Análise do Fluxo Financeiro em Relação ao Financiamento do Capital de Giro de uma Indústria de Embalagens de Plásticos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do Fluxo Financeiro em Relação ao Financiamento do Capital de Giro de uma Indústria de Embalagens de Plásticos"

Transcrição

1 Análise do Fluxo Financeiro em Relação ao Financiamento do Capital de Giro de uma Indústria de Embalagens de Plásticos Área: Administração Categoria: PESQUISA Joseane Fátima Graciano UNIOESTE, Geysler Rogis Flor Bertolini UNIOESTE, Resumo Este estudo buscou analisar o fluxo financeiro em relação ao financiamento do capital de giro de uma indústria e comércio de embalagens de plásticos, com informações referentes ao período de Janeiro a Setembro de Para o embasamento teórico foram analisados os conceitos de administração financeira, gestão do capital de giro, o fluxo financeiro; foram abordados também ciclo financeiro e seus aspectos sobre a gestão das contas a receber, das contas a pagar e dos estoques. Foi identificado como o capital de giro tem sido financiado; quais as fontes utilizadas e seus custos e foi elaborada uma proposta que otimize o financiamento para o Capital de Giro. Foi elaborada uma análise do fluxo financeiro, na qual a rotina e os controles financeiros foram descritos, e apresentado a forma de financiamento do capital de giro e os custos que a empresa teve no período analisado. Os resultados desta pesquisa apresentaram fatores em que a empresa tem bons resultados como nos prazos de vendas e prazos de compras, e alertou sobre alguns fatores que a empresa precisa rever e elaborar melhorias. Foram apresentadas melhorias para adequar os aspectos relacionados ao capital de giro da empresa em estudo. Palavras-Chave: fluxo de caixa; capital de giro; custos.

2 Análise do Fluxo Financeiro em Relação ao Financiamento do Capital de Giro de uma Indústria de Embalagens de Plásticos Área: Administração Categoria: PESQUISA Resumo Este estudo buscou analisar o fluxo financeiro em relação ao financiamento do capital de giro de uma indústria e comércio de embalagens de plásticos, com informações referentes ao período de Janeiro a Setembro de Para o embasamento teórico foram analisados os conceitos de administração financeira, gestão do capital de giro, o fluxo financeiro; foram abordados também ciclo financeiro e seus aspectos sobre a gestão das contas a receber, das contas a pagar e dos estoques. Foi identificado como o capital de giro tem sido financiado; quais as fontes utilizadas e seus custos e foi elaborada uma proposta que otimize o financiamento para o Capital de Giro. Foi elaborada uma análise do fluxo financeiro, na qual a rotina e os controles financeiros foram descritos, e apresentado a forma de financiamento do capital de giro e os custos que a empresa teve no período analisado. Os resultados desta pesquisa apresentaram fatores em que a empresa tem bons resultados como nos prazos de vendas e prazos de compras, e alertou sobre alguns fatores que a empresa precisa rever e elaborar melhorias. Foram apresentadas melhorias para adequar os aspectos relacionados ao capital de giro da empresa em estudo. Palavras-Chave: fluxo de caixa; capital de giro; custos. 1. INTRODUÇÃO Liz (2008) afirma que a gestão financeira é um conjunto de ações e procedimentos administrativos que envolvem o planejamento, a análise e o controle das atividades financeiras da empresa. O objetivo é melhorar os resultados apresentados pela empresa e aumentar o valor do patrimônio por meio da geração de lucro líquido. A autora destaca que uma correta administração financeira permite que se visualize a atual situação da empresa. Registros adequados permitem análises e colaboram com o planejamento para otimizar resultados. A inadequada administração financeira pode causar falta de informações corretas sobre saldo do caixa, valor dos estoques das mercadorias, valor das contas a receber e das contas a pagar, volume das despesas fixas e financeiras, valores de lucro ou prejuízo, preço de venda, custos, despesas, entradas e saídas de caixa, etc. Durante as operações da empresa ocorrem compras, produção e vendas de um bem ou serviço, e estes processos resultam em entradas e saídas e geram encaixes e desencaixes de recursos financeiros. Souza (2007) diz que, entende-se por capital de giro o valor dos recursos envolvidos na movimentação do dia-a-dia da empresa, isto é, no giro. O planejamento financeiro de curto prazo foca-se na administração do capital de giro da empresa. Segundo Gitman (1997) a administração financeira de curto prazo administração dos ativos e passivos circulantes constitui uma das mais importantes atividades dos administradores financeiros e segundo Brigha e Ehrhard (2006), cerca de 60% do tempo de um administrador financeiro típico é dedicado à administração do capital de giro. Perez e Famá (2008) afirmam que a administração do capital de giro na empresa é uma variável estratégica, fundamental para a própria continuidade de suas atividades, pois uma empresa pode conseguir sobreviver alguns exercícios sociais sem lucro, mas efetivamente quebra se não tiver caixa. É a liquidez que garante a continuidade dos negócios, portanto deve manter um planejamento financeiro para controlar e direcionar as políticas da

3 empresa. Desta forma como avaliar se o planejamento está sendo efetivo e está de acordo com o potencial da empresa em estudo? Este estudo buscou apresentar como o fluxo financeiro pode fornecer informações que auxiliam no gerenciamento do capital de giro, proporcionando verificar a importância do planejamento financeiro. Buscou-se apresentar quais são os pontos fundamentais a serem observados para que haja um controle financeiro dinâmico e eficiente, diminuindo os custos de capital e integrando todas as áreas da empresa. Tem-se como objetivo deste artigo, analisar o fluxo financeiro da uma indústria de embalagens de plásticos da cidade de Cascavel, em relação ao seu financiamento do capital de giro. 2. METODOLOGIA A pesquisa trata-se de um estudo de caso, de caráter exploratório. Buscou-se analisar informações referentes ao fluxo financeiro com ênfase no capital de giro, o corte foi transversal, analisando os dados do período de Janeiro a Setembro de 2008, considerando a evolução dos dados neste período. Os dados foram coletados de fontes secundárias através de análises de planilhas e relatórios utilizados pela empresa. Para as informações mais específicas foram utilizados documentos como demonstrativos financeiros e planilhas utilizadas na empresa e com base nestes arquivos foram realizados os cálculos dos indicadores para avaliar a situação da empresa. Os dados foram tratados e analisados descritivamente, utilizando métodos quantitativos, utilizando gráficos e tabelas para expor as análises. A pesquisa foi realizada em uma Indústria de Embalagens de Plásticos, localizada em Cascavel PR, denominada Plásticos. O estudo foi realizado no departamento financeiro da empresa. A população pesquisada foi composta por 1 diretor financeiro e 1 diretor comercial e 2 funcionários do departamento financeiro, totalizando 4 funcionários. 3. REVISÃO TEÓRICA Brigha e Ehrhardt (2006) afirmam que para a maioria das empresas não é possível atingir o capital de giro zero e uma produção infinitamente eficiente. Um enfoque na minimização dos recebíveis e estoques e, ao mesmo tempo, na maximização do saldo de conta a pagar ajudaria a empresa a reduzir seu investimento em capital de giro e a atingir as economias financeira e produtiva. Na visão de Damodaran (2004) o investimento em capital de giro é importante tanto na análise de projetos quanto na avaliação de empresas, porque afeta os fluxos de caixa. Investimentos em estoque exigem recursos, e duplicatas a receber representam recursos que ainda não foram recebidos sobre vendas já realizadas. Conseqüentemente, qualquer investimento em estoque ou duplicatas a receber representa fluxos de saída de caixa. Aumentos nesses investimentos de período a período criam mais fluxos de saída de caixa, ao passo que decréscimos de período a período são fluxos de entrada de caixa. Reichert (2004) diz que há necessidade de crédito, quando o empresário precisa de capital para investir em melhorias na empresa, como renovar as instalações, incorporar novas tecnologias, processos, adquirir novos equipamentos, imóveis, etc.; assim como quanto a necessidade de capital de giro para suprir as defasagens de caixa da empresa, para suprir as necessidades operacionais de compra de matéria prima, pagamentos de impostos e salários. Segundo Matarazzo (2003) a necessidade de capital de giro é um conjunto de itens de financiamento que podem ser capital próprio e empréstimos bancários de longo ou curto prazo, nunca um ativo. Necessidade de capital de giro é exatamente aquilo que o

