: - No posicionamento estratégico as IES que já operam neste mercao, bem como a elaboração e estratégias para a conquista e novas posições competitivas; - Orientar novos investimentos em ensino superior, seja pelas IES que já operam no mercao, seja pelo surgimento e novas IES (entrantes); - Na orientação os órgãos e fomento em relação a seus investimentos no mercao eucacional superior: - Contribuir com as autoriaes brasileiras com novos conhecimentos que poerão ser úteis à formulação e reformulação e políticas eucacionais; - Para a aplicação este estuo em outros mercaos, estauais, municipais ou regionais. A limitação os resultaos poem ser expressa por: - As projeções e emana, e oferta e o tempo e equilíbrio o mercao brasileiro, evem ser sistematicamente verificaos para se corrigir possíveis istorções, manteno as funções matemáticas e seus resultaos com a maior acuiae possível; - As funções matemáticas que representam os supostos econômicos aqui trataos, são específicas para o mercao brasileiro não se aplicano a qualquer outro mercao. Em síntese, os resultaos apresentaos são coerentes às aboragens teóricas evienciaas e poem servir e instrumental eficiente no que concerne as questões relativas ao mercao brasileiro e ensino superior. 7. Conclusão Resulta esta investigação a ratificação a hipótese enunciaa: a existência e um eterminao tempo t no qual se ará o equilíbrio este mercao. Este tempo é e aproximaamente 4 anos, a partir e A tenência e equilíbrio aponta para o ano e 234. O Brasil apresenta um processo acelerao na expansão o ensino superior, tanto em relação à emana, quanto em relação à oferta. As funções matemáticas: 14,573,96t (aj) = + e e 13,152,131t q(aj) = + e, representam o comportamento estes supostos em relação ao tempo, possibilitano a projeção para o equilíbrio, bem como eviencia o comportamento monótono crescente tanto a emana como a oferta. Ocorre, entretanto, que à meia que o comportamento este mercao converge para o equilíbrio, ele se tornará caa vez mais competitivo. Esta situação irá requerer as Instituições e Ensino Superior uma maior preocupação e a conseqüente tomaa e posição em relação às estratégias competitivas que everão ser formulaas. Além a pesquisa já recomenaa referente à pesquisa populacional, recomena-se, aina, a continuiae esta pesquisa enfocano-se o tempo e equilíbrio e o comportamento e mercao em toos os estaos brasileiros. Referências ALMEIDA, C.R..De. O brasão e o logotipo: um estuo as novas universiaes na ciae e São Paulo. Petrópolis: Vozes, 21. ENEGEP 23 ABEPRO 9

10 BAHIENSE, D.R. J.. O mercao e ensino superior no município e Joinville: um negócio em expansão. Dissertação e Mestrao, Florianópolis: ESAG, Universiae o Estao e Santa Catarina. BAHIENSE, F.L.A. Os custos as instituições privaas e ensino superior no estao e Santa Catarina: uma aboragem competitiva. Tese e Doutorao, Florianópolis: PPGED, Universiae Feeral e Santa Catarina. Departamento e Engenharia e Proução e Sistemas, 22. BRASIL. Plano Nacional e Eucação. Congresso Nacional. Brasília: 2. CASTRO, M.H.G. De. Apresentação. In: Instituto Nacional e Estuos e Pesquisas Eucacionais Evolução o ensino superior grauação Brasília: INEP, 2, p CHIANG, A. Fuamental methos of mathematical economics. 2. e. Traução e Roberto Camps Moraes. São Paulo: MCGraw-Hill, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo emográfico 2. Brasília, IBGE: 21. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS. Resultaos e tenências a eucação no Brasil. Brasília: INEP, 2..Sinopse estatística a eucação superior 2: processos seletivos nos cursos e grauação presenciais. Brasília: CIBEC/INEP, 21..Sinopse estatística a eucação superior 21: processos seletivos vestibular e outros processos seletivos. Disponível em: < gov..br/> Acesso em: 19, abril, 23. ROJO, C. A. Planejamento estratégico para instituições e ensino superior a iniciativa privaa: o caso a Faculae e Ciências Sociais Aplicaas e Cascavel - UNIVEL. Dissertação e Mestrao, Florianópolis: PPGED, Universiae Feeral e Santa Catarina. Departamento e Engenharia e Proução e Sistemas, 21. SOUZA, P.R. Universiaes Feerais: ensino e qualiae para mais alunos. In: Instituto Nacional e Estuos e Pesquisas Eucacionais. Resultaos e tenências a eucação superior: Brasil. Brasília: INEP, 2, p TACHIZAWA, T. & ANDRADE, R.O.B. De. Gestão e instituições e ensino. 2 e. Rio e Janeiro: FGV. 21. ENEGEP 23 ABEPRO 1

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica

5 Medição de distâncias e áreas na planta topográfica António Pestana Elementos e Topografia v1.0 Junho e 006 5 Meição e istâncias e áreas na planta topográfica 5.1 Meição e istâncias na planta topográfica Como as plantas topográficas são projecções horizontais,

Leia mais

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.

