O CUSTO EFETIVO DOS TICKETS E CARTÕES NOS SUPERMERCADOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O CUSTO EFETIVO DOS TICKETS E CARTÕES NOS SUPERMERCADOS"

Transcrição

1 O CUSTO EFETIVO DOS TICKETS E CARTÕES NOS SUPERMERCADOS O desenvolvimento crescente da utilização de meios de pagamento alternativos nas operações dos supermercados coloca mais uma vez em evidência a necessidade de verificar e controlar cuidadosamente os custos que estas modalidades representam e até que ponto influenciam os resultados gerais. ELEMENTOS QUE COMPÕEM OS CUSTOS TOTAIS DOS TICKETS E CARTÕES. Com base nas informações recebidas de diversas empresas do segmento, foi possível identificar uma série de elementos que incidem no custo das operações com tickets e cartões, e que necessariamente deverão ser considerados para efeitos de apuração dos custos efetivos. Estes elementos são os seguintes: Taxa de administração, representado pelo percentual negociado com a operadora para operação do cartão, elemento principal da transação e conhecido desde o momento da assinatura do contrato. Aluguel de equipamento, que pode ser mensal, trimestral ou anual, e sua incidência deverá ser considerada como valor fixo mensal, independentemente do volume de operações, apresentando valores variados que oscilam entre R$ 5,80 e R$ 302,00 mensais. Taxa de remessa, cobrada em cada operação de reembolso de valores enviada pela administradora, variando entre R$ 1,00 e R$ 20,64, lembrando ainda que deverá ser considerado mensalmente o valor correspondente à taxa cobrada, multiplicada pelo numero de operações de remessa utilizado por cada operadora. Taxa por operação, cobrada por algumas administradoras sobre cada operação efetuada pelos consumidores utilizando estas modalidades, independentemente do valor da transação, oscilando entre R$ 0,10 e R$ 0,25. Taxa anual de renovação, cobrada pela Ticket Alimentação anualmente, com valores variando entre R$ 769,63 e R$ 4.552,18. Direito de uso de software, despesa indispensável para manter sob controle as operações com meios de pagamento alternativos, com valores oscilando entre R$ 405,11 e R$ 1.551,57, conforme o tamanho do estabelecimento e o prestador de serviços.

2 Prazo de reembolso, importante para calcular o custo financeiro representado pelos recursos retidos no período entre a operação de venda ao cliente e o recebimento dos respectivos valores, oscilando entre 15 e 60 dias, excetuados os cartões de débito, que efetuam o reembolso com 1 dia de prazo. Custos ocultos, representados pelas operações encaminhadas às operadoras e não liquidadas por qualquer motivo, fato este que muitas vezes não é percebido pela empresa supermercadista por falta de controles específicos. EXEMPLOS DE COMPOSIÇÃO DE CUSTOS EXTRAÍDOS DA AMOSTRA UTILIZADA. Nos exemplos abaixo, estão detalhados os custos efetivos das operações observadas, elaborados com base nos dados recebidos das empresas associadas que colaboraram na amostra. Escolhidos aleatoriamente entre o universo analisado, a demonstração dos elementos que compões os custos tem por objetivo expor a importância do conjunto das despesas que fazem parte das operações com meios de pagamento alternativos, muitas vezes ignoradas nas análises internas realizadas pelas empresas. Nos exemplos a seguir, não foram considerados juros de 2% ao mês sobre os prazos de reembolso, com objetivo de apenas expor os dados próprios da operação na forma contratada. Descrição EMPRESA "A" EMPRESA "B" Total mensal operado , ,13 % taxa de administração 6,20 4,18 Valor comissão 7.486, ,16 Aluguel mensal 250,00 379,35 Taxa de remessa 15,92 4,00 Quantidade de remessas 4 4 Total remessas 63,68 16,00 Software 17,70 Reembolso % 0,20 Reembolso valor ( ) 241,50 TOTAL CUSTOS 7.558, ,21 TOTAL % CUSTOS 6,26 5,80 Na empresa denominada A, as taxas incidentes equivalem a 0,26% das operações, o que representa custo adicional além da comissão contratual de 6,20%.