4 financiamento operacional não cobre, e reflete o montante de que a empresa necessita tomar como empréstimo para financiar o se ativo circulante em decorrência das atividades de comprar, produzir e vender. Assaf e Silva (2002) sintetizam que no ciclo financeiro, se houver um período em que a atividade operacional da empresa demande uma necessidade permanente de recursos, de maneira a cobrir a parte dos investimentos operacionais não financiadas pelos respectivos passivos. É exatamente esta demanda líquida de financiamento que se denomina necessidade de capital de giro. Brigha e Ehrhardt (2006) afirmam que todas as empresas devem manter algum caixa para engraxar as engrenagens de suas operações. As empresas continuamente recebem pagamentos em cheque dos clientes e emitem cheques para fornecedores, empregados e assim por diante. Pelo fato de as entradas e saídas não coincidirem perfeitamente, uma empresa precisa manter algum dinheiro em sua conta bancária. Em outras palavras, algum dinheiro em caixa é necessário para conduzir as operações. Isso também vale para a maior parte dos outros ativos circulantes, como estoques e contas a receber, que são necessários para as operações fundamentais. Ceretta et al. (2004) afirma que para suprir necessidades eventuais ou constantes de capital de giro, as empresas podem optar por uma das várias opções oferecidas pelo mercado financeiro. No entanto, é necessário conhecer detalhadamente todas as possibilidades de financiamento oferecidas pelo mercado para que se possa proceder a escolha correta. Fatores como taxa de juros e risco influenciam diretamente na escolha de fontes de financiamento que podem levar tanto a lucros como a prejuízos. Desta maneira, faz-se necessário uma cuidadosa análise acerca desses fatores. Brigha e Ehrhardt (2006) destacam que o capital de giro é constituído de quatro componentes principais: caixa, títulos negociáveis, estoques e contas a receber. As empresas geralmente seguem um ciclo em que compram o estoque, vendem as mercadorias a prazo e, em seguida, cobram as contas a receber. Esse ciclo é denominado ciclo de conversão de caixa. Ressaltando que a política de capital de giro forte é destinada a minimizar o tempo entre os gastos de caixa em materiais e o recebimento de caixa das vendas. Damodaran (2004) afirma que o investimento em capital de giro é importante tanto na análise de projetos quanto na avaliação de empresas, porque afeta os fluxos de caixa. Investimentos em estoque exigem recursos, e duplicatas a receber representam recursos que ainda não foram recebidos sobre vendas já realizadas. Conseqüentemente, qualquer investimento em estoque ou duplicatas a receber representa fluxos de saída de caixa. Aumentos nesses investimentos de período a período criam mais fluxos de saídas de caixa, ao passo que decréscimos de período a período são fluxos de entrada de caixa. 3.1 Fontes de financiamento de capital de giro Groppelli e Nikbakht (1998) afirmam que o financiamento a curto prazo serve para cobrir deficiência de fundos, quando as entradas de caixa falham em cobrir os repentinos aumentos de despesas. A meta é captar fundos temporariamente, em antecipação a futuras entradas de caixa para quitar os compromissos. Gitman (2004) diz que as empresas obtêm empréstimos de curto prazo sem garantias de basicamente duas fontes: bancos e emissão de notas promissórias comerciais. Empréstimos bancários são mais comuns porque estão disponíveis a empresas de todos os tamanhos; as notas promissórias comerciais costumam estar disponíveis somente para as grandes. Além disso, empréstimos internacionais podem ser utilizados para financiar transações internacionais.

5 Confirmando a teoria de Gitman (2004), foi encontrado no site do Banco Sofisa (2008) é apresentado um exemplo de produto oferecido para empresas na qual é realizada a antecipação de recebíveis e contratos através de títulos descontados. Caracterizado como uma modalidade de crédito onde é realizado o adiantamento aos clientes, por meio do desconto sobre o valor de face do recebível, desconto este que varia de acordo com determinados fatores, dentre os quais prazo de recebimento e qualidade do recebível. Existem ainda as opções de empréstimos de curto ou médio prazo, usualmente garantidos com o fluxo de recebíveis oriundos de contratos específicos onde as cláusulas e condições variam de acordo com as necessidades de cada cliente em particular. Sanvicente (1987) diz que através de uma operação de desconto de títulos, uma empresa obtém de um banco comercial um empréstimo de recurso, cujo prazo é representado pela distância entre o momento em que a empresa recebe o valor efetivo emprestado, e o momento em que, na ausência da operação, deveria ter à sua disposição os fundos envolvidos. No desconto de duplicatas, a empresa envia ao banco os títulos a serem descontados, e a instituição libera o saldo da operação descontado os juros, que pagos imediatamente., o que deve representar certo acréscimo de custo em relação aos níveis nominais, no momento que o cliente paga a duplicata a empresa não recebe nada, pois o recurso pertence ao banco, que já antecipou o pagamento no momento da transação de desconto de títulos. Além desse aspecto, há a questão do desconto por fora, também chamado sintomaticamente de desconto bancário ou comercial. O Banco Sofisa (2008) apresenta no seu site institucional, a opção de trabalhar com Conta Garantida, que envolve a abertura de uma linha de crédito rotativo, garantida por recebíveis e direitos creditórios suficientes que assegurem o pagamento dos montantes sacados. Nas transações com contas garantidas, a empresa tem um limite de títulos que pode remeter a instituição, e a medida que a empresa remete os títulos ao banco é liberado o saldo em conta corrente, e a medida que é liquidado as cobranças de duplicatas a empresa cobre o saldo devedor, devendo no fim do mês cobrir os juros referentes aos saldos utilizados. Os saques nas contas garantidas são efetuados mediante solicitação expressa dos clientes, sempre vinculados à existência de garantias adequadas. Seguindo a mesma linha de financiamento o Banco Safra (2008) também informa em seu site os produtos que oferece aos seus clientes empresariais: Antecipação de recebíveis, empréstimos para capital de giro com ou sem garantia, e conta garantida de recebíveis onde os títulos recebíveis são a garantia da quitação do saldo utilizado pela empresa. Reichert (2004) diz que a antecipação de recebíveis é um empréstimo que possibilita o aumento de capital de giro e acelera o crescimento da empresa. Com essa linha de crédito, pode-se antecipar o fluxo de caixa utilizando, como garantia o que a empresa tem a receber. Após a aprovação do crédito, os valores são liberados diretamente em conta corrente e a cobrança dos recebíveis é feita pelo banco. Groppelli e Nikbakht (1998) apresentam que para o financiamento de curto prazo a empresa pode trabalhar com (1) emissão de Comercial Papers: é um título emitido para captar recursos no qual há a promessa da empresa recomprar este título na data de vencimento pagando o valor contratado, (2) Crédito comercial: é utilizar o poder de negociação no momento de compras para ampliar ao máximo os prazos recebidos pelos fornecedores, (3) Empréstimos de curto prazo com garantias: são baseados na caução de duplicatas a receber ou dos estoques, existindo a opção de trabalhar com empresas de factoring no qual pode-se considerar que a empresa esteja penhorando suas duplicatas. 3.2 Fluxo financeiro na empresa

6 Para compreender onde se encaixa o fluxo financeiro da empresa é necessário saber quais são os seus componentes, pois este é resultado de alguns ciclos que ocorrem na rotina da empresa, Ramos (2005) explica que os ciclos dividem-se em ciclo econômico, ciclo financeiro e o ciclo operacional que compõe todo o sistema. a) ciclo econômico: é o período em que a mercadoria permanece nas dependências da empresa, desde a compra até a venda da mesma, pode ser considerado como o giro de estoques, o qual mostra qual a velocidade que a empresa gira o seu estoque. Quanto maior for o estoque, mais lento será o seu giro, ocasionando, numa possível insuficiência crônica de caixa, forçando-a a captação sistemática de recursos de terceiros comprometendo a saúde financeira da empresa; b) ciclo financeiro: tem início com o desembolso de numerários para a aquisição da mercadoria que será revendida pela empresa e encerra-se com o recebimento relativo à venda da mesma. Este é o ciclo de caixa. O reflexo do ciclo econômico se dará neste ciclo. Se o giro do estoque é lento, primeiro a empresa pagará para após receber, ocasionando em desembolso desnecessário. Além de compromissos com fornecedores a empresa também deve honrar outros compromissos mensais, que são os custos fixos ou despesas operacionais. São gastos necessários para que a empresa possa operar; c) ciclo operacional: representa os dois ciclos juntos, iniciando-se quando da compra da mercadoria e encerrando-se quando da venda ou do recebimento dos recursos da venda. Segundo Hoji (2001), o ciclo operacional inicia-se junto com o ciclo econômico ou ciclo financeiro, o que ocorrer primeiro, e encerra-se junto com o encerramento do ciclo econômico ou financeiro, o que ocorrer por último. Para Ramos (2005) o ciclo operacional para o administrador financeiro, fornece uma visão comparativa dos prazos de giro de estoque, prazo médio de recebimento e prazo médio de pagamento, além dos custos fixos mensais. O ciclo operacional é composto pelos ciclos econômico e financeiro. Assaf Neto (2003) diz que o ciclo operacional corresponde ao intervalo de tempo compreendido desde a recepção dos materiais de produção (ou das mercadorias para revenda) até a cobrança das vendas correspondentes. Durante esse período são investidos recursos nas operações da empresa sem que ocorram as entradas de caixa de relativas às vendas. Parte deste capital de giro é suprida pelos fornecedores que concederam prazo para pagamento das compras de materiais ou de mercadorias. Utilizando os prazos médios para representar os ciclos operacionais das empresas industriais e das empresas comerciais e das empresas comerciais. Para Silva (2001) que o fluxo de caixa é elaborado através dos fluxos operacionais, que são as entradas e as saídas diretamente associadas à compra e à venda de ativos imobilizados e a participações em outras empresas. As transações de compra resultam em saídas de caixa, ao passo que as transações de venda geram entradas de caixa. Os fluxos de financiamentos resultam de operações de captação de recursos de terceiros e capital próprio. A captação de recursos de terceiros de curto prazo ou longo prazo resulta numa entrada (ou saída) de caixa. Assaf Neto e Silva (1997) afirmam que as demonstrações de fluxos de caixa resumem os movimentos de entrada e saídas de caixa durante o período considerado, e também oferece uma visão dos fluxos de caixa operacionais, de investimento e financiamento da empresa e concilia tais variações dos saldos de caixa e aplicações em títulos negociáveis nesse período. Silva (2001) destaca que a demonstração do fluxo de caixa permite ao administrador financeiro e a outros interessados elaborar uma análise do fluxo de caixa da empresa, na qual deve-se prestar especial atenção tanto nas principais categorias do fluxo de caixa quanto nas entradas e saídas individuais para verificar se aconteceu algo que seja contrário às políticas