Matemática. Aula: 07 e 08/10. Prof. Pedro Souza. www.conquistadeconcurso.com.br. Visite o Portal dos Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM. Matemática Aula: 07 e 08/10 Prof. Pero Souza UMA PARCERIA Visite o Portal os Concursos Públicos WWW.CURSOAPROVACAO.COM.BR Visite a loja virtual www.conquistaeconcurso.com.br MATERIAL DIDÁTICO EXCLUSIVO

Leia mais

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística

Conceitos de Gestão de Estoques Análise Probabilística Conceitos e Gestão e Estoques Análise Probabilística Prof. Ruy Alexanre Generoso CONCEITOS BÁSICOS DE ESTOQUE Estoques: acúmulo e recursos materiais em um sistema e transformação Fase 1 estoque Fase 2

Leia mais

A medida da lei de cotas para o ensino superior

A medida da lei de cotas para o ensino superior Versão 2, 1/12/2008 A medida da lei de cotas para o ensino superior Simon Schwartzman Qual o verdadeiro alcance da lei de cotas para o ensino superior aprovada pelo Congresso Nacional no Dia da Consciência

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS

ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS ANÁLISE MULTIVARIADA DE DADOS NO TRATAMENTO DA INFORMAÇÃO ESPACIAL UMA ABORDAGEM COM A ANÁLISE DE AGRUPAMENTOS Bernaro Jeunon e Alencar Instituto e Informática Programa e Pós Grauação em Geografia Tratamento

Leia mais

Média tensão Uso Geral

Média tensão Uso Geral Dimensionamento Os valores e capaciae e conução e correntes constantes as tabelas a seguir foram retiraos a NBR 14039/2003. No caso e cabos iretamente enterraos foi aotao uma resistiviae térmica o terreno

Leia mais

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas.

Rastreamento e Telemetria de Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Rastreamento e Telemetria e Veículos e Embarcações em Missões Estratégicas. Douglas Soares os Santos, Wagner Chiepa Cunha e Cairo L. Nascimento Jr. Instituto Tecnológico e Aeronáutica - Praça Marechal

Leia mais

Mancais bipartidos 644 645 645 646 647 648 648 660

Mancais bipartidos 644 645 645 646 647 648 648 660 Mancais bipartios Definição e aptiões 644 Séries 645 Variantes 645 Elementos e cálculo: cargas e torques 646 Elementos e montagem: seleção as juntas 647 Características 648 Mancal para rolamentos com bucha

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO ENADE

A EVOLUÇÃO DO DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO ENADE A EVOLUÇÃO DO DESEMPENHO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NO ENADE Vanderli Fava de Oliveira (UFJF ) vanderli@acessa.com Marcos Vinicius de Oliveira Costa (UFJF ) marcos.vinicius@engenharia.ufjf.bru O objetivo

Leia mais

Simulação para Ensino da Teoria das Restrições Simulation for Theory of Constraints Teaching

Simulação para Ensino da Teoria das Restrições Simulation for Theory of Constraints Teaching imulação para Ensino a Teoria as Restrições imulation for Theory of Constraints Teaching Júlio César Bastos e Figueireo, Dr. Escola uperior e Propagana e Marketing - EPM jfigueireo@espm.br --Recibio para

Leia mais

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA

10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10 DIMENSIONAMENTO DE SECÇÕES RETANGULARES COM ARMADURA DUPLA 10.1 INTRODUÇÃO A armaura posicionaa na região comprimia e uma viga poe ser imensionaa a fim e se reuzir a altura e uma viga, caso seja necessário.

