METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "METALÚRGICA NAKAYONE LTDA"

Transcrição

1 METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Revisão JULHO/2015 CONTROLE DE REVISÃO Código Capítulo Índice Pág. De M.DIR Instruções Preliminares M.DIR Premissa M.DIR Metas para M.DIR Lista de Contatos M.DIR Contrato de Comodato M.DIR Ações Corretivas / Desvios M.DIR Níveis de Contenção I e II M.DIR Débitos M.DIR Transmissão Eletrônica de Dados M.DIR Critérios para Avaliação do Sistema da Qualidade do Fornecedor 10 a M.DIR Avaliação de Desempenho de fornecedores de Itens Controlados 13 a M.DIR M.DIR Processo de Aprovação de Peças de Produção/ Simbologia de Características de Segurança Retenção de Registros da Qualidade / Inspeção de Lay-Out / Lista de Sub- Aprovados M.DIR Manutenção Preventiva/ Plano de Contingência 17 17

2 Manual de Instruções para Capítulo: Instruções Preliminares M.DIR PÁGINA: 01 A Metalúrgica Nakayone Ltda se empenha em estabelecer relações de colaboração com seus fornecedores. O elemento fundamental em todas as relações entre a Metalúrgica Nakayone Ltda e seus fornecedores é a necessidade no desenvolvimento e melhoramento de um sistema produtivo eficaz para controlar e melhorar a qualidade dos processos e produtos. Tais sistemas produtivos utilizados pelos fornecedores devem satisfazer alguns requisitos definidos pela Metalúrgica Nakayone Ltda e esses requisitos devem refletir a filosofia da qualidade da Metalúrgica Nakayone Ltda na melhoria contínua. O sistema de avaliação desses requisitos é baseado nos seguintes pontos: Constatação do Sistema da Qualidade do Fornecedor: Constatação do sistema da qualidade conforme norma ISO 9001 na versão mais atual acreditado através de uma auditoria de 3ª parte nas quais auxiliarão o fornecedor a obter um alinhamento aos procedimentos Standards vigentes. Obs: Todos os fornecedores da Metalúrgica Nakayone Ltda devem estar encorajados a buscar a certificação ISO/TS e ISO em sua versão mais atual. Auditoria de Processo Produto A fim de verificar as conformidades do processo de manufatura do fornecedor. Desempenho: Avaliações periódicas do desempenho da qualidade de fornecimento e pontualidade nas entregas. Requisitos Específicos: Aos fornecedores que satisfaçam os requisitos de avaliação do sistema da qualidade, esse manual descreve os requisitos específicos para o procedimento de aprovação de amostras iniciais e as responsabilidades do fornecedor pelos problemas de qualidade.

3 Manual de Instruções para Capítulo: Premissa M.DIR PÁGINA: 02 A política da Metalúrgica Nakayone Ltda é de incrementar o relacionamento comercial com os fornecedores que continuamente se empenham para melhorar a qualidade e produtividade. Essa política reconhece que os fornecedores atuam numa função prioritária e contribuem com os objetivos da Metalúrgica Nakayone Ltda no sentido de conjugar custos menores aos produtos da mais alta qualidade e de fornecer ao cliente preços compatíveis. A Nakayone tem como premissa a responsabilidade social, e assim avalia seus fornecedores em relação à código de conduta ética e condição de trabalho na indústria automotiva. Esse sistema foi desenvolvido e implementado para identificar através de um sistema de avaliação aqueles fornecedores com os quais se deseja uma relação de trabalho a longo prazo. Os fornecedores que atingirem ou superarem esses objetivos serão reconhecidos e terão prioridade quando novas oportunidades de negócios surgirem. Política de Nakayone Cie Automotive. Política da Qualidade, Meio Ambiente e Prevenção de Riscos. NA CIE AUTOMOTIVE SOMOS UM FORNECEDOR DE REFERÊNCIA NO SETOR AUTOMOTIVO, COM MÚLTIPLAS TECNOLOGIAS. ESTAMOS LOCALIZADOS ONDE O CLIENTE NOS NECESSITA. DAMOS AO CLIENTE (INTERNO / EXTERNO) O QUE ELE NECESSITA, QUANDO E COMO O NECESSITA. CLIENTE INTERNO: PESSOAL DA CIE... SEGURO E SATISFEITO CLIENTE EXTERNO: ACIONISTAS... CRESCIMENTO SUSTENTADO E RENTÁVEL FORNECEDORES... LONGA RELAÇÃO CLIENTES... INOVAÇÃO E SERVIÇO COMUNIDADE... RESPEITO ACRESCENTAMOS VALOR AGREGADO A NOSSOS CLIENTES EM CADA UMA DAS NOSSAS ATIVIDADES DO DIA-A-DIA. TUDO DENTRO DE NOSSO COMPROMISSO COM O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL A QUALIDADE, MEIO AMBIENTE E A SEGURANÇA NO TRABALHO SÃO NOSSAS PRIORIDADES MÁXIMAS. POR ISTO: CUMPRIMOS COM A LEGISLAÇÃO E OS REQUISITOS DE NOSSOS CLIENTES TEMOS O COMPROMISSO DA PREVENÇÃO TRABALHAMOS SEMPRE NA MELHORIA CONTÍNUA ESTAMOS TODOS COMPROMETIDOS E PARTICIPANTES COM UM CLARO OBJETIVO: ZERO DEFEITOS, ZERO ACIDENTES E ZERO CONTAMINAÇÃO AVANÇAMOS EM DIREÇÃO A EXCELÊNCIA

4 Manual de Instruções para Capítulo: Metas para da Metalúrgica Nakayone M.DIR PÁGINA: 03 Objetivos: APP = Avaliação Processo Produto (Auditoria no Fornecedor) Mínimo 80% IQF = Índice de Qualidade do Fornecedor = Mínimo 71%. PPM = Parte por Milhão devolução / rejeição abaixo de 100 ppm. Sistema da qualidade em conformidade com a ISO 9001 na versão mais atual. Obs: Requerido acreditação por um órgão certificador independente. Ter todos os produtos fornecidos a Nakayone de acordo com os requisitos de qualidade pré-estabelecidos. Quando necessário, o item fornecido deve ser entregue acompanhado do certificado de qualidade, e o mesmo deve ser enviado por meio eletrônico. Não haver incidência de fretes especiais. Não haver reclamação de cliente final. Não haver retorno de campo. Não haver parada de linha. O processo de manufatura do fornecedor é monitorado através do PPM, controlado no recebimento e no processo Nakayone.