3 Todavia, neste caso existe cláusula contratual de reembolso anual equivalente a 0,20% das operações, o que reduz o impacto das taxas adicionais, especialmente em função do volume mensal de operações que, dilui o custo das despesas fixas. Na empresa denominada B, o impacto das taxas adicionais atinge 1,62% de custo adicional, colocando em evidência sua relevância e enfatizando a necessidade de controle e acompanhamento antes da assinatura dos contratos. A IMPORTÂNCIA DO VOLUME DE OPERAÇÕES NA COMPOSIÇÃO DOS CUSTOS MENSAIS. Os exemplos a seguir, também extraídos da amostra observada, visam colocar em evidência a importância que o volume potencial de operações com determinado cartão ou ticket, guarda com a geração dos custos efetivos mensais. Por oportuno, esclarecemos que nos exemplos a seguir não foram considerados os custos financeiros decorrentes do prazo de reembolso para cada situação. Descrição EMPRESA "A" EMPRESA "B" Total mensal operado 1.900, ,76 % taxa de administração 3,70 5,23 Valor comissão 70,30 77,18 Aluguel mensal 40,00 Taxa de remessa 20,64 3,90 Quantidade de remessas 3 3 Total remessas 61,92 11,70 Software 7,41 Reembolso % Reembolso valor ( ) TOTAL CUSTOS 139,63 128,88 TOTAL % CUSTOS 7,35 8,73 Como pode ser observado, as taxas fixas do tipo aluguel mensal, taxas de remessas e outras similares, incidirão pouco se o movimento for relevante, mas pesarão muito quando o montante das operações for reduzido. Nos casos acima, na empresa A a taxa de administração é quase duplicada por conta das demais despesas, em função do pequeno volume de operações, enquanto na empresa B passa de 5,23% de comissão para 8,73% de custo total pelas mesmas razões. Observe-se que uma taxa de remessa de R$ 20,64 representa 2% de R$ 1.000,00, mas se o valor for de R$ ,00, o percentual cai para 0,2%, o que torna o fato particularmente relevante.

4 A IMPORTANCIA DOS PRAZOS DE LIQUIDAÇÃO COMO COMPONENTE DOS CUSTOS TOTAIS. O prazo de reembolso das operações também constitui elemento relevante na formação dos custos totais das operações com cartões de crédito e tickets. No tabelamento dos dados que fazem parte da amostra observada, foram verificados prazos que variam de 01 dia para os cartões de débito, até 60 dias para algumas modalidades de tickets. A importância deste elemento de custo dispensa comentários, na medida em que excede os prazos normais dos fornecedores e demanda uso de capital de giro próprio em operações financiadas e ainda sujeitas a reduções na forma de custos diversos, configurando na prática, vendas a prazo com descontos. Para efeitos de compor o presente trabalho, foi utilizada a taxa mensal de 2%, calculada sobre o prazo de reembolso em dias, detalhada nas tabelas anexas como custo financeiro. Estas tabelas foram elaboradas consolidando por administradora, os dados fornecidos pelo conjunto de empresas observadas. Embora a amostra não seja representativa do universo de empresas do Estado, pode ser considerada suficientemente relevante para empresas médias e pequenas, em razão da não inclusão de qualquer rede de lojas, cujos custos efetivos tendem a ser menores que a média. Para facilitar a observação dos dados, os mesmos foram segregados conforme a modalidade de pagamento, da seguinte forma: Cartões de Débito. Cartões de Crédito. Tickets. Da simples observação dos dados da amostra, decorre a conclusão óbvia no sentido de serem os Tickets em geral, a modalidade de pagamento mais onerosa para os supermercados, superando de um modo geral os níveis de rentabilidade líquida das empresas, numa clara sinalização de sua natureza antieconômica. Esta situação, que apenas confirma o sentimento dominante nas empresas do setor, reflete também os efeitos maléficos do deságio praticado por algumas administradoras de tickets com seus custos repassados para o varejo de maneira desproporcionalmente onerosa.

5 ASPECTOS A SEREM ANALISADOS NA ASSINATURA DOS CONTRATOS PARA ACEITAÇÃO DE TICKETS. Com base nas informações analisadas, e visando minimizar os custos decorrentes da contratação de meios de pagamento alternativos, podem ser elencadas diversas medidas preventivas a serem tomadas pelas empresas de supermercados antes de assinar novos compromissos, que são as seguintes: Analisar a capacidade financeira da empresa administradora, de modo a reduzir os riscos de uma eventual inadimplência, solicitando cópia do contrato social e balanço. Caso a empresa administradora não ofereça respaldo patrimonial suficiente, exigir fiança bancária ou outra modalidade de garantia, conforme a expectativa de volume de negócios. Avaliar o potencial de negócios que a modalidade de pagamento poderá trazer para a empresa, lembrando que o reduzido volume de operações faz com que as taxas fixas se tornem acentuadamente onerosas. Elaborar planilha de custos totais, elencando e considerando todas e cada uma das taxas cobradas seja mensais, trimestrais ou anuais, além dos valores por operação e remessa, caso existam. Calcular os custos totais e relacioná-los com o volume de negócios esperado, fazendo simulação com as expectativas de vendas mais otimistas e as mais pessimistas, definido o percentual resultante para cada situação. Estabeleça um limite máximo de custos totais a serem aceitos para cada modalidade de pagamento, sem perder de vista por uma parte o volume de negócios que contribui para diluir o custo operacional e por outro, a rentabilidade final do seu balanço. A decisão de incorporar e manter as modalidades de pagamento alternativas é de cada empresa. Porém, quanto mais racional a mesma for, melhor estará atendendo os interesses do negócio, onde poderão estar sendo mantidos elementos que nada acrescentam à rentabilidade da mesma. Analisar, selecionar e até eliminar alguns maus parceiros poderá fazer bem para o seu negócio. Julio Cesar Morosky 07/05/2012

Manual de Controle de Recebíveis ACAPS. Este manual tem por objetivo demonstrar aos associados as melhores práticas para controles de recebíveis.

