Tema 12. Competitividade empresarial

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tema 12. Competitividade empresarial"

Transcrição

1 Tema 12. Competitividade empresarial Competitividade é um conceito amplo que integra três dimensões: - a empresarial, cujo foco principal está na gestão; - a estrutural, que enfatiza as cadeias e os arranjos produtivos e - a sistêmica, que considera as variáveis macroeconômicas. Unidas, essas dimensões se complementam, formando a chamada competitividade global. Para que esse estágio seja atingido, exige-se das empresas a obtenção de índices cada vez mais altos de competência e conhecimento, além do aporte de tecnologia atualizada e compatível. Segundo o ranking do Índice de Competitividade Estadual-Fatores - ICE-F (2006), indicador do Movimento Brasil Competitivo que avalia a competitividade dos estados brasileiros, o Espírito Santo ocupa a 9ª posição entre as 27 unidades da federação (Relatório Executivo, 2006). Quando se analisa os resultados por critérios, o Estado está em 11º em qualificação da força de trabalho e 12º lugar em geração de conhecimento e inovação, mostrando que esses temas são críticos para o desenvolvimento econômico do Estado e devem ser alvos de grande atenção no Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015. Dessa maneira, é imperativo que o aumento da competitividade da economia capixaba seja apoiado pela qualificação da força de trabalho e pela geração de conhecimento e inovação. 116

2 Objetivo Aumentar a produtividade, a qualidade e a competitividade. No ambiente econômico, é meta de qualquer empresa produzir mais e melhor para ter condições de competir com seus concorrentes. Mas no atual cenário, produzir mais não pode significar um inchaço da folha de pessoal ou investimentos que estourem o orçamento. O conceito de produtividade abrange a elevação da produção com cada vez menos. Para isso, é necessário adequar os métodos de produção, a redução de ineficiência dos equipamentos, o uso de técnicas mais avançadas de gestão e, principalmente, aumentar a qualificação da mão-de-obra. Dados do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial - IEDI mostram que a indústria do Espírito Santo apontou um acréscimo de produtividade de 3,6% de janeiro a junho de 2006, em relação ao período anterior, ocupando a 8ª posição do ranking, acima da média nacional que foi de 2,7%. Foi o único estado, dentre os que registraram aumento de produtividade acima da média da indústria, que apontou aumento nas horas pagas (1,1%). Mas se pensarmos que na década de 1990 a indústria nacional já chegou a índices de crescimento de produtividade de 8,1% ao ano, a situação atual precisa melhorar muito. Esse impulso, mais que reorganização gerencial, passa pelo estímulo à qualidade de produção, que gera, por conseqüência, a qualidade do produto. Um produto ou serviço de qualidade é aquele que atende perfeitamente, de forma confiável, acessível, segura e no tempo certo às necessidades do cliente. Para elevar o índice de produtividade capixaba, hoje em 3,3%, segundo o IBGE, é preciso fomentar melhores práticas de gestão, integrando todo ambiente (externo/interno) aos resultados esperados, monitorando resultados e relatando progressos. Nesse processo, é fundamental investir na formação básica e na qualificação profissional dos funcionários (cursos de alfabetização, supletivos, de habilidades e atualização tecnológica); valorizar o profissional, afastando-o do medo, da insegurança, propiciando o conhecimento de assuntos de interesse de seu trabalho (palestras, encontros, trabalhos em grupo e feiras); e estabelecer metas e controlar resultados que estejam associados às melhorias das operações (controles de documentos, absenteísmo, atrasos de produção e entrega, desperdícios, redução da ociosidade, paradas de máquinas, etc.). 117

3 Índice de produtividade (%) Produção industrial física / Horas trabalhadas (PF/HP) Índice de produtividade (%) 3,3 (2005) 4,0 (taxa média anual 2005 a 2010) (MEIC 2008/2015) 7,0 (taxa média anual 2010 a 2015) (MEIC 2008/2015) Fonte: IBGE/PIA Índice de competitividade estadual - Fatores O ICE-F mede a competitividade entre os Estados Brasileiros em relação aos 3 itens: recursos humanos, conhecimento e infra-estrutura Índice de competitividade estadual - Fatores Fonte: MOVIMENTO BRASIL COMPETITIVO 0,475 (2006) 0,589 (= MG 2006) 0,648 (= SC 2006) 118

