IMMANUEL KANT E A EDUCAÇÃO MORAL: CUIDAR, DISCIPLINAR E INSTRUIR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMMANUEL KANT E A EDUCAÇÃO MORAL: CUIDAR, DISCIPLINAR E INSTRUIR"

Transcrição

1 IMMANUEL KANT E A EDUCAÇÃO MORAL: CUIDAR, DISCIPLINAR E INSTRUIR Tércio Inácio Jung 1 Resumo Kant, no livro Sobre a Pedagogia, apresenta a educação como um processo, que inicia com o cuidado na infância, a disciplina na adolescência e a instrução na juventude e vida adulta: 1. na infância a criança precisa apenas ser cuidada, pois a natureza agirá por conta própria fazendo com que o infante se desenvolva até um determinado ponto, quando será necessário uma intervenção maior do adulto; 2. a segunda etapa é caracterizada pela disciplina, isto é, se o adolescente ficar a mercê de suas vontades, provavelmente desenvolverá um caráter vicioso, preocupado apenas em satisfazer seus caprichos egoístas, o que comprometerá o amadurecimento moral, dificultando a vida em sociedade; 3. a terceira etapa é a instrução. Através dessa, Kant quer abarcar o que ele considera como educação positiva, ou seja, enquanto as etapas anteriores tratavam da educação negativa, assim conceituada por tratar da selvageria no homem que precisa ser dominada para que ele progrida até a humanidade, a positiva diz respeito à questão da cultura, isto é, aquilo que deverá ser construído a partir do desenvolvimento da razão. Inclusive, a razão desenvolvida é o pressuposto fundamental para a moralização do homem. Apesar de dedicar poucas páginas ao estágio da disciplina, nota-se claramente sua fundamental importância para passar do cuidado à instrução, ou seja, sem disciplina torna-se muito dificil a moralização das pessoas. 1. Immanuel kant e a educação moral: cuidar, disciplinar e instruir Kant, no escrito Sobre a Pedagogia, distingue o homem do animal. Enquanto o animal nasce predestinado instintivamente, o homem pode criar seu destino através do uso da razão, que por sua vez, precisa ser desenvolvida. Segundo Pinheiro, a passagem da animalidade para a humanidade situa-se em nós mesmos, implicando no estabelecimento de princípios bons, disciplinar nossas tentações e, 1 IESA Santo Ângelo / RS

2 2 sobretudo, desenvolver a razão para que essa atue sobre nossos instintos (PINHEIRO, 2003, p.139); entretanto, Eidam procura deixar claro que a razão não é simplesmente uma substituição do instinto, pois aquela é superior qualitativamente. Através da razão própria ele pode determinar o que é, o que faz de si e o que ainda fará de si, isso evidencia sua posição particular em relação aos outros seres naturais (EIDAM, 2005, p.105). Um animal é por seu próprio instinto tudo aquilo que pode ser; uma razão exterior a ele tornou por ele antecipadamente todos os cuidados necessários. Mas o homem tem necessidade de sua própria razão [...] e precisa formar por si mesmo o projeto de sua conduta (Kant, 2006, p.12). Os animais cumprem o seu destino espontaneamente e sem o saber. O homem, pelo contrário, é obrigado a tentar conseguir o seu fim (Kant, 2006, p.18). Fim esse que não é a morte ou uma velhice feliz, mas é o fim de toda espécie humana: o desenvolvimento das disposições naturais para alcançar a perfeição da natureza humana. Na obra Idéias de uma História de um Ponto de Vista Cosmopolita, Kant se propõe a descobrir um propósito da natureza, um fio condutor para a história de um determinado plano da natureza (fim). A natureza não faz verdadeiramente nada supérfluo e não é perdulária no uso dos meios para atingir seus fins. Tendo dado ao homem a razão e a liberdade da vontade que nela se funda, a natureza forneceu um claro indício de seu propósito quanto à maneira de dotá-lo. Ele não deveria ser guiado pelo instinto, ou ser provido e ensinado pelo conhecimento inato; ele deveria, antes, tirar tudo de si mesmo (KANT, 2004, p.6). Evidencia-se, pois, a importância e a necessidade da educação no processo de desenvolvimento da razão, já que é através do uso da razão (e não de maneira instintiva) que o homem pode e deve formar o projeto de sua conduta: O homem não pode se tornar um verdadeiro homem senão pela educação. Ele é aquilo que a educação dele faz (KANT, 2006, p.15). No livro Sobre a Pedagogia ele apresenta a educação como um processo, dividindoa, primeiramente, em cuidado e formação. Esta última, ainda é separada em disciplina e instrução: Por educação entende-se o cuidado de sua infância (a conservação, o trato), a disciplina e a instrução com a formação ( KANT, 2006, p.11). O cuidado pode ser entendido como a primeira etapa e estágio da educação, na fase inicial da vida, ou seja, enquanto criança (infante), ela requer cuidados: Por cuidados

3 3 entendem-se as precauções que os pais tomam para impedir que as crianças façam uso nocivo de suas forças ( KANT, 2006, p.11). O cuidado com a criança faz parte do desenvolvimento natural e acontece basicamente, no primeiro estágio da vida humana. A segunda etapa da educação compreende a formação (disciplina e instrução). Podese afirmar que é a parte mais intensa no processo educativo pelo fato de tratar da disciplina e da instrução, e por incluir a moralização, fim de todo processo educativo. O segundo estágio refere-se à disciplina. Esse período é muito valorizado e de vital importância para o estágio seguinte, que é a instrução. Inclusive, a falta de disciplina dificulta e até compromete a instrução: A falta de disciplina é um mal pior que a falta de cultura/instrução, pois esta pode ser remediada mais tarde, ao passo que não se pode abolir o estado selvagem e corrigir um defeito de disciplina ( KANT, 2006, p.16). A instrução para ser bem sucedida, necessita do cuidado e da disciplina enquanto estágios anteriores, ou melhor, o cuidado seria como que o projeto de uma obra/construção, a disciplina seria os fundamentos e a instrução seria a obra em si, que será tanto mais perfeita e forte, quanto mais sério e bem feito for o projeto e os fundamentos. Apesar de dedicar poucas páginas à disciplina, é possível notar sua função intermediadora entre o cuidado (princípio e base) e a instrução, que é o fim do processo, ou seja, a moralização. Não seria muito produtivo semear algo sem antes preparar o terreno. Disciplinar significa, para Kant, transformar a animalidade no homem em humanidade, ou seja, o homem nasce em estado bruto e precisa ser polido para que a humanidade nele possa sobrepor-se aos seus instintos animais. Um animal é por seu próprio instinto tudo aquilo que pode ser; uma razão exterior a ele tornou por ele antecipadamente todos os cuidados necessários. Mas o homem tem necessidade de sua própria razão [...] e precisa formar por si mesmo o projeto de sua conduta (KANT, 2006, p.12). Como o homem nasce em estado bruto, ele não pode de imediato construir o seu destino ou, parafraseando Kant, formar por si mesmo o projeto de sua conduta ( KANT, 2006, p.12). Primeiro ele precisa desenvolver a razão, com a ajuda dos outros, para depois extrair da própria espécie humana todas as qualidades naturais que pertencem à humanidade e avançar em direção da perfeição da natureza humana, através do desenvolvimento - pela educação - de todas as disposições naturais no homem.