5 Capítulo: Manual de Instruções para Lista de Contatos M.DIR PÁGINA: 04 Segue abaixo a lista dos contatos Nakayone dos principais setores e seus responsáveis para auxílio a fornecedores: - Logística: Geraldo L. Barreto Filho Tel. (11) Compras: Daniel Oliveira Tel. (11) Qualidade: Glauber Gonçalves Tel. (11) Engenharia: Marcelo Rosa Batista Tel. (11) Recebimento: André Dias Oliveira Tel. (11) / 1624 José Bosco - Tel. (11) Alex do Nascimento Domingos Tel. (11) PABX: Tel. (11) Contatos Fornecedor É de responsabilidade do fornecedor manter atualizada a lista de contatos do fornecedor no site www. fgaonline.com.br, contendo nome, função e telefone.

6 Capítulo: Manual de Instruções para Contrato de Comodato M.DIR PÁGINA: 05 Nos casos de bens de propriedade da Nakayone e/ou de seus clientes transferidos a fornecedores, à nota fiscal do mesmo será anexado um contrato de comodato, o qual deverá ser assinado pelo pessoal legalmente responsável pela empresa, e devolvida ao departamento de compras no prazo máximo de 15 dias.

7 Capítulo: Manual de Instruções para Ações Corretivas / Desvio M.DIR PÁGINA: 06 Todos os produtos entregues, que por ventura estiverem fora dos requisitos de qualidade exigidos, estarão sob averiguação pelo departamento da Garantia da Qualidade Nakayone. Desvios: Caso seja necessário o fornecedor poderá solicitar um desvio para o departamento de qualidade, para o fornecimento de produtos que por ventura sofreram desvios nas especificações de qualidade e/ou logística. Neste desvio deverá constar todas as informações necessárias que envolva o produto, e deve ser encaminhado ao departamento de qualidade com as respectivas analises e causas pelo ocorrido. Somente após concessão do departamento da qualidade Nakayone (após análise de todos os departamentos envolvidos), o fornecedor poderá enviar o produto respeitando a quantidade autorizada e informando o prazo de próximo lote corrigido. Observação: este desvio só poderá ser concedido para produto que não seja de segurança ou cotas de características especiais ou significativas. Ações Corretivas O fornecedor receberá a notificação de peças com problema através de ou telefone e esse deverá preparar um formulário contendo no mínimo os seguintes passos: Passo 01 Determinação do grupo de ação. Passo 02 Descrição do problema / solicitação de desvio. Passo 03 Ação de contenção. Passo 04 Definição de causa. Passo 05 Ações propostas. Passo 06 Verificação das ações propostas. Passo 07 Avaliação da eficácia. Passo 08 Fechamento da ação corretiva. O fornecedor deverá responder essa notificação num prazo de 24 horas após o recebimento da mesma, contendo no mínimo as respostas até o passo 03 e num prazo de 05 dias úteis contendo as respostas até o passo 06 e num prazo adequado todos os passos respondidos. Caso o fornecedor Não responda as notificações de peça com problema como descrito acima, automaticamente serão bloqueados os próximos lotes de entrega do produto em questão, sendo todos os custos dos transtornos gerados por essa ação repassados ao fornecedor, mais deméritos no desempenho de qualidade do fornecimento (D.Q.F.). Obs: Deve ser utilizado o formulário da Nakayone para resposta do 8 passos. Caso a eficácia da ação corretiva não possa ser comprovada e houver reincidência da falha, uma nova notificação de peça com problema será aberta, e níveis de contenção serão aplicados ao fornecedor.

8 Manual de Instruções para Capítulo: Níveis de Contenção I e II M.DIR PÁGINA: 07 Para todas as notificações de peças com problema que por ventura sejam Reincidentes por motivos de qualquer natureza o fornecedor estará sujeito a aplicação de níveis de contenção I e II sendo: Nível I O fornecedor deverá fazer seleção 100% do lote antes do seu embarque à Nakayone. Quando possível as peças selecionadas deverão conter uma marca indelével na mesma que comprove essa seleção. Documentos comprobatórios que o problema vem sendo resolvido e apropriadamente contido quanto ao número de discrepâncias encontradas, como o resultado as ações de contenção tomadas deverão ser enviados a Nakayone por um período de 90 dias. Todos os lotes em contenção enviados a Nakayone deverão vir com uma identificação Nível de Contenção I ou II anexado a embalagem de forma que esteja bem visível. Nível II A mesma tratativa descrita em nível I, porém as ações descritas deverão ser executadas por terceiros, aprovados pela Nakayone com todos os custos envolvidos sob responsabilidade do fornecedor. O objetivo dessas ações é construir uma barreira para que a Nakayone e seus clientes não sejam afetados com produtos defeituosos e entregues por nossos fornecedores.

9 Manual de Instruções para PÁGINA: 08 Capítulo: Débitos M.DIR Quaisquer custos adicionais a Nakayone, decorrentes de problemas com produtos entregues por nossos fornecedores serão debitados dos mesmos, tais problemas podem ser, porém não se restringem a esses: Campanha de pátio. Embarques extras, de qualquer natureza. Horas extras de funcionário Nakayone. Paradas de linha, etc... Valorização do refugo. Débitos/ Valores: - Não envio do certificado de submissão de amostra inicial PPAP = R$ 100,00. - Não envio do certificado de qualidade, conforme especificação, até o momento da entrega do produto= R$ 100,00 (por dia de atraso). - Débitos referentes à quebra de qualidade: Descrição Valores Despesas Administrativas por processo de não conformidade no recebimento. Despesas Administrativas por processo de não conformidade no processo. Despesas Administrativas por processo de não conformidade no Cliente. Custo referente ao não envio das respostas de ação corretiva (8D) no tempo determinado. Taxa horária MOD (Mão de Obra Direta) R$ 300,00 R$ 300,00 R$ 500,00 + Valor Cliente R$100,00 por dia de atraso R$ 75,00

10 Manual de Instruções para PÁGINA: 09 Capítulo: Transmissão Eletrônica de Dados M.DIR Processo para acesso a cadeia de fornecimento. Os indicadores de performance de qualidade e release são disponibilizados através do Portal FGAOnline. Mensalmente ou conforme necessário, estes indicadores/ release de entrega são atualizados. Em caso de dúvidas ou impossibilidade de atendimento às quantidades e prazos estabelecidos no Portal FGAOnline., o fornecedor deverá consultar os departamentos cabíveis da Metalurgica Nakayone. Importante: Ressaltamos que o não atendimento aos prazos estabelecidos, sem a realização de acordos formais, se caracterizará como atraso de entrega, gerando assim deméritos para o fornecedor. Como acessar: 01- Acesse o Portal 02- Informar login e senha. 03- Selecione a opção Fornecedor. Ao acessar a primeira vez, o fornecedor deverá enviar um com os dados da empresa (razão social e CNPJ) para o endereço de posse dos dados o departamento de informática Nakayone enviará a senha de acesso ao fornecedor. Para fornecedores que possuam capacidade de receber e enviar os dados eletronicamente, os mesmos serão trafegados via EDI. Observação: Quando necessário, as programações poderão ser encaminhadas via ou fax.

