FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO PLENA. Desde a criação do primeiro Programa de NA PÓS-GRADUAÇÃO"

Transcrição

1 FORMAÇÃO PLENA NA PÓS-GRADUAÇÃO Desde a criação do primeiro Programa de Pós- Sricto Sensu, em Fitotecnia, em 1975, a UFLA ocupou-se de pautar as suas ações em fundamentos morais sólidos e em valores que são sempre rememorados. Entre os valores partilhados pela comunidade acadêmica, destacam-se a devoção ao saber, a ética do trabalho, o rigor científico e a orientação para o futuro. Em 2012, somam-se 48 cursos, em 20 Programas de Doutorado, 23 de Mestrado e cinco Mestrados Profissionais. Sempre tendo como metas a excelência e a qualidade, a UFLA soube manter o arrojado plano de capacitação docente, antecipando a necessidade de oferta de ensino de alto nível. O elevado grau de quali- ficação docente e o desenvolvimento da pesquisa foram fatores determinantes não apenas para a criação de cursos, mas também para sua consolidação ao longo do tempo. A evolução do número de programas, vagas ofertadas e bolsas oferecidas também acompanha a crescente demanda por profissionais com elevada especialização, devido ao rápido crescimento econômico que o Brasil experimentava na década de 1970 e na primeira década do século XXI. Considerada hoje uma universidade de pesquisa, conquistou uma posição de destaque no cenário nacional por acreditar que o desenvolvimento sustentado sempre exige competência técnica e inovação tecnológica, fruto do forte investimento na Pós-, cujo crescimento sempre foi pautado em condições satisfatórias de recursos humanos e infraestrutura. O processo de institucionalização da Pós- - stricto sensu na UFLA não pode ser visto de forma isolada ou como feito heroico de algumas pessoas. O contexto apresentado nos últimos anos reflete apenas uma fotografia de um empreendimento coletivo, que contou com a participação de diversas pessoas: dirigentes, coordenadores de Programas, docentes, discentes e servidores técnicos administrativos. Esse retrato evidencia a expansão das atividades acadêmicas da Pós- -, sem contudo, perder sua qualidade e potencial criativo.

2 Avanços recentes 38 No período , houve expansão associada à melhoria da qualidade dos Programas de Pós-. Esse processo ocorreu em função da elaboração de uma política de Pós- stricto sensu da UFLA, que estimulou a implantação de diversas mofidicações acadêmicas, como a intensificação do programa de qualificação do corpo docente; criação de mecanismos de incentivo à produção científica; criação de novos Programas em áreas do conhecimento consideradas estratégicas; reformulação das práticas educacionais e formação de parcerias interinstitucionais visando ao fortalecimento e melhoria dos padrões de qualidade. Entre os fatores que influenciaram a evolução da Pós- da UFLA, também merecem destaque nos últimos anos. A intensificação da integração entre graduação e pós- -graduação; a ampliação da inserção internacional; aumento no número de vagas ofertadas; novas metodologias para acompanhamento e avaliação dos Programas, incluindo formulação de nova matriz de distribuição de recursos financeiros em função de metas alcançadas; ampliação da visibilidade dos Programas, entre outras políticas centradas na produção de resultados qualificados. Expansão com qualidade A expansão da Pós- pode ser verificada por meio do aumento do número de discentes ingressantes e matriculados, número de titulados e evolução do número de cursos de Mestrado, Doutorado e Mestrado Profissional ofertados. No que concerne ao número de ingressantes, a Pós- Stricto Sensu da UFLA experimentou, entre 2004 e 2011 um crescimento da ordem de 102 %, justificado pela criação de novos Programas, ampliação do números de vagas e melhoria da qualidade que estimulou a procura pelos diversos Programas. Consequentemente, essa expansão gerou entre 2004 e 2011 aumento do número de titulados da ordem de 230%, sendo no referido período titulados 2185 mestres e 1002 doutores nas diferentes áreas do conhecimento. Destaca-se que os profissionais formados pelos Programas de Pós- são oriundos de diversas regiões do Brasil e de outros países. Essa distribuição geográfica relativa à origem dos candidatos também contribui para consolidar a inserão social e internacional da Pós- - da UFLA. M - Mestrado acadêmico D - Doutorado acadêmico MP - Mestrado profissional 39