Manual de Controle de Recebíveis ACAPS. Este manual tem por objetivo demonstrar aos associados as melhores práticas para controles de recebíveis. Manual de Controle de Recebíveis ACAPS 2015 Este manual tem por objetivo demonstrar aos associados as melhores práticas para controles de recebíveis. Para o desenvolvimento deste manual contamos com a

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CARTÃO DE CRÉDITO Índice O que é o cartão de crédito? Ficha de Informação Normalizada (FIN) Modalidades de reembolso Custo do crédito Taxas máximas Livre revogação Contrato

Leia mais

Cap. V Produtos Financeiros

Cap. V Produtos Financeiros 5.1 CDB/RDB Cap. V Produtos Financeiros Prof. Uérito Cruz Um banco anuncia pagar 22,6% a.a. para aplicação em CDB de sua emissão. É projetada uma inflação de 7,2% a.a. e o mercado trabalha como taxa referencial

Leia mais

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO

CARTÃO DE CRÉDITO CARTÃO DE DÉBITO TIPOS DE CARTÃO CARTÃO DE CRÉDITO Instrumento de pagamento que possibilita ao portador adquirir bens e serviços nos estabelecimentos credenciados mediante um determinado limite de crédito. O cliente poderá

Leia mais

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa

Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa Lista de exercício nº 3* VPL, TIR e Equivalência de fluxos de caixa 1. Calcule o valor presente do fluxo de caixa indicado a seguir, para uma taxa de desconto de 1 % ao mês, no Resposta: $13.147,13 2.

Leia mais

Lista de Exercícios 1

Lista de Exercícios 1 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Disciplina de Engenharia Econômica TE142 2º Semestre de 2011 Professor James Alexandre Baraniuk Lista de Exercícios 1 1. Um jovem de 20 anos

Leia mais

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL

CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL CAPITAL DE GIRO: ESSÊNCIA DA VIDA EMPRESARIAL Renara Tavares da Silva* RESUMO: Trata-se de maneira ampla da vitalidade da empresa fazer referência ao Capital de Giro, pois é através deste que a mesma pode

Leia mais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais

Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Capítulo 6 Série Uniforme Prestações Iguais Juros Compostos Fórmulas - 1 RELAÇÃO ENTRE PMT E FV FV = PMT [ ( 1 + i ) n-1 + ( 1 + i ) n-2 + + ( 1 + i ) + 1 ] (A) Multiplicando por (1+i): FV = PMT [(1 +

Leia mais

Instrumentos financeiros de curto prazo

Instrumentos financeiros de curto prazo Instrumentos financeiros de curto prazo Miguel Matias Instituto Superior Miguel Torga LICENCIATURA EM GESTÃO / 2ºANO 1ºSEM 2015/16 PROGRAMA 1. Introdução ao cálculo financeiro 2. Instrumentos financeiros

Leia mais

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo :

Título : B2 Matemática Financeira. Conteúdo : Título : B2 Matemática Financeira Conteúdo : A maioria das questões financeiras é construída por algumas fórmulas padrão e estratégias de negócio. Por exemplo, os investimentos tendem a crescer quando

Leia mais

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos...

Relatórios. Financeiro... 3. Detalhes financeiros da classe... 3. Detalhes financeiros do plano... 4. Detalhes financeiros dos alunos... Relatórios Financeiro... 3 Detalhes financeiros da classe... 3 Detalhes financeiros do plano... 4 Detalhes financeiros dos alunos... 5 Vencimento diferenciado... 6 Não emitir boleto... 7 Diferenças entre

Leia mais

MANUAL CADASTRO DE ADMINISTRADORAS DE CARTÃO DE CRÉDITO

MANUAL CADASTRO DE ADMINISTRADORAS DE CARTÃO DE CRÉDITO MANUAL CADASTRO DE ADMINISTRADORAS DE CARTÃO DE CRÉDITO [Digite seu endereço] [Digite seu telefone] [Digite seu endereço de email] MANUAL MANUAL AVANÇO INFORMÁTICA AVANÇO INFORMÁTICA Material Desenvolvido

Leia mais

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br

CARTILHA. Previdência. Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO. www.sulamericaonline.com.br CARTILHA Previdência Complementar NOVA TRIBUTAÇÃO www.sulamericaonline.com.br Índice 1. Os Planos de Previdência Complementar e o Novo Regime Tributário 4 2. Tratamento Tributário Básico 5 3. Características

Leia mais

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS

Contabilidade Geral e de Custos Correção da Prova Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro Prof. Moraes Junior. CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS CONTABILIDADE GERAL e DE CUSTOS 81 Assinale a alternativa que apresente a circunstância em que o Sistema de Custeio por Ordem de Produção é indicado. (A) O montante dos custos fixos é superior ao valor

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: CELG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: NOTA TÉCNICA

Leia mais

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro

Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Elementos de Análise Financeira Matemática Financeira e Empréstimos para Capital de Giro Fonte: Assaf Neto (2009), Matemática Financeira e Suas Aplicações, Cap. 5 Empréstimos para Capital de Giro As modalidades

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DA DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR DIRETORIA DE ESTUDOS E PESQUISAS Resultados dos estudos sobre a redução de taxas de juros praticadas por bancos públicos e privados. Orientações aos consumidores. Face aos diversos anúncios de redução de juros veiculados na mídia a partir

Leia mais

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc.