11 Manual de Instruções para Capítulo: Critérios para Avaliação do Sistema da Qualidade do fornecedor M.DIR PÁGINA: 10 Critérios para Avaliação de de Produtos Controlados. 1- As avaliações serão executadas conforme Tabela dos Índices de Qualidade dos seguindo os critérios definidos abaixo: 1.1- Fornecedor Nível "01" Fornecedor de produtos/serviços que são incorporados ao produto final. Requisitos: ISO 9001 ou ISO/ TS (última atualização vigente) Auditoria Produto/Processo (Conforme Check-list Avaliação Processo Produto) Todos os fornecedores serão avaliados em intervalos não superiores a 36 meses independentemente do número de não conformidades apresentadas 1.2- Fornecedor Nível "02" Fornecedor de prestação de serviços. Requisitos - Laboratórios: O laboratório deve ser acreditado pela ISO/IEC ou equivalente nacional, ou Deve haver evidência que o laboratório externo é aceito pelo cliente Avaliação apenas no início do fornecimento Requisitos - Pintura: ISO 9001 ou ISO/ TS (última atualização vigente) Avaliação (Conforme Check-List Aval. de e Serviços) Todos os fornecedores serão avaliados em intervalos não superiores a 36 meses 1.3- Fornecedor Nível 03 Fornecedor que será utilizado somente para transporte de produtos no qual terão que atender os requisitos específicos para esse tipo de fornecimento Fornecedor Nível 04 Fornecedor para serviços de informática e ferramentaria. Requisitos: ISO 9001 (última atualização vigente), ou Avaliação (Check-List Informática- Ferramentaria) Fornecedor avaliado apenas no início do fornecimento. Obs: Em caso de novo desenvolvimento será avaliada a necessidade de re-qualificação do fornecedor de ferramentaria Para fornecedores de produtos vinculados ao cliente Ford as auditorias serão realizadas em intervalos não superior a 12 meses, conforme requisito específico do cliente.

12 Manual de Instruções para Capítulo: Critérios para Avaliação do Sistema da Qualidade do fornecedor M.DIR PÁGINA: Para o fornecedor de peça de segurança a avaliação será executada juntamente com uma avaliação de documentação de peças de segurança. 2- Critérios para Homologação (Auditoria) de de Produtos Controlados. O auditor designado terá como meta principal assegurar um desenvolvimento coerente com a estrutura do fornecedor objetivando um "Up Grade" afim de que o mesmo obtenha conformidades com os requisitos desejáveis. A B C Fornecedor Aprovado sem restrições Fornecedor Aprovado, porém necessita ações corretivas: Fornecedor Reprovado/ Vetado para novos desenvolvimentos A.P.P.= Avaliação de Processo Produto A.P.P. acima de 90% e todas a características críticas, especiais ou padrão em conformidade e aprovado na documentação de segurança (quando aplicável). A.P.P. de 80% a 89% e todas as características críticas e especiais em conformidade e aprovado na documentação de segurança (quando aplicável). A.P.P. de 0 a 79% ou reprovado na documentação de segurança deve apresentar um plano de ação, podendo retornar ao status descrito em A ou B após nova avaliação para verificação das ações tomadas. 3- Todos os fornecedores de produtos controlados serão avaliados em intervalos definidos em função de um levantamento realizado a cada 06 meses para verificação da quantidade de não conformidades apresentadas, seguindo os critérios do diagrama de pareto divido em níveis A, B, C Critérios para que seja necessária a realização de uma nova avaliação (alteração do cronograma): 3 não-conformidades reincidentes de um mesmo produto no período. 6 não conformidades no período. Classificação: Nível A = Auditoria reprogramada para o 2º ao 3º mês subseqüente. Nível B = Visita técnica in loco para analisar ações propostas pelo fornecedor. Nível C = Realizar um estudo das não conformidades apresentadas para identificar a significância do impacto e caso necessário definir nova ação. Caso o fornecedor volte a se enquadrar no semestre seguinte será solicitado um plano de melhorias e será solicitado ao mesmo embarque controlado. As ações implementadas não sendo eficazes o fornecedor será vetado para novos desenvolvimentos.

13 Manual de Instruções para PÁGINA: 12 Capítulo: Critérios para Avaliação do Sistema da Qualidade do fornecedor M.DIR Auto-Auditoria. O fornecedor será auto-avaliado (receberá o questionário e preencherá conforme sua própria auto-avaliação), nos seguintes casos: - Usinas e Distribuidores de Aço. - de produtos com marca própria. - de P.A., porém a 1ª avaliação é feita pela Nakayone. Obs: Os fornecedores que realizarem a auto-avaliação serão monitorados conforme os mesmos critérios dos fornecedores que serão avaliados pela Nakayone conforme item 3. de Itens com Tratamento Térmico. Os fornecedores de produtos controlados que possuem processo especial tratamento térmico, deverão enviar anualmente a Auto Avaliação de Processo de Tratamento Térmico conforme a norma CQI-9. O controle do envio da auto avaliação e do plano de ações (quando aplicável) será monitorado pela Nakayone através de cronograma de acompanhamento. Auditoria de Processo/ Produto em de Itens Controlados. Essa auditoria de processo/produto é executada em conjunto com a auditoria de avaliação periódica em fornecedores a fim de verificar as conformidades do processo de manufatura dos produtos controlados perante aos requisitos desejáveis. Os critérios para verificação/pontuação/aprovação estão descritos no Check-List de Auditoria de Processo/ Produto e no dimensionamento de um produto que no ato da auditoria esteja sendo processado, de preferência um produto fornecido a Nakayone. A periodicidade para auditorias em fornecedores são pré-definidos e descritos na tabela de fornecedores de itens controlados. Questões Ambientais. Todo o produto, equipamento ou serviço que contenha requisitos legais aplicáveis ou que possa ter Impacto significativo no Meio Ambiente, deve ser controlado (Ex. empresas de manutenção de ar condicionados e refrigeradores, transportadores de Resíduos e outras que tenham algum impacto ambiental). A reavaliação do fornecedor se dará quando da revalidação dos documentos comprobatórios fornecidos pelos mesmos, ou de acordo com a necessidade da empresa. Controle das Regulamentações Governamentais de fornecedores de Itens Controlados. Todos os fornecedores devem cumprir todas as regulamentações governamentais aplicáveis ao seu ramo de negócios conforme mencionado no pedido de compra. É de responsabilidade do auditor verificar tais regulamentações quando das auditorias nos fornecedores. Quando o não cumprimento de alguma regulamentação governamental aplicável, um prazo para regularizar sua situação será dado, após isso novo fornecedor deverá ser desenvolvido.