7 financeiras da empresa. As análises pode ser usada para aferir o progresso alcançado em termos de metas projetadas, ou para identificar situações de ineficiência. E é utilizado como ferramenta para prever qual a necessidade de capital da empresa para os próximos períodos, e se é necessário a busca de capital de terceiros, ou alteração de políticas de créditos. 3.3 Ciclo financeiro Silva (1995) apresenta o ciclo financeiro baseado nos três índices de rotação o PMP Prazo Médio de Pagamento, PMR Prazo Médio de Recebimento, e o PME Período Médio de Estocagem. Esses índices são decorrentes das atividades de compra, estocagem e venda de mercadorias. Ciclo financeiro é o período que a empresa leva para que o dinheiro volte ao caixa, isto é, compreende o prazo médio de rotação de estoque, mais o prazo médio de recebimento das vendas, menos o prazo médio de pagamentos das compras A administração de contas a receber Sebrae (2004) publica que contas a receber representam créditos que a empresa tem a receber de seus clientes, envolvem política de crédito, que corresponde ao processo compreendendo: a decisão de se conceder o crédito ou não, a que valor e os requisitos exigidos para essa concessão e os prazos de recebimentos oferecidos. Para Groppelli e Nikbakht (1998) as contas a receber são parecidas com empréstimos sem juros para os clientes, porque os vendedores devem pagar despesas de juros à medida que seu capital fica empatado nas contas a receber. A gestão de crédito influencia diretamente os valores a receber e conforme Reichert (2004) diz que o conceito de crédito está ligado à idéia de segurança e de verdade que se pode inferir de alguma pessoa ou de uma empresa. Para Santos (2001) um dos componentes mais expressivos do capital de giro de uma empresa são as contas a receber provenientes de suas vendas a prazo, e dependendo das condições de mercado, a empresa pode conceder a seus clientes prazos de pagamento diferenciados de acordo com o tipo de produto. Para Sanvicente (1987) a administração financeira de contas a receber preocupa-se e interage com a área de marketing, já que a política de crédito compreende diretrizes e procedimentos de seleção de clientes, cobrança e descontos e constitui importante elemento para a consecução dos objetivos de venda. Sebrae (2004) apresenta que um dos fatores que influenciam a gestão das contas a receber é o prazo de recebimento dessas contas. Ele mede o tempo médio de retorno dos recursos utilizados nas vendas a prazo e determina qual o volume a ser investido em contas a receber. A redução de prazo de recebimento deve ser um objetivo constante na administração do caixa da empresa. Essa redução, entretanto, pode depender da política de vendas e algumas ações em outras áreas da empresa e pode gerar caixa mais rapidamente, redução de custos e elevação do custo de oportunidade. Braga (1989) ensina que o Prazo Médio de Recebimento (PMR) envolve as vendas a vista e a prazo quando for utilizado o faturamento total no denominador obtém-se o prazo médio de recebimento das vendas a prazo, inclusive os atrasos ocorridos nas liquidações das duplicatas. As devoluções e os abatimentos devem estar compatibilizados com o critério adotado para o cálculo do PMR (Total ou apenas relativo ás vendas a prazo). Silva (1995) sintetiza que o prazo médio de recebimento das vendas indica quantos dias, em média, a empresa leva para receber suas vendas. Segundo Gitman (2004) o prazo médio de recebimento, ou idade média das contas a receber, é útil na avaliação das políticas de crédito e cobrança. O autor ensina como calcular o PMR: Prazo Médio de Recebimento = Contas a Receber Vendas diárias médias

8 Para Silva (1995) do ponto de vista de análise de risco, o prazo médio de recebimento é um índice do tipo quanto maior, pior. Por outro lado, convém analisa-lo juntamente com o prazo de rotação de estoques e de pagamento de compras. Matarazzo (2003) ainda diz que a precisão dos índices de prazos médios está diretamente ligada à uniformidade das vendas e compras. Se as empresas têm vendas e compras aproximadamente uniforme durante o ano, os índices de prazos médios refletirão satisfatoriamente A administração de contas a pagar Para Groppelli e Nikbakht (1998) as contas a pagar podem ser vistas como empréstimos dos fornecedores sem juros, devendo ser analisada as opções de descontos para pagamentos à vista onde o desconto recebido deve superar os custos do capital envolvido. De acordo com Reinert e Bertolini (2007) o controle das contas a pagar de serve para avaliar as melhores oportunidades de assumir novos compromissos, de maneira a não centralizar muitos pagamentos em determinadas datas. Este controle possibilita que o empresário fique permanentemente informado sobre vencimento dos compromissos, como estabelecer prioridades de pagamento e o montante dos valores a pagar. Prazo Médio de Pagamento (PMP) das compras de materiais de produção e/ou das mercadorias para revenda, considera em seu cálculo o saldo médio das duplicatas a pagar e o saldo médio do valor das compras, e o valor das compras brutas. (BRAGA, 1989). Para Silva (1995), o prazo médio de pagamento das compras indica quantos dias, em média, a empresa demora a pagar seus fornecedores. Segundo Gitman (2004, p. 48), o prazo médio de pagamento, ou idade média das contas a pagar é obtido pela divisão do valor diário médio das compras pelo saldo de contas a pagar: Prazo Médio de Pagamento = Contas a Pagar Compras diárias médias A administração e controle de estoques Damodaram (2004) explica que estoque refere-se aos investimentos em matéria-prima, material em processo de produção e produtos acabados mantidos pela empresa em qualquer momento. O estoque normalmente gira com intervalos freqüentes e, assim, pode ser esperado que seja convertido em dinheiro mais rapidamente. A velocidade com a qual o estoque é transformado em dinheiro depende da linha de negócios da empresa. Para Groppelli e Nikbakht (1998) o principal propósito da administração de estoques é determinar e manter o nível de estoque que satisfaça os pedidos dos clientes em quantidades suficientes e a tempo. Entretanto, manter estoques é dispendioso porque imobiliza um dinheiro que não rende juros nem gera renda. A empresa deve analisar os benefícios de manter estoques versus custos ocasionados por estes. Silva (1995) explica que o prazo médio de rotação dos estoques indica quantos dias, em média, os produtos ficam armazenados na empresa antes de serem vendidos. O volume de estoques mantido por uma empresa decorre fundamentalmente de seu nível de vendas e de sua política de estocagem. Há duas formas principais de interpretar os estoques: primeiro, vendo o montante de estoques da empresa como algo que representa certa potencialidade de os mesmos serem transformados em dinheiro e segundo, considerar os estoques como aplicação de recursos no ativo circulante, pois quanto maior for o estoque, maior será a quantidade de recurso aplicado. A forma com que a empresa utiliza para financiar os seus estoques deve ser analisada, pois se houver um estoque elevado mantido à custa de empréstimos bancários tenderá a ser uma situação de risco.