3 Evolução do número de discentes ingressantes nos Programas Stricto Sensu A análise dos dados evidencia que a implantação de novos cursos também foi marca significativa do processo de crescimento da Pós- Stricto Sensu. No período de , o crescimento do número de cur- sos de Mestrado e Doutorado foi, respectivamente, de 64% e 67%. Destaca-se que a partir de 2008, a UFLA passou a ofertar cursos de Mestrado Profissional, dos quais cinco foram criados nos últimos quatro anos Evolução do número de cursos de Pós- Stricto Sensu Mestrado Doutorado Mestrado Profissional Evolução do número de discentes matriculados nos Programas Stricto Sensu Esse salto quantitativo foi acompanhado por forte movimento de melhoria da qualidade do ensino e da pesquisa na Pós-, cujo principal indicador são os conceitos obtidos pelos Programas de Pós- da UFLA na última avaliação realizada no triênio pela Capes, agência que apoia financeiramente as atividades desse nível de ensino e pesquisa. Nesta avaliação, que leva em consideração a proposta pedagógica e objetos do Programa, corpo docente e discente, qualidade das teses e dissertações, infraestrutura de ensino e pesquisa e inserção social, 45% dos Programas de Pós- dos 20 avaliados obtiveram conceitos superiores à avaliação realizada no triênio Acrescente-se que os Programas de Ciência do Solo e de Genética e Melhoramento de Plantas obtiveram conceito 6, por apresentar padrão de qualidade acadêmica equivalente àqueles alcançados pelos melhores centros de Pós- e pesquisa internacionais. Os Programas de Agroquímica, Ciência dos Alimentos, Entomologia, Fitopatologia, Fitotecnia, Microbiologia Agrícola, Zootecnia, Estatística e Experimentação obtiveram conceito 5, por apresentarem elevado padrão de qualidade. Os demais Programas receberam 41

4 42 Equipamentos de última geração dão suporte às pesquisas nos diferentes Programas de Pós- conceito 4, incluindo o de Biotecnologia Vegetal, que teve o seu conceito elevado. Esses resultados contribuíram de modo significativo para a formação do Índice Geral de Cursos (IGC), que colocou, em 2011, a UFLA em segundo lugar entre as instituições de ensino superior do país e primeiro lugar entre as universidades federais brasileiras. O padrão de qualidade historicamente construído por meio do trabalho coletivo de docentes, discentes e técnicos administrativos que atuam na Pós- tem sido reconhecido por diversas instituições brasileiras e internacionais. Como exemplo desse reconhecimento, a UFLA foi uma das instituições selecionadas para receber o Prêmio SciVal Brasil, lançado pela Editora Elsevier com o apoio da Capes, como reconhecimento às instituições que mais contribuem para a ciência, a tecnologia e a inovação e, consequentemente, para o desenvolvimento do pais. Esse prêmio colocou a UFLA em destaque entre as melhores instituições nacionais e internacionais, sendo justificada a escolha da UFLA em virtude do crescimento da produção científica e publicação de artigos científicos originados de projetos de pesquisas, dissertações e teses desenvolvidas entre 2006 e A UFLA destacou-se como a instituição de ensino e pesquisa que teve o maior crescimento de produção científica, entre todas as instituições avaliadas pela Capes. Ressalta-se que em 2012, a Pós- Stricto Sensu conta com 335 docentes, sendo que, desse total, 286 são permanentes e 49 colaboradores. Outro indicador que revela a qualidade da pós-gaduação é a presença de 147 docentes com bolsa de produtividade em pesquisa, ou seja, cerca de 51,39% dos 286 docentes permanentes que atuam nos programas de Pós- possuem bolsa de produtividade do CNPq. O crescimento da publicação científica realizada pelo conjunto de docentes e discentes da Pós- pode ser explicado por diversos fatores, entre eles: o potencial de captação de recursos para financiar projetos de pesquisa; qualificação do corpo docente, constituído por 100% de doutores titulados nas melhores instituições brasileiras e do mundo; investimentos realizados em laboratórios de pesquisa e de informática; investimentos realizados na compra de livros, intensificação do programa de qualificação do corpo docente por meio de estágios de pós-doutoramento, que fortaleceu o desenvolvimento de novos métodos de produção do conhecimento; e implantação do Programa de Apoio à Publicação Científica (PAPC), a partir de Essa última iniciativa tem por objetivo financiar os serviços de tradução e correção de artigos que são publicados em língua estrangeira. Para tanto, a Pró-Reitoria de Pós- - tem publicado editais em regime de fluxo contínuo, disponibilizando recursos anualmente à comunidade acadêmica. Entre 2008 e 2012, todos os artigos traduzidos foram submetidos a periódicos com fator de impacto. Uma outra medida foi a criação de programa de treinamento de docentes e discentes para o uso do portal de periódicos científicos da Capes, que conta atualmente com um acervo de mais de 30 mil periódicos com textos completos, 130 bases referenciais, dez bases dedicadas exclusivamente a patentes, além de livros, enciclopédias e obras de referência, normas técnicas, estatísticas e conteúdo audiovisual. Nos últimos anos, foram qualificadas mais de 1000 pessoas, incluindo discentes, docentes e técnicos administrativos da UFLA. Esse processo contribuiu de modo significativo para que as estatísticas de uso do referido portal também crescessem numa ordem de 30% ao ano. Financiamento e infraestrutura A Pós- Stricto sensu tem sido, desde a sua criação, financiada por agências de fomento (Capes, CNPq, Fapemig) e pela própria UFLA, que aporta recursos e disponaliza a infraestrutura de pesquisa e ensino, tecnologia de informação, transporte e serviços de manutenção de laboratórios, redes de computadores e de infraestrutura física. Ressalta-se que a Capes é a principal agência de fomento (custeio e bolsas), seguida do CNPq e da Fapemig, que concedem bolsas e financiam projetos de pesquisa diretamente aos docentes de Pós-. Entre 2001 e 2012, o número total de bolsas de estudos concedidas ao corpo discente cresceu cerca de 174%, ou seja, de 367 para 1005 bolsas, o que evidencia o crescimento exponencial nos últimos quatro anos. Esse comportamento foi resultado de diversos fatores, dentre os quais destacam-se: as negociações da Direção Executiva com as agências de fomento, especialmente com a Capes, que lançou recentemente o programa Bolsa para Todos e a melhoria dos conceitos dos Programas, que permitiram a obtenção de novas cotas por mérito. Destaca-se que o crescimento do número de bolsas de doutorado foi de 262%. Essa evolução permitiu que, em 2011, cerca de 71% dos discentes regularmente matriculados nos diferentes Programas de Pós- fossem atendidos com bolsas de estudos. Percentual acima da média de concessão de bolsas do conjunto das instituições que integram o Sistema Nacional de Pós-, que é 33% dos discentes regulamente matriculados em todos os Programas recomendados pela Capes. Ressalte-se que a expansão do número de 43