4 Ações Estratégicas Previstas Ação 117. Apoiar e fortalecer programas que visem aumentar a produtividade, a qualidade e a competitividade. Objetivo: Melhorar a produtividade, qualidade e competitividade das empresas. Ação 118. Fomentar as melhores práticas de governança e gestão nas indústrias. Objetivo: Desenvolver e apoiar iniciativas voltadas para a difusão das melhores práticas de governança e gestão na indústria Estimular a inovação nas empresas. Dados da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial - ABDI (2006) mostram que empresas inovadoras pagam salários 23% superiores aos pagos em média pela indústria e geram empregos de maior qualidade. Além disso, elas exportam 116% a mais e conseguem um preço 30% superior em relação aos outros exportadores. O Espírito Santo, no ranking nacional, é o quarto em inovação, com gasto de 1,4% sobre o faturamento empresarial, segundo números da Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica - PINTEC (2000/2003) do IBGE. O gasto ainda é muito pouco e mostra a falta de incentivos e apoio governamental para a inovação. A ABDI mostra que menos de 19% das empresas brasileiras utilizaram algum apoio governamental para realizar inovação, enquanto 90% dos gastos em pesquisa e desenvolvimento são financiados com recursos próprios. O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 prevê a ampliação da integração do setor produtivo com as universidades e institutos de pesquisa, por meio de fomento aos fundos de ciência e tecnologia. Devem ser fomentadas as mais diversas atividades inovadoras, que incluem o desenvolvimento interno e aquisição externa de P&D; o licenciamento de direitos de exploração de patentes e aquisição de know-how e softwares; a aquisição de máquinas e equipamentos; e as atividades de treinamento, orientadas para processos novos. 119

5 Investimento da indústria em inovação (%) Indica a participação percentual dos gastos em inovação, em relação ao total do faturamento das empresas que investem em inovação (produtos e processos) no Espírito Santo Investimento da indústria em inovação (%) 1,4 (2003) 2,1 (= SC 2003) 3,8 (= PR 2003) Fonte: IBGE/PINTEC Ações Estratégicas Previstas Ação 119. Ampliar a integração do setor produtivo com as entidades de ensino e pesquisa tecnológicos para promover a inovação na indústria. Objetivo: Priorizar o apoio financeiro com recursos não-reembolsáveis dos fundos de ciência e tecnologia a projetos que integram o setor produtivo com as universidades e centros de pesquisa. Ação 120. Ampliar a prestação de serviços de Tecnologia Industrial Básica - TIB e Tecnologia da Informação e Comunicação - TIC. Objetivo: Aumentar os investimentos em TIB e TIC no Espírito Santo. 120

A Inteligência Empresarial

A Inteligência Empresarial A Inteligência Empresarial A produtividade do Conhecimento deve ser, portanto, a preocupação central dos administradores do século XXI. Conhecimento, inovação e empreendedorismo formam, assim, um tripé

Leia mais

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo

Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Desafios da Indústria e da Política de Desenvolvimento Produtivo Josué Gomes da Silva IEDI Seminário Internacional: A Hora e a Vez da Política de Desenvolvimento Produtivo BNDES / CNI CEPAL / OCDE 22/09/2009

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

Desafios da Inovação no Brasil

Desafios da Inovação no Brasil Jornada pela Inovação Audiência Pública Comissão de Ciência e Tecnologia Senado Federal Desafios da Inovação no Brasil Glauco Arbix Finep Brasília, 25 de maio de 2011 FINEP Empresa pública federal, não

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS Elaborar o projeto do Plano Municipal de Projeto do Plano Projeto realizado Cultura com ampla participação dos setores da sociedade Conferência Municipal de Cultura Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS

Leia mais

Qualidade & Produtividade

Qualidade & Produtividade Qualidade & Produtividade Conceitos que mudam um negócio! rev. 10/05 Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com.br 1 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS

Leia mais

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável.

O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. INOVAR PARA CRESCER O QUE FAZEMOS? Mais do que financiar empresas ajudamos a transformar grandes ideias em negócios ainda mais rentáveis, oferecendo crédito sustentável. Além disso, damos todo suporte

Leia mais

Pelo estudo, cerca de 13 milhões de brasileiros estão envolvidos diretamente com alguma atividade empreendedora.