14 Manual de Instruções para PÁGINA: 13 Capítulo: Avaliação de Desempenho de de Itens Controlados M.DIR Índice de Qualidade do Fornecedor. O controle do desempenho mensal do fornecedor é realizado através do sistema informatizado, conforme critérios definidos na Tabela de Critérios para Deméritos dos IQF, e os mesmos são monitorados através da Tabela dos Índices de Qualidade dos. São providenciados junto ao fornecedor plano de ação, através de relatório de ação corretiva (RAC) quando no período o mesmo apresentar um I.Q.F. inferior a 90%. A cada detecção de não conformidade o Inspetor de Recebimento emite um relatório de ação corretiva e encaminha ao fornecedor para tomada das ações cabíveis, onde é considerado se houve reclamação do cliente ou falhas de campo. O setor de compras avalia o desempenho do fornecedor através do relatório de desempenho mensal gerado através do sistema informatizado, quanto a prazo de entrega e quantidade, conforme critérios definidos na Tabela de Critérios para Deméritos dos IQF., e caso necessário encaminha um relatório de ação corretiva ao fornecedor para tomada de ações cabíveis. Fica a cargo do setor de compras, a aprovação da aplicação dos deméritos quando o atraso na entrega for provocado por pedido/programas colocados para atender situações de emergências. Divulgação do Desempenho do Fornecedor. Esse índice é repassado mensalmente a todos os fornecedores através do site Os fornecedores com um desempenho mensal abaixo de 70% serão excluídos caso não apresentem no período de 06 meses melhorias significativas.

15 Manual de Instruções para Capítulo: Avaliação de Desempenho de de Itens Controlados M.DIR PÁGINA: 14 Tabela de Critérios para Deméritos dos IQF. Certificação Qualidade (PPM) Prazo (dias - com variação pra mais ou pra menos) Quantidade (% de atendimento) Auditoria de Processo (nota) NNC (quantidade de não conformidades abertas) Demérito Participação na nota Certificação 4% Qualidade 31% Prazo 25% Quantidade 25% Auditoria de Processo 4% Auditoria de NNC 11% Faixa Pontuação ISO ISO ISO até > ou = dia (sem variação) a 5 7 acima de 5 dias 15 0 (sem variação) 0 até 10% 3 11% a 15% 7 acima de 15% a 100% 0 80 a 89% 1 0 a 79% a partir 3 7 Total ptos possíveis 100 Nota de Corte -IQF A Ok para fornecimento B Apto com plano de ação 0-70 C Vetados para Novos Negócios Nota de Corte Auditoria de Processo/Produto A Ok para fornecimento B Apto com plano de ação 0-79 C Vetados para Novos Negócios

16 Manual de Instruções para PÁGINA: 15 Capítulo: Processo de Aprovação de Peças de Produção/ Simbologia de Características de Segurança M.DIR Processo de Aprovação de Peças de Produção. Para aprovação de amostras das peças de produção e/ ou dos materiais a serem fornecidos a Metalúrgica Nakayone, o fornecedor deve utilizar o manual PPAP do AIAG em sua versão atual. Na falta de classificação de nível, o nível 3 deverá ser utilizado. Obs.: Devido as inconstâncias nas programações de nossos clientes, juntamente com a obrigatoriedade da programação antecipada de matéria-prima pelas usinas, pode haver casos de necessidade de compra de matéria-prima no mercado de distribuidores de aços. Esses fornecedores serão chamados de fontes opcionais e esses serão acionados somente quando a fonte titular de fornecimento não puder atender as programações previstas e a possibilidade de comprometer a linha de produção do cliente é eminente. Devido essas fontes opcionais serem acionadas somente nessa eventualidade não havendo compromissos firmado com a organização para entregas regulares de determinados produtos a apresentação PPAP do produto poderá ser derrogado verificando-se as circunstancia do fornecimento no entanto o certificado da qualidade do produto em questão se faz necessário. Características Especiais Identificadas pela NAKAYONE A NAKAYONE utilizara símbolos exclusivos para identificar características especiais conforme abaixo: TERMO SÍMBOLO DESCRIÇÃO Características de Segurança, D, TLD, s S,ou C Característica do produto para a qual uma variação tem a probabilidade de afetar significativamente a segurança ou regulamentação. Característica Especial / Regulamentação (E) Especial ou (R)Regulamentação Característica do produto para a qual uma variação tem probabilidade de afetar significativamente a satisfação do cliente, adequação ou função. Características padrão (P) Padrão ou Características do produto ou processo a qual uma variação razoável não afeta a satisfação do cliente, adequação, função, segurança ou regulamentação. Simbologia de características de Segurança. O fornecedor pode utilizar sua própria simbologia para identificar as características de segurança em seus documentos internos, no entanto deve ser providenciada uma tabela de correlação definida no sistema documental do fornecedor.

17 Manual de Instruções para PÁGINA: 16 Capítulo: Retenção de Registros da Qualid. Inspeção de Lay-Out Lista de Sub- Aprov. M.DIR Retenção de Registros da Qualidade. Devem ser mantidos em arquivos para pronta recuperação todos os registros da qualidade durante um ano após a emissão do registro mais um ano calendário, exceto:- Registros da qualidade de características de segurança / regulamentação, os quais devem ser mantidos por 15 anos no mínimo. Registros de amostras iniciais (PPAP), enquanto o produto estiver ativo mais 01 ano calendário. Inspeção de Lay-Out. Todas as características dimensionais e de laboratório descritas no desenho do produto fornecido à Nakayone devem ser checadas periodicamente num prazo não superior a 12 meses salvo aquelas características descritas nos planos de controle. Fonte de Fornecimento Previamente Aprovada. A Nakayone não possui uma lista de sub-fornecedores aprovados, sendo de total responsabilidade do fornecedor a qualificação do sub-fornecedor e controle do produto por este fornecido mesmo que esse seja indicado pela Nakayone, exceto quando o subfornecedor estiver definido em contrato ou desenho.

18 Manual de Instruções para PÁGINA: 17 Capítulo: Manutenção Preventiva Plano de Contingência M.DIR Manutenção Preventiva. O fornecedor deve implementar um sistema documentado para manutenção preventiva, isso inclui a revisão adequada das atividades planejadas de manutenção e um plano de ação documentado para endereçar qualquer problema. Obs: Manutenção preditiva deve ser usada sempre que possível, baseado em técnicas apropriadas e considerando o custo da qualidade antes da implementação. Plano de Contingência. O fornecedor deve notificar os setores de logística e compras da Nakayone dentro de um período de 24 horas sobre interrupção de produção na organização. A natureza do problema e as ações tomadas devem ser comunicadas a Nakayone. Nota: Interrupção de produção é definida como uma inabilidade de atender aos volumes de capacidade de produção especificado pela Nakayone.

