Kant Uma Filosofia de Educação Atual?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Kant Uma Filosofia de Educação Atual?"

Transcrição

1 O presente trabalho retoma as principais ideias sobre a pedagogia do filósofo Immanuel Kant dentro de sua Filosofia da Educação, através dos olhos de Robert B. Louden, professor de filosofia da University of Southern Maine, estudioso e crítico da filosofia dita como impura de Kant, atualmente um dos grandes responsáveis por nos trazer novas perspectivas e entendimentos de obras de Kant que muitas vezes não são consideradas como originais do filósofo, como uma das obras estudadas neste trabalho, o Sobre a Pedagogia. Louden busca referências de Kant sobre a educação dentro de suas obras, destacando as características e fundamentos da Filosofia da Educação do filósofo, assim como, a importância da educação para a moralidade, dentro do pensamento kantiano. A ideia de se apropriar desses estudos de Louden é justamente revisar a Filosofia de Educação de Kant, para vislumbrar a contemporaneidade dos pensamentos de um filósofo do século XVIII sobre a viabilidade de uma educação moral. Para o autor, a teoria de educação de Kant é fortemente influenciada pela sua História da Filosofia, pois já no começo do Sobre a Pedagogia o filósofo faz uma divisão da educação em três estágios, a saber: cuidado, disciplina e a formação; assim como, Kant divide em três estágios o desenvolvimento da natureza humana, dentro da sua teoria de X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.1

2 história da filosofia. É importante ressaltar que para Kant a história da filosofia não é dada empiricamente, e sim a priori, como toda a sua filosofia pura. A ideia principal de Kant quando divide tanto a educação como nossa história em três estágios é demonstrar que gradualmente estamos evoluindo, seja como seres naturais, lidando com nossas predisposições, seja dentro de nossa própria humanidade, ambas as teorias tem o contexto teleológico encontrado na filosofia de Kant, da perfeição da humanidade. Mas como indivíduos da espécie Homo sapiens podem tornar se completamente humanos? Questiona Louden, e nos responde dizendo que Kant tinha uma ambição no que concerne a nossa liberdade, que o crescimento e desenvolvimento dessa liberdade conseguirá ir além dos nossos instintos, desejos, através desse controle da razão sobre a nossa natureza, onde um dia chegaremos ao ponto culminante de termos a consciência da dignidade que todos os seres humanos possuem e que esta está acima de qualquer preço. E para Kant, a educação tem um papel importante nesse desenvolvimento da razão e da liberdade (LOUDEN, 2011). Três Estágios da Educação x Três Estágios da Humanidade 1) Cuidado (care): refere se ao cuidado dos pais e educadores em não deixar a criança se ferir já que ela está em fase de desenvolvimento de suas aptidões físicas, assim como a alimentação, as atividades apropriadas e etc. Essas noções de cuidados, Kant empresta do Emilio (1762) de Rousseau, assim como outros pontos de sua teoria de educação. Na história da humanidade o primeiro estágio, para Kant, é o dos nossos ancestrais, quando eles agiam puramente pelos seus instintos, onde a capacidade física foi extremamente desenvolvida para a nossa sobrevivência; 2) Disciplina (discipline): a disciplina para Kant é o que transforma nossa animalidade em humanidade (9:441), isso não significa erradicar nossos instintos, desejos e inclinações, para o filósofo se isso acontecesse deixaríamos de ser humanos. A disciplina tem a grandiosa tarefa de controlar nossos instintos através do exercício da razão. A disciplina tem um sentido negativo para a educação em Kant, ideia também copiada de Rousseau, pois ela não pode interferir na nossa natureza, só quando é absolutamente necessário (por ex.: quando a criança irá se machucar), pois X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.2

3 para o filósofo desde cedo temos que usar da nossa liberdade, ela não pode ser tolhida. E um sentido positivo, pois ela nos traz obediência, honestidade, a sociabilidade e acima de tudo, o autocontrole. O estágio correspondente na história da humanidade é a civilização, desenvolvemos a cultura, a ciência, nossas habilidades sociais, mas não a moralidade. Passamos a agir pelas leis e não mais pelos instintos. 3) Formação (formation): a formação/cultura, para Kant, é o desenvolvimento das nossas habilidades e talentos naturais, ela tem um sentido positivo. Kant na terceira Crítica diz que a cultura nos traz a nossa capacidade de atingir os fins, sejam quais forem eles. O terceiro estágio de sua história da filosofia é a moralidade, que difere do terceiro estágio da educação, afinal para Kant, nunca um fator empírico poderia ser o responsável por nos tornamos morais. Ações morais para o filósofo é uma questão da nossa liberdade, mas a formação nos auxilia nesse desenvolvimento da moralidade, pois ela nos dá uma educação moral. Lembrando que para Kant, a educação nos proporciona justamente o crescimento da liberdade em nós, somos educados dentro dos princípios morais, então enquanto nossa humanidade é desenvolvida paralelamente nossa liberdade também a é. Três Características da Filosofia da Educação de Kant A teoria de educação do Kant também foi influencia por sua experiência, durante dois anos (1776 a 1778) com o projeto educacional de Johann Bernhard Basedow. Entre 1776/77 Kant publica dois textos que hoje são conhecidos como Essays Regarding the Philanthropinum. Basedow, assim como Kant, foi fortemente influenciado pelas ideias educacionais do Emilio de Rousseau, mas a despeito do nacionalismo na teoria educacional de Rousseau, tanto Basedow como Kant, visavam uma educação cosmopolita. A teoria kantiana educacional foi traçada em diversas obras do filósofo, porém no Essays, Louden destaca três características presentes na pedagogia de Kant (LOUDEN, 2011): 1) Revolução Kant no ensaio afirma que as instituições de ensino precisam passar por uma revolução, e não um gradual desenvolvimento, é preciso que X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.3

