International Partner. International Partner. Para continuar a crescer a este ritmo é necessário : Parceiros confiáveis que. France.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "International Partner. International Partner. Para continuar a crescer a este ritmo é necessário : Parceiros confiáveis que. France."

Transcrição

1 Objetivo : O Workshop com Parceiros tem por objetivo identificar na Cadeia Produtiva e na Estrutura das Empresas, oportunidades de reduções de custo, melhoria nos níveis de qualidade e fornecimento de novos itens. Área Construída: Constructed area: m2 Para continuar a crescer a este ritmo é necessário : Parceiros confiáveis que Sejam pontuais Sejam competitivos Fundação: Date established: 17 de junho de 1966 Produzam produtos de qualidade Colaboradores (Abr. / 2006): Number of employees (Abr. / 2006): 123 Administração 08 Controle da qualidade 05 Manufatura 110 International Partner Para tornar viável a produção de auto peças no Brasil com escala mundial, fazemos parcerias com diversas empresas estrangeiras, reduzindo seus custos, mantendo sua qualidade original e facilitando a logística com a montadora. International Partner Zwecks Durchführbarkeit einer KFZ-Teileproduktion mit Weltmarktmassstäben in Brasilien bestehen Partnerschaften mit mehreren ausländiscshen Firmen unter Beibehaltung der Originalqualität und Erleichterungen für die Automobilindustrie Germany France In order to make auto parts manufacture feasible in Brazil in a wordwide scale, wwe have been entering partnerships with foreing companier, therefore reduncing costs, keeping their original quality and facilitating logistics with the automotive industry 1

2 Atuação Global 9 Países 6. Qualidade Copam / Avaliação de Fornecedores. 6. Qualidade Copam / Avaliação de Fornecedores. POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE COMPRAS Melhorar a competitividade econômica e tecnológica da Copam. Buscar parceiros com grande experiência e com capacidade para desenvolver e realizar funções completas, com objetivos precisos. Desenvolver uma relação transparente e honesta. Incentivar é dar prioridade a parceiros certificados. Dirigir a Gestão de Compras e a participação de nossos parceiros para a proteção do Meio Ambiente. Desenvolver a competitividade de nossos parceiros aplicando as ferramentas de gestão de compras adequadas. Incluir cláusulas de produtividade e qualidade com o fim de melhorar sua competitividade. Excessos de Entregas Estoques Altos Ocupação desordenada da nossa área e vários tipos de embalagens Deslocamento de pessoal e setups excessivos Necessidades cada vez maiores de horas extras Fretes excessivos ou especiais com custos elevados Demora e falta de precisão do status de nossa programação Situação Atual Entregas na Qtde e Data programada Estoques Baixos Padronização e locação de espaço para as embalagens Redução de Setups e pessoal predefindo para as tarefas Redução total das Extras Custos zeros com fretes excessivos ou especiais Rapidez e precisão do status de nossa programação Situação Ideal 2

3 Cenário da situação ideal Confiabilidade no fornecedor(qualidade,qtde e Prazo) Aumento da Produtividade Redução de Horas Extras Redução de Frete Melhor aproveitamento da Qualidade Competitividade no Mercado Novos negócios IP (Índice( de Pontualidade): indicador mensal que considera a pontualidade de entregas dos parceiros, onde cada recebimento é registrado no Sistema Informatizado : Cada pedido entregue no prazo e na quantidade pedida recebe nota 100 caso contrario recebe 0, (zero), o sistema informatizado calcula a media das notas dos pedidos acumulando os ate o ultimo dia do mês, EMBALAGENS Estamos implantando a utilização de embalagens plásticas retornáveis por ser ecologicamente correta e onde for economicamente viável. Todos parceiros deverão ate o final de 2006 implantar embalagens retornáveis, A viabilidade econômica desta implantação será calculada pela economia das caixas de papelão atualmente utilizado IDENTIFICAÇÃO DE ENVIOS Deverão ser identificados conforme o padrão odette Estaremos disponibilizando um software para impressão de etiquetas para os parceiros que ainda não tenham esta sistemática implantada em sua fabrica Mesmo assim haverá reprogramações de nossos clientes erros em nossos estoques e contamos com a velocidade e flexibilidade de nossos parceiros Visando minimizar estes erros estamos nos reestruturando dividindo o departamento de compras em 2 : Compras:Vera Lucia Follow-up:Valdete Argolo 3

