PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais. Ano 6. Nº 1. Março 2016"

Transcrição

1 PESQUISA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Minas Gerais Ano 6. Nº 1. Março 2016

2 Recessão econômica impacta os investimentos O ano de 2015 foi marcado por incertezas econômicas e crise política que contribuíram fortemente para o ambiente desfavorável aos investimentos. Diante desse cenário, 2015 apresentou o menor percentual de empresas que investiram desde o início da pesquisa, sendo que a grande maioria dos investimentos foram dedicados à continuação de projetos anteriores. A incerteza econômica e a ociosidade elevada foram os principais fatores que levaram ao cancelamento ou adiamento de investimentos. A necessidade de aumento da competitividade, através de investimentos na melhoria do processo produtivo, foi o principal motivo dos investimentos realizados em 2015, e em 2016 não deve ser diferente, em virtude da necessidade de aumentar as vendas em um ambiente de demanda pouco dinâmico. O ano de 2016 ainda será difícil para a indústria. Parcela ainda menor das empresas pretende investir, sendo que, dentre os investidores, a maioria deve continuar projetos anteriores. A ociosidade elevada superou a incerteza econômica quando o assunto é entraves aos investimentos, e as perspectivas de compras de máquinas e equipamentos são mais modestas que em anos anteriores. O caminho para a retomada da atividade e do crescimento sustentável está diretamente ligado à elevação da taxa de investimento da economia e deve apoiar-se na participação do setor privado. No entanto, para que isso ocorra é necessária a construção de um ambiente institucional que combine Estado eficiente e credibilidade da política econômica.

3 1 INVESTIMENTOS REALIZADOS EM INVESTIMENTOS EM MÁQUINAS 3 PLANOS DE INVESTIMENTO PARA 2016

4 1 INVESTIMENTOS REALIZADOS EM 2015 No ano de 2015 apenas 66% das indústrias de Minas Gerais realizaram investimentos. Esse é o menor percentual para o indicador desde o início da pesquisa, em Dentre as empresas que investiram 76,3% deram continuação a projetos já existentes e somente 23,7% realizaram novos projetos. O percentual de investimentos das indústrias do estado vem mostrando queda expressiva. O desempenho negativo da indústria é reflexo da deterioração do cenário político e econômico nacional que dificulta a retomada da confiança dos agentes (consumidores e empresários), fator essencial para o retorno dos investimentos no setor. 87,5 EMPRESAS QUE INVESTIRAM NO ANO (%) REALIZAÇÃO DE PLANOS DE INVESTIMENTOS ,7 72,6 76,1 67,1 66,0 Continuação de projetos anteriores 76,3% Novos projetos 23,7%

5 1 INVESTIMENTOS REALIZADOS EM 2015 REALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM 2015 Das empresas que haviam planejado investir em 2015, apenas 26% executaram os investimentos conforme o previsto e 45% realizaram parcialmente os projetos, enquanto 22% das indústrias mineiras adiaram para os próximos anos ou cancelaram. Frente às incertezas nos âmbitos político e econômico as empresas do setor reduziram, congelaram ou postergaram seus planos de expansão. O aumento nos custos de produção associado à redução na demanda e na atividade impactou a retração nos investimentos. 14% 8% 26% 6% 45% Realizados parcialmente Realizados como planejados Adiados para depois do próximo ano ou cancelados Adiados para o próximo ano Sem resposta

6 1 INVESTIMENTOS REALIZADOS EM 2015 RAZÕES PARA REALIZAÇÕES PARCIAIS OU CANCELAMENTO DOS PLANOS DE INVESTIMENTO (%) Incerteza econômica Reavaliação da demanda / ociosidade elevada Custo do crédito / financiamento Aumento inesperado no custo previsto do investimento Dificuldade de obtenção de crédito / financiamento Dificuldade de obtenção de mão de obra Dificuldades com burocracia Deficiência da infraestrutura Dificuldades tecnológicas Restrições relacionadas ao meio ambiente Dificuldade de obtenção de matéria-prima 0,0% 0,0% 7,1% 5,3% 3,5% 1,8% 10,7% 7,1% 1,8% 1,8% 8,8% 14,3% 14,3% 22,8% 25,0% 19,3% 25,0% 38,6% 53,6% 63,2% 78,6% 84,2% Pelo quinto ano consecutivo a incerteza econômica (84,2%) foi o principal motivo para a realização parcial ou não realização de investimentos pelas empresas em O cenário econômico desfavorável motivou a escolha das empresas, que também apontaram a ociosidade elevada (63,2%) e o custo do crédito (38,6%) como responsáveis pela realização parcial ou cancelamento dos investimentos.

7 1 INVESTIMENTOS REALIZADOS EM 2015 OBJETIVO DO INVESTIMENTO FONTES DE FINANCIAMENTO (%) Melhoria do processo produtivo atual Manutenção da capacidade produtiva Aumento da capacidade da linha atual Introdução de novos produtos Introdução de novos processos produtivos Outros 9,5% 4,8% 6,4% 4,8% 6,4% 19,0% 14,3% 17,0% 23,4% 19,1% 27,7% 47,6% Recursos próprios Bancos oficiais de desenvolvimento Bancos comerciais privados Bancos comerciais públicos Financiamento externo A melhoria do processo produtivo (47,6%) foi apontada como o principal objetivo dos investimentos em As empresas também optaram pela manutenção da capacidade produtiva (19,0%) e pelo aumento da capacidade atual (14,3%). O financiamento dos investimentos realizados em 2015 ocorreu, em sua maioria, via recursos próprios (79,7%). Já as fontes de financiamento advindas de bancos oficiais de desenvolvimento permaneceram em segundo lugar, com média de 11,8%, apesar de terem reduzido quando comparadas com 2014 (15,8%). 5,2% 5,5% 0,1% 1,4% 15,8% 11,2% 3,2% 11,8% 66,1% 79,7%