M = C. (1 + (i. T)) Juros compostos:- Como calcular juros compostos: montante, capital inicial, fórmula, taxa, tempo, etc. Material de Estudo para Recuperação 9 ano. Juros Simples O regime de juros será simples quando o percentual de juros incidirem apenas sobre o valor principal. Sobre os juros gerados a cada período não

Leia mais

Perguntas Frequentes. Distribuidores

Perguntas Frequentes. Distribuidores Perguntas Frequentes Distribuidores O que é o site Compre Lista Escolar? É um site que possui um sistema desenvolvido, exclusivamente, para que distribuidores possam realizar vendas de livros escolares

Leia mais

Comissões Euros (Mín/Máx) Em %

Comissões Euros (Mín/Máx) Em % 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação /Conexo Produtos de Taxa indexada / Produtos de Taxa Fixa / Crédito Não residentes / Crédito Deficientes / Crédito Terreno iniciais 1. Iniciais

Leia mais

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos.

Existe uma diferença entre o montante (S) e a aplicação (P) que é denominada de remuneração, rendimento ou juros ganhos. Módulo 3 JUROS SIMPLES 1. Conceitos Iniciais 1.1. Juros Juro é a remuneração ou aluguel por um capital aplicado ou emprestado, o valor é obtido pela diferença entre dois pagamentos, um em cada tempo, de

Leia mais

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00.

FINANÇAS A B C D A R$ 24.000,00. B R$ 12.000,00. C R$ 2.000,00. D R$ 0,00. ESPE/Un SERE 2013 Nas questões a seguir, marque, para cada uma, a única opção correta, de acordo com o respectivo comando. Para as devidas marcações, use a Folha de Respostas, único documento válido para

Leia mais

ADM020 Matemática Financeira

ADM020 Matemática Financeira Sumário 1. Objetivo da Aula 13 ADM020 Matemática Financeira 2. CDB e RDB 3. Debêntures 4. Obrigações Produtos do mercado financeiro ADM020 Matemática Financeira Aula 13 29/11/2009 2 2. Objetivo da Aula

Leia mais

A CBLC atua como contraparte central nas Operações de Empréstimo de Ativos.

A CBLC atua como contraparte central nas Operações de Empréstimo de Ativos. C A P Í T U L O V I - S E R V I Ç O D E E M P R É S T I M O D E A T I V O S - B T C O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: O registro de ofertas e o fechamento de Operações contra as

Leia mais

Retenções na Fonte e Informações para a D.C.T.F. (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais)

Retenções na Fonte e Informações para a D.C.T.F. (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) São Paulo, agosto de 2012 Retenções na Fonte e Informações para a D.C.T.F. (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) Prezado cliente: Sua empresa está obrigada a entrega da DCTF (apresentação

Leia mais

Sistema Simulador de Negócios

Sistema Simulador de Negócios Sistema Simulador de Negócios Manual do Usuário Versão 1.4.1 INFORMAÇÕES Setor: Tipo de Documento: CTT Centro de Treinamento Tecnocred Manual de Sistema Última Revisão: 21/09/2012 Versão do Template: 1.0

Leia mais

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1

EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 EXERCÍCIOS DIVERSOS TRABALHO 1 01. O gerente de uma loja de presentes está fazendo o fechamento das vendas de brinquedos no período de véspera de natal. No dia 06/11/2006 foram vendidos 14 brinquedos a

Leia mais

Guia de Implantação Bluesoft ERP Fechamento de Caixa

Guia de Implantação Bluesoft ERP Fechamento de Caixa Guia de Implantação Bluesoft ERP Fechamento de Caixa O que é o Fechamento de Caixa? O Fechamento de Caixa consiste, basicamente, em separar e conferir todos os recebimentos que há nos caixas. Essa tarefa

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring

Conhecimentos Bancários. Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Conhecimentos Bancários Item 2.2.5- Factoring Sociedades de Fomento Mercantil (Factoring); NÃO integram o SFN; As empresas de factoring se inserem na livre

Leia mais

JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 02

JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 02 JUROS SIMPLES - EXERCÍCIOS PARA TREINAMENTO - LISTA 0 01. Calcular a taxa mensal proporcional de juros de: a) 14,4% ao ano; b) 6,8% ao quadrimestre; c) 11,4% ao semestre; d) 110,4% ao ano e) 54,7% ao biênio.