4 Produtividade : Será negociado produtividade anual Produtividade : Será negociado produtividade anual CUMPRIMENTO REQUISITOS LEGAIS E REGULAMENTAÇÃO risco ambiental do fornecedor. Visando analisar o risco ambiental que nosso fornecedor pode causar ao meio ambiente a Copam envia ao fornecedor que não são certificados ISO uma auto-avaliação ( mod. 018) o qual classificaremos o risco ambiental do fornecedor. " ISO/TS

5 DEFINIÇÕES IQF (Índice de Qualidade do Fornecedor): Índice mensal que pondera o IQSP, o IQ e o IP de cada fornecedor com a finalidade de monitoramento do desempenho do mesmo. (Índice de Qualidade do Fornecedor): IQF = 0,3 x IQSP + 0,4 x IQ + 0,3 x IP 30% = IP (Índice de Pontualidade): 40 % = IQ (Índice de Qualidade 30% = IQSP (Índice de Qualidade do Sistema e Processo): AUDITORIAS DEFINIÇÕES IQSP (Índice de Qualidade do Sistema e Processo): Indicador obtido na qualificação do fornecedor ou nas auditorias efetuadas, levando-se em consideração o seu Sistema da Qualidade e seu processo. O IQSP é composto por duas variáveis: sistema da qualidade e processo e é obtido através das pontuações obtidas nas auditorias ou auto-avaliações de Sistema da Qualidade e Processo: I.Q.S.P = 50% Auditoria do Sistema da Qualidade (ASQ) + 50% Auditoria do Processo (AP) IQF = 0,3 x IQSP + 0,4 x IQ + 0,3 x IP -Sistema da Qualidade - ASQ Parceiros certificados: Todo fornecedor que possuir certificação reconhecido pela indústria automobilística tais como VDA, ISO/TS, QS9000, etc terão nota máxima ( 100 ) e estarão dispensados da avaliação do sistema da qualidade, os parceiros certificados com ISO 9000 terão nota ( 70 ) e terão uma fazer uma auto-avaliação ( Mod 051 A) complementando os itens da ISO-TS não avaliados na certificação ISO 9000 completando assim os outros ( 30 ). Todos os parceiros são orientados a enviar à COPAM cópia de seu Certificado(s), onde é monitorado o prazo de validade destes Certificados e cabe ao fornecedor enviar o novo Certificado sempre que necessário. Parceiros não certificados: Qualidade envia o questionário de auto-avaliação de sistema da qualidade (mod.051) ao fornecedor e de posse do questionário devolvido, analisa o preenchimento e verifica a pontuação obtida denominada ASQ, em %. Posteriormente a Qualidade visita o fornecedor para validar esta a auto-avaliação. I.Q.S.P = 50% Auditoria do Sistema da Qualidade (ASQ) + 50% Auditoria do Processo (AP) IQF = 0,3 x IQSP + 0,4 x IQ + 0,3 x IP Auditoria do Processo - AP Todo fornecedor é avaliado através do relatório de auditoria de processo (Mod 007), independentemente da auditoria de sistema da qualidade. A Qualidade envia o questionário de auto-avaliação do processo ao fornecedor e de posse do questionário devolvido, analisa o preenchimento e verifica a pontuação obtida denominada AP, em %. Posteriormente Qualidade visita o fornecedor para validar esta a auto-avaliação. DEFINIÇÕES IP (Índice de Pontualidade): Indicador mensal que considera a pontualidade de entregas dos parceiros, onde cada recebimento é registrado no Sistema Informatizado : Cada pedido entregue no prazo e na quantidade combinada recebe nota 100 caso contrário recebe 0, (zero), o sistema informatizado calcula a média das notas dos pedidos, acumulando-os até o último dia do mês. I.Q.S.P = 50% Auditoria do Sistema da Qualidade (ASQ) + 50% Auditoria do Processo (AP) IQF = 0,3 x IQSP + 0,4 x IQ + 0,3 x IP IQF = 0,3 x IQSP + 0,4 x IQ + 0,3 x IP 5