8 2 INVESTIMENTOS EM MÁQUINAS INVESTIMENTOS EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS EM 2015 No ano de 2015 a maior parte das empresas investiu em máquinas e equipamentos. No entanto, os investimentos foram realizados no intuito de melhorar os processos produtivos ou de manutenção da capacidade produtiva, o que demonstra que as empresas em geral não aumentaram a capacidade de produção, diante do baixo crescimento da economia. 1,6% 11,1% 11,1% 12,7% 41,3% A maioria dos empresários investiu em máquinas de origem nacional (41%) ou ao menos priorizou a compra de máquinas e equipamentos nacionais (22%). Um percentual pequeno de entrevistados importou todo o maquinário (2%) ou comprou especialmente máquinas e equipamentos importados. 22,2% Somente máquinas e equipamentos nacionais Principalmente máquinas e equipamentos nacionais Igualmente máquinas e equipamentos nacionais e importados Não comprou máquinas e equipamentos em 2015 Principalmente máquinas e equipamentos importados Somente máquinas e equipamentos importados

9 2 INVESTIMENTOS EM MÁQUINAS O ambiente econômico desfavorável influenciou os planos de investimentos das empresas. A maioria delas pretende manter inalterados, reduzir ou até mesmo não investir em máquinas e equipamentos em 2016, com 68,3% das respostas somadas. Contudo, apenas 26% das empresas esperam aumentar a participação dos importados nas compras de máquinas e equipamentos. PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTOS EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS PARA 2016 PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTOS EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS IMPORTADOS PARA 2016 Aumentar 32,6% Aumentar ou aumentar muito 25,0% Manter-se inalteradas 28,3% Manter-se inalteradas 25,0% Reduzir-se ou Reduzir muito 26,1% Reduzir-se ou reduzir-se muito 15,0% Não planeja comprar máquinas e equipamentos no próximo ano 13,0% Não planeja comprar máquinas e equipamentos IMPORTADOS no próximo ano 35,0%

10 3- PLANOS DE INVESTIMENTOS PARA 2016 INTENÇÃO DE INVESTIMENTO NO PRÓXIMO ANO ADEQUAÇÃO DA CAPACIDADE INSTALADA PARA ATENDER A DEMANDA PREVISTA 88% 83% 76% 67% 64% 57% 4,1% 5,1% 52,0% 19,4% 19,4% 0% 20% 40% 60% 80% 100% Muito pouco adequada Adequada Muito mais do que adequada Pouco adequada Mais do que adequada Apesar da maior parte dos empresários possuir planos de investimento para 2016 (57%), o percentual vem reduzindo gradativamente desde o início da série histórica da pesquisa, em Entre as empresas que pretendem investir os investimentos serão voltados, em sua maioria, para a continuação de projetos anteriores (61,7%), e apenas 38,3% dos entrevistados deverão investir em novos projetos. A capacidade produtiva está adequada para atender à demanda prevista de acordo com 90,8% das respostas. Esse resultado expressivo corrobora a menor propensão a investir das empresas entrevistadas, na medida em que demonstra que elas estão preparadas para atender a uma maior procura por seus produtos no curto prazo.

11 3- PLANOS DE INVESTIMENTO PARA 2016 PRINCIPAL OBJETIVO DO INVESTIMENTO PREVISTO Melhoria do processo produtivo atual Manutenção da capacidade produtiva Aumento da capacidade da linha atual Introdução de novos produtos Outros Introdução de novos processos produtivos 4% 2% 2% 0% 18% 19% 14% 22% 21% 23% 35% 39% PÚBLICO CONSUMIDOR QUE OS INVESTIMENTOS PRETENDEM ATENDER Principalmente o mercado interno Igualmente os mercados interno e externo Somente o mercado interno Somente o mercado externo Principalmente o mercado externo 7% 7% 31% 45% 76% Em 2016 as empresas pretendem continuar investindo menos na introdução de novos produtos, focando mais nos investimentos em melhorias de processos e na manutenção da capacidade produtiva. O objetivo dos investimentos serão mais voltados ao atendimento do mercado consumidor nacional. A intenção de atender ao mercado consumidor externo é baixa, tendo em vista a baixa competitividade do produto nacional.

12 3- PLANOS DE INVESTIMENTO PARA 2016 PRINCIPAIS MOTIVOS DE NÃO INVESTIMENTO EM 2016 Reavaliação da demanda / ociosidade elevada 91% Incerteza econômica 35% Dificuldades tecnológicas Custo do crédito / financiamento Restrições relacionadas ao meio ambiente Dificuldade de obtenção de crédito / financiamento Aumento inesperado no custo previsto do investimento Deficiência da infraestrutura Dificuldade de obtenção de matéria-prima Dificuldade de obtenção de mão de obra 7% 7% 5% 5% 5% 5% 16% 16% A ociosidade elevada e as incertezas do cenário econômico são os principais motivos apontados pelas empresas que não pretendem investir em De acordo com a Sondagem Industrial, mesmo com os ajustes na produção à menor demanda, as empresas estão acumulando estoques indesejados. A falta de confiança vem batendo recordes negativos, dificultado a retomada de investimentos no cenário de incertezas que estamos vivendo.