Leia mais

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004

Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 Porto Seguro Anuncia Lucro Líquido de R$ 44,2 milhões no 4T04 Crescimento de 22% dos Prêmios Auferidos em 2004 São Paulo, 25 de fevereiro de 2005 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia hoje seus

Leia mais

Projeto Teleporto. Modelo de Estudo de Viabilidade Econômica de Terrenos. Nota Técnica 04. Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010

Projeto Teleporto. Modelo de Estudo de Viabilidade Econômica de Terrenos. Nota Técnica 04. Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 2010 2010 Projeto Teleporto Modelo de Estudo de Viabilidade Econômica de Terrenos Nota Técnica 04 Previ-Rio 09/2010 Nota Técnica 04 MODELO DE ESTUDO DE VIABILIDADE ECONÔMICA DE TERRENOS DO PROJETO TELEPORTO

Leia mais

O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite:

O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: C A P Í T U L O V I - S E R V I Ç O D E E M P R É S T I M O D E A T I V O S - B T C O Serviço de Empréstimo de Ativos da CBLC (BTC) permite: O registro de ofertas e o fechamento de Operações contra as

Leia mais

2.1. Giro dos Estoques O giro dos estoques geralmente mede a atividade, ou liquidez, dos estoques da empresa. Quanto maior for o valor dos estoques, maior será a necessidade de capital de giro da empresa.

Leia mais

Factoring - Fomento Mercantil

Factoring - Fomento Mercantil 1.Considerações Iniciais Factoring - Fomento Mercantil A expressão factoring é de origem anglo-latina, cujo radical latino factor significa fomento mercantil e tem por finalidade expandir a capacidade

Leia mais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais

Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais Lista de exercício nº 4* Fluxos de caixa não uniformes, inflação, juros reais e nominais 1. Calcule o Valor Presente Líquido do fluxo de caixa que segue, para as taxas de desconto de 8% a.a., 10% a.a.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 24170-3 (FL. 1/4) SF 06/11 Via única CONDIÇÕES GERAIS CONTRATO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL Estas são as condições gerais do Empréstimo Pessoal, solicitado e contratado por você. Leia atentamente estas condições

Leia mais

BB Crédito Material Construção. Solução em Financiamento para sua Empresa

BB Crédito Material Construção. Solução em Financiamento para sua Empresa BB Crédito Material Construção Solução em Financiamento para sua Empresa Maio 2009 Índice 1. Para sua Empresa 1.1 O que é? 02 1.2 Qual a vantagem de ser conveniado ao BB? 02 1.3 Quais os procedimentos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO Através deste manual, a Tecnicont pretende orientar seus clientes e facilitar os procedimentos a serem realizados no envio de documentos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA EXEMPLO OLHANDO DE PERTO AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ORÇAMENTÁRIA AULA 04: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO TÓPICO 02: CICLO OPERACIONAL Além da já comentada falta de sincronização temporal, o capital de giro convive com duas

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO

ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO ÁREA DE FORMAÇÃO: CONTRAIR CRÉDITO CUSTO DO CRÉDITO Índice Componentes do custo do crédito Taxa de juro Comissões Despesas Seguros Medidas agregadas do custo do crédito: TAE e TAEG Taxas máximas no crédito

Leia mais

Rotina de Convênio Integ004. Manual desenvolvido para Célula Financeira Equipe Avanço Informática

Rotina de Convênio Integ004. Manual desenvolvido para Célula Financeira Equipe Avanço Informática Integ004 Manual desenvolvido para Célula Financeira Equipe Avanço Informática 1 Para acessar a o Usuário deverá ir para linha de comando e digitar o comando cobrun integ004 O primeiro passo é Cadastrar

Leia mais

Administrando o Fluxo de Caixa

Administrando o Fluxo de Caixa Administrando o Fluxo de Caixa O contexto econômico do momento interfere no cotidiano das empresas, independente do seu tamanho mercadológico e, principalmente nas questões que afetam diretamente o Fluxo

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:40 Número de Simulação: 14616112 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS

COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS COBERTURA DE PERDA DE LUCRO BRUTO E DESPESAS EXTRAORDINARIAS Forma de Contratação do Limite Máximo de Responsabilidade 1. SEGURO A PRIMEIRO RISCO RELATIVO A seguradora responderá pelos prejuízos de sua

Leia mais

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER

EXERCÍCIOS PROF. SÉRGIO ALTENFELDER 1- Uma dívida no valor de R$ 60.020,54 deve ser paga em sete prestações postecipadas de R$ 10.000,00, a uma determinada taxa de juros. Considerando esta mesma taxa de juros, calcule o saldo devedor imediatamente

Leia mais

CIRCULAR N 2.722 DECIDIU:

CIRCULAR N 2.722 DECIDIU: CIRCULAR N 2.722 Estabelece condições para remessa de juros a titular, sócios ou acionistas estrangeiros, a título de remuneração do capital próprio, calculado sobre as contas do patrimônio líquido, bem

Leia mais

Conhecendo os Processos de Cobrança

Conhecendo os Processos de Cobrança Conhecendo os Processos de Cobrança 03 Processos de Cobrança Entenda a Fatura Ferramentas de Suporte Consulta de Extratos 05 09 11 16 Consumo Consciente 02 Processos de Cobrança conheça os processos de

Leia mais

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas?

DESPESAS FIXAS. O que são Despesas Fixas? Conceitos de Gestão O intuito desse treinamento, é apresentar aos usuários do software Profit, conceitos de gestão que possam ser utilizados em conjunto com as informações disponibilizadas pelo sistema.