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 ANÁLISE ESTATÍSTICA DE DADOS DO INEP SOBRE A CORRELAÇÃO ENTRE O PERFIL PROFISSIONAL DOS PROFESSORES DA CIDADE DE SÃO CARLOS QUE ATUAM NA EDUCAÇÃO BÁSICA E, A BUSCA POR FORMAÇÃO CONTINUADA E INOVAÇÃO EDUCACIONAL

Leia mais

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo

8- Controlador PID. PID = Proporcional + Integral + Derivativo Controlaor PID 154 8- Controlaor PID PID = Proporcional + Integral + Derivativo É interessante assinalar que mais a metae os controlaores inustriais em uso nos ias atuais utiliza estratégias e controle

Leia mais

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta

Metanálise MTC: o uso combinado de evidência direta e indireta Metanálise MTC: o uso combinao e eviência ireta e inireta na comparação e múltiplos tratamentos Patrícia Klarmann Ziegelmann Universiae Feeral o Rio Grane o Sul Em estuos e avaliação tecnológica em saúe

Leia mais

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO

EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO Capítulo 4 EXP. 4 - MEDIDA DO COMPRIMENTO DE ONDA DA LUZ POR MEIO DE UMA REDE DE DIFRAÇÃO 4.1 OBJETIVOS Meir a constante e ree e ifração utilizano um comprimento e ona conhecio. Meir os comprimentos e

Leia mais

Aula 1- Distâncias Astronômicas

Aula 1- Distâncias Astronômicas Aula - Distâncias Astronômicas Área 2, Aula Alexei Machao Müller, Maria e Fátima Oliveira Saraiva & Kepler e Souza Oliveira Filho Ilustração e uma meição e istância a Terra (à ireita) à Lua (à esquera),

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação 1 APRESENTAÇÃO O financiamento da educação superior pública constitui-se num dos

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA ESCOLA NACIONAL DE CIÊNCIAS ESTATÍSTICAS MESTRADO EM ESTUDOS POPULACIONAIS E PESQUISAS SOCIAIS DISSERTAÇÃO TÁBUAS SELETAS DE MORTALIDADE: COMPORTAMENTO DA

Leia mais

ANÁLISE DE LIGAÇÕES SOLDADAS ENTRE BARRAS TUBULARES DE TRELIÇA DO TIPO K

ANÁLISE DE LIGAÇÕES SOLDADAS ENTRE BARRAS TUBULARES DE TRELIÇA DO TIPO K ANÁLISE DE LIGAÇÕES SOLDADAS ENTRE BARRAS TUBULARES DE TRELIÇA DO TIPO K Ana Laura Essao e Figueireo e Santos Faculae e Engenharia Civil Departamento e Estruturas Universiae Estaual e Campinas Unicamp

Leia mais

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2.

Por efeito da interação gravitacional, a partícula 2 exerce uma força F sobre a partícula 1 e a partícula 1 exerce uma força F sobre a partícula 2. Interação Gravitacional Vimos que a mola é esticaa quano um corpo é suspenso na sua extremiae livre. A força que estica a mola é e origem eletromagnética e tem móulo igual ao móulo o peso o corpo. O peso

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA GERAL SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO E ESTUDOS DE PLANEJAMENTO SERVIÇO DE ESTATÍSTICA DA EDUCAÇÃO E CULTURA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA GERAL SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO E ESTUDOS DE PLANEJAMENTO SERVIÇO DE ESTATÍSTICA DA EDUCAÇÃO E CULTURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA GERAL SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO E ESTUDOS DE PLANEJAMENTO SERVIÇO DE ESTATÍSTICA DA EDUCAÇÃO E CULTURA 02 INF 88 SÍNTESE DAS ESTATÍSTICAS DO ENSINO SUPERIOR CENSO EDUCACIONAL

Leia mais

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil

Efeito Radioativo das Emissões de Gases de Efeito Estufa por Parte de Automóveis no Brasil Efeito Raioativo as Emissões e Gases e Efeito Estufa por Parte e Automóveis no Brasil Revista Brasileira e Energia Resumo Luiz Aalberto Barbosa Uria 1 Roberto Schaeffer 2 Este trabalho examina o impacto

Leia mais

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso.

Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Aplicação do modelo de apuração de resultado sob a ótica da gestão econômica à micro e pequena indústria de panificação: um estudo de caso. Francisco Carlos Fernandes (FURB) fernandes.francisco@uol.com.br

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO E O NOVO PERFIL DO ENGENHEIRO BRASILEIRO

MERCADO DE TRABALHO E O NOVO PERFIL DO ENGENHEIRO BRASILEIRO MERCADO DE TRABALHO E O NOVO PERFIL DO ENGENHEIRO BRASILEIRO Jefferson Teixeira Bessa 1 RESUMO Este artigo apresenta a nova configuração de mercado para engenheiros civis brasileiros assim como apresenta

Leia mais

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Abril de 2011 2 CONISUD Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional abril de 2011

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Adriana Botelho Taliarine dritaliarine@hotmail.com Darci de Jesus Ramos Prof. MSc. José Ricardo Favoretto Fatec Itapetininga - SP RESUMO: O aumento da

Leia mais

Material de apoio para o exame final

Material de apoio para o exame final Professor Rui Piassini Geografia 1º EM Material de apoio para o exame final Questão 01) Em toda a história da humanidade os agrupamentos humanos ou os indivíduos, isoladamente, se movimentam pelo espaço,

Leia mais

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL

RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL RESOLUÇÃO ATIVIDADE ESPECIAL Física Prof. Rawlinson SOLUÇÃO AE. 1 Através a figura, observa-se que a relação entre os períoos as coras A, B e C: TC TB T A = = E a relação entre as frequências: f =. f =

Leia mais

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula

O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula O gerenciamento de pessoas e processos para cursos de engenharia: uma experiência de ensino em sala de aula Edimar Alves Barbosa (UFCG) - eab@cct.ufcg.edu.br Luciano Gomes de Azevedo (UFCG) - azevedo@dec.ufcg.edu.br

Leia mais

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS

FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP - Campus e Bauru/SP FACULDADE DE ENGENHARIA Departamento e Engenharia Civil Disciplina: 117 - ESTRUTURAS DE CONCRETO I NOTAS DE AULA FLEXÃO NORMAL SIMPLES - VIGAS Prof.

Leia mais

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio

Mapeamento Automático de Redes WiFi com base em Assinaturas Rádio Mapeamento Automático e Rees WiFi com base em Assinaturas Ráio Rui N. Gonçalves Monteiro Engenharia e Comunicações Universiae o Minho Guimarães, Portugal ruimonteiro84@gmail.com Ariano Moreira Centro Algoritmi

Leia mais

ENTENDENDO A CLASSIFICAÇÃO DAS IES NO BRASIL. Vanessa Edy Dagnoni Mondini Programa de Pós-Graduação em Administração/FURB

ENTENDENDO A CLASSIFICAÇÃO DAS IES NO BRASIL. Vanessa Edy Dagnoni Mondini Programa de Pós-Graduação em Administração/FURB ENTENDENDO A CLASSIFICAÇÃO DAS IES NO BRASIL Vanessa Edy Dagnoni Mondini Programa de Pós-Graduação em Administração/FURB Maria José Carvalho de Souza Domingues Programa de Pós-Graduação em Administração/FURB

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações

Universidade de São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento de Engenharia de Estruturas e Fundações Universiae e São Paulo Escola Politécnica - Engenharia Civil PEF - Departamento e Engenharia e Estruturas e Funações - Conceitos Funamentais e Dimensionamento e Estruturas e Concreto: Vigas, Lajes e Pilares

Leia mais

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação

Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Título: Formação e Condições de Trabalho do Professor Municipal da Região Sul do Brasil: implicações com a qualidade da educação Magda Vianna de Souza 1 Marta Sisson de Castro 11 Palavras-chave: ensino

Leia mais

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula)

MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (Notas de Aula) UIVERSIDAD FEDERAL DE VIÇOSA CETRO DE CIECIAS AGRARIAS DEPARTAMETO DE IGEIERIA AGRÍCOLA Tel. (03)3899-79 Fax (03)3899-735 e-mail: ea@ufv.br 3657-000 VIÇOSA-MG BRASIL MEDIÇÃO DE VAZÃO DE AR (otas e Aula)

Leia mais

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas

Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo. Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Métodos Quantitativos Prof. Ms. Osmar Pastore e Prof. Ms. Francisco Merlo Funções Exponenciais e Logarítmicas Progressões Matemáticas Funções Exponenciais e Logarítmicas. Progressões Matemáticas Objetivos

Leia mais

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas

Criptografia, assinaturas digitais e senhas segmentadas Criptografia, assinaturas igitais e senhas segmentaas Ariele Giareta Biase Universiae Feeral e Uberlânia - Faculae e Matemática Grauana em Matemática - PROMAT arielegbiase@ yahoo. com. br Eson Agustini

Leia mais

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo:

Adail Marcos Lima da Silva (UFCG) - adail.marcos@hotmail.com. Resumo: Aferição o custo efetivo final as operações e esconto e uplicatas em bancos comerciais no Brasil para empresas lucro real, lucro presumio e simples nacional Aail Marcos Lima a Silva (UFCG) - aail.marcos@hotmail.com