9 Groppelli e Nikbakht (1998) apresentam métodos que auxiliam na gestão de estoques, o método LEC Lote econômico de compra, que consiste na realização de compras planejadas regularmente a fim de eliminar os custos de pedido e manutenção. Gitman (2004), diz que há diversas técnicas disponíveis para administrar eficazmente o estoque de uma empresa, sendo as mais comuns o Sistema ABC, que consiste em gerenciar os itens que representam maior volume ou custo prioritariamente, Sistema Just-in-time, que tem o objetivo de minimizar os investimentos em estoques, fazendo com que as compras coincidam com a entrega próximo ao momento de produção, e o Sistema MPR, que planeja as necessidades de materiais, determinando quanto e quando estes devem ser encomendados. Silva (1995, p. 230) ensina a fórmula para cálculo do prazo médio de rotação dos estoques: PMRE s = Estoque Médio X Dias do período a ser considerado Custo da Mercadoria Vendida Para Silva (1995) do ponto de vista da análise de risco, prazo médio de rotação de estoques é um índice do tipo quanto maior, pior. Por outro lado, convém analisa-lo também juntamente com os prazos de recebimento e pagamento. O autor destaca que os estoques, assim como qualquer ativo, representam sempre uma aplicação de recursos e deve-se sempre verificar os custos de manter materiais em estoques. 4. ANÁLISE DE DADOS A organização deste estudo de caso atua no mercado de embalagens de plásticos, foi criada em abril de 2004 após a cisão de uma sociedade. Os proprietários têm experiência de mais de 20 anos neste ramo, a empresa está situada na área industrial da cidade de Cascavel- PR, possui sede e equipamentos próprios, conta atualmente com aproximadamente 100 funcionários, dos quais cerca de 20% fazem parte da área administrativa e comercial. A empresa trabalha com a industrialização e comércio de embalagens plásticas para alimentos, produzindo sacolas, bobinas para forração, bobinas picotadas, embalagens para exportação, filmes e sacos contráteis, filmes técnicos lisos e impressos para laticínios, sacos avulsos, sacos de lixo, sacos de fundo redondo. O atendimento abrange o mercado nacional e internacional atendendo em vários segmentos, como supermercados, hospitais, jornais, laticínios, frigoríficos e indústrias de alimentos de diversos setores, obtendo aproximadamente R$ 2,0 milhões de faturamento mensal. 4.1 Ciclo financeiro Assaf Neto (2003) explica que o ciclo financeiro compreende o prazo entre as saídas de caixa (relativas aos pagamentos dos fornecedores) e as entradas de caixa (provenientes dos recebimentos das vendas). Durante este período, a empresa tem de financiar suas operações sem a participação dos fornecedores. Quanto maior for o ciclo financeiro, mais de recursos próprios e de terceiros (exceto de fornecedores) estarão temporariamente aplicados nas operações, provocando custos financeiros e afetando a rentabilidade. Para o cálculo do prazo médio de recebimento foi analisado o volume de vendas, conforme apresentado a seguir.

10 Gráfico 1 Volume de vendas em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). O Gráfico 1 apresenta a evolução das vendas no período analisado. O saldo de vendas de Janeiro a Setembro/2008 totalizou R$ ,14 com uma média de vendas de R$ ,35 mensais. Em outros controles verificou-se que o saldo de títulos a receber era R$ ,06 em 30/09/2008. Verifica-se no Gráfico 1 que nos meses de Fevereiro, Março e Abril houve queda no volume de faturamento, que conforme descrito pela diretora financeira, esta queda é típica do mercado, decorrente do efeito do período de férias e carnaval. Fato percebido também na análise de vendas diárias a seguir: Gráfico 2 Média diária de vendas em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). Com base no Gráfico 2 verifica-se que a média diária de vendas totaliza R$ ,23. Nos meses de Junho e Julho quando ocorreram vendas superiores a R$ 2 milhões, porém, as médias não superaram cem mil reais, o que pode estar relacionado com uma sazonalidade mensal. Para a análise da qualidade de vendas é necessário verificar qual o prazo a qual estas estão sendo realizadas, segundo Gitman (2004), o prazo médio de recebimento, ou idade média das contas a receber, é útil na avaliação das políticas de crédito e cobrança. O autor ensina como calcular o PMR: Prazo médio de recebimento = Contas a Receber Vendas diárias médias E seguindo esta fórmula chega-se ao seguinte resultado: Saldo de contas a receber = R$ ,06 = 25,53 dias vendas diárias médias R$ ,23 Quadro 1 Cálculo do prazo médio de recebimento (PMR) Fonte: Dados da organização (2008). Verifica-se no Quadro 1 que o prazo médio de recebimento das vendas é 25,53 dias, isto significa que entre a data de faturamento e a entrada do recurso no caixa há um intervalo

11 de aproximadamente 26 dias. Para o cálculo do prazo médio de pagamento foi analisado o volume de compras, conforme apresentado a seguir. Gráfico 3 Volume de compras realizadas em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). Verifica-se no Gráfico 3 que o volume de compras no período totaliza R$ ,74 e apresenta uma média mensal de vendas de R$ ,30. O saldo de compras de Julho superou os demais meses ultrapassando 59 % a média, devido ao maior investimento em estoques por precaução devido ao aumento do custo da matéria prima principal com alta prevista para o mês seguinte. Conforme analisados em outros controles da empresa em 30/09/2008 o saldo de títulos a pagar era R$ R$ ,37. Gráfico 4 Média diária de compras em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). A média diária de compras no período analisado é R$ ,11 e conforme apresentado no Gráfico 4 verifica-se no que nos meses de Janeiro, Fevereiro e Junho apresentou-se uma queda no volume de compras, acompanhando as quedas nos volumes de vendas, estes meses apresentaram a menor média diária. Segundo Gitman (2004), o prazo médio de pagamento, ou idade média das contas a pagar é obtido pela divisão do valor diário médio das compras pelo saldo de contas a pagar: Prazo médio de pagamento = Contas a Pagar Compras diárias médias E seguindo esta fórmula chega-se ao seguinte resultado: Saldo de contas a pagar = R$ ,37 = 43,91 dias Compras diárias médias R$ ,11 Quadro 2 Cálculo do prazo médio de pagamento (PMP) Fonte: Dados da organização (2008). Verifica-se pelo cálculo apresentado no Quadro 2 que o prazo médio de pagamento aos fornecedores é 43,91 dias, isto significa que entre a data de compra e a saída do recurso no caixa há um intervalo de aproximadamente 44 dias.

12 O prazo médio de rotação dos estoques é o período compreendido entre o tempo em que permanece armazenado até o momento da venda. O seu volume depende da política de estocagem e volume de vendas. Quanto maior o volume de vendas mais rápida será a rotação dos estoques e em menos tempo o ativo será recuperado. Pelas suas quantidades vendidas podemos identificar, tendo como base dois períodos consecutivos no mínimo e utilizando os cálculos de análise, quantas vezes os estoques se renovaram. Silva (1995) ensina a fórmula para cálculo do prazo médio de rotação dos estoques: PMRE s = Estoque Médio X Dias do período a ser considerado Custo da Mercadoria Vendida Não foi possível elaborar o cálculo deste índice porque a empresa não possui as informações sobre os estoques no período analisado, fato que impossibilitou elaborar uma análise sobre entradas e saídas de estoque, assim como calcular o estoque médio. A empresa também não tem apurado qual o custo da mercadoria vendida, há um controle sobre o custo da matéria prima utilizada na produção, porém não existe uma apuração sobre o custo da mercadoria produzida e pronta para venda. Foram fornecidas informações sobre os saldos de estoques na data 30/09/2008 e o custo da matéria prima utilizada em setembro/2008, estas não serão apresentadas por não servirem para análises neste tema. Na elaboração do cálculo da duração do ciclo financeiro, foi realizada pela soma do PMR + PMP = 25, ,91 = 69,44 dias, não foi possível incluir neste cálculo o PME Prazo médio de estocagem, devido à falta de informações para elaboração deste índice. Com um ciclo financeiro de 69 dias, verificou-se que o prazo médio de recebimento representa 37 % do ciclo, contrastando com a participação do prazo médio de pagamento de 67%. Porém, faz-se necessário analisar os fluxos de caixa, a fim de analisar como estão sendo efetivados estes prazos. 4.2 Entradas de Caixa Para analisar como qual a influência do ciclo financeiro no fluxo de caixa foram analisadas as entradas de caixa conforme apresentado no Gráfico 5 a seguir. Gráfico 5 Volume de entrada de Caixa em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). Verifica-se no Gráfico 5 que as entradas de caixa com exceção do mês de fevereiro superam dois milhões de reais, com destaque para o mês de julho, no qual houve uma entrada de R$ ,00 para financiamento de capital de giro. A seguir o Gráfico 6 apresenta as médias diárias das entradas de caixa.