Leia mais

perfis de investimento

perfis de investimento perfis de investimento Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a gestão de investimentos da ELETROS? 5 Quais são os principais riscos associados aos investimentos? 6 Como são os investimentos em renda fixa?

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS DO PLANO BENEFÍCIO PREV-RENDA. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos

Leia mais

h) TERMO DE ADESÃO Documento formal ao qual a EMPRESA CREDENCIADA adere ao PROGRAMA MAXXIMO FIDELIDADE nas condições do presente contrato.

h) TERMO DE ADESÃO Documento formal ao qual a EMPRESA CREDENCIADA adere ao PROGRAMA MAXXIMO FIDELIDADE nas condições do presente contrato. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROGRAMA DE FIDELIDADE inscrita no CNPJ/MF sob o n. 09.016.557/0001-95, com sede na Rua Dr. Sodré 122 Sala 53, Vila Nova Conceição, São Paulo SP - CEP: 04535-110,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Especial Lucro dos Bancos

Especial Lucro dos Bancos Boletim Econômico Edição nº 90 novembro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Especial Lucro dos Bancos 1 Tabela dos Lucros em 2014 Ano Banco Período Lucro 2 0 1 4 Itaú Unibanco

Leia mais

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SIND PME 4.0 SIMULAÇÃO INDUSTRIAL DE PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS MANUAL DA EMPRESA TODOS OS DIREITOS SÃO RESERVADOS À BERNARD SISTEMAS LTDA. BERNARD SISTEMAS LTDA. Florianópolis, Julho de 2007. Todos os

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL 1. FINALIDADE 1.1. Este Regulamento tem por finalidade disciplinar as concessões de empréstimos aos Participantes do Plano de Benefícios JMalucelli, administrado pelo

Leia mais

DESCONTO SIMPLES Roteiro Roteiro Introdução Introdução Introdução N Valor Nominal Desconto D Valor Atual A d Taxa de Desconto 0 1 2 3 t Tempo de antecipação Fonte: PENIDO, Eduardo. Matemática Financeira

Leia mais

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV

MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV MATEMÁTICA FINANCEIRA - FGV 01. (FGV) O preço de venda de um artigo foi diminuído em 20%. Em que porcentagem devemos aumentar o preço diminuído para que com o aumento o novo preço coincida com o original?

Leia mais

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES

CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES DEFINIÇÕES: CIÊNCIAS CONTÁBEIS MATEMATICA FINANCEIRA JUROS SIMPLES Taxa de juros: o juro é determinado através de um coeficiente referido a um dado intervalo de tempo. Ele corresponde à remuneração da

Leia mais

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011

RESULTADOS 3T11. Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades. 4 de novembro de 2011 RESULTADOS 3T11 Grupo Pão de Açúcar e Globex Utilidades 4 de novembro de 2011 ELETRO GPA ALIMENTAR AGENDA RESULTADOS Supermercados Proximidade Atacarejo Postos e Drogarias Hipermercado Lojas Especializadas

Leia mais

LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE VÁRZEA ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e em pleno exercício do cargo;

LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. O PREFEITO MUNICIPAL DE VÁRZEA ALEGRE, no uso de suas atribuições legais e em pleno exercício do cargo; LEI Nº. 845/2014 DE 14 DE MAIO DE 2014. Projeto de Lei que estabelece normas para acompanhamento fiscal do ISS, relativo as operações efetuadas com cartões de crédito e de débito, e dá outras providências.

Leia mais

Boletim. Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos. 13 o salário - Provisão e pagamento. Temática Contábil e Balanços 2. CLASSIFICAÇÃO CONTÁBIL

Boletim. Contabilidade Geral. Manual de Procedimentos. 13 o salário - Provisão e pagamento. Temática Contábil e Balanços 2. CLASSIFICAÇÃO CONTÁBIL Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Geral 13 o salário - Provisão e pagamento SUMÁRIO 1. Provisão mensal 2. Classifi cação contábil 3. Ajustes da provisão 4. Baixa da provisão por ocasião da

Leia mais

Para tornar-se representante dos produtos da Insertsoft através de Parceria a empresa devera seguir o seguinte roteiro:

Para tornar-se representante dos produtos da Insertsoft através de Parceria a empresa devera seguir o seguinte roteiro: Termo de Parceria Objetivo Este documento tem como objetivo de orientar empresas que tem interesse em se qualificar como parceiros para representação dos produtos fornecidos pela Insertsoft através do

Leia mais

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO

APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO APURAÇÃO DO LUCRO LÍQUIDO NO COMÉRCIO O Sr. Fúlvio Oliveira, empresário de uma loja de confecções, está seriamente preocupado com seu negócio. As dívidas não param de crescer. Vamos entender sua situação.