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA

METALÚRGICA NAKAYONE LTDA METALÚRGICA NAKAYONE LTDA Manual de Instruções Para Fornecedores Revisão Maio/2010 Código Capítulo CONTROLE DE REVISÃO Índice Pág. De M.DIR. 02-01 Instruções Preliminares 01 50 M.DIR. 02-02 Premissa 02

Leia mais

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas

Requisitos Específicos. Sampel Peças Automotivas Requisitos Específicos Sampel Peças Automotivas REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 7 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão...

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR PSQ 27 REVISÃO 00 Histórico da Emissão Inicial Data da Revisão 0 Data da Última Revisão Número de Página 15/01/14 15/01/14 1/14 2/14 1 - Objetivo 1.1 Escopo O conteúdo deste Manual contempla os requisitos

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 21; Revisado em Dezembro/ 2015 ÍNDICE MANUAL DA QUALIDADE PARA FORNECEDORES 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores

MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores MQ-02 Manual de Desenvolvimento de Fornecedores Este Manual é de propriedade da Martiaço Indústria Ltda. Sem autorização não pode ser distribuído ou copiado. SUMÁRIO 1. A EMPRESA... 3 2. OBJETIVO... 4

Leia mais

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02

MANUAL FORNECEDORES. Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 Santo Ângelo (RS) 16/09/2015 REV.02 MANUAL FORNECEDORES A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA

MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES SULTÉCNICA INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA MANUAL DA QUALIDADE DE FORNECEDORES INDÚSTRIA MECÂNICA LTDA Agosto de 2009 Revisão 05 INDICE 1. Apresentação... 03 2. Política da Qualidade e Ambiental da Sultécnica... 03 3. Expectativa para Fornecedores...

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Betim, 30 de Março de 2015 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/Powertrain Esta carta atualiza e substitui, a partir de 15/04/2015, a CARTA DE REQUISITOS

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011

Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 Distribuidor: Associado: ISO 9001:2008 Manual do Fornecedor Revisão 02-19/08/2011 02 03 03 03 04 05 05 06 06 06 07 08 08 08 09 09 10 10 12 12 13 14 14 15 Índice Missão, visão, valores 1. O manual do fornecedor

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS

REQUISITOS ESPECÍFICOS REQUISITOS ESPECÍFICOS ALPINO Indústria Metalúrgica Ltda. Página 1 de 18; Revisado em Março/ 2014 ÍNDICE 1. Introdução 2. Política do Sistema de Gestão Integrado 3. Código de Conduta 4. Meio Ambiente 5.

Leia mais

TERMO DE ACEITAÇÃO QUANTO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA E FORNECIMENTO DE MERCADORIAS, PRODUTOS, PEÇAS E SERVIÇOS.

TERMO DE ACEITAÇÃO QUANTO ÀS CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA E FORNECIMENTO DE MERCADORIAS, PRODUTOS, PEÇAS E SERVIÇOS. As relações estabelecidas entre a SABÓ INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE AUTOPEÇAS LTDA., com sede na cidade de São Paulo-SP, na Rua Matteo Forte nº 216, inscrita no CNPJ/MF sob nº 60.860.681/0004-32, daqui por

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL

IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL IRMANDADE DA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE VALINHOS MANUAL DE QUALIFICAÇÃO DE FORNECEDORES INSTITUCIONAL Valinhos 2013 Introdução: A finalidade deste manual é aprimorar a relação entre a Santa Casa de

Leia mais

Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30

Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30 Revisão 18 (12/01/2012) Página 1 de 30 Manual do Fornecedor Revisão 18 (12/01/2012) ITEM ÍNDICE PÁG. CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO... 4 1.1 Aplicabilidade... 4 1.2 Objetivos... 4 1.3 Política da Qualidade, Meio

Leia mais

CAPÍTULO XI FINANÇAS

CAPÍTULO XI FINANÇAS CAPÍTULO XI FINANÇAS A. INVESTIMENTO DOS FUNDOS DA ASSOCIAÇÃO As decisões referentes aos investimentos da associação deverão tomar como base as declarações sobre normas de investimentos para o Fundo Geral

Leia mais

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1

MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 MQ-1 Revisão: 06 Data: 20/04/2007 Página 1 I. APROVAÇÃO Emitente: Função: Análise crítica e aprovação: Função: Liliane Alves Ribeiro da Silva Gerente Administrativa Roberto José da Silva Gerente Geral

Leia mais

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE]

Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Contrato para Compra de Investimento No. [referência da SOCIEDADE] Entre [ ].. representada pelas pessoas devidamente autorizadas nomeadas na página de assinatura do presente CONTRATO, doravante denominada

Leia mais

SIGA Manual -1ª - Edição

SIGA Manual -1ª - Edição SIGA Manual -1ª - Edição ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2. MÓDULO DE PROCESSOS 4 3. ACESSO AO SISTEMA 4 3.1 Acessando o Sistema 4 3.2 Primeiro Acesso 5 3.3 Login do Fornecedor 5 o Teclado Virtual 5 o Máquina Virtual

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-400-R00 ESTÁGIO CURRICULAR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-400-R00 ESTÁGIO CURRICULAR MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/SGP-400-R00 ESTÁGIO CURRICULAR 02/2016 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 22 de fevereiro de 2016. Aprovado, Antonia Valeria Martins Maciel 3 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

Regulamento para a Certificação de Sistemas de Gestão Da Qualidade

Regulamento para a Certificação de Sistemas de Gestão Da Qualidade Regulamento para a Certificação de Sistemas de Gestão Da Qualidade Em vigor a partir de 19/11/2015 RINA Via Corsica, 12 16128 Genova - Itália Tel.: +39 01053851 Fax: +39 0105351000 Website: www.rina.org

Leia mais

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A.

POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. ÍNDICE DURATEX S/A POLÍTICA DE FORNECIMENTO DE BENS E SERVIÇOS DA DURATEX S.A. 1. OBJETIVO 2. PRINCÍPIOS GERAIS 3. REFERÊNCIAS 4. DEFINIÇÕES 4.1. DURATEX 4.2. UNIDADE REQUISITANTE 4.3. UNIDADE DESTINATÁRIA

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR

MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR MANUAL DA QUALIDADE DO FORNECEDOR METALÚRGICA KNIF LTDA Junho/2013 1 REGISTRO DAS MODIFICAÇÕES REVISÃO DATA MOTIVO 00 02/04/09 Emissão do documento 01 05/08/09 Modificação dos itens 5.5 e 7.5 02 27/07/10

Leia mais

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO

Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Certificação Profissional FEBRABAN REGULAMENTO Janeiro de 2014 Versão 1.3 1. INTRODUÇÃO O presente Regulamento é fundamental para reger as operações-chave do programa de Certificação Profissional FEBRABAN.