Leia mais

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS

SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO DE REVERSÕES DE FLUXO E JANELAS DE TEMPO DINÂMICAS Simpósio Brasileiro e Pesquisa Operacional A Pesquisa Operacional na busca e eficiência nos serviços públicos e/ou privaos Setembro e 2013 SEQUENCIAMENTO DE BATELADAS EM UMA REDE DE DUTOS REAL COM MINIMIZAÇÃO

Leia mais

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Suinocultura - Análise da Conjuntura Agropecuária fevereiro de 2013. 1 - Considerações Iniciais A Suinocultura é uma das atividades da agropecuária mais difundida e produzida no mundo. O porco, espécie

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Membro do Conselho

Leia mais

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO

ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO 1 ENSINO A DISTÂNCIA NA WEB : UM DESAFIO PARA A EDUCAÇÃO CELINA APARECIDA ALMEIDA PEREIRA ABAR Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - Brasil abarcaap@pucsp.br - VIRTUAL EDUCA 2003-1 INTRODUÇÃO

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Assistência Social da USP, com valor equivalente a um salário mínimo.

Assistência Social da USP, com valor equivalente a um salário mínimo. 1 O ENSINO NOTURNO EM UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA: CARÁTER INCLUDENTE? BRANCALEONI, Ana Paula Leivar UNESP PIOTTO, Débora Cristina USP PINTO, José Marcelino de Rezende USP GT-11: Política de Educação Superior

Leia mais

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008

FA.RS - Fundação dos Administradores do Rio Grande do Sul. TCC - Trabalho de Conclusão de Curso MBA. GPEN11 - Ago/2007 Dez/2008 FA.RS - Funação os Aministraores o Rio Grane o Sul TCC - Trabalho e Conclusão e Curso MBA GPEN11 - Ago/27 Dez/28 A ESCOLA DA VISÃO uma escola e investimento baseaa na visão e futuro Aluno: Rogério Figurelli

Leia mais

TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB

TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB Antonio Marcos Moreira DE/CCEN/UFPB-marcos@de.ufpb.br Renata P. L. Jeronymo M. Pinto DE/CCEN/UFPB-renata@de.ufpb.br Jodavid de Araujo Ferreira

Leia mais

REQUERIMENTO. (Da Sra. DALVA FIGUEIREDO) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Da Sra. DALVA FIGUEIREDO) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Da Sra. DALVA FIGUEIREDO) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa ao apoio institucional do MEC para a urgente reativação acadêmica do campus do Vale do Jari, da Universidade

Leia mais

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes

Desempenho de Operações. EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Desempenho de Operações EAD 0763 Aula 2 Livro Texto Cap.2 Leonardo Gomes Agenda da aula 1 Desempenho de operações 2 Estudo de caso Capítulo 2- Desempenho de Operações Desempenho de operações Como avaliar

Leia mais

Clipping de Notícias Educacionais. Fontes: Agência Brasil, MEC, O Globo e UOL.

Clipping de Notícias Educacionais. Fontes: Agência Brasil, MEC, O Globo e UOL. Clipping 16/08/2012 SEMERJ www.semerj.org.br semerj@semerj.org.br Caso sua instituição ainda não seja associada ao SEMERJ, visite nosso site e descubra as vantagens em associar-se ao Sindicato das Entidades

Leia mais

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS.

O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. O IMPACTO DO ENSINO DE EMPREENDEDORISMO NA GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA : RESULTADOS E PERSPECTIVAS. Fernando Toledo Ferraz - ferraz@cybernet.com.br Departamento de Engenharia de Produção Myriam Eugênia R.

Leia mais

Análise da oferta e da qualidade dos cursos de Administração na educação superior brasileira

Análise da oferta e da qualidade dos cursos de Administração na educação superior brasileira Elisabeth Cristina Drumm Formada em Administração, Especialista em Gestão Empresarial, Mestre em Processos e Manifestações Culturais. Professora da Urcamp. Análise da oferta e da qualidade dos cursos de

Leia mais

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F

Análise das Probabilidades Neutras a Risco da Taxa de Câmbio do Dólar Comercial, Implícitas nos Preços das Opções de Compra Negociadas na BM&F UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS INSTITUTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO - COPPEAD Análise as Probabiliaes Neutras a Risco a Taxa e Câmbio