4 4 Incansavelmente, Kant retoma e reforça a idéia de desenvolvimento, que subentende um processo a ser seguido para que de fato possa haver um crescimento e amadurecimento do ser humano. Portanto, torna-se vital ao homem o desenvolvimento de sua razão, pois será através dela que se diferenciará dos animais e poderá construir seu projeto de vida através de opções e decisões racionais. Na Metafísica dos Costumes, Kant enfatiza que é dever do homem progredir sempre mais, desde a incultura, própria da natureza (da animalidade), até a humanidade, que é a única pela qual é capaz de se propor fins: suprir sua ignorância pela instrução e corrigir seus erros; e isto não apenas lhe é aconselhado pela razão tecnicamente prática, em vista de seus outros projetos (da habilidade), mas é absolutamente ordenado pela razão moralmente prática, e converte este fim em um dever seu para ser digno da humanidade que habita nele (PINHEIRO, 2003, p.143). A disciplina é a parte negativa da educação, conforme Kant, no sentido em que seu primeiro emprego é evitar que maus hábitos sejam desenvolvidos como opostos à formação do pensar. Através da disciplina, a tendência a selvageria do ser humano é mantida sob controle até não mais prejudicar o agir moral. Inclusive, o homem precisa usar da razão para dominar sua selvageria. Selvageria que consiste na independência de qualquer lei, ou seja, como o homem precisa de leis para viver em sociedade, também precisa habituar-se a elas, o que não impede o questionamento e/ou até sua mudança para melhor, mas jamais o liberta da observância delas enquanto membro da dita sociedade. A disciplina que submete o homem às leis da humanidade e começa a fazê-lo sentir a força das próprias leis. Mas isso deve acontecer bem cedo. Assim, as crianças são mandadas cedo à escola, não para que aí aprendam alguma coisa, mas para que aí se acostumem a ficar sentadas tranqüilamente e a obedecer pontualmente àquilo que lhes é mandado, a fim de que no futuro elas não sigam de fato imediatamente cada um de seus caprichos (KANT, 2006, p.13). E, com certeza, depois de disciplinado, para não seguir todos os seus caprichos e habituado as regras, também se tornará mais fácil a educação para lei que está dentro dele, de cada ser humano, ou seja, o que Kant chama de lei moral, desenvolvida, sobretudo, no livro da Fundamentação da Metafísica dos Costumes e da Crítica da Razão Prática.

5 5 As leis morais têm que ter um fundamento. O único fundamento que sobra para elas é a razão. Esta não mora nem no céu nem na terra. Justificando esta carência de solo da razão, ele descartou-lhe todo fundamento externo: o mundo, a natureza, o sentido interno possuem tão pouca autoridade moral quanto Deus. Por esse motivo a ética de Kant não pode ter outra base que a autonomia, demonstrada na Critica da Razão Prática a partir da razão (KANT, 2003, p.xiv). Pinheiro afirma que para Kant a coação dos deveres e a severidade das ordens servem para formar um caráter na criança, indicando a importância do respeito à Lei. Essa coação, em um primeiro momento, é exterior a criança, no caso, e deve ser aceita passivamente, porém, todo trabalho da educação consiste em torná-la uma coação interior, ou seja, transformar a natureza numa consciência pura, orientada para a ação por dever, ou seja, para o agir moral (PINHEIRO, 2007, p.30). Conforme Kant, o homem está naturalmente inclinado para a liberdade, o que pode ser muito prejudicial quando ele se acostuma a ela e acaba querendo satisfazer todos os seus caprichos, seguindo geralmente, suas inclinações animais e/ou seu instinto. Por isso, é preciso recorrer cedo à disciplina para que aprenda a submeter sua vontade aos preceitos da razão. Quando se deixou o homem seguir plenamente a sua vontade durante toda a juventude e não se lhe resistiu em nada, ele conserva uma certa selvageria por toda a vida (KANT, 2006, p.14). Um dos maiores problemas da educação é o poder de conciliar a submissão ao constrangimento das leis com o exercício da liberdade [...] É preciso habituar o educando a suportar que a sua liberdade seja submetida ao constrangimento de outrem e que, ao mesmo tempo, dirija corretamente a sua liberdade. Sem essa condição, não haverá nele senão algo mecânico; e o homem, terminada a sua educação, não saberá usar sua liberdade (KANT, 2006, p.32). Mas a disciplina também não é escravização, isto é, não tratar as crianças como escravos, mas sim que faça que elas sintam sempre a sua liberdade, mas de modo a não ofender a dos demais ( KANT, 2006, p.50). Nem escravidão nem libertinagem, mas consciência das próprias ações, sempre inseridas em um contexto social. É necessário que ele sinta logo a inevitável resistência da sociedade, para que aprenda a conhecer o quanto é difícil bastar-se a si mesmo, tolerar as privações e adquirir o que é necessário para tornar-se independente ( KANT, 2006, p.33). Cabe à educação buscar, sobretudo, pela disciplina, o meio para formar e possibilitar à criança a compreensão das regras e prescrições a serem seguidas, pois desse aprendizado