Leia mais

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL

ACORDO DE QUALIDADE ASSEGURADA FUNÇÃO COMERCIAL 1. Prefácio 1.1 Dados gerais O presente acordo de qualidade assegurada (QSV) define as exigências de qualidade para os fornecedores da REHAU. Assim, o acordo de qualidade assegurada REHAU QSV é a norma

Leia mais

MODELO DE ATUAÇÃO DO INTEGRADOR

MODELO DE ATUAÇÃO DO INTEGRADOR MODELO DE ATUAÇÃO DO INTEGRADOR SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1. OBJETIVO DO MANUAL... 3 2. QUEM É CONSIDERADO INTEGRADOR?... 3 3. QUAIS PROCESSOS SERÃO ALTERADOS?... 4 3.1» COMISSÃO... 4 3.2» NOVO CHECKLIST ON-LINE...

Leia mais

Manual da Qualidade Fornecedores 2007

Manual da Qualidade Fornecedores 2007 Manual da Qualidade Fornecedores 2007 www.metalurgicanunes.com.br 2 ÍNDICE 01 Introdução. 3 02 Filosofia da Qualidade 3 03 Políticas da Metalúrgica Nunes 4 04 Requisitos de Qualidade para fornecimento

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª

2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 7.ª REVISÕES Edição Data Alteração da Revisão 1.ª 19/12/2003 Emissão Inicial 2.ª 19/08/2004 Adequação 3.ª 23/12/2004 Adequação 4.ª 01/05/2006 Reedição do Manual 5.ª 02/01/2008 Reedição do Manual 6.ª 01/03/2011

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES PREGÃO ELETRÔNICO Nº 10/2008 ATA DO REGISTRO DE PREÇOS CONTRATAÇÃO DE EMPRESA DO RAMO DE PRESTAÇÃO DE

Leia mais

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8

REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 REQUISITOS ESPECÍFICOS Página 2 de 8 Sumário 1. Introdução... 3 2. Objetivo... 3 3. Aplicação... 3 4. Documentos de Referência... 3 5. Sistema de Gestão... 3 6. Requisitos Gerais... 4 7. Requisitos Automotivos...

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO Fevereiro de 2012 1 SUMÁRIO 1. Dos Princípios e Objetivos 2. Dos Fundamentos do Programa 3. Da Estrutura do Programa 4. Da Documentação de Referência

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 Página 1 de 21 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS NORMATIVAS...3 5. DEFINIÇÕES...3 6. QUALIFICAÇÃO DA EQUIPE DE AUDITORES...4 7. CONDIÇÕES GERAIS...4 8.

Leia mais

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12

Procedimento Sistêmico Nome do procedimento: Tratar Não Conformidade, Incidentes e Acidentes Data da Revisão 18/01/12 1/ 11 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Emissão do documento Adequação de seu conteúdo para sistema ISO 9001:2008 e alteração de nomenclatura. 01 Deixa de ser chamado de PO (Procedimento Operacional)

Leia mais

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade Programa da Qualidade Página 1/20 ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade REVISADO POR RUBRICA DATA Nome: Renato César Vieira de sousa / /

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO

CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS Foco no cliente interno e parceria com o fornecedor para garantir a satisfação dos clientes, aliado à filosofia de colocar no mercado produtos de

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS DE VENDA SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA Os Termos e Condições Gerais de Venda definidos abaixo e a Confirmação de Pedido enviada por SPIROL SOLUÇÕES EM FIXAÇÃO LTDA., sociedade

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO. Caríssimo professor, Caríssima professora:

1. APRESENTAÇÃO. Caríssimo professor, Caríssima professora: MANUAL DO PROFESSOR 1. APRESENTAÇÃO Caríssimo professor, Caríssima professora: Temos a honra e o privilegio de poder contar com V. Sa. como nosso (a) parceiro (a), acreditamos que cada membro do corpo

Leia mais

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R

M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R M A N U A L DA Q U A L I D A D E D O F O R N E C E D O R Sem controle após a impressão SUMÁRIO 1. Objetivo Webdesk\Manual da Qualidade\Subsistema I Logística Pág. - 1 - de 23 2. Responsabilidade do Fornecedor

Leia mais

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO

FAPARMAS. Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO FAPARMAS Torneados de Precisão LTDA. REQUISITO ESPECÍFICO Sistema de Gestão da Qualidade ISO/TS 16949:22 2 / 5 Autor/Data José Ferraz 04/10/26 Aprovação/Data Sergio De Bortoli 04/10/26 s Descrições das

Leia mais

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores

Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Manual de Qualidade Assegurada - Fornecedores Este é um documento controlado somente quando no formato de arquivo eletrônico e utilizado como fonte a cópia na web site www.dhb.com.br para o status do nível

Leia mais

Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário

Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. O QUE É? 2 3. FINALIDADES DO MÓDULO DE CONTRATOS 2 4. INTEGRAÇÕES 3 5. ATORES 3 6. DEFINIÇÕES 3 7. FUNCIONALIDADES 5 8. MANTER

Leia mais

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP

Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP Planejamento Avançado da Qualidade Elementos APQP São descritos a seguir objetivos, expectativas e requisitos relativos à documentação dos elementos individuais do APQP Status Report (ver QSV / S 296001

Leia mais

Sistema de Concessão de Diárias e Passagens SCDP FAQ PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES

Sistema de Concessão de Diárias e Passagens SCDP FAQ PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Sistema de Concessão de Diárias e Passagens SCDP FAQ PERGUNTAS E RESPOSTAS FREQUENTES Operacionalização - Solicitação de Viagem 1 CADASTRAMENTO DE VIAGEM 1.1 Como reativar uma PCDP já cancelada? 1.2 -

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 RESOLVE: CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PORTARIA N.º 652, DE 19 DE MAIO DE 2011 A SECRETÁRIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, especialmente em referência ao disposto no artigo 25, da Constituição Federal de 1988, e ao

Leia mais

6. Resultados obtidos

6. Resultados obtidos 6. Resultados obtidos 6.1 O Balanced corecard final Utilizando a metodologia descrita no capítulo 5, foi desenvolvido o Balanced corecard da Calçados yrabel Ltda. Para facilitar o entendimento deste trabalho,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício

MANUAL DA QUALIDADE - Exemplo Fictício Exemplo de Manual da Qualidade (Quality Manufacturing - Empresa Fictícia) Baseado nos 20 elementos da qualidade ISO 9001, existe uma correspondência de um para um entre os sistemas da qualidade da ISO

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor.