6 DEFINIÇÕES IQ (Índice de Qualidade): Indicador mensal que monitora a qualidade dos fornecimentos,documentação, amostras, demeritando cada lote rejeitado onde houve necessidade de emitir o relatório de 8 passos. As Não Conformidades são penalizadas com Pontos de Demérito rito, segundo a tabela seguinte: DESCRIÇÃO NÃO CONFORMIDADE DEMÉRITOS Rejeição de amostra. 10 Documentação requerida incompleta ou incorreta. 10 Envio Aceito com Desvio previa solicitação do Fornecedor. 0 Envio Aceito com Desvio sem previa solicitação do Fornecedor. 5 Perda Parcial do Material entregue. 15 Perda Total do Material entregue. 30 O IQ será calculado através seguinte formula ; IQ = deméritos; sendo IQ 0 Reclamação do Cliente, sem conseqüências negativas na utilização do Material. Reclamação do Cliente, com conseqüências negativas na utilização do Material. Problema grave de Segurança na utilização pela Empresa ou pelo Cliente do Material. Não responder o relatório de não conformidade 8 passos no prazo estipulado CRITÉRIOS RIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E DESEMPENHO DO FORNECEDOR (IQF) ÍNDICE (%) 91 ÍNDICE < 100 CLASSIFICAÇÃO APTO DEFINIÇÃO Fornecedor considerado apto para fornecimentos e novos desenvolvimentos, sem pendências de Sistema da Qualidade ou Processos. DESEMPENHO DO FORNECEDOR Mensalmente é enviado um relatório de desempenho onde consta IQFM, linha de produtos, ultimas rejeições, 8 passos abertos, certificados abertos. 71 ÍNDICE < 91 0 ÍNDICE < 71 ADEQUADO INADEQUADO Fornecedor considerado qualificado para fornecimento normal a COPAM, mas necessita Plano de Melhorias a serem efetuadas em seu Sistema da Qualidade ou Processos. Novos desenvolvimentos condicionados a implementação de melhorias. Fornecedor considerado não qualificado para fornecimento à COPAM, por existirem nãoconformidades no Sistema da Qualidade ou Processo que não permitem a colocação de pedidos, cabendo aos Deptos. de Compras e Qualidade desenvolverem um novo fornecedor. DESEMPENHO DO FORNECEDOR DESEMPENHO DO FORNECEDOR C 27% A 5% Fora da Meta 27% B 68% Dentro da Meta 73% 6

7 DESEMPENHO DO FORNECEDOR DESEMPENHO DO FORNECEDOR 15% B 35% Classificação dos Fornecedores C 15% 5% A 50% 80% 15% 15% B 35% 5% 1% Classificação dos Fornecedores C 5% A 60% 80% 90% IQFM < 71 % Obrigatoriamente exige-se submissão no Nível 03; Novos processos; Itens Críticos; Parceiros Críticos; Exigência de Cliente. Obrigatoriamente exige-se submissão conforme Manual FMEA AIAG 3ºEdição. 7

8 Estratificação; Diagrama de Pareto; Diagrama de Causa Efeito; Histograma; Ferramenta 5W1H; Ferramenta 5 Por quê s; Matriz GUT; Entre outras. Problema Ações Pontuais Problema Ações Sistêmicas IMDS International Material Data System O que é o IMDS? 8