6 6 surgirá a capacidade de o homem aceitar suas próprias leis autônomas e também o conjunto de leis do Estado (PINHEIRO, 2007, p.77). Torna-se fácil dar uma disciplina aos movimentos da alma, mas é necessário evitar uma atitude servil, que é contrária à dignidade do homem, dignidade que deve ser respeitada também na criança. Kant proíbe os castigos violentos; corre-se o risco da criança fechar-se em si mesma num estado psíquico de rebeldia ao ouvir o mais sábio conselho que possa futuramente ser-lhe dirigido, ou então, abandonar-se a uma hipócrita observância exterior de todo conselho e preceito, mas no íntimo, tem outro desejo que manifestará numa ocasião propícia, impunemente ao exterior. Enfim, a disciplina prepara o terreno para a parte positiva da educação que é a instrução ou a cultura. Kant novamente recorre a termos diversos para a questão da educação positiva (ou prática, ou moral), ou seja, àquela que diz respeito à construção do homem, para que possa viver como um ser livre [...] educação de um ser livre, o qual pode bastar-se a si mesmo, constituir-se membro da sociedade e ter por si mesmo um valor intrínseco ( KANT, 2006, p.35). Kant afirma que vive em uma época de disciplina, de cultura e civilização, mas que tal época não é ainda a da verdadeira moralidade: nós vivemos em um tempo de treinamento disciplinar, cultura e civilização, mas de modo algum em um tempo de moralização ( KANT, 2006, p.28). Mas, por que a humanidade ainda não está moralizada? A moralização é, para Kant, a última etapa na educação do homem: Deve, por fim, cuidar da moralização. Na verdade, não basta que o homem seja capaz de toda sorte de fins; convém também que ele consiga a disposição de somente escolher fins bons ( KANT, 2006, p.26). Bons são aqueles fins aprovados necessariamente por todos e que podem ser, ao mesmo tempo, os fins de cada um. A pessoa precisa, então, adquirir certa disposição para que possa agir moralmente. Uma disposição distingue-se de um hábito, no sentido de que ela precisa envolver uma deliberação consciente, ou seja, racional acerca das máximas da ação e não ser meramente um reflexo instintivo do comportamento. A pessoa moralizada adquire uma disposição muito enraizada para escolher somente os fins bons, fins que precisam ser caracterizados pela aprovação de todos. A pessoa deve ser educada para escolher somente os fins que podem ser os fins simultâneos de todos. O assim escolher deve tornar-se um modo de pensar arraigado, inerente, como que uma segunda natureza, muito mais do que um processo de decisão complicado, que pode ser utilizado em

7 7 tempos de dúvidas e incertezas. Isso porque, para Kant, a cultura moral deve-se fundar sobre máximas, não sobre a disciplina. Esta impede os defeitos; aquelas formam a maneira de pensar. É preciso proceder de tal modo que a criança se acostume a agir segundo máximas ( KANT, 2006, p.75). Na educação moral kantiana, é preciso cuidar para que o aluno aja segundo suas próprias máximas, e não por simples hábito, e que não faça simplesmente o bem, mas o faça porque é bem em si:... não é suficiente treinar as crianças; urge que aprendam a pensar. Devem-se observar os princípios dos quais todas as ações derivam (KANT, 2006, p.27). Com efeito, todo o valor moral das ações reside nas máximas do bem. Já para Eidam, educar é muito mais que transmissão de saber. A educação tem um sentido político: [...] tomam como tarefa sua a produção de uma consciência correta, e isso significa a formação e a promoção da capacidade de cada indivíduo à decisão consciente e autônoma, pois uma democracia que não quer apenas funcionar, senão que deve trabalhar a favor de seu próprio conceito... (EIDAM, 2005, p.112) De acordo com Kant, o primeiro esforço da cultura moral é lançar os fundamentos do caráter. Para ele, o caráter consiste no hábito de agir segundo certas máximas. Estas são, em princípio, as da escola e, mais tarde, as da humanidade. Quando se quer formar o caráter das crianças, é preciso mostrar-lhes em todas as coisas sob certo plano, certas leis, as quais devem seguir fielmente. Assim, por exemplo, se lhes é estabelecida uma hora para dormir, para trabalhar, para brincar, tais horários não devem ser dilatados ou abreviados. Isto tudo porque Kant acredita na educação moral como fomentadora da confiabilidade entre os homens. Para ele, os homens que não se propuseram certas regras não podem inspirar confiança; não se sabe como se comportar com eles, e não se pode saber ao certo se se tem vez com eles ( KANT, 2006, p.77). Kant questiona a questão de querer apresentar as coisas às crianças de tal modo que as cumpram por inclinação, o que até pode ser bom em alguns casos. Entretanto, ele adverte: muitas coisas devem ser-lhes prescritas como dever, lição que inicia na adolescência, para quando ingressar no mundo adulto (emprego, impostos, negócios...), não se perder e acabar revoltando-se contra tudo e todos. Ele divide a educação em cultura livre e cultura escolástica, ou seja, a primeira seria mais um divertimento enquanto a escolástica uma obrigação por implicar em trabalho, empenho, dedicação. Enquanto o divertimento é agradável em si, o trabalho só se torna agradável conforme o fim proposto, ou seja, em si ele é desagradável e por isso tão evitado.