13 Gráfico 6 Médias Diárias de entradas de caixa em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). O Gráfico 6 mostra que a menor média diária de entradas de caixa ocorreu no mês de Fevereiro/2008, seguido por um aumento contínuo nas entradas de caixa até o mês de julho, com uma pequena queda nos meses subseqüentes. A média diária de entradas de caixa nos períodos analisados é de R$ ,93. A seguir é apresentado no Gráfico 7 como se compõe as entradas de caixa do período analisado. Gráfico 7 Entradas de caixa de Janeiro a Setembro em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). Observou-se no Gráfico 7 que as entradas de caixa da empresa são provenientes de operações para o financiamento do capital de giro, ou seja, para suprir a sua necessidade de capital, e tem como base operações de desconto de títulos e remessa de títulos para contas garantidas, representando 71% das entradas de caixa. Como a empresa tem utilizado as duplicatas a receber como fonte de financiamento de seu capital de giro será considerada para análise como operações de antecipação de recebíveis. A operação apresentada no gráfico como Capital de Giro refere-se a uma operação específica, no valor de R$ ,00 realizada em julho de 2008, e não tem garantia de títulos. O Gráfico 7 mostra ainda que a participação das liquidações simples é 29% das entradas de caixa. A Tabela 1 a seguir apresenta uma síntese das operações utilizadas pela empresa no período analisado, totalizando as operações mensalmente. Mês Descontos de Conta Garantida / Liquidações Duplicatas Outros Simples Janeiro , ,69 Fevereiro , ,55 Março , , ,36 Abril , , ,18 Maio , , ,22 Junho , , ,75 Julho , , ,83 Agosto , , ,00 Setembro , , ,26 Total , , ,84

14 Tabela 1 Demonstrativo das Entradas de Caixa em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). Observa na Tabela 1 que a opção mais utilizada pela empresa é o desconto de duplicatas. Verifica-se que a opção de remessa de títulos para conta garantida começou a ser usada em março, destacando-se por apresentar um custo inferior e por apresentar a vantagem de ter a cobrança dos encargos e impostos realizados mensalmente e não por operação como acontece nas operações de desconto. Um outro fator que fortaleceu esta nova opção foi a elevação de 0,38% da Alíquota de IOF Imposto sobre Operações Financeiras em janeiro de 2008, a cobrança deste em contas garantidas tem o cálculo baseado no saldo utilizado diariamente, desprezando os prazos dos títulos em garantia, característica invertida no cálculo para os títulos descontados onde os prazos são fatores determinantes na cobrança esta alíquota. A Tabela 2 exibe o resumo mensal das operações de antecipação de títulos. Mês Desconto de Títulos Contas Garantidas Liquidações Simples Janeiro ,44 0, ,08 Fevereiro ,31 0, ,40 Março , , ,57 Abril , , ,08 Maio , , ,86 Junho , , ,91 Julho , , ,51 Agosto , , ,48 Setembro , , ,10 Tabela 2 Resumo mensal das entradas em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). Verifica-se na Tabela 2 que o volume de desconto de títulos apresentou queda contínua a medida que o volume de entradas de caixa por meio de liquidação de cobrança simples apresentou aumento contínuo. O Gráfico 8 a seguir apresenta as médias das operações diárias. Gráfico 8 Média diária das entradas de caixa em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). Verifica-se que de acordo com o Gráfico 8 que 71% das entradas de caixa são provenientes de operações para captação de recursos, e apenas 29% são decorrentes de liquidações de cobranças simples. A seguir é demonstrado os saldos mensais das operações de Desconto de Títulos e Remessas para Contas Garantidas: Mês Valor Janeiro ,60 Fevereiro ,89 Março ,45 Abril ,18 Maio ,08 Junho ,64 Julho ,23 Agosto ,88

15 Setembro ,37 Total ,32 Tabela 3 Volume Mensal de Títulos Negociados em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). Em análise conjunta da Tabela 3 com o Gráfico 9, é possível verificar a evolução dos negociações de títulos em milhões de Reais, sendo o menor volume de operações apresentado em fevereiro seguido por uma aumento gradual até o mês de agosto. Um fato a ser destacado é que em julho houve o segundo maior volume de negociações, mesmo com a entrada de R$ ,00 de uma operação de empréstimo para capital de giro. Milhões (R$) 2,00 1,80 1,60 1,40 1,20 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00 1,718 1,141 1,448 1,519 1,681 1,756 1,784 1,838 jan/08 fev/08 mar/08 abr/08 mai/08 jun/08 jul/08 ago/08 set/08 1,562 Gráfico 9 Evolução de negociações de títulos em milhões de Reais. Fonte: Dados da organização (2008). O Gráfico 9 apresenta a evolução no período das negociações de títulos, tendo em vista o volume de operações para a captação de recursos para honrar os compromissos diários, tornase necessária apurar os custos decorridos destas operações, conforme a Tabela 4. Descrição JAN. FEV. MAR. ABR. MAI. JUN. JUL. AGO. SET. Total IOF 1.001,74 387, , , , , , , , ,74 Desp. De 1.122, , , , , , , , , ,69 Cobranç. Juros C/C 6.049, , , , , , , , , ,39 e C/G Juros Desc , , , , , , , , , ,45 títulos Total , , , , , , , , , ,27 Tabela 4 Despesas Financeiras em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). A Tabela 4 mostra que no período analisado a empresa já desembolsou o valor total de R$ ,27, como custo para financiar a falta de capital em caixa. a) IOF refere-se a todas as operações utilizadas na obtenção de recursos totalizando R$ ,74; b) despesas de cobranças foram consideradas por que, se houvesse a possibilidade de recebimento a vista pelas vendas estes custos não existiriam, totalizaram R$ ,69; c) juros pagos por utilizar os limites de conta corrente e das contas garantidas, pois isto decorre da falta de fundos para manter as contas bancárias com saldos positivos ou nulos, totalizaram R$ ,39 d) os juros decorrentes das operações de desconto de títulos, pois este é a operação mais utilizada pela empresa e representa maior participação nas despesas financeiras, totalizando R$ ,45. A seguir é apresentado um resumo das despesas nas captações de recursos.

16 Gráfico 10 Despesas financeiras em operações mensais. Fonte: Dados da organização (2008). Verifica-se no Gráfico 11 que as despesas a média mensal das despesas decorrentes das operações para captação de recursos é R$ ,03, o mês de Fevereiro é o mês que apresentou a menor despesa e Junho foi o mês que apresentou a maior despesa na capitação de recursos. Após levantados as despesas do período, torna-se necessário avaliar qual é a representatividade deste custo perante ao volume de títulos negociados, ou seja em relação às entradas de caixa. A Tabela 5 apresenta a seguir qual é a participação das despesas financeiras em relação às entradas de caixa, tendo o menor índice no mês de setembro e o maior índice em fevereiro. Mês Total Despesas % Janeiro , ,97 2,92% Fevereiro , ,02 3,39% Março , ,35 3,26% Abril , ,31 2,84% Maio , ,54 2,92% Junho , ,80 3,32% Julho , ,62 2,98% Agosto , ,79 3,01% Setembro , ,87 2,74% Total , ,27 3,03% Média , ,03 3,04% Tabela 5 Despesas de negociações de títulos X entradas de caixa. Fonte: Dados da organização (2008). Conforme apresentado na Tabela 5, as despesas em negociações de títulos em relação às entradas de caixa é em média 3,04%. Embora este percentual de custo seja baixo, deve-se considerar que este refere-se a parte dos lucros que estão sendo perdidas, pois isto mostra que a empresa tem comprometido parte de seus rendimentos para financiar o seu capital de giro, o que pode ser considerado como um lucro perdido. Diante desse fato é questionável como está a lucratividade da empresa e qual o controle sobre os fatores que afetam a rentabilidade da organização. Com o objetivo de melhorar o financiamento do capital de giro utilizado na empresa verificou-se a possibilidade de oferecer aos clientes o percentual de despesas como desconto para pagamento à vista. A Tabela 6 a seguir apresenta uma simulação de como seria o resultado para a empresa com base nas operações negociadas com títulos a receber, considerando que todos os clientes aceitassem o desconto de 3,04% para pagamento à vista: Mês Saldo das Operações Recebimento à vista Janeiro , ,33 Fevereiro , ,79 Março , ,76

17 Abril , ,45 Maio , ,06 Junho , ,56 Julho , ,17 Agosto , ,11 Setembro , ,21 Total , ,45 Tabela 6 Cálculo de entradas de caixa com desconto em Reais. Fonte: Dados da organização (2008). Com os dados apresentados na Tabela 6, pode-se calcular a diferença no valor R$ ,87 entre o recebimento à vista e o valor das despesas de R$ ,27, o que inviabiliza este percentual de desconto. A seguir é apresentado qual seria o resultado para a empresa com base nas vendas realizadas no período, utilizando o valor médio de desconto para pagamento á vista e considerando que todos os clientes aceitassem esta proposta: Mês Saldo de vendas Recebimento à Vista Janeiro , ,31 Fevereiro , ,39 Março , ,81 Abril , ,90 Maio , ,87 Junho , ,05 Julho , ,38 Agosto , ,97 Setembro , ,12 Total , ,79 Diferença ,35 Tabela 7 Entradas de caixa decorrentes de pagamento á vista. Fonte: Dados da organização (2008). A Tabela 7 mostra que a diferença no valor R$ ,35 torna se interessante se comparável com o montante de títulos negociados, pois o saldo de títulos não negociados foi de R$ ,82 representaria uma entrada á vista de R$ ,34. Está opção poderia ser utilizada em períodos que apresentaram as maiores despesas para financiamento do capital de giro historicamente. Para Groppelli e Nikbakht (1998) a opção de desconto a vista é uma oferta aceitável se o seu benefício exceder o custo do empréstimo. Se o benefício do desconto à vista for menor do que o custo do empréstimo, o cliente escolherá usar as contas a pagar e liquidar a fatura em data posterior. Seguindo a abordagem do fluxo de caixa é necessária uma analise sobre as saídas de caixa. 4.2 Saídas de Caixa É apresentado a seguir o resumo de fluxo de caixa da empresa. O Gráfico 11 a seguir, mostra o fluxo de caixa no período. Gráfico 11 Comparativo entre entradas e saídas de caixa em Reais. Fonte: Dados da organização (2008).