9 O que é o IMDS? Com a aprovação da Diretiva 53/2000 pelo Parlamento Europeu em 18 de setembro de 2000; referente ao "End-of-Life Vehicle Act" (lei para veículos em final de vida). A finalidade desta lei é minimizar o impacto ambiental quando ocorrer o descarte do veiculo no final da sua vida; a intenção deste ato é a diminuição gradativa até a eliminação total de metais pesados com: mercúrio, chumbo, cádmio, cromo etc... O que é o IMDS? O site do IMDS - é um meio eletrônico para o monitoramento dos metais pesados; na criação do site foi necessário adotar uma lista negra dos materiais a serem proibidas, uma vez que cada montadora de automóveis tem a sua própria lista. Para unificar a lista foi criado o GADSL - Global Automotive Declarable Substance List - no site - este site unificou todas as listas existentes ; não somente para metais pesados como também para as substâncias nocivas ao meio ambiente e ao ser humano. O site do IMDS utiliza a lista GADSL como lista de substância padrão. É um Requisito Específico. Quem são os Signatários? Quando submeter? A Copam estará condicionando a aprovação do PPAP somente com o IMDS submetido. Seus parceiros, por sua vez devem cumprir e requerer de seus sub-parceiros o conhecimento e a submissão de IMDS. A sugestão é submeter o IMDS na Fase de Qualificação do Processo, quando já está definido o processo, os pesos de materiais, componentes, etiquetas permanentes, acabamentos, etc. O que as Signatárias e Autopeças esperam do IMDS? Atender a um requisito legal (Diretiva Européia 2000/EC/53 sobre o Fim de Vida dos Veículos). Ter seus PPAPs aprovados. Como obter acesso? Contribuir desde o projeto na aplicação de substâncias não nocivas e que no descarte final do veículo / peças seja atingido o objetivo de reciclagem de 95% até o ano

10 Como obter acesso? GESTÃO DE PRODUTOS DE SEGURANÇA A E/OU REGULAMENTAÇÃO risco civil e criminal do fornecedor. O fornecedor é responsável civil e criminalmente pelos produtos que fornecem, para minimizar os riscos de um processo todas as características de segurança e regulamentares devem ser observadas, registradas e arquivadas durante 15 anos. Exemplo : Combustibilidade Materiais pesados GESTÃO DE PRODUTOS DE SEGURANÇA A E/OU REGULAMENTAÇÃO risco civil e criminal do fornecedor. Em maio estará no nosso site a norma para o ensaio de combustibilidade bem como o projeto da capela de ensaio Dúvidas? para contato: Fone: (11) Para crescermos temos que : Reduzir os custos, Cumprir os prazos de fornecimentos Melhorar a qualidade. 10

11 80% dos nossos problemas são gerados pelos senhores. 80% dos nossos problemas são gerados pelos senhores. Parceria quer dizer : Co-responsabilidade, e nossos parceiros devem assumir sua responsabilidade financeira. Esta no nosso site o MANUAL DO FORNECEDOR e faz parte integrante do contrato de compra. 11

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial...

2.1 Fornecedores...04. 2.2 Abrangência...05. 3.1 Homologação...05. 3.2 Documentos Obrigatórios...06. 4.1 Fornecedor de Tratamento Superficial... SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...04 2. OBJETIVO...04 2.1 Fornecedores...04 2.2 Abrangência...05 3. REQUISITOS...05 3.1 Homologação...05 3.2 Documentos Obrigatórios...06 4. SUBMISSÃO DE PPAP...07 4.1 Fornecedor

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECEDORES Requisitos e diretrizes para o sistema de gestão da qualidade e ambiental Página 1 de 9 1. REQUISITOS ESPECÍFICOS... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Geral... 3 1.3 Documentos

Leia mais

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO

MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 1/15 MANUAL DE REQUISITOS PARA FORNECIMENTO Página: 2/15 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 5 1.1 Missão da empresa... 5 1.2 Política da Qualidade e Ambiental...5 1.3 Glossário... 6 2. DISPOSIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 17 M.DIR. 02-02 Premissa 02 17 M.DIR. 02-03

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS

Manual de Requisitos. Específicos. Para Fornecedores MANUAL DE REQUISITOS ESPECIFICOS Manual de Requisitos Específicos Para Fornecedores Elaborado por: Carlos Nascimento Aprovado por: Océlio Paggiatto Sistema da Qualidade Carlos Nascimento Océlio 02 2 SUMÁRIO: 1.0 Termo de Recebimento e

Leia mais

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.