Leia mais

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew

Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew 1 Matemática Financeira Amilton Dalledone Filho Glower Lopes Kujew O mundo globalizado nos mostra cada vez mais a necessidade de informações e, para tanto, é necessário o conhecimento básico que possibilita

Leia mais

CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO DE COMPRAS. I -DEFINIÇÕES: para os fins deste CONTRATO, serão adotadas as seguintes definições:

CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO DE COMPRAS. I -DEFINIÇÕES: para os fins deste CONTRATO, serão adotadas as seguintes definições: CONTRATO DE EMISSÃO E UTILIZAÇÃO DO CARTÃO DE COMPRAS I -DEFINIÇÕES: para os fins deste CONTRATO, serão adotadas as seguintes definições: a) PASSA TEMPO ADMINISTRADORA DE CARTÃO LTDA., com sede na Rua

Leia mais

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO

Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com a felicidade do maior número possível de pessoas. Esta é a nossa missão! 1 Guia do Franqueado GESTÃO DO NEGÓCIO Por que a Contem1g existe? Para colaborar com

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MATEMÁTICA FINANCEIRA MAT 191 PROFESSORES: ENALDO VERGASTA, GLÓRIA MÁRCIA, JODÁLIA ARLEGO LISTA 2 1) Um título, com valor de face igual a $1.000,00,

Leia mais

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à:

A sistemática dos financiamentos sujeitos à TJ-462 será a mesma vigente para a TJLP, inclusive no que se refere à: Capítulo II CONDIÇÕES GERAIS 1. SISTEMÁTICA DE CÁLCULO DOS JUROS. Os juros, aí considerados o Custo Financeiro, a Remuneração do BNDES e a Remuneração do Agente Financeiro, serão calculados sobre o saldo

Leia mais

h) CADASTRO Documento formal ao qual a EMPRESA CREDENCIADA adere ao PROGRAMA MAXXIMO FIDELIDADE nas condições do presente contrato.

h) CADASTRO Documento formal ao qual a EMPRESA CREDENCIADA adere ao PROGRAMA MAXXIMO FIDELIDADE nas condições do presente contrato. CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GESTÃO DE PROGRAMA DE FIDELIDADE inscrita no CNPJ/MF sob o n. 09.016.557/0001-95, com sede na Rua Dr. Sodré 122 Sala 53, Vila Nova Conceição, São Paulo SP - CEP: 04535-110,

Leia mais

ANEXO I. Documentos básicos para comprovação das informações declaradas previamente pelo editor

ANEXO I. Documentos básicos para comprovação das informações declaradas previamente pelo editor ANEXO I Documentos básicos para comprovação das informações declaradas previamente pelo editor 1 INFORMAÇÕES DO EDITOR CIRCULAÇÃO CONTROLADA DE CONTEÚDO DIRIGIDO 1) Informe sobre tiragem de cada edição

Leia mais

Simulação de Crédito Imobiliário

Simulação de Crédito Imobiliário Simulação de Crédito Imobiliário Data de Impressão: 16-02-2015 19:45 Número de Simulação: 14616115 / x944719 Gestor de Projeto: MIGUEL VELEZ (211126702) Resumo Prestação inicial Prestação Comissão manutenção

Leia mais

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados?

1.8. Cartões emitidos para pagamento de benefícios ou repasse de programas sociais devem ser considerados? PAGAMENTOS DE VAREJO E CANAIS DE ATENDIMENTO Perguntas freqüentes 1. Arquivo ESTATCRT.TXT Informações relativas aos cartões com função saque e e-money 1.1. Devo informar os saques efetuados sobre linhas

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso!

Fornecedores. Apresentação. www.grupoquantica.com. Nosso desafio é o seu sucesso! Fornecedores www.grupoquantica.com Apresentação 2010 A idéia Fundado e idealizado por Cleber Ferreira, Consultor de Marketing e Vendas, autor do livro Desperte o Vendedor Interior com Técnicas de Vendas

Leia mais

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR

PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR PLANOS DE FINANCIAMENTO METERIAL COMPLEMENTAR José Luiz Miranda PLANOS DE FINANCIAMENTO Imagine uma operação financeira representada por um financiamento de R$ 1.200,00 no prazo de 5 meses à taxa de juros

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO Anexo à Resolução nº 660/87 1 - APLICABILIDADE

NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO Anexo à Resolução nº 660/87 1 - APLICABILIDADE NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO Anexo à Resolução nº 660/87 1 - APLICABILIDADE As presentes Normas aplicam-se ao acompanhamento de beneficiário de colaboração financeira, objetivando manter o Sistema

Leia mais

O ISS e as tarifas bancárias

O ISS e as tarifas bancárias O ISS e as tarifas bancárias No jargão bancário, tarifa é a contrapartida de uma prestação de serviço, é a receita decorrente do serviço prestado. Por conseguinte, sempre que o Banco registra uma receita

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 2. Finanças 2.1 Orçamento anual integrado Objetivo: Melhorar

Leia mais

Previdência Complementar

Previdência Complementar Cartilha Previdência Complementar Guia Fácil de Tributação TRATAMENTO TRIBUTÁRIO BÁSICO A primeira informação que deve ser observada na escolha de um plano de previdência que tenha como propósito a acumulação