18 Foi apurada a diferença de R$ ,23 no saldo de entradas e saídas de caixa, sendo Julho apresentou-se uma entrada de R$ ,69 maior que os pagamentos, e Agosto apresentou uma saída R$ ,26 a mais do que as entradas de caixa. Um fato importante a ser destacado neste resumo apresentado Gráfico 11 é que dos nove meses analisados cinco apresentaram valores de saídas superiores ás entradas de caixa. Como o volume de saídas de caixa é decorrente dos pagamentos a serem realizados, e estes são resultados das compras realizadas, foi elaborado um comparativo entre vendas e compras, apresentado a seguir: Gráfico 12 Comparativo entre vendas e compras realizadas. Fonte: Dados da organização (2008). Neste período analisado foram realizados vendas no valor R$ ,14 e o saldo de compras é R$ ,74. Fica evidente que ocorreram mais compras do que vendas neste período, apresentando um saldo de R$ ,60 de compras superior ao saldo de vendas. Este fato que sugere que não está sendo monitorado as atividades conjuntamente, fato prejudicial ao ciclo financeiro à medida que este fato resultará em algum momento em uma necessidade de desembolso de recursos que não existirão, pois as vendas não ocorreram ou não acompanharam as necessidades da empresa. Neste contexto faz-se um estudo para averiguar a razão deste descompasso, a fim de apurar se é o departamento comercial que não está evoluindo nas vendas ou se é o departamento de compras que está imobilizando recursos em estoques em demasia. A Tabela 8 mostra que esta tendência está presente diariamente na rotina da empresa, percebida no comparativo das médias diárias de vendas e compras que será apresentada a seguir. Mês Média diária de vendas Média diária de compras Diferenças nas médias (vendas compras) Janeiro , , ,42 Fevereiro , , ,24 Março , , ,93 Abril , , ,41 Maio , , ,15 Junho , , ,59 Julho , , ,76 Agosto , , ,23 Setembro , , ,75 Média diária de , , ,88 Tabela 8 - Comparativo das médias diárias de vendas e compras. Fonte: Dados da organização (2008). O comparativo presente na Tabela 8, evidência que está ocorrendo um descompasso significativo nas compras e nas vendas, o que sugere que a empresa poderá ter a sua liquidez prejudicada, pois as vendas se apresentaram menores que as compras (com um prazo de recebimento menor), as quais já estão sendo utilizadas para financiar as necessidades de caixa atual, questiona-se como será suprida esta necessidade de caixa quando os títulos a pagar superarem a capacidade que a empresa tem para levantar recursos. Embora tenha ocorrido um descompasso entre o volume de vendas e compras, existe um equilíbrio nas médias diárias de entradas e saídas de caixa, conforme apresentado na Tabela 9.

19 Mês Entradas Saídas Janeiro , ,03 Fevereiro , ,92 Março , ,30 Abril , ,81 Maio , ,50 Junho , ,94 Julho , ,62 Agosto , ,86 Setembro , ,31 Média Diária , ,37 Diferença 487,56 Tabela 9 - Médias diárias mensais de Entradas e Saídas de Caixa. Fonte: Dados da organização (2008). A Tabela 9 apresenta que a diferença entre as médias de entradas e saídas de caixa diárias é de R$ 487,56, demonstrando que há um equilíbrio entre as entradas e saídas de caixa, este fato não deve ser relacionado com o descompasso entre o volume de vendas e compras, visto que estas médias mostram apenas o que ocorreu no fluxo de caixa passado. Conforme explicado por Silva (1995) o ciclo financeiro é o período que a empresa leva para que o dinheiro volte ao caixa, isto é, compreende o prazo médio de rotação de estoque, mais o prazo médio de recebimento das vendas, menos o prazo médio de pagamentos das compras. 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS Analisando o fluxo financeiro da empresa constatou um equilíbrio entre as entradas e saídas de caixa, provavelmente decorrente da política de crédito da empresa que apresentou um prazo médio de recebimento de 25,53 dias, contrastando com o prazo médio de pagamento de 43,91 dias. Comparando um prazo com outro pode-se, constatar que o prazo de pagamento a fornecedores médio é satisfatório pois é 42% maior que o prazo de recebimento dos clientes. Foi apresentado que embora a empresa trabalha com um ciclo financeiro de aproximadamente 69 dias, e embora tenha trabalhado com bons prazos, tem ocorrido um descompasso entre o volume de compras e vendas, assim como no volume de pagamentos e recebimentos, o que evidencia a necessidade de um planejamento financeiro para controlar esta diferença, pois se esta tendência for mantida provavelmente a lucratividade da empresa seja prejudicada. Sugere-se neste caso um estudo mais aprofundado sobre a natureza das compras e sobre a evolução das vendas a fim de analisar qual o motivo deste descompasso, sugerindo inicialmente que seja elaborada uma política de redução de custos e melhor controle da produção e dos estoques. Verificou-se também que o custo para financiar a necessidade de capital de giro da empresa é baixo representando apenas 3,04% do volume de vendas. E, este percentual pode ser oferecido como desconto para clientes em casos de compras a vista, como forma de melhorar o financiamento de capital de giro, o que poderá representar uma boa opção para aumentar o saldo de caixa. Sugere-se previamente a elaboração de uma política de crédito mais arrojada, possibilitando este diferencial a alguns clientes potenciais que compram um volume maior, já que esta taxa pode ser considerada pouco significativa para clientes que compram baixos volumes. Entretanto, é necessário um estudo mais aprofundado para formalizar esta nova opção, que poderia ser utilizada também em determinados períodos do ano, como forma de não ser uma estratégia fixa, e sim um diferencial utilizado para suprir as necessidades de caixa e diminuir os custos financeiros.

20 Sugere-se a empresa a elaboração de um controle apurado do estoque, pois como ficou evidenciado tem ocorrido uma alta nas compras e não foi possível elaborar uma análise sobre os estoques devido à falta de controles. É interessante destacar que há necessidade de um controle que mostre as flutuações no nível de estoque de materiais ao longo do tempo, podendo ser criado um fluxo de estoques, para que seja apurado se está ocorrendo uma imobilização de materiais, fato que engessa recursos da organização e prejudica o desenvolvimento das operações. Para fortalecer o seu capital de giro, a empresa pode solicitar ao proprietário um investimento, utilizando a integralização de capital, ou buscar novas linhas de financiamento específicas, pois neste ano a empresa utilizou apenas uma operação específica para este fim. Sugere-se a que organização busque ou desenvolva um sistema de informações que consolide os controles paralelos, pois verificou-se um grande número de planilhas no departamento financeiro, e a falta de alguns controles no departamento de compras e estoques. Este trabalho evidenciou que o departamento financeiro possui um excelente controle sobre a sua rotina financeira, pois as informações estão sempre acessíveis e atualizadas, foi verificado que o departamento financeiro tem priorizado o processo de nível operacional do setor, trabalhando com foco na rotina do departamento. Sugere-se então que seja elaborado um planejamento financeiro para que a equipe passe atuar no nível tático planejando a rotina futura, deixando de atuar hoje para planejar o que será realizado amanhã, exercendo controle sobre os fatores que afetam o ciclo financeiro; e que a diretoria da empresa elabore um planejamento estratégico para o departamento financeiro, no qual sejam estabelecidos objetivos e metas para que todos os departamentos contribuam para a diminuição de custos e para o crescimento da empresa. REFERÊNCIAS ASSAF NETO, Alexandre. Finanças corporativas e valor. 1ª Edição. São Paulo: Atlas, ASSAF NETO, Alexandre; SILVA, César Augusto Tibúrcio. Administração do capital de giro. 2.ed. São Paulo: Atlas, ASSAF NETO, Alexandre; SILVA, César Augusto Tiburcio. Administração do capital de giro. 3.ed. São Paulo: Atlas, BANCO SAFRA. Antecipação de recebíveis Disponível em: Acesso em: 01 nov BANCO SOFISA. Financiamento de capital de giro Disponível em: Acesso em 27 out BRAGA, Roberto. Fundamentos e técnicas de administração financeira. 1.ed. São Paulo: Atlas, BRIGHA, F. Eugene; EHRHARDT, C. Michael; Administração financeira Teoria e Prática. 1.ed.São Paulo: Pioneira Thomson Learning, CERETTA, Paulo Sergio; DENARDIN, Ana Paula G.; ANDRADE, Carmem Lúcia; SCHERER, Iliana Schröder. Capital de giro: fontes de financiamento às micro, pequenas e médias empresas. Artigo publicado e apresentado no VII SEMEAD - Seminários em Administração USP. São Paulo - SP em 10/08/2004. Disponível em: Acesso em: 27 out

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi

Gestão Financeira. Prof. Eduardo Pozzi Gestão Financeira Prof. Eduardo Pozzi Finanças Corporativas Questões centrais na gestão financeira de uma empresa: Quais investimentos de longo prazo precisam ser feitos? Que tipo de instalações, maquinário

Leia mais

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs...