C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563. MANUAL DA QUALIDADE PARA CORPORATIVO C.G.E. Sociedade Fabricadora de Peças Plásticas LTDA Rua: General Castilho de Lima, Nº 150 Mauá SP CEP: 09371-345. CNPJ / MF: 57.563.694/0001-92 - Inscrição Estadual:

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANN HUMMEL Publicado:Fevereiro 2012 ESCLARECIMENTO REFERENTE À ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ISO/TS 16949:2009 APLICÁVEL A MHBR BRASIL LTDA 1-Generalidade Este anexo da Qualidade

Leia mais

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7

Manual de Fornecedores Blitz Rev. 7 Sumário 1. Mensagem ao Fornecedor...- 2-2. Política da Qualidade...- 2-3. Objetivo do manual...- 2-4. Aplicação...- 3-5. Definições...- 3-6. Confidencialidade...- 3-7. Requisitos Gerais...- 4-8. Verificação

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços

Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços da solução SAP SAP ERP SAP Data Maintenance for ERP by Vistex Objetivos Eficiência na manutenção de dados mestres referentes a clientes, fornecedores, materiais e preços Entregar a manutenção de dados

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R Sem controle após a impressão SUMÁRIO 1. Objetivo Webdesk\Manual da Qualidade\Subsistema I Logística Pág. - 1 - de 23 2. Responsabilidade do Fornecedor

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO

ADMINISTRAÇÃO DE SUPRIMENTOS GESTÃO GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS DEFINIÇÃO DE CADEIAS DE SUPRIMENTOS (SUPLLY CHAIN) São os processos que envolvem fornecedores-clientes e ligam empresas desde a fonte inicial de matéria-prima até o ponto

Leia mais

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos)

FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Curso e-learning FMEA - 4ª. EDIÇÃO (Análise dos Modos de Falha e de seus Efeitos) Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão

Leia mais

AGENDA: Apresentação Horário Assunto

AGENDA: Apresentação Horário Assunto 1 AGENDA: Apresentação Horário Assunto Lucio Simões 13:30 Abertura Ivan Reszecki 13:35 1 Apresentação Metaltork Lindolfo Pascutti 14:15 2 Acordo com o fornecedor Intervalo 14:45 Coffee Break Ailton Viezzer

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 15100

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 15100 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 15100 As perguntas abaixo têm o propósito de elucidar algumas dúvidas sobre a certificação da NBR 15100. 1. O que é a NBR 15100? A NBR 15100, equivalente à norma

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM WMS WAREHOUSE MANAGEMENT SYSTEM SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ARMAZÉM/DEP M/DEPÓSITO WMS Software de gerenciamento de depósito que auxilia as empresas na busca de melhorias nos

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES Página 1 de 11 SUMÁRIO: 1 VISÃO...3 2 MISSÃO...3 3 PRINCÍPIOS...3 4 POLÍTICA DE GESTÃO INOVA...4 5 - MENSAGEM AO FORNECEDOR...4 6 - OBJETIVO DO MANUAL...5 7 - REQUISITOS BÁSICOS DO SGQ...5 8 - AVALIAÇÃO

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE DE DOALPLASTIC INDUSTRIA E COMÉRCIO LTDA. MATRIZ: AVENIDA DIRCEU DIAS CARNEIRO, 151 DISTRITO INDUSTRIAL II - CEP 13457-198 SANTA BÁRBARA D' OESTE - SP - BRASIL FILIAL: AVENIDA MAESTRO

Leia mais

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª REVISÕES Edição Data Alteração da Revisão 1.ª 19/12/2003 Emissão Inicial 2.ª 19/08/2004 Adequação 3.ª 23/12/2004 Adequação 4.ª 01/05/2006 Reedição do Manual 5.ª 02/01/2008 Reedição do Manual 6.ª 01/03/2011

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 14 de 12/02/2013 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da empresa ------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company)

CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) 1 CURSOS PRESENCIAIS (Também podem ser ministrados in company) BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO BOAS PRÁTICAS DE ARMAZENAMENTO, LOGÍSTICA E DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

Elementos de um Processo

Elementos de um Processo Auditor Interno ISO/TS 16949:2002 Arquivo com alguns slides do curso, já incluindo nova abordagem solicitada pelo IATF aos auditores durante os exames de requalificação em 2006. (Abordagem do IATF) 1 Elementos

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE Revisão: 07 Data: 05.03.09 Página 1 de 7 Copia controlada MANUAL DE GESTÃO DA QUALIDADE José G. Cardoso Diretor Executivo As informações contidas neste Manual são de propriedade da Abadiaço Ind. e Com.