4 essa revolução ocorra na educação, seja nas instituições, seja nos professores, não é possível dar pequenos passos, a humanidade necessita de um salto no que concerne à educação; 2) Experimentalismo ao contrário de sua teoria Kant defendia que para a educação evoluir ela deve sim ser testada, experimentada, para um dia se transformar em ciência, devemos sim fazer experimentos na educação para justamente ver o que funciona ou não; 3) Naturalismo para Kant, as escolas de sua época iam contra a nossa natureza, e como foi dito acima, nossa natureza deve ser respeitada, nunca devemos extirpar nossos instintos e desejos. Mas esse naturalismo defendido por Kant não tem nada a ver com sermos morais e nossa liberdade, somente que a natureza acaba por nos dar uma base para desenvolver a moralidade, existe uma bondade na natureza. Moralidade e Educação A moralidade, obviamente tem uma forte participação na Filosofia da Educação de Kant, como foi comentado, para Kant, tanto a educação, como a história, têm como fim a perfeição humana. Então a educação tem como papel preparar, auxiliar o homem para ele desenvolver seu caráter moral. Como foi dito anteriormente, agir de acordo com as leis morais é uma questão de liberdade, e nenhuma instituição de ensino conseguirá garantir quem um homem se torne moralmente bom, pois não é uma questão de algo inato versus o adquirido. Como Louden elucida, para Kant as instituições de educação tem um caráter fenomênico, e a moralidade tem um caráter noumênico (LOUDEN, 2011). Métodos da Educação Moral Para Kant, ensinar ética é como ensinar as demais coisas, é preciso seguir alguns passos e técnicas, primeiro respeitando o desenvolvimento cognitivo e emocional do ser, para depois tratar da moral. O primeiro estágio da educação moral tem como objetivo fazer com que os alunos pensem por si mesmo no que concernem as questões morais e legais, escutando os outros e seus professores e tirando suas próprias conclusões (6:478). Na Metafísica dos X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.4

5 Costumes, Kant traz o método erotemático (pergunta/resposta), como uma forma de se atingir esse primeiro objetivo da educação. Esse método é dividido em duas etapas: a) catecismo, onde os alunos precisam escutar e aprender a base dos conceitos e fundamentos que envolvem o homem e a moral; b) dialógico, onde entram as perguntas/respostas, quando os alunos já têm certa maturidade. Apesar de Kant usar o conceito de catecismo do cristianismo, seu catecismo é puramente moral (dado por casos e exemplos do cotidiano, que nos trazem ideia do certo/errado, assim como dos vícios e virtudes), não tendo nada a ver com religião ou doutrinas teológicas. E o catecismo moral deve proceder qualquer ideia de religião que um estudante virá a aprender. No segundo momento, o dialógico, o estudante já tem um papel mais ativo, ele passa de mero ouvinte, para um questionador das coisas. Esses dois estágios são para Kant metade da didática ética, é o lado mais teórico dado pelos professores. O outro lado de sua didática é o prático que ele chama de ascético, onde devemos entender não só o conceito de virtude, como a praticar e cultivar (6:411 12). O sentindo ascético aqui, não é o do senso comum, de auto negação, renúncia e etc, mas só como uma auto discilplina que o estudante deve aplicar a si mesmo, nessa busca da virtude. Então o papel do professor é limitado em ajudar o estudante em dominar os princípios morais para cultivar e praticar a virtude, não esquecendo que para Kant isso deve gerar prazer e alegria. Objetivos da Educação Moral No Sobre a Pedagogia, Kant afirma que os estudantes devem ser educados para se tornarem cidadãos do mundo, e por cidadãos do mundo o filósofo entende nossa capacidade de respeitar a dignidade de todos os seres humanos. Num trecho final do texto, Kant salienta que nem os pais, nem os nobres respeitam a humanidade dos seus filhos ao tratarem a educação como mero meio deles se tornarem ou trabalhadores ou príncipes. Essa instrumentalização da educação vai contra o nosso destino de nos tornarmos perfeitos como espécie e evoluídos como sociedade global (9:448). X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.5