Boa sorte, vcs estão de parabéns muito bem estruturado o trabalho de vcs... 1. Aplicar tudo em primeira pessoa (verbos); 2. Aproveitar o maximo do autor de livros finaneceiros, Gitmam ; 3. No item Problema alterar na primeira linha uma àrea para algo como recurso ou instrumento,

Leia mais

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas:

Basicamente, o relatório de fluxo de caixa deve ser segmentado em três grandes áreas: CASHFLOW OU FLUXO DE CAIXA 1. CONCEITO É um demonstrativo que reflete dinamicamente o fluxo do disponível da empresa, em um determinado período de tempo. 2. FINALIDADES 2.1. Evidenciar a movimentação dos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios

FLUXO DE CAIXA. Entradas a) contas à receber b) empréstimos c) dinheiro dos sócios FLUXO DE CAIXA É a previsão de entradas e saídas de recursos monetários, por um determinado período. Essa previsão deve ser feita com base nos dados levantados nas projeções econômico-financeiras atuais

Leia mais

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear.

Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. Necessidade de Capital de Giro, Compras, Vendas e Regressão Linear. MAXIMILLIANO DA SILVA MARINHO Graduando Do Curso De Ciências Contábeis Da UFPA maxi_marinho@yahoo.com.br Heber Lavor Moreira Prof Orientador

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

Administração do Caixa

Administração do Caixa Administração do Caixa 1- Introdução 2- O capital circulante 3- Políticas de gerenciamento do capital circulante 4- Gestão do Caixa 5- Gestão de recursos temporariamente ociosos - Títulos Negociáveis 6-

Leia mais

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência

Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência Gerenciando o Fluxo de Caixa com Eficiência 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Custo financeiro alto CENÁRIO ATUAL Concorrência cada vez mais competitiva Consumidores que exigem maiores

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA E TÍTULOS NEGOCIÁVEIS

ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA E TÍTULOS NEGOCIÁVEIS Administração Financeira e Orçamentária Prof. Ms.Onivaldo Izidoro Pereira ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA E TÍTULOS NEGOCIÁVEIS 16 de setembro 2015 É uma importante área da Administração do Capital de Giro, uma

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO

FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO FONTES DE FINANCIAMENTO DE CURTO PRAZO Introdução Mercado de crédito Objetiva suprir a demanda por recursos de curto e médio prazo da economia, sendo constituído por todas as instituições financeiras bancárias

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Rua Dr. Lauro Pinto, nº 245, Lagoa Nova, Natal/RN PROCESSO SELETIVO PARA ESTÁGIO REMUNERADO EM CIÊNCIAS

Leia mais

A Necessidade de Organização dos Controles Financeiros para uma Melhor Gestão de Empresas de Pequeno Porte

A Necessidade de Organização dos Controles Financeiros para uma Melhor Gestão de Empresas de Pequeno Porte A Necessidade de Organização dos Controles Financeiros para uma Melhor Gestão de Empresas de Pequeno Porte Nilséia Reinert Graduada em Administração pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE.

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA

FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA DE GESTÃO FINANCEIRA PARA MICROEMPRESA Laércio Dahmer 1 Vandersézar Casturino2 Resumo O atual mercado competitivo tem evidenciado as dificuldades financeiras da microempresa.

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 1 CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÓDULO I 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! 1- O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Contabilidade Financeira

Contabilidade Financeira Contabilidade Prof. Dr. Alvaro Ricardino Módulo: Contabilidade Básica aula 04 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas II Aula 4 Ao final desta aula você : - Conhecerá os grupos de contas do Ativo e Passivo.

Leia mais

Cursos Online EDUCA. www.cursosonlineeduca.com.br. Acredite no seu potencial, bons estudos! Curso Gratuito Administração de Finanças

Cursos Online EDUCA. www.cursosonlineeduca.com.br. Acredite no seu potencial, bons estudos! Curso Gratuito Administração de Finanças Cursos Online EDUCA www.cursosonlineeduca.com.br Acredite no seu potencial, bons estudos! Curso Gratuito Administração de Finanças Carga horária: 55hs 1 Conteúdo Programático: Fluxo de Caixa Administração

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul

GESTÃO FINANCEIRA para FICAR NO Azul GESTÃO FINANCEIRA para ficar no azul índice 03 Introdução 04 Capítulo 1 O que é gestão financeira? 06 Capítulo 2 Gestão financeira e tomada de decisões 11 13 18 Capítulo 3 Como projetar seu fluxo financeiro

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

IMPORTAÇÃO VERSUS CAPITAL DE GIRO: O CASO DE UMA EMPRESA DO SETOR DE INFORMÁTICA DO SUL DE MINAS GERAIS

IMPORTAÇÃO VERSUS CAPITAL DE GIRO: O CASO DE UMA EMPRESA DO SETOR DE INFORMÁTICA DO SUL DE MINAS GERAIS IMPORTAÇÃO VERSUS CAPITAL DE GIRO: O CASO DE UMA EMPRESA DO SETOR DE INFORMÁTICA DO SUL DE MINAS GERAIS Maria Aparecida Curi (UFLA) macuri@ig.com.br DEON BOMFIM (UNIFAL) deonsp@hotmail.com Antonio Carlos

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL

FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL FLUXO DE CAIXA: UMA ABORDAGEM GERENCIAL Renato Lopes da Silva (G UEM) Cristiani Passolongo Noveli (UEM) RESUMO O caixa da empresa é formado por seus ativos circulantes montantes depositados em contas bancárias

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA

GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA GERENCIAMENTO DO FLUXO DE CAIXA Cristiane Escarpelini dos Santos - cristianne88@hotmail.com Ricardo dos Santos Gabriel de Jesus - rickccb@gmail.com Profº. M. Sc. Francisco Cezar Vendrame - fcvendrame@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas

Conhecimentos Bancários. Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas Conhecimentos Bancários Item 2.2- Aplicação de Recursos Operações Ativas CAPTAÇÃO DE RECURSOS APLICAÇÃO DE RECURSOS INSTITUIÇÃO

Leia mais

CÁLCULO DO CAPITAL DE GIRO 1 RESUMO 1.0 INTRODUÇÃO. Pâmela Marcelino Araújo 2 Eurípedes Bastos Siqueira 3

CÁLCULO DO CAPITAL DE GIRO 1 RESUMO 1.0 INTRODUÇÃO. Pâmela Marcelino Araújo 2 Eurípedes Bastos Siqueira 3 CÁLCULO DO CAPITAL DE GIRO 1 Pâmela Marcelino Araújo 2 Eurípedes Bastos Siqueira 3 RESUMO O mercado apresenta alto nível de competitividade e inovações. Segundo dados do Sebrae (2011) uma das principais

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

DETERMINAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO DETERMINAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 CENÁRIO ATUAL Custo financeiro alto. Concorrência e Competitividade dificultando o giro dos estoques. Consumidor exigindo

Leia mais

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa

REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09. Demonstração de Fluxo de Caixa REDE DE ENSINO LFG AGENTE E ESCRIVÃO PF Disciplina: Noções de Contabilidade Prof. Adelino Correia Aula nº09 Demonstração de Fluxo de Caixa Demonstração de Fluxo de Caixa A partir de 28.12.2007 com a publicação

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2015-1 Análise de Investimento e Capital de Giro Módulo C Carga Horária: 47 h. Ementa da disciplina:

PLANO DE ENSINO 2015-1 Análise de Investimento e Capital de Giro Módulo C Carga Horária: 47 h. Ementa da disciplina: PLANO DE ENSINO 2015-1 Análise de Investimento e Capital de Giro Módulo C Carga Horária: 47 h. Ementa da disciplina: Conteúdo Programático: Estudar as técnicas de análise de investimentos para analisar

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

29/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 CAPITAL DE GIRO

29/04/2013 ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA. Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 CAPITAL DE GIRO ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS PARA ENGENHARIA Professor: Luis Guilherme Magalhães (62) 9607-2031 CAPITAL DE GIRO 1 O QUE É Working Capital (Capital de Trabalho) Capital necessário para financiar a continuidade

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO

CONSIDERAÇÕES SOBRE A ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO EM UM PERÍODO INFLACIONÁRIO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos

ÍNDICE. Aplicativos TOTVS Smart Analytics. Comercial. Controladoria. Financeiro. Materiais. Produção. Recursos Humanos ÍNDICE Aplicativos TOTVS Smart Analytics 03 Controladoria 07 Financeiro 10 Materiais 11 Produção 15 Recursos Humanos 18 App Avaliação de Crédito Vl Limite Crédito Vl Limite Crédito Disponível Indica o