Leia mais

GIOVANNO DA SILVA NEIVA gsn1977@gmail.com

GIOVANNO DA SILVA NEIVA gsn1977@gmail.com CURRICULUM VITAE Nome : Giovanno da Silva Neiva Idade: 36 anos Estado Civil: Casado Fone : 4199379882 Meus Pontos Fortes: grande facilidade em trabalhar com equipe, fácil comunicação, competência para

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADA Páginas: 1 de 13 APROVAÇÃO Este Manual de Gestão está aprovado e representa o Sistema de Gestão Integrada implementado na FOX Comércio de Aparas Ltda. Ricardo Militelli Diretor FOX Páginas: 2 de 13 1.

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO MANUAL DO FORNECEDOR. Definir o sistema de organização que regula as relações entre a COPAM e os Fornecedores.

PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO MANUAL DO FORNECEDOR. Definir o sistema de organização que regula as relações entre a COPAM e os Fornecedores. 1/20 1 - OBJETIVO Definir o sistema de organização que regula as relações entre a COPAM e os Fornecedores. 2 - APLICAÇÃO Abrange os Fornecedores da COPAM, que fornecem: Material Direto: Material Produtivo:

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR Página: 1/21 MANUAL DO FORNECEDOR 1 ÍNDICE 1 ÍNDICE... 2 2 INTRODUÇÃO... 3 3 PRÉ-REQUISITOS PARA FORNECIMENTO... 4 4 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS FORNECEDORES... 6 5 AMOSTRAS INICIAIS...

Leia mais

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan

Haldex. Manual do Fornecedor. Sistemas de Tração. Sistemas Hidráulicos. Sistemas para Veículos Comerciais. Arames Garphyttan Haldex Manual do Fornecedor Sistemas de Tração Sistemas Hidráulicos Sistemas para Veículos Comerciais Arames Garphyttan 1 Esta é uma cópia não registrada. Sempre verifique sua validade junto a seu contato

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade

PROJETO NOVAS FRONTEIRAS. Descrição dos processos de gerenciamento da qualidade PROJETO NOVAS FRONTEIRAS PLANO DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE QUALITY MANAGEMENT PLAN Preparado por Mara Lúcia Menezes Membro do Time Versão 3 Aprovado por Rodrigo Mendes Lemos Gerente do Projeto 15/11/2010

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Especificação Brascabos para o Controle de Substâncias Nocivas BC_1064

Especificação Brascabos para o Controle de Substâncias Nocivas BC_1064 TIPO: Instrução ELABORADOR: 45841 - Rodrigo de Campos DATA ORIGINAL: 18/11/2008 PUBLICADOR: 45519 - Vinicius Siqueira Campos Cheliga DATA REVISÃO: 30/09/2011 ÁREA EMITENTE: SGI DATA EXPIRAÇÃO: 30/09/2013

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel

Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel Auditoria Operacional no Setor Produtivo em uma Industria de Envelopes de Papel UNIVERSIDADE NOVE DE JULHO MBA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE SÃO PAULO 2009 Gerson C. Anis e grupo de trabalho SUMÁRIO RESUMO...2

Leia mais

IQF - ÍNDICE DE QUALIDADE DO FORNECEDOR

IQF - ÍNDICE DE QUALIDADE DO FORNECEDOR IQF - ÍNDICE DE QUALIDADE DO FORNECEDOR FORNECEDOR: CÓDIGO DO FORNECEDOR: 81810 MARINGA S.A. CIMENTO E FERRO-LIGA. IQF - Índice de Qualidade do Fornecedor %) Anual) 82,00 FAMÍLIA: FERROS LIGAS / INOCULANTES

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Revisão03 Maio,2011 ThyssenKrupp ManualdeFornecedores ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo ThyssenKruppMetalúrgicaCampoLimpo PREFÁCIO O acirramento da competição global pela liderança e conquista de novos

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo

REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo REQUISITOS ESPECÍFICOS - NGK do BRASIL Guia para Fornecedores Segmento Automotivo 1. Objetivo Este documento tem por objetivo comunicar os requisitos mínimos a todos os fornecedores de componentes, matérias