6 Para Kant a educação além de ensinar que temos deveres a serem cumpridos, ela nos guia para agirmos racionalmente, através de nossa liberdade, a partir do momento que a educação nos auxilia em nossa autonomia, ou seja, sua principal função é fazer com que cresça em nós nosso caráter (caráter consiste para Kant a aptidão de agir de acordo com máximas). Pessoas que tem caráter agem autonomamente por princípios, por máximas, e não por algo que é imposto pelo exterior. Em resumo o papel do professor é de instigar essa disposição que temos para sermos morais, e apesar de Kant teorizar sobre a importância das instituições, não só as educacionais, assim como as leis, da política, e outros instrumentos da sociedade para nosso desenvolvimento como espécie, nada garante que essas mudanças externas irão nos transformar internamente, agir de acordo com as leis morais é questão de escolha individual e não da sociedade. E no final das contas, a educação é o meio de realizar nossa humanidade, pois como afirma Kant no Sobre a Pedagogia: o ser humano só pode ser tornar humano através da educação (9:443). Eis que através desses objetivos da educação de Kant, e todas suas ideias aqui destacadas, conseguimos, apesar dos anos de evolução de nosso pensamento e de nossas teorias pedagógicas, ao nos debruçarmos com cuidado nessa Filosofia de Educação de Kant, ainda extrairemos dela princípios norteadores e fundamentais em nossos ideais de educação, e como, esses pensamentos do filósofo pode nos ajudar a sonhar com uma pedagogia mais universal e humana. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS KANT, Immanuel A Metafísica dos Costumes. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, KANT, Immanuel. Kant (II): Os Pensadores. São Paulo (SP): Abril Cultural, KANT, Immanuel. Sobre a Pedagogia. 2ª Ed. Piracicaba: UNIMEP, LOUDEN, Robert B. Kant s Impure Ethics From Rational Beings to Human Beings. New York: Oxford University Press, X ANPED SUL, Florianópolis, outubro de p.6

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ?

CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? CURITIBA 2011 CATHIANI MARA BELLÉ EM KANT, É POSSÍVEL O HOMEM RACIONAL SER FELIZ? Projeto de pesquisa apresentado à Universidade Federal

Leia mais

KANT E A FORMAÇÃO HUMANA

KANT E A FORMAÇÃO HUMANA KANT E A FORMAÇÃO HUMANA Silvério Becker Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC RESUMO: O texto procura uma aproximação ao conceito de formação conforme a visão de Immanuel Kant. Apresenta

Leia mais

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE

HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE HEGEL: A NATUREZA DIALÉTICA DA HISTÓRIA E A CONSCIENTIZAÇÃO DA LIBERDADE Prof. Pablo Antonio Lago Hegel é um dos filósofos mais difíceis de estudar, sendo conhecido pela complexidade de seu pensamento

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

A CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO PARA IMMANUEL KANT E EMILE DURKHEIM: CONCORDÂNCIAS, DISCORDÂNCIAS E CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO

A CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO PARA IMMANUEL KANT E EMILE DURKHEIM: CONCORDÂNCIAS, DISCORDÂNCIAS E CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO A CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO PARA IMMANUEL KANT E EMILE DURKHEIM: CONCORDÂNCIAS, DISCORDÂNCIAS E CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO Resumo ISSN 2176-1396 Laressa Rodrigues Rocha 1 - UFG/RC Dulcéria Tartuci 2 - UFG/RC

Leia mais

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo

O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo O Determinismo na Educação hoje Lino de Macedo 2010 Parece, a muitos de nós, que apenas, ou principalmente, o construtivismo seja a ideia dominante na Educação Básica, hoje. Penso, ao contrário, que, sempre

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA

CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA CRISTO E SCHOPENHAUER: DO AMAR O PRÓXIMO COMO A TI MESMO À COMPAIXÃO COMO FUNDAMENTO DA MORAL MODERNA JÉSSICA LUIZA S. PONTES ZARANZA 1 WELLINGTON ZARANZA ARRUDA 2 1 Mestranda em Filosofia pela Universidade

Leia mais

IMMANUEL KANT E A EDUCAÇÃO MORAL: CUIDAR, DISCIPLINAR E INSTRUIR

IMMANUEL KANT E A EDUCAÇÃO MORAL: CUIDAR, DISCIPLINAR E INSTRUIR IMMANUEL KANT E A EDUCAÇÃO MORAL: CUIDAR, DISCIPLINAR E INSTRUIR Tércio Inácio Jung 1 Resumo Kant, no livro Sobre a Pedagogia, apresenta a educação como um processo, que inicia com o cuidado na infância,

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana.