Leia mais

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO

PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO PINOS DE ANCORAGENS SOB CARGAS DE TRAÇÃO Luiz Flávio Vaz Silva, Prof. Ronalo Barros Gomes UFG, 74605-220, Brasil luizgo@hotmail.com, rbggomes@gmail.com PALAVRAS-CHAVE: Ancoragem, Armaura e Flexão, Posicionamento

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS PROGRAMADAS: APROXIMAÇÃO DO ACADÊMICO DE PEDAGOGIA COM O PROFISSIONAL DO ENSINO Resumo HOÇA, Liliamar Universidade Positivo liliamarh@up.com.br MORASTONI, Josemary- Universidade Positivo

Leia mais

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118

Impacts in the structural design of the 2014 revision of the brazilian standard ABNT NBR 6118 Volume 8, Number 4 (August 2015) p. 547-566 ISSN 1983-4195 http://x.oi.org/10.1590/s1983-41952015000400008 Impacts in the structural esign of the 2014 revision of the brazilian stanar ABNT NBR 6118 Impactos

Leia mais

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery)

Controle Estatístico de Qualidade. Capítulo 14 (montgomery) Controle Estatístico e Qualiae Capítulo 4 (montgomery) Amostragem e Aceitação Lote a Lote para Atributos Introução A Amostragem poe ser efinia como a técnica estatística usaa para o cálculo e estimativas

Leia mais

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'.

vartos setores Versati idade do equipamento o torna ideal para 11I Engenharia GUINDASTE, -'. ". GUINDASTE, -'. Versati iae o equipamento o torna ieal para,. vartos setores Por Fábio lauonio Altos e imponentes, os guinastes têm um papel funamental na elevação e movimentação e cargas e materiais

Leia mais

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A REGULAMENTAÇÃO DA EAD E O REFLEXO NA OFERTA DE CURSOS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Autor(a): Alessandra Barbara Santos de Almeida Coautor(es): Alessandra Barbara Santos de Almeida, Gliner Dias Alencar,

Leia mais

Avaliação Diagnóstica Programa Brasil Alfabetizado

Avaliação Diagnóstica Programa Brasil Alfabetizado Avaliação Diagnóstica Programa Brasil Alfabetizado Diretoria de Políticas de Educação de Jovens e Adultos Ministério da Educação do Brasil Santiago de Chile Dezembro de 2008 Programa Brasil Alfabetizado

Leia mais

MATEMÁTICA PARA O VESTIBULAR: Pré-vestibular de funções

MATEMÁTICA PARA O VESTIBULAR: Pré-vestibular de funções MATEMÁTICA PARA O VESTIBULAR: Pré-vestibular de funções Diego de Souza Oliveira (Bolsista UEMS)¹; Marco Aparecido Queiroz Duarte (Orientador)² 1 Estudante do curso de Matemática da UEMS, Unidade Universitária

Leia mais

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira

3 Os impostos sobre dividendos, ganhos de capital e a legislação societária brasileira 30 3 Os impostos sore ivienos, ganhos e capital e a legislação societária rasileira As legislações societárias e fiscais o Brasil iferem muito quano comparamos ao sistema americano. Neste capítulo aoraremos

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL I) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de mestrado profissional em Administração,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK

1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO 1.2. OBJETIVO 1.3. O EBERICK 1. INTRODUÇÃO 1.1. PROJETO FINAL DE GRADUAÇÃO O Curso e Grauação a Escola Politécnica tem como objetivo formar o aluno e prepará-lo para o exercício profissional. Como parte a avaliação o aprenizao o aluno,

Leia mais

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

23º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental II-202 BALANÇO ENERGÉTICO REFERENTE AO BIOGÁS GERADO EM REATORES UASB OBJETIVANDO AVALIAR A HIGIENIZAÇÃO TÉRMICA AUTO-SUSTENTÁVEL DO LODO ANAERÓBIO EXCEDENTE Euaro Sales Machao Borges Engenheiro Civil.

Leia mais

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico

4 Torção em Elementos de Concreto Armado 4.1. Histórico 4 orção em Elementos e Concreto Armao 4.1. Histórico As teorias para análise e vigas e materiais elásticos, homogêneos e isótropos solicitaas à torção atam os séculos XVIII e XIX. O concreto armao como

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO

UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO UNIÃO EDUCACIONAL DO NORTE UNINORTE AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO RIO BRANCO Ano AUTOR (ES) AUTOR (ES) TÍTULO DO PROJETO Pré-Projeto de Pesquisa apresentado como exigência no processo de seleção

Leia mais

EFEITO ESTABILIZANTE DE ELO DE CORRENTE CONTÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE ALTERNADA. Waldenir Alexandre da Silva Cruz