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO

GESTÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS NOCIVAS 1 - OBJETIVO ITEM PÁGINA 1 OBJETIVO 1 2 DEFINIÇÃO DOS TERMOS 2 3 REFERÊNCIAS (NORMAS/ LEGISLAÇÃO/ REQUISITOS APLICÁVEIS). 2 4 RESPONSABILIDADES E ATIVIDADES PARA CONTROLE DE SUBSTÂNCIAS. 3 5 ANÁLISE LABORATORIAL 4

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO/TS 16949:2002

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO/TS 16949:2002 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO ISO/TS 16949:2002 Recentemente, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO/TS 16949 e catalogando as principais dúvidas dos clientes.

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES ÍNDICE 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 Introdução... 3 1.2 Objetivo... 3 1.3 Relações com Fornecedores... 3 1.4 Política do Sistema Integrado de Gestão (Qualidade e Meio Ambiente)... 4 2. DESENVOLVENDO

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS

PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS E PROJETOS Pág.: 1/9 1. OBJETIVO Demonstrar a aplicabilidade e funcionalidade das ferramentas de Planejamento e Desenvolvimento de Produtos e Projetos bem como as tarefas e responsabilidades para a aprovação, o desenvolvimento,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES 1/32 MANUAL DA QUALIDADE DE MAXION STRUCTURAL COMPONENTS Unidade de Cruzeiro-SP Rua Dr. Othon Barcellos, 83 - Centro CEP 12.730-900 Cruzeiro-SP Fone : (12) 3184-1000 Fax.: (12) 3144-0247 Este Manual foi

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1

Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Requisitos do Sistema de Qualidade do Fornecedor, Rev. 5, 16 de Março de 2012 (RA-4901-797-E) 1 Conteúdo 1.0 Introdução 3 1.1 Escopo 3 1.2 Objetivo 3 1.3 Fundamentação 4 2.0 Requisitos do Sistema de Qualidade

Leia mais

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma

Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Otimização através de LIMS e Lean Seis Sigma Resumo Com uma abordagem prática este trabalho proporcionará uma visão do projeto de implantação de um sistema LIMS com o objetivo de eliminar totalmente o

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz

Centro Espírita Nosso Lar Casas André Luiz MANUAL DO FORNECEDOR INTRODUÇÃO Este manual tem por objetivo principal informar à cadeia de fornecedores os procedimentos e processos internos operacionais que viabilizam a avaliação de desempenho dos

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

Banco Volkswagen Manual do Sistema CCO CESSÃO DE DIREITOS - PF CCO CESSÃO DE DIREITOS CENTRAL DE CRÉDITO ON-LINE

Banco Volkswagen Manual do Sistema CCO CESSÃO DE DIREITOS - PF CCO CESSÃO DE DIREITOS CENTRAL DE CRÉDITO ON-LINE Banco Volkswagen Manual do Sistema CCO CESSÃO DE DIREITOS - PF CCO CESSÃO DE DIREITOS CENTRAL DE CRÉDITO ON-LINE Histórico do Documento Tipo de Norma: Manual Operacional Número: 19 Departamento Responsável:

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES

Manual da Qualidade para Fornecedores MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 APLICAÇÃO... 3 3 SISTEMA DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES... 3 3.1 Empresas Certificadas... 4 3.2 Empresas não Certificadas... 4 3.3 Avaliação

Leia mais

Segmento MANUFATURA TÊXTIL E VESTUÁRIO

Segmento MANUFATURA TÊXTIL E VESTUÁRIO Segmento MANUFATURA TÊXTIL E VESTUÁRIO No mercado têxtil e de vestuário, alta competitividade, sazonalidade e novas tecnologias de indústrias como a calçadista, de esportes e a própria moda são grandes

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES CERTIFICAÇÃO NBR 16001 As perguntas abaixo têm o propósito de elucidar algumas dúvidas sobre a certificação da NBR 16001. 1. O que é a NBR 16001? A NBR 16001 tem a finalidade