5 Evolução do número de bolsas de Pós- investidos pela Capes, mas conta com recursos captados por meio de projetos institucionais e projetos individuais. Os investimentos em equipamentos destinados à melhoria da infraestrutura de pesquisa alcançaram, nos últimos quatro anos, cerca de 2 milhões de reais. Priorizou-se a aplicação de recursos em equipamentos de elevado padrão tecnológico e uso coletivo, fortacelendo o trabalho dos grupos de pesquisa e a interação entre os diversos Programas de Pós-. 14 Evolução da Aplicação de Recursos Capes (em milhões de reais R$) bolsas está atrelada ao aumento do volume de investimentos aplicados ao ensino e pesquisa de Pós-. Os valores de custeio e bolsas aplicados somente pela Capes na Pós- - foram quadruplicados, passando da casa dos 2.8 milhões em 2003, para a casa dos 11.8 milhões em A Pró-Reitoria de Pós- priorizou a alocação desses recursos na concessão de bolsas, cujo percentual foi de 83% do valor total investido. Cabe destacar também que o volume de recursos aplicados na Pós- não se limita àqueles Expansão com qualidade e reconhecimento nacional incentivam a criação de novos Programas de Pós- 45

Capes Critérios de Implantação Mestrado e Doutorado Acadêmico. Avaliação de Proposta de Cursos Novos APCN Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Dezembro / 2005

Capes Critérios de Implantação Mestrado e Doutorado Acadêmico. Avaliação de Proposta de Cursos Novos APCN Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Dezembro / 2005 CAPES PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS DOUTORADO ÁREA DE EDUCAÇÃO Os projetos de cursos novos de doutorado serão julgados pela Comissão de Avaliação da área de Educação com base nos dados obtidos

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO

POLÍTICA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE PERNAMBUCO REITORIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO POLÍTICA

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES

(MAPAS VIVOS DA UFCG) PPA-UFCG RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES 1 PPA-UFCG PROGRAMA PERMANENTE DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO DA UFCG CICLO 2006-2008 ANEXO (PARTE 2) DIAGNÓSTICOS E RECOMENDAÇÕES (MAPAS VIVOS DA UFCG) 2 DIMENSÃO MISSÃO E PDI MAPAS VIVOS DE

Leia mais

Criar cursos de graduação, tanto presenciais quanto à distância, e pós-graduação multidisciplinares.

Criar cursos de graduação, tanto presenciais quanto à distância, e pós-graduação multidisciplinares. 12.1) Otimizar a capacidade instalada da estrutura física e de recursos humanos das instituições públicas de educação superior mediante ações planejadas e coordenadas, de forma a ampliar e interiorizar

Leia mais

A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA

A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA 1 A PÓS-GRADUAÇÃO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA POSTGRADUATE STUDIES IN THE FEDERAL UNIVERSITY OF PARAIBA Maria José Lima da Silva 1 Os programas de pós-graduação desempenham importante papel na formação

Leia mais

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA

EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA EDITAL FACEPE 14/2008 PROGRAMA DE BOLSAS DE INCENTIVO ACADÊMICO - BIA A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Pernambuco FACEPE convida as universidades públicas de Pernambuco, federais ou estaduais,