EFEITO ESTABILIZANTE DE ELO DE CORRENTE CONTÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISTEMAS DE TRANSMISSÃO EM CORRENTE ALTERNADA. Waldenir Alexandre da Silva Cruz EFEIO ESABILIZANE DE ELO DE CORRENE CONÍNUA NA OPERAÇÃO DE SISEMAS DE RANSMISSÃO EM CORRENE ALERNADA Walenir Alexanre a Silva Cruz ESE SUBMEIDA AO CORPO DOCENE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2015. Professor: Rubens Penha Cysne

Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2015. Professor: Rubens Penha Cysne Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getulio Vargas (EPGE/FGV) Macroeconomia I / 2015 Professor: Rubens Penha Cysne Lista de Exercícios 6 Crescimento com Inovações Verticais (Modelo Schumpeteriano)

Leia mais

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Revista Economia & Tecnologia (RET) Volume 9, Número 4, p. 129-136, Out/Dez 2013 Seção: Tecnologia & Inovação Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Alessandra

Leia mais

PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS

PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS PROGRAMAÇÃO LINEAR COMO FERRAMENTA AUXILIADORA NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS EM UMA EMPRESA DE SERVIÇOS Elvis Magno da Silva, autor Douglas Ribeiro Lucas, co-autor Vladas Urbanavicius Júnior, co-autor

Leia mais

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas

Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Gestão de custos um fator de sobrevivência para as empresas Paula Michelle Purcidonio (UTFPR) ppurcidonio@ig.com.br Kazuo Hatakeyama (UTFPR) hatakeyama@pg.cefetpr.br Resumo Com a atual competitividade

Leia mais

Informe de Conclusiones

Informe de Conclusiones Informe de Conclusiones Área Temática: Formación de liderazgo y de las capacidades directivas para el fortalecimiento institucional en el ámbito público Coordinador: Rui Afonso Lucas * INTRODUÇÃO AO TEMA

Leia mais

Título do Experimento: Determinação de distâncias focais

Título do Experimento: Determinação de distâncias focais Universiae Estaual e Santa Cruz Departamento e Ciencias Exatas e Tecnologicas - DCET Curso e Física - Bacharelao e Licenciatura Laboratório e Física IV Pro. Fernano Tamariz Luna Título o Experimento: Determinação

Leia mais

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 A evolução da produção de milho no Mato Grosso: a importância da safrinha Jason de Oliveira Duarte 1 José Carlos Cruz 2 João Carlos Garcia 3 Introdução

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3

FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 1 FLUXO DE CAIXA: IMPORTANTE FERRAMENTA PARA AS DECISÕES EMPRESARIAIS Cristiane Aparecida MOTA 1 Hiroshi Wilson YONEMOTO 2 Marcela de Souza CABRAL 3 RESUMO: Este trabalho tem a intenção de demonstrar a

Leia mais

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia

Leis de Newton. 1.1 Sistemas de inércia Capítulo Leis e Newton. Sistemas e inércia Supomos a existência e sistemas e referência, os sistemas e inércia, nos quais as leis e Newton são válias. Um sistema e inércia é um sistema em relação ao qual

Leia mais

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação 4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação A desigualdade, em suas várias formas, é um fenômeno bastante antigo nas sociedades e reflete sempre uma relação de poder, na medida em que representa um padrão

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO (*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 06/12/2007. (*) Portaria / MEC n 1.178, publicada no Diário Oficial da União de 06/12/2007. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ

PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ 1 PERFIL DOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO BOM NEGÓCIO PARANÁ NA REGIÃO SUDOESTE DO PARANÁ Marta Paiz 1 Márcia Bonifácio Stooc 2 Adriana Picagevicz Mellk 3 Jaime Antonio Stoffel 4 Nelson Alpini

Leia mais

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo

Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo Programa Mais Educação Avaliação de Impacto e Estudo Qualitativo *** Esta apresentação propõe-se a trazer um breve panorama do trabalho realizado e, para isso, omite diversos pontos metodológicos e de

Leia mais

GRUPOS DE TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE RESIDEM EM INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA.