8 8 Nesse sentido Kant pergunta, se não seria a Escola o melhor espaço para cultivar essa tendência ao trabalho e as questões sérias? Certamente, aqui, ele não está se referindo aos infantes, que precisam apenas ser cuidados, mas aos adolescentes e jovens. E, nesse sentido, precisamos concordar que nossa educação escolar não avançou, pelo contrário, para não dizer que regrediu ou se perdeu, vamos dizer que ela estacionou perante a cultura escolástica kantiana. Conforme o filósofo, querer que as crianças aprendam tudo por diversão pode ser muito prejudicial, pois também devem ser habituadas desde cedo a ocupações sérias. Ela deve brincar e se divertir, mas também deve aprender a trabalhar, afinal, um dia deverá ingressar na vida em sociedade. Kant é incisivo nesse aspecto e afirma que é muito prejudicial querer acostumar a criança a considerar tudo como um divertimento. O gosto pela facilidade é para o homem o mais funesto dos males da vida. Por isso é sobremaneira importante que as crianças aprendam a trabalhar desde cedo [...] No que diz respeito aos prazeres, não devemos torná-las ávidas nem deixar a elas a escolha ( KANT, 2006, p.72). É preciso dirigir a vontade dos jovens de modo que aprendam a ceder e não querer dobrar sua vontade. Enquanto infante, a criança deve obedecer cegamente e jamais se deve ceder aos gritos dela quando pretende alguma coisa, exceto quando se achar alguma razão importante em contrário, como ter-se machucado. Se elas conseguem tudo através de gritos podem tornar-se muito más e se obtém tudo com súplicas podem tornar-se suscetíveis no futuro, segundo Kant. Ele está certo, entretanto, que o entendimento pleno do indivíduo sobre o agir por dever somente será possível com o passar dos anos. E, sobre isso, Kant conclui que a obediência do adolescente é diferente da obediência da criança. Aquela consiste na submissão às regras do dever e, fazer algo por dever, equivale a obedecer a razão. As crianças, mesmo não tendo ainda o conceito abstrato do dever, da obrigação, da conduta boa ou má, entendem que há uma lei do dever e que esta não deve ser determinada pelo prazer, pelo útil ou semelhante, mas por algo universal que não se guia conforme os caprichos humanos. (KANT, 2006, p.97). Falar a respeito do dever às crianças é um trabalho incerto, segundo Kant. Elas geralmente, concebem o dever como algo cuja transgressão acarreta castigo. A criança poderia ser guiada apenas por seus instintos, mas na medida em que cresce vai necessitando da idéia do dever. Nesse sentido, torna-se fundamental o estágio da disciplina, ou seja, para formar um bom caráter, é preciso antes domar as paixões, o que já inicia com a disciplina. No

9 9 que toca às tendências, os homens não devem deixá-las se tornar paixões, antes devem aprender a privar-se um pouco quando algo lhes é negado. Para se aprender a se privar de alguma coisa é necessária a coragem e certa inclinação. É preciso acostumar-se às recusas e à resistência. Mas não é só com privações e disciplina que se forma um bom caráter. Kant assegura que este é formado também na sociabilidade. O educando deve manter relações de amizade e não viver sempre isolado. Esse é importante no que se refere em conciliar a submissão ao constrangimento das leis com o exercício da liberdade, isto é, que perceba a própria liberdade situada num contexto social, que a restringe para o bem de todos. É necessário que ele sinta logo a inevitável resistência da sociedade, para que aprenda a conhecer o quanto é difícil bastar-se a si mesmo, tolerar as privações e adquirir o que é necessário para tornar-se independente ( KANT, 2006, p.33). Há em nossa alma algo que chamamos de interesse por nós próprios, por aqueles que conosco cresceram e pelo bem universal ( KANT, 2006, p.106). Enfim, com a educação moral é preciso fazer os jovens conhecerem tais interesses para que eles possam por eles se animar, com eles se estimular. Eles devem alegrar-se pelo bem geral mesmo que não seja vantajoso para si próprio, nem mesmo para a pátria, o que é considerado por Kant como sentimento cosmopolita. Para que possamos solidificar firmemente o caráter das crianças, convém ensinarlhes, através de exemplos e com regras, os deveres a cumprir. Esses deveres são aqueles do cotidiano, que as crianças têm em relação a si mesmas e aos demais ( KANT, 2006, p.89). Os deveres para consigo mesmo consistem em conservar uma certa dignidade interior, a qual faz do homem a criatura mais nobre de todas; é seu dever não renegar em sua própria pessoa essa dignidade da natureza. Ora, renegamos esta dignidade quando, por exemplo, nos entregamos à embriaguez, ou a vícios contra a natureza, ou a qualquer sorte de intemperança. A educação moral kantiana prevê que o dever para consigo mesmo consiste em que o homem preserve a dignidade humana em sua própria pessoa. O homem quando tem diante dos olhos a idéia de humanidade, critica a si mesmo. Nessa idéia ele encontra um modelo, com o qual compara a si mesmo. O processo educativo kantiano deve visar sempre a vida em sociedade. Quanto maior a maturidade moral de cada indivíduo, melhor será a sociedade. Isso não cai do céu, nem é inspiração divina, mas deve ser tirado de dentro da pessoa. Para tal, não basta treinamento, ou querer começar na vida adulta, pelo contrário, Kant deixou claro que é preciso iniciar já na

10 10 infância com o cuidado, depois, disciplina na adolescência e início da juventude, e, por fim, torna-se viável a instrução/esclarecimento na juventude e na vida adulta, quando a moralidade encontra o terreno preparado para lançar suas raízes profundas. Parafraseando Kant: a falta de disciplina é a mais difícil de remediar no futuro, ela é mais difícil que superar a falta de instrução/cultura. Aqui, ele referia-se a possibilidade de querer reeducar moralmente um adulto, ou seja, uma vez que ele não passou por todo processo kantiano (cuidado, disciplina e instrução) será muito difícil refazer essas etapas mais tarde, ainda mais no que se refere à disciplina, pois o indivíduo já terá um caráter vicioso internalizado. Entretanto, também não ajudará querer deixar de lado esse problema e centrar a reeducação moral só na etapa da instrução. Tal seria como construir uma casa sem fazer a base, os fundamentos. Seguindo a analogia, poder-se-ia dizer que o processo educativo kantiano assemelha-se a construção de uma casa: o projeto equivale a etapa do cuidado, os fundamentos representam a questão da disciplina e a edificação propriamente dita seria a etapa da instrução. Na etapa da disciplina, também temos questões intransferíveis e de enorme responsabilidade dos pais, como as primeiras relações afetivas com eles, ou seja, segundo Kant, dependerá da atitude dos pais perante o choro ou outras tentativas de dominação da criança, o início da formação do caráter, algo que poderá condicionar toda vida futura. Pressupondo que a disciplina implica no domínio dos instintos e da selvageria presentes em cada ser humano, e que se refere mais ao período da adolescência, é notável perceber que nessa fase da vida, a maioria está em Escolas, de forma que a Escola pode influenciar muito sobre essa etapa. Não se deve esquecer, no entanto, que os pais e várias outras pessoas também influenciam na construção do caráter, que se destaca nesse período do desenvolvimento e é tão importante para a moralização quanto a razão segundo Kant. O ser humano precisa progredir da animalidade à humanidade e para tanto a etapa da disciplina é vital. O desenvolvimento implica progresso, na medida em que busca a humanidade/maturidade ou, se não for assim direcionado, automaticamente irá em outra direção, isto é, manterá o ser humano na animalidade/imaturidade e, por sua vez, se radicará criará raízes no caráter da pessoa, o que, segundo Kant, será mais difícil de reverter do que a falta da instrução/cultura. Mas, a questão da disciplina é geralmente apenas tratada enquanto necessidade de bom comportamento, o que não está errado, mas deveria ser tratada com mais seriedade e sistematicidade, dando-lhe a devida importância.