Leia mais

DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE CAMPO GRANDE

DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE CAMPO GRANDE UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL ASSESSORIA DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E CAPTAÇÃO DE RECURSOS DIAGNÓSTICO DE FRAGILIDADES E POTENCIALIDADES UNIDADE DE CAMPO GRANDE LINHA TEMÁTICA (PROBLEMAS)

Leia mais

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL

DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL DIRETRIZES E PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE PROPOSTAS DE CURSOS NOVOS DE MESTRADO PROFISSIONAL I) Apresentação Este documento descreve as diretrizes e parâmetros de avaliação de mestrado profissional em Administração,

Leia mais

DIRETRIZES DIRETRIZES

DIRETRIZES DIRETRIZES A grande entrada de novos Doutores pelo REUni nas IFES, bem como a capacitação proposta nos âmbitos pré e pós PAPG, deve gerar um aumento significativo na demanda para financiamento de Projetos de Pesquisa.

Leia mais

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas

EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Diretoria de Programa de Pesquisa EDITAL UCB 001/2012 Propostas de Pesquisas A Universidade Católica de Brasília - UCB, por intermédio do Presidente do Conselho

Leia mais

Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP

Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP A formulação de um PDI deve partir de metas definidas pela parceria entre a comunidade e a administração central da

Leia mais

Ficha de Avaliação do Programa

Ficha de Avaliação do Programa Ficha de Ficha de do Programa Período de : 2007 a 2009 Etapa: Trienal 2010 Área de : 2 - CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO IES: 24001015 - UFPB/J.P. - UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA/JOÃO PESSOA Programa: 24001015047P4

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI / IFAL / CNPq

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIBITI / IFAL / CNPq SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Ministério da Educação Secretária de Educação Profissional e Tecnológica Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação EDITAL RETIFICADO N o 02/2013 PRPI/IFAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS

Leia mais

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros.

3.1 Ampliar o número de escolas de Ensino Médio de forma a atender a demanda dos bairros. Meta 1 - Universalizar, até 2016, o atendimento escolar da população de quatro e cinco anos, e ampliar, até 2025, a oferta de Educação Infantil de forma a atender a 50% da população de até 3 anos. Estratégias:

Leia mais

PROGRAMA : 104 - Educação Superior no Século XXI ÓRGÃOS PARTICIPANTES

PROGRAMA : 104 - Educação Superior no Século XXI ÓRGÃOS PARTICIPANTES Governo do Estado da Bahia Seplan / SPO Cadastro do PPA PPA 22 25 Valores Iniciais Parametrização: Órgão Coordenador Órgão Responsável Órgão Orçamentário 3.11.640 Universidade Estadual de Santa Cruz PROGRAMA

Leia mais

I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC:

I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC: Boletim 03/2011 I WORKSHOP DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UESC: http://www.uesc.br/nucleos/nit/index.php?item=conteudo_projetos.php Visite nosso blog: / Editais / FAPESB Edital 022/2010 Apoio a Pesquisa

Leia mais

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004

DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS. Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DAS POLÍTICAS INSTITUCIONAIS DA PUC-CAMPINAS Aprovadas na 382ª Reunião do CONSUN de 16/12/2004 DIRETRIZES DA POLÍTICA DE GRADUAÇÃO 1. Estímulo e apoio ao desenvolvimento dos projetos pedagógicos

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 798, DE 2015 (DE INICIATIVA DA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA)

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 798, DE 2015 (DE INICIATIVA DA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA) SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 798, DE 2015 (DE INICIATIVA DA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA) O Congresso Nacional decreta: Institui o Programa Ciência

Leia mais

CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO DE LÍDERES E CERTIFICAÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA DO IFAM. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO DE LÍDERES E CERTIFICAÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA DO IFAM. CAPÍTULO I DAS FINALIDADES CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO DE LÍDERES E CERTIFICAÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA DO IFAM. Este Regulamento dispõe sobre os Critérios para Credenciamento de Líderes e Certificação de Grupos de Pesquisa do

Leia mais

Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia PÓS-GRADUAÇÃO Pós-Graduação 4. PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO 4.1 Apresentação Toda Instituição necessita de um mundo amadurecido cientifica e tecnologicamente,

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA

COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA COMISSÃO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N o 560, DE 2015 Dispõe sobre critério para a concessão de bolsas pelas agências federais de fomento à pesquisa. Autor: Deputado

Leia mais

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC. Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA Comitê Gestor do SIBRATEC Resolução Comitê Gestor SIBRATEC nº 001, de 17 de março de 2008. Aprova as Diretrizes Gerais do Sistema Brasileiro de Tecnologia - SIBRATEC.