Palavras chave: Direito Constitucional. Princípio da dignidade da pessoa humana. 99 Princípio da Dignidade da Pessoa Humana Idália de Oliveira Ricardo de Assis Oliveira Talúbia Maiara Carvalho Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti. Palavras

Leia mais

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa

ILUMINISMO/ LIBERALISMO. Regimes Absolutistas. Revolução Francesa. História da Educação. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa ILUMINISMO/ LIBERALISMO Regimes Absolutistas Revolução Francesa Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa A palavra Iluminismo vem de luz e se refere à capacidade que a razão tem de tudo iluminar. A razão,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CURSO DE GRADUAÇAO EM PEDAGOGIA LICENCIAMENTO EAD Município: Pirassununga Estado: São Paulo Turma: 440 Pólo: Fundação de Ensino de Pirassununga Tutor (a): Inez Nunes Paula

Leia mais

Mudanças societárias e o papel social da escola

Mudanças societárias e o papel social da escola A EDUCAÇÃO NO CONTEXTO DAS TRANSFORMAÇÕES DA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA Universidade de Franca Pedagogia Sociologia Geral e Sociologia da Educação Profa. Lucimary Bernabé Pedrosa de Andrade 1 Mudanças societárias

Leia mais

EDUCAÇÃO MORAL E DO AGIR NA CONCEPÇÃO KANTIANA

EDUCAÇÃO MORAL E DO AGIR NA CONCEPÇÃO KANTIANA EDUCAÇÃO MORAL E DO AGIR NA CONCEPÇÃO KANTIANA REGINA COELI BARBOSA PEREIRA Membro do Centro de Pesquisas Estratégicas Paulino Soares de Sousa, da UFJF. Doutora em Filosofia pela UFRJ. Professora Associada

Leia mais

A importância da educação prática para a formação do caráter moral em Kant

A importância da educação prática para a formação do caráter moral em Kant ARTIGO ORIGINAL/ Research report/ Artículo A importância da educação prática para a formação do caráter moral em Kant The importance of practical education for the building a moral character according

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito

Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito Sócrates - Platão - Aristóteles - Questões de Vestibulares - Gabarito 1. (Uel 2012) Leia o texto a seguir. No ethos (ética), está presente a razão profunda da physis (natureza) que se manifesta no finalismo

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA

LIDERANÇA, ÉTICA, RESPEITO, CONFIANÇA Dado nos últimos tempos ter constatado que determinado sector da Comunidade Surda vem falando muito DE LIDERANÇA, DE ÉTICA, DE RESPEITO E DE CONFIANÇA, deixo aqui uma opinião pessoal sobre o que são estes

Leia mais

MORAL E ÉTICA NO CONTEXTO ESCOLAR

MORAL E ÉTICA NO CONTEXTO ESCOLAR Sociedade Universitária Redentor Faculdade Redentor MORAL E ÉTICA NO CONTEXTO ESCOLAR Artigo Cientifico apresentado como requisito para conclusão do Curso de pósgraduação Lato Sensu em Inspeção, Orientação

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS John Dewey (1859-1952) FERRARI, Márcio. John Dewey: o pensador que pôs a prática em foco. Nova Escola, São Paulo, jul. 2008. Edição especial grandes pensadores. Disponível

Leia mais

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO

QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO QUESTÕES FILOSÓFICAS CONTEMPORÂNEAS: HEIDEGGER E O HUMANISMO Bernardo Goytacazes de Araújo Professor Docente de Filosofia da Universidade Castelo Branco Especialista em Filosofia Moderna e Contemporânea

Leia mais

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes

Ética e felicidade. Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Ética e felicidade Aluna: Yasmine Victoria B. Hamaoui Orientador: Danilo Marcondes Introdução: Ética e Felicidade são dois temas que possuem grande relação e comparação ao longo da história da filosofia.

Leia mais

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações.

Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Família e Escola construindo valores. Título: Educação e construção de sentidos em um mundo de constantes transformações. Autor: Fábio Henrique Marques Instituição: Colégio Metodista de Ribeirão Preto

Leia mais

6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO

6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO 1 6. PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR DE FILOSOFIA ENSINO MÉDIO 6.1 APRESENTAÇÃO A disciplina de Filosofia no Ensino Médio visa desenvolver o senso crítico dos alunos objetivando um cidadão preparado para

Leia mais

POR QUE PERDOAR É MELHOR DO QUE VINGAR?

POR QUE PERDOAR É MELHOR DO QUE VINGAR? POR QUE PERDOAR É MELHOR DO QUE VINGAR? Adilson Assis C. E. Estrada da Luz Março de 2013 TELENOVELAS FILMES LITERATURA A vingança no Judaísmo e no Cristianismo Código de Hamurabi (1780 a.c.), Babilônia:

Leia mais

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia

Processo Seletivo 2011-2 Filosofia Filosofia 1) Gabarito Final sem distribuição de pontos - Questão 1 A) De acordo com o pensamento de Jean-Jacques Rousseau, o poder soberano é essencialmente do povo e o governo não é senão depositário

Leia mais

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO Raquel Monteiro Alberto Moraes - Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) Renata Oliveira de Sousa- Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) A sociedade atual se encontra imersa

Leia mais

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2

O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS. MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 O PERMEAR HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO FÍSICA E SEUS DESAFIOS ATUAIS MORAIS, Suzianne 1 VILLELA, Pollyana 2 RESUMO: Este trabalho tem como propósito apresentar e analisar o percurso histórico e cultural que a

Leia mais

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência

1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência FILOSOFIA PARA CRIANÇAS 1. Investigação Filosófica construir o sentido da experiência O Prof. Dr. Matthew Lipman, filósofo e educador norte-americano, criou o Programa Filosofia para Crianças no final

Leia mais

ÉTICA APLICADA Ética e Moral

ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA APLICADA Ética e Moral ÉTICA é o ramo da filosofia dedicado aos assuntos morais, é ciência que se ocupa do estudo do comportamento humano e investiga o sentido que o homem confere às suas ações.