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS - MG

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO EM PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS DO MUNICÍPIO DE MONTES CLAROS - MG XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA, CONTABILIDADE E SECRETARIADO DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Administração e Análise Financeira e Orçamentária 2 Prof. Isidro

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 03: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS TÓPICO 03: ORIGEM E EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA QUALIDADE A DRE tem por objetivo evidenciar a situação econômica de uma empresa,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA CIÊNCIAS CONTÁBEIS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA MATERIAL ELABORADO PELOS PROFESSORES NELSON ANTONIO VASCON E MARISA GOMES DA COSTA Administração Financeira - Profs. Nelson Antonio Vascon e Marisa Gomes da

Leia mais

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados

ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO. Todos os Direitos Reservados Curso Online 1 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 1 O Que é Fluxo de Caixa _Fatores que Afetam o Fluxo de Caixa (Internos e Externos) _Desequilíbrio Financeiro

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA January, 99 1 CONCEITOS BÁSICOS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Paulo César Leite de Carvalho 1. INTRODUÇÃO A administração financeira está estritamente ligada à Economia e Contabilidade, e pode ser vista

Leia mais

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... XXXXX. Salário para boa condição de vida. Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente ADMINISTRAR ----- NÃO É ABSOLUTO. SUCESSO EM ALGUMAS EM OUTRAS... INTEGRAÇÃO = PESSOAS / EMPRESAS = ESSENCIAL SATISFAÇÃO FINANCEIRA RESULTANTE DA SINERGIA Leva à PRODUTIVIDADE que é buscada continuamente

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda

O caso da loja de confecção da dona Marieta da Modda GESTÃO FINANCEIRA Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO

AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO AVALIANDO SE O CRÉDITO É PROBLEMA OU SOLUÇÃO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Objetivos Orientar os empreendedores sobre a importância da permanente gestão empresarial e sua direta

Leia mais

1 Administração de caixa

1 Administração de caixa 3 Administração Financeira Edison Kuster Nilson Danny Nogacz O que é realmente importante saber para uma boa administração financeira? Esta pergunta é comum entre os empresários, em especial aos pequenos

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 10- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.5. Índices

Leia mais

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS.

ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. ABERTURA DAS CONTAS DA PLANILHA DE RECLASSIFICAÇÃO DIGITAR TODOS OS VALORES POSITIVOS. I. BALANÇO ATIVO 111 Clientes: duplicatas a receber provenientes das vendas a prazo da empresa no curso de suas operações

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO

O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO O EFEITO DE DIFERENTES CRITÉRIOS DE DEPRECIAÇÃO DE ATIVOS OPERACIONAIS NA ANÁLISE DO FLUXO DE CAIXA GERADO POR UM PROJETO Ricardo Zerinto Martins 1, Paulo César Ribeiro Quintairos 2 1 Mestrando em Gestão

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a

se o tratamento foi adequado, ficaremos curados e felizes por termos solucionado a doença que estava nos prejudicando. No campo empresarial a Gestão Financeira Quando temos problemas de saúde procuramos um médico, sendo ele clínico geral ou especialista, conforme o caso. Normalmente, selecionamos um médico bastante conhecido e com boas referências

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Financeiro Módulo Financeiro Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre todos os itens do Módulo Financeiro. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no todo ou em partes do material

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

Boletim de Serviços Financeiros

Boletim de Serviços Financeiros PRODUTOS DE INFORMAÇ ÃO E INTELIGÊNCIA D E MERC ADOS Boletim de Serviços Financeiros BOLETIM DO SERVIÇO B RASILEIRO DE APOIO À S MICRO E PEQUENAS E MPRESAS WWW.SEBRAE.COM.BR 0800 570 0800 PERÍODO: NOVEMBRO/2014

Leia mais

Curso. Administração de Finanças

Curso. Administração de Finanças Seja Bem Vindo! Curso Administração de Finanças Carga horária: 55hs 1 Dicas importantes Nunca se esqueça de que o objetivo central é aprender o conteúdo, e não apenas terminar o curso. Qualquer um termina,

Leia mais

Planejamento Financeiro

Planejamento Financeiro Planejamento Financeiro Geralmente quando um consultor é chamado a socorrer uma empresa, ele encontra, dentre outros, problemas estruturais, organizacionais, de recursos humanos. O problema mais comum

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos

Capital de giro. Capital de giro. Administração. Índices Financeiros e Capital de Giro. Prof: Marcelo dos Santos Administração Prof: Marcelo dos Santos Índices Financeiros e Capital de Giro A administração do capital de giro envolve basicamente as decisões de compra e venda tomadas pela empresa, assim como suas atividades

Leia mais

Análise financeira da carteira de recebíveis

Análise financeira da carteira de recebíveis Análise financeira da carteira de recebíveis Por Carlos Alexandre Sá A análise e interpretação do desempenho da carteira de recebíveis é de extrema importância não só para o pessoal da área financeira,

Leia mais

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul

O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul O caixa é um dos itens mais importantes na administração de uma empresa. O controle é o primeiro passo para mantê-lo saudável e sempre no azul Educação financeira. Esta é a palavra-chave para qualquer

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 12 O ciclo operacional da empresa é de 100 dias. 13 O ciclo operacional é apurado mediante a soma da idade

PROVA OBJETIVA. 12 O ciclo operacional da empresa é de 100 dias. 13 O ciclo operacional é apurado mediante a soma da idade De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Controles financeiros Edição de bolso

Controles financeiros Edição de bolso 03 Controles financeiros Edição de bolso A série SAIBA MAIS esclarece as dúvidas mais frequentes dos empresários atendidos pelo SEBRAE-SP nas seguintes áreas: Organização Empresarial Finanças Marketing

Leia mais

PALAVRAS-CHEVE: Capital de giro, saldo de tesouraria, necessidade de capital de giro.

PALAVRAS-CHEVE: Capital de giro, saldo de tesouraria, necessidade de capital de giro. TÍTULO: ANÁLISE AVANÇADA DE EMPRESAS AUTOR: JOSÉ A MOURA ARANHA CREDENCIAIS: Graduado em Ciências Contábeis com pós-graduação em Perícia Contábil, Financeira e Empresarial, professor na Faculdade Estácio

Leia mais

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II

AULA 08. Produtos e Serviços Financeiros II AULA 08 Produtos e Serviços Financeiros II Operações Ativas As operações ativas são aquelas em que o banco, além dos investimentos destinados à formação do seu ativo permanente e disponibilidades, atua

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução O que são

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 3 Gestão de capital de giro Introdução Entre as aplicações de fundos por uma empresa, uma parcela ponderável destina-se ao que, alternativamente, podemos chamar de ativos correntes, ativos circulantes,

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro

Conhecimentos Bancários. Conhecimentos Bancários. Mercado Financeiro. Mercado Financeiro Conhecimentos Bancários Mercado Financeiro Órgãos normativo/fiscalizador Conselho Monetário Nacional Banco Central do Brasil Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional Conhecimentos Bancários

Leia mais

NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Quando alguém nos diz que o administrador financeiro é o elemento fundamental dentro de uma empresa, somos levados a perguntar: mas e os demais setores, são de pouca

Leia mais

Fontes de Financiamento para Capital de Giro

Fontes de Financiamento para Capital de Giro Fontes de Financiamento para Capital de Giro Camila Diniz Paulo Victor Alan Jivago OBJETIVOS APRESENTAR CONCEITUALMENTE AS MODALIDADES DE FINANCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO Das atividades operacionais da

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO ISSN 1807-6467 ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO O mercado muda a um ritmo acelerado. Com a globalização, tendências que antes eram

Leia mais

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial

2ª edição Ampliada e Revisada. Capítulo 6 Grupo de contas do Balanço Patrimonial 2ª edição Ampliada e Revisada Capítulo Grupo de contas do Balanço Patrimonial Tópicos do Estudo Grupo de Contas do Ativo. Ativo Circulante Realizável a Longo Prazo Permanente Grupo de Contas do Passivo.

Leia mais

AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS

AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS AULA 3 Assunto: ORIGENS DOS RECURSOS PARA INVESTIMENTOS Professora Keilla Lopes Graduada em Administração pela UEFS Especialista em Gestão Empresarial pela UEFS Mestre em Administração pela UFBA Origem

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira

Prof. Cleber Oliveira Gestão Financeira Aula 2 Gestão de Fluxo de Caixa Introdução Ao estudarmos este capítulo, teremos que nos transportar aos conceitos de contabilidade geral sobre as principais contas contábeis, tais como: contas do ativo

Leia mais

1 DESENVOLVIMENTO Conforme Tófoli (2008), o instrumento do fluxo de caixa é uma planilha que

1 DESENVOLVIMENTO Conforme Tófoli (2008), o instrumento do fluxo de caixa é uma planilha que FLUXO DE CAIXA Aline Angeli Gimenes - alineangeli@terra.com.br Dayane Fernandes Francisco - dayane_fernandes@hotmail.com Éric Tadeu Gimenes da Silva - ericofera@hotmail.com Irso Tófoli - irsotofoli@unisalesiano.edu.br

Leia mais