11 11 Inúmeras vezes ouve-se falar que a criançada de hoje não tem mais limites e que os pais e os professores perderam a autoridade para exigir, ao menos, aquele bom comportamento de antes. Até as instituições repressoras do governo (judiciário, policias, prisões etc.) são diariamente questionadas quanto a sua competência e autoridade. E sem a autoridade a disciplina também fica limitada, pois, enquanto o indivíduo não tiver maturidade para se controlar (de dentro para fora), isso precisa ocorrer de forma inversa, isto é, ser imposto de fora para dentro. O problema é que essa dependência da autoridade externa durará até que a autoridade interior (a razão esclarecida) passe a guiar a pessoa. Porém, segundo Kant, quanto mais tarde se investir na disciplina mais difícil será seu desenvolvimento, chegando em alguns casos, a não ser mais possível. É razoável supor que no futuro a sociedade possa enfrentar graves problemas, afinal, as crianças, adolescentes e jovens indisciplinados de hoje estarão no auge da vida amanhã. E a falta de autoridade interior, sobre si mesmo, acarretará a necessidade de muita autoridade externa (polícias, cadeias, câmeras filmadoras e/ou vigilância contínua e em todos os lugares), tudo necessário para tentar conter aquele ser que não se controla suficientemente para favorecer a constituição de uma sociedade moralizada, logo, verdadeiramente cosmopolita. Referência EIDAM, Heinz. Educação e Maioridade em Kant e Adorno. In: DALBOSCO, Claudio e KANT, Immanuel. Sobre a Pedagogia. Tradução de Francisco Cock Fontanella. 5ª ed. Piracicaba: Editora UNIMEP, Fundamentação da Metafísica dos Costumes. Trad. Paulo Quintela. Lisboa: Edições 70, 2005;. Idéia de uma História Universal de um Ponto de Vista Cosmopolita. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004;. Crítica da Razão Prática. Trad. Valério Rohden. São Paulo: Martins Fontes, 2003;. Resposta à Pergunta: o que é Esclarecimento? In: Textos seletos. Petrópolis: Vozes, 1985;

12 12 PINHEIRO, Celso de Moraes. A Finalidade Ético-Política na Formação do Homem Ideal em Kant. Tese de doutorado. PUCRS, 2003; ROUSSEAU, Jean-Jaques. Emílio, ou da Educação; tradução Roberto Leal Ferreira. 3 edição. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Kant Uma Filosofia de Educação Atual? juliana_bel@hotmail.com O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

KANT E A FORMAÇÃO HUMANA

KANT E A FORMAÇÃO HUMANA KANT E A FORMAÇÃO HUMANA Silvério Becker Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC RESUMO: O texto procura uma aproximação ao conceito de formação conforme a visão de Immanuel Kant. Apresenta

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling

DILMA MARIA DE ANDRADE. Título: A Família, seus valores e Counseling DILMA MARIA DE ANDRADE Título: A Família, seus valores e Counseling Projeto de pesquisa apresentado como Requisito Para obtenção de nota parcial no módulo de Metodologia científica do Curso Cousenling.

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Comportamento Agressivo na Infância Palestrante: Sandra Salles Rio de Janeiro 04/08/2000 Organizadores da palestra: Moderador: "Brab"

Leia mais

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS

OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS O LIVRO DOS ESPÍRITOS CAPÍTULO 10 OCUPAÇÕES E MISSÕES DOS ESPÍRITOS 558 Os Espíritos fazem outra coisa além de se aperfeiçoar individualmente? Eles concorrem para a harmonia do universo ao executar os

Leia mais

Décima Primeira Lição

Décima Primeira Lição 70 Décima Primeira Lição AUTORIDADE NA EDUCAÇÃO DOS FILHOS A EDUCAÇÃO DOS FILHOS NO LAR A) O lar tem suma importância na vida humana, pois é o berço de costumes, hábitos, caráter, crenças e morais de cada

Leia mais

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os

Piaget diz que os seres humanos passam por uma série de mudanças previsíveis e ordenadas; Ou seja, geralmente todos os indivíduos vivenciam todos os Teoria cognitivista Piaget utilizou os princípios conhecidos como o conceito da adaptação biológica para desenvolver esta teoria; Ela diz que o desenvolvimento da inteligência dos indivíduos acontece à

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS?

O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS? 1 O HOMEM VIRTUOSO DE ARISTÓTELES NOS DIAS ATUAIS? Hélio Cobe da Silva 1 Graduando em Filosofia/UEPB heliocobe@hotmail.com Profª. Drª. Solange Maria Norjosa Gonzaga (UEPB) solangenorjosa@gmail.com Profª.

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: O Egoísmo. Palestrante: Amália Silveira. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Tema: O Egoísmo. Palestrante: Amália Silveira. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: O Egoísmo Palestrante: Amália Silveira Rio de Janeiro 22/01/1999 Organizadores da palestra: Moderador: Luno (nick: )

Leia mais

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS

BAPAK FALA AOS CANDIDATOS BAPAK FALA AOS CANDIDATOS PRÓLOGO Subud é um contacto com o poder de Deus Todo Poderoso. Para as pessoas que consideram difícil aceitar tal afirmação, Subud pode ser descrito como a realidade mais além

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica.

PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. António Mora PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. PROLEGÓMENOS Uma corrente literária não passa de uma metafísica. Uma metafísica é um modo de sentir as coisas esse modo de

Leia mais

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges

Page 1 of 6. http://www2.unifap.br/borges Page 1 of 6 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Educação I Educador: João Nascimento Borges Filho Pequena

Leia mais

Módulo 2. Valores e princípios

Módulo 2. Valores e princípios Módulo 2. Valores e princípios Para o bem-estar de uma sociedade é necessário que existam normas compartidas que orientam o comportamento de seus integrantes. Todo ser humano se rege por valores próprios,

Leia mais

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann

A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann A INFLUÊNCIA DE LUTERO NA EDUCAÇÃO DE SUA ÉPOCA Gilson Hoffmann 1 DELIMITAÇÃO Ao abordarmos sobre as razões para ser um professor numa escola e falar sobre o amor de Deus, encontramos algumas respostas

Leia mais

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO

O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO O ENSINO TRADICIONAL E O ENSINO PRODUTIVO DE LÍNGUA PORTUGUESA A PARTI DO USO DO TEXTO Mayrla Ferreira da Silva; Flávia Meira dos Santos. Universidade Estadual da Paraíba E-mail: mayrlaf.silva2@gmail.com

Leia mais

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador

ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN. Prof. Helder Salvador ANTROPOLOGIA FILOSÓFICA DE EDITH STEIN Prof. Helder Salvador 3 - A ANTROPOLOGIA COMO FUNDAMENTO DA PEDAGOGIA. Para Edith Stein existe uma profunda relação entre os termos metafísica, antropologia e pedagogia

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

PRONATEC PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO. Lócus de controle

PRONATEC PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO. Lócus de controle Lócus de controle As pessoas tendem a buscar explicações sobre sua conduta, seus resultados e suas conseqüências com o objetivo de predizer, compreender, justificar e controlar o mundo. Todos buscamos

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9

Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9 Entrevista publicada na Folha Dirigida, Rio de Janeiro, Edição nº 1069, de 06/10/2006, no caderno Aprender, pág. 9 Cipriano Carlos Luckesi, Doutor em Educação pela PUC de São Paulo, Professor do Programa

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto

MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1. A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto MOBILIZAÇÃO SOCIAL 1 Denise Carrera A mobilização é uma forma de intervenção social. Toda intervenção social parte do pressuposto de que a ordem social não é natural e por isso pode ser transformada. A

Leia mais

INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE

INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE 1 INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE Silva, Claudia Maria Rinhel * Resumo: Há anos estamos na prática de orientação de pais em Programas Sociais de crianças e adolescentes no âmbito municipal e temos observado

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos

PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos PATRULHA AMBIENTAL MIRIM: Um espaço de Emancipação dos Sujeitos RESUMO Elizane Pegoraro Bertineti 1 Tanise Stumf Böhm 2 O presente texto busca apresentar o trabalho realizado pela Patrulha Ambiental Mirim

Leia mais

EDUCAÇÃO MORAL E DO AGIR NA CONCEPÇÃO KANTIANA

EDUCAÇÃO MORAL E DO AGIR NA CONCEPÇÃO KANTIANA EDUCAÇÃO MORAL E DO AGIR NA CONCEPÇÃO KANTIANA REGINA COELI BARBOSA PEREIRA Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, da UFJF. Doutora em Filosofia pela UFRJ. Professora Associada

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL. Indice:

CARTA INTERNACIONAL. Indice: CARTA INTERNACIONAL Indice: Introdução. I. Equipas de Jovens de Nossa Senhora II. A equipa III. As funções na equipa IV. A vida em equipa V. Abertura ao mundo, compromisso VI. O Movimento das E.J.N.S.

Leia mais

TROCANDO OS FILHOS DE ESCOLA: UM PEQUENO GUIA PARA OS PAIS

TROCANDO OS FILHOS DE ESCOLA: UM PEQUENO GUIA PARA OS PAIS TROCANDO OS FILHOS DE ESCOLA: UM PEQUENO GUIA PARA OS PAIS Marisa Meira Assim como não existe a escola ideal para todas as crianças, também em muitos casos será preciso trocar de escola. Apresentamos abaixo

Leia mais

9. A realidade da inclusão

9. A realidade da inclusão 9. A realidade da inclusão A filosofia da inclusão ainda está muito aquém de ser posta em prática da forma como realmente se espera. Para que se tenha uma escola para todos, temos que conceber professores

Leia mais

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br

Website:www.luckesi.com.br / e-mail:contato@luckesi.com.br ENTREVISTA À REVISTA NOVA ESCOLA SOBRE AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM (Esta entrevista subsidiou matéria que saiu na Revista Nova Escola de novembro de 2001) 1. O sr. considera as provas e exames instrumentos

Leia mais

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA

Gilles Deleuze, NIETZSCHE E A FILOSOFIA (...)O CONCEITO DE VERDADE «A verdade tem sido sempre postulada como essência, como Deus, como instância suprema... Mas a vontade de verdade tem necessidade de uma crítica. - Defina-se assim a nossa tarefa

Leia mais

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo

Amor em Perspectiva Cultural - Artur da Távola & Érico Veríssimo Page 1 of 5 Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Ensino de Graduação Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia Disciplina: Filosofia da Cultura Educador: João Nascimento Borges Filho Amor em Perspectiva

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

AULA 17 MEDIUNIDADE NAS CRIANÇAS E NOS ANIMAIS

AULA 17 MEDIUNIDADE NAS CRIANÇAS E NOS ANIMAIS Às vezes, as manifestações mediúnicas que a criança apresenta são por causa das perturbações no ambiente do lar. Neste caso, o recomendável é atende-la com assistência espiritual, passes (para não favorecer

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla escolha. Para

Leia mais

Preparação da época de exames

Preparação da época de exames Preparação da época de exames Sugestões para os estudantes Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg A preparação para os Exames começa no início do Semestre O ritmo de exposição da

Leia mais

O QUE SIGNIFICA CRIAR UM FILHO

O QUE SIGNIFICA CRIAR UM FILHO 39 Sexta Lição PAPAI E MAMÃE NA CRIAÇÃO DOS FILHOS O relacionamento do papai e da mamãe como casal é de fundamental importância para uma formação adequada dos filhos. Esse relacionamento influenciará decisivamente

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança

Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança Inteligência emocional ajuda a conquistar vagas de liderança Tempo de Mulher Arieta Arruda 14 horas atrás Houve um tempo em que as pessoas queriam mostrar sua face mais racional no mercado de trabalho,

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

Casa Templária, 9 de novembro de 2011.