Leia mais

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com

GOULART *, Nelson PUCPR nelsongoulart@hotmail.com O EDUCADOR FILÓSOFO: DE COMO SAVIANI E MORAN DEMONSTRAM QUE A FILOSOFIA É A LIGAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE AS DIVERSAS DISCIPLINAS, HUMANIZANDO E SENDO PONTE ENTRE O DENTRO E O FORA, ENTRE O SINGULAR E O COMPLEXO

Leia mais

A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE

A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE A QUESTÃO DO CONHECIMENTO NA MODERNIDADE Maria Aristé dos Santos 1, Danielli Almeida Moreira 2, Janaina Rufina da Silva 3, Adauto Lopes da Silva Filho 4 ¹ Alunas do Curso de Licenciatura em Filosofia da

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM.

AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. AS CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA PIAGETIANA PARA O PROCESSO DE ENSINO- APRENDIZAGEM. Maria Rafaela de Oliveira Graduanda FECLESC/UECE Géssica Cryslânia da Silva Graduanda FECLESC/UECE Janete Rodrigues de Lima

Leia mais

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009.

CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. CHARLES, Sébastien. Cartas sobre a hipermodernidade ou O hipermoderno explicado às crianças. São Paulo: Barcarolla, 2009. 13 Marco Antonio Gonçalves * Num ensaio sobre nossa temporalidade qualificada como

Leia mais

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE)

FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) FILOSOFIA CLÁSSICA: SÓCRATES E PLATÃO (3ª SÉRIE) SÓCRATES (469-399 a.c.) CONTRA OS SOFISTAS Sofistas não são filósofos: não têm amor pela sabedoria e nem respeito pela verdade. Ensinavam a defender o que

Leia mais

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ

Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ CURRÍCULO: CONCEITOS BÁSICOS Centro de Estudos em Avaliação Educacional/UFRJ O termo currículo é encontrado em registros do século XVII, sempre relacionado a um projeto de controle do ensino e da aprendizagem,

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade

Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Notandum 14 http://www.hottopos.com CEMOrOC Feusp / IJI Univ. do Porto 2007 Considerações acerca da Fundamentação da Metafísica dos Costumes de I. Kant Liberdade, Dever e Moralidade Marcos Sidnei Pagotto

Leia mais

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO

ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO ALTERIDADE - IMPLICAÇÕES NA FORMAÇÃO DO ALUNO Hélio de Moraes e Marques 1 Resumo: O ensino da filosofia possui características muito peculiares quanto ao seu método. Refiro-me à exposição pelo professor

Leia mais

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL

Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Aluno(a): / / Cidade Polo: E-mail: CPF: Curso: ATIVIDADE AVALIATIVA ÉTICA PROFISSIONAL Preencha o GABARITO: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Observação: Nesta atividade há 10 (dez) questões de múltipla escolha. Para

Leia mais

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS DENTRO DA SALA DE AULA: INTERVINDO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO EDUCADOR

TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS DENTRO DA SALA DE AULA: INTERVINDO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO EDUCADOR TENDÊNCIAS PEDAGÓGICAS DENTRO DA SALA DE AULA: INTERVINDO NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO EDUCADOR Fabiana Aparecida Somavilla Keli Cristina Calisto, URI Luana Nunes Hauch, URI Rudinei Moreira, URI Silvia Regina

Leia mais

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com

Bom dia, Formar cidadãos éticos, com Gestão Pedagógica capa Por Carolina Mainardes carolina@humanaeditorial.com.br Bom dia, Escolas assumem o desafio de ensinar valores e formar cidadãos completos, em cenário que contempla famílias compenetradas

Leia mais

A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA

A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA A SISTEMATIZAÇÃO COLETIVA DO CONHECIMENTO NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM DE CINESIOTERAPIA Adriane Mazola de Araújo Perpetuo Pura Lúcia Oliver Martins PUCPR A preocupação com a formação profissional

Leia mais

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011

A ÉTICA DAS VIRTUDES. A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão. Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 A ÉTICA DAS VIRTUDES A ética e a moral: origem da ética As ideias de Sócrates/Platão Prof. Dr. Idalgo J. Sangalli (UCS) 2011 ETHOS Significado original do termo ETHOS na língua grega usual: morada ou abrigo

Leia mais

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem.

Palavras chaves: Pedagogia da alternância, Pedagogia empreendedora, formação profissional, ensino-aprendizagem. O PRINCÍPIO DA PEDAGOGIA EMPREENDEDORA NO CURSO TÉCNICO DE AGROPECUÁRIA, DA ESCOLA FAMÍLIA AGRÍCOLA DO PACUÍ. DARLENE DO SOCORRO DEL-TETTO MINERVINO DR. SANDRA REGINA GREGÓRIO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CULTURA NA PRÁTICA DIDÁTICA 1

A INFLUÊNCIA DA CULTURA NA PRÁTICA DIDÁTICA 1 A INFLUÊNCIA DA CULTURA NA PRÁTICA DIDÁTICA 1 PRETTO, Valdir 2 ; 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Professor do Curso de Pedagogia e do Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e de Matemática do

Leia mais

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo.

IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. IACR ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL PARA O REALISMO CRÍTICO XII CONFERÊNCIA INTERNACIONAL da IACR Texto de Priscila Silva Araújo. Rorty e o realismo como instrumento da emancipação humana Alguns filósofos 1

Leia mais

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE ENSINO (OU DE UNIDADES DIDÁTICAS) CONFORME A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL ( * )

A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE ENSINO (OU DE UNIDADES DIDÁTICAS) CONFORME A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL ( * ) A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE ENSINO (OU DE UNIDADES DIDÁTICAS) CONFORME A TEORIA DO ENSINO DESENVOLVIMENTAL ( * ) José Carlos Libâneo Raquel A. M. da Madeira Freitas http://professor.ucg.br/sitedocente/home/disciplina.asp?key=5146&id=3552

Leia mais

O EDUCAR SENSÍVEL E AS POSSIBILIDADES NO SÉCULO XXI. Palavras chave: Educação sensível; experiências; sensibilidade; humanização.

O EDUCAR SENSÍVEL E AS POSSIBILIDADES NO SÉCULO XXI. Palavras chave: Educação sensível; experiências; sensibilidade; humanização. 1 O EDUCAR SENSÍVEL E AS POSSIBILIDADES NO SÉCULO XXI BOTTEGA, Fernanda 1 RAFFAELLI, Alexandra Franchini 2 Palavras chave: Educação sensível; experiências; sensibilidade; humanização. 1 INTRODUÇÃO Sabe-se

Leia mais

A TÉCNICA RODÍZIO DE PAINÉIS

A TÉCNICA RODÍZIO DE PAINÉIS A TÉCNICA RODÍZIO DE PAINÉIS Oscar Medeiros Filho oscarfilho@usp.br AMAN/ AEDB RESUMO O mundo passa por um período de rápidas transformações socioculturais. Impulsionadas pelo crescimento exponencial do

Leia mais

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD

Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa. Karla Giacomin, MD, PhD Habilidades e competências no Cuidado à pessoa idosa Karla Giacomin, MD, PhD Roteiro Seminário Preâmbulo Envelhecimento ativo Cuidado Habilidades e competências Ferramentas da gestão 2003 Estatuto do

Leia mais

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO

ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: TEMA, PROBLEMATIZAÇÃO, OBJETIVOS, JUSTIFICATIVA E REFERENCIAL TEÓRICO PROF. ME. RAFAEL HENRIQUE SANTIN Este texto tem a finalidade de apresentar algumas diretrizes para

Leia mais

DISCIPLINA, O PRINCÍPIO DA EDUCAÇÃO EM KANT Leonardo de Ross Rosa i

DISCIPLINA, O PRINCÍPIO DA EDUCAÇÃO EM KANT Leonardo de Ross Rosa i DISCIPLINA, O PRINCÍPIO DA EDUCAÇÃO EM KANT Leonardo de Ross Rosa i Resumo O presente artigo busca mostrar a disciplina como o primeiro passo na educação kantiana, mas não apenas isso, pretende apresentar

Leia mais

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco.

Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia de sociedade de risco. VI Encontro Nacional da Anppas 18 a 21 de setembro de 2012 Belém - PA Brasil Filosofia da natureza, Teoria social e Ambiente Ideia de criação na natureza, Percepção de crise do capitalismo e a Ideologia

Leia mais

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL?

AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? AFETIVIDADE, PARA QUE TE QUERO NA EDUCAÇÃO INFANTIL? Jailza de Lima Oliveira (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Larissa Santos do Sacramento (UNEB - Bolsista PIBID/CAPES) Lucimara de Oliveira Soares (UNEB -

Leia mais

Palavras Chave: Formação de professores; Criança; Educação; Cuidado.

Palavras Chave: Formação de professores; Criança; Educação; Cuidado. FUNÇÃO SOCIAL DA INSTITUIÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL: A INTEGRAÇÃO NECESSÁRIA ENTRE EDUCAÇÃO E CUIDADO PARA UMA PRÁXIS PEDAGÓGICA EMANCIPATÓRIA Sandra Regina Mantovani Leite UEL sleite@uel.br Alonso Bezerra

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER

A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER A IMPORTÂNCIA DO ATO DE LER OLIVEIRA, Jucinéia Costa. Discente do curso de Pedagogia da FAHU/ACEG PELOZO, Rita de Cássia Borguetti. Docente da FAHU/ACEG E-MAIL: ritapelozo@itelefonica.com.br RESUMO: O

Leia mais

PROFESSOR PEDAGOGO. ( ) Pedagogia Histórico-Crítica. ( ) Pedagogia Tecnicista. ( ) Pedagogia Tradicional. ( ) Pedagogia Nova.