Leia mais

Ir. Elvo Clemente. Mons. Urbano Zilles

Ir. Elvo Clemente. Mons. Urbano Zilles Histórico A Pós-Graduação na Universidade é quase tão antiga como a própria instituição. Os títulos de magister (mestre) e doctor (doutor) remontam ao período medieval. Entretanto, como a história da universidade

Leia mais

Treinamento da Plataforma Sucupira. Bergmann Morais e Demétrio Filho (DPP Diretoria)

Treinamento da Plataforma Sucupira. Bergmann Morais e Demétrio Filho (DPP Diretoria) Treinamento da Plataforma Sucupira Bergmann Morais e Demétrio Filho (DPP Diretoria) Sumário Apresentação sobre a CAPES, sua missão e os objetivos da avaliação Overview da plataforma Sucupira CAPES A Campanha

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I

Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I Plano de Ação e Programa de Formação de Recursos Humanos para PD&I 1. Plano de Ação A seguir apresenta-se uma estrutura geral de Plano de Ação a ser adotado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria-Geral da Presidência Instituto Serzedello Corrêa

TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO Secretaria-Geral da Presidência Instituto Serzedello Corrêa ISC comemora resultados recordes em 2008 Nos últimos 4 anos o ISC dobrou o número de eventos promovidos e de matrículas efetivadas, atendendo, em média, 1.389 servidores e 637 convidados por ano Apurados

Leia mais

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Programas e Bolsas no País - DPB

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Programas e Bolsas no País - DPB Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - CAPES Diretoria de Programas e Bolsas no País - DPB EDITAL Nº 019/2010/CAPES Chamada para Publicação Revista Brasileira de Pós-Graduação RBPG

Leia mais

EDITAL PROPI Nº 007/2014 - Bolsas de Doutorado e Auxílio Moradia na Modalidade do Novo Programa de Formação Doutoral Docente/CAPES (Novo Prodoutoral)

EDITAL PROPI Nº 007/2014 - Bolsas de Doutorado e Auxílio Moradia na Modalidade do Novo Programa de Formação Doutoral Docente/CAPES (Novo Prodoutoral) EDITAL PROPI Nº 007/2014 - Bolsas de Doutorado e Auxílio Moradia na Modalidade do Novo Programa de Formação Doutoral Docente/CAPES (Novo Prodoutoral) O Pró-Reitor de Pesquisa e Inovação do Instituto Federal

Leia mais

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013

ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014 E CS 25/2015 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 38/2013, DE 1º DE OUTUBRO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 ALTERADA PELAS RESOLUÇÕES CS 14/2014

Leia mais

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC

NUCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA - UESC Boletim 08 Editais / FAPESB Visite nosso blog: / Edital convida os pesquisadores a apresentarem projetos de pesquisa da área de saúde e em conformidade com os temas, no âmbito do Programa Pesquisa para

Leia mais

EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT.

EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT. EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT. A PRO-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO - PR-PPGI,

Leia mais

Chapa Campus para Todos

Chapa Campus para Todos 1 Carta Programa aos alunos, funcionários e professores do Campus Sorocaba da UFSCar para apresentação das candidaturas dos Professores Doutores André Cordeiro Alves dos Santos e Laércio José dos Santos

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 03 de Abril de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: GEOGRAFIA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ARTES/MÚSICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2016 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO: 2016 COORDENADOR DE ÁREA: ANTÔNIA PEREIRA BEZERRA COORDENADOR ADJUNTO: VERA BEATRIZ SIQUEIRA

Leia mais

1º O PIPG compreende as seguintes ações:

1º O PIPG compreende as seguintes ações: RESOLUÇÃO N o 005, de 25 de fevereiro de 2013. Regulamenta o Programa de Incentivo à Pós-Graduação Stricto Sensu (PIPG) da UFSJ. A PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI

Leia mais

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro

Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro Plano Nacional de Educação: uma dívida histórica do Estado brasileiro A Associação Nacional de Política e Administração da Educação ANPAE, fundada em 1961 1, é uma associação civil de caráter educativo,

Leia mais

FAPERJ CNPQ. EDITAL MCT/CNPq Nº066/2010 Objetivo:

FAPERJ CNPQ. EDITAL MCT/CNPq Nº066/2010 Objetivo: FAPERJ EDITAL FAPERJ Nº22/2010-PROGRAMA APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO REGIONAL NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO-2010 Apoiar o desenvolvimento científico e tecnológico no Estado do Rio de

Leia mais

Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação

Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Pesquisa, Criação e Inovação Coordenadoria de Pesquisa e Criação Pró-Reitoria de Ensino de Pós-Graduação EDITAL PROPCI-PROPG/UFBA 02/20 PRODOC-UFBA A Pró-Reitoria

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Casa de Nossa Senhora da Paz Ação Social Franciscana UF: SP ASSUNTO: Credenciamento da Universidade São Francisco,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA REABILITAÇÃO NORMA N o 01/PPGCR/2015 de 17 de junho de 2015. Dispõe sobre o credenciamento e recredenciamento de docentes no PPGCR. O Colegiado Pleno do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Reabilitação (PPG-CR)

Leia mais

Uma Luz Sobre as Práticas Docentes na Pós- Graduação: a Pesquisa Sobre Ensino e Aprendizagem em Administração

Uma Luz Sobre as Práticas Docentes na Pós- Graduação: a Pesquisa Sobre Ensino e Aprendizagem em Administração Documentos e Debates Uma Luz Sobre as Práticas Docentes na Pós- Graduação: a Pesquisa Sobre Ensino e Aprendizagem em Administração Tânia Fischer... UMA PROPOSTA ROPOSTA... Neste texto, formula-se um convite

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Consolidação da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior.