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. acompanhado dos cartões de embarque originais utilizados; f) A FAPERJ não aceitará o pagamento

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA

CONDIÇÕES GERAIS DE COMPRA Pag 1 of 10 OBJETIVO Definir as condições gerais de compras de materiais diretos. ABRANGÊNCIA Todas as Divisões da Eaton Grupo Veículos South América, abaixo relacionadas: Eaton Ltda. - Setor Industrial

Leia mais

Manual da Qualidade para Fornecedores

Manual da Qualidade para Fornecedores Manual da Qualidade para Fornecedores Elaborado por: Indústrias Romi S.A. Departamento de Suprimentos Santa Bárbara d'oeste - SP 09 de Fevereiro de 2009 Edição C N.O.: 26-02 1 0019.C 2 SUMÁRIO GLOSSÁRIO...

Leia mais

C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s

C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s C o t a ç ã o E l e t r ô n i c a V i l l a r e s M e t a l s M a n u a l d o F o r n e c e d o r Portal de Compras Página 1 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Informações importantes... 3 3. Acessando o portal...

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

ANEXO C MANUAL DE POLÍTICA DE FORNECIMENTO PARA ATENDIMENTO ÀS LOJAS DA REDE PRÓPRIA

ANEXO C MANUAL DE POLÍTICA DE FORNECIMENTO PARA ATENDIMENTO ÀS LOJAS DA REDE PRÓPRIA ANEXO C MANUAL DE POLÍTICA DE FORNECIMENTO PARA ATENDIMENTO ÀS LOJAS DA REDE PRÓPRIA Prezados Senhores, Face à constante processo de melhoria contínua nos procedimentos da Rede de Valor Le Postiche, elaboramos

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2

Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Monitor de Comercialização - Proponente MT-212-00056-2 Última Atualização: 08/01/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Painel de Lances V Envio de Lances VI Prorrogação

Leia mais

A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada. As cópias serão obtidas diretamente do site http:compras.cetiqt.senai.br.

A impressão deste documento tem característica de cópia não controlada. As cópias serão obtidas diretamente do site http:compras.cetiqt.senai.br. 1. OBJETIVO O SENAI CETIQT está comprometido em prover total satisfação dos clientes, através de produtos e serviços que atendam as suas necessidades e expectativas em um ambiente de prevenção e melhoria

Leia mais

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda.

Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos Específicos do Cliente Mercedes-Benz do Brasil Ltda. Requisitos relacionados aos itens da ISO TS 16949:2009 Para uso conjunto com ISO TS 16949 (edição 2009 / 06 / 15) Situação de modificação

Leia mais

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br

FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015. Requisitos específicos Bepo. Manual para Fornecedores. www.bepo.com.br FR.ITC.04-03 Revisão: 16 de 19/01/2015 Requisitos específicos Bepo Manual para Fornecedores Índice: 1) Apresentação da Empresa ---------------------------------------------------------------------------pg.03

Leia mais

MANUAL DO SUPERVISOR DE ESTAGIÁRIO

MANUAL DO SUPERVISOR DE ESTAGIÁRIO MANUAL DO SUPERVISOR DE ESTAGIÁRIO Rua Dr. Alberto Ferreira, 179 - Centro - 13480-074 - Limeira/SP - (19) 3404.9634 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO:... 4 2. PERGUNTAS E RESPOSTAS:... 4 1. O que é estágio?... 4

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS Página: 1 de 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

Release 3.83. Resumo das alterações. Gerais. Contabilidade. Estoque. ERP-7113 Lançamentos Erros ao alterar lançamentos contábeis.

Release 3.83. Resumo das alterações. Gerais. Contabilidade. Estoque. ERP-7113 Lançamentos Erros ao alterar lançamentos contábeis. Release 3.83 Resumo das alterações Gerais Contabilidade ERP-7113 Lançamentos Erros ao alterar lançamentos contábeis. 1. Corrigido processo de alteração do lançamento contábil em lotes manuais, nos casos

Leia mais

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015

Monitor de Comercialização Ofertante. Última Atualização 12/11/2015 Monitor de Comercialização Ofertante MT 43-1-00015-0 Última Atualização 12/11/2015 Índice I Como acessar um Leilão II Informações básicas III Anexos IV Como inserir subitens V Emissão de Relatórios VI

Leia mais

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS

EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS EDITAL FAPESB 002/2013 APOIO À PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS CIENTÍFICOS E/OU TECNOLÓGICOS A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia FAPESB, no uso das suas atribuições, torna público o presente Edital

Leia mais

Termos e Condições Gerais de Compras

Termos e Condições Gerais de Compras Termos e Condições Gerais de Compras 1º Escopo da aplicação (1) Independentemente de qualquer acordo por escrito ao contrário, essas condições são aplicáveis a todos os pedidos e contratos, nos quais a

Leia mais

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso

Manual do Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E DE TECNOLOGIA Departamento de Informática Curso de Engenharia de Computação/Bacharelado em Informática Coordenadoria do Trabalho de Conclusão

Leia mais

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira

CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS. Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa. Ricardo Pereira CERTIFICAÇÃO ISO PARA EMPRESÁRIOS Um guia fácil para preparar e certificar sua empresa Ricardo Pereira Antes de começar por Ricardo Pereira Trabalhando na Templum Consultoria eu tive a rara oportunidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS (UFJF Internacional)

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS (UFJF Internacional) UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DIRETORIA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS (UFJF Internacional) Edital de Seleção do Programa de Intercâmbio Internacional de Graduação 2016 A Diretoria de Relações Internacionais

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento para Designação de Organismos de Avaliação da Conformidade, em anexo. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 087, de 03 de maio de 2002. O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais,

O Prefeito Constitucional de Picuí/PB, usando de suas atribuições legais, DECRETO Nº 012, de 05 de agosto de 2009. DISPÕE SOBRE O USO DOS SERVIÇOS DE ACESSO À INTERNET AOS ÓRGÃOS E DEPARTAMENTOS QUE INTEGRAM A ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL DE PICUÍ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

REGRAS GERAIS PARA AUDITORIAS E CERTIFICAÇÕES DQS

REGRAS GERAIS PARA AUDITORIAS E CERTIFICAÇÕES DQS REGRAS GERAIS PARA AUDITORIAS E CERTIFICAÇÕES DQS 1. Serviços de Certificação e Auditoria 1.1 Escopo e Aplicabilidade Estas Regras Gerais para Auditorias e Certificações DQS aplicam-se a todos os serviços

Leia mais

Manual de Estágio Supervisionado

Manual de Estágio Supervisionado NEP Manual de Estágio Supervisionado Sumário Apresentação.................................................................... 3 Considerações Iniciais............................................................