PROFESSOR PEDAGOGO. ( ) Pedagogia Histórico-Crítica. ( ) Pedagogia Tecnicista. ( ) Pedagogia Tradicional. ( ) Pedagogia Nova. PROFESSOR PEDAGOGO 41 - Identifique como V (verdadeira) ou F (falsa) as afirmativas abaixo, que tratam da atuação do professor pedagogo. ( ) Os professores pedagogos devem orientar, acompanhar e avaliar

Leia mais

Os dez mandamentos da ética

Os dez mandamentos da ética Os dez mandamentos da ética Gabriel Chalita Resumo do livro Os Dez Mandamentos da Ética de Gabriel Chalita, Ed. Nova Fronteira, 6ª impressão. A esperança é o sonho do homem acordado Aristóteles, citado

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL

COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL COMPORTAMENTO ÉTICO NA PROFISSÃO CONTÁBIL Osvaldo Américo de Oliveira Sobrinho Professor Universitário osvaldo.sobrinho@hotmail.com Ida Pereira Bernardo Rondon Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL

INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL INDISCIPLINA ESCOLAR E A RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO: UMA ANÁLISE SOB AS ÓTICAS MORAL E INSTITUCIONAL ZANDONATO, Zilda Lopes - UNESP GT: Educação Fundamental/nº 13 Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL COTIDIANO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Reflexão sobre aspectos da rotina nas creches e pré-escolas, tomando com motivação os desenhos de Francesco Tonucci e buscando apoio em alguns trabalhos teóricos significativos

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT

A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT A DISCIPLINA NA PEDAGOGIA DE KANT Celso de Moraes Pinheiro* Resumo: Através de uma análise das principais idéias de Kant sobre o conceito de disciplina, sobretudo os apresentados em seu texto, intitulado

Leia mais

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil.

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. Universidade Federal de Santa Catarina julianacmuller@hotmail.com Ficamos sabendo pelo narrador que as novas aventuras fizeram

Leia mais

A AFETIVIDADE NA RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

A AFETIVIDADE NA RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM A AFETIVIDADE NA RELAÇÃO PROFESSOR-ALUNO E SUA INFLUÊNCIA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DIAS, Priscila Dayane de Almeida priscila_dayane@hotmail.com ROSIN, Sheila Maria (Orientador) sheilarosin@onda.com.br

Leia mais

PROJETO DE ELEIÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE REPRESENTANTES DE TURMA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES 2011

PROJETO DE ELEIÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE REPRESENTANTES DE TURMA DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES 2011 COLÉGIO ESTADUAL DESEMBARGADOR JORGE ANDRIGUETTO. ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO, PROFISSIONAL E NORMAL. FORMAÇÃO DE DOCENTES 1 PROJETO DE ELEIÇÃO E ORGANIZAÇÃO DE REPRESENTANTES DE TURMA DO CURSO DE FORMAÇÃO

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO

O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ RESUMO O PSICÓLOGO (A) E A INSTITUIÇÃO ESCOLAR ¹ CORRÊA, D. M. W²; SILVEIRA, J. F²; ABAID, J. L. W³ 1 Trabalho de Pesquisa_UNIFRA 2 Psicóloga, graduada no Centro Universitário Franciscano (UNIFRA), Santa Maria,

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR: ÊNFASE PARA A ENGENHARIA CIVIL AIELLO GIUSEPPE ANTONIO NETO

APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR: ÊNFASE PARA A ENGENHARIA CIVIL AIELLO GIUSEPPE ANTONIO NETO APRENDIZAGEM NO ENSINO SUPERIOR: ÊNFASE PARA A ENGENHARIA CIVIL AIELLO GIUSEPPE ANTONIO NETO INTRODUÇÃO Há décadas tenho notado o alto índice de reprovação na área de engenharia civil, sobretudo em algumas

Leia mais

O caminho do sucesso FORMAÇÃO: AGORA E SEMPRE

O caminho do sucesso FORMAÇÃO: AGORA E SEMPRE 08 05 06 O caminho do sucesso Independente do que cada pessoa considera sucesso, trilhar uma trajetória vencedora depende de investir em uma sólida formação, da gestão eficiente da carreira e de construir

Leia mais

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro

Unidade I. Estrutura e Organização. Infantil. Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Unidade I Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil Profa. Ana Lúcia M. Gasbarro Introdução A disciplina Estrutura e Organização da Escola de Educação Infantil tem o objetivo de provocar reflexões

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE

AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE AUTOCONTROLE E EXPRESSIVIDADE EMOCIONAL: DESENVOLVENDO HABILIDADE DE SENTIR E EXPRESSAR-SE ANDRADE 1, Fernando C. B. de; SANTOS 2, Carmen S. G. dos; VASCONCELOS 3, Maria Helena Venâncio; Centro de Educação/Departamento

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: O Egoísmo. Palestrante: Amália Silveira. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Tema: O Egoísmo. Palestrante: Amália Silveira. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: O Egoísmo Palestrante: Amália Silveira Rio de Janeiro 22/01/1999 Organizadores da palestra: Moderador: Luno (nick: )