Casa Templária, 9 de novembro de 2011. Casa Templária, 9 de novembro de 2011. Mais uma vez estava observando os passarinhos e todos os animais que estão ao redor da Servidora. Aqui onde estou agora é a montanha, não poderia ser outro lugar.

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

SENSO COMUM X CIÊNCIA: O AVANÇO DO CONHECIMENTO AO LONGO DA HISTÓRIA. Palavras chave: Conhecimento, Ciência, Senso Comum, Pesquisa Científica.

SENSO COMUM X CIÊNCIA: O AVANÇO DO CONHECIMENTO AO LONGO DA HISTÓRIA. Palavras chave: Conhecimento, Ciência, Senso Comum, Pesquisa Científica. SENSO COMUM X CIÊNCIA: O AVANÇO DO CONHECIMENTO AO LONGO DA HISTÓRIA Alexandre Dantas de Medeiros 1 Aline Cândida Dantas de Medeiros 2 Norma Danielle Silva Barreto 3 Resumo: Para que chegássemos ao nível

Leia mais

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira

Metodologia da Catequese com Crianças. Ligia Aparecida de Oliveira Metodologia da Catequese com Crianças Ligia Aparecida de Oliveira O que é ser Criança? Watson, Piaget ou Freud? Eis a Questão. John B. Watson, psicólogo americano, é o principal responsável pela teoria

Leia mais

Guia Prático ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA PARA BANCAR A FACULDADE

Guia Prático ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA PARA BANCAR A FACULDADE Guia Prático ORGANIZAÇÃO FINANCEIRA PARA BANCAR A FACULDADE ÍNDICE 1 Introdução 2 Qual a importância da educação financeira para estudantes? 3 Comece definindo onde é possível economizar 4 Poupar é muito

Leia mais

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a)

Empreendedorismo. Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Empreendedorismo Tópico 1 O (a) Empreendedor (a) Conteúdo 1. Objetivos do Encontro... 3 2. Introdução... 3 3. A formação do empreendedor... 3 4. Empreendedorismo nato ou desenvolvido?... 4 4.1 Características

Leia mais

Convenção sobre os Direitos da Criança As perguntas dos pais

Convenção sobre os Direitos da Criança As perguntas dos pais Convenção sobre os Direitos da Criança As perguntas dos pais Fundo das Nações Unidas para a Infância O que é a Convenção sobre os Direitos da Criança? É um tratado adoptado pelas Nações Unidas em 1989

Leia mais

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? A EDUCAÇÃO PODE ME PREJUDICAR VERDADEIRO? FALSO? APRENDO SEMPRE DE FORMA CONSCIENTE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM Podemos concordar que aprendemos

Leia mais

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA

DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA 27 a 30 de Agosto de 2014. DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES E ALUNOS DA EJA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA Resumo: MACHADO, Diana dos Santos 1 Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Leia mais

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES POSSÍVEL IMPACTO DE UMA EDUCAÇÃO DISCRIMINADORA NAS PERSPECTIVAS DE FUTURO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES 2013 Trabalho utilizado como requisito parcial da disciplina Métodos de Pesquisa em Psicologia André

Leia mais

Atividades sugeridas e elaboradas pela autora

Atividades sugeridas e elaboradas pela autora Maria Helena Pires Martins Atividades sugeridas e elaboradas pela autora Caro(a) Professor(a) EU E OS OUTROS As regras da convivência Caro(a) Professor(a) Solicite à Editora Moderna o Guia dos professores

Leia mais

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral

Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Parte Terceira Capítulo XII Da perfeição moral Caracteres do homem de bem Questão: 918 O homem de bem tira boas coisas do bom tesouro do seu coração e o mau tira as más do mau tesouro do seu coração; porquanto,

Leia mais

Transcrição de Entrevista n º 24

Transcrição de Entrevista n º 24 Transcrição de Entrevista n º 24 E Entrevistador E24 Entrevistado 24 Sexo Feminino Idade 47 anos Área de Formação Engenharia Sistemas Decisionais E - Acredita que a educação de uma criança é diferente

Leia mais

Nossa Responsabilidade e Compromisso com a Gente Brasileira

Nossa Responsabilidade e Compromisso com a Gente Brasileira Notandum Libro 12 2009 CEMOrOC-Feusp / IJI-Universidade do Porto Nossa Responsabilidade e Compromisso com a Gente Brasileira Prof. Dr. Jair Militão da Silva Prof. Associado FEUSP - Aposentado Professor

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br. Tema: Passes e Curas Espirituais. Palestrante: Alexandre Lobato

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br. Tema: Passes e Curas Espirituais. Palestrante: Alexandre Lobato Palestra Virtual Promovida pelo IRC- Espiritismo http://www.ircespiritismo.org.br Tema: Passes e Curas Espirituais Palestrante: Alexandre Lobato Rio de Janeiro 09/01/2004 Organizadores da palestra: Moderador:

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia.

** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança e não pode ser copiado ou reproduzido sem a autorização prévia. * Este texto corresponde à visão da autora Marcia Dib e todas as informações aqui contidas são de inteira responsabilidade da autora. ** O texto aqui reproduzido é de propriedade do MUD - Museu da Dança

Leia mais

desafia, não te transforma Semestre 2015.2

desafia, não te transforma Semestre 2015.2 O que não te 1 desafia, não te transforma Semestre 2015.2 1 Nossos encontros www.admvital.com 2 2 Nossos encontros www.admvital.com 3 AULÃO 3 4 Materiais da aula www.admvital.com/aulas 4 5 Critérios AV

Leia mais

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015

Conteúdo Básico Comum (CBC) de FILOSOFIA do Ensino Médio Exames Supletivos/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO ENSINO MÉDIO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Conteúdo

Leia mais

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1

Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Módulo 02 Professor Paulo Afonso Garrido de Paula 1 Vídeo Aula 1 2 O Direito da Criança e do Adolescente Vamos tratar do direito da criança e do adolescente. Uma primeira observação: quando se afirma a

Leia mais

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT

CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT CONSIDERAÇÃO SOBRE O CONCEITO DE POSSE NA DOUTRINA DO DIREITO DE KANT Jéssica de Farias Mesquita 1 RESUMO: O seguinte trabalho trata de fazer uma abordagem sobre o que se pode considerar uma filosofia

Leia mais

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS.