13 P E R F I L D A A M O S T R A : E M P R E S A S. P E R Í O D O D E C O L E T A D A S I N F O R M A Ç Õ E S : d e 0 9 d e n o v e m b r o a 1 4 d e d e z e m b r o d e N O T A M E T O D O L Ó G I C A A P e s q u i s a I n v e s t i m e n t o s n a I n d ú s t r i a é e l a b o r a d a p e l a A s s e s s o r i a E c o n ô m i c a d a F e d e r a ç ã o d a s I n d ú s t r i a s d o E s t a d o d e M i n a s G e r a i s ( F I E M G ) e m c o n j u n t o c o m a C o n f e d e r a ç ã o N a c i o n a l d a I n d ú s t r i a ( C N I ). O o b j e t i v o é a v a l i a r o s i n v e s t i m e n t o s r e a l i z a d o s n o a n o e o s p r e v i s t o s p a r a o a n o s e g u i n t e. A s e m p r e s a s s ã o s o l i c i t a d a s a i n f o r m a r o i n v e s t i m e n t o n o a n o, c o m r e l a ç ã o : à e f e t i v a ç ã o d o s i n v e s t i m e n t o s, à s p r i n c i p a i s c a u s a s p a r a o a d i a m e n t o / c a n c e l a m e n t o d o s i n v e s t i m e n t o s ; a o s p r i n c i p a i s o b j e t i v o s d o s i n v e s t i m e n t o s ; à s p r i n c i p a i s f o n t e s d e r e c u r s o s u t i l i z a d a s ; à i n t e n ç ã o e m i n v e s t i r e m a t i v o s f i x o s ( m á q u i n a s e e q u i p a m e n t o s ) ; a o s o b j e t i v o s d o s i n v e s t i m e n t o s s e g u n d o o m e r c a d o c o n s u m i d o r ; a o s p r i n c i p a i s g a r g a l o s p a r a o s i n v e s t i m e n t o s b e m c o m o a d e m a n d a e s p e r a d a p a r a o ano s e g u i n t e. O â m b i t o da p e s q u i s a I n v e s t i m e n t o s na I n d ú s t r i a s ã o a s e m p r e s a s c o m s e d e e m M i n a s G e r a i s, c l a s s i f i c a d a s c o m o i n d ú s t r i a s d e t r a n s f o r m a ç ã o o u e x t r a t i v a d e a c o r d o c o m a c l a s s i f i c a ç ã o n a c i o n a l d e a t i v i d a d e s e c o n ô m i c a s, ( C N A E 2. 0, q u e p o s s u e m n o m í n i m o 3 5 e m p r e g a d o s e q u e c o n s t a m n o c a d a s t r o d e e s t a b e l e c i m e n t o s e m p r e g a d o r e s do M i n i s t é r i o do T r a b a l h o e E m p r e g o ( C E E / M T E ) c o m p e t ê n c i a C o o r d e n a ç ã o : A S S E S S O R I A E C O N Ô M I C A D A F E D E R A Ç Ã O D A S I N D Ú S T R I A S D O E S T A D O D E M I N A S G E R A I S - F I E M G A v. d o C o n t o r n o, º a n d a r - B a i r r o F u n c i o n á r i o s - B e l o H o r i z o n t e / M G - C E P : T e l. : ( 3 1 ) e - m a i l : g e f i e m g. c o m. b r - W W W. F I E M G. C O M. B R A S S E S S O R I A D E C O M U N I C A Ç Ã O I N S T I T U C I O N A L S I S T E M A F I E M G

14 INDICADORES IndústriaIS DE MINAS GERAIS FICHA TÉCNICA REALIZAÇÃO Sistema FIEMG Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais PRESIDENTE: Olavo Machado Junior RESPONSÁVEL TÉCNICO: Assessoria Econômica da FIEMG

Empresas de Minas diminuem investimento

Empresas de Minas diminuem investimento Ano 5 Nº 1 JANEIRO 2015 Empresas de Minas diminuem investimento No ano de 2014 mais da metade das empresas mineiras realizaram investimentos, no entanto, desde o início da pesquisa em 2010, o percentual

Leia mais

ARMAZÉNS GERAIS ASPECTOS LEGAIS, VANTAGENS E SERVIÇOS

ARMAZÉNS GERAIS ASPECTOS LEGAIS, VANTAGENS E SERVIÇOS ARMAZÉNS GERAIS ASPECTOS LEGAIS, VANTAGENS E SERVIÇOS D i r e t o r E x e c u t i v o d a T O P L O G P o r R o d o l p h o C a r i b e A r m a z é n s g e r a i s s ã o e s t a b e l e c i m e n t o s

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 3 Número 01 dezembro de 2011 www.cni.org.br Investimentos realizados em 2011 Indústria investe cada vez mais com o objetivo

Leia mais

1 2 9, i n c i s o I I, d a C F ; e a r t i g o 5 º, i n c i s o V, a l í n e a s a e

1 2 9, i n c i s o I I, d a C F ; e a r t i g o 5 º, i n c i s o V, a l í n e a s a e P O R T A R I A n 2 0 1, d e 1 8 d e j u l h o d e 2 0 1 3. A P r o c u r a d o r a d a R e p ú b l i c a q u e e s t a s u b s c r e v e, e m e x e r c í c i o n a P r o c u r a d o r i a d a R e p ú

Leia mais

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A P A R A Í B A C E N T R O D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E

U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A P A R A Í B A C E N T R O D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A P A R A Í B A C E N T R O D E C I Ê N C I A S D A S A Ú D E D E P A R T A M E N T O D E C I Ê N C I A S F A R M A C Ê U T I C A S C U R S O D E F A R M Á C I A

Leia mais

BLOCO Nº 2 JORNAIS, BOLETINS, PANFLETOS D a N º 1. H i n o N a c i o n a l e H i n o d a I n t e r n a c i o n a l? 0 1 C U T N a c i o n a l 2. M o d i f i c a ç õ e s d o E s t a t u t o p r o p o s

Leia mais

REDES DE NOVA GERAÇÃO. m a i o r q u a l i d a d e, m a i s r a p i d e z, mais inovação;

REDES DE NOVA GERAÇÃO. m a i o r q u a l i d a d e, m a i s r a p i d e z, mais inovação; R E D E S D E N O V A G E R A Ç Ã O D E S A F I O e O P O R T U N I D A D E A P D C, 3 1 D E M A R Ç O D E 2 0 0 9 A S O N A E C O M A C R E D I T A Q U E A S R d N G S Ã O U M A O P O R T U N I D A D

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Indicadores CNI INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Momento difícil da indústria se reflete nos investimentos Intenção de investimento para 2015 é a menor da pesquisa Em 2014, 71,8% das empresas investiram 7,9

Leia mais

A C T A N. º I X / 2 0 0 8

A C T A N. º I X / 2 0 0 8 1 A C T A N. º I X / 2 0 0 8 - - - - - - A o s d e z a s s e i s d i a s d o m ê s d e A b r i l d o a n o d e d o i s m i l e o i t o, n e s t a V i l a d e M o n c h i q u e, n o e d i f í c i o d o

Leia mais

J U R I S P R U D Ê N C I A F I S C A L A R B I T R A L ( 3. º E 4. º T R I M E S T R E S D E 2 0 1 2 )

J U R I S P R U D Ê N C I A F I S C A L A R B I T R A L ( 3. º E 4. º T R I M E S T R E S D E 2 0 1 2 ) i J a n e i r o d e 2 0 1 3 J U R I S P R U D Ê N C I A F I S C A L A R B I T R A L ( 3. º E 4. º T R I M E S T R E S D E 2 0 1 2 ) TAX & BUSINESS P r e t e n d e - s e, c o m a p r e s e n t e I n f o

Leia mais

A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O

A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O i I N F O R M A Ç Ã O F I S C A L N º 3 J a n e i r o 2 0 1 3 A S N O V A S R E G R A S D E F A C T U R A Ç Ã O N o s e g u i m e n t o d a L e i d o O r ç a m e n t o d o E s t a d o p a r a 2 0 1 2 e,

Leia mais

P RO J E T O E S P E C I A L : A R E S T / F AZ E N D A S E N H O R J E S U S

P RO J E T O E S P E C I A L : A R E S T / F AZ E N D A S E N H O R J E S U S P RO J E T O E S P E C I A L : A R E S T / F AZ E N D A S E N H O R J E S U S P ET A g r o n o m i a U n i v e r s i d a d e F e d e r a l d e L a v r a s U F L A / M G 1 R e s u m o J a m a i s c o n

Leia mais

B O L E T I M I N F O R M A T I V O

B O L E T I M I N F O R M A T I V O P R Ó - R E I T O R I A D E E N S I N O E D I Ç Ã O 0 4 - A N O 0 2 B O L E T I M I N F O R M A T I V O M A I O D E 2 0 1 5 A C O M I S S Ã O P E R M A N E N T E D E P R O C E S S O S E L E T I V O D A

Leia mais

PORTO DE SALVADOR - S U L D A Á F R I C A *

PORTO DE SALVADOR - S U L D A Á F R I C A * R O TA S D E N AV E G A Ç Ã O N O L O N G O C U R S O - M E R C O S U L - C O S TA O E S T E D A A M É R I C A D O S U L - A M É R I C A C E N T R A L E C A R I B E - G O L F O D O M É X I C O - C O S

Leia mais

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA

INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA INVESTIMENTOS NA INDÚSTRIA Informativo da Confederação Nacional da Indústria Ano 5 Número 01 janeiro de 2014 www.cni.org.br Intenção de investimentos para 2014 é a menor desde 2010 Investimentos em 2013

Leia mais

Intenções de Investimento

Intenções de Investimento Intenções de Investimento Quarto Trimestre 2014 Principais Resultados: Resultados:» Preocupações atuais» Intenções de investimento em: Tecnologia / Custeio Maquinas e Equipamentos Gestão de Pessoas Infraestrutura

Leia mais

65ª SONDAGEM NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL

65ª SONDAGEM NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL 65ª SONDAGEM NACIONAL DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL Novembro de 2015 Um ano de recordes indesejados A sondagem da construção, realizada pelo SindusCon-SP desde 1999, chega ao final do ano com alguns

Leia mais

Confiança do comércio paranaense volta a subir

Confiança do comércio paranaense volta a subir Pesquisa de Opinião do Empresário do www.fecomerciopr.com.br www.sebraepr.com.br COMÉRCIO Nº 25 ANO 11 MÊS JANEIRO / JUNHO 2014 Confiança do comércio paranaense volta a subir Apresentação 1º 2014 Confiança

Leia mais

Resultados Reunião do Fórum de Estágios 19/05/2015

Resultados Reunião do Fórum de Estágios 19/05/2015 Resultados Reunião do Fórum de Estágios 19/05/2015 Resultados Fórum de Estágios de SC C o n e x ã o j o v e m X a t r a ç ã o e d e s e n v o l v i m e n t o d e t a l e n t o s p o r m e i o d o e s t

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA Claudio Licciardi Celular: (11) 9.8258-0444 E-mail: prscc@dglnet.com.br OUTUBRO DE 2014

ASSESSORIA DE IMPRENSA Claudio Licciardi Celular: (11) 9.8258-0444 E-mail: prscc@dglnet.com.br OUTUBRO DE 2014 ASSESSORIA DE IMPRENSA Claudio Licciardi Celular: (11) 9.8258-0444 E-mail: prscc@dglnet.com.br OUTUBRO DE 2014 CONSÓRCIOS EM OUTUBRO CONTEMPLAÇÕES BATEM RECORDE, VENDAS MENSAIS CRESCEM MAIS DE 35% E PARTICIPANTES

Leia mais

Design de aplicativos moveis

Design de aplicativos moveis Design de aplicativos moveis Os dispositivos móveis mais comuns : S m a r t p h o n e ; P D A ; Te l e m ó v e l ( pt) / C e l u l a r ( br); C o n s o l e p o r t á t i l ; U l t r a M o b i l e P C ;

Leia mais

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015

Resultados e Análises Rodada de. Referente ao 2º Trimestre de 2015 Resultados e Análises Rodada de Maio de 2015 Referente ao 2º Trimestre de 2015 Ano 5, n 20, Maio de 2015 Ribeirão Preto Índice de Confiança dos Fornecedores do Setor Sucroenergético (ICFSS) Reed Exhibitions

Leia mais

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013

Região Zona da Mata. Regional Dezembro 2013 O mapa mostra a divisão do estado de Minas Gerais para fins de planejamento. A região de planejamento Zona da Mata engloba a Fiemg Regional Zona da Mata. Região Zona da Mata GLOSSÁRIO Setores que fazem