Leia mais

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS

FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS FILOSOFIA, EDUCAÇÃO E METODOLOGIA DE ENSINO EM COMENIUS Ursula Rosa da Silva 1 Resumo: Este trabalho vai ao encontro da proposta de temática deste seminário de pensar novas alternativas provenientes da

Leia mais

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006

Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Conhecimento - Kant e Númeno Teresa Simões FBAUL, 2006 Sumário Introdução 1 Desenvolvimento. 1 1. O Conhecimento.. 2 2. A sensação e percepção... 3 3. Kant e o conhecimento como actividade construtiva

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POSSÍVEIS DIÁLOGOS PARA PRÁTICA DO PROFESSOR

EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POSSÍVEIS DIÁLOGOS PARA PRÁTICA DO PROFESSOR 1 EDUCAÇÃO FÍSICA E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: POSSÍVEIS DIÁLOGOS PARA PRÁTICA DO PROFESSOR Pollyana de Macedo Villela ESEFFEGO/UEG Suzianne Morais ESEFFEGO/UEG RESUMO O presente trabalho apresenta possíveis

Leia mais

Fundamentos teóricos das Ciências Naturais

Fundamentos teóricos das Ciências Naturais Fundamentos teóricos das Ciências Naturais Autores Christiane Gioppo Marques da Cruz Lia Kucera Roseli Machado Vilma Maria Mascarenhas 2.ª edição 2009 2004-2009 IESDE Brasil S.A. É proibida a reprodução,

Leia mais

A ARTE DO BRINCAR. Metodologias para a arte educação. Rogério Barata Melo¹ Regia Lúcia Teixeira² RESUMO

A ARTE DO BRINCAR. Metodologias para a arte educação. Rogério Barata Melo¹ Regia Lúcia Teixeira² RESUMO A ARTE DO BRINCAR Metodologias para a arte educação Rogério Barata Melo¹ Regia Lúcia Teixeira² RESUMO O presente trabalho tem por objetivo mostrar as etapas da arte educação e suas especificidades. Uma

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA

UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA UMA PROPOSTA DE ENSINO DA PROBABILIDADE A PARTIR DO MÉTODO DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS E DA LUDICIDADE EM SALA DE AULA RESUMO José Jorge de Sousa; Francisco Aureliano Vidal Instituto Federal de Educação,

Leia mais

SEGUNDO S E T Ê N I O

SEGUNDO S E T Ê N I O SEGUNDO S E T Ê N I O Segundo Setênio O nascimento dos sentimentos Quando o corpo está estruturado e especialmente o cérebro bem formado, também os dentes de leite herdados são eliminados. Inicia-se a

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução

Teologia e Prática da Espiritualidade. Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades. Introdução Teologia e Prática da Espiritualidade Unidade 01: Espiritualidade e espiritualidades Introdução Esta primeira unidade se trata de uma tentativa de encontrar definições possíveis para a espiritualidade,

Leia mais

NOVAS HABILIDADES PARA O DEPARTAMENTO DE TI ORIENTADO A SERVIÇOS

NOVAS HABILIDADES PARA O DEPARTAMENTO DE TI ORIENTADO A SERVIÇOS NOVAS HABILIDADES PARA O DEPARTAMENTO DE TI ORIENTADO A SERVIÇOS Ser o líder de TI de uma empresa pode ser uma situação bem parecida com estar em uma plataforma de petróleo em chamas. O departamento de

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA

A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA A RELAÇÃO ENTRE ÉTICA E FELICIDADE: UMA PERCEPÇÃO DOS ALUNOS DE ENSINO MÉDIO E A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA RODRIGUES, Ederson Dias¹ ALVES, Marcos Alexandre.² ¹Acadêmico bolsista PIBID/CAPES ²Orientador

Leia mais

INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE

INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE 1 INFÂNCIA: DESAFIOS DA MODERNIDADE Silva, Claudia Maria Rinhel * Resumo: Há anos estamos na prática de orientação de pais em Programas Sociais de crianças e adolescentes no âmbito municipal e temos observado

Leia mais

A ESCOLA CULTURAL COMO RESPOSTA À DISPERSÃO E DESARTICULAÇÃO CURRICULAR. Ramiro Marques Instituto Politécnico de Santarém

A ESCOLA CULTURAL COMO RESPOSTA À DISPERSÃO E DESARTICULAÇÃO CURRICULAR. Ramiro Marques Instituto Politécnico de Santarém A ESCOLA CULTURAL COMO RESPOSTA À DISPERSÃO E DESARTICULAÇÃO CURRICULAR Ramiro Marques Instituto Politécnico de Santarém Passada quase uma década após a reorganização curricular dos 2º e 3º ciclos, que

Leia mais

O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas

O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO O Trabalho Docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas Vitória - ES A Carga de Trabalho dos Professores - Pode ser analisada

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA. A educação artística como arte de educar os sentidos CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO ARTÍSTICA Porto, Casa da Música, 29-31 de Outubro de 2007 A educação artística como arte de educar os sentidos Yolanda Espiña (Escola das Artes Universidade Católica Portuguesa)

Leia mais