GRUPOS DE TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE RESIDEM EM INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA. GRUPOS DE TERAPIA OCUPACIONAL NA ESTIMULAÇÃO COGNITIVA DE IDOSOS QUE RESIDEM EM INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA. ANTUNES 1, Brenda; GOMES 2, Elaine; MORAES 3, Berla; SILVA 4, Daniele. RESUMO EM LÍNGUA

Leia mais

Preparação do Trabalho de Pesquisa

Preparação do Trabalho de Pesquisa Preparação do Trabalho de Pesquisa Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Pesquisa Bibliográfica Etapas do Trabalho de Pesquisa

Leia mais

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3

Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3 Autor: Mariana Souza Freitas Instituição: Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) Email: nanafreitasf@hotmail.com Co-autores: William Gesualdo Moreira Monteiro Instituição: Universidade Federal de

Leia mais

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB

CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE CAPACIDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB CONSTRUÇÃO DE CURAS DE CAPACDADE DE GERADORES SÍNCRONOS USANDO MATLAB PEDRO DA COSTA JR., LUZ GONÇALES JR., CLAUDO. DE AQUNO, ANDRÉ N. DE SOUZA, JOSÉ E. C. CASTANHO Faculae e Engenharia e Bauru, UNESP

Leia mais

you d solutions MÍDIA KIT

you d solutions MÍDIA KIT MÍDIA KIT Referência em ações e marketing irigio por aos 18 anos atuano em Database Marketing utilizano a Auiência a Abril e e Empresas Parceiras Um os maiores e mais completos bancos e aos e marketing

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Instâncias de Avaliação MEC CNE CONAES SERES INEP CTAA 2 Desafios da educação superior brasileira 1. Como

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO

FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO FORMAÇÃO PLENA NA PÓS-GRADUAÇÃO Desde a criação do primeiro Programa de Pós- Sricto Sensu, em Fitotecnia, em 1975, a UFLA ocupou-se de pautar as suas ações em fundamentos morais sólidos e em valores que

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS PROJETOS DE CURSO DO CEFET-MG EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO NA FORMA INTEGRADA BELO HORIZONTE, OUTUBRO

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA

SOLENÓIDE E INDUTÂNCIA EETROMAGNETSMO 105 1 SOENÓDE E NDUTÂNCA 1.1 - O SOENÓDE Campos magnéticos prouzios por simples conutores ou por uma única espira são bastante fracos para efeitos práticos. Assim, uma forma e se conseguir

Leia mais

Fluminense (UFF/RJ). Palavras-Chaves: Graduação, Licenciamento Ambiental, prática crítico-reflexivo, periódicos científicos.

Fluminense (UFF/RJ). Palavras-Chaves: Graduação, Licenciamento Ambiental, prática crítico-reflexivo, periódicos científicos. O ENSINO DA DISCIPLINA DE GRADUAÇÃO ESTUDOS DE IMPACTOS AMBIENTAIS (EIA) NO ÂMBITO DOS AVANÇOS E CONFLITOS DO PROCESSO DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL BRASILEIRO. Ludmila Caetano 1*, Célio F. Quintanilha 1,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA

DESENVOLVIMENTO DE COMPUTADOR DE VAZÃO COMPENSADA DE GÁS NATURAL EMPREGANDO ARQUITETURA ABERTA ESENVOLVIMENTO E COMPUTAOR E VAZÃO COMPENSAA E GÁS NATURAL EMPREGANO ARQUITETURA ABERTA *CLAUIO GARCIA *OSMEL REYES VAILLANT *ESCOLA POLITÉCNICA A UNIVERSIAE E SÃO PAULO EPARTAMENTO E ENGENHARIA E TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

PRONUNCIAMENTO DA DEPUTADA MARIA DO CARMO LARA 02/10/2007 SESSÃO SOLENE EM HOMENAGEM AOS 80 ANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

PRONUNCIAMENTO DA DEPUTADA MARIA DO CARMO LARA 02/10/2007 SESSÃO SOLENE EM HOMENAGEM AOS 80 ANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS PRONUNCIAMENTO DA DEPUTADA MARIA DO CARMO LARA 02/10/2007 SESSÃO SOLENE EM HOMENAGEM AOS 80 ANOS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Sr. Presidente, Sras. e Srs. Deputados, A Universidade Federal de

Leia mais

Processos Administrativos de Compras

Processos Administrativos de Compras Processos Administrativos de Compras INTRODUÇÃO A função compras é um segmento essencial do Departamento de Materiais e Suprimentos, que tem pôr finalidade suprir as necessidades de materiais ou serviços

Leia mais

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL

MINAS, IDEB E PROVA BRASIL MINAS, IDEB E PROVA BRASIL Vanessa Guimarães 1 João Filocre 2 I I. SOBRE O 5º ANO DO EF 1. O IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) foi criado há um ano pelo MEC e adotado como indicador da

Leia mais