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF.

CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. Três Corações, 12 de janeiro de 2015. CARTA DE REQUISITOS E ESCLARECIMENTOS REFERENTES AO SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADAS APLICÁVEL AOS FORNECEDORES DA MANGELS REF. 01/2015 Este documento pode ser utilizado

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO Através deste manual, a Tecnicont pretende orientar seus clientes e facilitar os procedimentos a serem realizados no envio de documentos

Leia mais

ÍNDICE. Introdução. Definições. Contatos. Roteiro para Atendimento em Garantia. 1. Produtos. 2. Prazos de Garantia. 3.

ÍNDICE. Introdução. Definições. Contatos. Roteiro para Atendimento em Garantia. 1. Produtos. 2. Prazos de Garantia. 3. 1 ÍNDICE Introdução Definições Contatos Roteiro para Atendimento em Garantia 1. Produtos 2. Prazos de Garantia 3. Análise Técnica 4. Remessa para Análise 5. Concessão da Garantia 6. Rejeição da Garantia

Leia mais

DEAMB DIVISÃO DE EMERGÊNCIAS AMBIENTAIS

DEAMB DIVISÃO DE EMERGÊNCIAS AMBIENTAIS DIVISÃO DE INFORMAÇÃO E SISTEMATIZAÇÃO DEAMB DIVISÃO DE EMERGÊNCIAS AMBIENTAIS MANUAL DO LICENCIAMENTO ON-LINE DE FONTES MÓVEIS DE POLUIÇÃO TRANSPORTE DE PRODUTOS E/OU RESÍDUOS PERIGOSOS VERSÃO 2015 INTRODUÇÃO

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

Carteira de Transporte Escolar Metropolitano. Manual de Orientação aos Estudantes Com direito ao PASSE LIVRE. Região Metropolitana de Sorocaba

Carteira de Transporte Escolar Metropolitano. Manual de Orientação aos Estudantes Com direito ao PASSE LIVRE. Região Metropolitana de Sorocaba MA-GRS-004 Versão: 01 Vigência: 2016 Página: 1 / 19 Carteira de Transporte Escolar Metropolitano 2016 Manual de Orientação aos Estudantes Com direito ao PASSE LIVRE Região Metropolitana de Sorocaba MA-GRS-004

Leia mais

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013

Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Normas do Sistema de Suspensão Rápida Uniforme (URS) em vigor a partir de 28 de junho de 2013 Estas Normas estão em vigor para todos os processos de URS. Os procedimentos de URS devem ser regidos por estas

Leia mais

TERMOS DE USO DO PORTAL BEMDEMAIS

TERMOS DE USO DO PORTAL BEMDEMAIS TERMOS DE USO DO PORTAL BEMDEMAIS 1. ACEITAÇÃO DO TERMO DE USO 1.1 O PORTAL BEMDEMAIS (BEMDEMAIS QUALIDADE DE VIDA, SERVIÇOS DE NUTRIÇÃO E REPRESENTAÇÃO LTDA., CNPJ 15.667.989/0001-69) fornece a você (doravante

Leia mais

GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR

GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR GUIA DO ESTAGIÁRIO CURSO SUPERIOR FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE CURSO SUPERIOR EM BACHAREL EM SITEMAS DE INFORMAÇÃO 1 Faculdade de Tecnologia de São Vicente Av. Presidente Wilson, 1013 Centro

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 17021

ABNT NBR ISO/IEC 17021 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR ISO/IEC 17021 Primeira edição 19.03.2007 Válida a partir de 19.04.2007 Versão corrigida 03.09.2007 Avaliação de conformidade Requisitos para organismos que fornecem auditoria

Leia mais

PROGRAMA OI DE PATROCÍNIO CULTURAL INCENTIVADO EDITAL DE SELEÇÃO 2015/2016 SELEÇÃO NACIONAL DE PROJETOS CULTURAIS

PROGRAMA OI DE PATROCÍNIO CULTURAL INCENTIVADO EDITAL DE SELEÇÃO 2015/2016 SELEÇÃO NACIONAL DE PROJETOS CULTURAIS A OI e o OI FUTURO tornam público, para conhecimento dos interessados, que receberá inscrições para o Processo de Seleção Nacional de Projetos Culturais 2015/2016. A Seleção Nacional de Projetos Culturais

Leia mais

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT

CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Betim, 25 de Março de 2011 CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS REFERENTES À ISO/TS 16949 APLICÁVEIS AOS FORNECEDORES FIASA/FPT Atualiza e substitui, a partir de 11/04/2011, a CARTA DE REQUISITOS ESPECÍFICOS

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR

MANUAL DO FORNECEDOR MANUAL DO FORNECEDOR ASSOCIAÇÃO LAR SÃO FRANCISCO DE ASSIS NA PROVIDENCIA DE DEUS Hospital Regional de Presidente Prudente/SP CNPJ 53.221.255/0032-47 Rua José Bongiovani, 1297 - Bairro Cidade Universitária

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD)

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD) SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE INTERNO - SCI GERÊNCIA DE AÇÃO PREVENTIVA - GEAP COORDENAÇÃO DE AÇÃO PREVENTIVA - COAP MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DA LIQUIDAÇÃO DE DESPESA (MFLD) GOIÂNIA, JULHO DE 2009 1ª EDIÇÃO

Leia mais

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS

MANUAL DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS 1 de 17 UMA PARCERIA DE SUCESSO É O SEGREDO PARA A QUALIDADE TOTAL! DE QUALIDADE PARA FORNECEDORES DA VS LIMA & PÓ KOLT PINTURAS Elaborado por: N - Data da Revisão Data da Emissão Aprovado por: CARIMBO

Leia mais

1. O Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90) é aplicável às compras feitas via Internet?

1. O Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90) é aplicável às compras feitas via Internet? 1. O Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90) é aplicável às compras feitas via Internet? Quando consumidor e fornecedor estiverem estabelecidos no Brasil, o Código de Defesa do Consumidor (CDC)

Leia mais

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul.

Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. LEI Nº 13.179, DE 10 DE JUNHO DE 2009 Business Online Comunicação de Dados Dispõe sobre a Cotação Eletrônica de Preços no Estado do Rio Grande do Sul. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

Portal dos Convênios SICONV

Portal dos Convênios SICONV MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE LOGÍSTICA E SERVIÇOS GERAIS Portal dos Convênios SICONV Execução Processo de Compra, Contrato,

Leia mais