Pelo estudo, cerca de 13 milhões de brasileiros estão envolvidos diretamente com alguma atividade empreendedora. 1 Grande Expediente proferido pela Dep. Profª Raquel Teixeira Brasília, 20.03.2006 Uma recente pesquisa publicada pelo Global Entrepreneurship Monitor coloca o Brasil em 7º lugar entre as nações mais empreendedoras

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL 1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL LEI DE INFORMÁTICA E INCUBADORA RAIAR Coordenação: Prof. Edemar Antonio Wolf De Paula Gerente da Incubadora Raiar Porto Alegre, 05 de janeiro de

Leia mais

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS

PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS PLANOS DE PRODUÇÃO E ESTÍMULO À MODERNIZAÇÃO DE INDÚSTRIAS NACIONAIS Unidade de Política Industrial Diretoria de Desenvolvimento Industrial BRASÍLIA, 28 DE OUTUBRO DE 2015 O Parque Industrial e sua modernização

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º WORKSHOP PLATAFORMAS TECNOLÓGICAS FPSO Automação e Instrumentação

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE

CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE CÂMARA DOS DEPUTADOS CONSELHO DE ALTOS ESTUDOS E AVALIAÇÃO TECNOLÓGICA GRUPO DE ESTUDOS SOBRE A CAPACITAÇÃO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS SEBRAE Brasília, 18 de maio de 2010. MPE? Conceituação Brasil REPRESENTATIVIDADE

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil 1º Workshop Platec Barcos de Apoio Offshore - Equipamentos de Propulsão,

Leia mais

Inovação Tecnológica

Inovação Tecnológica Inovação Tecnológica Cliente AAA Ltda. Mensagem: O empresário que necessita de uma tecnologia tem duas opções: ele pode ou desenvolvê-la, ou adquiri-la. Agenda Introdução Arcabouço Legal Conceitos Incentivos

Leia mais

Inovar para Sustentar o Crescimento

Inovar para Sustentar o Crescimento Café & Debate Escola Nacional de Administração Pública ENAP Inovar para Sustentar o Crescimento Glauco Depto. de Sociologia USP Brasília, 19 de abril de 2007 2007 China: volta ao patamar natural? Data

Leia mais

Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal. Foco Educação

Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal. Foco Educação Apresentação Comissão de Assuntos Econômicos CAE/ Senado Federal Foco Educação Brasília, 18 de junho de 2013 Uma visão de futuro: Mapa Estratégico da Indústria COMPETITIVIDADE COM SUSTENTABILIDADE AMBIENTE

Leia mais

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO

Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO Decreto nº 2.489/06 Acrescido o Anexo Único pelo Decreto n 1.349/15, efeitos a partir de 26.08.15. ANEXO ÚNICO I - CRITÉRIOS PARA DEFINIÇÃO DO BENEFÍCIO O benefício fiscal será definido em função do enquadramento

Leia mais

Desenvolvimento de Mercado

Desenvolvimento de Mercado Desenvolvimento de Mercado DESENVOLVIMENTO DE MERCADO Frente aos importantes temas abordados pelo Fórum Temático de Desenvolvimento de Mercado, da Agenda 2020, destaca-se o seu objetivo principal de fomentar

Leia mais

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial

FOCOS DE ATUAÇÃO. Tema 8. Expansão da base industrial FOCOS DE ATUAÇÃO Tema 8. Expansão da base industrial Para crescer, a indústria capixaba tem um foco de atuação que pode lhe garantir um futuro promissor: fortalecer as micro, pequenas e médias indústrias,

Leia mais

GESTÃO DA INOVAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Metodologias, Métricas e Indicadores

GESTÃO DA INOVAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Metodologias, Métricas e Indicadores GESTÃO DA INOVAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Metodologias, Métricas Cristiane Machado de Vargas 1. Introdução A velocidade do mercado na introdução das novas tecnologias nos últimos anos modificou

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise -

Confederação Nacional da Indústria. - Manual de Sobrevivência na Crise - RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - Janeiro de 1998 RECOMENDAÇÕES PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS - Manual de Sobrevivência na Crise - As empresas, principalmente

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO

Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Incubadora de Empresas de Base Tecnológica de Itajubá - INCIT PLANO ANUAL DE TREINAMENTO Itajubá/MG Fevereiro de 2012 Plano Anual de 2 de 11 Revisão 01 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO GERAL... 4 2