Prof. Kildo Adevair dos Santos (Orientador), Prof.ª Rosângela Moura Cortez UNILAVRAS. BARBOSA, S. L; BOTELHO, H. S. Jogos e brincadeiras na educação infantil. 2008. 34 f. Monografia (Graduação em Normal Superior)* - Centro Universitário de Lavras, Lavras, 2008. RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico

escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico escrita como condicionante do sucesso escolar num enfoque psicanalítico Meu objetivo aqui é estabelecer um ponto de convergência entre a apropriação da linguagem escrita, o fracasso escolar e os conceitos

Leia mais

O conceito de história em Rousseau

O conceito de história em Rousseau 303 O conceito de história em Rousseau Luiz Henrique Monzani * RESUMO Pretende-se analisar o conceito de história em Rousseau, particularmente no Segundo Discurso. Como se sabe, o filósofo opera uma separação

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA EDUCACIONAL Nanci Cunha Vilela Rost ; Amanda Carvalho ; Edimara Soares Gonçalves ; Juliane Rocha de Moraes BILAC, Faculdade de pedagogia Bilac, graduação em Pedagogia, nancirost@hotmail.com

Leia mais

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns

Redação do Site Inovação Tecnológica - 28/08/2009. Humanos aprimorados versus humanos comuns VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA CONVIVER COM OS HUMANOS APRIMORADOS? http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=voce-esta-preparado-conviver-humanosaprimorados&id=010850090828 Redação do

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

A Importância da Família na Educação

A Importância da Família na Educação A Importância da Família na Educação Não caminhes à minha frente Posso não saber seguir-te. Não caminhes atrás de mim Posso não saber guiar-te. Educadora Social Dra. Joana Valente Caminha antes a meu lado

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ

SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR JOSÉ ROBERTO RUS PEREZ Revista Eventos Pedagógicos v.5, n.4 (13. ed.), número regular, p. 115-121, nov./dez. 2014 SEÇÃO ENTREVISTA A INICIAÇÃO CIENTÍFICA E A PUBLICAÇÃO NA GRADUAÇÃO COMO MEIOS DE QUALIDADE NA FORMAÇÃO DE ENSINO

Leia mais

RELATÓRIO MESA REVOLVER DESIGN (PESQUISA)

RELATÓRIO MESA REVOLVER DESIGN (PESQUISA) 1ª RODADA O QUE É PESQUISA? Por no google? Buscar conhecimento Ir a fundo nos interesses/ saber mais/ descobrir Faculdade: pesquisar coisas pelas quias você não necessariamente se interessa --> conhecimento

Leia mais

Formação e Responsabilidade Profissional do Psicólogo Escolar

Formação e Responsabilidade Profissional do Psicólogo Escolar Formação e Responsabilidade Profissional do Psicólogo Escolar MARIA HELENA NOVAES* A experiência de dez anos, (1958-1968), num serviço de psicologia de escola pública experimental, do Instituto Nacional

Leia mais

A formação moral de um povo

A formação moral de um povo É um grande desafio evangelizar crianças nos dias de hoje. Somos a primeira geração que irá dizer aos pais e evangelizadores como evangelizar os pequeninos conectados. Houve um tempo em que nos colocávamos

Leia mais

Estudo Numerológico Escolha de nome de bebê

Estudo Numerológico Escolha de nome de bebê Estudo Numerológico Escolha de nome de bebê Os metafísicos afirmam que a alma escolhe a família antes do nascimento e, intui os pais na escolha do nome que possa refletir suas capacidades. O momento em

Leia mais

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA JÉSSICA LUIZA S. PONTES ZARANZA 1 WELLINGTON ZARANZA ARRUDA 2 1 Mestranda em Filosofia pela Universidade

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL P á g i n a 123 A EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO: VIVENDO E APRENDENDO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Fábio de Melo BANDEIRA (Esp./UEG) (fabiobandeira@ueg.br) Ludimilla Ribeiro de ALMEIDA (UEG/G) (lu_dimilla22@hotmail.com)

Leia mais

Obreiros evangélicos, pp. 222-228 ( Ensinar o povo a ser liberal ; O sustento do evangelho ).

Obreiros evangélicos, pp. 222-228 ( Ensinar o povo a ser liberal ; O sustento do evangelho ). Obreiros evangélicos, pp. 222-228 ( Ensinar o povo a ser liberal ; O sustento do evangelho ). Ensinar o povo a ser liberal Nunca deve o obreiro que organiza pequenos grupos aqui e ali, dar aos recém-convertidos

Leia mais

Manifeste Seus Sonhos

Manifeste Seus Sonhos Manifeste Seus Sonhos Índice Introdução... 2 Isso Funciona?... 3 A Força do Pensamento Positivo... 4 A Lei da Atração... 7 Elimine a Negatividade... 11 Afirmações... 13 Manifeste Seus Sonhos Pág. 1 Introdução

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo

O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA. Resumo 1 O PENSAMENTO HEGELIANO: O SISTEMA E A DIALÉTICA Cassio Donizete Marques 1 Resumo Hegel é considerado um dos pensadores mais complexos de toda a história da filosofia. Seu pensamento estabelece, senão

Leia mais

Desmotivação no Trabalho

Desmotivação no Trabalho Desmotivação no Trabalho Carolline de MORAIS¹ RGM 89552 Karen C. P. S. PENHAVEL¹ RGM 88579 Renata SORIO¹ RGM 88861 Romerianne BATISTA¹ RGM 088671 Orientadora² : Viviane Regina de Oliveira Silva Resumo

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Reflexão sobre aspectos da rotina nas creches e pré-escolas, tomando com motivação os desenhos de Francesco Tonucci e buscando apoio em alguns trabalhos teóricos significativos

Leia mais