Leia mais

Entidade Setorial Nacional Mantenedora

Entidade Setorial Nacional Mantenedora Entidade Setorial Nacional Mantenedora Associação Nacional da Indústria Cerâmica ANICER Santa Luzia, 651, 12º andar Centro - Rio de Janeiro / RJ Tel/Fax: (21) 2524-0128 Site: www.anicer.com.br E-mail:

Leia mais

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva

ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA. Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva ENQUALAB 2013 QUALIDADE & CONFIABILIDADE NA METROLOGIA AUTOMOTIVA Elaboração em planos de Calibração Interna na Indústria Automotiva Joel Alves da Silva, Diretor Técnico JAS-METRO Soluções e Treinamentos

Leia mais

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2

ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 ENCONTRO DA QUALIDADE IQA / MBB VDA 2 Novembro 2014 Paulo Bento Gerenciamento da Qualidade de Fornecedores Eixo,Motor e Cambio 1 TE/OSV-P Daimler Trucks 2 Temas : Processo de gestão da qualidade de fornecedores.

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ORIENTAÇÕES PARA A SELEÇÃO E CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA, TREINAMENTO E CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (D.O 01 revisão 05, de 22 de março de 2011) 2 SUMÁRIO PARTE I INTRODUÇÃO

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS

SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL (com abordagem para Itens de Segurança) Manual Informativo Para Fornecedores MIF 02 QAS Elaboração e Aprovação: Departamento de Gestão da Qualidade e

Leia mais

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP.

Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. Módulo 4 O FMEA como parte integrante da Norma ISO/TS 16949, do APQP e do PPAP. FMEA, ISO/TS, APQP, PPAP Pretendemos, neste módulo, mostrar todas as ligações e vínculos existentes entre a ferramenta do

Leia mais

Atualmente, as organizações de uma

Atualmente, as organizações de uma Uma estratégia competitiva para laboratórios de calibração e ensaios no cenário atual Conheça um modelo gerencial para laboratórios de calibração e ensaios, alinhando a qualidade necessária à realização

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos?

Nós fazemos Gestão e sua Empresa faz Sucesso! Portfólio. Francisco & Francisco Sistemas de Gestão Ltda. 1. Quem Somos? Portfólio 1. Quem Somos? Somos uma Equipe de Auditores, Consultores e Assessores Empresariais com diversas competências para melhorar o desempenho de qualquer negócio por meio de SISTEMAS DE GESTÃO DA

Leia mais

MANUAL PARA FORNECEDORES

MANUAL PARA FORNECEDORES MANUAL PARA FORNECEDORES Regras para Seleção, Qualificação e Monitoria dos Fornecedores. Regras para Desenvolvimento de Produtos Regras para Aprovação do Produto e do Processo Edição 01 Outubro de 2011

Leia mais

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes?

01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? Questionário de auto-avaliação Nível 1 MÓDULO 1 - ADMINISTRAÇÃO 01. A empresa e todos os seus funcionários têm a preocupação de atender as necessidades e expectativas dos clientes? 02. A empresa tem definidos

Leia mais

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade

Automação de Sistemas Industrias. Automação com Qualidade Automação de Sistemas Industrias Automação com Qualidade Por que investir em QUALIDADE? Os crescentes números da Balança Comercial, apontam para uma nova e interessante tendência: a EXPORTAÇÃO de produtos.

Leia mais

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

Relatório de Atividade Técnica

Relatório de Atividade Técnica RUA DESEMBARGADOR JÚLIO GUIMARÃES, 275 SAÚDE -SÃO PAULO -BR-SP CEP: 04158-060 CNPJ: 46.995.494/0001-92 Telefone: (11) 5058-6066 Pessoa de Contato: ALMO BRACCESI (almo@betta.com.br) Tipo: Auditoria de Manutenção

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS PARA GESTAO DE PESSOAS E DE PROCESSOS. Empresa XPTO 1

SISTEMAS INTEGRADOS PARA GESTAO DE PESSOAS E DE PROCESSOS. Empresa XPTO 1 Empresa XPTO 1 Desenvolvimento de Sistema Integrado de Informação para a área de Recrutamento e Seleção - Recursos Humanos Empresa XPTO Alunos: -------- -------- -------- -------- -------- Descrição da

Leia mais