Leia mais

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA

Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA 1 Cartilha do ALUNO EMPREENDEDOR POLITÉCNICA Diretor Acadêmico: Edison de Mello Gestor do Projeto: Prof. Marco Antonio da Costa 2 1. APRESENTAÇÃO Prepare seus alunos para explorarem o desconhecido, para

Leia mais

PINTEC 2008 Data: 29/10/2010

PINTEC 2008 Data: 29/10/2010 PINTEC 2008 Data: 29/10/2010 Introdução Objetivo Geral: Levantar informações que visam à construção de indicadores nacionais e regionais das atividades de inovação tecnológica nas empresas industrias,

Leia mais

Estratégias para inovar. Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ

Estratégias para inovar. Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ Estratégias para inovar Carlos Alberto Aragão de Carvalho Filho IF & COPPE/UFRJ I - Razões para inovar Brasil (Pintec 2001-2003) Empresas que inovam e diferenciam produtos: têm melhor produtividade; pagam

Leia mais

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios

Orientações para elaborar um. Plano de Negócios Orientações para elaborar um Plano de Negócios Maio de 2010 www.nascente.cefetmg.br Página 1 Apresentação Este documento contém um roteiro básico de Plano de Negócios. O objetivo é permitir que o futuro

Leia mais

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS?

COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? UM OLHAR DA INVENTTA: COMO FOMENTAR MAIS E MELHOR NAS EMPRESAS? Rafael Augusto, Marina Loures e Vitor Bohnenberger 1. INTRODUÇÃO As empresas sempre nos perguntam Como obter recursos para desenvolver projetos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Organizações Nenhuma organização existe

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL: O PERFIL DOS PARTICIPANTES NOS CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA GUAÍBA

INCLUSÃO DIGITAL: O PERFIL DOS PARTICIPANTES NOS CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA GUAÍBA INCLUSÃO DIGITAL: O PERFIL DOS PARTICIPANTES NOS CURSOS DE INFORMÁTICA NA ULBRA GUAÍBA Daniele Pinto Andrés 1 RESUMO A realidade do mercado de trabalho e a necessidade da democratização das informações

Leia mais

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República

Presidente da FINEP. Diretores da FINEP. Chefe de Gabinete da Presidência. Presidente da República. Vice-Presidente da República POLÍTICA OPERACIONAL 2012-2014 Presidente da República Dilma Vana Rousseff Vice-Presidente da República Michel Temer Ministro de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação Marco Antonio Raupp Secretário

Leia mais

CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E DESEMPENHO LOGÍSTICO. Paulo Roberto Guedes (junho de 2015)

CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E DESEMPENHO LOGÍSTICO. Paulo Roberto Guedes (junho de 2015) CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL E DESEMPENHO LOGÍSTICO Paulo Roberto Guedes (junho de 2015) Como já comentado por diversas vezes, há pelo menos três grandes problemas a ser resolvidos no Brasil, para que a logística

Leia mais

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países Para o Boletim Econômico Edição nº 45 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países 1 Ainda que não haja receita

Leia mais

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo?

O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? BRDE INOVA O que é? Porque foi criado? Quais sãos os objetivos? O que terá de novo? Contextualização Primeiro Agente Financeiro do País credenciado junto ao BNDES Primeiro Agente Financeiro do País credenciado

Leia mais

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis

Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Biocombustíveis SENADO FEDERAL Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Diretrizes da Agenda Setorial do Setor de Energias Renováveis: Bioetanol Biodiesel Biocombustíveis Brasília, 28 de novembro de 2012 Foco e Prioridades

Leia mais

Mercedes-Benz inova com atendimento diferenciado a clientes de Sprinter

Mercedes-Benz inova com atendimento diferenciado a clientes de Sprinter Nova Sprinter Mercedes-Benz inova com atendimento diferenciado a clientes de Sprinter Informação à Imprensa Data: 4 de junho de 2012 Com a inauguração do inédito conceito de Van Center (loja exclusiva

Leia mais

Arranjo Produtivo de Biotecnologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte

Arranjo Produtivo de Biotecnologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte Arranjo Produtivo de Biotecnologia da Região Metropolitana de Belo Horizonte Caracterização do APL Pioneirismo: Minas: sede da primeira empresa de base biotecnológica brasileira BIOBRÁS 1976. Empreendedorismo:

Leia mais

Parcerias Público-Privadas (PPP) Acadêmicos no fornecimento de desenvolvimento da primeira infância

Parcerias Público-Privadas (PPP) Acadêmicos no fornecimento de desenvolvimento da primeira infância Parcerias Público-Privadas (PPP) Acadêmicos no fornecimento de desenvolvimento da primeira infância CONFERÊNCIA GLOBAL SOBRE DESENVOLVIMENTO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Fundação Maria Cecília Souto Vidigal FMCSV

Leia mais

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva.

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. Lia Prado Arrivabene Cordeiro 1. INTRODUÇÃO A pesquisa que em curso tem como objetivo verificar

Leia mais

Relatório de Gestão 2006

Relatório de Gestão 2006 Relatório de Gestão 2006 1. PROGRAMA:- Ciência, Tecnologia e Inovação para a Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) - ( 1388 ). 1.1.OBJETIVOS: 1.1.1.Objetivo Geral: Desenvolver

Leia mais

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs

Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas. Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial Para Micro, Pequenas e Médias Empresas Mansueto Almeida - IPEA 4ª Conferência Brasileira de APLs Política Industrial no Brasil maior abertura de uma economia não aumenta, necessariamente,

Leia mais

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos

Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Ministério da Ciência e Tecnologia Política Industrial para o setor de TI: resultados, abrangência e aperfeiçoamentos Augusto Gadelha Secretário de Política de Informática Câmara dos Deputados Comissão

Leia mais

Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília

Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico. Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Metodologias de Apoio ao Planejamento Estratégico Profa. Lillian Alvares Faculdade de Ciência da Informação, Universidade de Brasília Análise Ambiental Análise Ambiental : Matriz SWOT A sigla SWOT Ambiente

Leia mais

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos

FINEP Financiadora de Estudos e Projetos FINEP Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Estratégias de Inovação A Nova Estratégia Internacional do Brasil: Investimentos, Serviços e Inovação na Agenda Externa São Paulo,

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS - projetos e ações da Seger em 2011 -

PRESTAÇÃO DE CONTAS - projetos e ações da Seger em 2011 - PRESTAÇÃO DE CONTAS - projetos e ações da Seger em 2011 - MELHORIA DA GESTÃO PÚBLICA E VALORIZAÇÃO DO SERVIDOR Este eixo estratégico tem por objetivo ampliar e modernizar o atendimento ao cidadão, a formação,

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação

Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação FINEP 2012-2014: investir mais e melhor em Inovação Agenda O Desafio da Inovação A FINEP Instrumentos de Apoio (Reembolsável, Não Reembolsável, Fundos) Números

Leia mais

Inovação no Complexo Industrial da Saúde

Inovação no Complexo Industrial da Saúde 3º ENCONTRO NACIONAL DE INOVAÇÃO EM FÁRMACOS E MEDICAMENTOS Inovação no Complexo Industrial da Saúde Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo SP, 15 de setembro de 2009 FINEP Empresa pública

Leia mais

O Investimento Privado em P&D pela Indústria de Transformação no Brasil

O Investimento Privado em P&D pela Indústria de Transformação no Brasil O Investimento Privado em P&D pela Indústria de Transformação no Brasil Flavio Grynszpan A Inovação na Indústria Brasileira e o Modelo de Substituição das Importações Até início dos 90 modelo de substituição

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial

Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento Setorial, Panorama da Indústria e Análise da Política Industrial Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia Projeto: Boletim de Conjuntura Industrial, Acompanhamento

Leia mais

GRATUITA. consultoria.

GRATUITA. consultoria. Sua empresa cresceu? Você está sem tempo para planejar o futuro do seu negócio? Sente dificuldades em delegar tarefas? Não encontra ninguém para trocar experiências semelhantes? Está na hora de conhecer

Leia mais

Consultoria e Marketing COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE

Consultoria e Marketing COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE COMO TORNAR O TREINAMENTO UMA FERRAMENTA DE LUCRATIVIDADE A melhor idéia, sem gente boa, não vai a lugar algum. Carlos Alberto Sicupira Controlador da ABInBev Presidente do Conselho das Lojas Americanas

Leia mais

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação

FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação FINEP Agência Brasileira da Inovação Ministério da Ciência e Tecnologia Instrumentos FINEP de apoio à Inovação São Paulo, Junho de 2009 FINEP Agência Brasileira da Inovação Empresa pública vinculada ao

Leia mais

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer.

Plano BrasilMaior 2011/2014. Inovar para competir. Competir para crescer. Plano BrasilMaior 2011/2014 Inovar para competir. Competir para crescer. Foco e Prioridades Contexto Dimensões do Plano Brasil Maior Estrutura de Governança Principais Medidas Objetivos Estratégicos e

Leia mais

Título da Apresentação

Título da Apresentação Título da Apresentação Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Outubro de 2012 Agenda Missão e Visão Tipos de Inovação Financiáveis Áreas

Leia mais

Políticas de Propriedade

Políticas de Propriedade Políticas de Propriedade Intelectual Rubens de Oliveira Martins SETEC/MCT Ministério da Ciência e Tecnologia Propriedade Intelectual Conceito: sistema de proteção que gera direito de propriedade ou exclusividade

Leia mais

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG

Texto para discussão. Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG 1 Introdução Texto para discussão Desenvolvimento profissional dos integrantes da carreira de EPPGG Como resultado da coleta de subsídios para aperfeiçoamento da gestão da carreira de Especialista em Políticas

Leia mais

Confiança no crescimento em baixa

Confiança no crescimento em baixa 10Minutos 19ª Pesquisa Global com CEOs Setor de Engenharia e Construção Confiança no crescimento em baixa Destaques Março 2016 Destaques Com 65% das indicações, suborno e corrupção são consideradas as

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Indicadores CNI RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA Problemas e prioridades para 2016 28 Corrupção é o principal problema do país Saúde continua sendo a prioridade para as ações do governo A corrupção e a

Leia mais

Apoio à Inovação nas micro e pequenas empresas. O papel do Cartão BNDES no incentivo à inovação

Apoio à Inovação nas micro e pequenas empresas. O papel do Cartão BNDES no incentivo à inovação Apoio à Inovação nas micro e pequenas empresas O papel do Cartão BNDES no incentivo à inovação São Paulo, 09 de Agosto de 2012 Como apoiamos? Operações Diretas Contratadas diretamente com o BNDES Operações

Leia mais

MANUAL DO INCUBADO PPV. Programa Pronto para Viver

MANUAL DO INCUBADO PPV. Programa Pronto para Viver MANUAL DO INCUBADO PPV Programa Pronto para Viver SUMÁRIO 1. CONTEXTUAIS... 2 2. EQUIPE TÉCNICA DA AGENDE... 2 3. PLANEJAMENTO ESTRETÉGICO... 3 3.1 Planejamento Estratégico - Gestão... 3 3.2 Planejamento

Leia mais

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES

FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DE RIBEIRÃO PRETO FONTES DE FOMENTO -FINANCIAMENTO PARA EMPRESAS NASCENTES PROFª DRª GECIANE PORTO geciane@usp.br FONTES DE

Leia mais

POLÍTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA (RNP)

POLÍTICA DE PROPRIEDADE INTELECTUAL REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA (RNP) REDE NACIONAL DE ENSINO E PESQUISA (RNP) MOTIVAÇÃO A Lei de Inovação federal, Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, regulamentada pelo Decreto nº 5.563 de 11 de outubro de 2005, estabelece medidas de

Leia mais

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando)

INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO. I. Objetivos e Metas. Objetivo (o quê) Alcance (quanto) Prazo de realização (quando) INSTRUMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE INOVAÇÃO I. Objetivos e Metas 1. Liste os 5 principais objetivos de inovação para o horizonte de cinco anos, identificando: Objetivo 1 Objetivo 2 Objetivo 3 Objetivo

Leia mais

Brasil x Concorrência Predatória Internacional. Christian Dihlmann dihlmann@brturbo.com.br

Brasil x Concorrência Predatória Internacional. Christian Dihlmann dihlmann@brturbo.com.br Brasil x Concorrência Predatória Internacional Christian Dihlmann dihlmann@brturbo.com.br Programa - Economia e suas implicações - Concorrentes mundiais - Brasil: ações importantes - Conclusões Economia

Leia mais

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016

PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016 PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais Ano 6. Nº 1. Março 2016 Recessão econômica impacta os investimentos O ano de 2015 foi marcado por incertezas econômicas e crise política que contribuíram

Leia mais

Modernização da infraestrutura: o Brasil melhorou, mas o desafio agora é avançar mais rápido

Modernização da infraestrutura: o Brasil melhorou, mas o desafio agora é avançar mais rápido Modernização da infraestrutura: o Brasil melhorou, mas o desafio agora é avançar mais rápido As economias mais competitivas do mundo e a percepção sobre a qualidade na infraestrutura no Brasil e em diversos

Leia mais

Connections with Leading Thinkers

Connections with Leading Thinkers Instituto de Alta Performance Connections with Leading Thinkers O economista Otaviano Canuto discute os obstáculos estruturais que atrasam a inovação na economia brasileira, e aponta possíveis soluções.

Leia mais

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação

FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação FINEP - Financiadora de Estudos e Projetos Agência Brasileira de Inovação Fomento à Inovação no Brasil Desenvolvimento e Sustentabilidade ALIDE Fortaleza, maio 2010 FINEP Empresa pública federal, vinculada

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa HPPC Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Alexandre Ribeiro Pereira Lopes Coordenador-Geral das Indústrias Químicas e de Transformados

Leia mais

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro A Associação Nacional de Política e Administração da Educação ANPAE, fundada em 1961 1, é uma associação civil de caráter educativo,

Leia mais

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa

FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO. Vânia Damiani. Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa FINEP UMA AGÊNCIA DE INOVAÇÃO Vânia Damiani Departamento de Instituições de Pesquisa Área de Institutos Tecnológicos e de Pesquisa A Missão da FINEP Promover o desenvolvimento econômico e social do Brasil

Leia mais

Global Index Innovation 2015 Highlights

Global Index Innovation 2015 Highlights Global Index Innovation 2015 Highlights 141 países avaliados. Brasil: 70º lugar geral em 2015 (61º lugar em 2014). - 1º lugar: Suíça - 2º lugar: Reino Unido - 3º lugar: Suécia Top Performers Renda Alta

Leia mais

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PINTEC 2008 INFORMAÇÕES PRELIMINARES. Fernanda Vilhena 02/09/10

Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PINTEC 2008 INFORMAÇÕES PRELIMINARES. Fernanda Vilhena 02/09/10 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Indústria PINTEC 2008 INFORMAÇÕES PRELIMINARES Fernanda Vilhena 02/09/10 HISTÓRICO PINTEC 2000 período 1998-2000. Resultados Brasil divulgados em 10/2002, e os regionalizados

Leia mais

Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia

Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia Marcos da Evolução do Sistema Brasileiro de Ciência e Tecnologia 1950 1960 1951 Criação do Conselho Nacional de Pesquisas e da CAPES CNPq e CAPES apóiam estudantes e pesquisadores individuais (bolsas e

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA NACIONAL DE APOIO TECNOLÓGICO À EXPORTAÇÃO. RESOLUÇÃO Nº 2, de 24 de maio de 2006

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA NACIONAL DE APOIO TECNOLÓGICO À EXPORTAÇÃO. RESOLUÇÃO Nº 2, de 24 de maio de 2006 MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA NACIONAL DE APOIO TECNOLÓGICO À EXPORTAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 2, de 24 de maio de 2006 O Comitê Gestor do Programa Nacional de Apoio Tecnológico à

Leia mais

Linha de Financiamento do BNDES para Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos - BNDES PMAT e BNDES PMAT

Linha de Financiamento do BNDES para Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos - BNDES PMAT e BNDES PMAT Linha de Financiamento do BNDES para Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos - BNDES PMAT e BNDES PMAT Automático BNDES PMAT Apresentação do Programa O que é o

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos

Introdução. Gerência de Projetos de Software. Sumário. Sistemas de Informação para Processos Produtivos Sumário Sistemas de Informação para Processos Produtivos 1. Gerência de 2. Agentes principais e seus papéis 3. Ciclo de vida do gerenciamento de projetos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Módulo 6

Leia mais

1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas

1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas 1º Congresso da Inovação em Materiais e Equipamentos para Saúde - I CIMES Painel: Fomento, Preços, Compras e Encomendas São Paulo, 10 de abril de 2012 Ranking Produção científica & Inovação Produção Científica

Leia mais

60 especial. sondagem

60 especial. sondagem Indicadores CNI sondagem especial Uso de Tecnologia na Indústria da Construção 80% das empresas da construção investirão em nos próximos cinco anos Custos de aquisição são o principal obstáculo à inovação

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro

Conselho de Tecnologia ABIMAQ. GT Da Porta pra Dentro Conselho de Tecnologia ABIMAQ GT Da Porta pra Dentro 10/08/2015 Premissas para uma POLÍTICA INDUSTRIAL Permitir o crescimento contínuo e sustentado do investimento produtivo do país. Política macroeconômica

Leia mais

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real

Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Veículo: Bahia Negócios Data: 28/05/14 Estudo aponta que o salário mínimo aumentou 1.019,2% em 20 anos de Plano Real Em 1994, quando foi instituído o Plano Real, o salário mínimo custava R$ 64,79. Passados

Leia mais

0806evandro@gmail.com 2 Acadêmico do Curso de Administração do Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos. E-mail:

0806evandro@gmail.com 2 Acadêmico do Curso de Administração do Instituto Federal Farroupilha Campus Júlio de Castilhos. E-mail: ANÁLISE AMBIENTAL DE UMA EMPRESA DE ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS Evandro Dallanora 1 Evandro Leão de Freitas 2 Luciana Perazzolo Cristofaria 3 Camila Coletto 4 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho trata de uma análise

Leia mais

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante No período entre o início da década de 2000 e a eclosão da crise financeira internacional, em 2008, o Brasil

Leia mais

Plano de Negócios. Bruno Menegola Gustavo Führ Jonas Hartmann Rosália Schneider William Gonçalves

Plano de Negócios. Bruno Menegola Gustavo Führ Jonas Hartmann Rosália Schneider William Gonçalves Plano de Negócios Bruno Menegola Gustavo Führ Jonas Hartmann Rosália Schneider William Gonçalves 1 Instituto de Informática Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Caixa Postal 15.064 91.501-970

Leia mais

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população.

de 1,000 (um) for o IDH, melhor a qualidade de vida de sua população. RESULTADOS O Espírito Santo que se deseja em 2015 é um Estado referência para o País, na geração de emprego e renda na sua indústria, com conseqüente eliminação das desigualdades entre os municípios capixabas.

Leia mais

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO

MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO MEMORIAIS, ESPECIFICAÇÕES E PLANILHA ORÇAMENTÁRIA PARA O PREÇO TOTAL DE ELABORAÇÃO DE PROJETO EXECUTIVO Í N D I C E APRESENTAÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS METAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PLANILHA ORÇAMENTÁRIA

Leia mais

Educação Integral Desafios para a implementação

Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral Desafios para a implementação Educação Integral: uma demanda da sociedade Enfrentamento da desigualdade social: Garantia de direitos Ampliação das redes de proteção para crianças e adolescentes

Leia mais

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins.

FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO DE UMA INCUBADORA DE EMPRESAS: Um Estudo nas Incubadoras do Estado do Tocantins. Maria das Graças Bastos de Sousa 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo Querido

Leia mais

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE)

PROIMPE. Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) PROIMPE Programa de Estímulo ao Uso de Tecnologia da Informação em Micro e Pequenas Empresas (MPE) OBJETIVOS PRINCIPAIS Estimular a inclusão digital das MPE (Inclusão Empresarial); Promover o aumento da

Leia mais

Viabilização Financeira de Projetos de Inovação para a Pequena Mineração Responsável Metodologia i9 de Gestão de Inovação

Viabilização Financeira de Projetos de Inovação para a Pequena Mineração Responsável Metodologia i9 de Gestão de Inovação Viabilização Financeira de Projetos de Inovação para a Pequena Mineração Responsável Metodologia i9 de Gestão de Inovação Prof. Giorgio de Tomi Agosto/2012 Sumário Contexto de Pequena Mineração Responsável

Leia mais

O processo envolve quatro questões básicas:

O processo envolve quatro questões básicas: Planejamento de RH O planejamento de recursos humanos coleta e utiliza informações para apoiar as decisões sobre os investimentos que devem ser feitos com atividades de RH O processo envolve quatro questões

Leia mais

Administração e Finanças

Administração e Finanças Estrutura do Plano de Negócio Profa. Fernanda Pereira Caetano Trabalho pesado é geralmente a acumulação de tarefas pequenas que não foram feitas a tempo. (Henry Cooke) Não existe uma estrutura rígida e

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Marco Regulatório e Planos de Governo

Marco Regulatório e Planos de Governo Marco Regulatório e Planos de Governo 1999: Criação dos Fundos setoriais 2004: Política Industrial, Tecnológica e de Comércio Exterior (PITCE) 2004: Lei da Inovação Nova Lei de Informática Lei de criação

Leia mais