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Dezembro de 2015 Indústria espera que as exportações cresçam no primeiro semestre de 2016 A Sondagem industrial, realizada junto a 154 indústrias catarinenses no mês de dezembro, mostrou

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE RIO GRANDE DO SUL. Sondagem Especial Produtividade Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS

SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE RIO GRANDE DO SUL. Sondagem Especial Produtividade Unidade de Estudos Econômicos Sistema FIERGS SONDAGEM ESPECIAL PRODUTIVIDADE 32,1% das empresas da indústria de transformação não aumentaram sua produtividade nos últimos 5 anos. Na indústria da construção este percentual sobe para 46,9%. 25% das

Leia mais

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional

Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional 9 dez 2008 Nº 58 Como as empresas financiam investimentos em meio à crise financeira internacional Por Fernando Pimentel Puga e Marcelo Machado Nascimento Economistas da APE Levantamento do BNDES indica

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Junio 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO - PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS- GRADUADOS

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Setembro 2011 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 )

B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 ) B e n j a m i n C o n s t a n t B o t e l h o d e M a g a l h ã e s ( 1 8 3 6 / 1 8 9 1 ) B e n ja m i n C o n s t a n t, c o m o c o s t u m a s e r r e f e r i d o, é c o n s i d e r a d o c o m o o

Leia mais

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO SONDAGEM ESPECIAL INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO Ano 2 Número 1 agosto de www.cni.org.br burocracia e a indústria brasileira Burocracia eleva custos e atrasa a entrega de obras e serviços 85% das empresas consideram

Leia mais

Relatório de Pesquisa. Março 2013

Relatório de Pesquisa. Março 2013 Relatório de Pesquisa SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Março 2013 SONDAGEM CONJUNTURAL DO VAREJO BRASILEIRO Pesquisa realizada pela CNDL e SPC Brasil. Foram ouvidos em todo o país 615 varejistas.

Leia mais

VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010

VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 VI Seminário Latino-Americano de Geografia Física II Seminário Ibero-Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 Delimitação de Unidades de Paisagens e D esmatamento em Áreas próx

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

81% das empresas utilizam capital próprio como. 48% das empresas não perceberam redução nos. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos

81% das empresas utilizam capital próprio como. 48% das empresas não perceberam redução nos. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos 81% das empresas utilizam capital próprio como principal fonte de financiamento. 48% das empresas não perceberam redução nos juros. 68% das empresas afirmaram que os prazos dos empréstimos não se alteraram.

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL FEVEREIRO 2016 Respostas indicam aumento da utilização da capacidade instalada, mas ainda sem recuperação dos investimentos.

SONDAGEM INDUSTRIAL FEVEREIRO 2016 Respostas indicam aumento da utilização da capacidade instalada, mas ainda sem recuperação dos investimentos. Respostas indicam aumento da utilização da capacidade instalada, mas ainda sem recuperação dos investimentos. Este relatório de Sondagem Industrial tem como objetivo analisar as respostas relativas à produção,

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Março 2015

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Março 2015 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Março 2015 Perspectivas para o Mercado Residencial. Conjuntura Econômica sem Sinais de Melhora e Estoques em Alta Acendem Sinal de Alerta

Leia mais

Prof. Antônio Ricardo M. Marinho Diretor de Programas de Finanças da ESPM Sul amarinho@espm.br

Prof. Antônio Ricardo M. Marinho Diretor de Programas de Finanças da ESPM Sul amarinho@espm.br FINANÇAS E GOVERNANÇA CORPORATIVA CONTEÚDO DA PALESTRA Finanças Corporativas e Contabilidade G a s t o s Patrimônio, Resultado e Caixa Formação de Preços Processo de Governança Conselho de Administração

Leia mais

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos

Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Pesquisa Expectativa dos Pequenos Negócios Gaúchos Planejamento e Orçamento 3º trimestre/2014 Julho de 2014 Educação Empreendedora Consultoria Gestão Inovação Resultados 0800 570 0800 / www.sebrae-rs.com.br

Leia mais

diretamente na fatura energética, o que equivale a mais de 23GWh de energia.

diretamente na fatura energética, o que equivale a mais de 23GWh de energia. Save: to Compete 1 Save: to Compete Num contexto económico exigente, com elevada concorrência, pressão de custos e reduzido acesso a financiamento, as empresas necessitam de se tornar mais eficientes e

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL DEZEMBRO 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL DEZEMBRO 2015 No ano de 2015, Sondagem mostra que a indústria de Campinas paralisa investimentos; estagnação da lucratividade, leve redução da produção e aumento de custos podem explicar a resistência para investir

Leia mais

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015

www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 54 CAPA www.economiaemercado.sapo.ao Agosto 2015 CAPA 55 ENTREVISTA COM PAULO VARELA, PRESDIDENTE DA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA PORTUGAL ANGOLA O ANGOLA DEVE APOSTAR NO CAPITAL HUMANO PARA DIVERSIFICAR

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro Tema: Emprego

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro Tema: Emprego Boletim de Conjuntura Econômica Outubro Tema: Emprego Brasil Atinge mais de 2 milhões de Emprego em 2010 Setor de Serviços lidera com 35% dos empregos Gerados no período Em setembro foram gerados 246.875

Leia mais

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo.