Leia mais

Condições actuais do Protocolo para Colaboradores

Condições actuais do Protocolo para Colaboradores Direcção de Parcerias Comerciais Protocolos Condições actuais do Protocolo para Colaboradores Novembro de 2009 Conta Ordenado BPI Isenção das principais despesas do dia-a-dia: Isenção das despesas de manutenção

Leia mais

Resolução Prova de RACIOCINIO LOGICO MATEMATICO (PARTE MATEMÁTICA) PROF RICARDO ALVES

Resolução Prova de RACIOCINIO LOGICO MATEMATICO (PARTE MATEMÁTICA) PROF RICARDO ALVES Resolução Prova de RACIOCINIO LOGICO MATEMATICO (PARTE MATEMÁTICA) PROF RICARDO ALVES 11 Observe a adição: Sendo E e U dois algarismos não nulos e distintos, a soma E + U é igual a (A) 13 (B) 14 (C) 15

Leia mais

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing

Documentação do produto SAP Business ByDesign, agosto 2015. Sourcing Documentação do produto PUBLIC Sourcing Índice 1 Sourcing.... 5 2 Fundamentos... 7 2.1 Gerenciamento do relacionamento com fornecedores... 7 2.2 Automação do gerenciamento do relacionamento com fornecedores...

Leia mais

EDITAL N.º 001/2014, DE 28 DE JANEIRO DE 2014. CHAMAMENTO PÚBLICO

EDITAL N.º 001/2014, DE 28 DE JANEIRO DE 2014. CHAMAMENTO PÚBLICO EDITAL N.º 001/2014, DE 28 DE JANEIRO DE 2014. CHAMAMENTO PÚBLICO O MUNICÍPIO DE IBIRUBÁ-RS, Pessoa Jurídica de Direito Público, com sede na Rua Tiradentes, n.º 700, inscrito no CNPJ sob n.º 87.564.381/0001-10,

Leia mais

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente)

Preçário. ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) 1 CONTAS DE DEPÓSITO 1.1. DEPÓSITOS À ORDEM ENVIO PONTUAL EXTRATO DE MOVIMENTOS (a pedido do cliente) Movimentos efetuados até últimos 31 meses inclusive Envio por email 1,00 Envio por correio 5,00 Movimentos

Leia mais

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro:

Para o cálculo dos juros siga corretamente este roteiro: Juro Simples Juro: é a remuneração do capital emprestado, podendo ser entendido, de forma simplificada, como sendo o aluguel pago pelo uso do dinheiro. Capital: qualquer valor expresso em moeda e disponível

Leia mais

FASES DO PROCESSO DE COMPRA E VENDA

FASES DO PROCESSO DE COMPRA E VENDA Liquidação Na fase da liquidação, o vendedor apura o montante que o comprador terá que suportar com a execução da encomenda. O apuramento do montante a pagar é calculado considerando o preço fixado e descontos

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

Protocolo para Colaboradores

Protocolo para Colaboradores Protocolo para Colaboradores Março 2014 O PROTOCOLO E SUAS VANTAGENS O Protocolo é um acordo entre um Parceiro e o Banco, atribuindo vantagens aos seus Colaboradores em produtos e serviços financeiros

Leia mais

PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS. Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac.

PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS. Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac. PESQUISA O COMÉRCIO NO DIA DOS PAIS Realização: Fecomércio/Ac Coordenação: IFEPAC Período: 15 a 25 de julho de 2011 Local: Rio Branco/Ac. 1 APRESENTAÇÃO Com a aproximação do Dia dos Pais, a Fecomércio/Ac,

Leia mais

TERMOS DE COMPRAS PARA O SITE SEU INGRESSO AGORA

TERMOS DE COMPRAS PARA O SITE SEU INGRESSO AGORA TERMOS DE COMPRAS PARA O SITE SEU INGRESSO AGORA Prezado usuário, por favor, leia com muita atenção este termo. Ele regula nossa relação comercial e deve ser consultado sempre que uma dúvida surgir sobre

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão American Express Business IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta um resumo das principais informações que a Empresa Associada e o

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012

AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 AÇÕES CMVM Comissão do Mercado de Valores Mobiliários OUTUBRO 2012 Ações O que são ações? Uma ação é um título que representa uma fração do capital social de uma empresa, constituída sob a forma de uma

Leia mais

Prof. Eugênio Carlos Stieler

Prof. Eugênio Carlos Stieler http://www.unemat.br/eugenio DESCONTOS CONCEITO A chamada operação de desconto normalmente é realizada quando se conhece o valor futuro de um título (valor nominal, valor de face ou valor de resgate) e

Leia mais

(Do Sr. Julio Lopes) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Julio Lopes) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2006 (Do Sr. Julio Lopes) Institui a consignação em folha de pagamento de aluguéis residenciais. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Os servidores públicos e os empregados regidos

Leia mais

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte

Análise Mensal do Comércio Varejista de Belo Horizonte Março/15 A mostra o desempenho dos negócios do comércio no mês de Fevereiro/2015 e identifica a percepção dos empresários para o mês de Março/2015. Neste mês, 20,8% dos empresários conseguiram aumentar

Leia mais