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA APCN - 2016

ORIENTAÇÕES PARA APCN - 2016 Identificação Área de Avaliação: Química Coordenador de Área: Adriano Lisboa Monteiro Coordenador-Adjunto de Área: Maysa Furlan Coordenador-Adjunto de Mestrado Profissional: Paulo Anselmo Ziani Suarez

Leia mais

CRITÉTIOS DE AVALIAÇÃO DA CAPES

CRITÉTIOS DE AVALIAÇÃO DA CAPES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU MESTRADO PROFISSIONAL TECNOLOGIA,

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL/COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO PROJETO DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: EFETIVIDADE E QUALIDADE Goiânia, Dezembro de 2015 SUMÁRIO 1 CONTEXTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA CONSELHO UNIVERSITÁRIO Processo: 4.0049/04- Assunto: Proposta de resolução normativa que institui critérios para aferir a produtividade intelectual dos docentes da UNILA Interessado: Comissão Superior de Pesquisa - COSUP Relator:

Leia mais

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC

NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC NORMAS ESPECÍFICAS DA COMISSÃO COORDENADORA DO PROGRAMA (CCP) DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DA ESCOLA DE ENGENHARIA DE SÃO CARLOS EESC I - COMPOSIÇÃO DA COMISSÃO COORDENADORA DE PROGRAMA (CCP)

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO PPGD

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO PPGD Telefones: (55) 3332-0545 e (55) 3332-0351 - Endereço eletrônico: http://www.unijui.edu.br/ppgd Correio eletrônico: ppgd@unijui.edu.br PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM DIREITO CURSO DE MESTRADO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC (UFABC) Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas NORMAS INTERNAS O Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Políticas Públicas, com cursos em níveis de mestrado acadêmico

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação ANÁLISE PRELIMINAR DE PDTI Órgão: UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIA E SAÚDE DE PORTO ALEGRE - UFCSPA Objeto:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Coordenação de Educação a Distância CEAD, Pró-Reitoria de Graduação- PROGRAD, Pró- Reitoria de Extensão e Cultura PROExC, a Pró-Reitoria de Pós-Graduação

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015 A Reitoria do, por meio da (PROPPG/IFG), torna público o processo

Leia mais

d) ampliar a produção acadêmica e científica sobre questões relacionadas à educação, a partir das bases de dados do INEP;

d) ampliar a produção acadêmica e científica sobre questões relacionadas à educação, a partir das bases de dados do INEP; MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CAPES Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP EDITAL n o 001/2006/INEP/CAPES

Leia mais

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV

Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Pós-Graduação da UFV em debate 2012 26-27 de Novembro de 2012 Panorama e planejamento de Pós-graduação visando notas 06 e 07 na UFV Profa. Simone EF Guimarães Pós Graduação em Genética e Melhoramento UFV

Leia mais

INSTITUCIONALIZAÇÃO DA EAD NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO BRASILEIRO FLORIANÓPOLIS, 26 DE MARÇO DE 2013.

INSTITUCIONALIZAÇÃO DA EAD NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO BRASILEIRO FLORIANÓPOLIS, 26 DE MARÇO DE 2013. INSTITUCIONALIZAÇÃO DA EAD NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO BRASILEIRO FLORIANÓPOLIS, 26 DE MARÇO DE 2013. Sistema Universidade Aberta do Brasil Decreto n. 5.800, de 8/6/2006 Art. 1º Fica instituído o Sistema

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL Nº 002/2015/PROPE SELEÇÃO DE ORIENTADORES E PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PIBIC/FAPEMIG PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

ELEIÇÕES PARA DIREÇÃO ACADÊMICA DO CAMPUS BAIXADA SANTISTA (2015-2019) Chapa DIVERSIDADE E UNIÃO (SÍNTESE DO PROGRAMA)

ELEIÇÕES PARA DIREÇÃO ACADÊMICA DO CAMPUS BAIXADA SANTISTA (2015-2019) Chapa DIVERSIDADE E UNIÃO (SÍNTESE DO PROGRAMA) ELEIÇÕES PARA DIREÇÃO ACADÊMICA DO CAMPUS BAIXADA SANTISTA (2015-2019) Chapa DIVERSIDADE E UNIÃO (SÍNTESE DO PROGRAMA) ... ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando,