O gráfico 1 mostra a evolução da inflação esperada, medida pelo IPCA, comparando-a com a meta máxima de 6,5% estabelecida pelo governo. ANO 4 NÚMERO 31 OUTUBRO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1-CONSIDERAÇÕES INICIAIS O gerenciamento financeiro do governo, analisado de forma imparcial, se constitui numa das

Leia mais

Comentários sobre os resultados

Comentários sobre os resultados Comentários sobre os resultados Os resultados da conta financeira e da conta de patrimônio financeiro são consolidados na relação da economia nacional com o resto do mundo e não consolidados para os setores

Leia mais

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO

A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO A IMPORTÃNCIA DO CAPITAL DE GIRO E ALGUMAS SOLUÇÕES PARA O PROBLEMA DE CAPITAL DE GIRO Este artigo cientifico, apresenta de maneira geral e simplificada, a importância do capital de giro para as empresas,

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO

A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 RESUMO 1 A EVOLUÇÃO DO INVESTIMENTO EXTERNO DIRETO (IED) NO BRASIL: 1995-2013 1 Cleidi Dinara Gregori 2 RESUMO Este artigo tem como objetivo analisar a evolução do investimento externo direto, também conhecido

Leia mais

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas

número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas número 3 maio de 2005 A Valorização do Real e as Negociações Coletivas A valorização do real e as negociações coletivas As negociações coletivas em empresas ou setores fortemente vinculados ao mercado

Leia mais

O E n g a n o d o E s p e l h o A C o n s t i t u i ç ã o d o S u j e i t o. S u z a n a M a r i a d o E g i t o R o d r i g u e s

O E n g a n o d o E s p e l h o A C o n s t i t u i ç ã o d o S u j e i t o. S u z a n a M a r i a d o E g i t o R o d r i g u e s O E n g a n o d o E s p e l h o A C o n s t i t u i ç ã o d o S u j e i t o S u z a n a M a r i a d o E g i t o R o d r i g u e s E s p e l h o, e s p e l h o m e u... d i r á a b r u x a m a l v a d a

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

Crescimento de debêntures financia capital de giro

Crescimento de debêntures financia capital de giro 20 jul 2006 Nº 5 Crescimento de debêntures financia capital de giro Por André Albuquerque Sant Anna Economista da Secr. Assuntos Econômicos Emissões batem recordes mas destino principal é o reforço de

Leia mais

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva.

O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. O monitoramento das atividades de pesquisa e desenvolvimento em um contexto de globalização competitiva. Lia Prado Arrivabene Cordeiro 1. INTRODUÇÃO A pesquisa que em curso tem como objetivo verificar

Leia mais

BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE

BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE BOLETIM ECONÔMICO CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE CONSTRUÇÃO CIVIL EM ANÁLISE Nº 01 JANEIRO 2016 1 ÍNDICE SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO... 2 1 INDICADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL... 3 1.1 CUB PARÁ - DEZEMBRO

Leia mais

Parcerias Público-Privadas (PPP) Acadêmicos no fornecimento de desenvolvimento da primeira infância

Parcerias Público-Privadas (PPP) Acadêmicos no fornecimento de desenvolvimento da primeira infância Parcerias Público-Privadas (PPP) Acadêmicos no fornecimento de desenvolvimento da primeira infância CONFERÊNCIA GLOBAL SOBRE DESENVOLVIMENTO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Fundação Maria Cecília Souto Vidigal FMCSV

Leia mais

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema

1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema 1 INTRODUÇÃO 1.1 O problema Para se estudar os determinantes do investimento é preciso, em primeiro lugar, definir o investimento. Segundo Galesne (2001) fazer um investimento consiste, para uma empresa,

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL JULHO 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL JULHO 2015 A indústria da região de Campinas indica, em julho de 2015, resultados um pouco melhores que os inferiores àqueles visualizados no ano passado dos meses anteriores, mas Este relatório de Sondagem Industrial

Leia mais

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS

SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS SONDAGEM INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DE ALAGOAS Indicadores dos Níveis de Atividade e Emprego continuam em tendência de queda na Indústria da Construção de Alagoas e do Nordeste no 2º Trimestre de 2015 2º

Leia mais

AVALIAÇÃO IMOBILIÁRIA II

AVALIAÇÃO IMOBILIÁRIA II Indice Fases do Processo de Avaliação Fases do processo de avaliação Fase 1 Fase 2 Fase 3 Fase 4 Fase 5 Fase 6 Negociação dos termos do acordo Recolha de informação sobre o activo Definição dos pressupostos

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T14 em português TOTVS (TOTS3 BZ) 31 de julho de 2014

Transcrição da Teleconferência Resultados 2T14 em português TOTVS (TOTS3 BZ) 31 de julho de 2014 Operadora: Bom dia. Sejam bem-vindos à teleconferência da TOTVS referente aos resultados do 2T14. Estão presentes os senhores Alexandre Mafra, Vice-Presidente Executivo e Financeiro e Vice-Presidente de

Leia mais

Indicadores de Desempenho Novembro de 2014

Indicadores de Desempenho Novembro de 2014 Novembro de 2014 PANORAMA CONJUNTURAL FIEA A Economia Brasileira no terceiro trimestre de 2014 O desempenho da economia brasileira no terceiro trimestre de 2014, tanto na margem como em relação ao mesmo

Leia mais

PIB Produto Interno Bruto

PIB Produto Interno Bruto CARTA ECONÔMICA Nº 11/2015 Senhores Conselheiros, Gestores e Membros do Comitê de Investimentos, No atual momento econômico vem surgindo a dúvida se o Brasil está em recessão ou em depressão. Se por recessão

Leia mais

BRASIL Julio Setiembre 2015

BRASIL Julio Setiembre 2015 Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Julio Setiembre 2015 Prof. Dr. Rubens Sawaya Assistente: Eline Emanoeli PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 42 setembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 42 setembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 42 setembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Eleição presidencial e o pensamento econômico no Brasil 1 I - As correntes do pensamento econômico

Leia mais

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP

MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR PDP MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DO DESENVOLVIMENTO DA PRODUÇÃO DEPARTAMENTO DE MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL OPERACIONAL PLANO DE DESENVOLVIMENTO PRELIMINAR

Leia mais

Ò ÓÙÚ Ä Ö ØÙ Ó ØÖ Ù Ó È ÕÙ ÒÓ Ç ØÓ ÒÓ Ë Ø Ñ ËÓÐ Ö Ì ÔÖ ÒØ ÍÒ Ú Ö Ö Ð Î Ó ÓÑÓ Ô ÖØ Ü ¹ Ò Ó ÔÖÓ Ö Ñ È Ó ¹ Ö Ù Ó Ñ ÔÐ Ô Ö Ó Ø Ò Ó Ó Ø ØÙÐÓ Å Ø Ö Ë ÒØ º ÎÁ ÇË ÅÁÆ Ë Ê ÁË ¹ Ê ËÁÄ ¾¼¼ Ñ Ò ÔÓ Â Ò Ö Ñ Ò Ð ÄÙ ÒÒ

Leia mais

Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO

Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO Associação Nacional dos Usuários do Transporte de Carga TRANSPORTE E LOGÍSTICA NO BRASIL VISÃO DO SETOR PRIVADO SEMINÁRIO SOBRE TRANSPORTE E LOGÍSTICA BANCO MUNDIAL / MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Eng Luis

Leia mais

Nota Data 8 de maio de 2013

Nota Data 8 de maio de 2013 Nota Data 8 de maio de 2013 Contato Flávio Resende Proativa Comunicação flavioresende@proativacomunicacao.com.br Tel: (61) 3242-9058/9216-9188 Kadydja Albuquerque Proativa Comunicação coordenacao@proativacomunicacao.com.br

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014

Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de Serviços de Engenharia 29/05/2014 Exportação de serviços de engenharia Benefícios para o Brasil Mercado Internacional Mecanismos de Apoio Oficial Propostas Índice O QUE SÃO OS SERVIÇOS DE

Leia mais

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS

SINCOR-SP 2015 DEZEMBRO 2015 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS DEZEMBRO 20 CARTA DE CONJUNTURA DO SETOR DE SEGUROS 1 Sumário Palavra do presidente... 3 Objetivo... 4 1. Carta de Conjuntura... 5 2. Análise macroeconômica... 6 3. Análise do setor de seguros 3.1. Receita

Leia mais

Tema 12. Competitividade empresarial

Tema 12. Competitividade empresarial Tema 12. Competitividade empresarial Competitividade é um conceito amplo que integra três dimensões: - a empresarial, cujo foco principal está na gestão; - a estrutural, que enfatiza as cadeias e os arranjos

Leia mais

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014

Notícias Economia Internacional. e Indicadores Brasileiros. Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Notícias Economia Internacional e Indicadores Brasileiros Nº 2/2 - Janeiro de 2014 Sindmóveis - Projeto Orchestra Brasil www.sindmoveis.com.br www.orchestrabrasil.com.br Realização: inteligenciacomercial@sindmoveis.com.br

Leia mais

Confiança no crescimento em baixa

Confiança no crescimento em baixa 10Minutos 19ª Pesquisa Global com CEOs Setor de Engenharia e Construção Confiança no crescimento em baixa Destaques Março 2016 Destaques Com 65% das indicações, suborno e corrupção são consideradas as

Leia mais

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui

CURSO. Master in Business Economics 1. vire aqui CURSO MASTER In Business Economics Master in Business Economics 1 vire aqui DISCIPLINAs O aluno poderá solicitar a dispensa das disciplinas básicas: Matemática Básica, Estatística Aplicada e Contabilidade.

Leia mais

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1

Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes 1 Fernanda De Negri Luiz Ricardo Cavalcante No período entre o início da década de 2000 e a eclosão da crise financeira internacional, em 2008, o Brasil

Leia mais

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia

Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Iniciativa Nacional de Inovação em Biotecnologia Visão Atual e 2021 3º CB APL 29 de novembro de 2007. Brasília - DF 1 CONTEXTO Fórum de Competitividade de Biotecnologia: Política de Desenvolvimento da

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II REESTRUTURAÇÃO FINANCEIRA NAS ORGANIZAÇÕES Neste módulo, estudaremos como ocorre a reestruturação financeira nas empresas, apresentando um modelo de planejamento de revitalização, com suas características

Leia mais

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000)

Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Anexo IV Metas Fiscais IV.1 Anexo de Metas Fiscais Anuais (Art. 4 o, 1 o, inciso II do 2 o da Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de 2000) Em cumprimento ao disposto na Lei Complementar n o 101, de

Leia mais

RECEITA DE SUCESSO. Introdução

RECEITA DE SUCESSO. Introdução RECEITA DE SUCESSO Empresa: Cook Club Supergelados Belo Horizonte/MG Autoria: Andréa Tristão dos Anjos Lanza e Marden Márcio Magalhães Introdução Minas Gerais é lembrada pelas suas montanhas, pelo seu

Leia mais

SONDAGEM DE EXPECTATIVAS DA INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO. Fundação Getulio Vargas

SONDAGEM DE EXPECTATIVAS DA INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO. Fundação Getulio Vargas SONDAGEM DE EXPECTATIVAS DA INDÚSTRIA DE PRÉ-FABRICADOS DE CONCRETO Fundação Getulio Vargas FGV Dezembro 2013 HISTÓRICO RECENTE A SONDAGEM HISTÓRICO RECENTE Evolução do PIB e VA 20,0% 15,0% 10,0% Taxas

Leia mais

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006

MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 MENSAGEM DA DIRETORIA JUNHO/2006 A Diretoria do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul BRDE, em cumprimento às determinações legais e regimentais, apresenta as Demonstrações Financeiras relativas

Leia mais

Antonio Plais. Modelo de Decisão: Evoluindo o Gerenciamento de Processos e de Regras de Negócio

Antonio Plais. Modelo de Decisão: Evoluindo o Gerenciamento de Processos e de Regras de Negócio C o m m u n i ty. IIBA.org I I B A. o r g i n f o @ I I B A. o r g. O Modelo de Decisão: Evoluindo o Gerenciamento de Processos e de Regras de Negócio Antonio Plais 20/02/2014 Moderador Os webinars em

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Setembro 2015 As exportações paranaenses, em setembro, apresentaram queda de -8,61% em relação a agosto. O valor exportado atingiu a US$ 1,293 bilhão, ficando,

Leia mais

NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES

NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES NOTA CEMEC 07/2015 FATORES DA DECISÃO DE INVESTIR DAS EMPRESAS NÃO FINANCEIRAS UM MODELO SIMPLES Setembro de 2015 O CEMEC não se responsabiliza pelo uso dessas informações para tomada de decisões de compra

Leia mais

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia

Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Carga Tributária e seus Efeitos na Economia Jorge Lins Freire Presidente da Federação das Indústrias do Estado da Bahia Congresso do Conselho de Contribuintes do Ministério da Fazenda Brasília, 14 de setembro

Leia mais

Eng. Castro Ferreira, Director do Departamento de Obras Municipais; que preside ao concurso;

Eng. Castro Ferreira, Director do Departamento de Obras Municipais; que preside ao concurso; RELATÓRIO FINAL DA ANÁLISE DAS PROPOSTAS P r o c e d i m e n t o a d o p t a d o : C o n c u r s o P ú b l i c ional o I n artigo t e r n a 2 c 2 6 º do DL 1 8 / 2 0 0 8 de 2 9 de Janeiro A n á l i s e

Leia mais

Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior

Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior propostas de política comercial Entraves às exportações brasileiras limitam o crescimento das vendas ao exterior Marcelo Souza Azevedo O Brasil não pode cair na armadilha de acreditar que o mercado consumidor

Leia mais

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise

Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise Pedro Mizutani acredita que setor sucroenergético deve sentir uma recuperação mais acelerada da crise A crise econômica afeta o setor sucroenergético principalmente, dificultando e encarecendo o crédito

Leia mais

¾ Ò Ñ Ó ÐÙ Ó ÓÑÔÐ Ñ ÒØ ËÙ Ø ÒØ Ó ÓÑÔÐ Ñ ÒØ Ø ÓÒ Ó Ù ÝÒ Ñ Ò ÖÓ ÝÒ Ñ Ð Ø ÃÐ Ù Ï ÐØÒ Ö Å ÖØ Ò ÁÒ ÐÑ Ò¹ËÙÒ Ö ÒØÓÒ Ó Ë Ö Ó Ô Ö Ó È ÙÐÓ Å Ö Ò ÁÒ Ø ØÙØÓ Í ÊÙ Ø ÒÓ ÅÓÙÖ ½¾ ¹ Ö Ó ÑÔÙ ÍÒ Ú Ö Ø Ö Ó ÇÒ Ò È ¼º¾½¼¹

Leia mais

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países

Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países Para o Boletim Econômico Edição nº 45 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Lições para o crescimento econômico adotadas em outros países 1 Ainda que não haja receita

Leia mais

Plano de Gestão de Logística Sustentável

Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Plano de Gestão de Logística Sustentável Abril 2013 Sumário 1 Introdução 3 2 Objetivos 4 3 Implementação e avaliação 4 4 Planos de ação 5 5 Cronogramas 28 6 Inventário de materiais 46 7 Referências

Leia mais

COMO TRATAR O VALOR RESIDUAL NA ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO

COMO TRATAR O VALOR RESIDUAL NA ANÁLISE DE UM NOVO INVESTIMENTO COMO TRATAR O VALOR RESIDUAL NA ANÁLISE DE UM Para novos investimentos com ciclo de vida determinado. Para novos investimentos com ciclo de vida indeterminado. Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br)

Leia mais

FIDC para cadeia automotiva

FIDC para cadeia automotiva FIDC para cadeia automotiva Seminário BID e ABDE O Papel das Instituições Financeiras de Desenvolvimento no Desenvolvimento Regional e o Fomento ao Investimento Privado de Longo Prazo 5-6 de Junho 2013

Leia mais

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO ANÁLISES DO PERÍODO 1996/2014

CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO ANÁLISES DO PERÍODO 1996/2014 CENÁRIO ECONÔMICO BRASILEIRO ANÁLISES DO PERÍODO / BOLETIM: OUTUBRO/2015 PESQUISA DE PRODUTIVIDADE SOBRE A EQUIPE TÉCNICA DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL (FDC) COORDENAÇÃO TÉCNICA DA PESQUISA DE PRODUTIVIDADE:

Leia mais

Revista Istoé Dinheiro 16/08/2015 Desânimo elétrico

Revista Istoé Dinheiro 16/08/2015 Desânimo elétrico Revista Istoé Dinheiro 16/08/2015 Desânimo elétrico Há dois anos em crise, com custos nas alturas, o setor elétrico aguardava com enorme expectativa o anúncio do Programa de Investimento em Energia Elétrica,

Leia mais

TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO

TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO TURCAMBIO A TURCAMBIO, vem percorrendo uma trajetória de sucesso na região sul do nosso país desde 1987. No ano de 2012, fomos a primeira agência de turismo a receber autorização do Banco Central do Brasil para

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Itaúna, 12 de julho de 2013. O presidente da AMM, Prefeito de Barbacena Antônio Carlos Andrada

Itaúna, 12 de julho de 2013. O presidente da AMM, Prefeito de Barbacena Antônio Carlos Andrada FIEMG Regional oferece Curso de Gestão Comercial para empresas A FIEMG Regional Centro- Oeste inova mais uma vez ao oferecer ao mercado o curso Gestão Comercial. O curso terá início no dia 25 de Julho,

Leia mais

D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a

D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a C A R T A D E A P R E S E N T A Ç Ã O E s p e c i a l i s t a s e m h i g i e n e D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a 1 A D A N I F E R H I G I E N E I N D U S T R I A L, L d a. é u

Leia mais

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015

Indicadores de Desempenho Publicado em Novembro de 2015 Publicado em Novembro de 2015 Fatos Relevantes Agosto/2015 Vendas Industriais As vendas industriais registraram expansão de 28,40% em agosto. Trata-se do maior aumento dos últimos três meses e aponta para

Leia mais