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011

FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL 2007-2011 Apucarana, dezembro de 2006 FACULDADE DO NORTE NOVO DE APUCARANA FACNOPAR PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

Leia mais

PROPOSTA DA NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA

PROPOSTA DA NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA PROPOSTA DA NOVA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA 1. INTRODUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS - UFLA Comissão, Portaria Reitor 1.136/setembro/2012 e Portaria 623/Julho/2013 Lavras, 9-12-2013 1 Esta proposta

Leia mais

Novas mídias e o Ensino Superior

Novas mídias e o Ensino Superior Novas mídias e o Ensino Superior Especial EaD Potencial de novas mídias na educação a distância no Sistema Universidade Aberta do Brasil É OBJETIVO DA CAPES A INTEGRAÇÃO E CONVERGÊNCIA ENTRE EDUCAÇÃO PRESENCIAL

Leia mais

Planejamento Estratégico 2014-2023. Autores Diretoria da Anpcont com base em consulta aos Programas Associados

Planejamento Estratégico 2014-2023. Autores Diretoria da Anpcont com base em consulta aos Programas Associados Planejamento Estratégico 2014-2023 Autores Diretoria da Anpcont com base em consulta aos Programas Associados Objetivos Clarificar as novas diretrizes e objetivos da Associação, face aos crescentes desafios

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

Modelo - Formulário de Adesão ao PROFBIO

Modelo - Formulário de Adesão ao PROFBIO Modelo - Formulário de Adesão ao PROFBIO Importante: É fundamental que os docentes participantes tenham seu LATTES atualizado e completo, para que seja feita a importação de dados para o APCN pela Plataforma

Leia mais

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE ACEF/1112/20967 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE QUÍMICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE QUÍMICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE QUÍMICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: QUÍMICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO

RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS RESUMO RESULTADOS E EFEITOS DO PRODOCÊNCIA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS Elisabete Duarte de Oliveira e Regina Maria de Oliveira Brasileiro Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior

Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior CAPA 1 República Federativa do Brasil Ministério da Educação Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Diretoria de Avaliação

Leia mais

Demonstrativo de Programas Temáticos Conferência Por Orgão - PPA 2016-2019. 2017 2018 2019 Total. Rio Grande do Norte 5 5 5 5 20

Demonstrativo de Programas Temáticos Conferência Por Orgão - PPA 2016-2019. 2017 2018 2019 Total. Rio Grande do Norte 5 5 5 5 20 Orgão Programa 0008 - EDUCAÇÃO SUPERIOR E TECNOLÓGICA Objetivo 0307 - Fortalecer a política de ensino superior de graduação e pós-graduação, por meio da sua interiorização, do desenvolvimento da pesquisa,

Leia mais

Indicadores de Avaliação de Programas de Pós-Graduação: um estudo comparativo na área da Matemática.

Indicadores de Avaliação de Programas de Pós-Graduação: um estudo comparativo na área da Matemática. Indicadores de Avaliação de Programas de Pós-Graduação: um estudo comparativo na área da Matemática. Ma. Renata Cristina Gutierres Castanha Dra. Maria Cláudia Cabrini Grácio 1 INTRODUÇÃO O desenvolvimento

Leia mais

PORTARIA 04/2015 Institui o Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica - NIC Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba

PORTARIA 04/2015 Institui o Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica - NIC Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba PORTARIA 04/2015 Institui o Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica - NIC Faculdade de Tecnologia de Carapicuíba Carapicuíba 2015 PORTARIA 04/2015 Institui o Núcleo de Pesquisa e Iniciação Científica

Leia mais

COGRAD: propostas para o EaD no Ensino Superior Público no Brasil Prof. Marcelo P. de Andrade

COGRAD: propostas para o EaD no Ensino Superior Público no Brasil Prof. Marcelo P. de Andrade SEMINÁRIO EAD: virtudes e desafios COGRAD: propostas para o EaD no Ensino Superior Público no Brasil Prof. Marcelo P. de Andrade Em 2015, o GTEaD apresentou a síntese da produção do grupo ao COGRAD. O

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

EDITAL N o 36/2014 PROENS/IFPR NOVO PRODOUTORAL/CAPES

EDITAL N o 36/2014 PROENS/IFPR NOVO PRODOUTORAL/CAPES EDITAL N o 36/2014 PROENS/IFPR NOVO PRODOUTORAL/CAPES O PRÓ-REITOR DE ENSINO DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ (IFPR), no uso de suas atribuições regimentais, por meio da Portaria n.º 86, de 03 de fevereiro

Leia mais

Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras - FIPECAFI

Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras - FIPECAFI Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras - FIPECAFI A Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi), que dá apoio ao Departamento de Contabilidade

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO

PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA DE PÓS-DOUTORADO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS Faculdade de Educação Física Coordenação de Pós-Graduação Rua Érico Veríssimo 701 - Barão Geraldo - Campinas/SP - 13083-851 Tel (19)3521-6609 PROCESSO SELETIVO PARA BOLSA

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC) PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NAS AÇÕES AFIRMATIVAS (PIBIC-Af) EDITAL Nº 004/2015-PROPPG,

Leia mais

Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Educação Especial

Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Educação Especial Programas Brasileiros de Pós-Graduação em Educação Especial FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS DE ALTO NÍVEL EM EDUCAÇÃO ESPECIAL* Deisy das Graças de Souza e Nivaldo Nale** Quando foi proposto, em 1977, o Programa

Leia mais

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS

NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS NORMAS INTERNAS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOCIÊNCIA TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Biotecnociência (PPG-BTC) está basicamente fundamentado nas normas

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

CHAMADA ESTÁGIO DE VERÃO AGÊNCIA ESPACIAL AMERICANA NASA I²

CHAMADA ESTÁGIO DE VERÃO AGÊNCIA ESPACIAL AMERICANA NASA I² CHAMADA ESTÁGIO DE VERÃO AGÊNCIA ESPACIAL AMERICANA NASA I² 1. DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1. A oportunidade de estágio de verão proporcionada pela parceria entre a Agência Espacial Brasileira e a Agência Espacial

Leia mais

EDITAL N 01/2013 SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA

EDITAL N 01/2013 SELEÇÃO DE PROJETOS DE INICIAÇÃO À PESQUISA CIENTÍFICA CENTRO DE ENSINO UNIFICADO DE TERESINA CEUT FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS, SAÚDE, EXATAS E JURÍDICAS DE TERESINA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL N 01/2013 SELEÇÃO DE PROJETOS DE

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA Rua Lizandro Nogueira, 1536 - Centro. Telefone: (0xx86)3215-7639 CEP.: 64.000-200 - Teresina Piauí E-Mail: semec.cme@teresina.pi.gov.br PARECER CME/THE Nº. 002/2009

Leia mais

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT

Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Ciência sem Fronteiras : O Programa Brasileiro de Mobilidade Científica no CNPq/MCT Objetivos Avanço da ciência brasileira em tecnologia, inovação e competitividade, através da expansão da mobilidade internacional:

Leia mais

REGIMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO) DA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO

REGIMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO) DA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO REGIMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO) DA UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO 2 SUMÁRIO Do Regimento Geral do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 1, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

EDITAL SAL/MJ Nº 1, DE 3 DE FEVEREIRO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 434 (61) 2025 3376 / 3114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 1, DE 3 DE FEVEREIRO

Leia mais

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por

META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por META NACIONAL 12: elevar a taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população de 18 (dezoito) a 24 (vinte e quatro)

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 016/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: ALTO IMPACTO O Projeto BRA/06/032 comunica que

Leia mais

Como se viu, a base dessa estruturação foram os Eixos Referenciais, que passaremos a descrever:

Como se viu, a base dessa estruturação foram os Eixos Referenciais, que passaremos a descrever: Conforme se pode inferir da publicação Planejamento Estratégico do Sistema Profissional 2009-2014: O Sistema Profissional é composto por organizações - com identidade e características próprias que devem

Leia mais

Mestrado Profissional:

Mestrado Profissional: Mestrado Profissional: reflexões e proposições para sua avaliação e sustentabilidade Documento aprovado na Assembléia Ordinária do FOPROF em Florianópolis, 9 de novembro de 2011 NOVEMBRO 2011 DIRETÓRIO

Leia mais

O ESTADO DA ARTE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UFRN A PARTIR DAS DISSERTAÇÕES E PERFIL DOS EGRESSOS

O ESTADO DA ARTE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA UFRN A PARTIR DAS DISSERTAÇÕES E PERFIL DOS EGRESSOS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN O ESTADO DA ARTE DO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA DA

Leia mais

Política de Aquisição de Obras

Política de Aquisição de Obras Política de Aquisição de Obras e Expansão do Acervo Bibliográfico POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE OBRAS E EXPANSÃO DO ACERVO BIBLIOGRÁFICO APRESENTAÇÃO Este plano apresenta a política de formação e desenvolvimento

Leia mais

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO-SANDUÍCHE NA HOLANDA

PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO-SANDUÍCHE NA HOLANDA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS GRADUAÇÃO-SANDUÍCHE NA HOLANDA CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA CIÊNCIA SEM FRONTEIRAS NUFFIC (Organização Neerlandesa para Cooperação Internacional em Educação Superior) Nº 116/2012

Leia mais

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação

Indicador(es) Órgão(s) 26 - Ministério da Educação Programa úmero de Ações 13 1060 Brasil Alfabetizado e Educação de Jovens e Adultos Objetivo Indicador(es) Garantir acesso e permanência de jovens e adultos a programas educacionais que visam atender as

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais